O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL DA CRIANÇA DE 0 À 1 ANO: ORIENTAÇÕES PARA PAIS E CUIDADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL DA CRIANÇA DE 0 À 1 ANO: ORIENTAÇÕES PARA PAIS E CUIDADORES"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE MONICA VIEIRA PORTUGAL DE CARVALHO O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL DA CRIANÇA DE 0 À 1 ANO: ORIENTAÇÕES PARA PAIS E CUIDADORES VOLTA REDONDA 2011

2 FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL DA CRIANÇA DE 0 À 1 ANO: ORIENTAÇÕES PARA PAIS E CUIDADORES Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Ciências da Saúde e Meio Ambiente do UniFOA, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre. Aluna: Mônica Vieira Portugal de Carvalho Orientadora: Profª. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto Volta Redonda 2011

3 Dedico essa Dissertação à minha família que me incentivou durante toda sua realização.

4 A todos os professores do Mestrado, principalmente à minha orientadora Profª. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto, por sua competência durante toda pesquisa.

5 RESUMO O presente trabalho teve como objetivo fundamentar a elaboração de uma Cartilha sobre o Desenvolvimento Motor Normal da criança de zero a um ano de idade, e orientações de como identificar precocemente possíveis alterações, direcionada a pais e profissionais da saúde. Contém informações sobre o desenvolvimento motor normal e seu desenvolvimento. A partir do nascimento, o recém nascido é exposto a uma série de estímulos novos, como o roçar das roupas na pele, o frio e o calor, o desconforto da fome, das cólicas e a necessidade de manter uma postura que o leve a vencer a força da gravidade, por exemplo. Isto faz com que o individuo supere constantemente as dificuldades que se apresentam, e exige uma adaptação possibilitada pela maturação do sistema nervoso central. As etapas do desenvolvimento não são estáticas e a sequência das aquisições motoras são interligadas, sendo cada etapa preparatória das subsequentes. Com isso, pode-se afirmar que no primeiro ano de vida as aquisições nas áreas sensoriomotoras e psicoafetivas, são a base da relação da criança com o mundo e ocorrem de forma intensa neste período. A metodologia utilizada foi de revisão bibliográfica com captação de publicações através de bancos de dados científicos eletrônicos, além de livros voltados à área de pediatria e neuropediatria. O resultado deste estudo foi a produção da cartilha sobre o desenvolvimento motor normal, contendo informações sobre posturas saudáveis, ambiente favorável, e dicas para a percepção de possíveis alterações no desenvolvimento motor. Palavras-chave: Atividade motora. Desempenho psicomotor. Prevenção e controle. Relações professional/família.

6 ABSTRACT This study aimed to support the preparation of a booklet on the normal motor development of children from zero to one year of age, and guidelines for early identification of possible changes, aimed at parents and health professionals. Contains information on motor development and normal development. From birth, the newborn is exposed to a series of novel stimuli, such as the rubbing of clothing on the skin, cold and heat, the discomfort of hunger, colic and the need to maintain a posture that causes you to overcome the force of gravity, for example. This causes the individual to overcome the difficulties that are constantly present, and requires an adaptation made possible by the maturation of the central nervous system. The stages of development are not static and sequence of motor skills are interrelated, each of the subsequent preparatory stage. Thus, one can say that in the first year of life purchases psychoaffective and sensorimotor areas, are the basis of the child's relationship with the world and occur intensively during this period. The methodology used was to capture bibliographic publications through electronic scientific databases, and books focused on the area of pediatrics and neuropediatrics. The result of this study was the production of primer on the normal motor development, containing information about healthy attitudes, environment, and tips for the perception of possible changes in motor development Key words: Motor activity. Psychomotor performance. Prevention and control. Professional relationships/family.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA DESENVOLVIMENTO MOTOR PERÍODO SENSÓRIO-MOTOR O Recém-nascido e o lactente: 0 a 2 anos Maturação do SNC A coordenação dos Reflexos DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA O neonato de 0-10 dias Primeiro mês Segundo mês Terceiro mês Quarto mês Quinto mês Sexto mês Sétimo mês Oitavo mês Nono mês Décimo mês Décimo primeiro e Décimo segundo mês Sinais de possíveis atrasos: primeiro ano de vida METODOLOGIA O PRODUTO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 69

8 LISTA DE SIGLAS RN RTCA RTL RTCS SNC Recém Nascido Reflexo Tônico-Cervical Assimétrico Reflexo Tônico Labiríntico Reflexo Tônico Cervical Simétrico Sistema Nervoso Central

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Reação de Moro FIGURA 2 Reflexo tônico-nucal assimétrico ou Magno de Kleijn FIGURA 3 Reflexo tônico-cervical inverso em decúbito ventral FIGURA 4 Retificação cefálica e extensão corporal FIGURA 5 Reflexo de Landau FIGURA 6 Reflexo mão-boca de Babkin: atitude inicial FIGURA 7 Reflexo mão-boca de Babkin: atitude inicial FIGURA 8 Reflexos de busca: atitude inicial e estimulação FIGURA 9 Reflexos de busca: resposta bucal e rotação cefálica FIGURA 10 Reflexos de busca: resposta bucal e extensão cefálica FIGURA 11 Reflexos de encurvamento do tronco FIGURA 12 Reflexos de encurvamento do tronco Reação de Galant FIGURA 13 Reflexos de preensão plantar FIGURA 14 Reflexo de preensão palmar FIGURA 15 Reflexo de Marcha FIGURA 16 Suporte positivo FIGURA 17 Reflexo postural labiríntico FIGURA 18 Reação postural cervical FIGURA 19 Reação automática FIGURA 20 Levantar a criança da posição dorsal FIGURA 21 Posição ventral FIGURA 22 Posição ventral FIGURA 23 P quarto mês FIGURA 24 Conhecimento do corpo: palpação dos pés FIGURA 25 Conhecimento do corpo: o lactente leva os pés à boca FIGURA 26 O sexto mês FIGURA 27 Posição decúbito ventral (prono) FIGURA 28 Engatinhar FIGURA 29 Ficar em pé e andar... 50

10 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Sinais de possíveis atrasos no desenvolvimento da criança... 51

11 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento motor normal é acompanhado de processos de crescimento, maturação e aquisição da competência e reorganização psicológica. Esses processos permitem à criança adquirir novas habilidades no domínio motor grosseiro e fino, cognitivo e emocional. O desenvolvimento motor pode promover impacto no desenvolvimento social, emocional e cognitivo. Portanto, não devemos ficar surpresos ou confusos quando crianças desenvolverem habilidade motora em razões diferentes com modelos e movimento (ALEXANDRE E BOEHEME 1993, p.10). De acordo com Mafra e Pereira (2007) vários estudos apontam para a identificação precoce das alterações no desenvolvimento da criança e/ou indicadores de risco seja ela orgânica ou ambiental como forma de intervenção oportuna. A Política Nacional de Prevenção de Deficiências (BRASIL, 2010) descreve que prevenir implica em realizar ações que impeçam a ocorrência de fatos ou fenômenos prejudiciais à vida e à saúde e, caso ocorram, evitar a progressão de seus efeitos. Assim, quanto mais ações preventivas, menores as alterações no desenvolvimento natural e as chaves de risco biopsicossocial para a criança (PEREZ & PEREZ, 1992). Segundo Willians & Aiello (2001) nos últimos anos, tem-se observado na literatura estrangeira, uma ênfase cada vez maior na importância do envolvimento da família para o reconhecimento do indivíduo. Formiga et al. (2004) destacam o papel exercido pela figura materna no ambiente familiar e no desenvolvimento da criança, atuando como facilitadora e promotora do desenvolvimento infantil, em especial nesse estudo, o motor. Nesse contexto é de fundamental importância que os pais e cuidadores tenham o conhecimento das etapas do desenvolvimento motor normal no primeiro ano de vida das crianças, com objetivo de acompanhar, estimular e perceber

12 12 precocemente qualquer alteração. É necessário que saibam que as etapas de evolução motora não são estáticas e a sequência das aquisições motoras são interligadas podendo melhorar e adequar a qualidade da movimentação que a criança já possui. A partir de tais considerações realizamos uma extensa pesquisa bibliográfica sobre o desenvolvimento motor normal da criança de zero a um ano de idade identificando as principais aquisições motoras dentro de cada mês e os sinais de alerta no seu desenvolvimento. Nessa investigação o objetivo geral foi construir uma cartilha contendo as etapas do desenvolvimento motor normal de crianças de 0 a 1 ano de idade. Para complementar, selecionaram-se como objetivos específicos: Descrever os elementos essenciais para a estimulação ambiental de crianças de 0 a 1 ano de idade; Apontar os sinais de alerta para o atraso no desenvolvimento motor e suas respectivas possibilidades de intervenção precoce. Desse modo, a elaboração do produto dessa investigação, a Cartilha, terá como público alvo pais e cuidadores; acadêmicos; profissionais da área da saúde; podendo também se estender para estabelecimentos como Creches; Escolas; Clínicas e Maternidades públicas e privadas, contribuindo para orientações importantes sobre o desenvolvimento motor normal e cuidados básicos com a criança.

13 13 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 DESENVOLVIMENTO MOTOR O desenvolvimento humano é um processo que ocorre durante toda vida e resulta de uma inter-relação complexa de fatores biológicos, psicológicos, culturais e ambientais. É definido como mudanças que acontecem na vida de um indivíduo desde a concepção até a morte (SHORT, 1988, p.8). Segundo Schwartzman (2007) o desenvolvimento físico normal é caracterizado pela maturação gradual do controle postural pelo desaparecimento dos reflexos primitivos, em torno de 4 a 6 meses de idade, como o reflexo de moro; o reflexo tônico cervical assimétrico (RTCA); o reflexo de galant; os reflexos plantares; os reflexos orais e pela indução das reações posturais (retificação e equilíbrio). Em uma avaliação dos reflexos primitivos torna-se relevante observar que, mesmo quando presentes na idade esperada, deve-se avaliar se a sua intensidade é adequada para aquela fase. De modo geral, estes reflexos primitivos estarão presentes durante os primeiros seis meses de vida, e serão paulatinamente inibidos, na medida em que padrões de endireitamento e de equilíbrio forem surgindo. Haywood (1986) refere-se a desenvolvimento motor como processo gradativo de refinamento e integração das habilidades e dos princípios biomecânicos do movimento, de modo que o resultado seja um comportamento motor consistente e eficaz. A eficácia é alcançada na prática de um comportamento. Oliveira (2008), citando Willians e cols., afirma que algumas diferenças em relação ao desenvolvimento são devidas a características hereditárias, enquanto outras resultam de diferenças na maturação do sistema nervoso e fisiológico. As diferenças no desempenho dependem muitas vezes do nível e da eficiência dos sistemas de feedback sensitivo motor.

14 14 Segundo Ayres (1995) os movimentos dependem de feedback eficaz para serem eficientes. É importante ressaltar que, apesar de algumas respostas estarem presentes desde o nascimento, nem todos os indivíduos adquirem as mesmas habilidades motoras à mesma idade cronológica. Segundo Prado (2001) as etapas do desenvolvimento não são estáticas e a frequência das aquisições motoras são encadeadas, sendo cada uma preparatória das subsequentes. As idades em que são alcançados os marcos do desenvolvimento são utilizados como dados estatísticos e servem como guias para o reconhecimento dos desvios da normalidade. De acordo com Schwartzman (2007) o desenvolvimento refere-se ao conjunto de alterações mais ou menos contínuas na vida de um organismo. Obedece a uma certa sequência progressiva e irreversível, em condições normais, que pode ocorrer ao nível molecular, funcional ou comportamental. Essas modificações se dão em idades dependentes e consistem de alterações quantitativas e qualitativas, tendo características que permitem a identificação de certas etapas previsíveis para os organismos de certa espécie. Segundo Shepherd (2002) o crescimento e o desenvolvimento não dependem apenas dos processos de maturação determinados pelo código genético. São oriundos também, da experiência da criança e das suas oportunidades de interação com o meio ambiente, ficando evidente que uma das características do desenvolvimento motor normal é a sua grande variabilidade. Conforme descreve Béziers & Hunsinger (1994) através dos movimentos a criança percebe as diferentes sensações: motoras, orgânicas, sensoriais e afetivas. Desse modo, quando tiver percebido o movimento como um todo e quando for capaz de reproduzi-lo voluntariamente, a criança reviverá as sensações que experimentou e que percebeu anteriormente. A teoria maturacional do crescimento e desenvolvimento de Gessel (1997) enfatiza os componentes físicos e motores do comportamento humano. Joavigevest (1972, apud BURNS & MaC DONALD, 1999) consideram o desenvolvimento como uma interação entre forças biológicas, sociais e culturais,

15 15 pelos quais os indivíduos estão continuamente aumentando suas habilidades para funcionar efetivamente na sociedade. A teoria psicossocial de Erickson (1976) refere-se a experiências corporais que fornecem a base para um estado psicológico de confiança versus falta de confiança. O bebê aprende a confiar na mãe, em si mesmo e no ambiente, pela percepção materna de suas necessidades e exigências. A confiança mútua e o desejo de enfrentar as situações juntos, ficam estabelecidos entre a mãe e a criança. Nessa fase, o movimento é um relacionamento recíproco. O embalar rítmico, o ato de banhar e as brincadeiras gerais fornecem um meio natural, com movimento para estabelecer um sentimento de confiança. Já segundo Piaget (1975), anterior a Erickson e a Gessell, o desenvolvimento cognitivo ocorre pelo processo em que o indivíduo se ajusta às condições ambientais. Para ele a acomodação é a adaptação que a criança deve fazer ao meio ambiente quanto às informações novas e assimilação é a interpretação de novas informações. Se essas informações não puderem ser incorporadas, ocorrerá acomodação. O desenvolvimento da capacidade cognitiva se dá numa sequência fixa de estágios qualitativamente diferentes e inclui, também, o conceito de equilíbrio. O mecanismo de formação para o conhecimento se divide em assimilação e acomodação. Quando o desequilíbrio é produzido pela experiência nova, um novo equilíbrio é alcançado em nível mais alto de organização cognitiva. Nessa condição, o desequilíbrio é necessário para o desenvolvimento. Assim as novidades atraem as crianças, mas, se a dissonância cognitiva 1 for grande se sentirão frustradas e não alcançarão novo equilíbrio. A partir da análise das teorias do crescimento e desenvolvimento podemos determinar que o movimento baseia-se na percepção sensoriomotora. A senso motricidade pode ser compreendida como o sistema regulador do externo e percepção mediante conexões entre a pele (tátil), os tendões, os músculos, as articulações, os ossos e o aparelho vestibular. Todos estes sentidos externos têm relação com a estimulação ambiental e a criação que esta gera na criança. 1 Dissonância na aquisição do conhecimento.

16 16 Piaget (1975) fala da inteligência sensoriomotora condicionada pelo componente hereditário da criança e da inter-relação da carga genética com o ambiente da criança, pela utilização progressiva da experiência adquirida. Piaget sempre destaca que o desenvolvimento mental do lactente e da criança pequena, durante os primeiros 18 meses, depende da capacidade de mover-se normalmente. O desenvolvimento motor normal tem repercussões sobre o ambiente e o estímulo, e é dividido em períodos de acordo com o aparecimento das qualidades. Todos os indivíduos passam por estas fases ou períodos, porém, o início e o término de cada uma delas dependem das características biológicas e de fatores educacionais e sociais. A divisão dessas faixas serve como referência e não como norma rígida. Para Piaget (1975) no estágio sensório-motor, o bebê apresenta comportamento inteligente, percebendo o ambiente e agindo sobre ele. Segundo Saccani & Valentini (2010) as aquisições e o desenvolvimento de habilidades motoras ocorrem com ritmos diferenciados entre os indivíduos, observando-se grande variabilidade entre desempenhos ainda na primeira infância, a qual é decorrente da maturação neurológica, das especificidades da tarefa e oportunidades do ambiente. Lopes et al. (2010) complementam que esse estágio se subdivide cinco etapas: uso de reflexos; reação circular primária; reação circular secundária; coordenação de esquemas secundários; e reação circular terciária. A seguir, iremos descrever estas etapas de modo pormenorizado: Uso de Reflexos A criança exerce os reflexos durante o primeiro mês de vida. Depois ela coordena reflexos e reações, surgindo além dos reflexos instintivos, como por exemplo, a sucção, as primeiras tendências imitativas. Esse período tem duração do zero aos dois meses. Os reflexos motores e sensoriais inatos (sucção, preensão, acompanhamento visual) são utilizados para interagir e se acomodar com o mundo exterior.

17 17 Reação Circular Primária A criança coordena as atividades do próprio corpo e dos cinco sentidos, como sugar o dedo, brincar com a língua etc. A realidade permanece subjetiva; não procura estímulos fora do ambiente; mostra curiosidade e imitação. Esse período se inicia com poucas semanas de vida e vai até o quarto mês. Nessa etapa acontece a assimilação. O fato primitivo geralmente é admitido como o mais elementar da vida psíquica: a repetição. O bebê tende a repetir, quando algum comportamento tem resultado interessante. Inicia-se a organização da visualização, na qual a criança segue com os olhos os objetos que passam por ela. A fonação e a audição manifestam-se desde o nascimento. Os sons percebidos e produzidos apresentam uma organização interna. Tal como a boca, o olho e o ouvido, a mão é um dos instrumentos mais essenciais de que se vai servir a inteligência uma vez constituída. A conquista definitiva dos mecanismos de preensão marca o início das condutas complexas que caracterizam as formas de ação intencional. Reação Circular Secundária O bebê procura por novos estímulos no ambiente; começa a prever as conseqüências do próprio comportamento, agindo propositadamente a fim de modificar o mesmo; início do comportamento intencional. Os movimentos centram-se num resultado produzido no meio exterior e a ação tem como objetivo manter esse resultado. A originalidade das reações circulares do presente estágio é que constituem as manifestações intelectuais mais avançadas de que a criança é capaz, depois passarão a ter uma posição cada vez mais derivada. A duração desse estágio é do quarto ao sexto mês. Coordenação de Esquemas Secundários Esse estágio tem duração do sétimo ao décimo segundo mês. A criança mostra os sinais preliminares da constância de objeto; possui uma vaga idéia de que

18 18 os objetos têm uma existência independentemente dele próprio; e imita comportamentos novos. Reação Circular Terciária O bebê procura novas experiências e produz novos conhecimentos. A descoberta de novos meios por experimentação ativa é utilizada pela criança para a solução de novos problemas. Ela começa a experimentar ao invés de repetir as experiências; diferencia o eu e o objeto, e esse de um ato ou ação. Há a formação de estruturas através de deslocamento de objetos, de posições e de relações causais ligados à ação. 2.2 PERÍODO SENSÓRIO-MOTOR O Recém-nascido e o lactente: 0 a 2 anos Neste período, a criança conquista, através da percepção e dos movimentos, todo o universo que a cerca. No recém nascido (RN) a vida mental reduz-se ao exercício dos aparelhos reflexos, de caráter hereditário, como a sucção. Esses reflexos, apesar de inatos, melhoram com o treino: o bebê mama melhor no 10º dia de vida do que no 2º, por exemplo. Por volta dos 5 meses, a criança consegue coordenar os movimentos das mãos e olhos, e pegar objetos. No final do período, a criança é capaz de usar um instrumento como meio para atingir um objeto. Descobre que se puxar a toalha, o biscoito ficará mais próximo para pegar, utilizando a inteligência prática, ou sensório-motora que envolve a percepção e vários movimentos. Fica evidente que o desenvolvimento ósseo, muscular e neurológico permite a emergência de novas habilidades, como sentar-se e andar. Ocorre uma

19 19 diferenciação entre o eu e o mundo exterior, que até então era continuação do próprio corpo. Isto permite que a criança, por volta de 12 meses, admita que um objeto, mesmo que não esteja no seu campo visual, continue a existir. Segundo Vigotski (1984, apud BOCK et al., 1993) por volta dos 24 meses, a criança evolui de uma atitude passiva em relação ao ambiente e pessoas, para uma atitude ativa e participativa. Nessa ótica o desenvolvimento infantil é visto sob três aspectos: instrumental, cultural e histórico. O instrumental aponta que o ser humano não responde apenas ao estímulo apresentado no ambiente, mas a altera e usa suas modificações como um instrumento do comportamento. O cultural envolve os meios socialmente estruturados, pelos quais a sociedade organiza os tipos de tarefa que a criança em crescimento enfrenta. O elemento histórico funde-se com o cultural, pois os instrumentos que o homem usa para dominar seu ambiente e seu próprio comportamento foram criados e modificados, ao longo da história. O desenvolvimento das crianças está alicerçado sobre o plano das interações. Desde o seu nascimento, os adultos procuram incorporá-las à suas relações e culturas. Segundo Vigotski (1984, apud BOCK et al., 1993) o gesto da criança é criado justamente na interação, pois todos os movimentos e expressões verbais no início da vida afetam o adulto, que os interpreta e devolve à criança, com ação e ou com a fala Maturação do SNC maturação: Segundo Nuessen (1978, apud BARROS, 1997) entende-se por (...) o desenvolvimento do organismo como função do tempo ou da idade; refere-se a transformações neurofisiológicas e bioquímicas que tem lugar desde a concepção até à morte (p.27).

20 20 De acordo com Piaget (1975), a maturação do SNC é (...) a expansão do esquema reflexo pela incorporação de um novo elemento que determina a formação de um esquema de ordem superior, o hábito, no qual se integra o esquema inferior, o reflexo. A assimilação de um novo elemento a um esquema anterior implica consequentemente na integração deste ultimo ao esquema superior (p. 87). Shepherd (2002) achava que o marco do desenvolvimento motor ocorria dentro de uma sequência invariável do desenvolvimento neurológico. O padrão de desenvolvimento era quase o mesmo em todo bebê, mas existia diferença individual na velocidade da maturação, ou seja, a ordem em que as crianças passam de um estágio ao outro é semelhante, mas varia a idade em que alcançam os estágios. Segundo Roberton (1978 apud Shepherd, 2002) embora a capacidade de executar determinados movimentos surja devido à maturação do sistema, não significa obrigatoriamente que um ato precoce favorece, de alguma maneira, a aquisição de outro ato motor. No desenvolvimento motor, a maturação tanto na vida pré-natal quanto após o nascimento, segue duas tendências ou direções: direção céfalo-caudal ou craniocaudal, onde o controle da cabeça precederia ao do tronco e direção próximo distal, onde o desenvolvimento se processa de dentro para fora. Ou seja, as partes centrais do corpo amadurecem mais cedo (tronco e ombro) antes dos braços e pés (periferia) e, por último, há controle das mãos e dedos. Isso revela que os primeiros movimentos dos bebês são globais (movimentos grosseiros) e indiferenciados. Só mais tarde realizam movimentos com habilidades finas. Segundo Brodley (1990, apud SHEPHERD, 2002) o indivíduo é capaz de iniciar um movimento complicado antes da época prevista desde que preenchidas determinadas condições que abrangem desde a maneira de criar o bebê a seu manuseio. A concepção de desenvolvimento motor, atualmente, focaliza a biomecânica nos diversos grupos etários e em circunstâncias diferentes (ZENICHE & SCHERIDER, 1993). Os reflexos neonatais são considerados como uma forma imatura de comportamento motor, a qual irá se aperfeiçoar à medida em que a

21 21 criança se locomove e interage com o meio ambiente. Antes era de opinião comum que os reflexos neonatais (primitivos) deveriam sofrer inibição, para o comportamento moderno acontecer. Todo desenvolvimento motor realiza-se sempre sob uma ideal adaptação aos estímulos externos. O organismo e meio ambiente são dependentes um do outro. Para Schilling (1970) a capacidade motora ou o estado motor evolutivo é sempre ambiente dependente A coordenação dos Reflexos Os reflexos são as primeiras formas do desenvolvimento humano, e nos esclarecem a diferenciação entre o processo de desenvolvimento motor normal e anormal. Os reflexos são reações automáticas desencadeadas por estímulos, que tendem a favorecer a adequação do individuo ao ambiente. As respostas reflexas dependem das necessidades fisiológicas, do momento em que são solicitadas, do estado emocional da criança e do contexto ambiental (BARROS, 1997). As reações involuntárias resultam de alterações na pressão, visão, sons e estímulo tátil. Tais estímulos formam uma base para o estágio de reunião para informações, ou estágio de codificação. Nesse estágio da vida da criança, os reflexos servem como equipamento primário para reunião de informações, que são armazenadas no córtex em desenvolvimento. Os comportamentos reflexos infantis atuam como fonte primária de informações no período neonatal, tendo como funções principais de sobrevivência a busca de alimentação e de proteção. É comum suspeitar-se de disfunção neurológica quando um reflexo estiver ausente, irregular ou desigual em força. A ausência de movimentos reflexivos normais ou a continuação prolongada de vários reflexos podem sugerir dano neurológico. No entanto, um reflexo que perdure por tempo demasiado é de grande

22 22 importância, se comparado à sua ausência completa. Outra evidência que pode sugerir lesão é um reflexo exacerbado ou fraco demais; um reflexo que provoque uma forte reação na metade do corpo em relação ao outro, também pode indicar uma disfunção no sistema nervoso central (GALLAHUE & OZMUN, 2003). Sobre o gerenciamento dos estímulos do SNC, Bobath & Bobath (1989) ressaltam que, (...) ele age como um órgão coordenador para a grande maioria dos estímulos sensoriais recebidos, produzindo respostas motoras integradas, adequadas às necessidades do meio ambiente. Os músculos estão agrupados em padrões de ações coordenadas, alguns contraindo e outros relaxando (p.07) Gallahue & Ozmun (2003) classificaram os reflexos como primitivos e posturais. Os reflexos primitivos estão intimamente associados à obtenção de alimento e à proteção do bebê, aparecendo primeiramente na vida fetal e persistindo durante todo o primeiro ano de vida. Já os reflexos posturais fazem lembrar movimentos voluntários posteriores, pois fornecem automaticamente a manutenção de uma posição ereta para um indivíduo em relação ao seu ambiente, sendo encontrados em todos os bebês normais nos primeiros meses pós-natais, podendo, em alguns casos, persistir no primeiro ano de vida. Tipos mais comuns de reflexos humanos: a) Reflexo de Moro: É uma reação corporal maciça, que tem a particularidade de induzir uma brusca extensão da cabeça, alterando sua relação com o tronco. Consiste na extensão, abdução e elevação de ambos os membros superiores, seguida de retorno à habitual atitude flexora em adução. Foi descrito por André Thomas como reflexo de braços em cruz (Figura 1). Figura 1 Reação de Moro. Fonte: Flehmig (2002, p.28).

23 23 A literatura indica o decurso do quarto mês como a idade habitual de sua extinção; o Moro inferior persiste algumas semanas após a extinção do Moro superior, o que constitui mais um dado aos exemplos que assinalam o sentido céfalo-caudal da maturação. Nas crianças que crescem em ambientes estimulantes, seu desaparecimento se acelera. Enquanto persiste durante longos meses quando a exercitação postural é escassa, como aponta Alvarez (CORIAT, 2001). Segundo Coriat (2001) o reflexo de Moro desencadeia-se sempre no decurso de um sobressalto, de uma reação tônica brusca, consecutiva a um estímulo nociceptivo 2. Pode ser considerado uma reação defensiva que tende para uma melhor adequação do corpo no espaço, assim que se altere o equilíbrio numa posição determinada. b) Reflexo Tônico-Cervical Assimétrico (RTCA): Trata-se de um reflexo postural desencadeado por mudanças na posição da cabeça em relação ao tronco, de grande importância para o desenvolvimento do conhecimento corporal e sua situação no espaço. O RTCA resulta da tendência em manter a cabeça voltada para um dos lados no decúbito ventral ou dorsal. A assimetria postural cefálica provoca mudanças tônicas assimétricas nos músculos do pescoço, que são percebidas pelas terminações proprioceptivas correspondentes às raízes posteriores dos três primeiros nervos cervicais. Deles parte a via aferente até centros subcorticais ligados ao labirinto. A resposta motora que fecha o arco reflexo determina a extensão dos membros para os quais se orienta a face, membros mandibulares, e a reflexão dos opostos, membros nucais (Figura 2), sendo normal do primeiro ao terceiro mês de vida (FLEMIGH, 2002). Esse reflexo é uma resposta ligada a atividades extensoras da cervical e cintura escapular, portanto sua persistência pode dificultar o uso das mãos na linha média, entre outras dificuldades de movimentação, sendo comum em pacientes neuropatas, hipertônicos e de tônus flutuante (MAFRA & PEREIRA, 2007). 2 Reflexos que provém de estímulos dolorosos.

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Anatomia do SNC e SNP

Anatomia do SNC e SNP Anatomia do SNC e SNP Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F Fernandes Dr. J. Eduardo F

Leia mais

ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO. Greice Correia Burlacchini Castelão

ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO. Greice Correia Burlacchini Castelão ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO Greice Correia Burlacchini Castelão INTERVENÇÃO PRECOCE Forma de potencializar a interação da criança com o ambiente através dos estímulos VISUAIS, AUDITIVOS

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

O recém nascido (RN)

O recém nascido (RN) CRDA-CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM MÓDULO DE PEDIATRIA Profº José Moacir O recém nascido (RN) Primeiras manifestações do RN e suas representações O choro e a respiração - o deixar-se

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

Humberto Bia Lima Forte

Humberto Bia Lima Forte Humberto Bia Lima Forte Observando-se a maneira como o paciente se move, é possível, em algumas infecções neurológicas, suspeitar-se ou dar-se o diagnóstico sindrômico Marcha helicópode, ceifante ou hemiplégica

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor

Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina Departamento Materno Infantil Serviço de Pediatria e Puericultura Núcleo de neurodesenvolvimento Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor Luiza

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL: CONHECENDO O DESENVOLVIMENTO MOTOR

EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL: CONHECENDO O DESENVOLVIMENTO MOTOR EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL: CONHECENDO O DESENVOLVIMENTO MOTOR Priscila Reinaldo Venzke Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI-

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- 11 2 BIOMECÂNICA DA POSTURA 1 2.1 Conceituação de postura A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- RA, 1986, p. 1373): no sentido físico, corporal, significa "o modo

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores :

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores : JUL 2003 NBR 14970-2 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13/28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 3974-2300

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Desenvolvimento Eixo movimento - de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Papel laminado. Espelho de parede. e elementos do próprio Almofadas.

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof. MASSAGEM PARA GESTANTE E SHANTALA Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho SHANTALA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ Camila de

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora

Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora O corpo que a criança vai progressivamente dominando desde o nascimento e de cujas potencialidades vai tomando consciência, constitui o instrumento

Leia mais

EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS

EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS Profª Alyne Nogueira Exame Físico Um exame físico é a revisão cefalocaudal de cada sistema do corpo que ofereça informações objetivas sobre o cliente. Exame Físico Julgamento

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto PSICOMOTRICIDADE Professora Tatiana Comiotto Significado PSICO: Intelectual, cognitivo emocional, afetivo, mental e neurológico. MOTRICIDADE: Movimento, ato, ação, gesto. PSICOMOTRICIDADE é a realização

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

7 Estágios do desenvolvimento segundo Piaget - Conteúdo

7 Estágios do desenvolvimento segundo Piaget - Conteúdo Introdução Estágio sensório-motor Estágio pré-operatório Estágio operatório concreto Estágio operatório formal Operação mental Tipos de abstrações Método Clínico Conclusão 2 Introdução Para Piaget, a construção

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Como os Bebês Aprendem: Período Sensório- Motor ( Piaget) : 0 a 24 meses -Interação entre o bebê e o meio ambiente. -Tentativa e erro (

Leia mais

GMFCS E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto

GMFCS E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto CanChild Centre for Childhood Disability Research Institute for Applied Health Sciences, McMaster University, 1400 Main Street West, Room 408, Hamilton, ON, Canada L8S 1C7 Tel: 905-525-9140 ext. 27850

Leia mais

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Modo de proceder na preparação da tarefa com o doente (ACSS 2008; Alexandre & Rogante, 2000; Coelho, 2010; Elkin, Perry, & Potter,

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

Pediatria de A a Z. Dr. Marun David Cury. Pediatria e Alergia. Rua Verbo Divino, 246 Granja Julieta Tel: 11-51829947 www.santaisabella.com.

Pediatria de A a Z. Dr. Marun David Cury. Pediatria e Alergia. Rua Verbo Divino, 246 Granja Julieta Tel: 11-51829947 www.santaisabella.com. Pediatria de A a Z Dr. Marun David Cury Pediatria e Alergia Rua Verbo Divino, 246 Granja Julieta Tel: 11-51829947 www.santaisabella.com.br Crescimento Crescimento O crescimento é um processo biológico,

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

Estrutura do Programa

Estrutura do Programa Estrutura do Programa Objectivo: possibilitar a aquisição e a prática de novos conhecimentos e capacidades sobre a estimulação e o desenvolvimento da criança nos seus primeiros meses de vida, assim como

Leia mais

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Obrigado por cuidar de mim!!

Obrigado por cuidar de mim!! Data da alta do bebê Retorno ao hospital Fabiana Pinheiro Ramos Sônia Regina Fiorim Enumo Kely Maria Pereira de Paula 7. Escreva aqui as suas principais dúvidas para perguntar ao médico na próxima consulta:

Leia mais

TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL

TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL As crianças são seres humanos delicados, que confiam em nós para que cuidemos delas com toda a segurança. E nós adultos, será que correspondemos a essa confiança?

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais