CARTA CIRCULAR N.º 011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTA CIRCULAR N.º 011"

Transcrição

1 Aos Participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos CARTA CIRCULAR N.º 011 De acordo com o item IV da Resolução n.º 1.155, de , do Banco Central do Brasil, a alíquota do imposto de renda incidente na fonte sobre os rendimentos reais produzidos por certificados de depósitos bancários (CDB) e por letras de câmbio (LC) será reduzida para 20% (vinte por cento), quando o beneficiário se identificar. 2. A propósito e tendo em vista as disposições da alínea d do item 1 da Circular n.º 1.053, de , do Banco Central do Brasil, a CETIP comunica que está aceitando o registro dos títulos emitidos nas condições estabelecidas nos referidos normativos, os quais serão identificados pelos seguintes códigos: I CDB de renda prefixada com identificação dos titulares dos respectivos registros; II LC de renda prefixada com identificação dos titulares dos respectivos registros. 3. O registro inicial dos mencionados títulos, suas negociações posteriores e resgates serão processados normalmente, observados os procedimentos previstos no Manual do Usuário do Sistema, sendo vedadas operações ao portador relativas a esses papéis. 4. As transferências de registros de títulos dos códigos 1110 e 3110 para a conta de clientes (tipo de conta 1) implica a manutenção de controles nominativos por parte dos participantes titulares dessas contas, de forma a identificar os clientes e os respectivos créditos. 5. A CETIP continuará aceitando o registro de CDB e LC dos códigos 1100 e 3100, respectivamente, cujos rendimentos serão tributados à alíquota de 35% (trinta e cinco por cento), dispensando-se quanto a esses papéis os controles nominativos previstos no item anterior, quando registrados nas contas de clientes (tipo de conta 1). 6. Outrossim, o Sistema está habilitado a processar o registro de depósitos a prazo fixo sem emissão de certificados (RDB) com renda prefixada, observado o seguinte:

2 I. Registro Inicial: a) podem participar das operações de registro inicial de RDB: - como depositários: bancos comerciais, bancos de investimento e bancos de desenvolvimento; - como depositantes: pessoas jurídicas não financeiras e fundos mútuos que tenham conta individualizada no Sistema; b) o RDB com renda prefixada é identificado no Sistema pelo código 4110; c) o registro inicial do RDB processa-se através dos códigos de operação: Solicitação de Registro Inicial; Solicitação de Registro Inicial com Liquidação Financeira; II. Imposto de Renda: a) por ocasião dos respectivos créditos, os rendimentos produzidos pelos RDB estão sujeitos à retenção do imposto de renda na fonte às seguintes alíquotas: - 35% (trinta e cinco por cento): depósitos efetuados anteriormente a ; - 20% (vinte por cento): depósitos efetuados a partir de , inclusive; b) não há incidência do imposto de renda na fonte, se o beneficiário for pessoa jurídica imune; c) a fim de que o Sistema possa detectar se o beneficiário do rendimento está ou não sujeito à retenção do imposto de renda na fonte, deverá constar de campo próprio do Comando de Registro Inicial (Modelos Anexos) um dos seguintes códigos de retenção: - RT 2 significando que o Sistema deve efetuar a retenção; - RT 8 indicando que a retenção não deve ser efetuada.

3 d) a instituição depositária emissora do Comando de Registro Inicial assume total responsabilidade pela exatidão dos dados informados através do referido documento e em especial daqueles mencionados no item anterior; III. IV. Negociação: Os depósitos a prazo fixo sem emissão de certificados (RDB) registrados no Sistema não podem ser objeto de operações de compra e venda, definitivas ou com compromissos de recompra/revenda; Resgate: a) nas datas dos respectivos vencimentos, os depósitos a prazo fixo sem emissão de certificados (RDB) são resgatados automaticamente pelo Sistema, através do código de operação 0012, a débito das contas das instituições depositárias e a crédito das contas dos depositantes; b) simultaneamente, quando for indicado o código RT2 no Comando de Registro Inicial, o Sistema processa a retenção do imposto de renda, por intermédio do código de operação 0068, a débito das contas dos depositantes e a crédito das contas das instituições depositárias, para que estas promovam o recolhimento devido ao Tesouro Nacional. 7. Objetivando auxiliar os participantes do Sistema na elaboração de suas declarações de rendimentos e tendo em vista a nova redação dada pelo art. 1º do Decreto-lei n.º 2.287, de , ao art. 34 da Lei n.º 7.450, de , no final de cada mês, a CETIP fornecerá aos titulares de contas individualizadas os seguintes relatórios: I. títulos emitidos e depósitos efetuados anteriormente a : - relatório de rendimentos líquidos produzidos, proporcionais ao período de permanência desses ativos nas contas individualizadas; II. títulos emitidos e depósitos efetuados a partir de (inclusive): - relatório de imposto de renda a compensar proporcional ao período de permanência desses ativos nas contas individualizadas.

4 8. Ainda com relação ao art. 34 da Lei n.º 7.450/85, com a nova redação que lhe foi dada pelo art. 1º do Decreto-lei n.º 2.287/86, o FIR dos títulos emitidos a partir de , inclusive, será calculado de acordo com a fórmula a seguir: FIR = IRF x , onde: T x VR IRF = valor do imposto de renda retido na fonte; VR = valor de resgate do título; T = número de dias entre a data de emissão e a de vencimento do título. Observações: a) o FIR é representado com 6 (seis) casas decimais, sendo desprezadas as decimais seguintes; b) para os títulos emitidos a partir de , o FIR corresponde ao valor, em cruzados, a ser compensado na declaração de rendimentos das pessoas jurídicas, proporcional a cada parcela de Cz$ ,00 (um milhão de cruzados) de valor de resgate por dia de permanência desses papéis em suas contas individualizadas. 9. Finalmente, face ao disposto no item 2 da Circular n.º 1.053/86, do Banco Central do Brasil, não será permitida a baixa dos títulos identificados pelos códigos 1110 e Rio de Janeiro, 08 de agosto de Roberto de Gregório Souza Pinto Superintendente Geral

5 ANEXO À CARTA CIRCULAR CETIP N.º 011, DE DOCUMENTO N.º 11 MODELO PREENCHIDO Registro Inicial de Depósito a Prazo Fixo Sem Emissão de Certificado - RDB - CENTRAL DE CUSTÓDIA E DE LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA DE TÍTULOS 01-LOCAL 02-DATA 03-COD.OP COMANDO DE REGISTRO INICIAL Rio de Janeiro FAVORECIDO 05-CÓDIGO 06-DC 07-C.TIT 08-EMIS / ACEIT A. J. GARCIA S.A BANCOYSA 09-Nº OP 10-TAXA 11-DT.EMIS 12-DT.VCTO 13-VL.RESG/QUANT 14-VL EMIS/PU 15-N.º ORIG ,21-16-DT.AQUIS 17-PU AQUIS 18-RT 19-VL.RET. 20-RT 21-VL.RET. 22-RT 23-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES - 25-N.º OP 26-TAXA 27-DT.EMIS 28-DT.VCTO 29-VL.RESG/QUANT 30-VL EMIS/PU 31-N.º ORIG 32-DT.AQUIS 33-PU AQUIS 34-RT 35-VL.RET. 36-RT 37-VL.RET. 38-RT 39-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES - 41-Nº. OP 42-TAXA 43-DT.EMIS 44-DT.VCTO 45-VL.RESG/QUANT 46-VL EMIS/PU 47-N.º ORIG 48-DT.AQUIS 49-PU AQUIS 50-RT 51-VL.RET. 52-RT 53-VL.RET. 54-RT 55-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES 57-N.º OP 58-TAXA 59-DT.EMIS 60-DT.VCTO 61-VL.RESC/QUANT 62-VL EMIS/PU 63-N.º ORIG 64-DT.AQUIS 65-PU AQUIS 66-RT 67-VL.RET. 68-RT 69-VL.RET. 70-RT 71-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES 73-CARIMBO E ASSINATURA SOLICITAMOS PROVIDENCIAR O REGISTRO INICIAL DO(S) TÍTULO(S) ESPECIFICADO(S), NA FORMA DO REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DA CENTRAL DE CUSTÓDIA E DE LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA DE TÍTULOS CETIP, A CRÉDITO DA ENTIDADE FAVORECIDA CONSTANTE DO CAMPO N.º 4. ESTE DOCUMENTO É INEGOCIÁVEL E INSTRANFERÍVEL 74-RECIBO CETIP Observações: Campos Significado 03 COD OP = 0001 registro inicial sem liquidação financeira. 07 C.TIT = 4110 depósito a prazo fixo sem emissão de certificado (RDB). 18 RT = 2 o Sistema deve processar a retenção do IRF. 1ª Via CETIP

6 ANEXO À CARTA CIRCULAR CETIP N.º 011, DE DOCUMENTO N.º 11 MODELO PREENCHIDO Registro Inicial de Depósito a Prazo Fixo Sem Emissão de Certificado - RDB - CENTRAL DE CUSTÓDIA E DE LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA DE TÍTULOS 01-LOCAL 02-DATA 03-COD.OP COMANDO DE REGISTRO INICIAL Rio de Janeiro FAVORECIDO 05-CÓDIGO 06-DC 07-C.TIT 08-EMIS / ACEIT Dept.º de Águas e Esgotos do Estado X BANCOYSA 09-Nº OP 10-TAXA 11-DT.EMIS 12-DT.VCTO 13-VL.RESG/QUANT 14-VL EMIS/PU 15-N.º ORIG ,84-16-DT.AQUIS 17-PU AQUIS 18-RT 19-VL.RET. 20-RT 21-VL.RET. 22-RT 23-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES - 25-N.º OP 26-TAXA 27-DT.EMIS 28-DT.VCTO 29-VL.RESG/QUANT 30-VL EMIS/PU 31-N.º ORIG 32-DT.AQUIS 33-PU AQUIS 34-RT 35-VL.RET. 36-RT 37-VL.RET. 38-RT 39-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES - 41-Nº. OP 42-TAXA 43-DT.EMIS 44-DT.VCTO 45-VL.RESG/QUANT 46-VL EMIS/PU 47-N.º ORIG 48-DT.AQUIS 49-PU AQUIS 50-RT 51-VL.RET. 52-RT 53-VL.RET. 54-RT 55-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES 57-N.º OP 58-TAXA 59-DT.EMIS 60-DT.VCTO 61-VL.RESC/QUANT 62-VL EMIS/PU 63-N.º ORIG 64-DT.AQUIS 65-PU AQUIS 66-RT 67-VL.RET. 68-RT 69-VL.RET. 70-RT 71-VL.RET CARACTERÍSTICAS COMPLEMENTARES 73-CARIMBO E ASSINATURA SOLICITAMOS PROVIDENCIAR O REGISTRO INICIAL DO(S) TÍTULO (S) ESPECIFICADO(S), NA FORMA DO REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DA CENTRAL DE CUSTÓDIA E DE LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA DE TÍTULOS CETIP, A CRÉDITO DA ENTIDADE FAVORECIDA CONSTANTE DO CAMPO N.º 4. ESTE DOCUMENTO É INEGOCIÁVEL E INSTRANFERÍVEL 74-RECIBO CETIP Observações: Campos Significado 03 COD OP = 0002 registro inicial com liquidação financeira. 07 C.TIT = 4110 depósito a prazo fixo sem emissão de certificado (RDB). 18 RT = 8 o Sistema não deve processar a retenção do IRF. 1ª Via CETIP

7 TÍTULO: DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 CAPÍTULO: CIRCULARES NÃO CODIFICADAS 2 SEÇÃO: CIRCULAR N.º Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em reunião realizada nesta data, tendo em vista o disposto no item IV da Resolução n , de , decidiu que as alíquotas do imposto de renda na fonte, previstas nos itens II e III do referido normativo, serão reduzidas para 20% (vinte por cento) em relação às seguintes aplicações: a) depósitos a prazo, sem emissão de certificado, e títulos nominativos intransferíveis; b) outros títulos nominativos, mantidos sob a forma escritural na instituição financeira emissora/ aceitante; c) debêntures nominativas, mantidas sob a forma escritural em instituição autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários a prestar esse serviço; d) títulos registrados e negociados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC) ou na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP. 2. Não será permitida a emissão física dos papéis referidos nas alíneas b e c do item anterior ou a baixa do registro dos títulos no SELIC ou na CETIP, quando beneficiados com alíquota reduzida. 3. A redução de alíquota de imposto de renda prevista nesta Circular aplicarse-á aos rendimentos produzidos por títulos emitidos e por depósitos efetuados a partir de e, em relação aos títulos e depósitos com taxas flutuantes (variáveis), a partir do primeiro reajuste das referidas taxas após uma mesma data. 4. O resgate dos depósitos e títulos previstos na alínea a do item 1 será efetuado obrigatoriamente por crédito em conta de depósitos à vista, mantida pelo investidor em banco comercial.

8 5. A redução da alíquota do Imposto de Renda na Fonte, prevista no item 1 da Resolução n.º 1.166, de , somente se aplicará a cessões e liquidações de títulos, obrigações e aplicações realizadas mediante crédito dos respectivos valores em conta de depósitos à vista, mantida pela instituição beneficiária em banco comercial. Brasília (DF), 06 de agosto de Luiz Carlos Mendonça de Barros Diretor

CARTA CIRCULAR N.º 008

CARTA CIRCULAR N.º 008 CARTA CIRCULAR N.º 008 Às Instituições Participantes Levamos ao conhecimento das instituições participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos que, nos termos da Circular n.º

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 023

CARTA CIRCULAR N.º 023 Aos Participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos CARTA CIRCULAR N.º 023 A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP) comunica que, a partir de 02.02.87,

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 170

CARTA CIRCULAR N.º 170 CARTA CIRCULAR N.º 170 Aos Participantes dos Sistema Nacional de Debêntures SND, Sistema de Letras Hipotecárias SLH e Sistema de Notas Promissórias Nota. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998.

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. Em decorrência das Resolução nº 566, de,de 20.09.79, e 676, de 22.01.81, de que estabeleceram prazos mínimos

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A Departamento de Clubes Versão 2.0 Junho/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 O que é um clube de investimento?... 3 1.2 Como criar um clube de

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3000. I - Até 49% (quarenta e nove por cento) em:

RESOLUÇÃO Nº 3000. I - Até 49% (quarenta e nove por cento) em: RESOLUÇÃO Nº 3000 Altera dispositivos do Regulamento anexo à Resolução 2.967, de 2002, que dispõe sobre a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas técnicas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades

Leia mais

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 1.547 Documento normativo revogado pela Circular 3.081, de 17/01/2002. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, considerando o disposto na Resolução nº 1.662, desta data, decidiu

Leia mais

BARIGUI SECURITIZADORA S.A.

BARIGUI SECURITIZADORA S.A. AVISO AO MERCADO Oferta Pública de Distribuição dos Certificados de Recebíveis Imobiliários das Séries 60ª e 61ª da 1ª Emissão da Barigui Securitizadora S.A. A BARIGUI SECURITIZADORA S.A., inscrita no

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto

MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto ATA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 1. DATA, HORA E LOCAL:

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 TÍTULO I DA ACEITAÇÃO DE ATIVOS COMO GARANTIDORES DAS PROVISÕES TÉCNICAS

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 TÍTULO I DA ACEITAÇÃO DE ATIVOS COMO GARANTIDORES DAS PROVISÕES TÉCNICAS RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (REVOGADA PELA RN Nº 159, DE 03/06/2007) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde para aceitação

Leia mais

Previdencia PREVIDÊNCIA

Previdencia PREVIDÊNCIA Cartilha 2 Previdencia PREVIDÊNCIA 3 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes dos planos de previdência complementar: PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Bibliografia BMFBOVESPA (2012) 1 Classificação dos títulos de renda fixa no Brasil Os títulos de renda fixa são documentos que comprovam

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos 04 de dezembro de 2006 135/2006-DG O F Í C I O C I R C U L A R Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos Ref: SISBEX Introdução do Contrato de Operações Compromissadas Genéricas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.186. b) outros títulos nominativos, mantidos sob a forma escritural na instituição financeira emissora/aceitante;

RESOLUÇÃO Nº 1.186. b) outros títulos nominativos, mantidos sob a forma escritural na instituição financeira emissora/aceitante; 1 RESOLUÇÃO Nº 1.186 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO DE FUNDO DE ARRECADAÇÃO

CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO DE FUNDO DE ARRECADAÇÃO CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO DE FUNDO DE ARRECADAÇÃO CONTRATADA: Comissão Organizadora dos Eventos de Formatura do mês de Dezembro de 2010 do curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, denominada

Leia mais

Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG. REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr)

Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG. REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr) Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr) CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins deste Regulamento define-se: 1. Arbitrador Cliente habilitado pela BM&F a atuar

Leia mais

Fundo de Investimento em Ações - FIA

Fundo de Investimento em Ações - FIA Renda Variável Fundo de Investimento em Ações - FIA Fundo de Investimento em Ações O produto O Fundo de Investimento em Ações (FIA) é um investimento em renda variável que tem como principal fator de risco

Leia mais

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora.

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. GLOSSÁRIO Administradora Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Agente Autorizado Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. Ativos do

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda Investimentos. Março de Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda Investimentos. Março de Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO DECRETO Nº 11.887, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Estágio Remunerado de estudantes matriculados em Instituições Públicas ou Privadas de Ensino Superior e Médio Profissionalizante e dá outras

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012

Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012 Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012 Posição Financeira Conteúdo Introdução a Posição Financeira... 5 Conhecendo o Produto... 6 Ações dos botões das telas... 9 Cetip... 10 Banco Liquidante... 11

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Manual de Normas de CIA de Distribuição Pública

Manual de Normas de CIA de Distribuição Pública de Versão: 05/05/2016 Documento Público 2 / 7 MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO DE INVESTIMENTO AUDIOVISUAL DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1 O presente é instituído pela Cetip S.A. Mercados

Leia mais

Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007

Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007 Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007 Assunto:2ª Etapa de Oferta pública de NTN-B - Leilão de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional SIM. O Superintendente Geral da

Leia mais

BEM-VINDOS NOÇÕES DE INVESTIMENTOS - TESOURO DIRETO

BEM-VINDOS NOÇÕES DE INVESTIMENTOS - TESOURO DIRETO BEM-VINDOS Palestra NOÇÕES DE INVESTIMENTOS - TESOURO DIRETO Realização 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SEDEP - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL/PGR Semana ENEF ENEF - Estratégia

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1571, DE 02 DE JULHO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 03/07/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a obrigatoriedade de prestação

Leia mais

E-Financeira (IN RFB 1.571, de 02.07.15) 24.09.2015

E-Financeira (IN RFB 1.571, de 02.07.15) 24.09.2015 E-Financeira (IN RFB 1.571, de 02.07.15) 24.09.2015 e-financeira IN nº 1.571, de 02 de julho de 2015, dispõe sobre a prestação de informações relativas às operações financeiras de interesse da RFB pela

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS Esta cartilha traz informações e dicas, de forma simples e clara, para que você conheça as vantagens que o seu plano de previdência oferece. Leia com atenção e comece a

Leia mais

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR CARACTERÍSTICAS DOS PRODUTOS DE RENDA FIXA OS PRINCIPAIS PRODUTOS DE RENDA FIXA PERFIL DE RISCO DO INVESTIDOR Quais são as diferenças básicas entre Renda Fixa

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Introdução aos Derivativos de Crédito... 1. Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5. Registro... 7

Introdução aos Derivativos de Crédito... 1. Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5. Registro... 7 Versão: 28/12/2009 Conteúdo Introdução aos Derivativos de Crédito... 1 Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Registro... 7 Registro de Contrato... 8 Atualização de PU/Fator... 20 Informação

Leia mais

REGULAMENTO DA LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO ( LCA ) DE EMISSÃO DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A.

REGULAMENTO DA LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO ( LCA ) DE EMISSÃO DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. REGULAMENTO DA LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO ( LCA ) DE EMISSÃO DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. O BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A, inscrito no CNPJ/MF sob nº 60.770.336/0001-65, com sede na Cidade

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação Manual do Aposentado e Pensionista Prev Plano de Benefícios da Empresa Brasil de Comunicação SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento das parcelas do

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 ÁPICE SECURITIZADORA S.A. (atual denominação da ÁPICE SECURITIZADORA IMOBILIÁRIA S.A.) 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE

Leia mais

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos Receber Arquivos... 18

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos Receber Arquivos... 18 Índice 1 Atualizações... 3 2 Enviar Arquivos... 4 2.1 Registro de CDB/CDBS/CDBV/DI/DII/DIM/DIR/DIRG/DIRP/DIRR/DIRC/DPGE/LC/ LF/LFS/LFSC/LFSN/LFV/RDB... 4 3 Receber Arquivos... 18 3.1 DRESUMOEMIS CDB...

Leia mais

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 5 Relações Interfinanceiras e Interdependências 1 Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis 1- Compensação de

Leia mais

R E G U L A M E N T O D O F U N D O ALFAPREV MIX 49 - FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO

R E G U L A M E N T O D O F U N D O ALFAPREV MIX 49 - FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO R E G U L A M E N T O D O F U N D O ALFAPREV MIX 49 - FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O Alfaprev Mix 49 - Fundo de Investimento Multimercado Previdenciário,

Leia mais

BANCO MERCANTIL DE INVESTIMENTOS S.A.

BANCO MERCANTIL DE INVESTIMENTOS S.A. BANCO MERCANTIL DE INVESTIMENTOS S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) Rua Rio de Janeiro, nº 654, 9º andar Centro, CEP 30.160-912, Belo Horizonte, MG CNPJ/MF nº 34.169.557/0001-72

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA BM&FBOVESPA MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA Dezembro de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Meios Oficiais de Comunicação entre a e seus Participantes... 5 2. ATIVOS PASSÍVEIS DE DEPÓSITO...

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 004/98

COMUNICADO SNA Nº 004/98 COMUNICADO SNA Nº 004/98 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que estará, a partir do dia 05/05/98, aceitando

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199 AVISO AOS ACIONISTAS

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199 AVISO AOS ACIONISTAS PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199 AVISO AOS ACIONISTAS PDG Realty S.A. Empreendimentos e Participações ( Companhia ou PDG

Leia mais

Manual de Normas Contrato Mercantil

Manual de Normas Contrato Mercantil Versão: 23/11/2015 Documento Público 2 / 8 MANUAL DE NORMAS CONTRATO MERCANTIL SÚMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP 4 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Títulos de Renda Fixa Bibliografia BMFBOVESPA (2012) 1 Mercado de Títulos Mercadode títulos - classificaçãosegundo retorno dos ativos

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.563/0001-33 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

REGULAMENTO FIVESTARS PREV FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 00.974.902/0001-29

REGULAMENTO FIVESTARS PREV FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 00.974.902/0001-29 REGULAMENTO FIVESTARS PREV FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 00.974.902/0001-29 CAPÍTULO I - FUNDO Artigo 1º O FIVESTARS PREV FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO, doravante designado abreviadamente

Leia mais

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A)

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Valores em R$ mil, exceto o valor unitário das cotas) 1.

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016 Edital de convocação de Assembleia Geral de Entidades de Assistência Social de Diamantina para

Leia mais

Comunicado CETIP n 41/05 26 de Abril de Assunto:Leilão de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional SIM.

Comunicado CETIP n 41/05 26 de Abril de Assunto:Leilão de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional SIM. Comunicado CETIP n 41/05 26 de Abril de 2005 Assunto:Leilão de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional SIM. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação, tendo em vista o contido

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA BM&FBOVESPA MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DA Dezembro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. Meios Oficiais de Comunicação entre a e seus Participantes... 6 2. ATIVOS PASSÍVEIS DE DEPÓSITO...

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php Page 1 of 5 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONSÓRCIO DE EMPRESAS Considerações Gerais 1. INTRODUÇÃO 2. PROIBIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE CONSÓRCIOS 3. PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/000125 NIRE 35.300.340.540 Companhia Aberta

Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/000125 NIRE 35.300.340.540 Companhia Aberta Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/000125 NIRE 35.300.340.540 Companhia Aberta Ata da Assembléia Geral de Debenturistas da 1ª Emissão de Debêntures da Invest

Leia mais

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos Receber Arquivos... 18

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos Receber Arquivos... 18 Índice 1 Atualizações... 3 2 Enviar Arquivos... 4 2.1 Registro de CDB/CDBS/CDBV/DI/DII/DIM/DIR/DIRG/ DIRP/DIRR/DIRC/DPGE/LC/LF/LFS/LFSC/LFSN/LFV/RDB... 4 3 Receber Arquivos... 18 3.1 DCARACTPART-LF/LFS/LFV/LFSC/LFSN...

Leia mais

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte Página: 1 de 12 12. Aplicações/Empréstimos: O conceito de Empréstimo é o meio pelo qual uma pessoa, seja ela física ou jurídica, transfere o domínio da coisa emprestada ao mutuário (devedor), sob determinada

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Premium Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DAYCOVAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA IRFM-1

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DAYCOVAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA IRFM-1 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DAYCOVAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA IRFM-1 Versão: 1.0 Competência: 29/04/2016 Data de Geração: 29/05/2016 CNPJ/MF do FUNDO: 12.265.822/0001.83 Periodicidade

Leia mais

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA.

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. Sociedade aberta Sede: Lugar da Vista Alegre, 3830-292 Ílhavo Matriculada na C.R.C. de Ílhavo - NIPC: 500.978.654 Capital social: 92.507.861,92 Euros -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Comunicado CETIP n 008/12 13 de Janeiro de 2012

Comunicado CETIP n 008/12 13 de Janeiro de 2012 Comunicado CETIP n 008/12 13 de Janeiro de 2012 Assunto: Leilão de Venda de Notas do Tesouro Nacional Série A3 NTN- A3 vencimento em 15/04/2024 - Módulo Leilão Sistema de Negociação Eletrônica. O Diretor

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04

MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04 MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04 RENDA VARIÁVEL IR GANHO DE CAPITAL OS GANHOS LÍQUIDOS AUFERIDOS EM OPERAÇÕES REALIZADAS EM BOLSAS DE VALORES, DE MERCADORIAS E ASSEMELHADAS,

Leia mais

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. Mensagem de veto Texto compilado Concede antecipação de reajuste de vencimentos e de soldos dos servidores civis e militares do Poder Executivo e dá outras providências.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.8 - Derivativos

Conhecimentos Bancários. Item 3.8 - Derivativos Conhecimentos Bancários Item 3.8 - Derivativos Conhecimentos Bancários Item 3.8 - Derivativos São instrumentos financeiros que têm seus preços derivados (daí o nome) do preço de mercado de um bem ou de

Leia mais

4. Os interessados poderão encaminhar sugestões e comentários até 2 de maio de 2017, por meio:

4. Os interessados poderão encaminhar sugestões e comentários até 2 de maio de 2017, por meio: EDITAL DE CONSULTA PÚBLICA 51/2017, DE 9 DE MARÇO DE 2017 Divulga minuta de resolução que dispõe sobre o registro e o depósito centralizado de títulos e valores mobiliários e de direitos creditórios em

Leia mais

Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento

Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento Versão: 27/07/2015 Documento Público 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DA CONTRATAÇÃO DE ADMINISTRADOR DE CUSTÓDIA E DE DIGITADOR POR ADMINISTRADOR

Leia mais

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 1 ÍNDICE Imposto de Renda 2016... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais.... 05 Formas de entrega.... 06 Multa pelo atraso na entrega...

Leia mais

Renda Fixa. Escrito por Sandra Blanco, CFP, Consultora de Investimentos da Órama, mais de 20 anos de mercado e autora de diversos livros.

Renda Fixa. Escrito por Sandra Blanco, CFP, Consultora de Investimentos da Órama, mais de 20 anos de mercado e autora de diversos livros. Renda Fixa Escrito por Sandra Blanco, CFP, Consultora de Investimentos da Órama, mais de 20 anos de mercado e autora de diversos livros. ÍNDICE investimentos em renda fixa... 4 CARACTERÍSTICAS da Renda

Leia mais

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de constituição

Leia mais

Regras Gerais Taubaté:

Regras Gerais Taubaté: Regras Gerais Taubaté: a. Desconto de 50%, sendo: a. Mecatrônica e RH 50% de desconto no 1º ano (A partir do 2º ano será mantido apenas o desconto do mérito b. Demais cursos 50% de desconto no 1º semestre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução IPI Devolução Código Situação Tributária aplicado na NF-e 12/12/2013 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Nota Técnica

Leia mais

Quadro Comparativo IN n e IN n 1.637

Quadro Comparativo IN n e IN n 1.637 Quadro Comparativo IN n 1.585 e IN n 1.637 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 1.585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 1.637, DE 09 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os

Leia mais

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. Itamar Borges, Prefeito da Estância Turística de Santa Fé do Sul, Estado de

Leia mais

Manual de Normas Letra de Crédito do Agronegócio LCA e de Certificado de Direito Creditório do Agronegócio CDCA

Manual de Normas Letra de Crédito do Agronegócio LCA e de Certificado de Direito Creditório do Agronegócio CDCA Manual de Normas Agronegócio LCA e Direito Creditório do Versão: 24/07/2017 Documento Público MANUAL DE NORMAS LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO LCA E DE CERTIFICADO DE DIREITO CREDITÓRIO DO AGRONEGÓCIO

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011 Ref: Instrução CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011, que dispõe sobre a elaboração e divulgação das Demonstrações Financeiras dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC e dos Fundos de Investimento

Leia mais

O Treinamento Mais Completo Sobre o Tesouro Direto Tesouro Direto Descomplicado. Clique Aqui

O Treinamento Mais Completo Sobre o Tesouro Direto Tesouro Direto Descomplicado. Clique Aqui Índice Sumário 5 investimentos seguros para 2017... 3 Mesmo com projeção de queda da Selic, especialistas continuam indicando a renda fixa para este ano. Veja quais são as melhores opções... 3 TESOURO

Leia mais

Manual de Normas Letra Financeira

Manual de Normas Letra Financeira Versão: 27/07/2015 Documento Público 2 / 10 MANUAL DE NORMAS LETRA FINANCEIRA SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 4 Seção I Do Registrador de 4 Seção II Das atribuições do Emissor

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA DECRETO Nº 43, de 23 de fevereiro de 2001 DOE 01.03.2001 Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 35.245, de 26 de dezembro de 1991, implementando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ESTANTES E ARMÁRIOS DE AÇO ATRAVÉS DE REGISTRO DE PREÇOS, QUE ENTRE SI FAZEM A DE PRIMEIRO GRAU E A EMPRESA PROCESSO Nº /2010-EOF A DE PRIMEIRO

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983.

Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983. CARTA-CIRCULAR Nº 900 Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural monetária: Comunicamos que, quando se tratar de operações

Leia mais

Boletim Técnico esocial

Boletim Técnico esocial esocial Datasul Materiais (Tomadores de Serviço) Produto : Datasul 11.5.10 - MRE -Recebimento Projeto : DMAT001/IRM2047 Data da criação : 05/03/2014 Data da revisão : 07/03/14 País(es) : Brasil Banco(s)

Leia mais

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC MMG-SELIC

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC MMG-SELIC MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC VERSÃO: 06/09/2011 2 / 13 MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

PRODUTOS IMPORTADOS. PROCEDIMENTOS FISCAIS OBRIGATÓRIOS PELA INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

PRODUTOS IMPORTADOS. PROCEDIMENTOS FISCAIS OBRIGATÓRIOS PELA INDÚSTRIA E COMÉRCIO. CIRCULAR Nº 16/2013 São Paulo, 08 de maio de 2013. PRODUTOS IMPORTADOS. PROCEDIMENTOS FISCAIS OBRIGATÓRIOS PELA INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Prezado Cliente, Com a recente implantação da alíquota de 4% de ICMS

Leia mais

A primeira receita tributária repartida é a prevista no art. 157, que prevê:

A primeira receita tributária repartida é a prevista no art. 157, que prevê: REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS 1. INTRODUÇÃO Como visto nas competências tributárias, o texto constitucional delimita quais serão os tributos a serem instituídos por cada ente político. Dois merecem

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL VERSÃO: 09/11/2010 2 / 12 MINUTA MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definição Geral As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas (emissoras), de capital aberto ou fechado. Todavia,

Leia mais

EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO

EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO O, mantido pela Associação Paranaense de Cultura, torna pública a abertura

Leia mais