CINEMA: ASPECTOS HISTÓRICOS, INFLUÊNCIA NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO E CONTRIBUIÇÕES AO ENSINO DE MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CINEMA: ASPECTOS HISTÓRICOS, INFLUÊNCIA NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO E CONTRIBUIÇÕES AO ENSINO DE MATEMÁTICA"

Transcrição

1 CINEMA: ASPECTOS HISTÓRICOS, INFLUÊNCIA NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO E CONTRIBUIÇÕES AO ENSINO DE MATEMÁTICA Rosangela Silveira da Rosa Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática PPGECIM -(FURB) Blumenau - Santa Catarina Elcio Schuhmacher Universidade Regional de Blumenau, Departamento de Física Rua: Antônio da Veiga, 190 Blumenau - Santa Catarina Resumo: O presente trabalho de pesquisa constitui-se em uma revisão literária acerca do cinema, reportando-se a alguns fatos históricos e a influência desta cultura no Sistema Educacional Brasileiro. Desse modo, nosso objetivo é o de construir um trabalho de dissertação que tenha como norte a questão: Que contribuições a utilização de filmes cinematográficos podem trazer ao aprendizado da Matemática? Na busca por respostas, o referencial teórico principal foi pautado nos estudos bibliográficos de livros, revistas e artigos científicos que tratam especificamente do potencial educativo do cinema. Ao realizar o estudo, verificou-se a importância de realizar práticas pedagógicas utilizando-se de recursos audiovisuais, como filmes, pois tal recurso serve tanto para introduzir, exemplificar ou complementar o conteúdo matemático. Assim, é possível incentivar e motivar o aluno para o aprendizado, haja vista que além de ilustrar o conteúdo, constitui-se num ensino rico e repleto de significados que podem ser transmitidas para a vida cotidiana. Palavras-chave: Cinema, Educação, Filmes cinematográficos, Ensino de matemática, Práticas pedagógicas I. INTRODUÇÃO O ensino da Matemática no âmbito escolar sempre foi o foco das atenções, pois na maioria das vezes é marcado por dificuldades e rejeições. Muitos alunos questionam as metodologias e criticam as aulas como monótonas e desinteressantes. Isso porque, muitos educadores da disciplina não utilizam os atuais recursos de comunicação e tecnologia. Contudo, em uma sociedade globalizada e dinâmica, a leitura de imagens é extremamente necessária às práticas educativas, tendo em vista que a atual demanda de alunos tem acesso a

2 diversos canais da mídia, utilizando-se dos mais diversificados aparatos tecnológicos que fazem do lazer um momento de aprendizagem interessante e prazeroso. Buscando contribuir para a construção do conhecimento científico matemático, mediante aprendizagem significativa, procurou-se junto a referenciais literários, alternativas pedagógicas que pudessem contribuir com o ensino da Matemática. Dentre os recursos didáticos encontrados, o interesse por filmes cinematográficos foi determinante, já que o cinema foi considerado uma importante ferramenta educativa desde o século XIX. O interesse na investigação do tema proposto, bem como nos resultados que poderiam ser obtidos, com o emprego de filmes nas aulas de Matemática, originou a seguinte questão de pesquisa: Que contribuições a utilização de filmes cinematográficos podem trazer ao aprendizado da Matemática? Para responder a esse questionamento na fundamentação teórica, buscou-se na literatura obras que explicitem os aspectos históricos do cinema, bem como a influência no sistema educacional brasileiro e, por fim, as contribuições quanto as práticas educativas de ensino da Matemática. Dentre as obras selecionadas estão os livros: Bilharinho (2009), Bruzzo (2011), Hennebelle (1978), Lopes (2010), Mascarello (2006),Morettin (1995) Napolitano (2004), Ramos (1987), Santos (2013), Setton (2004), Silva (2001)Souto (2013) e Vianna (2011). Em revistas e artigos foi encontrado: Aristarco (1992), Berti (2013), Klaus (2003), Morettin (2011 e 2013), Santos (2013), Viana (2013) e Bruzzo (2010). Assim, o texto foi elaborado. II. ASPECTOS HISTÓRICOS: Considerado o meio de expressão que provocou maior embate no segmento das telecomunicações da era moderna, o cinema surge na França em 1895, pelo cinematógrafo (VILARON at al., 2005). A responsabilidade pela criação desta promissora engenhoca, com efeitos de persistência retiniana, foram os irmãos Auguste e Louis Lumiére, aos quais foi creditado o título de inventores do cinema, embora tenham surgido outras denominações. Não existiu um único descobridor do cinema e os aparatos que a invenção envolve, não surgiram repentinamente num único lugar. (MASCARELLO et al.,2010, p.18). Em sua obra: História do Cinema Mundial, o autor nos alerta para o fato de que Thomas Edison já teria registrado a patente de outro aparelho com função cinematográfica: Quinetoscópio. As primeiras exibições de filmes com uso de um mecanismo intermitente aconteceram em 1893, quando Thomas A. Edison registrou nos E.U.A., patente de seu quinetoscópio e 28 de dezembro de 1895, quando os irmãos Louis e Auguste Lumiére realizaram em Paris a famosa demonstração pública e paga do seu cinematógrafo. (MASCARELLO et al., 2010, p.18) A luta pelo título de inventor do cinema travou uma batalha iminente entre Thomas Edison, os irmãos Lumiére e outros concorrentes, que segundo Hennebelle (1978) ficou conhecida como Guerra das patentes. Edison já produzia filmes com seu quinetoscópio em um pequeno estúdio, todo pintado de preto, conhecido como Black Maria. O estúdio situavase nos fundos de seu laboratório, porém ainda não havia divulgado estas primeiras imagens em movimento. Entretanto, Auguste e Louis Lumiére, negociantes experientes, logo saíram divulgando a sua nova invenção: o cinematógrafo, tornando pública a ideia de que eram os inventores do cinema. (MASCARELLO et al., 2010) De acordo com Cesar Coll (2000), no início o cinema era em preto e branco e não tinha som, era mudo. Para interpretar as cenas fílmicas, era necessário ler cartazes que se

3 alternavam com as imagens. Logo, inventou-se uma forma de acrescentar som aos espetáculos e hoje prevalece um cinema riquíssimo em cores, sons e efeitos especiais. O primeiro documentário de curta metragem foi exibido por Louis Lumiére no Grand Café, em Paris, e tinha aproximadamente 45 segundos de duração. Este curta-metragem intitulava-se La sourtie de I usine Lumiére a Lyon, que significava: A saída da fábrica Lumiére em Lyon (MASCARELLO at al., 2010; VILARON et al, 2005). Segundo Mascarello et al (2010), em 1903, o americano Edwin Stanton Porter, considerando os estilos de documentários realizados pelos irmãos Lumiére e os de ficção criados por Mélies, produz The great train robbery, (O grande roubo do trem), um característico filme de ação, popularizado Filme de cawboy, com duração de 8 minutos. Esse foi o primeiro grande clássico do cinema americano, que inaugura o gênero Western, trazendo grande aporte à popularização do cinema naquele país. No Brasil, o cinema aporta com Affonso Segretto, em dezenove de junho de 1898, que se tornou o primeiro cinegrafista e diretor de cinema brasileiro. Segretto, imigrante vindo da Itália, com uma câmera francesa, filmou a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, sendo a pioneira das imagens em movimento, realizadas no Brasil. (VILARON et al, 2005) De acordo com o autor, a história do cinema brasileiro tem o formato de uma montanha russa, com altos picos de pujança e variadas depressões. Os picos de pujança foram registrados na década de 20, com o cinema falado de Almeida Fleming; na década de 30, com o cinema sertanejo de Humberto Mauro; na década de 50, com as Chanchadas e o estúdio de Vera Cruz em São Paulo; na década de 60 com o cinema novo e na década de 80 com a empresa estatal Embrafilme, que administrava este segmento cultural. Pode-se ainda acrescentar a esse processo acidentado, o período da Retomada, ocorrido na década de 90, após a extinção da Embrafilme, com incentivos fiscais e autossustentação do cinema. Na década de trinta explode o cinema falado, provocando forte concorrência com o até então pioneiro cinema nacional. Apesar de o cinema brasileiro ter se desenvolvido, essa disputa pela atenção do público estende-se até os dias de hoje, em que se observa a diversificada oferta cinematográfica, tanto de filmes nacionais quanto internacionais (VILARON at al., 2005). Na década de 60, surge o cinema novo, constituído por jovens cineastas que desenvolveram obras fílmicas de forte temática social. As referidas obras procuravam mostrar temas como: o racismo, o trabalho escravocrata, a conjuntura econômica do país, o processo de desumanização por consequência do avanço tecnológico, etc. Hennebelle (1978), destaca o objetivo do Cinema Novo: Realmente, o cinema novo manifestou o alto interesse da intelligentsia pelas classes desfavorecidas, pelos milhões de brasileiros que vivem à margem da produção e do consumo. Exprimiu sua vontade de ser um Cinema sobre o povo e para o povo. (Hennebelle, 1978, p.130) De acordo com Vilaron et al. (2005), em 1974, com o interesse de reorganizar o mercado cinematográfico e ao mesmo tempo impressionar o público, para que se tornassem admiradores do atual regime político, o governo Geisel cria a estatal Embrafilme, que foi extinta em 1990 no governo de Fernando Collor de Mello. A partir daí, o cinema nacional entra em colapso, restando a produção de pouquíssimos longas-metragens nacionais que seguiram nos anos subsequentes. Contudo, depois desta crise no mercado cinematográfico brasileiro, surge a Retomada, que se concretiza por consequência de incentivos fiscais e mecanismos de financiamento, objetivando que os realizadores desta arte conseguissem se reerguer, mesmo que de forma desigual aos milionários investimentos estadunidenses.

4 O cinema brasileiro, desde então, tem crescido e vem-se diversificando gradativamente. Devido ao grande sucesso interno de público, chama a atenção dos grandes distribuidores internacionais, bem como se promove a participação de filmes brasileiros nos mais importantes festivais de cinema no mundo. III. INFLUÊNCIA NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO Do contexto educacional brasileiro, com a introdução dos princípios da Escola Nova, Setton et al. (2004) destaca o lançamento do primeiro livro cuja temática do cinema está interligada à educação. Trata-se da obra: Cinema e educação (1930), escrito por Jonatas Serrano e Francisco Venâncio que descreveram o potencial educativo do cinema. Em seguida, Canuto de Almeida Mendes lança: Cinema contra Cinema (1931). Sobre o potencial educativo do cinema, nas décadas de 20 e 30, também fala Morettin (1995): O cinema educativo, entendido como um importante auxiliar do professor no ensino e um poderoso instrumento de atuação sobre o social, foi debatido e defendido por muitos pedagogos e intelectuais paulistas e cariocas nos anos 20 e 30, como Manuel Bergstron Lourenço Filho, Fernando de Azevedo, Edgar Roquete Pinto e Jhonatas Serrano, entre outros, que também estavam preocupados com a introdução dos princípios da chamada Escola Nova nos currículos. (Morettin, 1995, p. 13) Conforme o autor, em 1932, o serviço de censura, foi nacionalizado pelo governo provisório de Getúlio Vargas, dificultando a evolução desta cultura artística no Brasil. Contudo, já teriam ocorrido outras tentativas frustradas de controle sobre esta arte, vista, neste contexto, como incentivadora da corrupção moral. Como exemplo, pode-se citar o decreto nº de 10 de dezembro de 1928, na qual a censura estaria sob os cuidados do Ministério do Interior e da Justiça, cabendo aos chefes de polícia a fiscalização direta. De acordo com Setton et al. (2004), em 1937, foi fundado o Instituto Nacional do Cinema Educativo, em que ocorre a recomendação do cinema às práticas escolares. No entanto, esta recomendação, assim como outras que existiram, nunca foi efetivada, pois até os dias de hoje, poucos filmes são apresentados por educadores em sua prática pedagógica. Morettin (1995) também dá sua contribuição a este respeito: Apesar desse revés, o movimento pelo cinema educativo obteve uma grande vitória com a criação, em 1936, em caráter não oficial, do Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE). O Instituto representou de fato a concretização do projeto, através da proposta de uma produção contínua de filmes, pela primeira vez encetada pelo Estado (Morettin, 1995, p.17) Conforme nos fala Setton et al (2004), o cinema surge no Brasil, ao lado da música popular e do teatro, sendo que se percebia nesta arte um possível potencial de resgate do humanismo; perdido por consequência da centralização da Ciência e da Tecnologia. Como exemplo, pode-se citar o Clube do Cinema, denominado Chaplin Club, fundado em 1928, por Octavio de Faria, Plínio Sursekind Rocha e outros, que viam em Carlitos (personagem do filme), o símbolo da luta pelo humanismo. De acordo com a autora, em 1941, com a realização da Conferência: O cinema e sua influência na vida moderna, por Anibal M. Machado, é demonstrado novamente o valor cultural do cinema, suas tendências e efeitos, cujo texto editado em plaquete na conferência, tornou-se um marco da bibliografia brasileira. A partir da década de 50, com a repercussão do cinema, inicia-se uma fase de estudos psicopedagógicos, a fim de avaliar a influência desta cultura artística sobre crianças e

5 adolescentes. Ocorre então, a interferência da UNESCO (Organização das Nações Unidas, para a Educação, a Ciência e a Cultura), mediante a elaboração de um documento explicitando a necessidade de cuidados em torno da escolha de filmes para crianças e adolescentes. O documento gera uma série de discussões e são publicados diversos textos em revistas especializadas. Como exemplo de textos, é possível referenciar a obra: A criança e o cinema, de Samuel Pfromm Neto; Cinema e saúde mental, de J.Carvalho Ribas e Aspectos pedagógicos da influência do cinema sobre a criança e o adolescente, de Enzo Azzi. (SETTON et al., 2004, p.10) Conforme Morettin (1995), acreditava-se que o cinema poderia servir como estímulo, tanto para o bem, quanto para o mal. Um dos primeiros educadores que argumentam a respeito do poder de interferência negativa na formação moral dos jovens foi Lourenço Filho, em Nas palavras de Morettin (1995), apesar do perigo representado pelo cinema, haveria uma possibilidade de salvá-lo, ou melhor, de livrar os indefesos espectadores da má sugestão causada pela sétima arte. Estamos falando do seu aproveitamento para fins educativos. Este raciocínio aparece, por exemplo, no já citado Cinema e Educação, onde os autores acreditam que o novo meio de comunicação poderia ser utilizado tanto para o bem como para o mal (Morettin, 1995, p.14). Todavia, o artigo: Inocência do cinema, de Paulo Emílio Salles Gomes, procura inocentar o cinema das acusações moralistas sobre a decadência moral da juventude que, segundo a sociedade, estava banalizada pela influência desta arte. Na década de 60, ocorre um novo surto de interesse pelo cinema educativo, denominado Cinema Novo, entretanto o objeto agora é de interesse político e social, uma vez que as cenas fílmicas denunciavam a realidade do povo. A exemplo, pode-se citar a obra Tempos Modernos, que de maneira satírica, revelava a grande crise econômica e social que atravessavam os estados americanos na década de trinta. Em meio à pujança do desenvolvimento científico e tecnológico, o homem sente-se ameaçado a perder sua subjetividade, tornando-se totalmente escravizado pelas máquinas das grandes indústrias. Durante o período do cinema novo, surgem documentários e filmes de curta-metragem, que buscam revelar a realidade brasileira, resgatando algumas produções anteriores como as de Humberto Mauro, de larga repercussão. O cinema, então, é valorizado e reconhecido além do entretenimento. Nas décadas seguintes, permanece o interesse pelo cinema educativo, que mediante diversos segmentos políticos de esquerda, fizeram desta arte moderna, um meio capaz de formar opiniões e rever conceitos, refletindo em universidades, museus de arte moderna entre outros espaços culturais. Quando inicia-se o movimento CTS (Ciência-Tecnologia-Sociedade), a escola deposita grandes expectativas no cinema, acrescentando nos currículos escolares a necessidade de utilização de recursos audiovisuais nas práticas educativas, reafirmando a presença direta do cinema na escola. Todavia, mesmo se firmando a função didático-pedagógica do cinema e os Parâmetros Curriculares Nacionais explicitarem a importância da utilização deste recurso audiovisual na construção de valores éticos e morais, muito pouco se tem observado acerca deste segmento nos planejamentos escolares, especificamente na disciplina de matemática, que se constitui objeto de nosso estudo. IV. POR QUE FILMES NAS AULAS DE MATEMÁTICA?. Um dos grandes problemas enfrentados pela maioria dos educadores da disciplina consiste na ausência de pré-disposição dos alunos em aprender determinados conteúdos. No

6 entanto, grande parte dos professores ignoram as novas tecnologias, transformando o potencial educativo desses recursos em utopia tecnológica. Como exemplo, pode-se citar o próprio cinema, cujo poder educativo de revolucionar o ensino ficou reconhecido desde o século XIX com sua descoberta. Contudo, a utilização desse recurso ainda é precário na educação. Souto (2013) acredita que ao utilizar filmes cinematográficos em sala de aula, explicitamse outras formas de ver o mundo, conduz pessoas a viver situações imaginárias em ambientes que jamais se pensava vivenciar ou frequentar. Trata-se de um ensino rico e repleto de significados que podem ser transmitidos para a vida cotidiana. Para Bachelard, os educadores precisam estar em um permanente estado de mobilização, procurando substituir o tradicionalismo do usual livro didático, por conhecimentos mais abertos e dinâmicos, permitindo aprimorar o conhecimento discente. Os alunos também necessitam ser mobilizados para o aprendizado: A criança mobiliza-se em uma atividade, quando se investe nela, quando faz uso de si mesma como de um recurso, quando é posta em movimento por móbeis que remetem a um desejo, um sentido, um valor. (CHARLOT, 2000, p. 55). Ao utilizar-se de filmes em nossas práticas educativas, as crianças sentem-se motivadas a aprender e viver a experiência do personagem. Identificam-se, incomodam-se, comovem-se, alegram-se e, por fim, atuam. Por outro lado, vale lembrar que: o professor também é um consumidor audiovisual contemporâneo e deve buscar a natureza dos processos de desenvolvimento da linguagem audiovisual. Esse conhecimento o capacitará como um espectador especializado, capaz de saciar a curiosidade do aluno em torno da mitologia do mundo das mídias. (Setton et al, 2004, p.19). O cinema que está presente nas escolas, na maioria das disciplinas, é visto como um incremento ou um tapa-buracos, para substituir a onerosa falta do professor e, quando surge no planejamento escolar, a possibilidade de contextualizar o conteúdo matemático por intermédio de um filme, o assunto é tratado como forma complementar, dando prioridade ao tradicional método repetitivo e mnemônico dos livros didáticos. Conforme Viana (2001), infelizmente, nossa cultura ainda valoriza mais a linguagem escrita, seja por meio de leituras extracurriculares ou do próprio livro didático, do que a leitura de imagens, bem como a prática de análise e debate acerca dos filmes, que é considerado, do ponto de vista educacional tão relevante quanto à leitura de obras. O filme além de ilustrar conteúdos, desperta o interesse dos alunos pela área em estudo. A utilização de filmes cinematográficos nas aulas de Matemática não se restringe apenas a demonstração de fórmulas e equações. É importante salientar que o conteúdo fílmico, também pode ser utilizado para introduzir, exemplificar ou complementar o conteúdo matemático, além auxiliar na função da escola, que também assumiu o papel de cuidadora e participante nos processos de formação e construção de valores morais. Os filmes funcionam como campos de problematização moral, pois colocam valores em discussão para espectadores de distintas origens e tradições morais e culturais. A apresentação de situações de conflito, em que determinadas decisões são tomadas tendo como referência estes ou aqueles guias de valor, esta ou aquela norma de ação moral, leva os espectadores a analisar e (algumas vezes colocar em cheque), suas crenças e pressupostos, porém dificilmente, pode impor-lhes a adoção de valores muito distintos daqueles que eles compartilham nos espaços de sociabilidade por onde transitam (SETON et al, 2004, p.48). Vale ressaltar que para a utilização de filmes cinematográficos na escola, faz-se necessário um planejamento, especificando os objetivos, as questões para debate e a forma de avaliação dos educandos, bem como a relação do filme com os conteúdos disciplinares. A interação sobre os conhecimentos prévios dos alunos também se constitui em um fator

7 importante para a apresentação do conteúdo fílmico. Dessa forma, possibilita-se a compreensão e a participação dos educandos nas questões para debate. Para Napolitano (2004), alguns fatores podem influenciar a prática pedagógica de utilizar filmes cinematográficos na sala de aula: (...) Os fatores que costumam influir no desenvolvimento e na adequação das atividades são: possibilidades técnicas e organizativas na exibição de um filme para a classe; articulações com o currículo e/ou conteúdo discutido com as habilidades desejadas e com os conceitos discutidos; adequação à faixa etária e etapa específica da classe na relação ensino-aprendizagem (NAPOLITANO, 2004, p. 16) De acordo com o autor existem duas possibilidades de abordagem para trabalhar com o conteúdo fílmico na sala de aula: Texto gerador e Fonte. Quando a escolha do filme se dá pela abordagem como Fonte, faz-se necessário direcionar a análise com base no argumento, no roteiro, nos personagens. Quando está articulado a um conteúdo específico, é o filme que conduz as questões para debate. Este tipo de abordagem permite o desenvolvimento do senso crítico dos aprendizes. Já na escolha da abordagem como texto gerador, o educando tem menos compromisso com o filme em si, e mais com as questões e o tema trabalhado. O importante é não ficar preso somente nas ilustrações fílmicas, mas utilizar-se das críticas acerca da narrativa, estimulando os alunos à pesquisa e aos debates temáticos. A escolha do filme deve ser coerente com o conteúdo a ser trabalhado, bem como pode ser apresentado em recortes de cenas selecionadas com a finalidade de atender aos objetivos do planejamento da aula. Como exemplo, pode-se fazer uso nas aulas de Matemática de filmes como sugere Viana (2013), A corrente do bem, que motiva ao aprendizado do conteúdo de Progressões Geométricas, tendo em vista que o roteiro, apresenta claramente essa ideia, além de contribuir na formação de valores morais, com o enfoque de praticar o bem. Napolitano (2004), também dá sua contribuição para diversas disciplinas e entre elas a Matemática. Uma mente brilhante, um filme que aborda o conteúdo de Análise Combinatória e O céu de outubro, que se dá em torno da análise e aplicação de uma fórmula, podendo ser estudado com foco nas técnicas para aplicação de fórmulas, além de inserir o conteúdo de Trigonometria, utilizado para fundamentar o cálculo no roteiro. Nesta pesquisa, exploraram-se também, alguns filmes para verificar a possibilidade de apresentação nas aulas de Matemática e se considerou pertinentes filmes como: Uma noite no museu 2, que fala do número PI, sendo a senha no roteiro do filme, e Como estrelas na Terra, toda criança é especial, um filme lindo que faz referência à situação de uma criança com transtorno de aprendizagem, que ao encontrar um professor que realmente a entenda, mediante diferentes metodologias, ele a ensina a ler e a compreeender a matemática. Sem esgotar o assunto, cabe a observação de que na educação matemática, os recursos audiovisuais não se fazem presentes no cotidiano escolar dos alunos, haja vista que os planejamentos curriculares estão repletos de conteúdos fragmentados, cujos educadores sentem-se angustiados por não conseguirem dar conta do esbelto planejamento e, por conseguinte, sentem-se inseguros ao dedicar o precioso tempo da disciplina em alternativas diferenciadas de ensino. Assim, verifica-se a necessidade de uma formação continuada mais crítica, prática e reflexiva, baseada no planejamento de atividades didáticas que estejam associadas aos recursos audiovisuais que compõem a mídia educativa e se fazem presentes no mundo-vida dos alunos. V. CONSIDERAÇÕES FINAIS:

8 Com auxílio das obras pesquisadas, pode-se concluir que é notável a necessidade da utilização, cada vez maior, de recursos audiovisuais às práticas educativas, tendo em vista, que os objetivos educacionais e a integração do cidadão à sociedade precisam ser atendidos à medida que os alunos sintam-se realmente contemplados no processo de aprendizagem. A escola como instituição mediadora, que deveria ser responsável pela disseminação de informações privilegiadas e como integrante de uma sociedade dinâmica, não pode ficar à margem deste processo de transformação social, haja vista que muitos alunos superam os professores em conhecimentos tecnológicos. A disciplina de Matemática, por si só, submete-nos a um convite para a utilização de diferentes recursos pedagógicos, já que se trabalha em sala de aula com variados níveis de evolução dos processos cognitivos. Alguns alunos tem facilidade com a utilização de determinado recurso, já outros precisam de algo mais concreto para significar o conhecimento. Nesse caso, defende-se o uso de filmes cinematográficos como recurso auxiliar de ensino. Por outro lado, muitos educadores julgam a utilização de filmes nas práticas educativas como perda de tempo, enquanto, na maioria das vezes, numa aula expositiva e dialogada, utilizando-se somente dos tradicionais recursos pedagógicos uma minoria de alunos conseguem se manter atentos durante toda explicação do tema proposto. É importante ressaltar que o uso de filmes cinematográficos no cotidiano pedagógico, pode contribuir para o ensino da Matemática, desde que esteja vinculado a um projeto que contemple o planejamento da aula, tendo em vista a necessidade de adequação ao conteúdo a ser abordado. A escola precisa atender com qualidade às necessidades da sociedade. Para que isso ocorra com sucesso, é necessário que haja profissionais capacitados e competentes, dispostos a aprender e lançar mão dos diferentes recursos midiáticos disponíveis, pois a educação que dantes provinha da escola para casa, considerando a escola como referência na comunidade, hoje se inverte, isto é, vem de casa para a escola. Diante do exposto, pode-se observar o quanto a arte cinematográfica marcou a história da humanidade. Os aspectos históricos confirmam todo um esforço em busca da evolução desta técnica artística, conhecida como a 7ª arte. A influência desta cultura no Sistema Educacional Brasileiro foi determinante, sendo recomendada nas práticas educativas e, por conseguinte, nos Parâmetros Curriculares. Além disso, incentivou-se a escrita de vários documentos e a fundação de diversos órgãos que marcaram a história do cinema no Brasil. Neste contexto, observa-se ainda o quanto a utilização da leitura de imagens, por meio de filmes, pode contribuir com a educação matemática. A linguagem cinematográfica, considerada uma das principais linguagens da atualidade, além de contribuir ao desenvolvimento cognitivo, conduz o aluno a um aprendizado prazeroso, repleto de significados que auxilia e facilita notavelmente a aproximação entre os conteúdos curriculares e os conhecimentos do senso comum; contribuindo, dessa forma, para uma aprendizagem significativa. VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARISTARCO, G.; ARISTARCO, T. (Org.). Il cinema: verso il centenario. Bari: Dedalo, BERTI, Andreza and CARVALHO, Rosa Malena.O Cine Debate promovendo encontros do cinema com a escola. Pro-Posições [online]. 2013, vol.24, n.3, pp ISSN

9 BILHARINHO, Guido. O cinema brasileiro nos anos 50 e 60. Uberaba: Instituto Triangulino de Cultura, BRUZZO, Cristina. (2010). O cinema brasileiro em busca do seu público na escola. São Paulo, out HENNEBELLE, GUY. Os cinemas nacionais contra Hollywood. Rio de Janeiro: Paz e Terra, KLAUS, Viviane.Cinema & educação: refletindo sobre cinema e educação. Rev. Bras. Educ.[online]. 2003, n.23, pp ISSN LOPES, Denilson. Cinema, globalização e interculturalidade. Chapecó, SC: Argos, 2010 MORETTIN, E. Cinema educativo: uma abordagem histórica. Comunicação & Educação,Brasil,v.2,n.4,2008.Disponivelemhttp://revistas.univerciencia.org/index.php/comed uc/article/view/4266/3997. Acessado em 16 ago MASCARELLO, Fernando(org). História do cinema mundial. São Paulo: Papirus, NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema em sala de aula. São Paulo: Editora Contexto, SETTON, Maria da Graça Jacinto (org.). A cultura da mídia na escola: ensaio sobre cinema e educação. São Paulo: Anablume: USP, SOUTO, Romélia Mara Alves. Cinema e História da matemática. São Paulo: Editora livraria da Física, VIANA, Marger C.V. A formação de professores vai ao cinema: 51 roteiros para serem usados na sala de aula. Ouro Preto: UFOP, VIANA, Marger C. V. A corrente do bem: um filme pode motivar a aprendizagem de progressões geométricas: educação matemática: retrospectiva e perspectivas. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, Curitiba Paraná. Anais...Curitiba-Paraná: SBEM, p VILARON, André Botelho; Guimarães, José Emílio de Castro; Sena, Raquel Ferreira.Cinema Brasileiro Contemporâneo. Ministério das Relações Exteriores, Athalaia Gráfica.

10 CINEMA: HISTORICAL ASPECTS, INFLUENCE ON EDUCATION SYSTEM BRAZILIAN AND CONTRIBUTIONS TO THE TEACHING OF MATHEMATICS Abstract: The present research is on a literature review about films reporting some historical facts and the influence of culture in the Brazilian Educational System. It aims to build a dissertation that is guided by the question : "What contributions the use of cinematographic films can bring to the learning of mathematics?" In search for answers to the question, we used books, magazines and papers dealing with this subject. Upon study we verified the importance of making pedagogical practices using audiovisual resources, adapting the reading comprehension of the images in mathematical classes. Through this resource in math classes, sometimes considered boring and uninteresting, it was observed that it can also be used to introduce, illustrate or complement the content, so that the student feels motivated and inspired to learn, since it not only adds to the learning and teaching process, but can have meanings transmited to everyday life. Key-words: Film, Education, Cinematographic film, Teaching Math, Teaching practices.

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM INTERAÇÃO PROFESSOR/ALUNO MEDIADA PELO AUDIOVISUAL: UMA ANÁLISE DO FILME OS MISERÁVEIS Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM Resumo: Este estudo tem como objetivo investigar o processo de ensino

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA Michele Pires Batista Patrícia dos Santos Donda (Gdas CLCA-UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO Jhérsyka da Rosa Cleve¹; Maria José Martinelli Silva Calixto²; Leonardo Calixto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO REZENDE,Liberalina Teodoro 1 Resumo Este trabalho se traduz na descrição e análise acerca de algumas experiências ocorridas no ano de dois

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA

O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA O CINEMA PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA DISCUSSÕES SOBRE PROBLEMÁTICAS AMBIENTAIS UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA DO GRUPO PIBID-BIOLOGIA Divina M. N. Alainho (Graduanda, Ciências Biológicas, UEG Itapuranga)

Leia mais

Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1

Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1 Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1 Vanessa de BORBA 2 Rafael Jose BONA 3 Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau/SC RESUMO: O artigo aqui apresentado se

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA 55 Edvaldo José de Oliveira Júnior, Rita de Cássia Cornetti Oliveira, José Ricardo Silva Faculdade de Presidente

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA Adriana Aires Pereira 1 adriairespmr@gmail.com Maria Cristina Rigão Iop 2 mcriop@gmail.com Rodrissa Machado

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

O CONSTRUTIVISMO E O ENSINO DA QUÍMICA: contribuições para o processo de ensino- aprendizagem no Ensino Fundamental

O CONSTRUTIVISMO E O ENSINO DA QUÍMICA: contribuições para o processo de ensino- aprendizagem no Ensino Fundamental O CONSTRUTIVISMO E O ENSINO DA QUÍMICA: contribuições para o processo de ensino- aprendizagem no Ensino Fundamental Aldenira de M. S. de Jesus 1 Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE 1 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES VILZA DIAS DA COSTA A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE Trabalho de conclusão do curso de Graduação, habilitação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Palavras chaves: Formação de Professores Arte Educação Infantil Formação Integral- Arte-educação.

Palavras chaves: Formação de Professores Arte Educação Infantil Formação Integral- Arte-educação. FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ARTE E AS POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Solange Almeida Gobbi RESUMO Este trabalho coloca em pauta a formação de professores de Arte e

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL

PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL Sergio Pimentel Leite Gomes, Helyon Lavinas Guimarães Prefeitura Municipal de Juiz de Fora Secretaria de Educação galeano30@hotmail.com ;

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango Bárbara Matos da Cunha Guimarães 1 bmatoscg@gmail.com Bolsista - PIBID Interdisciplinar Subprojeto Saúde e Meio Ambiente Frederico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES Gerciclea Rodrigues ALVES 1, Maílson Alves de OLIVEIRA 2, José Euzébio

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO

INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO Ana Patrícia da Silva Xavier¹ E-mail: anapx@gmail.com Emanuelle Almeida da Costa² E-mail: manu.biologia@live.com

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Emanoel Lopes Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES emanoel_l@yahoo.com.br.

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB Sirleide Marinheiro da Silva (PIBID/UEPB) 1 Sirleide_22@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL SANTOS, Ananda Ribeiro dos Discente do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva CERDEIRA, Valda Aparecida Antunes Docente

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Naiara Sousa Vilela Geovana Ferreira Melo Marly Nunes de Castro Kato Marlei José de Souza

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA COMO PRÁTICA DE PESQUISA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A PARTIR DO TEATRO, CINEMA E LEITURA E ESCRITA

O ENSINO DE FILOSOFIA COMO PRÁTICA DE PESQUISA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A PARTIR DO TEATRO, CINEMA E LEITURA E ESCRITA O ENSINO DE FILOSOFIA COMO PRÁTICA DE PESQUISA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A PARTIR DO TEATRO, CINEMA E LEITURA E ESCRITA Ana Lucia Bighelini de Oliveira Átila Macedo Maia Everton Renan Cherubini Fernanda

Leia mais

Professores de Matemática e o Uso do Computador

Professores de Matemática e o Uso do Computador Secretaria de Estado da Educação SEED Superintendência da Educação - SUED Diretoria de Políticas e Programas Educacionais DPPE Programa de Desenvolvimento Educacional PDE SILVIA VILELA DE OLIVEIRA RODRIGUES

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos. 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE Viviane Almeida da Silva 1, Rosinalva Alves de Souza 1, Maria Cristina Soares Autores Guimarães 1, Cícera Henrique da Silva 1, Rosemary

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA 1 O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA José Ozildo dos SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS Marlene Santos Socorro Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica PPGECT Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais