Proveitos operacionais M. Custos operacionais M. Resultados operacionais 564 k

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proveitos operacionais 15.373 M. Custos operacionais 14.809 M. Resultados operacionais 564 k"

Transcrição

1

2 Assunto ÍNDICE Página RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO... 5 CONTAS CONSOLIDADAS Demonstrações Financeiras Consolidadas Notas explicativas às demonstrações financeiras consolidadas CONTAS INDIVIDUAIS Demonstrações Financeiras Individuais Anexo às demonstrações financeiras individuais /86

3 1º Semestre de 2015 PRINCIPAIS Indicadores CONSOLIDADOS Proveitos operacionais M Custos operacionais M 3/86 Resultados operacionais 564 k EBITDA 970 k RAI 184 k

4 4/86 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

5 COMPTA Equipamentos e Serviços de Informática, S.A. e associadas Informação financeira sobre o primeiro semestre de 2015 e sua comparação com a do período homólogo de 2014 RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO Atividade reportada ao período de 1 de janeiro a 30 de junho de 2015 (Considerações sobre contas não auditadas) 1. O Grupo e a atividade no primeiro semestre de A economia portuguesa voltou a crescer 1,5% 1 no segundo trimestre deste ano, valor igual ao registado no trimestre imediatamente anterior. Este desempenho supera o registado pela Zona Euro, o qual, nos mesmos períodos registou taxas de crescimento de 1,2% 1 e 1,0% 1, respetivamente. Embora as notícias sejam positivas o contexto macroeconómico mantem-se volátil. Em termos exógenos a situação na zona euro, em especial na Grécia, continua a pressionar a economia portuguesa. Já endogenamente e embora a procura interna tenha acelerado, as empresas mantém uma postura conservadora em termos de investimento, prevalecendo ainda a necessidade de redução do grau de endividamento do setor privado bem como de consolidação orçamental nas contas públicas. Desta forma predominam ainda alguns riscos e incertezas para a economia, decorrentes quer da conjuntura internacional quer de fatores internos. Foi neste clima que se desenrolou a parte mais significativa da atividade do Grupo neste primeiro semestre. Passamos, de seguida, com um pouco mais de detalhe, a descrever como se caracterizou esta atividade e os resultados alcançados. 5/86 Alguns indicadores económicos e financeiros O Grupo registou no primeiro trimestre de 2015 um Volume de Negócios 2 de 7,3 milhões de euros, o que representou um decréscimo de quase meio milhão de euros em relação ao alcançado no período homólogo de No segundo trimestre inverteu-se esta tendência, atingindo os 7,4 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 1,3 milhões de euros relativamente ao valor registado em igual período do ano anterior. No conjunto, em termos semestrais, portanto, a evolução foi bastante positiva, atingindo-se os 14,8 milhões de euros, isto é, exibindo um crescimento na ordem dos 800 mil euros, ou seja, +5,7%. Esta evolução deve-se, exclusivamente, a um crescimento muito positivo na vertente da prestação de serviços, ligeiramente superior a um milhão de euros. A venda de mercadoria, por seu turno, contraiu-se apenas cerca de 281 mil euros. O quadro ao lado resume a informação económica consolidada, acabada de descrever, para os dois períodos semestrais em comparação. Contas consolidadas (em k ) 1º Semestre V.A. % Vendas de mercadorias (281) -4,4% Prestações de serviços ,4% Outros proveitos operacionais (261) -31,9% Volume de negócio ,7% D 1 Fontes: INE e Eurostat 2 Vendas de mercadorias + prestações de serviços

6 6/86 O gráfico abaixo realça a evolução das componentes dos proveitos operacionais ao longo dos primeiros semestres dos últimos quatro exercícios, evidenciando-se o crescimento patenteado pelo Volume de Negócios (VN) do Grupo. 13,0 Evolução de proveitos operacionais e volume de negócios consolidados nos primeiros semestres (M ) 6,5 14,3 7,2 7,6 Observa-se uma evolução sempre positiva do Volume de Negócios, inicialmente sustentado pelas duas principais componentes dos proveitos operacionais e nos três últimos períodos apoiada exclusivamente pelo crescimento das prestações de serviços. Constata-se que, tradicionalmente, o volume de atividade se tem mostrado superior nos segundos semestres face ao dos primeiros seis meses de cada um dos correspondentes exercícios. Mantendo-se essa tradição as expetativas do grupo para o corrente exercício parecem poder encarar-se com algum otimismo, embora moderado, dado o contexto macroeconómico volátil já acima referido. 6,3 7,0 6,4 0,2 0,1 14,8 Na rubrica Outros Proveitos Operacionais, integrante do Volume de Negócios, assinala-se o contributo do valor dos trabalhos para o próprio Grupo, de que se destacam os que a seguir se enumeram, sem prejuízo de melhor descrição dos mesmos contida nos anexos à contas. Phoenix - A Phoenix é a framework criada pela unidade de Desenvolvimento da empresa com o objetivo de suportar todos os desenvolvimentos de produtos próprios do Grupo Compta. É um acelerador de produtização de aplicações, contribuindo para a simplificação no desenvolvimento de produtos. É composta por um conjunto de bibliotecas, funções e métodos que simplificam, facilitam e mantêm o código limpo, organizado e reutilizável, dando estabilidade, fiabilidade e uniformização ao software e produtos desenvolvidos. Mobilidade/apps (cidadania digital, smart cities, internet das coisas) - Área de oferta inovadora destinada a diversos segmentos verticais considerados de elevado potencial. Da oferta de produtos já lançados, destaca-se o SouCidadão, canal digital de proximidade entre o cidadão e o poder local. Adicionalmente, desenvolveram-se tecnologias avançadas de reconhecimento automático de voz e aplicações para as principais lojas mundiais de aplicações (Apple, Google e Microsoft). Lusideias - (www.lusideias.pt), é uma plataforma nacional de inovação que tem como objetivo receber ideias de todos os Portugueses, transformá-las em negócios, e levá-las ao mundo. Trata-se de uma plataforma de gestão da inovação, já materializada e de acesso e compreensão fáceis, permitindo reunir ideias e captar talentos, mas também disponibilizar um conjunto integrado de condições e funcionalidades que visam fomentar parcerias e apoios. A plataforma tem como fim último a comercialização das melhores propostas submetidas, em consórcio com os autores da ideia. No que respeita à Margem Bruta das Vendas Consolidadas de Mercadorias o quadro seguinte explicita o seu comportamento e a respetiva evolução entre os 1º Semestre dois primeiros semestres em apreço. Contas consolidadas (em k ) D Não obstante o decréscimo registado no volume de vendas de mercadorias, pode notarse Vendas de mercadorias Custos das mercadorias vendidas um assinalável crescimento na Margem Bruta Consolidada das Mercadorias Vendidas, + 2p.p., mas, também, a melhoria em Margens brutas 14,3% 12,4% termos absolutos, o que é significativo dado a sua contribuição positiva para a formação do resultado do exercício. 15,4 8,7 6,1 0,8 0,6 1ºS/12 1ºS/13 1ºS/14 1ºS/15 Vendas P.serv. Outros p.o. VN 1ºS/14 1ºS/15

7 No que concerne à atividade consolidada, na vertente Prestação de Serviços, o quadro seguinte procura mostrar a evolução nos primeiros semestres, de 2015 e do ano anterior, quer das prestações de serviços quer das componentes dos custos que mais contribuem para a consecução daquelas. A comparação estabelecida entre os proveitos respeitantes à Prestação de Serviços e os custos consideradas no quadro, permite avaliar aproximadamente a cobertura daqueles proveitos para com os custos que lhe estão afetos. Contas consolidadas (em k ) 1º Semestre de D 1. Prestações de serviços Custos - componentes mais significativas 2.1. F.S.E Gastos com pessoal Somas = (1.-2.) (366) (552) 186 As rubricas de gastos estão influenciadas pelos custos suportados com os trabalhos para o próprio Grupo, cuja contrapartida se encontra em Outros Proveitos Operacionais, como acima se referiu, o que destorce a análise evolutiva do indicador constante da linha 3. Retirado o efeito dessa componente ter-se-á libertado um excedente de cerca de 190 mil euros, a significar um contributo positivo para o resultado consolidado e uma evolução positiva relativamente ao semestre em comparação. A evolução destes indicadores ao longo dos dois primeiros trimestres de cada um dos últimos dois últimos exercícios, bem como dos EBITDA 3 correspondentes está patente no quadro junto. Evolução trimestral de proveitos (PO) e custos operacionais (CO) e EBITDA consolidados (M ) Salienta-se a quebra do volume dos proveitos do primeiro para o segundo trimestre do ano de 2015 mas que, face à contração dos custos operacionais nos mesmos períodos, mesmo assim resultaram em evoluções muito positivas em termos de resultados, do primeiro trimestre para o seguinte desse mesmo ano e, consequentemente dos EBITDA. Nos primeiros trimestres do exercício anterior a evolução tinha sido oposta, isto é, crescimento dos proveitos mas contração dos EBITDA. 1T T14 Em termos semestrais os proveitos operacionais cresceram, do primeiro semestre de 2014 para o período homólogo do corrente ano, muito embora a evolução em idêntico sentido dos inerentes custos tenha anulado o efeito da evolução ascendente dos proveitos no EBITDA, que contraíram ligeiramente, ficando o mais recente cerca de 25 mil euros aquém daquele T15 PO CO EBITDA T Evolução trim 7/86 No primeiro semestre de 2014 foi concretizada a operação que ficou definida aquando da realização de uma Assembleia Geral de Acionistas, em junho 2013, cuja descrição já se fez no Relatório Único de Gestão, integrado no Relatório Anual de 2013, no seu Ponto 10. Factos Relevantes Ocorridos (página 18). Daí resultou a saída da DEZ Desenvolvimento Empresarial, S.A. do perímetro de consolidação bem como o reconhecimento do lucro retido dessa operação descontinuada. Os efeitos dessa operação, não recorrente, produzem-se no Resultado semestral consolidado, antes de impostos, desse período, e refletem-se, ainda, nos Lucros retidos do período que quase atingiu os dois milhões e meio de euros, valores estes que, pela razão apontada não recorrência da operação DEZ - são incomparáveis com os que se alcançaram no primeiro semestre do corrente exercício, o qual, no entanto, foi positivo e quase atingiu os 70 mil euros. 3 Resultado operacional líquido de Gastos de depreciação e de amortização

8 Sob o ponto de vista patrimonial as variações mais significativas entre os balanços em 31 de dezembro último e no termo deste primeiro semestre sintetizam-se no quadro que se segue, em que se individualizam as componentes com maior peso. 8/86 A redução muito significativa verificada no valor dos saldos sobre clientes é resultado não apenas duma maior eficiência operacional de cobranças por parte do Grupo mas, fundamentalmente, decorrente dum pico de faturação que ocorreu no final do ano de anterior e cuja respetiva cobrança veio a ocorrer só no decurso deste primeiro semestre do exercício corrente. COMPARAÇÃO DE BALANÇOS CONSOLIDADOS (M ) Ativo V.A. % Ativos intangíveis 3,4 3,4 0,0 1% Clientes 10,7 15,7-5,0-46% Outras 9,3 8,9 0,4 4% 23,4 27,9-4,5-19% Capital próprio 0,7 0,6 0,1 12% Os valores das restantes contas do Ativo (Ativos intangíveis e Outras), quer no ativo quer no passivo, patenteiam variações não muito significativas e que, portanto, não merecem referência específica. No que ao passivo diz respeito verificam-se variações favoráveis dos saldos de Financiamentos e de Fornecedores, variações essas fundamentadas na variação dos saldos sobre clientes, cuja explicação se prestou acima. As restantes rubricas incluídas nestes grupos de Outras (no ativo e no passivo) apresentam variações condizentes com as que se verificaram na própria atividade desenvolvida nos períodos subjacentes, inclusive as que refletem razões de natureza sazonal. Passivo 30/06/15 31/12/14 Financiamentos 7,1 8,4-1,3-19% Fornecedores 8,9 10,5-1,6-18% Outras 6,6 8,4-1,7-26% 22,7 27,3-4,6-20% 23,4 27,9-4,5-19% Out c/arec D A Casa-Mãe do Grupo a Compta, S.A. apresentou neste primeiro semestre indicadores que mostram estagnação da atividade face ao que registara no período homólogo do exercício anterior. A sua composição é que variou em sentido contrário ao que acontecera em períodos anteriores. Assim, assistiu-se a um decréscimo nas Vendas de mercadorias, decréscimo esse que foi, no entanto, compensado com idêntica amplitude na evolução positiva manifestada na vertente de Prestações de serviços. No quadro seguinte exibem-se as componentes do resultado, evidenciando aquelas que apresentam pesos mais significativos, quer nos proveitos quer nos custos. Em termos de reflexos na composição do resultado do período a referida contração nas Vendas de mercadorias veio COMPTA, S.A. - COMPARAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS (M ) a ser de certo modo compensada por uma melhoria nas 1º Semestre de D margens de comercialização V.A. % e, assim, este setor acabou Vendas 2,9 3,4-0,6-17% por contribuir com cerca de Prestações de serviços 5,0 4,5 0,5 12% 5,4 milhões de euros 7,9 7,9 0,0 0% enquanto no semestre Outros proveitos 0,5 0,8-0,3-43% homólogo imediatamente Total dos proveitos 8,4 8,8-0,4-4% anterior aportara apenas 4,8 Custo das mercadorias vendidas e consumidas 2,5 3,2-0,7-21% milhões de euros. Fornecimentos e serviços externos 3,9 3,8 0,1 2% Custos com pessoal 1,3 1,0 0,3 26% Outros custos 0,6 0,6 0,0 2% Total dos custos 8,3 8,6-0,3-3% Resultado líquido antes de impostos 0,1 0,2-0,1-53% As variações em Outros proveitos e em Custos com pes-

9 soal influenciaram negativamente a evolução do Resultado antes de preciações, gastos financeiros e impostos, que se contraiu cerca de 70 mil euros. Um incremento significativo na rubrica de Gastos/Reversões de depreciação e de amortização acabou por arrastar o resultado operacional (antes de gastos financeiros) para cerca de 56% do valor registado no primeiro semestre de Verificou-se, contudo, uma evolução favorável nos Juros e gastos similares suportados que, em certa medida, atenuou o efeito referido no parágrafo anterior. De todos este efeitos e, ainda do aumento do efeito do Imposto do período, o resultado líquido do período evoluiu negativamente, o qual dos 139 mil euros alcançados no 1º semestre de 2014 passou para, apenas, 27 mil euros no último semestre em análise. Em termos patrimoniais, a comparação entre os balanços do final do ano de 2014 e no termo do semestre em apreço, mostra a evolução e variações que se apresentam no quadro junto, onde se individualizaram as componentes com pesos mais significativos nos respetivos grupos. No ativo assinala-se o crescimento de intangíveis, consubstanciado no acréscimo de instrumentos de gestão e controlo bem como de novos produtos que o Grupo vem desenvolvendo, destinados a uso próprio e para comercialização. É notória, também, a diminuição dos créditos sobre Clientes, cuja explicação é idêntica à que acima se deu no âmbito da análise aos indicadores das contas consolidadas. COMPTA, S.A. - COMPARAÇÃO DE BALANÇOS (M ) 30/06/15 31/12/14 D V.A. % Ativo Ativos intangíveis 3,1 2,4 0,7 24% Participações financeiras 2,2 2,2 0,0-1% Clientes 4,8 6,3-1,4-30% Outros 7,2 7,2-0,1-1% 17,3 18,1-0,8-4% Capital próprio 1,2 1,2 0,0 1% Passivo Financiamentos 7,8 9,2-1,4-18% Fornecedores 5,4 4,8 0,6 12% Outras 2,9 2,9 0,0-1% 16,1 16,9-0,8-5% 17,3 18,1-0,8-4% 9/86 No passivo, sublinha-se o decréscimo na utilização de capitais remunerados, muito embora, em certa medida, compensada pelo acréscimo das dívidas a fornecedores. Em todas estas análises sobre a evolução da situação patrimonial há que ter presente que se trata de comparações de saldos registados em datas que medeiam entre si apenas seis meses. 2. Análise sectorial da atividade No primeiro semestre de 2015 o Grupo Compta aprofundou a estratégia que oportunamente delineara, reforçando a posição nas áreas de integração, valorizando a oferta com mais competências base nessas áreas (Infraestruturas e Segurança, Comunicações e Aplicações) onde registou um desempenho positivo durante o período em análise, com a concretização de diversos projetos de relevo. Acresce ainda a obtenção dum conjunto de certificações e especializações, quer originadas em parceiros estratégicos, atingindo níveis máximos de certificação tecnológicas, quer em termos institucionais, com mais duas certificações de relevo: ISO/IEC 27001: Sistema de Gestão da Segurança da Informação e NP 4457 ao SGIDI Sistema de Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Estas importantes certificações somam-se à NP EN ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade, NP EN ISO 14001:2004 Sistemas de Gestão Ambiental e ISO/IEC :2011 Information Technology Service Management, colocando o Grupo Compta num dos níveis mais elevados de certificações de empresas nacionais a operar no nosso mercado. A este esforço soma-se o investimento em Inovação, quer da oferta e processos internos, quer na procura de soluções inovadoras que possam ajudar o Grupo a consolidar a sua posição na área da mobilidade e aplicações móveis. É neste contexto, que o Grupo lançou, no período em análise, a Lusídeias (www.lusideias.pt), plataforma nacional de inovação, com o objetivo de receber ideias de todos os Portugueses, transformá-las em negócio, e leva-las ao mundo. Esta plataforma pretende assim colocar a tecnologia ao serviço da competitividade nacional, tirando proveito das mais-valias naturais do país: terra, sol e mar. Democrática e multifuncional, a plataforma materializa-se online e é de fácil acesso e compreensão, permitindo reunir ideias e captar talentos, mas também disponibilizar um

10 conjunto integrado de condições e funcionalidades que visam fomentar parcerias e apoios. Com uma equipa dedicada em permanência, a Lusídeias tem como fim último o apoio à materialização das melhores propostas submetidas, para além de envolver estímulos à cocriação de projetos e ao crowdsourcing. A Produtização é, neste contexto, também uma prioridade, sendo que o Grupo desenvolve já aí atividade considerável, em termos da oferta de produtos próprios, com uma especialização nas áreas do Ambiente, Energia, Logística, Agricultura e Mar. São setores chaves onde o Grupo espera obter crescimentos significativos, para além de conquistar outros graus de liberdade que lhe permitam endereçar o mercado diretamente, com tecnologia própria e mais adaptada à realidade destes setores. O Grupo, no período em análise, continuou a investir na Internacionalização da atividade. Para além do mercado angolano, onde se encontra já desde 2008, tem realizado diversas iniciativas de prospeção no mercado Colombiano com algumas propostas já apresentadas e em fase de avaliação. Paralelamente reforçou as suas operações no Brasil, muito concentradas em ofertas verticais específicas, onde o Grupo apresenta respostas baseadas principalmente na oferta de produtos próprios; durante o período concretizou diversos projetos, o que lhe permite encarar com um certo otimismo a sua presença no mercado brasileiro. Apresenta-se seguidamente em maior detalhe o resumo da sua atividade. Comunicações 10/86 Durante o primeiro semestre de 2015 continua-se a assistir a uma mudança do mercado de ICT, com os clientes procurando, através de novas soluções baseadas em tecnologia cloud, incrementar os seus benefícios operacionais e económicos. Este processo, acrescido dos efeitos decorrentes da incerteza e expectativa criada pelas alterações ocorridas em importante player no setor dos operadores de telecomunicações, levou a que durante o primeiro trimestre se constatasse uma diminuição na tomada de decisão em relação a novos projetos. No entanto este período foi muito interessante na identificação de oportunidades que se espera ver concretizadas durante o segundo semestre do corrente ano. Já na segunda parte do semestre se notou um crescimento da atividade, nomeadamente no mercado do setor público, ocorrendo o lançamento de vários concursos de media e grande dimensão, alguns entretanto já decididos e com um interessante impacto na atividade do Grupo neste setor. Com base nos sinais dados pelo mercado durante o primeiro semestre do corrente ano e com as valências específicas que o Grupo oferece ao mercado - vasta experiencia na integração de soluções com foco na solução de problemas dos clientes - admite-se que o segundo semestre se venha a revelar bastante positivo e desta forma contribuirá para um crescimento em encomendas e resultados líquidos relativamente aos alcançados no ano de É de realçar que neste momento e nesta área o Grupo esta envolvido com diversos operadores de telecomunicações no desenvolvimento de projetos de elevada dimensão e complexidade dando, desta forma, continuidade a uma estratégia de diversificação de go to market. É, também, de sublinhar que durante o primeiro trimestre do corrente ano se concluíram com sucesso vários projetos de elevada dimensão e complexidade e se prosseguiu no desenvolvimento de outros que tinham sido lançados ainda no ano transato. E de realçar que num deles o Grupo, em conjunto com o seu cliente e os seus parceiros também envolvidos no projeto, foi possível concluí-lo em metade do tempo previsto, o que representa uma redução o tempo de implementação de dois par um ano e, desta forma, permitirá ao cliente antecipar os ganhos previstos no seu planeamento. Outro aspeto que apraz realçar é o fato de se ter renovado a certificação Gold junto do parceiro de negócio Cisco Systems. Esta certificação significa e atesta que se dispõe de todas as competências técnicas e de gestão, as quais são garantes de excelência na implementação de soluções baseadas em tecnologia Cisco. Infraestruturas e Segurança Nesta área das Infraestruturas e da Segurança o Grupo desenvolveu no período em análise diversos projetos de vulto, nomeadamente Soluções de videoconferência, baseadas em tecnologia Polycom Plataformas de comunicações Centros de Dados de diversas dimensões, com recurso a tecnologias IBM e Rack Shelter Suporte de infraestruturas de IT

11 Fornecimentos de IE Intel apoiados em tecnologias Huawei Atualização de infraestruturas HP Suporte de infraestruturas de IT Plataformas de Content Delivery com recurso a tecnologia F5 Upgrade de plataformas de Card Management, com tecnologia IBM Aprofundando um pouco mais pode sublinhar-se, arrumando a atividade por áreas de competência, os aspetos mais significativos a seguir descritos. Infraestruturas de IT Concretizaram-se de diversos investimentos na área da consolidação e virtualização das infraestruturas, bem como a renovação de data centers com vista à redução do OPEX e à melhoria da sua eficiência. Segurança Não obstante as hesitações/postecipações que se vêm notando na concretização de investimentos na área da segurança, o Grupo logrou participar em diversos projetos na vertente de DdoS e Content Delivery; paralelamente acentuou-se a preocupação generalizada com a manutenção das plataformas de segurança nomeadamente na proteção dos seus conteúdos. Comunicações Registou-se forte evolução na procura por soluções de videoconferência e wi-fi mas, em sentido inverso, constatou-se um certo arrefecimento do interesse nos investimentos nas vertentes mais comuns, como sejam routing e switching. Como delineado pelo Grupo no planeamento estratégico de evolução nesta área, tem-se vindo a reforçar a capacidade consultiva e de desenho de soluções nas três áreas de competência, incrementando-se a capacidade disponível para endereçar projetos específicos e desenho de soluções end-to-end de tecnologias de informação. Estima-se um segundo semestre em linha com o que aconteceu no primeiro, tendo-se identificado como áreas de maior atividade as de renovação de diversas infraestruturas de segurança, a crescente procura de soluções de cloud na vertente IaaS. Paralelamente estima-se que no segundo semestre do corrente ano se concretizem as renovações de importantes projetos de serviços de IT, na continuidade do que é tradicional e foi alcançado em anos anteriores. Produtos Compta Neste primeiro semestre de 2015 e nesta área de atividade o Grupo prosseguiu com o plano de expansão oportunamente gizado, cimentado a atividade no território nacional e continuando a expansão nos mercados internacionais, com especial enfoque para com o mercado Brasileiro. Após um período de preparação da operação no Brasil foi dada uma atenção especial ao alargamento do número de clientes, tendo sido possível neste primeiro semestre a sua duplicação, logrando-se, desta forma, consolidar a atividade. Continua-se, neste país, a atuar nas áreas de gestão e automação, em projetos no setor de águas para consumo e saneamento e no de resíduas urbanos. Naturalmente a mesma linha de orientação traçada para o desenvolvimento da atividade foi mantida em Portugal, onde se situa a fábrica da sua operação. Em Portugal, e conforme previsto, o Grupo reforçou a aposta na adoção de tecnologias Open Source na sua gama de produtos ez. Continua, também, a explorar o desenvolvimento dos produtos para as novas plataformas mobile (smart phones, Pad, etc). A Unidade do Grupo neste setor, vocacionada para a agricultura, centrou os seus esforços nas componentes da agricultura de precisão, da previsão meteorológica e na comercialização de produtos agrícolas de excelência. Obteve já um impacto significativo nos negócios do Grupo, e colheu notoriedade através a participação nas principais feiras do setor, com grande impacto nos meios de comunicação. 11/86

12 Foram lançadas novas versões das aplicações de mobilidade para os setores dos resíduos urbanos e industriais, com uma versão do ezwaste Mobile, aplicação já premiada interna e internacionalmente. Para a segunda parte do ano, planeou-se reforçar as parcerias com fabricantes de referência na área das Smart Cities e integração das soluções ezwaste e ezenergy em plataformas Cloud e dedicadas às cidades inteligentes. A atividade será ainda dinamizada com a participação em diversos eventos, conferências e presenças institucionais com intuito de comunicar a oferta do Grupo neste setor de atividade. Aplicações O período em análise caracterizou-se por uma recessão do mercado no geral, tal como previsto pelo último relatório da IDC de 2014, tendo esta estagnação sido mais acentuada nas áreas onde o Grupo tem uma oferta mais consolidada e madura, tal como a otimização de processos operacionais e de gestão de IT. Perante a ausência de decisão por parte dos clientes quanto ao avançar com alguns dos novos projetos em carteira focou-se a estratégia em pequenos projetos evolutivos essencialmente nas componentes de serviços no atual parque de clientes. Paralelamente e sentindo diretamente a recessão das plataformas de 2ª geração, decidiu-se por antecipar desde já o avanço para a 3ª Plataforma Tecnológica, quer nas plataformas de Mobilidade e Social, quer na disponibilização de soluções de customer experience e melhorar a oferta na área do BIG Data/Analytics. 12/86 Face a estes dois vetores estratégico adotados, conseguiu-se reforçar a posição em clientes nas áreas tradicionais da empresa. Surpreendentemente, constatou-se que esta inovação nas componentes da melhoria da experiência de utilização do consumidor e do melhor conhecimento das interações que o cliente faz com o negócio (BI), originou uma boa recetividade por parte do mercado e um aumento das ações comerciais, existindo um significativo número de processos a fechar no segundo semestre. O leque da oferta de produtos, que contava já com o GTR (gestão de reclamações), passou a contar também com a Solução de Gestão de Cotações para a área seguradora. Estão também em processo de certificação final as soluções complementares à Broadsoft, para o mercado de Telecomunicações, com uma perspetiva internacional, nomeadamente SIP-REC, e Motor de Campanha. Na área de mobilidade, para alem das APP s empresariais, o Grupo abarcou o desafio de criar uma APP de apoio à atividade dos Municípios e Juntas de Freguesia - Sou Cidadão - cujo lançamento está a decorrer no início do segundo semestre. A atuação do Grupo neste sector de software aplicacional, tem vindo a conquistar o reconhecimento do Mercado e Parceiros, nomeadamente no seu mercado de atuação, Financeiro, Telecomunicações, Administração Publica e Grandes Empresas. Este posicionamento tem sido conquistado através do profissionalismo demostrado pelos nossos centros de competência, que têm vindo a disponibilizar soluções de otimização de Processos de Negócio e Recursos. Para alem destas área o Grupo tem vindo a trabalhar novas áreas de inovação, nas componentes de melhoria da experiencia de utilização do consumidor, e do possível conhecimento do cliente nas interações com o seu negocio, assim como da Qualidade e segurança do software. No que concerne à área de Enterprise Resource Planning também se fizeram sentir os efeitos do contexto macroeconómico. O semestre caracterizou-se por um início muito focado em dois novos projetos de dimensão media, sendo a restante atividade executada essencialmente em pequenos projetos de otimização das atuais soluções, de ERP tradicional. No entanto tem-se vindo a trabalhar novas áreas nas componentes de melhoria da relação com o cliente e fornecedores, que são novas áreas de focagem estratégica, nomeadamente CRM, SRM e BCM, onde se deu início a pequenos projetos e se antevê potenciais de crescimento do mercado. Na atividade do semestre sobressai um projeto de dimensão significativa implantado num Cliente do setor industrial de produção automóvel. Não menos importante foi o suporte e instalação de um projeto no sector Financeiro, em banco de referência, sobre a nova plataforma de vanguarda da SAP, o SAP-HANA; assinala-se como o primeiro projeto SAP Business One em HANA instalado.

13 Mau grado as perspetivas da IDC para 2015, que apontam para uma reduzida apetência pelo investimento, perspetivamos uma inversão no segundo semestre, nomeadamente nas áreas do novos canais - social e móvel pois segundo aquela mesma entidade é para aí que o mercado se está a mover. Por outro lado, com o crescimento da quantidade de informação e a necessidade de melhorar a sua qualidade, surgirá a necessidade de soluções de analytics de grande riqueza funcional. Nesta perspetiva e estrategicamente continuar-se-á a apoiar a oferta em quatro centros de competência, nomeadamente: i) Interações + inteligentes (Contact Interaction Center, Social, Marketing), ii) Enterprise Applications; iii) Data Integration & Analytics e iv) Gestão de Serviços (BSM), Gestão de ciclo vida do Software. Como centro de competências de Enterprise Resource Planning do Grupo Compta, manter-se-á a enfase nas vertentes de Consultadoria de Negócio, Contabilidade, Gestão, Auditoria e Recursos Humanos. A atual estrutura organizacional nesta área e a atuação no mercado dos ERP, onde se movimenta, tem vindo a conquistar o reconhecimento do Mercado e dos Parceiros, nomeadamente em empresas de referência de produção e distribuição. Neste segundo semestre, prevê-se a concretização de alguns negócios em fase final de negociação, principalmente no mercado das PME s. Para este mercado, a estratégia do centro de Competências de Enterprise Resource Planning do Grupo Compta, apoia-se em três pilares; i) consolidação nos mercados de atuação, onde dispõe de vasta experiencia, na otimização de processos operacionais, nas empresas de produção e distribuição; ii) consultadoria nas alterações da legislação e regulamentação legal destes mercados e com base nestas necessidades alavancar também uma consolidação nas áreas de BI, Indicadores de Gestão; iii) no reforço em novas áreas de aposta SAP, onde sobressaem o SAP-HANA, SAP- C4C, S4. Dar-se-á especial atenção para os novos produtos nas áreas da Mobilidade Empresarial, e Social Business, as quais complementarão a atual oferta em CRM, como o hybris Marketing. O Mercado Internacional está a merecer interesse, embora de forma cautelosa dada a sua especificidade. O Grupo está atento e já envolvido com clientes em projetos de expansão via exportação. Julga-se estarem reunidas as condições mínimas para avançar para a internacionalização desta área de atuação já no segundo semestre de Área Internacional Neste primeiro semestre de 2015, no sentido de desenvolver e diversificar as atividades da Compta Angola, definiram-se as seguintes linhas estratégicas: a) Consolidação da relação com clientes onde a Compta já tenha uma presença forte; b) Procura de novos produtos e parcerias no sentido de expandir a oferta para áreas de grande crescimento potencial; c) Expansão da atividade a novos clientes e áreas de negócio, diretamente ou através de parcerias. A dificuldade na obtenção de divisas que se regista em Angola não deixa, naturalmente, de se refletir na capacidade dos agentes económicos para comprar ao exterior. Este condicionalismo dificulta o lançamento de projetos que integrem hardware, licenciamento de software e/ou serviços que hajam de ser importados. É um constrangimento que atinge parte significativa do negócio da Compta Angola. Esta vê-se, assim, limitada na capacidade de realizar compras no exterior ou mesmo ao setor interno de distribuição, também este, por sua vez, sujeito às mesmas dificuldades cambiais. Esta situação retraiu bastante o mercado e a capacidade operacional da Compta Angola, o que explica o decréscimo do volume de negócios no semestre em análise. Embora estejam a ser tomadas medidas de fundo pelo Governo de Angola, não se antevê que no imediato haja uma alteração significativa da situação. Assim, as expetativas de negócio para o segundo semestre são relativamente reservadas. Conforme já referido acima, pós um período de preparação da operação no Brasil foi dada uma atenção especial no alargamento do número de clientes, tendo sido possível neste primeiro semestre a sua duplicação, logrando-se, desta forma, consolidar a atividade. Continua-se, neste país, a atuar nas áreas de gestão e automação, em projetos no setor de águas para consumo e saneamento e no de resíduas urbanos. 13/86

14 14/86 3. Outros aspetos As questões ligadas à Responsabilidade Social das Empresas têm merecido especial atenção por parte das Administrações das sociedades integrantes do Grupo como, de resto, já tem sido enfatizado em anteriores relatórios. Assim, ainda neste primeiro semestre, o Conselho de Administração da Compta manteve-se empenhado na aplicação da política de Responsabilidade Social do Grupo Compta, que oportunamente fixou, política essa que assenta em dois eixos fundamentais Compromisso com o Desenvolvimento Sustentável e Envolvimento com a Comunidade. Para o efeito estão em funcionamento os mecanismos considerados apropriados e foram alocados os meios indispensáveis ao seu desenvolvimento. No que diz respeito aos Recursos Humanos, principal ativo do Grupo, continua a ser especial preocupação da Gestão a captação de novos talentos, a formação e o bem-estar dos colaboradores, e a conciliação da vida profissional com a familiar/pessoal, pelo que no período em análise se desenvolveram diversas ações nesse sentido. Considerando-se a captação de recursos um fator fundamental mantém-se como vetor positivo a avaliação da ferramenta online de candidatura, gestão e consulta de currículos. Em paralelo, dinamizaram-se de ações de marketing externo para incrementar o número de consultas à página de oportunidades e, simultaneamente, mais registos/candidaturas. Numa perspetiva de responsabilidade social mantém-se a preocupação de contribuir para a envolvente social externa, potenciando os nossos recursos e a mais-valia que se pode aportar, nomeadamente na divulgação do Grupo junto de entidades de formação nas áreas das TIC, oferecendo estágios profissionais e colaborando em projetos de estágios curriculares, quer de moto próprio quer através de um protocolo de colaboração estabelecido com o Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação e a Agência Nacional para a Qualificação. Manteve-se a divulgação do Código de Ética, Conduta e Responsabilidade Social Compta e da apresentação de Sensibilização de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. 4. Riscos e incertezas Embora as dificuldades conjunturais tenham atenuado no período ainda persistem algumas dificuldades, principalmente relacionadas com os custos de crédito e a escassez de financiamento aos setores empresariais, situação que poderá afetar a expansão da atividade do Grupo. Contudo, a gestão do Grupo continuará a monitorizar estas e outras variáveis que possam condicionar a sua atividade, procurando soluções que mitiguem ou permitiam, mesmo, ultrapassar essas adversidades. Neste sentido, continuam a ser desenvolvidas políticas e medidas, quer do ponto de vista estrutural, quer do ponto de vista operacional, que facilitem a deteção antecipada de potenciais efeitos do agravamento destes fatores. 5. Perspetivas A estratégia definida pela Gestão do Grupo, continuar-se-á a concentrar na valorização da atividade, na Inovação da oferta e processos internos, na Produtização de ofertas para setores verticais e na Internacionalização e alargamento da atividade para outros mercados. Assim, assume formalmente o seu compromisso com este plano de expansão (VIPI) e concentra os seus esforços e recursos na respetiva dinamização. Desta forma e em face dos resultados apresentados, perspetiva encerrar o exercício de 2015 com um ligeiro crescimento da atividade.

15 6. Ações próprias No semestre em análise não ocorreram transações de ações próprias. No final do período mantinha-se em carteira o mesmo número de ações que existiam no final do exercício anterior, isto é, ações próprias, estando o correspondente valor de aquisição abatido aos capitais próprios no balanço. Também não ocorreram transações de ações ou de instrumentos financeiros com eles relacionados, efetuadas pelos dirigentes da sociedade, por sociedades que domine e por pessoas estreitamente relacionadas com aqueles. 7. Negócios entre a sociedade e os membros dos seus órgãos sociais Neste primeiro semestre não ocorreram quaisquer negócios entre a sociedade e qualquer dos membros dos seus órgãos sociais. 8. Outras informações Quer a sociedade mãe quer as restantes sociedades englobadas no perímetro de consolidação têm as suas situações regularizadas perante o estado ou quaisquer outros entes públicos. O Capital próprio da Compta Equipamentos e Serviços de Informática, S.A. registava, em 30 de Junho último, o valor de 1,2 milhões de euros o que mantém ainda a sociedade na situação prevista no artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais. Em Julho de 2015 ocorreu o falecimento do Sr. Dr. Vitor José Magalhães Assunção. O Dr. Vítor Assunção foi o fundador e impulsionador do projeto Compta, iniciado em 1972, ao qual esteve ligado, como Presidente do seu C.A. e principal acionista da empresa, durante cerca de 34 anos, até 2006, quando deixou de fazer parte dos Corpos Sociais da sociedade e de deter uma participação acionista qualificada. O Conselho de Administração da Compta manifesta o seu profundo pesar e presta aqui a sua homenagem ao falecido, reconhecendo toda a sua importância na construção do projeto Compta. 15/86 9. Declaração de responsabilidade Declaração emitida nos termos e para os efeitos do disposto na alínea c) do n.º 1 do art.º 246.º do Código dos Valores Mobiliários em cumprimento do preceituado na legislação supra, os membros do Conselho de Administração da Compta Equipamentos e Serviços de Informática, S.A., declaram, cada um de per si, que, tanto quanto é do seu conhecimento: i. a informação prevista na alínea a) do N.º 1 do citado artigo do C.V.M. foi elaborada em conformidade com as normas contabilísticas aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação financeira e dos resultados da emitente e das empresas incluídas no perímetro da consolidação; e que ii. o relatório de gestão intercalar expõe fielmente a evolução dos negócios, do desempenho e da posição da Compta e das empresas incluídas no perímetro da consolidação, nos primeiros seis meses do exercício, e inclui uma descrição dos principais riscos e incertezas com que elas se defrontam.

16 Algés, 31 de agosto de 2015 O Conselho de Administração da COMPTA - Equipamentos e Serviços de Informática, S.A. Armindo Lourenço Monteiro Presidente Francisco Maria Supico Pinto Balsemão Vice-Presidente João Arnaldo Rodrigues de Sousa Administrador Jorge Manuel Martins Delgado Administrador Miguel Guimarães Cardoso e Cunha Administrador 16/86

17 CONTAS CONSOLIDADAS

18 18/86 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

19 Notas (Contas não auditadas) Demonstração consolidada da posição financeira em 30 de junho de 2015 e em 31 de dezembro de 2014 (U.m.: ) Rubricas 30/06/ /12/2014 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis Ativos intangíveis Participações financeiras - método do custo Demonstrações Financeiras Consolidadas Outros activos financeiros Outras contas a receber Ativos por impostos diferidos Ativo corrente Inventários Clientes Outras contas a receber Impostos sobre o rendimento a receber Caixa e seus equivalentes Total do ativo CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Capital próprio Capital nominal Prestações suplementares e outros instrumentos de capital Acções próprias 19 (3.610) (3.610) Prémios de emissão 19 (72.604) (72.604) Reservas não distribuíveis Reservas distribuíveis Reservas de conversão cambial (1.909) (9.385) Excedentes de valorização de activos fixos Excedentes de valorização de activos financeiros 21 ( ) ( ) Resultados acumulados ( ) ( ) Resultado líquido do período Capital próprio atribuível ao grupo Interesses não controlados Total do capital próprio Passivo Passivo não corrente Empréstimos e descobertos bancários Passivos por impostos diferidos Passivos por locação financeira Passivo corrente Fornecedores Empréstimos e descobertos bancários Outras contas a pagar Imposto corrente sobre o rendimento a pagar Passivos por locação financeira Total do passivo Total do capital próprio e do passivo /86

20 (Contas não auditadas) Demonstração consolidada dos resultados por natureza para os semestres findos em 30 de junho de 2015 e de 2014 Notas (U.m.: ) 2º/T 1º/T 2º/T 1º/T RENDIMENTOS E GANHOS Vendas Prestações de serviços Outros proveitos operacionais Total de proveitos operacionais (A) GASTOS E PERDAS 20/86 Custo das vendas 10 ( ) ( ) ( ) ( ) Fornecimentos e serviços externos 11 ( ) ( ) ( ) ( ) Gastos com pessoal 12 ( ) ( ) ( ) ( ) Gastos de depreciação e de amortização 14; 15 ( ) ( ) ( ) ( ) Provisões e perdas por imparidade (7.216) Outros custos operacionais (38.616) (98.905) (42.049) (59.185) Total de custos operacionais (B) ( ) ( ) ( ) ( ) Resultados operacionais (A)-(B) Perdas financeiros 13 ( ) ( ) ( ) ( ) Ganhos financeiros Resultados financeiros (C) ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado antes de impostos (A)-(B)+(C) Imposto do período (72.539) ( ) (31.410) (69.439) Lucros retidos das operações em continuidade Lucros retidos de operações descontinuadas Lucros retidos do exercício Interesses não controlados (16.788) Lucros retidos do exercício atribuível a detentores do capital da Empresa-mãe Resultados básicos por acção de operações continuadas 0,00 0,00 0,01 0,01 de operações descontinuadas 0,00 0,00 0,07 0,07 Resultados diluídos por acção ( p/ acção) de operações continuadas 0,00 0,00 0,01 0,01 de operações descontinuadas 0,00 0,00 0,07 0,07

Proveitos operacionais 15.373 M. Custos operacionais 14.809 M. Resultados operacionais 564 k

Proveitos operacionais 15.373 M. Custos operacionais 14.809 M. Resultados operacionais 564 k Assunto ÍNDICE Página RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO... 5 CONTAS CONSOLIDADAS... 17 Demonstrações Financeiras Consolidadas... 19 Notas explicativas às demonstrações financeiras consolidadas... 25 CONTAS

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO 3 CONTAS CONSOLIDADAS 9 CONTAS INDIVIDUAIS 39

RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO 3 CONTAS CONSOLIDADAS 9 CONTAS INDIVIDUAIS 39 1/74 ÍNDICE RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO 3 CONTAS CONSOLIDADAS 9 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 11 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 17 CONTAS INDIVIDUAIS 39 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Página intencionalmente em branco

Página intencionalmente em branco Página intencionalmente em branco 3/72 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO... 5 CONTAS INDIVIDUAIS... 15 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS... 17 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS... 23 CONTAS CONSOLIDAS...

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO

RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO COMPTA Equipamentos e Serviços de Informática, S.A. e associadas Informação financeira sobre o primeiro semestre de 2013 RELATÓRIO INTERCALAR DE GESTÃO Atividade reportada ao período de 1 de janeiro a

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado)

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) 3º Trimestre de 2014 Índice I - RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO... 4 1. Principais Indicadores Financeiros do Grupo... 4 2. Resumo da Atividade... 4 3. Indicadores Consolidados...

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais