UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE ÍNDICES DE CONSUMO DE MADEIRA PARA FORMAS DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO NA REGIÃO DE CRICIÚMA SC. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010.

2 2 ANDRE FELIPPE DAGOSTIN PASINI DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE ÍNDICES DE CONSUMO DE MADEIRA PARA FORMAS DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO NA REGIÃO DE CRICIÚMA SC. Trabalho de conclusão de curso, apresentado para a obtenção do grau de engenheiro civil no curso de Engenharia Civil da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof. Esp. Alexandre Vargas. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010.

3 3 ANDRE FELIPPE DAGOSTIN PASINI DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE ÍNDICES DE CONSUMO DE MADEIRA PARA FORMAS DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO NA REGIÃO DE CRICIÚMA SC. Trabalho de conclusão de curso, apresentado para a obtenção do grau de engenheiro civil no curso de Engenharia Civil da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof. Esp. Alexandre Vargas. Criciúma, 01 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Prof. Esp. Alexandre Vargas Engenheiro Civil UNESC - Orientador Prof. Márcio Vito Engenheiro Civil - UNESC Eng a. Patrícia Montagna Allem Criciúma Construções

4 Dedico este trabalho aos meus pais, pelo apoio, confiança e carinho. 4

5 5 AGRADECIMENTOS A Deus que se faz presente em todos os momentos da minha vida. Aos meus pais, Kenedi e Marli que sempre estiveram ao meu lado e sem medir esforços me ajudaram a chegar aonde cheguei. A minha irmã Jaciara. Ao meu professor e orientador Alexandre Vargas, que com paciência, dedicação e sabedoria ajudou me na realização deste trabalho. Aos colegas e amigos de curso, que propuseram momentos inesquecíveis. A Criciúma Construções, Construtora Fontana, SEC construções e Construtora Locks, pela atenção, por liberarem suas obras para visitas e pelas informações necessárias para que este trabalho pudesse ser realizado. E a todos que de uma forma ou outra, contribuíram, acreditaram e incentivaram.

6 A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas. (Horácio) 6

7 7 RESUMO A presente pesquisa proporcionou a obtenção de coeficientes unitários para a estimativa da quantidade de necessária para execução de formas em estruturas de concreto armado. Obteve-se os coeficientes para os diferentes sistemas estruturais, sendo eles, lajes pré moldadas, lajes maciças e lajes nervuradas, e as respectivas vigas e pilares para cada sistema. Os coeficientes foram estabelecidos em função do volume de concreto para vigas e pilares, e para lajes em função da sua metragem quadrada. De posse desses resultados, fez-se uma análise comparativa entre os diferentes consumos de s para cada tipo de laje utilizada nos diferentes sistemas estruturais, chegando-se a valores da ordem de 0,01203 m³ de / m² de lajes pré-moldadas, 0, m³ de / m² de lajes maciças e 0, m³ de / m² de lajes nervuradas. Palavras chaves: Formas de. Madeira. Sistemas estruturais.

8 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Formas de lajes...18 Figura 2. Formas de vigas...19 Figura 3. Travessas e cantoneiras...20 Figura 4. Chapuzes...21 Figura 5. travamento vigas...22 Figura 6. Amarração formas vigas...22 Figura 7. Formas de lajes maciças e nervuradas...34 Figura 8. Cunhas e calços de lajes...35 Figura 9. Formas da laje pré - moldada...35 Figura 10. Formas das vigas...36 Figura 11. Fundo das formas de vigas...37 Figura 12. Contraventamento e travessas de apoio...38 Figura 13. Formas de pilares...39 Figura 14. Gabaritos...40 Figura 15. Cunhas das formas de pilares...41 Figura 16. Escoras das formas de pilares...42

9 9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1. Quantitativos de escoras para diferentes lajes...58 Gráfico 2. Quantitativos de serrada para diferentes lajes...59 Gráfico 3. Quantitativo de Vigas Gráfico 4. Quantitativo de pilares Gráfico 5. Coeficientes de vigas e pilares para os diferentes sistemas estruturais...62 Gráfico 6. Coeficientes de lajes para os diferentes sistemas estruturais...62 Gráfico 7. Quantidade de escoras para os diferentes sistemas estruturais...63

10 10 LISTA TABELAS Tabela 1. Quantitativo de das formas para laje pré-moldada, construtora A...44 Tabela 2. Quantitativo de das formas para laje pré-moldada, construtora B...44 Tabela 3. Quantitativo de das formas para laje pré-moldada, construtora C...45 Tabela 4. Quantitativo de das formas para laje maciça, construtora A46 Tabela 5. Quantitativo de das formas para laje maciça, construtora B47 Tabela 6. Quantitativo de das formas para laje maciça, construtora C48 Tabela 7. Quantitativo de das formas para laje nervurada, construtora A...49 Tabela 8. Quantitativo de das formas para laje nervurada, construtora B...50 Tabela 9. Quantitativo de das formas para laje nervurada, construtora C...51 Tabela 10. Quantitativo de das formas para vigas em lajes nervuradas, construtora A...52 Tabela 11. Quantitativo de das formas para vigas em lajes nervuradas, construtora B...52 Tabela 12. Quantitativo de das formas para vigas em lajes prémoldadas, construtora A...53 Tabela 13. Quantitativo de das formas para vigas em lajes prémoldadas, construtora B...53 Tabela 14. Quantitativo de das formas de vigas para laje maciça, construtora A...54 Tabela 15. Quantitativo de das formas de vigas para laje maciça, construtora B...54 Tabela 16. Quantitativo de das formas para pilares, construtora A...55 Tabela 17. Quantitativo de das formas para pilares, construtora B...56 Tabela 18. Quantitativo de das formas para pilares, construtora C...56 Tabela 19. Quantitativo de para formas de pilares, construtora D...57

11 11 Tabela 20. Media do Quantitativo de das formas de lajes...58 Tabela 21. Media do Quantitativo de das formas de vigas Tabela 22. Media do Quantitativo de das formas de pilares...60 Tabela 23. Coeficientes gerais para os diferentes sistemas estruturais...61

12 12 SUMÁRIO 1. TEMA Problema de pesquisa Objetivos gerais Objetivos Específicos Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO Introdução Tecnologia de formas de convencionais Propriedades da Características da que afetam o seu desempenho Espécies de s Identificação de s (Nomes populares) Identificação botânica de s Teor de umidade METODOLOGIA DESENVOLVIMENTO Introdução Abrangência e delimitação do trabalho Elementos estruturais analisados Lajes pré moldadas Lajes maciças Lajes Nervuradas Vigas Pilares Nomenclatura das peças que compõem as formas dos sistemas estruturais estudados Lajes Vigas Pilares APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Lajes pré moldadas... 43

13 Lajes maciças Lajes Nervuradas Vigas Pilares Resultados Individuais Resultados gerais CONCLUSÃO...62 BIBLIOGRAFIA...66

14 14 1. TEMA Determinação de índice de consumo de em função do volume de concreto, necessário para confecção de formas de estruturas em concreto armado para diferentes elementos e sistemas estruturais na região de Criciúma SC Problema de pesquisa O calculo da necessária para executar uma obra normalmente não corresponde exatamente com a quantidade de efetivamente utilizada em obra, pois ainda não contamos com índices de consumo precisos, além do grande desperdício de que temos em obras. Com índices mais precisos conseguiremos saber o quantitativo de que iremos gastar em obra, e a forma adequada de utilizar essas s, fazendo com que o desperdício de seja consideravelmente reduzido, alem de subsidiar orçamentos mais precisos Objetivos gerais Estudar o quantitativo de gasto em obras de construção civil, para os diferentes sistemas e elementos estruturais, além de estabelecer índices de consumo Objetivos Específicos Estudar os tipos de s normalmente utilizados em obra;

15 15 Definir diferentes índices de consumo de, relacionados com os diferentes sistema de formas e escoras; Estudar as formas, escoras e demais elementos para conseguir quantificar a necessária para cada elemento estrutural, em relação ao volume de concreto; 1.3. Justificativa Segundo o Greenpeace (2005), nas construções civis cerca de 80% da é usada de forma descartável, sendo apenas 20% utilizadas nos acabamentos. Tendo em vista a grande quantidade de material () utilizada para fabricação de formas no processo de execução de estruturas em concreto, este trabalho tem o intuito de possibilitar uma analise dos índices de consumo de para os sistemas estruturais e seus elementos. Serão levantados todos os quantitativos das s utilizadas na confecção de diferentes formas e sistemas construtivos, tanto para lajes, quanto para vigas e pilares.

16 16 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Introdução Na construção civil, a é utilizada de diversas formas em usos temporários, como: fôrmas para concreto, andaimes e escoramentos. De forma definitiva, é utilizada nas estruturas de cobertura, nas esquadrias (portas e janelas), nos forros e pisos. Para atender a esses usos na construção civil os principais centros demandantes de serrada, localizados nas Regiões Sul e Sudeste, se abasteceram durante décadas com o pinho-do-paraná (Araucaria angustifolia) e a peroba-rosa (Aspidosperma polyneuron), explorados nas florestas nativas dessas regiões. Com a exaustão dessas florestas, o suprimento de s nativas passou a ser realizado, em parte, a partir de países limítrofes, como o Paraguai, porém, de forma mais significativa a partir da Região Amazônica. As s de pinus (Pinus spp.) e eucalipto (Eucalyptus spp.), geradas nos reflorestamentos implantados nas Regiões Sul e Sudeste, também passaram a suprir a construção habitacional. Tais mudanças têm provocado a substituição do pinho-do-paraná e da peroba-rosa por outras s desconhecidas dos usuários e, às vezes, inadequadas ao uso pretendido. A implantação de medidas visando ao uso racional e sustentado do material devem considerar desde a minoração dos impactos ambientais da exploração florestal centrada em poucos tipos de, passando pelas medidas para diminuição de geração de resíduos e reciclagem dos mesmos, até a ampliação do ciclo de vida do material pela escolha correta do tipo de e pelos procedimentos do seu condicionamento (secagem e preservação).

17 Tecnologia de formas de convencionais De acordo com MOLITERNO (1989) genericamente designa-se por escoramento toda a estrutura provisória, removível posteriormente e/ou perdida na terra ou no concreto quanto utilizado para sustentação de um trecho de maciço de solo, ou junto a uma construção existente (edifício, torre de transmissão elétrica, tubulação, etc.), para permitir a execução de uma escavação adjacente e demais trabalhos correlatos, geralmente localizados abaixo do nível do terreno natural. Como essa fase de execução exige rapidez, que, por sua vez, se condiciona a facilidade de manipulação dos elementos componentes, não resta dúvida que as vigas, estroncas e pranchas de, constituem as peças mais adequadas ao desempenho dos serviços de escoramento. AZEREDO (1977) faz uma descrição das denominações dadas às diversas peças que compõem as formas e seu escoramento. O mesmo lembra que tais técnicas são variadas e dependem, em geral, dos mestres carpinteiros: a) painéis superfícies planas, de dimensões várias (figura 1), formadas de tábuas, ligadas, geralmente, por sarrafos ou por placas de compensada. Os painéis formam os pisos das lajes e as faces das vigas pilares, paredes e fundações.

18 18 Figura 1. Formas de lajes Fonte: AZEREDO (1977) b) travessas peças de ligação das tábuas dos painéis de viga, pilares paredes e fundações (figura 2) são feitas de caibros. Como medida de economia, elas são, em geral, utilizadas como elementos das gravatas, podendo ser pregadas de chato (deitadas) ou de cutelo (aprumadas, de espelho); c) travessões peças de suporte empregadas somente nos escoramentos dos painéis de laje (figura 1). São em geral feitas de caibros e trabalham como vigas contínuas apoiadas nas guias; d) guias Peças de suporte dos travessões (figura 1); trabalham como vigas contínuas apoiando-se sobre os pés-direitos. São feitas, em geral de caibros. As tábuas podem também ser usadas como guias, trabalhando de cutelo, isto é, na direção de maior resistência. Neste caso, os travessões são suprimidos; e) faces (painéis) das vigas Painéis que formam os lados das formas das vigas (figura 2), cujas faces são ligadas por travessas verticais, em geral pregadas de cutelo (face mais estreita da peça);

19 19 Figura 2. Formas de vigas Fonte: AZEREDO (1977) f) fundos das vigas painéis que constituem a parte inferior das formas das vigas (figura 2), com travessas geralmente pregadas de cutelo; g) travessas de apoio peças fixadas sobre as travessas verticais das faces da viga (figuras 2), destinadas a servir de apoio para as extremidades dos painéis das lajes e das respectivas peças de suporte (travessões e guias); h) cantoneiras (chanfrados ou meio fio) pequenas peças triangulares pregadas nos ângulos internos das formas (figura 3), destinadas a evitar as quinas vivas dos pilares, etc.; i) gravatas peças que ligam os painéis de formas dos pilares (figura 2), colunas e vigas, destinadas a reforçar estas formas, para que resistam aos esforços que nelas atuam na ocasião do lançamento do concreto; j) montantes peças destinadas a reforçar as gravatas dos pilares, feitas em geral de caibros; k) pés-direitos suportes das formas das lajes (figura 1), cujas cargas recebem por intermédio das guias; l) pontaletes suportes das formas das vigas (figura 6), as quais sobre eles se apóiam por meio de caibros curtos. Num mesmo pavimento o comprimento dos pontaletes varia com a altura da viga;

20 20 Figura 3. Travessas e cantoneiras Fonte: AZEREDO (1977) m) escoras (mãos-francesas) peças inclinadas, trabalhando à compressão. empregadas para impedir o deslocamento dos painéis laterais de formas, escadas, etc.; n) chapuzes pequenas peças feitas de sarrafos (figura 4), geralmente empregadas como suporte e reforço de pregação das peças de escoramento, ou como apoio dos extremos das escoras; o) talas peças idênticas aos chapuzes, destinadas à ligação e à emenda das peças de escoramento (figura 2), são em geral, empregadas nas emendas de pés-direitos e pontaletes e na ligação dessas peças com as guias e travessas; p) cunhas peças prismativas, geralmente usadas aos pares (figura 1), com a dupla finalidade de forçar o contato íntimo entre os escoramentos das formas, para que não haja deslocamento durante o lançamento do concreto, e a facilitar, posteriormente, a retirada destes elementos.

21 21 Figura 4. Chapuzes Fonte: AZEREDO (1977) q) calços - peças de sobre os quais se apóiam os pontaletes e pés-direitos, por intermédio de cunhas (figura 1). Mediante a superposição de calços e variação do encaixe das cunhas, podem ser eliminadas as pequenas diferenças de comprimentos dos pés-direitos e pontaletes de um mesmo escoramento; r) espaçadores pequenas peças feitas de sarrafos ou caibros, empregadas nas formas de paredes e fundações de vigas, para manter a distância interna entre os painéis; s) janelas aberturas localizadas nas bases das formas dos pilares e paredes ou junto ao fundo das vigas de grande altura, destinadas a facilitar-lhes a limpeza mediatamente antes do lançamento do concreto.

22 22 Figura 5. travamento vigas Fonte: AZEREDO (1977) t) travamento ligação transversal das peças de escoramento que trabalham à flambagem (carga de topo), destinada a subdividir-lhes o comprimento e aumentar-lhes a resistência; u) contraventamento ligação destinada a evitar qualquer deslocamento das formas, assegurando a indeformabilidade do conjunto. Consiste na ligação das formas entre si, por meio de sarrafos e caibros, formando triângulos. Figura 6. Amarração formas vigas Fonte: AZEREDO (1977)

23 Propriedades da A possui diversas propriedades que a tornam muito atraente frente a outros materiais. Dentre essas, são comumente citados o baixo consumo de energia para seu processamento, a alta resistência específica, as boas características de isolamento térmico e elétrico, além de ser um material muito fácil de ser trabalhado manualmente ou por máquinas. O aspecto, no entanto, que distingue a dos demais materiais é a possibilidade de produção sustentada nas florestas nativas e plantadas e nas modernas técnicas silviculturais empregadas nos reflorestamentos, que permitem alterar a qualidade da matéria-prima de acordo com o uso final desejado. O fato de a ser o resultado do crescimento de um ser vivo, implica em variações das suas características em função do meio ambiente em que a Árvore se desenvolve. A esta variabilidade acrescenta-se que a é Produzida por diferentes espécies de árvores, cada qual com características anatômicas, físicas e mecânicas próprias. A é um material higroscópico, sendo que várias de suas propriedades são afetadas pelo teor de umidade presente. Sua natureza biológica submete-a aos diversos mecanismos de deterioração existentes na natureza. A essas características negativas acrescenta-se sua susceptibilidade ao fogo. Essas desvantagens da podem ser eliminadas ou, ao menos, minimizadas, bastando para tal o emprego de tecnologias já disponíveis e de uso consagrado nos países desenvolvidos. Mas observa-se também que a utilização da mesma em estruturas acaba sendo menos susceptível ao fogo do que outros materiais. No entanto, o desconhecimento das propriedades da por muitos de seus usuários e a insistência em métodos de construção antiquados, são as maiores causas de desempenho insatisfatório da frente a outros materiais. A é empregada na construção civil, de forma temporária, na instalação do canteiro de obras, nos andaimes, nos escoramentos e nas fôrmas. De forma definitiva, é utilizada nas esquadrias, nas estruturas de cobertura, nos forros e nos pisos.

24 24 No Brasil, a serrada, juntamente com a laminada e o compensado são os principais dos produtos de empregados na construção civil, enquanto que em países desenvolvidos os painéis têm participação mais significativa Características da que afetam o seu desempenho Ao utilizar o usuário deve especificar e verificar na inspeção de recebimento os seguintes itens que podem afetar o bom desempenho da em um determinado uso: espécie de, dimensões, teor de umidade e defeitos naturais e de processamento Espécies de s As propriedades básicas da variam muito entre as espécies. Se tomarmos a densidade de massa aparente a 15% de teor de umidade, como um indicador dessas propriedades, temos a de balsa com 200 kg/m3 e a de aroeira com 1100 kg/m3, ou seja, materiais com propriedades físicas e mecânicas totalmente distintas. Portanto, na escolha da correta para um determinado uso, devese considerar quais são as propriedades e os respectivos níveis requeridos para que a possa ter um desempenho satisfatório, mais uma vantagem da em relação a outros materiais. Esse procedimento é primordial principalmente em países tropicais onde a exuberância do número de espécies de s existentes na floresta é uma das expressões da sua biodiversidade.

25 Identificação de s (Nomes populares) A identificação de s por práticas populares é realizada levando em conta somente as características sensoriais. Por serem variáveis e também devido às semelhanças das mesmas em diferentes s, essas características, em muitos casos, não levam à identificação correta da. O nome popular das s é reconhecidamente um dos itens importantes na sua comercialização. A utilização de vários nomes para uma dada, como a existência de várias s sendo comercializadas sob um mesmo nome, têm contribuído, ao lado de outros fatores, de forma negativa para uma utilização mais intensa das s. O IBDF, em 1987, lançou a "Padronização da nomenclatura comercial brasileira das s tropicais amazônicas", com o intuito de contribuir para a facilitação da comercialização dessas s. Apesar do esforço realizado, inclusive de divulgação, a iniciativa não vingou. Porém, continua necessária Identificação botânica de s A identificação científica de uma árvore é realizada considerando principalmente os seus órgãos reprodutores (flores e frutos), como também outras características morfológicas da árvore (casca, folhas etc.). A identificação de uma árvore depende, portanto, da disponibilidade dessas características morfológicas. Ocorre que a presença dos órgãos reprodutores da árvore é efêmera, o que dificulta, por exemplo, a sua identificação nos trabalhos de inventário florestal. No processo de extração e de transformação da árvore em serrada, obviamente, as características morfológicas do vegetal, necessárias para a identificação, são eliminadas. No início do século XX, botânicos verificaram que o arranjo das diferentes células que formam a guarda uma estreita relação com a espécie vegetal. Nascia, assim, um método alternativo à identificação pelas flores, e que muito contribuiu para a tecnologia de s e o comércio em geral.

26 26 Nos estudos anatômicos de identificação de s são utilizadas duas abordagens distintas, a macroscópica e a microscópica. Na identificação macroscópica são observadas características que requerem pouco ou nenhum aumento. Tais características são reunidas em dois grupos: as sensoriais e as anatômicas. As características sensoriais englobam: cor, brilho, odor, gosto, grã, textura, densidade, dureza e desenhos. As características anatômicas, como camadas de crescimento, tipos de parênquima, poros (vasos) e raios; são observadas à vista desarmada ou com auxílio de uma lupa de 10 vezes de aumento. Em conjunto, as observações dessas características permitem identificarem muitas das espécies comercializadas no País e podem ser uma importante ferramenta nas inspeções de recebimento. Já na identificação microscópica são observadas as características dos tecidos (muito freqüentemente já definidas no exame macroscópico) e das células constituintes do lenho, que não são distintas sem o uso de microscópio, tais como: tipos de pontuações, ornamentações da parede celular, composição celular dos raios, dimensões celulares, presença de cristais etc. Este método requer uma maior especialização e é praticado em laboratórios especializados. No entanto, nunca deve ser esquecido que a identificação anatômica é um processo alternativo e que em alguns não se consegue separar s com propriedades mecânicas diferentes. Nesses casos, é importante a realização de ensaio(s) mecânico(s) para melhor caracterizar o material, principalmente se a se destina ao uso estrutural Teor de umidade Várias propriedades da são afetadas pelo teor de umidade presente nas peças. As propriedades mecânicas são superiores e a movimentação dimensional é menor em s secas (teor de umidade em equilíbrio com a umidade relativa do ambiente em que a será utilizada) quando comparada

27 27 com a verde (teor de umidade acima do ponto de saturação das fibras, ao redor de 30%). A despeito disso, o comércio de serrada para fins estruturais não leva em consideração essa característica e a as peças de acabam secando no depósito do comprador.

28 28 3. METODOLOGIA Primeiramente serão analisados os diferentes elementos e sistemas estruturais presentes em obras de construção civil na região de Criciúma SC. Essas analises compreendem em diferenciar os sistemas estruturais utilizados em cada obra, e o método de formas pela qual cada mestre-de-obras optou por utilizar, tendo em vista o fator econômico e a maior agilidade na execução de tal formas. Sem esquecer o fator segurança. A partir destas analises serão quantificadas as s utilizadas em cada um dos sistemas e seus elementos estruturais, obtendo assim um índice de para o volume de concreto de tal sistema. Com todos os índices de s dos diferentes elementos e sistemas estruturais será então analisado novamente, e com a diferença desses índices entre eles, estudada qual mais vantajoso, seja no quesito econômico quanto no de viabilidade construtiva.

29 29 4. DESENVOLVIMENTO 4.1. Introdução Um sistema estrutural é formado basicamente por lajes, vigas e pilares. As lajes são elementos estruturais bidimensionais planos com cargas preponderantemente normais ao seu plano médio. Considerando uma estrutura convencional, as lajes transmitem as cargas do piso às vigas, que as transmitem, por sua vez, aos pilares, através dos quais são as cargas transmitidas às fundações, e daí ao solo. Conhecendo todos os esforços que serão aplicados em uma determinada construção, é necessário avaliar e calcular qual método estrutural e posteriormente método construtivo se torne mais viável na construção da mesma. Tendo em vista que nem sempre a escolha pelo método construtivo mais barato em função do material gasto, realmente no final da obra signifique uma economia em função do outro sistema construtivo, pois este mesmo pode ser mais demorado para ser executado, ocasionando assim um atraso maior na obra e conseqüentemente maior custo. É necessário observar a possibilidade de executar tal sistema construtivo com o sistema estrutural escolhido para ser executado em obra, pois dependendo da escolha, a construção da mesma ira mudar, precisando assim adequar-se ao melhor sistema Abrangência e delimitação do trabalho Foram visitadas para a execução do referido trabalho, nove obras, de diferentes construtoras e diferentes sistemas estruturais, sendo estas divididas em três obras de lajes maciças, três obras de lajes pré-moldadas e três obras de lajes nervuradas.

30 30 Não foram levados em conta na referida pesquisa o desperdício de material, nem o aproveitamento da mesma. Sendo que os quantitativos de são para construir cada elemento estrutural apenas uma vez Elementos estruturais analisados Os elementos estruturais que serão estudados e analisados serão os tipos de lajes pré moldadas, maciças e nervuradas, assim como diferentes dimensões de vigas e pilares, todas executadas em diferentes obras e regiões de Criciúma SC Lajes pré moldadas As lajes pré-moldadas são constituídas por vigas ou vigotas de concreto e blocos conhecidos como lajotas ou tavelas. As lajotas e as vigotas montadas de modo intercalado formam a laje. O conjunto é unido com uma camada de concreto, chamada de capa, lançada sobre as peças. A execução das lajes pré-moldadas é muito rápida e fácil, mas o fabricante deve fornecer o projeto completo da laje, incluindo as instruções de montagem, a espessura da capa de concreto e os demais cuidados que devem ser seguidos à risca. Em relação ao conforto acústico uma das características que podem ser executadas nas lajes pré moldada é a incorporação de Lãs de Vidro no interior dos elementos construtivos (enchendo os buracos) contribui para alcançar índices de isolamento acústicos elevados graças à sua grande elasticidade, funcionando como uma mola.

31 Lajes maciças Lajes maciças são elementos estruturais planos de concreto armado sujeitos as cargas transversais a seu plano. Os apoios das lajes são, geralmente, constituídos por vigas de piso. Nestes casos, o calculo das lajes é feito, de maneira simplificada, como se elas fossem isoladas das vigas, com apoios livres a rotação e indeslocáveis a translação, considerando, contudo, a continuidade entre lajes contíguas. As lajes retangulares maciças podem ser classificadas em relação a flexão como: Lajes armadas em uma direção, quando a flexão (curvatura) é bastante predominante segundo a direção paralela a um dos lados; correspondem as lajes apoiadas em lados opostos( isoladas e continuas, com ou sem balanços laterias), e as lajes alongadas apoiadas em todo o perímetro. Lajes armadas em duas direções ou em cruz, quando as curvaturas paralelas aos lados são valores comparáveis entre si, são lajes apoiadas em todo seu contorno e com lados não muito diferentes entre si. As lajes maciças possuem armaduras positivas (na parte inferior) e armaduras negativas (na parte superior) Lajes Nervuradas As lajes nervuradas apresentam uma das estruturas mais inteligentes, quando nos referimos ao aproveitamento da resistência do material, alcançando se maiores vãos se comparado com as lajes convencionais. O aproveitamento da resistência consiste no afastamento do concreto (material pouco resistente a tração) das zonas tracionadas e concentração desse material nas zonas comprimidas. As lajes nervuradas podem ser armadas em uma ou em duas direções. As nervuras são criadas através de inserção de material de enchimento, geralmente isopor.

32 32 A laje nervurada também pode ser executada com formas de polipropileno montadas lado a lado no lugar dos isopores, que ao serem concretadas formam nervuras nas lajes. Depois da concretagem essas formas são retiradas, podendo serem reaproveitadas Vigas Viga é basicamente o elemento estrutural que recebe as cargas das lajes e as transferem para os pilares. Estas vigas são normalmente sujeitas a cargas dispostas verticalmente, o que resultará em esforços de cisalhamento e flexão. Quando cargas não verticais são aplicadas a estrutura, surgirão forças axiais, o que tornará mais complexa a análise estrutural. Vigas normalmente são barras retas e prismáticas, o que ocasiona maior resistência ao cisalhamento e flexão. Quando se efetua o dimensionamento de uma viga, seja ela de qualquer material como aço,, concreto, duas fases são definidas distintamente. A primeira fase é o cálculo dos esforços da estrutura, ou seja, o cálculo de momentos fletores e forças cortantes, ao qual a viga esta submetida aos vários tipos de carregamento. A segunda fase é o dimensionamento da peça propriamente dito, onde são verificadas quais as dimensões necessárias da peça estrutural, que irá resistir aos esforços solicitados Pilares O pilar define e estabiliza planos horizontais, elevados em relação ao plano do solo. Em outras palavras, ele recebe a carga das vigas e as transmitem ate a fundação. Com isto, ele colabora na definição do espaço arquitetônico, principal meio de desenvolvimento dos projetos de arquitetura. Os pilares podem ainda serem classificados entre pilares curtos e longos, depende se os mesmos irão sofrer flambagem ou não.

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Biólogo Geraldo José Zenid Divisão de Produtos Florestais Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. -I PT Biólogo pelo Instituto de Biociências da USP

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

FORMAS E ESCORAMENTOS

FORMAS E ESCORAMENTOS FORMAS E ESCORAMENTOS Formas: São os moldes que darão a forma do concreto. As Formas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: - Serem executadas rigorosamente de acordo

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Lívio Túlio Baraldi Fontes: Sales J.J., et all Sistemas Estruturais EESC/USP; Rebello Y.C.P. A concepção estrutural e a arquitetura Zigurate. 1 Elementos

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Câmpus Rio Grande Aluna: Alice Ott Fonseca Matricula: 11240125 Curso: TÉCOLOGIA EM COSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 02/2015 Disciplina: Materiais de Construção Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Uso a madeira Na

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento

Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento Marcelo Cezar do Nascimento 1 Sônia ReginaGarajauPinheiro 2 Orientadora: Geciane Gonçalves 3 RESUMO Este artigo tem como tema Andaime e Escoramento e a finalidade

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa)

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa) A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO A madeira é um dos materiais de construção mais antigos. Ela é largamente utilizada devido a alguns aspectos, tais como: -Disponibilidade na natureza;

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc LAJES COM E.P.S. O que é EPS? O EPS (Poliestireno Expandido) é comumente chamado de Isopor. É um produto derivado do petróleo. A matéria-prima, poliestireno, sofre uma expansão de 20 a 50 vezes, resultando

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA NO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

ESTRUTURAS DE MADEIRA NO BRASIL: ESTUDO DE CASOS ESTRUTURAS DE MADEIRA NO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Prof. Dr. Carlito Calil Junior Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Estruturas Laboratório de Madeiras

Leia mais

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção.

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Estruturas de Madeira Telhados É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Funções básicas: Proteção das partes internas da instalação, contra o sol excessivo, chuva, neve, etc.

Leia mais

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P.

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P. OBJETO: LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA DAS CONDIÇÕES FÍSICAS DA ESTRUTURA DE COBERTURA DE ÁREA IDENTIFICADA COMO REFEITÓRIO DA C.E.R. LEILA L. D. T. PIZZA DURANTE LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

Sistemas Estruturais para Mezaninos

Sistemas Estruturais para Mezaninos Sistemas Estruturais para Mezaninos Concepção Estrutural Alexandre Landesmann FAU-UFRJ UFRJ AMA & PIN Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ 27/03/2007 1 Funções... Suportar e conduzir as ações a verticais

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema Características do Sistema O emprego de lajes nervuradas nas estruturas de concreto armado ganhou grande impulso nos últimos anos graças às modernas técnicas construtivas e ao desenvolvimento dos programas

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 12 - ESCADAS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de escada ideal para a sua edificação; Calcular corretamente as

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

Coberturas. Prof. Marcos Valin Jr

Coberturas. Prof. Marcos Valin Jr Prof. Marcos Valin Jr A cobertura é a parte superior da construção que serve de proteção contra osol, achuva, os ventos, o calor, o frio, poeiras egases do meio ambiente. www.mvalin.com.br 1 Exigências

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS Ernani Alencar Rodrigues 1 Anderson Alves de Oliveira 2 Larissa Maria Argollo de Arruda Falcão 3 RESUMO:

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Conjunto de atividades que visa a realização de obras de

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR 81,9(56,'$'()('(5$/'&($5È '(3$57$0(17'((1*(1+$5,$(6758785$/( &16758d &,9,/ 17$6'($8/$6 &16758d '((',)Ë&,6, /&$d '$%5$ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, /RFDomRGDEUD -7 /&$d '$%5$,175'8d

Leia mais

Steel frame - cobertura (última parte)

Steel frame - cobertura (última parte) Página 1 de 8 Steel frame - cobertura (última parte) A cobertura destina-se a proteger as edificações da ação das intempéries. Pode ser vista também como um dos elementos de importância estética do projeto,

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Catálogo de Produtos Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Acoplation Indústria e Comércio Ltda Fundada em 1997, visa atender a demanda de mercado na fabricação de andaimes, estruturas

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

Lajes. Marcio Varela Construção I

Lajes. Marcio Varela Construção I Lajes Marcio Varela Construção I Lajes Aumentam o valor econômico do empreendimento; Aumentam a segurança; a; Aumentam o conforto; Tipos: Maciças; as; Pré-moldadas Protendida Nervurada, etc Lajes Maciça

Leia mais