VIGILÂNCIA SANITÁRIA COMO SE PREPARAR PARA RECEBÊ-LA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIGILÂNCIA SANITÁRIA COMO SE PREPARAR PARA RECEBÊ-LA"

Transcrição

1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA COMO SE PREPARAR PARA RECEBÊ-LA Na prática Juan Carlos Becerra Ligos Objetivo Proteger a saúde da população e colaboradores A melhor drogaria! (Cultura da empresa=excelência) Percepção da sociedade - Fidelização Melhorar o desempenho e resultados Evitar prejuízos e penalidades Identificar as principais irregularidades/não conformidades Cliente Digital Multicanal Multimídia Mais PODEROSO Exigente Informado Critico Ciente dos seus direitos Focado na experiência Suscetível a estímulos rápidos SELETIVO Instrumentalizado Interconectado Inteligente 1

2 FISCALIZAÇÃO: Fundamentação Constituição Lei Decreto (Executivo) Resolução (Autarquia) Portaria Lei 123/06 Microempresa Natureza orientadora Poder de polícia administrativa Fiscalizar, lacrar, fechar Poder discricionário Avaliar a situação FISCALIZAR O local, ambientes Áreas da drogaria, Gavetas ou armários pessoais- Ordem judicial Parte sanitária Abusos = Sindicatos, entidades, superiores do órgão. 2

3 PRIMEIRA IMPRESSÃO Ambiente externo Edificação, focos contaminantes, poluentes, manutenção, acesso a outros ambientes. Ambiente interno instalações Situações propicias à proliferação de mosquitos Pessoal farmacêutico, colaboradores, caixas uniformizados, identificados Higiene, limpeza Organização Presença de Inservíveis Ventilação Iluminação, proteção contra queda Combate a incêndios Lei /14 Presença do farmacêutico todo horário de funcionamento? Drogaria estabelecimento de saúde? Sempre prestamos serviços RT = Farmacêutico Impõem obrigações ao RT Perdemos uma boa oportunidade RDC 44/09 Local com informações de fácil visualização ao público: - Horário de funcionamento - Razão Social, CNPJ, Alvará sanitário (CMVS Publicação), AFE. - Nome do farmacêutico com respectivo CRF, função e horário de trabalho. - Telefone do CRF-PI - CRT (Não é mais obrigatório) - Telefone da Vigilância Sanitária local responsável pela fiscalização do estabelecimento - Telefone da SIVISA (Vigilância Estadual). 3

4 RDC 44/09 - Cartaz Medicamentos podem causar... - Endereço e telefone de dois estabelecimentos de saúde - Lei anti-fumo - Lista de medicamentos genéricos - Aconselhável também, os telefones de órgãos de defesa do consumidor. - Retirar documentos não obrigatórios. (cerificados etc.) FAÇA O DOWNLOAD DAS PLACAS NO SITE DO SINCOFARMA EM: FAÇA O DOWNLOAD DAS PLACAS NO SITE DO SINCOFARMA EM: 4

5 Ambientes Identificados e delimitados: - Administração - Recebimento de mercadoria - Armazenamento de produtos e medicamentos - Dispensação de medicamentos - Sala de serviços farmacêuticos - DML (Depósito de Material de Limpeza) - Sanitários Ambientes - Vestiário, local para a guarda dos pertences dos funcionários com nome do funcionário e chaveado se possível. - Copa, refeitório - Identificar local segregado para armazenamento temporário de medicamentos e demais produtos com desvio de qualidade ou vencidos, fora da área de dispensação. - Uma área para armazenamento temporário dos resíduos até a sua retirada identificar LIXO COMUM, LIXO INFECTANTE e MEDICAMENTOS VENCIDOS por exemplo. 5

6 Ambientes Lixeiras identificadas, com pedal, saco plástico Geladeira termolábeis Armário para controlados chaveado e chave com o farmacêutico - Local para lavar os panos usados na limpeza - Todos os armários, gavetas, geladeiras, quadros de força, luz, caixas e etc. deve ter identificação. - Ralos escamoteáveis Extintores AVCB ou CLCB Ambientes Termo higrômetros Temperatura, umidade, planilha com ação corretiva, fundamentação técnica dos parâmetros, verificados/calibrados. Produtos armazenados de forma ordenada, área ou local adequado e identificado estão afastados do teto e paredes Realiza carga de celular e bilhete único ou outra atividade não licenciado? Embalagens Medicamentos comuns, antimicrobianos Termolábeis Controlados Plantas medicinais e ervas medicinais drogarias? Material de limpeza Alimentos Correlatos Embalagens múltiplas venda sob prescrição - fracionados Violadas, vencidos, embalagens não permitidas a venda por drogarias Comercializa fora da embalagem original Estão regularizados junto aos órgãos competentes? São armazenados de forma organizada e local adequado Seguindo as especificações do fabricante? 6

7 Licenciado para Dispensar : Medicamentos; Medicamentos termolábeis; Medicamento de controle especial; Medicamentos fracionáveis; Medicamentos da lista C2 (retinóides); Realizar os seguintes serviços farmacêuticos : Aplicação de injetáveis; Aferição de pressão arterial; Aferição de temperatura corporal; Aferição de glicemia capilar; Perfuração do lobulo auricular; Procedimento de inalação; Atenção farmacêutica domiciliar; Serviços farmacêuticos - Aplicação de injetáveis - Monitoramento de pressão arterial - Monitoramento de glicemia capilar - Perfuração de lóbulo auricular - Monitoramento de temperatura corporal - Inalação - Atenção farmacêutica (Como é realizada) - Atenção domiciliar Serviços Farmacêuticos Realiza serviços farmacêuticos: - Tem autorização? Ampliação de atividade - Realiza de acordo com a legislação? - Farmacêutico ou provisionado? Realizados pelo RT? - Não registra Não tem declaração ou não tem todos os itens exigidos pela legislação, timbrado, numerado, carbonado e controle da numeração - Falta de equipamentos, utensílios em más condições de conservação - Equipamentos sem manutenção, ou não regularizados na ANVISA, ou vencidos 7

8 Sala de serviços - Aplicação Local inadequado (Embaixo da escada, ao lado da copa, etc.) Parede, teto e piso lisos de cor clara e resistente a sanitizantes Ventilação Tamanho adequado Mobiliário adequado Permitir uma boa higienização Nada colado nas paredes Descarte de material perfuro cortante/suporte Duas lixeiras com pedal Sala de serviços Lavatório com água corrente Toalha de papel descartável- rastreabilidade Sabonete liquido - rastreabilidade Gel bactericida Conjunto de primeiros socorros fácil acesso Cadeira confortável Algodão em bolas - rastreabilidade Álcool 70% ou antisséptico descartável- rastreabilidade Sala de Serviços Luvas de procedimento Blood Stop ou semelhante Quadro de pessoas formalmente autorizadas a aplicar injeções Retirar todos os inservíveis inerentes a este local Não fraciona embalagens, permite a devolução pelo cliente em caso de sobra 8

9 Documentos Verificados Lista mestra de documentos, o controle de documentos faz parte da garantia da qualidade CNPJ Contrato Social CRT AFE Manual de boas praticas, com organograma e fluxograma POPs de acordo com o manual e realidade da drogaria (Revisados e assinados) PGRSS com fluxograma e CVS21/08 simbologia e RDC 306/04, CONAMA 358/05 e 275/01 Documentos Verificados Contrato para coleta de resíduos Destino dos medicamentos vencidos (protocolo LIMPURB) Certificado de escrituração digital (SNGPC), antimicrobianos (Programa homologado) Certificado de limpeza de caixa de agua e controle de pragas Autorização de informatização de livros PCMSO e PPRA, exame médico e ASO (Atestado Saúde Ocupacional) AVCB ou CLCB PMOC Plano de manutenção - Ar condicionado Calibração/verificação de equipamentos Documentos Certificado dos colaboradores autorizados a aplicar injeções Programa e registro de treinamentos SNGPC- ultimas transmissões Planilhas de registro de limpeza da sala de serviços, demais ambientes e equipamentos Registro temperatura e umidade com ação corretiva (Real, mínima e máximas diárias, 2 x ao dia) Temperatura termolabéis como são dispensados e medidas corretivas quando falta de energia Origem dos produtos (notas fiscais fornecedores) CMVS, Licença municipal e AFE e demais documentos dos fornecedores 9

10 Documentos & Verificações Verificação de lote na NF e produto na prateleira Registro de reclamação de clientes e medidas adotadas Politica da empresa com produtos com validade próximos do vencimento, deve estar clara a todos os funcionários e prevista no Manual de Boas Práticas Auto inspeção com conclusão e ações corretivas Confronto escrituração e estoque físico (controlados, antimicrobianos) Receitas com todos os dados preenchidos e se atendem a legislação Prescritores legalmente habilitados Documentos & Verificações Intermediação de fórmulas Venda de alheios Serviços não licenciados Propaganda em desacordo com a legislação (Chá emagrecedor) Entregas e serviços a domicílio Relatório & Penalidades Relatório com descrição das irregularidades e prazo de adequação Condições da drogaria: Satisfatório Satisfatório com restrições Insatisfatório Insatisfatório com interdição parcial Insatisfatório com interdição total Risco Sanitário: Baixo, Moderado, Elevado Relatório originais>> 10

11 Penalidades Auto de infração: Defesa Apreensão de produtos, equipamentos e utensílios Inutilização de produtos, equipamentos ou utensílios Interdição de produtos, equipamentos e utensílios Interdição parcial de estabelecimento, seções ou dependências Interdição cautelar Interdição total do estabelecimento Interdição por tempo indeterminado Interdição definitiva Orientação técnica Intervenção Relatórios Sincofarma/SP Penalidades Auto de imposição de penalidade: Multa Recorrer Uma boa estrutura e organização não é garantia de resultados nem de rendimentos. Mas uma estrutura equivocada, precária é garantia de fracasso! As únicas coisas que evoluem por conta própria Emumadrogariasãoadesordem,oatritoeomau desempenho 11

12 O Sincofarma/SP e o CRF PI agradecem a sua presença! Tel: Tel.: (11) Rua Santa Isabel N 160, 6 Andar - Vila Buarque, São Paulo -SP - CEP

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional:

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional: FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF Ficha n º: / 20 N º de Processos: T. I. n º: / 20 Profissional: Estabelecimento: Nome

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZAM ARTIGOS DE CONVENIÊNCIA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS - "DRUGSTORE" Dispositivo legal: Lei Federal 5991/73 alterada pela Lei 9069/95,

Leia mais

PATROCINADOR PLATINA

PATROCINADOR PLATINA PATROCINADOR PLATINA PREVENINDO E CORRIGINDO AS PRINCIPAIS CAUSAS DE AUTUAÇÕES SANITÁRIAS COM BASE NA RDC 67 Apresentação João Oliveira e Wagner Ferrarezi Consultores de Marketing e Qualidade Atuação desde

Leia mais

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE Á SAÚDE EVSPIS/CGVS/SMS/PMPA Av. Padre

Leia mais

ASPECTOS FÍSICOS E RECURSOS DE ARQUITETURA: Normas de engenharia e arquitetura de estabelecimentos assistenciais de saúde

ASPECTOS FÍSICOS E RECURSOS DE ARQUITETURA: Normas de engenharia e arquitetura de estabelecimentos assistenciais de saúde Disciplina de Administração e Gestão Farmacêutica Curso de farmácia Prof a Patricia Sauzem ASPECTOS FÍSICOS E RECURSOS DE ARQUITETURA: Normas de engenharia e arquitetura de estabelecimentos assistenciais

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO/RO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO/RO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Item 01 - DROGARIAS, FARMÁCIAS E DISPENSÁRIOS DE MEDICAMENTOS - ABERTURA 4. Cópia do Contrato Social / Ata de Constituição da Empresa registrado na Junta Comercial 5. Cópia do documento de Inscrição no

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA DATA DA AUDITORIA: 24 de abril 2015 AUDITOR: Carlos César Fiocchi Farmacêutico RG:15.726.026-4 CRF-SP: 14093 EMPRESA: Razão Social: Mader Comercial Importadora Química e Farmacêutica Ltda Nome Fantasia:

Leia mais

Capítulo II Das Condições Gerais

Capítulo II Das Condições Gerais RDC 44/2009 Capítulo II Das Condições Gerais Documentos legais (art.2 ): - Certidão de Regularidade do CRF - AFE - Alvará Sanitário - Manual de Boas Práticas Farmacêuticas Áreas Internas e Externas (Art.

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

ROTEIRO PARA POSTO DE COLETA DE ANÁLISES CLÍNICAS

ROTEIRO PARA POSTO DE COLETA DE ANÁLISES CLÍNICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão 06/03/2007 ROTEIRO PARA POSTO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO SMSDC Nº DE 21 DE JULHO DE 2010

RESOLUÇÃO SMSDC Nº DE 21 DE JULHO DE 2010 RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.618 DE 21 DE JULHO DE 2010 /Dispõe que os estabelecimentos com atividade de Drogaria ou Farmácia sem Manipulação devem adotar o roteiro de Inspeção e de Auto-Inspeção, conforme anexo./

Leia mais

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07 11. ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE 8630-5/07 Compreende: Banco de Esperma; Banco de Sêmen Humano; Clínica de Reprodução Assistida; Atividade de Fertilização In Vitro de Seres Humanos;

Leia mais

I - razão social; II - número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; III - número da Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE)

I - razão social; II - número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; III - número da Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) Resolução - RDC n º 44, de 17 de agosto de 2.009 Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Empresa: Data Atual: oteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Assinatura do esponsável Pág 1 à 6 Data da Ultima Visita: 1º Vez º Vez Participante: Cargos: 1.Aspecto Legais: a) Profissional responsável

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

Distribuidor de Insumos Farmacêuticos

Distribuidor de Insumos Farmacêuticos Dados Cadastrais Razão Social: Idealfarma Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Nome Fantasia: Idealfarma CNPJ:05.153.990/0001-11 Inscrição Estadual: 10.388.099-2 Endereço: Rua R09 Qd 13C

Leia mais

BPF BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA EXCIPIENTES FARMACÊUTICOS. RDC nº 34/2015 ANVISA

BPF BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA EXCIPIENTES FARMACÊUTICOS. RDC nº 34/2015 ANVISA Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 10 de Agosto a RDC nº 34/2015 que determina o cumprimento das Boas Práticas de Fabricação para empresas fabricante de excipientes farmacêuticos. A

Leia mais

Rio de Janeiro Equipe de Fiscalização

Rio de Janeiro Equipe de Fiscalização Rio de Janeiro - 2017 Equipe de Fiscalização Atribuições do CRF Lei Federal 3820/1960 Art. 10 - As atribuições dos Conselhos Regionais são as seguintes:... c) fiscalizar o exercício da profissão, impedindo

Leia mais

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial ATO, VSC, LAS 1 Objetivo Estabelecer uma comissão e um fluxo de trabalho para

Leia mais

Professor. Evandro Carlos Lebarch

Professor. Evandro Carlos Lebarch Professor. Evandro Carlos Lebarch Realização: Curso de Farmácia Apoio: Portaria 344/98 PORTARIA Nº 344, DE 12 DE MAIO DE 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle

Leia mais

Anexo III INFORME PRÉVIO. IMPORTADORA De Medicamentos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo III INFORME PRÉVIO. IMPORTADORA De Medicamentos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo III INFORME PRÉVIO IMPORTADORA De Medicamentos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que a empresa

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 1. A RDC 44/2010 é válida para quais tipos de antimicrobianos? A RDC nº 44/2010 estabelece o controle para os antimicrobianos de uso sob prescrição (faixa vermelha)

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO/PADRÃO SANITÁRIO RESTAURANTE 2015

CLASSIFICAÇÃO/PADRÃO SANITÁRIO RESTAURANTE 2015 CLASSFCAÇÃO/PADRÃO SATÁRO RESTAURATE 2015 Razão social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º.): Bairro: Referência: CPJ: nscrição municipal: Licença de localização: Alvará Sanitário: Classificação/Padrão

Leia mais

Dr.ª Tatiana Ferrara Barros

Dr.ª Tatiana Ferrara Barros Qual a Importância para o Farmacêutico? O que o farmacêutico vende? C O N H E C I M E N T O Quem é o cliente do farmacêutico? P R O P R I E T Á R I O Forma de tangibilizar o serviço do farmacêutico Diferencial

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA: Dicas essenciais para a inspeção de material hospitalar

RESPONSABILIDADE TÉCNICA: Dicas essenciais para a inspeção de material hospitalar RESPONSABILIDADE TÉCNICA: Dicas essenciais para a inspeção de material hospitalar Você já sabe que o Responsável Técnico é o encarregado por prezar pela qualidade e conservação dos insumos hospitalares

Leia mais

Oficina Regional de Vigilância Pós-Comercialização de Produtos de Interesse à Saúde - VIGIPÓS- Módulo I Farmacovigilância e QT Medicamentos

Oficina Regional de Vigilância Pós-Comercialização de Produtos de Interesse à Saúde - VIGIPÓS- Módulo I Farmacovigilância e QT Medicamentos Oficina Regional de Vigilância Pós-Comercialização de Produtos de Interesse à Saúde - VIGIPÓS- Módulo I Farmacovigilância e QT Medicamentos Desvio de Qualidade de Medicamentos Queixa Técnica Botucatu 14

Leia mais

Workshop Atualização Profissional. Medicamentos Veterinários

Workshop Atualização Profissional. Medicamentos Veterinários Workshop Atualização Profissional Medicamentos Veterinários Regulamentação e Fiscalização Mariana Filippi Ricciardi Curitiba, 5 de maio de 2016. Competências VISA prevenção de riscos e agravos à saúde

Leia mais

Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público

Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público Denominação do local: Ente responsável pela administração: C.N.P.J.: Endereço: Tel/Fax: Município: Horário de Funcionamento: Farmacêutico:

Leia mais

Roteiro de Autoinspeção Transportadoras (medicamentos, cosméticos, saneantes e correlatos)

Roteiro de Autoinspeção Transportadoras (medicamentos, cosméticos, saneantes e correlatos) MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO À SAÚDE E VIGILÂNCIAS SS-4 Divisão de Vigilância Sanitária- São Bernardo do Campo/SP Rua Pietro Franchini, nº 47 Centro CEP

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BPF Conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos Garantir a qualidade sanitária

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE QUALIFICAÇÃO 2017

QUESTIONÁRIO DE QUALIFICAÇÃO 2017 QUESTIONÁRIO DE QUALIFICAÇÃO 2017 1- ADMINISTRAÇÃO E INFORMAÇÕES GERAIS: A empresa deverá apresentar os documentos comprobatórios que sejam solicitados Caso algum (ns) do(s) ítem (ns) não exista na empresa

Leia mais

Plano de recolhimento recall / /

Plano de recolhimento recall / / Objetivo Responsável elaboração Campo de aplicação Nome da empresa Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o plano de recolhimento que deverá assegurar que sejam adotados

Leia mais

Sejam bem-vindos a FEIRA de produtos, serviços e equipamentos para a agricultura irrigada & II Inovagri International Meeting e bons negócios!

Sejam bem-vindos a FEIRA de produtos, serviços e equipamentos para a agricultura irrigada & II Inovagri International Meeting e bons negócios! MANUAL DO EXPOSITOR 2 Fortaleza-CE, 06/05/2013 Prezado Expositor, Apresentamos o MANUAL DO EXPOSITOR da FEIRA de produtos, serviços e equipamentos para a agricultura irrigada & II Inovagri International

Leia mais

Medicamentos Fracionados

Medicamentos Fracionados Medicamentos Fracionados [Guia para ] 1 2 Medicamentos Fracionados [Guia para ] 3 4 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Diretores Cláudio Maierovitch Pessanha

Leia mais

Check List para Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Empresas de Produtos Alimentícios

Check List para Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Empresas de Produtos Alimentícios Nome da empresa: Endereço: Responsável: Auditor: Data: / / Objetivo: ( ) Rotina ( ) Levantamento Legenda: S (sim) N (não) NA (não se aplica) REQUISITOS GERAIS PARA O ESTABELECIMENTO O estabelecimento possui

Leia mais

Dispõe sobre o controle de antimicrobianos

Dispõe sobre o controle de antimicrobianos Dispõe sobre o controle de antimicrobianos Estabelece critérios para embalagem, rotulagem, dispensação e controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos de uso sob prescrição,

Leia mais

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a instrução processual e procedimentos inerentes à apresentação à Auditoria Geral da Prestação de Contas dos Responsáveis por Almoxarifado

Leia mais

Ambiência: Manuseio do Lixo e Material de Descarte

Ambiência: Manuseio do Lixo e Material de Descarte NOV 2011 BLH-IFF/NT- 08.11 Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano PNQBLH Programa Nacional de Qualidade em Bancos de Leite Humano Sede: FIOCRUZ/IFF-BLH Av. Rui Barbosa, 716 Flamengo Rio de Janeiro CEP:

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

Sistemas / equipamentos para combate e incêndios ( legislação específica )

Sistemas / equipamentos para combate e incêndios ( legislação específica ) ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DE UMA FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO FARMACOTÉCNICA I Aula 2.2 INFRA- ESTRUTURA ( RDC 67/2007 ) A farmácia deve ser localizada, projetada, construída e adaptada, com infra-estrutura adequada

Leia mais

FARMÁCIA NÃO É UM SIMPLES COMÉRCIO ESTABELECIMENTO DE PROJETO: FARMÁCIA SAÚDE

FARMÁCIA NÃO É UM SIMPLES COMÉRCIO ESTABELECIMENTO DE PROJETO: FARMÁCIA SAÚDE PROJETO: FARMÁCIA ESTABELECIMENTO DE SAÚDE FARMÁCIA NÃO É UM SIMPLES COMÉRCIO - Estabelecimentos farmacêuticos têm instituído práticas que distorceram o seu papel social: Indução ao consumo desnecessário

Leia mais

Vigilância Sanitária. Como se preparar para recebê-la

Vigilância Sanitária. Como se preparar para recebê-la Bem Vindos! Vigilância Sanitária Como se preparar para recebê-la Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

Guia de Orientação para Farmácias de Manipulação

Guia de Orientação para Farmácias de Manipulação Guia de Orientação para Farmácias de Manipulação Os documentos relacionados abaixo devem estar disponíveis na farmácia para avaliação da autoridade sanitária na hora da inspeção, outros documentos que

Leia mais

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de controle higiênico-sanitário dos vestiários, sanitários e barreiras

Leia mais

Portaria n.º 43/2008

Portaria n.º 43/2008 Portaria n.º 43/2008 Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos para solicitação, renovação e alteração de Licença Sanitária de farmácias e drogarias no Estado do

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS ANEXO I DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS atividade, endereço, CEP, telefone, assinado pelo Representante Legal e Responsável Técnico do estabelecimento

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

Roteiro de inspeção interna Restaurantes e similares

Roteiro de inspeção interna Restaurantes e similares Roteiro de inspeção interna Restaurantes e similares O formulário a seguir foi adaptado do site da secretaria municipal de saúde de Curitiba (www.saude.curitiba.pr.gov.br). As exigências, por sua vez,

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS LICENCIAMENTO DE DROGARIAS Dispositivo legal: Lei Federal 6360/76, Lei Federal 5991/73, Lei Federal 13021/2014, Resolução RDC 17/2013 ANVISA/MS, Resolução SES/MG 307/99 e Resolução SES/MG 462/2004, Resolução

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS NOME DO PROCEDIMENTO Ref.: POP-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 14 INTRODUÇÃO 1) Dispõe sobre o Regulamento Técnico

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 DO OBJETO 1.1 Aquisição de umidificadores de ar destinados a atender às demandas

Leia mais

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores ESCOPO Este questionário de auto-avaliação tem como objetivo proporcionar um conhecimento geral do fornecedor,

Leia mais

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 Estabelece os critérios relativos à Autorização de Funcionamento (AFE) e de Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Ficha de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Ficha de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Página 1 de 9 Página 01/07 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO NOME DO FABRICANTE ENDEREÇO Rua Dr. Fernão Pompeu de Camargo, 1704/52 Jardim do Trevo - Campinas/SP - CEP: 13040-010 SEÇÃO 2.0 TIPO DE PRODUTO PREPARADO

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL O Brasil está implantando o seu sistema de rastreabilidade de medicamentos, para garantir o acompanhamento do caminho percorrido por

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe) Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Detergente Limpol Códigos internos: Neutro: 5004 (500ml) / 19008 (5L) Cristal: 5002 (500ml) Limão: 5003 (500ml) Coco: 5006 (500ml) Maçã: 5005

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO: ARES DET 201 Identificação da Empresa: ARES QUÍMICA LTDA.

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 003/2013 AVISO DE ALTERAÇÃO DE EDITAL

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 003/2013 AVISO DE ALTERAÇÃO DE EDITAL EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 003/2013 AVISO DE ALTERAÇÃO DE EDITAL O Conselho Regional de Contabilidade do Distrito Federal, em conformidade com a Lei nº 8.666 de 21.06.93 e demais alterações, através

Leia mais

1 - Pode ser aceita uma receita de antibiótico de outro estado?

1 - Pode ser aceita uma receita de antibiótico de outro estado? Perguntas frequentes da Orientação Farmacêutica 1 - Pode ser aceita uma receita de antibiótico de outro estado? Sim, a receita de antimicrobianos é válida em todo o território nacional, por dez dias a

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 18 Checklist 1. I/F 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. I/F Existe uma política da qualidade na empresa?

Leia mais

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04 Ventilação PAC 04 Página 2 de 7 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03 2.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar norma para realização dos procedimentos de coleta interna e descarte de s infectantes do grupo A no Sistema FMUSP-HC, à exceção de carcaças de animais de experimentação, observando-se

Leia mais

Parceria. Visite nossos sites!

Parceria. Visite nossos sites! Parceria http://www.as-solucoes.com.br http://www.allservice.com.br Visite nossos sites! Parceria AS x All Service Visando as alterações de mercado, verificamos a necessidade de muitos clientes que não

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PÚBLICA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PÚBLICA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PÚBLICA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras.

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras. 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para o processo de gerenciamento de resíduos nas áreas da ABCZ, visando a melhoria contínua na performance ambiental, a melhoria na eficiência do gerenciamento de

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS

Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.1

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP:

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP: INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Lâminas Descartáveis NOME COMERCIAL: Lâminas Cirúrgicas Engimplan Fabricante: ENGIMPLAN ENGENHARIA DE IMPLANTE IND. E COM. LTDA. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2379

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2379 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2379 NATUREZA DA DEMANDA: ELEMENTO DE DESPESA: CRÉDITO ORÇAMENTÁRIO: FORMA DE PROCEDIMENTO: Insumo Estratégico para Saúde Material de Consumo 10.303.2015.20AE As despesas decorrentes

Leia mais

ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO

ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO Artur J. Gradim ANVISA BRASÍLIA 14 DE Agosto de 2006 PORQUE BOAS PRÁTICAS E NÃO SÓ PRÁTICAS BOAS: (Plural feminino do adjetivo bom) Bom: que

Leia mais

VEJA AS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ATRAVÉS DO MANUAL BPF

VEJA AS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ATRAVÉS DO MANUAL BPF VEJA AS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ATRAVÉS DO MANUAL BPF 1. ORGANOGRAMA DA EMPRESA 2. OBJETIVO O objetivo deste manual é estabelecer normas de boas práticas de Fabricação, para assegurar que os envolvidos

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA O SECRETARIO MUNICIPAL DE SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, particularmente as que lhe confere o Decreto nº. 1562, de 29 de dezembro de 2003 - CÓDIGO DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO 1. Identificação: 1.1. Estabelecimento: Pronto Atendimento Médico Municipal de Poconé. 1.2. CNPJ: 03.162.872/0001-44 1.3. Endereço: Av. Dom Aquino, 406. Centro. Poconé/MT. CEP

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

NORMAS DE MEIO AMBIENTE

NORMAS DE MEIO AMBIENTE ANEXO III REF. EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 001/2017 NORMAS DE MEIO AMBIENTE PÁG 1 DE 5 NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE BOMBEAMENTO E REFRIGERAÇÃO DOS MANCAIS DAS UNIDADES

Leia mais

Modelo de Rotulagem. Placa Especial para Osteossíntese de Pé Normed

Modelo de Rotulagem. Placa Especial para Osteossíntese de Pé Normed Modelo de Rotulagem Placa Especial para Osteossíntese de Pé Normed O seguinte modelo de rotulagem é válido para as embalagens de todos os modelos do produto que compõem a família. 1. Razão Social e endereço

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Autorização de Funcionamento de Empresa - AFE. Hilton Katz

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Autorização de Funcionamento de Empresa - AFE. Hilton Katz ANVISA Autorização de Funcionamento de Empresa - AFE Hilton Katz São Paulo/SP - 2012 1 Autorização de Funcionamento de Empresa - AFE Introdução Instrumentos Legais Peticionamento Eletrônico Instrução do

Leia mais

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE Lei 8080/90 Art. 6º, 1º: Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS DE COMÉRCIO VAREJISTA (baseado na RDC 44/2009 Boas Práticas Farmacêuticas)

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS DE COMÉRCIO VAREJISTA (baseado na RDC 44/2009 Boas Práticas Farmacêuticas) CNPJ: TIPO RAZÃO SOCIAL: ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS DE COMÉRCIO VAREJISTA NOME FANTASIA: ESTABELECIMENTO: () FARMÁCIA () DROGARIA (baseado na RDC 44/2009 Boas Práticas Farmacêuticas)

Leia mais

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS Marisa Padula CETEA/ITAL V Simpósio Internacional da Abrapa III Seminário ITAL de Segurança Alimentar IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia

Leia mais

PLATIN INFORMÁTICA. SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos

PLATIN INFORMÁTICA. SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos PLATIN INFORMÁTICA SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos Manual do Usuário Movimento de Saída Procedimentos para Perdas e/ou

Leia mais

Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis.

Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis. 1 Objetivo Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis. 2 Abrangência O presente documento se aplica às empresas prestadoras de

Leia mais

Obs.: Deixar os medicamentos transferidos juntos, se possível na mesma prateleira para que não se misturem aos que já estavam no refrigerador.

Obs.: Deixar os medicamentos transferidos juntos, se possível na mesma prateleira para que não se misturem aos que já estavam no refrigerador. POP 01 HIGIENIZAÇÃO DOS REFRIGERADORES Pg 1 de 1 Elaboração Marina Rodrigues Teixeira 01/04/13 01/06/14 Higienizar os refrigeradores 2 Posto de Enfermagem 4 - Descrição Procedimento: Realizar a higienização

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Obrigado por adquirir o Ventilador, modelos VTR500 503 505, um produto de alta tecnologia, seguro, eficiente, barato e econômico. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero

INSTRUÇÕES DE USO. NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Instrumentos Cirúrgicos NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero Fabricante: ENGIMPLAN ENGENHARIA DE IMPLANTE IND. E COM. LTDA. Rod. Washington

Leia mais

Resoluções de Boas Práticas de Fabricação

Resoluções de Boas Práticas de Fabricação Resoluções de Boas Práticas de Fabricação Thais Mesquita do Couto Araujo GERÊNCIA DE INSPEÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MEDICAMENTOS, INSUMOS FARMACÊUTICOS E PRODUTOS GIMEP/ANVISA BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C 1 FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C N º de Processos FICHA Nº / 20 Profissional : T. I. n º / 20 Estabelecimento

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS REFEIÇÃO CONVENIO [ ] CESTA DE ALIMENTOS [ ] 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN-7

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS REFEIÇÃO CONVENIO [ ] CESTA DE ALIMENTOS [ ] 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN-7 CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 7ª ª REGIÃO PA AC AM AP RO - RR ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais