Tratamento de Água Osmose Reversa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento de Água Osmose Reversa"

Transcrição

1 Tratamento de Água Osmose Reversa

2 O que é osmose? Tendência natural dos líquidos (p.ex., água) a se deslocarem do lado menos concentrado (em soluto) para o lado mais concentrado (em soluto) de uma membrana semipermeável, até o alcance de um equilíbrio, chamado equilíbrio osmótico Por que a filtração convencional não é uma solução para água salobra? Porque a filtração convencional não é capaz de reter material solúvel na água. Perguntas Freqüentes

3 Aplicação principal: obtenção de água dessalinizada. Em localidades áridas ou no litoral, para transformar água do mar em água potável; Em localidades onde a água obtida de poços profundos é salobra e, portanto, imprópria para o consumo humano; Tecnologia foi descoberta, entre os anos 50 e 60: Osmose Reversa

4 Hoje a tecnologia ganhou espaço no mercado: Controle de poluentes Segmento da biotecnologia e farmacêutico Equipamentos que necessitam de água dessalinizada. Grandes estações de tratamento de água de países desenvolvidos, ex. EUA. Hemodiálise (rins artificiais) Aplicações atuais

5 A osmose reversa ou inversa é um processo pelo qual a água é desmineralizada através de sua passagem por uma membrana semipermeável, sob alta pressão. A osmose reversa é o processo inverso da osmose natural! Entendendo a Osmose Reversa

6 Tendência natural dos líquidos (ex., água) a se deslocarem do lado menos concentrado (em soluto) para o lado mais concentrado (em soluto) de uma membrana semipermeável, até o alcance de um equilíbrio, chamado equilíbrio osmótico. Osmose - Definição

7 A osmose normal pode ser observada nas plantas. A água é absorvida pelas plantas para diluir a alta concentração de sais dentro de suas células. Este é o motivo pelo qual a água é absorvida do solo quando as plantas são regadas. Se o solo em volta da planta fosse regado com água salgada, as plantas murchariam devido a concentração de sal no meio externo ser maior que dentro dela, fazendo com que a água se movesse de dentro para fora de suas células. Osmose Natural

8 Fluxo osmótico Equilíbrio osmótico Osmosis Inversa Pressão Pressão Osmótica (Altura) Água Solução Água Solução Água Solução Pura Salina Pura Salina Pura Salina Membrana Semi-permeável Membrana Semi-permeável Membrana Semi-permeável Fluxo Osmótico x Osmose Reversa

9 Para reverter o processo osmótico, é necessário vencer a pressão osmótica de equilíbrio através da membrana, devido ao fluxo natural tender a diluir a solução mais concentrada. Para a obtenção de água pura deve-se então aumentar a concentração de sais dentro da célula (lado do concentrado da membrana). Para isso é necessário aumentar a pressão no lado da água salgada da membrana, forçando a água através dela. Osmose Reversa

10 A Osmose Reversa utiliza membranas que são permeáveis à água porém não aos sais e as espécies de maior peso molecular. A Filtração de faz sob alta pressão. É descartado cerca de 50% da vazão de entrada com alta saturação. Os 50% utilizados é chamado de Permeado. Princípios de operação

11 Tap Water: ppm de TDS (membranas usadas pelas Osmoses 3M) Brackish Water: de TDS Sea Water: de TDS (a água do mar tem em média de TDS) Tipos de Membrana

12 Módulo de membrana Água Pressostatos PLD PBA Manômetro Válvula de Controle de Pressão/Vazão Produzida Válvula de Flushing Água de Água de Alimentação Rejeito Válvula Solenóide da Água de Alimentação Motor Bomba WFS-HP Conhecendo uma Osmose

13 Fluxograma Instalação

14 Como se dá a interação da membrana com os diferentes contaminantes? Troca iônica Peso molecular Polaridade Como atualmente existe uma série de tipos diferentes de membrana disponíveis no mercado, estas podem ser escolhidas em função de sua melhor afinidade química com o contaminante que se deseja reter. Membranas

15 A osmose reversa, além da destilação, é o único processo conhecido que pode remover, efetivamente, os seguintes tipos de impurezas da água: 1- Sais dissolvidos na água 2- Material coloidal 3- Total de sólidos Dissolvidos 4- Metais Tóxicos 5- Elementos Radioativos 6- Microrganismos 7- Pesticidas e Herbicidas 8- Moléculas de compostos orgânicos pesados (peso molecular maior que 300 dalton) Osmose Reversa

16 Osmose reversa Leitos de troca iônica Destilação Eletrodiálise As tecnologias para dessalinização

17 Semelhança As duas tecnologias visam a dessalinização da água. Diferença A Destilação consiste em evaporar e logo em seguida condensar a água, convertendo o vapor gerado em água destilada. O processo de Osmose Reversa filtra a água por meio de membranas que retém a maior parte das moléculas dos sais nela dissolvidos. Osmose X Destilação

18 Elimina a agressividade da água salgada, que corrói tubulações e equipamentos, exigindo, por exemplo, que todos os tubos, bombas e reservatórios sejam construídos em aço inoxidável ou em plásticos resistentes ao sal; Elimina a elevada alcalinidade da água salgada, que provoca o entupimento, pela formação de placas salinas, de tubulações e válvulas; Constitui-se uma alternativa que contorna o elevado consumo de energia demandada nos destiladores, lembrando-se que, quando é empregada energia solar, o processo não funciona em períodos de sol encoberto. Osmose Reversa x Benefícios

19 Os materiais e a confecção das membranas empregadas na osmose reversa resultaram de sofisticadas pesquisas tecnológicas, ligadas à indústria espacial. Em todo o mundo, existem talvez cinco ou seis fabricantes dessas membranas, dentre os quais a Monsanto, que desenvolveu pioneiramente a tecnologia, mediante contrato com a NASA. A membrana utilizada nas Osmoses Cuno são fabricadas pela Dow Quimica. ( Filmtec ) Porque do Elevado Preço

20 Membranas semi-permeáveis: Transferência da água (preferencialmente) sob o efeito de um gradiente de pressão. São geralmente classificadas de acordo ao tamanho dos seus poros: Microfiltração (MF), Ultrafiltração (UF), Nanofiltração (NF), Osmose Reversa (RO), Hiperfiltração (HF) Membranas de filtração ou semi-permeáveis

21 Estas membranas não modificam ou alteram a composição da solução, removendo somente os sólidos em suspensão, colóides, bactérias, etc. Não existe nenhum fenômeno de pressão osmótica, ou de polarização pela concentração. Conseqüentemente, o entupimento é devido a acumulação das partículas na superfície dos poros do meio filtrante. A filtração é feita a fluxo radial, e raramente a fluxo tangencial. Microfiltração (MF)

22 As membranas empregadas em ultrafiltração possuem uma estrutura que somente permite a rejeição dos solutos de maior tamanho (macro-moléculas), e conseqüentemente todos os outros tipos de particulados tais como vírus e bactérias. As vazões especificadas para água pura diminuem drasticamente principalmente por incrustação de colóides na membrana e pela adsorção de diversos solutos, que tendem a precipitar pela elevada concentração dos sais na superfície de filtração. Ultrafiltração (UF)

23 A nanofiltração é um desenvolvimento recente, sendo uma variação das membranas de osmose reversa, com as seguintes características: A passagem de sais monovalentes é relativamente alta: entre 30 e 60% A passagem de sais bivalentes é substancialmente menor: entre 1 e 5% A passagem de solutos orgânicos é do mesmo nível que nas membranas de RO A osmose reversa vai além da nanofiltração... Nanofiltração (NF)

24 Espécies Peso Molecular (Daltons) Tamanho (nm) Espécies Retidas (faixa de utilização prática) MF UF NF RO(HF) Lev eduras e Fungos Bactérias - Células Coloides Virus Proteínas Polisacarídeos Enzimas Açúcares simples Orgânicos Ions inorgânicos ,8-1,0 0,4-0,8 0,2-0,4 4 3 Retenção em MF, UF, NF e RO

25 Como as membranas empregadas na OR são de elevado custo, por se em importadas, estas devem ser resguardadas e seu uso econômico deve se limitar à retenção dos diminutos materiais não retidos nos processos anteriores. Nesse sentido, os pré-filtros protegem a integridade física da membrana e contribuem para que não haja incrustações em sua superfície, geradas principalmente pelo acúmulo de sólidos. Se a água de alimentação da osmose for clorada, esta necessariamente, precisa ser filtrada com carvão ativado, pois o cloro é incompatível com a maioria das membranas. A importância da pré-filtração

26 A maximização do uso da membrana se dá, pela soma da pré-filtração e da geometria de fluxo tangencial presente nas osmoses reversas. Concentrado Permeado A importância da pré-filtração

27 O processo de filtração por osmose reversa gera dois fluxos: Fluxo de permeado: fluido filtrado Fluxo de rejeito: concentrado de descarte Por existir o rejeito, o processo não é 100% eficiente A Eficiência do Processo

28 Modelos: HP GPD ou 567 litros/dia HP GPD ou 1135 litros/dia HP GPD ou 2270 litros/dia HP GPD ou 3400 litros/dia HP GPD ou 4540 litros/dia ( Volumes para Permeado ) Modelos 3M Disponíveis

29 Linha HP

30 Modelos: EOR litros/dia EOR litros/dia EOR litros/dia EOR litros/dia EOR litros/dia ( Volumes para Permeado ) Modelos Ecohouse Disponíveis

31 Linha Ecohouse

32 Projetos Especiais

Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc.

Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc. Dessalinização uma análisetécnicae econômica André Lermontov, D.Sc. Curriculum Autor: André Lermontov Doutor e mestre em Engenharia Química pela UFRJ; Gerente de Tecnologias do Grupo Águas do Brasil responsável

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Autores*: Antonio R. P. Carvalho Pedro H. B. Moreira Trabalho premiado ABTCP 2014 RESUMO O presente trabalho busca divulgar

Leia mais

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Introdução Definição Eliminar componentes indesejáveis Meio filtrante:

Leia mais

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes AULA 2 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS Prof.: José Carlos Mierzwa Processos de Separação por Membranas

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Milhões de m 3 /dia I. Introdução Sistemas de osmose reversa vêm sendo uma opção cada vez mais adotada pelo setor industrial

Leia mais

Sistema Osmose Inversa

Sistema Osmose Inversa Sistema Osmose Inversa Manual do Utilizador 02 - Introdução 03 - O que é osmose inversa 04 - Componentes e opcionais 05 - Filtros de cartucho 06 - Identificação do sistema RO 07 - Diagrama de ligações

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Proceedings of the ABTCP 2014 The 47 th ABTCP International Pulp and Paper Congress, October, 7-9. 2014, Sao Paulo Brazil. 2014 ABTCP RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE

Leia mais

III III III III ROfine

III III III III ROfine III III III III ROfine Osmose Inversa ALTAMENTE COMPETITIVO TECNOLOGIA DE CONFIANÇA Vantagens e Aplicações A remoção de sais dissolvidos, de metais e de outros contaminantes contribui para a integridade

Leia mais

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096)

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (21)PI0902102-7 A2 j1111111,11111,1111 1,1H FLIeraliva (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (51) InÉCL: CO2F 1/14 CO2F 9/12 (54) Título: SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO

Leia mais

PROCESSOS DE DESSALINIZAÇÃO

PROCESSOS DE DESSALINIZAÇÃO PROCESSOS DE DESSALINIZAÇÃO III Hydrovolcanic-2017 Angra do Heroísmo e Praia da Vitória - Açores 3, 4, 5 e 6 de Setembro de 2017 João de Quinhones Levy (joao.levy@tecnico.ulisboa.pt) (jlevy@ecoservicos.pt)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE MEMBRANA-RESINA PARA A PRODUÇÃO DE ÁGUA DE BAIXA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE MEMBRANA-RESINA PARA A PRODUÇÃO DE ÁGUA DE BAIXA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA ISSN 1983-4209 Volume 09 Número 04 2013 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE MEMBRANA-RESINA PARA A PRODUÇÃO DE ÁGUA DE BAIXA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA José Theódulo Fernandes Neto 1, Bruna da Silveira Guimarães 2,

Leia mais

Membrana celular. Natália Paludetto

Membrana celular. Natália Paludetto Membrana celular tália Paludetto Membrana celular, o que é? Fino revestimento (7 a 10nm) que envolve a célula. Tem capacidade de se regenerar, é descontínua pois apresenta poros, conduz eletricidade e

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Transporte e translocação de solutos Transporte de solutos O movimento de moléculas ou íons de um local para outro é conhecido como TRANSPORTE

Leia mais

Figura 2.1: Representação esquemática de separação de sistema bifásico por uma membrana (adaptado de Mulder, 1991) [43].

Figura 2.1: Representação esquemática de separação de sistema bifásico por uma membrana (adaptado de Mulder, 1991) [43]. 2 Nanofiltração 2.1. Processos de Separação por Membranas (PSM) Há algumas décadas, em adição aos processos clássicos de separação como filtração, centrifugação, destilação, troca iônica e extração por

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GESTÃO DA QUALIDADE DE FORNECEDORES ÁGUA REAGENTE Ana Paula Lima 2 Fornecedores O Sistema de Gestão da Qualidade do laboratório deve contemplar o fornecimento

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São propriedades que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão

Leia mais

Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Ricardo Marinho R.

Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Ricardo Marinho R. Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Ricardo Marinho R. Vieira Curitiba, Agosto 11, 2017 20/06/2017 2 SIMPÓSIO DE ÁGUA PURA FARMACEUTICA

Leia mais

TENDÊNCIAS NA HARMONIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS PARA WFI. Diniz Augusto Cepeda - IDENOR ABRASP 2011

TENDÊNCIAS NA HARMONIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS PARA WFI. Diniz Augusto Cepeda - IDENOR ABRASP 2011 TENDÊNCIAS NA HARMONIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS REGULATÓRIAS PARA WFI Diniz Augusto Cepeda - IDENOR ABRASP 2011 Aspectos a serem considerados Normativos Técnicos ASPECTO NORMATIVO FDA (Food and Drug Administration)

Leia mais

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros Filtração é uma operação unitária que tem por objetivo a separação mecânica de um sólido de um fluido, seja este fluido um líquido ou gás. Suspensão Filtração Resíduo, torta ou bolo Meio Filtrante permeável

Leia mais

A QUESTÃO DA ÁGUA. (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa?

A QUESTÃO DA ÁGUA. (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa? A QUESTÃO DA ÁGUA (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa? O planeta Terra; o planeta azul; o planeta água; é um sistema fechado

Leia mais

PHA 5053 PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Prof.: José Carlos Mierzwa

PHA 5053 PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Prof.: José Carlos Mierzwa PHA 5053 PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br OBJETIVOS Apresentar os principais conceitos associados aos processos de separação

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos

GE Power & Water Water & Process Technologies. Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos GE Power & Water Water & Process Technologies Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos Oferecendo soluções que forneçam água para praticamente qualquer aplicação, quantidade ou qualidade.

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I 115 Página 1 de 6 1. Objetivo Estabelecer a sistemática para a produção de água reagente para o abastecimento do equipamento Architecti2000 (Abbott), dos demais equipamentos que utilizam esta água

Leia mais

Temas de estudo. Tratamento terciário de efluentes. Tratamento terciário. Aula semestre de 2015 Níveis de tratamento

Temas de estudo. Tratamento terciário de efluentes. Tratamento terciário. Aula semestre de 2015 Níveis de tratamento Prof a : Gisele Fátima Morais Nunes Disciplina: PI II Turma: Módulo IV Departamento de Química Tratamento terciário de efluentes Aula 10 1 semestre de 2015 Níveis de tratamento EFLUENTE Temas de estudo

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande-UFCG-LABDES-Laboratório de Dessalinização Email para correspondência: jsolar07@gmail.com

Universidade Federal de Campina Grande-UFCG-LABDES-Laboratório de Dessalinização Email para correspondência: jsolar07@gmail.com APLICAÇÕES DO PROCESSO DE OSMOSE REVERSA PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA SALOBRA DO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO Moura, J.P.; Monteiro, G.S.; Silva, J.N.; Pinto, F.A.; França, K.P. Universidade Federal de Campina

Leia mais

Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES

Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES German-Brazilian Environment Seminar - Water Efficiency for Industries Painel II Cases Sílvia Lima Touma 09/11/2017 PRGE/ENG/CIUT/TAE Torres de Resfriamento

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. 2 ano

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. 2 ano PROPRIEDADES COLIGATIVAS 2 ano São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química, um líquido puro e uma solução desse líquido como solvente, a presença de soluto

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Material de apoio do Extensivo 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO OSMOSE REVERSA

MANUAL DE OPERAÇÃO OSMOSE REVERSA Folha: 1/18 Rev: 0 ÍNDICE 1. 1. INTRODUÇÃO... 2 2. SISTEMA DE... 6 2.1 DOSAGEM DE ANTIINCRUSTANTE... 6 2.2 DOSAGEM DE SODA CAUSTICA... 7 2.3 FILTROS DE CARTUCHO... 8 2.4... 8 2.4.1 FLUSHING DO SISTEMA

Leia mais

O crédito por essa incrível invenção foi dado, em 1591, aos holandeses Hans Janssen e seu filho Zacarias, fabricantes de óculos.

O crédito por essa incrível invenção foi dado, em 1591, aos holandeses Hans Janssen e seu filho Zacarias, fabricantes de óculos. 1º ano Pró Madá O crédito por essa incrível invenção foi dado, em 1591, aos holandeses Hans Janssen e seu filho Zacarias, fabricantes de óculos. O holandês Antonie van Leewenhoek construiu microscópios

Leia mais

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica AULA 4 Físico-Química Industrial Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica Prof a Janaina Barros 2010 CLASSIFICAÇÃO Operações preliminares: São normalmente utilizadas antes de qualquer outra operação.

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira Transporte através da Membrana Plasmática CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira A membrana plasmática é formada por 2 camadas ( Bicamada ) de lipídios

Leia mais

Tecnologias para Filtração de Água

Tecnologias para Filtração de Água Tecnologias para Filtração de Água Leandro Pitarello H2Life Brasil Graduação: Engenharia Química (FEI) Especialização: Gestão Integrada (SENAC) Conhecendo a H2Life A H2Life Brasil é uma empresa que atua

Leia mais

Gabarito: Resposta da questão 1: [A] [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia]

Gabarito: Resposta da questão 1: [A] [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia] Gabarito: Resposta da questão 1: [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia] A dissolução do cloreto de sódio à água pura eleva o seu ponto de ebulição. O aquecimento do meio de cultura provocava

Leia mais

Propriedades da água e o ciclo hidrológico

Propriedades da água e o ciclo hidrológico Capítulo 2 Propriedades da água e o ciclo hidrológico Os conceitos fundamentais do ciclo hidrológico. A água é uma substância com características incomuns. É a substância mais presente na superfície do

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Disciplina Cronograma Avaliação Bibliografia Introdução

Leia mais

TECNOLOGIAS DE PONTA PURIFICAÇÃO DE H 2 O

TECNOLOGIAS DE PONTA PURIFICAÇÃO DE H 2 O VIDA VIVA LAB SÉRIES TODOS TEMOS DIREITO A ÁGUA SAUDÁVEL! TECNOLOGIAS DE PONTA PURIFICAÇÃO DE H 2 O ESQUECEU-SE DA IMPORTÂNCIA DA ÁGUA NO EQUILIBRIO DA SUA SAÚDE? O corpo humano é composto por 70% de água,

Leia mais

Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade. PAM Membranas Seletivas Ltda.

Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade. PAM Membranas Seletivas Ltda. Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade PAM Membranas Seletivas Ltda. Rio de Janeiro, Maio de 2005 Membranas Seletivas Membranas do Tipo Fibra Oca para Microfiltração Purificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM REATOR ELETRODIALÍTICO PARA O APROVEITAMENTO DO SUBPRODUTO DA DESSALINIZAÇÃO DE SOLUÇÕES SALINAS VIA ELETRODIÁLISE

AVALIAÇÃO DE UM REATOR ELETRODIALÍTICO PARA O APROVEITAMENTO DO SUBPRODUTO DA DESSALINIZAÇÃO DE SOLUÇÕES SALINAS VIA ELETRODIÁLISE AVALIAÇÃO DE UM REATOR ELETRODIALÍTICO PARA O APROVEITAMENTO DO SUBPRODUTO DA DESSALINIZAÇÃO DE SOLUÇÕES SALINAS VIA ELETRODIÁLISE M. L. Freire, E. D. Melo e K. B. França 1 Resumo - Um reator eletrodialítico

Leia mais

WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS

WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS Eng. Elso Vitoratto engenharia@novaeraambiental.com.br TABELA Variação da composição do lixiviado para 25 aterros

Leia mais

CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B

CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B AULA 3 EXPRESSÕES DE CONCENTRAÇÃO (CONT.) E PROPRIEDADES COLIGATIVAS DATA: 01/09/2014 1) EXPRESSÕES DE CONCENTRAÇÃO (CONTINUAÇÃO) a. FRAÇÃO EM MOL Fração em mols ou fração

Leia mais

Aula: Processo de Filtração

Aula: Processo de Filtração Aula: Processo de Filtração Definição: É uma operação unitária que tem por finalidade, a separação de um sólido insolúvel presente em um fluido (líquido ou gás), através da passagem desta mistura sólido-fluido

Leia mais

Serviços Móveis de Água

Serviços Móveis de Água Serviços Móveis de Água Qualidade e segurança com mobilidade disponíveis FILTRAÇÃO Com capacidades a partir de 5m³/h. Remoção de sólidos suspensos, odor e sabor. ABRANDAMENTO Com capacidades a partir de

Leia mais

Exemplos: A água do mar é uma mistura constituída por: água (substância) cloreto de sódio (substância) e outras substâncias.

Exemplos: A água do mar é uma mistura constituída por: água (substância) cloreto de sódio (substância) e outras substâncias. Quase todos os materiais que existem na Natureza são misturas de dois ou mais componentes. Cada um destes componentes designa-se por substância. Uma mistura é um material constituído por dois ou mais componentes;

Leia mais

1. OBJETIVO DO TRABALHO

1. OBJETIVO DO TRABALHO ELETROFLOCULAÇÃO EM CORRENTE ALTERNADA COMBINADA COM PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS DE OSMOSE INVERSA PARA TRATAMENTO DE ÁGUA DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO ONSHORE. 1. OBJETIVO DO TRABALHO Um dos pontos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA

Leia mais

Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici

Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici Slides podem ser baixados no site perfumesequimica.wordpress.com 2 Algumas perguntas... Por que a água ferve a 71 C no Monte Everest? Por que o sal ou o

Leia mais

Citologia (membrana e citoplasma):

Citologia (membrana e citoplasma): Aula 01 Citologia (membrana e citoplasma): Passagem de soluto (geralmente um gás) do meio mais concentrado para o menos concentrado. Processo comum nos alvéolos pulmonares (hematose). A Membrana Plasmática

Leia mais

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC)

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC) APLICAÇÃO Mineração Indústria metalúrgica Desaguamento de concentrados de minérios ferrosos e não-ferrosos Desaguamento de rejeitos e lamas Filtragem de polpa fina de oxido de alumínio O uso do Filtro

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS Nádia Maria Moreira e Silva nadiaponto@gmail.com Prof. Dr. Nivaldo dos Santos nivaldodossantos@bol.com.br RESUMO: A água é um dos compostos inorgânicos

Leia mais

Registro de Ficha Técnica de Produtos

Registro de Ficha Técnica de Produtos Página 1 de 5 RELATÓRIO TÉCNICO - 10 Nome do Produto: DIALISADORES DE POLIETERSULFONA DIALINE HMP220 - MÉDIO FLUXO 2.2 m² Número do registro (ANVISA): 80188510008 Referências: 91000MF30222 médio fluxo

Leia mais

Exemplos: A água do mar é uma mistura constituída por: água(substância) cloreto de sódio (substância) e outras substâncias.

Exemplos: A água do mar é uma mistura constituída por: água(substância) cloreto de sódio (substância) e outras substâncias. Quase todos os materiais que existem na Natureza são misturas de dois ou mais componentes. Cada um destes componentes designa-se por substância. Uma mistura é um material constituído por dois ou mais componentes;

Leia mais

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Operações de limpeza e

Leia mais

PRODUÇÃO DE ÁGUA A BORDO DE NAVIOS E PLATAFORMAS

PRODUÇÃO DE ÁGUA A BORDO DE NAVIOS E PLATAFORMAS GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE PRODUÇÃO DE ÁGUA A BORDO DE NAVIOS E PLATAFORMAS Tayná Dalci Nicolau de Freitas Rio de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Filtração Parte 1 - Mecanismos de filtração - Perda de carga relativa à

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Propriedas coligativas Resposta da questão 1: Adição 1,0 mol Na 2 SO 4 a 1 L água (experimento A): + 2 1 Na2SO4 2Na + 1SO 4 3 mols partículas A partir da tabela percebe-se que: Volume Soluto água (L) 1

Leia mais

DESSALINIZADOR MECÂNICO

DESSALINIZADOR MECÂNICO DESSALINIZADOR MECÂNICO A EMPRESA: TEXAS DO BRASIL OIL & GAS Empresa de base tecnológica com atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica nas áreas de petróleo e gás e de potabilidade

Leia mais

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Prof. Marco Saidel. Centrais Termelétricas

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Prof. Marco Saidel. Centrais Termelétricas PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Prof. Marco Saidel Centrais Termelétricas Termelétrica Princípio de funcionamento energia térmica energia mecânica energia

Leia mais

A Água na Planta. Fisiologia Vegetal Unidade II. Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca)

A Água na Planta. Fisiologia Vegetal Unidade II. Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca) A Água na Planta Fisiologia Vegetal Unidade II Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca) Considerações Iniciais + 10 Valores Positivos: pressão exercida sobre uma superfície. Força x área (N, MPa, Bar,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1. Identificação do Produto e da Empresa. Nome comercial: Sal de Cromo Chromacid (BR). Código do produto: 1673923 Atotech do Brasil Galvanotécnica Ltda Rua Maria Patrícia da Silva, 205 - Jardim Isabela

Leia mais

FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS. Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana.

FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS. Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana. FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana. FUNÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA Isolamento físico Regulação de trocas Comunicação celular Suporte estrutural Modelo

Leia mais

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES 16º ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL : REÚSO DE ÁGUA SÃO PAULO, SP - 7 e 8 de Novembro de 2016 Associação

Leia mais

destilador solar Fig. 2: Foto destilador solar

destilador solar Fig. 2: Foto destilador solar GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SALINOS DA DESTILAÇÃO SOLAR Magna A. dos S. B. Sousa, Josette L. de S. Melo, Henio N. S. Melo, Matheus da C. Borges, and Andréa O. Nunes Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S ETE - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO PARA ESGOTO As Estações de tratamento para esgoto da Ganaind possuem alto padrão e rigorosidade na fabricação,

Leia mais

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Irrigação Localizada Filtros uma medida eficaz na redução de bloqueios físicos dos emissores; escolha dos filtros deve ser realizada de acordo com o tipo de emissor

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO = s + m + p + g onde: (ou w ou a ) = potencial de água total; s (ou o ) = potencial de solutos ou osmótico, que é função da concentração de solutos; negativo m = potencial

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA Permeabilidade Saturação [S] Como pode cair no enem? (ENEM) A lavoura arrozeira na planície costeira da região sul do Brasil comumente

Leia mais

EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS

EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS OPERAÇÕES UNITÁRIAS MECÂNICA DOS FLUÍDOS TRANSMISSÃO DE CALOR AGITAÇÃO E MISTURA SEPARAÇÃO MANUSEIO COM SÓLIDOS BOMBAS MECÂNICA DOS FLUÍDOS DESLOCAMENTO POSITIVO CINÉTICAS ALTERNATIVAS ROTATIVAS CENTRÍFUGAS

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA CICLO HIDROLÓGICO. Prof. Esp. Talles Mello

SANEAMENTO BÁSICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA CICLO HIDROLÓGICO. Prof. Esp. Talles Mello SANEAMENTO BÁSICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA CICLO HIDROLÓGICO Prof. Esp. Talles Mello CICLO HIDROLÓGICO * A água é a substância simples mais abundante no planeta Terra e pode ser encontrada tanto no estado

Leia mais

ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo

ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo Resumo Esta experiência laboratorial teve como principal objetivo separar dois componentes através de uma membrana semipermeável que retém um dos componentes. Utilizando diferentes pressões (3,2 e 1) fomos

Leia mais

EFEITOS COLIGATIVOS DAS SOLUÇÕES VERDADEIRAS Profº Jaison Mattei

EFEITOS COLIGATIVOS DAS SOLUÇÕES VERDADEIRAS Profº Jaison Mattei EFEITOS COLIGATIVOS DAS SOLUÇÕES VERDADEIRAS Profº Jaison Mattei Um efeito coligativo é uma modificação em certas propriedades de um solvente quando nele adicionados um soluto não-volátil, a qual só depende

Leia mais

Saneamento Ambiental I

Saneamento Ambiental I Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 17 Processos de adsorção, membranas e tratamento da águas eutrofizadas e da fase sólida em ETAs Profª Heloise G. Knapik 1

Leia mais

MÉTODO QUÍMICO DE REJUVENESCIMENTO DE MEMBRANAS DE OSMOSE REVERSA

MÉTODO QUÍMICO DE REJUVENESCIMENTO DE MEMBRANAS DE OSMOSE REVERSA MÉTODO QUÍMICO DE REJUVENESCIMENTO DE MEMBRANAS DE OSMOSE REVERSA Autores*: Pedro H. B. Moreira 1 e Antonio R. P. Carvalho 2 1 Engenheiro químico; 2 Diretor técnico Kurita do Brasil Ltda. Brasil Artigo

Leia mais

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação.

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação. Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos. Para a operação de filtração contínua sem manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MICHELLE ZANIN ROVANI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MICHELLE ZANIN ROVANI 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MICHELLE ZANIN ROVANI ESTUDO DA OSMOSE INVERSA NA PRODUÇÃO DE ÁGUA DESMINERALIZADA PARA CALDEIRAS CURITIBA 2012 2 MICHELLE ZANIN ROVANI ESTUDO DA OSMOSE INVERSA NA PRODUÇÃO

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Coloides. Prof: Alex. quinta-feira, 20 de junho de 13

Coloides. Prof: Alex. quinta-feira, 20 de junho de 13 Coloides Prof: Alex Sistemas formados pela mistura de substâncias. A substância disseminada na mistura recebe o nome de disperso é a responsável pela disseminação de dispersante. Dispersante Dispersão

Leia mais

O S M O SE INVERSA. Fase 1: Pré-filtro de sedimentos à acção rede mecânica de 7 um (retém partículas sólidas como a areia, ferrugem etc.

O S M O SE INVERSA. Fase 1: Pré-filtro de sedimentos à acção rede mecânica de 7 um (retém partículas sólidas como a areia, ferrugem etc. O S M O SE INVERSA Osmose inversa é um sistema de purificação de água mais seguro e mais divulgado do mundo: este aparelho permite com efeito a eliminação de partículas poluentes de dimensões infinitamente

Leia mais

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O 2 0 1 0 Difusão Movimento de componentes de uma mistura qualquer,

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente:

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ultrafiltração Projeto FEUP 2014/2015 - Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Coordenadores gerais: Armando Sousa e Manuel Firmino Coordenador de

Leia mais

A distribuição é permitida desde que na íntegra e citada a fonte. DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE PISCINAS COM OZÔNIO

A distribuição é permitida desde que na íntegra e citada a fonte. DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE PISCINAS COM OZÔNIO A distribuição é permitida desde que na íntegra e citada a fonte. DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE PISCINAS COM OZÔNIO SUA PISCINA SAUDÁVEL DE VERDADE! SUA PISCINA COM O MELHOR TRATAMENTO DE DESINFECÇÃO DA ÁGUA

Leia mais

Soluções em água para a Indústria de Alimentos e Bebidas

Soluções em água para a Indústria de Alimentos e Bebidas Soluções em água para a Indústria de Alimentos e Bebidas Veolia Water Technologies LATAM é especialista no tratamento da água para a Indústria de Alimentos e Bebidas e entende as principais preocupações

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO CAMPO MAGNÉTICO NO CONTROLE DA FORMAÇÃO DE INCRUSTAÇÕES EM MEMBRANAS DE OSMOSE INVERSA

A UTILIZAÇÃO DO CAMPO MAGNÉTICO NO CONTROLE DA FORMAÇÃO DE INCRUSTAÇÕES EM MEMBRANAS DE OSMOSE INVERSA A UTILIZAÇÃO DO CAMPO MAGNÉTICO NO CONTROLE DA FORMAÇÃO DE INCRUSTAÇÕES EM MEMBRANAS DE OSMOSE INVERSA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROVENIENTES DE TORRES DE RESFRIAMENTO H.E.P. SCHLÜTER 1, A.L. MARTINS 2, H.F.L.

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA Fixação 1) O esquema abaixo exemplifica um dos tipos de transporte de membrana cuja função é fundamental para o metabolismo celular. No

Leia mais

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose Celso Foelkel Celso Foelkel Características de fábricas modernas Alta capacidade de utilização da capacidade e com produção estável

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 1 Importância Funções para os vegetais Propriedades físico-químicas e térmicas Movimento de água na

Leia mais

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Metabolismo Celular: Respiração e Fotossíntese Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Aspectos Gerais da Fotossíntese Fotossíntese ntese: do grego, photos, luz, e syntithenai,

Leia mais

Tecnologia e Inovação em Saneamento Básico

Tecnologia e Inovação em Saneamento Básico Tecnologia e Inovação em Saneamento Básico tecnologias avançadas GE para a abastecimento público e reúso de efluentes em regiões com escassez hídrica Marcus VG Vallero Gerente Comercial O&G e Saneamento

Leia mais

Qui. Semana. Allan Rodrigues Gabriel Pereira (Victor Pontes)

Qui. Semana. Allan Rodrigues Gabriel Pereira (Victor Pontes) Semana 4 Allan Rodrigues Gabriel Pereira (Victor Pontes) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São propriedades que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão

Leia mais

AS SOLUÇÕES. Soluções, colóides e suspensões. disperso), se distribui de maneira uniforme ao longo

AS SOLUÇÕES. Soluções, colóides e suspensões. disperso), se distribui de maneira uniforme ao longo AS SOLUÇÕES Solução é um tipo mistura chamada de dispersão na qual uma substância, sob forma de pequenas partículas ( disperso), se distribui de maneira uniforme ao longo de toda a extensão de uma outra

Leia mais

1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo.

1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo. Objetivo: 1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo. 2 Apresentar a técnica de flotação em conjunto com uma estação

Leia mais

MEIOS FILTRANTES PARA ÁGUA DE USO DOMÉSTICO¹

MEIOS FILTRANTES PARA ÁGUA DE USO DOMÉSTICO¹ Meios filtrantes para água... 265 MEIOS FILTRANTES PARA ÁGUA DE USO DOMÉSTICO¹ Mariana Tito Teixeira², Lidiane Faria Santos³, Henrique de Freitas Santana⁴ Resumoª: A água é o constituinte mais característico

Leia mais

Funções das glicoproteínas e proteínas da membrana :

Funções das glicoproteínas e proteínas da membrana : Funções das glicoproteínas e proteínas da membrana : 1- UNE ALGUMAS CÉLULAS ÀS OUTRAS (junção celular) muito importante em tecidos como a pele e os vasos sanguíneos 2- FUNCIONAM COMO RECEPTORES > para

Leia mais

Há dois tipos de mecanismos de adsorção: Adsorção física Adsorção química

Há dois tipos de mecanismos de adsorção: Adsorção física Adsorção química Retenção (adsorção) Adsorção É o mecanismo pelo qual as moléculas de poluentes são retidos na superfície dos grãos do solo. Há dois tipos de mecanismos de adsorção: Adsorção física Adsorção química Retenção

Leia mais

Membrana plasmática (plasmalema)

Membrana plasmática (plasmalema) Membrana plasmática (plasmalema) Bicamada lipídica (fosfolipídio + colesterol) responsável pela proteção e pelo controle da entrada e saída de substâncias da célula (permeabilidade seletiva). Modelo do

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

Estações Elevatórias de Água

Estações Elevatórias de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Estações Elevatórias de Água Renato de Oliveira Fernandes Professor

Leia mais