PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Marcelo Victor de Carvalho Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Marcelo Victor de Carvalho Ferreira"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Belo Horizonte 2014

2 Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Orientador: Júlio Pinto Belo Horizonte 2014

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais F383i Ferreira, Marcelo Victor de Carvalho Imitando um real inexistente: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica / Marcelo Victor de Carvalho Ferreira. Belo Horizonte, f. : il. Orientador: Júlio Pinto Dissertação (Mestrado) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. 1. Cinematografia - Efeitos especiais. 2. Mimese na arte. 3. Cinema. 4. Narrativa (Retórica). I. Pinto, Júlio. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. III. Título. CDU:

4 Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Júlio Pinto (Orientador) PUC Minas Eduardo Antônio de Jesus PUC Minas Anna Karina Castanheira Bartolomeu UFMG Belo Horizonte, 02 de dezembro de 2014

5 Aos meus pais e irmã, portos de sabedoria e amor.

6 AGRADECIMENTOS Sinto-me como numa sala de cinema, após uma projeção de longa duração. O corpo está cansado, os olhos ainda se acostumam com as luzes que já acendem e a mente tenta entender toda aquela informação fragmentada. O filme termina, mas ainda sobem os créditos na tela escura. Ainda há música para embalar as últimas imagens que surgem ora ou outra entre os nomes da vasta equipe de produção. Nesse momento é costume para muitos apenas levantar, sair e viver a vida lá fora. Como um velho hábito meu, repito aqui o movimento de estender o fim. Me desligar aos poucos daquele mundo existente entre as quatro paredes e voltar para a realidade sem pressa. Assim como a imensidão de pessoas necessárias para concluírem aquela produção fílmica que terminara, esse trabalho só foi realizado com a existência de uma força criadora plural. Para os que pensam que a escrita se faz sozinho, sinto informá-los que ela só se fez quando estive muito bem acompanhado. E se não posso colocá-los todos na capa junto ao meu nome, me resta agradecer. Agradeço de corpo e alma a benevolência divina e a oportunidade do trabalho no bem. Aos meus pais, dedico minha mais profunda admiração e respeito, pois foram fonte de amor incondicional e de sabedoria que só a vida sabe ensinar. Agradeço a minha irmã pela austeridade de cerne doce, cuidando mesmo a distância, com seu olhar felino. Ao meu afilhado, lanço um desejo de tardes longas na companhia de videogames e heróis mascarados. Primos e primas que me desejaram o melhor em encontros esporádicos. Principalmente àquela que me refaz com abraços apertados, aplausos sem propósito e conversas animadas pela madrugada. Tios e tias que não se cansam em parabenizar por meus esforços, sejam lá quais esses forem. Em meu ambiente de trabalho, praticamente meu segundo lar durante todo esse tempo, também deixo meu carinho. Lá encontrei um antigo mestre, que se tornou colega de trabalho, que se tornou amigo. Uma baixinha de voz potente e um espirito protetor. Um companheiro de colóquio sagaz e divertido. E também um gigante com coração valente. Por todos os momentos que precisei e fui compreendido, meu muitíssimo obrigado. Ainda nesse lar, encontrei espaço para fazer novos amigos que carrego para a vida. Em especial, um espirito livre de risada fácil, tão pronto para ajudar quanto para celebrar. Os mestres de outrora, que dividem os corredores, papos descontraídos e mesas de almoço. Aos membros da banca, meus ouvidos atentos e a alegria por compartilharem desse momento. Lembro-me também daqueles

7 da casa laranja, movidos pela arte e bons pensamentos. Agradeço por me acolherem nessa caminhada de reverberação do pensamento no bem. Nos templos do saber, invisto minha admiração por cada um dos que passaram em meu caminho. Ao meu orientador, em especial, que havia me alertado desde o início que se propunha a me desorientar. Desorientação que só me fez crescer, pois como haveria de chegar em algum lugar diferente e desconhecido, se não me perdesse vez ou outra por aí? Seus comentários cirúrgicos e humor inteligente estão emaranhados nas linhas que seguem. Ao animado professor amante das imagens e das artes, obrigado por me permitir manter a leveza no olhar, ainda que com sobriedade. Ao sério de escrita elegante, agradeço por me fazer buscar o meu melhor. À de sorriso largo e papo agradável, por ter sempre acreditado em mim. Aos demais professores, um abraço recheado de gratidão. Às tímidas senseis que transbordam simpatia, reverencio com demasiado respeito, por me permitirem alcançar um sonho de tempos imemoriais. Entre tantos amigos, abraço aqueles que entraram nessa mesma viagem, enlouquecendo juntos. Aos irmãos de coração, meu agradecimento pela paciência, conselhos, companhias, puxões de orelha e declarações. Aos que pouco vi, saibam que não foram esquecidos. A existência de vocês mesmo que na lembrança foram base para a perseverança. Diliças, lindões e companheiros de jornada NERD, foi a inebriante companhia de vocês que me permitiram alçar voos na imaginação. Agradeço a cada um que depositou em mim confiança, não apenas de um trabalho bem feito, mas de retidão moral em cada passo firmado. Também ao leitor que chegou até essas palavras, pois foi inspiração mesmo em tempo diferido. Foram tantas pessoas que, se hoje não me lembro de todas as faces, guardo no coração todos os sorrisos. Foi uma caminhada de dores e amores. Aprendizados de todas as espécies que me preparam para filmes por vir.

8 Frodo: - Não consigo fazer isso, Sam. Sam: - Eu sei. Isso não é justo. Na verdade, nem devíamos estar aqui. Mas estamos. É como nas grandes histórias, Sr. Frodo. As que tinham mesmo importância. Eram repletas de escuridão e perigo. E, às vezes, você não queria saber o fim... porque como podiam ter um final feliz? Como podia o mundo voltar a ser o que era depois de tanto mal? Mas, no fim, é só uma coisa passageira... essa sombra. Até a escuridão tem de passar. Um novo dia virá. E, quando o sol brilhar, brilhará ainda mais forte. Eram essas histórias que ficavam na lembrança... que significavam algo. Mesmo que você fosse pequeno demais para entender por quê. Mas acho, Sr. Frodo, que eu entendo, sim. Agora eu sei. As pessoas dessas histórias tinham várias oportunidades de voltar atrás, mas não voltavam. Elas seguiam em frente... porque tinham no que se agarrar. Frodo: - E em que nós nos agarramos, Sam? Sam: - No bem que existe neste mundo, Sr. Frodo... pelo qual vale a pena lutar. (O SENHOR DOS ANÉIS: AS DUAS TORRES, 2002, 02:44:35)

9 RESUMO Essa pesquisa investiga a utilização dos efeitos visuais no cinema, como parte da construção da narrativa cinematográfica. A começar por uma conceituação básica das diferenças entre efeitos visuais e efeitos especiais, levantam-se questionamentos sobre a sensação de realidade provocada pela imagem síntese. Como operadores conceituais foram acionadas as noções de representação a partir da mímesis, desde Platão até autores do século XX, culminando na teoria de Rolland Barthes sobre o Efeito de Real. Em um segundo momento, há uma análise específica dos elementos constituintes da narrativa visual cinematográfica, como as diferentes possibilidades expressivas no uso da câmera e da montagem, principalmente relacionadas aos efeitos visuais. Através do estudo da imagem foram percorridas algumas possibilidades da expressão de signos da fisicalidade e também imateriais como o espaço e o tempo. Além das análises pontuais em diversos exemplares cinematográficos, o filme As Aventuras de Pi é estudado com maior proximidade. A partir de As Aventuras de Pi, um filme com forte presença da imagem síntese e questionamento de real interno e externo à narrativa, o caminho teórico percorrido é retomado através da análise imagética para descobrir se/como essas imagens podem ter reverberado na compreensão da narrativa final. Palavras-chave: Efeitos visuais. Efeitos especiais. Mímesis. Efeito de real. Cinema. Narrativa cinematográfica.

10 ABSTRACT This thesis investigates the use of visual effects in the cinema as part of the construction of cinematic narrative. Departing from a basic distinction between the concepts of visual and special effects, the work raises questions about the sensation of reality caused by synthetic images. As conceptual operators the research utilizes the notions of representation founded on the idea of mimesis, from Plato to 20 th century authors, up to Rolland Barthes and his Effet de Réel. A second movement of the work specifically analyzes the constitutive elements of visual cinematic narrative, such as the different expressive modalities of camera use and montage when related to visual effects. By means of the study of the image, the text examines some expressive possibilities of signs of physicality and immaterial ones, such as space and time. Besides sampled analyses from several cinematic pieces, the film The Life of Pi is studied more closely, as it is a film with a strong presence of synthetic images which challenge the Real, both within and without the narrative. Having The Life of Pi as ground, the theoretical framework is taken up once more by way of imagetic analysis, in order to verify whether and how those images may have had an impact upon the understanding of the final narrative. Key words: narrative. Visual effects. Special effects. Mimesis. Effet de réel. Cinema. Cinematic

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 A lua de Méliès Figura 2 A complexa cidade de Metropolis Figura 3 Diferentes usos dos efeitos visuais em O Senhor dos Anéis Figura 4 Os efeitos visuais na sequência final de MIB Figura 5 Reprodução cinematográfica do Titanic Figura 6 Expedição ao Titanic pela equipe do filme Figura 7 Referências reais do Titanic Figura 8 A construção fragmentada do monstro em Allien Figura 9 Círculo de Fogo e o imaginário dos monstros e robôs gigantes Figura 10 Semelhanças entre a Graphic Novel e o filme Figura 11 A atmosfera vampiresca em Nosferatu Figura 12 A atmosfera do velho oeste em Era uma vez no oeste Figura 13 A atmosfera infantil da animação Lilo & Stitch Figura 14 Estudo de atmosferas de Lou Romano Figura 15 Imagem estilizada em O Homem duplo Figura 16 Beowulf, motion captures em estúdio e a diferença do personagem final Figura 17 O uso de cores em Sin City Figura 18 A reconstrução digital de Nova York em Os Vingadores Figura 19 Câmera virtual em nível microscópico em Prometheus Figura 20 Câmera virtual pelo espaço em Árvore da Vida Figura 21 Powers of ten e a câmera virtual em potências de dez Figura 22 A montagem interna ao plano em O grande Gatsby Figura 23 As diferentes concepções de Hogwarts em Harry Potter Figura 24 A concepção dos planetas Tatooine e Hoth em Guerra nas Estrelas Figura 25 A mímesis do espaço em Gravidade Figura 26 A subjetividade do espaço em A Origem Figura 27 O tempo congelado em Melancolia Figura 28 Um lugar chamado Notting Hill, plano sequência para passagem de tempo Figura 29 Mudanças de idade usando o mesmo ator em Benjamin Button Figura 30 A sensação subjetiva de tempo em Peixe Grande Figura 31 Teste e gravações com Suraj Figura 32 Produção do tanque... 96

12 Figura 33 Cenas reais de Richard Parker Figura 34 Tigre real vs Tigre virtual Figura 35 Zoológico Figura 36 Zoológico Figura 37 A pureza de Piscine Molitor e a infinitude de Pi Figura 38 Pondicherry Figura 39 Conhecendo Deus Figura 40 Os olhos de Richard Parker Figura 41 Dúvida e Inquietação Figura 42 TsimTsum Figura 43 A arca de Pi Figura 44 Laranja, a cor de Deus Figura 45 Guia de Sobrevivência Figura 46 Alimentando o companheiro de viagem Figura 47 Universo marítimo Figura 48 Cardume voador e o rugido de Pi Figura 49 Não perca a esperança Figura 50 As profundezas da alma Figura 51 As profundezas da alma Figura 52 Tempestade de Deus Figura 53 A ilha Figura 54 A praia Figura 55 Uma outra versão dos fatos

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL Os Efeitos Visuais A Mímesis Efeito de Real UMA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS Potências da Imagem Cinematográfica Potências Diegéticas O MAR, O TIGRE E O MENINO As Aventuras de Pi Zoológico A pureza de Piscine Molitor. A infinitude de Pi Pondicherry Conhecendo Deus Os olhos de Richard Parker Dúvida e inquietação TsimTsum A arca de Pi e a ascensão de Richard Parker Laranja, a cor de Deus Guia de sobrevivência Alimentando o companheiro de viagem Universo marítimo Cardume voador e o rugido de Pi Não perca a esperança As profundezas da Alma Tempestade de Deus A ilha A praia Uma outra versão dos fatos Considerações finais ENFIM REFERÊNCIAS FILMOGRAFIA

14 12 1 INTRODUÇÃO Com certa ansiedade, algumas pessoas se aproximam da sala escura para conhecer a novidade. Dada a hora marcada, o aparelho dá partida ao carrossel das películas, dando vida à tela anteriormente inerte. Há êxtase com as imagens lançadas naquele espaço reservado, fazendo ouvir aqui e ali a mudança de respiração que indicam a montanha russa de emoções compartilhadas. Risinhos, sustos, suspiros. Encantamento provocado por uma série de experiências visuais e sonoras. O cinema, como fora denominado este tipo experiência, surgia no fim do século XIX através de pequenas exibições de imagens em movimento, com historietas ou puro exibicionismo visual. Nesse primeiro cinema, como chama Costa (1995), havia espaço para o espetáculo, tal qual os mágicos e artistas mambembes. Ora ou outra o personagem podia quebrar a barreira entre o mundo fílmico e a realidade, convidando o espectador a participar ativamente da história narrada. Aos poucos, uma gramática visual foi instaurada, configurando enquadramentos, tipos de montagens e estilos narrativos, tornando-se não a única forma de expressão cinematográfica, mas a mais comum. Somos diariamente expostos às imagens dessa narrativa clássica do cinema, que nos provoca, na maioria das vezes, sem quebrar a parede invisível da ficção. Muito pelo contrário, somos convidados a nos agarrar e embrenhar cada vez mais em um mundo que não existe em outro lugar senão na tela de imagens projetadas. Uma narrativa que nos conduz através de escolhas bem elaboradas de luz, câmera, movimento, formas, cores e sons. Cineastas de todo o mundo experimentaram novas formas de expressão através das imagens em movimento. Novas técnicas foram assimiladas, processos de animação, colorização, mecanização, automação de processos, criação de efeitos da ordem do visual e do sonoro que pudessem continuar o encantamento por gerações. Com o desenvolvimento de equipamentos capazes de sintetizar imagens em computadores, não tardou para que essas também fossem alvo de projetos cinematográficos. Os efeitos visuais, como são chamados no cinema esses elementos da imagem produzidos digitalmente, abriam caminho para uma nova logística de produção fílmica. No cinema contemporâneo é difícil encontrar uma única produção que não tenha contado com algum artifício digital. Dentre as produções com maior bilheteria de todos os tempos, todas possuem rica produção de imagens sintetizadas por computador. O grande entrelaçamento dos processos de efeitos visuais com as narrativas contemporâneas instigou o questionamento: seriam esses efeitos apenas facilitadores

15 13 operacionais? Seriam apenas artifícios da imagem espetáculo? Seriam ornamentais ou poderiam criar efeitos de ordem narrativa? Na tentativa de investigar os questionamentos acima, busquei entender o funcionamento das técnicas de efeitos visuais no cinema e como essas reverberam em elementos da narrativa cinematográfica. Inicio o trajeto através do questionamento de real provocado pela imagem de síntese, cada vez mais convincente aos olhos. Para tal, aciono a ideia de representação através da noção de mímesis. Adentro a caverna de Platão e volto à luz do efeito de real de Roland Barthes. Segundamente, busco as potencialidades da imagem no cinema enquanto criadora de sentidos narrativos. Como funcionam a câmera, o espaço o tempo, a montagem e demais elementos imagéticos na lógica da produção de efeitos visuais. Finalmente, analiso como objeto empírico o filme As Aventuras de Pi (Life of Pi, Ang Lee, 2012). As Aventuras de Pi conta a história de Pi Patel, sobrevivente no naufrágio do cargueiro TsimTsum no meio do Oceano Pacífico. Após muitos anos do acidente, Pi narra sua experiência de ter vivido duzentos e vinte e sete dias em alto mar, na companhia de um tigre de bengalas, para um escritor ávido por uma boa história. O filme, adaptado de uma produção literária de mesmo nome, possui grande parte dos elementos produzidos digitalmente, incluindo o tigre personagem Richard Parker. Através desta produção, faço apontamentos sobre a sensação de real provocada pela imagem síntese para o espectador, analiso as estratégias narrativas e seus resultados internos e externos ao espaço fílmico. Antes de chegar até essa viagem ao Pacífico, entretanto, convido o leitor a um passeio por diversas outras produções. É hora de adentrar a sala escura. As primeiras imagens já se configuram na tela. Imerso nesse espaço que constitui quase um universo paralelo, há vida pulsando. Dentre feixes de luz e partículas suspensas, as imagens improváveis causam a pergunta inevitável: Isto é real?. Me atrevo a perguntar de volta: O que é real?. Sentemonos confortavelmente, o caminho para as respostas podem estar ao alcance das mãos.

16 2 OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL 14

17 15 2 OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL Morpheus: - Esta é sua última chance. Depois não há como voltar. Se tomar a pílula azul, a história acaba, e você acordará na sua cama acreditando no que quiser. Se tomar a pílula vermelha ficará no país das maravilhas, e eu te mostrarei até onde vai a toca do coelho. (MATRIX, 1999, 00:28:57) Neo: - Isto não é real? Morpheus: - O que é real? Como você define o real? Se está falando do que consegue sentir, do que pode cheirar, provar, ver... então real são simplesmente sinais elétricos interpretados pelo cérebro. (MATRIX, 1999, 00:40:10) O que é real? Os diálogos acima, extraídos do filme Matrix (The Matrix, Andy e Lana Wachowski, 1999), são parte do caminho e dos questionamentos que o personagem Neo enfrentou até descobrir a verdade. Para Neo, a pergunta vem acompanhada com outra fundamental: o que é a Matrix?. Neo descobre que a Matrix é uma representação do mundo que conhecemos do final do século XX, criada por máquinas com inteligência artificial e independentes. Após anos de guerra entre humanos e máquinas, essas últimas obtiveram vantagem em força e número, construindo por fim uma plantação de humanos, fonte poderosa de energia. Programado pelas máquinas, a Matrix é um mundo semelhante ao que existia antes da guerra, ligado diretamente ao sistema nervoso dos humanos cultivados. Morpheus faz parte da resistência, formada por aqueles que conseguiram se desvincular da Matrix e pelos poucos que nasceram por vias normais, e acredita que Neo é a peça chave para ganharem a guerra. O estranhamento do que era real acontece para Neo ao mesmo tempo em que acontece para o espectador. Se comparado com o mundo em que vivemos, o filme Matrix apresenta uma inversão do que consideramos realidade. No mundo fílmico, as cidades, as pessoas, a tecnologia, tal qual como conhecemos é apenas uma representação da Matrix. A verdade, em contrapartida, é composta por naves futurísticas, tubulações no centro da terra e máquinas sentinelas que se assemelham a grandes lulas metálicas. O cenário real no espaço fílmico nos parece pura ficção. Utilizando dessa breve observação, aponto para uma possível existência de diferentes instâncias do real. Pensar em real demanda o estabelecimento prévio de um ponto de partida: real em relação a que? Real para quem? Guardemos essas considerações para mais adiante. O questionamento de real trabalhado no filme foi tão contundente, que deu visibilidade para discussões a respeito em fóruns de internet, ensaios acadêmicos e até mesmo publicações filosóficas. Tecnicamente Matrix também despertou a atenção do público e dos críticos. A direção dos irmãos Andy e Lana Wachowski explorou diversas possibilidades dos

18 16 efeitos gerados por computador para a produção do longa-metragem. O filme se tornou referência no assunto e foi vencedor de várias premiações, incluindo o Oscar de melhor efeitos visuais. Diante da narrativa, vamos aos poucos entendendo como funciona a Matrix através de Morpheus, que ironicamente ostenta o nome do Deus dos sonhos, da mitologia grega, e lidera o despertar para a realidade dos resgatados. O personagem explica pacientemente ao descrente Neo as novas leis que regem sua percepção do que é possível. Entre essas possibilidades Neo aprende que as leis da física, apesar de operantes, podem ser burladas até certo ponto. Neste aspecto do mundo fílmico, age grande quantidade dos efeitos visuais do longa-metragem. Saltos a distâncias impossíveis a humanos, andar sobre paredes ou desviar de balas projetadas por armas de fogo. Esta última acabou popularizando o chamado bullet time. Ao desviar dos tiros, Neo cria a sensação de tempo praticamente congelado, permitindo vermos a trajetória da bala. A técnica do bullet time foi bastante repetida nos filmes subsequentes ao lançamento de Matrix, com homenagens e paródias. A partir de Matrix, até mesmo desenhos animados e jogos passaram a utilizar cenas que simulam o bullet time, como o jogo de ação Max Payne (2001). Todavia, na codificação do jogo ou na animação de um desenho, o efeito não é reproduzido com o mesmo aparato técnico, sugerindo portanto, uma busca pela reprodução do efeito estético e narrativo. Os efeitos visuais em Matrix parecem ser empregados para gerar uma experiência estética diferenciada, mas também para agregar significados à narrativa e corroborar com as leis do que é real, segundo o mundo fílmico. A partir da técnica cinematográfica, foi possível moldar um real imaginário, tornando-o visualmente identificável para o espectador. A realidade do filme não é apenas contada, mas mostrada de forma crível. Matrix é um marco do cinema, sobretudo quando relacionado aos efeitos visuais. A utilização desses efeitos só tende a crescer, assim como a melhoria das técnicas vigentes. Efeitos visuais de toda a sorte, reproduzindo visuais diferentes, relacionando à suas respectivas narrativas também de maneiras diferentes. Muitos reais sendo imaginados e reproduzidos. Volto a questionar: real em relação a que? Real para quem?. Para respondêlas, fazem-se necessárias algumas conceituações básicas. Tomemos a pílula vermelha. 2.1 Os Efeitos Visuais Manipular as imagens, construir cenários fantásticos, animar o inanimado, fazer ver o impossível. Todas essas características poderiam estar relacionadas aos efeitos visuais, mas

19 17 não somente. Muito antes do advento dos computadores, alguns cineastas, já no fim do século XIX, observavam as potencialidades do cinema e seu poder de encantar através das imagens. Além das representações cotidianas, o cinema crescia com produções que investiam no visual estético e também na narrativa. Dentre essas primeiras experiências cinematográficas, destaco as produções de Georges Méliès. Atuando como produtor teatral e mágico antes de aventurar-se com as películas, Méliès trouxe também aos filmes um toque de magia. Grande quantidade dos artifícios utilizados por Méliès são trucagens, constituídos principalmente por sobreposições de imagens, pequenas animações e ilusões de ótica. Dentre mais de quinhentos curtas-metragens produzidos, Viagem à Lua (Le Voyage dans la Lune, 1902) é um dos mais lembrados pelos críticos e estudantes da sétima arte, com a marcante imagem da Lua com face humana atingida no olho por um foguete. Por seus truques, o cineasta francês foi considerado o precursor dos efeitos especiais no cinema. Também no fim do século XIX, já aconteciam os primeiros experimentos de animações voltadas para o cinema. Desenhos, bonecos e pequenos objetos ganhavam vida nas mãos do norte-americano J. Stuart Blackton e o inglês Arthur Melbourne-Cooper. Donald Crafton (1999) afirma não ser possível classificar qual dos dois animadores citados anteriormente, foi o primeiro a explorar a técnica no cinema. Entretanto, observa que a manipulação dos objetos, organizados de maneira justaposta por apenas um frame ou alguns poucos, como faziam, era o suficiente para criar uma ordem mimética de ilusão de movimento no cinema. Os métodos utilizados por Méliès, Blackton e Melbourne-Cooper, se sofisticaram com o passar dos anos tanto por novas descobertas de processos, quanto por novos aparatos tecnológicos. Com o desenvolvimento também das demais técnicas cinematográficas, já na década de 1910 era possível a produção de longas-metragens, épicos e filmes da ordem do fantástico. O filme Metrópolis de Fritz Lang (Metropolis, 1927), já apresentava grande potência na representação, com cenários futurísticos de visual impressionante. Em 1933 King Kong (Merian C. Cooper e Ernest B. Shoedsack) apresentava Kong, o gorila gigante, animado completamente pela técnica de stop-motion 1, demonstrando grande avanço dos recursos de animações no cinema. As animações feitas com ilustrações quadro-a-quadro também se desenvolviam consideravelmente. Produções animadas adotaram a banda sonora desde 1 Stop-Motion é uma técnica de animação que consiste na captura de um fotograma a cada pequena modificação de posição do objeto animado. Colocado em sequência, as imagens anteriormente estáticas dão a impressão de movimento.

20 18 Steamboat Willie (Ub Iwerks,1928) e o uso das cores com Flores e Árvores (Flowers and Trees, Burt Gillett, 1932), ambas da gigante da animação Walt Disney. As obras de animação cresciam em quantidade e em duração, com o aumento do investimento dos estúdios também em longas metragens. Branca de Neve e os sete anões (Snow White and the Seven Dwarfs, William Cottrell, 1937) foi o primeiro longa da Walt Disney e abriu espaço para uma série de animações que se tornaram clássicos do cinema e do público infantil, como Fantasia (Norman Ferguson, 1940), Cinderela (Cinderella, Clyde Geronimi, 1950) e A Bela Adormecida (Sleeping Beauty, Clyde Geronimi, 1959). A intervenção de elementos animados feitos com ilustrações em produções liveaction 2 não eram comuns, sendo o stop-motion a principal técnica de animação cinematográfica para produção de efeitos até o final da década de 1970, substituída, gradativamente, pela animação feita diretamente no computador. Nesse período da década de 1970 o cinema norte-americano movimentava algumas mudanças. Figura 1 A lua de Méliès Fonte: Viagem à Lua (1902) 2 Termo utilizado para classificar atuações com atores reais, não animados.

21 19 Figura 2 A complexa cidade de Metropolis Fonte: Metropolis (1927)

22 20 A chegada de novos diretores como Steven Spielberg e George Lucas foi de grande relevância para a construção de uma nova lógica de produção em Hollywood. Com Tubarão (Jaws,1975) e Guerra nas Estrelas (Star Wars, 1977), Spielberg e Lucas alavancavam o mercado de blockbusters 3 ao criarem franquias de filmes de grande apelo visual e comercial, que geraram uma rede de produtos relacionados, denominado por Fernando Mascarello (2006), como escalada histórica do fenômeno da sinergia. (p. 348) Nessa mesma época o cinema procurava seu espaço em um momento de avanços tecnológicos que se popularizavam, com destaque para as televisões, as transmissões a cabo e os aparelhos VHS, considerados concorrentes das salas cinematográficas. O desenvolvimento tecnológico era motivo de preocupação por parte das grandes produtoras e distribuidoras pela abertura da nova concorrência, mas também esteve a favor do cinema nesse período embrionário para os efeitos visuais. John Belton (1999) destaca a utilização de determinados efeitos especiais em filmes anteriores a essa época, por meio de duas, ou mais, trilhas de filme sobrepostas. O autor ressalta a fragilidade da técnica, que mesmo que conseguisse produzir um efeito próximo ao esperado, ainda deixava traços identificáveis de sua produção, afastando a sensação de realidade desejada. Belton completa ao dizer que a tecnologia de computadores melhorou dramaticamente a ilusão de realidade provocada pelos efeitos especiais nos filmes. Por terem, os efeitos especiais e visuais, uma história muito próxima aos avanços dos aparatos tecnológicos, abro aqui uma reflexão. Ao delinear as mudanças do cinema com as melhorias tecnológicas, é imperante tomar certos cuidados. A tecnologia evoluía em todos os setores, não apenas no cinema. É comum que equipamentos mecânicos, elétricos e/ou digitais sejam substituídos por novos modelos, geralmente mais eficientes. Não é isso, porém, que define a melhoria do setor em si. O cinema avançava como um todo pelo mundo, com diretores e seus diferentes olhares, com novas perspectivas, movimentos críticos, publicitários, comerciais e políticos. O cinema foi e ainda é o que fazem dele, e não com que ferramenta o fazem. Tratar das potencialidades dos efeitos visuais no cinema é tratar também de suas respectivas ferramentas. Todavia, aqui interessa muito mais o que pode ser feito a partir desse aparato. Quando o cinema adotou o áudio síncrono no fim da década de 1920, e o filme em cores nos últimos anos da década de 1930, falava-se muito a respeito dos equipamentos. Hoje, áudio e cores são objetos de estudos que vão além. Não se trata, contudo, 3 Blockbuster é o nome dado às grandes produções do cinema com alto investimento financeiro, forte campanha de marketing, e grande público potencial. Por causa dos elevados recursos despendidos nesses filmes, os estúdios esperam resultados positivos com as arrecadações nas bilheterias e na assimilação de produtos relacionados.

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira Universidade Federal de Alagoas Luciana Fonseca Oliveira O tempo e espaço do filme A Rosa Púrpura do Cairo, uma análise para Fundamentos em Cinema Maceió, dezembro de 2012. Cristian Metz em seu texto A

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Lições de Disney para o Memorial do Ferro

Lições de Disney para o Memorial do Ferro Lições de Disney para o Memorial do Ferro Cláudio de Moura Castro Faz uns cinco anos, o grupo Disney contratou três figuras do mundo acadêmico para uma tarefa bastante curiosa. Receberam um contrato para

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

CATAVENTO CULTURAL I. UNIVERSO II. VIDA III. ENGENHO IV. SOCIEDADE

CATAVENTO CULTURAL I. UNIVERSO II. VIDA III. ENGENHO IV. SOCIEDADE CATAVENTO CULTURAL VIVÊNCIAS ABORDAGENS FOCO DISCPLINAR ENFOQUE PEDAGÓGICO Exposições com experimentos, artefatos, cenários, maquetes, painéis, aquários, réplicas, material multimídia e atividades interativas,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

Ferramentas para Produção de Vídeo. Coordenadora Marilia Mello Pisani

Ferramentas para Produção de Vídeo. Coordenadora Marilia Mello Pisani Ferramentas para Produção de Vídeo Coordenadora Marilia Mello Pisani Autores Clara Guimarães Érica Jorge Lilian Menezes Marilia Mello Pisani Ronaldo Tedesco Taís Vargas 1 Programa Anual de Capacitação

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

Trilhando um Blues 1

Trilhando um Blues 1 Trilhando um Blues 1 Cristian Giovani Belló ROSA 2 Eduarda de Oliveira dos SANTOS 3 Francielle CARMINATTI 4 Mayara BOHNENBERGER 5 Mariana Dalpizzo DORINI 6 Robison FLEMMING 7 Arnaldo Telles FERREIRA 8

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Projeto: ano 3 PRONAC - 125783. Relatório de A vidades 1º e 2º semestres

Projeto: ano 3 PRONAC - 125783. Relatório de A vidades 1º e 2º semestres PRONAC - 125783 Relatório de A vidades 1º e 2º semestres 2014 Sumário Números Gerais... 3 Capacitação e apoio aos professores... 4 Início das Oficis Regulares... 6 Modelo de Aula - vivências artísticas...

Leia mais

As diversas fases da produção publicitária e institucional

As diversas fases da produção publicitária e institucional As diversas fases da produção publicitária e institucional Roteiro Projeto Preparação Pré-produção Filmagem Desprodução Finalização Projeto Uma vez finalizado o roteiro pela agência, o produtor (da produtora)

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Figura Nº 70. Figura Nº 71

Figura Nº 70. Figura Nº 71 Figura Nº 70 Figura Nº 71 Figura Nº 69 Outra constatação é que o processo de solarização decorre de uma iluminação adicional feita no decorrer da revelação da imagem ou filme, assim sendo poderíamos com

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Conceitos de Produção Audiovisual Etapas de Produção Sinopse, Roteiro, Análise Técnica Equipe Técnica / Produção Planos e Movimentos de Câmera Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Proposta de Desenvolvimento de Produto Sob orientação do Prof. José Armando

Leia mais

Vamos poupar dinheiro!

Vamos poupar dinheiro! Módulo 2 Unidade 8 Vamos poupar dinheiro! Para início de conversa... Observe a história em quadrinho abaixo: Matemática e suas Tecnologias Matemática 33 Todos nós sabemos que é muito bom guardar um dinheirinho

Leia mais

Oficina Virtual de Animação - Stop Motion Desenho Animado Ambiental - 2011. Realização: CARANGUEJO ORG.br

Oficina Virtual de Animação - Stop Motion Desenho Animado Ambiental - 2011. Realização: CARANGUEJO ORG.br Oficina Virtual de Animação - Stop Motion Desenho Animado Ambiental - 2011 Realização: O que é Stop Motion? Stop Motion é uma técnica de animação feita quadro a quadro através de fotos. Desse modo um objeto

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

VIAGENS NO TEMPO E PARADOXOS TEMPORAIS

VIAGENS NO TEMPO E PARADOXOS TEMPORAIS VIAGENS NO TEMPO E PARADOXOS TEMPORAIS Segundo o escritor Eduardo Torres, as Viagens no Tempo são o que há de mais puro em termos de Ficção Científica, visto que elas o são por excelência. Há algo de bastante

Leia mais

Vamos explorar temas como:

Vamos explorar temas como: Esse curso tem o objetivo de aprofundar a prática e o estudo de desenho no formato cartoon para utilização em registros visuais, facilitação gráfica, ilustração e outras aplicações. Ao longo desses 2 meses

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

44 :: e-mais - portfólio on-line. Como montar um portfólio on-line?

44 :: e-mais - portfólio on-line. Como montar um portfólio on-line? 44 :: e-mais - portfólio on-line Como montar um portfólio on-line? e-mais - portfólio on-line :: 45 Sinto muita falta em portfólios on-line de uma explicação detalhada da função exercida em cada projeto

Leia mais

Animação Efeito3D AtorVirtual

Animação Efeito3D AtorVirtual Cadbury Adams Nokia AESP AESP Amarula Speedo Animação Efeito3D AtorVirtual +55 11 3167-2533 Rua Jesuíno Arruda, 797-9º andar Itaim-Bibi A Empresa Somos um estúdio de animação focado em agências de marketing

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 2: IDEALIZANDO O SEU JOGO Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos OBJETIVOS Ao final da aula,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Versículo Biblíco Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Salmos 139:14 (NVI)

Versículo Biblíco Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Salmos 139:14 (NVI) Versículo Biblíco Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Salmos 139:14 (NVI) Objetivos O QUE? (GG): As crianças ouvirão a história de Marcinelo, um boneco de madeira que não se sentia

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Motion Graphics 2D. Imagine School. Curso de. Módulo 01 - Introdução & Conceitos Básicos

Motion Graphics 2D. Imagine School. Curso de. Módulo 01 - Introdução & Conceitos Básicos Curso de Motion Graphics 2D Imagine School O Curso de Motion Graphics 2D da Imagine School é dividido em módulos, totalizando 40 semanas (01 ano) e somando 140 horas presenciais no seu currículo. Durante

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

GRAVANDO SUA APRESENTAÇÃO PARA O LUPA DE OURO 2013

GRAVANDO SUA APRESENTAÇÃO PARA O LUPA DE OURO 2013 GRAVANDO SUA APRESENTAÇÃO PARA O LUPA DE OURO 2013 Prezado(a) colega(a), Este ano, as campanhas relacionadas a produtos e campanhas institucionais inscritas para o Lupa de Ouro 2013 serão avaliadas em

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1 Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo 1 do filme O menino e o mundo. Dir.: Alê Abreu, animação, Brasil, 80, 2014. 1 Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. E-mail:

Leia mais

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Néli Falcão Barbosa NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Dissertação de Mestrado DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Educação Rio de Janeiro

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Uma carta e algumas lembranças

Uma carta e algumas lembranças Uma carta e algumas lembranças Olá, amigos e amigas. Pode ser que alguns de vocês não me conheçam muito bem. Gostaria de me apresentar e falar um pouco sobre mim. Para isso vou ter que contar algumas pequenas

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer Autora: ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Estamos rodeados por histórias de personagens nobres que ao longo de sua trajetória o xadrez sempre esteve

Leia mais