Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro"

Transcrição

1 Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência de Informações do Agronegócio SUINF Responsáveis Técnicos: JORGE LULU MARINA ROLIM BILICH Gerência de Geotecnologias GEOTE ANDRÉ LUIZ FARIAS DE SOUZA FREITAS ÂNGELA MARIA HOFMANN DIVINO CRISTINO DE FIGUEIREDO GISELE MARTINS AMARAL JOAQUIM GASPARINO NETO PATRÍCIA MAURICIO CAMPOS ROGÉRIO ALVES BARBOSA DA SILVA WENDEL NEIVA MARTINS LAGO Colaboradores Superintendência de Gestão da Oferta SUGOF Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras GEASA Ficha Catalográfica: EQUIPE DA BIBLIOTECA (05) C743b Companhia Nacional de Abastecimento. Boletim agroclimático para avaliação de impactos nas culturas : trimestre 2008 : outubro, novembro e dezembro / Companhia Nacional de Abastecimento. Brasília : Conab, p. Previsão de safra. II. Climatologia. III. Agricultura. IV. Título.

3 Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

4

5 AGRADECIMENTOS À Superintendência de Gestão da Oferta (Sugof) e à Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras (Geasa) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), por terem gentilmente prestado informações a respeito de todas as culturas citadas no presente boletim.

6

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DO BOLETIM ANTERIOR (TRIMESTRE 2008: JULHO, AGOSTO E SETEMBRO) MÉDIA HISTÓRICA DE PRECIPITAÇÃO ACUMULADA E TEMPERATURA MÉDIA DO AR NO TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO NO BRASIL PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O BRASIL NO TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE ANÁLISE SUBJETIVA DOS IMPACTOS SOBRE AS PRINCIPAIS CULTURAS AGRÍCOLAS DO BRASIL EM FUNÇÃO DO PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE Aveia Centeio Cevada Trigo Triticale Algodão Amendoim 1 a safra Arroz Feijão 1 a safra Girassol 1 a safra Mamona Milho 1 a safra Soja Sorgo 1 a safra Cana-de-açúcar Café Citros Mandioca CONSIDERAÇÕES FINAIS ALERTA SOBRE O USO DO BOLETIM AGROCLIMÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NAS CULTURAS REFERÊNCIAS...37

8

9 1. INTRODUÇÃO O presente boletim, elaborado pela Gerência de Geotecnologias (GEOTE) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foi baseado no prognóstico climático oficial elaborado em consenso entre o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e diversos Centros Estaduais de Meteorologia, para estabelecer os graus de impacto nas principais culturas agrícolas do país praticadas no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 (algodão, amendoim 1 a safra, arroz, feijão 1 a safra, girassol 1 a safra, mamona, milho 1 a safra, soja, sorgo 1 a safra, aveia, centeio, cevada, trigo, triticale, cana-de-açúcar, café, citros e mandioca), visando auxiliar os operadores do calendário agrícola tanto no planejamento como no monitoramento da safra. Os possíveis cenários das culturas foram definidos conforme o grau de severidade/favorecimento, atribuindo-se valores entre -3 a + 3 para as possibilidades descritas no Quadro 1 e ilustrando estes graus de impacto por cultura e por estado produtor no mapa do Brasil (Figuras 3 a 20). Esses valores de impacto são estimativas subjetivas sobre a produtividade de uma dada cultura quando submetida a um dado regime de chuva e temperatura, considerando as diferentes fases de crescimento da planta. Embora os efeitos da abundância de chuvas possam diferir entre as culturas, em geral a maior disponibilidade hídrica tem um impacto positivo sobre os cultivos, favorecendo a produtividade. Ao contrário, caso a expectativa de chuva acumulada no período seja inferior à média histórica, pode-se esperar também impactos diferenciados conforme as etapas do ciclo de desenvolvimento das culturas. Quadro 1 Correspondência entre grau de impacto e cenário para as culturas agrícolas. Grau de impacto Cores da legenda Cenário -3 Severidade alta -2 Severo -1 Severidade baixa 0 Sem impacto 1 Ligeiramente favorável 2 Favorável 3 Muito favorável 7

10 2. AVALIAÇÃO DO BOLETIM ANTERIOR (TRIMESTRE 2008: JULHO, AGOSTO E SETEMBRO) O prognóstico climático para o trimestre julho, agosto e setembro de 2008 mostrou a possibilidade de ocorrer chuva e temperatura abaixo da média histórica na região Sul (PR, SC e RS), podendo causar alguma severidade para as culturas de inverno em fase de enchimento de grãos e maturação (aveia, centeio, cevada, milho safrinha, trigo e triticale). No caso das culturas de verão (amendoim, arroz, feijão e soja), além da mandioca, poderia haver alguma severidade ou um pequeno atraso do plantio nos três estados da região Sul, também devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica no trimestre julho, agosto e setembro. Contudo, mesmo com chuvas e temperatura ligeiramente abaixo da média histórica, a precipitação acumulada no trimestre e as temperaturas foram suficientes para atender as necessidades térmicas e hídricas das culturas de inverno e de verão, não afetando significativamente a produção e nem atrasando o plantio das culturas de verão. Ao contrário, este prognóstico para a região Sul apontou a possibilidade de favorecimento para a colheita e a secagem do café no PR, para o acúmulo de sacarose na cultura da cana-de-açúcar em final de ciclo e para o aumento dos teores de sólidos solúveis totais e de ácidos nos frutos da cultura de citros, o que realmente ocorreu. As culturas do algodão e do girassol em final de ciclo não deveriam sofrer nenhum impacto, pois suas colheitas se concentrariam no mês de julho, o que também foi verificado. Condições favoráveis poderiam ocorrer em alguns estados das regiões Nordeste e Norte para algumas culturas de verão como milho, amendoim, arroz, feijão, soja e mandioca, pois o prognóstico foi de chuvas acima da média histórica na porção norte da região Norte e no leste da região Nordeste, fato também constatado. Nos estados produtores de mamona da região Nordeste (PE, RN e PB), o prognóstico de chuvas acima da média histórica (porção leste desta região) poderia causar alguma severidade para essa cultura devido ao excesso de chuvas que retarda a secagem e prejudica a qualidade do produto. Porém, nenhum prejuízo significativo foi observado para a cultura da mamona. Nas demais regiões do país, não deveria ocorrer impacto nas culturas agrícolas devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica para o trimestre julho, agosto e setembro, o que realmente ocorreu. 8

11 9

12 3. MÉDIA HISTÓRICA DE PRECIPITAÇÃO ACUMULADA E TEMPERATURA MÉDIA DO AR NO TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO NO BRASIL De acordo com a média histórica de precipitação acumulada no Brasil no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 1), as maiores quantidades de chuva (acima de 700 mm) ocorrem em algumas porções dos estados de MG, GO, MT, PA, RO, AM e AC. As menores quantidades de chuva (abaixo de 50 mm) ocorrem em algumas porções dos estados do PI, CE, RN e PB. Observando a média histórica de temperatura média do ar no Brasil no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 1), as temperaturas médias mais elevadas (acima de 27ºC) ocorrem em algumas porções dos estados do MS, MT, PE, RN, CE, PI, PA, AP, AM e RR. As temperaturas médias mais baixas (abaixo de 19ºC) ocorrem em algumas porções de MG, SP, PR, SC e RS. (a) (b) Figura 1 Média histórica (período de 1961 a 1990), conhecida como normal climatológica, da precipitação acumulada em mm (a) e da temperatura média em ºC (b) para todo o Brasil no trimestre outubro, novembro e dezembro de Fonte: CPTEC/INPE. 10

13 4. PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O BRASIL NO TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2008 Os prognósticos climáticos para um determinado período são baseados nos dados históricos registrados. A previsão probabilística da precipitação acumulada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, dividida em tercis (probabilidade em porcentagem de ocorrer chuva acima da média histórica, próxima da média histórica ou abaixo da média histórica), elaborada em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia, é apresentada na Figura 2. Figura 2 Previsão probabilística (em tercis) de consenso da precipitação acumulada para o trimestre outubro, novembro e dezembro de Fonte: CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 11

14 A previsão climática de ocorrência de precipitação para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 no Brasil (Figura 2) indica maior probabilidade de ocorrência de totais pluviométricos nas categorias normal a acima da média histórica na porção norte da região Norte, na região Sudeste e em parte da região Centro-Oeste. Na maior parte da região Sul, a distribuição de probabilidades indica chuvas em torno a abaixo da média histórica. Nas demais áreas do país, a maior probabilidade é de chuvas em torno da média histórica. É importante ressaltar a baixa previsibilidade da pluviometria na região central do Brasil e a possibilidade de atraso do início da estação chuvosa nestas áreas. Mantém-se a maior probabilidade de ocorrência de temperaturas próximas à média histórica no centro-norte do Brasil. Nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, a maior probabilidade é de temperaturas entre as categorias normal e acima da média histórica durante a primavera. Um breve resumo das previsões de chuva e também de temperatura para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 nas cinco regiões brasileiras é apresentado no Quadro 2. Quadro 2 Previsões de chuva e de temperatura out - dez Região Previsão Climática Chuva: Entre as categorias normal e acima da média histórica no norte da região Norte. Nas demais áreas, a previsão é de Norte normalidade das chuvas. Temperatura: Em torno da média histórica. Chuva: Próximas à média histórica, com exceção do sul do estado Nordeste da BA. Temperatura: Em torno da média histórica. Chuva: Entre as categorias normal e acima da média histórica em quase toda a região Centro-Oeste, com exceção do centro-norte Centro-Oeste do estado do MT. Temperatura: Normal a acima da média histórica na maior parte da região Centro-Oeste. Chuva: Entre as categorias normal e acima da média histórica em toda a região Sudeste. Sudeste Temperatura: Normal a acima da média histórica na maior parte da região Sudeste. Chuva: Próxima a abaixo da média histórica em quase toda a região Sul, com exceção do norte do estado do PR. Sul Temperatura: Normal a acima da média histórica na maior parte da região Sul. Fonte: CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 12

15 5. ANÁLISE SUBJETIVA DOS IMPACTOS SOBRE AS PRINCIPAIS CULTURAS AGRÍCOLAS DO BRASIL EM FUNÇÃO DO PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2008 O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, produto do consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia, foi utilizado para avaliar os graus de impacto sobre as principais culturas agrícolas praticadas no país nesse período: algodão, amendoim 1 a safra, arroz, feijão 1 a safra, girassol 1 a safra, mamona, milho 1 a safra, soja, sorgo 1 a safra, aveia, centeio, cevada, trigo, triticale, cana-de-açúcar, café, citros e mandioca. Esta análise foi feita pela Gerência de Geotecnologias (GEOTE) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para ilustrar os graus de impacto do prognóstico climático sobre as principais culturas praticadas no Brasil no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, a escala numérica desses graus de impacto apresentada no Quadro 1 foi transformada em escala de cores para todos os estados do país (Figuras 3 a 20). IMPORTANTE: Os impactos nas diferentes culturas são análises subjetivas baseadas no prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, podendo haver alterações positivas ou negativas nos impactos previstos. Um exemplo seria se chovesse exatamente no momento certo para determinada cultura, mesmo havendo o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica para o trimestre todo, resultando num favorecimento para esta cultura. Outro exemplo seria a falta de chuvas exatamente no momento em que determinada cultura necessitaria de água, mesmo havendo o prognóstico de chuvas acima da média histórica para o trimestre todo, resultando em severidade para esta cultura Aveia A cultura da aveia, praticamente colhida no estado do PR, e em fase final de colheita nos estados do RS e SC, não deverão sofrer impacto devido ao regime de chuvas, cuja média histórica é de aproximadamente 400 mm no trimestre outubro, novembro e dezembro nesses estados (Figura 3). 13

16 Figura 3 Graus de impacto previstos para a cultura da aveia praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Centeio A cultura do centeio, praticamente colhida no estado do PR, e em fase final de colheita nos estados do RS e SC, não deverão sofrer impacto devido ao regime de chuvas, cuja média histórica é de aproximadamente 400 mm no trimestre outubro, novembro e dezembro nesses estados (Figura 4). 14

17 Figura 4 Graus de impacto previstos para a cultura do centeio praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Cevada A cultura da cevada, praticamente colhida nos estados do PR e GO, e em fase final de colheita nos estados do RS e SC, não deverão sofrer impacto devido ao regime de chuvas, cuja média histórica é de aproximadamente 400 mm nos estados do PR, SC e RS e 550 mm em GO no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 5). 15

18 Figura 5 Graus de impacto previstos para a cultura da cevada praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Trigo A cultura do trigo, praticamente colhida nos estados do PR, SP, GO e DF, e em fase final de colheita nos estados do RS e SC, não deverão sofrer impacto devido ao regime de chuvas, cuja média histórica é de aproximadamente 400 mm nos estados de SP, PR, SC e RS e 550 mm em GO e DF no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 6). 16

19 Figura 6 Graus de impacto previstos para a cultura do trigo praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Triticale A cultura do triticale, praticamente colhida nos estados do PR e SP, e em fase final de colheita nos estados do RS e SC, não deverão sofrer impacto devido ao regime de chuvas, cuja média histórica é de aproximadamente 400 mm no trimestre outubro, novembro e dezembro nesses estados (Figura 7). 17

20 Figura 7 Graus de impacto previstos para a cultura do triticale praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Algodão A cultura do algodão em fase final de colheita nos estados do CE, PB, PE e AL, e em fase de plantio nos estados de TO, MA e PI, não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados de MS, GO, DF, MG e SP, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, a cultura do algodão em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centrosul do PR, a cultura do algodão em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo 18

21 devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm na região no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 8). Figura 8 Graus de impacto previstos para a cultura do algodão praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Amendoim 1 a safra A cultura do amendoim 1 a safra em fase de plantio nos estados do MS, GO e SP, além da porção centro-norte do PR, poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e no estado do RS, a cultura do amendoim 1 a safra em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao 19

22 prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 9). Figura 9 Graus de impacto previstos para a cultura do amendoim 1 a safra praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Arroz A cultura do arroz em fase final de colheita no estado de RR não deverá sofrer nenhum impacto com o prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Também não deverá haver impacto para a cultura do arroz em fase de plantio nos estados de RO, AC, AM, PA, TO, MA, PI, AL e SE, pois o prognóstico é de chuvas e temperatura próximas à média 20

23 histórica. Nos estados de MS, GO, DF, MG, ES, RJ e SP, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, a cultura do arroz em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e nos estados de SC e RS, a cultura do arroz em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 10). Figura 10 Graus de impacto previstos para a cultura do arroz praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 21

24 5.9. Feijão 1 a safra A cultura do feijão 1 a safra em final de ciclo no estado de RR poderá ser favorecida com o prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados do MA e PI não deverá haver impacto para a cultura do feijão 1 a safra em fase de plantio, devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados do MS, GO, DF, MG, ES, RJ e SP, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, a cultura do feijão 1 a safra em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e nos estados de SC e RS, a cultura do feijão 1 a safra em fase de plantio poderá sofrer um impacto bastante negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro, visto que a cultura do feijão possui um ciclo muito curto e necessita de água durante praticamente todas as fases de seu desenvolvimento (Figura 11). 22

25 Figura 11 Graus de impacto previstos para a cultura do feijão 1 a safra praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Girassol 1 a safra A cultura do girassol 1 a safra em fase de plantio na porção sul da BA e na porção centro-norte do PR poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e no estado do RS, a cultura do girassol 1 a safra em fase de enchimento de grãos poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 12). 23

26 Figura 12 Graus de impacto previstos para a cultura do girassol 1 a safra praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Mamona A cultura da mamona em fase final de colheita nos estados do PI, CE, RN, PB e PE não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados de GO, MG e SP, além do sul da BA e centro-norte do PR, a cultura da mamona em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centrosul do PR, a cultura da mamona em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm na região no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 13). 24

27 Figura 13 Graus de impacto previstos para a cultura da mamona praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Milho 1 a safra A cultura do milho 1 a safra em fase de plantio nos estados de RO, AC, AM, PA, TO, MA, PI e PE não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados do MS, GO, DF, MG, ES, RJ e SP, além do sul da BA, centro-sul do MT e centronorte do PR, a cultura do milho 1 a safra em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e nos estados de SC e RS, a 25

28 cultura do milho 1 a safra em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 14). Figura 14 Graus de impacto previstos para a cultura do milho 1 a safra praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Soja A cultura da soja em fase final de colheita no estado de RR não deverá sofrer nenhum impacto com o prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Também não deverá haver impacto para a cultura da soja em fase de plantio nos estados de RO, AM, TO, MA e PI, 26

29 pois o prognóstico é de chuvas e temperatura próximas à média histórica. Nos estados de MS, GO, DF, MG e SP, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, a cultura da soja em fase plantio poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do PR e nos estados de SC e RS, a cultura da soja em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 15). Figura 15 Graus de impacto previstos para a cultura da soja praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 27

30 5.14. Sorgo 1 a safra A cultura do sorgo 1 a safra em fase de plantio no estado do MS e na porção sul do estado da BA poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. No estado do RS, a cultura do sorgo 1 a safra em fase de plantio poderá sofrer um impacto negativo devido ao prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesse estado no trimestre outubro, novembro e dezembro (Figura 16). Figura 16 Graus de impacto previstos para a cultura do sorgo 1 a safra praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 28

31 5.15. Cana-de-açúcar A cultura da cana-de-açúcar nos estados de RO, AC, AM, PA, TO, MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL e SE, além do centro-norte do MT e da BA, não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro. A cultura da cana-de-açúcar que estiver em fase de plantio ou desenvolvimento vegetativo nos estados de RR, AP, MS, GO, DF, SP, MG, RJ e ES, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados de SC e RS e na porção centro-sul do estado do PR, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro, poderá favorecer apenas as lavouras de cana-de-açúcar que estiverem em final de ciclo devido ao acúmulo de sacarose no colmo (Figura 17). 29

32 Figura 17 Graus de impacto previstos para a cultura da cana-de-açúcar praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Café A cultura do café em fase de vegetação e formação da gemas vegetativas nos estados de RO, AC, AM, PA, CE e PE, além do centro-norte do MT e da BA, não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados do MS, GO, DF, SP, MG, RJ e ES, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, a cultura do café em fase de vegetação e formação da gemas vegetativas poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Na porção centro-sul do estado do 30

33 PR, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm na região no trimestre outubro, novembro e dezembro, poderá afetar as gemas e a produção do ano seguinte da cultura do café em fase de vegetação e formação da gemas vegetativas (Figura 18). Figura 18 Graus de impacto previstos para a cultura do café praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia Citros A cultura de citros em fase de maturação e colheita nos estados de RO, AC, AM, PA, TO, MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL e SE, além do centro-norte do MT e da BA, não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno 31

34 da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro. A cultura de citros em fase de maturação e colheita nos estados de RR, AP, MS, GO, DF, SP, MG, RJ e ES, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, também não deverá sofrer nenhum impacto significativo devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados de SC e RS e na porção centro-sul do estado do PR, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro, poderá favorecer a cultura de citros em fase de maturação e colheita devido ao aumento dos teores de sólidos solúveis totais e de ácidos nos frutos. Além disso, déficits hídricos moderados (caso ocorram) durante a maturação reduzem o crescimento das árvores, facilitando a colheita (Figura 19). Figura 19 Graus de impacto previstos para a cultura de citros praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 32

35 5.18. Mandioca A cultura da mandioca durante as fases de definição do número de raízes, crescimento da parte aérea e enchimento das raízes nos estados de RO, AC, AM, PA, TO, MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL e SE, além do centro-norte do MT e da BA, não deverá sofrer nenhum impacto devido ao prognóstico de chuvas e temperatura em torno da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro. A cultura da mandioca durante as fases de definição do número de raízes, crescimento da parte aérea e enchimento das raízes nos estados de RR, AP, MS, GO, DF, SP, MG, RJ e ES, além do sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR, poderá ser favorecida devido ao prognóstico de chuvas entre as categorias normal e acima da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro. Nos estados de SC e RS e na porção centro-sul do estado do PR, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica, a qual é de aproximadamente 400 mm nesses estados no trimestre outubro, novembro e dezembro, poderá prejudicar a cultura da mandioca durante as fases de definição do número de raízes, crescimento da parte aérea e enchimento das raízes. 33

36 Figura 20 Graus de impacto previstos para a cultura da mandioca praticada no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, baseados no prognóstico climático para o trimestre* e no calendário agrícola da Conab. *O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 foi elaborado em consenso entre CPTEC/INPE, INMET e Centros Estaduais de Meteorologia. 34

37 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, o qual indica chuvas abaixo da média histórica na maior parte da região Sul, poderá causar impactos negativos para as seguintes culturas em fase de plantio: algodão (centro-sul do PR), amendoim 1 a safra (centro-sul do PR e estado do RS), arroz (centro-sul do PR e estados de SC e RS), feijão 1 a safra (centro-sul do PR e estados de SC e RS), mamona (centro-sul do PR), milho 1 a safra (centro-sul do PR e estados de SC e RS), soja (centrosul do PR e estados de SC e RS) e sorgo 1 a safra (RS). Também poderão ocorrer impactos negativos para as seguintes culturas: girassol 1 a safra em fase de enchimento de grãos (centro-sul do PR e estados de SC e RS), café em fase de vegetação e formação das gemas vegetativas (centro-sul do PR) e mandioca nas fases de definição do número de raízes, crescimento da parte aérea e enchimento das raízes (centro-sul do PR e estados de SC e RS). Ao contrário, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica no trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008 na porção centro-sul do estado do PR e nos estados de SC e RS, poderá favorecer as lavouras de cana-de-açúcar que estiverem em final de ciclo, devido ao acúmulo de sacarose no colmo. Da mesma forma, o prognóstico de chuvas abaixo da média histórica nesses estados também poderá favorecer as lavouras de citros em fase de maturação e colheita, devido ao aumento dos teores de sólidos solúveis totais e de ácidos nos frutos. Além disso, a menor quantidade de chuva reduz o crescimento das árvores de citros durante a maturação, facilitando a colheita. O prognóstico climático para o trimestre outubro, novembro e dezembro de 2008, o qual indica maior probabilidade de ocorrência de totais pluviométricos entre as categorias normal e acima da média histórica na porção norte da região Norte, na região Sudeste e em parte da região Centro-Oeste, poderá favorecer as seguintes culturas em fase de plantio: algodão (MS, GO, DF, MG, SP, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR), amendoim 1 a safra (MS, GO, SP e centro-norte do PR), arroz (MS, GO, DF, MG, ES, RJ, SP, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR), feijão 1 a safra (MS, GO, DF, MG, ES, RJ, SP, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR), mamona (GO, MG, SP, sul da BA e centro-norte do PR), milho 1 a safra (MS, GO, DF, MG, ES, RJ, SP, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR), soja (MS, GO, DF, MG, SP, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR) e sorgo 1 a safra (MS e sul da BA). Também poderão ser favorecidas as seguintes culturas: girassol 1 a safra em fase de enchimento de grãos (sul da BA e centro-norte do PR), café em fase de vegetação e formação das 35

38 gemas vegetativas (MS, GO, DF, SP, MG, RJ, ES, sul da BA, centro-sul do MT e centronorte do PR) e mandioca nas fases de definição do número de raízes, crescimento da parte aérea e enchimento das raízes (RR, AP, MS, GO, DF, SP, MG, RJ, ES, sul da BA, centro-sul do MT e centro-norte do PR). Nas demais regiões do país, não deverão ocorrer impactos nas culturas agrícolas devido ao prognóstico de chuvas em torno da média histórica para o trimestre outubro, novembro e dezembro de

39 7. ALERTA SOBRE O USO DO BOLETIM AGROCLIMÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS NAS CULTURAS As informações contidas neste boletim são disponibilizadas gratuitamente ao público em geral, porém, nenhuma garantia implícita ou explícita sobre sua acurácia é dada pela Conab. O uso destas informações é de completa responsabilidade do usuário. 8. REFERÊNCIAS ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA. Conab. Setembro, CALENDÁRIO AGRÍCOLA. Geasa/Suinf/Conab. Setembro, CENSO AGROPECUÁRIO IBGE. Setembro, CLIMATOLOGIA TRIMESTRAL (Outubro, Novembro e Dezembro). CPTEC/INPE, setembro, INFOCLIMA. Boletim de Informações Climáticas. CPTEC/INPE, ano 15, n. 09, setembro,

40

41 ou Tel: (61)

42

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A quinta estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas 1, indica uma produção da ordem de 144,3 milhões de toneladas,

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*)

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) CAPA - 13/07/2017 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL REGIÃO-UF's / ANO 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 REGIÃO NORTE 940.028.686 778.153.936 1.235.490.401 550.568.691 569.079.592

Leia mais

Produção Agrícola Municipal 2015. Assunto: Lavouras Temporárias

Produção Agrícola Municipal 2015. Assunto: Lavouras Temporárias Produção Agrícola Municipal 2015 Assunto: Lavouras Temporárias Tabela 1 - Áreas plantada e colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção, segundo os principais produtos das lavouras

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*)

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) CAPA - 16/08/2017 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) REGIÃO-UF's / ANO 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 REGIÃO NORTE 937.253.216 775.856.407 1.231.842.568

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 05 3. Consolidado por Região... 06 4. Consolidado por Estado... 09 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola Diretor de Política Agrícola e Informações Mandato Legal Empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Resumo do Monitoramento de Queimadas por Satélites e de Informações Ambientais Associadas

Resumo do Monitoramento de Queimadas por Satélites e de Informações Ambientais Associadas Resumo do Monitoramento de Queimadas por Satélites e de Informações Ambientais Associadas Versão 1.0 - Data de geração: 2016/11/29-18:41 Este documento foi criado automaticamente pelo Sistema de Monitoramento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Metodologia CONAB IBGE MAPA EMBRAPA FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute ) USDA (United States Department of Agriculture) Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Foram usados

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC COORDENADOR Prof. Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos SUB-COORDENAÇÃO PESQUISA Prof. Cristine Garcia Gabriel Prof. Janaina das Neves

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

Boletim Informativo do PNI Vacinação contra HPV

Boletim Informativo do PNI Vacinação contra HPV COORDEAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES/DEVIT/SVS/MS 17 de dezembro de 2015 Boletim Informativo do PNI - 2015 Vacinação contra HPV Estratégia de vacinação contra HPV O Ministério da Saúde

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 3 oletim grometeorológico Embrapa grossilvipastoril, Sinop, MT Julho, 2017 companhamento da 2 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio lberto Zolin, Embrapa grossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADEDE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIASECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADEDE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIASECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Bollettiim de Agrropecuárriia da FACE Nº 61,, Settembrro de 2016 Segue abaixo uma breve explicação sobre os dados agropecuários analisados neste Boletim. Pesquisa, acompanhamento e avaliação de safras

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012 Ministério do Trabalho e Emprego Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. de 2012 1. Resultados do Programa de Microcrédito no 2 de 2012.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo Estatísticas Corpus Christi Nos últimos anos, as ocorrências de acidentes envolvendo veículos automotores, no período do feriado de Corpus Christi, cujas indenizações foram solicitadas à Seguradora Líder

Leia mais

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 s Educacionais As 5 s do Todos Pela Educação Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 Construção das metas Pesquisa do meio copo cheio : consensos para avançar Documento de mobilização inicial Entrevistas e

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil. Quantos são e onde estão

Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil. Quantos são e onde estão Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil Quantos são e onde estão Corretores de Imóveis e Imobiliárias A Kuser Participações S/A traz mais uma vez ao mercado, um levantamento da quantidade de corretores

Leia mais

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Enade 2015 O Conceito Enade é um indicador de qualidade que avalia o desempenho dos estudantes a partir dos resultados obtidos anualmente para os cursos que

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 2 oletim grometeorológico Embrapa grossilvipastoril, Sinop, MT Março, 2017 companhamento da 1 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio lberto Zolin, Embrapa grossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

Análise situacional a partir da utilização de dados secundários. 12 de dezembro de 2016

Análise situacional a partir da utilização de dados secundários. 12 de dezembro de 2016 Análise situacional a partir da utilização de dados secundários 12 de dezembro de 2016 O saneamento rural em números De acordo com o IBGE o Brasil possui uma população de cerca de 29.800.000 habitantes,

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

PROINFÂNCIA. Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil

PROINFÂNCIA. Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil BAHIA- BA * Obras Aprovadas 8192 4096 2048 1024 512 256 128 64 32 16 8 4 2 1 PROINFÂNCIA

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 GASTO MÉDIO INDIVIDUAL DIÁRIO em R$ 1.00,

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL Fevereiro 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Empresas familiares. Abril/2017

Empresas familiares. Abril/2017 Empresas familiares Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL

FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL 1 de 6 FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL XVIII REUNIÃO TÉCNICA 08 DE AGOSTO DE 2001 O Fórum Permanente de Monitoramento de Tempo e Clima para a

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA

ASSESSORIA DE IMPRENSA ASSESSORIA DE IMPRENSA REGIÃO NORTE LIDERA AS PARTICIPAÇÕES DOS CONSÓRCIOS NAS VENDAS DE VEÍCULOS LEVES, CAMINHÕES E IMÓVEIS, ENQUANTO CENTRO-OESTE É A PRIMEIRA EM MOTOCICLETAS Menor custo, prazos maiores

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar APICE Geografia [2 a Etapa] 5 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Boletim Estatístico. Ano 07 - Janeiro a Outubro de 2017 DPVAT: O SEGURO DO TRÂNSITO

Boletim Estatístico. Ano 07 - Janeiro a Outubro de 2017 DPVAT: O SEGURO DO TRÂNSITO Boletim Estatístico Ano 07 - Janeiro a Outubro de 2017 DPVAT: O SEGURO DO TRÂNSITO Indenizações Pagas Natureza da Indenização % % x Morte 34.105 10% 26.917 7% 27% Invalidez Permanente 242.606 75% 282.545

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA AÇÕES DA CONAB EM 2003 1. BREVE HISTÓRICO O Programa de Aquisição de Alimentos foi instituído pelo Art. 19 da Lei nº 10.696 e regulamentado pelo Decreto 4.772,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil. Quantos são e onde estão

Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil. Quantos são e onde estão Corretores de Imóveis e Imobiliárias - Brasil Quantos são e onde estão Corretores de Imóveis e Imobiliárias A Kuser Participações S/A traz mais uma vez ao mercado, um levantamento da quantidade de corretores

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: H

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 André de Oliveira Vieira Outubro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Setembro de 2014 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

SIT. Secretaria de Inspeção do Trabalho. Seminário Internacional OIT. Boas Práticas na Inspeção do Trabalho

SIT. Secretaria de Inspeção do Trabalho. Seminário Internacional OIT. Boas Práticas na Inspeção do Trabalho SIT Secretaria de Inspeção do Trabalho Seminário Internacional OIT Boas Práticas na Inspeção do Trabalho Projeto Fortalecimento dos Serviços de Inspeção do Trabalho Dezembro/ 2010 Seminário Internacional

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

RELATÓRIO SINDEC BARÔMETRO SOBRE PRODUTOS

RELATÓRIO SINDEC BARÔMETRO SOBRE PRODUTOS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR COORDENAÇÃO GERAL DO SINDEC RELATÓRIO SINDEC BARÔMETRO SOBRE PRODUTOS Brasília, 31 de outubro de 2011

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGURO GARANTIA I BIMESTRE DE 2011

MERCADO BRASILEIRO DE SEGURO GARANTIA I BIMESTRE DE 2011 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS SEGURO GARANTIA I BIMESTRE DE 2011 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS SEGURO GARANTIA A SUSEP divulgou os números do I Bimestre de 2011 através do sistema SES, calcado nas informações

Leia mais

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Leonardo Ferreira Carneiro Junho de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Abril de 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

Anexo I. Distribuição dos Recursos do PNATE-2008

Anexo I. Distribuição dos Recursos do PNATE-2008 Anexo I Distribuição dos Recursos do PNATE-2008 A forma de calculo e o valor a ser repassado aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, para a execução do PNATE no presente exercício, é regulamentada

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS FIANÇA LOCATÍCIA

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS FIANÇA LOCATÍCIA MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS FIANÇA LOCATÍCIA I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Fiança Locatícia encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 51,1 milhões contra R$ 40,3 milhões de 2012, um

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo.

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo. Configuração de NFe Para definir as configurações (Parâmetros) de cada empresa ou filial cadastrada no sistema para envios de NF-e, proceda da seguinte forma: Acesse o módulo Administrativo. Clique no

Leia mais

Capacitação Questionário de

Capacitação Questionário de Capacitação Questionário de em Eventos Acompanhamento da Renast 2011 Resultados Parciais Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde 23 e 24 de junho de

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais