Convergências entre videojogos e cinema: animação, representação e simulação de realidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Convergências entre videojogos e cinema: animação, representação e simulação de realidades"

Transcrição

1 Convergências entre videojogos e cinema: animação, representação e simulação de realidades Pedro Mota Teixeira IPCA Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Campus do IPCA Vila Frescaínha S. Martinho Barcelos Jorge T. Marques IPCA Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Campus do IPCA Vila Frescaínha S. Martinho Barcelos RESUMO Assistimos actualmente a uma progressiva convergência formal e estética entre produtos culturais produzidos no contexto de dois media de consumo massivo os videojogos e o cinema - que historicamente construíram léxicos visuais próprios e tiveram uma evolução independente. Verifica-se uma influência mútua, sempre condicionada pela história, dimensão técnica e potencial expressivo de cada medium. Esta convergência influencia também o papel do animador (de videojogos ou de cinema de animação), o qual varia conforme o grau de interactividade de cada um destes media, e das características de leitura linear ou não linear que cada um assume. Este artigo pretende fazer uma incursão no universo da animação para videojogos analisando as diferenças principais que definem a relação crescente a níveis técnicos e estéticos com o cinema de animação, bem como apontando as diferenças estruturais que os delimitam como media independente e com algumas metodologias distintas nos processos estruturais de construção. ABSTRACT We are currently witnessing a progressive formal and aesthetic convergence between cultural products produced in the context of two massively consumed media - video games and cinema - which in their respective histories developed independently their own visual lexicons. Nowadays there is a mutual influence, always conditioned by history, techniques and expressive potential of each of these individual media. This convergence also influences the role of the animator (videogame or cartoon animator), which varies according to the degree of interactivity of the respective medium, and the possibility of linear or nonlinear or linear perception that each on permits to the gamer/viewer. This paper aims to make a brief incursion into the world of animation for video games analyzing the main differences that define the growing relationship with animation movies - in a technical and aesthetic level, as well as pointing out the structural differences that define them as independent media with their own methodologies in structure and construction processes. Palavras-chave Animação, Videojogos, Cinema, Interacção. INTRODUÇÃO A procura de uma autêntica reprodução do real tem sido o objectivo da maior parte da investigação ligada ao desenvolvimento tecnológico da animação 3D, sendo, inclusive, encarado como uma espécie de barómetro para medir a inovação tecnológica [37]. Esta progressão em direcção ao realismo, traduz-se na capacidade da tecnologia poder oferecer condições para o animador ser capaz de simular [36] qualquer objecto e seu comportamento, de tal forma que possa ser indistinguível do cinema fotográfico [6] caminhando em direcção a uma representação total e completa da realidade [6] e concretizando um antigo mito de mimesis do cinema de imagem real [48]. IMAGEM REAL E REPRESENTAÇÃO 3D Neste enquadramento, a representação do movimento realista surge quando é criada numa concepção 3D [31], envolvendo dois factores: a perspectiva e a profundidade de campo [27]. Neste contexto, e à semelhança do mundo que nos rodeia, a ilusão cinematográfica descreve uma impressão da profundidade representada por três eixos. Estes eixos são utilizados para representar, respectivamente, o movimento da esquerda para a direita, de cima para baixo, e de perto para longe. Em termos estéticos qualquer animação pode representar duas, duas e meia ou três dimensões [25]. Nestes moldes, o movimento ao longo dos eixos x e y é relativamente mais fácil de criar do que o movimento do eixo z, porque nem o movimento lateral nem

2 o vertical exigem uma mudança substancial das proporções do objecto animado. Os gráficos a duas dimensões e meia, ou técnica apelidada de falso 3D ou duas dimensões e meia [59], recorrem a múltiplos planos bidimensionais com diferentes comportamentos entre eles, que simulam alguma profundidade de campo. Exemplos desta técnica podem ser encontrados em jogos como Moon Patrol (1982) e Zaxxon (1982), ou nos motion graphics (Krasner, 2008). O movimento representado no eixo z exige que o desenho utilize a perspectiva, obrigando a um redimensionamento do objecto animado, para representar/dar a noção da sua distância relativamente ao espectador [3]. Apesar das dificuldades que o movimento ao longo do eixo z implica, esta é geralmente vista como uma técnica de animação esteticamente mais interessante, porque este tipo de movimento ajuda a criar uma sensação de profundidade de campo, reforçando a perspectiva [40], aproximando-se, como vimos, do cinema de imagem real, criando as bases para uma animação híbrida [56]. A utilização do eixo z é precisamente a característica que define a animação 3D. Para além da manipulação da perspectiva e da profundidade de campo que o espaço virtual 3D proporciona, a existência de câmaras virtuais [31], a possibilidade de modelação e texturização de objectos tridimensionais [17], e a colocação de todo o tipo de luzes virtuais [7], criam uma riqueza de soluções visuais que tem dinamizado bastante este campo da animação digital. Neste contexto, é evidente que os vários efeitos visuais presentes na animação digital, como o motion blur, a focagem/desfocagem, etc, imitam as restrições e até mesmo os defeitos da câmara analógica de filmar. A reprodução dos efeitos físicos que provêm da natureza, como o vento, o fogo, as partículas de luz, etc, procura uma qualidade de moving nature do movimento representado [43]. Por outro lado, Comolli [12],entende a evolução do realismo como uma constante troca de códigos, uma cadeia de substituições que produzem o efeito de realidade para o público, e não como uma alteração sensorial de movimentos recriados no espaço tridimensional, especialmente no eixo da profundidade. Sua interpretação é, sobretudo devida a uma mudança estilística que potencia valores cromáticos, shaders, volumetrias e sombras, mudanças que podem ser observadas ao longo da história da animação por computador, que começa por volta de Se, inicialmente, as imagens produzidas eram sobretudo esquemáticas ou simples figuras de cartoon, era devido às limitações de processamento, shaders e sombras. A ilusão de realidade era limitada a uma indicação de objectos-volumes. Com a disponibilidade de técnicas avançadas de modelação, motores de rendering, mapeamento de textura e refinamento de sombras, a animação aproximou-se do ideal do realismo fotográfico. A este propósito, O Neill [45], na sua obra Digital Character Development faz um levantamento histórico que permite analisar o progresso em direcção a uma ilusão mais completa e mais ampla da realidade. Assim, de Futureworld (1976), o primeiro filme a recorrer ao uso do 3D para a criação de uma mão e de uma face artificial, a Looker (1981), considerado o primeiro filme a incorporar uma personagem virtual [32] mesmo que digitalizada de uma actriz; do universo virtual de Tron (1982) às personagens animadas de Tin Toy (1988), de John Lasseter, ao mais recente The Adventures of Tintin (2011), de Steven Spielberg; é notório a evolução da geometria, da suavização das sombras, da qualidade das texturas, e da evolução das figuras humanas e, finalmente, das capacidades cinematográficas sugeridas pela câmara de filmar virtual, permitindo ao espectador uma posição mais activa em relação à imagem. REALIDADE VS. PERCEPÇÃO DE REALISMO Os aspectos acima referidos conduzem ao que Darley [16] chama de um realismo de segunda ordem. Este modelo apresenta uma estética não foto-realista, mas antes hiperrealista, porque reproduz velhos modos de ver através dos novos meios tecnológicos que não recusam uma representação da realidade pré-existente, mas a ela opõem uma estética tradicional muito particular de representação [25]. A curta-metragem de animação Red s Dream (1987), de John Lasseter, é um dos primeiros exemplos deste realismo de Darley [15], expondo dois pontos. Em primeiro lugar, aquando da sua estreia, o filme exibiu uma dimensão de imagem animada, até à data, sem precedentes, representando algo mais do que uma mera técnica de animação de natureza digital evoluída: Pixar s work is also clearly motivated by the extraordinary realist thrust that has pervaded the commercial (and military) spheres of computer imaging since the middle of the 1970s [16]. Figura 1. Tin Toy (1988), de John Lasseter (Pixar Animation Studios).

3 Isto quer dizer que não são as extraordinárias técnicas de imagem digital que produzem estas novas formas de imagem animada por si só; elas são antes concebidas na envolvência de convenções estéticas e formas já estabelecidas [16]. Em segundo lugar, o filme recorre a uma linguagem híbrida [55] e de simulação [19], que acompanha as nuances da narrativa e da realização. invés, procura uma realidade idealizada [29]. A abordagem hiper-realista não traduz, necessariamente, uma excelência estética, we scan the world after all, not for reality, but for meaning [48], mas resulta, antes, na busca de experiências que despoletem emoção e no significado que imagens animadas podem suscitar. Believability and authenticity in narrative, in particular 3D animation, is often confused with realistic representation, and realism (defined in this context as audio-visual verisimilitude) [48]. Figura 2. Toy Story (1995), de John Lasseter (Pixar Animation Studios). Esta estética é um exemplo de novos níveis de preocupação com significantes em detrimento do significado, isto é, a construção da imagem digital revela-se um objecto causador de um certo fascínio. Primeiro, com Red s Dream, mais tarde com Toy Story (1995), de John Lasseter, e mais recentemente em Brave (2012), de Mark Andrews e Brenda Chapman, novos níveis de sofisticação da imagem foram criados, introduzindo uma nova ordem de realismo que explora cenários naturalistas e movimentos não autênticos, mas antes, autenticados e adequados à escolha de um concept art [51]. Toda esta dimensão da animação digital, que envolve esta teia de complexas opções, técnicas e estilos, tem como finalidade proporcionar uma experiência rica em emoções e sensações [14] junto do espectador. Michelle Raimo Kouyate, Directora de Produção da Sony Pictures Animation partilha dessa visão: The best stories succeed when they not only entertain, but also resonate with audiences in a deeper, more personal way [41]. Neste enquadramento, a concepção de Darley [16] do espectador contemporâneo já não corresponde à incredibilidade demonstrada pelo espectador do primórdio do cinema de atracções [28] face ao pazer/choque causado pela ilusão de narrativas pré-clássicas [3]. Com a evolução da tecnologia, Matt Aitken, Supervisor da Weta Digital Visual Effects em The Adventures of Tintin: The Secret of the Unicorn (2011) é da opinião que o realismo da animação não tem trilhado o seu caminho em direcção a uma estética que aspira ao foto-realismo, mas ao Figura 3. Brave (2012), de Mark Andrews e Brenda Chapman (Pixar Animation Studios). Figura 4. The Adventures of Tintin (2011), de Steven Spielberg. Scott McCloud [39], na sua obra Understand Comics: The Invisible Art, considera que representações icónicas ou simplificadas em jeito de cartoon, afastando-se da realidade, eliminam os pormenores, focando-se nos detalhes específicos e identificados universalmente, cartooning

4 isn t just a way of drawing it s a way of seeing [39]. Figura 5. A simplificação da representação em Mcloud (1993). Para Arnheim [4] o realismo acentua a complexidade revelando uma qualidade de dupla realidade, podendo ser entendida como a representação fiel e detalhada de objectos em si ou também como um método de representar as coisas com verdade em relação à impressão óptica do modelo observado em dado momento e de dado ângulo [4]. Ramachandran [49] converge com esta perspectiva de complexidade da realidade. Segundo o autor, imagens realistas possuem uma quantidade muito grande de informação que pode ser encarada como ruído, ao invés das imagens estilizadas e iconografias, que destacam o essencial. Esta análise sugere que a qualidade da animação criada pelo animador pode provocar empatia através de uma simulação activa e expressiva mesmo quando reflectida em agentes ou personagens mais gráficas ou abstractas. Assim, visible traces of goal-directed movements will activate the mirror-neuron system (Freedberg and Gallese, 2007: 202). Power [48] define esta característica como feeling the movement behind the mark, ajudando a explicar parte do apelo estético do trabalho mais expressivo ou criado a partir de técnicas menos convencionais, quando comparado com uma realidade hiper-realista. Baudrillard [18] observou: the image is an act of treachery against the reality principle; it reveals that principle isn t perhaps as solid as we think. John Lasseter, da Pixar Animation Studios, cit. em Dennis [5] é bastante efusivo: Desde que trabalho neste ramo do cinema, sempre se disse que a busca do Graal em termos de imagem de síntese é conseguir criar seres humanos perfeitamente realistas. Mas na verdade isso não tem interesse. O que nos interessa é o fantástico. Basta-nos introduzir uma pequena dose de realismo para fazer passar toda a fantasia à volta. Não queremos atrair a atenção do público para um efeito em particular, em detrimento da história [18]. Em suma, podemos afirmar que atingir um realismo virtual significa alcançar dois objectivos: a simulação dos códigos de cinematografia tradicional e a simulação das propriedades perceptivas de objectos e de ambientes da vida. O primeiro objectivo, a simulação de códigos cinematográficos, é de fácil resolução, pois a natureza das actuais aplicações 3D permite incorporar todo um manancial de possibilidades de realização, como uma câmara virtual com diferentes efeitos de lente, de focagem e desfocagem, e de profundidade de campo. O segundo objectivo, a simulação da realidade, é uma tarefa mais complexa. A recriação digital de qualquer objecto envolve, na sua essência, ultrapassar três problemas distintos: a modelação 3D de um modelo [42], o comportamento da luz na sua superfície [7] e o padrão de movimento credível adjacente às propriedade do modelo [30]. Sem recurso a equipamento de vídeo analógico, a realidade da computação 3D tem que ser construída a partir do zero e empurrada pelas ferramentas técnicas, em que composition e layering [7] permitem a perfeita integração de diferentes fontes e efeitos visuais, alterando a metodologia de trabalho, ou substituindo na totalidade as velhas técnicas de animação em stop motion pela virtuosidade do digital [50]. Desse modo, a magia dos primórdios, plena de fantasia e de sonho, cedeu lugar à perfeição digital [18]. Este fenómeno mágico que provém dos primeiros paleoanimadores (Giannalberto Bendazzi, cit. em Dennis [18]), em nomes como James Stuart Blackton e Georges Méliès, que utilizavam as técnicas de animação para criar ilusões ópticas e universos alternativos, torna-se uma realidade credível criada em imagem de síntese. Figura 6. The Host (2011), Bong Joon-Ho. Um filme como The Host (2006), de Bong Joon-ho, demonstra essa passagem do real ao hiper-real, um real aumentado por uma dose de algo mais [16], indefinível mistura de espanto e de uma inquietante hiper-realidade, em linha com o conceito de Jean Baudrillard, cit. em Denis [18], baseado na crença popular não já no real, mas nas imagens alteradas do real. Para alguns autores, desde que os efeitos especiais se tornaram invisíveis, todos os filmes que os utilizam tornam-se filmes de animação: é hoje a técnica mais parecida com a filmagem real, mesmo que ela redesenhe o real e vez de o reproduzir como a fotografia [18]. Para Gouveia [25] a representação do real é substituída pela simulação do real, submetido a uma vontade: the

5 desire to be in the picture [26]. Figura 7. As tecnologias computacionais, de compositing e layering, ao service da técnica de stop-motion, em Paranorman (2012), de Sam Fell e Chris. Autores como Philippe Quéau, cit. em Dennis [18], têm uma outra visão: Dantes filmávamos à volta das imagens, agora vamos filmar nas imagens. Já não nos contentamos em aflorá-las com o olhar, ou a folheá-las com os olhos. Penetramo-las, misturamo-nos com elas, e elas arrastamnos nas suas vertigens e nas suas potências. Se, para Gunning (1989) [28], every change in film history implies a change in its adress to the spectator, and each period constructs its spectator in a new way, então poderemos citar o ensaista João do Rio, cit. em Singer [53], que identifica este período do homem como o do homocinematographicus. Na contemporaneidade, apesar das fortes diferenças entre a linearidade do cinema e a interactividade dos jogos digitais [22], é no entanto, evidente uma aproximação dos videojogos ao universo cinematográfico [52] nomeadamente, e segundo Aldred [3], no que diz respeito à emulação de espaço cinético e narrativo e na evolução no campo da construção da personagem. Por outro lado, começa-se a assistir alguma inversão, isto é, assiste-se ao cinema aspectos privilegiados dos videojogos, nomeadamente, no modo como utiliza o espaço tridimensional, a própria narrativa e o universo ficcional [59]. É um sinal claro do deslocamento da indústria do audiovisual para uma aproximação ao divertimento pessoal do espectador, mesmo que o prazer resultante do videojogo não seja comparável ao do cinema [1], pois privilegia uma relação cinestésica, funcional e cognitiva com o jogador [1]. Esta ligação entre cinema de animação e videojogo é consequência directa da optimização dos recursos digitais, isto é, ambos, cinema de animação e videojogos, partilham as mesmas técnicas de animação para atingir metas diferentes: uma animação linear no primeiro caso, e uma animação interactiva no segundo. Para Ward [58], o realismo nos videojogos deve ser encarado como uma evocação, no limite, o que Gouveia [25] chama de um realismo dinâmico. Nos jogos o que arruína a experiência do jogo não é a falta de verosimilhança com a realidade, mas a falta de coerência com o sistema de regras do jogo. Até as regras do movimento, à semelhança do manual de regras do jogador, devem ter consistência. O problema do realismo relacionase, nos jogos, muito mais com as regras de acessibilidade e de consistência do que propriamente com o facto de a representação ser semelhante àquilo que nos habituámos a ver na vida real. No jogo as leis da física servem para simular as acções do corpo do avatar como uma extensão do corpo real do jogador, mas existe uma relação algo contraditória com a noção de realismo. A fatia de pizza que serviu de base para o design de um cartoon, como Mr. Pacman, não é identificada enquanto fatia de pizza real e depressa nos habituámos a ver a personagem amarelada como um boneco animado com uma bocarra gigante. (...) [25]. Se o uso da tecnologia computadorizada ao serviço das artes não é uma ideia consensual, é indiscutível o seu papel preponderante no desenvolvimento das indústrias criativas, em particular, no cinema e nos videojogos [11]. Por outro lado, se é devido a um conjunto de factores sociais, políticos, económicos e tecnológicos que, nestas últimas décadas, se têm desencadeado profundas mudanças a uma escala global, dinamizando o papel dessas indústrias culturais [10], é uma verdade inegável que um ponto fulcral da nossa história cultural estará incontornavelmente ligado à evolução do velho mundo analógico e à consequente adopção do digital [38]. De facto, o mundo do digital revelou-se, desde o princípio, bem mais resiliente do que o domínio do analógico [44]. Na génese desta evolução encontra-se uma forma de cálculo numérico, denominado de código informático, que culminou no nascimento de uma

6 era do computador [47]. Com a evolução deste código, a tecnologia impôs mudanças à forma de animar, ao ponto da animação se tornar um conceito mais vasto, partilhado por diversos media, permitindo que o computador participasse do processo técnico e criativo [35]. Neste ponto, alguns autores questionam qual o verdadeiro papel do programador informático. não surpreende assim que o debate a respeito da relação entre a arte e a técnica seja por vezes colocado de modo particularmente incisivo, perguntando-se se não serão então os programadores e os engenheiros os verdadeiros criadores no âmbito da cultura digital [13]. A animação digital Imaginary Numbers ( ), de Keiko Kimoto, é um exemplo que demonstra que as imensas possibilidades da programação informática permitem, de facto, criar animações com profundas nuances plásticas e artísticas, de grande impacto visual e emocional [14]. Figura 8. Vídeo de alta definição de Keiko Kimoto ( ) que emprega ferramentas matemáticas e métodos de programação de computador para a criação de animações abstractas. Assim, se a computação gráfica esteve, durante muitos anos, nas mãos dos programadores, consignado a experimentações mais ou menos ligadas às linguagens de programação [46], por outro lado, o acesso fácil à tecnologia do digital e a existência de programas informáticos especializados contribuíram para que, rapidamente, os artistas pudessem alcançar uma almejada autonomia do processo produtivo, numa perspectiva de banalização da imagem e de desmistificação do objecto artístico, o que Benjamin [62] chama de um acto desvalorizador do seu aqui e agora. O controlo do processo desmistificou-se e passou para as mãos dos criadores. Assim, a fronteira entre programadores e artistas dissolveu-se na mediatização do computador, possibilitando a ambos tirar proveito da evolução da performance da máquina e da sua capacidade de agregar diferentes objectos dos media (texto, imagem estática, imagem animada, som, etc.), numa mesma linguagem digital. Estes objectos podem, a partir de então, ser agrupados, decompostos, ou alterados [35]. Com o surgimento de aplicações sofisticadas de manipulação tridimensional, como o Autodesk Maya, o Autodesk 3D Studio Max, e, mais recentemente, o sofware livre Blender, as possibilidades de manipulação aumentaram exponencialmente, tornando possível a modelação tridimensional de objectos virtuais, a colocação de câmaras virtuais, a manipulação de luzes que simulam a realidade, a escolha de tipos de materiais, texturas e comportamentos físicos que existam na natureza e a colocação de esqueletos virtuais em figuras previamente modeladas. CONVERGÊNCIA ENTRE VIDEOJOGO E CINEMA Sendo que e o estudo inter-relacional entre videojogo e cinema (de animação) na academia não é consensual [2], existe no entanto uma imensa área de tronco comum que suscita investigação [58]. Assim, o videojogo, com a disseminação das consolas, playstations e suportes móveis, contribuiu para que a tecnologia computadorizada passasse para um domínio público e para o interior do lar, num conceito de familiar technologies [21], dando a conhecer ao público uma dimensão interactiva da animação digital [11]. O computador apresentou-se a um mundo mais amplo, redimensionando o conceito de entretenimento [8], e estabele ceu um novo conjunto de valores estéticos na linguagem de imagens sintéticas, entregando-se às cada vez mais evoluidas experiências de interacção homem-máquina [11]. Neste contexto, o videojogo oferece uma grande diversidade de animações, presentes em diversas cutscenes, mas também, e principalmente, nas diversas sequências do motor de jogo [54]. Em ambos os casos, a animação é criada da mesma forma que se produz animação para cinema ou para televisão [58], com algumas especificidades a ter em conta, como a optimização da geometria do modelo, das texturas. etc. Na primeira opção, as sequências são criadas, principalmente, para fins narrativos [1], pois para Sam Yip, animador sénior na Disney Interactive, cit. em Garabedian [24] o objectivo do filme de animação é servir uma história/narrativa, (...) nos jogos de vídeo, o objectivo da animação é servir o jogo, logo o jogador pode criar sua própria história. Por outro lado, as animações presentes no motor do jogo são exploradas, sobretudo, a linguagem corporal e objectivo traçado da personagem. Em termos de personalidade da personagem, para Frasca [23], while video-game characters do have certain particular traits, it is hard to argue that they have a personality. The more freedom the player is given, the less personality the character will have. Neste contexto, existe um interesse generalizado em conferir cada vez mais personalidade à personagem virtual, uma visão que Buckley, cit. em

7 Landgraf [34], animador na produtora de videojogos Neversoft, partilha quando afirma que os jogadores querem sentir o que a personagem está pensando, quais as suas emoções e as suas motivações por detrás das acções. A tecnologia torna possível atingir cada vez mais subtilezas no design da personagem, criando mais espaço para animadores explorarem a emoção da personagem. Este é, segundo Olivier Ladeuix [34], animador na produtora Rare/Microsoft Game Studio, um ponto-chave da animação de personagens. Ao criar uma maior empatia com a personagem, o jogador envolve-se mais com o jogo um conceito explorado, por exemplo, em The Sims [23]. Este conceito de emocionalidade interactiva [60], prende-se com a tendência fílmica que existe entre as personagens e que se reflecte sobre a relação entre o jogador e o artefacto. A primeira, o testemunho cinemático dos eventos que são apresentados no ecrã envolvidos na imersão ou simulação mental realizada pelo jogador. A segunda perspectiva é formada pelo controlo que o jogador possui sobre a personagem o que lhe permite assumir em partes os sentimentos que este constrói sobre a história. Estas duas perspectivas juntas formam aquilo que julgamos ser o sentimento forte empatia para com todo o artefacto do videojogo [60]. Esta é certamente uma das singularidades do videojogo, quando comparado com outros media o jogador não só se relaciona com o herói, mas torna-se no herói [34]. Estas reflexões vão ao encontro de Tomlinson [57] que, no seu artigo From Linear to Interactive Animation: How Autonomous Characters Change the Process and Product of Animating, enumera as diferenças entre estes dois campos de acção, destacando o papel das personagens virtuais para esse efeito. Neste contexto apresenta um quadro onde expõe cinco diferenças essenciais, distribuidas pelos tópicos seguintes: inteligência e comportamento da personagem, expressão das emoções criada pelo animador, colisões, transições e ciclos de animação e, por último, interacção entre diversas personagens. Figuras 9 e 10. Em cima, The Adventures of Tintin (2011). De Steven Spielger. Em baixo, The Adventures of Tintin: The Game (2011, Ubisoft). Tabela 1: As diferenças entre animação linear e animação interactive no context da personagem virtual Deste conjunto de relações surgem duas perspectivas: Uma vez que a personagem do videojogo apresenta bastantes movimentos de acção, tais como correr, caminhar, saltar, é necessário que a credibilidade da personagem seja dada também pela coerência desses movimentos corporais. Neste campo, no cinema de animação este processo é relativamente simples de executar, já que o animador tem um storyboard à sua frente e pode preparar a animação adequadamente. No universo dos videojogos pela simples razão da personagem responder ao comando do

8 jogador o animador é obrigado a encontrar previamente um equilíbrio entre a resposta instantânea da personagem e a credibilidade do movimento executado. Neste contexto, algumas limitações técnicas, como o frame-rate do motor do jogo podem dificultar este processo. Isto pode ser superado através do planeamento de uma abreviatura assertiva de movimentos e conhecendo as restrições comparativas da animação [61]. Como acontece no cinema de animação, o recurso à captura de movimento (ou mocap), ou a animação fotograma a fotograma são possíveis em ambas as opções. Alguns jogos exigem um estilo cartoon apenas possível através da animação tradicional, enquanto outros estilos mais realistas podem beneficiar do realismo digitalizado do mocap. Assim, se na animação tradicional o foco é colocado na acção gerada pela linearidade de uma sequência de fotogramas, nos jogos de vídeo a complexidade é maior, pois muitas vezes é permitido a visualização da acção de quase qualquer ângulo, exigindo assim uma abordagem universal e aberta, e, em contraste, uma maior atenção aos detalhes e ao tipo de linguagem de programação por detrás da interactividade do jogo [20] CONCLUSÃO No corrente texto, mediante a percepção de um fenómeno de convergência entre os media cinema de animação e videojogos, procurou-se analisar o fenómeno em cinco vectores: apontar as características e razões da existência dessa convergência; sublinhar as diferenças vigentes entre os dois media; refletir sobre o papel do animador; compreender as distintas representações e interpretações do real; e como os quatro factores anteriores influenciam o espectador e o jogador. Ambos os media partem na procura de uma autêntica reprodução do real, tendo como veículo comum a opção pela representação tridimensional dos gráficos, tendo passando ambos por fases de representação 2d, por limitação das ferramentas e suporte tecnológico e pelos artifícios das 2,5D numa tentativa de contornar essas limitações. A imagem torna-se cada vez mais realista, mas não enquanto mimesis, sendo antes uma imagem idealizada, apoiado num realismo assente em emoções, que lhes confere - ao cinema de animação e aos videojogos - maior autenticidade e credibilidade e em consequência disso cria também bases para uma maior empatia entre o espectador/jogador e as personagens, e maior imersão no filme/jogo. REFERÊNCIAS 1. Aarseth, E. (2004) Genre Trouble: Narrativism and the Art of Simulation in Wardrip-Fruin, N. & Harrigan, P. (ed.) (2004) First Person: New Media as Story, Performance, and Game, London: The MIT Press, pp Aarseth, E. (2001) Computer Games Studies, Year One [On line], Game Studies1(1). [http://www.gamestudies.org/0101/editorial.html, acedido em 12/01/13]. 3. Aldred, J. (2006) All Aboard The Polar Express: A Playful Change of Address in the Computer-Generated Blockbuster in Animation: An Interdisciplinary Journal, 1 (2): , SAGE Publications. 4. Arnheim, R. (2005) Arte e Percepção Visual: uma Psicologia da Visão Criadora, São Paulo: Thomson Learning. 5. Baudrillard, J. (2004) Fragments: Conversations with François L Yvonnet, London: Routledge. 6. Bazin, A. (2005) What is Cinema?, Volume 1. University of California Press. 7. Birn, J. (2006) Digital Lighting and Rendering, Berkeley: New Riders. 8. Bogost, I. (2007) Persuasive Games: The Expressive Power of Videogames, MIT Press, Massachussets Institute of Technology. 9. Brinkmann, R. (2008) The Art and Science of Digital Compositing, Burlington: Morgan Kaufmann Publishers. 10. Bustamante, E. (2004) Cultural Industries in the Digital Age: Some Provisional Conclusions, Media, Cultures & Society (2004) Sage Publications, Vol. 26(6): Chong, A. (2008) Digital Animation, United Kingdom: AVA Publising. 12. Comolli J. L. (1985) Technique and Ideology: Camera, Perspective, depth of field, in Nichols B (ed.) Movies and Methods: An Anthology, Vol. II. Berkeley: University of California Press, pp: Cruz, T. (2009) Código e Plasticidade, As Artes Tecnológicas e a Rede Internet em Portugal, Lisboa: Nova Vega, colecção Comunicação & Linguagens, pp Cubbit, S. (2007) The Cinema of Attractions, Animation: An Interdisciplinary Journal, 2 (3): , SAGE Publications. 15. Darley, A. (1993) Second Order Realism and Post- Modernist Aesthetics in Computer Animation in Pilling, J. (ed.) (1997), A Reader in Animation Studies, Sydney: John Libbey Publishing, pp Darley, A. (2000) Surface Play and Spectacle in New Media Genres, London: Routledge. 17. Demers, O. (2002) Digital Texturing and Painting, New Riders Publising.

9 18. Dennis, S. (2007) O Cinema de Animação, Colecção Mimésis: Artes e Espectáculo, Lisboa: Edições Texto & Grafia. 19. Duncan, J. (2010) The Seduction of Reality in Shay, D. (ed.) (2010) Cinefex, nº120, California: Don Shay, pp Eber, D. (2001) Towards Computer Game Aesthetics, Digital Creativity, 12:3, pp Ellison, D. (2007) Animating Arquitectures: Panic Styles for Troubled Cities in Cholodenko, A. (ed.) (2007) The Illusion of Life II: More Essays on Animation, University of Sydney: Power Institute for Art and Visual Culture, pp Eskelinen, M. (2001): Towards Computer Game Studies, in Digital Creativity, 12:3, pp Frasca, G. (2001) Rethinking Agency and Immersion: Video Games as a Means of Consciousnessraising Digital Creativity, 12:3, pp Garabedian, M. (2012) Pegboards vs Polygons: Animating for Video Games [On line], Animation Arena. [http://www.animationarena.com/video-gameanimation.html, acedido em 03/01/13]. 25. Gouveia, P. (2010) Artes e Jogos Digitais, Estética e Design da Experiência Lúdica, Textos em Cinema, Video e Multimédia nº11, Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas. 26. Grau, O. (2003 ) Virtual Art: From Illusion to Immersion, Cambridge: The MIT Press and Massachusetts Institute of Technology. 27. Grilo, J. M. (2007) As lições do Cinema: Manual de Filmologia, Edições Colibri & Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. 28. Gunning, T. (1989) The Cinema of Attraction: Early films, Its Spectator and the Avant-Garde [Online], New York:Columbia University. [http://www.columbia.edu/itc/film/gaines/historiography /Gunning.pdf, acedido em 03/12/12]. 29. Guise, C. (2011) A Arte de: As Aventuras de Tintin, Weta NZ & Edições Asa II, Grupo Leya. 30. Hess, R. (2011) Tradigital Blender: A CG Animator s Guide to Applying the Classic Principles of Animation, Elsevier, Oxford. 31. Jones, M. (2007) Vanishing Point: Spatial Composition and the Virtual Camera Animation: An Interdisciplinary Journal, 2 (3): , SAGE Publications. 32. Kerlow, I. (2004) The Art of 3D: Computer Animation and Effects, New Jersey: John Wiley and Sons, Inc. 33. Krasner, J. (2008) Motion Graphics Design, Applied History and Aesthetics, Oxford: Elsevier. 34. Landgraf, H. (2012) The Increasing Role of Character Animation in Video Games [On line] AnimationArena [http://http://www.animationarena.com/characteranimation.html, acedido em 12/08/10]. 35. Manovich, L. (2009) After Effects: Uma Revolução de Veludo, As Artes Tecnológicas e a Rede Internet em Portugal, Lisboa: Nova Vega, colecção Comunicação & Linguagens, pp Manovich, L. (2006) Image Futur Animation: An Interdisciplinary Journal, 1 (1): 25-44, SAGE Publications. 37. Manovich, L. (2001) The Language of New Media, Massachusetts: The MIT Press. 38. Martin, R. & Creeber, G. (2009) Introduction in Martin, R. & Creeber, G. (ed.) (2009) Digital Cultures: Understanding New Media, Mc Graw Hill, Open University Press, pp McCloud, S. (1993) Understanding Comics: The Invisible Art, New York: HarperCollins Publishers. 40. Meadows, M. (2003) Pause & Effect: The Art of Interactive Narrative, Ed. Indiana: NewRiders. 41. Miller-Zarneke, T. (2012) The Art and Making Of Hotel Pensylvania, Titan Books. 42. Murdock, K. & Allen, E. (2006) Edgeloop Character Modeling, Indianapolis: Wiley Publishing. 43. Neale S, (1985) Cinema and Technology: Image, Sound, Colour. Indiana University Press. 44. Negroponte, N. (1995) Being Digital, New York: Vintage Books. 45. O Neill, R. (2008) Digital Character Development: Theory and practice, Morgan Kaufmann Publishers. 46. Pereira, F. (2009) Contextualização Histórica das Artes Tecnológicas, As Artes Tecnológicas e a Rede Internet em Portugal, Lisboa: Nova Vega, colecção Comunicação & Linguagens, pp Postman, N. (1993) Technopoly, The Surrender of Culture to Technology, New York: Vintage Books. 48. Power, P. (2008) Character Animation and the Embodied MindBrain, Animation: An Interdisciplinary Journal, 3 (1): 25-48, SAGE Publications. 49. Ramachandran, V. S. (2004) A Brief Tour of Human Consciouness, New York: Person Education. 50. Rickitt, R. (2006) Special Effects, The History and Tecniques, London: Aurum Press. 51. Senna, M. (2012) Concept Art e Conceptual Art, Conferência Internacional em Ilustração e Animação (CONFIA), Ofir. 52. Schell, J. (2008) The Art of Game Design, Burlington: Morgan Kaufmann Publishers.

10 53. Singer, B. (2009) The Ambimodernity of Early Cinema: Problems and Paradoxes in the Film and Modernity Discourse in Ligensa, A. & Kreimeier, K. (ed.) (2009) Film 1900: Technology, Perception, Culture, United Kingdom: John Libbey Publishing, pp Tavares, P; Teixeira, P. M. & Felix, M. J. (2011) VideoGames as Aggregating Mediums and Resulting Products of Several Visual Communication Languages in Cruz-Cunha, M. (ed.) (2011) Video Games as Aggregating Mediums and Resulting Products (2011), IGI Global pp Tavares, P; Teixeira, P. M. & Felix, M. J. (2010) Animação híbrida: o Lugar de uma Cultura da Imagem em Movimento, Conferência Internacional de Avanca, 2010, pp Tellote, J.P. (2010) Disney s Alice Comedies: A Life of Illusion and the Illusion of Life, Animation: An Interdisciplinary Journal, 5 (3): , SAGE Publications. 57. Tomlinson, B. (2005) From Linear to Interactive Animation: How Autonomous Characters Change the Process and Product of Animating, ACM Computers in Entertainment, Vol 3, No.1, January Ward, P. (2002) Videogames as Remediated Animation in King, G. & Krzywinska, T. (ed.) (2002) Screenplay:cinema/videogames/interfaces, Great Britain: University pp Wolf, M. (2002) The Medium of the Video Game, Austin: University of Texas Press. 60. Zagalo, N. (2007) Convergências entre o Cinema e os Videojogos, Universidade de Aveiro, Departamento de Comunicação e Arte, Tese de Doutoramento. 61. Zagalo, N. (2011) Animação nos Videojogos, FIRST 2011, 5th International Meeting of Arts Animation Students, Escola Superior de Artes e Design, ESAD/IPL. 62. Benjamin, W. (1992) Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, Lisboa: Relógio D Água.

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

2º Ciclo em: Engenharia Informática Design e Desenvolvimento de Jogos Digitais DI UBI 2014/2015

2º Ciclo em: Engenharia Informática Design e Desenvolvimento de Jogos Digitais DI UBI 2014/2015 ANIMATION & VIRTUAL REALITY 2º Ciclo em: Engenharia Informática Design e Desenvolvimento de Jogos Digitais DI UBI 2014/2015 Contacts! Docente (Teacher): Frutuoso Silva! Gabinete (Office): 3.18 (Bloco VI

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto de Design de Comunicação II Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1.º ciclo Carácter: Obrigatória Semestre 2.º semestre

Leia mais

A Literacia Mediática Aplicada às Artes

A Literacia Mediática Aplicada às Artes A Literacia Mediática Aplicada às Artes Ivan Gouveia Mestrado em Ensino Universidade Évora Resumo: A questão da promoção da literacia, mais recentemente da literacia mediática, tem-se constituído como

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA TRINDADE, Jorge Fonseca Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda Guarda, Portugal FIOLHAIS, Carlos Departamento

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 FISTA 2016

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 FISTA 2016 Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 Propostas de Workshops para Escolas Secundárias (10º, 11º e 12º anos) no âmbito do (Forum of ISCTE-IUL School of Technology and

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE Resumo Nos dias de hoje a forma como comunicamos e interagimos com o mundo passa, muitas vezes, por ecrãs. Televisão, computadores, telemóveis e tablets

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva 2007-2008 Design de Comunicação // FBAUL

Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva 2007-2008 Design de Comunicação // FBAUL Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva Versailles : Complot à la Cour du Roi Soleil (1996) Increasingly, we inhabit a world of transmedia storytelling, one which depends less

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

André Anjos Direção Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas

André Anjos Direção Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas Jogos Digitais Direção Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas Introdução Um jogo digital é um termo genérico que se refere a jogos eletrónicos desenhados para serem jogados num computador,

Leia mais

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação 2010 Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Mogi Guaçu/SP Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Equipe

Leia mais

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Júlia Pessôa 1 No atual contexto das investigações acadêmicas dos jogos eletrônicos, a pesquisadora suíça Marie-Laure Ryan,

Leia mais

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 FISTA 2015. http://fista.iscte-iul.pt/

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 FISTA 2015. http://fista.iscte-iul.pt/ Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 Propostas de Workshops para Escolas Secundárias (10º, 11º e 12º anos) no âmbito do (Forum of ISCTE-IUL School of Technology and

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 Os Doze Princípios Básicos da Animação no século XXI Projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES The importance of the study of the costume for the design of character design. Verdelli, Caio Matheus de Almeida; Graduando; Universidade

Leia mais

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 Paulo Souza dos SANTOS JUNIOR 2 Maria Carolina Maia MONTEIRO 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho apresenta uma produção multimídia

Leia mais

Uso de VRML na Modelagem de Ambientes Virtuais. Resumo

Uso de VRML na Modelagem de Ambientes Virtuais. Resumo Uso de VRML na Modelagem de Ambientes Virtuais Leonardo Pastorino Cristina Jasbinschek Haguenauer Augusto Lohmann Laboratório de Pesquisas em Tecnologias da Informação e da Comunicação Universidade Federal

Leia mais

Palavras-chave: Animação; vídeo; stop motion; ensino de matemática; formação de professores.

Palavras-chave: Animação; vídeo; stop motion; ensino de matemática; formação de professores. UTILIZANDO A ANIMAÇÃO STOP MOTION NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Váldina Gonçalves Costa Universidade Federal do Triângulo Mineiro valdina.costa@gmail.com Cássia de Paula Ferreira Melo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Equation of time in digital art

Equation of time in digital art Equação do tempo na arte digital Capturar um instante do tempo sempre foi um dos maiores desejos dos artistas. Eles demonstraram, no decorrer da história da arte, grande interesse pelas questões que envolviam

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA

PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA Nuno Magalhães Ribeiro - Faculdade de Ciência e Tecnologia, UFP Professor Auxiliar E-mail: nribeiro@ufp.pt Luis Borges Gouveia - Faculdade

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE: MODELAGEM DE OBJETOS TRIDIMENSIONAIS INTERATIVOS Vídeo 3D: Da Filmagem a Veiculação à Internet Yan Desio Waack Constantino 1 Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Tecnologia Aplicada Projeto: Holoface

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular. Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais

Ficha de Unidade Curricular. Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais Ficha de Unidade Curricular Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais Unidade Curricular Designação PROJECTO INTERDISCIPLINAR ARTÍSTICO Área Científica CV Ciclo de Estudos SOM E IMAGEM Carácter: Obrigatória

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA - ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA - ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2009-2010 / 1º SEMESTRE SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO RICARDO RODRIGUES GABINETE: 1G1 A AULAS@ESGANA.COM www.esgana.com/aulas 1. O QUE VAMOS FALAR NESTE MÓDULO? O QUE VAMOS FALAR NESTE MÓDULO? 1

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

Multimédia. 3.2. Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.2. Animação. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.2. Animação Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Não é mais do que uma sequência de imagens Ao contrário do vídeo, as imagens são geradas e não gravadas Muito usada nos mais

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1 Romero Tori Centro Universitário SENAC, USP Introdução A Computação Gráfica (CG) surgiu no início dos anos 1960 quando Ivan Sutherland defendeu, no Massachussets Institute of Technology (MIT), a histórica

Leia mais

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing História da Arte e da Técnica Nacho Carbonell Projecto: Evolution Collection Autor:

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

A construção da percepção em imagem digital e o desenvolvimento de novas formas de literacia visual 12

A construção da percepção em imagem digital e o desenvolvimento de novas formas de literacia visual 12 A construção da percepção em imagem digital e o desenvolvimento de novas formas de literacia visual 12 Manuel José Damásio Rui Henriques Filipe Luz CICANT, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DESIGN DIGITAL (L5023)

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto Design Multimédia II Área Científica Design de Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre 4º ECTS 12 Tempo

Leia mais

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Sumário Introdução Exemplos Problema Modelo Estudo Conclusões Introdução É

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN II Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN II Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DESIGN II Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DESIGN II (L5010) 5. Área

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Design de Gráfico de Interfaces I Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1.ciclo Carácter: Obrigatória Semestre 5.º semestre ECTS

Leia mais

design de jogos digitais o essencial da licenciatura

design de jogos digitais o essencial da licenciatura design de jogos digitais o essencial da licenciatura ÍNDICE ciclo de estudos plano de estudos metodologias de ensino perfil de saída candidaturas ipb virtual Dados do ciclo de estudos ciclo de estudos

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

storemore Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel

storemore Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel storemore ELEVADA CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel O que é o StoreMore? É a solução de armazenamento de alta-capacidade desenvolvida

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

MÓDULO 3 CONHECIMENTO APLICADO E LABORATORIAL

MÓDULO 3 CONHECIMENTO APLICADO E LABORATORIAL MÓDULO 3 CONHECIMENTO APLICADO E LABORATORIAL Disciplina: P03810/TIDD 5234 - Estudo de Casos e Laboratório do Design Tecnológico e Ambientes Inteligentes (ECLDTAI) Módulo: 3 Área de Concentração: Processos

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO PROGRAMA DE DESENHO 10ª, 11ª e 12ª classes 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Área das Artes Visuais Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Desenho - 10ª, 11ª e 12ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica,

Leia mais

High Play. Disney Institute. Disney @ Lisbon. Magic file. Outras Informações. Contactos

High Play. Disney Institute. Disney @ Lisbon. Magic file. Outras Informações. Contactos 1 20 Disney @ Magic file 2 20 HIGH PLAY A Consultores é uma empresa com um grande dinamismo que já em fase de expansão internacional, possuí uma visão clara do seu futuro no mercado: A melhoria contínua

Leia mais

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org Apresentamos de seguida várias sessões temáticas compostas por curtas-metragens de animação, às quais chamamos de Filminhos Infantis. Estas propostas são complementadas com uma oficina com uma duração

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA Proposta de Plano Anual 2014/2015 1. Introdução

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

DESENHO/LABORATÓRIO GRÁFICO 2

DESENHO/LABORATÓRIO GRÁFICO 2 DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN/UMA DESENHO/LABORATÓRIO GRÁFICO UC 7.5 CALENDARIZAÇÃO : CONTEÚDOS 1º S 1º ciclo 08-09 DOCENTE : DUARTE ENCARNAÇÃO www.uma.pt/dmfe dmfe@uma.pt AULAS ª SET 15 16 3 9 30 OUT

Leia mais

A confiança e o desempenho dos alunos em aulas a distância pela Internet

A confiança e o desempenho dos alunos em aulas a distância pela Internet A confiança e o desempenho dos alunos em aulas a distância pela Internet Sónia Sousa, David Lamas 1 Resumo Este artigo descreve um estudo de investigação conduzido na Universidade Jean Piaget de Cabo Verde

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Thiago H. B. de Oliveira 1, Gabriel de França Pereira e Silva 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Av. Bom Pastor,

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIAS DIGITAIS 3D Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIAS DIGITAIS 3D Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIAS DIGITAIS 3D Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TECNOLOGIAS

Leia mais

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17 Comunidades de aprendizagem e formação on-line Paulo Dias Universidade do Minho pdias@iep.uminho.pt Introdução Comunicar e aprender em rede constituem dois aspectos de uma das mais profundas mudanças em

Leia mais

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1

Formação em Pintura Digital. (enfoque em Concept Art) PINTURA DIGITAL 1 1 Formação em Pintura Digital (enfoque em Concept Art) Com o rápido e crescente desenvolvimento do mercado da computação gráfi ca, cada vez mais exigente, um profi ssional que possui um diferencial na

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre

Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre André Luiz Marques, Armando Carlos de Pina Filho, e Fernando Rodrigues Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola Politécnica, Brasil Resumo

Leia mais

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade.

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade. Projecto Integrador - 2012 / 2013 Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt Cláudia Pernencar claudia.pernencar@iade.pt USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA h=p://bjork.com/# v 1 USER EXPERIENCE DA

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO A Realidade Aumentada (RA) (augmented reality) é uma tecnologia, que combina elementos do mundo real com elementos virtuais em 3D, permitindo a interactividade entre objectos

Leia mais

LIVE CINEMA É CINEMA? RESUMO

LIVE CINEMA É CINEMA? RESUMO 1 LIVE CINEMA É CINEMA? Guilherme Malo Maschke 1 RESUMO Live cinema é um conceito amplo e significa variadas formas de produção audiovisual. A intenção desse artigo não é buscar um conceito final e preciso

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Novas Toshiba Smart TV Lisboa, 21 de maio de 2014 A Toshiba apresenta a sua nova linha Smart TV, estreando as séries L5, L6 e L7 de TV LED de Alta Definição. A Cloud TV é a aposta da Toshiba na área do

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA 8ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Visual e Plástica - 8ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra SEYMOUR PAPERT Vida e Obra Eva Firme Joana Alves Núria Costa 1 de Março de 1928 -EUA Activista - movimento anti-apartheid 1954-1958 - Universidade de Cambridge (matemática). 1958-1963 - Centro de Epistemologia

Leia mais

Síntese de Imagens de Alta Fidelidade

Síntese de Imagens de Alta Fidelidade Síntese de Imagens de Alta Fidelidade Iluminação e FotoRealismo http://www.di.uminho.pt/uce-cg/index.php Luís Paulo Peixoto dos Santos Competências GERAIS : Caracterizar a iluminação global e descrever

Leia mais

O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada

O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada Simone Albertino da Silva O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design do Departamento de Artes e

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução GUIA PEDAGÓGICO Introdução O objectivo deste documento é ser um condutor para os formandos que frequentam os cursos em elearning ministrados através da plataforma NetForma. Os cursos serão sempre orientados

Leia mais

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas.

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas. Introdução Animação por computador é o conjunto de técnicas que utilizam o computador para gerar cenas que produzam a sensação de movimento. Origens: apoio aos desenhadores auxiliares da animação tradicional.

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO Agrupamento de Escolas de Vila Real de Santo António ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO UNIDADE DE TRABALHO: ANIMAÇÃO DE IMAGENS COMO DAR VIDA ÀS IDEIAS Prof. Helena Gomes Ano letivo: 2011/2012 Escola

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES a. Unidade curricular Course unit title: Construção da Imagem Fílmica Construction of the Filmic Image Código: 01343927 Code: 01343927 b. ECTS: 5.0 c. Horas de contacto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas artísticas individuais e

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Muvizu M a n u

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS

ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS 125 anos de ensino artístico A actual Escola Artística de Soares dos Reis foi criada oficialmente em Janeiro de 1884, sendo designada nessa altura como Escola de Desenho

Leia mais

ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS

ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS 125 anos de ensino artístico A actual Escola Artística de Soares dos Reis foi criada oficialmente em Janeiro de 1884, sendo designada nessa altura como Escola de Desenho

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS Portugal, 2010 Documento elaborado pelo grupo de trabalho designado como Formação com base em orientações determinadas no encontro nacional de profissionais

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Departamento de Ciências da Educação

Departamento de Ciências da Educação Departamento de Ciências da Educação 2010/2011 1º ciclo em Ciências da Educação Tecnologia e Inovação na Educação 1º ano 2º Semestre 7,5 ECTS Docente: Mestre Fernando Correia fcorreia@uma.pt Coordenador:

Leia mais

A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNHÃO, Marisa Discente do Curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva MUZEL, Andrei Alberto Docente do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais