Ativas Data Center S.A.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ativas Data Center S.A."

Transcrição

1 Ativas Data Center S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Brasil Auditores Independentes Ltda.

2 Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 1-3 Balanços patrimoniais 4 Demonstração de resultado 5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido 6 Demonstração do resultado abrangente 7 Demonstração dos fluxos de caixa 8 Notas explicativas às demonstrações financeiras 9-44

3 Deloitte Brasil Rua Paraíba, º e 21º andares Belo Horizonte - MG Brasil Tel: +55 (31) Fax: +55 (31) RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Acionistas, Conselheiros e Administradores da Ativas Data Center S.A. Belo Horizonte - MG Introdução Examinamos as demonstrações financeiras da Ativas Data Center S.A. ( Companhia ), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. A Deloitte refere-se a uma ou mais entidades da Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada, de responsabilidade limitada, estabelecida no Reino Unido ("DTTL ), sua rede de firmas-membro, e entidades a ela relacionadas. A DTTL e cada uma de suas firmas-membro constituem entidades legalmente separadas e independentes. A DTTL (também chamada Deloitte Global ) não presta serviços a clientes. Consulte para obter uma descrição mais detalhada da DTTL e suas firmas-membro. Deloitte Brasil. Todos os direitos reservados.

4 Deloitte Brasil Base para opinião com ressalva sobre as demonstrações financeiras Conforme mencionado na nota explicativa nº10 às demonstrações financeiras, a Companhia possui saldo de ativo fiscal diferido no valor de R$93 milhões e R$75 milhões em 31 de dezembro de 2015 e 2014, respectivamente, constituídos sobre prejuízo fiscal de imposto de renda e base negativa de contribuição social. Conforme CPC 32 - Tributos sobre o lucro, o ativo fiscal deve ser reconhecido na medida em que seja provável que estarão disponíveis lucros tributáveis futuros. Consequentemente, o ativo não circulante e o patrimônio líquido em 31 de dezembro de 2015 e 2014 encontram-se superavaliados em R$93 milhões e R$75 milhões e o resultado do exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e 2014 está superavaliado em R$18 milhões e R$17 milhões, respectivamente. Conforme mencionado nas notas explicativas nº 14 e 25 às demonstrações financeiras, em 31 de dezembro de 2014 e de 2015, a Companhia descumpriu os índices financeiros anuais (covenants) estabelecidos no Instrumento Particular de Escritura da 1ª Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, em Série Única, para Distribuição Pública com Esforços Restritos de Colocação, os quais poderão provocar o vencimento antecipado das Debêntures e de outras dívidas (cross default) classificadas no passivo não circulante, em 31 de dezembro de 2015 e 2014, nos montantes de R$105 milhões e R$90 milhões, respectivamente, tornando, assim, o passivo vencível e pagável à ordem dos credores. Em 12 de março de 2015 e em 21 de março de 2016, a Assembleia Geral dos Titulares de Debêntures da 1ª Emissão da Ativas Data Center S.A. aprovou a não declaração do vencimento antecipado das debêntures referente ao descumprimento dos índices financeiros anuais (covenants), relativo às datasbases de, respectivamente, 31 de dezembro de 2014 e de A aprovação referida foi concedida mediante à aceitação, pela Ativas, do pagamento de um prêmio aos debenturistas. Entretanto, de acordo com o pronunciamento técnico CPC 26 (R1) - Apresentação das Demonstrações Contábeis, o passivo deve ser classificado como circulante mesmo que o credor tenha concordado, após a data do balanço e antes da autorização para emissão das demonstrações financeiras, em não exigir pagamento antecipado como consequência do descumprimento dos índices financeiros anuais (covenants). Em 31 de dezembro de 2015 e de 2014, a Ativas Data Center S.A. não efetuou a reclassificação dos montantes mencionados anteriormente para o passivo circulante. Opinião com ressalva Em nossa opinião, exceto pelo descrito nos parágrafos Base para Opinião com ressalva sobre as demonstrações financeiras, as demonstrações acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Ativas Data Center S.A. em 31 de dezembro de 2015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Ênfases Continuidade operacional Sem ressalvar nossa opinião, chamamos atenção para a nota explicativa nº 1 às demonstrações financeiras, que indica que a Companhia incorreu em prejuízo líquido de R$36 milhões e R$33 milhões e fluxo de caixa operacional líquido negativo de R$33 milhões e R$36 milhões durante os exercícios findos em 31 de dezembro de 2015 e de 2014, respectivamente, apresenta excesso de passivo circulante sobre ativo circulante de R$119 milhões e R$65 milhões e patrimônio líquido negativo de R$59 milhões e R$23 milhões em 31 de dezembro de 2015 e de 2014, respectivamente, e que o plano de negócio da Companhia depende de aportes de capital de seus acionistas, liberação de financiamentos junto a instituições financeiras e geração de caixa por meio de suas operações. Essas condições, juntamente com outros aspectos, conforme descrito na nota explicativa nº1 às demonstrações financeiras, indicam a existência de incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto à capacidade de continuidade operacional da Companhia Deloitte Brasil. Todos os direitos reservados. 2

5

6 ATIVAS DATA CENTER S.A. BALANÇO PATRIMONIAL LEVANTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) Ativo Nota Explicativa 31/12/ /12/ /01/2014 Reapresentado Reapresentado Caixa e equivalentes de caixa Títulos e valores mobiliários Contas a receber de clientes Estoques Tributos a recuperar Despesas antecipadas Outros créditos Total do ativo circulante Títulos e valores mobiliários Mútuo com partes relacionadas Despesa antecipada Tributos a recuperar Outros créditos Imposto de renda e contribuição social diferidos Imobilizado Intangível Total do não circulante Total do ativo As notas explicativas anexas são partes integrantes das demonstrações financeiras. 4

7 ATIVAS DATA CENTER S.A. BALANÇO PATRIMONIAL LEVANTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) Nota Explicativa 31/12/ /12/ /01/2014 Passivo Reapresentado Reapresentado Fornecedores Empréstimos, financiamentos e debêntures Instrumentos financeiros derivativos Provisões Obrigações sociais e fiscais Outros Total do passivo circulante Empréstimos, financiamentos e debêntures Obrigações sociais e fiscais Total do passivo não circulante Capital social Prejuízos acumulados ( ) ( ) ( ) Total do patrimônio líquido negativo (59.007) (22.705) (30.431) Total do passivo e do patrimônio líquido negativo As notas explicativas anexas são partes integrantes das demonstrações financeiras. 4

8 ATIVAS DATA CENTER S.A. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) Nota Explicativa 31/12/ /12/2014 Reapresentado Receita líquida de vendas Custo dos serviços prestados 19 (56.573) (60.056) Lucro bruto Receitas (despesas) operacionais: Despesas gerais e administrativas 19 (17.512) (20.842) Outras receitas (despesas) operacionais líquidas (190) (112) Resultado antes das receitas (despesas) financeiras líquidas e impostos (11.797) (20.812) Despesas financeiras 20 (45.039) (31.316) Receitas financeiras Resultado antes dos impostos (54.752) (49.770) Imposto de renda e contribuição social Diferido Prejuízo do exercício (36.302) (33.090) Prejuízo por ação, básico e diluído (R$ por ação) (0,27) (0,25) As notas explicativas anexas são partes integrantes das demonstrações financeiras. 5

9 ATIVAS DATA CENTER S.A. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) Lucros Capital (prejuízos) social acumulados Total SALDOS EM 01 DE JANEIRO DE Reapresentado ( ) (30.431) Integralização de capital Prejuízo do exercício - (33.090) (33.090) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE Reapresentado ( ) (22.705) Prejuízo do exercício - (36.302) (36.302) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) (59.007) As notas explicativas anexas são partes integrantes das demonstrações financeiras. 6

10 ATIVAS DATA CENTER S.A, DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) 31/12/ /12/2014 Reapresentado Prejuízo do exercício (36.302) (33.090) Outros resultados abrangentes: - - Total do resultado abrangente do exercício (36.302) (33.090) RESULTADO ABRANGENTE DO EXERCÍCIO (36.302) (33.090) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 7

11 ATIVAS DATA CENTER S.A. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em milhares de Reais) 31/12/ /12/2014 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Reapresentado Prejuízo do exercício (36.302) (33.090) Ajustes por: Depreciação e amortização Encargos financeiros, variação cambial e correção monetária Constituição de imposto de renda e contribuição social diferidos (18.450) (16.680) Custo dos bens do ativo imobilizado baixados Perda por redução ao valor recuperável de contas a receber de clientes - (15) Perda não realizada em operações de derivativos Constituição de provisões (16) (33) Redução (aumento) de ativos Contas a receber de clientes (798) (1.749) Impostos a recuperar (2.235) (2.155) Estoques Outros ativos Aumento (redução) de passivos Fornecedores e outras contas a pagar (1.637) (5.400) Aumento em obrigações sociais e fiscais 29 (1.155) Pagamento de juros (31.306) (24.779) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS CONSUMIDAS NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (32.515) (36.003) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Títulos e valores mobiliários Mútuo com partes relacionadas (10.101) Aquisição de ativo imobilizado (1.039) (1.668) Aquisição do intangível (1.463) (579) Fluxo de caixa gerado pelas (consumido nas) atividades de investimento (7.061) FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Empréstimos e financiamentos obtidos e debêntures emitidas Pagamento de empréstimos, financiamentos e debêntures (98.247) (25.041) Integralização de capital social Fluxo de caixa das atividades de financiamento (1.396) AUMENTO (REDUÇÃO) DO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA (24.148) DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA No início do exercício No fim do exercício Aumento (Redução) do caixa e equivalentes de caixa (24.148) As notas explicativas anexas são partes integrantes das demonstrações financeiras. 8

12 ATIVAS DATA CENTER S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Valores expressos em milhares de Reais - R$, exceto quando indicado de outra forma) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Ativas Data Center S.A. ( Companhia ) é uma entidade domiciliada no Brasil. Sua sede e parque tecnológico encontra-se na Rua Agenério Araújo, nº 20, Bairro Camargos, Belo Horizonte - MG e escritório comercial na cidade de São Paulo. A Companhia tem como objeto social: (i) a prestação de serviços de fornecimento de infraestrutura de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação, compreendendo hospedagem física de ambientes de tecnologia da informação; (ii) o armazenamento de base de dados e site-backup; (iii) a prestação de serviços profissionais de segurança da informação e disponibilidade; (iv) a prestação de serviços de consultorias em TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação e conectividade com venda de acesso e banda internet; e (v) o licenciamento e cessão de direito de uso de programas de computação. A Companhia atua no segmento de outsourcing (terceirização) de soluções tecnológicas (TI e Data Center) com acompanhamento, monitoramento e disponibilização de soluções para os serviços oferecidos. A Companhia atua como uma MSP (Managed Service Provider) e oferece uma plataforma de infraestrutura e serviços de gestão de TI. As demonstrações financeiras foram preparadas sob o princípio da continuidade, que pressupõe que a Companhia será capaz de honrar os pagamentos de suas obrigações com instituições financeiras e fornecedores. Apesar de a Companhia ter incorrido em prejuízo líquido e ter apresentado fluxo de caixa operacional líquido negativo em 2015 e 2014 e apresentar excesso de passivo circulante sobre ativo circulante negativo e patrimônio líquido negativo durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e 2014, a Companhia apresentou margem de lucro positiva de 9% em 2015 (0% em 2014) e redução das despesas gerais e administrativas em 2015 comparativamente a 2014 e acredita que as medidas atualmente em curso em conjunto com seu Plano de Negócios lhe permitirá a continuidade de suas operações. O Plano de Negócios da Companhia prevê uma melhoria contínua da geração de caixa operacional e lucro operacional antes do resultado financeiro (EBIT) para os próximos anos em função de: (i) Contratos de clientes que a Companhia detém, cujos valores a incorrer são da ordem de R$ ; (ii) Novas vendas para os contratos já existentes em função da demanda crescente desse tipo de serviço (Upselling) e perspectiva de crescimento na receita proveniente de Serviços de Segurança da Informação; (iii) Oportunidades de negócios já prospectadas e em vias de contratação e (iv) o crescimento médio esperado para serviços de data center para os próximos anos, em especial para os serviços de IaaS (cloud), Hosting e Colocation segundo Pyramid Research. A Administração da Companhia reconhece a viabilidade do seu negócio, porém até o atingimento do ponto de equilíbrio (break even), depende de recursos financeiros adicionais que virão de aportes dos acionistas ou de captações junto a instituições financeiras. 9

13 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As principais práticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações financeiras estão apresentadas e resumidas conforme a seguir. Estas práticas foram aplicadas de modo consistente em todos os exercícios apresentados. (a) Base de preparação As demonstrações financeiras foram elaboradas e apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). (b) Base de mensuração As demonstrações financeiras foram preparadas com base no custo histórico com exceção dos instrumentos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. (c) Moeda funcional e moeda de apresentação As demonstrações financeiras são apresentadas em Real, que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações financeiras apresentadas em milhares de reais exceto quando indicado de outra forma. (d) Uso de estimativas e julgamentos A preparação das demonstrações financeiras de acordo com as normas CPC exige que a Administração faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. Estimativas e premissas são revistos de uma maneira contínua. Revisões com relação a estimativas contábeis são reconhecidas no período em que as estimativas são revisadas e em quaisquer períodos futuros afetados. As principais estimativas relacionadas às demonstrações financeiras referem-se ao registro dos efeitos decorrentes de: Nota 4 - Valor justo de ativos e passivos; Nota 10 - Ativos fiscais diferidos; Notas 11 e 12 - Depreciação e amortização; e Notas 21 e 22 - Mensuração pelo valor justo e Instrumentos financeiros derivativos. 3. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS As políticas contábeis descritas em detalhes abaixo têm sido aplicadas de maneira consistente a todos os períodos apresentados nessas demonstrações financeiras. 10

14 Moeda estrangeira Transações em moeda estrangeira são convertidas para a moeda funcional da Companhia pelas taxas de câmbio nas datas das transações. Ativos e passivos monetários denominados e apurados em moedas estrangeiras na data de apresentação são reconvertidas para a moeda funcional à taxa de câmbio apurada naquela data. (a) Instrumentos financeiros (i) Ativos financeiros não derivativos A Companhia reconhece os empréstimos e recebíveis inicialmente na data em que foram originados. Todos os outros ativos financeiros são reconhecidos inicialmente na data da negociação na qual a Companhia se torna uma das partes das disposições contratuais do instrumento. A Companhia deixa de reconhecer um ativo financeiro quando os direitos contratuais aos fluxos de caixa do ativo expiram, ou quando transfere os direitos aos recebimentos dos fluxos de caixa contratuais sobre um ativo financeiro em uma transação no qual essencialmente todos os riscos e benefícios da titularidade do ativo financeiro são transferidos. Os ativos ou passivos financeiros são compensados e o valor líquido apresentado no balanço patrimonial quando, e somente quando, a Companhia tenha o direito legal de compensar os valores e tenha a intenção de liquidar em uma base líquida ou de realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. A Companhia tem os seguintes ativos financeiros não derivativos: Caixa e equivalentes de caixa: Abrangem saldos de caixa e investimentos financeiros com vencimento original de até três meses a partir da data da contratação, os quais estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor. Caixa e equivalente de caixa são mantidos com a finalidade de atender a compromissos de caixa de curto prazo e não para investimento ou outros fins. Ativos financeiros mantidos até o vencimento: Ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis e vencimentos fixos são classificados como mantidos até o vencimento quando a Companhia tiver manifestado intenção e capacidade financeira para mantê-los até o vencimento. Após a avaliação inicial, os investimentos mantidos até o vencimento são avaliados ao custo amortizado utilizando o método da taxa de juros efetiva, menos perdas por redução ao valor recuperável. O custo amortizado é calculado levando em consideração qualquer desconto ou prêmio sobre a aquisição, taxas ou custos incorridos. A amortização dos juros efetivos é incluída em receitas financeiras, na demonstração do resultado. As perdas originadas da redução ao valor recuperável são reconhecidas como despesa financeira no resultado. Empréstimos e Recebíveis São ativos financeiros com pagamentos fixos ou calculáveis que não são cotados no mercado ativo. Tais ativos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de 11

15 quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, os recebíveis são medidos pelo custo amortizado através do método dos juros efetivos, decrescidos de qualquer perda por redução ao valor recuperável. Os empréstimos e recebíveis abrangem clientes, mútuo com partes relacionadas e outros créditos. (ii) Passivos financeiros não derivativos A Companhia reconhece títulos de dívidas emitidos e passivos subordinados inicialmente na data em que são originados. A Companhia tem os seguintes passivos financeiros não derivativos: empréstimos, financiamentos, debêntures, fornecedores e outras contas a pagar. Tais passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método dos juros efetivos. (iii) Capital Social Ações ordinárias Ações ordinárias são classificadas como patrimônio líquido. Custos adicionais diretamente atribuíveis à emissão de ações e opções de ações são reconhecidos como dedução do patrimônio líquido, líquido de quaisquer efeitos tributários. Os dividendos mínimos obrigatórios, conforme definido em estatuto, são reconhecidos como passivo. (iv) Instrumentos financeiros derivativos Quando aplicável, os derivativos são reconhecidos inicialmente pelo seu valor justo e os custos de transação atribuíveis são reconhecidos no resultado quando incorridos. Posteriormente ao reconhecimento inicial, os derivativos são mensurados pelo valor justo e as variações no valor justo são registradas no resultado. (b) Imobilizado (i) Reconhecimento e mensuração Itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção, deduzido de depreciação acumulada e perdas de redução ao valor recuperável (impairment) acumuladas, quando aplicável. O software comprado que seja parte integrante da funcionalidade de um equipamento é capitalizado como parte daquele equipamento. Quando partes de um item do imobilizado têm diferentes vidas úteis, elas são registradas como itens individuais (componentes principais) de imobilizado. 12

16 Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. (ii) Custos subsequentes O custo de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão fluir para a Companhia e que o seu custo pode ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia a dia do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. (iii) Depreciação A depreciação é calculada sobre o valor depreciável, que é o custo de um ativo, ou outro valor substituto do custo, deduzido do valor residual. A depreciação é reconhecida no resultado baseando-se na expectativa de uso do ativo, já que esse método é o que mais perto reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As vidas úteis estimadas para os períodos correntes e comparativos estão apresentadas na nota explicativa 11. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício financeiro e eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. (c) Ativos Intangíveis Os ativos intangíveis compreendem softwares adquiridos de terceiros, sendo mensurados pelo custo total de aquisição e implantação, sendo amortizados pelo respectivo prazo de vida útil estimado. Outros ativos intangíveis que são adquiridos pela Companhia e que têm vidas úteis finitas são mensurados pelo custo, deduzido da amortização acumulada. A amortização é reconhecida no resultado baseando-se na expectativa de uso dos ativos intangíveis, a partir da data em que estes estão disponíveis para uso. As vidas úteis estimadas para o período corrente e comparativo são as seguintes: Softwares e Programas: 5 a 10 anos Métodos de amortização, vidas úteis e valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício financeiro e ajustados caso seja adequado. 13

17 (d) Redução ao Valor Recuperável (Impairment) (i) Ativos financeiros (incluindo recebíveis) Um ativo financeiro não mensurado pelo valor justo por meio do resultado é avaliado a cada data de apresentação para apurar se há evidência objetiva de que tenha ocorrido perda no seu valor recuperável. Um ativo tem perda no seu valor recuperável se uma evidência objetiva indica que um evento de perda ocorreu após o reconhecimento inicial do ativo, e que aquele evento de perda teve um efeito negativo nos fluxos de caixa futuros projetados que possam ser estimados de uma maneira confiável. A evidência objetiva de que os ativos financeiros perderam valor pode incluir o não pagamento ou atraso no pagamento por parte do devedor, a reestruturação do valor devido a Companhia sobre condições de que a Companhia não consideraria em outras transações, indicações de que o devedor ou emissor entrará em processo de falência, ou o desaparecimento de um mercado ativo para um título. Além disso, para um instrumento patrimonial, um declínio significativo ou prolongado em seu valor justo abaixo do seu custo é evidência objetiva de perda por redução ao valor recuperável. A Companhia considera evidência de perda de valor para recebíveis mantidos até o vencimento no nível individualizado. Todos os recebíveis até o vencimento individualmente significativos são avaliados quanto à perspectiva de perda de valor específico. Uma redução do valor recuperável com relação a um ativo financeiro medido pelo custo amortizado é calculada como a diferença entre o valor contábil e o valor presente dos futuros fluxos de caixa estimados descontados à taxa de juros efetiva original do ativo. As perdas são reconhecidas no resultado e refletidas em uma conta de provisão contra recebíveis. Os juros sobre o ativo que perdeu valor continuam sendo reconhecidos através da reversão do desconto. Quando um evento subsequente indica reversão da perda de valor, a diminuição na perda de valor é revertida e registrada no resultado. (ii) Ativos não financeiros No fim de cada exercício, a Companhia revisa o valor contábil de seus ativos tangíveis e intangíveis para determinar se há alguma indicação de que tais ativos sofreram alguma perda por redução ao valor recuperável. Se houver tal indicação, o montante recuperável do ativo é estimado com a finalidade de mensurar o montante dessa perda, se houver. Se o montante recuperável de um ativo calculado for menor que seu valor contábil, o valor contábil do ativo é reduzido ao seu valor recuperável. A perda por redução ao valor recuperável é reconhecida imediatamente no resultado. Quando a perda por redução ao valor recuperável é revertida subsequentemente, ocorre o aumento do valor contábil do ativo para a estimativa revisada de seu valor recuperável, desde que não exceda o valor contábil que teria sido determinado, caso nenhuma perda por redução ao valor recuperável tivesse sido reconhecida para o ativo em exercícios anteriores. A reversão da perda por redução ao valor recuperável é reconhecida imediatamente no resultado. 14

18 (e) Provisões Uma provisão é reconhecida, em função de um evento passado, se a Companhia tem uma obrigação legal ou construtiva que possa ser estimada de maneira confiável, e é provável que um recurso econômico seja exigido para liquidar a obrigação. (f) Receita operacional A prestação de serviços de fornecimento de infraestrutura de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação, compreendendo hospedagem física (hosting e colocation) de ambientes de tecnologia da informação, armazenamento de base de dados e site-backup, serviços profissionais de segurança da informação e disponibilidade, consultoria em TIC, conectividade com venda de acesso e banda internet é reconhecida quando da prestação dos serviços de forma contínua pelos prazos pactuados nos contratos com seus clientes. (g) Arrendamentos Financeiros: os arrendamentos de bens do ativo imobilizado no quais a Companhia detém substancialmente todos os riscos e benefícios inerentes à propriedade, são classificados como arrendamentos financeiros, cujos pagamentos mínimos são sistemática e separadamente alocados entre o passivo em aberto e os encargos financeiros a apropriar. As despesas financeiras são alocadas a cada período durante o prazo do arrendamento, visando produzir uma taxa periódica constante de juros sobre o saldo remanescente do passivo. Os bens adquiridos na modalidade de arrendamento financeiro são classificados no ativo imobilizado e depreciado de acordo com a sua vida útil estimada. (i) Política de identificação e classificação de arrendamentos No início de um contrato a Companhia define se o contrato é ou contém um arrendamento. Um ativo específico é o objeto de um arrendamento caso o cumprimento do contrato dependa do uso daquele ativo especificado. Os arrendamentos em cujos termos a Companhia assume os riscos e benefícios inerentes à propriedade são classificados como arrendamentos financeiros. No reconhecimento inicial ativo e passivo são reconhecidos por quantias iguais ao valor justo do bem arrendado, ou se inferior, ao valor presente dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil, cada um determinado no início do arrendamento. Ativos mantidos por meio de arrendamento financeiro são depreciados pela vida útil esperada da mesma forma que os ativos próprios ou por um período inferior, se aplicável, conforme termos do contrato de arrendamento em questão. Os pagamentos mínimos de arrendamentos financeiros são segregados entre encargo financeiro e redução do passivo em aberto. Os outros arrendamentos mercantis são classificados como arrendamentos operacionais e são reconhecidos como despesa na base da linha reta durante o prazo do arrendamento mercantil, exceto se outra base sistemática for mais representativa do padrão temporal do benefício. 15

19 (h) Receitas financeiras e despesas financeiras As receitas financeiras abrangem receitas de juros sobre caixa e equivalentes de caixa, e receita de aplicação financeira que são reconhecidos no resultado. A receita de juros é reconhecida no resultado através do método dos juros efetivos. As despesas financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, líquidas do desconto a valor presente. Custos de empréstimo que não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo qualificável são mensurados no resultado através do método de juros efetivos. Os ganhos e perdas cambiais são reportados em uma base líquida. (i) Imposto de renda e contribuição social O Imposto de Renda e a Contribuição Social diferidos do exercício são calculados com base nas alíquotas de 15%, acrescidas do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente de R$240 para imposto de renda e 9% sobre o lucro tributável para contribuição social sobre o lucro líquido, e consideram a compensação de prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social, limitada a 30% do lucro real. A despesa com imposto de renda e contribuição social compreende os impostos de renda correntes e diferidos. O imposto corrente e o imposto diferido são reconhecidos no resultado a menos que estejam relacionados a uma combinação de negócios, ou itens diretamente reconhecidos no patrimônio líquido ou em outros resultados abrangentes. O imposto diferido é mensurado pelas alíquotas que se espera serem aplicadas aos prejuízos fiscais e bases negativas quando elas revertem, baseando-se nas leis que foram decretadas ou substantivamente decretadas até a data de apresentação das demonstrações financeiras. Os ativos e passivos fiscais diferidos são classificados individualmente como ativos ou passivos não circulantes, independentemente da existência de expectativa de realização ou reversão no exercício social seguinte e podem ser compensados entre si, caso haja um direito legal de compensar passivos e ativos fiscais correntes, e se relacionem a impostos de renda lançados pela mesma autoridade tributária sobre a mesma entidade sujeita à tributação. O imposto de renda diferido ativo deixa de ser reconhecido nas demonstrações financeiras na medida em que for provável que, à luz das evidências existentes, os benefícios econômicos da dedutibilidade fiscal dos créditos que a ele deram origem, deixarão de ser aproveitados para abater os lucros tributários futuros ou, ainda, sua realização seja incerta ou indeterminada. Ativos de imposto de renda e contribuição social diferidos são revisados na data de cada levantamento de demonstrações financeiras e serão reduzidos na medida em que sua realização não seja mais provável. (j) Normas e interpretações novas e revisadas Aplicação das normas novas e revisadas que não tiveram efeito ou não tiveram efeito material sobre as demonstrações financeiras. 16

20 A seguir estão apresentadas as normas novas e revisadas que passaram a ser aplicáveis a partir de 1º de janeiro de A aplicação dessas normas não teve impacto relevante nos montantes divulgados no período atual nem em períodos anteriores. Modificações à IAS19 (CPC 33) - Benefícios a Empregados. Modificações às IFRS - Ciclos de Melhorias Anuais Modificações às IFRS - Ciclos de Melhorias Anuais Normas e interpretações novas e revisadas já emitidas, mas ainda não efetivas em 31 de dezembro de 2015 A Companhia não adotou as IFRS novas e revisadas a seguir, já emitidas e ainda não efetivas: IFRS 9 - Instrumentos Financeiros (b); IFRS 14 - Contas regulatórias diferidas (a); IFRS 15 - Receita de Contratos com Clientes (b); IFRS 16 - Arrendamento mercantil (c). Modificações à IFRS 11 - Contabilizações de Aquisições de Participações em Operações Conjuntas ( Joint Operation ) (a). Modificações à IAS 16 e IAS 41 - Ativo Imobilizado, Ativo Biológico e Produto Agrícola (a). Modificações à IAS 16 e IAS 38 - Esclarecimentos sobre os Métodos aceitos de Depreciação e Amortização (a). Modificações à IAS 27 - Opção para Utilização do Método de Equivalência Patrimonial nas Demonstrações Financeiras Separadas (a). Modificações à IFRS 10 e IAS 28 - Venda ou Contribuição de Ativos entre Investidor e seu Associado ou Joint Venture (a). Modificações às IFRS - Ciclos de Melhorias Anuais (a). Modificações à IAS 1 - Esclarecimentos sobre o processo julgamental de divulgações das Demonstrações Financeiras (a). Modificações às IFRS 10, IFRS 12 e IAS 28 - Aplicação de exceções de consolidação de entidades de investimento (a). Em vigor para períodos anuais iniciados em ou após: (a) 1 de janeiro de 2016; (b) 1º de janeiro de 2018; e (c) 1º de janeiro de O CPC ainda não emitiu pronunciamentos equivalentes para determinadas IFRS anteriormente citadas, com data efetiva de adoção para 2018 e 2019, mas existe expectativa de que o faça antes da data requerida de sua entrada em vigor. A adoção antecipada das IFRS está condicionada à aprovação prévia em ato normativo do CFC. 17

21 A Companhia não adotou de forma antecipada tais alterações em suas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de É esperado que nenhuma dessas novas normas tenha efeito material sobre as demonstrações financeiras, exceto pela IFRS 9, IFRS 15 e IFRS 16 que estão sendo avaliados pela Administração. 4. DETERMINAÇÃO DO VALOR JUSTO Diversas políticas e divulgações contábeis da Companhia exigem a determinação do valor justo, tanto para os ativos e passivos financeiros como para os não financeiros. Os valores justos têm sido apurados para propósitos de mensuração e/ou divulgação baseados nos métodos abaixo. Quando aplicável, as informações adicionais sobre as premissas utilizadas na apuração dos valores justos são divulgadas nas notas específicas àquele ativo ou passivo. (i) Derivativos Derivativos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo. Custos de transação atribuíveis são reconhecidos no resultado como incorridos. (ii) Passivos financeiros não derivativos O valor justo, que é determinado para fins de divulgação, é calculado baseando-se no valor presente do principal e fluxos de caixas futuros, descontados pela taxa de juros de mercado apurados na data de apresentação das demonstrações financeiras. Quanto ao componente passivo dos instrumentos convertidos de dívidas, a taxa de juros de mercado é apurada por referência a passivos semelhantes que não apresentam uma opção de conversão. Para arrendamentos financeiros, a taxa de juros á apurada por referência a contratos de arrendamentos semelhantes. 5. REAPRESENTAÇÃO As informações financeiras da Companhia referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 apresentadas para fins de comparação foram ajustadas e estão sendo reapresentadas de forma retrospectiva desde 1 de janeiro de 2014, como previsto no CPC 23 - Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro e CPC 26(R1) - Apresentação das Demonstrações Contábeis, em função da alteração da sua política contábil de reconhecimento da receita de prestação de serviços, antes reconhecida pelo percentual de conclusão dos serviços contratados (POC - Percentage of Completion) e agora reconhecida de forma contínua e linear pelos prazos pactuados nos contratos com seus clientes, por entender que essa mudança apresenta de forma mais fidedigna as suas operações e resulta em informação confiável e relevante. Os efeitos nas demonstrações financeiras decorrentes da referida alteração, nas rubricas de contas a receber, receitas líquidas, receitas financeiras relacionadas a ajustes a valor presente e impostos diferidos são como segue: 18

22 BALANÇO PATRIMONIAL Ativo Saldo originalmente apresentado 31/12/2014 Ajuste Saldo reapresentado Contas a receber de clientes (30.913) Demais ativos circulantes Total do ativo circulante (30.913) Contas a receber de clientes (12.532) - Imposto de renda e contribuição social diferidos Demais ativos não circulantes Total do não circulante (4.689) Total do ativo (35.602) Passivo Saldo originalmente apresentado 31/12/2014 Ajuste Saldo reapresentado Obrigações sociais e fiscais (3.478) Demais Passivos Circulantes Total do passivo circulante (3.478) Empréstimos, financiamentos e debêntures Obrigações sociais e fiscais (1.410) 187 Total do passivo não circulante (1.410) Capital social Prejuízos acumulados ( ) (30.714) ( ) Total do patrimônio líquido (30.714) (22.705) Total do passivo e do patrimônio líquido (35.602) BALANÇO PATRIMONIAL Ativo Saldo originalmente apresentado 01/01/2014 Ajuste Saldo reapresentado Contas a receber de clientes (20.168) Demais ativos circulantes Total do ativo circulante (20.168) Contas a receber de clientes (35.712) - Imposto de renda e contribuição social diferidos Outros ativos não circulantes Total do não circulante (21.590) Total do ativo (41.758)

23 01/01/2014 Passivo Saldo originalmente apresentado Ajuste Saldo reapresentado Obrigações sociais e fiscais (2.268) Outros Passivos Circulantes Total do passivo circulante (2.268) Empréstimos, financiamentos e debêntures Obrigações sociais e fiscais (4.018) 179 Total do passivo não circulante (4.018) Capital social Prejuízos acumulados (87.759) (35.472) ( ) Total do patrimônio líquido (35.472) (30.431) Total do passivo e do patrimônio líquido (41.758) DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO Exercício findo em 31/12/2014 Saldo originalmente apresentado Ajuste Saldo reapresentado Receita líquida de vendas Custo dos serviços prestados (60.056) - (60.056) Lucro bruto (12.393) Receitas (despesas) operacionais: Despesas gerais e administrativas (20.842) - (20.842) Outras receitas (despesas) operacionais liquidas (112) - (112) Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos (33.347) (20.812) Despesas financeiras (31.316) - (31.316) Receitas financeiras (1.501) Resultado antes dos impostos (60.804) (49.770) Imposto de renda e contribuição social Diferido (6.279) Prejuízo do exercício (37.845) (33.090) 20

24 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE Exercício findo em 31/12/2014 Saldo originalmente apresentado Ajuste Saldo reapresentado Prejuízo do exercício (37.845) (33.090) Outros resultados abrangentes: Total do resultado abrangente do exercício (37.845) (33.090) RESULTADO ABRANGENTE DO EXERCÍCIO (37.845) (33.090) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Saldo originalmente apresentado Exercício findo em 31/12/2014 Saldo reapresentado Ajuste FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Prejuízo do exercício (37.845) (33.090) Ajustes por: Constituição de imposto de renda e contribuição social diferidos (22.959) (16.680) Ajuste a valor presente de contas a receber (1.501) Outros Ajustes Redução (aumento) de ativos Contas a receber de clientes (13.934) (1.749) Outros ativos Aumento (redução) de passivos - Aumento em obrigações sociais e fiscais (2.554) (1.155) Outros Passivos (30.181) - (30.181) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (36.004) - (36.004) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (7.061) - (7.061) FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO AUMENTO (REDUÇÃO) DO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA - No início do exercício No fim do exercício Aumento (Redução) do caixa e equivalentes de caixa

25 6. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 31/12/ /12/ /01/2014 Caixa e depósitos bancários Títulos de renda fixa (a) Certificados de depósitos bancários Fundos de renda fixa (b) Certificados de depósitos bancários Letras financeiras do tesouro Operações compromissadas Outros Total (a) Títulos de renda fixa - Os títulos de renda fixa estão representados por aplicações em papéis de bancos privados com característica pós-fixada, rentabilidade de 90% da variação do Certificado de Depósito Interbancário - CDI e disponibilidade diária, mediante recompra, de acordo com as condições de sua emissão. (b) Fundos de renda fixa - As aplicações em fundos de renda fixa estão representadas por cotas de fundos exclusivo do Grupo CEMIG administrados por instituições financeiras que cumprem com os requisitos de idoneidade e solidez estabelecidos pela Companhia e possuem liquidez imediata sem perda de valor. A classificação destes fundos como equivalentes de caixa está em linha com a classificação dada pelo Grupo CEMIG. 7. TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Os títulos e valores mobiliários referem-se a aplicações em fundo de renda fixa e estão representadas por cotas de fundos administrados por instituições financeiras que cumprem os requisitos de idoneidade e solidez estabelecidos pela Companhia. Títulos de renda fixa 31/12/ /12/ /01/2014 Circulante Operações compromissadas (a) Certificados de depósito bancário (b) Letras financeiras do tesouro (c) Letras financeiras - bancos (c) Fundos de investimento (d) Outros Subtotal Não Circulante Fundos de renda fixa Certificados de depósito bancário (b) Letras financeiras - bancos (c) Outros 1-8 Subtotal Total

26 (a) Debêntures pós-fixadas, remuneradas a um percentual do Certificado de Depósito Interbancário - CDI (que varia entre 101,5% a 113%, conforme operação), divulgado pela Cetip S.A. - Mercados Organizados. (b) Certificados de depósito bancário pós-fixados, remunerados a um percentual do Certificado de Depósito Interbancário - CDI (que varia entre 100,5% a 108%, conforme operação), divulgado pela Cetip S.A. - Mercados Organizados. (c) Letras financeiras (Bancos) pós-fixadas, remuneradas a um percentual do Certificado de Depósito Interbancário - CDI (que varia entre 104,8% a 116,7%, conforme operação), divulgado pela Cetip S.A. - Mercados Organizados. (d) Fundos de Investimento - Está representando por cotas do fundo Itaú Corp Plus Ref DI FIC FI que tem como objetivo o acompanhamento da variação do CDI, através de aplicação em fundos que alocam, no mínimo, 95% de seus recursos em títulos ou operações atreladas a esse indicador. A rentabilidade anual do fundo em 2015 foi de 101,22% do CDI. 8. CONTAS A RECEBER DE CLIENTES 31/12/ /12/ /01/2014 Reapresentado Reapresentado Clientes Faturados Clientes a faturar Créditos de liquidação duvidosa (b) (110) (110) (110) Total Créditos a vencer Créditos vencidos A estimativa de perdas com créditos de liquidação duvidosa é registrada após avaliação individual dos títulos. Os que apresentam dúvidas quanto a sua realização, têm suas perdas reconhecidas na demonstração do resultado no montante estimado de inadimplência. 23

27 A seguir apresentamos o resumo das contas a receber por período de vencimento: Contas a receber - vencidos 31/12/ /12/ /01/2014 Reapresentado Reapresentado De 1 a 30 dias De 31 a 60 dias 1-24 De 61 a 90 dias De 91 a 180 dias Acima de 181 dias Total Provisão para créditos de liquidação duvidosa (110) (110) (110) Percentual de PCLD sobre contas a receber vencidas -12% -17% -6% 9. TRIBUTOS A RECUPERAR 31/12/ /12/ /01/2014 Reapresentado Reapresentado Instituto nacional de seguridade social - INSS Impostos de renda retido na fonte - IRRF (a) Contribuição social sobre o lucro líquido - CSLL (b) Imposto sobre serviço de qualquer natureza - ISSQN Programa de integração social - PIS Contribuição para o financiamento da seguridade social - COFINS Outros Total Circulante Não Circulante (a) Refere-se, substancialmente, a créditos a recuperar de IRRF retido nas notas fiscais de serviços prestados. Em dezembro de 2015, foi iniciada a compensação das bases negativas de IRRF. Até a data de publicação da demonstração financeira da Companhia foi compensado um montante de R$ A expectativa da Companhia é de compensação total desses créditos durante o exercício de (b) Refere-se, substancialmente, a créditos a recuperar de CSLL retido nas notas fiscais de serviços prestados. Em dezembro de 2015, foi iniciada a compensação das bases negativas de CSLL. Até a data de publicação da demonstração financeira da Companhia foi compensado um montante de R$ 316. A expectativa da Companhia é de compensação total desses créditos durante o exercício de

28 10. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DIFERIDOS Refere-se a ativo fiscal diferido constituído sobre prejuízos fiscais e base negativa da contribuição social apurados até a data do balanço, cujo registro teve como base o estudo de viabilidade baseado no plano de negócios elaborado pela Diretoria, revisado pelo Conselho de Administração da Companhia em Os prejuízos fiscais acumulados não prescrevem de acordo com a legislação tributária vigente. Ativos fiscais diferidos foram reconhecidos com relação a estes itens, pois a Administração da Companhia entende ser provável que lucros tributáveis futuros estejam disponíveis para que a Companhia possa utilizar os benefícios destes. Composto como segue: 31/12/ /12/ /01/2014 (Reapresentado) (Reapresentado) Prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social Total A conciliação da despesa calculada pela aplicação das alíquotas fiscais nominais e da despesa de imposto de renda e contribuição social registrada no resultado do exercício é demonstrada como segue: 31/12/ /12/ /01/2014 (Reapresentado) (Reapresentado) Resultado antes do Imposto de renda e contribuição social (54.752) (49.770) (59.726) Alíquota nominal de imposto de renda e contribuição social 34% 34% 34% (Adições) ou exclusões permanentes (166) (242) (840) Imposto de renda e contribuição social Diferido Alíquota efetiva 34% 34% 34% 11. IMOBILIZADO Os bens do ativo imobilizado estão demonstrados ao seu custo histórico de aquisição ou formação. A Companhia não identificou indícios de perda do valor recuperável de seus ativos imobilizados. 25

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 (Companhia em fase pré-operacional) KPDS 113063 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstração de resultado 6 Demonstração do resultado

Leia mais

Bioflex Agroindustrial Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Bioflex Agroindustrial Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 26 de maio de 2011 (data de constituição da Empresa) a 31 de dezembro de 2011 (em fase

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFÓNICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Seis meses findos em 30 de junho de 2013 Exercício findo em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 PREPARADOS PARA VENCER RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 RT 007/2015 Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Judô 31 de dezembro de 2014 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 Índice Balanço patrimonial...3 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos de caixa...7 Demonstração

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 111081 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados (sobras e perdas) 6 Demonstrações de resultados abrangentes

Leia mais

BAlANçoS PAtRIMoNIAIS EM 31 DE DEzEMBRo DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais) Reclassifi cado

BAlANçoS PAtRIMoNIAIS EM 31 DE DEzEMBRo DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais) Reclassifi cado COMPANHIA ESPÍRITO SANTENSE DE SANEAMENTO - CESAN CNPJ: 28.151.363/0001-47 Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a Companhia Espírito Santense de Saneamento CESAN apresenta as Demonstrações

Leia mais

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 SBC Valorização de Resíduos S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 Notas explicativas às demonstrações financeiras (Valores expressos em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A SBC Valorização de Resíduos

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Banco do Povo Crédito Solidário. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes. Em 31 de dezembro de 2012.

Banco do Povo Crédito Solidário. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes. Em 31 de dezembro de 2012. Banco do Povo Crédito Solidário Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012. Índice Página Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações

Leia mais

Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte

Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido apurado por meios dos livros contábeis em 28 de fevereiro de 2014 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores independentes Deloitte

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS

Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS BANESTES S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo 1 ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONSOLIDADAS EM IFRS 1. BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO 2. DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 AFMF/HHMC/LFCT/JSR 1447/16 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro 2013 e 2012 31 de dezembro 2013 e 2012 KPDS 81090 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados

Leia mais

Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014

Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS - FIPECAFI

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS - FIPECAFI FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS - FIPECAFI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo

Leia mais

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.563/0001-33 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes

Leia mais

Cedro Gestão de Ativos S/A

Cedro Gestão de Ativos S/A Cedro Gestão de Ativos S/A Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil apurado por meio dos livros contábeis da Cedro Gestão de Ativos S/A para fins de incorporação do patrimônio líquido pela Companhia

Leia mais

IPLF Holding S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis

IPLF Holding S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis IPLF Holding S.A Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2016 KPDS 159478 KPMG Assurance Services Ltda. Rua Arquiteto

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e Relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012

Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012 Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012 Banco Pottencial S.A. Av. Afonso Pena, 4100, 12º- andar, Cruzeiro, Belo Horizonte-MG. Relatório da Administração. Apresentamos as demonstrações contábeis

Leia mais

Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia

Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I

Leia mais

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010 CAMPANHA LATINO

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

RA Catering Ltda. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

RA Catering Ltda. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes RA Catering Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Apurado por Meio dos Livros Contábeis da International Meal Company Holdings S.A., em 30 de Setembro de 2014, para Integralização ao

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas

Demonstrações Financeiras Consolidadas Demonstrações Financeiras Consolidadas 31 de dezembro de 2010. 1 Página Índice Relatório dos auditores independentes...3 Balanço Patrimonial Consolidado...5 Ouvidoria Demonstrações Financeiras Consolidadas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS DEMOSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA PETRÓPOLIS Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2012 e

Leia mais

Companhia Distribuidora de Gás do Rio de Janeiro - CEG

Companhia Distribuidora de Gás do Rio de Janeiro - CEG Companhia Distribuidora de Gás Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Balanços patrimoniais em

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF CNPJ SOB O Nº /

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF CNPJ SOB O Nº / FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF 1 Contexto operacional CNPJ SOB O Nº 04.016.579/0001-31 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM

Leia mais

PARQUE IBIRAPUERA CONSERVAÇÃO. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis. Em 31 de dezembro de 2015 e 2014

PARQUE IBIRAPUERA CONSERVAÇÃO. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis. Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 EAV/APN/MCM 2968/16 Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 Conteúdo Relatório dos

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A.

Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A. Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A. Período de nove meses findo em 30 de setembro de 2012 com Relatório de Revisão dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB Bradesco 1 Sumário oação de Relatóriosca

Leia mais

Nova Agro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de março de 2017 e 2016

Nova Agro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de março de 2017 e 2016 Demonstrações financeiras em 31 de março de 2017 e 2016 Demonstrações financeiras Em 31 de março de 2017 e 2016 Conteúdo Relatório da diretoria 3 Balanços patrimoniais 4 Demonstração do resultado 5 Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 ---

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- SUMÁRIO Análise Financeira 04 Resumo Econômico-Financeiro 06 Resultados s 07 Resultado por Área de Negócio 08 Demonstração do Valor Adicionado 08 Liquidez

Leia mais

Austral Resseguradora S.A. 30 de junho de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias

Austral Resseguradora S.A. 30 de junho de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Resseguradora S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações financeiras Intermediárias

Leia mais

Positivo Informática da Amazônia Ltda.

Positivo Informática da Amazônia Ltda. Positivo Informática da Amazônia Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil, apurado por meio dos Livros Contábeis, na data-base de 31 de maio de 2015 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas

Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas Informações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre Findo em 30 de Junho de 2015 e Relatório sobre a Revisão de Informações

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - IDEIASNET SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - IDEIASNET SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2006

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 e 2014 12 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores da

Leia mais

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Auditores Independentes R. Paraíba, 550-12º andar - Funcionários 30130-140 - Belo Horizonte, MG - Brasil Caixa Postal 3310 30130-970 - Belo Horizonte, MG - Brasil Central Tel 55 (31) 2128-5700 Fax

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Associação dos Apoiadores do Comitê de Aquisições e Fusões - ACAF Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores

Associação dos Apoiadores do Comitê de Aquisições e Fusões - ACAF Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores Associação dos Apoiadores do Comitê de Aquisições e Fusões - ACAF Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1 DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

MRV Logística e Participações S.A.

MRV Logística e Participações S.A. S.A. e Controladas MRV Logística e Participações S.A. Informações Contábeis Intermediárias, Individuais e Consolidadas, para o período de nove meses findo em 30 de setembro de 2011 e Relatório dos Auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes Demonstrações Financeiras Federação Nacional das Apaes 31 de dezembro de 2012 e de 2011 FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES - FENAPAES Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Índice Relatório

Leia mais

SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A.

SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. Demonstrações

Leia mais

Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores

Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

Autismo e Realidade - Associação de Estudos e Apoio. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Autismo e Realidade - Associação de Estudos e Apoio. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Autismo e Realidade - Associação de Estudos e Apoio Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 KPDS 74529 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 KPDS 134231 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanço patrimonial 5 Demonstração do resultado 6 Demonstração do resultado abrangente 7 Demonstração das

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

Apresentamos as notas explicativas que integram o conjunto das demonstrações financeiras da Companhia, distribuídas da seguinte forma:

Apresentamos as notas explicativas que integram o conjunto das demonstrações financeiras da Companhia, distribuídas da seguinte forma: Apresentamos as notas explicativas que integram o conjunto das demonstrações financeiras da Companhia, distribuídas da seguinte forma: 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. BASE DE PREPARAÇÃO 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS

Leia mais

Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais - ITR de 30 de junho de 2015

Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais - ITR de 30 de junho de 2015 Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais - ITR de 30 de junho de 2015 KPDS 122191 Conteúdo Relatório sobre a revisão de Informações Trimestrais - ITR 3 Balanço patrimonial 5 Demonstrações de

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.946/0001-82 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras Para o Exercício

Leia mais

Relatório da Administração QGMI Construção S.A.

Relatório da Administração QGMI Construção S.A. Relatório da Administração QGMI Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração e as demonstrações financeiras

Leia mais

Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Santa Helena Energias Renováveis S.Á. Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 KPMG Auditores Independentes Março de 2013 KPDS kpds 53861 Demonstrações

Leia mais

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2004 e de 2003

Leia mais

Asteri Energia S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis

Asteri Energia S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Auditores Independentes Abril de 2017 KPDS 185108 KPMG Auditores Independentes Rua Arquiteto Olavo Redig de

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1 de 5 31/01/2015 15:30 Tamanho do Texto + tamanho do texto - NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A publicação de Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras está prevista no 4º do artigo

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido DMPL

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 KPDS 111382 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanço patrimonial 5 Demonstração do resultado 6 Demonstração do resultado abrangente 7 Demonstrações das

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL RELATÓRIO SOBRE O EXAME DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e administradores Um Teto Para Meu

Leia mais

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes Relatório da administração Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

Saneamento de Goiás S.A.

Saneamento de Goiás S.A. Saneamento de Goiás S.A. Demonstrações contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2015 Índice Página Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações contábeis

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas. BHG S.A. - Brazil Hospitality Group

Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas. BHG S.A. - Brazil Hospitality Group Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas BHG S.A. - Brazil Hospitality Group com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras da controladora

Leia mais

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Parecer dos auditores independentes...1 Demonstrações financeiras Balanço patrimonial...3

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores e Acionistas da Inepar Telecomunicações

Leia mais

Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares

Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares 31 de dezembro de 2014 e 2013 Com o relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores e Acionistas da Inepar Telecomunicações

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico. Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 1/13

Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico. Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 1/13 Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 31 de março de 2011 1/13 Relatório dos auditores independentes Aos

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2011 e de 2010

Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Relatório dos Auditores Independentes Sobre as Demonstrações Financeiras Aos Administradores e Acionistas da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Omega Energia e Implantação 1 S.A.

Omega Energia e Implantação 1 S.A. Omega Energia e Implantação 1 S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Auditores Independentes Abril de 2017 KPDS 185110 KPMG Auditores Independentes

Leia mais

SGCE Participações Societárias S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes

SGCE Participações Societárias S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores e Acionistas SGCE Participações Societárias S.A. 1 Examinamos

Leia mais

IX ENCONTRO DE AUDITORES

IX ENCONTRO DE AUDITORES IX ENCONTRO DE AUDITORES E PERITOS DO ES Relatório dos Auditores Independentes - uma análise crítica - Eduardo Assumpção IX ENCONTRO DE AUDITORES E PERITOS DO ES Cursos Pontuados pelo PEC do CFC Atualização

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais