Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo"

Transcrição

1 Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala N.A. Data ABRIL/2010 Formato A - 4 Autor CREA ARQ. MÁRCIA SOLDERA RS Validador Área do sítio Especialidade / Subespecialidade / Tipo / Especificação do documento MEMORIAL DE CRITÉRIOS E CONDICIONANTES EXPLORAÇÃO PUBLICITÁRIA Tipo de obra Classe Geral de Projeto Aprovador Substitui a Substituída por Rubrica do Autor Reg. Do Arquivo Codificação CT.06/201.75/02456/00

2 Conteúdo 1. OBJETIVO CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PLANO DE PUBLICIDADE (PGP)... 3

3 1. OBJETIVO Este documento define os critérios e condicionantes mínimos necessários à elaboração de projetos de Exploração Publicitária das obras de engenharia referentes ao lado ar e lado terra da INFRAERO. 2. CONDIÇÕES GERAIS Deverão ser observadas as seguintes condições gerais: Obter os projetos de arquitetura e geométrico, verificando as diretrizes estabelecidas quanto às dimensões, coordenadas, cotas, características geométricas e interferências vizinhas. Deverão ser identificados áreas e espaços de interesse para a veiculação de Publicidade e Propaganda, que darão origem ao Plano Geral de Publicidade do aeroporto, que tem por objetivo: Proporcionar o bem-estar visual nos ambientes por meio do equilíbrio entre os diversos sistemas prediais e as mensagens visuais. Indicar as demandas de instalações de cada ponto publicitário e suas respectivas dimensões máximas. 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 3.1. Diretrizes para o Projeto de Exploração Publicitária: Deverão ser identificados áreas e espaços de interesse para a veiculação de Publicidade e Propaganda, que darão origem ao Plano Geral de Publicidade do aeroporto, que tem por objetivo: Proporcionar o bem-estar visual nos ambientes por meio do equilíbrio entre os diversos sistemas prediais e as mensagens visuais. Indicar as demandas de instalações de cada ponto publicitário e suas respectivas dimensões máximas. A concepção do conjunto de pontos para publicidade e a definição dos elementos componentes deverão observar as Normas da INFRAERO NI COM (Diretrizes e Procedimentos para Concessão Comercial e Utilização de Áreas para Exploração Publicitária nos Aeroportos da INFRAERO) e NI EGA (Programação Visual em Aeroportos) e a NBR-8917 (Sinalização Vertical em Aeroportos). A Exploração Publicitária será prevista através do Plano geral de Publicidade (PGP). 4. PLANO DE PUBLICIDADE (PGP) 4.1. Diretrizes Gerais de Elaboração: O PGP consiste no Instrumento Básico que orienta a instalação dos meios de Publicidade e Propaganda nos Sítios Aeroportuários administrados pela INFRAERO, e será elaborado em conjunto com o Projeto Arquitetônico, proporcionando sua total integração a ele, sempre priorizando as diretrizes Operacionais e de Segurança.

4 Sob o ponto de vista de Conforto Visual, o PGP deve contribuir à percepção e à perfeita compreensão da Infraestrutura Aeroportuária, evitando o excesso de informações. Os meios de divulgação, portanto não devem conflitar com Fluxos Operacionais nem com os diversos sistemas que têm prioridade sobre a Publicidade. Deverão ser identificados locais de tradicional interesse comercial, com forte apelo visual e grande visibilidade em áreas de trânsito expressivo de usuários, bem como outros pontos revelados pelo Partido Arquitetônico e Urbanístico do projeto. Os Pontos Publicitários poderão vir a atuar como referência e contribuir para a orientação do usuário, nos deslocamentos em áreas internas e externas ao Terminal de Passageiros. O PGP deverá prever solução de baixo custo de instalação e de manutenção a ser utilizada em tapumes de Concessões Comerciais em obras ou sem contrato de ocupação. O PGP não deverá contemplar a previsão de Pontos de Publicidade nas seguintes condições: Quando previr pinturas refletivas nas coberturas dos Terminais de Passageiros e das edificações que se localizam nas proximidades da Pista de Pouso e Decolagem dos Aeroportos. Quando obstruir vãos de Iluminação, Ventilação e Insolação ou alterar de forma significativa as Linhas Arquitetônicas das edificações. Quando descaracterizar a Imagem Corporativa da Empresa. Quando obstruir a visão de dispositivos de Segurança do Trânsito e Pedestres. Em áreas do Cone de Aproximação que tenha altura superior à cota definida como de Segurança à aproximação de aeronaves Ambientes Internos Os meios publicitários, definidos no PGP, não poderão interferir nos Fluxos Operacionais e na visualização dos seguintes Sistemas e Instalações: Comunicação Visual (placas e totens). Mobiliário (fixo, móvel, operacional, comercial, de segurança). SIV (Sistema Informativo de Vôo - monitores). SDAI (Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio: sprinklers, extintores, hidrantes, sensores de fumaça, luzes de emergência). STVV (Sistema de TV de Vigilância - câmeras). SOM (Sistema de Sonorização Ambiental - sonofletores). Iluminação (peças de iluminação natural e artificial). Ar condicionado (difusores). Obras de Arte. No PGP devem constar as dimensões de referência dos meios de publicidade propostos e a altura de fixação, de forma a permitir a melhor visibilidade possível.

5 Quando não houver indicação específica, devem ser adotados os seguintes afastamentos: Para formatos verticais (altura maior que largura), deverá ser guardada a distância lateral mínima entre os painéis equivalente à largura do elemento mais largo. Para formatos horizontais (largura maior que altura), deverá ser guardada a distância lateral mínima equivalente à altura do elemento mais alto, sendo também admissível a instalação em seqüência. Deverá ser preservado o afastamento, mínimo, de 50 cm entre o painel e a parede adjacente ou quina de parede. Não deverá ser instalada publicidade à distância inferior a 3,00m da face frontal do balcão de check-in, nos Planos Vertical e Horizontal Alimentação de Energia Em todos os Pontos Publicitários deverá ser prevista a instalação de alimentação de energia para retro-iluminação dos painéis. A Carga Elétrica referente aos Pontos de Publicidade deverá ser computada do cálculo geral de consumo de energia para fins de dimensionamento de Quadros Elétricos e Geradores. Deverá ser prevista alimentação de energia (tomadas) nos pilares para facilitar a ligação eventual de equipamentos de manutenção e possibilitar a instalação de elementos decorativos alusivos a campanhas sazonais: (Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal e outras eventuais) Ambientes Externos Os meios de publicidade externos não poderão obstruir a visualização dos elementos de Sinalização Viária Horizontal e Vertical. Na definição desses pontos deverão ser observadas as exigências a seguir, salvo especificação em contrário no Plano Diretor de Publicidade Municipal, ou documento equivalente a este, elaborado pelo Órgão Governamental local responsável pela Publicidade Urbana: Out-doors deverão guardar a distância mínima de 100m (cem metros) entre si na direção paralela à via de acesso e 5m a partir do meio-fio. A altura dos elementos não deve ultrapassar 20m. Os Pontos Publicitários deverão ser dispostos de tal forma que um não obstrua a visibilidade do outro nem que comprometam a visualização da Sinalização Viária Horizontal e Vertical. A instalação de Pontos de Publicidade ao longo das faixas de domínio do Sistema Rodoviário de acesso ao Terminal de Passageiros deverá atender ao espaçamento de 100m (cem metros), quando localizados na mesma margem da rodovia. Nenhum meio de propaganda poderá ter sua projeção horizontal avançando sobre a faixa de rolamento das Vias Públicas e Circulação de Pedestres ou apresentar formas ou padrões que possam ser confundidos com as placas de sinalização, especialmente as de trânsito.

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

Termo de Situação Física de Área

Termo de Situação Física de Área Termo de Situação Física de Área O presente termo de situação apresenta as características da área e tem a finalidade de informar ao Licitante as adequações necessárias na área a ser concedida, destinada

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 01 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA REV. M O D I F I C A Ç Ã O DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA OBRA: SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO INTRODUÇÃO Devido ao pequeno tráfego de pessoas nos locais a serem pavimentados foi

Leia mais

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 12. ANEXOS Anexos 1 a 23 ANEXO 1 DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): TÁBUA DE REVISÃO CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 1. TÁBUA

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento 02 REVISÃO MAR/13 01 REVISÃO JAN/13 00 EMISSÃO INICIAL SET/12 Rev. Modificação Data Autor Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica 1 - Arquitetura 2 - Estruturas 3 - Hidrossanitárias 4 - Elétrica 5 - Eletrônica

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

MANUTENÇÃO EM AUXÍLIOS VISUAIS

MANUTENÇÃO EM AUXÍLIOS VISUAIS MANUTENÇÃO DE AUXÍLIOS VISUAIS MAINTENANCE OF VISUAL AIDS Gerência de Manutenção Coordenação de Sistema Navegação Aérea GRMN-3 AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS Eng Júlio Shoiti Watanabe Eng

Leia mais

NORMA TÉCNICA 04/2014

NORMA TÉCNICA 04/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 04/2014 Símbolos Gráficos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Texto em letra Arial Narrow: texto da lei 14.266/07 que não foi alterado Texto em

Leia mais

Heliponto e Heliporto

Heliponto e Heliporto SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 31/2004 Heliponto e Heliporto ANEXOS A Orientações

Leia mais

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior Leitura e Interpretaçaão de Projetos Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior osvaldoterra.iff@gmail.com Conteuú do Programaútico Desenho Teúcnico para Informaútica Normas Brasileiras Projeto arquitetônico completo

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

EXEMPLO DE QUIOSQUE ENCOSTADO, INADEQUADAMENTE, NO GUARDA-CORPO.

EXEMPLO DE QUIOSQUE ENCOSTADO, INADEQUADAMENTE, NO GUARDA-CORPO. e) Para a implantação de quiosques próximos aos guarda-corpos ou superfícies envidraçadas, deve-se manter um afastamento de no mínimo 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) destes elementos. Fechamentos

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

30/09/10 RAGC MRDR WV. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF ENGº HARUO OKAWA 0600223452/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio.

30/09/10 RAGC MRDR WV. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF ENGº HARUO OKAWA 0600223452/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio. 2 1 REVISÃO CONFORME RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TÉCNICO 901CG1/PEIN-2/10 REVISÃO CONFORME RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TÉCNICO 514CG1/PEIN-2/10 30/09/10 RAGC MRDR WV 19/07/2010 RAGC JADO WV 0 EMISSÃO INICIAL

Leia mais

ENTENDA TODAS AS FORMAS DE

ENTENDA TODAS AS FORMAS DE ENTENDA TODAS AS FORMAS DE MÍDIA EXTERIOR Mídia exterior é a denominação genérica dos meios de comunicação que expõem propaganda ao ar livre. Assim como a mídia impressa, inclui meios como revista e jornal

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL, PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO, NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES RESPONSÁVEL DIRETORIA

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE A área possui 13,20 m² (treze vírgula vinte metros quadrados) e está localizada na área de nº 21 do Mix Comercial, no piso térreo do Terminal de

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) CURVAS HORIZONTAIS Estudo sobre Concordância Horizontal: O traçado em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO O elevador de uso restrito é unifamiliar, adaptado para uso de pessoas com mobilidade reduzida. Pode ser instalado em residências, edifícios

Leia mais

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes Em conformidade com a Politica Nacional de Mobilidade Urbana a Prefeitura Municipal de Bauru objetiva a criação de espaços adequados ao estacionamento de bicicletas, de modo a favorecer o transporte individual

Leia mais

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele PL 220 e PL 240 PIONEIRA EM ACESSIBILIDADE NO BRASIL Fundada em 1982, a Montele é pioneira na fabricacão de elevadores e plataformas

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

O que é Cartografia Aeronáutica?

O que é Cartografia Aeronáutica? O que é Cartografia Aeronáutica? A Cartografia abrange o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas que, a partir dos resultados das observações diretas ou da exploração de documentações,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

ABNT NBR 8919 NORMA BRASILEIRA. Aeronave Equipamento de apoio no solo Sinalização. Aircraft ground support equipment Signalling

ABNT NBR 8919 NORMA BRASILEIRA. Aeronave Equipamento de apoio no solo Sinalização. Aircraft ground support equipment Signalling NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 8919 Segunda edição 01.09.2008 Válida a partir de 01.10.2008 Aeronave Equipamento de apoio no solo Sinalização Aircraft ground support equipment Signalling Palavras-chave: Aeronave.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011 Instrução Técnica nº 35/2011 - Túnel rodoviário 729 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011 Túnel rodoviário

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

ANEXO I AO DECRETO Nº CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO

ANEXO I AO DECRETO Nº CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO ANEXO I AO DECRETO Nº 14.612 1. CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO 1.1. Qualquer elemento do mobiliário urbano deverá estar em harmonia com a paisagem do local, não podendo

Leia mais

GERAL GERAL ARQUITETURA / SCI

GERAL GERAL ARQUITETURA / SCI Revisão Geral FEV/2008 Valnízia REV. MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO SÍTIO GERAL Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA DESENHISTA S/ESC. Agosto/2004 AUTOR DO PROJETO

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Definições: A/C: aircraft, aeronave; Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2015 Instrução Técnica nº 35/2011 - Túnel rodoviário 729 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2015 Túnel rodoviário

Leia mais

Curso Vistoriadores do Corpo de Bombeiros

Curso Vistoriadores do Corpo de Bombeiros Curso Vistoriadores do Corpo de Bombeiros Eng. Fabricio Gagliardi Pinto CREA:031419/D Fone 55+41 3019.1985 Cel.: 55+41 9996.3316 1 Suletron Engenharia de incêndio e Automação Predial Eng. Fabricio Gagliardi

Leia mais

STF ASSESSORIA & CONSULTORIA S/C LTDA

STF ASSESSORIA & CONSULTORIA S/C LTDA São Paulo, 03 de julho de 2014. À SKR Empreendimento: JURUCÊ. A/C Carolina Barbosa C/C aos demais projetistas. Ref. 1º Relatório de análise dos sistemas passivos e ativos de prevenção e combate a incêndio

Leia mais

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 01 REVISÃO 10.06.2009 Eng. Rommel / 26600/D-MG 00 EMISSÃO INICIAL, ATUALIZAÇÕES E SUBST.: GE.01/435.75/00894/02 21.08.2008 Eng. Rommel / 26600/D-MG Rev. Modificação

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

Sistema de Telecomunicações

Sistema de Telecomunicações TOTAL DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS Sistema de Telecomunicações Especificação Técnica para Bastidor 42U / 19 (com planos fixos) DIST. QTDE/TIP ÓRGÃO d c b a GEDOC Rev. Data Feito Visto Aprov Data Descrição

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 35507, de 27 de abril de 2012 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DA ZONA DE PRESERVAÇÃO PAISAGÍSTICA E AMBIENTAL - ZPPA- 1 DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PARA VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM URBANA E DE ORDENAMENTO

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPITÃO - RS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPITÃO - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPITÃO - RS CAPEAMENTO DIVERSAS RUAS LOCAL: CAPITÃO - RS RUAS EXTENSÃO (m) LARGURA (m) CONCORDÂNCIAS (m2) CANTEIRO (m2) ÁREA TOTAL (m2) RUA 20 DE JULHO 221,00 9,50 4,00 2.103,50

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROJETO FINAL CURRAL DE MANOBRAS 1000 ANIMAIS Trabalho apresentado como parte dos requisitos

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS

MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS Este Manual tem por objetivo estabelecer o padrão de comunicação visual para as Comarcas da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Foi utilizado como

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução ao Cabeamento Estruturado Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 20 Redes não Estruturadas Estatisticamente, cerca de 70%

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. Altera dispositivos e os Anexos da Resolução CONTRAN nº 402, de 26 de abril de 2012, com redação dada pelas Deliberações nº 104 de 24 de dezembro de 2010 e nº

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA Os espaços estão distribuídos em dois pontos: a) Identificado no Mix Comercial/PDIR, como área nº 017. Localiza-se no primeiro piso, área restrita de desembarque internacional,

Leia mais

Manual de Publicidade e Merchandising

Manual de Publicidade e Merchandising Manual de Publicidade e Merchandising Benefícios: Fortalecer sua marca para o seu público; Atrair mais clientes para o seu produto; Excelente ferramenta promocional. Principais vantagens participando nos

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 2 MOVIMENTO PAULISTA DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito é um programa do Governo do Estado de São Paulo que tem como objetivo reduzir as

Leia mais

CT Comunicado Técnico. Critérios para Construção de Padrão de Entrada com Leitura Voltada para Via Pública. Diretoria de Engenharia

CT Comunicado Técnico. Critérios para Construção de Padrão de Entrada com Leitura Voltada para Via Pública. Diretoria de Engenharia CT - 70 Critérios para Construção de Padrão de Entrada com Leitura Voltada para Via Pública Comunicado Técnico Diretoria de Engenharia Gerência de Tecnologia da Distribuição Página 2 de 14 FOLHA DE CONTROLE

Leia mais

Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet)

Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet) Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet) Art. 1º. A instalação e o uso de extensão temporária de passeio público, denominada parklet, ficam regulamentados

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

AEROPORTO DE CONGONHAS

AEROPORTO DE CONGONHAS AEROPORTO DE CONGONHAS CIRCUITO DIGITAL AEROPORTO DE CONGONHAS - SP CONGONHAS E SEU PÚBLICO O Aeroporto de Congonhas é o principal aeroporto executivo do Brasil e um dos principais portões de entrada e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária TINE ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE CONCRETO PARA FIXAÇÃO DE TOTEM DO SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Luiz Coelho Alves da Silva Neto

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A Eng.Leonardo Braga Passos, Msc Sócio/Diretor PI-Engenharia e Consultoria Diretor Regional BH-ABECE (2015/2016) INTRODUÇÃO / OBJETIVO O Manual para Contratação

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL 1. DIMENSIONAMENTO E CLASSIFICAÇÕES 1.1 Área do terreno: 7.528,02m² (sete

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE COORDENAÇÃO DE MANUTENÇÃO SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS Instruções de preenchimento: AEROPORTO INTERNACIONAL DE CAMPO GRANDE Para preenchimento desta ficha, sugere-se a participação das equipes Comercial, de Manutenção, de TI, de Meio ambiente, de Operações

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

SEM O EXCESSO DE COMUNICAÇÃO NA CIDADE, ALÉM DE RUAS MAIS AGRADÁVEIS, O SEU NEGÓCIO VAI APARECER.

SEM O EXCESSO DE COMUNICAÇÃO NA CIDADE, ALÉM DE RUAS MAIS AGRADÁVEIS, O SEU NEGÓCIO VAI APARECER. SEM O EXCESSO DE COMUNICAÇÃO NA CIDADE, ALÉM DE RUAS MAIS AGRADÁVEIS, O SEU NEGÓCIO VAI APARECER. Mogi das Cruzes chega aos seus 450 anos com um jeito de cidade antiga, aconchegante, mas com a força e

Leia mais

do Manual Técnico de Edificações - versão 2

do Manual Técnico de Edificações - versão 2 Atualização do Manual Técnico de Edificações - versão 2 Aplicação da restrição altimétrica do Ministério da Defesa 1. Pág. 319 - O presente documento substitui o item 5.3, à página 319 do Manual Técnico

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS OBRA : ECO INDEPENDÊNCIA LOCAL : Rua Souza Coutinho CONSTRUÇÃO : Fortenge Construções Empreendimentos Ltda REVISÃO : ØØ 06/10/2005 EMISSÃO INCIAL Eco Independência

Leia mais

Poluição Visual. SMAM Equipe de Controle e Combate à Poluição Visual

Poluição Visual. SMAM Equipe de Controle e Combate à Poluição Visual Poluição Visual SMAM Equipe de Controle e Combate à Poluição Visual Paisagem Urbana É o Bem Público resultante da contínua e dinâmica interação entre os elementos naturais, edificados ou criados e o próprio

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

MANUAL DE CESTAS COLETORAS (PAPELEIRAS) Índice

MANUAL DE CESTAS COLETORAS (PAPELEIRAS) Índice MANUAL DE CESTAS COLETORAS (PAPELEIRAS) Índice 01- Especificações das Cestas Coletoras de Papeis (papeleiras) 02- Especificações das Cestas Coletoras de Pilhas e Baterias 03- Finalidade da Utilização das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto TRABALHO: 1 SEMESTRE DE 2015 Suponha que você esteja envolvido(a)

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Engenharia de Tráfego Período: 6º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Subsistema da sinalização viária que utiliza de sinais

Leia mais

Manual de Publicidade e Merchandising

Manual de Publicidade e Merchandising Manual de Publicidade e Merchandising Benefícios: Fortalecer sua marca para o seu público; Atrair mais clientes para o seu produto; Excelente ferramenta promocional. Principais vantagens participando nos

Leia mais

PROPRIEDADES DE PROGRAMAÇÃO VISUAL DO AMÉRICA FUTEBOL CLUBE PARA O NOVO ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA.

PROPRIEDADES DE PROGRAMAÇÃO VISUAL DO AMÉRICA FUTEBOL CLUBE PARA O NOVO ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA. PROPRIEDADES DE PROGRAMAÇÃO VISUAL DO AMÉRICA FUTEBOL CLUBE PARA O NOVO ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA. INTRODUÇÃO Este é o manual da programação visual do Estádio Independência. Ele foi criado com o intuito de

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

1. Dados e-bidim #39. e-bidim # 39. Data 21/01/2005. Caso de Obra. Tema

1. Dados e-bidim #39. e-bidim # 39. Data 21/01/2005. Caso de Obra. Tema 1. Dados e-bidim #39 e-bidim # 39 Data 21/01/2005 Tema Assunto Local Caso de Obra Geoweb para proteção de talude contra erosão na Duplicação da Rodovia BA-099 (Estrada do Coco - trecho inicial Linha Verde),

Leia mais

informações históricas

informações históricas PROJETO INTERPRETATIVO DO CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE: confecção e instalação de painéis e placas com informações históricas ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO... 04 2- EQUIPE TÉCNICA... 06 3- MAPA DE SITUAÇÃO

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Dos Pedestres e Condutores de Veículos não Motorizados Professor: leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Localizado a aproximadamente 7Km do centro de Porto Alegre, o Aeroporto Internacional Salgado Filho possui 37,6 mil metros quadrados de área construída e distribuídas

Leia mais