UNIVERSIDADE POSITIVO TURISMO E CARTOGRAFIA: A FUNCIONALIDADE DOS MAPAS TURISTICOS DE CURITIBA-PR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POSITIVO TURISMO E CARTOGRAFIA: A FUNCIONALIDADE DOS MAPAS TURISTICOS DE CURITIBA-PR."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO TURISMO E CARTOGRAFIA: A FUNCIONALIDADE DOS MAPAS TURISTICOS DE CURITIBA-PR. CURITIBA-PR 2010

2 ADRIELLE LONGO MARAN TURISMO E CARTOGRAFIA: A FUNCIONALIDADE DOS MAPAS TURISTICOS DE CURITIBA-PR Projeto de conclusão de curso apresentado ao curso de Turismo da Escola de Negócios da Universidade Positivo como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em turismo Profª. Orientadora: Valéria de Meira Albach CURITIBA 2010

3 RESUMO O presente trabalho pretende abordar a funcionalidade dos mapas turísticos que são entregues gratuitamente na cidade de Curitiba, além de analisar suas possíveis falhas, propondo melhorias e destacando suas principais qualidades. Baseado por pesquisas bibliográficas de autores que abordam o turismo e a cartográfica, pesquisas de campo com turistas em alguns atrativos turísitcos da cidade e questionário aplicado há um técnico na aérea de cartografia, foi possível alcançar os obejtivos proposto de estudar a teoria, avalaiar através da cartografia a adequação de um mapa turístico e por fim propor alguns itens de melhoria para a construção de futuros exemplares. Foi destacado o que é necessário para fazer de um mapa turístico modelo que atenda as necessidades do turista de forma clara e precisa que supra o grande potencial turístico de Curitiba e esteja preparado para atender essa demanda. Mapas, cartas, croquis, escala, são itens abordados no trabalho, mostrando a importância desses e outros itens para o bom deslocamento do turista pela cidade e seus principais pontos turísticos. PALAVRAS-CHAVE: Turismo,cartografia,mapas turísticos,curitiba.

4 LISTA DE FIGURAS Figura 2 - Evolução dos Mapas Mapa Mundi Atual Figura 3 - América do Sul em 1558 de Diogo Homem Figura 4 - América do Sul Atual Figura 5 - Escala Gráfica Figura 6 - Imagem Google Earth Figura 7 - Croqui de Geep e Maia da cidade de São Paulo Figura 8 - Símbolos cartográficos Figura 9 - Mapa turístico do Rio de Janeiro LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Motivação turística de Curitiba Gráfico 2 - A utilização de mapas durantes viagens Gráfico 3 - Função do mapa turístico Gráfico 4 - Utilização de outros mapas Gráfico 5 - Facilidade de leitura dos mapas Gráfico 6 - Ajuda encontrada no mapa Gráfico 7 - Tempo de deslocamento Gráfico 8 - Noções de cartografia Gráfico 9 - Facilidade para visualizar as imagens e letras Gráfico 10 - Avaliação da importância do mapa impresso Gráfico 11 - Ajuda de outros meios de informação Gráfico 12 - Avaliação do mapa LISTA DE TABELAS TABELA 1 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE AS ESCALAS TABELA 2 - COMPARAÇÃO ENTRE AS ESCALAS TABELA 3 - COMPARAÇÃO ENTRE OS MAPAS TABELA 4 - PICTOGRAMAS TURÍSTICOS I TABELA 5 - PICTOGRAMAS TURÍSTICOS II... 45

5 SUMÁRIO RESUMO... II LISTA DE FIGURAS... III LISTA DE GRÁFICOS... III LISTA DE TABELAS... III SUMÁRIO... IV 1. INTRODUÇÃO Metodologia TURISMO CARTOGRAFIA Mapas Escalas Croqui Cores, Legendas e Imagens RELAÇÕES ENTRE CARTOGRAFIA E TURISMO TURISMO EM CURITIBA ANÁLISES DO USO DOS MAPAS TURISTICOS DE CURITIBA Análise Técnica EXEMPLO DE UM BOM MAPA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A APÊNDICE B APÊNDICE C... 57

6 1. INTRODUÇÃO A partir de informações em artigos e revistas do gênero (cartografia e turismo) foi percebida a dificuldade de se apresentar um mapa 1 turístico que ofereça informações adequadas aos turistas. Com base nesses conceitos, de um mapa conter os itens obrigatórios para que o mesmo receba essa denomição, como legenda, escala rosa dos ventos indicando a direção norte e outros que serão abordados neste trabalho, focando essa problemática na cidade de Curitiba, com a intenção de verificar as dificuldades encontradas pelos turistas para se deslocarem utilizando os exemplares entregues gratuitamente na capital paranaense. Curitiba é um dos grandes destinos turísticos do país, atraindo todos os anos milhares de turistas que procuram a cidade em busca de seus famosos parques, sua cultura, sua culinária, etc. Devido ao aumento de turistas, registrado através da Secretária do Estado de Turismo (SETU-PR), que apontou a visita de 2,9 milhões de visitantes no ano de 2007, são importantes e necessárias para o adequado deslocamento dos visitantes, uma boa sinalização turística pela cidade através de placas, postos de informações e também pelos mapas turísticos de Curitiba distribuídos. Utilizando-se desta afirmação, o presente trabalho pretende analisar se os exemplares impressos, entregues gratuitamente por meio de órgãos públicos (como o Instituto Municipal de Turismo de Curitiba) e privados (hotéis, restaurantes, e outros empreendimentos), de forma que se possa verificar se há as informações básicas para que o turista consiga utilizar estes mapas de forma clara e objetiva. Ou seja, pretende-se descobrir, através da pergunta problema do trabalho, qual a funcionalidade dos mapas turísticos que são entregues gratuitamente em Curitiba para o adequado o deslocamento dos turistas. A necessidade de pesquisar este tema partiu de uma breve análise dos mapas turísticos de Curitiba, onde foi possível verificar a pouca funcionalidade que estes oferecem para o auxílio no deslocamento e como fonte de informação, com base a principio, na teoria de autores. 1 A palavra mapa será utilizada nas imagens inseridas no trabalho e depois será verificado se as mesmas podem ser classificadas dessa maneira.

7 6 Por causa da falta de itens básicos encontrados nos exemplares de Curitiba- PR, como direção, escala e distâncias e tentando se aproximar ao máximo da realidade, estes mapas podem se tornar mais funcionais para ajudar os turistas, com o simples fato de fornecerem através de informações básicas já citadas, as coordenadas adequadas para o auxilio no deslocamento. Para abordar o tema sobre os mapas aplicados à atividade turística, serão analisadas a visão de alguns autores e suas considerações, tanto no campo do turismo, como no da cartografia (em especial a cartografia temática). A maioria dos trabalhos encontrados nessa aérea relaciona a questão dos mapas turísticos, localização e informação cartográfica com base na Geografia, e muito pouco é abordado sobre esses itens no Turismo. O trabalho pretende verificar o que realmente se pode considerar e melhorar na disponibilização de mapas temáticos. A partir dos conceitos utilizados na cartografia e focando os vários temas que ela pode abordar, é que serão analisados os mapas turísticos da cidade de Curitiba- PR, com base nas informações necessárias que um mapa dessa temática dever apresentar. Considerando o turismo em Curitiba, que recebe milhões de turistas por ano (Secretária Municipal de Turismo de Curitiba, 2007) é de estrema importancia que os mapas sejam bem estruturados, claros e que auxiliem na localização dos principais pontos turísticos da cidade e seu deslocamento até eles. Pensando nisso, o trabalho pretende verificar até que ponto esses exemplos (mapas turísticos) estão sendo funcionais aos turistas que visitam a capital paranaense, se as informações desejadas estão sendo realmente passadas e compreendidas e considerando se estes exemplares podem ser realmente chamados de mapas ou classificados como outras formas de representação. Representações cartográficas podem ser consideradas como as informações de uma superfície ou aérea, sendo representada através de mapas ou cartas. De maneira simplificada, representação cartográfica são as informações contidas nos mapas, cartas, croqui, cartogramas, plantas, etc. As representações mais utilizadas e conhecidas são os mapas e as cartas. Mapas são definidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 1987) como:

8 7 A representação no plano, normalmente em escala pequena, dos aspectos geográficos, naturais, culturais e artificiais de uma área tomada na superfície de uma Figura planetária, delimitada por elementos físicos, político-administrativos, destinada aos mais variados usos, temáticos, culturais e ilustrativos. (IBGE, 1987) Já as cartas: São as representações no plano, em escala média ou grande, dos aspectos artificiais e naturais de uma área tomada de uma superfície planetária, subdividida em folhas delimitadas por linhas convencionais - paralelos e meridianos - com a finalidade de possibilitar a avaliação de pormenores, com grau de precisão compatível com a escala. (IBGE, 1987) O trabalho abordará os mapas, em especifico, os mapas temáticos da cidade de Curitiba, se os itens de classificação estão sendo seguidos de acordo com os conceitos delimitados para cada tipologia-mapa, carta ou croqui. O objetivo geral deste trabalho é identificar a funcionalidade dos mapas turísticos de Curitiba-PR como forma de deslocamento e base de informações para os turistas. Especificamente, objetiva-se: a. Reconhecer, por meio de autores de cartografia, as exigências necessárias para a construção de um mapa com temática turística; b. Avaliar a adequação na cartografia de um exemplar de mapa turístico de Curitiba. c. Propor itens importantes para a construção de futuros mapas turísticos que auxiliem de forma clara o deslocamento de turistas.

9 Metodologia Esta pesquisa tem característica exploratória, ou seja, envolve levantamentos bibliográficos, pesquisa de campo, análise de exemplos, e por fim, pretende propor novos itens importantes para a construção de futuros exemplares com base nas informações coletadas. Através de pesquisas bibliográficas de autores que abordam a temática de turismo e cartografia, serão comparadas as teorias e definições com os mapas encontrados na cidade de Curitiba-PR, oferecidos gratuitamente, em hotéis, postos de informações turísticas, restaurantes e agências de viagens. A pesquisa de campo também foi aplicada na cidade, com a finalidade de encontrar o maior número de informações possíveis, referente às dificuldades encontradas ou não pelos turistas para se deslocarem de um atrativo para o outro, tendo o mapa como única fonte de informação, e se a utilização do mesmo é freqüente durante viagens de turismo, e a mesma foi aplicada a um técnico na aérea de cartografia para que pudesse contribuir com informações mais técnicas se o exemplar atende as necessidades dos turistas. A pesquisa pretende seguir o formato qualitativo, ou seja, pretende medir os resultados, compreender e descrever a opinião dos turistas com relação aos mapas turísticos da cidade de Curitiba. Tendo como ferramenta o questionário que, segundo DENCKER (2008), têm por finalidade obter de maneira sistemática e ordenada, informações sobre as variáveis que intervêm em uma investigação em relação a uma população ou amostra determinada. Este foi aplicado em alguns atrativos turísticos da cidade de Curitiba como o Jardim Botânico, Mercado Municipal de Curitiba, e também em alguns pontos onde foi possível encontrar turistas como a Casa do Estudante Luterano de Curitiba, direcionando de 8 a 10 entrevistados por destino visitado entre os dias 21 de agosto de 2010 e 06 de setembro de 2010, totalizando 35 questionários aplicados.

10 9 2. TURISMO O turismo é uma atividade que está relacionada diretamente com a economia local assim como a sua comunidade, seus costumes e a cultura de uma determinada região, cidade ou país. Esta atividade acaba englobando várias outras que a complementam e a torna um fenômeno. Segundo Lickorish e Jenkins (2000), toda essa movimentação de pessoas e seus gastos com transporte, acomodações, serviços e outras atividades desenvolvidas para tornar uma viagem possível, formam juntos o negócio de turismo e representam o impacto econômico do turismo. O turismo pode ser caracterizado como atividade econômica, podendo ser de grande importância para o desenvolvimento de uma área, cidade ou região. Porém ele também atrai as atenções do meio acadêmico e governamental, exatamente por envolver tantas áreas e interesses. Porém não se pode pensar em turismo apenas como uma atividade econômica que beneficia as pessoas do local visitado. É preciso analisá-lo como uma forma de preservação e divulgação dos patrimônios naturais, culturais e imateriais, além de analisar o turista em si, que vê nessa ação de viajar, sair do ambiente de trabalho, descansar com a família ou amigos, como um ato merecedor de todo o seu esforço durante o ano, uma recompensa pela sua dedicação do dia a dia no trabalho, com a família, na escola, etc. Pode-se classificar como produto do turismo, a combinação de todos os serviços necessários que o viajante busca ou compra, para que a sua viagem se torne possível, porém é necessário buscar outras definições sobre o turismo. Para a Organização Mundial do Turismo (OMT) a atividade se define da seguinte forma: Turismo pode ser compreendido pelas atividades que as pessoas realizam durante viagens e estadas em lugares diferentes do seu entorno habitual, por um período inferior a um ano, com finalidade de lazer, negócios ou outras. (OMT, 2001) Barreto (2000) afirma que há vários elementos importantes para definir exatamente o que é turismo, um desses fatores, é a procura do prazer por parte dos turistas. A mesma define o turismo como um ato livre e espontâneo da pessoa que procura prazer, uma atividade realizada sem nenhum tipo de obrigação.

11 10 O que se pode perceber, é que na maioria das definições de vários autores, o que sempre é citado é a questão do prazer que o turista tem ao viajar, ter o seu momento de lazer. Para Trigo (1998, p.11), turismo se define como: O turismo faz parte de um universo maior denominado lazer. Entende-se por lazer todas as atividades desenvolvidas fora do sistema produtivo (trabalho), das obrigações sócias, regionais e familiares. O mesmo autor, também acredita na viagem motivada pelo prazer, porém enumera outras fontes de motivação, e as citas, sendo elas: a) Congressos, feiras e convenções; b) Negócios ou reuniões técnicas e profissionais; c) Eventos esportivos, políticos ou sociais; d) Religião; e) Saúde; f) Finalidade artística ou cultural. Outra visão, destacada por Lickorish e Jenkins (2000), enumera cinco importantes motivos para viajar. Variando de acordo com cada país, são elas: 1 - Educação (os autores acreditam em uma conexão entre o nível de educação e a curiosidade cultural da pessoa no qual a motiva a viajar); 2 - Urbanização (nota-se que a maioria dos turistas internacionais mora em aéreas urbanas); 3 - Marketing (a promoção como estimulante para conhecer determinado destino); 4 - Indústria de viagens (operadoras e agências de viagens exercem uma influência considerável na tomada de decisão de férias); 5 - Atrações do destino (o turista em potencial opta por um destino em detrimento do outro, motivacionado pelos atrativos que são oferecidos). Assim como se podem enumerar os motivos pelo quais os turistas fazem suas viagens, é possível também enumerar as formas de turismo. Os mesmos autores citados as distinguem em três formas:

12 11 I - Turismo doméstico, envolvendo residentes de um dado país que viajam apenas dentro desse país; II - Turismo receptivo, envolvendo não-residentes que chegam para visitar um dado país. III - Turismo exportativo, envolvendo residentes que viajam para visitar outro país. Em Curitiba não é diferente. Há vários motivos pelo qual a cidade recebe milhares de turistas ao longo do ano, incluindo os citados acima. A cidade vem aumentando ano a ano o seu número de visitantes, provenientes de vários lugares do país e até mesmo do mundo. Curitiba atrai atenção dos turistas com seus parques, sua cultura, sua organização nos transportes e outros vários itens que a colocam como uma das cidades brasileiras mais visitadas. Em qualquer destino do mundo, e até mesmo em Curitiba, notamos que quando o turista escolhe um destino para visitar, ele se dispõe a deixar seu ambiente habitual e deslocar-se para outro. Independente da motivação que o leva a fazer turismo, entende-se que é necessário e fundamental esse deslocamento. Porém Barreto (2000, p.44) afirma que: Também é preciso diferenciar viagem de outro tipo de deslocamento. O homem primitivo migrava, procurando melhores condições para seu sustento, caça e árvores frutíferas. Isso não é o mesmo que viajar. Viajar implica voltar, e o homem primitivo ficava no novo lugar desde que este lhe garantisse o sustento. Ele não tentava retornar. Muitos povos viveram, durante séculos, de forma nômade, o que tampouco tem a ver com viagens ou turismo. O deslocamento que se quer focar neste trabalho é o realizado na atividade turística, ou seja, temporário, que como já mencionado implica em voltar, diferente do deslocamento conhecido pelo homem desde o começo dos tempos, quando se viu a necessidade de se deslocar para buscar mercadorias (comércio). É a partir desse principio de deslocamento que se começa a relacionar a cartografia com o turismo. No Egito Antigo, já havia pessoas que se deslocavam motivadas pelas belezas das pirâmides e passeios pelo rio Nilo, ou seja, já se usava dessa união para chegar ao lugar desejado, através de mapas da época que os auxiliavam no deslocamento.

13 12 Um exemplo mais atual dessa união, citada por Oliveira (2005), é encontrado no planejamento turístico. A cartografia auxilia nas formas de comunicação com os turistas, como em folhetos de divulgação, placas informativas e os mapas, que devem orientar as pessoas na localização de objetos e lugares de interesse. O autor ainda aponta como sendo extremamente útil esse auxílio nas etapas de diagnósticos, implementação e de avaliação de uma atividade turistica, ou seja, durante todo o processo de planejamento turístico. No próximo capitulo serão abordados informações e conceitos com relação à cartografia.

14 13 3. CARTOGRAFIA A cartografia veio agrupando, ao longo dos tempos, mudanças que auxiliaram o desenvolvimento de novas técnicas, (o avanço da tecnologia trouxe a possibilidade do uso de computadores, satélites e fotos aérias) colocando-a como um importante instrumento de pesquisa para várias atividades. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a palavra cartografia foi registrada pela primeira vez no Brasil em 1839, mas somente em 1964, no XX Congresso Internacional de Geografia, é que foi elaborada uma das definições mais completas, a da Associação Cartográfica Internacional (ACI), onde cartografia se define da seguinte forma: Conjunto de estudos e operações cientificas, artísticas e técnicas, baseado nos resultados de observações diretas ou indiretas de documentação, com vistas e elaboração e preparação de cartas, projetos e outras formas de expressão assim como sua utilização. Ainda na compreensão sobre cartografia, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) define como sendo também a arte de levantamento, construção e edição de mapas e cartas de qualquer natureza. Segundo Ladeira (2004, p.8): A cartografia é, portanto, ao mesmo tempo, uma ciência, uma técnica e uma arte que engendram as atividades de levantamento de campo, de pesquisa bibliográfica, impressão e publicação final do mapa concebido. Durante o presente trabalho, serão abordados vários autores do campo da cartografia, o primeiro, Joly (2003) a define como a arte de conceber, levantar, redigir e de divulgar os mapas Mapas A cartografia apóia-se basicamente no instrumento central desse trabalho, o mapa. Nogueira (2000, p.32) afirma que: O mapa é uma forma de comunicar um conhecimento que se efetiva somente se o usuário, o leitor do mapa, conseguir obter tal conhecimento ao lê-lo.

15 14 Os primeiros mapas surgiram antes mesmo da escrita, como forma de mostrar áreas onde era possível caçar, pescar ou somente marcar o caminho de volta para casa. Os mapas foram evoluindo de acordo com os tempos. Observando as imagens exemplificadas nas figuras abaixo, pode-se perceber de forma bem clara essa evolução. Figura 1 - Mapa Mundi de 1500 de Juan de La Cosa Figura 2 - Evolução dos Mapas Mapa Mundi Atual Fonte: Só História 2010 Fonte: Portal do Professor 2010 Figura 3 - América do Sul em 1558 de Diogo Homem Figura 4 - América do Sul Atual Fonte: Só História 2010 Fonte: Argentour 2010

16 15 Desde os primeiros mapas exemplificados de maneira simples, onde se pode perceber como as noções de espaço e o passar dos anos contribuíram para a evolução dos mapas até os mapas atuais, surgem várias discussões com relação às representações cartográficas e suas funcionalidades. Para Joly (2003) a qualidade de um mapa se dá através de sua precisão. Ele considera um mapa preciso, quando as representações seguem rigorosamente a realidade, alegando ainda que um mapa deve ser exato e fiel. Exato é quando um mapa está isento de qualquer erro de documentação, de localização ou interpretação. E fiel é quando contem de uma maneira correta e de acordo com a realidade, todos os levantamentos compatíveis com sua escala e seu objetivo. Esse mesmo autor ainda traduz os mapas como uma representação geométrica, simplificada e convencional de uma parte da superfície ou toda ela, numa relação de similitude conveniente chamada escala Escalas Existem vários componentes dentro da cartografia que são de extrema importância para garantir a qualidade e a eficiência de um mapa. Dentre eles o que ganha maior importância, na opinião de vários autores, é a escala. Para Fitz (2000, p.17) Pode-se definir escala como sendo a relação ou proporção existente entre as distâncias lineares existentes em um mapa, e aquelas representadas no terreno, ou seja, na superfície real, respectivamente. Existem basicamente dois tipos de escalas que podem ser usadas na confecção de mapas. A escala gráfica que de acordo com Fitz (2000) é representada por uma linha ou barra (régua) subdividida. Cada divisão pode ser denominada talões e cada talão representa uma medida ou comprimento correspondente a um terreno. É muito utilizada em mapas digitais. Na Figura 5, por exemplo, cada intervalo corresponde a 1 cm no mapa. Na escala numérica, o mesmo autor a define como uma fração, onde o numerador representa a unidade correspondente a distancia medida no mapa e o denominador a distância correspondente no terreno. Quanto maior o denominador, mais reduzida é a escala.

17 16 Figura 5 - Escala Gráfica Fonte: Portal Geo 2008 Na TABELA 1, vemos as principais vantagens e desvantagens no uso de cada uma das escalas TABELA 1 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE AS ESCALAS ESCALA GRÁFICA ESCALA NUMÉRICA Vantagens Desvantagens Vantagens Desvantagens Mantêm-se a proporcionalidade Menor precisão/rigorosa Maior precisão/rigorosa Imprópria para reduções, ampliações quando surgem reduções, ampliações Fonte: Com base em Professor Paulinho,2010 Na TABELA 2, são feitas algumas comparações entre a utilização de cada uma das escalas citadas acima, inclusive com exemplos de como é melhor utilizar cada uma delas em determinado tipo de aplicação, que depende do nível de precisão de cada projeto (mapas e plantas).

18 17 TABELA 2 - COMPARAÇÃO ENTRE AS ESCALAS Aplicação Área representada Tamanho da escala Planta da casa 1:100/1:200 Grande escala Planta de arruamentos Planta de bairros de cidades, aldeias. Mapas de grandes propriedades (rurais ou industriais), província, região. Mapas de estados, países, continentes, Mundo 1:500/ :1.000/1:2.000/1: /1:25.000/1:50.000/ 1:75.000/1: : / 1: / / 1: Fonte: Com base em Professor Paulinho,2010 (Escala igual ou superior a 1/ ) Pequena escala (Escala inferior a 1/ ) Nível de análise (nº e qualidade dos pormenores Nível de análise é maior (muitos pormenores) Nível de análise é menor (poucos pormenores) Quantidade de território representado Reduzido (menor área representada) escala descritiva Elevado (maior área representada) Escala explicativa Fitz (2000, p.17) ainda aborda a questão dos erros que ocorrem na construção dos mapas em relação a sua escala. Estes erros estão relacionados ás formas de confecção e a qualidade do material impresso. Além da incerteza da origem das informações, da qualidade da mão-de-obra e dos equipamentos que geraram o produto final, tem-se a possibilidade de deformação da folha impressa. Um exemplo desse fato foi mencionado em um portal de noticias em 14/04/2010. O programa Google Earth teve uma falha com a localidade de algumas cidades da América do Sul devido a uma falha da escala utilizada no mapeamento dessa região. A notícia ainda aponta um erro de mais de 2 km com relação às fronteiras do Chile e da Argentina. Na Figura 6, a cidade de Villa O higgins aparece com parte do seu território na Argentina (a Argentina fica à direita da linha amarela).

19 18 Figura 6 - Imagem Google Earth Fonte: Globo.com Além das escalas, outros itens também devem ser levados em consideração pelos cartógrafos na formação de um mapa: as imagens utilizadas, cores e legendas. Alguns desses símbolos e cores são convenções, ou seja, no mundo inteiro utiliza-se o mesmo símbolo e/ou cor para representar a mesma coisa. Exemplos: rios, aeroportos, estradas de ferro, rodovias, etc. Em outros casos, símbolos e cores são definidos pelo cartógrafo, sempre buscando facilitar a identificação dos elementos e fenômenos mapeados (ALMEIDA, FIORI E GUERRERO, 2007, p.34). Quanto maior a clareza destes itens, mais fácil à compreensão dos usuários de mapas para o seu deslocamento.

20 Croqui Em alguns casos a termologia mapa é usada em outros tipos de informações de forma errada. Um exemplo desse caso, observado por Fitz, é com relação aos croquis. Muitas vezes utiliza-se o termo croqui para uma representação superficial do terreno, ou seja, um desenho apresentando um esboço da topografia de uma determinada região. Esta forma de representação deve ser encarada e enquadrada como um levantamento expedito, com pouca precisão. (FITZ 2000, p.32) Essas representações nada mais são que ilustrações simbólicas de algumas localidades. Na maioria dos casos, essas imagens não apresentam nenhum elemento cartográfico que o possa qualificar como mapa. A Figura 7 é um croqui de alguns bairros da cidade de São Paulo, ilustrada pelos cartunistas Geep e Maia. Apesar da qualidade da ilustração, não pode ser considerado um mapa, já que não apresenta nenhum item cartográfico. Figura 7 - Croqui de Geep e Maia da cidade de São Paulo Fonte: Gep Pemania

21 Cores, Legendas e Imagens Assim como a escala em um mapa tem uma grande responsabilidade e significado, as imagens, cores e legendas também. Esses itens que auxiliam a leitura do mapa precisam ser claros e de entendimento universal. Conforme Joly (2003) cita em seu livro, um mau uso dessa simbologia cartográfica (legendas, imagens e cores) pode levar a um grave erro de interpretação. O autor ainda compara que a importância da simbologia está para os mapas assim como a gramática está para a língua escrita, estabelecendo-se as regras e os princípios. Porém é preciso tomar um cuidado com relação a essa simbologia, levando em consideração a cultura de determinada região ou país em que se pretende utilizar o mapa. Com relação às imagens, também pode ser estabelecido um padrão, que será entendido por qualquer leitor. O autor Joly (2003) classifica os símbolos de várias formas: 1 - Sinais convencionais são esquemas gráficos localizados com base na posição real do objeto ou elemento representado, que permitem que este seja identificado mesmo que sua superfície, na escala, seja muito pequena; 2 - Sinais simbólicos são signos que trazem a lembrança do objeto real, localizados ou cuja posição é facilmente determinável; 3 - Pictogramas são símbolos figurativos facilmente reconhecíveis; 4 - Ideogramas constituem um pictograma representativo de um conceito ou uma idéia; 5 - Símbolo regular vem a ser um conjunto constituído pela repetição regular de um elemento gráfico sobre uma superfície delimitada; 6 - Símbolo proporcional é um símbolo que representa a quantidade cujo tamanho varia de acordo com o valor do que está sendo representado.

22 21 A Figura 8 está exemplificando os tipos de sinais e símbolos utilizados na confecção de mapas turísticos, descrito nos itens acima. Figura 8 - Símbolos cartográficos Fonte: Geografia e cartografia para o Turismo, Com relação às legendas, o IBGE (2006) as define como uma lista explicativa das convenções gráficas adotadas nas representações dos fenômenos representados nos mapas, ou seja, ela permite a interpretação de cada informação ou imagem contida nos mapas. Sendo assim, a legenda se torna item fundamental na construção de um mapa, já que é através dela que é realizada parte da interpretação e leitura do mesmo. A seguir serão apontadas as relações e entre a cartografia e o turismo.

23 22 4. RELAÇÕES ENTRE CARTOGRAFIA E TURISMO É de longa data a relação entre turismo e cartografia. Hoje se pode encontrar essa união no planejamento turístico, tendo como exemplo o mapeamento de antigas e futuras áreas turísticas, sinalização turística e confecção de mapas turísticos. No turismo, os mapas se definem como turísticos, classificação abordada no campo da cartografia temática. De uma maneira geral, diz-se que a cartografia temática preocupa-se com o planejamento, execução e impressão final, ou plotagem de mapas temáticos. Para se obter um bom resultado em um mapa temático, alguns preceitos devem ser respeitados e, como estes mapas baseiam-se em mapas pré-existentes, deve-se ter um conhecimento preciso das características da base de origem. (FITZ 2000, p.51). Os mapas temáticos ganham uma atenção especial nos detalhes já que estes são os mais utilizados e devem apresentar características que possam ser claramente entendidas por qualquer pessoa, inclusive os turistas. Joly define o objetivo da cartografia temática como: O objetivo dos mapas temáticos é o de fornecer, com o auxílio de símbolos qualitativos e/ou quantitativos dispostos sobre uma base de referencias extraída dos mapas topográficos ou dos mapas de conjunto, uma representação convencional dos fenômenos localizáveis de qualquer natureza e de suas correlações. (JOLY, 2003, p.75) No caso dos mapas temáticos alguns itens acabam ganhando um cuidado especial com relação aos demais mapas. De acordo com Fitz, não somente o mapa temático, mas como outro qualquer deve dar importância a tais elementos para que se torne fácil o entendimento para o usuário. O autor ainda destaca em seu livro alguns elementos que merecem destaque na construção de um mapa temático. 1) O titulo do mapa: realçado, preciso e conciso; 2) As convenções utilizadas;

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas.

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas. CARTOGRAFIA Cartografia (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. Joly (1990, p. 7) considera a cartografia como:

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital)

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Demanda Turística de Curitiba Estudo do perfil, comportamento e opinião dos turistas que visitam a capital paranaense, inclusive em eventos geradores

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO 6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO Este capítulo apresenta uma metodologia para a elaboração de projeto de sinalização de orientação de destino cujas placas são tratadas nos itens 5.2, 5.4,

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO.

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. INTRODUÇÃO Criar um site sobre as ciclovias da cidade de Curitiba. A idéia surgiu no ano de 2010 a partir de uma conversa entre alguns colaboradores

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL 1 Natal, julho de 2015 Sumário 1. ASPECTOS TÉCNICOS... 3 2. SÍNTESE DOS RESULTADOS... 4 Presentes... 4 Gastos... 4 Local e quando compra... 4 Estratégias... 5 Passeio... 5

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres.

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. Assunto Turismo SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos IT 508 - Cartografia Temática Representação cartográfica: Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos Profa.. Juliana Moulin Segundo os métodos padronizados, conforme o uso das variáveis

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Nádia Pinheiro Dini 1 Resumo: Nesse artigo, apresentam-se vários fatores que podem ser considerados ao se divulgar

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHMIDT, Kelly Raquel; RAMOS, Maria da Graça

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN Rejane dos Santos Dantas¹; Robson Garcia da Silva²; rsdbiosl@bol.combr¹; robson.garcia@ifrn.edu.br²;

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA:

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: Modelo de Capa ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA DO BRASIL - SOEBRAS FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: modelo apresentado para

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

SESI Empreendedorismo Social

SESI Empreendedorismo Social SESI Empreendedorismo Social 9ª Edição 2014 Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 06.02.15 EDITORIA: ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo GOVERNADOR DO ESTADO ROBERTO REQUIÃO SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO CELSO DE SOUZA CARON DIRETOR GERAL/ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DARCY CARON ALVES COORDENADORA

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 Erika Gisele Lotz. Universidade Tuiuti do Paraná e Faculdades Spei Curitiba R. General Aristides Athaide Jr. 414 apto. 308 Curitiba

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro.

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. E.E. Prof. José Pereira Éboli Sala 12 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Meire Regina de Almeida Siqueira Maria Regina Nunes de Campos Realização:

Leia mais

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional 40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional Essas 40 dicas são ótimas e assino embaixo. Foram passadas para mim pelo amigo Luiz Rodrigues, aluno também do Curso Online de Design Web. A fonte

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais