SISTEMAS SENSORIAS PROPRIEDADES GERAIS DA RECEPÇÃO SENSORIAL. Profa. Dra. Márcia do Nascimento Brito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS SENSORIAS PROPRIEDADES GERAIS DA RECEPÇÃO SENSORIAL. Profa. Dra. Márcia do Nascimento Brito"

Transcrição

1 SISTEMAS SENSORIAS PROPRIEDADES GERAIS DA RECEPÇÃO SENSORIAL Profa. Dra. Márcia do Nascimento Brito

2 SISTEMAS SENSORIAIS Definição: conjunto de estruturas e processos que pode captar e interpretar certos aspectos físicos ou químicos, genericamente definidos como estímulos, do meio externo ou interno de um organismo. Sensações: reconhecimento da presença de um estímulo e de suas propriedades básicas resultado do funcionamento dos sistemas sensoriais. Sensação é a porta de entrada para a percepção. Percepção: é a capacidade de dar às sensações significado e integração.

3 ESTÍMULOS SISTEMAS SENSORIAIS SENSAÇÃO PERCEPÇÃO CONTROLE VISCERAL COMPORTAMENTOS

4 ESTÍMULO: é uma forma de energia que pode ser captada e interpretada por um sistema sensorial apropriado. formas de energia na natureza requer sistemas sensoriais Todo sistema sensorial possui três elementos fundamentais: 1 Receptores: estruturas responsáveis pela captação da energia do estímulo e sua conversão em um sinal biológico; 2 Vias sensoriais: ou aferentes, por onde o sinal biológico trafega; 3 Áreas sensoriais centrais: onde o sinal biológico é interpretado, gerando as sensações.

5 Receptores Sensoriais É a estrutura que responde à presença de um estímulo. Receptor sensorial é a célula ou parte da célula com proteínas de membrana específicas, sensíveis à energia do estímulo. Receptores sensoriais podem ser: 1 Células epiteliais modificadas (conectada sinapticamente com um neurônio aferente) 2 Terminações nervosas (nuas ou modificadas)

6

7 Transdução Sensorial É a capacidade de todo receptor sensorial transformar a energia de um estímulo em um sinal biológico (elétrico). Formas de energia que podem atuar sobre os receptores: 1 mecânica 2 térmica 3 química 4 elétrica 5 eletromagnética 6 magnética Estímulo adequado é o estímulo ao qual o receptor está melhor adaptado a detectar. Porém, estímulos de alta intensidade...

8 Mecanismo da transdução sensorial - depende do tipo de receptor quase sempre há uma alteração do potencial da membrana do receptor. Potencial receptor potencial graduado geralmente despolarizante. Fenômeno elétrico localizado gerado na membrana receptiva deverá ser convertido em potencial de ação para ser conduzido pelas vias sensoriais aferentes e processado pelos diferentes níveis do SNC.

9 ESTÍMULO ESTÍMULO CÉLULA EPITELIAL RCEPTORA Potencial Receptor Liberação de transmissores NEURÔNIO SENSORIAL PRIMÁRIO Potencial Receptor Potencial de Ação NEURÔNIO SENSORIAL PRIMÁRIO Potencial Pós-sináptico SISTEMA NERVOSO CENTRAL Potencial de Ação

10 De acordo com a intensidade do estímulo ele pode ser classificado em: Estímulo limiar Estímulo sublimiar Estímulo supralimiar Limiar sensorial não é obrigatoriamente fixo pode ser alterado por fatores psicológicos, emocionais, motivacionais podendo ser elevados ou reduzidos. Constituição genética e as experiências vividas por cada indivíduo também influenciam o limiar sensorial.

11 CAMPO RECEPTIVO É a área de um sistema sensorial em que a presença de um estímulo causa a ativação de um determinado receptor e a transdução do estímulo por ele. Cada receptor tem seu campo receptivo porém o tamanho de cada campo receptivo varia. Área de superfície com campos receptivos pequenos mostra alta densidade de inervação portanto, maior sensibilidade.

12 VIAS SENSORIAIS Formadas por neurônios e suas fibras nervosas, ao longo das quais a informação sensorial é conduzida dos receptores até as áreas centrais do respectivo sistema sensorial. Axônios sensoriais fibras sensoriais podem ser amielínicos ou mielinizados em diferentes graus. Tabela 1. Classificação das fibras nervosas. Classificação Geral Classificação Sensorial Tipo de Fibra Velocidade de condução (m/s) Tipo de Fibra Velocidade de condução(m/s) Aα (mielínica) IA (mielínica) Aβ (mielínica) IB (mielínica) Aλ (mielínica) II (mielínica) Aδ (mielínica) 6-30 III (mielínica) 6-30 C (amielínica) 0,5-2 IV (amielínica) 0,5-2

13 Receptor Sensorial Neurônio Aferente Primário Via sensorial Organização hierárquica Neurônio Aferente Secundário Neurônio Aferente Terciário Neurônio Cortical

14 Convergência no Sistema Sensorial Receptor A Campo Receptivo A Receptor B Campo Receptivo B Receptor C Campo Receptivo C Receptor D Campo Receptivo D Neurônio Sensorial Primário Campo Receptivo AB Neurônio Sensitivo Primário Campo Receptivo CD Neurônio Sensitivo Secundário Campo Receptivo ABCD

15 Áreas Sensoriais Centrais

16 Córtex Sensorial É a área do córtex cerebral em que as informações sensoriais são interpretadas para gerar sensações e percepções. Cada sistema sensorial tem uma área cortical associada específica: áreas sensoriais primárias e áreas secundárias. Área primária: são as que recebem primeiro as informações provenientes do receptor sensação Área secundária: envolvidas com a interpretação de aspectos seletivos da informação sensorial percepção. Áreas de Associação: reúnem dados interpretados pelas áreas primárias e secundárias para criar uma percepção coesa e coerente reúnem informações provenientes de vários sistemas sensoriais.

17 CODIFICAÇÃO SENSORIAL Cada estímulo possui um número mínimo de atributos que devem ser informados às áreas sensoriais centrais para gerar uma sensação útil. As vias sensoriais só conduzem Potenciais de Ação, portanto, como os atributos dos estímulos tipo, intensidade, duração localização são codificados pelos impulsos nervosos??? Portanto, deve haver receptores específicos para identificar modalidades diferentes de estímulos (energia) mas também deve haver vias específicas onde trafegam os potenciais de ação originados de cada receptor específico em resposta a um estímulo que lhe seja adequado, bem como regiões corticais específicas que fazem a análise dessas informações.

18 Codificação da Localização do Receptor 1 Exteroceptores captam sinais do meio ambiente. 2 Interoceptores ou visceroceptores captam sinais do meio interno e das vísceras. 3 Proprioceptores captam sinais dos músculos, tendões e articulações

19 Codificação do Tipo de Estímulo Cada receptor responde a um tipo de energia estimuladora e está ligado a vias sensoriais e áreas sensoriais centrais específicas Teoria da Linha Marcada. Categorias Sensoriais: 1 Mecanorreceptores estímulo mecânicos 2 Quimiorreceptores estímulo químicos 3 Termorreceptores estímulos térmicos 4 Fotorreceptores estímulos eletromagnéticos ou luminosos 5 Nociceptores diferentes formas de energia que causam lesão tecidual sensação de dor.

20 Tabela 2 Energias de estímulo com suas respectivas categorias sensoriais, modalidades e submodalidades. Energia Categoria Modalidades Mecânica Mecanorrecepção Submodalidades Sensações cutâneas Tato, pressão, vibração Sensações músculo-esqueléticas Posição, Movimento Sensibilidade Visceral Enchimento visceral, Pressão Arterial Audição Volume, tom, timbre Equilíbrio Aceleração, posição Nocicepção Dor rápida Química Quimiorrecepção Paladar Doce, salgado, ácido, amargo Olfato Cítrico, pútrido, adocicado, etc. Sensibilidade visceral Osmolaridade, concentração de gases respiratórios e de glicose Nocicepção Dor lenta Sensação térmica Frio e calor Térmica Termorreceptores Nocicepção Dor rápida Sensibilidade visceral Aquecimento, resfriamento Eletro- Fotorreceptores Fotossensibilidade Intensidade luminosa Magnética Visão Forma, movimento, cor

21 CODIFICAÇÃO DA INTENSIDADE DO ESTÍMULO 1- Código da freqüência Quanto > a intensidade do estímulo > a amplitude do potencial receptor > a freqüência de PA

22 2 Código de população Quanto > a intensidade do estímulo > o número de receptores estimulados Estímulo fraco Estímulo forte

23 CODIFICAÇÃO DA DURAÇÃO DO ESTÍMULO 1 Receptores Fásicos receptores que apresentam adaptação rápida a estímulos mantidos constantes. 2 Receptores Tônicos receptores que apresentam adaptação lenta ou não se adaptam a estímulos mantidos constantes.

24 CODIFICAÇÃO DA LOCALIZAÇÃO DO ESTÍMULO 1 Densidade de inervação 2 Organização topográfica 3 Inibição lateral acentuação do contraste da atividade elétrica de células vizinhas adiciona precisão à localização dos estímulos.

25

26

27 Johannes Müller início do século XIX descreveu a teoria das energias nervosas específicas. Sensibilidade somática é originada a partir de informações provenientes de uma variedade de receptores distribuídos dos por todo o corpo. Cada modalidade sensorial somática é mediada por sistemas de receptores e vias neuroanatômicas específicas

28 Sensações Somáticas ou Somestésicas São as sensações originadas nas diferentes partes do organismo. Há três tipos fisiológicos de sensações somáticas: 1 Sentidos somáticos mecanorreceptivos: tátil, pressão, vibração e propriocepção causados por deslocamento mecânico de alguns tecidos corporais; 2 Sentidos somáticos termorreceptivos: estimulados por alterações na temperatura; 3 Sentidos somáticos nociceptivos: ativados por qualquer fator capaz de levar à lesão tecidual.

29 Sensações Mecanorreceptivas Incluem: tato, pressão, vibração, prurido, cócegas e sentido de posição 1.1 Tato, pressão e vibração embora classificados como sensações distintas estimulam os mesmos tipos de receptores. Entre essas sensações há três diferenças: A Tato: resulta da estimulação de receptores táteis localizados na pele ou em tecidos imediatamente abaixo dela. B Pressão: resulta geralmente da estimulação de tecidos mais profundos. C Vibração: resulta de sinais sensoriais rapidamente repetitivos geralmente os receptores para vibração são os de adaptação mais rápida.

30 Os neurologistas distinguem duas classes de sensações somáticas: 1- EPICRÍTICAS: envolvem aspectos finos do tato e são mediadas por receptores encapsulados. Incluem a capacidade de: a Detectar o contato sutil da pele e localizar a posição do estímulo (topognosia) b Discernir vibração e determinar sua freqüência e amplitude c Perceber pelo toque detalhes espaciais, como textura de superfícies e o espaçamento entre dois pontos tocados simultaneamente (discriminação entre dois pontos) d Reconhecer a forma de objetos com a mão (estereognosia) 2 PROTOPÁTICAS: envolvem as sensações dolorosas e térmicas (bem como coceiras e cócegas) menor grau de discernimento.

31

32 A Não encapsulados: Receptores táteis podem ser: ❶ Terminações Nervosas livres podem detectar toque e pressão (pouco discriminativo). ❷ Órgão Piloso Terminal na base dos pêlos há uma fibra nervosa entrelaçada deslocamento do pêlo causa a sensação tátil adaptação muito rápida e discriminativa.

33 B Encapsulados: ❶ Corpúsculo de Meissner é uma terminação nervosa encapsulada alongada que excita uma fibra nervosa sensorial de grande diâmetro localizados na pele sem pêlos PELE GLABRA muito abundantes na ponta dos dedos, lábios e outras áreas da pele com elevada capacidade de discenir as características espaciais das sensações de toque. São receptores de adaptação rápida. Percebem tato leve e vibrações de baixa freqüência. ❷ Discos de Merkel coexistem com os corpúsculos de Meissner mas também ocorrem na pele com pêlo onde não há Meissner. Estes receptores transmitem sinais inicialmente fortes, depois reduzem seu ritmo, mantendo um sinal fraco contínuo (adaptação parcial) Detectam tato, principalmente a textura da superfícies tocadas.

34 B Encapsulados: ❸ Terminações de Ruffini localizados nas camadas mais profundas da pele e em outros tecidos mais profundos. São receptores de adaptação lenta detectam o estado de deformação contínua da pele e dos tecidos profundos, tais como toque e pressão mais fortes e contínuos. Localizam-se também nas articulações e ajudam a sinalizar o grau de rotação da articulação. ❹ Corpúsculo de Pacini situam-se abaixo da derme e em tecidos profundos são estimulados por movimentos muito rápidos dos tecidos são de adaptação muito rápida. Detectam vibração ou modificações extremamente rápidas do estado mecânico tecidual.

35 Distribuição dos receptores somáticos Pele com pêlos e Glabra

36 Mecanismo de estimulação de um mecanorreceptor estiramento da membrana do receptor causa abertura dos canais iônicos

37 Discriminação espacial no sistema somatossensorial Depende de vários fatores: 1 Tamanho dos campos receptivos periféricos; 2 Quantidade de receptores por unidade de superfície densidade de receptores; 3 Convergência na via aferente. Campos receptivos pequenos + alta densidade de receptores + pouca convergência na via aferente = maior sensibilidade discriminativa.

38

39 Número de receptores e tamanho dos campos receptivos variam nas diferentes regiões do corpo

40 Convergência na via aferente

41 A capacidade discriminativa das diferentes regiões do corpo pode ser determinada por meio de um teste simples: LIMIAR DE DISCRIMINAÇÃO ENTRE DOIS PONTOS

42 Como se determina o limiar de discriminação entre dois pontos?

43

44 TAMANHO DOS CAMPOS RECEPTIVOS NAS DIFERENTES REGIÕES DO CORPO

45 1.2. Cócega e Prurido São detectados por terminações nervosas livres muito sensíveis e de adaptação rápida pouco discriminativas. São encontrados quase que exclusivamente nas camadas superficiais da pele são os únicos locais nos quais se pode provocar estas sensações.

46 Por que pessoas com Hanseníase perdem a capacidade de perceber a presença de objetos em contato com a pele? O que ocorre com a sensação tátil quando nós, por acidente, cortamos um dedo, ou qualquer outra parte do corpo?

47 1.3. Sentido de posição ou Propriocepção A Propriocepção Estática ou Estatoestesia: reconhecimento consciente da orientação das diferentes partes do corpo, com relação umas às outras. B Propriocepção Dinâmica ou Cinestesia: reconhecimento consciente das freqüências de movimento e da direção do movimento das diferentes partes do corpo.

48 Propriocepção Localização: 1 Articulações Corpúsculos de Ruffini (cápsulas articulares) 2 Ligamentos Receptores de Golgi-Mazzoni 3 Periósteo Corpúsculos de Pacini 4 Músculos Fusos Musculares e Órgão Tendinoso de Golgi 5 Pele sobre as articulações Corpúsculo de Ruffini Informações que detectam: 1 Grau de angulação da articulação 2 Direção do Movimento 3 Identificação das partes do corpo umas em relação às outras 4 Velocidade do movimento 5 Força exercida pela contração do músculo

49

50 Fuso muscular: detecta o comprimento do músculo

51 Órgão Tendinoso de Golgi detecta força de contração

52 Por que mesmo com os olhos fechados conseguimos saber a posição das diferentes partes do corpo, umas em relação às outras?

53 Termorrecepção O ser humano é capaz de perceber diferentes gradações de frio e calor Frio congelante frio morno (indiferente) calor calor escaldante Há quatro tipos de termorreceptores: 1 - Receptores de frio 2 - Receptores de calor 3 - Receptores de dor por frio 4 - Receptores de dor por calor

54 Localização dos Receptores Térmicos Imediatamente sob a pele Densidade varia nas diversas regiões superficiais do corpo. Receptores de frio localizados na epiderme e imediatamente sob a mesma. Receptores de calor localizam-se mais profundamente. Existem, proporcionalmente, poucos receptores térmicos no entanto há mais receptores para o frio do que para o calor numa dada superfície corporal. O campo receptivo de cada receptor térmico equivale a ± 1mm 2 que é circundado por um espaço desprovido de sensibilidade.

55 Tipos de fibras aferentes para as sensações térmicas Frio fibras mielinizadas finas - Aδ Calor fibras não mielinizadas - C Por isso, a sensação de frio instala-se mais rapidamente que a de calor.

56

57 Sensações Térmicas - Adaptação: os receptores térmicos se adaptam muito rapidamente. Lembre-se da sensação térmica quando se entra na piscina ou na banheira - Somação espacial das sensações térmicas: pelo fato de existirem menos receptores térmicos na superfície corporal é muito mais fácil determinar a temperatura quanto maior a área de exposição corporal. Lembre-se da sensação da temperatura da água quando se coloca a mão ou o pé e depois quando entramos de corpo inteiro na piscina ou na banheira.

58 Transmissão e Processamento da Informação somática A sensação se dá apenas quando a informação alcança o córtex sensorial. 90% dos estímulos sensoriais não chegam a nível consciente por serem considerados de pouco importância. A principal função do SNC é processar a informação sensorial, para que somente os estímulos de relevância produzam as sensações. A seleção da informação sensorial ocorre nas sinapses. As sinapses representam os locais onde a informação é modulada, através de botões sinápticos excitatórios, inibitórios e inibições pré-sinápticas.

59 Córtex sensorial

60 As informações sensoriais de todo o corpo, exceto da cabeça, dão entrada no SNC pelas raízes dorsais da medula espinhal. Via sensorial neurônio sensitivo primário Corno dorsal Região posterior Corno ventral Região anterior

61 Mapeamento da Inervação das Raízes Dorsais Dermátomo é a área da pele inervada por uma única raiz dorsal. Os mapas dos dermátomos são ferramentas importantes na localização diagnóstica de locais de lesão na medula e nas raízes dorsais. Embora os limites dos dermátomos não sejam tão precisos o seguinte mapa é usado para definir cada região da pele inervada por cada nível medular.

62

63

64 As vias de condução dos sinais sensoriais até alcançar o córtex sensorial seguem o seguinte roteiro: Medula espinhal Bulbo (tronco encefálico) Tálamo Córtex sensorial

65 Vias de Transmissão 1 Sistema da Coluna Dorsal-Lemnisco Medial 2 Sistema Espinotalâmico Ântero-lateral

66

67 Sistema da Coluna Dorsal-Leminisco Medial Composto de fibras nervosas mielinizadas grossas 30 a 110m/seg Grupos I e II ou Aα e Aβ. Sensações: - Tato alto grau de localização do estímulo - Tato transmissão de finas gradações de intensidade - Vibração - Movimento contra a pele - Posição ou Propriocepção - Pressão com finos graus de julgamento de intensidade Portanto, apenas sensações mecanorreceptivas

68 Grácil informações da regiões mais inferiores do corpo segmentos Sacral, lombar e torácico. Cuneato informações das regiões mais superiores do corpo Segmentos torácico alto e cervical.

69 Divergência A troca de lado ocorre no bulbo: núcleos grácil e cuneiforme

70

71 O que acontece com as diferentes sensações se nós tivermos uma lesão na via da coluna dorsal-lemnisco medial? É possível fazer o reconhecimento preciso do local, intensidade e modalidade do estímulo aplicado na superfície corporal?

72 Sistema Espinotalâmico Ântero-lateral Composto de fibras nervosas mielinizadas finas e fibras nervosas não mielinizadas 8 a 40m/seg Grupos III e IV ou Aδ e C. Sensações: - Dor - Sensações térmicas - Tato grosseiro, pouco grau de localização e intensidade - Cógega e prurido - Sexuais Portanto, conduz sensações mecanorreceptivas, termorreceptivas, quimiorreceptivas e nociceptivas

73 Divergência A troca de lado ocorre no mesmo nível medular em que as informações entram.

74

75 O que ocorreria com um indivíduo que sofresse lesão do sistema espinotalâmico anterolateral? Quais tipos de sensações seriam mais prejudicadas?

76 O sistema espinotalâmico ântero-lateral tem uma capacidade especial que o sistema da coluna dorsallemnisco medial não tem: Transmitir um amplo espectro de modalidades sensoriais: dor, calor, frio e sensações táteis grosseiras. O sistema da coluna dorsal se limita à transmissão das sensações mecanorreceptivas.

77 Sensação Percepção

78 Representação das diferentes regiões corporais no Córtex sensorial primário Córtex Somatossensorial I Córtex Somestésico. Diferença na proporção de cada região de representação cortical.

79

80 Sabendo-se que cada região do córtex somatossensorial recebe informações de uma área específica do corpo... O que acontece com os neurônios que recebem as informações do dedo indicador se este for decepado?

81 Por que cegos apresentam muito maior sensibilidade para os outros sentidos, especialmente, tátil leitura em Braile?

82 O que acontece com a representação cortical das estruturas que são mais estimuladas? Por exemplo, o que acontece com os neurônios corticais que recebem sinais dos dedos da mão que são estimulados por um determinado período de tempo? Indivíduos que tocam instrumentos musicais Indivíduos que usam os dedos das mãos na execução de tarefas delicadas O que acontece quando um dedo é decepado?

83 Organização colunar no córtex somatossensorial das diferentes sensações processadas pelos diferentes receptores

84

85 SENSAÇÕES QUÍMICAS GUSTAÇÃO E OLFATO

86 Gostos básicos 1 - Doce 2 - Azedo 3 - Salgado 4 - Amargo 5 - Glutamato Picante Dor ou térmico? Capsaicina

87 Localização das diferentes papilas na língua (Não possui botões gustativos)

88 As papilas gustativas apresentam número variado de botões gustativos Fungiformes = de 1 a 5 botões gustativos Foleadas = 20 a 40 botões gustativos Circunvaladas = 50 a 100 botões gustativos

89 Organização estrutural de um botão gustativo Cada botão gustativo tem em torno de 50 a 150 células receptoras gustativas. A vida média de uma célula receptora gustativa é de 10 dias, sendo reposta pela diferenciação das células basais células precursoras.

90 Mecanismo de estimulação da célula receptora gustativa pelos diferentes gostos básicos:

91 Regiões diferentes da língua apresenta limiares diferentes para os diferentes gostos básicos.

92 Inervação das papilas gustativas: 2/3 anteriores da língua nervo VII (fascial) corda timpânica 1/3 posterior da língua nervo IX glossofaríngeo Palato; faringe Nervo X vago

93

94 Cena do filme O perfume

95 Cheiros básicos? Pode haver uma classificação de cheiros? De acordo com a classificação de Amoore há sete odores primários: Floral Canforado Mentolado Etério Almiscarado Pungente (vinagre) Pútrido Fétido

96

97

98

99 Camada mucosa é formada pela secreção das Glândulas de Bowman - protege os cílios das células receptoras e contém proteínas ligadoras dos odorantes.

100 Mecanismo de estimulação dos receptores olfativos aos agentes odorantes Geralmente induz a produção de AMPc como segundo mensageiro via ativação da proteína G da membrana do receptor levando à despolarização da membrana do receptor potencial receptor. Proteína G = Proteína G olf Cada receptor odorífero é sensível a um agente odorante específico assim cada neurônio transmite ao SNC apenas informação de um receptor.

101 Bulbo olfatório recebe sinais diretos dos neurônios olfatórios sensoriais. Trato olfatório BULBO OLFATÓRIO Glomérulo Placa cribriforme do osso etmóide Epitélio olfativo

102 Córtex olfatório Percepção e discriminação de odores Aspectos emocionais e motivacionais /comportamentais

103

104 Sistema olfatório acessório sistema vomeronasal Órgão Vomeronasal Órgão Vomeronasal detecção de ferormônios suas conexões centrais são independentes do olfato estão envolvidas com o comportamento sexual e suas correlações neuroendócrinas. Ferormônio substância produzida por um indivíduo que atua sobre animais da mesma espécie Alormônio substância produzida por um indivíduo que atua sobre animais de outras espécies Há três classes principais de ferormônios: 1 Alarmogênicas produzem respostas rápidas de excitação geral com comportamento de escape ou defesa entrada de outro macho no território 2 Preparatórias origina respostas lentas que resultam em mudanças nos estados fisiológicos, no desenvolvimento ou no comportamento presença de fêmeas 3 Liberadoras gera respostas comportamentais imediatas fêmeas no cio

105 Órgão Vomeronasal Ofeitos observados do OVN: Secreção de hormônios FSH e LH Ratos machos aumenta concentração de prolactina quando são expostos ao odor da fêmea prolactina induz indiretamente a produção de substâncias odorantes potencializa a ação da testosterona sobre as glândulas sebáceas. Odor dos machos influencia a secreção neuroendócrina nas fêmas Camundongos fêmas acelera a maturação sexual pela ação odorante de machos. Acelera o ciclo estral quando expostas às influencias de substâncias da urina de machos Hamsters e camundongos substâncias odorantes ativam o eixo H-H-gônada de indivíduos de mesma sp. Secção do nervo vomeronasal provoca grave deterioração do comportamento sexual em hamsters machos A extirpação do OVN impede a lordose em hamsters fêmeas Seres Humanos sincronização do ciclo menstrual em meninas que vivem na mesma casa efeito dormitório

106

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas FISIOLOGIA PSICOLOGIA NEROFISIOLOGIA Introdução ao sistema sensorial Receptores sensoriais Prof. Leonardo dos Santos PERCEBEMOS

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Como sentimos o mundo?

Como sentimos o mundo? Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Como sentimos o mundo? Introdução à Fisiologia Sensorial Qual mundo é o verdadeiro? - Cada um percebe uma obra musical de maneira diferente - Diferenças

Leia mais

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de 1 As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de impulso nervoso. 2 As informações acerca do ambiente,

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: Uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nestes termos Associação Internacional para

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO SOB O PONTO DE VISTA ANATÔMICO. CÉREBRO ENCÉFALO... CEREBELO MESENCÉFALO

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO I

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO I UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO I As informações dos meios interno e externo são fornecidas ao sistema nervoso central

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais

Sensações somáticas. Classificação dos sentidos somáticos. Profa Geanne Matos de Andrade. Receptores sensoriais

Sensações somáticas. Classificação dos sentidos somáticos. Profa Geanne Matos de Andrade. Receptores sensoriais a Classificação dos sentidos somáticos Sensações somáticas Profa Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Mecanorreceptivos- - tato, pressão, vibração e cócegas - posição (estática

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL MICHEL FELIPE PRASNIEVSKI ROSIMAR RODRIGUES VINICIUS ARAUJO 2013 Sistemas Sensoriais É o sistema constituído

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas Classes de Dor DOR Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo aprende a utilizar esse termo através das suas experiências

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento. Resumo Aula 4- Órgãos do Sentido Parte 2. Audição

Curso - Psicologia. Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento. Resumo Aula 4- Órgãos do Sentido Parte 2. Audição Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 4- Órgãos do Sentido Parte 2 Audição Audição é o sentido que ocupa o 2º lugar em termos de importância; Estímulos acústicos

Leia mais

Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos

Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos Curso de Pós-graduação - IPUB Neurociências Aplicadas Ciclo Básico Núcleo Comum Disciplina de Neuroanatomia Prof: Alfred Sholl Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos 20/04/2010

Leia mais

AULA 06 SENSAÄÅES SOMÇTICAS Parte 3 DOR & ANALGESIA

AULA 06 SENSAÄÅES SOMÇTICAS Parte 3 DOR & ANALGESIA AULA 06 SENSAÄÅES SOMÇTICAS Parte 3 DOR & ANALGESIA NEUROFISIOLOGIA Prof. HÑlder Mauad DOR o Mecanismo de proteção do organismo: Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

SENTIDO SOMÁTICO MECARRECEPTORES DA PELE

SENTIDO SOMÁTICO MECARRECEPTORES DA PELE 61 SENTIDO SOMÁTICO O sistema sensorial somático geral (ou sistema somatossensorial) é o responsável pelas experiências sensoriais detectadas nos órgãos sensoriais que não pertencem ao sentido especial.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Estrutura e Função da Medula Espinhal

Estrutura e Função da Medula Espinhal FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função da Medula Espinhal Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

CÉLULA NERVOSA OU NEURÔNIOS

CÉLULA NERVOSA OU NEURÔNIOS PARA RECORDAR: NEURÔNIOS, IMPULSO NERVOSO, SISTEMA NERVOSO, PARTES PRINCIPAIS DO ENCÉFALO. CÉLULA NERVOSA OU NEURÔNIOS Eventos em uma transdução sensorial (a) despolarização de uma terminação nervosa leva

Leia mais

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo Daltonismo Algumas pessoas nascem com um ou mais tipos de cone em número reduzido ou ausente e, consequentemente, têm dificuldade de distinguir certas cores. Conjuntivite ANNABELLA BLUESKY / SCIENCE PHOTO

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO O CÓRTEX MOTOR - Movimentos VOLUNTÁRIOS executados pela ativação cortical de padrões de função armazenados em áreas medulares e encefálicas inferiores na MEDULA ESPINHAL, TRONCO CEREBRAL, GÂNGLIOS DA BASE

Leia mais

Diencéfalo. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br

Diencéfalo. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Diencéfalo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Sistema Nervoso Telencéfalo Diencéfalo Cérebro

Leia mais

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico Beneficência Portuguesa de São Paulo Serviços Médicos São Paulo Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico David Ferez david.ferez@uol.com.br Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL: NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais

Leia mais

Sistema Nervoso Aula I. Helena de A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia,, ICB, USP

Sistema Nervoso Aula I. Helena de A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia,, ICB, USP Sistema Nervoso Aula I Profa.. Dra. Cecília Helena de A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia,, ICB, USP Sistema Nervoso Conceito É o sistema que controla e coordena as funções de todos os sistemas

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

Considerações Anatomoclínicas - Neuroanatomia Aplicada -

Considerações Anatomoclínicas - Neuroanatomia Aplicada - FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Considerações Anatomoclínicas - Neuroanatomia Aplicada - Apresentações Discentes Prof. Gerardo Cristino www.gerardocristino.com.br

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA ANATOMOFISIOLOGIA 2008 2002/2003-2009 Prof. Prof. SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Receptores RECEPTORES E VIAS DA Vias SENSIBILIDADE da Sensibilidade Vias da Motricidade

Leia mais

Pós-Graduação a Distância

Pós-Graduação a Distância Pós-Graduação a Distância Mecanismos de controle motor Professora Ana Carolina Menegatti 1 SUMÁRIO Controle motor 3 PARTE I 3 1. Conceito de controle motor: 3 2. Fatores do individuo, tarefa e ambiente

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. Ao lançar

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso Curso: carolinanico@hotmail.com Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado X Função: Sistema Nervoso Coordenar e integrar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE ESTIMULAÇÃO SENSORIAL: BASE PARA A APRENDIZAGEM Por: Carine Bompet de Campos Orientadora Prof. Dr. Mary Sue Niterói 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / /

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / / Resumo de fisiologia Sistema Nervoso Nome: Curso: Data: / / 1 - Organização dos tecidos biológicos CÉLULA TECIDO ORGÃO SISTEMA - SER 2 - Estrutura Do Sistema Nervoso Características a. Apresenta-se com

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

As nossas sensações. Quem comanda as nossas sensações?

As nossas sensações. Quem comanda as nossas sensações? As nossas sensações Quem comanda as nossas sensações? No córtex cerebral, para além da área motora, existem outras áreas, onde as impressões recebidas pelos receptores sensoriais existentes nos órgãos

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Neuroanatomia 2004/2005 Medula Espinhal -Parte II- 6ª aula teórica Leccionada pelo Prof. Dr. Manuel Barbosa Relembrando alguns dos conceitos de que falamos

Leia mais

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI Codificação neural Natureza da Informação UFABC Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI 1 Princípios gerais do Sistema Nervoso Neurônio: unidade funcional do SNC Introdução

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

29/03/2012. Sistema Nervoso

29/03/2012. Sistema Nervoso Tema: Sistema Nervoso Marcos Vinícius 1)Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA E DO EXERCÍCIO FUNÇÕES BÁSICAS

O SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA E DO EXERCÍCIO FUNÇÕES BÁSICAS FISIOLOGIA HUMANA E DO EXERCÍCIO O SISTEMA NERVOSO Aspectos Anatômicos e Fisiológicos FUNÇÕES BÁSICAS Função Integradora => Coordenação das funções do vários órgãos ( Pressão arterial Filtração Renal e

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Aspectos Anatômicos e Fisiológicos

O SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Aspectos Anatômicos e Fisiológicos O SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Aspectos Anatômicos e Fisiológicos 1 FUNÇÕES BÁSICAS Função Integradora => Coordenação das funções do vários órgãos ( Pressão arterial Filtração Renal e Freq. Respirat.) Função

Leia mais

REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II 2 BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 Sistema Sensorial Estímulo receptores terminações nervosas /nervo cérebro 3 BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO

Leia mais

C E E S V O. Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim. Biologia Ensino Médio 3ª série

C E E S V O. Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim. Biologia Ensino Médio 3ª série C E E S V O Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim Biologia Ensino Médio 3ª série Principais assuntos abordados: Órgãos do sentido. Tecido epitelial. Tecido conjuntivo. Tecido conectivo. Tecido

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2014

SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO OBJETIVOS Conhecer a organização do Sistema Nervoso. Descrever a constituição do Tecido Nervoso. Denominar as partes do Sistema Nervoso Central (SNC) e do Sistema Nervoso

Leia mais

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS (Sherrington) CORTEX MOTOR Movimentos voluntários e ajustes antecipatórios NÚCLEOS DA BASE E CEREBELO Iniciação, modulação, coordenação, refinamento e aprendizado motor

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

Mapeamento do córtex motor

Mapeamento do córtex motor Motricidade Mapeamento do córtex motor 1. Principal região controladora para início dos movimentos voluntários: Área motora primária- Giro pré-central 2.Área somatossensorial primária (giro pós central)

Leia mais