HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE"

Transcrição

1 Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011

2 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a Ed. Atualizada I 2008

3 HARMONIA

4 HARMONIA Ordem e Regularidade Disposição ordenada entre as partes do Objeto. Perfeita articulação visual. Integração e coerência formal. Compatibilidade de Linguagens formais.

5 HARMONIA Ordem e Regularidade Uniformidade de elementos. Ausência desvios formais. Relações formais bem ordenadas. Unificação. Padrão permanece inalterado. A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z W A b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v x z w

6 HARMONIA Ordem e Regularidade Ordem na disposição dos elementos. Concordâncias formais entre as unidades visuais.

7 HARMONIA Ordem e Regularidade Ordem na disposição dos elementos. Concordâncias formais entre as unidades visuais.

8 HARMONIA Ordem e Regularidade Alcance de nivelamento formal no equilíbrio visual. Nível de qualificação. Por exemplo de 1 a 10.

9 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias. NQ : 1 a 10.

10 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias.

11 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Sobreposições com desproporcionalidades. Desarrumações. Desarranjos. Pode concorrer para eventual poluição visual.

12 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Ausência de ordem e de nivelamento. Efeitos visuais inesperados e insólitos.

13 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Desarticulação na integração das unidades que constitui o todo. Disposições fragmentadas e aleatórias também podem contribuir para a desarmonia.

14 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias.

15 EQUILÍBRIO

16 EQUILÍBRIO Mesma definição do equilíbrio físico. Compensação mútua dos pesos ou das forças visuais que atuam na configuração de um objeto. Equilíbrio Físico

17 EQUILÍBRIO No equilíbrio, os pesos visuais se distribuem igualmente. Em lados, localizações ou direções opostas.

18 EQUILÍBRIO Peso e Direção O peso visual exerce influência particular sobre o equilíbrio e, sempre, possui um efeito dinâmico (força e movimento). O peso sofre influência da direção (rumo) e da localização da ou das unidades formais que constituem o objeto.

19 EQUILÍBRIO Peso e Direção Cada uma das direções tem um forte significado associativo, denotativo ou conotativo. A direção indica o sentido do movimento ou das forças visuais. Ou, ainda, de um ponto de atração visual O conceito de direção é uma valiosa ferramenta para soluções projetuais.

20 EQUILÍBRIO Peso e Direção Eixo de direção predominante no sentido diagonal: Enfatiza as forças visuais e os movimentos.

21 EQUILÍBRIO Peso e Direção Eixo de direção predominante no sentido diagonal: Enfatiza as forças visuais e os movimentos.

22 EQUILÍBRIO Simetria A simetria é um equilíbrio axial. Eixos: horizontal, vertical e diagonal. Dá origem a duas ou mais formulações visuais, opostas e iguais.

23 EQUILÍBRIO Simetria Resultados podem ser enfadonhos, chatos, estáticos.

24 EQUILÍBRIO Simetria Resultados podem ser Enfadonhos, chatos, estáticos.

25 EQUILÍBRIO Assimetria Assimetria é ausência de simetria axial. Lados desiguais. Complicado conseguir equilíbrio visual. Requer o ajuste de muitas forças visuais.

26 EQUILÍBRIO Assimetria Cria e valoriza efeitos plásticos. Composições interessantes. Produz instigação psicológica.

27 EQUILÍBRIO Assimetria Ambigüidade: Simetria ou assimetria? Ou as duas?

28 EQUILÍBRIO Simetria ou Assimetria Muitas vezes o objeto é configurado por partes simétricas e assimétricas Objeto simétrico no eixo Vertical. bq Prato simétrico nos três eixos

29 DESEQUILÍBRIO As forças que atuam sobre o objeto não conseguem se equilibrarem mutuamente. O objeto visualmente desequilibrado parece acidental, passa a sensação de ser algo transitório e instável. Desequilíbrio Físico

30 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção No conceito do desequilíbrio, o objeto apresenta a tendência a mudar de lugar ou de forma. De modo a conseguir um estado que melhor se relacione com a estrutura total. Instabilidade visual. Concentração de maior peso em um lado da figura.

31 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: A inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

32 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: A inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

33 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

34 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

35 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

36 CONTRASTE

37 CONTRASTE Contraste: Oposição I Opostos I Contrário A Importância e o significado do contraste começa no nível básico da visão por meio de maior ou menor intensidade de luz. É é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. É um meio importante para intensificar o significado passado por um objeto ou composição bi ou tridimensional. O contraste, em toda sua diversidade e propriedades, é uma poderosa ferramenta de expressão em todas as artes.... PROPRIEDADES

38 CONTRASTE Cor Contexto Cultural: Presente na natureza, nas pessoas, nos objetos e nos ambientes de modo geral. Características: brilho / matiz / tonalidade /... Comportamental Reações biológicas e psicológicas : - Sensação de agitação. Tensão nervosa / excitação - Calma / tranqüilidade / Monotonia. - Sensação de peso e de calor

39 CONTRASTE Cor Função estético-formal Atributos de aparência e de estilo Contraste cromático > valorização da aparência do objeto. Variedade de cores > efeitos relaxantes, ou estimulantes: cores quentes, frias, tons pasteis, etc. Sensação de bem estar psíquico: combinações harmônicas, agradáveis. Unificação da forma Segregação de partes interessantes > gera focos de atração, etc.

40 CONTRASTE Cor Função estético-formal Atributos de aparência e de estilo Contraste cromático > valorização da aparência do objeto. Variedade de cores > efeitos relaxantes, ou estimulantes: cores quentes, frias, tons pasteis, etc.

41 CONTRASTE Cor Função simbólica A percepção > conexões e com experiências e sensações anteriores. Significados denotativos e conotativos, emocionais, psicológicos, religiosos, políticos, institucionais. Valoriza composições e objetos Transmitem significados diversos: cores quentes, frias, tons pasteis, etc e combinações > alegria, tristeza, paixão, pulsação, dinamismo...

42 CONTRASTE Cor Função simbólica Significados universalmente compartilhados através da experiência. Usos: Institucional / Psicológico / Mercadológico/ Cromoterápico, etc.

43 CONTRASTE Cor Função prática Contraste de cor > associado a iluminação natural, artificial ou as duas Visibilidade, legibilidade e acuidade visual. Rendimento (reflexos e ofuscamento) Segurança: prevenção de acidentes, identificação, advertência contra riscos). Conforto (níveis de luminância) Cores claras e escuras: objetivos funcionais Atrai e reforça a informação visual As cores recuam ou avançam sensorialmente. Jogo de cores equilibram ou podem desequilibrar o objeto Eficácia: combinação associada a harmonia.

44 CONTRASTE Cor Função prática Figura-fundo > Textos associados a adequação das cores empregadas. Pregnância: alta, média ou baixa.. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual.. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. Alta pregnância Média pregnância. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. Baixa pregnância Baxissíma pregnância

45 CONTRASTE Luz & Tom Aguça o significado da forma. Excita, emociona, estimula e atrai visualmente. Sucessivos contrastes de claro/escuro reproduz o efeito da luz sobre os objetose a noção de volume, com a presença ou ausência da cor.

46 CONTRASTE Luz & Tom Um mesmo tom muda de valor conforme outro que se lhe associe. Permite criar todo tipo de sensação: delicadeza, refinamento, austeridade, descontração, sensualidade, contentamento, tristeza, drama...

47 CONTRASTE Luz & Tom Permite criar todo tipo de sensação: delicadeza, refinamento, austeridade, descontração, sensualidade, contentamento, tristeza, drama...

48 CONTRASTE Luz & Tom Muito explorado em todas as artes: pintura,fotografia,teatro,cinema, publicidade, espetaculos. Shows musicais etc.

49 CONTRASTE Luz & Tom Muito explorado em todas as artes: pintura,fotografia,teatro,cinema, publicidade, espetaculos. Shows musicais etc.

50 CONTRASTE Luz & Tom Fotografia em preto e branco P & B

51 CONTRASTE Vertical & Horizontal Direções horizontais > sensação de solidez e estabilidade. Direções verticais > Sensação de leveza. Tendência a subir, se elevar.

52 CONTRASTE Vertical & Horizontal Direções horizontais > sensação de solidez e estabilidade. Direções verticais > Sensação de leveza. Tendência a subir, se elevar. Equilíbrio As direções horizontais representam o mundo concreto de ação do homem, que é, portanto, um plano horizontal atravessado por um eixo vertical. A forma vertical se adapta ao eixo dominante do espaço, e todos os elementos do padrão se observam na relação adequada. Um objeto de certo tamanho, forma ou cor, visualmente terá mais peso, quando colocado mais alto. Portanto, o equilíbrio na direção vertical não pode ser conseguido colocandose objetos iguais em diferentes alturas. Isto significa, por exemplo, que, se quisermos que duas metades sejam percebidas visualmente idênticas, se deve fazer a metade superior mais curta. De modo geral, as formas horizontais passam a sensação de maior solidez e de maior estabilidade sobre o plano em que se assentam, enquanto que, com as verticais, acontece o contrário, ou seja, as formas verticais passam a sensação de leveza e menos estabilidade, tendendo a se levantar do solo, a se elevar. Exemplo gráfico. Coluna de texto estreita e larga, dentro do mesmo conceito. As direções horizontais representam o mundo concreto de ação do homem, que é, portanto, um plano horizontal atravessado por um eixo vertical. A forma vertical se adapta ao eixo dominante do espaço, e todos os elementos do padrão se observam na relação adequada. Um objeto de certo tamanho, forma ou cor, visualmente terá mais peso, quando colocado mais alto. Portanto, o equilíbrio na direção vertical não pode ser conseguido colocando-se objetos iguais em diferentes alturas. Isto significa, por exemplo, que, se quisermos que duas metades sejam percebidas visualmente idênticas, se deve fazer a metade superior mais curta. De modo geral, as formas horizontais passam a sensação de maior solidez e de maior estabilidade sobre o plano em que se assentam, enquanto que, com as verticais, acontece o contrário, ou seja, as formas verticais passam a sensação de leveza e menos estabilidade, tendendo a se levantar do solo, a se elevar.

53 CONTRASTE Movimento A sensação de movimento é função de velocidade e direção.acontecimentos que se dão em seqüência criando sensaçãode mobilidade e rapidez, por meio de estimulações momentâneas.

54 CONTRASTE Movimento Formas oblíquas, de cunha, sombreadas, etc, são qualidades que concorrem para a percepção da sensação de movimento.

55 CONTRASTE Movimento Formas oblíquas, de cunha, sombreadas, onduladas, em espiral etc, são qualidades que concorrem para a percepção da sensação de movimento.

56 CONTRASTE Dinamismo Movimento mais violento, mais forte, mais veloz, mais rápido.

57 CONTRASTE Dinamismo Movimento intenso. Exarcebado. Muita ação, energia, força, ritmo.

58 CONTRASTE Ritmo Apresenta um conjunto de sensações de movimentos encadeados ou de conexões visuais ininterruptas.

59 CONTRASTE Ritmo Conexões visuais na maior parte das vezes uniformemente contínuas ou seqüenciais ou semelhantes. M O V I M E N T O S

60 CONTRASTE Ritmo Conexões visuais na maior parte das vezes uniformemente contínuas ou seqüenciais ou semelhantes.

61 CONTRASTE Passividade Ausência de movimento. Em qualquer composição que apresente um equilíbrio absoluto na qual as forças visuais se encontrem em repouso.

62 CONTRASTE Passividade Ausência de movimento. Em qualquer composição que apresente um equilíbrio absoluto na qual as forças visuais se encontrem em repouso. Parado Estático Passivo

63 CONTRASTE Proporção & Escala Um elemento é grande ou pequeno, pesado ou leve, claro ou escuro, quente ou frio etc. Sempre comparativamente a outro elemento. Essa relação chama-se escala. A escala estabelece as medidas proporcionais dessas relações.

64 CONTRASTE Proporção & Escala Implica uma comparação, sempre entre dois ou mais elementos. Pode ser natural, ampliada ou reduzida. Chama à atenção, intensifica.

65 CONTRASTE Proporção & Escala Implica uma comparação, sempre entre dois ou mais elementos. Pode ser natural, ampliada ou reduzida. Chama à atenção, intensifica.

66 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

67 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

68 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

69 CONTRASTE Agudeza Tensão. Agressividade. Impacto visual.

70 CONTRASTE Agudeza Tensão. Agressividade. Impacto visual. AGUDEZA Contrario do... Arredondamento ARREDONDAMENTO

71 OBRIGADO PELA ATENÇÃO

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

Técnicas Visuais Aplicadas

Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Análise Gráfica de Rótulos de Vinhos Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Visual Analysis of Wine Labels Ranzolin, Michele; Universidade de Caxias do Sul micheleranzolin@hotmail.com Vieceli, Liliane; Universidade

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar Unidade 3 Princípios de Design composição unidade harmonia equilíbrio contraste Composição o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar O que é composição? O processo de

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho Design Web Formas Elisa Maria Pivetta Sinto, penso, logo desenho Formas básicas em Design Comunicamos mediante linguagem falada, verbal, formada por letras, palavras, frases, etc. que, combinados, formam

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Técnicas de Comunicação Visual

Técnicas de Comunicação Visual DONDIS, Donis A. A sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1991, pp. 51-83. Técnicas de Comunicação Visual Donis A. Dondis As técnicas visuais oferecem ao designer uma grande variedade

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora.

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL 3 EQUILÍBRIO O principal objetivo de se estudar as qualidades particulares da experiência visual é aprimorar nossa sensibilidade inata e tentar educar o nosso olhar. Assim podemos alargar as possibilidades

Leia mais

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento, design, cores e Posicionamento de Elementos Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Forma Podemos classificar os elementos do desenho bidimensional em 3 grandes grupos: Conceituais: ponto linha e plano São percebidos

Leia mais

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe Princípios do Design Gráfico Prof. Luis Felipe 1 2 ESTRUTURA DA CRIAÇÃO NAS AGÊNCIAS DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO VP DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE

Leia mais

Elementos Básicos da Comunicação Visual

Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Temos variados pontos de vista para analisarmos qualquer obra visual; um dos mais reveladores é decompô-la em seus elementos

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Bares e restaurantes. Sensações e estímulos provocados pela luz. p o n t o d e v i s t a. Por Claudia Torres

Bares e restaurantes. Sensações e estímulos provocados pela luz. p o n t o d e v i s t a. Por Claudia Torres p o n t o d e v i s t a Bares e restaurantes Por Claudia Torres Sensações e estímulos provocados pela luz NOS BARES E RESTAURANTES, A ATMOSFERA CRIADA PELA iluminação é tão importante quanto o cardápio.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «21. No ensino do desenho de observação, qual o maior motivo de principiantes sentirem dificuldades em desenhar rostos humanos? a) Porque rostos humanos

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE. inside office

MANUAL DE IDENTIDADE. inside office ÍNDICE APRESENTAÇÃO 3 CORES 4 FAMÍLIA TIPOGRÁFICA 5 APLICAÇÕES DA MARCA 6 USOS INCORRETOS 0 REDUÇÃO DA MARCA AREJAMENTO DA MARCA VERSÕES MONOCROMÁTICAS MARCA EM NEGATIVO 1 4 2 3 APRESENTAÇÃO Esta é a marca

Leia mais

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

IT- MKT-001-COM Data: 28/01/2015 versão: 04. Manual de aplicação da marca

IT- MKT-001-COM Data: 28/01/2015 versão: 04. Manual de aplicação da marca Manual de aplicação da marca IT- MKT-001-COM Data 15/08/2014 versão 02 SumárioApresentação 3 A marca 4 Memorial descritivo... 5 Versão preferencial... 6 Padrões cromáticos... 7 Versões positiva/negativa...

Leia mais

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6 Sumário Apresentação 3 Conceitos Básicos 4 O Clube 5 Conceito da Marca 6 Versões da Marca Assinatura Principal 7 Assinatura Secundária 8 Escala de Cinza 9 Colorida 9 Preto e Branco positivo 9 Preto e Branco

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira Engenharia de Tráfego Prof. Heitor Vieira 1. INTRODUÇÃO A Engenharia de Tráfego é a parte da Engenharia de Transportes que trata de dos problemas de planejamento, operação e controle de tráfego. Tendo

Leia mais

Índice. Manual de Uso da Marca Multiverde

Índice. Manual de Uso da Marca Multiverde Manual de Uso da Marca Multiverde Índice Introdução Logomarca Multiverde Proporções e Medidas Zona de Exclusão Reduções Mínimas Variantes de Cor Cores da Logomarca Aplicação Sobre Fundos Instáveis Usos

Leia mais

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Conceito A construção de um logo...é Em última instância o reflexo da integração da empresa que simboliza. Seu efeito depende consideravelmente da sua exposição

Leia mais

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores A Cor nos Ambientes Construídos A medicina psicossomática já constatou as fortes relações entre os ambientes construídos e as atitudes mentais e emocionais dos usuários. Para Desenvolver um Plano de Cores

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com 4. Princípios de Design JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com Design é projetar A partir de uma necessidade Para contribuir na soluçāo de um problema Focado em um público específico Através de um processo

Leia mais

COMBINAÇÕES EFICAZES DE CORES. Rosa: Sugere doçura, simplicidade, intimidade, feminilidade, criança, calma, afeto, delicadeza.

COMBINAÇÕES EFICAZES DE CORES. Rosa: Sugere doçura, simplicidade, intimidade, feminilidade, criança, calma, afeto, delicadeza. AS CORES NA WEB A percepção da cor é o mais emocional dos elementos específicos do processo visual, ela tem grande força e pode ser usada com muito proveito para expressar e intensificar a informação visual.

Leia mais

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS Marca, segundo a lei brasileira, é todo sinal distintivo, visualmente perceptível, que identifica e distingue produtos e serviços de outros análogos, de procedência diversa,

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Manual de Padronização

Manual de Padronização Manual de Padronização das Marcas EBC e seus veículos Novembro de 2013 1. Marca da EBC 4 1.1 Reduções mínimas 5 1.2 Aplicações da marca 6 1.3 Tipografia 7 1.4 Cor da marca 8 1.5 Usos Indevidos 9 2. Marca

Leia mais

Cartaz: A Culinária Mexicana 1. Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6

Cartaz: A Culinária Mexicana 1. Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6 Cartaz: A Culinária Mexicana 1 Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara d Oeste, São Paulo Resumo O trabalho

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual manual-perpart2.indd 1 índice 02 03 Apresentação A Marca 20 Papelaria Institucional Cartão de Visita I 04 A Marca 21 Cartão de Visita II 05 Logotipo 22 Envelope Ofício 06 Símbolo

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC O OBJETIVO DO PROJETO A criação dos ícones dos cursos tem como objetivo construir uma identidade visual única para os cursos ofertados pelo IFC, principalmente

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Manual de Identidade Visual CDL Celular

Manual de Identidade Visual CDL Celular Manual de Identidade Visual CDL Celular Índice Sistema... 03 Marca Símbolo... 04 Configuração Básica... 05 Sistema de Cores... 06 Uso Inadequado... 07 Identificação de Praças... 09 Aplicações - Promocional...

Leia mais

Composição fotográfica. Regras de composição fotográfica

Composição fotográfica. Regras de composição fotográfica Regras de composição fotográfica A composição fotográfica é a ordem dos elementos, do primeiro plano e dos motivos secundários, é também a qualidade estética que inclui textura, equilíbrio de cores e formas

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

O Guia Emocional das. Cores

O Guia Emocional das. Cores O Guia Emocional das Cores 84,7% dos consumidores acham que a cor é mais importante que muitos outros fatores ao escolher um produto. 1% decidem pelo som ou pelo cheiro 6% decidem pela textura 93% das

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Marca Sumário 1. Apresentação 03 2. Uso do Manual 04 3. Componentes do Design 05 4. Logomarca 06 5. Assinatura 09 6. Área de Proteção 10 7. Alinhamento 11 8. Grade de Construção 12 9. Tipologia

Leia mais

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias:

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias: 2. Equilíbrio O equilíbrio é um parâmetro da imagem que está diretamente relacionado com o inconsciente. Andamos de modo equilibrado, sem pensar que o estamos fazendo. Ao tentarmos a mesma experiência

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras.

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. Cores e Formas 1) Objetivo Geral Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. 2) Objetivo Específico Reconhecimento,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN GRÁFICO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN GRÁFICO Leitura Ergonômica EXEMPLOS Design Gráfico

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR

A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR Luiz Cláudio Rezende Cunha RESUMO O objetivo desta pesquisa é demonstrar que há diferentes reações, de pacientes e de profissionais que trabalham em um hospital, na presença

Leia mais

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI TÍTULO: OUTDOOR - DIA DOS NAMORADOS ESFIHAMANIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ISMÊNIA MOTTA

Leia mais

As simetrias que pode encontrar debaixo dos seus pés 1

As simetrias que pode encontrar debaixo dos seus pés 1 As simetrias que pode encontrar debaixo dos seus pés 1 Ricardo Cunha Teixeira Departamento de Matemática da Universidade dos Açores, rteixeira@uac.pt Dada a azáfama da vida agitada a que estamos sujeitos,

Leia mais

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 T E N D Ê N C I A D E S I G N A R Q U I T E T U R A CHARME D O N D O L I & P O C C I PERFil TRicia guild Ela é a maior especialista do mundo na combinação de tons e padrões

Leia mais

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado ANEXO Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado EXAME DE HABILIDADE PARA OS CANDIDATOS A FACULDADE DE ARTES VISUAIS MODALIDADE LICENCIATURA E BACHARELADO ARTES VISUAIS Para candidatar-se ao

Leia mais

Elemento gráfico representativo (realidade visível) que está em lugar de algo (realidade invisível) que pode ser um objeto, um conceito ou idéia.

Elemento gráfico representativo (realidade visível) que está em lugar de algo (realidade invisível) que pode ser um objeto, um conceito ou idéia. definição de nomenclaturas: tipos: letras, em seu aspecto gráfico. tipologia: Estudo científico de um conunto de tipos, famílias de tipos. tipografia: composição de ordem, estrutura e forma gráfica de

Leia mais

serifa inclinada TIMES serifa

serifa inclinada TIMES serifa TIPOLOGIA NA WEB CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS Com Serifa Serifa é uma haste perpendicular que termina os principais traços de algumas letras. Este recurso facilita a leitura de textos impressos, aglutiando

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO Segundo Barros (2004), Dhyana é a palavra em sânscrito que

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELEMENTOS E PROPORÇÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL VERSÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL SÍMBOLO CHAPADO

SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELEMENTOS E PROPORÇÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL VERSÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL SÍMBOLO CHAPADO SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELEMENTOS E PROPORÇÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL VERSÕES DA ASSINATURA HORIZONTAL SÍMBOLO CHAPADO ELEMENTOS E PROPORÇÕES DA ASSINATURA VERTICAL VERSÕES DA ASSINATURA VERTICAL SÍMBOLO

Leia mais

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca 01 - introdução O logótipo é um elemento de identificação da instituição e não tanto um mero elemento gráfico, por isso não deve ser alterado

Leia mais

Este é o Manual de Identidade Visual da Fundação CERTI. Ele serve para você conhecer melhor a nossa marca.

Este é o Manual de Identidade Visual da Fundação CERTI. Ele serve para você conhecer melhor a nossa marca. Manual de Para que serve este Manual Este é o Manual de Identidade Visual da Fundação CERTI. Ele serve para você conhecer melhor a nossa marca. Pag. 03 Pag. 04 Pag. 05 Pag. 06 Pag. 08 Pag. 12 Pag. 22 Pag.

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. Distinguir diferenças entre cor

Leia mais

Prova Prática de Desenho A

Prova Prática de Desenho A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/0, de 6 de março Prova Prática de Desenho A.º Ano de Escolaridade Prova 706/.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas COTAÇÕES GRUPO I Representação

Leia mais

Enap. Manual de uso da marca

Enap. Manual de uso da marca Manual de uso da marca O símbolo transmite seriedade, objetividade e contemporaneidade compatíveis com a instituição e também continuidade em relação ao sinal de identificação anteriormente usado. O desenho

Leia mais

Brandbook Manual de Identidade Corporativo Ensino Soluções Educacionais Tecnologia Gráfica Cultura e Entretenimento Anexos

Brandbook Manual de Identidade Corporativo Ensino Soluções Educacionais Tecnologia Gráfica Cultura e Entretenimento Anexos Brandbook 1. 4 Estratégias da Marca 1.1 Posicionamentos de Marca Missão e Visão Missão Trabalhar para a formação de um ser humano melhor, capaz de construir um mundo melhor. Atingir esse ideal pela educação

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

Novidade. A BBcolor. fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes.

Novidade. A BBcolor. fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes. BLOND AGE Novidade A BBcolor fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes. Femininos e sensuais: os cabelos loiros são um clássico que não conhece modas, mas muitas tendências de estação diferentes

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO Ano Letivo 2014/2015 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: -Distinguir entre cor e pigmento (síntese aditiva e subtrativa) -Identificar cores primárias e secundarias,

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual A empresa Chrysalis Nutri Essences nasceu de uma necessidade de atender a uma grande demanda na área de saúde, qualidade de vida e educação alimentar, com a finalidade de prestar

Leia mais

Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina. Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015

Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina. Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015 Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015 3 Índice 1. Marca...5 Conceito - Design...6 Cores Institucionais...8 Família Tipográfica...9

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães

Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães Analise de Rostos A consultoria começa com a análise do formato de rosto. O visagista irá identificar através

Leia mais

1 Momento ou torque de uma força

1 Momento ou torque de uma força Introdução Estivemos, até aqui, analisando o movimento translacional dos corpos. Isso porque os corpos que estudamos eram pontos materiais, e estes não são dotados de movimentos de rotação. Caso desejemos

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 7 PLANEJAMENTO VISUAL GRÁFICO ABRIL 2011 PLANEJAMENTO VISUAL GRÁFICO Planejamento Visual Gráfico é a tarefa de

Leia mais

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso USO DE CORES Ruy Alexandre Generoso DEFINIÇÃO DE COR Cor é a sensação ou o efeito fisiológico que produz a decomposição da luz branca em radiações com larguras variáveis. veis. AS CORES Proporcionam uma

Leia mais