COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA"

Transcrição

1 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA Francisco Manuel Henriques de Sena Cardoso Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente: Doutor José Manuel Matos Noronha da Câmara Orientador: Doutor Júlio António da Silva Appleton Vogal: Professor Convidado Carlos Alberto de Brito Pina Outubro de 008

2

3 RESUMO/ABSTRACT RESUMO A presente dissertação tem como objectivo discutir a temática das cascas em betão armado e préesforçado. Com esse efeito, elaborou-se um estudo onde além de avaliar o comportamento estrutural deste tipo de solução se definiu também os princípios que regulamentam o seu dimensionamento. Dentro das soluções estruturais eistentes, as cascas destacam-se por apresentarem uma grande eficiência na resposta às acções a que são sujeitas sendo o eemplo perfeito de como aumentar a resistência pela forma em oposição à resistência pela massa. O mecanismo resistente é caracterizado pelo desenvolvimento de esforços no plano esforços de membrana associados a esforços de fleão pouco relevantes com ecepção das zonas próima dos bordos da casca. Por esse motivo, em oposição a uma teoria geral da fleão eacta e complea é usual considerar para efeitos de pré-dimensionamento a teoria da membrana que tem como principal simplificação negligenciar na análise os esforços de fleão e corte. O dimensionamento de cascas em betão armado e pré-esforçado seguiu a metodologia proposta pelo Eurocódigo sendo apresentado adicionalmente a metodologia proposta pelo ACI American Concrete Institute e pela IASS International Association for Shell and Spatial Structures. Para terminar, foi desenvolvida uma cobertura do tipo casca em betão armado onde se procurou ilustrar os conceitos desenvolvidos ao longo da dissertação Palavras-Chave: Betão Armado e Pré-esforçado, Cascas em Betão, Dimensionamento de Cascas, Modelo Sandwich. i

4 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA ABSTRACT This thesis aim is to discuss the reinforced concrete shells issue. With that purpose, it was developed the present work where besides the evaluation of shells structural behaviour, it was also defined the code principles that govern its design. Among the known structural solutions, shells stand out b their high efficient response to eternal actions, being the perfect eample of strength through form opposed to strength through mass. The resistant mechanism is characterized b the development of in-plane internal forces membrane forces associated with low relevant bending forces that onl gain importance near the edges. For this reason, in several practical cases and at the conceptual stage, the designer ma carr an easier shell analsis according to the membrane theor opposed to the more comple bending theor. About the shell design, the methodolog presented follows the proposed b Eurocode with an additional reference to the ACI American Concrete Institute and IASS International Association for Shells and Spatial Structures documents. Finall, it was developed a reinforced concrete shell roof with the purpose of illustrating the several concepts reported along the thesis. Kewords: Reinforced Concrete, Concrete Shells, Shell Design, Sandwich Model. ii

5 AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Professor Júlio Appleton, pela dedicação e empenho que demonstrou na realização desta dissertação bem como pela cordialidade e amizade com que sempre me recebeu. Ao Engenheiro Carlos Ferreira, pela disponibilidade e auílio prestado com o programa de cálculo automático SAP000. À Fundação Calouste Gulbenkian pela aposta que fez em mim e pelas generosas bolsas de mérito que fui recebendo ao longo dos meus estudos superiores. Aos meus Pais pelo carinho, incentivo e princípios que me transmitiram ao longo da minha vida e que me permitiram levar esta dissertação a bom porto. Ao meu Mano, pela boa disposição e paciência que teve comigo nos últimos meses. Finalmente, aos meus colegas e amigos que de uma maneira ou outra contribuíram para o desenrolar da dissertação. iii

6 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA iv

7 ÍNDICE ÍNDICE 0. Introdução Enquadramento e objectivos da dissertação Organização em capítulos 1 1. Generalidades de cascas em betão armado e pré-esforçado Definição de casca Vantagens e desvantagens das cascas em betão armado e pré-esforçado Abordagem histórica de cascas de betão armado e pré-esforçado Classificação de cascas 13. Análise de elementos de casca Esforços num elemento de casca. Teoria da membrana e teoria da fleão 19.. Cascas cilíndricas Teoria da membrana Esforços de membrana Deformações de membrana Teoria da fleão 3.3. Cascas de revolução de dupla curvatura Teoria da membrana Esforços de membrana Deformações de membrana Teoria da fleão 4.4. Teoria geral da membrana Esforços Deformações Cascas de translação e regradas de dupla curvatura Parabolóide hiperbólico Teoria da membrana Parabolóide elíptico Teoria da membrana Conóide Teoria da membrana 5.6. Cascas funiculares 5.7. Teoria geral da fleão Novas geometrias de cascas Instabilidade de cascas Métodos numéricos de análise 64 v

8 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA 3. Dimensionamento e disposições construtivas de cascas em betão armado e pré-esforçado Dimensionamento aos estados limite últimos (ELU) Verificação de segurança nas armaduras Verificação de segurança no betão comprimido Verificação de elementos de casca Verificação da segurança à instabilidade Relativamente a outros documentos normativos Dimensionamento aos estados limite de utilização (ELUtil) Controlo do estado limite de utilização à fendilhação Controlo do estado limite de utilização à deformação Relativamente a outros documentos normativos Disposições construtivas específicas EN Relativamente a outros documentos normativos Aspectos de eecução Cofragens e escoramentos Armaduras Betão e betonagem Acabamentos Pré-fabricação Caso prático: Cobertura tipo casca em betão armado e pré-esforçado Enquadramento do problema Materiais Acções Acções permanentes Acções variáveis Segurança estrutural Concepção e modelação da estrutura Análise de esforços Dimensionamento Verificação ao estado limite último de esforço transverso Verificação da compressão no betão e das armaduras Verificação de segurança à fendilhação Verificação de segurança à deformação Dimensionamento da viga/arco de bordo Verificação da segurança ao deslizamento das fundações Instabilidade de cascas Conclusão 131 vi

9 ÍNDICE 6. Bibliografia 135 Aneo A Esforços de membrana para cascas cilíndricas de várias directrizes 139 Aneo B Coeficientes C, C e C s para a determinação de esforços no parabolóide elíptico [Parme; 1956] 143 Aneo C Esforços num conóide sob a acção do peso próprio para várias directrizes 145 Aneo D Cálculo directo da largura característica de fendas [EN ] 147 Aneo E PEÇAS DESENHADAS 149 vii

10 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA viii

11 ÍNDICE DE FIGURAS / ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS 1-1 Modelo que ilustra a eficiência das cascas de dupla curvatura relativamente às lajes [Chilton; 000] 4 1- Cúpula do Panteão em Roma [Wikipedia; 008] Cúpula da Basílica de Santa Sofia em Istambul [Wikipedia; 008] Cúpula da Basílica de Santa Maria del Fiore em Florença [Wikipedia; 008] Cúpula da Basílica de São Pedro em Roma [Wikipedia; 008] Cúpulas da Mesquita Azul em Istambul [Wikipedia; 008] Taj Mahal em Agra [Wikipedia; 008] Palácio dos Desportos em Roma [Structurae; 008] CNIT em Paris [Structurae; 008] Kingdome em Seattle [Wikipedia; 008] Terminal TWA no Aeroporto Internacional John Kenned em Nova Iorque [Structurae; 008] Restaurante Xochimilco na cidade do Méico [Structurae; 008] Casa da Ópera em Sidne [Structurae; 008] Centro Bürgi Garden em Camorino [Structurae; 008] Hangar do Aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto [Viseu; 1993] Hangar do Aeroporto da Portela em Lisboa [Viseu; 1993] Pavilhão Rosa Mota no Porto [Wikipedia; 008] Planetário Calouste Gulbenkian [Sítio do Planetário; 008] Silos parabólicos da Fábrica de Secil em Outão [Viseu; 1993] Pala do Pavilhão de Portugal em Lisboa [Wikipedia; 008] Representação de uma superfície no referencial ortogonal --z Representação esquemática de alguns conceitos geométricos da teoria das superfícies [Adaptado de Kelkar, Sewell; 1987] Raios de curvatura de algumas superfícies de revolução [Adaptado de Kelkar, Sewell; 1987] Eemplos de superfícies de translação: a) parabolóide elíptico, b) parabolóide hiperbólico e c) parabolóide hiperbólico como superfície regrada [Adaptado de Ramaswam; 1984] Eemplos de superfícies regradas: a) hiperbolóide de revolução, b) conóide [Adaptado de Ramaswam; 1984] Anagrama da classificação proposta pela Indian Standard Criteria for the Design of Reinforced Concrete Shells and Folded Plates 17-1 Campo de tensões num elemento de casca genérico [Flügge; 1973] 19 - Variação na espessura da largura do elemento de casca 0-3 Esforços num elemento de casca genérico [Adaptado de Ramaswam; 1984] 1-4 Condições de apoio da casca [Montoa et al.; 1981] -5 a) conjunto de cascas cilíndricas adjacentes; b) conjunto de cascas contínuas [Adaptado de Ramaswam; 1984] 4-6 Morfologia usual de uma casca cilíndrica simples [Adaptado de Ramaswam; 1984] 4-7 Configurações típicas de diafragmas 5-8 Elemento de casca cilíndrica estado de membrana [Adaptado de Ramaswam; 1984] 6-9 Resultante radial dos esforços de arco 7-10 Componentes do peso próprio 9-11 Componentes da carga distribuída em plano horizontal 9-1 Componentes do deslocamento Eemplo de cúpula 33 i

12 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA -14 Elemento genérico de casca de revolução [Adaptado de Kelkar, Sewell; 1987] Elemento genérico de casca de revolução [Flügge; 1973] Cúpula esférica Cúpula esférica de topo não fechado Decomposição da força concentrada na componente meridional e horizontal [Ramaswam; 1984] a) Cúpula elíptica; b) Cúpula parabólica; c) Cúpula ogival [Guerrin; 1964] 39-0 Relações deformação-deslocamento [Flügge; 1973] 41-1 Elemento genérico de casca teoria geral da membrana [Ramaswam; 1984] 43 - Relações deformação-deslocamento [Flügge; 1973] 45-3 Eemplos de configurações de cascas do tipo parabolóide hiperbólico [Chatterjee; 1971] 47-4 Geometria do parabolóide hiperbólico [Adaptado de Guerrin; 1964] 47-5 Parabolóide hiperbólico 48-6 Parabolóide elíptico 50-7 Conóide [Adaptado de Ramaswam; 1984] 51-8 Representação esquemática da deformação do bordo da casca funicular 54-9 Elemento de casca num referencial de coordenadas curvilíneas α e β Modelos físicos do método da membrane pneumárica [Isler; 1994 e Chilton; 000] Cascas inspiradas no método da membrana pneumática [Chilton; 000 e Structurae; 008] 58-3 Modelos físicos do método da membrana suspensa [Isler; 1994 e Chilton; 000] Cascas inspiradas no método da membrana suspensa [Structurae; 008] Casca inspirada no método do fluo imposto [Structurae; 008] Alguns parabolóides hiperbólicos de Féli Candela [Wikipedia; 008 e Structurae; 008] Modelo da autoria de Lobo Fialho [Fialho; 1966] Coeficiente de instabilidade de cascas cilíndricas k em função de Z [Ramaswam; 1984] Elemento plano de betão armado sujeito a esforços de membrana Equilíbrio de um elemento sujeito a esforços de membrana Elementos planos sujeitos a esforços de membrana: a) n 0; b) n 0 [Brondum-Nielsen; 1971] Representação gráfica da região onde F e F são forças de tracção Zona I [Brondum-Nielsen; 1971] Representação gráfica das zonas I, II, III e IV [Adaptado de Brondum-Nielsen; 1971] Máima força de compressão para elementos planos sujeitos aos estados de tensão I, II e III Círculo de Mohr relativo ao estado plano de compressão biaial (compressões tomadas positivas) Representação gráfica das zonas I, II, III e IV [Adaptado de Brondum-Nielsen; 1971] Variação do coeficiente de Ottosen h com α [Almeida, Cruz; 004] Esforços internos de uma casca. [EN199-; 005] Solução do modelo do tipo sandwich Esforços aiais de membrana e de fleão nas camadas eteriores. [EN199-; 005] Esforços tangenciais de membrana e de torção nas camadas eteriores. [EN199-; 005] Faceta onde se desenvolve o esforço de corte máimo v Ed Comportamento pós-encurvadura das cascas [IASS, 1979] 84 u 3-16 Carga crítica p cr tendo em conta o efeito das grandes deformações e imperfeições geométricas [IASS, 1979] Valores do coeficiente Ψ [IASS, 1979] Valor da carga crítica tendo em conta o efeito da fendilhação e das armaduras p [IASS, 1979] Variação do factor de redução r com o ângulo entre a armadura e a direcção principal de tracção [Adaptado de IASS, 1979] 88 u cr, arm

13 ÍNDICE DE FIGURAS / ÍNDICE DE TABELAS 3-0 Diâmetros máimos dos varões para garantir o controlo da fendilhação em elementos sujeitos a tracção [EN199-3; 006] Espaçamento máimo dos varões para garantir o controlo da fendilhação em elementos sujeitos a tracção [EN199-3; 006] 9 3- Esquema das armaduras de bordo livre numa casca [EN ; 004] Representação de uma secção tipo em: a) betão armado; b) betão pré-esforçado (soluções genéricas) Barrotes de madeira apoiados em treliças metálicas suportando os painéis de madeira [Isler; 1994] Cofragem de terra [Gülkan et al; 1994] Colocação de armaduras [Chilton, 000] Aplicação de betão projectado [Chilton; 000] Diferentes fases do processo de betonagem: a) colocação do betão, b) vibração do betão, c) superfície alisada e d) aspecto final [Chilton; 000] Modelo final da solução estrutural Esforço n Ed para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [kn/m] Esforço n Ed para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [kn/m] Esforço n Ed para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [kn/m] Esforço m Ed para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [knm/m] Esforço med para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [knm/m] Esforço med para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [knm/m] Esforço ved para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [kn/m] Esforço ved para a combinação fundamental com a acção base sobrecarga [kn/m] Esforço ned para a combinação fundamental com a acção base sismo [kn/m] Esforço ned para a combinação fundamental com a acção base sismo [kn/m] Esforço ned para a combinação fundamental com a acção base sismo [kn/m] Esforço med para a combinação fundamental com a acção base sismo [knm/m] Esforço med para a combinação fundamental com a acção base sismo [knm/m] Esforço med para a combinação fundamental com a acção base sismo [knm/m] Esforço ved para a combinação fundamental com a acção base sismo [kn/m] Esforço ved para a combinação fundamental com a acção base sismo [kn/m] Deformada esquemática da casca para a combinação quase permanente de acções Deformação da casca a direcção vertical para a combinação quase-permanente de acções [mm] 13 ÍNDICE DE TABELAS -1 Epressão matemática da geometria funicular de algumas cascas de dupla curvatura (bordos apoiados a z = 0) Valores recomendados de w ma (mm) [EN ; 004] Diâmetros máimos dos varões para garantir o controlo da fendilhação [EN ; 004] Espaçamento máimo dos varões para garantir o controlo da fendilhação [EN ; 004] Largura de fendas admissíveis [ACI 4R-80] Deformações máimas admissíveis [ACI ] Recobrimento mínimo, c min,b, requisitos relativos à aderência [EN ; 004] Classificação estrutural recomendada [EN ; 004] Valores do recobrimento mínimo, c min,dur (mm), requisitos relativos à durabilidade das armaduras para betão armado [EN ; 004] 97 i

14 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA 3-9 Valores do recobrimento mínimo, c min,dur (mm), requisitos relativos à durabilidade das armaduras de pré-esforço [EN ; 004] Classes de resistência dos betões que permitem diminuir o recobrimento c min,dur [LNEC E 464; 005] Espaçamento máimo dos varões s ma,slabs r em cascas de betão armado e pré-esforçado [Adaptado da EN ; 004] Valores do recobrimento mínimo segundo as recomendações do ACI e IASS [Adaptado de ACI e IASS, 1979] Espaçamentos mínimos e máimos segundo as recomendações do ACI e IASS [Adaptado de ACI 334-1R-9 e IASS, 1979] Características dos materiais estruturais empregues Coeficientes de redução da acção do vento Espectros de resposta para os dois tipos condicionantes numa estrutura de Betão Armado para a zona A em tipo de solo II (coeficiente de amortecimento de 5%) Coeficientes de redução da acção da temperatura Coeficientes de segurança Esforços de corte actuantes Esforços de membrana e fleão/torção nas 4 zonas para a combinação fundamental Esforços de membrana nas camadas eteriores para as 4 zonas na combinação fundamental Esforços de membrana e fleão/torção nas 4 zonas para a combinação sísmica Esforços de membrana nas camadas eteriores para as 4 zonas na combinação sísmica Forças de tracção e armaduras para as 4 zonas na combinação fundamental Forças de tracção e armaduras para as 4 zonas na combinação sísmica Forças de compressão máimas e admissíveis para as 4 zonas na combinação fundamental Verificação à fleão composta da viga de bordo 17 A-1 Esforços de membrana numa casca cilíndrica circular simplesmente apoiada nas etremidades 139 A- Esforços de membrana numa casca cilíndrica cicloidal simplesmente apoiada nas etremidades 140 A-3 Esforços de membrana numa casca cilíndrica catenoidal simplesmente apoiada nas etremidades 140 A-4 Esforços de membrana numa casca cilíndrica parabólica simplesmente apoiada nas etremidades 141 A-5 Esforços de membrana numa casca cilíndrica elíptica simplesmente apoiada nas etremidades 14 B-1 Coeficientes C, C e C s para f /f = B- Coeficientes C, C e C s para f /f = 0, B-3 Coeficientes C, C e C s para f /f = 0, B-4 Coeficientes C, C e C s para f /f = 0, B-5 Coeficientes C, C e C s para f /f = 0,0 144 ii

15 0. INTRODUÇÃO 0. INTRODUÇÃO 0.1. ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS DA DISSERTAÇÂO Em qualquer projecto de uma estrutura o projectista tem sempre dois objectivos: primeiro, obter uma solução estrutural que obedeça aos requisitos de funcionalidade e de segurança (e com menor relevância, de estética) e, segundo, atingir o primeiro objectivo do modo mais económico possível. Este aspecto conduz a um envidar de esforços por parte dos engenheiros no sentido de descobrir novos materiais de construção que sejam simultaneamente mais resistentes e baratos bem como desenvolver novas formas que resistam às acções de modo mais eficaz. Uma das soluções estruturais mais eficientes e que apresenta melhor comportamento estrutural são as cascas em betão armado e pré-esforçado. As cascas apresentam uma grande diversidade de geometrias o que contribui para a sua versatilidade e permite que sejam aplicadas em campos da engenharia tão diversos como: coberturas, reservatórios, silos, túneis, canais, fundações, torres de arrefecimento, infraestruturas desportivas/militares/aeroportuárias, entre outras. O projecto de cascas em betão armado e pré-esforçado é, na maior parte das vezes, desafiante e compleo mas origina obras notáveis dignas de entrar no panteão da engenharia. Projectistas como Pier Luigi Nervi ( ), Ove Arup ( ), Eduardo Torroja ( ), Nicolas Esquillan ( ), Féli Candela ( ) e Heinz Isler (196- ) são autores de alguns dos epoentes máimos deste tipo de estrutura. Apesar da potencialidade das cascas em betão armado e pré-esforçado e após terem atingido o seu apogeu entre 1950 e 1975, observou-se nas últimas décadas do século XX um progressivo declínio deste tipo de estruturas em muito relacionado com o aumento do custo da mão-de-obra elemento com uma grande influência no custo global das cascas em betão. Pese esse factor, este declínio tem tendência a ser invertido uma vez que os novos avanços nas tecnologias de construção e eecução das estruturas de betão associado às mais valias estruturais e arquitectónicas podem relançar as cascas como uma solução de futuro. Esta dissertação tem como principal objectivo apresentar a solução estrutural tipo casca em betão armado e pré-esforçado como uma alternativa viável no projecto de coberturas. Com esse fim apresentam-se: as principais características, vantagens e desvantagens deste tipo de estrutura; descreve-se o seu comportamento e o mecanismo resistente que desenvolvem quando sujeitas a algum tipo de acção; apresentam-se as verificações de segurança tanto aos estados limites últimos como aos de utilização que permitem o seu dimensionamento segundo os principais regulamentos e as disposições construtivas e de eecução a ter em conta. Para terminar, apresenta-se um caso prático que visa descrever o dimensionamento de uma cobertura em betão armado e pré-esforçado. 0.. ORGANIZAÇÃO EM CAPÍTULOS O conteúdo da presente dissertação encontra-se organizado segundo 4 capítulos principais referentes às temáticas abordadas. 1

16 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA No primeiro capítulo designado Generalidade de cascas em betão armado e pré-esforçado apresentase a definição geral de casca indicando as respectivas vantagens e desvantagens. De seguida, descreve-se algumas obras marcantes, realizadas ao longo dos tempos, utilizando esta solução estrutural. Termina-se com um sistema de classificação de cascas baseado nas suas características geométricas. No segundo capítulo designado Análise de elementos de casca descreve-se o mecanismo resistente das cascas, apresentando para algumas geometrias comuns de coberturas resultados úteis ao seu prédimensionamento/dimensionamento. No terceiro capítulo designado Dimensionamento e disposições construtivas de cascas em betão armado e pré-esforçado descreve-se o modo de dimensionamento destes elementos tendo em conta as verificações de segurança regulamentares. Apesar de este capítulo estar principalmente centrado nos regulamentos europeus/portugueses há uma pequena abordagem ao regulamento americano e às recomendações da IASS (International Association for Shell and Spatial Structures). Termina-se com algumas considerações sobre o processo construtivo deste tipo de solução. No quarto capítulo designado Caso prático: Cobertura em casca de betão armado e pré-esforçado procura-se ilustrar os conceitos abordados na dissertação através da concretização de uma casca em betão armado e pré-esforçado.

17 1. GENERALIDADES DE CASCAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO 1. GENERALIDADES DE CASCAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO 1.1. DEFINIÇÃO DE CASCA Toda e qualquer parte de uma estrutura, máquina ou objecto é um elemento tridimensional por muito pequenas que sejam as suas dimensões. Apesar disso, na maior parte das estruturas associadas à engenharia civil, não é necessário recorrer à teoria elástica tridimensional para obter as tensões e deformações, de facto, nas estruturas em que alguma(s) dimensão(ões) seja(m) consideravelmente inferior(es) às restantes é possível aproimar fisicamente o elemento por uma linha ou por uma superfície. No primeiro caso elemento linear o elemento consiste na materialização de uma linha, ou seja, apresenta uma dada secção que se desenvolve ao longo de um eio. Pilares, vigas, tirantes, arcos são alguns eemplos de elementos estruturais que se enquadram neste grupo. No segundo caso elemento de área o elemento consiste na materialização de uma superfície, ou seja, desenvolve-se segundo duas direcções apresentando uma certa espessura. Lajes e cascas são alguns eemplos de elementos estruturais que pertencem a este grupo. Define-se casca como um elemento bidimensional de superfície curva e que estruturalmente tem tendência para suportar as acções desenvolvendo maioritariamente esforços no plano. A definição implica que a espessura seja pequena quando comparada com as outras dimensões [Flügge; 1973]. Consoante a espessura, as cascas podem ser classificadas em finas ou espessas. Nas cascas finas, a espessura é bastante inferior às restantes duas dimensões o que leva a que nestas estruturas, a rigidez no plano seja substancialmente superior à rigidez de fleão, ou seja, salvo condições de apoio que o impossibilitem, a estrutura resiste às acções desenvolvendo maioritariamente esforços no plano com esforços de fleão mínimos e esforço de corte desprezáveis. As coberturas, depósitos, torres com solução estrutural do tipo casca pertencem, em geral, ao grupo das cascas finas. Nas cascas espessas, a espessura é inferior às restantes duas dimensões, no entanto, pode atingir valores consideráveis, de tal modo que o rácio rigidez de fleão, rigidez no plano não é tão pequeno quanto nas cascas finas o que dá origem a esforços de fleão relevantes e a uma deformação por corte não ignorável. Uma correcta análise deste tipo de cascas carece de uma teoria um pouco mais complea que a que se desenvolve nesta tese. Alguns túneis e paredões de barragens tipo abóbada pertencem ao grupo das cascas espessas [Guerrin; 1964];. È difícil definir, dada a variedade de geometrias, condições de apoio e materiais empregues nas cascas, um valor limite para classificar o elemento como casca fina ou espessa. No entanto, segundo Ramaswam, para a maior parte das cascas, se a espessura for inferior ao raio de curvatura/0, a casca pode ser analisada correctamente como uma casca fina [Ramaswam; 1984]. Outros autores consideram mais adequados critérios relacionados com o rácio vão/espessura. Feita a distinção e como as cascas finas são a temática e campo de validade desta tese, o termo casca passará a designar eclusivamente cascas finas. 1.. VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS CASCAS DE BETÃO ARMADO E PRÉ- ESFORÇADO As cascas são o eemplo perfeito de como dotar uma estrutura de resistência através da forma em detrimento da massa. Uma casca, como já foi referido, responde às acções a que é sujeita desenvolvendo 3

18 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA maioritariamente esforços no plano que solicitam uniformemente toda a secção. Este facto permite aproveitar totalmente a capacidade resistente dos materiais originando soluções estruturais com baios consumos de material. Esta eficiência não é visível apenas em termos resistentes, de facto e principalmente em cascas de dupla curvatura, é possível obter soluções de coberturas de grande vão consideravelmente rígidas que respondem aos carregamentos com uma deformação mínima. O famoso projectista de cascas Heinz Isler tem no seu gabinete de projecto um pequeno modelo que ilustra com todo a simplicidade as vantagens estruturais das cascas em relação às lajes (Figura 1-1). Neste modelo estão presentes duas soluções para vencer um pequeno vão: a primeira consiste numa superfície plana e a segunda é formada por uma superfície de dupla curvatura. Ambas as soluções são constituídas pela mesma quantidade de material polimérico só que enquanto a primeira quando sujeita a uma pequena carga a meio vão se deforma consideravelmente, a segunda suporta uma carga 30 vezes superior com uma deformação mínima. Esta eperiência destina-se, segundo Isler a mostrar, aos jovens estudantes que o visitam que as cascas de dupla curvatura são a forma estrutural que com menos material resiste melhor às forças aplicadas desenvolvendo o mínimo de esforços e deformação [Chilton; 000]. Figura 1-1 Modelo que ilustra a eficiência das cascas de dupla curvatura relativamente às lajes [Chilton; 000]. No caso concreto das cascas em betão armado e pré-esforçado é de realçar que estas apresentam, em geral, baias quantidades de armadura o que é justificado, por um lado, pelo mecanismo resistente originar esforços pequenos em grande parte da casca e, por outro, pelo facto de muitas vezes as cascas estarem solicitadas predominantemente à compressão. Além do valor estrutural das cascas é preciso salientar o seu enorme valor arquitectónico e funcional. Com soluções do tipo casca é possível cobrir grandes vãos suprimindo elementos verticais no seu interior aumentando a funcionalidade do espaço e tornando-a uma solução propícia para anfiteatros, recintos desportivos e industriais. Uma estrutura em casca tem sempre um forte impacto visual sendo esteticamente agradável tanto pela leveza como pela versatilidade apresentada o que a torna uma solução adequada para estruturas de carácter marcante. Vantagens ao nível acústico e da luminosidade natural são também reconhecidas nas cascas. 4

19 1. GENERALIDADES DE CASCAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO Por último, é de destacar o comportamento destas estruturas às acções acidentais. Verificou-se que as cascas quando sujeitas a acções naturais muito agressivas como tornados, furacões, sismos ou a acções nefastas com origem humana como eplosões, bombardeamentos, colisões apresentaram uma maior resistência e um melhor comportamento que as restantes soluções estruturais. Apesar do ecelente desempenho em termos estruturais e funcionais de soluções em cascas de betão armado e pré-esforçado estas apresentam alguns inconvenientes que levam a que sua utilização não esteja mais divulgada. A talvez maior desvantagem das cascas de betão consiste no elevado custo associado à sua eecução. A edificação de uma casca é um processo compleo com várias vertentes que o encarecem e tornam mais moroso que contribuem para a sua menor aceitação face a soluções alternativas. Por um lado, envolve uma grande quantidade de mão-de-obra à qual é eigida um certo grau de eperiência e competências técnicas e, por outro, o próprio sistema de escoramento e cofragem é dispendioso apresentando em muitos casos fraca possibilidade de reutilização. Este aspecto é tratado com algum detalhe no capítulo 3.4. Outro factor que desencoraja a utilização de cascas em betão consiste na análise destas estruturas. A avaliação do comportamento das cascas é complea e tem associado uma certa incerteza que leva alguns projectistas a não terem, ao contrário das soluções estruturais usuais, uma grande confiança na sua previsão do funcionamento da estrutura. Actualmente, o auílio de programas de cálculo automático vem mitigar um pouco esta lacuna derivada das complicadas teorias analíticas das cascas e pode relançar o desenvolvimento deste tipo de soluções Resumindo, a solução do tipo casca, por razões eclusivamente económicas, pode ter alguma dificuldade em impor-se em países onde a mão-de-obra seja bastante bem paga e onde o custo associado aos materiais seja relativamente reduzido, no entanto, uma correcta concepção de soluções tipo casca origina estruturas a um preço competitivo com mais valias estruturais e arquitectónicas, de tal modo, que em termos globais é muitas vezes a solução mais adequada ABORDAGEM HISTÓRICA DE CASCAS DE BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO Desde há 000 anos que cascas de curvatura simples e dupla são utilizadas para cobrir grandes vãos de estruturas. Até ao século XX estas cascas eram eecutadas em alvenaria de pedra ou tipos de betão simples, materiais fortes em termos de resistência à compressão mas relativamente fracos à tracção. A mais antiga casca conhecida em betão é a cúpula do Panteão em Roma que foi eecutada entre 10 e 14 d.c. apresentando um diâmetro de 43,5 metros e uma espessura que varia dos 6,4 metros na base até aos 1, metros no topo (Figura 1-). Esta obra notável ainda hoje detém o recorde de maior cúpula em betão simples e foi até ao século XIX a maior cúpula do mundo. Ao longo dos séculos foram eecutadas diversas cascas de referência principalmente em edifícios de cariz religioso e institucional donde se podem destacar alguns eemplos bem conhecidos: - Cúpula da Basílica de Santa Sofia em Istambul, eecutada em alvenaria de pedra entre 53 e 537 d.c., possui um diâmetro de 3,5 metros com uma espessura que varia entre os 0,70 metros na base até aos 0,60 metros no topo (Figura 1-3). 5

20 COBERTURAS EM BETÃO ARMADO E PRÉ-ESFORÇADO SOLUÇÃO ESTRUTURAL TIPO CASCA - Cúpula da Basílica de Santa Maria del Fiore em Florença, eecutada em alvenaria de pedra entre 140 e 1436, possui um diâmetro de 4 metros e uma espessura de metros, projecto da autoria de Filippo Brunelleschi (Figura 1-4). Detém o recorde de maior cúpula em alvenaria de pedra. - Cúpula da Basílica de São Pedro em Roma, eecutada em alvenaria de pedra entre 1560 e 1590, possui um diâmetro de 41,5 metros e uma espessura de 1, metros, projecto da autoria Miguel Ângelo (Figura 1-5). - As cúpulas da Mesquita Azul em Istambul, eecutadas entre 1609 e 1616, tendo a cúpula maior um diâmetro de 3,5 metros (Figura 1-6) são um eemplo imponente de cascas em alvenaria de pedra eecutadas pelo grande arquitecto Sinan Agha que ao longo da sua vida construiu 87 mesquitas, 35 palácios, mausoléus e 57 universidades, recorrendo em muitos deles a esta solução estrutural. - Cúpulas do Taj Mahal em Agra (Índia) eecutadas em mármore entre 163 e 1641, tendo a cúpula maior um diâmetro de 18 metros, projecto da responsabilidade de Ahmad Lahauri (Figura 1-7). Até ao início do século XX, as construções do tipo casca eram quase eclusivamente cúpulas (esféricas, ogivais, octogonais) e cilindrícas mas com o advento de um material moldável e resistente tanto à tracção como à compressão como o betão armado os projectistas começaram a procurar novas geometrias de cascas (a primeira peça em betão armado barca de Lambot é uma casca). Seguem-se alguns eemplos de cascas em betão armado e pré-esforçado que pelo seu valor estético e marcante merecem especial destaque: - O Palácio dos Desportos em Roma, eecutado em betão armado em 1957 (em apenas 40 dias devido à utilização de elementos pré-fabricados), tem 61 metros de diâmetro e é da autoria de Pier Luigi Nervi (Figura 1-8). - O CNIT em Paris, eecutado em betão armado entre 1956 e 1958, possui um vão de 18 metros e é da autoria de Nicolas Esquillan (Figura 1-9). - O Kingdome em Seattle, eecutado em betão armado em 1975, possuía um vão de 0 metros e é da autoria de Christiansen Robertson (Figura 1-10). Foi demolido em 000 mas detém ainda o recorde de maior vão de uma cúpula em betão armado não atirantada. - O Terminal TWA no Aeroporto Internacional John Kenned em Nova Iorque, eecutado em betão armado em 196, possui um vão de 96 metros e é da autoria de Eero Saarinen e de Bod G. Anderson (Figura 1-11). - O Restaurante Xochimilco na cidade do Méico, eecutado em betão armado entre 1957 e 1958, tem um diâmetro de 43 metros e é da autoria de Feli Candela (Figura 1-1). - A Casa da Ópera em Sidne, eecutada em betão pré-esforçado entre 1958 e 1973 é provavelmente a estrutura do tipo casca mais emblemática. É um projecto da autoria de Ove Arup (Figura 1-13). - O Centro Bürgi Garden em Camorino (Suíça), eecutado em 1973, possui um vão de 7,5 metros e é da autoria de Heinz Isler (Figura 1-15). Em Portugal, eistem eemplos de cascas em betão armado e pré-esforçado aplicadas em instalações industriais, culturais, desportivas entre outras aplicações. Indicam-se desde já alguns eemplos marcantes: - Cobertura em casca cilíndrica de hangares do Aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto, eecutadas em 1944, com um vão de 45 metros e uma espessura de 1 centímetros (Figura 1-15). Projecto da autoria de Correia de Araújo. 6

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

Deformação de Vigas em flexão

Deformação de Vigas em flexão Mecânica dos Materiais Deformação de Vigas em fleão Tradução e adaptação: Victor Franco Ref.: Mechanics of Materials, eer, Johnston & DeWolf McGra-Hill. Mechanics of Materials, R. Hibbeler, Pearsons Education.

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1 PÍTULO 3 PROLM 3.1 onsidere a placa em forma de L, que faz parte da fundação em ensoleiramento geral de um edifício, e que está sujeita às cargas indicadas. etermine o módulo, a direcção, o sentido e o

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ANÁISE DE ESTRUTURAS APONTAMENTOS DE INHAS DE INFUÊNCIA Eduardo Pereira 1994 NOTA INTRODUTÓRIA Pretende-se com estes apontamentos fornecer aos alunos da disciplina de Análise

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

Análise Elástica de Estruturas Reticuladas

Análise Elástica de Estruturas Reticuladas UNIVERSIDADE DE ISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Análise Elástica de Estruturas Reticuladas João António Teixeira de Freitas Carlos Tiago 31 de Agosto de 15 Índice Índice i 1 Introdução 1 1.1 Objectivo.....................................

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Outras Soluções Fichas de Aplicação

Outras Soluções Fichas de Aplicação Outras Soluções Fichas de Aplicação Cofragem Perdida Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 1 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES M.T. BRAZ CÉSAR Assistente Instituto Politécnico de Bragança Bragança DANIEL V.

Leia mais

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Home Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Introdução A versão Tricalc 7.2 oferece, entre outras novidades, uma apresentação

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE

ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE 1/ 33 Sumário A Análise Estrutural Como descrever o comportamento de uma estrutura A AE no contexto do Projecto de Estruturas Classificação de estruturas

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II

Estruturas de Betão Armado II Estruturas de Betão Armado II A. P. Ramos Set. 006 ANÁLISE ELÁSTICA DOS ESFORÇOS Métodos de anáise eástica dos esforços: Métodos anaíticos Séries de Fourier Métodos numéricos: - Diferenças Finitas - Eementos

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL

PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL ANTÓNIO ADÃO DA FONSECA Professor Catedrático FEUP PEDRO FRADIQUE MORUJÃO AFA Consultores de Engenharia, SA - PORTO RENATO OLIVEIRA BASTOS FRANCISCO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS Lui Fernando Martha Processo do Projeto Estrutural Concepção (arquitetônica) da obra atendimento às necessidades funcionais e econômicas Anteprojeto estrutural plantas

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

Estruturas Planas. Prof. António Ressano Garcia Lamas

Estruturas Planas. Prof. António Ressano Garcia Lamas Estruturas Planas Prof. António Ressano Garcia Lamas Estruturas planas são estruturas formadas por barras de eixo plano ligadas entre si de modo a os eixos serem complanares (geometria plana) e actuadas

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

1. Equilíbrio de corpos rígidos

1. Equilíbrio de corpos rígidos 1. Equilíbrio de corpos rígidos No capítulo anterior foi referido que as forças exteriores que actuam num corpo rígido podem ser reduzidas a um sistema equivalente força/binário. Quando a força e o binário

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Graduação em Engenharia Civil ALESSANDRO ZENZEN COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO DA OBRA Neste projecto é proposta a ligação entre o bloco de aulas da Faculdade de Engenharia do Porto (FEUP), e o novo edifício da Associação de Estudantes

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra António Costa 1 Nuno Travassos 2 Júlio Appleton 3

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

ISEL Departamento de Engenharia Civil

ISEL Departamento de Engenharia Civil ISEL Departamento de Engenharia Civil Betão estrutural II ( folhas da disciplina ) versão actualizada segundo Eurocódigo 2 Prof. António Sousa Gorgulho ÍNDICE CAP. I LAJES...4 I.1 PRINCIPAIS TIPOS E CLASSIFICAÇÕES...4

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Coimbra, Portugal, 2012 CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Paula R. C. Lamego 1,2 *, Paulo B. Lourenço 2 1: GuITTS, Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Hugo Daniel Pereira Fernandes Relatório n.º 5 FLAT Comportamento de Lajes Fungiformes

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

A maioria dos corpos podem ser considerados rígidos, isto é, não se deformam quando sujeitos à acção de forças.

A maioria dos corpos podem ser considerados rígidos, isto é, não se deformam quando sujeitos à acção de forças. CAPÍTULO 3 CORPOS RÍGIDOS E SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS Nem sempre é possível considerar todos os corpos como partículas. Em muitos casos, as dimensões dos corpos influenciam os resultados e deverão

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais.

1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais. 1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais. Uma das vantagens de utilizar as estruturas esbeltas tais como treliças, cascas ou arcos é a sua alta rigidez por unidade de peso. Assim, estes elementos estruturais

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Lívio Túlio Baraldi Fontes: Sales J.J., et all Sistemas Estruturais EESC/USP; Rebello Y.C.P. A concepção estrutural e a arquitetura Zigurate. 1 Elementos

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO

CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO MAIO2014 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 CHAPA PERFILADA 10 TABELAS DE CÁLCULO 11 12 14 16 18 20 22 24 26 27 EXEMPLO P1-272-30 P3-205-60 P4-76-20

Leia mais

Manual Técnico Sistema Cobiax

Manual Técnico Sistema Cobiax Manual Técnico Manual Técnico Sistema Cobiax ÍNDICE INTRODUÇÃO AO SISTEMA COBIAX... 2 PORQUÊ UTILIZAR O SISTEMA COBIAX... 3 LAJE COBIAX versus LAJE MACIÇA... 3 LAJE COBIAX versus LAJE ALIGEIRADA... 3 IMPACTO

Leia mais

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Hugo Rodrigues 2008 1. Introdução Este documento tem por finalidade auxiliar a modelação tridimensional de estruturas de betão armado utilizando

Leia mais

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo Memória de cálculo Muros em consola de B.A. Muros em consola de B.A. Memória de cálculo Software para Engenharia e Construção 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS I. Apontamentos sobre análise de lajes

ANÁLISE DE ESTRUTURAS I. Apontamentos sobre análise de lajes ANÁLISE DE ESTRUTURAS I Apontamentos sobre análise de lajes Grupo de Análise de Estruturas Departamento de Engenharia Civil Instituto Superior Técnico, 4 Estes apontamentos, da autoria de Vitor MA Leitão

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto EN1990 Período de vida útil das construções a considerar no projecto Categorias para o período de vida 1 Valores indicativos do período de vida (anos) 10 Exemplos Estruturas temporárias (1) 2 3 4 5 10

Leia mais

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado BE28 Encontro Nacional de Betão Estrutural 28 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 28 Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado Paulo B. Lourenço 1 João Pereira 2 Joaquim

Leia mais

Discussão sobre as leis de Newton no contexto da análise de estruturas

Discussão sobre as leis de Newton no contexto da análise de estruturas Princípios físicos básicos para as condições de equilíbrio As condições de equilíbrio garantem o equilíbrio estático de qualquer porção isolada da estrutura ou da estrutura como um todo. Elas estão baseadas

Leia mais

sistema de construção

sistema de construção sistema de construção o que é o ICF ICF é a sigla inglesa de Insulated Concrete Forms usada para designar o sistema de construção constituído por blocos isolantes em poliestireno expandido (EPS), que após

Leia mais

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos:

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: 1. Forças externas (que representam as acções externas sobre o corpo rígido) 2. Forças internas (que representam

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

USO DE CORDAS PARALELAS PARA A RESOLUÇÃO GRÁFICA DE PROBLEMAS DE TANGÊNCIA EM CURVAS CÔNICAS: APLICAÇÃO EM GEOMETRIA DESCRITIVA

USO DE CORDAS PARALELAS PARA A RESOLUÇÃO GRÁFICA DE PROBLEMAS DE TANGÊNCIA EM CURVAS CÔNICAS: APLICAÇÃO EM GEOMETRIA DESCRITIVA Ano 2012 - V.16 N 0. 02 USO DE CORDAS PARALELAS PARA A RESOLUÇÃO GRÁFICA DE PROBLEMAS DE TANGÊNCIA EM CURVAS CÔNICAS: APLICAÇÃO EM GEOMETRIA DESCRITIVA Sérgio L. dos Santos 1 Anelise T. Hoffmann 2 Tânia

Leia mais

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos TIAGO ANTÓNIO CARNEIRO CABRAL DE OLIVEIRA Outubro de 2013 Resumo Este trabalho pretende ilustrar o dimensionamento dos vários elementos

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Aníbal Costa Professor Associado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO

UNIVERSIDADE DO MINHO UNIVERSIDADE DO MINHO Departamento de Engenharia Civil AVALIAÇÃO DE SOFTWARE DE DIMENSIONAMENTO EM ALVENARIA ESTRUTURAL Orientador Científico Professor Doutor Engenheiro Paulo Barbosa Lourenço Dissertação

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Seminário sobre Paredes de Alvenaria, P.B. Lourenço et al. (eds.), 2007 87 IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Vasco Peixoto de FREITAS Professor Catedrático Faculdade

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral 9 CONTRAVENTAMENTO DE ESTRUTURAS DE MADEIIRA 9..1 Generalliidades 11 As estruturas reticuladas são normalmente constituídas por elementos planos. Quando são estruturas espaciais (não planas), tendem a

Leia mais

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS P. Marques Eng. Mecânico Univ. Aveiro Aveiro, Portugal F. Teixeira-Dias Prof. Auxiliar Univ. Aveiro Aveiro, Portugal H. Varum

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Engenharia de Máquinas Marítimas

Engenharia de Máquinas Marítimas ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS Engenharia de Máquinas Marítimas ORGÃOS DE MÁQUINAS Ligações aparafusadas Victor Franco Correia (Professor Adjunto) 2005 1 Ligações

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios.

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios. Introdução 1 1. Introdução O objetivo do cálculo de uma estrutura de concreto armado é o de se garantir: uma segurança adequada contra a ruptura decorrente das solicitações; deformações decorrentes das

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

Pré-esforço em lajes de edifícios

Pré-esforço em lajes de edifícios Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Pré-esforço em lajes de edifícios Paulo Oliveira 1 João Vinagre 2 Bernardo Lôbo 3 RESUMO O principal objetivo do presente trabalho

Leia mais