UM DIÁLOGO ENTRE O CINEMA E O ENSINO DA HISTÓRIA NO LONGA- METRAGEM CRUZADA, DO CINEASTA RIDLEY SCOTT.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM DIÁLOGO ENTRE O CINEMA E O ENSINO DA HISTÓRIA NO LONGA- METRAGEM CRUZADA, DO CINEASTA RIDLEY SCOTT."

Transcrição

1 UM DIÁLOGO ENTRE O CINEMA E O ENSINO DA HISTÓRIA NO LONGA- METRAGEM CRUZADA, DO CINEASTA RIDLEY SCOTT. Alexandre Coelho PINHEIRO[1] Universidade Estadual de Santa Cruz Palavras chave: Cinema, Ensino da História, Cruzada (Kingdom of Heaven). Durante o século XX, diversas metodologias historiográficas foram inauguradas. O documento escrito não é mais a única fonte para as pesquisas, como outrora. Aos poucos foram sendo incorporados ao instrumental do historiador, novos meios e novos objetos como: fotografia, música, televisão, artes plásticas em geral. Para os antigos historiadores o conhecimento histórico se baseava na observação indireta dos fatos históricos através dos testemunhos conservados. Havia uma verdadeira obsessão por parte dos historiadores para com as fontes, chegando a uma espécie de fetichismo do documento. Para Langlois: A história se faz com documentos.... Porque nada substitui os documentos: onde não há documentos não há História. [2] A Escola dos Annales ampliou a noção de documento, segundo Le Goff [3] a História Nova substituiu a história de Langlois e Seignobos por uma história baseada numa multiplicidade de documentos. Há que tomar a palavra 'documento' no sentido mais amplo, documento escrito, ilustrado, transmitido pelo som, a imagem ou de qualquer outra maneira. [4] A história nova destacou a necessidade da crítica ao documento, Le Goff afirma que "o documento não é qualquer coisa que fica por conta do passado, é um produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que aí detinham o poder. Só a análise do documento permite à memória coletiva recuperá-lo e ao historiador usá-lo cientificamente, isto é, com pleno conhecimento de causa". Para ele o documento seria um monumento, resultado do esforço das sociedades históricas para impor ao futuro a imagem de si próprias. Dessa forma, todo documento é digno de veracidade e depende apenas do historiador a condição de analisar sem ingenuidades as condições de produção desses documentos-monumentos. Le Goff afirma: O documento não é qualquer coisa que fica por conta do passado, é um produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que aí detinham o poder. Só a análise do documento permite a memória coletiva recuperá-lo e ao historiador usa-lo cientificamente, isto é, com pleno conhecimento de causa. [5] Michel Foucault encara essa questão declarando que os problemas da história são resolvidos ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 1

2 através do questionamento ao documento, e recorda que esse tipo de fonte não é o feliz instrumento de uma história que seja em si própria e com pleno direito, memória: mas é certa maneira de uma sociedade dar estatuto e elaboração a uma massa documental de que se não separa. [6] Na historiografia tradicional o documento falava por si mesmo, mas os novos discursos historiográficos nós permite entender que as fontes são como testemunhas que dão os subsídios necessários para que o historiador possa pensar e fazer as perguntas certas para desenvolver o seu trabalho. De acordo com Ciro Flamarion[7] as fontes históricas são todos os tipos de informação acerca do devir social no tempo, são fontes históricas as redações que nos chegaram em papiros, tijolos de barro, paredes de monumentos, pergaminhos, papeis, objetos materiais diversos, registros gravados em áudio e vídeo e até mesmo o cinema. Langlois e Seignobos descrevem o documento como sendo os traços deixados pelos pensamentos dos homens. Isso nos dá margem para entender como documento uma infinidade de opções, logo a diversidade dos testemunhos é quase infinita, tudo quanto o homem diz ou escreve, tudo quanto fabrica tudo quanto toca resulta em dados documentais. Há uma classificação dos documentos quanto ao caráter subjetivo dos testemunhos; testemunhos involuntários (monumentos, vestígios arqueológicos, usos e costumes) e os testemunhos voluntários (memórias, crônicas e anais, obras dos próprios historiadores, as chamadas fontes narrativas). Temos também as fontes escritas, orais, e os monumentos etc. Destarte com o surgimento da História das Mentalidades e do imaginário a iconografia obteve importância como fonte histórica. O estudioso Michel Vovelle[8] vai considerar o filme como um documento histórico e chega a saudar a aproximação dos historiadores com a semiologia e a psicanálise como forma de proceder a uma renovação metodológica. Com essa abertura no campo da História o filme passa a adquirir um estatuto de fonte preciosa para a compreensão dos comportamentos, das visões de mundo, identidades, ideologias, e dos valores de uma sociedade ou de um momento histórico. Portanto é nessa ampliação do conceito de documento causado pela Escola dos Annales que o cinema vem encontrar seu espaço na historiografia recente. Dentre os pioneiros desse estudo estão Pierre Sorlin, Robert Rosenstone, e Marc Ferro o pioneiro na utilização do termo cinemahistória, começando a difundir o uso do cinema nas academias historiográficas a partir dos anos sessenta. Em 1968, o historiador publica na revista Annales um artigo: "Société du XXe siècle et histoire cinématographique", nesse trabalho o francês faz referência ao culto excessivo ao documento escrito, e conclui que isso levou os historiadores a utilizarem técnicas de pesquisa ultrapassadas, alertando para a disposição de novos tipos de documentos que traziam uma nova ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 2

3 linguagem e uma nova dimensão ao conhecimento do passado. Nos anos 70 o historiador francês aumentou sua produção historiográfica sobre a relação cinema-história entendendo que por se tratar de um novo tipo de documento histórico o filme requer uma nova técnica de análise. Atualmente nos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN s de Geografia e História a definição de documento histórico é a seguinte: Assim, os documentos são entendidos como obras humanas que registram, de modo fragmentado, pequenas parcelas das complexas relações coletivas. São interpretados, então, como exemplos de modo de viver, de visões de mundo, de possibilidades construtivas (...). São cartas, livros, relatórios, diários, pinturas, esculturas, fotografias, filmes, músicas, mitos, lendas, falas, espaços, construções arquitetônicas ou paisagísticas, (...). São, ainda, os sentidos culturais, estéticos, técnicos e históricos que os objetos expressam, organizados por meio de linguagens (escrita, oralidade, números, gráficos, cartografia, fotografia, arte). [9] Para os acadêmicos e profissionais do ensino da História, saber interpretar signos visuais tornou-se mais que uma necessidade, pois nos encontramos em era de imagens. Transformamos o cinema numa das ferramentas mais utilizadas pelos historiadores para efetuar sua pesquisa ou seu trabalho em sala de aula. Mas antes de manipular o filme como apóio didático ou como ilustração de suas aulas e discussões, o historiador deve entender e perceber o documento fílmico dentro de alguns parâmetros teóricos. A imagem é interpretada pela semiologia clássica como um signo que representa ou faz analogias à realidade, isto é, um ícone. Um objeto que reproduz ou imita algo, mesmo que imaginário. [10] A imagem visual é um texto-ocorrência em que a iconicidade tem a natureza de uma conotação veridictória (um juízo) culturalmente determinada: se quiser uma espécie de faz-de-conta realista de fundo cultural. [11] Para Ernest Gombrich, todo artista visual (nesse caso o cineasta) tem seu trabalho condicionado por padrões culturais de fundo inconsciente, o que ele chama de schematta, o que acaba por interferir no seu estilo artístico (padrões estéticos e sociais vigentes de forma consciente). [12] Alguns tipos específicos de schematta são os estereótipos, representações de realidades sociais tomadas como verdadeiras, mas que na maioria das vezes são criadas pela imaginação. Marc Ferro um dos teóricos mais importantes no assunto, já chamava atenção para uma percepção de filme tanto como fonte quanto como objeto imagético. Esse historiador foi um pioneiro na incorporação do cinema como fonte histórica para o entendimento das ideologias e mentalidades dos sujeitos da História. Através dos filmes, passou a buscar evidências que pudessem ajudá-lo a perceber e compreender determinados eventos e períodos históricos. Para ele, o filme seria uma importante fonte reveladora, tanto daquilo que o autor busca expressar como do que está contido na narrativa, as idéias sobre determinados personagens, fatos, práticas ou ideologias, como ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 3

4 para se perceber o que não se queria mostrar; como os modos de narrar uma história, a maneira utilizada para marcar as passagens do tempo, os planos de câmera e etc. A daí seria possível penetrar, em "zonas ideológicas não-visíveis" da sociedade. Outra área de atuação postulada por Marc Ferro para os historiadores situa-se na produção de filmes históricos. Segundo ele, os historiadores devem procurar fazer uso do cinema como meio de comunicação de suas concepções sobre a História. O trabalho dos historiadores seria importante para acrescentar algo que, segundo ele, o jornalismo geralmente não faz; explicar a origem dos fenômenos que poderia acontecer tanto em colaboração com jornalistas e cineastas como em documentários históricos. Com a avalanche de filmes históricos que vem surgindo atualmente, muitas vezes há o exagero da importância deles para o ensino da História. Carnes assim analisa: A hora do livro, ou melhor, o milênio do livro, observou Gore Vidal, já era. Se a palavra impressa superou a tradição oral, o cinema e a televisão eclipsaram a suprema invenção de Gutenberg. Vidal sugere que cedamos ao inevitável, que descartemos o sistema educacional vigente e que apresentemos o passado aos jovens através do cinema. A idéia não é tão radical assim, nem sequer tão profética. Muitos professores de História, tendo como alunos telespectadores inveterados, vêm dedicando bom tempo de aula a filmes como 1492, Gandhi e Malcolm X. As distribuidoras de vídeo têm nos colégios um mercado importante. E filmes antigos continuamente reprisados na televisão funcionam como uma escola noturna, um grande repositório de consciência histórica em nossos Estados Unidos da Amnésia. Para muita gente, a História hollywoodiana é a única história que existe. [13] De forma geral, um filme traz consigo as marcas de seu tempo e, sendo assim, a maioria dos filmes históricos reproduz a ideologia da classe dominante, bem como uma estética conservadora, ou seja, uma estética que visa agradar essa elite. Ferro nos fala: Nessas condições, não seria suficiente empreender a análise de filmes, de trechos de filmes, de planos de temas, levando em conta, segundo a necessidade, o saber e a abordagem das diferentes ciências humanas. É preciso aplicar esses métodos a cada um dos substratos do filme (imagens sonorizadas não-sonorizadas), às relações entre os componentes desses substratos; analisar no filme tanto a narrativa quanto o cenário, a escritura, as relações do filme com aquilo que não é filme: o autor, a produção, o público, a crítica, o regime de Governo. Só assim se pode chegar à compreensão não apenas da obra, mas também da realidade que ela representa. [14] Numa concepção mais filosófica, a professora de Filosofia da Universidade de São Paulo - USP, Marilena Chaui, ao fazer uma relação de dois meios áudios-visuais, televisão e cinema, chegou a seguinte opinião: Como a televisão, o cinema é uma indústria. Como ela, depende de investimentos, mercados, propaganda. Como ela, preocupa-se com o lucro, a moda, o consumo. No entanto, é independentemente da boa ou má qualidade dos filmes, o cinema difere da televisão em um espaço fundamental. [15] Para Chaui o cinema seria; ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 4

5 (...) a forma contemporânea da arte: a da imagem sonora em movimento. Nele, a câmera capta uma sociedade complexa, múltipla e diferenciada, combinando de maneira totalmente nova, música, dança, literatura, escultura, pintura, arquitetura, história e, pelos efeitos especiais, criando realidades novas, insólitas, numa imaginação plástica infinita que só tem correspondente nos sonhos. [16] O cinema se torna fundamental como ferramenta a ser utilizada pelo professor de história em sala de aula. Porém, cabe ao historiador professor a orientação de como o seu aluno deve assistir a um filme, ou obra de cunho cinematográfico, elevando o aluno da condição antes exclusiva de receptor para uma dimensão que lhe proporcione uma visão diferenciada, um olhar mais consciente, crítico e até auto-crítico. As inter-relações existentes entre cinema e história são várias. A história do cinema é marcada pela exaltação e até glorificação de certos regimes e personagens, se tornando assim, um transmissor de mensagens unilaterais, um doutrinador. Aqui se torna fundamental o trabalho do professor, a busca de atingir um nível de aprendizagem mais subjetivo, no tocante à produção de um conhecimento mais crítico e consciente. Parafraseando Marilena Chaui[17], nessa busca da tentativa de desmistificar o conceito de verdade, ideologia, paz, democracia, (no caso do longa-metragem Cruzada, conceitos ocidentais), trago a tona a relação com o filme analisado aqui; sua mensagem conceitual e doutrinária, indagando até que ponto a doutrina passada através da mensagem fílmica, em questão, procura atingir a conscientização do público alvo em geral. Atualmente, o grande público que tem mais acesso ao conhecimento histórico através das grandes telas do que via leitura de livros e do ensino nas escolas e isso cada vez mais está se tornando uma inquestionável verdade. Em outras palavras, a imagem domina as esferas do cotidiano do indivíduo urbano. O cinema hollywoodiano, por exemplo, segundo Cristiane Nova[18], atinge um público gigantesco, tendo uma importante característica como dominante; a primazia da emoção em detrimento do aspecto racional, a espetacularização da História como um dos traços muito encontrados na maioria dos longas-metragens considerados históricos, e pode ser identificado no longa-metragem de Ridley Scott, Cruzada. Daí a necessidade de estarmos sempre sendo capacitados e preparados a trabalhar com a linguagem cinematográfica diante da responsabilidade do ensino enquanto produção de conhecimento dialético. Dessa forma teremos a diminuição do risco de que o cinema atinja mais aos alunos, seja emocionalmente como racionalmente, evitando que o cinema esteja intimidando ao historiador levando em conta a grande capacidade do cinema em atrair olhares e consequentemente sobressair-se aos professores licenciados ao ensino da historiografia, que não possuem mecanismos nem tão chamativos aos olhos, ouvidos a sensibilidade do público receptor, e no caso do ensino, a relação professor aluno é baseada na troca de informações. ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 5

6 Faz-se necessário perceber a relação entre o conhecimento e ensino da história e o uso do cinema e das representatividades da linguagem cinematográfica, pois, seria a partir de um considerável entendimento nessas inter-relações, que se alcançaria, numa relação dialética, uma síntese de conhecimentos. A tão sonhada interdisciplinaridade poderia através dessa reflexão, estar mais próxima do mundo concreto e não apenas no mundo das idéias, como algo intangível. Vale salientar também o quão imprescindível se torna o entendimento sobre a legitimidade do cinema enquanto documento histórico para a prática tanto da escrita quanto do ensino da história; entendendo que as fontes imagéticas do cinema também podem acabar colaborando para desenvolver o imaginário popular sobre História. Portanto, identificar mecanismos para essa legitimação se torna crucial, citando Marc Ferro; que já mencionado anteriormente, atenta para uma percepção do filme tanto como fonte quanto como objeto imagético, se tornando necessária uma percepção em relação ao filme enquanto testemunho/documento, integrando-o ao contexto social em que a obra, no caso de cunho cinematográfico, surge: autor, público, produção, regime político, etc. Porém, um filme não é feito apenas do objeto imagético, mas também de uma parte escrita que são as legendas e de sons ou efeitos sonoros, forma-se então um conjunto de representações áudio - visuais e textuais (no sentido semiótico). Percebo então que se torna necessário analisar e decodificar esses conjuntos de mensagens. Como objetivos gerais almejo intensificar e colaborar com a discussão entre Cinema e ensino da História, principalmente, quanto à utilização do material didático áudio-visual e suas possíveis contribuições para o processo de ensino-aprendizagem. Analisando o produto cinematográfico Cruzada e a tentativa de desconstrução de conceitos ocidentais como; paz, tolerância entre culturas e religiões; Ocidente e Oriente, democracia e cidadania. E por ultimo, buscar desmistificar o conceito de verdade histórica impregnado em filmes do tipo e suas relações com a linguagem cinematográfica do longa-metragem aqui analisado. [1] Graduando do VII semestre do curso de licenciatura plena em História, pela Universidade Estadual de Santa Cruz, UESC. [2] LANGLOIS, C. V. e C. Seignobos, Introdução aos Estudos Históricos, trad. De L. de Almeida Morais, São Paulo, Editora Renascença, [3] LE GOFF, Jacques. A história nova. 4. ed São Paulo: Martins Fontes, p. [4] Ch. Samaran, citado por Jacques Le Goff "Documento/Monumento", in Enciclopédia Einaudi, Porto, Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984, vol. l: Memória e História, p.98. [5] LE GOFF, Jacques. Historia e memória. 4ª ed. São Paulo: UNICAMP, p.545 [6] FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, p.13 [7] CARDOSO, Ciro Flamarion. Uma introdução à História. São Paulo. Brasiliense, p. 95. ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 6

7 [8] Michel Vovelle,"Iconografia e história das mentalidades", in Ideologias e mentalidades, São Paulo, Brasiliense, [9] Parâmetros Curriculares Nacionais: história e geografia. Secretaria de Educação Fundamental. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, p [10] LANGER, Johnni. Metodologia para análise de estereótipos em filmes históricos. Revista História Hoje, UEPG, vol. 2, n 5, [11] CARDOSO, Ciro Flamarion & MAUAD, Ana Maria. História e Imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: CARDOSO, Ciro Flamarion & Vainfas, Ronaldo. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p [12] GOBRICH, Ernest. Arte e Ilusão: um estudo da representação pictórica. São Paulo: Cia das Letras. [13] CARNES, Mark. (Org.). Passado imperfeito: a história no cinema. Rio de Janeiro: Record, [14] FERRO, 1992, P.87 [15] CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. Unidade 8; O mundo da prática, Cap. 3; O universo das artes. Ática, São Paulo p. 333 [16] CHAUI, op. cit. [17] CHAUI, Marilena. Um convite à Filosofia. Unidade 3; Verdade. Ática, São Paulo pp [18] NOVA, Cristiane. O cinema e o conhecimento da História. Olho da História, UFBA, n. 3. ANAIS do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade ST 02: História e Imagem. 7

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

IMAGENS EM SALA DE AULA 1

IMAGENS EM SALA DE AULA 1 IMAGENS EM SALA DE AULA 1 Reinaldo Nishikawa 2 (UNOPAR) reinaldo1@unopar.br Continuidade de palavras não significa necessariamente continuidade de significados. (Carlo Ginzburg) Vivemos numa sociedade

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

O ENSINO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO COM FILMES

O ENSINO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO COM FILMES O ENSINO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO COM FILMES Jocyléia Santana dos Santos UFT jocyleiasantana@gmail.com Palavras-chave: Ensino, História e História da Educação. Relação História-Imagem A relação história-imagem

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin OFICINAS DE CINEMA Viviane Scalon Fachin Resumo Destacamos, neste trabalho, a utilização de vídeos educativos e demais produções cinematográficas para o ensino de História no Ensino Médio. Vivemos uma

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA Adriana Aires Pereira 1 adriairespmr@gmail.com Maria Cristina Rigão Iop 2 mcriop@gmail.com Rodrissa Machado

Leia mais

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3 OFICINA 1 - DIFICULDADES DE/NA APRENDIZAGEM. VAGAS: 30 Professor Responsável: Maria Aparecida Dias / Hora / Local: sábados 23 de novembro e 07 de dezembro das 09:00 às 13:00h CAMPUS SÂO CRISTÓVÃO I (Pedrinho).

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012.

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. A imagem-câmera Fernando Weller 1 RESENHA RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. 1. Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco, roteirista e realizador. Email: ferwel@yahoo.com.br

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo.

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo. Equivalências das disciplinas obrigatórias do currículo antigo do curso de Social (cinema, jornalismo e publicidade) vinculadas ao Departamento de Estudos Culturais e Mídia. O aluno que estiver com disciplina

Leia mais

RESENHA CRÍTICA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS.

RESENHA CRÍTICA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS. FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ISRAEL ANTONIO MANOEL PEREIRA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ ESTRUTURA CURRICULAR DO 1º CICLO Bacharelado interdisciplinar em Artes e Design 3 anos Componentes curriculares

Leia mais

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar Antropologia da Face Gloriosa Arthur Omar Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de ponta em várias áreas da produção artística contemporânea. Formado em antropologia e etnografia,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA

ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA Maria Aparecida Santana Camargo, professora da Universidade de Cruz Alta, RS / UNICRUZ, doutoranda em Educação na Universidade do Vale

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA General Carneiro 2010 Apresentação da disciplina de Filosofia A disciplina de filosofia, em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL Área Temática: Cultura Vânia Lionço (Coordenadora da Ação de Extensão) Vânia Lionço 1 Lowrrane Paollo Pinheiro 2 Valquíria Gandolpho Maciel do Nascimento 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CHS TEORIA PRÁTICA ANO 340.3451.1 ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE 4ª 04 04 2/2009 OBJETIVOS Desenvolver

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas)

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas) Componente curricular Créditos e Carga horária Disciplinas eletivas 4 créditos (72h) NADE(s) 6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 6 créditos (108h) TOTAL

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA ESTRUTURA CURRICULAR Universidade Estadual da Paraíba UEPB Campina Grande - Campus I DIURNO 1º SEMESTRE CARGA HORÁRIA História da Comunicação (básica) 30 02 Filosofia da Comunicação (complementar) 30 02

Leia mais

ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA LTDA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA LTDA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I ARTMED EDITORA 25664L0000 CADERNOS DO MATHEMA - ENSINO FUNDAMENTAL - JOGOS DE MATEMATICA DE 1 A 5 ANO ARTMED

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA.

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. Caracterização da Escola. A escola define se como fonte de cultura e vida, subsidiando o indivíduo para exercer o papel participativo, consciente e crítico,

Leia mais

2 pontos para cada comprovação. Limite: 10 pontos. 5 pontos para cada 60 horas comprovadas. Limite: 20 pontos. 2 pontos para cada comprovação.

2 pontos para cada comprovação. Limite: 10 pontos. 5 pontos para cada 60 horas comprovadas. Limite: 20 pontos. 2 pontos para cada comprovação. ANEXO III - PONTUAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO LATTES PONTUAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO LATTES LINGUAGEM AUDIOVISUAL NA ESCOLA reconhecido ou validado pela CAPES, em campos relacionados às áreas

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais