O DESIGN E SUA HISTÓRIA NOS SISTEMAS DE OBJETOS DE CENA E CENÁRIOS PARA TEATRO E CINEMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESIGN E SUA HISTÓRIA NOS SISTEMAS DE OBJETOS DE CENA E CENÁRIOS PARA TEATRO E CINEMA"

Transcrição

1 0 THIAGO DE STURDZE O DESIGN E SUA HISTÓRIA NOS SISTEMAS DE OBJETOS DE CENA E CENÁRIOS PARA TEATRO E CINEMA FLORIANÓPOLIS SC 2008

2 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE ARTES CEART DEPARTAMENTO DE DESIGN DDE THIAGO DE STURDZE O DESIGN E SUA HISTÓRIA NOS SISTEMAS DE OBJETOS DE CENA E CENÁRIOS PARA TEATRO E CINEMA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC curso de Design Industrial habilitação em projeto de produto, como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Design Industrial. Orientador: Douglas Ladik Antunes, M.Sc FLORIANÓPOLIS SC 2008

3 2 THIAGO DE STURDZE O DESIGN E SUA HISTÓRIA NOS SISTEMAS DE OBJETOS DE CENA E CENÁRIOS PARA TEATRO E CINEMA Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito parcial para obtenção do grau de bacharel em design industrial no curso de graduação em Design Industrial da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. Banca Examinadora: Orientador: Prof. Douglas Ladik Antunes, M.Sc Co-orientador: Prof. Mauro de Bonis Almeida Simões Membro: Prof. Claudio de São Plácido Brandão, M.Sc Florianópolis, 10 de Julho de 2008

4 À minha família: meus pais, minha irmã e meus dois irmãos; aos meus amigos e aos professores e pessoas que me apoiaram. 3

5 4 Filosoficamente falando, o design de produção é uma disciplina fascinante. Tem um componente realmente espiritual. Porque exige que se examine o mundo bem de perto, ver as coisas como realmente são e não como você quer que elas sejam, e então recriá-las com objetivos totalmente fictícios e imaginários. Qualquer trabalho que o obrigue a olhar o mundo com tanto cuidado tem de ser um bom trabalho, que faz bem à alma. Paul Auster Romancista, Poeta, Ensaísta e Cineasta

6 5 RESUMO Esta pesquisa buscou estabelecer as relações entre Design Industrial com Teatro e Cinema. Foram considerados o surgimento, a evolução, o processo de desenvolvimento, as tecnologias e as demandas das atividades relacionadas. Algumas breves biografias de profissionais, arquitetos, artistas, cineastas e designers que contribuíram para a consolidação das atividades abordadas foram incluídas. Optou-se por uma pesquisa exploratória, investigando o campo de atuação profissional entre as áreas. O trabalho foi elaborado utilizando-se informações de fontes bibliográficas, de filmes, da internet e de visitas a exposições. A pesquisa pode ser dividida em duas partes: teatro e cinema. Na parte de teatro são abordados esclarecimentos sobre cenografia, início do teatro, breve histórico da cenografia teatral, desenvolvimento da cenografia no teatro, passando pelo teatro da Bauhaus, sempre apontando questões relacionadas ao design. Na parte de cinema são apresentados aspectos específicos da elaboração de cenários e objetos de cena para cinema. Inclui um histórico da ficção científica no cinema apresentando questões relevantes ao design neste campo, além de abordar aspectos relacionados às tecnologias aplicadas, através de exemplos. Imagens e fotos referentes aos temas abordados foram inseridas no trabalho para exemplificar e possibilitar um melhor entendimento dos assuntos tratados. PALAVRAS CHAVE: Design de produto; Objetos de cena; Cenografia.

7 6 ÍNDICE INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO CENOGRAFIA CENÓGRAFO DESIGN NO TEATRO INÍCIO DO TEATRO BREVE HISTÓRICO DA CENOGRAFIA TEATRAL CENOGRAFIA NO TEATRO TEATRO NA BAUHAUS Teatro na Bauhaus de Weimar Teatro na Bauhaus de Dessau Teatro sob a direção de Hannes Meyer Bauhaus Outras considerações SET DESIGN STAGE DESIGN NORMAN BEL GEDDES HENRY DREYFUSS DESIGN NO CINEMA CENOGRAFIA NO CINEMA TECNOLOGIA (3D e efeitos especiais) DESIGN DE FICÇÃO CIENTÍFICA NO CINEMA Exemplo De Caso SYD MEAD MERCHANDISING EXEMPLOS DE OBJETOS DE CENA UTILIZADOS NO CINEMA EXEMPLOS EM FLORIANÓPOLIS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXO A ANEXO B

8 7 LISTA DE FIGURAS Fig. 01 Ballett Triádico de Oskar Schlemmer no Tetro Metropolitano de Berlim (1926) Fig. 02 Desenho do Ballet Mecânico, Fig. 03 Esboço de cena de O Homem no Painél de Controle de Kurt Schmidt, Fig. 04 Esboço de cena de Circus de Xanti Schawinsky, Fig. 05 Cena de Equilibraismo no teatro da Bauhaus Fig. 06 Cena de uma apresentação de Dança da Forma, Fig. 07 Cartaz comemorativo da turnê do teatro da Bauhaus, Fig. 08 O Teatro Jovem na Bauhaus Fig. 09 Cena de Visitante na Cidade em Casa do Professor L Fig. 10 Rendering de Johnny On a Spot (Brooklyn Academy of Music, 1980) Fig. 11 Rendering de A Tale Told (Circle Repertory Company, 1981) Fig. 12 Rendering de Ashes (Manhattan Theatre Club, 1976) Fig. 13 Cenário de Living Dolls (Manhattan Theatre Club, 1960) Fig. 14 Cenário de Ring of Nibelung ( ) Fig. 15 Rendering de um cenário de John Conklin Fig. 16 Cena de Volpone, cenário de (Set Designer) Steven Grahan (Carnegie-Mellon University, 1971) Fig. 17 Cena de Situation Comedy, cenário de (Set Designer) Warner Blake (Carnegie-Mellon University, 1971) Fig. 18 Rendering de Karl Eigsti para Death of a Salesman de Arthur Miller Fig. 19 Sketch de Karl Eigsti para The Last Meeting of the Knights of the White Magnolia Fig. 20 Cenário de The Last Meeting of the Knights of the White Magnolia Fig. 21 Sketch de Michael Frain para Alphabetical Order Fig. 22 Cenário de Alphabetical Order (Long Warf Theatre, 1976) Fig. 23 Cena de Joseph and the Amazing Technicolor Dreamcoat. (Royale Theatre, 1981) Fig. 24 Modelo de Eugene Lee para The Ballad of Soapy Smith de Michael Weller (New York Shakespeare Festival,1984)... 45

9 8 Fig. 25 Modelo de Eugene Lee para La Fanciulla del West Fig. 26 Modelo de Ming Cho Lee para The Witch of Endor (1965) de Martha Graham Fig. 27 Modelo de Mitchell David para Henry V (Delacorte Theatre, 1976) Fig. 28 Modelo de David Mitchell para La Cage aux Folles, (1983) Fig. 29 Cenário de King John (1967) Fig. 30 Sketch de Douglas Schmidt para Frankenstein (Palace Theatre, 1981) Fig. 31 Cena de Frankenstein (Palace Theatre, 1981) Fig. 32 Rendering com colagem de Douglas Schmidt para Grease (Eden Theatre, 1972) Fig. 33 Rendering de Robin Wagner para And the Wind Blows (1959) Fig. 34 Rendering de Douglas Schmidt para Macbeth, cenário fechado (American Shakespeare Festival, 1973) Fig. 35 Rendering de Douglas Schmidt para Macbeth, cenário aberto (American Shakespeare Festival, 1973) Fig. 36 Modelo de Norman Bel Geddes para Divina Comédia de Dante, Fig. 37 Conceito de ônibus aerodinâmico de Norman Bel Geddes Fig. 38 Sifão para soda de Norman Bel Geddes de Fig. 39 Histórico telefone Modelo 300 do designer Henry Dreyfuss para os Bell Telephone Laboratóries, Fig. 40 Royal Starship Fig. 41 Pintura de ambiente futurista de Syd Mead Fig. 42 Pintura de nave espacial de Syd Mead Fig. 43 Pintura de carro futurista de Syd Mead Fig. 44 Rendering do carro de policia do filme Blade Runner, vista lateral Fig. 45 Rendering do carro do filme Blade Runner Fig. 46 Carro cenográfico usado no filme Blade Runner Fig. 47 Carro de Blade Runner levantando vôo Fig. 48 Cena do carro voando em frente ao sol Fig. 49 Cena do carro voando sobre os prédios de Los Angeles do futuro Fig. 50 Cena do carro voando em frente ao telão publicitário Fig. 51 Rendering do cenário do centro de LA no futuro para o filme Blade Runner Fig. 52 Cenário do centro de Los Angeles do filme Blade Runner... 95

10 9 Fig. 53 Moto do filme Tron Fig. 54 Tênis Nike do filme De Volta para o Futuro II Fig. 55 Lexus Concept Car Carro da Lexus projetado para o filme Minority Report Fig. 56 Rendering do Mag-Lev vehicle concept do filme Minority Report Fig. 57 Rendering de carro para o filme Minority Report Fig. 58 Modelo de brinquedo da Royal Starship, fabricado pela Fantastic Plastic Fig. 59 Modelo da Royal Starship Fig. 60 Sabres de Luz da série de filmes Guerra nas Estrelas Fig. 61 Arma de Blade Runner Fig. 62 Carro DeLorean da série de filmes De Volta para o Futuro Fig. 63 Exposição Star Wars (sabre de luz e figurinos e robôs) Fig. 64 Exposição Star Wars (Naves) Fig. 65 Exposição Star Wars (andróide, figurino e naves) Fig. 66 Pistolas do filme Minority Report e armamentos Fig. 67 Jornal do filme Eu Robô, bonecos, e miniaturas da ILM Fig. 68 Helton montando exposição no FAM Fig. 69 Objetos de cena do filme Doce de Côco Fig. 70 Placa Santinho Santeiro Fig. 71 Detalhe da Placa Fig. 72 Tomada da placa Santinho Santeiro Fig. 73 Santas de Madeira Fig. 74 Santas de gesso Fig. 75 Placa dos carros da cidade fictícia Fartura do filme Doce de Côco Fig. 76 Objeto de cena metralhadora do filme Doce de Côco Fig. 77 Detalhe da metralhadora cenográfica Fig. 78 Cano da metralhadora cenográfica Fig. 79 Troféus de gesso Fig. 80 Troféus Fig. 81 Logo da Prefeitura Municipal de Fartura Fig. 82 Detalhe de cena do filme Doce de Côco

11 10 Fig. 83 Parte do microfone Fig. 84 Árvore cenográfica de Helton Matias para Hamlet (CEART, 2007) Fig. 85 Detalhe dos rolamentos Fig. 86 Engate da árvore Fig. 87 Galhos da árvore Fig. 88 Rodas da árvore Fig. 89 Máscara

12 11 INTRODUÇÃO A idéia inicial do trabalho surgiu do interesse em entender o processo de criação de objetos de cena e cenários para teatro e cinema, e suas relações com o design. O problema, a princípio, era saber se estas relações existiam, para então esclarecer esses processos dentro do contexto de atuação da área de design. À medida que o trabalho foi tomando forma a partir da pesquisa bibliográfica, foram incluídas questões relevantes sobre a evolução histórica e desenvolvimento das atividades abordadas. Várias produções de teatro e cinema foram citadas e apresentadas como exemplos, além de artistas, designers e cineastas que contribuíram para o desenvolvimento profissional desta área. Este trabalho propõe-se a ajudar estudantes das áreas de design industrial, teatro e cinema a entenderem melhor as relações do design com produções audiovisuais e espetáculos. Na verdade, o trabalho está direcionado a qualquer pessoa envolvida com a produção de objetos de cena e cenários, para teatro e/ou cinema, apresentando aspectos referentes a essas relações como a evolução, o processo de desenvolvimento de design neste campo e demandas específicas deste tipo de atividade. O intuito é o de aperfeiçoar a interatividade e a interdisciplinaridade entre a área de design industrial com as áreas do teatro e do cinema, sobretudo no que se refere à direção de artes para espetáculos e produções audiovisuais. Este é um trabalho de conclusão (TCC) do curso de Design Industrial com habilitação em Projeto de Produto, do Centro de Artes de Santa Catarina (CEART), da UDESC. Fazem parte do CEART os cursos de Música, Moda, Artes Cênicas, Artes Plásticas, Design Industrial e Design Gráfico. Assim, também se torna claro

13 12 outro aspecto importante e implícito no trabalho: o de buscar maior integração entre o curso de Design Industrial com o de Artes Cênicas, nas questões referentes à produção de objetos de cena e cenografia. Do mesmo modo que o curso de Moda pode se relacionar com o de Artes Cênicas na parte de figurinos; o curso de Música na parte de composição e arranjo para uma produção; o curso de Artes plásticas, assim como o de Design Industrial, na parte de cenários, objetos de cena entre outros; e o curso de Design Gráfico na produção de pôsteres, sites na internet e, no caso de produções audiovisuais, do design gráfico propriamente. Ou seja, é possível aperfeiçoar as relações entre um curso e outro, e a interatividade, por exemplo, pode ser um bom meio para se melhorar o entendimento das possibilidades de atuação profissional resultantes destas relações. Além disso, a UFSC e a UNISUL têm cursos de cinema, e facilitar um melhor entendimento das capacidades do design nesta área também pode ser importante para a formação e possibilidades de futuro profissional envolvendo os dois campos. OBJETIVO GERAL Realizar um estudo que aborde as contribuições do Design para as áreas de teatro e cinema. Mais especificamente, as relacionadas à direção de arte, na parte das produções que envolvem a criação de objetos de cena e cenários. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Na primeira parte (Teatro), pesquisar material sobre cenografia, as origens do teatro, breve histórico da cenografia teatral, desenvolvimento da cenografia no teatro, passando pelo teatro da Bauhaus, sempre apontando questões relacionadas

14 13 ao design. Além disto, incluir breves biografias e características de artistas, arquitetos e designers que contribuíram para o desenvolvimento desta área. Na segunda parte (Cinema), apresentar aspectos específicos da elaboração de cenários e objetos de cena para cinema. Incluir um histórico da ficção científica no cinema apresentando questões pertinentes ao design neste campo, biografias relevantes, além de abordar aspectos relacionados às tecnologias aplicadas, através de exemplos. JUSTIFICATIVA O trabalho pode servir como subsídio na busca de um melhor entendimento das possíveis atividades e capacidades de profissionais da área de design industrial relacionadas ao teatro e ao cinema. Assim, o trabalho pode propiciar um melhor desenvolvimento de produções que envolvam estas relações, no sentido de aperfeiçoar a interatividade característica destes meios multidisciplinares. Esta integração poderá resultar também em benefícios relativos às produções teatrais e cinematográficas propriamente, como divulgação de informações e entretenimento. O trabalho poderá ampliar e gerar o conhecimento de novas perspectivas para designers de produto, uma vez que ficam evidenciadas e esclarecidas as possibilidades profissionais dentro da concepção destes tipos de produções. METODOLOGIA É importante esclarecer que a idéia que se tem de design aplicado em teatro e cinema não é bem definida. Por isso o trabalho foi estruturado no sentido de

15 14 apresentar informações que pudessem revelar se estas relações existem, se esta idéia é pertinente com a realidade. A pesquisa foi, portanto, exploratória. O trabalho foi elaborado utilizando-se informações bibliográficas, filmográficas, da internet e de visitas a exposições que pudessem provar as relações entre design com teatro e cinema. Todo o trabalho foi adequado de acordo com o Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos da UDESC: Teses, Dissertações, Monografias e TCCs, que tem como fonte norteadora as recomendações da ABNT.

16 15 REFERENCIAL TEÓRICO Neste trabalho, o foco está nas produções teatrais e cinematográficas, tendo sempre em vista as relações que o design pode ter, ou tem, com estes tipos de produções no que se refere à criação e elaboração de objetos de cena e cenografia. Para isso, se entende desnecessária qualquer explicação sobre o que é o cinema e o que é teatro, pois se parte do pressuposto de que já se deve ter um entendimento básico suficiente para a compreensão do tema do projeto. Assim, foram analisados somente os aspectos de produções de teatro e cinema que tem maior relação com o tema do trabalho, buscando, desta forma, maior pertinência. CENOGRAFIA De acordo com Mantovani (1989), o termo cenografia (skenographie), é composto de skéne, (cena), e graphein, (escrever, desenhar, pintar, colorir) e se encontra em textos gregos como A Poética, de Aristóteles, por exemplo. A palavra servia para designar certos embelezamentos da skéne. Mais tarde, o termo é encontrado nos textos em latim (De Architetura, de Vitruvio): scenographia. Usado provavelmente para definir no desenho uma noção de profundidade. Posteriormente, no Renascimento, com os textos de Vitruvio traduzidos, o termo cenografia passa a ser usado para designar os traços em perspectiva e notadamente os traços em perspectiva do cenário no espetáculo teatral. Hoje, a cenografia é utilizada em espetáculos e produções áudio visuais. Em relação a espetáculos podem ser citados: teatro, shows de dança, concertos de música, óperas, desfiles de carnaval, entre outros. Nas produções audiovisuais se tem, abrangendo o cinema e a TV: filmes, novelas, seriados, documentários,

17 16 programas de auditório, videoclipes, propagandas, etc. Todos estes exemplos estão sujeitos, em certa medida, ao recurso da cenografia e à utilização de objetos de cena. Claro que um documentário que retrata situações reais do dia a dia, por exemplo, exige menos ou nenhuma necessidade de produção de alegorias e adereços como um desfile de carnaval, por exemplo. Mas, vez ou outra, por menor que seja a necessidade, independentemente do formato do espetáculo ou da produção audiovisual, a utilização desses recursos é indispensável. Mantovani (1989, p. 5) afirma que a cenografia é um elemento que faz parte do espetáculo. Vamos ao cinema, à ópera, ao balé e ao teatro, ou assistimos na televisão, além de novelas, filmes publicitários, musicais, videoclipes, e shows. Em todos encontramos um elemento que sempre faz parte do espetáculo: a cenografia. [...] Então, um espetáculo é composto por vários elementos organizados e orquestrados de tal forma que o espectador possa apreciálos no seu conjunto. Podemos dizer que todo e qualquer tipo de espetáculo é o resultado de um trabalho coletivo. Aqui fica claro que o trabalho envolvido é feito em conjunto, é interdisciplinar, aspecto fundamental da área de design. Borges (1987, p. 4) explica que, No espaço da encenação, artifícios variados são utilizados para ajudar a pessoa que está vivendo o personagem, a passar a mensagem. Nele são criados elementos plásticos, visuais, sonoros, etc, que compõem um ambiente. E ainda que: Cenografia é uma arte complexa. Cenografia é a grafia da cena. É a forma plástica de se falar de uma cena. [...] Forma plástica é todo elemento passivo, construtivo e concreto, a que nós damos formas com nossas próprias mãos. Diferente da música, por exemplo, forma sonora. (BORGES, 1987, p. 7)

18 17 E Mantovani (1989, p.13), referindo-se ao cenógrafo, afirma que: Ele se expressa através de uma linguagem visual, e encena plasticamente um texto dramático ou outra proposta de espetáculo. Quando as autoras se referem à criação de elementos visuais que compõem um ambiente, as formas plásticas, associa-se automaticamente estas criações à idéia de que há por trás do espetáculo um trabalho envolvendo projetos desenhados do que serão os elementos visuais que compõem as cenas. Ou seja, há a necessidade de esforços envolvendo criatividade para a concepção de desenhos de objetos de cena e cenários, com a finalidade de complementar e trazer maior exatidão à mensagem que se quer passar com o espetáculo ou produção áudiovisual. Segundo Mantovani (1989, p.12) cenografia hoje é um ato criativo aliado ao conhecimento de teorias e técnicas específicas que tem a priori a intenção de organizar visualmente o lugar teatral para que nele se estabeleça a relação cena/público. Organizar visualmente é uma expressão que remete diretamente à área de design. Pois se entende que um designer deve projetar de maneira a agradar o seu público alvo, preocupando-se, em grande parte, com o aspecto visual de suas concepções. Mas existe um diferencial claro, no caso de um projeto cenográfico, em relação ao público alvo. Um produto projetado para ser produzido em série, tem como seu público alvo os usuários dos produtos, no caso de um projeto executado especificamente para o palco, o público alvo são supostamente os espectadores, e obviamente a equipe de direção e produção do espetáculo.

19 18 Logicamente, o envolvimento maior ou menor da produção de objetos de cena e cenário, vai estar diretamente relacionado ao custo da produção. E os materiais podem ser os mais variados. Como se percebe nesse trecho: Em cenografia não existem limites. Tudo pode ser feito desde que a produção possa acompanhar, principalmente com o orçamento. Qualquer material pode ser usado. Papel, pano, madeira, plástico, isopor, etc. (BORGES, 1987 p. 9) Ainda, de acordo com Mantovani (1989, p. 6): A cenografia, o figurino, a luz e, de certa forma, o ator, são elementos visuais do espetáculo. A cenografia pode ser considerada uma composição em um espaço tridimensional o lugar teatral. Utiliza-se de elementos básicos, como cor, luz, formas, volumes e linhas. Sendo uma composição, tem peso, tensões, equilíbrio ou desequilíbrio, movimento e contrastes. [...] Não podemos confundir cenografia com decoração. Cenografia é um elemento do espetáculo (teatral, cinematográfico etc.), e decoração é sinônimo de arquitetura de interiores. Mantovani (1989, p. 6) também explica que cada um dos espetáculos mencionados cinema, ópera, balé etc. é diferente, tem proposta e objetivos diferentes, possui uma linguagem específica. Assim, como elemento desses espetáculos, a cenografia também tem propostas e objetivos adequados a cada espetáculo. No caso deste trabalho, deve-se lembrar que o que será focado são as relações entre design aplicado à cenografia e objetos de cena, adequado às propostas e objetivos próprios do teatro e do cinema. CENÓGRAFO No trecho do livro Introdução à Cenografia, a seguir, se tem uma descrição das áreas nas quais a autora Rita de Cássia Borges entende que um cenógrafo deve ter formação:

20 19 Um cenógrafo é um ator-plástico. Tem formação de pintura, escultura, fotografia, desenho de figurino, de marcenaria, de adereço, de iluminação, de arquitetura, de filosofia, sociologia, dramaturgia, interpretação, história e política. Cultura geral. (BORGES, 1987, p. 9) E a descrição de Anna Mantovani, em seu livro Cenografia : Ele conhece teorias e técnicas específicas como, por exemplo, história da arte e do espetáculo, desenho, pintura, escultura, modelagem, composição cenotécnica, entre outras. (MANTOVANI, 1989, p. 13) Se for considerado que em um curso de design de produto se estuda fotografia (que inclui iluminação), desenho técnico, prática de oficina (marcenaria e metais), resistência dos materiais, modelagem (maquetes), história da arte, entre outras disciplinas e matérias com relações muito próximas das que as autoras se referem, pode-se supor que um designer de produto deve estar, se não totalmente dentro, pelo menos muito próximo do perfil necessário para executar a função de cenógrafo. É ainda a autora de Introdução a Cenografia quem descreve aspectos e características que envolvem o trabalho de um cenógrafo: Numa produção, trabalha como um ator. Participa das análises do texto junto com todos. Adquire a visão clara do diretor em relação ao espetáculo. Faz um levantamento de pesquisa em relação ao texto, de história, política e economia. Toma conhecimento do espaço cênico e do limite do orçamento da produção. Elabora estudos desenhados e acompanha os ensaios. Sua idéia amadurece junto com as idéias do diretor. Após a idéia finalizada, desenvolve a execução e montagem junto com a equipe técnica: o iluminador, o carpinteiro, o contra-regra, o cenotécnico, o aderecista, o maquinista. Apresenta suas idéias finalizadas em desenho de projeto, em planta baixa, perspectiva, cortes, detalhes, etc, e em maquete. Segue-se a execução, com sua administração. As montagens, os ensaios, o ensaio geral e a estréia. [...] O trabalho do cenógrafo finaliza-se na estréia, mas ele permanece no palco e no espetáculo, não com a sua pessoa, mas com o seu personagem plástico. (BORGES, 1987, p. 9, 10)

21 20 E a autora Anna Mantovani explica: O cenógrafo é o profissional que adquiriu conhecimentos que lhe permitem criar a cenografia. [...] Uma vez convidado a fazer parte de uma equipe, o cenógrafo deve entrar em contato com os outros profissionais, se inteirar do trabalho. Passará depois a estudar e analisar a proposta ou texto dramático, para iniciar uma pesquisa antes de criar a cenografia. Esboçará e desenhará a sua proposta até a execução dos cenários. Essa fase, dependendo do que sejam os cenários, necessita de outros profissionais para ser executada. Este processo de trabalho é genérico, pois cada profissional e equipe estabelece o seu. (MANTOVANI 1989, p. 12, 13) Percebe-se com estes exemplos o grau de interatividade e multidisciplinaridade que envolve os esforços de uma produção, colocando assim o perfil do designer muito próximo das características necessárias para este tipo de trabalho.

22 21 1 DESIGN NO TEATRO 1.1 INÍCIO DO TEATRO Sobre as origens do teatro, Borges (1987) explica que começou com cerimônias religiosas em que se fazia louvor a BACO (Deus do vinho). Faziam parte do espetáculo a música, a dança, pessoas vestidas de animais, coro, etc. E Borges (1987, p. 5) ainda menciona: Mas, segundo Aristóteles, só podemos considerar mesmo teatro, quando o que está sendo encenado é algo um pouco mais afastado da realidade. Aquelas cerimônias eram firmemente desenvolvidas dentro de um roteiro de realidade. Ou seja, Aristóteles se referia ao verdadeiro teatro como aquele que fosse a encenação de um mundo imaginário, fantasioso, diferente da interpretação da realidade. Esse aspecto exige esforços na elaboração de produções no sentido de que as apresentações possam ser feitas de maneira que remetam os espectadores à ambientação diferenciada, imaginada pelo autor. Borges (1987) afirma que as primeiras montagens de teatro começaram na Grécia, 50 anos AC, onde já se escreviam textos, havia dramaturgos, atores, músicos, etc. Naquela época eram praticados dois tipos de espetáculos: a comédia e a tragédia. Esses espetáculos tinham estórias onde aconteciam cenas com final feliz ou trágico, com personagens de família, de políticos e de deuses. Os espaços onde eram encenados não eram templos. Já eram espetáculos encenados por atores e não por sacerdotes. Eram construídos espaços arquitetônicos específicos para os espetáculos. E até hoje ainda existem ruínas dessas construções. Eram adaptadas nas encostas dos morros em forma circular, o que possibilitava uma excelente acústica.

23 22 Nota-se também que, já naquela época, existia uma preocupação com as máscaras utilizadas. De acordo com Borges (1987), as máscaras utilizadas pelos atores continham efeitos acústicos. Borges (1987, p. 6) explica que, Os temas apresentados eram sempre relacionados aos problemas sociais que eles enfrentavam. [...] Informando, divertindo e educando, o teatro foi uma fonte de educação para a população grega. [...] Temas de heróis; o bem e o mal; lendas de ancestrais; guerras, rixas, casamentos e adultérios, destino de suas crianças, quem sofria de doenças e conflitos entre homens e deuses, crianças e parentes. [...] Organizavam-se grandes produções e festivais. Os trabalhos eram qualificados pelo governo e sempre um nobre custeava a produção de seu grupo. Mas os atores eram pagos pelo Estado. Assim pode-se ter uma idéia da complexidade dos trabalhos envolvidos no início das produções teatrais. Borges (1987, p. 6) ainda menciona vagamente aspectos da produção, como figurinos e cenários: Eles usavam figurinos, que era o mesmo da época, tendo especiais para os deuses, que misturavam com corpos de animais. Os cenários eram sempre os mesmos. Cenas fixas internas e externas de sua arquitetura, com algum complemento de tecido e plantas. Nota-se que já no início do Teatro havia uma preocupação clara com a ambientação cenográfica, o visual dos personagens, da apresentação como um todo. Mas essas características do teatro foram modificando-se com o tempo, de acordo com cada época BREVE HISTÓRICO DA CENOGRAFIA TEATRAL De acordo com Mantovani (1989), a cenografia existe desde que existe o espetáculo teatral na Grécia Antiga, mas teve um significado diferente em cada época, de acordo com a proposta do espetáculo teatral. Como toda arte, o Teatro

24 23 também é intimamente relacionado com o meio social onde surge, e se define de acordo com o pensamento de cada época. Ou seja, o Teatro e a cenografia da Grécia Antiga são diferentes dos de Roma, da Idade Média, do Renascimento e do Barroco. Sobre aspectos do cenário em diferentes períodos: Antiguidade O cenário na Antiguidade era fixo, tinha poucos elementos e servia de ornamentação para a cena. Na Idade Média, adquire um caráter místico e religioso, como o próprio Teatro: representava um lugar o céu, a terra, o inferno onde o ator ia atuar. O espetáculo nesse período foi apresentado primeiro nas igrejas e posteriormente nas praças. (MANTOVANI, 1989, p. 14) Renascimento O Renascimento na Itália trouxe os cenários construídos em três dimensões. Eram pintados utilizando-se a técnica da perspectiva central e recriavam paisagens urbanas ou campestres, acompanhando o tipo de encenação (tragédia, comédia ou sátira). [...] Na Inglaterra o Renascimento trouxe a cena elisabetana, onde o cenário construído é permanente, e nele podem ser acrescidos alguns elementos cênicos adequados à encenação. (MANTOVANI, 1989, p. 14) Barroco No Barroco a perspectiva usada é a oblíqua, os cenários construídos em três dimensões, como no Renascimento, são extremamente ricos em detalhes grandiosos. O palco passou a ser uma caixa de mágica e de truques. Deixar o público maravilhado era a principal função cenográfica. (MANTOVANI, 1898, p. 14) Mantovani explica que (1989) as transformações acontecidas a partir da Revolução Francesa, mudam o contexto social e, conseqüentemente, o artista e sua obra. E com a Revolução Industrial ocorrem outras mudanças. Com adventos de novas tecnologias, como o aparecimento da locomotiva e da velocidade, o olhar muda. O panorama artístico é alterado pela fotografia. Com o novo sistema de fábrica, o proletariado surge como uma nova classe social e também muda o

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau 1. Preliminar 2. Instrução em artesanato e Instrução em problemas da Forma 3. Instrução em arquitetura 4. Pesquisa individual no departamento de pesquisa da Bauhuas Ensino em Weimar Ensino em Dessau Maior

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2.

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2. PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1. ARQUITETURA DE INTERIORES 2. ARQUITETURA E CENOGRAFIA ARQUITETURA DE INTERIORES

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1. ARQUITETURA DE INTERIORES 2. ARQUITETURA E CENOGRAFIA ARQUITETURA DE INTERIORES CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1. ARQUITETURA DE INTERIORES 2. ARQUITETURA E CENOGRAFIA ARQUITETURA DE INTERIORES APRESENTAÇÃO O curso oferece, a arquitetos e a profissionais de áreas afins, um perfil

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Cinema

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Subsídios para implementação do Plano de Curso de Educação Artística Ensino Fundamental Educação de Jovens

Leia mais

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA Paula Mantovani dos Santos 1 ; Ademir de Souza Pereira 2 UFGD/FACET Caixa Postal 533, 79.804-970 Dourados MS, E-mail: paulamantovani@live.com

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde O Expressionismo de Die Brücke não se restringiu à pintura e à gravura, tendo tido expressão, igualmente na literatura, na música e arquitectura.

Leia mais

CADASTRO DE ATIVIDADES NO SITE DO PIBID/FAI: Título da Atividade: Esportes Alternativos (Tênis de Campo, Beisebol e Tchoukball)

CADASTRO DE ATIVIDADES NO SITE DO PIBID/FAI: Título da Atividade: Esportes Alternativos (Tênis de Campo, Beisebol e Tchoukball) CADASTRO DE ATIVIDADES NO SITE DO PIBID/FAI: Título da Atividade: Esportes Alternativos (Tênis de Campo, Beisebol e Tchoukball) Escola: Benjamin Constant Projeto: Os esportes diferentes na escola Objetivo

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 www.museuberardo.pt/ferias 29 junho 3 julho 2 Verão modernista Pinturas cubistas, pinturas abstratas, pinturas surrealistas, pinturas expressionistas, pinturas

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA DOS PAIS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMA KANDINSKY PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

CRITÉRIOS ADOTADOS PELO SATED/PR À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ÁREA DE TEATRO

CRITÉRIOS ADOTADOS PELO SATED/PR À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ÁREA DE TEATRO CRITÉRIOS ADOTADOS PELO SATED/PR À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL Os critérios abaixo apontados é o fruto do consenso entre os membros dos respectivos Departamentos desta entidade de classe, aprovados pela categoria

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Vanessa Alves Bernardo Fortunato

Vanessa Alves Bernardo Fortunato III Mostra LEPEC de Arte, Cultura e Ciência IV Colóquio Corpo, Cultura e Sociedade do LAISTHESIS OFICINAS MINISTRANTES Vanessa Alves Bernardo Fortunato Djavan Antério Tiago Penna Alana Simões Bezerra Micaela

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE MÚSICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE MÚSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE MÚSICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74, de 04 de NOVEMBRO de

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

O Canal LAÇAMENTO CANAL ARTE 1

O Canal LAÇAMENTO CANAL ARTE 1 LAÇAMENTO CANAL ARTE 1 O Canal Com conteúdos para quem se interessa por arte, 24 horas por dia no ar, o Arte 1 foi exibido em caráter experimental no dia 1º de dezembro de 2012 na Sky e Claro TV, depois

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO, ÁREA: TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA,

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS:

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS: DISCIPLINA DE ARTE OBJETIVOS: 6 ano Construir, expressar-se e comunicar-se em artes plásticas e visuais, articulando percepção, memória, imaginação, sensibilidade e reflexão. Desenvolver relação de autoconfiança

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

COMPANHIA 2 FACES da ARTE

COMPANHIA 2 FACES da ARTE COMPANHIA 2 FACES da ARTE A companhia teatral 2 Faces da Arte,foi criada em 94 pelo Ator /Autor Teatral / Artista Plástico Bicudo Júnior., com o objetivo de inovar o teatro Nacional. Desenvolvendo uma

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1 Introdução A Música e as artes quando praticada como atividade profissional, não é diferente de qualquer outra área de conhecimento. A formação de um músico

Leia mais

2) Tipo de produto: Nutrição alimentar Indicador atividade: Mídia/ Roteiro de aula/ Projeto educacional (realizado)

2) Tipo de produto: Nutrição alimentar Indicador atividade: Mídia/ Roteiro de aula/ Projeto educacional (realizado) 5. DESCRIÇÃO DA PRODUÇÃO EDUCACIONAL GERADA 5.1 ) PRODUÇÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS Neste grupo enquadram-se produtos do tipo: banners e cartazes pedagógicos produzidos, criação de banco de imagens, criação

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO TEMA: CIRCO 1. ano Reconhecimento e análise de formas visuais presentes na natureza e nas diversas culturas Utilização de elementos da linguagem visual: linha, cor, forma Representação por meio de colagem,

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota da PIC é a média

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

BRINQUEDOTECA. prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente

BRINQUEDOTECA. prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente BRINQUEDOTECA A brinquedoteca da Faculdade de Sorocaba faz parte da proposta pedagógica prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente Estruturante (NDE) desta unidade

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR T E A T R O LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala

Leia mais