CURSOS TÉCNICOS EM TURISMO NO CONTEXTO SÓCIO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: CONCEPÇÕES E SIGNIFICADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSOS TÉCNICOS EM TURISMO NO CONTEXTO SÓCIO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: CONCEPÇÕES E SIGNIFICADOS"

Transcrição

1 CURSOS TÉCNICOS EM TURISMO NO CONTEXTO SÓCIO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: CONCEPÇÕES E SIGNIFICADOS Celso Maciel de Meira 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Mário Lopes Amorim 2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Resumo O presente artigo busca investigar, por meio de uma pesquisa exploratória bibliográfica de corte longitudinal, a partir da segunda metade do século XX até os dias que correm, aspectos históricos de cunho político que se relacionaram com as concepções e significados atribuídos a formação da mão de obra de nível técnico para as atividades turísticas no Brasil. Como resultado das análises temporais, se verifica que o ensino de nível técnico para os segmentos turísticos teve seus resultados condicionados às tomadas de decisões políticas que influenciaram nos rumos da imagem do país como destino, bem como impactou numa formação inconsistente e generalista que não deu conta de atender ao campo da hospitalidade e nem no quesito que, prioritariamente, se espera da educação profissional, que é uma formação para aqueles que vivem do trabalho, por meio de uma escola unitária e liberta das imposições da escola dualista que historicamente segregou os menos favorecidos. Introdução Primeiramente, importa ressaltar que este artigo justifica-se pela escassez de produções acadêmicas que tratem do ensino técnico em turismo e pela pouca atenção que se tem dado aos desdobramentos históricos e políticos que impactaram na educação profissional, principalmente nos adventos mais recentes, conforme relata Ciavatta (2005, p.102) No Brasil, hoje, á um déficit de pesquisa para conhecer os estragos e as conquistas deflagradas com a imposição do Decreto no /97. A sua revogação e a aprovação do Decreto no /2004 trouxe a abertura e o estímulo à formação integrada, mas não trouxe a garantia de sua implementação. A partir de tais dados de realidade, buscamos referências bibliográficas e documentos que abarcassem tais temas com o objetivo de compreender os processos históricos e políticos no desenrolar da educação profissional brasileira, a partir da segunda metade do século passado até os nossos dias. 1 Programa de Pós-Graduação em Tecnologia (PPGTE). Av. Sete de Setembro, 3165 Rebouças - CEP: Curitiba - Paraná - Tel.: (41) / Programa de Pós-Graduação em Tecnologia (PPGTE). Av. Sete de Setembro, 3165 Rebouças - CEP: Curitiba - Paraná - Tel.: (41) /

2 2 Perpassam por nossas análises documentais as principais reformas na educação profissional e os seus impactos nos rumos do ensino técnico em turismo no Brasil, entre os quais fizeram parte das nossas investigações: a Lei nº 5692/71, a LDB 9.394/96, Decreto Lei nº 2208/97 e o Decreto Lei 5154/04. Quanto aos resultados obtidos, percebemos que, historicamente, a educação profissional esteve condicionada a fatores econômicos, determinados pelos interesses do capitalismo, os quais influenciaram a formação insuficiente para os trabalhadores dos segmentos turísticos. Assim, como proposta às incongruências da realidade vigente, na formatação dos cursos técnicos em turismo, sugerimos uma reforma nas estruturas de seus currículos, na perspectiva de ordenar uma área de ensino relativamente ampla, pois o modelo de estruturação curricular atual não tem dado conta da formação profissional na modalidade de ensino em questão dada a amplitude das atividades turísticas. Desdobramentos da educação profissional no contexto sócio histórico dos cursos técnicos em turismo no Brasil Se, na sociedade industrial, o trabalho constitui o cerne das preocupações, na sociedade flexível, o tempo livre, o lazer, o turismo e o prazer passam também a exigir atenção. Certamente Marx, se vivo fosse, estaria investigando as contradições desse fenômeno, por sua magnitude, sua relação com o trabalho, com o modo de produzir que sugere a alguns acrescentar adjetivos à sociedade contemporânea como sociedade do ócio e pós-industrial. (CORIOLANO & MELLO e SILVA) Para se compreender o lugar do turismo no mundo do trabalho, exige-se o conhecimento das mudanças históricas e o entendimento de qual a importância dessa atividade para o desenvolvimento de uma região ou de um determinado lugar. (CORIOLANO & MELLO e SILVA, 2005, p. 41). Não menos importante, há de se dar historicidade ao debate e a ação. A história nos coloca num terreno contraditório da dialética do velho e do novo de lutarmos contra ideologia e a democracia burguesas, no espaço restrito desta democracia burguesa em que vivemos. (FRIGOTO et al, 2005, p. 27) Entretanto, para se estabelecer relações entre as atividades turísticas contemporâneas e o mundo do trabalho na perspectiva da formação de trabalhadores e no embate entre os que lucram por meio do trabalho alheio e daqueles que vivem do trabalho, se faz necessário um estudo cuidadoso, pois uma análise acurada do turismo como fenômeno remete ao estudo do par dialético, trabalho-lazer, integrante de um mesmo processo. (CORIOLANO & MELLO e SILVA, 2005, p. 41). Tais reflexões nos levam a citar as transformações no mundo do

3 3 trabalho impostas pelos modelos taylorista/fordista e toyotista, as quais promoveram uma série de condicionantes aos trabalhadores, como por exemplo, a fadiga, o estresse e as pressões diárias provocadas pelos instrumentos de controle e pela produtividade em larga escala. Em contrapartida ao dado de realidade, pontualmente no caso brasileiro, as conquistas dos trabalhadores em função das prerrogativas das leis trabalhistas, notadamente a partir do governo de Getúlio Vargas, com as férias remuneradas e outros benefícios, bem como os comportamentos e atitudes ligados ao tempo livre das obrigações laborais, levaram tanto patrões quanto empregados, logicamente com menos intensidade estes últimos, a aproveitarem melhor os seus tempos livres, fato que impulsionou a valorização do lazer, do entretenimento e do turismo. Tais fatores se mostraram como importantes motivações para o surgimento dos cursos em nível técnico no Brasil, nos primeiros anos da década de 70 do século passado, além do fomento financeiro estatal, notadamente aos equipamentos de hospedagem (TRIGO, 2002). Numa fase anterior, na segunda metade dos anos de 1960, pode-se pontuar o desenvolvimento de políticas públicas, com a criação da Empresa Brasileira de Turismo (EMBRATUR), no ano de 1966, no sentido de tentativa da ordenação às atividades turísticas em âmbito nacional. Com efeito, situados num contexto o qual Trigo (2002) denominou como primeira fase de grande de expansão do turismo brasileiro sinalizava à necessidade de formação de mão de obra específica e qualificada para atender às novas demandas, motivadas por um marketing agressivo - porém inócuo e muita agitação cívica baseada na conquista do tricampeonato de futebol (1970), nas vitórias de Emerson Fittipaldi na Fórmula 1 e na beleza das brasileiras, sempre finalistas nos então famosos concursos de Miss Universo 3. (TRIGO, 2002, p. 94) Durante o regime militar ( ), como se não bastasse os inúmeros golpes institucionais pautados pela proposta de modernização conservadora em termos econômicos e políticos, contribuindo para a histórica estrutura de desigualdades sociais, uma das intenções do regime foi mostrar o Brasil para o restante do globo. Fase esta, na qual o mundo passou a ter uma visão de imagens e representações turisticamente estereotipadas do Brasil. 3 Apesar do esforço concentrado, a primeira fase do turismo brasileiro acabou em fracasso. Dois conjuntos de motivos ocorridos concomitantemente afetaram a área: o primeiro foi estrutural, ou seja, a série de desastres econômicos provocados pela crise do petróleo e o aumento das dívidas brasileiras provocaram a inflação e a recessão que comprometeram o desenvolvimento nacional, inclusive do setor turístico. O segundo conjunto de motivos foi conjuntural, pois os planejadores não se importaram com preservação ambiental, com a conquista de padrões internacionais de qualidade e com a formação intensiva de profissionais qualificados em todos os níveis, o que afetou a operação gestão dos serviços turísticos. Todas essas deficiências do setor turístico, aliadas à crise econômica mundial, resultaram em fracasso. (TRIGO, 2002, p. 94)

4 4 Para se entender a criação da Embratur é necessário fazer uma análise e uma contextualização histórica do período da ditadura militar. A ditadura foi uma época em que o governo brasileiro se aliava integralmente aos interesses políticos e econômicos dos Estados Unidos, com total apoio aos investimentos e à ideologia norte-americana. Neste contexto de crescimento econômico apoiado pela ideologia desenvolvimentista, a Embratur cria uma imagem de um país com ausência de contrastes sociais agravados pelo período ditatorial, demonstrando a existência de um paraíso tropical receptivo, exótico e com belas mulheres (SANTOS FILHO, 2008, s/p.) Voltando ao assunto sobre a formação de nível técnico para as atividades turísticas, os levantamentos realizados para confecção deste artigo revelaram que o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) deu início às atividades ligadas à formação profissional de trabalhadores para o setor do turismo e hospitalidade no país. O desenvolvimento das instituições de educação em Turismo e Hotelaria no Brasil data da década de 50 e teve seu início e forte desenvolvimento nas Regiões Sudeste e Sul do País, liderados sobretudo pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC, de abrangência nacional e com administrações autônomas em cada estado da Federação. Os cursos do SENAC nos diversos estados das regiões citadas atendiam à qualificação de quadros operacionais de base para hotéis e restaurantes, em diversos restaurantes-escola. No final da década de 60, instalou, no Estado de São Paulo, seu primeiro hotel-escola, também priorizando aquela qualificação. (RCNs, ÁREA PROFISSIONAL: TURISMO E HOSPITALIDADE, 2002, p. 19) Durante o regime militar, além do exposto sobre as condicionantes utilizadas para a nossa divulgação em terras estrangeiras, a figura da mulher 4, comumente, esteve na vanguarda de tais propagandas. Ainda em tempos ditatoriais, com relação à formação técnica de mão de obra especializada às atividades turísticas, antes mesmo da promulgação da Lei nº 5692/71 5, de forma pioneira, o estado de São Paulo dá início ao ensino técnico em turismo. Data de 30 de março de 1971 a deliberação do Conselho Estadual de Educação que institui o Curso Técnico de Turismo no sistema de ensino do Estado de São Paulo. O interesse das escolas de Nível Médio em oferecer esse curso foi, a princípio, bastante restrito: - a clientela escolar não demonstrava interesse pelo curso e as perspectivas profissionais oferecidas eram muito vagas, além da concorrência representada pelo curso do SENAC 6. 4 Tais apelos estereotipados da mulher brasileira aguçaram e aguçam o imaginário daqueles, principalmente de estrangeiros, que se deslocam ao Brasil a procura de sexo, caracterizando a exploração sexual por meio das atividades turísticas em núcleos receptores, como é o caso de algumas capitais na região Nordeste, contribuindo para o aumento de suas mazelas sociais. 5 [...] a Lei nº 5692/71 pretendeu substituir a dualidade pelo estabelecimento da profissionalização compulsória no Ensino Médio; dessa forma, todos teriam uma única trajetória. (KUENZER, 2000, p. 15) 6 Disponível em: Acesso: 02.abr.2012.

5 5 A partir das prévias ações do SENAC no que concerne à qualificação profissional visando a formação de mão de obra para atuação nos segmentos do turismo, observa-se que somente há pouco mais de seis décadas é que se deu o interesse em formação de profissionais com conhecimentos específicos a partir da sistematização de cursos técnicos direcionados à atividade turística. Os cursos nesta área, especificamente, denominados técnicos em turismo, são em maior número, ainda herdeiros da profissionalização obrigatória imposta pela Lei Federal nº , implantados quase sempre pela facilidade e pelo baixo custo. Estes cursos, em sua grande maioria, não têm laboratórios ou ambientes especiais, nem recursos tecnológicos, nem biblioteca especializada, são distanciados do processo produtivo da área e seus docentes muitas vezes não têm experiência ou efetiva atuação no mercado de trabalho. (RCNS, ÁREA DE TURISMO E HOSPITALIDADE, 2002, p. 20). Destarte, num contexto marcado por questões desfavoráveis em se tratando de recursos materiais e humanos, os estudantes estavam sendo preparados na expectativa da lógica das empresas, ou seja, do mercado de trabalho, das demandas do capital, divorciados de uma formação que os conduzissem à compreensão do mundo do trabalho e, logo, da representação integral dos processos laborais que envolvem tal atividade. Ao analisar a história, os cursos de turismo em nível técnico foram menos ofertados em relação, por exemplo, a cursos de nível médio de outras áreas e aos cursos superiores, muito embora a formação técnica tenha se iniciado antes de 1970, enquanto os cursos superiores foram implantados a partir de 1971 (MATIAS, 2002). As iniciativas relativas à profissionalização na área de hospitalidade restringem-se ao SENAC e Escolas Técnicas Federais/CEFETs. Só a partir de 1988 vêm surgindo outras iniciativas, inclusive de escolas públicas estaduais. (RCNS, ÁREA DE TURISMO E HOSPITALIDADE, 2002, P. 20). Se compararmos, por meio dos desdobramentos temporais, a situação desfavorável e as precárias condições destes cursos nos sentidos estruturais, materiais e humanos, pode-se verificar que pouca coisa se modificou no desenrolar do ensino técnico em turismo no país. As expectativas de mudanças, na década de 1990, foram desacreditadas frente à reforma da educação profissional proposta à época, pois não sinalizavam para alterações do panorama apresentado, marcadas pelas intenções políticas explicitadas nos documentos 7 O texto da Lei nº 5692 fornecia os parâmetros para elaboração do currículo do ensino de 2º grau, ao determinar que, nele, a parte especial, isto é, a propriamente profissionalizante, deveria prevalecer sobre a educação geral, assim como o seu objetivo geral deveria ser o de propiciar a habilitação profissional de cada aluno. (CUNHA, 2005, p. 189). Sequencialmente, o Parecer 45/72 estabeleceu 130 cursos técnicos, dentre os quais constavam os cursos de Hotelaria e Turismo, na área de hospitalidade.

6 6 oficiais da época, as quais apontavam para a separação da educação profissional em nível técnico, em contraposição à formação unitária, consubstanciados pela própria LDB 9.394/96. Nesta legislação, a educação profissional é apresentada como uma modalidade educacional, mantendo o caráter dualista 8 característico dessa oferta educacional, na perspectiva de formar sujeitos minimamente qualificados ao sabor do desenvolvimento econômico, evidenciando as propostas de reestruturação da educação profissional à época. Não obstante, o ensino em turismo de nível técnico e, consequentemente, a formação profissional às atividades turísticas sofreriam tais influências, num período que a atividade no país vinha sendo concebida e desenvolvida basicamente de forma estrutural (operacional). Em relação aos segmentos turísticos, no tocante ao ensino para as atividades do turismo, os planejadores não se preocuparam com a qualificação intensiva de profissionais em todos os níveis, afetando a gestão e operacionalização dos serviços, caracterizando um setor marcado pelo amadorismo e improvisação de toda a cadeia produtiva, do planejamento à implantação, gestão e operação turística. Evidentemente o setor possuía uma qualidade medíocre ou comprometida. (TRIGO, 2002, p.95). Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, sob a égide do Decreto 2208/97 e do Parecer 04/99 a situação se agravou e a educação assume o ideário pedagógico do capital e do mercado pedagogia das competências para a empregabilidade como base nas Referências e Diretrizes Curriculares Nacionais (RCNs e DCNs). (FRIGOTTO et al, 2005, p. 13). Fomentou-se a face mercantil da educação e os ensaios das décadas anteriores se materializaram numa visão unidimensional, na perspectiva da produtividade e da empregabilidade. A política de educação profissional no governo de FHC não se resumiu ao ensino técnico. Ela abrangeu ações voltadas para a qualificação e a requalificação profissional, desviando a atenção da sociedade das causas reais do desemprego para responsabilidade dos próprios trabalhadores pela condição de desempregados ou vulneráveis ao desemprego. (FRIGOTO et al, 2005, p. 38). Assim foi caracterizada a educação profissional em um dos referidos documentos: 8 No Brasil, o dualismo das classes sociais, do acesso aos bens e aos serviços produzidos pelo conjunto da sociedade, se enraíza no tecido social através de séculos de escravismo e de discriminação do trabalho manual. Na educação, apenas na metade do século XX, o analfabetismo se coloca como uma preocupação das elites intelectuais e a educação do povo se torna objeto de políticas de Estado. Mas sua organicidade social está em reservar a educação geral para as elites dirigentes e destinar a preparação para o trabalho para os órfãos, os desamparados. Esse dualismo toma um caráter estrutural especialmente a partir da década de 1940, quando a educação nacional foi organizada por leis orgânicas, segmentando a educação de acordo com os setores produtivos e as profissões, e separando os que deveriam ter o ensino secundário e a formação propedêutica para a universidade e os que deveriam ter formação profissional para a produção. (CIAVATTA, 2005, p.87)

7 7 Não se pode tratar da educação profissional sem referência à trabalhabilidade, desafio maior de um tempo em que a globalização e a disponibilidade de ferramentas tecnológicas avançadas, rápida e continuamente recicladas ou substituídas, determinam que produtividade e competitividade são condições de sobrevivência e, portanto, palavras de ordem nos negócios e empreendimentos produtivos contemporâneos. (RCNs, 2000, p.9) [grifos nossos] Num explícito determinismo, visaram-se as bases tecnológicas do mundo contemporâneo como soluções redentoras, de maneira generalista, para os históricos problemas sociais/estruturais ligados ao trabalho e ao emprego. Outro ponto a se destacar foi que houve uma proposta universal para áreas que careciam de tratamentos diferenciados, como também é o caso das atividades turísticas. Estabelecendo relações com as exposições acima, quanto às atividades turísticas e a formação profissional na área de turismo e hospitalidade, vale lembrar que a globalização é um fator degenerativo do ponto de vista do processo de aculturação que vivem nossos destinos turísticos e que, em muitas experiências, os aparatos tecnológicos disponibilizados por tal processo, nem sempre vêm ao encontro de nossos anseios, pois vivemos realidades e necessidades diferentes daqueles que as produzem, e estas nos são empurradas compulsoriamente. Entre os grupos humanos, as maiores vítimas são as populações, já em desvantagem, nas áreas de turismo, particularmente no Hemisfério Sul: mulheres, crianças, minorias étnicas e povos indígenas. (KRIPPENDORF, 2002, p. 44). Sendo assim, não se trata de analisar somente os impactos da globalização das e nas atividades turísticas, mas a imposição vertical que vem a reboque por meio das díspares relações sociais a que são acometidos os núcleos receptores turísticos. Numa época de conflito entre o local e o global, também no desenvolvimento do turismo, as soluções, se não pelo global, pelo nacional e internacional regionalizado [...] é a capacidade local de atração que constitui o primeiro e um dos mais poderosos elementos na organização do circuito turístico numa escala global [...] A diversidade das localidades é o princípio da motivação turística. (MOESCH, 2002, p. 9). Se pudéssemos apontar algo determinante às atividades turísticas, seria pluriculturalidade (BENI, 2005), pois nós nos deslocamos atrás do novo, do inusitado, do pitoresco, e não de produtos enlatados, padronizados e esteriotipados pela globalização, pois para além de fenômeno econômico de peso, o turismo é, cada vez mais, visto como um fenômeno fundamentalmente social, por suas implicações humanas (MOESCH, 2002, p. 9).

8 8 Retomando ao foco do texto, ainda em análises às políticas para educação profissional do governo de Fernando Henrique Cardoso, especificamente, no que tange aos cursos técnicos em turismo, em paralelo às RCNs, numa espécie de documentos complementares, foram elaborados vinte referenciais específicos para áreas profissionais distintas 9, entre eles um para a área turística, o qual foi denominado área de turismo e hospitalidade, tendo como foco as habilidades na perspectiva da pedagogia das competências 10. Com a revogação do decreto nº 2208/97 e a promulgação do decreto nº 5154/04, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, (re)apareceu uma luz ao fim do túnel. Não que tal promulgação se materializasse na salvação estrutural (material e humana) dos cursos técnicos, mas poderia se considerar uma histórica conquista, pois a partir de tal advento, vislumbrou-se a possibilidade de integração do ensino médio à educação profissional como algo concreto. Todavia, na prática, os compromissos de campanha não se efetivaram, pois nos interstícios do governo Lula, conforme citou Frigotto et al (2005, p. 14), se visualizava cada vez mais é a reedição de políticas focalizadas no campo social e educacional. De acordo com o referido autor, no campo político, a esquerda, que poderia ser um dos pilares das transformações, perdia força, e assim se gerava mais desigualdade, tanto na área social como na educacional. Nos desdobramentos das políticas para educação profissional no que tange a formação de nível técnico às atividades turísticas, no ano de 2008, foi lançado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Esse documento foi dividido em doze eixos tecnológicos, um deles denominado Hospitalidade e Lazer, o qual trouxe em seu conteúdo sete subáreas 11, as quais foram incorporadas pelas instituições de ensino técnico, basicamente à modalidade subsequente (pós-médio). Do ponto de vista da segmentação às atividades no setor turístico, a ação do MEC, a partir do referido Catálogo, se mostra relevante, pois numa área que abrange 52 segmentos (MINISTÉRIO DO TURISMO, 2006, p.8), uma matriz curricular tendo como base exclusivamente o turismo, na tentativa de contemplar sua abrangência, se mostra muito ampla 9 Agropecuária, Artes, Comércio, Comunicação, Construção Civil, Design, Geomática, Gestão, Imagem Pessoal, Indústria, Informática, Lazer e Desenvolvimento Social, Meio Ambiente, Mineração, Química, Recursos Pesqueiros, Saúde, Telecomunicações, Transportes, Turismo e Hospitalidade. 10 Em síntese, encontramos os seguintes problemas nas orientações oficiais para os currículos da educação profissional de nível técnico, muitos próximos dos problemas próprios do condutivismo: a) reduzem as competências profissionais aos desempenhos observáveis; b) reduzem a natureza do conhecimento ao desempenho que ele pode desencadear; c) consideram a atividade profissional competente como uma justaposição de comportamentos elementares cuja aquisição obedeceria a um processo cumulativo; d) não coloca a efetiva questão sobre os processos de aprendizagem, que subjazem aos comportamentos e desempenhos: os conteúdos da capacidade. (RAMOS, 2002, p. 412) 11 Técnico em Agenciamento de Viagem, Técnico em Cozinha, Técnico em Eventos, Técnico em Guia de Turismo, Técnico em Hospedagem, Técnico em Lazer e Técnico em Serviços de Restaurante e Bar.

9 9 e genérica. Para se ter uma ideia dessa dimensão, citamos o segmento de turismo de aventura que se desdobra em vinte e três atividades (ABETA, 2010). Outro exemplo é o caso dos meios de hospedagem que, segundo Davies (2001), possuem 154 cargos e funções. Para finalizar, recentemente assistimos a mais um capítulo da saga da educação profissional, não somente no que concerne à formação de trabalhadores para o turismo, mas para vários outros segmentos. O PRONATEC 12 lançou 288 cursos 13 em várias áreas, com uma proposta de formação (cursos de 160 a 300 horas) que não foge das propostas que, historicamente, almejaram atender o mercado e o desenvolvimento econômico com formações aligeiradas e desintegradas 14. Ainda, verificamos mais um episódio da educação profissional, as secretarias de educação das unidades da federação são as instituições que estão fazendo as seleções dos alunos para os referidos cursos (PRONATEC) em atendimento ao SENAC e aos Institutos Federais. No caso do SENAC, se caracteriza a utilização de uma instituição pública a serviço dos interesses privados. Não podemos afirmar se é mera coincidência ou mesmo analogia, mas essa situação nos remete a citar um episódio dos anos 1990, mais precisamente por meio do Projeto de Lei 1603/96 que tramitava na época, na perspectiva do desmantelamento das escolas técnicas, conforme KUENZER (1996, p. 83), preconizava: [...] cursos profissionais básicos de curta duração ou de módulos independentes [...] esses cursos devem ser oferecidos obedecendo a lógica do mercado (e da mercadoria, porque devem reverter em recursos captados junto ao setor privado) por meio da identificação de perfis, estudos de demanda e acompanhamento de egressos, bem ao gosto da velha Teoria do Capital Humano. Quanto ao turismo, justificam-se tais ações em atendimento aos eventos esportivos emblemáticos 15 que o país sediará nos próximos quatro anos, o que a nosso ver dá continuidade à formação dual, além de devolver novamente à iniciativa privada, como é o do caso do SENAC, as rédeas da educação profissional no Brasil. Portanto, a educação profissional no Brasil caminha num constante embate político entre duas alternativas: a implementação do assistencialismo e da aprendizagem operacional; 12 Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. Disponível em: 13 Entre os cursos lançados, no tange ao turismo, estão: Auxiliar de Agenciamento de Viagens, Camareira em Meios de Hospedagem, Recepcionista em Meios de Hospedagem, Condutor de Visitantes, Recepcionista de Eventos, Recepcionista de Turismo Rural, Agente de Informações Turísticas e Monitor de Recreação. 14 Além das ações do Ministério do turismo com cursos relâmpagos em diversas áreas, inclusive na área de idiomas na modalidade de educação à distância (EAD). 15 Copa das Confederações, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos.

10 10 versus a proposta da introdução dos fundamentos da técnica e das tecnologias, o preparo intelectual. (CIAVATTA, 2005, p.88). Conclusões Após as análises, nos resta salientar que pouco se alterou ao longo da trajetória brasileira da educação profissional. Os processos ocorreram e ocorrem em meio a ajustes políticos e partidários visando adaptação às demandas do capital, que culminaram e culminam em formações interessadas mascaradas por ações assistencialistas, e desinteressadas quando se trata em construir efetivamente uma política voltada para os que vivem do trabalho, principalmente com a possibilidade de empregos dignos e remunerações satisfatórias, diferentes da realidade imposta 16. No que concerne ao ensino técnico em turismo, o mesmo obedeceu aos históricos estímulos da educação para o mercado com formação (operacional) de trabalhadores, deficitária e insuficiente à complexidade das atividades que envolvem o turismo e seus espectros. Por outro lado, ações interessadas visaram e visam àqueles que podem pagar pelos produtos e serviços turísticos em detrimento daqueles que os recebem nos núcleos receptores. Não obstante, um questionamento que importa lembrar com relação à formação técnica em turismo na modalidade do ensino médio integrado, diz respeito às recentes experiências dos estados do Espírito Santo e do Paraná que, se valendo do Decreto 5154/04, implantaram em seus sistemas de educação os referidos cursos. Porém, no caso capixaba tal tentativa não durou muito, pois na primeira troca de governo, logo após a implantação, a proposta de integração foi desmantelada. No caso paranaense, a implantação ainda resiste, mesmo com todos os obstáculos, desafios 17 e a diminuição dos cursos na atual gestão de um governo com apelos neoliberais propostos à desintegração do ensino médio na modalidade integrada. 16 [...] O salário médio pago aos empregados do setor ainda é muito baixo, o que é uma das razões porque a atividade é relativamente desprestigiada e por vezes tem dificuldade em atrair pessoal qualificado, por exemplo, para os destinos turísticos no interior do País. O trade é conhecido pela alta-rotatividade, horas de trabalho pouco usuais, empregos sazonais, instabilidade e baixo status, imagem que acaba por afetar também as agências e operadores de turismo. Essas características também reforçam a concentração da receita do setor nas mãos de algumas poucas empresas, como a CVC, que podem oferecer condições diferenciadas a alguns funcionários principais. (MINISTÉRIO DO TURISMO, 2006, p.27) 17 Para aprofundamento, vide: GARCIA, Sandra R. O. A educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio: obstáculos e avanços na rede pública do Paraná. Curitiba. SEED: 2006.

11 11 No que refere ao ensino do turismo em nível subsequente (pós-médio), a partir do lançamento do Catalogo Nacional de Cursos Técnicos e o do eixo tecnológico de Lazer e Hospitalidade, os cursos com a denominação de Técnicos em Turismo têm se mostrado insuficientes para que os egressos consigam dar conta da complexidade dos segmentos, da dimensão de suas respectivas atividades e com remunerações adequadas. Entretanto, os cursos técnicos em turismo de nível médio integrado ainda vêm sendo ofertados, como no caso do Estado do Paraná, com a nomenclatura de Técnico em Turismo por meio de uma matriz generalista diluída em disciplinas de 80 horas, como por exemplo, turismo e meio ambiente e meios de hospedagem, segmentos que já foram acima exemplificados e apontados seus relativos espectros, os quais em suas atividades, cargos e funções demostram complexidades que põem em dúvida a capacidade dos egressos contemplarem ao menos parte do todo destes segmentos, haja vista o número reduzido de horas/aulas da realidade vigente. Outra questão que merece destaque tanto nos cursos subsequentes como nos médio integrados são as reduzidas cargas horárias em língua estrangeira (inglês e espanhol), sendo que para os primeiros, em sua maioria, as disciplinas para os idiomas são ofertados em cargas horárias de 120 horas para o primeiro caso e 80 horas para o segundo. Frente ao exposto, não há como deixar de perguntar: será que com tal carga horária em língua estrangeira o egresso dará conta, mesmo que de maneira instrumental, das demandas internacionais antepostas? Por fim, como proposta para um ensino técnico em turismo próximo da realidade e da complexidade das atividades turísticas, sugerimos que os cursos de nível médio integrado acompanhem a ordenação preconizada no Catalogo Nacional de Cursos Técnicos, pois assim poderemos oferecer uma formação mais consistente, se distanciando da formação generalista dos nossos dias, dando oportunidades mais realistas aos egressos, pois como vem sendo organizados tais cursos, não atendem nem sequer as demandas capitalistas alteradas constantemente pelas leis do mercado, muito menos àqueles que vivem do trabalho e que urgem por uma compreensão totalizante dos desdobramentos do mundo do trabalho neste terceiro milênio. REFERÊNCIAS ANSARAH, Marilia Gomes dos Reis. Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri-SP: Manole, 2009.

12 12 BENI, M.C. Turismo: da economia de serviços à economia da experiência. Lisboa: IFETUR. Disponível em: Acesso em 01.abr BENI, Mario Carlos. Análise estrutural do turismo. 2. edição. São Paulo: SENAC, BRASIL, LDBEN: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 9.394/96. BRASIL. CNE/CEB. Parecer nº 16, de 5 de outubro de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional. de Nível Técnico. Disponível em: Acesso em 19. abr BRASIL. Decreto Lei nº 2.208, de 17 de abril de BRASIL. Decreto Lei nº de 11 de agosto de BRASIL. Decreto Lei nº 5154, de 23 de julho de BRASIL. Decreto Lei nº , de 26 de outubro de BRASIL. MEC. Referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico. Brasília: MEC, BRASIL. Resolução nº 4, de 8 de dezembro de Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Disponível em resolucao.shtm. CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade In: FRIGOTTO, G. et al. (Orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, CORIOLANO, L. N. M. T; MELLO e SILVA, S. C. B. Turismo e Geografia: abordagens críticas. Fortaleza: EDUECE, CUNHA, Luiz Antonio. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo. 2. ed. UNESP; Brasília: FLACSO, DAVIES, Carlos Alberto. Cargos em hotelaria. Caxias do Sul. 3. ed. Caxias do Sul. EDUCS FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

13 13 GARCIA, Sandra R. O. A educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio: obstáculos e avanços na rede pública do Paraná. Curitiba: SEED, GASTAL, Suzana; MOESCH, Marutschka (Orgs). Um outro turismo é possível. São Paulo: Contexto, KUENZER, Acacia Z. Ensino médio e profissional as políticas do Estado Neoliberal. São Paulo: Cortez, KUENZER, Acacia Z. (org.). Ensino médio: Construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, MATIAS, Marlene. Turismo: formação e profissionalização. São Paulo: Manole, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURAL. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Disponível em: Acesso em 19.abr.2012 MINISTÉRIO DO TURISMO. Estudos da competitividade do turismo brasileiro. Disponível em Acesso em:15.abr MINISTÉRIO DO TURISMO. Perfil do turista de aventura e do ecoturista no Brasil. São Paulo: ABETA, MINISTÉRIO DO TURISMO. Segmentação do turismo: marcos conceituais. Brasília: Ministério do Turismo, MOREIRA, H e CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, PRONATEC. Disponível em: Acesso em: 15.abr RAMOS, Marise Nogueira. A educação profissional pela pedagogia da competências e a superfície dos documentos oficiais. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 80, setembro/2002, p Disponível em Acesso 19.mar.2012 RIELI. Disponível em: Acesso: 02.abr SANTOS FILHO, João. Embratur omite a verdade sobre a história do turismo: faz uma leitura politicista dos fatos. Disponível em: Acesso em: 19.mar WEBARTIGOS. Disponível em: Acesso em: 19.mar

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO INSTITUTO FEDERAL: DUALISMO OU POLITECNIA?

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO INSTITUTO FEDERAL: DUALISMO OU POLITECNIA? DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO INSTITUTO FEDERAL: DUALISMO OU POLITECNIA? CÍNTIA MAGNO BRAZOROTTO Núcleo de Estudos e Pesquisa: Política e Gestão Educacional - Mestranda Orientadora: Profa. Dra.

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

O ENSINO PROFISSIONAL NO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: OFERTA, ATENDIMENTO E FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL

O ENSINO PROFISSIONAL NO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: OFERTA, ATENDIMENTO E FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL O ENSINO PROFISSIONAL NO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: OFERTA, ATENDIMENTO E FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL Introdução Prof. Dr. Carlos da Fonseca Brandão 1 O Ensino Profissional no Brasil está estruturado a partir

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado A situação nacional e os caminhos para melhorar a qualidade do ensino profissionalizante Francisco Aparecido Cordão Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA X INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: CONTEXTUALIZANDO A DISCUSSÃO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA X INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: CONTEXTUALIZANDO A DISCUSSÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA X INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: CONTEXTUALIZANDO A DISCUSSÃO Arminda Rachel Botelho Mourão Universidade Federal do Amazonas RESUMO: Este trabalho visa refletir

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Panorama da EPT. Fonte: Manpower/BBC

Panorama da EPT. Fonte: Manpower/BBC Panorama da EPT 1/3 dos empregadores brasileiros tem dificuldades de contratar; (64%) (Média mundial - 31%) EUA 2006: 44% - 2010: 14% Irlanda 2006: 32% - 2010: 4% Grã-Bretanha 2006: 42% - 2010: 9% Espanha

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução 1 APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ Eliane Cleide da Silva Czernisz - UEL 1 Isabel Francisco de Oliveira Barion - UEL/SME-LD 2 Marci Batistão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO Título do Projeto: (nome do centro de Educação profissional

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Gestão de Turismo FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( X) tecnólogo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mayane Almeida da Silva 1 mayanea@yahoo.com.br Priscila Azevedo de Amorim 2 Priscila22@yahoo.com.br Maira Nunes

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE 1 EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE Maringá Pr. 05/2015 Ednar Rafaela Mieko Shimohigashi Centro Universitário Cesumar ednar.shimohigashi@unicesumar.edu.br Eliane

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA Marcelo Soares Pereira da Silva UFU marcelosoares@ufu.br Resumo: No contexto das políticas de formação

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Palavras-Chave: EJA e PROEJA, Ensino Técnico, Inserção Social, Estudante/Trabalhador.

Palavras-Chave: EJA e PROEJA, Ensino Técnico, Inserção Social, Estudante/Trabalhador. A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO INSERÇÃO SOCIAL DO ESTUDANTE/TRABALHADOR: ESTUDO DE CASO. Prof. Dr. Paulo Sergio da Silva geopassa@estes.ufu.br Escola Técnica de Saúde ESTES/UFU A proposta consiste

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 553 A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais