PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Marcelo Victor de Carvalho Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Marcelo Victor de Carvalho Ferreira"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Belo Horizonte 2014

2 Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Orientador: Júlio Pinto Belo Horizonte 2014

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais F383i Ferreira, Marcelo Victor de Carvalho Imitando um real inexistente: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica / Marcelo Victor de Carvalho Ferreira. Belo Horizonte, f. : il. Orientador: Júlio Pinto Dissertação (Mestrado) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. 1. Cinematografia - Efeitos especiais. 2. Mimese na arte. 3. Cinema. 4. Narrativa (Retórica). I. Pinto, Júlio. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. III. Título. CDU:

4 Marcelo Victor de Carvalho Ferreira IMITANDO UM REAL INEXISTENTE: os efeitos visuais na construção da narrativa cinematográfica Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Júlio Pinto (Orientador) PUC Minas Eduardo Antônio de Jesus PUC Minas Anna Karina Castanheira Bartolomeu UFMG Belo Horizonte, 02 de dezembro de 2014

5 Aos meus pais e irmã, portos de sabedoria e amor.

6 AGRADECIMENTOS Sinto-me como numa sala de cinema, após uma projeção de longa duração. O corpo está cansado, os olhos ainda se acostumam com as luzes que já acendem e a mente tenta entender toda aquela informação fragmentada. O filme termina, mas ainda sobem os créditos na tela escura. Ainda há música para embalar as últimas imagens que surgem ora ou outra entre os nomes da vasta equipe de produção. Nesse momento é costume para muitos apenas levantar, sair e viver a vida lá fora. Como um velho hábito meu, repito aqui o movimento de estender o fim. Me desligar aos poucos daquele mundo existente entre as quatro paredes e voltar para a realidade sem pressa. Assim como a imensidão de pessoas necessárias para concluírem aquela produção fílmica que terminara, esse trabalho só foi realizado com a existência de uma força criadora plural. Para os que pensam que a escrita se faz sozinho, sinto informá-los que ela só se fez quando estive muito bem acompanhado. E se não posso colocá-los todos na capa junto ao meu nome, me resta agradecer. Agradeço de corpo e alma a benevolência divina e a oportunidade do trabalho no bem. Aos meus pais, dedico minha mais profunda admiração e respeito, pois foram fonte de amor incondicional e de sabedoria que só a vida sabe ensinar. Agradeço a minha irmã pela austeridade de cerne doce, cuidando mesmo a distância, com seu olhar felino. Ao meu afilhado, lanço um desejo de tardes longas na companhia de videogames e heróis mascarados. Primos e primas que me desejaram o melhor em encontros esporádicos. Principalmente àquela que me refaz com abraços apertados, aplausos sem propósito e conversas animadas pela madrugada. Tios e tias que não se cansam em parabenizar por meus esforços, sejam lá quais esses forem. Em meu ambiente de trabalho, praticamente meu segundo lar durante todo esse tempo, também deixo meu carinho. Lá encontrei um antigo mestre, que se tornou colega de trabalho, que se tornou amigo. Uma baixinha de voz potente e um espirito protetor. Um companheiro de colóquio sagaz e divertido. E também um gigante com coração valente. Por todos os momentos que precisei e fui compreendido, meu muitíssimo obrigado. Ainda nesse lar, encontrei espaço para fazer novos amigos que carrego para a vida. Em especial, um espirito livre de risada fácil, tão pronto para ajudar quanto para celebrar. Os mestres de outrora, que dividem os corredores, papos descontraídos e mesas de almoço. Aos membros da banca, meus ouvidos atentos e a alegria por compartilharem desse momento. Lembro-me também daqueles

7 da casa laranja, movidos pela arte e bons pensamentos. Agradeço por me acolherem nessa caminhada de reverberação do pensamento no bem. Nos templos do saber, invisto minha admiração por cada um dos que passaram em meu caminho. Ao meu orientador, em especial, que havia me alertado desde o início que se propunha a me desorientar. Desorientação que só me fez crescer, pois como haveria de chegar em algum lugar diferente e desconhecido, se não me perdesse vez ou outra por aí? Seus comentários cirúrgicos e humor inteligente estão emaranhados nas linhas que seguem. Ao animado professor amante das imagens e das artes, obrigado por me permitir manter a leveza no olhar, ainda que com sobriedade. Ao sério de escrita elegante, agradeço por me fazer buscar o meu melhor. À de sorriso largo e papo agradável, por ter sempre acreditado em mim. Aos demais professores, um abraço recheado de gratidão. Às tímidas senseis que transbordam simpatia, reverencio com demasiado respeito, por me permitirem alcançar um sonho de tempos imemoriais. Entre tantos amigos, abraço aqueles que entraram nessa mesma viagem, enlouquecendo juntos. Aos irmãos de coração, meu agradecimento pela paciência, conselhos, companhias, puxões de orelha e declarações. Aos que pouco vi, saibam que não foram esquecidos. A existência de vocês mesmo que na lembrança foram base para a perseverança. Diliças, lindões e companheiros de jornada NERD, foi a inebriante companhia de vocês que me permitiram alçar voos na imaginação. Agradeço a cada um que depositou em mim confiança, não apenas de um trabalho bem feito, mas de retidão moral em cada passo firmado. Também ao leitor que chegou até essas palavras, pois foi inspiração mesmo em tempo diferido. Foram tantas pessoas que, se hoje não me lembro de todas as faces, guardo no coração todos os sorrisos. Foi uma caminhada de dores e amores. Aprendizados de todas as espécies que me preparam para filmes por vir.

8 Frodo: - Não consigo fazer isso, Sam. Sam: - Eu sei. Isso não é justo. Na verdade, nem devíamos estar aqui. Mas estamos. É como nas grandes histórias, Sr. Frodo. As que tinham mesmo importância. Eram repletas de escuridão e perigo. E, às vezes, você não queria saber o fim... porque como podiam ter um final feliz? Como podia o mundo voltar a ser o que era depois de tanto mal? Mas, no fim, é só uma coisa passageira... essa sombra. Até a escuridão tem de passar. Um novo dia virá. E, quando o sol brilhar, brilhará ainda mais forte. Eram essas histórias que ficavam na lembrança... que significavam algo. Mesmo que você fosse pequeno demais para entender por quê. Mas acho, Sr. Frodo, que eu entendo, sim. Agora eu sei. As pessoas dessas histórias tinham várias oportunidades de voltar atrás, mas não voltavam. Elas seguiam em frente... porque tinham no que se agarrar. Frodo: - E em que nós nos agarramos, Sam? Sam: - No bem que existe neste mundo, Sr. Frodo... pelo qual vale a pena lutar. (O SENHOR DOS ANÉIS: AS DUAS TORRES, 2002, 02:44:35)

9 RESUMO Essa pesquisa investiga a utilização dos efeitos visuais no cinema, como parte da construção da narrativa cinematográfica. A começar por uma conceituação básica das diferenças entre efeitos visuais e efeitos especiais, levantam-se questionamentos sobre a sensação de realidade provocada pela imagem síntese. Como operadores conceituais foram acionadas as noções de representação a partir da mímesis, desde Platão até autores do século XX, culminando na teoria de Rolland Barthes sobre o Efeito de Real. Em um segundo momento, há uma análise específica dos elementos constituintes da narrativa visual cinematográfica, como as diferentes possibilidades expressivas no uso da câmera e da montagem, principalmente relacionadas aos efeitos visuais. Através do estudo da imagem foram percorridas algumas possibilidades da expressão de signos da fisicalidade e também imateriais como o espaço e o tempo. Além das análises pontuais em diversos exemplares cinematográficos, o filme As Aventuras de Pi é estudado com maior proximidade. A partir de As Aventuras de Pi, um filme com forte presença da imagem síntese e questionamento de real interno e externo à narrativa, o caminho teórico percorrido é retomado através da análise imagética para descobrir se/como essas imagens podem ter reverberado na compreensão da narrativa final. Palavras-chave: Efeitos visuais. Efeitos especiais. Mímesis. Efeito de real. Cinema. Narrativa cinematográfica.

10 ABSTRACT This thesis investigates the use of visual effects in the cinema as part of the construction of cinematic narrative. Departing from a basic distinction between the concepts of visual and special effects, the work raises questions about the sensation of reality caused by synthetic images. As conceptual operators the research utilizes the notions of representation founded on the idea of mimesis, from Plato to 20 th century authors, up to Rolland Barthes and his Effet de Réel. A second movement of the work specifically analyzes the constitutive elements of visual cinematic narrative, such as the different expressive modalities of camera use and montage when related to visual effects. By means of the study of the image, the text examines some expressive possibilities of signs of physicality and immaterial ones, such as space and time. Besides sampled analyses from several cinematic pieces, the film The Life of Pi is studied more closely, as it is a film with a strong presence of synthetic images which challenge the Real, both within and without the narrative. Having The Life of Pi as ground, the theoretical framework is taken up once more by way of imagetic analysis, in order to verify whether and how those images may have had an impact upon the understanding of the final narrative. Key words: narrative. Visual effects. Special effects. Mimesis. Effet de réel. Cinema. Cinematic

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 A lua de Méliès Figura 2 A complexa cidade de Metropolis Figura 3 Diferentes usos dos efeitos visuais em O Senhor dos Anéis Figura 4 Os efeitos visuais na sequência final de MIB Figura 5 Reprodução cinematográfica do Titanic Figura 6 Expedição ao Titanic pela equipe do filme Figura 7 Referências reais do Titanic Figura 8 A construção fragmentada do monstro em Allien Figura 9 Círculo de Fogo e o imaginário dos monstros e robôs gigantes Figura 10 Semelhanças entre a Graphic Novel e o filme Figura 11 A atmosfera vampiresca em Nosferatu Figura 12 A atmosfera do velho oeste em Era uma vez no oeste Figura 13 A atmosfera infantil da animação Lilo & Stitch Figura 14 Estudo de atmosferas de Lou Romano Figura 15 Imagem estilizada em O Homem duplo Figura 16 Beowulf, motion captures em estúdio e a diferença do personagem final Figura 17 O uso de cores em Sin City Figura 18 A reconstrução digital de Nova York em Os Vingadores Figura 19 Câmera virtual em nível microscópico em Prometheus Figura 20 Câmera virtual pelo espaço em Árvore da Vida Figura 21 Powers of ten e a câmera virtual em potências de dez Figura 22 A montagem interna ao plano em O grande Gatsby Figura 23 As diferentes concepções de Hogwarts em Harry Potter Figura 24 A concepção dos planetas Tatooine e Hoth em Guerra nas Estrelas Figura 25 A mímesis do espaço em Gravidade Figura 26 A subjetividade do espaço em A Origem Figura 27 O tempo congelado em Melancolia Figura 28 Um lugar chamado Notting Hill, plano sequência para passagem de tempo Figura 29 Mudanças de idade usando o mesmo ator em Benjamin Button Figura 30 A sensação subjetiva de tempo em Peixe Grande Figura 31 Teste e gravações com Suraj Figura 32 Produção do tanque... 96

12 Figura 33 Cenas reais de Richard Parker Figura 34 Tigre real vs Tigre virtual Figura 35 Zoológico Figura 36 Zoológico Figura 37 A pureza de Piscine Molitor e a infinitude de Pi Figura 38 Pondicherry Figura 39 Conhecendo Deus Figura 40 Os olhos de Richard Parker Figura 41 Dúvida e Inquietação Figura 42 TsimTsum Figura 43 A arca de Pi Figura 44 Laranja, a cor de Deus Figura 45 Guia de Sobrevivência Figura 46 Alimentando o companheiro de viagem Figura 47 Universo marítimo Figura 48 Cardume voador e o rugido de Pi Figura 49 Não perca a esperança Figura 50 As profundezas da alma Figura 51 As profundezas da alma Figura 52 Tempestade de Deus Figura 53 A ilha Figura 54 A praia Figura 55 Uma outra versão dos fatos

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL Os Efeitos Visuais A Mímesis Efeito de Real UMA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS Potências da Imagem Cinematográfica Potências Diegéticas O MAR, O TIGRE E O MENINO As Aventuras de Pi Zoológico A pureza de Piscine Molitor. A infinitude de Pi Pondicherry Conhecendo Deus Os olhos de Richard Parker Dúvida e inquietação TsimTsum A arca de Pi e a ascensão de Richard Parker Laranja, a cor de Deus Guia de sobrevivência Alimentando o companheiro de viagem Universo marítimo Cardume voador e o rugido de Pi Não perca a esperança As profundezas da Alma Tempestade de Deus A ilha A praia Uma outra versão dos fatos Considerações finais ENFIM REFERÊNCIAS FILMOGRAFIA

14 12 1 INTRODUÇÃO Com certa ansiedade, algumas pessoas se aproximam da sala escura para conhecer a novidade. Dada a hora marcada, o aparelho dá partida ao carrossel das películas, dando vida à tela anteriormente inerte. Há êxtase com as imagens lançadas naquele espaço reservado, fazendo ouvir aqui e ali a mudança de respiração que indicam a montanha russa de emoções compartilhadas. Risinhos, sustos, suspiros. Encantamento provocado por uma série de experiências visuais e sonoras. O cinema, como fora denominado este tipo experiência, surgia no fim do século XIX através de pequenas exibições de imagens em movimento, com historietas ou puro exibicionismo visual. Nesse primeiro cinema, como chama Costa (1995), havia espaço para o espetáculo, tal qual os mágicos e artistas mambembes. Ora ou outra o personagem podia quebrar a barreira entre o mundo fílmico e a realidade, convidando o espectador a participar ativamente da história narrada. Aos poucos, uma gramática visual foi instaurada, configurando enquadramentos, tipos de montagens e estilos narrativos, tornando-se não a única forma de expressão cinematográfica, mas a mais comum. Somos diariamente expostos às imagens dessa narrativa clássica do cinema, que nos provoca, na maioria das vezes, sem quebrar a parede invisível da ficção. Muito pelo contrário, somos convidados a nos agarrar e embrenhar cada vez mais em um mundo que não existe em outro lugar senão na tela de imagens projetadas. Uma narrativa que nos conduz através de escolhas bem elaboradas de luz, câmera, movimento, formas, cores e sons. Cineastas de todo o mundo experimentaram novas formas de expressão através das imagens em movimento. Novas técnicas foram assimiladas, processos de animação, colorização, mecanização, automação de processos, criação de efeitos da ordem do visual e do sonoro que pudessem continuar o encantamento por gerações. Com o desenvolvimento de equipamentos capazes de sintetizar imagens em computadores, não tardou para que essas também fossem alvo de projetos cinematográficos. Os efeitos visuais, como são chamados no cinema esses elementos da imagem produzidos digitalmente, abriam caminho para uma nova logística de produção fílmica. No cinema contemporâneo é difícil encontrar uma única produção que não tenha contado com algum artifício digital. Dentre as produções com maior bilheteria de todos os tempos, todas possuem rica produção de imagens sintetizadas por computador. O grande entrelaçamento dos processos de efeitos visuais com as narrativas contemporâneas instigou o questionamento: seriam esses efeitos apenas facilitadores

15 13 operacionais? Seriam apenas artifícios da imagem espetáculo? Seriam ornamentais ou poderiam criar efeitos de ordem narrativa? Na tentativa de investigar os questionamentos acima, busquei entender o funcionamento das técnicas de efeitos visuais no cinema e como essas reverberam em elementos da narrativa cinematográfica. Inicio o trajeto através do questionamento de real provocado pela imagem de síntese, cada vez mais convincente aos olhos. Para tal, aciono a ideia de representação através da noção de mímesis. Adentro a caverna de Platão e volto à luz do efeito de real de Roland Barthes. Segundamente, busco as potencialidades da imagem no cinema enquanto criadora de sentidos narrativos. Como funcionam a câmera, o espaço o tempo, a montagem e demais elementos imagéticos na lógica da produção de efeitos visuais. Finalmente, analiso como objeto empírico o filme As Aventuras de Pi (Life of Pi, Ang Lee, 2012). As Aventuras de Pi conta a história de Pi Patel, sobrevivente no naufrágio do cargueiro TsimTsum no meio do Oceano Pacífico. Após muitos anos do acidente, Pi narra sua experiência de ter vivido duzentos e vinte e sete dias em alto mar, na companhia de um tigre de bengalas, para um escritor ávido por uma boa história. O filme, adaptado de uma produção literária de mesmo nome, possui grande parte dos elementos produzidos digitalmente, incluindo o tigre personagem Richard Parker. Através desta produção, faço apontamentos sobre a sensação de real provocada pela imagem síntese para o espectador, analiso as estratégias narrativas e seus resultados internos e externos ao espaço fílmico. Antes de chegar até essa viagem ao Pacífico, entretanto, convido o leitor a um passeio por diversas outras produções. É hora de adentrar a sala escura. As primeiras imagens já se configuram na tela. Imerso nesse espaço que constitui quase um universo paralelo, há vida pulsando. Dentre feixes de luz e partículas suspensas, as imagens improváveis causam a pergunta inevitável: Isto é real?. Me atrevo a perguntar de volta: O que é real?. Sentemonos confortavelmente, o caminho para as respostas podem estar ao alcance das mãos.

16 2 OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL 14

17 15 2 OS EFEITOS VISUAIS E A PERCEPÇÃO DE REAL Morpheus: - Esta é sua última chance. Depois não há como voltar. Se tomar a pílula azul, a história acaba, e você acordará na sua cama acreditando no que quiser. Se tomar a pílula vermelha ficará no país das maravilhas, e eu te mostrarei até onde vai a toca do coelho. (MATRIX, 1999, 00:28:57) Neo: - Isto não é real? Morpheus: - O que é real? Como você define o real? Se está falando do que consegue sentir, do que pode cheirar, provar, ver... então real são simplesmente sinais elétricos interpretados pelo cérebro. (MATRIX, 1999, 00:40:10) O que é real? Os diálogos acima, extraídos do filme Matrix (The Matrix, Andy e Lana Wachowski, 1999), são parte do caminho e dos questionamentos que o personagem Neo enfrentou até descobrir a verdade. Para Neo, a pergunta vem acompanhada com outra fundamental: o que é a Matrix?. Neo descobre que a Matrix é uma representação do mundo que conhecemos do final do século XX, criada por máquinas com inteligência artificial e independentes. Após anos de guerra entre humanos e máquinas, essas últimas obtiveram vantagem em força e número, construindo por fim uma plantação de humanos, fonte poderosa de energia. Programado pelas máquinas, a Matrix é um mundo semelhante ao que existia antes da guerra, ligado diretamente ao sistema nervoso dos humanos cultivados. Morpheus faz parte da resistência, formada por aqueles que conseguiram se desvincular da Matrix e pelos poucos que nasceram por vias normais, e acredita que Neo é a peça chave para ganharem a guerra. O estranhamento do que era real acontece para Neo ao mesmo tempo em que acontece para o espectador. Se comparado com o mundo em que vivemos, o filme Matrix apresenta uma inversão do que consideramos realidade. No mundo fílmico, as cidades, as pessoas, a tecnologia, tal qual como conhecemos é apenas uma representação da Matrix. A verdade, em contrapartida, é composta por naves futurísticas, tubulações no centro da terra e máquinas sentinelas que se assemelham a grandes lulas metálicas. O cenário real no espaço fílmico nos parece pura ficção. Utilizando dessa breve observação, aponto para uma possível existência de diferentes instâncias do real. Pensar em real demanda o estabelecimento prévio de um ponto de partida: real em relação a que? Real para quem? Guardemos essas considerações para mais adiante. O questionamento de real trabalhado no filme foi tão contundente, que deu visibilidade para discussões a respeito em fóruns de internet, ensaios acadêmicos e até mesmo publicações filosóficas. Tecnicamente Matrix também despertou a atenção do público e dos críticos. A direção dos irmãos Andy e Lana Wachowski explorou diversas possibilidades dos

18 16 efeitos gerados por computador para a produção do longa-metragem. O filme se tornou referência no assunto e foi vencedor de várias premiações, incluindo o Oscar de melhor efeitos visuais. Diante da narrativa, vamos aos poucos entendendo como funciona a Matrix através de Morpheus, que ironicamente ostenta o nome do Deus dos sonhos, da mitologia grega, e lidera o despertar para a realidade dos resgatados. O personagem explica pacientemente ao descrente Neo as novas leis que regem sua percepção do que é possível. Entre essas possibilidades Neo aprende que as leis da física, apesar de operantes, podem ser burladas até certo ponto. Neste aspecto do mundo fílmico, age grande quantidade dos efeitos visuais do longa-metragem. Saltos a distâncias impossíveis a humanos, andar sobre paredes ou desviar de balas projetadas por armas de fogo. Esta última acabou popularizando o chamado bullet time. Ao desviar dos tiros, Neo cria a sensação de tempo praticamente congelado, permitindo vermos a trajetória da bala. A técnica do bullet time foi bastante repetida nos filmes subsequentes ao lançamento de Matrix, com homenagens e paródias. A partir de Matrix, até mesmo desenhos animados e jogos passaram a utilizar cenas que simulam o bullet time, como o jogo de ação Max Payne (2001). Todavia, na codificação do jogo ou na animação de um desenho, o efeito não é reproduzido com o mesmo aparato técnico, sugerindo portanto, uma busca pela reprodução do efeito estético e narrativo. Os efeitos visuais em Matrix parecem ser empregados para gerar uma experiência estética diferenciada, mas também para agregar significados à narrativa e corroborar com as leis do que é real, segundo o mundo fílmico. A partir da técnica cinematográfica, foi possível moldar um real imaginário, tornando-o visualmente identificável para o espectador. A realidade do filme não é apenas contada, mas mostrada de forma crível. Matrix é um marco do cinema, sobretudo quando relacionado aos efeitos visuais. A utilização desses efeitos só tende a crescer, assim como a melhoria das técnicas vigentes. Efeitos visuais de toda a sorte, reproduzindo visuais diferentes, relacionando à suas respectivas narrativas também de maneiras diferentes. Muitos reais sendo imaginados e reproduzidos. Volto a questionar: real em relação a que? Real para quem?. Para respondêlas, fazem-se necessárias algumas conceituações básicas. Tomemos a pílula vermelha. 2.1 Os Efeitos Visuais Manipular as imagens, construir cenários fantásticos, animar o inanimado, fazer ver o impossível. Todas essas características poderiam estar relacionadas aos efeitos visuais, mas

19 17 não somente. Muito antes do advento dos computadores, alguns cineastas, já no fim do século XIX, observavam as potencialidades do cinema e seu poder de encantar através das imagens. Além das representações cotidianas, o cinema crescia com produções que investiam no visual estético e também na narrativa. Dentre essas primeiras experiências cinematográficas, destaco as produções de Georges Méliès. Atuando como produtor teatral e mágico antes de aventurar-se com as películas, Méliès trouxe também aos filmes um toque de magia. Grande quantidade dos artifícios utilizados por Méliès são trucagens, constituídos principalmente por sobreposições de imagens, pequenas animações e ilusões de ótica. Dentre mais de quinhentos curtas-metragens produzidos, Viagem à Lua (Le Voyage dans la Lune, 1902) é um dos mais lembrados pelos críticos e estudantes da sétima arte, com a marcante imagem da Lua com face humana atingida no olho por um foguete. Por seus truques, o cineasta francês foi considerado o precursor dos efeitos especiais no cinema. Também no fim do século XIX, já aconteciam os primeiros experimentos de animações voltadas para o cinema. Desenhos, bonecos e pequenos objetos ganhavam vida nas mãos do norte-americano J. Stuart Blackton e o inglês Arthur Melbourne-Cooper. Donald Crafton (1999) afirma não ser possível classificar qual dos dois animadores citados anteriormente, foi o primeiro a explorar a técnica no cinema. Entretanto, observa que a manipulação dos objetos, organizados de maneira justaposta por apenas um frame ou alguns poucos, como faziam, era o suficiente para criar uma ordem mimética de ilusão de movimento no cinema. Os métodos utilizados por Méliès, Blackton e Melbourne-Cooper, se sofisticaram com o passar dos anos tanto por novas descobertas de processos, quanto por novos aparatos tecnológicos. Com o desenvolvimento também das demais técnicas cinematográficas, já na década de 1910 era possível a produção de longas-metragens, épicos e filmes da ordem do fantástico. O filme Metrópolis de Fritz Lang (Metropolis, 1927), já apresentava grande potência na representação, com cenários futurísticos de visual impressionante. Em 1933 King Kong (Merian C. Cooper e Ernest B. Shoedsack) apresentava Kong, o gorila gigante, animado completamente pela técnica de stop-motion 1, demonstrando grande avanço dos recursos de animações no cinema. As animações feitas com ilustrações quadro-a-quadro também se desenvolviam consideravelmente. Produções animadas adotaram a banda sonora desde 1 Stop-Motion é uma técnica de animação que consiste na captura de um fotograma a cada pequena modificação de posição do objeto animado. Colocado em sequência, as imagens anteriormente estáticas dão a impressão de movimento.

20 18 Steamboat Willie (Ub Iwerks,1928) e o uso das cores com Flores e Árvores (Flowers and Trees, Burt Gillett, 1932), ambas da gigante da animação Walt Disney. As obras de animação cresciam em quantidade e em duração, com o aumento do investimento dos estúdios também em longas metragens. Branca de Neve e os sete anões (Snow White and the Seven Dwarfs, William Cottrell, 1937) foi o primeiro longa da Walt Disney e abriu espaço para uma série de animações que se tornaram clássicos do cinema e do público infantil, como Fantasia (Norman Ferguson, 1940), Cinderela (Cinderella, Clyde Geronimi, 1950) e A Bela Adormecida (Sleeping Beauty, Clyde Geronimi, 1959). A intervenção de elementos animados feitos com ilustrações em produções liveaction 2 não eram comuns, sendo o stop-motion a principal técnica de animação cinematográfica para produção de efeitos até o final da década de 1970, substituída, gradativamente, pela animação feita diretamente no computador. Nesse período da década de 1970 o cinema norte-americano movimentava algumas mudanças. Figura 1 A lua de Méliès Fonte: Viagem à Lua (1902) 2 Termo utilizado para classificar atuações com atores reais, não animados.

21 19 Figura 2 A complexa cidade de Metropolis Fonte: Metropolis (1927)

22 20 A chegada de novos diretores como Steven Spielberg e George Lucas foi de grande relevância para a construção de uma nova lógica de produção em Hollywood. Com Tubarão (Jaws,1975) e Guerra nas Estrelas (Star Wars, 1977), Spielberg e Lucas alavancavam o mercado de blockbusters 3 ao criarem franquias de filmes de grande apelo visual e comercial, que geraram uma rede de produtos relacionados, denominado por Fernando Mascarello (2006), como escalada histórica do fenômeno da sinergia. (p. 348) Nessa mesma época o cinema procurava seu espaço em um momento de avanços tecnológicos que se popularizavam, com destaque para as televisões, as transmissões a cabo e os aparelhos VHS, considerados concorrentes das salas cinematográficas. O desenvolvimento tecnológico era motivo de preocupação por parte das grandes produtoras e distribuidoras pela abertura da nova concorrência, mas também esteve a favor do cinema nesse período embrionário para os efeitos visuais. John Belton (1999) destaca a utilização de determinados efeitos especiais em filmes anteriores a essa época, por meio de duas, ou mais, trilhas de filme sobrepostas. O autor ressalta a fragilidade da técnica, que mesmo que conseguisse produzir um efeito próximo ao esperado, ainda deixava traços identificáveis de sua produção, afastando a sensação de realidade desejada. Belton completa ao dizer que a tecnologia de computadores melhorou dramaticamente a ilusão de realidade provocada pelos efeitos especiais nos filmes. Por terem, os efeitos especiais e visuais, uma história muito próxima aos avanços dos aparatos tecnológicos, abro aqui uma reflexão. Ao delinear as mudanças do cinema com as melhorias tecnológicas, é imperante tomar certos cuidados. A tecnologia evoluía em todos os setores, não apenas no cinema. É comum que equipamentos mecânicos, elétricos e/ou digitais sejam substituídos por novos modelos, geralmente mais eficientes. Não é isso, porém, que define a melhoria do setor em si. O cinema avançava como um todo pelo mundo, com diretores e seus diferentes olhares, com novas perspectivas, movimentos críticos, publicitários, comerciais e políticos. O cinema foi e ainda é o que fazem dele, e não com que ferramenta o fazem. Tratar das potencialidades dos efeitos visuais no cinema é tratar também de suas respectivas ferramentas. Todavia, aqui interessa muito mais o que pode ser feito a partir desse aparato. Quando o cinema adotou o áudio síncrono no fim da década de 1920, e o filme em cores nos últimos anos da década de 1930, falava-se muito a respeito dos equipamentos. Hoje, áudio e cores são objetos de estudos que vão além. Não se trata, contudo, 3 Blockbuster é o nome dado às grandes produções do cinema com alto investimento financeiro, forte campanha de marketing, e grande público potencial. Por causa dos elevados recursos despendidos nesses filmes, os estúdios esperam resultados positivos com as arrecadações nas bilheterias e na assimilação de produtos relacionados.

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO A Sra Mary Kay já dizia: nada acontece enquanto você não vende alguma coisa. Se você está

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO DE ATIVIDADE Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Edição de um filme a partir de fotografias ANIVERSÁRIO GEMEOS / 7

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Alegoria da Caverna. Platão

Alegoria da Caverna. Platão Alegoria da Caverna Platão Imagina homens que vivem numa espécie de morada subterrânea em forma de caverna, que possui uma entrada que se abre em toda a largura da caverna para a luz; no interior dessa

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Terra de Gigantes 1 APRESENTAÇÃO

Terra de Gigantes 1 APRESENTAÇÃO Terra de Gigantes Juliana de MOTA 1 Alexandre BORGES Carolina de STÉFANI Emilia PICINATO João Paulo OGAWA Luara PEIXOTO Marco Antônio ESCRIVÃO Murilo ALVES Natália MIGUEL Orientado pelos docentes: João

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

10 Regras Para Ter Sucesso Com Negócios Digitais

10 Regras Para Ter Sucesso Com Negócios Digitais http://aguiavirtual.com.br/ Por Tiago Bastos 1 10 Regras Para Ter Sucesso Com Negócios Digitais Ao longo dos últimos 4 anos, venho trabalhando na internet de forma profissional. Já errei muito e acertei

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer personal cool brand Os holandeses Anouk Pappers e Maarten Schäfer, da CoolBrands, trabalham há 12 anos fazendo storytelling para marcas, que se trata de extrair histórias sobre elas por meio de conversas

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação.

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação. Meu Mini Mundo 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Alexandre FERREIRA 3 Bruno César de SOUZA 4 Mayra Magalhães GOMES 5 Thiago Arthur GOMES 6 Lamounier Lucas PEREIRA Jr. 7 Centro Universitário Newton Paiva, Belo

Leia mais

Figura Nº 70. Figura Nº 71

Figura Nº 70. Figura Nº 71 Figura Nº 70 Figura Nº 71 Figura Nº 69 Outra constatação é que o processo de solarização decorre de uma iluminação adicional feita no decorrer da revelação da imagem ou filme, assim sendo poderíamos com

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais