conteúdo imersão IMERSÃO PAVILHÃO DO BRASIL NA EXPO DE MILÃO 2015 RESTAURANTE CAFÉ FOYER EVENTOS LOJA Planta de Implantação 1:750

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "conteúdo imersão IMERSÃO PAVILHÃO DO BRASIL NA EXPO DE MILÃO 2015 RESTAURANTE CAFÉ FOYER EVENTOS LOJA Planta de Implantação 1:750"

Transcrição

1 PAVILHÃO DO BRASIL NA EXPO DE MILÃO 2015 N Planta de Implantação 1:750 Chegada pavilhão do Brasil. TRANÇADO CULTURAL Em um país que tem na diversidade um de seus principais atributos, a maneira pluralista de levar a vida é refletida em todas as esferas do conhecimento humano. No Brasil, a produção e o consumo de alimentos evoluem constantemente, reinventando soluções que mantêm aguçada a curiosidade de uma jovem nação de 515 anos. Aliadas à tecnologia, estas evoluções compõem um cenário promissor e significante à construção de um mundo moderno e democrático. A agricultura brasileira ruma à almejada harmonia entre crescimento e desenvolvimento, nivelando o bem estar individual e coletivo. Deste modo, seu futuro é definido a partir da organização em REDE, ou seja, da ligação entre indivíduos que compartilham da mesma missão com parceiros capazes de estreitar sinergias em busca de um propósito. Ao contrário de engessadas estruturas organizadas uniformemente, a REDE é flexível, fluída e descentralizada. Por ser plural, ela possibilita a convivência natural entre a diversidade, mantendo e valorizando as particularidades dos grupos ou pessoas envolvidas. Essa troca de conhecimento e competências, além de maximizar benefícios, alinha-se à visão contemporânea de sociedade. Essa essência não-hierárquica sempre foi própria da a gricultura, porém seu conceito não poderia ser mais atual. Os passos da história agrícola evoluíram exponencialmente com a Revolução Industrial e agora avançam ao pé da Era Digital. Hoje, o Brasil é protagonista entre os maiores produtores mundiais de arroz, café, cacau e frutas representados nos espaços desta exposição. Paralelamente a estes expoentes da produção brasileira, encontram-se os códigos culturais dominantes na identidade nacional. São traços característicos deste povo, detectados em uma pesquisa de linguagem intitulada O Sonho Brasileiro, realizada pela Box1824. Partindo de análises semióticas a respeito dos códigos brasileiros mais visíveis em diferentes culturas (Inglaterra, Alemanha, França, China, Índia, Colômbia e Nova Zelândia), o estudo cruzou a imagem interna e externa do país, detectando as quatro maiores vocações do brasileiro: Império das Cores, Fusão Criativa, Sabedoria Natural e Poder Humano. Distribuídas em uma REDE de cidadãos trabalhadores, essas características formam o mais fértil dos nossos terrenos para projetos e ideias transformadoras. É por meio da união delas que o Brasil organiza sua cultura popular. Multi-coloridas, as frutas simbolizam o mais comum dos estereótipos do Brasil vistos do exterior: o Império de Cores. É a alegria nata, a festa infinita, a leveza do espírito que está presente no bem-estar físico e emocional. Já o cacau, este decodifica a Fusão Criativa da diversidade brasileira, que vive a criatividade sem necessitar de sua institucionalização. Essa liberdade de experimentações sempre teve o papel de subverter o status quo, encontrando na escassez de recursos a grande motivação para a inovação. São culturas periféricas que transitam no coração do país. O arroz traz a Sabedoria Natural que vem da natureza e das pessoas. É o conhecimento do poder funcional da biodiversidade, uma herança indígena que inspira o redescobrimento constante de uma nação sempre curiosa por seu folclore. Por fim, o café representa a inclusão social gerada pelo Poder Humano tipicamente brasileiro. O foco nas relações humanas faz do Brasil um lugar onde a cidadania e a ética dialogam simultaneamente com diferentes crenças, gerando flexibilidade diplomática. É o calor que aproxima gente e convida para sentar e conversar. O Brasil já se distribui em REDE. Não é à toa que nossa REDE hidrográfica é a maior do mundo. Seja nas ousadas Cosmococas de Hélio Oiticica, nas delirantes instalações de Ernesto Neto ou no balanço marítimo de Dorival Caymmi, a REDE marca forte presença na iconografia cultural brasileira. O potencial contido em sua lógica impulsionará ainda mais a agricultura e as artes nacionais nos próximos anos: quanto mais pessoas se conectarem e distribuírem, mais energia e, logo, crescimento haverá. Essa total conectividade é o futuro desejado pelo Brasil. ESTENDENDO AS TRAMAS É desse futuro em rede, almejado pela nação brasileira e escrito por nosso curador, e do nosso modo de fazer arquitetura que encontramos na própria REDE o símbolo máximo do projeto para o Pavilhão do Brasil da Expo Integradas, cenografia e arquitetura partem dessa metáfora que se materializa no elemento organizador do espaço: uma grande rede de acesso ao pavilhão, um percurso que convida a conhecer a grande rede da agricultura brasileira. Agricultura essa sintetizada em quatro clusters arroz, café, cacau e frutas que organizam e orientam todo o pensamento expográfico e cenográfico do pavilhão. Para que a arquitetura abrigue, assim, tantos conceitos e um programa tão extenso em que fizesse o encontro entre a didática e a experiência sensorial, entre a tradição de nossa agricultura e a inovação que queremos apresentar ao mundo, entre o que possuímos hoje e o que almejamos buscamos para o projeto arquitetônico amplas aberturas, permeabilidade visual, fluidez no percurso e diferentes usos, intercalando apresentações de conteúdo formal, espaços lúdicos e pontos de descanso. Tendo ainda em vista a extrema preocupação com a sustentabilidade do processo de montagem e desmontagem do pavilhão, a reutilização de materiais e a facilidade de transporte optou-se por materiais pré-moldados que remetem à identidade do Brasil, como ferro e minério, além de colocações de terra. Já o programa foi disposto em duas alas, esquerda e direita, criando um joguete com o antigo conceito de lados criativo (direito) e lógico (esquerdo) do cérebro. Assim, na parte esquerda e mais longitudinal do lote, encontra-se o eixo mais lúdico e permeável de onde é possível ver tanto a World Avenue quanto um belo enquadramento do landscape de Milão enquanto à direita concentram-se os usos mais densos e as áreas técnicas. Interligados, esses eixos possibilitam que também o projeto arquitetônico e o programa nele contido sejam como uma rede estende suas tramas. conteúdo imersão wc CONCEPÇÃO ACESSOS PROGRAMA RESTAURANTE CAFÉ FOYER ADM EVENTOS LOJA IMERSÃO

2 MUSEOLOGIA E EXPOGRAFIA ALA DE ENTRADA Começando pelo eixo esquerdo, ala de entrada do pavilhão, destaca-se a experiência sensorial. Aqui, os visitantes são convidados e escolher por um entre dois diferentes percursos, igualmente interessantes, mas de propostas diferentes. A REDE De linguagem quase naïf, a rede é a materialização sensorial de seu conceito. Ela convida a caminhar por entre seu trançado e chegar à parte interna do edifício ou observar o grande eixo expositivo de outro angulo. É um convite para ver através, ver com os olhos da rede o plantio do piso térreo e seus conteúdos museográficos, referente aos quatro clusters arroz, cacau, café e frutas. Sua amorfia acontece a partir da parametrização das informações, adaptando-se as tensões da natureza. Cada vez que a rede chega ao piso, um cluster é apresentado ao visitante. Além da metáfora, cria-se com a rede, espaços lúdicos, de diversão, descanso e reflexão. Ampliando a representação do poder transformador do pensamento em rede, essa rede traz consigo a ideia da sustentabilidade: uma trama interativa em que a tensão e o movimento causado pelas pessoas gera energia para suprir parte da demanda energética do edifício. Energia essa, que será destinada à parte da iluminação do pavilhão, à irrigação dos plantios e à criação de uma paisagem sonora, como um grande instrumento musical em tempo real, uma paisagem de sons da natureza influenciada pelos visitantes. Assim, a rede será um playground informativo, interativo e metafórico. O RIO/ PLANTIO Na outra opção de percurso, a cenografia foi pensada de forma a tornar-se um grande jardim produtivo de encontros e informação. Nesse pavimento, o visitante passeia através de um rio que o leva à parte interna do edifício por entre os clusters que recriam as culturas do café, do cacau, do arroz e das frutas e entre um grande largo (praça) para encontros, manifestações culturais e troca de ideias no espaço central. Este rio, desenhado a partir da pixelização de uma paisagem do Rio Amazonas, gera a ocupação do espaço pelo uso de caixas de madeira, que ora são floreiras, ora banco, ora piso, ora mesa. Feitas de diferentes espécies de madeira nativas brasileiras, cultivadas de forma sustentável, por manejo, elas permeiam o assunto do consumo consciente. Consciência essa que chega à dimensão das caixas, pensadas de modo a otimizar o transporte em containers dimensão fixa (125 cm x 125 cm) e alturas variáveis (20, 40, 60, 80 e 100 cm) e ainda possibilitando diferentes usos para os diferentes programas criados. Para completar a experiência e apresentar os conteúdos mais técnicos e históricos a respeito da agricultura brasileira em cada um dos espaços, idealizou-se uma grande mesa interativa. No cuidado ecoeficiente, estratégias para conforto bioclimático, o uso de sprinklers com água de coleta para umidificar a vegetação e o uso de lâmpadas UV para estimular e controlar o crescimento de plantas. REDE E RIO Separados, esses dois caminhos são repletos de símbolos e conteúdo, mas ao contrapor a ideia de uma geometria regular cartesiana, referenciada na paisagem modificada pelo homem, à ideia da geometria sinérgica da rede, fortalece o entendimento dessas duas camadas, tanto esteticamente quanto conceitualmente. GALERIA PRINCIPAL Ao adentrar a galeria principal do pavilhão, os quatro clusters expandem seus conteúdos e exposições, transcendendo a agricultura e recriando-se sob o olhar social, cultural e tecnológico. Essa evolução advém do paralelo traçado entre as quatro culturas produtivas e a pesquisa O sonho brasileiro. Seu processo de idealização surgiu durante a pesquisa para a Expo 2015, quando foram encontradas quatro principais vocações do Brasil passíveis de serem exploradas como forma de crescimento nacional e pareadas aos clusters, surgindo códigos culturais simbolizados por cada plantio: a fusão criativa (inventabilidade) simbolizada pelo Cacau; o poder humano (vitalidade) simbolizado pelo Café, o império das cores (diversidade) simbolizado pelas Frutas; e a sabedoria natural (cultura) simbolizado pelo Arroz. Para a apresentação desse conteúdo, o espaço expositivo foi pensado em três camadas que se cruzam pelos quatro clusters, criando inúmeros modos de percorrer o conhecimento. A primeira camada se destina à compreensão dos Códigos Culturais. Eles são apresentados em uma grande tela que ocupa toda a extensão de uma parede e trabalha as quatro vocações da pesquisa a partir de um filme-propaganda do Brasil, com imagens e informações da própria pesquisa cruzada com as culturas dos quatro principais clusters. Na segunda, os códigos de linguagem trazem, por meio da arte brasileira, uma interpretação das quatro vocações do país e dos clusters. Para esse conteúdo interpretativo sobre o país, a curadoria relaciona artistas a cada código cultural. Espacialmente, serão apresentadas quatro instalações, representando quatro clusters, e uma central, ocupando o pé direito duplo, representando a rede brasileira. Por fim, a tecnologia é apresentada pela metáfora de um laboratório. Uma bancada ocupada com equipamentos é transformada em conteúdo interativo onde o visitante pode ver, ler e interagir com os avanços tecnológicos brasileiro, biotecnologia. Equipamentos lúdicos transformam-se em suportes para vídeo, gráficos informativos e bio-arte. SÍMBOLO Clusters formação da rede TECNOLOGIA Laboratório interativo INTERPRETAÇÃO Instalações Artísticas código de linguagem artistas sugeridos Inventividade Vitalidade Diversidade Cultura Rivane Neuenschwander Tunga Ernesto Neto Beatriz Milhazes Artur Barrio formação do plantio VOCAÇÕES projeções multimídias Fusão criativa Poder Humano Império das Cores Sabedoria Natural código cultural Sonho Brasileiro Culturas Underground Identidade Artesanal Construções Comunitá rias Política Humanizada Economia Responsável Construções Comunitárias Rituais Coletivos Inteligência Corporal Dom do Improviso Ciência da Natureza Design Natural Conhecimento Popular laboratório instalações artísticas projeções ZONEAMENTO PLANTAÇÕES

3 PROGRAMA E FLUXOS QUADRO DE ÁREAS Na área de entrada, duas opções de percurso rede ou rio trazem já a ideia de experimentar o conceito que será apresentado no pavilhão (seu projeto detalhado como é detalhado encontra-se na prancha 02). Para quem busca ir direto à Galeria Principal, uma rampa lateral em aclive suave cria esse acesso. Este primeiro pavimento fica, então, elevado em relação à World Avenue e seu acesso se dá por meio de uma rampa de inclinação suave. Seu aclive cria um pavimento térreo de uso mais eventual e organizado. Neste térreo, está disposto o espaço multiuso com auditório, com pé-direito duplo, e foyer além da pop-up store do Brasil, com artigos que exaltem as belezas e a agricultura nacional. Esta loja ainda trará uma saída alternativa, em uma praça pública, com instalações artísticas, ponto de encontro ou apenas um descanso. Neste primeiro pavimento, se organizam as três camadas do conteúdo expográfico, com a grande tela que ocupa toda a extensão de uma parede e traz um filme-propaganda do Brasil que trabalha também os clusters instalações artísticas com curadoria, que interpretam as quatro vocações do país e dos clusters e os laboratórios. Também um café, com vista para o auditório de pé-direito duplo. Destaca-se ainda o acesso à rede neste piso. No piso superior, estão dispostos o espaço de negócios, o restaurante onde acontecerá as Food Experience e o Smart City. A. AMBIENTES EXPOSITIVOS PARA PÚBLICO GERAL m 2 ² EM ÁREAS INTERNAS m 2 ² EM ÁREAS EXTERNAS m 2 ² B. AMBIENTES EXPOSITIVOS PARA CONVIDADOS m 2 ² C. ÁREA COMERCIAL m 2 ² D. ÁREA ADMINISTRATIVA m 2 ² E. ÁREAS TÉCNICAS / CIRCULAÇÃO VERTICAL / RAMPAS m 2 ² PROJEÇÃO EDIFÍCIO (GALERIA PRINCIPAL ) m 2 ² ESTRUTURA PERMEÁVEL (ALA DE ENTRADA ) m 2 ² ÁREA TOTAL OCUPADA m 2 ² ÁREAS VERDES E ABERTAS COBERTURA VERDE m 2 OPEN AIR EXHIBITION m 2 LUZ NATURAL COBERTURA VERDE eficiência térmica / coleta de águas pluviais SMART CITY tecnologia inteligente PERMEABILIDADE VISUAL estrutura para sombreamento cenográfico / integração interior e exterior FOOD EXPERIENCE mistura de sabores / educação alimentar café / menu restaurante REDE open-air exhibition / percurso interativo / experiências sensoriais, visuais, e táteis / captação de energia LABORATÓRIO inovação tecnológica / agroenergia e biotecnologia PRAÇA encontros, ações e atividades MESAS INTERATIVAS informações gerais e técnicas / multimídia interativa CLUSTERS quatro tipos de plantio / pluralidade de cultivos / tropicalização de culturas / biodiversidade ESPAÇO MULTIUSO eventos e encontros POP-UP STORE identidade visual / diversidade e criatividade brasileira

4 Corte Perspectivado S/ ESCALA LEGENDA: 01 - Acesso 02 - Loja 03 - Caixa 04 - Foyer 05 - Sala multiuso 06 - Sanitários 07 - Depósito 08 - Cozinha eventos 09 - Sala de comando 10 - Refeitório 11 - Vestiário funcionários 12 - Chapelaria 13 - Lixo Planta Pavimento Térreo 1:250

5 Cluster sob rede Espaços expositivo, instalações artísticas e mesas de laboratório. LEGENDA: 01 - Exposição 02 - Café 03 - Bar 04 - Cozinha café 05 - Salas de tradução 06 - Sanitários 07 - Depósito 08 - Área técnica 09 - Passarela Planta 1 Pavimento 1:250 INTERPRETAÇÃO Instalações Artísticas Palco retrátil Sala multiuso

6 Vazio central, conexão entre as instalações. Passarela de observação da ala de entrada e rede. LEGENDA: 01 - Exposição 02 - Lounge 03 - Restaurante 04 - Cozinha restaurante 05 - Recepção 06 - Sanitários 07 - Depósito 08 - Área técnica 09 - Sala de reunião P 10 - Sala de reunião G 11 - Sala Vip 12 - Escritório 13 - Copa 14 - Passarela Planta 2 Pavimento 1:250 Smart City No último pavimento, onde se encontram o restaurante e as salas de reuniões, deixamos um conteúdo surpresa, o trabalho da Smart City Búzios. Para a exposição, um túnel sonoro interativo em três dimensões. No piso, o desenho da cidade e suas redes identifica cada um dos oito pontos da pesquisa que são acionados com informação de imagem e som con- forme a presença dos visitantes. Nas duas laterais, projeções em vidro transparente, apresentam o conteúdo do trabalho para quem percorre a instalação e ao mesmo integra-se ao edifício. Para tornar a atividade acessível às pessoas com problemas visuais, auto-falantes direcionais complementam as explicações. Este recurso será utilizado também nas mesas interativas. Food experience Completando a experiência do visitante, o paladar será trabalhodo junto à gastronomia brasileira, mostrando a antropofagia de nossa culinária, que transforma as referências vindas de fora e recria abrasileirandoas. Experiências com design food, com a criação de um menu diversificado feito por diferentes chefs e com diferentes referências regionais, e a ideia de ter um pop-up café, que circula pelo espaço oferecendo a diversidade brasileira.

7 Foyer e lounge do pavimento térreo. Auditório / sala multiuso. LEGENDA: 01 - Cobertura verde 02 - Iluminação zenital 03 - Sombreamento 04 - Área técnica Planta Cobertura 1:250

8 LEGENDA 01 pórticos estruturais metálicos, constituídos por pilares W360x122 e vigas transversais W360x57,8 afastados de 5 metros. 02 painéis chapa metálica perfurada 03 projetores de iluminação cénica 04 caixas de som suspensas 05 rede de nylon fixa nas paredes e rampas de acesso 06 sistema de som 07 plantio de espécies variadas - cacau, café, arroz e frutas com rega automatizada 08 caixas com estrutura de madeira com revestimento em madeira para bancos, rampa e palco 09 mesa touchscreen interativa 10 rampa de acesso de cadeirante 11 piso drenante em placas pré-moldadas 12 caixas pré-moldadas para plantio com revestimento em madeira 13 banco com iluminação embutida 14 piso técnico com suportes de plástico 15 laje térrea com 0,10m de espessura, executada sobre camada de rachão colocada sobre solo compactado 16 palco infraestruturado 17 sapatas de concreto armado, interligadas por vigas de travamento 18 paredes em gesso acústico em subestrutura metálica 19 equipamento de iluminação e som 20 paredes leves de painéis madeira+cimento (tipo VIROC) com 26mm aparafusados 21 pilares metálicos - W360x isolamento térmico 23 área técnica para equipamentos de ar condicionado 24 claraboia com lâmina de água de 5cm para controlo térmico e solar 25 sistema de cobertura verde com irrigação automatizada 26 paineis de madeira+cimento (tipo VIROC) com 26mm sobre sistema de vigas metálicas 27 vigas secundárias de cobertura - W 150x18 afastadas de 1 metro 28 vigas principais alveoladas (celulares) com 535mm de altura, afastadas de 5 metros 29 condutas de ar condicionado, tubulação e fiação elétrica 30 forro em painéis de gesso 31 iluminação de emergência 32 vigas de seção variada afastadas de 5 metros 33 vigas secundárias - W 150x18 afastadas de 1 metro 34 bancada interativa Corte construtivo 1:100 Detalhes banca interativa 1:50 mesa laboratório microscópios interativos, projeção utilizando os próprio aparelhos MESA TOUCHSCREEN vidro da bancada mostrando os avanços tecnológicos relacionados com cada cluster mesa workshop amostras de sementes e estudos de biogenética, bio art em amostras científicas Mesa Interativa Display smart city montagem desmontagem Sistema Construtivo Para conceber a estrutura do edifício, de modo que fosse compatível com a inovação na experiência sensorial e a sustentabilidade no processo de construção, operação e desmontagem, além do reaproveitamento posterior das peças, iniciamos pelo estudo da história dos pavilhões da Expo. Nessa busca, percebemos que a preocupação com o impacto desses edifícios temporários para o desenvolvimento urbano é assunto de debate desde a década de 1870 e que não existem soluções únicas, tendo em vista entornos e situações individuais. Optamos por buscar, junto aos processos facilitadores e sustentáveis, soluções econômicas. O uso, então, de estruturas metálicas apresentou-se com vantagens inequívocas. Leves, elas têm transporte e manejo facilitado, com elementos (na maioria das vezes) industrializados ou pré-fabricados, seu uso em larga escala não demanda grande logística, além de o processo de montagem e desmontagem ser feito por sistemas modulares, aparafusados e de trama racional, permitindo rapidez na construção e controle de qualidade. Outro de seus benefícios, é a possibilidade de fundações direta, estruturadas por sapatas de concreto armado, interligadas por vigas de travamento. Como cuidado especial, essas estruturas necessitam apenas de pintura adequada contra corrosão atmosférica e fogo. Já no desenvolvimento da estrutura, foi primordial a adequação às normas brasileiras em vigor (ABNT) e a regulamentação europeia Eurocódigos. Base de dimensionamento estrutural a norma de referimento para estruturas italiana, chamada NTC 2008 ; Assim, para o bloco de acesso exterior, a solução proposta consiste num conjunto de pórticos estruturais metálicos, constituídos por pilares W360x122 e vigas transversais W360x57,8, afastados 5 metros entre si. Estes pórticos, revestidos do lado interno por uma malha metálica, se mantêm permeáveis, pois não possuírem cobertura. Também na edificação principal, onde serão montadas a área expositiva e de eventos, propõe-se uma estrutura de pilares metálicos W360x122, tubos circulares ou pilares compostos por chapas sobre os quais apoiam as vigas principais alveoladas (celulares) com 535mm de altura do tipo ACB da Arcelor Mittal afastadas 5 metros entre si. Sobre as vigas principais apoiam as vigas secundárias W 150x18 que estarão afastadas 1 metro e garantirão o apoio aos painéis de VIROC 26mm de espessura. Estes painéis, feitos de aglomerado de madeira e cimento, apresentam uma resistência estrutural adequada às cargas permanentes e sobrecargas previstas neste tipo de edificações. Além da segurança estrutural, esses aglomerados apresentam características acústicas e térmicas bastante favoráveis e permitem a aplicação de vários tipos de acabamento. Ainda para o pavimento térreo, propõe-se uma laje térrea com 0,10m de espessura, executada sobre camada de rachão colocada sobre o solo existente compactado. Ecoeficiência Ao elaborar o projeto para a Expo 2015, aplicamos princípios básicos de arquitetura bioclimática e eficiência energética. A análise das modificações climáticas, ao longo dos seis meses de exposição, foi o ponto de partida para toda a estratégia de gestão ambiental. Entre as ações desenvolvidas estão: - modulação e uso de componentes industrializados para racionalização da obra e redução do desperdício de materiais; - escolha de materiais de acordo com seu ciclo de vida e facilidade de manutenção; - uso de ventilação natural para criar sistema misto de esfriamento que reduz a utilização de ar condicionado; - criação de amplos espaços de vegetação, que ajudam no conforto térmico; - estrutura permeável, que protege de insolação excessiva; - amplo uso de iluminação natural indireta; - uso águas pluviais captadas pelas coberturas e direcionadas a cisternas de armazenamento para reutilização posterior na irrigação e em vasos sanitários (águas cinza); - sistema de geração de energia por meio do uso das redes.

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL Menção Honrosa Nova Friburgo Autor: Luis Eduardo Loiola de Menezes Aproximações O terreno destinado a implantação do Centro Cultural de Eventos e Exposições consiste em uma gleba, de posse do governo do

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL CABO FRIO: TERRAS DAS ÁGUAS Autor: Edvan Isac Santos Filho Cabo Frio e a Concepção Paisagens naturais praianas em tons pastéis que passeiam do branco, bege, ocre e terra das areias, do verde oliva das

Leia mais

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005 PETOBRAS VITÓRIA Vitória - ES - 2005 MEMORIAL O partido tem como premissa a ocupação do território não considerando-o como perímetro, e sim como volume, ou seja, apreende deste sítio, sua estrutura geomorfológica.

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETORES: -Administrativo - Artístico - Técnico - Público e de Convivência Programa de necessidades e pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente Descrição

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo DIRETRIZES AMBIENTAIS CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL JARDIM ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO IMPACTO AMBIENTAL DA OBRA Racionalizar acessos, transporte e

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO Termo de Referência Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO A. Arena Carioca da Penha e seu entorno O edifício principal, em forma de hexágono com 15m em cada lado possui 1.083 m 2 de área

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153 CADERNO TÉCNICO COMPLEXO Previsão Torres Residenciais Previsão Torre Comercial Fase 2 Torre Comercial Fase 1 Shopping IGUATEMI Previsão Hotel BR 153 Marginal BR 153 Imagem preliminar do complexo Iguatemi

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br

SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009 11 3159 1970 MEMORIAL A concepção Quando da visita ao terreno, ansiosos por conhecer o lugar a ser implantado o novo edifício do SESC, tivemos uma

Leia mais

UM JARDIM AGRÍCOLA Memorial Expositivo Memorial Arquitetônico O Percurso Introdução Estrutura

UM JARDIM AGRÍCOLA Memorial Expositivo Memorial Arquitetônico O Percurso Introdução Estrutura UM JARDIM AGRÍCOLA Memorial Expositivo O percurso perpassa um cinema imersivo com narrativas ficcionais, onde o visitante faz uma viagem no tempo, do alimento pronto à plantação; numa grande estufa então

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

COM A FORMA INSPIRADA NUM CORPO CELESTE, O PLANETÁRIO DO CARMO OFERECE AS CONDIÇÕES TÉCNICAS IDEAIS PARA ESPETÁCULOS ASTRONÔMICOS

COM A FORMA INSPIRADA NUM CORPO CELESTE, O PLANETÁRIO DO CARMO OFERECE AS CONDIÇÕES TÉCNICAS IDEAIS PARA ESPETÁCULOS ASTRONÔMICOS CÉU DE AÇO E FIBRA COM A FORMA INSPIRADA NUM CORPO CELESTE, O PLANETÁRIO DO CARMO OFERECE AS CONDIÇÕES TÉCNICAS IDEAIS PARA ESPETÁCULOS ASTRONÔMICOS Com inspiração na forma espiralada de uma nebulosa,

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA Elisa Furian elisafurian@outlook.com COBERTURAS Constituem estruturas de múltipla função que tem por objetivo:

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Cidade das Artes inicia em maio sua programação

Cidade das Artes inicia em maio sua programação Cidade das Artes inicia em maio sua programação Em janeiro, Rock in Rio, o Musical abriu o novo espaço cultural em sistema de soft opening Fotos em alta resolução: www.factoriacomunicacao.com Depois de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO

SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO Esta apresentação é uma releitura calcada inteiramente no texto de autoria do Arq.José Daher Caligrafia de Idéias & Negócios AGENDA INTRODUÇÃO PREMISSAS

Leia mais

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP ABSTRACT A construção pré-fabricada trata-se da utilização de elementos já produzidos antes do processo construtivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS PROPRIETÁRIO DATA: 03/08/2012 VERSÃO: 03 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO DOS ACABAMENTOS DAS UNIDADES... 3 1.1. CONJUNTOS DO PAVIMENTO TIPO (5 AO 13 )...

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS. EMPREENDIMENTO: CONSTRUÇÃO DE QUADRA POLIESPORTlVA COBERTA PROPONENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUIZ GONZAGA. ÁREA DA UNIDADE: 906,06 m². LOCAL: Rua Gen. Portinho, Qd. 196 Bairro Duque de Caxias São

Leia mais

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior Detalhes Balanços arrojados Moderna, a fachada tem importante função estética, mas também é uma grande aliada para minimizar a incidência de raios solares e garantir mais privacidade do projeto Arquiteto:

Leia mais

Descritivo Básico de Medidas Espaço Infinitto

Descritivo Básico de Medidas Espaço Infinitto Descritivo Básico de Medidas Espaço Infinitto 1. Fachada: Revestido em espelho fosco Decorflou Screen 4mm, fixado em painel cimentício preso à estrutura metálica; Lateral da fachada revestido em Pertech;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Maria Emília Penazzi mepenazzi@yahoo.com.br Prof. Dr. Alex Sander Clemente

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

GESTÃO DE PRODUTOS PARA OBRAS INDUSTRIAIS

GESTÃO DE PRODUTOS PARA OBRAS INDUSTRIAIS GESTÃO DE PRODUTOS PARA OBRAS INDUSTRIAIS Terrenos Projetos Pisos Sondagem Pré-Fabricados Venezianas Terraplenagem Estruturas Metálicas Estacas O Logo A Cruz de Malta, conhecida como o símbolo do guerreiro

Leia mais

MERCADOS DE ATENDIMENTO. construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações.

MERCADOS DE ATENDIMENTO. construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações. Vídeo Institucional MERCADOS DE ATENDIMENTO construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações. NOVOS MERCADOS Defesa, Saúde, Habitacional,

Leia mais

L U M E A R Q U I T E T U R A. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento.

L U M E A R Q U I T E T U R A. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento. c a p a Salas de exposições do mezanino. Obras de arte receberam mesmo sistema de iluminação flexível

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

BMW Welt Munique. Dados e fatos

BMW Welt Munique. Dados e fatos BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL PROJETO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Autores: Claudio Libeskind, Sandra Llovet, Mario Lotfi, David Ruscalleda Nesta cidade, feita de sucessivas adições, de fragmentos, o projeto sobrepõe outros, criando

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Rigor, rapidez e qualidade de execução.

Rigor, rapidez e qualidade de execução. Rigor, rapidez e qualidade de execução. FAUSTINO E FERREIRA CONSTRUÇÕES METÁLICAS, SA 04 COMPONENTES E CONSTRUÇÕES METÁLICAS Somos uma empresa da indústria metalomecânica, especializada na concepção e

Leia mais

Todos os elementos são montados sobre rodas e retraem-se uns dentro dos outros. Por isso o funcionamento é muito flexível.

Todos os elementos são montados sobre rodas e retraem-se uns dentro dos outros. Por isso o funcionamento é muito flexível. Índice 1 Modelos... 2 2 Detalhes Técnicos... 11 3 Materiais Utilizados... 17 4 Principais Benefícios... 17 5 Segurança... 18 6 10 Boas Razões para escolher CZN-Coberturas Telescópicas... 18 7 CZN-Coberturas

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MEMORIAL DESCRITIVO Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fevereiro/2007 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é complementar as informações

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1)

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1) CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 12, 13 e 14 de Setembro 2006 SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1) Cristiane Lopes Henriques (2) Arlene

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER Ficam na cobertura, 9º andar. Esta composta por Salão de festas, Espaço gourmet, Fitness center, Sala de jogos e web, Piscina borda infinita e Solarium. - Salão Festas:

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Perspectiva artística. curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Commercial Properties HORTOLÂNDIA A LOG ComMercial Properties A LOG Commercial Properties, empresa do grupo

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Praça Governador Ivo Silveira, 296 Centro Garopaba/SC. CEP 88.495-000 Fone/Fax: (048) 3254.8100

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO 1 I. CONTEXTUALIZAÇÃO O presente documento detalha o Plano de Trabalho 2013/2015 do CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM, e se enquadra dentre as Ações

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Concepções estruturais 1 ª aula Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Ante - Projeto O que você quer? Satisfazer as necessidades e possibilidades do cliente; Espaços; Volume; Estética. Ante -

Leia mais

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun REPORTAGENS Terreno em declive Mar e floresta ao alcance dos olhos O lote íngreme abriga uma casa "flutuante" com três níveis, cercada pelo verde e com vista para a praia Texto: Débora Borges Fotos: Ale

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26, 5(9(67,0(1726'(7(726 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, 5HYHVWLPHQWRVGH7HWRV

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 14/05/2015 1 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015 Avaliação: o Conceitos de projeto (I: 50%, II: 50% e para Exame: 30%) o Representação gráfica

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA REVISTA AU REFERÊNCIAS DE APLICAÇÃO DE PISO ELEVADO O CHÃO QUE VOCÊ PISA......VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA 1- Quais as principais diferenças entre pisos elevados para áreas internas e externas? E

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais