OS ATIVOS INTANGÍVEIS E A LEGISLAÇÃO MUNDIAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS ATIVOS INTANGÍVEIS E A LEGISLAÇÃO MUNDIAL."

Transcrição

1 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E A LEGISLAÇÃO MUNDIAL. Existem diferentes definições de ativo intangível. Às vezes, o termo é usado de forma imprecisa, mas é definido com precisão nas normas contábeis. Em termos mais básicos, trata-se de um ativo que não é físico por natureza. Os exemplos abaixo, agrupados em três categorias, são itens que se enquadrariam tipicamente dentro da definição de. Por Gilson Nunes Resumo Executivo Este estudo abrange mais de empresas citadas em 25 países em um período de cinco anos. As empresas apresentaram um Valor Empresarial total de $36,2 trilhões no final de Deste total, $14,0 trilhões representavam Ativos Líquidos Tangíveis e $4,3 trilhões revelavam. Os restantes $17,9 trilhões apresentam valor não divulgado. O Valor Empresarial das companhias aumentou em $9,4 trilhões desde o final de 2001: desse aumento, $3,4 trilhões foram um aumento em, $1,3 trilhão um aumento em divulgados (incluindo fundo de comércio) e $4,7 trilhões em valor não divulgado. A publicidade é o setor mais intangível em termos globais, sendo todo seu valor intangível. Dos dez maiores setores, aqueles com a proporção mais alta de valor de ativo intangível são a mídia (91% de valor intangível) e farmacêuticos (89%). Inversamente, os setores mais tangíveis entre os dez maiores são os fabricantes de automóveis (80% de tangíveis), eletricidade (64% de tangíveis) e seguros e serviços bancários (53% e 42%, respectivamente). Dos países cobertos pelo estudo, a Suíça tem a maior proporção de valor total contabilizado como intangíveis. Isso é, em grande parte, conseqüência do país ser a sede de duas das maiores empresas farmacêuticas do mundo, Novartis e Roche, sendo os produtos farmacêuticos um dos setores mais intangíveis em termos globais. 48 THE BRANDER THE BRANDER 49

2 A Índia tem a segunda maior proporção de valor intangível, refletindo parcialmente o domínio do setor de software no mercado acionário indiano (três das dez grandes empresas citadas são empresas de software). Os cinco países com a maior proporção de seu valor composto de ativos tangíveis líquidos estão todos no Leste da Ásia (China, Coréia do Sul) ou Sudeste da Ásia (Malásia, Taiwan e Hong Kong). Uma vez mais, isso reflete parcialmente o mix dos setores desses países, com uma sub-representação dos setores mais intangíveis, como software, mídia e farmacêuticos. Na China, dois dos três principais setores são eletricidade e produtos químicos, ambos altamente tangíveis. A Coréia do Sul também têm vários setores industriais ou de utilidades (Eletricidade, Fabricação de Veículos, Metalurgia). Os países com o nível mais alto de valor ativo intangível divulgado são europeus. França (24% do valor empresarial total); Alemanha (19%); Reino Unido (17%); Itália (15%); e Holanda (14%). Isso reflete, parcialmente, o alto nível de aquisições por empresas nesses mercados em anos passados, resultando em um valor relativamente alto de fundo de comércio em seus balanços, bem como um alto nível de específicos, em particular licenças de 3G no setor de telecomunicações. Quase um quarto dos $36,2 trilhões do valor empresarial está concentrado nas 50 maiores empresas e cerca de metade nas 200 maiores empresas (4% do total). Quatro das maiores empresas no final de 2005 eram grandes empresas petrolíferas contra duas em Em 2001, cinco das 20 maiores eram empresas de telecomunicações. Nenhuma delas aparece hoje entre essas. Examinando os setores e empresas industriais, $2,0 trilhões do aumento do Valor Empresarial total desde 2001 vieram do setor bancário1, $1,4 trilhão do setor de gás e petróleo e $0,5 trilhão do setor de mineração. Por outro lado, o Valor Empresarial do setor de telecomunicações caiu em $0,4 trilhão e o do setor de produtos farmacêuticos em $0,15 trilhão. Fig. 1 O que é um ativo intangível? Existem diferentes definições de ativo intangível. Às vezes, o termo é usado de forma imprecisa, mas é definido com precisão nas normas contábeis. Em termos mais básicos, trata-se de um ativo que não é físico por natureza. Os exemplos abaixo, agrupados em três categorias, são itens que se enquadrariam tipicamente dentro da definição de ativos intangíveis. (1) Direitos: Locações, Contratos de Distribuição, Contratos de Emprego, Pactos, Arranjos de financiamento, Contratos de Fornecimento, Licenças, Certificações, Franquias. (2) Relacionamentos: Mão-de-obra Treinada e Reunida, Relacionamentos com os Clientes e Distribuição. (3) Propriedade Intelectual: Patentes, Direitos autorais, Marcas registradas, Tecnologia Proprietária (ex.: Fórmulas, Receitas, Especificações, Formulações, Programas de Fig Valor de Mercado das Empresas (Global) - $ bilhões, Valor Não-Divulgado Fundo de Comércio Divulgado Intangíveis Divulgados Inclui os setores Bancos e Serviços Financeiros Diversificados da Bloomberg. A maioria dos grandes grupos entre os anteriores são conhecidos por suas operações bancárias (ex.: Citigroup, JPM Chase, UBS) Treinamento, Estratégias de Marketing, Técnicas Artísticas, Listas de Clientes, Estudos Demográficos, Resultados de teste de produtos, Conhecimento dos Negócios - Fornecedores, Prazos de execução, Dados de custo e precificação, Segredos Comerciais e Knowhow). Além disso, existe o que é chamado às vezes de Ativos Intangíveis Não Identificados, incluindo fundo de comércio gerado internamente (ou valor de exploração/ Goodwill ). Esta é a diferença entre o valor justo de mercado de um negócio e o valor de seus ativos líquidos identificáveis. Embora não seja um ativo intangível em um sentido estrito (ou seja, um recurso controlado que deverá fornecer benefícios futuros - veja abaixo), este valor é tratado como um ativo intangível em uma combinação de negócios quando for convertido em fundo de comércio no balanço da companhia adquirente. Em termos contábeis, o ativo é definido como um recurso controlado pela entidade em questão e que deve trazer benefícios econômicos futuros a ela. A definição para ativo intangível da IASB (International Accounting Standards Board) requer que ele seja: Não-monetário Sem substância física Identificável Para ser identificável, deve ser separável (capaz de ser separado da entidade e vendido, transferido ou licenciado) ou deve surgir dos direitos legais ou contratuais, (independentemente desses direitos serem 50 THE BRANDER THE BRANDER 51

3 Categorias de segundo a IFRS 3 (International Financial Report Standard) Fig. 2 Relativo e marketing Marcas registradas, Nomes comerciais Relativo e clientes Listas de clientes* baseado em contrato ativos intagíveis Licenciamento, royalty acordos de moratória baseado com tecnologia Tecnologia patenteada Relativos a artes Peças, Operas e balés Norma Contábil Em vigor a partir Cobertura Fig. 3 eles próprios separáveis ). Portanto, os ativos intangíveis que podem ser reconhecidos em um balanço, segundo as normas internacionais para informações financeiras (IFRS), são apenas uma fração daqueles considerados, freqüentemente, como sendo em um sentido mais amplo. Fig. 2 Marcas de serviço, Marcas coletivas, Marcas de certificação Aparência visual do produto (cor exclusiva, forma, ou projeto de embalagens) Cabeçalhos de jornais Nomes de domínio na Internet Acordos não-concorrência Carteira de pedidos ou produção Contratos do cliente & relacionamento com cliente Relacionamento* com cliente não-contratual Publicidade, contratos de construção, administração, serviços ou fornecimento Contratos de locação Alvarás de construção Contratos de franquia Direitos operacionais e de transmissão Direitos de uso, tais como perfuração, água, ar, mineral, corte de madeira e autoridades viárias Contratos de serviços, tais como contratos de serviços hipotecários Contratos de Emprego Software de computador e projetos de circuitos integrados Tecnologia não-patenteada* Bases de dados* Segregados comerciais, tais como fórmulas secretas, processos, receitas Livros, revistas, jornais e outros trabalhos literários Obras musicais como composições, letras de canções e jingles publicitários Imagens e fotografias Material de vídeo e autovisual, incluindo filmes, música, vídeos, etc IAS 36: Deterioração de Ativos IAS 38: Ativos Intangíveis FAS 141: Combinações de negócios FAS 142: Fundo de comércio & Outros Ativos Intangíveis IFRS 3: Combinações de negócios sim não 01/07/ /07/1999 Qualquer combinação de negócios iniciada após 30/6/01 15/12/01 01/01/05 International International EUA EUA Internacional austrália, bélgica, Finlândia, França, alemanha, Hong Kong, itália, Fig. 4 Holanda,cingapura, áfrica do sul, áfrica, Espanha, suécia, Reino unido brasil, canadá, china, índia, Japão, malásia, méxic Rússia, coréia do sul, suíça, taiwan, Eua ta Informações Financeiras sobre Intangíveis Uma série de novas normas contábeis introduzidas em anos recentes apresentaram um impacto importante nas informações sobre nas contas de perdas e lucros do balanço. Fig. 3 Até 2001, nenhum país precisava de reconhecimento de adquiridos separadamente do fundo do comércio. A IFRS 3 agora exige que, na aquisição, os devem ser divulgados separadamente no balanço da empresa adquirente, desde que atendam aos critérios acima e se o valor do ativo intangível puder ser determinado de forma confiável (A FAS 141 introduziu a mesma exigência para as empresas estadunidenses quatro anos antes, em 2001). Em 2005, todas as empresas com ações em bolsa nos países da Comunidade Européia, bem como em muitos outros países, passaram para a IFRS. As empresas com ações em bolsa na maioria dos mercados fora dos Estados Unidos agora precisam divulgar as informações segundo a IFRS, mas há várias exceções notáveis, tais como o Japão, Coréia do Sul, Suíça, Canadá e importantes mercados da América do Sul. A tabela abaixo apresenta um resumo de quais países, daqueles incluídos neste relatório, exigem e não exigem atualmente que todas as empresas com ações em bolsa apresentem as informações segundo a IFRS.Fig. 4 * Não decorrem de direitos contratuais ou outros direitos legais, mas atendem à definição de ativo intangível, porque são separáveis ; todos os outros itens decorrem de direitos contratuais/legais As novas normas contábeis indicam que é provável que o valor dos aumentem no futuro. Os defensores do re- 52 THE BRANDER THE BRANDER 53

4 latório pelo valor justo acreditam que as modificações vão além e que todos os ativos e passivos intangíveis da companhia devem ser medidos regularmente pelo valor justo e declarados no balanço, incluindo intangíveis gerados internamente, como as marcas e patentes, desde que os métodos de avaliação e governança corporativa sejam suficientemente rigorosos. Alguns chegam ao ponto de sugerir que o fundo de comércio gerado internamente deve ser declarado no balanço pelo valor justo. Isso significa que a administração precisaria apresentar sua própria estimativa do valor do negócio a cada fim de ano, juntamente com as suposições de apoio. Todavia, o consenso internacional atual é que, em geral, os gerados internamente não devem ser reconhecidos no balanço. Segundo a IFRS, determinados devem ser reconhecidos, mas apenas se eles estiverem na fase de desenvolvimento (em oposição a pesquisa ), com condições, por exemplo, sobre a viabilidade técnica e a intenção e a capacidade de completar e usar o ativo. Fundo de comércio gerado internamente, bem como marcas, cabeçalhos, títulos de publicação, listas de clientes e itens similares em substância e gerados internamente não podem ser reconhecidos. maior transação corporativa já realizada. 27% do valor intangível no negócio foi alocado a ativos específicos, a maior parte franquias de televisão a cabo e esportes e 73% do valor intangível foi alocado ao fundo de comércio. Fig. 7 A locação Básica do Preço de Compra Gillette $bilhões Preço de compra 53,4 Ativos Fixos de Tangíveis 4,5 Marcas 25,6 Patentes e tecnologia 2,7 Relacionamentos com os clientes 1,4 Ativos Intangíveis Totais 29,7 Capital de Giro 0,6 Passivo de Longo Prazo (16,2) Fundo de C omércio Residua l 34,9 Fig. 5 Divisão da Avaliação da Procter & Gamble Fig. 6 antes e depois do negócio Gillette ($ bilhões) Fig Valor Empresarial da Time Warner vs. Ativos Líquidos ($ bilhões) 2006 Valor não divulgado Fundo de Comércio Divulgado Marcas Registradas & Outros Ativos Intangíveis (pré-gillette) Ativos Tangíveis Patentes & Tecnologia Marcas (pós-gillette) Relacionamento com os Clientes Fig. 8 Estudos de Caso (1) Procter & Gamble / Gillette P&G completou sua aquisição da Gillette por $53,4 bilhões, a maior transação corporativa no setor de bens de consumo, em outubro de A tabela abaixo apresenta a alocação básica do preço de compra da Gillette, mostrando que 40% do valor total dos intangíveis foi atribuído às marcas da Gillette. Fig. 5 e Fig. 6 (2) AOL / Time Warner A Fusão Time Warner e AOL ocorreu em O negócio foi estruturado como uma aquisição da Time Warner por $147 bilhões, a Em 2002, após a fusão, o grupo divulgou a maior perda da história empresarial, em conseqüência de encargos de $ 100 bilhões, em grande parte relativos à redução do valor contábil da maior parte dos $128 bilhões do fundo de comércio que surgiu da fusão. A introdução da FAS 142 exigiu que o fundo de comércio e outros intangíveis fossem avaliados quanto à deterioração. Durante o primeiro trimestre de 2002, a AOL Time Warner fez um exame inicial da deterioração e declarou despesas de $ 54,2 bilhões para a deterioração do fundo de comércio, sendo que a maior parte surgiu da fusão de Durante o quarto trimestre, realizou o exame da deterioração anual, levando a um encargo adicional de $45,5 bilhões. Fig. 8 A locação do Preço de Compra $billhões Preço de compra 146,6 Ativos Líquidos Tangíveis (28,7) Bibliotecas para televisão e filmoteca 2,6 Direitos autorais p/ catálagos de música 2,5 Franquias de TV & Esportes 31,7 Marcas e Marcas Registradas 10,0 Ativos Intagíveis Totais 46,8 Fundo de Comércio & Outros Intangíveis 128, Valor Empresarial Ativos Intangíveis Fundo de Comércio 54 THE BRANDER THE BRANDER 55

5 (3) Vodafone / Mannesmann Em 2000, no auge das empresas de telecomunicações, no boom do mercado de ações de tecnologia e mídia ( TMT ), Vodafone adquiriu a Mannesmann por 101 bilhões. Segundo as normas contábeis para a Vodafone na época (GAAP do Reino Unido), o grupo não reconhecia específicos. Todo o excesso do preço acima do valor do ativo líquido tangível foi alocado para fundo de comércio. Fig. 9 Vodafone também pagou 13 bilhões por licenças de 3G durante os anos de 2001 e 2002, que foram capitalizadas como ativos intangíveis em seu balanço. Desde o ano 2000, as ações da Vodafone foram negociadas consistentemente com desconto em relação a seu valor líquido informado. Ocorreu uma redução de valor contábil de 10 bilhões em relação a seus (na maior parte, fundo de comércio) em 2005 e um adicional de 28 bilhões (novamente, na maior parte, fundo de comércio) em Suas licenças de 3G permaneceram em seu balanço em torno do mesmo nível. As reduções de valor contábil trouxeram o valor dos ativos líquidos da Vodafone para próximo de seu valor de mercado, mas as ações são ainda negociadas com um desconto significativo. Fig. 10 Concluindo: Análise dos Setores Globais O setor bancário, de longe o maior setor em termos globais, com mais que o dobro do valor do segundo maior setor (petróleo & gás) viu ocorrer o maior aumento em seu Valor Empresarial total dos últimos quatro anos: $2.054 bilhões. Deste valor, $1.187 bilhões procedem do aumento de valor dos intangíveis e $867 bilhões do crescimento de seu valor de ativos líquidos tangíveis. O setor de petróleo & gás viu o segundo maior aumento de seu valor, $1.390 bilhões, ancorado no aumento triplicado do preço do petróleo durante o período. Do aumento, $937 bilhões veio do valor dos intangíveis e $453 bilhões do valor dos ativos líquidos tangíveis. O setor de mineração teve o terceiro aumento de valor durante o período coberto, $506 bilhões - mais que o dobro de seu valor - em conseqüência do rápido aumento nos preços das commodities. Novamente, a maior parte da renda feito do valor dos intangíveis: $389 bilhões contra $116 bilhões do valor dos ativos líquidos tangíveis. O valor do setor de eletricidade aumentou em $481 bilhões ($304 bilhões intangíveis; $177 bilhões tangíveis), devido ao aumento de preços e lucros, bem como preços de ações elevados, graças a um alto nível de atividade de fusões e aquisições. A Oferta Pública Inicial da EDF em 2005 adicionou $100 bilhões de Valor Empresarial para o setor. O setor de seguros foi o ganhador seguinte, mas diferentemente dos outros grandes ganhadores, a maior parte de seu aumento de $472 bilhões de valor veio do crescimento de seu valor de ativo líquido tangível ($333 bilhões), devido à forte recuperação nos mercados acionários globais, sendo as companhias de seguro as principais detentoras de ações. Os grandes perdedores no período coberto foram os setores de telecomunicações e farmacêutico, cujos valores caíram em $382 bilhões e $149 bilhões, respectivamente, ambos principalmente em decorrência de uma queda no valor intangível, com pouca alteração nos ativos líquidos tangíveis de ambos os setores. Os terceiro e quarto grandes perdedores foram o de semicondutores (-$77 bilhões) e computadores (-$76 bilhões). Ambos foram muito afetados por empresas individuais, com a queda de $64 bilhões no Valor Empresarial da Intel e a queda de $90 bilhões no Valor Empresarial da IBM, influenciando consideravelmente os resultados dos setores de semicondutores e computadores, respectivamente. Gilson Nunes é sócio e CEO da Brand Finance América do Sul e Superbrands Brasil e Chile. Co-autor com David Haigh do livro Marca, Valor do Intangível, Editora Atlas. A locação do Preço de Compra bilhões Preço de compra 101,4 Ativo Fixo Tangível 3,8 Investimentos 0,4 Capital de Giro 21,8 Obrigações de Longo Prazo (6,4) Minorias (0,5) Outros ajustes (0,7) Ativos Líquidos Tangíveis 18,4 Fundp de Comércio 83,0 Fig. 9 Valor Empresarial da Vodafone vs. Ativos Líquidos ($ bilhões) Ativos Intangíveis Fundo de Comércio Fig THE BRANDER THE BRANDER 57

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

FASHION LAW Avaliação de Marcas na indústria da Moda

FASHION LAW Avaliação de Marcas na indústria da Moda FASHION LAW Avaliação de Marcas na indústria da Moda Ana Cristina França de Souza ANEFAC Rio Diretoria de Inovação Diretor Executivo: César D. Carvalho 1 Melhor solução (funcional, conceitual, emocional)

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II Profº Alex Barborsa Natal, 15 de abril de 2014 Ativo intangível IAS 38 CPC 04 Principais Pontos tratados pela IAS 38 1. Natureza; 2. Reconhecimento; 3. Mensuração; 4.

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 04. Ativo Intangível

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 04. Ativo Intangível Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 04 Ativo Intangível Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Avaliação de Intangíveis Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Brasília 2014 Conceitos básicos em Combinação de negócios (CPC 15 / IFRS 13) A definição de ativo intangível

Leia mais

Uberlândia / MG, maio de 2010.

Uberlândia / MG, maio de 2010. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS 1 TEORIA DA CONTABILIDADE ATIVO INTANGIVEL Uberlândia / MG, maio de 2010. Paulo Cesar da Silva ATIVO INTANGIVEL: FUNDAMENTO LEGAL 2 De acordo com o art. 179, inciso

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas Tema: As Marcas e o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Orador: Pedro Aleixo Dias Senior Partner da BDO Membro da Comissão Executiva

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 04 (R1) ATIVO INTANGÍVEL Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 38 (IASB BV2010) Sumário OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 38 ÍNDICE Conteúdo Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2-7 DEFINIÇÕES 8-17

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Arrendamento Mercantil: Leasing

Arrendamento Mercantil: Leasing Contabilidade Avançada Arrendamento Mercantil: Leasing Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 17 Leases No CPC: CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Fundamentação no Brasil:

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo IFRS 13 Mensuração do Valor Justo Determinação do Valor Justo Ativos Intangiveis 16 setembro 2013 Adoção do Valor Justo/Avaliação de Intangíveis EUA 2001 -FAS 141, Business Combinations (agora ASC 805)

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN Danilo Bezerra Araújo 1 UFRN José Leão Lopes de Macedo Ferreira 2 UFRN Megaron Montanaro Batista de Macedo

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo

Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo levinglobal.com Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS E INTANGÍVEIS ENVOLVIDOS NAS TRANSAÇÕES Março 2012 Balanço Geral da empresa Ativos Passivo e Patrimônio

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB PAULO SCHMIDT Contador CRCRS 45.222 Rua Mariland, 1002, 30 Porto

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Filosofia e Conceitos

Filosofia e Conceitos Filosofia e Conceitos Objetivo confiabilidade para o usuário das avaliações. 1. Princípios e definições de aceitação genérica. 2. Comentários explicativos sem incluir orientações em técnicas de avaliação.

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 09 para ITG 09 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 7 para NBC TG

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por:

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para:

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para: NBC TSP 13 - Operações de Arrendamento Mercantil Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer, para arrendatários e arrendadores, políticas contábeis e divulgações apropriadas a aplicar em relação

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Desafio não menos importante para empresas, contadores, controllers, diretores financeiros e auditores!!

Desafio não menos importante para empresas, contadores, controllers, diretores financeiros e auditores!! Seminário BNDES IFRS Um Caminho para a Transparência* 30 de abril de 2008 *connectedthinking A adoção das IFRS no Brasil representa! O maior evento societário desde a Lei 6404! Desafio não menos importante

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Paulo Antônio Pereira IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Relatório apresentado à disciplina Contabilidade em Moeda Constante e Conversão das Demonstrações Contábeis para Moeda

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

CODIM MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016 A 29/02/2016

CODIM MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016 A 29/02/2016 CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP - ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD - ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Base de dados

4 Metodologia. 4.1. Base de dados 4 Metodologia O objetivo deste capítulo é explicar os procedimentos adotados para a coleta e tratamento dos dados. Utilizou-se a metodologia apresentada por PEREIRO, L.E. (2001) para a determinação do

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais