Conteúdo. Disciplina: INF Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo"

Transcrição

1 Universida Feral do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento Informática Disciplina: INF Prof.: Conteúdo 1. Introdução 2. Processo Software 3. Gerência Projetos Software 4. Gerência da Qualida 6. Projeto Sistema 7. Implementação e Testes 8. Entrega e Manutenção 1

2 Atividas do processo software Atividas Gerência espinha dorsal do senvolvimento do software Atividas Desenvolvimento Produto Software Atividas Garantia da Qualida Especificação e Análise dos Projeto Implementação e Teste Unida Testes Entrega e Implantação Que requisitos o software ve atenr? Especificação e Análise dos Projeto Implementação e Teste Unida Testes Entrega e Implantação Quem são os envolvidos? Quais são suas necessidas em relação ao software? Mas... O que é um requisito? 2

3 Os requisitos um sistema finem o que o sistema ve fazer e as circunstâncias sob as quais ve operar. Ou, em outras palavras... São as funções que um sistema ve incorporar e as restrições que vem ser satisfeitas. Tipos Funcionais: apontam as funções que o sistema ve fornecer e como o sistema ve se comportar em terminadas situações. Ex.: O sistema ve registrar locações, indicando o cliente, os itens locados, a data da locação, a data volução e o valor da locação. Não Funcionais: screvem restrições sobre as funções oferecidas, tais como restrições tempo, uso recursos etc. Alguns requisitos não funcionais dizem respeito ao sistema como um todo e não a funcionalida específica. Ex.: A consulta ao acervo da locadora ve estar disponível pela Internet, a partir dos principais navegadores disponíveis no mercado. (requisito portabilida) 3

4 Processo Engenharia a) Levantamento (ou Elicitação) b) Análise Definem O QUÊ o software ve fazer. c) Documentação d) Verificação e Validação e) Gerência Tratados pela Documentação, Garantia da Qualida e Gerência Configuração a) Levantamento ou Elicitação É uma ativida complexa que não se resume somente a perguntar às pessoas o que elas sejam e também não é uma simples transferência conhecimento. Algumas técnicas: entrevistas, questionários, prototipação, investigação documentos, observação, dinâmicas grupo etc. Importante: Enfoque em uma visão do cliente / usuário. Ainda não se está procurando finir a estrutura interna do sistema, mas sim procurando saber que funcionalidas o sistema ve oferecer ao usuário e que restrições elas vem satisfazer. 4

5 b) Análise Enfoca a estrutura interna do sistema (procura finir o que o sistema tem ter internamente para tratar aquadamente os requisitos levantados). É uma ativida construção molos. Um molo é uma representação alguma coisa do mundo real, uma abstração da realida, e, portanto, representa uma seleção características do mundo real relevantes para o propósito do sistema em questão. Molos são fundamentais no senvolvimento sistemas. Tipicamente eles são construídos para: possibilitar o estudo do comportamento do sistema; facilitar a comunicação entre os componentes da equipe senvolvimento e clientes e usuários; possibilitar a discussão correções e modificações com o usuário; formar a documentação do sistema. No caso do senvolvimento sistemas, geralmente, são consirados três níveis abstração: conceitual, lógico e físico. 5

6 Para realizar a Análise, é preciso escolher o paradigma senvolvimento a ser seguido. Paradigmas senvolvimento estabelecem a forma se ver o mundo e, portanto, finem as características básicas dos molos a serem construídos. Por exemplo: Paradigma Estruturado: adota uma visão senvolvimento baseada em um molo entrada-processamento-saída. No paradigma estruturado, os dados são consirados separadamente das funções que os transformam e a composição funcional é usada intensamente. Paradigma Orientado a Objetos: parte do pressuposto que o mundo é povoado por objetos, ou seja, a abstração básica para se representar as coisas do mundo são os objetos. O Paradigma Orientado a Objetos O mundo é visto como sendo composto por objetos, on um objeto é uma entida que combina estrutura dados e comportamento funcional. Carro Pessoa Turma 6

7 Princípios da Orientação a Objetos a) Abstração Visão simplificada algo, on apenas os elementos relevantes são consirados. b) Encapsulamento Separação dos aspectos externos um objeto, acessíveis por outros objetos, seus talhes internos implementação, que ficam ocultos dos mais objetos. Abstração e encapsulamento são conceitos complementares: enquanto a abstração enfoca o comportamento observável um objeto, o encapsulamento oculta a implementação que origina esse comportamento. 7

8 c) Modularida Obtenção sistemas compostos em um conjunto módulos coesos e fracamente acoplados. Conceitos da Orientação a Objetos a) Objetos: entidas que interagem entre si, on cada uma las sempenha um papel específico. O carro do João João b) Classes: screvem um conjunto objetos com as mesmas propriedas (atributos e associações) e o mesmo comportamento (operações). Objetos são instâncias das classes Carro Pessoa Carro A Carro C João Cecy Carro B Maria 8

9 c) Ligações e Associações: relacionamentos entre objetos e classes (respectivamente). Pessoa possui Carro João possui Carro A d) Herança: screvem um conjunto objetos com as mesmas propriedas (atributos e associações) e o mesmo comportamento (operações). Carro superclasse (classe mãe) subclasse (classe filha) Hatch Sedã Esportivo e) Mensagens e Métodos: forma comunicação entre os objetos. obtercarro (João) Carro = João Carro A Carro B Carro C Carro A d) Classes e Operações Abstratas: classes que não possuem instância e operações que não são implementadas nas classes (são apenas assinatura). Pessoa classe abstrata obterregistroferal poria ser uma operação abstrata Pessoa Física Pessoa Jurídica 9

10 Levantamento e Registro são levantados junto ao cliente e por meio diversas técnicas (entrevistas, questionários, prototipação, investigação documentos, observação, dinâmicas grupo etc) Os requisitos vem ser registrados. Introdução Molo Casos Uso Documento Introdução Propósito do Sistema Descrição do Minimundo Documento Especificação Molo Conceitual Estrutural Molos Dinâmicos Dicionário do Projeto do Usuário Entendível pelo usuário Não mais entendível pelo usuário comum. É voltado para a equipe do projeto. Documento Introdução (contém a organização do documento) Documento Exemplo*: Este documento apresenta os requisitos usuário para a informatização da Vío Locadora Passatempo. Essa ativida foi conduzida por meio da realização entrevistas com cliente e usuários. Este documento está organizado da seguinte forma: a seção 2 contém uma scrição do propósito do sistema; a seção 3 apresenta uma scrição do minimundo apresentando o problema; e a seção 4 apresenta a lista requisitos usuário levantados junto ao cliente. Propósito do Sistema (contém o propósito do sistema scrito forma bastante objetiva tipicamente, em um parágrafo) Exemplo: A víolocadora necessita um sistema informação para apoiar a realização suas atividas principais, a saber: empréstimo e volução itens e reserva filmes. Para que essas atividas sejam apoiadas, é necessário controlar as informações acerca filmes e clientes, ntre outros. Além disso, vem ser fornecidas facilidas consulta ao acervo da locadora, permitindo consultas por diversas informações dos filmes. Fonte: Página da disciplina Projeto Sistemas do prof. Ricardo Almeida Falbo, 2011/01 (http://www.inf.ufes.br/~falbo/no/10). 10

11 Descrição do Minimundo (visão geral do domínio, do problema a ser resolvido, bem como as principais iias do cliente sobre o sistema a ser senvolvido) Documento Exemplo*: A Vío Locadora Passatempo seja um sistema informação para gerenciar o atendimento aos seus clientes. O negócio principal da locadora é a locação víos (ou filmes). De um dado filme, a locadora po possuir vários itens, em diferentes mídias, tais como DVD, VHS, Blu-Ray, HD-DVD. Os filmes são classificados nos seguintes gêneros: ação, animação, aventura, comédia, documentário, drama, ficção, guerra, musical, policial, romance, suspense e terror. Além disso, a locadora faz distinção entre filmes catálogo e lançamentos. Os valores padrão das locações são dados pelo tipo mídia do item sendo locado. Atualmente, são cobrados os seguintes valores: DVD, VHS e HD-DVD R$ 5,00; Blu-Ray R$ 7,50, sendo que lançamentos têm um acréscimo 50% nos valores acima mencionados. O prazo para volução é um dia para lançamentos e três dias para filmes do catálogo. Contudo, o valor a ser efetivamente pago e a data volução prevista um item locado pom ser alterados pelo atennte da locadora para aplicar scontos individualizados ou ampliar prazos volução. ( ) Usuário (requisitos usuário em linguagem natural) Três tipos requisitos vem ser registrados: Documento Funcionais (o que o sistema ve fazer?) ( ) 11

12 Regras Negócio (regras que vem ser obecidas pelo sistema) Documento ( ) Tipos regras negócio Fatos ou invariantes Ex.: Todo pedido tem uma taxa remessa. Documento Restrições Ex.: Um aluno só po tomar emprestado, concomitantemente, um a três livros. Ativadores Ações Ex.: Se a data para retirada do livro é ultrapassada e o livro não é retirado, então a reserva é cancelada. Inferências Ex.: Se o usuário não volve um livro ntro do prazo estabelecido, então ele torna-se um usuário inadimplente. Computações Ex.: Aplica-se um sconto progressivo se mais do que 10 unidas forem adquiridas. De 10 a 19, o sconto é 10%. Acima 19, o sconto é 25%. 12

13 Restrições Integrida em Molos Dados (também são regras negócio) Molo: Documento Significa que: (i) um aluno cursa um curso (ii) um aluno po se matricular em nenhuma ou várias turmas (iii) um curso possui um conjunto disciplinas em sua matriz curricular (iv) uma turma é uma disciplina específica. Restrição integrida: Um aluno só po ser matricular em turmas disciplinas que compõem a gra curricular do curso que esse aluno cursa. Não Funcionais (tipicamente, restrições a serem obecidas em relação a: segurança, portabilida, sempenho, usabilida, interoperabilida, ) Documento ( ) 13

14 Como escrever requisitos? Diretrizes gerais: Documento - Intificar os requisitos pelo seu tipo e número (ex.: RF01, RNF02, RN05) - Usar frases do tipo: O sistema ve. (função ou característica requerida) O sistema po.. (função ou característica sejada) O sistema não ve - Escrever frases completas, com a gramática, ortografia e pontuação correta. Procurar manter frases e parágrafos curtos e diretos. - Usar os termos consistentemente. Defina-os em um glossário. - Preferir a voz ativa (o sistema ve fazer alguma coisa) à voz passiva (alguma coisa ve ser feita). - Sempre que possível, intificar o tipo usuário. Ex.: se o usuário no caso for o caixa do banco, indicar claramente o caixa do banco ve [...]. Documento - Evitar termos vagos, que conduzam a requisitos ambíguos e não testáveis, tais como rápido, aquado, fácil usar etc. - Escrever requisitos em um nível consistente talhe. - Escrever requisitos individualmente testáveis. Um requisito bem escrito ve permitir a finição um pequeno conjunto testes para verificar se o requisito foi corretamente implementado. - Evitar longos parágrafos narrativos que contenham múltiplos requisitos. Divida um requisito sta natureza em vários menores. 14

15 Observações sobre as Regras Negócio Documento - Ao contrário requisitos funcionais e não funcionais, regras negócio não são passíveis serem capturadas por meio perguntas simples e diretas, tal como Quais são suas regras negócio? - Normalmente surgem quando está se tentando entenr os requisitos. - Muitas só vão surgir quando os requisitos forem talhados. - Algumas questões que pom ajudar: Políticas: Por que é necessário fazer isso sse jeito? Regulamentações: O que o governo requer? Fórmulas: Como este valor é calculado? Molos Dados: Como essas entidas dados estão relacionadas? Ciclo Vida Objetos: O que causa uma mudança no estado sse objeto? Decisões Atores: O que o usuário po fazer a seguir? Decisões Sistema: Como o sistema sabe o que fazer a seguir? Eventos: O que po (e não po) acontecer? Documento Especificação Documento Especificação Introdução: breve introdução ao documento, screvendo seu propósito e estrutura. Molo Casos Uso: apresenta o molo casos uso do sistema, incluindo os diagramas casos uso e as scrições casos uso associadas. Molo Estrutural: apresenta o molo estrutural do sistema, incluindo os diagramas classes do sistema. Molo Dinâmico: apresenta os molos comportamentais dinâmicos do sistema, incluindo os diagramas estados, diagramas interação e diagramas atividas. Dicionário do Projeto: apresenta as finições dos principais conceitos capturados pelos diversos molos e restrições integrida a serem consiradas, servindo como um glossário do projeto. 15

16 Divisão um Sistema em Subsistemas Documento Especificação Diagrama Pacotes Mostra a composição um sistema (ou molo) em unidas menores e suas pendências. Molagem Casos Uso Diagramas Casos Uso são diagramas que mostram os potenciais usuários do sistema (atores) e as funcionalidas que lhes são úteis (casos uso). Ator 1 Caso Uso 1 Caso Uso 2 Casos uso representam funcionalidas requeridas externamente. Um usuário é uma pessoa que utiliza o sistema, enquanto um ator representa um papel específico que um usuário po sempenhar. A associação entre um ator e um caso uso indica que o ator e o caso uso se comunicam entre si, cada um com a possibilida enviar e receber mensagens. Descrições dos Casos Uso: para cada caso uso molado nos Diagramas Casos Uso ve haver uma scrição especificando o comportamento do sistema. 16

17 Notação Básica Casos Uso Atores Associações Um exemplo diagrama casos uso 17

18 Descrição Casos Uso Nome: nome do caso uso, capturando a sua essência. Escopo: nome do sistema / subsistema do qual o caso uso faz parte. Propósito: uma scrição sucinta do caso uso, screvendo o objetivo do caso uso. Ator : nome do ator. Pré-condições: o que ve ser verdairo antes da execução do caso uso. Pós-condições: o que ve ser verdairo após a execução do caso uso, consirando que o fluxo eventos normal é realizado com sucesso. Fluxo Eventos Normal: screve os passos do caso uso realizados em situações normais. Fluxo Eventos Alternativos: screve formas alternativas realizar certos passos do caso uso (fluxos variantes e fluxos exceção) Relacionados: listagem dos intificadores dos requisitos (funcionais, não funcionais e regras negócio) tratados pelo caso uso Classes / Entidas: classes necessárias para tratar o caso uso sendo scrito. Um exemplo scrição caso uso (com scrição do fluxo em texto corrido) Nome: Efetuar Saque Escopo: Sistema Caixa Automático Propósito: Este caso uso permite que um cliente do banco efetue um saque, retirando dinheiro sua conta bancária. Ator : Cliente Pré-condições: O caixa automático ve estar conectado ao sistema bancário. Pós-condições: O saque é efetuado, bitando o valor da conta do cliente e entregando o mesmo valor para o cliente em espécie. Fluxo Eventos Normal O cliente insere seu cartão no caixa automático, que analisa o cartão e verifica se ele é aceitável. Se o cartão é aceitável, o caixa automático solicita que o cliente informe a senha. O cliente informa a senha. O caixa automático envia os dados do cartão e da senha para o sistema bancário para validação. Se a senha estiver correta, o caixa solicita que o cliente informe o tipo transação a ser efetuada. O cliente seleciona a opção saque e o caixa solicita que seja informada a quantia. O cliente informa a quantia a ser sacada. O caixa envia uma requisição para o sistema bancário para que seja efetuado um saque na quantia especificada. Se o saque é autorizado, as notas são preparadas e liberadas. Fluxos Eventos Exceção O cartão não é aceitável: Se o cartão não é aceitável, seja porque sua tarja magnética não é passível leitura seja porque é um tipo incompatível, uma mensagem erro leitura é mostrada. Senha incorreta: Se a senha informada está incorreta, uma mensagem é mostrada para o cliente que porá entrar com a senha novamente. Caso o cliente informe três vezes senha incorreta, o cartão verá ser bloqueado. Saque não autorizado: Se o saque não for aceito pelo sistema bancário, uma mensagem erro é exibida e a operação é abortada. Não há dinheiro suficiente disponível no caixa eletrônico: Uma mensagem erro é exibida e a operação é abortada. Cancelamento: O cliente po cancelar a transação a qualquer momento, enquanto o saque não for autorizado pelo sistema bancário. Relacionados: RF01, RN01, RNF01, RNF02 Classes: Cliente, Conta, Cartão, Transação, Saque. 18

19 Um exemplo scrição caso uso (com scrição do fluxo forma enumerada) Nome: Efetuar Saque ( ) Fluxo Eventos Normal 1. O cliente insere seu cartão no caixa automático. 2. O caixa automático analisa o cartão e verifica se ele é aceitável. 3. O caixa automático solicita que o cliente informe a senha. 4. O cliente informa a senha. 5. O caixa automático envia os dados do cartão e da senha para o sistema bancário para validação. 6. O caixa automático solicita que o cliente informe o tipo transação a ser efetuada. 7. O cliente seleciona a opção saque. 8. O caixa automático solicita que seja informada a quantia. 9. O cliente informa a quantia a ser sacada. 10. O caixa automático envia uma requisição para o sistema bancário para que seja efetuado um saque na quantia especificada. 11. As notas são preparadas e liberadas. Fluxos Eventos Exceção 2a O cartão não é aceitável: Se o cartão não é aceitável, seja porque sua tarja magnética não é passível leitura seja porque é um tipo incompatível, uma mensagem erro leitura é mostrada e se retorna ao passo 1. 5a Senha incorreta: 5a.1 1ª e 2ª tentativas: Uma mensagem erro é mostrada para o cliente. Retornar ao passo 3. 5a.2 3ª tentativa: bloquear o cartão e abortar a transação. 10a - Saque não autorizado: Uma mensagem erro é exibida e a operação é abortada. 11a - Não há dinheiro suficiente disponível no caixa eletrônico: Uma mensagem erro é exibida e a operação é abortada. 1 a 9: Cancelamento: O cliente po cancelar a transação, enquanto o saque não for autorizado pelo sistema bancário. A transação é abortada. ( ) Um exemplo fluxos variantes Nome: Efetuar Compra Fluxo Eventos Normal (...) 6. De posse do valor a ser pago, o atennte informa a forma pagamento. 7. Efetuar o pagamento: 7a. Em dinheiro 7b. Em cheque 7c. Em cartão 8. O pagamento é registrado. Fluxos Eventos Variantes 7a Pagamento em Dinheiro: 7a.1 O atennte informa a quantia em dinheiro entregue pelo cliente. 7a.2 O sistema informa o valor do troco a ser dado ao cliente. 7b Pagamento em Cheque: 7b.1 O atennte informa os dados do cheque, a saber: banco, agência, conta e valor. 7c Pagamento em Cartão: 7c.1 O atennte informa os dados do cartão e o valor da compra. 7.c.2 O sistema envia os dados informados no passo anterior, junto com a intificação da loja para o serviço autorização do Sistema Operadoras Cartão Crédito. 7c.3 O Sistema Operadoras Cartão Crédito autoriza a compra e envia o código da autorização. 19

20 Outras formas screver Casos Uso Casos Uso Cadastrais (também chamados CRUD : Create, Read, Update and Delete) Formato: Exemplo: Casos Uso Consultas Formato: Exemplo: 20

21 Demais Casos Uso Formato: (exemplo) 21

22 (continuação exemplo) Relacionamentos entre Casos Uso Inclusão O comportamento finido no caso uso inclusão é incorporado ao comportamento do caso uso base. 22

23 Características Gerais da Inclusão Usada para extrair um comportamento comum a vários casos uso em uma única scrição, evitando que esse comportamento precise ser scrito repetidamente. O caso uso base sabe que um comportamento outro caso uso será incorporado a ele. É ele quem chama o caso uso incluído. Um caso uso incluído po ser executado ntro outro (o caso uso base) ou po ser executado sozinho. Análoga à utilização uma subrotina na programação. Extensão O comportamento finido no caso uso extensão po ser inserido ntro do comportamento finido no caso uso base. ou 23

24 Características Gerais da Extensão Usada para extrair um comportamento que, normalmente, só ocorre se uma terminada condição for satisfeita. O caso uso extensão é geralmente um fragmento, ou seja, ele não aparece sozinho como uma sequência comportamentos. Diz-se que o caso uso base apenas sabe que existe um ponto extensão, mas não está ciente qual comportamento será incorporado nele, ou seja, não sabe quantos casos uso extensão existem e qual comportamento é molado por cada um. Nesse caso, é o caso uso extensão que sabe on vai ser inserido. Generalização/Especialização O caso uso filho herda o comportamento e o significado do caso uso pai, acrescentando ou sobrescrevendo seu comportamento. 24

25 Características Gerais da Generalização/Especialização Aplicável quando um caso uso possui diversas variações. O comportamento comum po ser molado como um caso uso abstrato e especializado para as diferentes variações. Mas, é preciso avaliar se não fica mais simples e direto screver essas variações como fluxos alternativos variantes na scrição casos uso. Quando forem poucas e pequenas as variações, muito provavelmente será mais fácil capturá-las na scrição, ao invés criar hierarquias casos uso. Especializações transformadas em Fluxos Variantes 25

26 Universida Feral do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento Informática Disciplina: INF Prof.: 26

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Documento de Especificação de Requisitos

Documento de Especificação de Requisitos Documento de Especificação de Requisitos Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta a especificação de requisitos para a

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos Documento de Requisitos Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 3.0 Responsável: Ricardo Falbo 1. Introdução Este documento apresenta os requisitos de usuário para a informatização da Vídeo Locadora

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos Documento de Requisitos Projeto: Videolocadora Passatempo Responsáveis: Ricardo Falbo Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 1.0 Ricardo Falbo 25.07.2013 1. Introdução Este documento

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Um caso de uso descreve o que seu sistema faz para atingir determinado objetivo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso Sistema de Locadora de Filmes Sistema de Vídeo Locadora Você foi contratado para desenvolver

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto Locadora de Vídeo Passatempo Especificação de Requisitos 1. Introdução Este documento contém a especificação de requisitos e a modelagem de análise para o projeto de informatização da vídeo-locadora

Leia mais

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br)

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Algumas definições Engenharia de Software conjunto de tecnologias e práticas usadas para construir software de qualidade

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional. Unidade 3: Modelagem de requisitos e de soluções (Parte a) 1 Casos de uso 1.1 Conceitos básicos e parâmetros de descrição Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Especificação de Cenários! Um modelo funcional! Mostra como os valores são processados, sem preocupações com:! ordenamento (seqüência) das ações;! as

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

Especificação de Caso de Uso

Especificação de Caso de Uso Versão: 1.1 Especificação de Caso de Uso UCCITES04 Versão: 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 03/09/2008 0.1 Criação do documento. Ana Ornelas 09/09/2008 0.2 Atualização gerais no documento.

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Simulador de Pagamento

Simulador de Pagamento Simulador de Pagamento Versão: VS01 Data: 10/03/13 Identificador do documento: Wytor, Náthilla, Pedro Náthilla 1 Histo rico de reviso es Versão Data Autor Descrição Localização VS01 05/006/2013 Wytor Náthilla

Leia mais

Análise Orientada a Objetos Modelagem Requisitos usando Casos de Uso

Análise Orientada a Objetos Modelagem Requisitos usando Casos de Uso Análise Orientada a Objetos Modelagem Requisitos usando Casos de Uso Não diga pouco em muitas palavras, mas sim, muito em poucas. Pitágoras Especificação e Modelagem de Requisitos Regras de Negócio Glossário

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso...

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso... Projeto de Software usando UML Sumário Capítulo I : Casos de Uso...3 1. Modelo de Casos de Uso... 3 2. Diagramas de Casos de Uso... 3 3. Exemplo... 9 4. Conclusão... 13 Capítulo II : Levantamento de Classes...15

Leia mais

Especificação de Caso de Uso

Especificação de Caso de Uso Versão: 1.1 Especificação de Caso de Uso UCCITES015 Versão: 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 27/08/2008 0.1 Criação do documento. Ana Ornelas 02/09/2008 0.2 Atualização de alguns termos

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

Unified Modeling Language UML

Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language UML Requisito Ator Caso de uso Associações Entre atores e casos de uso Entre casos de uso Inclusão: estereótipo Extensão: estereótipo Generalização Diagrama

Leia mais

Análise de Requisitos

Análise de Requisitos Faculdade de Ciências Sociais de Aplicadas de Petrolina FACAPE Disciplina: Projeto de Sistemas Análise de Requisitos Profª. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br Análise de Requisitos O tratamento

Leia mais

Documento de Definição de Requisitos

Documento de Definição de Requisitos Documento de Definição de Requisitos Projeto: Locadora de Automóveis Responsável: Ricardo Falbo 1. Introdução Este documento apresenta os requisitos de usuário de um sistema de Locadora de Automóveis e

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

SSB Sistema de simulação bancária. Versão: 1.0 Data: 26/05/2014 Identificador do documento: 001

SSB Sistema de simulação bancária. Versão: 1.0 Data: 26/05/2014 Identificador do documento: 001 SSB Sistema de simulação bancária. Versão: 1.0 Data: 26/05/2014 Identificador do documento: 001 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 26/05/2014 Fernando Henrique José Rodrigue

Leia mais

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte II: Especificando Caso de Uso Vinicius Lourenço de Sousa viniciuslsousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de 10 anos,

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software. Visão Geral

Engenharia de Requisitos de Software. Visão Geral de Software Visão Geral João Sousa Apoio: Desenvolvimento de Sw - Como estamos? Segundo o Standish Group (CHAOS Report 2004): 34% dos projetos com sucesso. 15% dos projetos cancelados antes de completados.

Leia mais

O Processo Unificado: Captura de requisitos

O Processo Unificado: Captura de requisitos O Processo Unificado: Captura de requisitos Itana Gimenes Graduação em Informática 2008 Captura de Requisitos Modelagem do negócio: Visão de negócios Modelo de objetos de negócio de negócio Especificação

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Especialização e Generalização Especialização: Processo de definição de um conjunto de sub-classes (sub-tipos) de um tipo de entidade.

Leia mais

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema.

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema. Definindo o Escopo: Modelo de Caso de Uso Agradei-me, particularmente, da possibilidade de que Joshua estivesse tão preso ao seu modo clássico de pensar que me permitisse realizar o incrível feito de chegar

Leia mais

Especificação de Caso de Uso

Especificação de Caso de Uso Versão: 1.1 Especificação de Caso de Uso UCCITES03 Versão: 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 06/10/2008 0.1 Criação do documento. Soraya Silva 08/10/2008 0.2 Ajuste na formatação do

Leia mais

UC05 Manter Páginas. Diplomata CADASTRO. Versão 1.0

UC05 Manter Páginas. Diplomata CADASTRO. Versão 1.0 UC05 Manter Páginas Versão.0 Página / 0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor.0 Criação do documento. Eduardo Gomes de Souza Página 3 / 0 SUMÁRIO. FINALIDADE... 4. REFERÊNCIAS... 4 3. GLOSSÁRIO...

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Princípios de modelagem de Domínio e Projeto(design) de Software Parte 1

Princípios de modelagem de Domínio e Projeto(design) de Software Parte 1 Princípios de modelagem de Domínio e Projeto(design) de Software Parte 1 Prof. Gustavo Willam Pereira ENG10082 Programação II Créditos: Prof. Clayton Vieira Fraga Filho Apesar de todas as vantagens que

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDMILSON CAMPOS GIB GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÃO DE BIBLIOTECA

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho Documento de Casos de Uso MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho 1. Índice 2. Introdução 3 3. Descrição dos atores 3 4. Diagrama de caso de uso 4 5. 5.1 5.2

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Casos de Uso Não diga pouco em muitas palavras, mas sim, muito em poucas. Pitágoras Casos de uso O modelo de casos de uso modela os requisitos funcionais do sistema. É uma técnica de modelagem

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

Modelagem Estática. Modelagem Estática. INF318 - Análise Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural

Modelagem Estática. Modelagem Estática. INF318 - Análise Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural Modelagem Estática Grupo 3: Caio Gomes Geovane Godoi Leonardo Tamura Roberto Honda Rosana Fagundes Talita Malaquias Página 1 1. Índice 1. Índice... 2 2. Caso de Uso #04 Reservar pacote... 3 3. Caso de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Processo De Engenharia de Software II

Processo De Engenharia de Software II UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo De Engenharia de Software

Leia mais

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software UML: Casos de Uso Projeto de Sistemas de Software UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Especificação de Caso de Uso

Especificação de Caso de Uso Versão: 1.0 Especificação de Caso de Uso UCCITES018 Versão: 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 13/08/2013 1.0 Criação do documento. Naiana Lima Celso Normal.dotmNormal.dotmNormal.dotmDocumento1

Leia mais

Diagramas de Sequência e Contrato das Operações

Diagramas de Sequência e Contrato das Operações UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Projeto e Desenvolvimento de Sistemas de informação Comportamento

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Roteiro Conceitos Engenharia de requisitos Artigo Definições de requisitos Requisitos de um sistema são descrições dos serviços que devem ser fornecidos por esse sistema e as suas

Leia mais

Modelagem do Processo de Negócio

Modelagem do Processo de Negócio Análise e Projeto 1 Modelagem do Processo de Negócio Modelos de processos de negócios descrevem as diferentes atividades que, quando combinados, oferecem suporte a um processo de negócio. Processos de

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

4.2.10. Incluir Unidades de Produto... 27 4.2.11. Consultar Unidades de Produto... 28 4.2.12. Alterar Unidades de Produto... 28 4.2.13.

4.2.10. Incluir Unidades de Produto... 27 4.2.11. Consultar Unidades de Produto... 28 4.2.12. Alterar Unidades de Produto... 28 4.2.13. JOÃO GARIBALDI NETO REENGENHARIA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE ALMOXARIFADO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS UTILIZANDO PHP 5 E ORIENTAÇÃO A OBJETO PALMAS 2006 JOÃO GARIBALDI NETO REENGENHARIA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CURSO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA FRAMEWORK DE AGENDAMENTO DE RECURSOS UTILIZANDO FILAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CURSO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA FRAMEWORK DE AGENDAMENTO DE RECURSOS UTILIZANDO FILAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CURSO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA FRAMEWORK DE AGENDAMENTO DE RECURSOS UTILIZANDO FILAS Cidiane Aracaty Lobato Rio de Janeiro, 2003 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos)

Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos) Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos) Engenharia, Levantamento, Elicitação, Gerenciamento Fernando Pedrosa fpedrosa@gmail.com 1 2 Área da Engenharia

Leia mais

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CASO DE USO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Caso de Uso Descreve o modelo funcional (comportamento) do sistema Técnica de especificaçao de requisitos Especifica um serviço que o sistema

Leia mais

Estudos Disciplinares Análise e Desenvolvimento de Sistemas referente ao 3 semestre

Estudos Disciplinares Análise e Desenvolvimento de Sistemas referente ao 3 semestre Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Sorocaba Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Estudos Disciplinares Coord. Prof(a): Michele da R. M. Mathias Prova DP Ano Letivo:

Leia mais

Casos de Uso - definições

Casos de Uso - definições Casos de Uso - definições Um caso de uso é uma descrição narrativa de uma seqüência de eventos que ocorre quando um ator (agente externo) usa um sistema para realizar uma tarefa [Jacobson 92] Um caso de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Trabalho 1 Modelagem Estática do Sistema ViajarFácil.com.br Disciplina: INF318 - Modelagem Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural Profa. Dra. Cecília M. F. Rubira Equipe 5 Jeniffer

Leia mais

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Sumário Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Modelagem de Sistemas de Software Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Setembro

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Prof. Raul Sidnei Wazlawick UFSC-CTC-INE. Fonte: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos, 2ª Edição, Elsevier, 2010.

Prof. Raul Sidnei Wazlawick UFSC-CTC-INE. Fonte: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos, 2ª Edição, Elsevier, 2010. Casos de Uso Expandidos Prof. Raul Sidnei Wazlawick UFSC-CTC-INE 2010 Fonte: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos, 2ª Edição, Elsevier, 2010. Expansão dos Casos de Uso Corresponde

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO CASO DE USO: INCLUIR CLIENTE Sumário: este caso de uso se inicia quando o usuário precisa incluir um cliente no sistema. Atores: Atendente Pré-condições: Documentação do

Leia mais

UML 2.0 Diagrama de casos de uso

UML 2.0 Diagrama de casos de uso Definição UML 2.0 Diagrama de casos de uso Prof. Cesar Augusto Tacla Comunicação entre clientes, usuários e desenvolvedores Funcionalidades oferecidas pelo sistema Exemplo Elementos do diagrama Atores

Leia mais

Modelagem de Requisitos com Casos de Uso. Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases

Modelagem de Requisitos com Casos de Uso. Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases Engenharia de Software Modelagem de Requisitos com Casos de Uso 1 Objetivos Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases 2 1 Use Case É uma forma específica de uso do sistema através da execução

Leia mais

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Versão do documento: 1.4 Data de atualização: 04 de Fevereiro de 2012 Histórico

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor Sistema de Gerenciamento de Loja - SIGEL Documento de Visão Versão 1.0.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 13/01/2011 0.1 Versão preliminar do levantamento de requisitos funcionais e não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Dezembro de 2013. Revisão aula anterior Modelo de classes Modelo de estado Modelo de iteração Modelo

Leia mais

Engenharia Requisitos Estudo de caso

Engenharia Requisitos Estudo de caso Engenharia Requisitos Estudo de caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Sistema de Matricula Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Componentes do Diagrama

Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Componentes do Diagrama DCC / ICEx / UFMG Diagrama de Diagrama de Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Adota uma linguagem simples Acessível ao cliente Objetivo é a compreensão do comportamento externo do sistema

Leia mais

Módulo VI. Requisitos de Software. Pedro de Alcântara dos Santos Neto

Módulo VI. Requisitos de Software. Pedro de Alcântara dos Santos Neto Módulo VI Requisitos de Software Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1 FICHA BIBLIOGRÁFICA 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA EDUCAÇÃO Fernando Haddad GOVERNADOR DO ESTADO DO

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais