ALÉM DAS PERCEPÇÕES E REPRESENTAÇÕES, A ELABORAÇÂO DO MAPA DAS SENSAÇÕES DA CIDADE DE CURITIBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALÉM DAS PERCEPÇÕES E REPRESENTAÇÕES, A ELABORAÇÂO DO MAPA DAS SENSAÇÕES DA CIDADE DE CURITIBA"

Transcrição

1 ALÉM DAS PERCEPÇÕES E REPRESENTAÇÕES, A ELABORAÇÂO DO MAPA DAS SENSAÇÕES DA CIDADE DE CURITIBA Élio Ricardo Cagnato Bacharel e Licenciado em Geografia Mestrando em Geografia pela Universidade Federal do Paraná RESUMO Instigados por reconhecer que os indivíduos são autênticos e pela hipótese de que com base em suas experiências individuais cada qual tem uma percepção e uma representação diferenciada dos logradouros que frequentam ou visitam, buscou-se interpretar de que forma e através de qual dispositivo as suas escolhas pessoais os levam a selecionar os espaços preferenciais de vivência dentro da cidade. Espacializar ou mapear a forma como as pessoas sentem, percebem, representam e vivenciam os diversos logradouros de uma cidade conduziu esta pesquisa, instigada pela demanda em entender se haveria ainda, nos dias de hoje, algum significado na procura por excitar os sentidos físicos humanos, permitindo que a complexidade das sensações humanas pudesse dar lugar à instintividade destes sentidos e deixasse brotar uma relação de apego, recordação, prazer ou repulsa em estar ou frequentar uma determinada paisagem. O Mapa das Sensações da cidade de Curitiba é um projeto que mostra uma nova forma de experimentar e sentir o que a cidade revela através dos sentidos. É um novo olhar sobre a metrópole, revelando suas diversas nuances por meio do estímulo aos cinco sentidos físicos humanos. Buscaram-se as impressões e declarações que traduziram sons, imagens, gostos, aromas e toques onde visitantes e moradores da capital paranaense sugerem o que pode haver de destaque na cidade por meio da vivência sensorial. Palavras chave: Percepção; representação; sensações; sentidos. 1. INTRODUÇÃO Em um mundo moderno e em uma cidade cosmopolita como a Curitiba do século XXI não é de se admirar que a maioria dos apelos à sensibilidade humana seja traduzida pela aplicação intensa de símbolos visuais, sejam estes de 2

2 advertência, de normatização, de orientação, de mídia comercial e de apresentação da opulência e do poder de uma economia capitalista. A forma como a humanidade se adapta e ao mesmo tempo se conforma, talvez de uma maneira involuntária, demonstra que a evolução e a necessidade de se viver em uma cidade voltada ao progresso e ao desenvolvimento não deixam espaço e oportunidades para a utilização e uso sensível de todos os nossos sentidos físicos. Alguns autores, como Tuan (1980), colocam a visão como o sentido mais importante para os humanos e sugere que a maioria das pessoas, provavelmente considera a visão como a faculdade mais valiosa e preferiria perder a perna ou tornar-se surda ou muda a sacrificar a visão", tentando com isto justificar o caráter eminentemente visual para se apreenderem as paisagens geográficas. Entretanto, para outros, como Milton Santos (1996, p. 61) a paisagem é composta não apenas de volumes, mas também de cores, movimentos, odores, sons, etc.". Sendo assim, apenas uma leitura visual não ofereceria um panorama completo da paisagem e perderia a subjetividade de alguns fatores importantes para agregar significado a uma paisagem que pode estar formada no imaginário social. Para Merleau Ponty (2011), defensor de um mundo fenomenológico, é preciso reconhecer o ser humano como ser-ao-mundo e a consciência (que é sempre de alguma coisa) somente é percebida pelo corpo em movimento: somos ativos no mundo. E para que haja uma perfeita condição de se analisar os resultados da fenomenologia, o mesmo Ponty postula que é necessário se desenvolver a redução fenomenológica ou do grego antigo, epoché. Isto requer a suspensão de atitudes, crenças, teorias, e o conhecimento do mundo exterior - concentração exclusiva na experiência em foco. Ponty acreditava que devemos restringir o conhecimento ao fenômeno da experiência da consciência e à visão do mundo que o indivíduo tem. Assim, nota-se que não existe objeto sem sujeito, pois para que percebamos as coisas é preciso que as vivamos (MERLEAU-PONTY, 2011, p. 436). É através da percepção, portanto, que o mundo no qual é possível a disposição das coisas ganha sentido e forma. Contudo, isso ocorre por meio da representação, que é uma função simbólica e objetivante dada pela consciência individual a partir da relação entre o corpo e o ambiente. Apesar de somente ser 3

3 possível a representação de coisas passíveis de percepção, é aceitável que possa ser feito o exercício mental de percebê-las. Quantos de nós podemos resgatar algumas lembranças importantes que estão em nossas memórias e que somente quem as experimentou, através dos vários sentidos pode resgatar na memória? Onde buscamos, por exemplo, o perfume de uma florada em um pomar de laranjeiras e outros cítricos que mais tarde transformavam-se em frutas e eram saboreadas sorvendo-se o seu suco azedoadocicado? Isto pode hoje ser experienciado e resgatado, muitas vezes, apenas em uma banca de feira livre ou nas prateleiras do Mercado Municipal. E o som de um ambiente mais tranquilo, que não esteja poluído pelos ruídos dos diversos tipos de veículos que infestam as grandes cidades, inclusive nos horários e dias reservados para o descanso e lazer, poderia ser encontrado nos parques e áreas verdes? Conforme Kozel (2007), o espaço não é somente percebido, sentido ou representado, mas também vivido. As imagens que as pessoas constroem estão impregnadas de recordações, significados e experiências. Teria ainda, nos dias de hoje, algum significado a procura por excitar os sentidos físicos humanos, permitindo que a complexidade das sensações humanas pudesse dar lugar à instintividade dos sentidos físicos e deixasse brotar uma relação de apego, recordação ou prazer em estar ou frequentar uma determinada paisagem? Seria possível espacializar ou mapear a forma como as pessoas percebem e vivenciam as diversas paisagens de uma cidade? O Mapa das Sensações de Curitiba é um projeto que mostra uma nova forma de experimentar e sentir o que Curitiba tem de interessante. É um novo olhar sobre a metrópole, revelando suas diversas nuances por meio do estímulo aos cinco sentidos físicos humanos. Buscamos impressões e declarações que traduzem sons, imagens, gostos, aromas e toques para que visitantes e moradores da capital paranaense sugerem o que pode se destacar em termos de logradouros da cidade, por meio da vivência sensorial. Tivemos por objetivo identificar, analisar e mapear diversos lugares de Curitiba, com uma forma de apreensão mais detalhada, revelando a possibilidade de 4

4 se experimentar lugares geográficos, com base nas impressões e sensações que nos chegam através dos sentidos físicos. Como produto, propomos uma representação cartográfica, o mapa das sensações, acompanhado por uma gravação de áudio indicando as paisagens apontadas. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A afinidade e a ligação que o ser humano tem com o espaço onde vive ou frequenta, revela de que maneira o meio ambiente é percebido e selecionado através de experiências vividas ou sensações gravadas no seu íntimo para ter relevância, tanto com o sentimento de atração como o de repulsa. Quando nos reportamos às paisagens, é imprescindível considerarmos também a dimensão simbólica conforme apontam alguns autores. As paisagens tomadas como verdadeiras de nossas vidas cotidianas estão cheias de significado. Grande parte da Geografia mais interessante está em decodificá-las. [...] Porque a geografia está em toda parte, reproduzida diariamente por cada um de nós. A recuperação do significado em nossas paisagens comuns nos diz muito sobre nós mesmos. Uma geografia efetivamente humana crítica e relevante, que pode contribuir para o próprio núcleo de uma educação humanista: melhor conhecimento e compreensão de nós mesmos, dos outros e do mundo que compartilhamos (COSGROVE, 1998, p. 121). Culturas e tradições de raças e povos também interferem na maneira como o mundo pode ser percebido. As questões de gênero humano, masculino ou feminino; de origem, visitante ou nativo; de fisiologia da espécie humana em suas aparências e estruturas; o desenvolvimento físico desde a idade de infante até a velhice; o imaginário e o irreal, e as mudanças de atitude ambiental durante a vida conduzem às sensações e preferências para estabelecer a ligação do ser humano com um lugar. Além disso, "a compreensão do espaço local torna mais fácil o estudo de qualquer outra área, pois é nele onde estão as referências pessoais e os valores, o 5

5 que permite estabelecer analogias e aguçar o grau de reflexão" (KOZEL, 1999). Estas hipóteses ganham significado com a seguinte indagação: Por que os indivíduos e os grupos não vivem os lugares do mesmo modo, não os percebem da mesma maneira, não recortam o real segundo as mesmas perspectivas e em função dos mesmos critérios, não descobrem neles as mesmas vantagens e os mesmo riscos, não associam a eles os mesmos sonhos e as mesmas aspirações, não investem neles os mesmos sentimentos e as mesmas afetividades? (CLAVAL, 2001b, p. 40). Encontrar na geografia ou nos estudos geográficos uma justificativa para entender de que maneira a relação do ser humano acontece com o espaço e de que forma este seleciona as suas paisagens preferidas se torna uma instigante questão, uma vez que uma determinada paisagem pode ter grande significado para alguém, ao mesmo tempo pode ser insignificante para outrem com percepções sentimentos e sensações diferenciadas. De uma maneira geral, as paisagens são apreendidas e mencionadas de acordo com a interação com o ambiente, a partir do visível. Entretanto, ao se perceber apenas o visível das paisagens perde-se um conjunto de importantes estímulos capazes de sensibilizar os outros sentidos. Para Claval (2001a), os lugares estão carregados de sentido para aqueles que os habitam ou que os frequentam. Conforme Tuan (1980), os lugares fornecem estímulos sensoriais que dão forma aos ideais humanos. Ele ressalta que "aguçar os sentidos permite ao ser humano experimentar sentimentos mais intensos pelo espaço geográfico e nesse caso maior respeito pelo ambiente onde vive" e ainda, segundo o mesmo autor, os seres humanos registram as sensações do mundo através de um equipamento biológico muito evoluído que se utiliza dos sentidos físicos. Graças aos órgãos sensoriais, que podem variar em grau de importância dependendo da cultura, pode-se perceber o ambiente e coletar experiências. Ao se considerar que a atenção dada a determinada paisagem se transforma em significância e permite ao ser humano selecioná-la como registro, Condillac (1993) afirma que ao nos fixarmos em um objeto, da mesma maneira que lhe concedemos atenção, dele recebemos a própria atenção que lhe concedemos. Esta possibilidade se reafirma quando Kozel e Torres (2010) ressaltam que "cada paisagem é produto e produtora da cultura, e é possuidora de formas, cores, 6

6 cheiros, sons e movimentos que podem ser experienciados por cada pessoa que se integra a ela, ou abstraído por aquele que a lê através de relatos e/ou imagens". Assim, a capacidade de sentir do ser humano divide-se entre passado e presente, ou seja, as sensações vividas constantemente são retomadas através das lembranças e da memória. A maneira como o ser humano utiliza os seus equipamentos sensórios está ligada à importância que cada espaço ou paisagem significam no seu dia a dia. O sentido do olfato está constantemente associado à memória de aromas, perfumes e odores, bons ou maus, e se distribui entre ambientes internos e externos que podem estar em recintos fechados ou abertos percebendo-os, por exemplo, em praças, jardins ou logradouros do cotidiano urbano. Pitte (1998), em sua obra, considera que a geografia dos odores busca contribuir para o entendimento do ser humano integrado em um ambiente emanante de vários odores como: a localização das atividades humanas sejam agrícolas, comerciais ou industriais, o cheiro dos lugares e a diferenciação dos territórios. Tuan (1980) argumenta que temos a tendência de negligenciar o sentido do olfato e muitas vezes vincular a palavra odor ao mau cheiro, o que pode ser considerado um desperdício se considerarmos a capacidade que os odores têm de transmitir informações e evocar lembranças. Os cheiros são fundamentais à identificação e à orientabilidade dos espaços em uma complementação às informações visuais. Um cheiro de mato pode nos remeter aos campos, área rural, topografia variada, estradas de terra. A audição é uma ferramenta eficaz na percepção à distância e serve de alerta e identificação de determinadas nuances de uma paisagem que podem não ter sido reveladas apenas como o olhar. Schafer (2001) afirma que todo ambiente acústico, qualquer que seja sua natureza pode ser considerado uma paisagem sonora sendo importante ressaltar seu caráter dinâmico de mutação. O impacto sonoro no meio ambiente é analisado por Constantino (2001) ao afirmar que apesar de pessoas e os sons compartilharem o mesmo espaço não existe um registro histórico das ondas sonoras das paisagens, como existe na música, nas partituras e em algumas gravações e que esquecemos que os ambientes urbanos podem e devem ser mais agradáveis e saudáveis e que 7

7 aperfeiçoar a relação do ser humano com o ambiente sonoro melhora a qualidade de vida. Indo além do espectro diário provocado por ondas sonoras dispersas e produzidas de forma aleatória e indiscriminada no meio ambiente, segundo Kozel (2012), a paisagem sonora demanda uma interpretação e um pensamento dentro de um contexto cultural e para tanto, "deve levar em conta a diversidade de sons presentes num lugar, e a relação destes com a cultura e com o lugar. É na paisagem sonora que estão, além dos sons artificiais produzidos pelas máquinas e motores, as línguas, os sotaques e as gírias, e as músicas". O sentido do tato, muitas vezes negligenciado em prol da visão não permite que se utilize da intimidade que podemos ter com os objetos e paisagens. Desde a infância costumamos identificar o mundo em que vivemos com o toque das mãos e dos pés, porém a sensibilidade cutânea pode revelar bem mais do que isto pelas sensações que nos chegam se nos mantivermos atentos. Para Juhani Pallasmaa (2011), todos os sentidos, incluindo a visão, são extensões do tato; os sentidos são especializações do tecido cutâneo, e todas as experiências sensoriais são variantes do tato e, portanto, relacionados à tatilidade. O calor do sol, a umidade transpirada por uma mata, as variações de temperatura, a textura dos diversos objetos, o caminhar por vários relevos. O olhar nos mantém distantes das coisas, porém o toque nos aproxima. Segundo Montagu (1986), empalidecemos de medo, nos arrepiamos de emoção, enrubescemos de vergonha e a nossa pele revela as nossas paixões e emoções. Enfim, experimentar o uso da visão, do tato, da sensação de temperatura, do olfato, da audição, do paladar e uma possível sinestesia entre eles conduz ao propósito de refletir sobre as sensações que as dinâmicas das paisagens podem provocar, atrelando as emoções percebidas às lembranças a que elas possam nos remeter, sendo que para o estudo do espaço vivido considera-se a experiência humana dos lugares. 3. ETAPAS DA PESQUISA A pesquisa se desenvolveu nas seguintes etapas: 8

8 Primeira etapa: levantamento de bibliografia estabelecendo o estado da arte referente ao objeto de estudo e suas inter-relações. Segunda etapa: criação de um sítio, na Internet, para pesquisar os dados relacionados ao objeto de estudo como: indicação dos lugares mais apreciados pelos sentidos; organização dos dados obtidos com a pesquisa empírica. Terceira etapa: pesquisa de campo com o registro de entrevistas da população frequentadora dos locais indicados na etapa anterior, registrando suas impressões e sensações sobre lugares selecionados, utilizando para isto as metodologias de Geografia Oral e Cápsula Narrativa. Quarta etapa: Sintetizar os dados obtidos com a elaboração do Mapa das Sensações da cidade de Curitiba e da gravação de áudio com os registros. 4. METODOLOGIA A fase inicial da pesquisa consistiu no levantamento de dados quantitativos e qualitativos que pudessem indicar e elencar lugares sugeridos e selecionados pelas pessoas pesquisadas com destaque para a indicação baseada nas impressões e sensações obtidas pelos sentidos. O instrumento de pesquisa foi elaborado com objetividade, tendo em vista não se tornar enfadonho ou complexo. Este aspecto foi detectado em um ensaio inicial, desenvolvido como piloto, que elucidou a necessidade de elaborar-se um questionário sucinto, prático de ser respondido e com questões de fácil entendimento e compreensão (anexo 1). Destacou-se, também, a intenção de não se identificarem os colaboradores que participaram das pesquisas para que não houvesse a necessidade de comprometimento de ambas as partes, pesquisador e pesquisado, com relação à documentação formal de contratos ou documentos de autorização para uso de imagens ou depoimentos. Uma diretriz que também norteou a elaboração do questionário foi a de não imprimir um caráter de obrigatoriedade em responder todas as questões do mesmo, deixando para o pesquisado, em aberto, a questão refrente às suas experiências pessoais, uma vez que esta questão demandava uma descrição mais alongada em 9

9 seu depoimento. O questionário passou por uma fase de testes e isto foi realizado em caráter de experiência, com alguns voluntários, para verificar a inteligibilidade das questões e as facilidades de compreensão e interpretação das questões por parte dos pesquisados. Ao definir o melhor formato do instrumento de pesquisa a questão seguinte seria a forma aplicá-lo e a seleção dos entrevistados. Em consonância com os avanços do mundo cibernético e a possibilidade de utilizarem-se, como aliadas, as ferramentas das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC s), decidiu-se por estruturar o mecanismo de pesquisa e coleta de dados através dos recursos disponíveis para a organização, divulgação, motivação dos entrevistados e coleta de dados através destas ferramentas. A possibilidade encontrada para elaboração do questionário (anexo 1) através de uma estrutura de ferramenta tecnológica, o fornecimento de dados em uma estrutura com um compilador próprio de dados, uma plataforma própria de elaboração de formulários e apresentação automática dos mesmos, incluindo gráficos estatísticos e uma planilha editável, de custo praticamente nulo para a sua elaboração e a possibilidade de acesso fácil em qualquer terminal conectado à Internet, indicou o sistema de serviços on line Google como facilitador para estruturar a ferramenta de pesquisa. O dispositivo utilizado para armazenar os dados obtidos foi o "Google Drive" que possibilitou o armazenamento de grande quantidade destes dados e o fácil acesso a partir de qualquer terminal conectado à Internet, bastando para isto teremse os dados de acesso de usuário e senha. Este recurso mostrou-se extremamente útil e prático, pois facilitou o acesso para análise e discussão da pesquisa. Após a definição do instrumento da pesquisa empírica necessitou-se de um provedor, dispositivo virtual, para a criação e hospedagem de um sítio na Internet. Isto se fez necessário, pois a ferramenta de pesquisa elaborada no Google demanda seu aporte em uma estrutura que possibilite a sua divulgação e direcionamento para um endereço virtual, o qual serviu de ligação entre o terminal utilizado pelo pesquisado e o banco de dados, do Google Drive, do pesquisador. O provedor escolhido foi o "Universo On Line" (UOL) que ofereceu a estruturação do dispositivo de divulgação da pesquisa com página de apresentação, domínio próprio na Internet, o que garantiu exclusividade com relação à divulgação do título do trabalho de pesquisa, espaço para estocagem de arquivos digitais, endereço eletrônico 10

10 próprio de correspondência ( ) e também a possibilidade de espaço para a divulgação das fases do projeto de pesquisa através de "Blog", espaço na Internet, cuja estrutura permite de forma simples e direta um registro cronológico, frequente e imediato das opiniões, emoções e resultados das pesquisas. Todo este dispositivo gerou um custo para a aquisição do domínio na Internet, o que no mês de abril de 2013 demandou um investimento de cento e setenta e oito reais (R$178,00). A figura1 (anexo 2) apresenta a estrutura funcional deste dispositivo. A etapa seguinte consistiu na divulgação e a chamada de pessoas a colaborarem com a pesquisa através da resposta do questionário elaborado e alocado na página eletrônica do projeto sob o endereço eletrônico: Fez-se uso de listas de endereços eletrônicos ( s) e de redes sociais, (especialmente do Facebook) o que favoreceu o resultado de um rápido retorno e grande quantidade de questionários respondidos. A partir dos dados recebidos foi possível estruturará-los e elencar os logradouros mais indicados e destacados para a fase posterior. A lista dos dez logradouros classificados com o maior número de indicações na pesquisa, baseada nos questionários, apontou os logradouros a serem visitados e pesquisados através de entrevista com os frequentadores e usuários dos mesmos. A fase seguinte da pesquisa caracterizou-se em estabelecer correlação entre os dados coletados e as bases epistemológicas do projeto, a fenomenologia e a percepção humana do espaço. Como procedimento metodológico compatível optamos pelas cápsulas narrativas que contemplam o discurso, as experiências dos pesquisados, seus testemunhos e suas impressões sobre o espaço percebido. A escolha deve-se à necessidade de uma maior flexibilidade para análise dos dados elencados a partir de sensações e sentimentos compatíveis com o método fenomenológico proposto. Assim, sugere Caldas, que: A interpretação advinda das imagens que se interpenetram em nossa imaginação, jogo de metáforas, de sons, de cores, de vidas, tempos e lugares, mesclam-se exigindo algo diferente de uma leitura objetificante, que exija capturar a rede significativa e transformá-la em coisa, em linguagem cientifica. Uma de nossas primeiras preocupações é não dizer aquilo que é, inclusive não saber e não querer saber se algo pode ser o que é, mas aquilo que nos impressiona, o que nos seduz, o que nos dá prazer é o contato, o 11

11 toque e a f(r)icção com uma matéria que é a mesma dos sonhos e da vida (CALDAS, 1999a, p. 121). Priorizamos análises qualitativas que permitissem vislumbrar o ser humano e os significados atribuídos aos espaços sensíveis elencados. O que é apontado por Caldas quando diz: A Geografia Humana precisa respirar com a experiência, a oralidade auto-organizada, a narrativa, a individualidade (esse bicho papão das ciências), extraindo seus devires não de epistemologias de poder, mas de um contato aberto, intenso e livre com alguém que escolhe sua narrativa, seu espaço, suas forças, escolhe sua narrativa como viveu sua vida, suas relações vitais que é, em primeira instância, espaço e lugar. Como compreender a construção desse espaço e do lugar sem respeitar a criação individual do narrador (CALDAS, 2010, p. 2). Assim, os pressupostos relativos à Geografia Oral se constituíram no suporte necessário à pesquisa através de: [...] um novo conceito, o de Geografia Oral enquanto campo nômade que articula espaço-lugar com oralidade-narrativa, articula vivamente o narrador, os narradores e seu lócus vivo, com o pesquisador através das narrativas, isto é, não há nem território nem Geografia antes dessas relações efetivas: o espaço-lugar jorra das oralidades em narrativas escolhidas pelo narrador, não o contrário (CALDAS, 2010, p. 2). O procedimento metodológico proposto com as cápsulas narrativas objetiva: [...] estabelecer conexões, aprender a ouvir as ressonâncias, abrir as redes, os fluíres entre domínios de saberes, domínios de vida, campos de práticas. [...] enquanto tensor livre para o pensar geográfico para uma Geografia Oral. Com essa conexão não se pretende legitimar, fundar, justificar um novo saber, mas arejar um lócus antigo de práticas (CALDAS, 2010, p. 2). Os dados obtidos, permitirão evidenciar as experiências vividas a partir das sensação advindas de seu narrador conforme aponta o autor anteriormente citado. A geografia oral não busca a cronologia das experiências narradas, mas sim as experiências. Através delas podemos criar uma ponte provisória entre domínios de conhecimento instaurando um 12

12 conhecimento próprio. Como a pontuação é interferência mínima, o pontuar só retirará da narrativa, transformada em texto, o que deforme o narrado e seu narrador, o pontuamento busca apresentar a narrativa mais próximo possível do narrado pelo narrador, com isso temos a singularidade do narrador, com métodos apropriados ao pesquisador na área de Geografia (CALDAS, 2010, p. 5). O espaço quando impregnado de significados adquire o status de lugar e esse aspecto também é evidenciado por Caldas quando aponta que: O lugar, enquanto conhecimento, advém de uma Geografia Oral que articula os conceitos de Cápsula Narrativa (Caldas, 1999a, 1999b, 2009) com os de espaço e lugar, a História Oral com a Geografia Humana como mecanismos de produção de conhecimento advindo das narrativas, dos narradores e não do pesquisador, do projeto, das redes acadêmicas e dos livros. Vem de quem é e produz o espaço, o lugar, o território, a população e das suas narrativas (CALDAS, 2010, p. 2). Assim certificamos que a opção pelo procedimento metodológico da "Cápsula Narrativa", permite o desenvolvimento de uma Geografia Oral como metodologia aplicada. O conceito da Cápsula Narrativa enquanto instrumento de captação de experiências e conhecimentos adquiridos do mundo vivido foi o suporte para a terceira fase da pesquisa. Consistindo na coleta de informações em campo, nos dez logradouros mais citados apontados na primeira fase da pesquisa, realizada via internet por meio eletrônico. Com o registro das informações a partir das Cápsulas Narrativas puderam se obter elementos significativos importantes quanto à percepção e sensações relacionadas. Com a noção de cápsula narrativa, elemento chave da Geografia Oral [...] aquilo que é dito, pensado, lembrado ou sonhado é sempre uma narrativa, uma ficção e não o acontecido ou uma versão sobre o acontecido; essa ficção não reproduz nem representa o acontecido, sequer a sequência do acontecido, mas como dizemos aquilo que entendemos como o vivido e, no caso, o vivido que vamos pensar, espaço/lugar em sua forma de existência, advinda de práticas, atividades, crenças, imaginários produtivos, reprodutivos que se transformarão em conceitos (CALDAS, 2010, p. 2). Esta fase da pesquisa empírica demandou, além do planejamento estratégico para selecionar os dias e horários mais compatíveis para encontrar o 13

13 público em atividade nos locais destinados à pesquisa, uma identificação do pesquisador. Pôde-se observar, durante um ensaio realizado em campo, que a população não foi receptiva, quando abordada pelo pesquisador não identificado. Procedeu-se, então, ao planejamento e projeto de uma identidade visual, constituída de uma camiseta e um crachá de identificação. Com a identificação a receptividade foi maior e despertou curiosidade pela pesquisa. 5. RESULTADOS PRELIMINARES Obtivemos a participação de um universo de trezentas e cinquenta pessoas, registradas via site, que indicaram noventa e dois logradouros significativos. Os dez logradouros mais apontados foram (por ordem de indicações): Parque Barigüi, Jardim Botânico, Rua XV de Novembro, Bosque do Papa, Parque São Lourenço, Bairro de Santa Felicidade, Feira do Largo da Ordem, Mercado Municipal, Museu Oscar Niemeyer e Parque Tanguá. Conforme prevíamos, a maior percentagem foi apontada para as sensações relacionadas à visão 44%, seguidos da audição 22%, olfato 20%, paladar e tato 7%. Os resultados parciais e preliminares indicam que a metodologia escolhida foi adequada aos objetivos da pesquisa. O número elevado de participações no site revelaram a validade e importância da ferramenta de coleta dos dados. A pesquisa empírica em campo prossegue com o aporte das cápsulas narrativas possibilitando construir uma Geografia Oral, complementando os dados elencados via meio eletrônico. O resultado final da pesquisa será a representação cartográfica referendada no Mapa das Sensações da Cidade Curitiba, com a localização dos pontos mais indicados e um descritivo das sensações reveladas, nos logradouros, com os trechos mais significativos de depoimentos dos entrevistados. Concomitantemente será produzido um material gravado em áudio, especialmente dedicado a deficientes visuais e a despertar no sentido da audição a observação dos depoimentos. 14

14 REFERÊNCIAS CLAVAL, Paul. As abordagens da geografia cultural. In: CASTRO, Iná E.; GOMES, Paulo C.C.; CORRÊA, Roberto L. (orgs.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p CLAVAL, Paul. A geografia cultural. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011a. CLAVAL, Paul. O papel da nova geografia cultural na compreensão da ação humana. In: ROSENDAHL, Zeni; CORRÊA, Roberto Lobato (orgs). Matrizes da Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001b. CONSTANTINO, Regina Márcia. Uma ecologia para o som. In: Quem tem medo do interior? vol.1. Londrina: Editora UEL, CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny (orgs.). Introdução à geografia cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROZENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. p KOZEL, Salete. Geopoética das paisagens: olhar, sentir e ouvir a natureza. Caderno de Geografia, Revista eletrônica. Belo Horizonte-PUC-MG. vol. 22, n. 37, KOZEL, Salete; TORRES, Marcos. A. Paisagens sonoras: possíveis caminhos aos estudos culturais em geografia. Revista RA E GA, Curitiba, n. 20, p , Editora UFPR. KOZEL, Salete Teixeira. Mapas mentais - uma forma de linguagem: perspectivas metodológicas In: KOZEL, S; FILHO, S. F. (orgs.) Da percepção e cognição à representação: reconstruções teóricas da geografia cultural e humanista. São Paulo: Terceira Margem EDUFRO, MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, MONTAGU, Ashley. Tocar - o significado humano da pele. São Paulo: Summus,1986. PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Tradução técnica: Alexandre Salvaterra, Porto Alegre: Bookman,

15 PITTE, J. R.; DULAU, R. (org.) Géographie des odeurs. Paris: L' Harmattan, Tradução nossa. SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Hucitec, SCHAFER, Raymond Murray. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. São Paulo: Ed. da UNESP, TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, ANEXOS: Anexo 1: Estrutura do questionário: Programa de Pós Graduação em Geografia Mapa das Sensações de Curitiba A afinidade e a ligação que o ser humano tem com o espaço onde vive ou frequenta, revela de que maneira o meio ambiente é percebido e selecionado através de experiências vividas ou sensações gravadas. A importância que os sentidos físicos têm na vida das pessoas e na vida das cidades vai além do simples ato de ver, tocar, provar, cheirar ou ouvir. É por meio deles que percebemos o valor do mundo, que lembramos e que sentimos. Das descobertas iniciais da infância, a percepção que temos se dá muitas vezes de forma inconsciente: reagimos às emoções dando mais atenção ao que é novo e utilizando instintivamente um repertório de sentidos. Estas delicadas marcas, deixadas por um perfume, uma música, uma textura, uma imagem ou um sabor passam a exercer uma poderosa influência em nossas vidas. Pedimos a sua colaboração nesta breve pesquisa esperando que suas respostas sejam baseadas em suas próprias experiências, sentimentos e emoções. 1) Qual o lugar da cidade de Curitiba, que você visitou ou frequenta regularmente, que lhe agrada, lhe traz boas lembranças e remete a sensações relacionadas aos sentidos físicos humanos? (obrigatória)... 2) Qual(ais) sentido(s) físico(s) humano(s) você sente ser mais estimulado e lhe parece mais sensível neste lugar? (obrigatória) ( ) audição ( ) olfato ( ) paladar ( ) tato ( ) visão 3) Deixe um breve depoimento sobre as tuas experiências sensoriais quando se visita este lugar.(opcional) 16

16 ) Qual é a sua faixa de idade? (obrigatória) ( ) de 10 a 15 anos ( ) de 16 a 21 anos ( ) de 22 a 35 anos ( ) de 36 a 45 anos ( ) de 46 a 55 anos ( ) de 56 a 65 anos ( ) de 66 a 75 anos ( ) acima de 76 anos 5) Você é residente em Curitiba? (obrigatória) ( ) sim ( ) não. Agradecemos a sua participação e colaboração. Anexo 2 Figura 1 - Estrutura funcional para coleta de pesquisa. 17

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE Mônica Farias Pinheiro Mestranda da Universidade Federal do Amazonas Monica973@hotmail.com Amélia Regina Batista Nogueira Doutora da Universidade Federal do

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

PAISAGEM E LUGAR: O RESSIGNIFICADO DAS PAISAGENS DA ORLA DA PRAIA DA PONTA NEGRA (RIO NEGRO-MANAUS-AM)

PAISAGEM E LUGAR: O RESSIGNIFICADO DAS PAISAGENS DA ORLA DA PRAIA DA PONTA NEGRA (RIO NEGRO-MANAUS-AM) Valdelice Carvalho Sousa Mestranda da Universidade Federal do Amazonas valdelice.geo@gmail.com Amélia Regina Batista Nogueira Doutora da Universidade Federal do Amazonas ab.nogueira@uol.com.br PAISAGEM

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Marketing Olfativo. Aromatizadores

Marketing Olfativo. Aromatizadores & Aromatizadores Cenário Marketing Olfativo O efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes. Fonte - Melinda Davis A Nova Cultura

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Bianca Said SALIM 2 Lorran Coelho Ribeiro de FARIA 3 Pedro Martins GODOY

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ENSINANDO GEOGRAFIA PELAS IMAGENS: A PAISAGEM NA CIDADE DE SALVADOR.

ENSINANDO GEOGRAFIA PELAS IMAGENS: A PAISAGEM NA CIDADE DE SALVADOR. ENSINANDO GEOGRAFIA PELAS IMAGENS: A PAISAGEM NA CIDADE DE SALVADOR. Marcelo Amorim Correia correiacelo@yahoo.com.br UEFS / FACULDADE SOCIAL / COLÉGIO ANTONIO VIEIRA- BAHIA Marcelo Oliveira de Faria marcelo.faria65@gmail.com

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA Carolina Madsen Beltrame 137 Faculdade De Artes Do Paraná

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - PPGE FACULDADE DE EDUCAÇÃO - BELO HORIZONTE MESTRADO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - PPGE FACULDADE DE EDUCAÇÃO - BELO HORIZONTE MESTRADO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - PPGE FACULDADE DE EDUCAÇÃO - BELO HORIZONTE MESTRADO EM EDUCAÇÃO Autor: Cacilda da Silva Rodrigues Coautor: Prof. Dr. José

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

CICLOS DE VIDA NOS LUGARES DAS ÁGUAS: as ilhas do rio São Francisco em Pirapora/MG

CICLOS DE VIDA NOS LUGARES DAS ÁGUAS: as ilhas do rio São Francisco em Pirapora/MG CICLOS DE VIDA NOS LUGARES DAS ÁGUAS: as ilhas do rio São Francisco em Pirapora/MG SOUZA, Angela Fagna Gomes de UFU angelafagna@hotmail.com SANTOS, Rodrigo Herles dos UFU rherlles@hotmail.com BRANDÃO,

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS

CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS CANAIS DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Neste artigo serão abordados os canais da comunicação, pelos quais a individualidade e os respectivos comportamentos de alguém, podem

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA Aspectos Importantes para saber sobre Surdocegueira e DMU Shirley Rodrigues Maia Sobre Conceito, Definição e Terminologia A surdocegueira é uma terminologia adotada mundialmente para se referir a pessoas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA Vicente de Paulo da Silva * Este texto consiste num relato de experiências sobre a orientação

Leia mais

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015 Ara Pyaú Haupei Kyringue Paola Correia Mallmann de Oliveira Este ensaio fotográfico é uma aproximação ao ara pyaú (tempo novo) e às kiringue (crianças) no nhanderekó, modo de ser tradicional entre os mbyá

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA ESTIMULAÇÃO DA MEMÓRIA EM IDOSOS PAULA, Mery Helen Feleizari de, (FECILCAM)meeryhelen@hotmail.com

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA ESTIMULAÇÃO DA MEMÓRIA EM IDOSOS PAULA, Mery Helen Feleizari de, (FECILCAM)meeryhelen@hotmail.com A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA ESTIMULAÇÃO DA MEMÓRIA EM IDOSOS PAULA, Mery Helen Feleizari de, (FECILCAM)meeryhelen@hotmail.com SCHERER, Cleudet de Assis, (OR), (FECILCAM)cleudet@yahoo.com RESUMO: o objetivo

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf A voz ao seu alcance! Software de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet Projeto co financiado

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA:

MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA: CURSO DE DIREITO - 1º SEMESTRE/2013 1 Prof a.: Helisia Góes Disciplina: MONOGRAFIA I Turmas: 9º DIN-2 MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA: 1) SE...

Leia mais

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 RECH, Indiara 2 ; OLIVEIRA, VALESKA FORTES DE 3 ; BREOLIN, Caroline Ferreira 4 ; ZINI, Hallana Cristina Peransoni 5 ; FORTES, Nátali Dezordi 6 1 Trabalho

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL. Ano/Semestre letivo: 2012/1. Curso: Curso de Licenciatura em História. Período/Série: 2 período.

TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL. Ano/Semestre letivo: 2012/1. Curso: Curso de Licenciatura em História. Período/Série: 2 período. TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL Caracterização Curso: Curso de Licenciatura em História Ano/Semestre letivo: 2012/1 Período/Série: 2 período Turno: ( ) Matutino (x ) Vespertino ( ) Noturno Carga

Leia mais

Despertar os sentidos!

Despertar os sentidos! Despertar os sentidos! Tudo o que conhecemos chega-nos, de uma forma ou de outra, através de sensações sobre as realidades que nos rodeiam. Esta consciência sensorial pode e deve ser estimulada! Quanto

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

DAS IMAGENS AOS MAPAS MENTAIS: UMA PROPOSTA DE ENTENDIMENTO DAS PERCEPÇÕES PRESENTES EM ESCOLAS RIBEIRINHAS DE PORTO VELHO

DAS IMAGENS AOS MAPAS MENTAIS: UMA PROPOSTA DE ENTENDIMENTO DAS PERCEPÇÕES PRESENTES EM ESCOLAS RIBEIRINHAS DE PORTO VELHO DAS IMAGENS AOS MAPAS MENTAIS: UMA PROPOSTA DE ENTENDIMENTO DAS PERCEPÇÕES PRESENTES EM ESCOLAS RIBEIRINHAS DE PORTO VELHO Lucileyde Feitosa Sousa/UFPR e UNIR lucileyde@feitosa.og Kelton Gabriel/UFPR kelton.gabriel@gmail.com

Leia mais

MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO DO BAIRRO

MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO DO BAIRRO Helania Martins de Souza Universidade Federal do Ceará helania.martins@yahoo.com.br Pesquisa em conclusão MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Rafaela Lumi Vendramel 1,2,3, Renata Mayara Campos 1,2, Ana Lúcia Olivo Rosas Moreira 1

Rafaela Lumi Vendramel 1,2,3, Renata Mayara Campos 1,2, Ana Lúcia Olivo Rosas Moreira 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1037 PERCEPÇÃO AMBIENTAL E ASPECTOS CULTURAIS: UM ESTUDO QUALITATIVO COM A COMUNIDADE DO ENTORNO DA UNIDADE MUNICIPAL

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO

SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO UNIDADE 1 A CIÊNCIA, EU E VOCÊ Capítulo 1. Fazendo ciências Onde encontramos a ciência? Quem são e o que fazem os cientistas? 2. Eu sou assim Partes do corpo

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Terceira medição ano 2006 Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar a

Leia mais

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL?

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? Por que oferecer um atendimento multicanal? Este livro reúne em uma única fonte dicas para inovar na experiência com clientes, de um jeito simples e prático;

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos.

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Tempo e Clima Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Resumo A série Tempo e Clima constitui-se de documentários que descrevem grandes

Leia mais

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços.

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços. Honorato Fonseca Atividade 12 Comportamento do Consumidor de Serviços Caros Alunos, As atividades das Semanas 12 e 13 serão realizadas em grupo. O grupo pode ser composto por todos os alunos. O objetivo

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL SILVEIRA, Tatiana dos Santos da FURB - Universidade Regional de Blumenau silsa@terra.com.br

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014 Atividades Pedagógicas Dezembro 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1

NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1 NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1 Grazielle Santos SILVA (PUC-MG) 2 Lívia Dutra JUSTINO (PUC-MG) 3 Resumo em português Apesar de o senso comum associar

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A MATEMÁTICA NA EQUOTERAPIA KLUG, Marly Stédile 1 ; PEREIRA, Ivan

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

A intervenção da educação musical no processo de reabilitação do deficiente visual 1

A intervenção da educação musical no processo de reabilitação do deficiente visual 1 A intervenção da educação musical no processo de reabilitação do deficiente visual 1 Paulo Roberto de Oliveira Coutinho Universidade Federal do Rio de janeiro Paulobass2000@yahoo.com.br Resumo: O foco

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção ATENÇÃO Conceitos iniciais Muito tem sido discutido e escrito acerca dos elementos necessários para um desenvolvimento harmonioso das potencialidades de consciência do ser humano. No entanto, muitos materiais

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

INFÂNCIA E CEGUEIRA: PRODUÇÃO DE LIVROS TÁTEIS PARA CRIANÇAS CEGAS E DE BAIXA VISÃO

INFÂNCIA E CEGUEIRA: PRODUÇÃO DE LIVROS TÁTEIS PARA CRIANÇAS CEGAS E DE BAIXA VISÃO INFÂNCIA E CEGUEIRA: PRODUÇÃO DE LIVROS TÁTEIS PARA CRIANÇAS CEGAS E DE BAIXA VISÃO Emilly Pereira Marques 1 Natália Cardoso Gonçalves 1 Avenida Geremário Dantas, 718. Bloco 1 / Apto: 202. Jacarepaguá,

Leia mais

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos JULIANNE FISCHER SILVANA KUNEL PEREIRA Em 1999, no estado de Santa Catarina, os Centros de Educação de Adultos (CEA s) passaram a se denominar Centro de Educação

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE (ELDA ELBACHÁ) Foi realmente uma oportunidade estar presente no Workshop de Michael White nos dias 17,18 e 19 de março de 2005, no auditório do Hotel Blue Tree Towers

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais