FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS. Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho. Actividade em: Activos_FP. Data:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS. Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho. Actividade em: Activos_FP. Data:"

Transcrição

1 Activos_FP Data: CE: NE: Actividade em: FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho

2 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Grupo económico Activos_FP - Grupo Económico Código Grupo Económico Designação 2/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

3 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Carteira Activos_FP - Carteira - As rúbricas de outros activos deverão ser reportados numa única linha com excepção daquelas que devem ser reportadas por entidade. Assim, por exemplo, os Empréstimos concedidos aos participantes do Fundo deverão ser reportados com o código , sendo o valor total reportado numa única linha, enquanto que os Depósitos a prazo depositados na entidade deverão ser reportados pelo seu valor total numa linha com o código base No preenchimento dos códigos base deve ainda ser tido em consideração que neste ficheiro devem ser reportados os derivados utilizados para cobertura de risco de activos reportados neste ficheiro. Assim, cada contrato de derivado deve ser reportado na linha imediatamente a seguir ao activo base cujo risco esteja a cobrir, com o mesmo código base daquele activo e com o CIC correspondente ao tipo de derivado. Caso o contrato de derivado esteja a cobrir o risco de mais do que um activo o procedimento referido deve ser efectuado na linha seguinte ao activo de maior valor coberto por esse contrato Fundo N.º Sequência Código Base Designação Código CIC Designação do Activo Moeda Investimento Quantidade / Valor investido Valor Unitário Tipo de Cotação VU/%VN Valor Total Juros Decorridos Grupo Económico 3/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS VAA

4 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Mapa (excepto PPA PPR PPE PPRE) Activos_FP - Mapa (excepto PPA e PPR, PPE e PPRE) Admitidos à negociação numa bolsa ou em mercado regulamentado da UE ou da OCDE Não admitidos à negociação numa bolsa ou em mercado regulamentado da UE ou da OCDE Participações em instituições de investimento Valores imobiliários Outras participações em instituições de colectivo constituídos maioritariamente por investimento colectivo Outros instrumentos que Outros instrumentos que acções Terrenos e edifícios Obrigações confiram o direito à subscrição Obrigações confiram o direito à subscrição Créditos decorrentes Participações em convertíveis em de acções ou que permitam convertíveis em de acções ou que permitam Utilizados por Créditos decorrentes de empréstimos aos Acções de sociedades fundos de Fundo N.º: Valor do Fundo Acções acções ou que Warrants uma exposição aos mercados Acções acções ou que Warrants uma exposição aos mercados Instrumentos de dívida associados/soc. de empréstimos participantes do fundo imobiliárias investimento confiram direito à accionistas (excluindo as confiram direito à accionistas (excluindo as Harmonizados Não harmonizados Harmonizados Não harmonizados relação de Outros hipotecários de pensões imobiliário subscrição de acções participações em instituições subscrição de acções participações em instituições domínio/grupo c/ de investimento colectivo) de investimento colectivo) associados 4/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS Activos expressos em moedas distintas do Euro

5 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Mapa Limites(exc. PPA PPR PPRE) Activos_FP - Mapa Limites (excepto PPA e PPR, PPE e PPRE) Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas, e instrumentos com natureza de obrigações, não cotados Participações em instituições de investimento colectivo não harmonizadas Terrenos e edifícios, créditos decorrentes de emp. hipotecários e de emp. aos participantes, acções de sociedades imobiliárias e unidades de participação em FII Terrenos e edifícios que estejam a ser utilizados por associados do fundo de pensões ou por sociedades em relação de domínio ou de grupo com os associados Activos expressos em moedas distintas do Euro Norma N.º 21/2002-R - Limites do art.º 5º Fundo N.º: Valor do Fundo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo 5/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

6 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Mapa Limites PPRE Activos_FP - Mapa Limites PPR, PPE e PPRE Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas, e instrumentos com natureza de obrigações, não cotados Instrumentos representativos de dívida de curto prazo, depósitos bancários e outros instrumentos monetários Unidades de participação em fundos de investimento não harmonizados Terrenos e edifícios e unidades de participação em fundos de investimento imobiliário Créditos decorrentes de empréstimos hipotecários Fundos de Poupança - Portaria nº 1451/2002 Fundo N.º Valor do Fundo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo Valor Limite máximo 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 6/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

7 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Mapa Limites PPA Activos_FP - Mapa Limites PPA Acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional e unidades de participação em F.I.M., cujo património seja constituído por um mínimo de 50% de acções cotadas em bolsa de valores nacional Acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional Unidades de participação em fundos de investimento não harmonizados Acções de empresas imobiliárias Decreto-Lei N.º 204/95 Fundo N.º Valor do Fundo Valor Limite mínimo Valor Limite mínimo Valor Limite máximo Valor Limite máximo 7/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

8 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Instruções INSTRUÇÕES As células de cor verde são de preenchimento obrigatório As células de cor laranja são de preenchimento automático Cabeçalho Data: Data a que se reporta a informação (pe ) CE: Código Estatístico da Entidade Reportante NE: Identificação da Entidade Reportante (Nome abreviado) Actividade: Preencher, quando aplicável, com o ISO 3166 do país (com o código constituído por três letras, por exemplo a Portugal corresponde PRT). Quando não for aplicável, este campo deverá ficar em branco Grupo económico Código de Grupo Económico: Código numérico sequencial. O código 1 deverá ser o do grupo económico da entidade reportante (entidade gestora) Carteira As rúbricas de outros activos deverão ser reportados numa única linha com excepção daquelas que devem ser reportadas por entidade. Assim, por exemplo, os Empréstimos concedidos aos participantes do Fundo deverão ser reportados com o código , sendo o valor total reportado numa única linha, enquanto que os Depósitos a prazo depositados na entidade deverão ser reportados pelo seu valor total numa linha com o código base No preenchimento dos códigos base deve ainda ser tido em consideração que neste ficheiro devem ser reportados os derivados utilizados para cobertura de risco de activos reportados neste ficheiro. Assim, cada contrato de derivado deve ser reportado na linha imediatamente a seguir ao activo base cujo risco esteja a cobrir, com o mesmo código base daquele activo e com o CIC correspondente ao tipo de derivado. Caso o contrato de derivado esteja a cobrir o risco de mais do que um activo o procedimento referido deve ser efectuado na linha seguinte ao activo de maior valor coberto por esse contrato Sequência: N.º sequencial com início em 1 por cada fundo Código Base: Preencher de acordo com os artigos 3.º, 4.º e 5.º da Norma n.º 14/2003-R. Sempre que um produto derivado esteja a cobrir o risco de um activo os valores correspondentes ao mesmo deverão ser preenchidos na linha imediatamente a seguir ao activo com o mesmo código base, e o código CIC correspondente ao tipo de derivado Designação Código: Preencher com uma das seguintes designações, consoante a origem do código introduzido na coluna anterior: ISIN, CUSIP, SEDOL, Sicovam, VALOREN-Nummer, FONDS CODE, WPK, ISP CIC: Código de identificação complementar constituído por três caracteres: Valores mobiliários: Três dígitos de acordo com a Tabela de classe de valor mobiliário (Anexo 2_2 da Norma n.º 14/2003-R) Outros activos :Três primeiros dígitos do Código Base Terrenos e edifícios: "IMA" no caso de terrenos e edifícios que estejam a ser utilizados por associados do fundo de pensões ou por sociedades em relação de domínio ou de grupo com os associados e "IMO" nos restantes casos Designação do Activo: No caso dos terrenos e edifícios indicar a localização do mesmo Moeda Investimento: Preencher com o ISO 4217 da moeda (com o código constituído por três letras, por exemplo ao Euro corresponde EUR) Quantidade/Valor investido: Preencher, quando aplicável, com quantidade ou, no caso dos títulos valorizados em percentagem do valor facial, com o valor investido. Esta coluna não deverá ser preenchida quando o activo for um terreno ou edifício Valor Unitário: Preencher quando aplicável, e no caso de títulos valorizados em percentagem do valor facial deverá ser colocado o valor em percentagem. Esta coluna não deverá ser preenchida quando o activo for um terreno ou edifício Tipo de Cotação VU/%VN: Indicar se a coluna anterior indica o valor unitário (VU) ou a percentagem do valor nominal (%VN) Valor Total: No caso dos terrenos e edifícios indicar o valor contabilístico do mesmo Juros Decorridos: Introduzir os juros decorridos correspondentes a cada título quando aplicável Grupo Económico: Preencher de acordo com a respectiva folha; ou, nos casos em que seja um título emitido por um associado do fundo ou sociedade em relação de domínio ou de grupo com este, acrescentar ao código do grupo económico um A, ou, no caso de não existir aquele código, preencher apenas com um A. Esta coluna não deverá ser preenchida quando o activo for um terreno ou edifício VAA: Preencher com "VAA" quando se tratar de um título de rendimento fixo, que se destine a ser detido até à maturidade e estiver valorizado ao valor de aquisição ajustado. Esta coluna não deverá ser preenchida quando o activo não estiver valorizado ao VAA Mapa (excepto PPA e PPR, PPE e PPRE) Admitidos à negociação numa bolsa da UE ou da OCDE: Acções, obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída maioritariamente por acções, admitidos à negociação numa bolsa de valores ou em outro mercado regulamentado de Estado membro da União Europeia ou em mercado análogo de país da OCDE Não admitidos à negociação numa bolsa da UE ou da OCDE: Acções, obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída por acções e instrumentos de dívida, que não se encontrem admitidos à negociação numa bolsa de valores ou em outro mercado regulamentado de Estado membro da União Europeia ou em mercado análogo de país da OCDE 8/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

9 Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Instruções Instrumentos de dívida: Excluindo os títulos de dívida pública emitidos ou garantidos por Estados soberanos membros da União Europeia ou da OCDE e os títulos emitidos ou garantidos por organismos internacionais de carácter público nos quais os Estados que sejam membros da União Europeia ou os países da OCDE detenham uma posição predominante Valores imobiliários: Aplicações em terrenos e edifícios, créditos decorrentes de empréstimos hipotecários e de empréstimos aos participantes do fundo, acções de sociedades imobiliárias e unidades de participação em fundos de investimento imobiliário Activos expressos em moedas distintas do Euro: Activos expressos em moedas distintas daquela em que estão expressas as responsabilidades do fundo de pensões Mapa limites (excepto PPA e PPR, PPE e PPRE) Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas: Um máximo de 55% pode ser representado por acções, por obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda por quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída maioritariamente por acções Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas, e instrumentos com natureza de obrigações, não cotados: O investimento em acções, obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída por acções e instrumentos de dívida, que não se encontrem admitidos à negociação numa bolsa de valores ou em outro mercado regulamentado de Estado membro da União Europeia ou em mercado análogo de país da OCDE não pode representar mais do que 15% Participações em instituições de investimento colectivo não harmonizados: O investimento em participações em instituições de investimento colectivo que não respeitem os requisitos de legislação adoptada por força da Directiva do Conselho n.º 85/611/CEE, de 20 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelas Directivas n.ºs 2001/107/CE e 2001/108/CE, DE 21 de Janeiro de 2002, não pode representar mais do que 5% Terrenos e edifícios, créditos decorrentes de emp. hipotecários e de emp. aos participantes, acções de sociedades imobiliárias e unidades de participação em FII: Um máximo de 50% pode ser representado por aplicações em terrenos e edifícios, créditos decorrentes de empréstimos hipotecários e de empréstimos aos participantes do fundo, acções de sociedades imobiliárias e unidades de participação em fundos de investimento imobiliário Terrenos e edifícios que estejam a ser utilizados por associados do fundo de pensões ou por sociedades em relação de domínio ou de grupo com os associados: O investimento em terrenos e edifícios que estejam a ser utilizados por associados do fundo de pensões ou por sociedades em relação de domínio ou de grupo com os associados não pode representar mais do que 25% Activos expressos em moedas distintas do Euro: Um máximo de 30% pode ser representado por activos expressos em moedas distintas daquela em que estão expressas as responsabilidades do fundo de pensões Mapa limites PPRE Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas: Um máximo de 45% pode ser representado por acções, por obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda por quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição, ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída maioritariamente por acções Acções e outros instrumentos que permitam uma exposição aos mercados accionistas, e instrumentos com natureza de obrigações, não cotados: O investimento em acções, obrigações convertíveis ou que confiram direito à subscrição de acções, ou ainda quaisquer outros instrumentos que confiram o direito à sua subscrição, ou que permitam uma exposição aos mercados accionistas, designadamente warrants e participações em instituições de investimento colectivo cuja política de investimento seja constituída maioritariamente por acções e em instrumento com natureza de obrigações, com excepção das participações em instituições de investimento colectivo, que não se encontrem admitidos à negociação numa bolsa de valores ou em outro mercado regulamentado de Estado membro da União Europeia ou em mercado análogo de país da OCDE com funcionamento regular, reconhecidos e abertos ao público, não pode representar mais do que 10% Instrumentos representativos de dívida de curto prazo, depósitos bancários e outros instrumentos monetários: Um máximo de 20% pode ser representado por instrumentos representativos de dívida de curto prazo, depósitos bancários e outros instrumentos monetários Unidades de participação em fundos de investimento não harmonizados: O investimento em participações em instituições de investimento colectivo em valores mobiliários que não respeitem os requisitos de legislação adoptada por força da Directiva do Conselho n.º 85/611/CEE, de 20 de Dezembro, não pode representar mais do que 5% Terrenos e edifícios e unidades de participação em fundos de investimento imobiliário: Um máximo de 20% pode ser representado por aplicações em terrenos e edifícios e em unidades de participação em fundos de investimento imobiliário Créditos decorrentes de empréstimos hipotecários: Um máximo de 20% pode ser constituído por créditos decorrentes de empréstimos hipotecários Mapa limites PPA Acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional e unidades de participação em F.I.M., cujo património seja constituído por um mínimo de 50% de acções cotadas em bolsa de valores nacional: As acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional e as unidades de participação em fundos de investimento mobiliário cujo património seja constituído por um mínimo de 50% de acções cotadas em bolsa de valores nacional devem corresponder, no mínimo, a 75% do valor global do fundo Acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional: As acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional devem corresponder, no mínimo, a 2/3 do total das acções e títulos de participação cotados em bolsa de valores nacional e das unidades de participação em fundos de investimento mobiliário cujo património seja constituído por um mínimo de 50% de acções cotadas em bolsa de valores nacional Unidades de participação em fundos de investimento não harmonizados: De acordo com o ponto 5 do art.º 8º do Decreto-Lei n.º 204/95, o investimento em participações em instituições de investimento colectivo que não respeitem os requisitos de legislação adoptada por força da Directiva do Conselho n.º 85/611/CEE, de 20 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelas Directivas n.ºs 2001/107/CE e 2001/108/CE, DE 21 de Janeiro de 2002, não pode representar mais do que 5% Acções de empresas imobiliárias: De acordo com o ponto 5 do art.º 8º do Decreto-Lei n.º 204/95, o investimento em acções de sociedades imobiliárias não pode representar mais do que 50% do valor do fundo de pensões 9/9 FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 1/2004 Carteira de Organismos de Investimento Colectivo

Instrução da CMVM n.º 1/2004 Carteira de Organismos de Investimento Colectivo Instrução da CMVM n.º 1/2004 Carteira de Organismos de Investimento Colectivo Nos termos da legislação em vigor, as entidades gestoras de organismos de investimento colectivo devem enviar mensalmente à

Leia mais

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Valores expressos em euros) INTRODUÇÃO O Fundo de Poupança em

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 26/2002-R Data: 31/12/2002 Assunto: AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que nos termos dos n.º s 1 e

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de crédito

Leia mais

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS GNB Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA. Sede: Av. Alvares Cabral n.º 41, Lisboa CRCL / Pessoa Colectiva n.º 501882618 Capital Social: 3.000.000 EUR AVISO DE FUSÃO DE S Nos termos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

PROSPECTO OIC/Fundo. Fundo de Investimento Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA FUTURA FPR

PROSPECTO OIC/Fundo. Fundo de Investimento Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA FUTURA FPR PROSPECTO OIC/Fundo Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA FUTURA FPR 30/04/2015 A autorização do Fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação aplicável,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES RENDIMENTO ª SÉRIE (I.C.A.E. NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES RENDIMENTO ª SÉRIE (I.C.A.E. NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão 87-67 Informação actualizada a: 01/04/2010 Designação Comercial: BES RENDIMENTO 2009 2ª Série (I.C.A.E. N.N.) Data início de Comercialização: 06/05/2009 Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras

Leia mais

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Anexo à Instrução nº 23/2004 NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Tendo em vista facilitar o preenchimento dos modelos de reporte da situação analítica, prestam-se os seguintes esclarecimentos: 1. Os itens

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Comissão Mercados e Valores Mobiliários

Instituto de Seguros de Portugal Comissão Mercados e Valores Mobiliários Mod. Versão 87-66 Informação actualizada a: 01/04/2011 Designação Comercial: BES RENDIMENTO 2009 1ª Série (I.C.A.E. N.N.) Data início de Comercialização: 06/04/2009 Data fim de Comercialização: 30/04/2009

Leia mais

PROSPECTO OIC/Fundo. Fundo de Investimento Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA INVESTIMENTO FPR

PROSPECTO OIC/Fundo. Fundo de Investimento Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA INVESTIMENTO FPR PROSPECTO OIC/Fundo Alternativo Aberto de Poupança Reforma SANTANDER POUPANÇA INVESTIMENTO FPR 30/04/2015 A autorização do Fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 1/2016 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo

Instrução da CMVM n.º 1/2016 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo Instrução da CMVM n.º 1/2016 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo Em cumprimento do disposto no Regulamento da CMVM n.º 02/2015, as entidades responsáveis pela gestão de organismos de investimento

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 M A Z A R S & A S S O C I A D O S, S R O C FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 M A Z A R S & A S S O C I A D O S S O C

Leia mais

Tabela S - Sectores Institucionais

Tabela S - Sectores Institucionais Anexo à Instrução nº 43/97 Tabela S - Sectores Institucionais A concretização da tabela de sectores institucionais (e, nomeadamente, a lista de instituições financeiras monetárias e as suas desagregações)

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO POUPANÇA VIDA BES (I.C.A.E.) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO POUPANÇA VIDA BES (I.C.A.E.) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão: 42.00 Informação actualizada a: 31/07/2009 Designação Comercial: Poupança Vida BES Data início de Comercialização: 24/08/2009 Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras Autoridades de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º de Fevereiro de Artigo 2.º

Diário da República, 1.ª série N.º de Fevereiro de Artigo 2.º Diário da República, 1.ª série N.º 43 29 de Fevereiro de 2008 1357 Pagamento das contribuições O pagamento das contribuições para o regime público de capitalização é efectuado no dia 8 de cada mês e reporta

Leia mais

Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões

Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N. o 5/2007 Projecto de regulamentação sobre política de investimento e composição e avaliação dos activos dos fundos de pensões 28 de Junho de 2007 O Instituto de Seguros

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 2/2006 Envio de Informação Relevante sobre Organismos de Investimento Colectivo e Fundos de Investimento Imobiliário

Instrução da CMVM n.º 2/2006 Envio de Informação Relevante sobre Organismos de Investimento Colectivo e Fundos de Investimento Imobiliário Instrução da CMVM n.º 2/2006 Envio de Informação Relevante sobre Organismos de Investimento Colectivo e Fundos de Investimento Imobiliário A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disponibiliza,

Leia mais

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela do Imposto do Selo (Rectificado por Circular n.º 03/DLT/DNI/2012, de 5 de Julho) 1 Aquisição onerosa ou gratuita do direito

Leia mais

Carta Circular n.º 6/2016/DES 2016/02/04

Carta Circular n.º 6/2016/DES 2016/02/04 Carta Circular n.º 6/2016/DES 2016/02/04 Assunto: Informação sobre colaterais e rendimento do mutuário associados aos contratos de crédito à habitação e crédito conexo a 31 de dezembro No âmbito das funções

Leia mais

Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES. (em liquidação)

Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES. (em liquidação) Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST

Leia mais

Condições Gerais

Condições Gerais ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Garantias.03 Artigo 3º Capital Garantido.03 Artigo 4º Rendimento Mínimo Garantido.03 Artigo 5º Duração do Contrato.03 Artigo 6º Prémios e Comissões

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existe a possibilidade de perda do montante investido.

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existe a possibilidade de perda do montante investido. Mod. Versão 90-15 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Capital Poupança Activa (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 02/01/2006 Data fim de Comercialização: em comercialização

Leia mais

PROTOCOLO APFN/SGF. Defender a Reforma das Famílias

PROTOCOLO APFN/SGF. Defender a Reforma das Famílias PROTOCOLO APFN/SGF Defender a Reforma das Famílias A Problemática da Reforma No prazo de 20 anos, o valor das reformas dos portugueses será dos mais baixos entre os 30 países mais desenvolvidos Actualmente

Leia mais

UTILIZAÇÃO E CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE REPORTE E DE EMPRÉSTIMO DE VALORES PELAS EMPRESAS DE SEGUROS

UTILIZAÇÃO E CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE REPORTE E DE EMPRÉSTIMO DE VALORES PELAS EMPRESAS DE SEGUROS Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 9/2002-R Data: 07/05/2002 Assunto: UTILIZAÇÃO E CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE REPORTE E DE EMPRÉSTIMO DE VALORES PELAS EMPRESAS DE SEGUROS Considerando

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário

Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário De acordo com o disposto no número 2 do

Leia mais

PROSPETO OIC/FUNDO. Millennium Poupança PPR

PROSPETO OIC/FUNDO. Millennium Poupança PPR PROSPETO OIC/FUNDO Fundo de Investimento Aberto Não Harmonizado Millennium Poupança PPR 19 de fevereiro de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não envolvendo por

Leia mais

ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS DE DIVULGAÇÕES

ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS DE DIVULGAÇÕES ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS DE DIVULGAÇÕES Valor contabilístico dos instrumentos financeiros (Quadro I) a) As instituições devem apresentar na coluna valorizados ao custo histórico

Leia mais

RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES

RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar n.º 06/2004-R Data: 20/09/2004 Assunto: RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com o n.º 7 do artigo

Leia mais

PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP

PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP Gestão nacional de Organismos de Investimento Colectivo em Valores Mobiliário e de Organismos de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários Gestão nacional de Organismos

Leia mais

3) Instituições: são as entidades referidas no nº 1.º; 5) Instrumentos financeiros: são os instrumentos referidos no anexo I a este aviso;

3) Instituições: são as entidades referidas no nº 1.º; 5) Instrumentos financeiros: são os instrumentos referidos no anexo I a este aviso; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 7/96 Tendo presente o disposto na Directiva 93/6/CEE do Conselho, de 15-3-93, relativa à adequação dos fundos próprios das empresas de investimento e das instituições

Leia mais

Código dos Valores Mobiliários. Índice

Código dos Valores Mobiliários. Índice Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Código dos Valores Mobiliários (republicado pelo Decreto-Lei n.º 357-A/2007, de 31 de Outubro e alterado pelo Decreto-Lei n.º 211-A/2008,

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR POUPANÇA ACTIVA BES FUTURO

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR POUPANÇA ACTIVA BES FUTURO Informação actualizada a: 01/01/2008 Designação Comercial: PPR Poupança Activa BES Futuro Data início de Comercialização: 15/05/ Empresa de Seguros, Sociedade Anónima com endereço da sede social na Av.

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO MAPFRE Investimento Dinâmico Não Normalizado ISIN: ES0138022001 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento Fundo Autónomo (Fundo de Fundos): FondMapfre

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 1.1. Depósitos à ordem 1. Comissão de gestão/manutenção de conta Conta NB 100% (clientes particulares residentes e não residentes, maiores de 18 anos). Conta NB 100% 55+ (clientes particulares residentes

Leia mais

IRS (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA

IRS (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA IRS 2013 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) SEGUROS DE VIDA 2 SEGUROS DE VIDA Dedução dos prémios: Desde que garantam exclusivamente os riscos De morte; De invalidez; De reforma por velhice, desde que

Leia mais

Livro de reclamações

Livro de reclamações Livro de reclamações Todas as empresas têm de possuir livro de reclamações e de o disponibilizar quando os seus clientes o solicitam. Todos os fornecedores de bens e prestadores de serviços que se encontrem

Leia mais

Notas explicativas integrantes das Demonstrações Financeiras GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA (Montantes expressos em euros, excepto quando indicado)

Notas explicativas integrantes das Demonstrações Financeiras GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA (Montantes expressos em euros, excepto quando indicado) GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA (Montantes expressos em euros, excepto quando indicado) 1. Informações Gerais A Groupama Seguros de Vida, S.A. (adiante designada por Groupama Vida ou Companhia) foi constituída

Leia mais

Fundo Especial de Investimento CA RENDIMENTO CRESCENTE Registado na CMVM sob o nº 1238

Fundo Especial de Investimento CA RENDIMENTO CRESCENTE Registado na CMVM sob o nº 1238 Fundo Especial de Investimento CA RENDIMENTO CRESCENTE Registado na CMVM sob o nº 1238 RELATÓRIO DE ACTIVIDADE Fundo Especial de Investimento Aberto, com subscrições e resgates com periodicidade mínima

Leia mais

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31 GUIA FISCAL 2012 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP

PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP PRÉMIOS JORNAL DE NEGÓCIOS / APFIPP Gestão nacional de Organismos de Investimento Colectivo em Valores Mobiliário e de Organismos de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários Gestão nacional de Organismos

Leia mais

CAIXAGEST PRIVATE EQUITY *

CAIXAGEST PRIVATE EQUITY * Referência: PTYME4LE0005_20101221 PROSPECTO SIMPLIFICADO CAIXAGEST PRIVATE EQUITY * Fundo Especial de Investimento Aberto Última actualização: 21 de Dezembro de 2010 Constituído em Portugal em 22 de Dezembro

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 LISBOA Em 15 de Fevereiro de 1992, culminando um processo gradual de concertação o Conselho Coordenador do Conselho

Leia mais

BPI BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL

BPI BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL BPI BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL RELATÓRIO DE REVISÃO LIMITADA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE A INFORMAÇÃO SEMESTRAL ACOMPANHADO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 4/2013 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo

Instrução da CMVM n.º 4/2013 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo Instrução da CMVM n.º 4/2013 Carteira de Organismos de Investimento Coletivo Nos termos da legislação em vigor, as entidades gestoras de organismos de investimento coletivo devem enviar mensalmente à Comissão

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2017

SEGUROS DE VIDA IRS 2017 SEGUROS DE VIDA IRS 2017 (Lei n.º 42/2016 de 28 de dezembro) generali.pt 2 IRS 2017 - Seguros de Vida Índice I. Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1. Indemnizações

Leia mais

ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE

ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO E ENDEREÇO OFICIAIS DA ENTIDADE ADJUDICANTE: Organismo: PORTO VIVO, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense, S.A. À atenção de: Conselho

Leia mais

23548 Diário da República, 2.ª série N.º 161 19 de agosto de 2015

23548 Diário da República, 2.ª série N.º 161 19 de agosto de 2015 Saldo do ano anterior: Movimento em dinheiro nas Caixas, Banco de Portugal, como Caixa Geral do Tesouro, e outros bancos no período decorrido de 1 de janeiro a 3 de junho de 25 Entrada Fundos saídos: No

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO

1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO Declaração ATENÇÃO Aconselha-se a leitura das notas anexas antes de iniciar o preenchimento A PREENCHER PELA C.N.P.D. Autorização Registo Entrada em / / Proc. Nº. / 1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO Pessoa

Leia mais

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas NCRF14 Concentrações de actividades empresariais Definições ( 9) Concentração

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Remuneração não garantida Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte

Leia mais

7.1. Planos Poupança Reforma/Educação (PPR/E) Ano Indicador Seguros de vida

7.1. Planos Poupança Reforma/Educação (PPR/E) Ano Indicador Seguros de vida 7 OS PPR/E E PPA 7 OS PPR/E E PPA 7.1. Planos Poupança Reforma/Educação (PPR/E) Número de participantes dos PPR/E Tendo 2008 sido marcado pelo agravamento da crise financeira iniciada em 2007, seria eventualmente

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

ANÚNCIO DE E DE REDUÇÃO DE CAPITAL NO MONTANTE DE SUJEITA AINDA A DELIBERAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A.

ANÚNCIO DE E DE REDUÇÃO DE CAPITAL NO MONTANTE DE SUJEITA AINDA A DELIBERAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17-6º andar, 1070-313 Lisboa Capital Social: EUR 13.750.000,00 Com o nº único de Matrícula e de Pessoa Colectiva

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Nos termos do disposto no Artigo 242.º do Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril, compete ao Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro.2015 1 Fundos de Capital de Risco 2 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos

Leia mais

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO ALPHA 3

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO ALPHA 3 RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO ALPHA 3 30 de Junho de 2012 1. CARACTERIZAÇÃO DO FUNDO a) Objectivo e política de investimento O Espírito Santo Alpha 3 Fundo Especial de Investimento Aberto adiante designado

Leia mais

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro Portaria n.º 1458/2009 de 31 de Dezembro O Governo suspendeu, durante o ano de 2010, o mecanismo de actualização do indexante dos apoios sociais (IAS), das prestações sociais e da revalorização das remunerações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 4.444, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas técnicas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 16 de Dezembro de 2013

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 16 de Dezembro de 2013 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento do Resultado da Oferta Pública de Subscrição de 200.000.000 UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO Representativas do Fundo de Participação CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO

Leia mais

FISCALIDADE (Lei n.º 3-B/2010 de 28 de Abril e Lei nº 12-A/2010 de 30 de Junho) SEGUROS DE VIDA E PLANOS POUPANÇA REFORMA PPR

FISCALIDADE (Lei n.º 3-B/2010 de 28 de Abril e Lei nº 12-A/2010 de 30 de Junho) SEGUROS DE VIDA E PLANOS POUPANÇA REFORMA PPR FISCALIDADE 2010 (Lei n.º 3-B/2010 de 28 de Abril e Lei nº 12-A/2010 de 30 de Junho) SEGUROS DE VIDA E PLANOS POUPANÇA REFORMA PPR Página 2 de 9 Fiscalidade 2009 Seguros Vida/PPR Fiscalidade 2010 JULHO/2010

Leia mais

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I INTRODUÇÃO 1. O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro e republicado

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 ÍNDICE CONTEÚDO PÁGINA I -

Leia mais

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Entidades Comercializadoras

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Entidades Comercializadoras Mod. Versão 90-30 Informação actualizada a: 01/04/2011 Designação Comercial: Plano BES Júnior Capitalização (I.C.A.E.) Período de Comercialização: 10/04/2006 Data fim de Comercialização: 03/2007 Empresa

Leia mais

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. PPR Aforro Rendimento Especial 2008 (I.C.A.E) Existe a possibilidade de perda dos montantes investidos.

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. PPR Aforro Rendimento Especial 2008 (I.C.A.E) Existe a possibilidade de perda dos montantes investidos. 61-25 Informação actualizada a: 01/04/2011 Designação Comercial: PPR Aforro Rendimento Especial 2008 (I.C.A.E) Data início de Comercialização: 08/05/2008 Data fim de Comercialização: 30/09/2008 Empresa

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo à emissão de moedas de euro

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo à emissão de moedas de euro COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.5.2011 COM(2011) 295 final 2011/0131 (COD) C7-0140/11 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo à emissão de moedas de euro 2011/0131 (COD) Proposta

Leia mais

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento 03-04-2017 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Anexo I Informação financeira Anexo II Informação sobre os fundos próprios e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 204/95 de 2 de Julho

Decreto-Lei n.º 204/95 de 2 de Julho Não obstante todo o cuidado colocado na divulgação deste diploma, que visa sobretudo a promoção dos mercados de valores mobiliários, a CMVM não se pode responsabilizar pelo respectivo conteúdo, pelo que

Leia mais

Avisos: Esta barra do BID/ASK deve ser cortada pela metade em altura

Avisos: Esta barra do BID/ASK deve ser cortada pela metade em altura 4 fotos: 1. Conheça a maior Corretora Independente no mercado de acções e TOP5 em Obrigações 2. Plataforma CMC Next Generation Para negociação CFD s e outros derivados 3. Plataforma FINCOR TRADER Negoceie

Leia mais

Anúncio de adjudicação de contrato

Anúncio de adjudicação de contrato 1/ 18 ENOTICES_icmartins 27/10/2011- ID:2011-149873 Formulário-tipo 3 - PT União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, L-2985 Luxembourg Fax (352) 29 29-42670

Leia mais

Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais

Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais Filipa Lima Diretora-Adjunta 10 de outubro de 2014 14ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2016

SEGUROS DE VIDA IRS 2016 SEGUROS DE VIDA IRS 2016 (Lei n.º 7 - A/2016 de 30 de Março) generali.pt 2 IRS 2016 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1.

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008 A LEITURA DESTE PROSPECTO NÃO DISPENSA A CONSULTA DO PROSPECTO COMPLETO DO FUNDO E DEVE SER ACOMPANHADA PELA DEFINIÇÃO DOS TERMOS CONSTANTES DO GLOSSÁRIO (identificados com *). TIPO DE FUNDO / DURAÇÃO

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

IRC opção pelo regime simplificado

IRC opção pelo regime simplificado IRC opção pelo regime simplificado Está em curso durante o presente mês de fevereiro o prazo concedido aos sujeitos passivos de IRC para procederem à opção pelo regime simplificado de determinação da matéria

Leia mais

A Certificação (Legal) das Contas

A Certificação (Legal) das Contas N.º de caracteres:9942 A Certificação (Legal) das Contas Por Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Agosto de 2005 Revista de Contabilidade e Finanças da APPC A Certificação (Legal) das Contas, adiante designada

Leia mais

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura:

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Característi cas PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Capital e rendimento mínimo garantido a uma taxa mínima garantida de 2% em cada ano durante o prazo

Leia mais

Aviso de fusão de subfundos

Aviso de fusão de subfundos Aviso de fusão de subfundos Síntese Esta secção contém informações fundamentais sobre a fusão em que está envolvido na qualidade de accionista. Para mais informações consultar a "Comparação detalhada de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio *

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos warrants autónomos, regulando a sua emissão no mercado nacional, prevendo a admissão à negociação em mercado

Leia mais

Instrução n. o 14/2015 BO n. o

Instrução n. o 14/2015 BO n. o Instrução n. o 14/2015 BO n. o 9 15-09-2015... Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Anexo I Mapa Modelo 1 Anexo II Mapa Modelo 2 Anexo III Mapa Modelo 3 Anexo IV Instruções de

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 3/2016 Valor das Unidades de Participação de Organismos de Investimento Coletivo

Instrução da CMVM n.º 3/2016 Valor das Unidades de Participação de Organismos de Investimento Coletivo Instrução da CMVM n.º 3/2016 Valor das Unidades de Participação de Organismos de Investimento Coletivo As entidades responsáveis pela gestão de organismos de investimento coletivo devem enviar à Comissão

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para

Leia mais

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias.

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias. Interesse minoritário é a parte dos resultados e dos activos líquidos de uma subsidiária atribuível a interesses de capital próprio que não sejam detidos, directa ou indirectamente através de subsidiárias,

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO A ACTIVIDADE DAS COMISSÕES DEACOMPANHAMENTO DOS PLANOS DE PENSÕES. Instituto de Seguros de Portugal 20 de Maio de 2010

ACÇÃO DE FORMAÇÃO A ACTIVIDADE DAS COMISSÕES DEACOMPANHAMENTO DOS PLANOS DE PENSÕES. Instituto de Seguros de Portugal 20 de Maio de 2010 ACÇÃO DE FORMAÇÃO A ACTIVIDADE DAS COMISSÕES DEACOMPANHAMENTO DOS PLANOS DE PENSÕES Instituto de Seguros de Portugal 20 de Maio de 2010 Programa Conceitos base sobre Planos e Fundos de Pensões Legislação

Leia mais

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - XIII JORNADAS DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE DA APOTEC - LISBOA / CULTURGEST / 1 DE MARÇO DE 2007 - - FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - 1 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS... E NÓS SEC IOSCO PORTUGAL

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2015-2018 10 de Julho de 2015 Não dispensa a consulta do prospecto 1. ENTIDADE OFERENTE Accionistas

Leia mais