TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ERICK ALMEIDA DA SILVA TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SÃO PAULO 2006

2 ERICK ALMEIDA DA SILVA TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Trabalho de conclusão de curso apresentado como exigência parcial para obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi. Orientador: Professor Dr. Antonio Rubens Portugal Mazzilli SÃO PAULO 2006

3 ERICK ALMEIDA DA SILVA TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Trabalho de conclusão de curso apresentado como exigência parcial para obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi. Trabalho em: de de Professor Dr. Antonio Rubens Portugal Mazzilli Nome do professor da banca Comentários:

4 Dedico este trabalho a Deus e a minha Família.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que rege nossos caminhos e me fez a pessoa que sou hoje. Agradeço aos meus pais e a toda minha família que sempre incentivou aos estudos e a seguir na profissão que escolhi. Agradeço ao meu orientador Professor Dr. Antonio Rubens Portugal Mazzilli, pelos conhecimentos que me passou. Agradeço ao Professor Engº Fernando Jose Relvas, pelo tempo disponibilizado comigo. Agradeço aos Engº s Wendell Borsari Ramos, Virgílio Augusto Ramos e a Engª Kátia Bertolini.

6 RESUMO A recuperação e reforço de estruturas de concreto armado estão cada vez mais freqüentes, devidos em parte, pelo envelhecimento das estruturas construídas nas décadas de 60 e 70, portanto em vias de atingir o seu tempo de vida útil. Soma-se a tudo isto, o fato da utilização de materiais fora de especificação, tais como concretos com baixa resistência, estruturas má executadas, bem como a aplicação de sobrecargas não previstas em projeto e a falta de manutenção adequada para sua conservação. Os procedimentos enfocados neste trabalho foram: lavagem da superfície; corte do concreto danificado e posterior limpeza; tratamento da armação danificada; reforço da estrutura com diversas técnicas; uso de argamassa aditivada; encamisamento; aplicação de polímeros. Estudaram-se aqui também os materiais utilizados na recuperação, que são basicamente argamassa (para recuperação do cobrimento das armaduras sem função estrutural), concreto e graute em suas várias composições com aditivos ou adesivos. Foram mostradas também as técnicas de tratamento e injeção de resinas em trincas e fissuras e as diversas técnicas de reforços estruturais, bem como, recuperação com adição de armaduras, aplicação de cantoneiras ou perfis metálicos, encamisamento com concreto de alto desempenho e aplicação de polímeros reforçados com fibra de carbono (PRFC).O estudo do caso abordado neste trabalho trata do reforço de pilares com chapa de aço colada e chumbada ao concreto, onde são mostradas as características dos materiais, aço e resina, e os procedimentos executivos do reforço, da limpeza da superfície ao acabamento. Palavra chave: Recuperação e reforço. Fibra de Carbono. Concreto Armado. Chapa de Aço Colada.

7 ABSTRACT The recovery and reinforcement of structures of reinforced concrete are more frequent each time, partly due to the aging of the structures constructed in the decades of 60 and 70, therefore in ways to reach its time of useful life. It is added everything this, the fact of the use of material without specification, such as concrete with low resistance, executed structures bad, as well as the application of overloads not foreseen in project and the lack of maintenance adjusted for its conservation. The procedures focused in this work had been: cleanness of the surface; cut of concrete damaged and posterior cleanness; treatment of the damaged bars; reinforcement of the structure with diverse techniques; mortar mixed with additive; concrete confinement; polymer application. The materials used in the recovery had been studied here also, that are basically mortar (recovery of bar covering - without structural function), concrete and grout in its some compositions with additives or adhesives. To the techniques of treatment and resin injection in trincas and fictions had been shown also and the diverse techniques of structural reinforcements, as well as, recovery with addition of armors, metallic angle-iron application or profiles, confinement with concrete of high performance and polymer application strengthened with carbon fiber (PRFC). The study of the boarded case in this work deal with the reinforcement of pillars with steel plate glue and covered with white lead to the concrete, where the characteristics of the materials, steel and resin are shown, and the executive procedures of the reinforcement, of the cleanness of the surface to the finishing. Keywords: Recovery and Reinforcement. Carbon Fiber. Reinforced Concrete. Glue Steel Plate.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Aplicação de jatos de água para lavagem de superfície de concreto (Souza e Ripper, 1998)...24 Figura 5.2 Limpeza com utilização de escova de aço (Souza e Ripper, 1998)...26 Figura 5.3 Martelete pneumático...27 Figura 5.4 Apicoamento manual da superfície de concreto (Souza e Ripper, 1998)...27 Figura 5.5 Remoção de concreto por corte (Souza e Ripper, 1998)...28 Figura 5.6 Corte de concreto mostrando a profundidade de remoção (Souza e Ripper, 1998)...29 Figura 5.7 Aspecto final da cavidade na intervenção de corte de concreto (Souza e Ripper, 1998)...30 Figura 5.8 Escoramento de estrutura para suportar a remoção total do concreto do pilar a ser recuperado (Cánovas, 1988)...30 Figura 5.9 Etapas de preparo de base (Quartzolit, 2006)...31 Figura 5.10 Detalhe da profundidade mínima e das camadas de reparo...33 Figura 5.11 Execução de reparo com argamassa farofa...34 Figura 5.12 Detalhe da fôrma e concretagem...38 Figura 5.13 Equipamento de mistura dos materiais...39 Figura 5.14 Projeção do concreto...39 Figura 5.15 Bomba de injeção (Rogertec, 2006)...45 Figura 5.16 Preparação da fenda para procedimento de injeção (fonte: Souza e Ripper, 1998)...46 Figura 5.17 Processo de furação para colocação dos tubos de injeção (Zapla, 2006)...46 Figura 5.18 Processo de injeção de fissuras (Zapla, 2006)...46 Figura 5.19 Selagem de fendas com abertura entre 10 mm e 30 mm. (Souza e Ripper, 1998)...47 Figura 5.20 Selagem de fissura (Vedacit, 2006)...48 Figura 5.21 Detalhe do posicionamento dos grampos (Souza e Ripper, 1998)...49 Figura 5.22 Configurações de reforço com adição de armadura e concreto em pilares (Takeuti, 1999)...51

9 Figura 5.23 Detalhe da adição de novas barras para complementação da seção de armadura perdida em uma viga. (Souza e Ripper, 1998)...52 Figura Viga preparada para receber reforço com concreto projetado e pilar já executado o reforço Figura 5.25 Exemplos de reforço com chapa somente colada (esquerda) e também com buchas expansivas. (Souza e Ripper, 1998)...54 Figura 5.26 Reforço utilizando cantoneiras metálicas (Rigazzo 2003)...55 Figura 5.27 Pilar com as dimensões anterior (esquerda) e posterior (direita) ao reforço (Takeuti, 1999)...57 Figura 5.28 Pilares reforçados com o sistema PCRF (Rogertec, 2006)...58 Figura 5.29 Sistema PRFC (Rogertec, 2006)...59 Figura 5.30 Sistema PRFC (Rogertec, 2006)...60 Figura 5.31 Remoção de sujeira por lixamento (esquerda) e posterior limpeza com jato de ar comprimido (direita) (Rigazzo, 2003)...61 Figura 5.32 Limpeza com estopa umedecida (esquerda) e aplicação da resina primária (direita) (Rigazzo, 2003)...61 Figura 5.33 Aplicação da manta e da resina de colagem (esquerda) e por final aplicação de resina saturante (direita) (Rigazzo, 2003)...61 Figura 6.1 Visão geral do empreendimento...63 Figura 6.2 Resina, aplicador e bico injetor (HILT, 2006)...67 Figura 6.3 Disposição dos pinos a serem soldados...68 Figura 6.4 Detalhe em planta da área reforçada...68 Figura 6.5 Furos já executados...69 Figura 6.6 Gabarito de execução dos furos...70 Figura 6.7 Chapas numeradas...71 Figura 6.8 Limpeza da chapa...72 Figura 6.9 Injeção dos furos...73 Figura 6.10 Espalhamento da resina...73 Figura 6.11 Posicionamento e escoramento das chapas...74 Figura 6.12 Chapas coladas e escoradas...75

10 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Perdas típicas de material em superfícies de concreto projetado...41 Tabela 5.2 Abertura máxima de fissuras de acordo com o ambiente...42 Tabela 5.3 Características dos PRFC...58 Tabela 6.1 Requisitos para o concreto, em condições especiais de exposição...65 Tabela 6.2 Correspondência entre classes de agressividade a qualidade do concreto...66

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS l CA CAD cm EPI K kg m mm MPa Na PRFC Espaçamento Aço para concreto armado Concreto de Alto Desempenho Centímetro Equipamento de Proteção Individual Potássio Quilograma Metro milímetro Mega Pascal Sódio Polímero Reforçado com Fibra de Carbono

12 LISTA DE SÍMBOLOS Somatória A s A s, ref A s,corr f ck f ck, est. f ck, proj. ºC Grau Celsius Área de seção original Área de seção original Área de seção corroída Resistência característica do concreto Resistência característica do concreto estimada Resistência característica do concreto de projeto

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODOS DE PESQUISA JUSTIFICATIVA TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Intervenções nas superfícies de concreto Polimento Técnicas de lavagem e limpeza da superfície do concreto Utilização de soluções ácidas Utilização de soluções alcalinas Utilização de jatos d água e de areia Utilização de jatos de vapor Utilização de jatos de ar comprimido Escovação manual Apicoamento Saturação Corte Resumo das etapas de preparação do substrato Técnicas de recuperação Reparo com argamassa Argamassa de cimento e areia Argamassa farofa Argamassas poliméricas Argamassas epoxídicas Reparo com Graute Reparos com concreto convencional Reparo com concreto projetado...38

14 5.3 Tratamento de fissuras Técnica de injeção de fissuras Técnica de selagem de fissuras Costura de fissuras (método do grampeamento) Reforço de estruturas de concreto armado Complementação ou reforço com adição de armaduras Reforço com aplicação de chapas e perfis metálicos Reforço de pilares por meio de encamisamento com concreto de alto desempenho (CAD) Reforço de pilares com polímeros reforçados com fibra de carbono (PRFC) ESTUDO DE CASO REFORÇO ESTRUTURAL DE PILAR (RESIDENCIAL LANDSCAPE) Dados da Obra Descrição da Obra Pesquisa A constatação do problema O reforço Resina RE HILTI Chapa metálica Execução do reforço ANÁLISE OU COMPARAÇÃO/ CRÍTICA CONCLUSÕES...77 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...78 ANEXO A RELATÓRIO RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO...80 ANEXO B RELATÓRIO RESISTÊNCIA DO CONCRETO...82 ANEXO C ANÁLISE DOS ENSAIOS...84

15 15 1 INTRODUÇÃO Resistência e durabilidade são algumas das principais características do concreto armado, por isso ele é considerado um dos materiais mais importantes da engenharia estrutural, mas devido a essa característica muitas pessoas, inclusive do meio técnico, confundem-no como um material perene. Portanto faz-se necessário esclarecer que as estruturas executadas em concreto armado não são eternas, pois com o passar do tempo elas se deterioram e, além disso, há o agravante de erros de projeto, má execução e conservação que contribuem para a degradação prematura, ou seja, a estrutura não atinge o tempo de vida útil para que foi projetada. Desfeita a visão que se tem das estruturas de concreto, veremos neste trabalho os procedimentos necessários à solução das anomalias que também nelas ocorrem. O capítulo 5 mostra as técnicas necessárias à recuperação e reforço das estruturas, começando com os cuidados e procedimentos na preparação da superfície a ser tratada, seguindo pelo tratamento de trincas e fissuras, que são uma das principais causas da deterioração das estruturas. Nesse capítulo são mostrados também os reparos executados nos elementos estruturais realizados com argamassas, concretos e graute (concreto com maior fluidez e que requer menos tempo para atingir sua resistência). Foram apresentados também os diversos tipos de reforços existentes no mercado, como os executados com adição de armaduras, aplicação de chapas e perfis metálicos e colagem de mantas de polímeros reforçados com fibra de carbono (PRFC). Podemos considerar o reforço com PRFC como uma das técnicas mais recentes e eficientes quando se trata de reforço estrutural, devido à resistência que

16 16 conseguimos atingir e por praticamente não alterar as dimensões e o peso do elemento estrutural, entre outras características que veremos mais detalhadamente nesse capítulo. Como estudo de caso foi escolhida uma obra onde se realizou o reforço dos pilares que são as paredes da caixa do elevador. O reforço em questão neste estudo foi executado com chapas metálicas chumbadas e coladas à superfície de concreto destes pilares.

17 17 2 OBJETIVOS Este trabalho tem por finalidade apresentar as diferentes técnicas de recuperação e reforço de estruturas de concreto. 2.1 Objetivo Geral O objetivo é descrever as técnicas usuais e as técnicas mais recentes na recuperação e reforço de estruturas de concreto, assim como todo o procedimento de tratamento das avarias nelas constatadas. 2.2 Objetivo Específico Especificamente, pretendeu-se apresentar os processos utilizados na recuperação e reforço das estruturas de concreto, dentre eles os processos de limpeza das superfícies a serem tratadas, as diferentes técnicas, desde intervenções superficiais até reparos mais profundos nos elementos estruturais e trabalhos de reforço estrutural.

18 18 3 MÉTODOS DE PESQUISA Para o atendimento dos objetivos propostos, a pesquisa foi estruturada na revisão bibliográfica sobre o tema em questão, pesquisa em teses e dissertações, em páginas da internet e revistas especializadas. O trabalho também contará com um estudo de caso, sendo este o reforço de pilares de concreto armado do Residencial Landscape.

19 19 4 JUSTIFICATIVA Com o crescente número de problemas nas obras de engenharia, mudou-se a percepção das estruturas de concreto como não perenes e que as mesmas envelhecem e se deterioram. A partir daí os profissionais da área sentiram a necessidade de saber como recuperar e reforçar as estruturas de concreto. Este trabalho foi elaborado para complementar a ainda escassa bibliografia referente às patologias das estruturas, principalmente a recuperação e reforço das mesmas. Portanto ele se faz importante na colaboração com os profissionais da área, pois descreve as diversas técnicas de recuperação e reforço em estruturas de concreto armado, tanto as mais usuais para cada tipo de recuperação quanto as mais novas técnicas.

20 20 5 TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO As anomalias das estruturas de concreto são advindas de vários fatores abaixo descritos: Má concepção do projeto, ou seja, definição errônea de materiais, considerações equivocada de carregamento, má avaliação do solo, erros no dimensionamento, entre outros; Utilização incorreta de materiais como, concreto com f ck inferior ao especificado, aço com características diferentes das especificadas, quer em termos de categorias, quer em termos de bitolas, utilização de agregados reativos que podem gerar reações expansivas no concreto, potencializando a desagregação e fissuração do mesmo; Falhas decorrentes da construção, ou seja, má execução, falta de condições locais de trabalho (cuidados e motivação), não capacitação profissional da mãode-obra, inexistência de controle de qualidade de execução, uso de materiais e componentes de má qualidade, irresponsabilidade técnica entre outras falhas; Uso incorreto da estrutura, ou seja, quando ela é utilizada com carga maior que a considerada no projeto. O correto dimensionamento, a execução realizada com todos os controles de qualidade, o uso correto da estrutura e a sua manutenção periódica, são as condições ideais para prolongar sua vida útil. Porém, se houver alguma falha em alguma dessas etapas e decorrer então algum processo de degradação da estrutura, deve-se então proceder a sua recuperação ou o seu reforço. As técnicas e processos utilizados na recuperação e reforço dessas estruturas debilitadas serão descritas neste capítulo do trabalho.

21 Intervenções nas superfícies de concreto Para o início dos trabalhos de recuperação e reforço das estruturas de concretos deve-se primeiramente realizar um trabalho de preparação da superfície que será tratada. Os processos e etapas necessários a este tipo de serviço serão detalhadamente descritos e esses serviços são: polimento; lavagem e limpeza da superfície remoção de resíduos com uso de soluções ácidas ou alcalinas; remoção de resíduos com uso de jatos de água, areia, vapor ou ar comprimido; escovação manual; apicoamento; saturação; corte de concreto Polimento Usa-se a técnica de polimento, quando a superfície de concreto se apresenta muito áspera, devido tanto à má execução da estrutura quanto do desgaste natural que ocorre devido ao próprio uso e tempo. Esta técnica é utilizada para reduzir a aspereza da superfície do concreto, tornado-a novamente lisa e isenta de partículas soltas, utilizando-se de equipamentos mecânicos, como lixadeiras portáteis ou máquinas de polir pesadas utilizadas quando a área a ser recuperada é muito extensa. Para manusear este tipo de equipamento é necessária mão-de-obra especializada e é necessário também o cuidado com a proteção ambiental e dos trabalhadores, pois

22 22 esta técnica produz altos valores de ruídos e provoca a formação de grande quantidade de pó Técnicas de lavagem e limpeza da superfície do concreto Há diversas técnicas para limpar a superfície do concreto que será recuperado, mas cada uma deve ser usada de maneira consciente, pois uma técnica é mais agressiva que a outra, ou seja, temos que tomar os devidos cuidados quando do uso de soluções ácidas com relação à armadura do concreto, aspecto que requer menos cuidados quando do uso de soluções alcalinas ou do uso de jatos d água, areia, vapor, ar comprimido entre outros que serão detalhadamente descritos Utilização de soluções ácidas Primeiramente deve-se esclarecer que essa técnica não deve ser utilizada quando se tem uma espessura de cobrimento da armadura reduzida, ou quando o local deteriorado estiver próximo às juntas de dilatação, evitando assim que a solução penetre nessas juntas, ou seja, evitando que ela penetre em locais onde não se tem garantia de sua remoção total. Nesses casos podem ser adotadas soluções alcalinas, que veremos posteriormente. Para esse tipo de lavagem utiliza-se normalmente ácido muriático (ácido clorídrico comercial) diluído em água na proporção de 1:6, essa solução é utilizada na remoção de tintas, ferrugens, graxas, carbonatos, resíduos e manchas de cimento, sendo mais eficiente que na aplicação de jatos d água. Pode ser utilizada também quando se pretende tornar a superfície do concreto mais áspera. Inicia-se o processo saturando a superfície onde será aplicada a solução, para evitar que a mesma não penetre na camada sadia de concreto, posteriormente aplica-se a solução por aspersão ou com uso de uma broxa em pequenas áreas até que cesse

23 23 o processo de descontaminação, ou seja, quando cessar a reação do produto com o concreto deteriorado. Terminada essa etapa inicia-se a lavagem, garantindo sempre a total remoção da solução, primeiramente com o uso de uma solução neutralizadora e posteriormente com jatos de água natural. Além da solução com ácido muriático existem soluções com outros tipos de ácidos, como a mistura de ácido fosfórico e glicólico, a mistura na proporção de 1:7:6 de plasma de nitrato de sódio, glicerina e água quente respectivamente. Segundo Owens (1991) apud Souza e Ripper (1998), apurou-se que as soluções descritas no parágrafo anterior não obtêm o mesmo resultado comparando-as com o uso da solução de ácido muriático diluído em água Utilização de soluções alcalinas Essa técnica tem o procedimento similar ao das soluções com ácidos, tanto na limpeza prévia quanto na sua aplicação, porem requer cuidados diferentes próprios do agente. Quando se utiliza esse tipo de solução em concretos com agregados reativos, o contato entre os dois pode provocar uma reação denominada álcalis-agregado, que é uma reação expansiva, pela formação de sólidos em meio confinado. Essa reação resulta da interação entre a sílica reativa de alguns tipos de minerais utilizados como agregados e os íons álcalis (Na + e K + ) quando presentes no cimento em porcentagem superior a 0,6% - que são liberados durante a sua hidratação, ou pode ocorrer também pela penetração de cloretos, contendo estes mesmos íons, no concreto.

24 24 Ao contrário das soluções ácidas, esse tipo de solução não necessita de preocupações com relação à proximidade das armaduras Utilização de jatos d água e de areia Esta técnica remove a camada deteriorada de concreto, utilizando-se de jatos d água fria potável (Figura 5.1), normalmente em conjunto com jatos de areia, tanto com o uso alternado da água e da areia, quanto com a mistura dos dois da mesma forma que no concreto projetado por via seca. Figura 5.1 Aplicação de jatos de água para lavagem de superfície de concreto (Souza e Ripper, 1998) Quando utilizado jato de areia é necessário que a mesma esteja limpa, seca e isenta de matéria orgânica, e uma vez utilizada deve ser descartada. Para manutenção da mangueira é necessário que a areia tenha granulometria adequada ao diâmetro da mesma afim de não entupi-la ou causar o polimento da superfície a ser tratada. Após o término de sua utilização, é necessário o uso de jatos de ar comprimido e de água fria antes da aplicação do material de recuperação. Segundo Souza e Ripper (1998) esse método serve também como alternativa ao apicoamento do concreto, promovendo a remoção da camada mais externa de concreto, porém é menos

25 25 produtivo comparado a sua utilização somente para limpeza, cerca de 25% a 30% a menos. Utilizam-se também jatos de água quente com removedores biodegradáveis quando se quer remover das superfícies resíduos muito gordurosas ou manchas muito impregnadas, mas para isso deve-se contratar operadores experientes e usar o EPI (Equipamento de Proteção Individual) adequado. Normalmente utiliza-se máquina de alta pressão tipo lava-jato, quando o serviço permitir pode-se utilizar algumas máquinas de projetar concreto como forma de diminuir a quantidade de equipamentos alocados na obra Utilização de jatos de vapor Utilizada quando se tem uma grande área de superfície do concreto a ser limpa ou como preparação da área onde o material de reparação será aplicado, procedendose com movimentos sucessivos verticais e horizontais. Essa técnica tem como finalidade principal à remoção de sais, óleos, graxa, tintas e pós, e quando da resistência à remoção, como no caso de corrosão das armaduras, deve-se utilizá-la com removedores biodegradáveis. O equipamento utilizado é parecido com o de jato de água, com a diferença que nesse método há uma caldeira para produção do vapor e a mangueira é revestida de amianto para evitar queimaduras no operador Utilização de jatos de ar comprimido O jato de ar comprimido é utilizado para complementação da limpeza quando o uso dos jatos de água ou areia não for suficiente.

26 26 Ele tem a função de promover a remoção das partículas em cavidades, devendo sempre o sopro ser procedido do interior para o exterior ou ainda para a secagem de superfícies ou de fissuras antes da injeção das mesmas. Ainda podemos utilizá-la não como jato, mas sim como aspiração, principalmente para limpeza de furos profundos, como os utilizados para a ancoragem de barras de armaduras. Os cuidados principais que se deve tomar são com relação ao uso de filtros de ar e óleo no compressor, para evitar o refluxo do óleo utilizado no mesmo Escovação manual Essa é uma das mais simples técnicas de limpeza, utilizando como equipamento uma escova com cerdas de aço (Figura 5.2) e às vezes o auxílio complementar de uma lixa de ferro (para aço) ou d água (para concreto). Ela é indicada para pequenas áreas, para limpeza de barras com indícios de corrosão ou para aumentar sua capacidade de aderência. Figura 5.2 Limpeza com utilização de escova de aço (Souza e Ripper, 1998) Após o término da escovação deve-se limpar a superfície tratada com jato de ar comprimido.

27 Apicoamento Este tipo de procedimento é utilizado para remoção da camada externa do concreto que será complementada com o material de recuperação, segundo Souza e Ripper (1998) a espessura de retirada nesse método não ultrapassa 10 mm. Figura 5.3 Martelete pneumático A remoção do concreto deteriorado pode ser feita com equipamentos mecânicos (Figura 5.3), martelos pneumáticos leves, de até 5 kg ou apicoamento manual (Figura 5.4), feito com ponteiro, talhadeira e marreta leve (1 kg). Figura 5.4 Apicoamento manual da superfície de concreto (Souza e Ripper, 1998) A adoção de um sistema ou do outro dependerá da extensão que se quer recuperar, ou seja, para áreas grandes utiliza-se o processo mecânico que tem rendimento

28 28 maior se comparado ao apicoamento manual, que é utilizado para remoção de pequenas áreas danificadas, ou onde não é possível o acesso de equipamentos mecânicos Saturação O processo de saturação da superfície do concreto serve para aumentar a aderência do material de recuperação (concreto ou argamassas de base cimentícia). Segundo Souza e Ripper (1998) o tempo médio de saturação é de aproximadamente 12 horas. Deve-se observar que a superfície que receberá o material de recuperação tem que estar apenas úmida sem possuir poças de água Corte O corte de concreto se faz necessário quando se deve promover uma remoção mais profunda do concreto degradado (Figura 5.5). Figura 5.5 Remoção de concreto por corte (Souza e Ripper, 1998)

29 29 Esse processo utiliza-se de martelo demolidor com massa de 6 a 10 kg, com ponteiro terminando em ponta viva. Neste processo extirpa-se todo e qualquer material nocivo às armaduras, promovendo um corte, pelo menos 2 cm ou o diâmetro da barra, de profundidade além das mesmas, garantindo assim que toda armadura estará imersa em meio alcalino (Figura 5.6). Figura 5.6 Corte de concreto mostrando a profundidade de remoção (Souza e Ripper, 1998) Segundo Andrade y Perdrix (1992, p. 97), caso não haja o corte do concreto além das armaduras, limpando-se somente o lado exterior e deixando a parte posterior recoberta pelo concreto velho, isso dá início a uma pilha de corrosão eletroquímica por diferença de material. Ainda segundo Andrade y Perdrix (1992, p. 97), isso ocorre, pois a parte posterior atuará como ânodo e a parte recuperada e passivada 1 fará o papel de cátodo, desencadeando assim um processo de corrosão ainda mais rápido que originalmente. Para melhor aderência do novo concreto, a superfície interna do corte deve ter suas arestas arredondadas (Figura 5.7) e na forma de um talude de 1:3, segundo Souza 1 Película de passivação formada sempre que o nível de alcalinidade for superior a 9, isso ocorre pelo contato entre a ferrugem superficial das barras e a água de amassamento excedente do concreto (Souza e Ripper, 1998).

30 30 e Ripper (1998, p. 116). Terminado o corte a superfície do concreto deve seguir uma seqüência de limpeza, que são: jateamento de areia; jateamento de ar comprimido; e jateamento de água. Figura 5.7 Aspecto final da cavidade na intervenção de corte de concreto (Souza e Ripper, 1998) Há ocasiões em que se necessita o escoramento (Figura 5.8) da estrutura onde está sendo realizado o corte, ou mesmo o seu macaqueamento, fatores esses que acabam por encarecer e demandar maior tempo de intervenção. Figura 5.8 Escoramento de estrutura para suportar a remoção total do concreto do pilar a ser recuperado (Cánovas, 1988)

31 31 A determinação da extensão longitudinal a ser cortada é empírica, ou seja, não tem uma fórmula que a determine, mas pelo bom senso e experiência, devem ser observados os seguintes fatores: estar atento para a remoção completa dos agentes nocivos à estrutura, ou seja, o resquício por mais imperceptível que seja de uma película oxidada, promove a retomada do processo contaminante, comprometendo assim o trabalho realizado; a retirada em demasia de concreto é contra a segurança da estrutura e antieconômica, pois está se removendo camadas de concreto sadio Resumo das etapas de preparação do substrato. As etapas de preparação da base da estrutura a ser reparada, no caso da Figura 5.9, a recuperação de um pilar, são: Figura 5.9 Etapas de preparo de base (Quartzolit, 2006) Etapa 1 delimitação da área a ser reparada com a utilização de ferramenta adequada de corte; Etapa 2 remoção do concreto deteriorado e de todos os resíduos de agregado e pó, deixando a superfície limpa; Etapa 3 uso de jato d água para remoção mais eficiente das impurezas; Etapa 4 caso haja resíduos de óxidos (ferrugem) nas barras de aço, esses deverão ser removidos totalmente com uso de escova de aço;

32 32 Etapa 5 tratamento prévio das armaduras por pintura de proteção específica, caso necessário, as barras deverão ser substituídas ou reforçadas. Etapa 6 montar a fôrma necessária de maneira a permitir o lançamento do material de reparo sem vazamento, ou seja, que não haja escorrimento do produto para fora da fôrma. 5.2 Técnicas de recuperação Após o preparo da superfície e limpeza das armaduras, ou sua substituição quando necessário, é realizada a recomposição da área recuperada com os diversos materiais existentes, são eles: recuperação com argamassa; recuperação com graute; recuperação com concreto Reparo com argamassa Esse tipo de reparo é utilizado para áreas de superfícies tanto pequenas quanto grandes, mas que não atinjam grandes profundidades, segundo Souza e Ripper (1998) não deve atingir mais do que 5 centímetros. Os reparos com argamassa só devem ser utilizados para recompor a argamassa de recobrimento, devendo não estar deteriorado o interior da estrutura. Essa técnica geralmente é utilizada para o enchimento de falha de concretagem, as famosas bicheiras, recomposição de quinas quebradas, regularização de superfície de lajes, etc.

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação.

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Descrição VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, alvenaria e argamassa. VEDAJÁ proporciona impermeabilidade, mesmo com a ocorrência

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-17/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica.

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. Descrição do Produto MASTERTOP 1119 é um sistema para pintura epoxídica, bicomponente, isento de

Leia mais

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA Foto 1. Lateral do antigo Centro Cirúrgico. Abril de 2012 2 INTRODUÇÃO Fundado em 4 de junho

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos "cortados" (C1 e C50)

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos cortados (C1 e C50) Belo Horizonte, 16 de novembro de 2.009 CEFET-MG Diretoria de Planejamento e Gestão Belo Horizonte MG A/C.: Prof. Mário Basílio (marciobasilio@deii.cefetmg.br) REF.: Prédio administrativo do CEFET-MG,

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 Descrição do produto O Chumbador Químico WIT-P 200 possui excelente propriedade de fixação e ancoragem em substratos maciços e ocos, com rápido tempo

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Sistema epóxi estrutural para ancoragens

Sistema epóxi estrutural para ancoragens Ficha de Produto Edição 08/10/2012 Identificação no: 02 04 02 06 001 0 000030 Sikadur AnchorFix-4 Sistema epóxi estrutural para ancoragens Descrição do Produto Sikadur AnchorFix-4 é um sistema epóxi bicomponente,

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação.

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. INTRODUÇÃO A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. Cada vez mais os diferentes tipos de estrutura ganham

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto É uma mistura de: Cimento Portland Água potável Agregados: Aditivos produtosquímicos Ar O que

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Floor Repair Plus_Endurecedor

Leia mais

REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC.

REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC. REVESTIMENTO AUTONIVELANTE PARA REGULARIZAÇÃO DE PISOS ANTES DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA, PEDRAS, ETC. DESCRIÇÃO O Premium Self-Leveling é um contrapiso cimentício, autonivelante, monocomponente, fluído,

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Memorial de Especificações de Materiais e Execução

Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 1 Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 2 Índice 1 Estrutura... 3 Tabela 01 Tolerâncias dimensionais para seções transversais de elementos lineares e para espessura de elementos

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA LIMPEZA

INSTRUÇÕES PARA LIMPEZA Geral Os forros minerais Knauf AMF têm diversas opções de acabamento. Cada acabamento requer um método de limpeza. Normalmente, a aplicação padrão de painéis para forro não exige limpeza, porém algumas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO

BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO Elaborador: Verificadores: Aprovador: Hardfix Epóxi Pro Chumbador químico base epóxi. Descrição É um adesivo estrutural

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande Estado de São Paulo

Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande Estado de São Paulo ANEXO B - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE OBRAS PROCESSO ADMINISTRATIVO nº 18.478/11 INTRODUÇÃO O presente documento especifica os padrões técnicos mínimos, a serem obrigatoriamente respeitados durante a REGISTRO

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais