HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE"

Transcrição

1 Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011

2 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a Ed. Atualizada I 2008

3 HARMONIA

4 HARMONIA Ordem e Regularidade Disposição ordenada entre as partes do Objeto. Perfeita articulação visual. Integração e coerência formal. Compatibilidade de Linguagens formais.

5 HARMONIA Ordem e Regularidade Uniformidade de elementos. Ausência desvios formais. Relações formais bem ordenadas. Unificação. Padrão permanece inalterado. A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z W A b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v x z w

6 HARMONIA Ordem e Regularidade Ordem na disposição dos elementos. Concordâncias formais entre as unidades visuais.

7 HARMONIA Ordem e Regularidade Ordem na disposição dos elementos. Concordâncias formais entre as unidades visuais.

8 HARMONIA Ordem e Regularidade Alcance de nivelamento formal no equilíbrio visual. Nível de qualificação. Por exemplo de 1 a 10.

9 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias. NQ : 1 a 10.

10 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias.

11 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Sobreposições com desproporcionalidades. Desarrumações. Desarranjos. Pode concorrer para eventual poluição visual.

12 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Ausência de ordem e de nivelamento. Efeitos visuais inesperados e insólitos.

13 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Desarticulação na integração das unidades que constitui o todo. Disposições fragmentadas e aleatórias também podem contribuir para a desarmonia.

14 DESARMONIA Desordem e Irregularidade Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. Sobreposições aleatórias.

15 EQUILÍBRIO

16 EQUILÍBRIO Mesma definição do equilíbrio físico. Compensação mútua dos pesos ou das forças visuais que atuam na configuração de um objeto. Equilíbrio Físico

17 EQUILÍBRIO No equilíbrio, os pesos visuais se distribuem igualmente. Em lados, localizações ou direções opostas.

18 EQUILÍBRIO Peso e Direção O peso visual exerce influência particular sobre o equilíbrio e, sempre, possui um efeito dinâmico (força e movimento). O peso sofre influência da direção (rumo) e da localização da ou das unidades formais que constituem o objeto.

19 EQUILÍBRIO Peso e Direção Cada uma das direções tem um forte significado associativo, denotativo ou conotativo. A direção indica o sentido do movimento ou das forças visuais. Ou, ainda, de um ponto de atração visual O conceito de direção é uma valiosa ferramenta para soluções projetuais.

20 EQUILÍBRIO Peso e Direção Eixo de direção predominante no sentido diagonal: Enfatiza as forças visuais e os movimentos.

21 EQUILÍBRIO Peso e Direção Eixo de direção predominante no sentido diagonal: Enfatiza as forças visuais e os movimentos.

22 EQUILÍBRIO Simetria A simetria é um equilíbrio axial. Eixos: horizontal, vertical e diagonal. Dá origem a duas ou mais formulações visuais, opostas e iguais.

23 EQUILÍBRIO Simetria Resultados podem ser enfadonhos, chatos, estáticos.

24 EQUILÍBRIO Simetria Resultados podem ser Enfadonhos, chatos, estáticos.

25 EQUILÍBRIO Assimetria Assimetria é ausência de simetria axial. Lados desiguais. Complicado conseguir equilíbrio visual. Requer o ajuste de muitas forças visuais.

26 EQUILÍBRIO Assimetria Cria e valoriza efeitos plásticos. Composições interessantes. Produz instigação psicológica.

27 EQUILÍBRIO Assimetria Ambigüidade: Simetria ou assimetria? Ou as duas?

28 EQUILÍBRIO Simetria ou Assimetria Muitas vezes o objeto é configurado por partes simétricas e assimétricas Objeto simétrico no eixo Vertical. bq Prato simétrico nos três eixos

29 DESEQUILÍBRIO As forças que atuam sobre o objeto não conseguem se equilibrarem mutuamente. O objeto visualmente desequilibrado parece acidental, passa a sensação de ser algo transitório e instável. Desequilíbrio Físico

30 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção No conceito do desequilíbrio, o objeto apresenta a tendência a mudar de lugar ou de forma. De modo a conseguir um estado que melhor se relacione com a estrutura total. Instabilidade visual. Concentração de maior peso em um lado da figura.

31 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: A inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

32 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: A inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

33 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

34 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

35 DESEQUILÍBRIO Assimetria & Peso & Direção Instabilidade visual: a inclinação da figura favorece a sensação de desequilíbrio

36 CONTRASTE

37 CONTRASTE Contraste: Oposição I Opostos I Contrário A Importância e o significado do contraste começa no nível básico da visão por meio de maior ou menor intensidade de luz. É é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. É um meio importante para intensificar o significado passado por um objeto ou composição bi ou tridimensional. O contraste, em toda sua diversidade e propriedades, é uma poderosa ferramenta de expressão em todas as artes.... PROPRIEDADES

38 CONTRASTE Cor Contexto Cultural: Presente na natureza, nas pessoas, nos objetos e nos ambientes de modo geral. Características: brilho / matiz / tonalidade /... Comportamental Reações biológicas e psicológicas : - Sensação de agitação. Tensão nervosa / excitação - Calma / tranqüilidade / Monotonia. - Sensação de peso e de calor

39 CONTRASTE Cor Função estético-formal Atributos de aparência e de estilo Contraste cromático > valorização da aparência do objeto. Variedade de cores > efeitos relaxantes, ou estimulantes: cores quentes, frias, tons pasteis, etc. Sensação de bem estar psíquico: combinações harmônicas, agradáveis. Unificação da forma Segregação de partes interessantes > gera focos de atração, etc.

40 CONTRASTE Cor Função estético-formal Atributos de aparência e de estilo Contraste cromático > valorização da aparência do objeto. Variedade de cores > efeitos relaxantes, ou estimulantes: cores quentes, frias, tons pasteis, etc.

41 CONTRASTE Cor Função simbólica A percepção > conexões e com experiências e sensações anteriores. Significados denotativos e conotativos, emocionais, psicológicos, religiosos, políticos, institucionais. Valoriza composições e objetos Transmitem significados diversos: cores quentes, frias, tons pasteis, etc e combinações > alegria, tristeza, paixão, pulsação, dinamismo...

42 CONTRASTE Cor Função simbólica Significados universalmente compartilhados através da experiência. Usos: Institucional / Psicológico / Mercadológico/ Cromoterápico, etc.

43 CONTRASTE Cor Função prática Contraste de cor > associado a iluminação natural, artificial ou as duas Visibilidade, legibilidade e acuidade visual. Rendimento (reflexos e ofuscamento) Segurança: prevenção de acidentes, identificação, advertência contra riscos). Conforto (níveis de luminância) Cores claras e escuras: objetivos funcionais Atrai e reforça a informação visual As cores recuam ou avançam sensorialmente. Jogo de cores equilibram ou podem desequilibrar o objeto Eficácia: combinação associada a harmonia.

44 CONTRASTE Cor Função prática Figura-fundo > Textos associados a adequação das cores empregadas. Pregnância: alta, média ou baixa.. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual.. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. Alta pregnância Média pregnância. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. O contraste é um processo de articulação visual. Uma força vital. É uma força que torna visível as estratégias da mensagem visual. Baixa pregnância Baxissíma pregnância

45 CONTRASTE Luz & Tom Aguça o significado da forma. Excita, emociona, estimula e atrai visualmente. Sucessivos contrastes de claro/escuro reproduz o efeito da luz sobre os objetose a noção de volume, com a presença ou ausência da cor.

46 CONTRASTE Luz & Tom Um mesmo tom muda de valor conforme outro que se lhe associe. Permite criar todo tipo de sensação: delicadeza, refinamento, austeridade, descontração, sensualidade, contentamento, tristeza, drama...

47 CONTRASTE Luz & Tom Permite criar todo tipo de sensação: delicadeza, refinamento, austeridade, descontração, sensualidade, contentamento, tristeza, drama...

48 CONTRASTE Luz & Tom Muito explorado em todas as artes: pintura,fotografia,teatro,cinema, publicidade, espetaculos. Shows musicais etc.

49 CONTRASTE Luz & Tom Muito explorado em todas as artes: pintura,fotografia,teatro,cinema, publicidade, espetaculos. Shows musicais etc.

50 CONTRASTE Luz & Tom Fotografia em preto e branco P & B

51 CONTRASTE Vertical & Horizontal Direções horizontais > sensação de solidez e estabilidade. Direções verticais > Sensação de leveza. Tendência a subir, se elevar.

52 CONTRASTE Vertical & Horizontal Direções horizontais > sensação de solidez e estabilidade. Direções verticais > Sensação de leveza. Tendência a subir, se elevar. Equilíbrio As direções horizontais representam o mundo concreto de ação do homem, que é, portanto, um plano horizontal atravessado por um eixo vertical. A forma vertical se adapta ao eixo dominante do espaço, e todos os elementos do padrão se observam na relação adequada. Um objeto de certo tamanho, forma ou cor, visualmente terá mais peso, quando colocado mais alto. Portanto, o equilíbrio na direção vertical não pode ser conseguido colocandose objetos iguais em diferentes alturas. Isto significa, por exemplo, que, se quisermos que duas metades sejam percebidas visualmente idênticas, se deve fazer a metade superior mais curta. De modo geral, as formas horizontais passam a sensação de maior solidez e de maior estabilidade sobre o plano em que se assentam, enquanto que, com as verticais, acontece o contrário, ou seja, as formas verticais passam a sensação de leveza e menos estabilidade, tendendo a se levantar do solo, a se elevar. Exemplo gráfico. Coluna de texto estreita e larga, dentro do mesmo conceito. As direções horizontais representam o mundo concreto de ação do homem, que é, portanto, um plano horizontal atravessado por um eixo vertical. A forma vertical se adapta ao eixo dominante do espaço, e todos os elementos do padrão se observam na relação adequada. Um objeto de certo tamanho, forma ou cor, visualmente terá mais peso, quando colocado mais alto. Portanto, o equilíbrio na direção vertical não pode ser conseguido colocando-se objetos iguais em diferentes alturas. Isto significa, por exemplo, que, se quisermos que duas metades sejam percebidas visualmente idênticas, se deve fazer a metade superior mais curta. De modo geral, as formas horizontais passam a sensação de maior solidez e de maior estabilidade sobre o plano em que se assentam, enquanto que, com as verticais, acontece o contrário, ou seja, as formas verticais passam a sensação de leveza e menos estabilidade, tendendo a se levantar do solo, a se elevar.

53 CONTRASTE Movimento A sensação de movimento é função de velocidade e direção.acontecimentos que se dão em seqüência criando sensaçãode mobilidade e rapidez, por meio de estimulações momentâneas.

54 CONTRASTE Movimento Formas oblíquas, de cunha, sombreadas, etc, são qualidades que concorrem para a percepção da sensação de movimento.

55 CONTRASTE Movimento Formas oblíquas, de cunha, sombreadas, onduladas, em espiral etc, são qualidades que concorrem para a percepção da sensação de movimento.

56 CONTRASTE Dinamismo Movimento mais violento, mais forte, mais veloz, mais rápido.

57 CONTRASTE Dinamismo Movimento intenso. Exarcebado. Muita ação, energia, força, ritmo.

58 CONTRASTE Ritmo Apresenta um conjunto de sensações de movimentos encadeados ou de conexões visuais ininterruptas.

59 CONTRASTE Ritmo Conexões visuais na maior parte das vezes uniformemente contínuas ou seqüenciais ou semelhantes. M O V I M E N T O S

60 CONTRASTE Ritmo Conexões visuais na maior parte das vezes uniformemente contínuas ou seqüenciais ou semelhantes.

61 CONTRASTE Passividade Ausência de movimento. Em qualquer composição que apresente um equilíbrio absoluto na qual as forças visuais se encontrem em repouso.

62 CONTRASTE Passividade Ausência de movimento. Em qualquer composição que apresente um equilíbrio absoluto na qual as forças visuais se encontrem em repouso. Parado Estático Passivo

63 CONTRASTE Proporção & Escala Um elemento é grande ou pequeno, pesado ou leve, claro ou escuro, quente ou frio etc. Sempre comparativamente a outro elemento. Essa relação chama-se escala. A escala estabelece as medidas proporcionais dessas relações.

64 CONTRASTE Proporção & Escala Implica uma comparação, sempre entre dois ou mais elementos. Pode ser natural, ampliada ou reduzida. Chama à atenção, intensifica.

65 CONTRASTE Proporção & Escala Implica uma comparação, sempre entre dois ou mais elementos. Pode ser natural, ampliada ou reduzida. Chama à atenção, intensifica.

66 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

67 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

68 CONTRASTE Agudeza Clareza e a acuidade visual. Nitidez de expressão da forma Contornos retos e precisos, Formas pontiagudas, rígida, cortantes.

69 CONTRASTE Agudeza Tensão. Agressividade. Impacto visual.

70 CONTRASTE Agudeza Tensão. Agressividade. Impacto visual. AGUDEZA Contrario do... Arredondamento ARREDONDAMENTO

71 OBRIGADO PELA ATENÇÃO

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

Técnicas Visuais Aplicadas

Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE

Sistema de Leitura Visual da Forma HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais i Fundamentais HARMONIA / EQUILÍBRIO / CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 HARMONIA HARMONIA > Ordem e Regularidade

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora.

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Análise Gráfica de Rótulos de Vinhos Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Visual Analysis of Wine Labels Ranzolin, Michele; Universidade de Caxias do Sul micheleranzolin@hotmail.com Vieceli, Liliane; Universidade

Leia mais

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar Unidade 3 Princípios de Design composição unidade harmonia equilíbrio contraste Composição o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar O que é composição? O processo de

Leia mais

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL 3 EQUILÍBRIO O principal objetivo de se estudar as qualidades particulares da experiência visual é aprimorar nossa sensibilidade inata e tentar educar o nosso olhar. Assim podemos alargar as possibilidades

Leia mais

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho Design Web Formas Elisa Maria Pivetta Sinto, penso, logo desenho Formas básicas em Design Comunicamos mediante linguagem falada, verbal, formada por letras, palavras, frases, etc. que, combinados, formam

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas

Leia mais

Técnicas de Comunicação Visual

Técnicas de Comunicação Visual DONDIS, Donis A. A sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1991, pp. 51-83. Técnicas de Comunicação Visual Donis A. Dondis As técnicas visuais oferecem ao designer uma grande variedade

Leia mais

Prova Prática de Desenho A

Prova Prática de Desenho A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/0, de 6 de março Prova Prática de Desenho A.º Ano de Escolaridade Prova 706/.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas COTAÇÕES GRUPO I Representação

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Novidade. A BBcolor. fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes.

Novidade. A BBcolor. fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes. BLOND AGE Novidade A BBcolor fica mais luminosa com cores loiras claras e brilhantes. Femininos e sensuais: os cabelos loiros são um clássico que não conhece modas, mas muitas tendências de estação diferentes

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI TÍTULO: OUTDOOR - DIA DOS NAMORADOS ESFIHAMANIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ISMÊNIA MOTTA

Leia mais

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento, design, cores e Posicionamento de Elementos Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. Distinguir diferenças entre cor

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães

Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães Estudo de vários tipos de Rosto (nariz, boca e Queixo) Prof(as): Fatima Queiroz Jeanny Guimarães Analise de Rostos A consultoria começa com a análise do formato de rosto. O visagista irá identificar através

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO Ano Letivo 2014/2015 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: -Distinguir entre cor e pigmento (síntese aditiva e subtrativa) -Identificar cores primárias e secundarias,

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE. inside office

MANUAL DE IDENTIDADE. inside office ÍNDICE APRESENTAÇÃO 3 CORES 4 FAMÍLIA TIPOGRÁFICA 5 APLICAÇÕES DA MARCA 6 USOS INCORRETOS 0 REDUÇÃO DA MARCA AREJAMENTO DA MARCA VERSÕES MONOCROMÁTICAS MARCA EM NEGATIVO 1 4 2 3 APRESENTAÇÃO Esta é a marca

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira Engenharia de Tráfego Prof. Heitor Vieira 1. INTRODUÇÃO A Engenharia de Tráfego é a parte da Engenharia de Transportes que trata de dos problemas de planejamento, operação e controle de tráfego. Tendo

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia c a s e Escritório Iluminação contribui com identidade visual Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia INAUGURADA EM OUTUBRO DE 2007, A NOVA SEDE da CEAgro, localizada em Campinas, interior

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca 01 - introdução O logótipo é um elemento de identificação da instituição e não tanto um mero elemento gráfico, por isso não deve ser alterado

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 Um dos fatores que mais influenciam a permanência do educando em uma iniciativa EAD é a qualidade dos materiais que lhe são postos à disposição: não podem apresentar

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 LÍNGUA PORTUGUESA Reconhecer o gênero de um texto a partir de seu contexto; Analisar textos de diferentes gêneros;

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «21. No ensino do desenho de observação, qual o maior motivo de principiantes sentirem dificuldades em desenhar rostos humanos? a) Porque rostos humanos

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe Princípios do Design Gráfico Prof. Luis Felipe 1 2 ESTRUTURA DA CRIAÇÃO NAS AGÊNCIAS DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO VP DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 T E N D Ê N C I A D E S I G N A R Q U I T E T U R A CHARME D O N D O L I & P O C C I PERFil TRicia guild Ela é a maior especialista do mundo na combinação de tons e padrões

Leia mais

serifa inclinada TIMES serifa

serifa inclinada TIMES serifa TIPOLOGIA NA WEB CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS Com Serifa Serifa é uma haste perpendicular que termina os principais traços de algumas letras. Este recurso facilita a leitura de textos impressos, aglutiando

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

O Guia Emocional das. Cores

O Guia Emocional das. Cores O Guia Emocional das Cores 84,7% dos consumidores acham que a cor é mais importante que muitos outros fatores ao escolher um produto. 1% decidem pelo som ou pelo cheiro 6% decidem pela textura 93% das

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 Alunos Bruno Silva Bastos 13240044 Daniel Souza 1324240106 Esa Gomes Magalhães 1324240059 Heryc Farias Matos 1324240023 Cordenadores Bruno

Leia mais

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA V Profa. Dra Deusa Maria R. Boaventura ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUGESTÃO DE

Leia mais

Cartaz: A Culinária Mexicana 1. Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6

Cartaz: A Culinária Mexicana 1. Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6 Cartaz: A Culinária Mexicana 1 Paulo Henrique Paro 2 William Wendel 3 Marcelo Prada 4 Fábio Dias 5 Cristiane Peixoto Nabarretti 6 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara d Oeste, São Paulo Resumo O trabalho

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 01. UNIVERSO Antes de qualquer construção de uma nova marca, o primeiro passo deve ser sempre perceber qual o

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Manual de Padronização

Manual de Padronização Manual de Padronização das Marcas EBC e seus veículos Novembro de 2013 1. Marca da EBC 4 1.1 Reduções mínimas 5 1.2 Aplicações da marca 6 1.3 Tipografia 7 1.4 Cor da marca 8 1.5 Usos Indevidos 9 2. Marca

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

UNIDADE IV: Ser humano e saúde Cultura indígena. Aula: 14.1 Conteúdo: Introdução a estática e suas definições.

UNIDADE IV: Ser humano e saúde Cultura indígena. Aula: 14.1 Conteúdo: Introdução a estática e suas definições. UNIDADE IV: Ser humano e saúde Cultura indígena. Aula: 14.1 Conteúdo: Introdução a estática e suas definições. Habilidade: Compreender os conceitos físicos relacionados a estática de um ponto material

Leia mais

Extrusão de tubos, cabos e fios

Extrusão de tubos, cabos e fios Sistemas de marcação e codificação Extrusão de tubos, cabos e fios Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas linhas de produção Mais que qualquer outro setor, a produção de fios, cabos ou

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

16/06/2013. Circulação: movimento através do espaço. Elementos da circulação. Circulação: movimento através do espaço. Elementos da circulação

16/06/2013. Circulação: movimento através do espaço. Elementos da circulação. Circulação: movimento através do espaço. Elementos da circulação 1 2 Desenho de Escher. Disponível em: . Circulação: movimento através do espaço A via de nosso movimento pode ser concebida como a linha perceptiva

Leia mais

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS Marca, segundo a lei brasileira, é todo sinal distintivo, visualmente perceptível, que identifica e distingue produtos e serviços de outros análogos, de procedência diversa,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Forma Podemos classificar os elementos do desenho bidimensional em 3 grandes grupos: Conceituais: ponto linha e plano São percebidos

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

A opção ideal para imprimir de forma produtiva, versátil, fiável e económica.

A opção ideal para imprimir de forma produtiva, versátil, fiável e económica. 3030 3230 Tamanho A4/B4 Alta velocidade de Impressão Alta qualidade 300dpi X 600dpi Facilidade de uso Conetividade Produtividade, Conetividade, Poupança A opção ideal para imprimir de forma produtiva,

Leia mais

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br Coesão Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br É um dos temas que mais desperta interesse no estudo sobre grupos; O seu conceito e a sua forma de mensuração são controversos: Um grupo

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores.

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores. 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras.

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. Cores e Formas 1) Objetivo Geral Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. 2) Objetivo Específico Reconhecimento,

Leia mais

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC O OBJETIVO DO PROJETO A criação dos ícones dos cursos tem como objetivo construir uma identidade visual única para os cursos ofertados pelo IFC, principalmente

Leia mais

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012 Uso correto da Marca ONS versão 1.0 dezembro 2012 O ONS desempenha com eficiência e eficácia seu papel no setor elétrico. A Marca ONS identifica e representa a organização e todos que a formam. Este documento

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Elementos Básicos da Comunicação Visual

Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Temos variados pontos de vista para analisarmos qualquer obra visual; um dos mais reveladores é decompô-la em seus elementos

Leia mais