Pró-Reitoria de Graduação Licenciatura em Física Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Graduação Licenciatura em Física Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Licenciatura em Física Trabalho de Conclusão de Curso A FÍSICA DOS FILMES DE HOLLYWOOD: SERIA ESSA UMA FONTE SEGURA DE CONHECIMENTO? A FSICA DOS FILMES DE HOLLYWOOD: SERIA ESSA UMA Autor: Carlos Eduardo Costa de Brito Orientador: Diego O. Nolasco Programa de Pós-Graduação em Ciências e Biotecnologia Universidade Católica de Brasília- UCB Brasília - DF 2011

2 A FÍSICA DOS FILMES DE HOLLYWOOD: SERIA ESTA UMA FONTE SEGURA DE CONHECIMENTO? (The Physics of Hollywood movies: Would it be a safe way of getting knowledge?) Carlos Eduardo Costa de Brito 1, Diego O. Nolasco 1, 2 1 Curso de Física - Universidade Católica de Brasília 2 Programa de Pós-Graduação em Ciências Genômicas e Biotecnologia Universidade Católica de Brasília UCB. RESUMO A parceria entre a Física e o cinema já rendeu diversas produções cinematográficas com recordes de bilheteria. A ciência funciona como uma fonte de inspiração e também uma possibilidade de trazer ao público uma realidade muitas vezes diferente da habitual, trazendo diversas aplicações científicas de vários fenômenos físicos que influenciam diretamente no âmbito sociocultural. Contudo, até onde a ciência abordada em um filme é realmente ciência? Essa questão é investigada neste trabalho. Palavras-chave: Física Conhecimento Cinema ABSTRACT The partnership between Physics and cinema has earned several cinematographic productions with box-office records. The science serves as a source of inspiration and also as a possibility of bringing the public a reality often different than usual, bringing many scientific applications of various physical phenomena that influenced directly in the socio-cultural framework. However, until where the science covered in the movies is actual science? Keywords: Physics Knowledge Movies 1. OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo fazer um levantamento acerca da veracidade de algumas das obras cinematográficas. Muitos filmes abordam a Física de maneira direta ou indireta baseando-se em fontes com embasamento científico não confiável. O cinema é um instrumento divulgador de diversos temas, tornando-se um potencial instrumento para a democratização do conhecimento. É necessária uma análise crítica das obras divulgadas pelo cinema a fim de se discernir entre uma verdadeira fonte de conhecimento científico, e uma ciência usada de maneira incoerente. 1

3 2. INTRODUÇÃO O cinema é conhecido como a sétima arte, baseado em uma linguagem visual ele detém a habilidade de ensinar as pessoas de uma maneira bastante eficaz e enriquecedora, sendo um importante veículo de comunicação. No decorrer das décadas, o cinema progrediu influenciando diversas gerações dando acesso ao público a variadas informações que outrora não eram disponíveis. Diante desse fato, o cinema tem sido utilizado por produtores e diretores de filmes como uma locomotiva que atrai milhares de pessoas e rende bilheterias bilionárias. A ciência foi e ainda é uma fonte de inspiração e também uma possibilidade de trazer ao público uma realidade diferente da habitual, e em especial, com os filmes de ficção científica une-se realidade com imaginação, buscando uma integração desses dois elementos. Contudo, há diversas incoerências naquilo que é produzido, obras cinematográficas muitas vezes apresentam uma ciência distorcida da realidade científica. Isso chama a atenção para o papel do cinema como um veículo informativo e formativo de opiniões e considerando-se a ciência como uma linguagem, ser alfabetizado cientificamente é saber ler a linguagem em que está escrito a natureza e a falta de domínio dessa linguagem gera os chamados analfabetos científicos (CHASSOT, 2002). Assistir a um filme, desenho animado, ou qualquer outro tipo de entretenimento e ter a capacidade de discernir entre ficção científica e a ciência aplicada é importante, pois se torna uma ferramenta eficaz no processo de crescimento intelectual. Este trabalho é uma compilação de artigos, filmes, livros e reportagens que tem como meta ser capaz de identificar a atuação do cinema como meio divulgador do saber científico e trazer a atenção para a necessidade de um esclarecimento sobre as fontes confiáveis ou não em alguns filmes produzidos e divulgados na mídia. 2

4 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 Abordagem histórica Registrar o movimento é um fato comprovado no decorrer de vários séculos, desde inscrições antigas em cavernas, avançando pelos jogos de sombra de teatro de marionetes oriental. Vários aparelhos foram inventados baseando-se no princípio conhecido como persistência retiniana que é a fração de segundo que a imagem permanece na retina, essa descoberta é mérito do inglês Peter Mark Róger ( ) em Simultaneamente a fotografia foi descoberta por Jacques Daguerre ( ) e Joseph Nicéphore Niepce ( ) contribuindo no avanço para as pesquisas de captação de movimento que culminariam na invenção do cinematógrafo. O Fenacistocópio foi uma invenção do físico belga Joseph- Antoine Plateu ( ), o primeiro a medir a persistência retiniana fixada em 10 imagens a cada segundo gerando a ilusão do movimento em O francês Émile Reynaud ( ) em 1877 desenvolve um aparelho chamado de Praxinoscópio, a princípio uma máquina primitiva composta por espelho e uma caixa de biscoito que sofre gradativamente um aperfeiçoamento permitindo-lhe a ilusão do movimento com um conjunto complexo de espelhos que permite efeito de relevo. Em 1878 o fisiologista francês Etiénne-Jules Marey ( ) desenvolve o Fuzil fotográfico constituído de um tambor forrado por dentro com uma chapa fotográfica circular, baseando os seus estudos no experimento do inglês Edward Muybridge ( ) feito através de câmeras fotográficas espalhadas por uma pista em intervalos regulares que capta o galope de um cavalo ao romper das linhas ligadas a cada câmera. Etiénne-Jules Marey nove anos depois desenvolve outro aparelho baseado na fixação fotográfica de várias fases de um corpo em movimento, chamado deste de Cronofotografia. E por fim Thomas Alva Edison ( ) em parceria com William Dickson ( ) no ano de 1891 cria um aparelho que utiliza filmes perfurados, estes pequenos filmes são projetados dentro desse aparato chamado Cinetoscópio, contudo somente uma pessoa pode assistir a animação por vez. 3

5 O cinestocópio serviu como inspiração para que os irmãos franceses Auguste Lumiére ( ) e Louis Lumiére ( ) criassem o cinematógrafo, um aparelho composto de uma câmera que fotografa e projeta as imagens em uma velocidade de 16 quadros por segundo. Associa as funções de máquina de filmar, de revelação, de película e de projeção, sendo um aparelho híbrido,ao contrário de outros aparelhos que dele deriva, como a câmara com funções exclusivas de captação de imagem e o protetor de cinema, capaz de reproduzir essas imagens sobre uma superfície branca e lisa (ALMANAQUE, 1998). A história do cinema está ligada intimamente com o progresso cultural, econômico, científico e social da humanidade e sofreu influências no final do século XIX com o advento do eletromagnetismo. O cinema fala de identidade cultural, e dentre tantos países cuja cultura foi influenciada pelo cinema, os Estados Unidos da América merecem um destaque especial. Graças à criação e consolidação de Hollywood como a grande indústria produtora mundial de filmes, os Estados Unidos detém atualmente a liderança nas produções cinematográficas no mundo: a indústria cinematográfica americana, a despeito de seus críticos, continua a dominar o mercado mundial de filmes 1. Esta influência estadunidense é perceptível na economia, cultura e política sendo que o cinema como uma manifestação artística e cultural não passa despercebido diante de tal poderio. Inicialmente a Europa era líder em produção cinematográfica, levando destaque a Itália e a França, contudo com o estouro da Primeira Guerra Mundial a indústria européia de cinema foi arrasada. Abriu- se então espaço para os Estados Unidos da América destacar se no cinema. Face ao derrube de regimes totalitários que outrora tinham assinado o pacto de Varsóvia, a cultura popular americana, que seduzira ambos os blocos durante a Guerra Fria, acabou por relevar a posição triunfante da civilização dita ocidental. (HUNTINGTON, 1998). 1 SOCIEDADE E VALORES. A Indústria do cinema hoje. Revista e-jornal USA DEPARTAMENTO DE ESTADO DOS EUA, JUNHO DE 2007, VOLUME 12, número 6 <http://usinfo.state.gov/pub/ejournalusa.html 4

6 O cinema não é apenas entretenimento, mas representa todo um conjunto de fatores que fizeram com que o mundo girasse em torno dos Estados Unidos. Graças a todo um contexto histórico a indústria cinematográfica foi atingindo patamares cada vez mais elevados. Uma verdadeira propulsora da cultura estadunidense, a indústria de filmes ganhou um nome representativo chamado de Hollywood, sendo instalado em uma área rural no fim do século XIX sendo constituído de vários estúdios que funcionaram como grandes divulgadores da cultura popular e dos símbolos nacionais daquele país. Um dos instrumentos utilizados para dar a vida às personagens, cenários, histórias, enredos e etc, é a ciência. A parceria entre o cinema e a ciência remonta a tempos bem antigos, já que a sociedade sempre foi diretamente influenciada pelos avanços do saber científico assim como também foi influenciada pelo avanço da sociedade. Assim como o cinema, a ciência também passou por um processo de desenvolvimento no decorrer das décadas, e graças ao avanço da ciência a sociedade também progrediu se beneficiando do avanço científico. Houve todo um processo social, econômico e político que propiciou o desenvolvimento do pensamento científico destacando a era industrial, período que também houve a manipulação da natureza em favor da sociedade. O cinema sendo vinculada a ciência remonta a um período anterior aos irmãos Lumiére, o astrônomo Jules Janssen ( ) usou um instrumento chamado Revólver Fotográfico para reproduzir a trajetória do planeta Vênus, e baseando na experiência dele o fotógrafo inglês Edward Muybridge pôde criar um experimento usando o princípio da cronografia aprimorada por Etienne-Jules Marey. Estas experiências de Janssen e Marey foram utilizadas por cientistas da época que apresentaram na Academia de Ciências da França em O cinema embora tenha se destacado para o entretenimento, também foi e ainda é um instrumento científico, uma ferramenta que possibilitou o registro em condições inadequadas ou imperceptíveis. 5

7 3.2 Aplicações da Física no entretenimento Como ciência exata, a aplicação da Física é inquestionável na vida moderna. Cada geração que passa o ser humano começa a depender mais daquilo que ele cria, e a tecnologia entra como uma grande ferramenta eficaz que tem a capacidade de prolongar e facilitar a vida, mas também pode prejudicá-la em alguns casos. A tecnologia tem como base fundamental o uso dos conhecimentos provenientes da Física, ela contribui para o desenvolvimento com aplicações tão amplas tanto na indústria quanto em pesquisas. As invenções derivadas das descobertas de fenômenos físicos tiveram um impacto tão abrangente e complexo no desenvolvimento tecnológico e social que gerou conexões em diversas áreas. A Física é uma ciência que estuda a natureza nos aspectos mais diversos e sua área de atuação é bastante diversificada. Tão diversificada que existe até assessoria para fornecer aos profissionais da indústria de cinema acesso aos melhores cientistas e engenheiros para ajudar trazer a realidade da ciência para as telas dos cinemas e da televisão. E a comunidade científica desempenha um papel vital para que as produções científicas tenham qualidade e coerência com a ciência, e funcionem como um canal eficaz para a divulgação do saber científico. O cinema foi agregando no decorrer das décadas elementos cotidianos que faziam e fazem parte da sociedade, ele incorpora a modernidade através de efeitos especiais, tecnologia, velocidade, grandes multidões de espectadores, refletindo o constante progresso que a sociedade sofria e ainda sofre do decorrer dos anos. Além de um dos símbolos e uma das inovações da modernidade, o cinema significou também um meio extraordinário de circulação do conhecimento, de difusão de novas experiências e valores culturais. (OLIVEIRA, 2006, p. 135) No início das exibições públicas de filmes as duas primeiras categorias a serem apresentadas foram: ficção científica e documentários. Atualmente os filmes são divididos em várias categorias: Ação, aventura, adulto, comédia romântica, comédia dramática, documentário, animação, drama, épico, faroeste, ficção científica, guerra, infantil, musical, policial, religioso, romance, 6

8 terror, etc. Geralmente a Física é detectada em várias destas categorias, destacando-se ação, aventura, ficção científica e documentário. Contudo, não é possível delimitar a atuação da Física somente em documentários e ficção científica, já que outras categorias também podem abordar diretamente ou indiretamente o enfoque científico. É fato que o cinema para muitas pessoas foi e ainda é um veículo formativo e informativo, a noção de tecnologia e ciência foi adquirida através de filmes de ficção científica, este gênero aborda os mais variados temas tais como: astronáutica, viagem através do tempo, poderes sobre humanos, manipulação das leis da física clássica e moderna. Atualmente além do cinema tem a internet como uma excelente divulgadora do saber científico e também a televisão. Embora não tenha nenhum compromisso com a educação científica, mas sim com o livre debate imaginativo, é fato que em diversas ocasiões o gênero desperta no público o interesse pela ciência, chegando mesmo a estabelecer algum nível de alfabetização ou mesmo motivação para carreiras científicas. (SUPPIA, 2006). Os profissionais da ciência entram em parceria com os profissionais do cinema em colaboração mútua para que cada um possa entender a necessidade do outro visando atender ás exigências do enredo apresentado. A importância dessa parceria para os realizadores da ciência e dos filmes é adicionar um senso de realismo e de legitimidade á sua visão criativa retratado na tela. Em parceria com a Ciência e Mudança Entretenimento os EUA possuem através da Academia Nacional de Ciências (NAS), a Bolsa de Ciência e Entretenimento, sediada em Washington, DC, que opera a partir de um escritório em Los Angeles, CA. Academia Nacional de Ciências está exclusivamente posicionada para aproveitar as experiências de milhares de homens e mulheres que se destacaram em seus respectivos campos da ciência, com isso pode-se encontrar especialistas para identificar e 7

9 complementar uma história desenvolvendo aquelas que necessitem de informações precisas e específicas 2. Estes profissionais estão habilitados e possuem a capacidade de facilitar a transmissão do conhecimento de uma maneira mais clara e precisa para as pessoas que não fazem parte diretamente do universo de descobertas cientificas, idéias relacionadas com conceitos promissores da ciência tais como: viagens espaciais, múltiplas dimensões, nanotecnologia, tecnologia da computação e engenharia. Existem algumas categorias de filmes que abordam o tema cientifico com mais frequência como, por exemplo, os documentários que são coletâneas de estudos imparciais sobre um determinado assunto, ou seja, não envolve especificamente o uso de personagens humanos como tema central, mas prioriza o aspecto didático que prevalece sobre os elementos dramáticos, diante de um mercado que visa tanto o lucro quanto o cinematográfico, esta categoria de filmes raramente são produzidos visando à exibição comercial. Os filmes biográficos são fontes de conhecimento científico trazendo a trajetória dos vários ícones do panorama cientifico mundial, um exemplo é o Madame Curie (Madame Curie, EUA, 1943), que descreve a vida da física franco-polonesa Marie Curie ganhadora de um Prêmio Nobel. Também existem os filmes que utilizam de cientistas históricos em tramas de ficção. O cientista alemão Albert Einstein é um dos que lideram nessa categoria com alguns títulos, entre eles: A Teoria do amor(i.q., EUA,1994) Einstein é tio de uma moça que ele tenta convencer a trocar de noivo). A categoria de filmes que aborda mais a ciência é a Ficção Científica, embora não pode ser considerada necessariamente uma categoria de filmes, pois existem diversas produções das mais variadas categorias que inserem em seus enredos elementos da ficção. É um gênero literário que apresenta histórias fictícias, que trazem a realidade para quem assiste muitas vezes de mundos, idéias que não fazem parte diretamente ou indiretamente do mundo real. 2 Fonte: 8

10 Um exemplo de sucesso de ficção cientifica que se tornou um clássico marcando gerações é o Jornada nas Estrelas (Star Trek, EUA, 1964), grande sucesso que se tornou uma franquia de bastante repercussão abordando aventuras de humanos e alienígenas, mas também outros temas como astronomia, física, economia, racismo, religião, direitos humanos, a tecnologia, etc. 3.3 Conhecimento científico x Ficção científica O conhecimento científico é um legado conquistado por vários cientistas no decorrer das décadas. Graças ao conhecimento adquirido por cientistas do passado tem se hoje uma infinidade de benefícios provenientes do saber científico. Definir ciência é algo bastante complexo, ela muitas vezes pode ser considerada um método de investigação que supõe e propõe uma verdade através da aplicação de metodologia de pesquisa, hipóteses, comprovação ou refutação de hipóteses. Existe uma diferença entre a ciência e a chamada pseudociência, aonde a ficção científica muitas vezes se enquadra. A diferença entre a ciência e a ficção científica pode ser somente o grau de criatividade, pois muitos cientistas a criam dentro dos moldes científicos. E é fato que existe uma ligação entre os fatos científicos e as idéias que se manifestam, já que os autores das obras de ficção sofrem influência e inspiração das descobertas científicas verdadeiras, contudo tem a liberdade de elaborar projetos que excedam a realidade levando suas obras a uma leve ligação com os fatos verdadeiros. É difícil avaliar quanto da noção de ciência e tecnologia que as pessoas têm não foi adquirido de filmes de ficção cientifica. (SUPPIA, 2006). Existem diversas obras fictícias que inspiraram cientistas para a construção de aparatos e mecanismos modernos. Um exemplo já citado é da franquia Star Trek que influenciou na criação de alguns aparatos tecnológicos como um comunicador que possibilita a comunicação rápida via wi-fi fabricado pela empresa californiana Vocera 3. Outro exemplo em que a realidade imita a ficção é um veículo fabricado pela empresa alemã Rinspeed, o carro é capaz 3 Artigo publicado na Inc. Hollywood Innovations Made Real em 01/02/2011 < 9

11 de funcionar embaixo da água, a inspiração para tal feito veio do filme O Espião que me amava (The Spy Who Loved Me, EUA, 1977) da série mundialmente conhecida O artigo Manto da Invisibilidade 4 publicado pela Revista Science em 19/03/2010 aborda a possibilidade real de se tornar invisível descrevendo os estudos de pesquisadores ingleses e alemães que desenvolveram um manto tridimensional que possui a capacidade de esconder objetos de detecção em comprimentos de onda ópticos próximos do espectro de luz visível, usando os chamados metamateriais capazes de guiar e controlar a luz de novas maneiras. Na ficção os filmes O Homem Invisível (The Invisible Man,EUA,1933) e O Quarteto Fantástico (Fantastic Four, EUA, 2005) retratam a invisibilidade, o primeiro desenvolve um composto químico que permite ficar invisível, já no outro a personagem Mulher Invisível é exposta a radiação solar desenvolvendo uma mutação que lhe confere a capacidade de ficar invisível. A linguagem usada em ciência não está acessível para todo aquele que se depara com filmes com teor científico. Quando uma tecnologia é inserida em uma história ela deve ser facilmente entendida pelos telespectadores com domínio técnico ou não, já que os cientistas trabalham em um nível que não é compreensível por demais expectadores. Tanto a ciência real quanto a fictícia tem suas parcelas de importância na construção do conhecimento humano, uma é aquela que busca resultados reais, e para isso usa uma metodologia minuciosa, detalhista, já a outra é aquela que trás a realidade de um mundo ainda não alcançado pelos cientistas. 3.4 Cinema como uma metodologia sócio-educativa De acordo com a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 o Estado deve proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência (BRASIL, 1998). O cinema consegue conciliar numa mesma obra estas três importantes áreas e ter acesso aos provimentos do conhecimento científico e da tecnologia advinda são um direito de todos os cidadãos. De 4 Metamaterial electromagnetic cloak at microwave frequencies D.schurig, J.J. Mock, B. J. justice, s.a.cummer, J.B Pendry, A.F, Starr, D.R.Smith Science, Vol.: Vol.314, no.5801,pp doi: /science

12 acordo com o trabalho da Sociedade Brasileira de Física, o número de cientistas brasileiros tem aumentado numa proporção bastante expressiva (CHAVES e SHELLARD, 2005). A ciência tem uma evolução rápida e a tecnologia gerada por ela faz com que haja uma necessidade cada vez maior em intensificar o investimento em inovações e no domínio de novas tecnologias. A Física é uma das bases das ciências naturais, mas também de quase toda a ciência e das tecnologias contemporâneas, e a ciência de acordo com algumas definições pode ser identificada como sendo o conjunto de conhecimento que a sociedade produz, adquire ou acumula ao longo do tempo, e que contribuem para o desenvolvimento da sociedade, embora a definição de ciência não possua um senso comum. A tecnologia pode ser considerada o conjunto de experiências, de processos de utilidade prática voltados para o desenvolvimento de uma área específica. Ressaltar a importância da escola na formação social-cultural é um tema bem citado, mas pouco implementado no país, e como a educação é, por parte do estado, obrigatória, esse acaba que não consegue alcançar a toda população com um sistema educacional de qualidade, que integre a formação do cidadão com um todo. Não ter uma educação científica de qualidade gera os chamados analfabetos científico, já que a ciência assume o papel de linguagem.... quando se fala em alfabetização, normalmente não se percebe que a expressão ser alfabetizado apresenta dois significados diferentes: um, mais denso, estabelece uma relação com a cultura, a erudição. Por conseguinte, o indivíduo alfabetizado é aquele que é culto, erudito, ilustrado. O outro fica reduzido à capacidade de ler e escrever. (MILLER, 1983) Trazer uma educação científica para a sociedade para fazer parte da grade curricular nas escolas, tendo em vista a dificuldade de se ensinar Física é um grande desafio, pois existe um grande preconceito por parte dos alunos. As tecnologias criadas pelo homem foram inseridas de uma forma gradual, os aparatos como telégrafos, rádios, telefones, videocassetes, televisores e computadores acompanham a vida cotidiana. 11

13 O contato com certa tecnologia, que pode dar-se até mesmo diariamente, e a inexperiência total dessa define com um dado conceito físico adentra a cabeça de um telespectador. Pessoas socioeconomicamente desfavorecidas são em geral mais carentes de parâmetros que têm um papel mais que formador de conhecimento, mas também de criticar e até não aceitar o que possa ser trazidos por filmes que não respeitam as noções de concretismo do conhecimento físico. O uso de filmes em sala de aula não é novidade, desde 1920 educadores brasileiros utilizam as potencialidades da mídia audiovisual, contudo há registros que desde 1910, Edgar Roquette ( ), um médico legista que também acumulava as funções de professor e antropólogo, além de ensaísta e etnólogo começou usar o cinema como auxiliar na pesquisa e no ensino de ciência sendo iniciado esse trabalho através da filmoteca do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), graças a sua contribuição ele que foi membro da Academia Brasileira de Letras acumulou o status de pai da radiodifusão no Brasil. Em 1936 foi criado o Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE), sendo este o primeiro órgão governamental do Brasil planejado para o cinema. A chegada do cinema nas escolas trouxe uma grande novidade, pois um ensino baseado antes em imagens estáticas agora possuía movimento, sem contar que uma grande parcela da população não era alfabetizada, com isso o cinema com sua linguagem mais dinâmica conseguiu agregar os analfabetos. Para Carvalhal (2009), a arte cinematográfica veio ao encontro da possibilidade de veicular a cultura ás gerações analfabetas, uma vez que os códigos imagéticos visuais independem do sistema da escrita, que segue uma estrutura gramática e ortográfica complexa. Sem contar, ainda, que o ensino era centrado na figura do professor, que através de exposições, quase sempre orais, narrava o saber histórico aos educandos. O filme trouxe essa perspectiva de mudança. No INCE era permitido aos professores filmarem suas atividades e pesquisas nos estúdios do órgão a fim de divulgar as descobertas pelo país. O INCE ainda participava de eventos mundiais voltados para a divulgação de 12

14 filmes, exportando filmes principalmente de conotação científica trazendo grande repercussão na Academia Internacional de Ciência. Com a mudança de direções no decorrer dos anos, o INCE foi transformado em Instituto Nacional de Cinema (INC), e foi perdendo no decorrer do tempo o caráter educativo, foi criado então o Departamento de Filme Educativo (DFE), veiculado ao INC que mais tarde foi fundido com a Empresa Brasileira de Filmes (Embrafilme), criando se o Departamento de Filme Cultural (DFC), desempenhando as mesmas funções. 4. METODOLOGIA 4.1 Método Esta pesquisa teórica, com uma abordagem qualitativa baseia-se na análise de alguns filmes. Os materiais de pesquisa e análise adotados foram filmes com teor científico, artigos científicos, livros e reportagens. A metodologia empregada se baseia numa análise crítica de alguns fenômenos e acontecimentos científicos presentes numa lista de filmes pré-definidos. 4.2 Procedimentos A lista de filmes escolhidas seguiu dois critérios básicos: bilheteria e conteúdo científico. O primeiro critério se deve ao fato de um filme de grande bilheteria ter alcançado um grande sucesso, e conseqüentemente um grande numero de expectadores, com isso o filme se tornou um divulgador de conhecimento, o outro critério vale para os filmes que não tiveram posições de destaque na lista das produções mais vistas, contudo tiveram uma abordagem em que tanto a ciência serviu como plano de fundo, como também serviu como instrumento para dar vida ao imaginário dos seus respectivos produtores e diretores. A lista de filmes escolhida segue se abaixo: 1. Anjos e demônios (Angels and Demons, EUA, 2009) 2. Avatar (Avatar, EUA, 2009) 3. Batman cavaleiro das trevas (The Dark Knigth,EUA,2008) 4. Cinco dias para a morte (5ive Days to Midnight,EUA,2004) 5. Homem de Ferro 2( Iron Man 2,EUA,2010) 13

15 6. O Quarteto Fantástico (Fantastic Four,EUA,2005) 7. Star Trek(Star Trek,EUA,2009) 5. RESULTADO E DISCUSSÃO Abaixo segue a análise feita nos filmes baseando-se em princípios físicos, ou tendo a Física como temática secundária. 1. Anjos e demônios (Angels and Demons, EUA, 2009) Nessa ficção tem se como pano de fundo o uso da Antimatéria. A Antimatéria faz parte do estudo da Física de partículas dentro da Física Quântica. Ela é o oposto da matéria e durante muito tempo foi considerada uma teoria, até que em 1928 um físico inglês chamado Paul A. M. Dirac revisou a fórmula (1) clássica de Einstein: 2 E = m.c (1) Considerando que a massa m poderia ter propriedades tanto negativas quanto positivas chegando à equação (2): 2 E = ±m.c (2) De acordo com algumas teorias, a Antimatéria quando entra em contato com a matéria geraria uma das mais poderosas energias do mundo, contudo há falta dessas partículas no universo, não existindo naturalmente, embora em 1977 cientistas acreditem que um depósito possa existir próximo da galáxia. Para a produção de antimatéria existe a tecnologia dos aceleradores de partículas que conseguem produzir artificialmente a antimatéria, contudo em valores bastante inexpressivos ainda 5. De acordo com o livro Anjos de Demônios que inspirou o filme, o equivalente a um quarto de grama de antimatéria seria a energia necessária para destruir totalmente o Vaticano, contudo segundo o CERN a quantidade de 5 Fonte: Fonte: 14

16 antimatéria produzida seria em torno de 7 10 antiprótons por segundo no acelerador de partículas, um grama de antiprótons equivale a, aproximadamente 2 bilhões de anos, ou seja para se criar uma bomba com um quarto de antimatéria, o tempo giraria em torno de 500 milhões de anos 6. Recentemente foi publicado no site da revista científica Nature uma matéria que em que a Antimatéria foi armazenada em laboratório pela primeira vez. Cientistas do experimento Alpha do CERN conseguiram capturar pela primeira vez 38 átomos de anti-hidrogênio, o material foi armazenado por 170 milissegundos Avatar (Avatar, EUA, 2009) A superprodução Avatar foi um filme revolucionário que uniu efeitos visuais, tecnologia em 3-D com a captação dos movimentos de atores transformados em versões digitais. Foi indicado para nove categorias na premiação do Oscar O filme trás um debate acerca de sustentabilidade e a interação entre o homem e a natureza. Muitas leis da Física aplicadas na Terra não teriam valor em um mundo diferente, contudo baseado em algumas características que o filme descreve de Pandora, pode se fazer uma comparação e uma dedução para explicar os possíveis fenômenos ocorridos nesta lua do fictício planeta gasoso gigante chamado Polifermo. A gravidade de Pandora é 80% a da Terra, a densidade atmosférica 20% superior e a pressão no nível do mar é 10% menor. Isso gera mudanças como, por exemplo, no vôo dos pássaros que para voarem fazem menos esforço em comparação com a atmosfera terrestre devido o aumento da densidade do ar que fornece um impulso adicional para as aves. Outro fenômeno interessante que ocorre em Avatar são as Montanhas Aleluia, formações rochosas que flutuam uma explicação física para tal fenômeno seria o fato delas se localizarem numa área chamada de fluxo de vortex, que seriam os pólos magnéticos aonde as linhas de campo seriam mais fortes, e como estas rochas são formadas pelo minério fictício chamado 6 Fonte: 7 Fonte: 15

17 unobtanium sofreriam com o Efeito Meissner que diz que um supercondutor abaixo da temperatura critica adquiriria propriedades diamagnéticas fazendo com que os campos se repilam levitando as ilhas Batman cavaleiro das trevas (The Dark Knight, EUA, 2008). Analisando do ponto de vista cientifico, tem se algumas incoerências ao ponto de desconsiderar as Leis Básicas da Física. Um exemplo é o Batmóvel e a Batmoto que podem acelerar de 0 a 100 km/h em 5 segundos e fazer curvas a uma velocidade de 160 km/h. Para realizar uma curva com a velocidade tão alta seria necessária uma força de atrito muito grande para mantê-lo na trajetória levando-se em conta que as curvas são feitas em ruas com ângulo de 90. Com tal velocidade a inércia iria fazer com que o carro fosse lançado tangencialmente provocando acidentes graves. 4. Cinco dias para a morte (5ive Days to Midnight,EUA,2004) Esta ficção tem como protagonista um professor de Física, que se depara com uma maleta vinda do futuro, que contém um dossiê acerca do seu assassinato. A explicação para este fato seria uma possível viagem ao tempo. O filme especula que possa ter sido a filha do professor que enviou esta maleta a fim de alertar e salvar a vida de seu pai. Não existe consenso entre os físicos quanto à possibilidade de viagem ao tempo. Através da Relatividade Restrita entende-se que para se viajar através do tempo seria necessário acelerar o corpo em questão próximo a velocidade da luz durante um bom tempo para que sofra os efeitos relativísticos da contração espaço tempo, embora teoricamente isso seja exemplificado através do Paradoxo dos Gêmeos, contudo na prática ainda isto não é viável. 5. Homem de Ferro 2( Iron Man 2,EUA,2010) O Homem de Ferro assim como o Batman também é humano, não possuindo super poderes, porém possui uma grande fortuna e conhecimento científico que juntos são aplicados no desenvolvimento de novas tecnologias 8 Fonte: 16

18 super avançadas. O nome do Homem de Ferro é Tony Stark, um engenheiro elétrico graduado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Ele possui uma vestimenta de ferro que permite fazer com que ele voe a velocidades espantosas, e com uma força sobrehumana. No Homem de Ferro 2, Tony Stark precisa construir um acelerador de partículas gigante para chegar a uma nova forma de alimentação do reator que se encontra no seu peito fazendo seu coração funcionar. Para que isso se torne real, os produtores do filme encontraram peritos científicos que tinham a missão de construir um acelerador de partículas o mais próximo do real possível. E para isso acionou a NAS que liga especialistas em entretenimento, com especialistas em ciência e engenharia. Um físico teórico Instituto de Tecnologia da Califórnia (ITC) serviu como consultor técnico para o filme. O filme conseguiu trazer um acelerador de partículas que de fato se parecesse com o real, mas de uma forma mais simplificada para as pessoas leigas. Segundo o diretor do Science and Entertainment Exchanged Jennife Ouellete superficialmente Hollywood e a ciência parecem ser mundos radicalmente diferentes, contudo, a ciência traz novas idéias para a mesa como alimento criativo. Hollywood traz a ciência (e cientistas) a vida real de uma forma que captura a imaginação do público em geral O quarteto Fantástico (Fantastic Four, EUA, 2005) O Quarteto Fantástico é um filme de ficção que possui quatro personagens que foram expostos a doses letais de radiação cósmica, contudo contrariando o previsível e óbvio sobreviveram, contudo tiverem seqüelas serias que se manifestaram através de poderes especiais. O primeiro personagem a ser analisado é o Tocha Humana que combina a habilidade de voar expelindo supostamente os gases de alta velocidade nas direções apropriadas, ele também pode gerar energia e tem a incrível capacidade de incandescer, ou seja, sua estrutura não se desfaz diante de temperaturas altíssimas. 9 Fonte: 17

19 Os poderes da Tocha Humana são inviáveis na vida real, pois o ser humano não tem capacidade gerar energia nas escalas que ele produz, não consegue voar, e diante de uma temperatura tão alta em seu corpo teria toda a água vaporizada, e sua estrutura seria destruída pelo calor. O segundo personagem a ser analisado é a Mulher Invisível, ela tem a capacidade de gerar campos de força, e de ficar invisível e também tornar objetos invisíveis. A geração de campos de força pelos corpos humanos não é real do ponto de vista físico, contudo a invisibilidade é tema de estudos através dos Metamateriais, ou através do chamado Ray-tracing, ou renderização de raios de luz. Artigo publicado na Revista Science de Star Trek(Star Trek,EUA,2009) Star Trek é uma franquia de filmes, serie televisiva e jogos que teve um dos maiores sucessos do mundo. Abordando temas como a astronáutica, astronomia, racismo, religião dentre tantos outros se tornou um ícone da ficção cientifica. Star Trek foi tema de um livro de titulo: A Física de Jornada nas Estrelas do físico renonamo Lawrence M. Krauss publicado pela Makron Books, Nesse livro os erros e acertos científicos são abordados. Os temas levantados por ele são: o tele transporte, diferença entre Buraco de Minhoca de um Buraco Negro, o conceito de antimatéria, viagem no tempo. O tele transporte é restrito ainda na ficção científica, envolve a desmaterialização de um objeto em um ponto e o envio de configurações atômicas deste objeto para outra localidade onde será reconstruído, estudos giram em torno do tele transporte quântico, mas quanto ao tele transporte de um volume maior de matéria ainda é ciência especulativa. Buraco Negro é um corpo dotado de uma gravidade tão grande que nem mesmo a luz consegue escapar dele, Buraco de Minhoca é extremamente semelhante ao Buraco Negro, ambos distorcem a matéria a sua volta da mesma maneira distorcendo o espaço-tempo ao seu redor. Duas possíveis diferenças para distingui-los seria a chamada Radiação de Hawking, uma emissão de partículas e luz que somente se originaria nos buracos negros, outra diferença seria que o Buraco 18

20 de Minhoca não possui horizonte de eventos, a fronteira além da qual nada consegue escapar de um buraco negro CONCLUSÃO Este trabalho foi realizado de uma forma a trazer a atenção para algo bastante atual, o cinema sobrevive mesmo com o advento da internet como um grande formador de opiniões. O confronto com a ficção científica e a Física traz uma possibilidade de desenvolver o conhecimento científico, sendo essa uma das propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais para as Ciências Naturais (PCN). A educação científica é parte fundamental da formação do cidadão contemporâneo e vem ganhando notoriedade nas atividades baseadas na relação entre Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). Conhecer a história do cinema e todo o contexto que contribuiu para que os EUA se tornassem uma potência cultural através de Hollywood é importante para todos aqueles que queiram aplicar o conhecimento vindo do cinema em suas atividades pedagógicas e sociais. Conclui se que embora a ficção a cada dia se aproxime da realidade, os filmes não podem ser considerados uma fonte segura de conhecimento. Embora seja uma excelente ferramenta de divulgação do saber científico, não há fontes confiáveis em todos os filmes analisados, e nem nos demais disponíveis no mercado, cabe a cada pessoa ter a maturidade e o discernimento para diferenciar o que é válido e o que não passa meramente de ciência especulativa. 10 Fonte: Fonte: 19

História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS

História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS - Para captar e reproduzir a imagem do movimento, são construídos vários aparelhos baseados no fenômeno da persistência retiniana (fração de segundo em que a imagem

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM CINEMA COMO UMA ESTRATÉGIA NA DIVULGAÇÃO CIENTIFICA

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM CINEMA COMO UMA ESTRATÉGIA NA DIVULGAÇÃO CIENTIFICA 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM CINEMA COMO UMA ESTRATÉGIA NA DIVULGAÇÃO CIENTIFICA Suellen Laís Vicentino 1 Débora de Mello Gonçales Sant Ana 2 Há uma crescente preocupação com a divulgação da

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS Lucas F. Cóser, Diego L. Souza, Ricardo F. Morais e Franco G. Dedini Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias.

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias. ANIMAÇÃO DE IMAGENS Como dar vida às ideias. O que se entende por Cinema Cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva (24 fotogramas por segundo)

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA Paula Mantovani dos Santos 1 ; Ademir de Souza Pereira 2 UFGD/FACET Caixa Postal 533, 79.804-970 Dourados MS, E-mail: paulamantovani@live.com

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Resumo: Este presente trabalho tem como intuito resgatar atividades já feitas em décadas anteriores, para elaboração de novos métodos didáticos em

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Anexo: Filme selecionado e pronto para ser utilizado em sala de aula.

Anexo: Filme selecionado e pronto para ser utilizado em sala de aula. Título: Utilização de Filmes Paradidáticos no Ensino de Química: Uma Proposta de Intervenção Autores: Antônio Rodrigues Vilela Junior (IC); José Carlos Silva Barbosa (IC); Rosany Mary da Silva (IC); Marcos

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CINCO SEMANAS EM UM BALÃO. Inspirado na Obra de Júlio Verne

CINCO SEMANAS EM UM BALÃO. Inspirado na Obra de Júlio Verne CINCO SEMANAS EM UM BALÃO Inspirado na Obra de Júlio Verne Um Visionário JÚLIO VERNE, um dos mais fantásticos escritores de aventuras de todos os tempos, conhecido como o pai da ficção científica, antecipou

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

International Space Station - ISS

International Space Station - ISS International Space Station - ISS International Space Station - ISS Agenda O que é a Estação Espacial Internacional (ISS)? O kit da ISS: Propostas de integração no currículo do 3.º ciclo - Algumas questões

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Estudo do grande colisor de hádrons

Estudo do grande colisor de hádrons Estudo do grande colisor de hádrons Felipe BERNARDO MARTINS 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do Curso Técnico em Manutenção Automotiva. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

História da Animação

História da Animação História da Animação 1 Sombras Chinesas Originárias na China por volta de 5.000 a.c., foram disseminadas na Indonésia e depois da Europa do século XVII. Os teatros de sombras utilizam marionetes articulados,

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck

ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck Page 1/5, 30-01-2014 ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck Para celebrar a Temporada da Alemanha no Brasil, São Paulo (SP) receberá uma exposição inédita no País,

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES VecTOR atinge excelência operacional. Com 30 anos de experiência e inovação contínua em corte automatizado, a Lectra segue na liderança com a nova geração VecTOR, reunindo

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine WORKSHOP Sanguecine é um workshop sobre a história, a produção e o mercado de cinema de gênero em âmbito mundial. Ele é derivado de um cineclube dedicado exclusivamente ao cinema fantástico e de gênero

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

Márcia Barbosa, uma cientista deste século

Márcia Barbosa, uma cientista deste século Márcia Barbosa, uma cientista deste século - Yahoo! Mulher 1 of 5 Márcia Barbosa, uma cientista deste século Por Sayonara Salvioli Yahoo! Contributor Network qua, 17 de jul de 2013 09:29 BRT A ciência

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Atividades Complementares são atividades desenvolvidas pelos alunos, ao longo da vida acadêmica,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURTAS METRAGENS DOCUMENTÁRIOS REPORTAGENS JORNALÍSTICAS PARA VEÍCULOS IMPRESSOS (CDC) e TIRAS DE DESENHO EM QUADRINHOS (QCiência) - INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2014 DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC PROFESSOR: CARLOS ALBERTO RAMOS DA SILVA

Leia mais

O que é o Projeto Cine Gira Brasil

O que é o Projeto Cine Gira Brasil O que é o Projeto Cine Gira Brasil O Cine Gira Brasil é um projeto de cinema itinerante aprovado pelo Ministério da Cultura via artigo n o 18 da Lei Rouanet, que permite que empresas deduzam o valor investido

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA William Nobuhiro Mizobata, Hermes Adolfo de Aquino, Fernanda Cátia Bozelli, Cláudio

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais