LINGUAGEM, TELEVISÃO, ESCOLA E FAMÍLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUAGEM, TELEVISÃO, ESCOLA E FAMÍLIA"

Transcrição

1 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM LINGUAGEM, TELEVISÃO, ESCOLA E FAMÍLIA PATRICIA MAESTRINI ALLODI São Paulo 1998

2 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM LINGUAGEM, TELEVISÃO,ESCOLA E FAMÍLIA Monografia de Conclusão do Curso de Especialização em Linguagem Orientadora: Mirian Goldenberg PATRICIA MAESTRINI ALLODI São Paulo

3 Resumo A presente pesquisa teve como objetivo estudar a relação entre linguagem, televisão, escola e família no desenvolvimento da criança da era tecnológica e da mídia. Para tanto, buscamos diferentes autores que se aprofundaram neste tema. Verificou-se pela literatura que a televisão tem muito mais aspectos negativos do que positivos, por exemplo, a violência televisiva e as transformações comportamentais como a passividade, a diminuição da capacidade de concentração e atenção e perda do espírito crítico e do raciocínio, as quais devem ser consideradas. Uma importante observação é que realmente a linguagem sofreu alterações devido à influência da linguagem audiovisual, tendo como as principais modificações: redução do vocabulário, desprezo pela escrita, e o envolvimento emocional que está acima do racional e do lógico. Os autores pesquisados acreditam que a família tem papel importante como mediador dos fatos televisivos e o impacto causado nas crianças. Além disso, acreditam que a escola e a televisão não devem se opor, mas serem práticas complementares, para que o processo ensinoaprendizagem seja mais motivador para as crianças da era tecnológica e da mídia. 2

4 Summary This research had as objective the relantionship between language, television, school and family in the child development on the technology age and media environment. For that, some writers that went deeply on this issue, were read. According to the reffered to literature the television s programs have more negative aspects than posititive aspects for example the violency and behavior changes like passivity, concentration and attention capacities impairment, and loss of critical and logical mind, which has to be considered. The most important point is the changing suffered by the language due to audiovisual influence being the main alterations: vocabulary reduction, less attention for writting and the emotion environment beyond the racional and logical mind. The writers researched believe that the family acts as an important element between the television s programs and their influence in children. Besides that they believe that school and television can t be on opposite sides, but be complementary by and together to motivate the children on the teach-learning process. 3

5 Aos meus pais, Marli e Edgard, por fazerem da minha caminhada da vida um passeio feliz. Obrigada pelo amor, pela presença constante, e pela força e coragem nos momentos em que precisei. Obrigada por torcerem e incentivarem meu crescimento pessoal e profissional. Ao Silvano, pelo amor e por torcer pelo meu crescimento profissional. Obrigada pela paciência nos momentos em que precisei. Ao meu sobrinho Enrico, pelo amor e sorriso inocente, mas sobretudo por ter despertado em mim, o interesse por esta pesquisa. 4

6 Agradecimentos conhecimento. À Mirian Goldenberg pela orientação e por compartilhar todo o seu Às amigas de curso do CEFAC pelos nossos momentos de orientação conjunta. carinho. Ao meu pai, pela dedicação na revisão ortográfica, feita com muito momentos. À minha mãe por contribuir de maneira tão especial em diferentes Ao Silvano que sempre esteve ao meu lado, compreendendo e respeitando todos os momentos. Além da ajuda na revisão e no computador quando diversas vezes precisei. Às amigas Daniela Bonini, Daniela Leite Gomes, Andréa Goldberg e Andréa Edo pela cuidadosa correção tão importante na finalização deste trabalho. Às amigas Ana Lúcia Panadés e Karin Senise Martinho que colaboraram com material bibliográfico. deste estudo. À todos que de alguma forma colaboraram para a concretização 5

7 Eles não vêem mais como antes, (o olho de um rapaz aparece aumentado por uma câmara) Eles não ouvem como antes, (um jovem aparece deitado sob uma árvore, com um radinho de pilha no ouvido) Eles não falam como antes, (via-se um jovem de olhar brilhante, falando ao telefone) Eles não aprendem como antes, ( via-se uma classe diante das máquinas de aprender) Eles não comandam mais como antes, (um homem manipulava botões numa mesa eletrônica) Eles não andam mais como antes, (via-se um astronauta dentro de um foguete) ( Montagem audiovisual sobre a nova geração ) 6

8 Sumário Página 1. Introdução Discussão Teórica A Televisão A Televisão e a criança Aspectos positivos e negativos da televisão Principais mudanças causadas pelo audiovisual apontadas como aspectos negativos A violência na televisão A Linguagem A linguagem audiovisual Linguagem audiovisual x linguagem literária Linguagem Atual Escola, família e televisão Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexo

9 1 - Introdução Desde o surgimento da televisão, por volta de 1926, vários estudos foram realizados com o intuito de perceber e detectar seus efeitos sobre a população, e as conseqüências trazidas por ela, como mudanças de hábitos e comportamentos. No entanto, hoje em dia, com a evolução das cidades, com o aumento da violência, a falta de espaço físico domiciliar, entre outros fatores, a televisão passou a ser uma forte aliada na vida familiar, principalmente em relação às crianças, que passam horas do seu dia em frente à telinha. As crianças estão deixando de correr, de pular, de realizar atividades físicas espontâneas, porque não se pode mais brincar nas ruas, porque moram em prédios onde, às vezes, não há espaço externo que as possibilite de brincar livremente ou porque as mães trabalham fora, e não há quem as leve até o play ground. Desta forma, as crianças passam muitas horas do dia assistindo televisão, e sabemos que muitas vezes a programação não é adequada para elas. As crianças vêem de tudo, novelas, filmes de terror, programas que mostram somente tragédias, assassinatos, exploração da imagem de deficientes, a violência com sensacionalismo, enfim toda a programação sem exceções. A preocupação é porque as crianças assimilam facilmente o que vêem e ouvem, o que pode ser exemplificado pelo fato das crianças decorarem slogans de propaganda e imitarem personagens. 8

10 Além disso, o tipo de relação comunicativa, se podemos chamar de comunicação, é totalmente passiva, ou seja, são receptoras de informações, publicidades, e de toda programação estipulada e vendida pelas emissoras de televisão. Um dos fatores que incentivou este estudo, por mostrar como as crianças assimilam rapidamente e passam a ser um meio de propagação da informação/propaganda, foi o exemplo de uma mãe que estava repreendendo o seu filho, quando este a interrompeu e disse: - "Isso não é importante, o importante é que o Banco Real dá dez dias sem juros". Outro fator que me despertou interesse é o fato de como as crianças se identificam e assimilam o conteúdo da programação, pois um paciente em terapia, que estava escrevendo uma história, na qual haviam vilões e bandidos, perguntou-me se eu era do "mal", pois ele era, porque nos desenhos que ele assistia, só quem é do "mal se dava bem". É importante refletirmos sobre a televisão, que está cada vez mais ocupando espaço dentro dos lares, e provavelmente ocupará mais ainda, pois as invenções ao redor dela são muitas: coloridas, de muitas polegadas, à cabo, de alta resolução, entre outras. Saliento que desde pequenas, as crianças começam a se habituar com a televisão, em um período importante de desenvolvimento neuro-psicomotor e de linguagem. A linguagem merece uma atenção especial, não só em termos de desenvolvimento, falhas, mas também, no que se refere às influências e estímulos sobre ela. 9

11 Por isso, resolvemos pesquisar a televisão, que é um assunto que não só pais, mas educadores e profissionais que trabalham com crianças, vem se perguntando sobre seus efeitos e repercussões no desenvolvimento infantil, inclusive no desenvolvimento da linguagem. Tratando-se de aspectos tão importantes na vida de uma criança, algumas questões foram levantadas: Que tipo de influência a televisão pode exercer sobre a linguagem infantil? Será que as crianças que assistem muita televisão possuem uma linguagem diferenciada? A televisão pode padronizar a linguagem infantil? Será que não estamos criando crianças teledependentes? Como a criança lida com a programação que assiste? Será que a violência assistida pode influenciar o comportamento infantil? Será que a escola consegue atrair as crianças com a metodologia tradicional? Que adaptações a escola tem que fazer para as crianças não perderem o estímulo de estudar? Será que a escola vê a televisão como rival? Ou a televisão pode ser considerada uma aliada no ensino-aprendizagem? Ou, o quê podemos fazer para diminuir este interesse imensurável pela televisão? Que outras atividades poderão ser propostas? 10

12 Devemos discutir os programas e fatos mais detalhadamente com as crianças, para que elas filtrem melhor as informações que lhe são passadas? Como os educadores devem lidar com os fatos da televisão? A televisão deve ser introduzida na escola? Será que a imagem pode substituir a escrita? Será que a leitura da imagem (linguagem audiovisual) desenvolve como a leitura literária (linguagem literária)? Desta forma, esta pesquisa pretendeu estudar a relação entre linguagem, televisão, escola e família no desenvolvimento da criança da era tecnológica e da mídia. Para tanto, considerando o objetivo desta pesquisa, utilizei da bibliografia sobre o tema, que representa uma fonte estável de informações, para entender as questões levantadas e para buscar evidências que fundamentem as afirmações e declarações utilizadas neste trabalho. 11

13 2 - Discussão Teórica Este capítulo tem a preocupação de discutir cada um dos temas envolvidos nesta pesquisa: a televisão, a linguagem, a escola e a família destacando os aspectos mais importantes, tentando desenvolver a relação existente entre eles A Televisão Todas as culturas têm seus próprios meios de comunicação e transmissão de conhecimentos, mitos e lendas (SIVERSTONE,1994). Antigamente, as pessoas usavam a linguagem oral ou desenho como meio de comunicação. Hoje, com os avanços tecnológicos, a transmissão da cultura é feita em roupas modernas através do meio mais popular, a televisão, que é uma representação através de imagens. É a união do verdadeiro, do imaginário e do real no presente ( BERGER, 1979; SILVERSTONE,1994). 12

14 A televisão como foi citada na revista VEJA (29/07/98) foi inventada em 1926, mas só vinte e seis anos depois, em 1952, é que ela passou a ser utilizada por mais de cinqüenta milhões de pessoas no mundo. As discussões em torno dela são muitas e de diferentes formas. Cohen citado no Livro da Vida (1971) acredita que os programas de televisão influenciam um tipo de conhecimento prejudicial à uma vida social saudável. Por outro lado, Mc Luhan citado no mesmo livro, vê a televisão como o "carro chefe" dos meios de comunicação, que veio para romper os velhos hábitos de pensamento, transformando a visão do mundo e de nós mesmos (p.1825). SILVERSTONE (1994) acredita que através da dimensão mítica da televisão podemos entender a influência dela nas atitudes e comportamentos individuais, capaz de moldar os valores de toda uma sociedade. Em todo o mundo, os maiores índices de audiência são conseguidos através de programas inspirados em lendas folclóricas, heróis, vilões que acabam com finais felizes. Muitas vezes, a audiência se cansa de finais felizes que parecem menos reais, surgindo então, a mídia cômica e satírica, que ridiculariza mitos menores, mas mantém a credibilidade da própria mídia e ajuda o público a adaptar novos valores. O mito, segundo SILVERSTONE (1994), estabelece um mundo de significados culturais, que fazem parte de uma história ordenada, seguindo objetivos definidos pelo homem. 13

15 Nós, homens, somos os produtores de mito, porque construímos nossa História: valores, intenções e aspirações. Muitas vezes, utilizamos o mito para responder algumas questões sobre vida, sofrimento e morte. O mesmo autor complementa que os mitos não se referem ao primitivo, são processos dinâmicos, contínuos que estão localizados em aspectos como: universidade, religião, ciência atual, senso comum, filosofia, imaginação literária, que tentam explicar a evolução universal e projetar o futuro coletivo. A televisão liga todos esses processos com o mundo da cultura cotidiana. SILVERSTONE (1994) acredita que por querer atrair a audiência, ou mesmo para responder as ansiedades humanas e sustentar as crenças e esperanças, a televisão acaba sendo organizada em redes nacionais sobre as tradições culturais nacionais. MORAN (1991) concorda com tal fato, pois a preocupação da televisão é a universalidade, ou seja, deseja atingir o máximo de pessoas, assim acaba transformando ou escolhendo acontecimentos de ampla aceitação. A função principal da televisão é traduzir para o público aquilo que lhe é estranho. Além disso, tem como função "rearranjar" as situações sociais, políticas e econômicas embaralhadas apresentando através de personagens ou programas "uma sabedoria maior e uma síntese de valores acima do conflito bipolar" (SILVERSTONE,1994,p.52). 14

16 O mesmo autor relata que a função mais questionada da televisão é o fato dela transformar as tradições míticas em ideologias. Assim, no momento em que a televisão torna uma visão mundial em natural, toda informação nova será colocada nessa nova estrutura. Na verdade, para SILVERSTONE (1994) não há como negar o poder de influência da televisão, das instituições educacionais e da religião na formação de visões míticas. Mas, conclui, que a televisão e mito são processos ideológicos, sendo a cultura inerente à História humana. Para EURASQUIM et al (1983) o controle ideológico, como também a propaganda e o estímulo ao consumo são objetivos dos meios de comunicação. Em particular, a televisão, segundo MORAN (1991) é um meio de comunicação que conseguiu unir diversão, informação e alimenta o consumo, interligando assim: ficção, informação e publicidade. Os programas de ficção utilizam da realidade versus fantasia, dos estereótipos, e dos mitos amor x ódio, bem x mal, entre outros. A publicidade sem dúvida, utiliza-se de várias formas de sedução, uma linguagem mais elaborada e rica, humor, efeitos visuais e sonoros, que transformam sonhos e necessidades em 30 segundos. É um ciclo de carência x compra, pois sugere soluções através da compra de bens, por isso não podem ser desvinculados da credibilidade, porque estabelecem laços entre os elementos psicológicos e o conhecimento do público que se pretende atingir (MORAN,1991). O mesmo autor faz uma diferença do que é informar e a informação na televisão: informar é recortar fragmentos da realidade e organizá-los através de critérios, enquanto que na televisão poderíamos dizer que informar 15

17 é transformar tudo que é exceção à regra, o excepcional, o que não é rotineiro, o novo. A informação na televisão deveria ser dada isenta de qualquer visão, mas na realidade há parcialidade desde a seleção das notícias, na ênfase dada, na relativização da informação, bem como no modo de apresentá-la: duração, chamadas antes do noticiário, imagens gravadas ou via satélite, efeitos visuais e sonoros. CARMONA et al (1996) levantam algumas questões sobre a televisão, o que é uma boa programação?, a audiência pode ser considerada um meio de julgar a programação?, o telespectador pode dizer não?, violência gera violência?, e alerta que estamos preparando crianças para o amanhã, e que seria necessário dar-lhes parâmetros hoje, para que sejam capazes de escolher, e serem responsáveis amanhã. Ressaltam ainda, que a audiência verifica o que as pessoas estão assistindo dentro das programações oferecidas, mas não pode verificar como elas estão recebendo o conteúdo/ a programação, ou seja, é quantitativa e não qualitativa. 16

18 A televisão e a criança Segundo PORTO (1995) na sociedade moderna, a televisão é assistida pela quase totalidade das crianças, deste modo ela pode ser considerada como uma realidade, e não há como ignorá-la. A mesma autora complementa ainda que a televisão faz parte da família, mantém vínculos constantes, ou seja, participa da vida familiar, e muitas vezes, dependendo da programação e dos interesses, até inibe o diálogo entre os familiares. Portanto, devemos conhecer melhor a televisão e nos conscientizarmos dos significados veiculados por ela, para que possamos evitar eventuais males que porventura possam surgir pelo uso indiscriminado (PORTO,1995). Dessa forma, a programação infantil deve ser bem observada, e devemos defender uma programação de qualidade não só para as crianças, mas para a sociedade em geral (CARMONA et al, 1996; MORAN, 1991). A relação entre a televisão e a infância desperta muita preocupação entre os profissionais que trabalham com as crianças, por isso em 1995, estes profissionais se reuniram para discutir este tema, e das conclusões deste encontro surgiram algumas recomendações que poderão integrar o Estatuto para a Televisão Infantil, que está atualmente em discussão na Europa, mas que terá vigência internacional (CARMONA et al, 1996, ANEXO I). Segundo a pesquisa realizada pela revista VEJA (17/08/98) sobre hábitos e preferências de 1,3 milhão de meninos e meninas, entre 10 e 14 17

19 anos que vivem na Grande São Paulo, em relação à mídia podemos constatar que 91% dos entrevistados preferiram a televisão aos outros meios de comunicação, seguida da revista com 68%, e do rádio com 51% da escolha dos entrevistados. É importante destacar que, ao mesmo tempo que, a televisão reduz oportunidades da criança em estabelecer relações, não requer participação dela, limita a criança à um determinado espaço e exclui a atividade física essencial para o seu desenvolvimento. É assistindo televisão que a criança passa mais horas, desde o início de sua vida consciente, numa fase de desenvolvimento mental e físico, e formação de hábitos e atitudes (EURASQUIM et al 1983). Os mesmos autores relatam que as crianças que já nascem com televisão em casa ficam mais vulneráveis à se tornarem teledependentes, ou seja, é aquela criança que passa a maior parte do seu tempo assistindo televisão. Hoje em dia, é muito mais fácil a criança se tornar um teledependente, favorecida pela vida moderna, correria, falta de espaço externo, além de ser, de certa forma uma opção barata de entretenimento. BALTAZAR (1991) relata que alguns estudos norte-americanos concluíram que o hábito de assistir televisão pode prejudicar o desenvolvimento cognitivo da criança, uma vez que oferece uma aprendizagem aparentemente facilitada, com estímulos que sensibilizam a audição e visão, mas que não facilitam processos mais complexos que exigem da criança por exemplo, elaboração e noção de tempo. De acordo com NETO (1993) as estatísticas provam que uma criança que nasce hoje, quando estiver jovem, terá despendido mais tempo 18

20 vendo televisão do que realizando qualquer outra atividade, com exceção das horas de sono. Nos países industrializados na escala de atividades que os estudantes realizam, assistir televisão ocupa o segundo lugar (FERRÉS,1996). Segundo estimativas norte-americanas, as crianças em fase préescolar são as que mais assistem televisão, em média 26 horas e 54 minutos por semana. Na Espanha, a média é de 20 horas semanais (EURASQUIM et al, 1983). Alguns estudiosos condenam a televisão como sendo perniciosa para a criança, mas será que não estão confundindo os programas inadequados com o veículo em si, a televisão? (Livro da Vida, 1971) Pode ser que sim, no entanto temos que pensar como CARMONA et al (1996) que ressaltam o fato das crianças se envolverem de forma diferenciada com os programas de televisão, diferente de como os adultos acham que deveria ser. Na verdade, temos que diferenciar dois processos: recepção e percepção. Recepção é o processo pelo qual recebemos algo, ou seja, reagimos a partir do momento que recebemos os estímulos. No entanto, "percepção é o processo pelo qual tomamos consciência imediata de objetos e fatos e suas relações num dado contexto". A percepção depende não apenas dos nossos sentidos, mas também dos interesses pessoais, assim a percepção é sempre uma interpretação subjetiva de um fato (BALTAZAR,1991, p.14). Para a mesma autora, enquanto os adultos utilizam de toda a percepção (emocional e racional) para analisar fatos e pessoas, as crianças 19

21 não utilizam, pois dependem muito ainda de sinais concretos. A preocupação maior é sabermos como e quando a criança consegue distinguir o que real e o que é pretendido como real na televisão. A criança pequena não distingue ficção de realidade, os fatos são tão reais para ela como seu próprio pai, por exemplo. Além disso, se identificam com personagens e situações não conseguindo ter o distanciamento que o adulto consegue ter (Livro da Vida, 1971). BALTAZAR (1991) acredita que a criança sente dificuldade em diferenciar o que é real e o que é fantasia, embora esteja em pleno desenvolvimento cognitivo, pois a televisão não apresenta a fantasia de modo diferente da realidade, tudo é espetáculo. No Livro da Vida (1971) foi destacado que a preferência das crianças por filmes de aventuras ou histórias de fantasia advém do fato que elas "participam" dos enredos de sua imaginação, pois a primeira atitude é relacionar-se com as histórias. Para PORTO (1995) a magia apresentada nas histórias vem ao encontro das fantasias da criança, o que proporciona à ela segurança, e ao mesmo tempo catarse, assim pode se envolver com os personagens de forma que seus sentimentos, desejos, emoções possam aflorar. A mesma autora complementa que a televisão, apresentando um mundo encantando para o telespectador onde tudo é possível, pois relaciona o real com a fantasia, e dessa forma, lida com valores, conceitos, e desperta interesses, faz com que o indivíduo impossibilitado de realizar seus desejos, consiga transpor essa impossibilidade para as histórias que vivencia na televisão. 20

22 Isto quer dizer que, a percepção também está relacionada com a auto-imagem, ou melhor, a "imagem refletida no espelho da tv". Devemos pensar como a televisão pode influenciar a identidade da criança através de como ela percebe os personagens e os fatos transmitidos (BALTAZAR, 1991, p.18). BALTAZAR (1991) destaca que em diversas etapas do desenvolvimento infantil, a família e a escola são modelos ideais de valores e atitudes, mas quando estes agentes primários apresentam-se de forma contraditória, os agentes secundários, como a televisão, tornam-se os modelos a serem seguidos e, portanto, desempenham função na formação da identidade da criança 1. Da mesma forma, temos que pensar que a televisão pode estar influenciando a criança a ter uma visão preconceituosa de certas raças ou crenças, uma vez que a televisão faz questão de neutralizar as diferenças. Assim, o papel dos pais e da família é primordial, uma vez que eles devem ser mediadores da televisão e também amenizar os conflitos que a criança porventura possa estar sofrendo. (BALTAZAR,1991). Desde o surgimento da televisão, os programas infantis são fantasiosos. Dessa forma, surge uma nova questão: a preferência por programas de ficção é natural da criança, ou a televisão é que impôs um tipo de escolha? (Livro da Vida, 1971). Na primeira fase da infância, a criança tem necessidade da fantasia, da imaginação, pois o mundo ainda é cheio de mistérios, medos, e essa 21

23 fantasia auxiliará a criança a lidar com seus medos, angústias, conflitos pessoais (Livro da Vida,1971). 1. Os agentes socializadores dividem-se em : agentes primários e agentes secundários. Os agentes primários são aqueles que fornecem informações sociais: fatos, valores, idéias. São agentes primários os pais, família, escola, e instituições religiosas. Nos agentes secundários incluímos todos os meios de comunicação de massa. São os agentes que fornecem informações que podem prover e contribuir para a informação da pessoa, mas não podem transformá-la em ação. Como foi citado anteriormente, o mito faz parte da narrativa televisiva, pois trata de aspectos relativos à vida, morte, entre outros. Para BALTAZAR (1991) o mito também é utilizado na programação infantil, é através da fantasia que os mitos se transformam em espetáculos infantis. Nossas dúvidas e angústias são representadas pelos monstros, que lutam para libertar a consciência do consciente. Os bandidos representam todos os perigos, obstáculos que devemos ultrapassar na vida. Além disso, nas programações infantis encontramos muitos animais humanizados, ou animais que vivem igualmente ao homem, por exemplo, o Scooby Doo. A mesma autora destaca que a televisão não só exerce a função de aliviar angústias como também exerce a função educativa, e cita que quando a criança observa animais rebeldes, com atitudes inconseqüentes, que são levados a sua jaula, pode inferir uma reflexão na criança sobre seu próprio comportamento e que conseqüências isso pode acarretar. CARMONA et al (1996) recomendam que a programação infantil deve investir na "pluralidade de linguagens, riqueza e variedade de gêneros 22

24 e conteúdos", principalmente em aspectos que favoreçam o desenvolvimento das crianças. Não é demagogia, mas temos que pensar que um dia crianças já viveram sem televisão, e temos que encarar que houve sim uma transformação na infância regida pela televisão (EURASQUIM et al,1993). FERRÉS (1996) concorda com o fato de que a televisão está conduzindo o desaparecimento da infância, uma vez que oferece de forma indiscriminada a informação antes só reservada aos adultos. Segundo o mesmo autor, outras modificações também estão ocorrendo, como a modificação dos processos mentais, a linguagem, e a primazia do aspecto sensitivo sobre o intelectual Aspectos positivos e negativos da televisão MORAN (1991) destaca que a capacidade que a televisão tem de estabelecer relações agradáveis, sedutoras e envolventes, não pode ser explicada só pela tecnologia, mas pela facilidade que essa indústria tem de captar as necessidades e anseios do público. Deslumbra, fascina, diverte, e manifesta sua força de apresentar e representar o mundo. O poder de fascínio da televisão pode ser explicado pelo fato dela cumprir todas as funções de um espetáculo, ou seja, o telespectador tem gratificações sensoriais, mentais e psíquicas (FERRÉS,1996). O autor citado acima revela que as gratificações sensoriais acontecem pelos estímulos sonoros e visuais fornecidos pela televisão, além 23

25 disso, pelos personagens sedutores que aparecem, cenários exóticos e de luxo, e objetos ou fatos atraentes como: roupas, jóias, festas, entre outros. FERRÉS (1996) complementa que as gratificações mentais acontecem porque a televisão utiliza-se de fábulas e de fantasias, que é uma necessidade fundamental, desde os primórdios da humanidade, quando os homens se reuniam em volta de fogueiras para contar histórias. Finaliza abordando as gratificações psíquicas que acontecem por dois mecanismos psicológicos, pelos quais o telespectador se integra com o espetáculo: identificação e projeção. A identificação acontece quando o telespectador considera o personagem como reflexo da sua própria vida. No entanto, a projeção é produzida quando o telespectador coloca seus sentimentos nos personagens: ódio, desejo, compaixão... No audiovisual o prazer aumenta, porque as gratificações psíquicas ocorrem sem que o telespectador corra algum risco, assim ela participa de situações perigosas, sofre perdas,..., e acaba com um final feliz (FERRÉS,1996). Mas, o prazer ou o desprazer de um programa acontece pelo envolvimento emocional do telespectador, para que um programa seja agradável deve satisfazer as necessidades conscientes e inconscientes das pessoas. FERRÉS (1996) conclui que a televisão é o espelho da pessoa, pois quando se escolhe um programa ou um ídolo, está manifestando suas idéias, interesses, esperanças,... No entanto, ocorre aí um paradoxo, se o telespectador assiste à televisão para fugir de si mesmo, pode acabar se encontrando na tela, mesmo que de forma inconsciente. Quando o telespectador avalia um programa, está refletindo sobre ele mesmo. 24

26 Além das gratificações sensoriais, mentais e psíquicas, Ferrés (1996) destaca outro fator positivo, como o fato de que na televisão a informação não tem fronteiras, assim, possibilita um envolvimento maior do telespectador com o mundo. PORTO (1995) acredita que a grande parte da população só tem acesso ao mundo pela televisão, e isto está provocando uma mudança nos conhecimentos e percepções do mundo. Outro aspecto positivo apontado por EURASQUIM et al (1993) é que a televisão é uma opção barata de entretenimento. Contudo, como foi discutido anteriormente, citado por BALTAZAR (1991), a televisão tem como função não apenas o entretenimento, mas tem uma função educativa, que não podemos deixar de considerar como um aspecto positivo da televisão. Há uma polêmica entre os autores, enquanto que para BABIN & KOULOUMDJIAN (1989) a televisão evidencia desigualdades entre as crianças, para FERRÉS (1996) a televisão produz igualdades. Os primeiros autores defendem essa opinião, pois a criança que recebe em casa uma linguagem mais elaborada, tem mais facilidade de entender a linguagem televisiva, aquela que não tiver vai ter que se arranjar. Para FERRÉS (1996) a televisão produz igualdade entre as pessoas, uma vez que transmite tudo à todos, não limitando a experiência a ninguém. Por outro lado, são inúmeros os aspectos negativos destacados pelos autores, como a hiperestimulação sensorial destacado por FERRÉS (1996) que acontece pela aceleração cada vez maior de mudanças de imagens. O telespectador acaba se habituando com esse ritmo, quando não há mudanças, torna-se monótono. Consequentemente, provoca mais um 25

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS Olindina maria moura da silva (UFAL) hollyn.moura@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O DOM DA DISLEXIA Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O QUE É REALMENTE A DISLEXIA Um talento latente Transtorno de aprendizagem Efeitos de desorientação Problemas com a leitura Problemas com a

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores?

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? AS CORES E OS NEGÓCIOS Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? Conhecer o significado das cores, na vida e nos negócios, aumenta as suas possibilidades de êxito. Aproveite. Sabia,

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA *

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * Fernanda da Silva Alvissu Prizoto Universidade de Taubaté ** RESUMO: O tema desta pesquisa é a sugestão de trabalho com filme

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DO BRINQUEDO NO PROCESSO EDUCATIVO DA CRIANÇA Eder Mariano Paiva Filho

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR Alexandre de Medeiros Motta 1 RESUMO O campo da comunicação é um espaço emocionante para ser sondado e explorado pela pesquisa, principalmente aquelas

Leia mais

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título:

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título: Sequência Didática 1 - Título: Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212 2 Resumo: Você, educador(a), e você também que não tem a educação como profissão, mas se interessa

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS O que é ensinado nas escolas prepara os alunos para concretizarem seus projetos na vida adulta? Para achar a resposta, entrevistamos jovens egressos

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais