ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA"

Transcrição

1 ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado, que se rege pelos presentes estatutos e, subsidiariamente, pela legislação aplicável. Artigo 2º Duração e sede A Fundação é instituída por tempo indeterminado e tem a sua sede no edifício do Laboratorio Chimico, Praça Marquês de Pombal, em Coimbra, podendo o Conselho de Administração, por simples deliberação, e sem que isso represente alteração destes estatutos, mudar a sede para outro local. Artigo 3º Fundadores 1. A Fundação é instituída pelas seguintes entidades: a) Universidade de Coimbra; b) Município de Coimbra através da respectiva Câmara Municipal; 2. São ainda considerados fundadores todas as pessoas colectivas, públicas ou privadas, que venham a aderir à Fundação, em conformidade com os presentes estatutos. Artigo 4º Fim 1. A Fundação tem por fim a administração e exploração do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, como pólo educativo e centro interdisciplinar de produção e divulgação científica e cultural, instalado no edifício do Laboratório Chimico e em parte do Colégio de Jesus, ao qual cabe a gestão integrada das colecções e peças de museologia científica pertencentes à Universidade de Coimbra; 1/11

2 2. Na prossecução do seu fim, a Fundação orientará a sua actividade pelo código de deontologia do ICOM (Conselho Internacional de Museus); 3. A Fundação pode praticar todos os actos necessários à realização dos seus fins e à gestão do seu património, adquirindo, onerando e alienando, por qualquer título, qualquer espécie de bens, nos termos previstos na lei e nos presentes estatutos. Artigo 5.º Actividades Para a realização do seu fim, compete, designadamente, à Fundação: a) Zelar pela conservação, preservação e enriquecimento das colecções; b) Promover a cultura científica através da interpretação das colecções para conhecimento, fruição inspiradora e apreciação do público; c) Constituir um recurso educativo, com actividades pedagógicas para o público, envolvendo a comunidade científica; d) Tornar as colecções acessíveis ao público, através da sua exposição permanente ou temporária; e) Garantir a acessibilidade do acervo museológico à comunidade científica, proporcionando-lhe adequadas condições de investigação; f) Programar actividades de divulgação científica, como seminários, debates e conferências; g) Desenvolver a produção e comercialização de edições, publicações, suportes multimédia, reproduções de peças e outros elementos que contribuam para promover a cultura científica; h) Desenvolver actividades educativas, científicas e culturais de interesse para o grande público, de modo a contribuir para a dinamização urbana, económica e social da Alta de Coimbra, da cidade e da região. Artigo 6.º Dotações 1. A Universidade de Coimbra concede à Fundação o direito de uso por trinta anos do seu espólio de museologia científica, designadamente das colecções que actualmente compõem os seus núcleos museológicos, e dos edifícios e instalações ocupados pelo Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, operada a transferência em curso, do património do Estado para o da Universidade; 2/11

3 2. A dotação inicial do Município de Coimbra é de ,87 (um milhão cento e noventa e um mil quatrocentos e oitenta e sete euros e oitenta e sete cêntimos), a realizar integralmente no acto de instituição da Fundação; 3. A partir de 2012, o Município de Coimbra concederá à Fundação uma contribuição anual de ,00 (duzentos e cinquenta mil euros), nesse ano, sendo este valor actualizável nos anos seguintes de acordo com a taxa de inflação, na condição de os Ministérios da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior participarem no esforço de manutenção da Fundação; 4. As dotações dos fundadores referidos no n.º 2 do artigo 3.º serão constituídas por uma prestação mínima de cinquenta mil euros, a realizar integralmente no acto de adesão ou em cinco parcelas anuais e iguais, sendo estes valores, para o ano 2013 e seguintes, actualizáveis de acordo com a taxa de inflação acumulada desde 2012; 5. Sempre que o conselho de administração o admita, as dotações referidas no número anterior podem ser substituídas, total ou parcialmente, por peças ou colecções de relevante interesse museológico. Artigo 7.º Colaboração de entidades públicas e privadas Com vista à realização do seu fim, a Fundação poderá celebrar protocolos de colaboração com outras entidades públicas e privadas, nomeadamente com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior com vista à utilização do acervo do Museu Nacional da Ciência e da Técnica Doutor Mário Silva. CAPÍTULO II Regime Patrimonial Constituem património da Fundação: a) As dotações dos fundadores; Artigo 8º Património b) Os rendimentos de quaisquer bens ou direitos de que seja ou venha a ser titular; c) O valor dos subsídios que, a qualquer título, lhe sejam atribuídos pelo Estado ou por qualquer outro ente público; d) As receitas provenientes da venda de bilhetes de ingresso nos museus; e) O produto da venda de bens ou da prestação de serviços realizadas no âmbito da sua actividade; f) As contrapartidas auferidas por força de contratos ou protocolos celebrados; 3/11

4 g) O valor das contribuições e dos patrocínios concedidos a qualquer título à Fundação e por esta aceites; h) Todos os bens por ela adquiridos, a título oneroso ou gratuito. Artigo 9º Propriedade dos espaços e das colecções 1. A Universidade de Coimbra conservará o direito de propriedade das colecções provenientes dos seus núcleos museológicos, bem como dos edifícios onde o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra ficará instalado, sem prejuízo do disposto no nº. 1 do artigo 6º. 2. A transferência dos poderes de gestão das colecções referidas nos números anteriores deve ser acompanhada do inventário de todo o espólio, com indicação da respectiva origem. 3. As colecções devem ser exibidas com indicação do seu titular, só podendo ser sujeitas a reformulações por decisão do conselho de administração, ouvido o conselho científico e cultural. 4. As peças ou colecções adquiridas, a qualquer título, pela Fundação, passarão a constituir propriedade desta. CAPÍTULO III Organização e funcionamento 1. São órgãos da Fundação: a) O conselho de administração; b) A direcção; c) O conselho científico e cultural; d) O conselho fiscal. Artigo 10º Órgãos 2. O presidente do Conselho de Administração é, simultaneamente, Presidente da Fundação. 4/11

5 Secção I Conselho de Administração Artigo 11º Constituição, designação e mandato 1. O conselho de administração é composto por três membros, sendo um presidente, um vice-presidente e um vogal. a) O presidente será, por inerência, o Reitor da Universidade de Coimbra, que poderá delegar o exercício dessa função num dos Vice-Reitores; b) O vice-presidente será designado pelo Presidente da Câmara Municipal de Coimbra; c) O vogal será, por inerência, o presidente do conselho directivo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, que poderá delegar num professor da referida Faculdade. 2. Por decisão do Conselho de Administração, este órgão poderá ser alargado para cinco membros, agregando dois novos vogais, um designado pelo Presidente da Fundação, ouvido o Presidente do Conselho Directivo da Faculdade de Ciências e Tecnologia, e o outro indicado pelo conjunto de fundadores referidos no número 2 do artigo 3º. 3. O exercício das funções de membro do conselho de administração da Fundação não é remunerado. Artigo 12º Competência Ao conselho de administração compete assegurar a realização dos fins da Fundação e, em especial: a) Definir as linhas gerais de funcionamento da Fundação; b) Discutir e aprovar o orçamento e o plano anual de actividades da Fundação; c) Discutir e aprovar o balanço anual, o relatório e as contas de cada exercício, obtido o parecer do conselho fiscal; d) Nomear e destituir o presidente da direcção, sob proposta do presidente da Fundação; e) Nomear os vogais da direcção, sob proposta das entidades referidas no n.º 2 do artigo 15º, e destituí-los, sob proposta das mesmas entidades; f) Nomear os membros do conselho científico e cultural referidos na alínea f) do n.º 1 do artigo 20º; 5/11

6 g) Nomear os membros do conselho fiscal; h) Estabelecer protocolos com as Faculdades interessadas, com vista a assegurar a utilização, para fins pedagógicos e científicos, das instalações e colecções; i) Aprovar o regulamento de funcionamento do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra; j) Fixar a remuneração dos membros da direcção e do presidente do conselho fiscal; k) Ratificar a adesão de novos fundadores; l) Aprovar propostas para aquisição de novas peças; m) Apreciar e propor à entidade competente alterações estatutárias por maioria qualificada de 2/3, com voto favorável obrigatório dos representantes das entidades instituidoras. Compete ao presidente: Artigo 13º Competência do presidente a) Representar a Fundação, com ressalva do disposto na alínea g) do n.º 2 do artigo 16º; b) Convocar e presidir ao conselho de administração; c) Convocar e presidir ao conselho científico e cultural, por iniciativa própria ou a solicitação de dois membros do conselho de administração. Artigo 14º Funcionamento 1. O conselho de administração reúne-se ordinariamente duas vezes por ano, sendo uma para discutir e aprovar o orçamento e o plano anual de actividades e a outra para discutir e aprovar o balanço anual, as contas de exercício e o relatório; 2. O conselho de administração reúne-se, extraordinariamente quando convocado pelo Presidente, por sua iniciativa ou a pedido de dois dos seus membros; 3. O quorum do conselho de administração corresponde à maioria dos seus membros, sendo as suas deliberações tomadas por maioria absoluta dos votos expressos, excepto quanto ao disposto na alínea m) do artigo 12º; 4. O presidente terá voto de qualidade; 5. De todas as reuniões será lavrada acta em livro próprio, assinada pelos membros presentes. 6/11

7 Secção II Direcção Artigo 15º Composição, mandato e retribuição 1. A direcção é constituída por três membros, sendo um presidente e dois vogais; 2. Um dos vogais é proposto pelo presidente da direcção e o outro, que desempenha as funções de vice-presidente, é proposto pelo presidente do conselho directivo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; 3. O mandato dos membros da direcção tem a duração de quatro anos, podendo ser renovado; 4. O exercício das funções de membro da direcção é remunerado, não podendo a despesa envolvida representar anualmente, no seu conjunto, mais do que 10% do orçamento de despesa da Fundação. Artigo 16º Competência 1. A direcção da Fundação é, simultaneamente, a direcção do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra; 2. Compete à direcção praticar todos os actos necessários à prossecução dos fins da Fundação e do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, nomeadamente: a) Programar a actividade da Fundação e do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra; b) Organizar e dirigir os serviços e actividades da Fundação; c) Instituir e manter sistemas de administração de qualidade certificada; d) Preparar e submeter à aprovação do conselho de administração o orçamento e o plano anual de actividades da Fundação, este último acompanhado do parecer do conselho científico e cultural; e) Preparar e submeter à aprovação do conselho de administração o relatório anual, o balanço e as contas de cada exercício, acompanhados do parecer do conselho fiscal; f) Dirigir o pessoal da Fundação e do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, bem como o pessoal que lhe esteja afecto; g) Representar a Fundação em juízo; h) Elaborar e submeter à aprovação do conselho de administração o regulamento de funcionamento do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra; i) Avaliar e aprovar propostas de iniciativas conjuntas com outras entidades e conceder apoios ou subsídios de investigação a projectos relacionados com o 7/11

8 espólio museológico, obtido o competente parecer do conselho científico e cultural; j) Propor ao conselho de administração, depois de obtido o parecer favorável do conselho científico e cultural, a aquisição de novas peças; k) Constituir mandatários. 3. O presidente da direcção exerce, por inerência, as funções de director do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra. Artigo 17º Delegação de competências Os poderes para a prática dos actos referidos nas alíneas b), c), f), g), e k) do artigo anterior poderão ser delegados no presidente da direcção. Artigo 18º Funcionamento 1. A direcção reúne-se quando convocada pelo seu presidente, por sua iniciativa ou a solicitação de dois dos seus membros; 2. A direcção pode deliberar com a presença de dois membros, sendo um deles o presidente; 3. Aplica-se à direcção o disposto nos n.ºs 4 e 5 do artigo14º. A Fundação vincula-se: Artigo 19º Vinculação a) Pela assinatura de dois membros da direcção; b) Pela assinatura de um membro da direcção no exercício de poderes que nele tenham sido delegados por deliberação da direcção; c) Pela assinatura de um mandatário com poderes específicos para tal. 8/11

9 Secção IlI Conselho Científico e Cultural Artigo 20º Composição, designação e mandato 1. O conselho científico e cultural é constituído pelas seguintes personalidades: a) Um representante de cada um dos fundadores; b) Um representante do Ministério de tutela das Universidades; c) Um representante do Ministério de tutela da cultura; d) Os presidentes dos conselhos científicos das Faculdades de Letras, de Ciências e Tecnologia, de Medicina e de Farmácia e os presidentes dos conselhos directivos destas duas últimas, os quais se poderão fazer representar por um professor das respectivas Faculdades; e) Representantes dos Departamentos detentores de colecções; f) Um mínimo de sete individualidades de reconhecida competência nos campos cultural, científico e social; g) O director do Museu. 2. O mandato dos membros referidos na alínea f) do número anterior é de quatro anos, podendo ser renovado; 3. O conselho elege, de entre os seus membros, o presidente, o vice-presidente e o secretário, cujo mandato é de quatro anos; 4. Com fundamento na prática de actos dolosos ou em falta grave que acarrete prejuízo para o bom nome e para os fins da Fundação, os conselheiros podem ser exonerados do cargo por deliberação do respectivo órgão, tomada em escrutínio secreto por maioria dos membros presentes; 5. O exercício das funções de membro do conselho científico e cultural da Fundação não é remunerado. Artigo 21º Competência Ao conselho científico e cultural compete pronunciar-se sobre a política cultural e científica da Fundação, designadamente: a) Dar parecer sobre a política de conservação e alargamento das colecções; b) Dar parecer sobre a política cultural da actividade expositiva e de divulgação; c) Dar parecer sobre eventuais acções de investigação ou de apoio à investigação, designadamente nos domínios da conservação e restauro, museologia e história da 9/11

10 ciência e da técnica; d) Dar parecer, até 15 de Dezembro de cada ano, sobre o plano de actividades da Fundação para o ano seguinte, o qual lhe deverá ser apresentado pela direcção até 15 de Novembro; e) Dar parecer sobre qualquer matéria de interesse para a Fundação, que lhe seja presente pela direcção ou pelo conselho de administração; f) Propor a realização de actividades e a aquisição de novas peças. Artigo 22º Funcionamento 1. O conselho científico e cultural reúne-se ordinariamente duas vezes por ano e extraordinariamente por convocação do presidente da Fundação, nos termos da alínea c) do artigo 12.º, ou sempre que o seu presidente o convocar, por iniciativa própria ou a solicitação de cinco dos seus membros ou do presidente da direcção; 2. O quorum do conselho cientifico e cultural é formado pela maioria dos seus membros em efectividade de funções; 3. Aplica-se ao conselho científico e cultural o disposto nos n. os 4 e 5 do artigo 14º. Secção IV Conselho fiscal Artigo 23º Composição, mandato e retribuição 1. O conselho fiscal é composto por um presidente e dois vogais, todos designados pelo conselho de administração, sendo o presidente, obrigatoriamente, um revisor oficial de contas. 2. O mandato dos membros do conselho fiscal é de quatro anos. 3. O exercício das funções de vogal do conselho fiscal não é remunerado. 10/11

11 1. Compete ao conselho fiscal: Artigo 24º Competência a) Verificar a regularidade dos livros e registos contabilísticos, bem como dos documentos que lhes servem de suporte; b) Verificar, sempre que o julgue conveniente e pela forma que repute adequada, a existência dos bens ou valores pertencentes à Fundação; c) Elaborar um relatório anual sobre a sua acção de fiscalização e emitir parecer sobre as contas anuais apresentadas pela direcção; 2. Os membros do conselho fiscal devem proceder, conjunta ou separadamente e em qualquer época do ano, aos actos de inspecção e verificação que tiverem por convenientes para o cabal exercício das suas funções. CAPÍTULO IV Prestação de contas Artigo 25º Contas da Fundação As contas anuais da Fundação e o parecer sobre elas emitido pelo conselho fiscal serão publicados, até 31 de Maio do ano seguinte àquele a que se reportarem, num jornal diário da cidade de Coimbra e num dos jornais nacionais de maior circulação. CAPÍTULO V Extinção da Fundação Artigo 26º Destino dos bens 1. Em caso de extinção, as colecções de propriedade da Universidade de Coimbra e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior serão entregues, no prazo de três meses, a estas Entidades. 2. Os bens da Fundação reverterão para a Universidade de Coimbra. 11/11

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DA CIÊNCIA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DA CIÊNCIA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DA CIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º)

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) ESTATUTOS (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) Artigo 1.º A Fundação D. Anna de Sommer Champalimaud e Dr. Carlos Montez Champalimaud (Fundação), criada por António de Sommer Champalimaud

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CUPERTINO DE MIRANDA [aprovados por Despacho do Ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares de 27/10/2015]

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CUPERTINO DE MIRANDA [aprovados por Despacho do Ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares de 27/10/2015] ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CUPERTINO DE MIRANDA [aprovados por Despacho do Ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares de 27/10/2015] ESTATUTOS CAPÍTULO I ARTº 1.º - A Fundação Cupertino de Miranda

Leia mais

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor.

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor. ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1.º Sob a designação de "Associação de Desenvolvimento das Encostas da Fonte Santa" é constituída uma Associação para o desenvolvimento local e regional, por tempo indeterminado.

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS. ARTIGO 2º A sua acção exerce-se em todo o país, mas predominantemente na cidade de Lisboa, por tempo indeterminado.

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS. ARTIGO 2º A sua acção exerce-se em todo o país, mas predominantemente na cidade de Lisboa, por tempo indeterminado. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS ARTIGO 1º A Fundação Maria Ulrich foi instituída por Maria Mayer Ulrich com o objectivo de desenvolver acções no âmbito da formação, da educação e cultura numa perspectiva

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

INSTITUTO PEDRO PIRES DE LIDERANÇA (IPP) CAPÍTULO I NATUREZA E FINS. ARTIGO 1º Denominação e qualificação

INSTITUTO PEDRO PIRES DE LIDERANÇA (IPP) CAPÍTULO I NATUREZA E FINS. ARTIGO 1º Denominação e qualificação INSTITUTO PEDRO PIRES DE LIDERANÇA (IPP) CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Denominação e qualificação 1. O INSTITUTO PEDRO PIRES PARA LIDERANÇA, designada simplesmente por INSTITUTO PEDRO PIRES ou abreviadamente

Leia mais

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS (De acordo com as alterações aprovadas pela Assembleia Geral nas reuniões de 13 de março de 2007, de 12 de agosto de 2008, de 14 de

Leia mais

Estatutos do CEAA homologados em

Estatutos do CEAA homologados em CENTRO DE ESTUDOS ARNALDO ARAÚJO ESTATUTOS I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Denominação, natureza e duração 1. O Centro de Estudos denomina-se Centro de Estudos Arnaldo Araújo, de seguida designado por CEAA

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I. REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE Capítulo I Dos sócios Art.º 1º - São direitos dos sócios: a) Participar nas Assembleias

Leia mais

REGULAMENTO DA FACULDADE DE ECONOMIA

REGULAMENTO DA FACULDADE DE ECONOMIA REGULAMENTO DA FACULDADE DE ECONOMIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS Artigo 1 Âmbito Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 14 dos Estatutos

Leia mais

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJETO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO (Denominação e Qualificação) A FUNDAÇÃO ALENTEJO adiante designada apenas por Fundação, é uma Fundação

Leia mais

FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS. Artigo 1.º (Natureza e origem)

FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS. Artigo 1.º (Natureza e origem) FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS Capítulo I DA FEDERAÇÃO Artigo 1.º (Natureza e origem) 1. A FPDA - Federação Portuguesa de Autismo, adiante designada por Federação, é uma instituição particular

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA.

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. Sociedade aberta Sede: Lugar da Vista Alegre, 3830-292 Ílhavo Matriculada na C.R.C. de Ílhavo - NIPC: 500.978.654 Capital social: 92.507.861,92 Euros -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO PORTALEGRE FEVEREIRO 2010 ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º (Disposições

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE 1. É constituído o Clube de Campo da Aroeira, que se rege pelas disposições

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1.º (Natureza, Sede e Duração)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1.º (Natureza, Sede e Duração) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º (Natureza, Sede e Duração) 1. A Associação Nacional de Municípios Portugueses, entidade de Direito Privado,

Leia mais

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS - Associação Univer(s)cidade, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma pessoa

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

1. ÓRGÃOS DE GOVERNO CENTRAL

1. ÓRGÃOS DE GOVERNO CENTRAL ÓRGÃOS DE GOVERNO E GESTÃO Proposta para discussão 1. ÓRGÃOS DE GOVERNO CENTRAL Em conformidade com o artigo 77.º do RJIES, o governo da Universidade do Porto é exercido pelos seguintes órgãos: a) Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Capítulo I. Da Natureza e dos Fins Artigo 1º 1 - O Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e de Infrações Conexas

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e de Infrações Conexas Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e de Infrações Conexas INDICE Indice... 2 1. Introdução... 3 2. Missão, visão, valores, objetivos... 4 3. Estrutura Orgânica e atribuições dos Órgãos Sociais... 5

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Versão aprovada em Conselho de Direcção de 9 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Data 05/07/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015

Leia mais

Documento complementar elaborado nos termos do número dois do. artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte

Documento complementar elaborado nos termos do número dois do. artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte Documento complementar elaborado nos termos do número dois do artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte integrante da escritura lavrada em vinte e três de Julho de dois mil e dez.

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS O presente Regulamento desta Associação destina-se a complementar os Estatutos, definindo e concretizando alguns preceitos ali contidos e outros não

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

ESTATUTOS DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto social

ESTATUTOS DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto social Texto actualizado dos Estatutos da sociedade anónima PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (S.G.P.S.) S.A., elaborado nos termos do disposto no artigo 59, n. 2, do Código do Registo Comercial, em virtude

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I - Disposições gerais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO I - Disposições gerais Cláusula 1.ª Denominação, natureza, âmbito, fim e atribuições 1. A ASSOCIAÇÃO PÓLO DE COMPETITIVIDADE DA MODA, que em terminologia anglo-saxónica usará PORTUGAL FASHION

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA I NATUREZA, OBJECTO, SEDE, DURAÇÃO E PATRIMÓNIO Artigo Primeiro É instituída uma fundação denominada Fundação Cidade de Lisboa (adiante designada abreviadamente Fundação),

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM- A Associação adopta a designação

Leia mais

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação A Associação denominar-se-á A.F.P.L.P., Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa, adiante

Leia mais

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA DO ICOM Capítulo I Da origem e dos fins da Comissão Nacional Artigo 1º A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (International Council of Museums), adiante designada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos REGULAMENTO Artigo 1.º (Âmbito e natureza) 1. O Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) é uma Unidade de Investigação e Desenvolvimento da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_ REG.03_13.07.011 INTRODUÇÃO O Estatuto da Escola Superior de Enfermagem S. Francisco das Misericórdias, determina que cada órgão aprova o respectivo regulamento interno. Como este, tem por base as competências

Leia mais

FPB - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BONSAI

FPB - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BONSAI FPB - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BONSAI ESTATUTOS Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º (Denominação e Sede) 1. A FPB - Federação Portuguesa de Bonsai, adiante designada por FPB, é uma pessoa colectiva sem

Leia mais

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇAO JÚLIO RESENDE

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇAO JÚLIO RESENDE LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE Rua Pintor Júlio Resende, 105 4420-534 Valbom Gondomar NIPC 503 357 685 Tel. 224 649 061/ 2 Fax 224 630 325 E-mail: info@lugardodesenho.org LUGAR DO DESENHO FUNDAÇAO

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO GALP ENERGIA

ESTATUTOS FUNDAÇÃO GALP ENERGIA ESTATUTOS FUNDAÇÃO GALP ENERGIA Estatutos Capítulo Primeiro Disposições Gerais Artigo Primeiro Natureza A Fundação Galp Energia, adiante designada por Fundação, é uma instituição de direito privado, sem

Leia mais

ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS

ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA, GENÉTICA E MEDICINA LABORATORIAL ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA E MEDICINA LABORATORIAL Capítulo I Denominação, natureza,

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Escola de Engenharia REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 (Definição) O Departamento de Engenharia Mecânica, a seguir designado por

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MILLENNIUM BCP

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MILLENNIUM BCP ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MILLENNIUM BCP Fundação Millennium bcp ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MILLENNIUM BCP CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Designação e natureza jurídica A Fundação Millennium bcp, adiante

Leia mais

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS Regulamento Os Estatutos da Escola Superior de Artes Decorativas (ESAD) da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR. Estatutos da Fundação do Carnaval de Ovar

CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR. Estatutos da Fundação do Carnaval de Ovar CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR Estatutos da Fundação do Carnaval de Ovar A alteração dos mencionados estatutos foi aprovada pela Assembleia Municipal em reunião realizada em 13 de Janeiro de 2006, sob proposta

Leia mais

A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima e a firma AMBISIDER RECUPERAÇÕES

A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima e a firma AMBISIDER RECUPERAÇÕES Denominação CAPÍTULO 1 DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO (actualização dos estatutos deliberação da assembleia geral de 13/11/2007) Dois. Actividades de tratamento, valorização e comercialização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição Regimento do Grupo de Recrutamento 530 Secretariado Capítulo I Composição/eleição do Delegado Artº 1º Definição O Grupo de Recrutamento 530 é uma estrutura pertencente ao Departamento Curricular de Ciências

Leia mais

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Artigo 1º (Da Constituição) 1. O Conselho Técnico-Científico é composto por 16 membros, para além do Director.

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO WWb Foundation

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO WWb Foundation ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO WWb Foundation Capítulo I Denominação, natureza, nacionalidade, duração e sede da Instituição Artigo 1º Denominação A Fundação adota a denominação de WWb Foundation. Artigo 2º Natureza

Leia mais

Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria

Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria Tendo presente a deliberação nº 34/06 do Conselho de Administração deste Hospital, referente à nomeação dos membros da comissão

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

Município de Torres Novas

Município de Torres Novas Município de Torres Novas Divisão de Bibliotecas e Museus MVSEV MVNICIPAL CARLOS REIS Regulamento Interno DENOMINAÇÃO Artigo 1º Por deliberação da Câmara Municipal de Torres Novas, de 20 de Abril de 1933,

Leia mais

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos.

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ESTATUTOS SPPB CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ARTIGO PRIMEIRO Denominação SOCIEDADE PORTUGUESA DE PSICOTERAPIAS BREVES, adiante designada por Sociedade, associação sem fins

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS ESTATUTOS DO INSTITUTO DE LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS ÍNDICE Preâmbulo 3 TÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS 4 Artigo 1º Natureza 4 Artigo 2º Missão e objectivos 4 Artigo 3º Avaliação 5 TÍTULO II GOVERNAÇÃO 5 Secção

Leia mais

Artigo 1º. Forma e denominação

Artigo 1º. Forma e denominação Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de - Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo ADRAL, S.A.. Artigo 2º Sede 1. A sede social é em Évora,

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS P C A N D PP AA RR AA LL I SS I AA CC EE RR EE BB RR AA L AA SS SS OO CC I AA ÇÇ ÃÃ OO NN AA CC I OO N AA LL DD EE DD EE SS PP OO RR TT OO ESTATUTOS Coimbra, Dezembro 2000 1 PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO

Leia mais

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SCVZ ESTATUTOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Criação 1.É criada Sociedade Caboverdiana de Zoologia, abreviadamente designada SCVZ. 2.A duração da sociedade

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE CAPITULO I - PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º (CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO, DESIGNAÇÃO, NATUREZA E SEDE) 1- É constituída uma Associação sem fins lucrativos, por tempo indeterminado,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I Designação, Fins, Sede e Duração Artigo 1.º Com a designação de "Amigos do Museu Nacional do Azulejo" é constituída uma associação

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais