Ética e Responsabilidade Social no Ensino Fundamental Qual o Papel da Escola na Formação de Valores Humanos? Patrícia N.Bauer e Tana Bassi*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ética e Responsabilidade Social no Ensino Fundamental Qual o Papel da Escola na Formação de Valores Humanos? Patrícia N.Bauer e Tana Bassi*"

Transcrição

1 Ética e Responsabilidade Social no Ensino Fundamental Qual o Papel da Escola na Formação de Valores Humanos? Patrícia N.Bauer e Tana Bassi* Segundo o artigo 3 o. da Constituição Federal, são os objetivos fundamentais da República: construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Verifica-se, contudo, que correspondem muito mais a metas, a grandes objetivos a serem alcançados. Todavia, a concretização desses grandes objetivos não é um processo simples. A escola deve estar inserida nesse processo e comprometida com o desenvolvimento de capacidades que permitam intervir na sociedade para transformá-la, já que um indivíduo com valores pode ser o início do caminho para um mundo melhor. Não podemos mais tratar os valores apenas como conceitos ideais. A construção da cidadania somente ocorrerá se forem cultivados valores que formarão a base de sustentação do comprometimento com princípios como o respeito à diversidade, à interdependência, à justiça e ao amor ao próximo. Se a escola deve ter como tarefa a formação da cidadania e esta ganha seu sentido pleno num contexto democrático, é fundamental verificar a situação educacional existente hoje no Brasil. As leis que regem as ações do povo brasileiro apontam efetivamente na direção da cidadania? Mais ainda, que atitude tomam os indivíduos diante delas? A educação que se oferece nas escolas capacita de fato os indivíduos para atuar crítica e construtivamente? É importante uma Educação em Valores e o Papel da Escola e do Educador no desenvolvimento do educando, por meio de práticas, conceitos e exemplos aplicados na escola junto ao currículo escolar já a partir do Ensino Fundamental, práticas essas que respeitem a diversidade cultural e social e as necessidades de cada comunidade em torno da escola e que apresentem os conceitos e os diálogos existentes sobre a capacitação dos alunos, de forma a aprenderem a conhecer, a fazer, a viver juntos, a entender, a respeitar e ajudar ao próximo, a ser, a ouvir, a dialogar, a questionar, a mudar e resolver os problemas do dia-a-dia.

2 Ética Assim, como nos ensinam os antigos, a Ética diz respeito às reflexões sobre as condutas humanas e, dessa forma, a pergunta ética por excelência é como agir perante os outros?. Nos dias atuais, o tema Ética chega à escola e, com base nele, a instituição escolar incumbe-se de realizar trabalhos cujo objetivo seja possibilitar o desenvolvimento da autonomia moral, condição para a reflexão ética. Para esse estudo, foram eleitos como eixos de trabalho quatro blocos de conteúdo: Respeito Mútuo, Justiça, Diálogo e Solidariedade, valores referenciados no principio da dignidade do ser humano, um dos fundamentos da Constituição Brasileira. Se a escola conseguir de fato trabalhar esses Valores, fundamentos da Constituição Brasileira, teremos alunos capazes de refletir sobre suas condutas e de discutir o sentido Ético na convivência humana. Responsabilidade Social O conceito de Responsabilidade Social aplicado à gestão dos negócios se traduz como um compromisso ético voltado à criação de valores para todos os públicos com os quais a empresa se relaciona: clientes, funcionários, fornecedores, comunidade, acionistas, governo, meio ambiente. Responsabilidade Social é, assim, uma nova maneira de conduzir os negócios da empresa, tornando-a parceira e co-responsável pelo desenvolvimento social, englobando preocupações com um público maior (acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio-ambiente), o que proporciona às empresas a possibilidade de desenvolver projetos em diversas áreas, com diversos públicos e de diversas maneiras. Dessa forma, a Responsabilidade Social nunca se esgota, pois sempre há algo a fazer nesse processo educativo que evolui com o tempo. No entanto, como a Ética é à base da Responsabilidade Social e se expressa através dos princípios e valores adotados pela organização, é importante seguir uma linha de coerência entre ação e discurso. Como tornar os alunos cidadãos Éticos com atuação socialmente responsável? Como colocar em prática a Responsabilidade Social na Escola? A comunidade escolar é o ambiente ideal para a conscientização e para o desenvolvimento de projetos voltados à Responsabilidade Social. Os educandos, podem e devem tomar conhecimento das necessidades e das problemáticas da sociedade e, potencialmente, tornarem-se pessoas que respeitem a diversidade, que convivam com as diferenças e que sejam mais comprometidas com o futuro.

3 Portanto é no universo da escola que o educando vivencia situações diversificadas que favorecem o aprendizado, para dialogar de maneira competente com a comunidade, aprender a respeitar e a ser respeitado, a ouvir e ser ouvido, a reivindicar direitos e cumprir obrigações, a participar ativamente da vida científica, cultural, social e política do país e do mundo. A conscientização de que cada um dos seus integrantes (professores, funcionários, coordenadores e diretores) deve assumir seu papel, tendo como objetivo, promover o bem de todos, é uma maneira prática de transparecer responsabilidade social na escola. Os valores adquiridos a partir das atitudes e compromisso dos que trabalharam com eles terão um papel de fundamental importância se pensarmos que os educandos serão os futuros multiplicadores desses valores.. As escolas podem utilizar uma variedade imensa de produtos e materiais. Até mesmo restos de matéria-prima ou produtos ultrapassados podem ser utilizados para projetos escolares. Podemos citar como bons exemplos os laboratórios de informática e as oficinas de Artes. Como as empresas com atuação socialmente responsável, influenciariam os alunos da Escola Fundamental? As empresas com atuação socialmente responsável contribuirão para a formação desses alunos que, em longo prazo, poderão reproduzir esse mesmo exemplo, pois um comportamento ético os levará, quase certamente, a uma atitude reflexiva, permitindo a valorização da liberdade, da responsabilidade e da tolerância. Além disso, podem estabelecer parcerias com uma única escola pública ou comunitária e supri-la com variada gama de serviços ou autorizar a visita de um grupo de alunos da escola a suas instalações, pois o simples funcionamento de um escritório poderá despertar nesses jovens alunos futuras aspirações. A maioria dos projetos de educação está voltada para a melhoria da escola pública com o objetivo de diminuir a evasão escolar. Importantes também são os projetos que promovem a capacitação de professores, pois aí está uma das soluções para a melhoria da qualidade da educação e o aprimoramento dos processos de ensino. No entanto, apesar desses valores revelarem um engajamento nas áreas sociais, a atuação ainda é muito tímida para a realidade dos problemas sociais no Brasil. Os jovens devem ser incentivados a buscar novos caminhos e soluções positivas para alcançar uma sociedade mais digna e justa, com menos desigualdade e diferenças sociais, cabendo a todos tratarmos dessa questão como uma questão não só atual, mas como uma urgência social.

4 Ética e Responsabilidade Social no Currículo Escolar Questões relacionadas à Ética e à Responsabilidade Social encontram-se a todo o momento em todas as disciplinas, assim como questões relativas a valores humanos permeiam todos os conteúdos curriculares: Em História, as guerras, as diversas formas de poder político, as revoluções industriais e econômicas e as colonizações concernem diretamente às relações entre os homens. Dessa forma, o passado histórico é de extrema importância para se compreender o presente, os valores contemporâneos, as atuais formas de relacionamento entre os homens, entre as comunidades, entre os países; Em relação à Língua Portuguesa, deve-se considerar que a linguagem é o veículo da cultura do país e carrega os valores e a identidade nacional; Em Ciências Naturais, ao se abordar a sexualidade, podem-se discutir várias questões pertinentes, como o respeito ao outro (no caso de AIDS/ DST) e a autopreservação, que não se justifica apenas pela própria saúde e sobrevivência, mas também pelo respeito pela vida alheia, uma vez que o parceiro pode ser contaminado; Em relação ao Meio Ambiente, temas, como a preservação da natureza, dizem respeito diretamente à vida humana, pois poluir rios causa problemas, como pó exemplo, enfermidades em quem depende de suas águas. Desrespeitar a natureza implica desrespeitar as pessoas que dela dependem, o que, por sua vez, implica a discussão de valores éticos. Portanto, verifica-se há questões relacionadas à Ética em todo o currículo. A própria função da escola levanta questões Éticas: Para que e a quem serve o saber, os conhecimentos científicos e as várias tecnologias? Para que se estuda? Como se deve agir com o professor e com os colegas? Como são as relações entre escola e comunidade? Os conteúdos citados devem ser trabalhados para que o aluno evolua em sua formação, com questões sociais e de cidadania de acordo com os objetivos propostos. Porém, para desenvolvermos esses temas, não podemos esquecer a necessidade de se trabalhar na formação dos educadores, para que possam se situar e participar do processo de construção da cidadania,

5 do reconhecimento de seus direitos e deveres, de seus valores e de sua valorização como educador. A escola deve cultivar os valores que são à base de sustentação do comprometimento com os princípios de respeito à diversidade, à interdependência, à justiça e ao amor ao próximo. A escola deve ser repensada por meio de novas vivências do espaço educativo, das relações entre educadores e alunos, das influências do meio escolar na comunidade local, das responsabilidades individuais e coletivas e do apreço ao conhecimento. O professor precisa trabalhar com suas motivações pessoais, sonhos e anseios, para ter consciência de que a escola também pertence a ele e de que cada um deve fazer sua parte segundo suas capacidades e potencialidades. O Papel da Escola na Formação de Valores Humanos O papel da escola na formação educacional é fundamental para mudar as questões relacionadas aos valores humanos atuais e para poder criar, por meio de experiências construídas no espaço escolar, a capacidade de analisar os diversos valores presentes na sociedade e na construção de princípios de respeito mútuo, justiça, diálogo, solidariedade, democracia. Espera-se que os alunos saibam falar e ouvir e que as diferenças se tornem meios de enriquecimento no conhecimento de novos valores. Assim, a escola não existe só para transmitir conhecimentos, informações e formar para o mercado de trabalho, mas também para formar alunos e cidadãos capazes de definir metas e meios para alcançarem suas realizações pessoais e de compreenderem a si mesmos e ao próximo, por meio da convivência uns com os outros e com os professores e funcionários da escola, dos valores compartilhados e da participação responsável em suas atividades escolares (CHAVES, 2002). Ao discutir o papel da escola na formação moral PIAGET (1978) argumentou que normas disciplinares impostas de fora, como a obediência, a autoridade e a coação do adulto, o certo e o errado, o bem e o mal, além de sufocar a personalidade da criança, mais prejudicam do que favorecem sua formação. É evidente que as crianças devem perceber o que é certo e o que é bom, mas elas devem ser equipadas com a capacidade do desenvolvimento do pensamento crítico e decidirem por si sós a pensar, e não apenas a se adaptar ao estabelecido e ditar seus valores. Para Jaques Delors (2004), o papel da escola é construir e fornecer às crianças e aos adultos as bases culturais que permitam decifrar as mudanças de curso a fim de melhor interpretá-las e de reconstruir os acontecimentos inseridos numa história de conjunto. Ele ainda pontua quatro pilares importantes para a educação: Aprender e Conhecer, Aprender a Fazer, Aprender a Viver

6 Juntos e Aprender a Ser, onde cada um desses pilares permite trabalhar o aprendizado na compreensão, no conhecimento, na descoberta, na prática de seus conhecimentos, na participação e na cooperação com os outros em todas as atividades humanas, na elaboração de pensamentos autônomos e críticos e na formulação dos próprios juízos de valor, de modo a poder decidir, por si mesmo, como agir nas diferentes circunstâncias da vida. Essa visão de DELORS remete à nossa análise sobre a importância de práticas educacionais ligadas às situações reais, vividas por cada criança no seu dia-a-dia, orientando-a sobre como analisar e resolver as questões da vida. A importância de uma Educação que trabalhe a questão de Valores Humanos, a partir do Ensino Fundamental, reforça-se nas várias publicações encontradas que abordam a questão da reestruturação do currículo escolar, como encontramos em entrevista do reconhecido jornalista Gilberto Dimenstein (2005) [1] : A escola tem que ser um grande centro de administração de curiosidade e possibilidades, porque a educação é para toda a vida. O último dia de vida é o último dia de escola. Quando o currículo diz respeito à vida da pessoa, você pode vincular as outras matérias a esse currículo, e o professor é o orientador dessas várias matérias. O Papel do Educador A qualidade da Educação na escola não trata somente de passar informações aos alunos, mas depende, sobretudo, da qualidade do trabalho profissional dos professores. Assim, o grande desafio é utilizar temas polêmicos de forma educativa e como parte do processo educativo, instigando o aluno à reflexão sobre os problemas da sociedade e sua resolução. Dessa forma, é preciso repensar a formação de professores de maneira a cultivar, precisamente, nos professores das próximas gerações, as qualidades humanas e intelectuais adequadas a favorecer uma nova perspectiva de ensino. Sobre esse mesmo tema, no texto Proteção social e muitos espaços para aprender, GUARÁ (2003) afirma que qualquer projeto para o desenvolvimento do Brasil terá certamente na Educação seus esteios fundamentais. Como a melhoria dos indicadores sociais e a superação da pobreza carecem de implantação de ações sociais, os esforços dedicados à Educação precisam incorporar avanços na expansão e na qualidade. Os professores e educadores têm a tarefa comum de orientar as escolhas, de ajudar crianças e adolescentes a processar as informações e de serem

7 referências humanas exigentes e compreensivas para tornar o aprendizado uma conquista prazerosa e desafiadora. Para que essa qualidade da Educação se efetive de fato, todos os governos devem empenhar-se em reafirmar a importância dos professores da Educação básica e em criar condições para que se aperfeiçoem as suas qualificações por meio das seguintes medidas: Recrutamento - melhorar a seleção e ampliar a base do recrutamento; Formação Inicial - estabelecer laços mais estreitos entre as universidades e os institutos de formação de futuros professores; Formação Contínua - desenvolver os programas de formação continuada de forma que os professores possam recorrer a eles por meio de tecnologias e comunicação adequada e com a necessária freqüência. Reforçando o papel do Educador, é preciso lembrar as dificuldades que a maioria dos professores enfrentam: violência, baixos salários, salas de aula muito numerosas (com quarenta alunos em média), comprometendo o desenvolvimento do aluno e a sua própria realização profissional. O número de profissionais da Educação, segundo a Unesco, diminui a cada ano. Só colocar as crianças na escola não basta, dependemos dos educadores para que, num futuro próximo, elas consigam adquirir conhecimentos básicos e valores para ter uma vida digna. Uma questão fundamental é fornecer ao educador o acesso à informação, às pesquisas realizadas e às práticas bem sucedidas, para que sirvam de base para suas aplicações. Essas informações devem ser fornecidas seja por meio de palestras, cursos, informativos, seja por meio de pesquisas na Internet, ou rede de comunicação. A questão do educador é de fundamental importância na reformulação do papel da escola. Investimentos urgentes devem ser feitos para estimular a melhoria das condições de trabalho dos educadores e, conseqüentemente, mudar a Educação de nosso país. Análise de Projetos em Escolas no Ensino Fundamental Existem várias escolas que já implantam essa prática nos currículos escolares de forma muito diversificada e com resultados significativos na mudança de atitude dos alunos em relação ao meio ambiente, ao respeito aos idosos, ao envolvimento escola / comunidade, à cooperação escola / cidade e a mudanças de ações do poder público, que passou a considerar com mais atenção às propostas das escolas.

8 Analisamos os projetos de 07 escolas no estado de São Paulo, que implantam essa prática nos currículos escolares de forma muito diversificada, encontramos conteúdos e resultados significativos para o fortalecimento das mudanças obtidas com a prática dos Temas Transversais inseridos dentro do currículo escolar e observamos as questões de Ética e Responsabilidade Social sendo abordadas na prática, de acordo com as necessidades culturais e sociais de cada localidade. No projeto CIDADANIA - É ASSIM QUE SE FAZ, em Bariri, encontramos um envolvimento de todas as matérias curriculares nos temas em questão e a participação da comunidade e autoridades locais. Em JOVENS CONSTRUTORES, em Ubatuba, a situação precária da escola e a carência de recursos dos alunos levaram a uma mobilização, que resultou na valorização do indivíduo e na confiança de que é possível melhorar. No projeto CONSIDERE A EDUCAÇÃO EM VALORES, A CIDADANIA E OS DIREITOS HUMANOS, em São Paulo, desenvolveram-se atividades voltadas ao voluntariado com alunos de uma escola particular, fortalecendo a conscientização de uma responsabilidade social que permaneceu neles mesmo após a conclusão do período escolar. Com o projeto ESCOLA CIDADÃ, em Santo Antonio do Aracanguá, vimos à conquista da escola para atender as necessidades de seus alunos, oferecendo um espaço de aprendizado, entretenimento e aplicação de valores humanos, com as crianças passando a freqüentar a escola, a fazer suas lições e a sair da marginalidade e do trabalho infantil. Com o NUTRI E EDUQUE, em Potirendaba, verificou-se a prática de responsabilidade social para com os próprios colegas de escola, conscientizado-os da importância de hábitos saudáveis, e aprendendo sobre as implicações advindas deles. Como prática dos seus conhecimentos, os alunos levaram o aprendizado para suas famílias e comunidade. No Projeto ESCOLA DO CAMPO, em Praraquara, alunos, professores e comunidade foram beneficiados. Como os alunos passaram a aprender, nas aulas, a prática do trabalho rural e os professores foram motivados com adicional salarial e transporte, a comunidade passou a ter no espaço da escola o núcleo central de muitas atividades, valorizando o homem do campo sem perder contato com a cidade. Nos CEUs, em São Paulo, cada uma das escolas respeita suas necessidades, dentro do perfil de seus alunos e da comunidade. Assim, os alunos podem de maneiras diversas realizar um trabalho de educação para a vida, de responsabilidade, de ação social, ética e cultural dentro dos seus próprios recursos e limites, aprendendo que, com vontade, todos podem educar de verdade. O projeto dos CEUS é ousado quanto às suas propostas, abrangendo atividades para a construção da cidadania e a melhora da qualidade de ensino. Seria muito importante se todos os cidadãos

9 tivessem acesso a todas as informações para serem capazes de avaliar seus resultados, pois fezse um grande investimento e o retorno deve ser o benefício para toda a comunidade. Resumo dos resultados alcançados nessas escolas: Envolvimento da escola com a comunidade e atores locais. Conscientização das mudanças possíveis por intermédio da formulação e implementação de novas políticas públicas. Conquista de auto-estima, preocupação com o meio ambiente, respeito pelas diferenças, senso de companheirismo e o desenvolvimento de visão crítica. Prática do trabalho voluntário. Redução da violência, marginalidade e do trabalho infantil. Valorização do homem do campo. Com esses resultados de sucesso obtidos nos projetos aplicados nas escolas de Ensino Fundamental, ressaltamos a importância de serem trabalhadas as questões de Ética e Responsabilidade Social na formação dos indivíduos a partir do Ensino Fundamental, quando os alunos se encontram em fase de formação de valores e atitudes, para termos uma sociedade mais humana, menos individualista e mais voltada para o bem comum. Dessa forma, poderemos vir a ter futuros dirigentes dedicados a investimentos na sociedade sem exigir benefício próprio. Conclusão As pesquisas e a análise realizadas sobre a questão de Ética e Responsabilidade Social no Ensino Fundamental, o estudo sobre conceitos e valores e práticas aplicadas levaram-nos a apontar algumas considerações de fundamental importância para a reflexão dos dirigentes escolares, professores, comunidade e governos. Embora ninguém discorde de que o Ensino Fundamental é a base para uma Educação Integrada a todos os aspectos do desenvolvimento do indivíduo, sabe-se que a qualidade desse ensino muitas vezes é inadequada. A principal causa para isso é, sem dúvida, o fato de que os investimentos em Educação são insuficientes, o que significa, na prática, que uma maior vontade política dos governos torna-se necessária, assim como mudanças nas políticas públicas. Todavia, não há governo que provoque uma mudança sem o envolvimento da comunidade. Não podemos esquecer da contribuição das organizações não-governamentais e das empresas no desenvolvimento de projetos para a construção da cidadania. As empresas podem dar suporte

10 financeiro e, simultaneamente, suas atuações socialmente responsáveis poderão influenciar os alunos do Ensino Fundamental quanto às suas atitudes como cidadãos. As ONGs, por sua vez, facilitam o contato direto com a comunidade, mostram a importância da participação na escola e oferecem atividades complementares. A ajuda do Setor Privado foi constatada através do Guia da Cidadania. Houve um aumento significativo, embora ainda não suficiente, de projetos em Educação. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) são uma referência para o Ensino Fundamental. É necessário que sejam mais divulgados e que contribuam, efetivamente, para a formação e a atualização dos educadores e dirigentes escolares. Conforme os Parâmetros, o Estado seria o responsável pela formação de pessoas capazes de exercer plenamente sua cidadania. O tema Ética é um dos Temas Transversais sugerido pelos PCNs, existe a preocupação em trazer Valores Éticos para o Ensino Fundamental. Acredita-se que cidadãos éticos sejam capazes de ter uma atuação responsável na vida. Entretanto, trabalhar questões éticas no Ensino Fundamental não é tarefa fácil e só será plenamente alcançada quando os professores forem preparados para mais essa função. A situação do professor das escolas públicas é um motivo de preocupação, pois ele vivencia situações de violência, de escassez de material, de desinteresse por parte dos alunos e de falta de motivação, de desvalorização como profissional e de baixos salários. É preciso repensar a formação dos professores, de maneira a torná-los aptos a desenvolver adequadamente esses temas nas escolas, mediante as sugestões propostas pelos PCNs. Como exemplo de novas alternativas de capacitação do magistério, existe a Associação Palas Athena com o Programa de Educação em Ética e Valores Universais, VALORES QUE NÃO TÊM PREÇO, cujo objetivo é sensibilizar e motivar professores e alunos, quanto à importância do ensino da Ética e dos valores universais nas escolas. Ainda que a situação do professor, com freqüência, seja difícil, ele precisa acreditar que mudar é possível, caso contrário, as mudanças dificilmente acontecerão. Assim, a atuação perante a realidade da escola pública deve ser de análise e de conscientização, não somente da equipe docente, mas de toda a comunidade, de que deve haver perspectiva de mudança do quadro presente. Nas condições atuais, frustra-se a esperança de que a escola venha a assumir o papel central no processo de socialização e de aprendizado de papéis e normas sociais.

11 A escola só oferecerá um Ensino Fundamental com qualidade, quando, ao completar a oitava série, o aluno estiver preparado para entrar no mercado de trabalho, ou puder escolher entre cursar o Ensino Médio para depois cursar uma boa Universidade, ou optar por um curso profissionalizante. Todas essas motivações e a procura por respostas para atingir nossos objetivos reforçam-se com uma citação de Luiz Carlos Merege, servindo como indicador de que um país melhor é possível: O desafio maior para os jovens empreendedores sociais não se reduz, porém, à apresentação de resultados, mas se posicionar na defesa de valores e princípios que prevalecem no terceiro setor [2] e que passam gradativamente a servir de referência aos outros setores. São valores que fundamentam a construção de uma sociedade solidária, igualitária e fraterna. Se no passado o Estado e o setor privado contaram com o suporte intelectual de jovens administradores, o terceiro setor, com características peculiares, certamente vive uma importante e necessária transformação graças à contribuição desses novos empreendedores sociais. [3] Dessa forma, infere-se que há necessidade de pessoas para trabalhar na defesa de Valores, mas, para que a atuação seja responsável, elas também devem ter recebido uma Educação em Valores. Referências Bibliográficas Ação de IBOPE pela Educação. Acesso em 01/12/04 no AOKI, Edna. Ética Decidir entre humanos. Acesso em 13/07/04 no BAHIENSE, Denise. A integração de integração entre família e escola. Folha Dirigida. Acesso em 05/12/04 no BAUMAN, Zygmunt. Ética Pós-Moderna. São Paulo: Paulus, BOFF, Leonardo. Ética e moral: a busca dos fundamentos. Petrópolis : Vozes, CAMPBELL, Jack (org). Construindo um futuro comum. Brasília: UNESCO / OECD / Ministério da Saúde, CARRARA, J. A. Educar para a sensibilidade. Acesso em 23/11/04 no

12 CHAVES, Eduardo O. C. Nova Escola - Em Defesa de uma Nova Escola. Acesso em 10/08/04 no CHIBILI, Faoze. Educação. Prêmio incentiva implantação dos PCN e destaca projetos pedagógicos bem-sucedidos. Acesso em 11/07/04 no Contextualização e Problematizar. Temas Transversais. Manual do Professor. Acesso em 22/11/04 no CÓRIA-SABINI, M. A.; OLIVEIRA, V. K. Construindo valores humanos na escola. Campinas, SP: Papirus, DELORS, Jacques. Educação, um tesouro a descobrir. São Paulo: Brasília, DF: MEC: UNESCO, DIMENSTEIN, Gilberto. O mundo como escola. Acesso em 05/12/05 no Educação para os Direitos Humanos e a Cidadania. Acesso em 19/07/04 no Escolas instiga à reflexão sobre grandes temas da sociedade. Temas Transversais. Acesso em 22/11/05 no FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Introdução de Francisco C. Weffort. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (19ed, 1989, 150p). GARROS, Kaudy. Entrevista da equipe da Educacional. GENTILIE, Paulo. As diversas faces da escola. Como enfrentar o desafio de oferecer um ensino que respeite a cultura de cada comunidade. Acesso em 22/11/04 no GUARÁ, Isa. Educação, proteção social e muitos espaços para aprender - Muitos lugares para aprender / Centro de Estudos e Pesquisa em Educação, Cultura e Ação Comunitária CENPEC São Paulo; CENPEC / Fundação Itaú Social / UNICEF, Guia de Boa Cidadania Corporativa Editado pela revista EXAME, quinta edição anual, Editora Abril. GUIMARÃES, Gilberto. Responsabilidade Social: um novo modelo empresarial. Acesso em 29/01/05 no Guia GIFE sobre investimento social privado em Educação. São Paulo: GIFE, HASSEN, J. Filosofia dos Valores. Coimbra: Arménio Amado MARTINELLI, Marilu. Ética, Valores Humanos e Transformação. São Paulo: Fundação Peirópolis, MARTINELLI, Marilu. Aulas de Transformação. São Paulo: Fundação Peirópolis, 1996.

13 MATURANA, Humberto. & REZEPKA, Sima Nisis. Formação Humana e Capacitação. Petrópolis, RJ: Vozes, MORIN, Edgar. Os Setes Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, Muitos Lugares para Aprender. Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária CENPEC. São Paulo: CENPEC, Fundação Itaú Social, Unicef, Municípios. Documento visitado em 22/01/05. O que é agenda 21. Ministério do Meio Ambiente. Acesso em 23/01/05 no ORTS, Adela Cortina. O Fazer Ético Guia para a educação moral. São Paulo, Moderna, PCNs, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, PEREIRA, Moacir. A cidadania na escola. Acesso em 19/07/04 no Perfil dos Municípios Brasileiros. Acesso em 22/01/05 no PREUSSLER, Anna. Responsabilidade Social na escola. Acesso em 11/07/04 no Programa Gestão Pública e Cidadania Histórias de um Brasil que Funciona. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania, Programa que prepara jovens para o exercício da cidadania. Academia Educar. Acesso em 11/07/04 no Projetos. CENPEC. Acesso em 01/12/04 no Projeto de Educação e Cidadania. Acesso em 05/12/04 no Projeto escola. Planejamento do Ensino; Arte e Cultura na Escola; Ética, Decidir entre humanos; Disciplinas e Interdisciplinaridade. Equipe EducaRede. Acesso em 11/07/04 no PUIG, Josep Maria. A Construção da Personalidade Moral. São Paulo: Editora Ática, Quarenta Valores essenciais para o desenvolvimento. Search Institute, Healthy Communities, Healthy Young. RICCI, Rudá. Por uma Lei de Responsabilidade Social ou para se contrapor ao Estado- Facilitador. Acesso em 13/07/04 no RUSS, Jacqueline. Pensamento ético contemporâneo. São Paulo: Paulus, SALLES FILHO, N. A. Educando para a PAZ. Acesso em 23/11/04 no

14 TAILLE, Yves de La. Limites: Três dimensões educacionais. Acesso em 23/11/04 no TEIXEIRA, N. J. Responsabilidade Social na escola. Como aplicar este novo conceito no cotidiano de nossas escolas. Acesso em 11/07/04 no Valores Discutindo os valores na escola. Acesso em 23/11/04 no WEISZ, Telma. Seminário Qualidade na Educação, garantia de Eqüidade e Aprendizagem na Escola. [1] DIMENSTEIN, Gilberto. O mundo como escola. Entrevista para a Revista Viração realizada pelo Conselho Editorial Jovem da Vira. Acesso em 05/12/04 no [2] O Estado é o Primeiro Setor; o Mercado é o Segundo Setor e Entidades da Sociedade Civil formam o Terceiro. O Terceiro Setor é constituído por organizações privadas sem fins lucrativos que geram bens, serviços públicos e privados, com objetivo de promover o desenvolvimento político, econômico, social e cultural no meio em que atuam. Exemplos de organizações do Terceiro Setor são as organizações não-governamentais (ONGs), as associações e fundações. [3] Jornal Valor Econômico, 09/04/ São Paulo SP. Luís Carlos Merege é coordenador do curso de Administração para Organizações do Terceiro Setor, do Centro de Estudos do Terceiro Setor (CETS), da Fundação Getulio Vargas Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV/EAESP). * Este artigo foi selecionado a partir dos trabalhos de conclusão de curso da pós-graduação em Administração de Organizações do Terceiro Setor da FGV-SP. O trabalho pode ser encontrado na íntegra no CETS Centro de Estudos do Terceiro Setor da FGV-SP. *Patrícia Bauer é formada em matemática pela PUC-SP com pós-graduação em Administração de Organizações do Terceiro Setor pela FGV-SP. Atualmente trabalha com o Ensino Médio. Tana Bassi é pós-graduada em Administração para Organizações do 3o. Setor também pela FGVSP. Atua como consultora nas áreas de responsabilidade social, planejamento estratégico, gestão e elaboração de projetos sociais e culturais. BAUER, Patrícia N., BASSI, Tana. Ética e Responsabilidade Social no Ensino Fundamental. Qual o Papel da Escola na Formação de Valores Humanos? Revista IntegrAção. São Paulo : CETS, FGV EAESP, n. 63, jun Disponível em: Acesso em: 17 ago

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2009

REQUERIMENTO N o, DE 2009 REQUERIMENTO N o, DE 2009 (Do Sr. WASHINGTON LUIZ) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo ao Ministério da Educação a inclusão de conteúdos de empreendedorismo nos currículos das disciplinas

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixar filhos melhores para o nosso planeta PROJETO: CONVIVÊNCIA

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CIDADANIA DIREITO DE TODOS

CIDADANIA DIREITO DE TODOS CIDADANIA DIREITO DE TODOS Luciana Montes Arruda Universidade Castelo Branco INTRODUÇÃO Com o objetivo de contribuir para a qualidade de vida no estado do Rio, o Sistema FIRJAN criou, em 2010, o SESI Cidadania.

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ Passo Fundo, 2005 1-Justificativa Talvez não haja palavra mais falada, nos dias de hoje, que a

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS RESUMO Eliane Barbosa Éllen Patrícia Alves Castilho Deyse Cristina Brandão Este trabalho refere-se

Leia mais

Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une

Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une 1. Identificação e contextualização 1.1 Nome 1.2 Instituidores e parceiros 1.3 Conceito 1.4 Público 1.5 Histórico 2. Princípios

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico Plano Plurianual de Gestão 2013-2017 Etec Rubens de Faria e Souza Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico ORIENTAÇÕES: O Projeto Político Pedagógico é a identidade da escola. Nesta tela, apresente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

POTENCIALIZANDO TALENTOS HUMANOS

POTENCIALIZANDO TALENTOS HUMANOS POTENCIALIZANDO TALENTOS HUMANOS Silvana Fernandes Rodrigues Maria Elenise de Sousa Mesquita Tânia Maria de Sousa França Ofinartes Centro de vivência, ensino e pesquisa educativa RESUMO O projeto educacional

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica.

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. João Paulo Madruga 1 Quando pensamos em Educação Física no ambiente escolar, logo nos reportamos

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado A situação nacional e os caminhos para melhorar a qualidade do ensino profissionalizante Francisco Aparecido Cordão Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS

ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS 2015 Karen Cristine Teixeira Adriano Schlösser Gabriela Rodrigues Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil) E-mail de contato:

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL Maria das Graças Santos (*) Adriana Jerônimo de Lima() Monica Maria Pereira da Silva Valderi Duarte Leite Centro

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais