GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO"

Transcrição

1 GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO

2 01 As cidades ou os povoados, seja qual seja seu tamanho, são realidades complexas, de caráter social, econômico e cultural, que se manifestam fisicamente pela existência de uma área urbana que se situa em algum lugar do território e constitui um referencial básico da coletividade que ali vive ou trabalha. Juli Esteban Noguera Urbanista

3 02 GOIÂNIA EVOLUÇÃO DA OCUPAÇÃO URBANA POPULAÇÃO hab hab ÁREA OCUPADA ha DENSIDADE BRUTA 30 hab/ha

4 03 METRÓPOLE OCUPAÇÃO URBANA POPULAÇÃO ÁREA OCUPADA ha DENSIDADE 30 hab/ha Parece haver íntima relação entre as vias regionais de transporte e o crescimento físico da cidade. Flávio Villaça Limite do Município de Goiânia

5 04 METRÓPOLE + 25 CENÁRIO DA OCUPAÇÃO METROPOLITANA ESPARSA POPULAÇÃO habitantes ACRÉSCIMO DE POPULAÇÃO habitantes UNIDADES HABITACIONAIS ÁREA BRUTA ADICIONAL /ha DENSIDADE 30 hab/ha Limite do Município de Goiânia Previsão da Ocupação Metropolitana

6 05 METRÓPOLE + 25 CENÁRIO DA OCUPAÇÃO METROPOLITANA + COMPACTA DENSIDADE = 60 hab/ha ÁREA BRUTA ADICIONAL /ha VANTAGENS Menor custo de urbanização Viagens mais curtas = menor emissão de CO2 Diversidade da morfologia urbana Maior coesão social Melhor uso da infra-estrutura Menor consumo de energia. 30 hab/ha 60 hab/ha

7 06 TENDÊNCIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS CENTRALIDADES URBANAS 1 METROPOLIZAÇÃO 2 TRANSFORMAÇÕES DOS SISTEMAS URBANOS E DAS CENTRALIDADES 3 MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 4 TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO

8 07 1 -Metropolização

9 08 GOIÂNIA METRÓPOLE REGIONAL PARÁ MARANHÃO PIAUÍ MATO GROSSO BAHIA HIERARQUIA DOS CENTROS URBANOS GOIÂNIA Metrópole Internacional Metrópole Nacional Metrópole Regional Capital Regional A Capital Regional B

10 09 CONCEITO METROPOLIZAÇÃO Não se trata apenas do crescimento da metrópole, mas a concentração crescente em seu seio de população, atividades e riquezas François Ascher Urbanista

11 10 A METRÓPOLE DO AMANHÃ GOIÂNIA METRÓPOLE NACIONAL HUB ECONÔMICO FUNDAMENTOS Governança Ordenamento Territorial Transporte, infraestrutura e logística Tecnologia e Inovação Sustentabilidade Saúde e segurança Qualidade da educação Cidade civilizada Facilidade de atrair negócios

12 11 2 -Transformações dos Sistemas Urbanos e das Centralidades

13 12 ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE A acessibilidade e a mobilidade internas são requisitos indispensáveis para a competitividade da cidade como meio econômico e para que cumpra sua função de integração social Jordi Borja Ex. Prefeito de Barcelona

14 13 ESTRUTURAÇÃO VIÁRIA REGIONAL PROJETOS ESTRATÉGICOS CONCLUSÃO DOS ANÉIS VIÁRIOS 1 E 2 PROJETO DO MACROSSISTEMA VIÁRIO DA METRÓPOLE Anel Viário Previsão da Ocupação Metropolitana

15 14 GOIÂNIA ESTRUTURAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA AÇÕES ESTRATÉGICAS IMPLANTAR OS CORREDORES EXCLUSIVOS, PREFERENCIAIS E O SISTEMA CICLOVIÁRIO PREVISTOS NO PLANO DIRETOR

16 15 METRÓPOLE - ESTRUTURAÇÃO DA MOBILIDADE AÇÕES ESTRATÉGICAS ARTICULAR OS CORREDORES DA REDE METROPOLITANA DE TRANSPORTE COLETIVO COM A REDE ESTRUTURAL DE TRANPOSTE COLETIVO DE GOIÂNIA Futura Rede Metropolitana de Transporte Coletivo

17 16 ATUAÇÕES ESTRATÉGICAS Os objetivos principais das grande atuações estratégicas são aquelas que permitem dar um salto qualitativo quanto à acessibilidade e mobilidade do espaço urbano-regional e a geração e reconversão de centralidades no conjunto do território Jordi Borja Ex. Prefeito de Barcelona

18 17 CENTRALIDADES METROPOLITANA AÇÕES ESTRATÉGICAS O ORDENAMENTO TERRITORIAL DEVERÁ PREVER A CONSTITUIÇÃO DE CENTRALIDADES PLURIFUNCIONAIS Centralidades Plurifuncionais

19 18 REFORMUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DOS SISTEMAS INFRAESTRUTURAIS URBANAS ESGOTAMENTO SANITÁRIO DECOMPOSTO LIXO RECICLADO DRENAGEM SUSTENTÁVEL DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

20 19 ESGOTAMENTO SANITÁRIO DECOMPOSTO Vamos ter que fazer o esgoto sanitário decomposto, porque não dá mais para imaginar o uso da tecnologia de tubos, no qual a gente cada vez mais vai coletando esgoto num tubo maior, num tudo maior, ate que tenhamos um verdadeiro metrô de merda. Jaime Lerner Urbanista e Ex. prefeito de Curitiba

21 20 LIXO RECICLADO 50 kg de Papel Reciclável por dia salva uma árvore kg por dia salva um bosque AÇÕES ESTRATÉGICAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL COLETA SELETIVA RECICLAGEM ATERRO SANITÁRIO CONTROLADO USO DE GÁS METANO PARA GERAR ENERGIA Imagem de referência

22 21 DRENAGEM SUSTENTÁVEL A sustentabilidade aponta à reintegração da água no meio urbano, trabalhando junto ao ciclo hidrológico, observando aspectos ecológicos, ambientais, paisagísticos e as oportunidades de lazer. Para isto, a engenharia tem que ser mais engenhosa, mais generosa Cesar A. Pompêo Universidade Federal de Santa Catarina AÇÕES ESTRATÉGICAS AS LEGISLAÇÕES EDILÍCIA E URBANÍSTICA DEVERÃO EXIGIR A IMPLANTAÇÃO DA DRENAGEM SUSTENTÁVEL

23 22 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEM REDES AÉREAS Juan Mascaró Imagem de Referência

24 23 3 -Meio Ambiente e Sustentabilidade

25 24 REVERSÃO DO PENSAR A METRÓPOLE DE FORMA FRAGMENTADA, PARA O PENSAR DE FORMA INTEGRADA MEIO AMBIENTE E MORADIA E SANEAMENTO METRÓPOLE SUSTENTÁVEL EDUCA DUCAÇÃO E SAÚDE MOBILIDADE TRABALHO ESPORTE E LAZER

26 25 A ÁGUA E O MEIO AMBIENTE Rio Meio Ponte

27 26 DESENVOLVIMENTO SOCIAL DA METRÓPOLE + 25 NÍVEL DE RENDA QUALIDADE DA URBANIZAÇÃO AÇÃO ESTRATÉGICA INVERTIR SISTEMATICAMENTE NA PERIFERIA PARA DIMINUIR A DESIGUALDADE SOCIAL

28 27 DESENVOLVIMENTO SOCIAL DA METRÓPOLE + 25

29 28 AQUECIMENTO GLOBAL MOBILIDADE EDIFÍCIOS RESÍDUO E CONSUMO CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO

30 29 EDIFÍCIOS VERDES Edifício verde AÇÃO ESTRATÉGICA INCENTIVAR ATRAVÉS DA LEGISLAÇÃO EDILÍCIA A CERTIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL (LEED, AQUA, ETC) Diagrama ambiental de Cupinzeiro

31 30 4 -Tecnologia e Informação

32 31 CIDADE DO FUTURO CENTROS DE INTELIGÊNCIA NEUROCIÊNCIA E O PLANEJAMENTO URBANO REDES DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS Leif Edvinsson REDE DE NEURONIOS

33 32 DEVER DE CASA PARA OS PROXÍMOS 25 ANOS 1 GOVERNANÇA 2 CIDADE COMPACTA 3 MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE 4 MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 5 CAPITAL INTELECTUAL TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 6 EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA 7 EQUILÍBRIO DA DESIGUALDADE SOCIAL 8 TRABALHO E RENDA 9 QUALIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO PROJETOS ESTRUTURANTES

VIII ENESE Maio / 2015

VIII ENESE Maio / 2015 Propostas voltadas para a futura Reforma Urbana, considerando a experiência do Estatuto da Cidade do Estatuto da Metrópole... e do processo de planejamento de Curitiba VIII ENESE Maio / 2015 FATORES CRÍTICOS:

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com. URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.br Tel: 55-41-320 3232 Fax: 55-41-232 9475 PLANEJAMENTO, GERENCIAMENTO E

Leia mais

3.1 Criar leis que condicionem eventuais mudanças, a um igual processo de discussão participativa, por área/região afetada direta ou indiretamente;

3.1 Criar leis que condicionem eventuais mudanças, a um igual processo de discussão participativa, por área/região afetada direta ou indiretamente; PLATAFORMA AMBIENTAL AOS MUNICÍPIOS Prefeitos e Vereadores 2012 A APREMAVI A missão da Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi) é a defesa, preservação e recuperação do meio ambiente

Leia mais

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil O que é o DOTS? O Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável é uma

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados.

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados. Fundada em agosto de 1975, por 13 empresas, a ADEMI-BA completa em 2015, 40 anos de existência sempre optando por projetos alinhados às necessidades da população, colocando em primeiro plano as exigências

Leia mais

urbanismo sustentável e ordenamento do território mestrado da NOVA http://sites.fct.unl.pt/musot

urbanismo sustentável e ordenamento do território mestrado da NOVA http://sites.fct.unl.pt/musot urbanismo sustentável e ordenamento do território mestrado da NOVA http://sites.fct.unl.pt/musot Foco nas cidades e territórios urbanos As cidades são o espaço de vida e de trabalho de grande parte da

Leia mais

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo Fabio Villas Bôas Jardim das Perdizes, São Paulo O que é um bairro sustentável? Sustentabilidade a partir dos bairros Conceito: escala ideal para acelerar a implantação Portland: algumas iniciativas Anos

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Plano e projeto em São Paulo Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Estatuto da Cidade Lei Federal n o 10.257/01 Constituição Federal 1988 Art.182 e 183 Plano Diretor é instrumento

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil Aparecido Hojaij Presidente da Assemae XV Assembleia da Assemae Regional de Santa Catarina 25 de agosto de 2015 Sobre a Assemae

Leia mais

Secretaria de Estado da Casa Civil

Secretaria de Estado da Casa Civil Secretaria de Estado da Casa Civil Projeto de Lei Complementar Dispõe sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, sua composição, organização e gestão, define as funções públicas e serviços de interesse

Leia mais

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis:

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis: ECOINOVAÇÃO PARA A MELHORIA AMBIENTAL DE PRODUTOS E SERVIÇOS: EXPERIÊNCIAS ESPANHOLAS E BRASILEIRAS NOS SETORES INDUSTRIAL, URBANO E AGRÍCOLA. As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho

Leia mais

O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS

O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS Julio Cesar Wasserman Professor Associado Universidade Federal Fluminense Rede UFF de Meio

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Workshop de Saneamento Básico - FIESP. Soluções para o Esgotamento Sanitário

Workshop de Saneamento Básico - FIESP. Soluções para o Esgotamento Sanitário Workshop de Saneamento Básico - FIESP Soluções para o Esgotamento Sanitário ABES - Missão e Visão MISSÃO Ser reconhecida, nacionalmente, como a principal entidade de referência, no setor de saneamento

Leia mais

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL Profª Drª. Andreza Kalbusch Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Sustentabilidade na Engenharia

Leia mais

Modelo de Monitoramento do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC

Modelo de Monitoramento do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC Modelo de Monitoramento do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC Pedro Bertone Secretario-Adjunto de Planejamento e Investimentos Estratégicos Brasilia, 10 de outubro de 2011 CONFEA Projeto Pensar

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

Município de Teixeira de Freitas - Bahia

Município de Teixeira de Freitas - Bahia Município de Teixeira de Freitas - Bahia Esquema de definição dos programas do PLHIS Situação institucional; Situação normativa e legal; Informação e dados municipais; Dinâmica urbana e mercado de solo;

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável?

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? MIEC Porto Novembro 2013 Grupo: 11MC01_1 Supervisor: Sara Ferreira Monitores: André Lopes Christopher Ribeiro Delcio

Leia mais

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO 15 Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO FRANCISCO COELHO FILHO PREFEITO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 Educação Reforma e ampliação das escolas municipais.

Leia mais

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR Página 1 01 Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031 Ação Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001.1.191 MODERNIZAÇÃO DA ESTRUTURA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL XXI ENCONTRO TÉCNICO AESABESP A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL São Paulo/SP, 11 de Agosto de 2010 GERMANO HERNANDES FILHO PARADIGMA DA MODERNIDADE PARADIGMA

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE DIVULGAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM Relatório R12 Dezembro de 2009 CONSÓRCIO RES Planejamento em Drenagem Urbana Consultoria Ambiental PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO Promover a sustentabilidade com a melhoria da qualidade de vida e do ar, reduzir os congestionamentos, democratizar o uso do espaço viário, a acessibilidade aos bens e serviços e ampliar a inserção social

Leia mais

DESPESA DO PROGRAMA DE TRABALHO

DESPESA DO PROGRAMA DE TRABALHO Órgão: 19000 - Secretaria de Estado da Administração Unidade: 19204 - Companhia de Processamento de Dados da Paraíba Esf Ft [F] Ciência e Tecnologia 22752000 6273700 14274500 2203800 [S] Administração

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

DE OLHO NO FUTURO: COMO ESTARÁ GOIÂNIA DAQUI A 25 ANOS? Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3

DE OLHO NO FUTURO: COMO ESTARÁ GOIÂNIA DAQUI A 25 ANOS? Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 GOIÂNIA, 13/11/2013 Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 1 Esta apresentação

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp 2º Congresso de Saneamento do Nordeste O protagonismo dos municípios na gestão do saneamento. Eng. Leonardo Rodrigues

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

AVANÇAR CIDADES Mobilidade Urbana FINANCIAMENTO

AVANÇAR CIDADES Mobilidade Urbana FINANCIAMENTO AVANÇAR CIDADES Mobilidade Urbana FINANCIAMENTO Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana CIDADES AVANÇAR CIDADES OBJETIVO DO PROGRAMA: Melhoria da circulação das pessoas nas cidades; Melhoria da qualidade

Leia mais

Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território Mestrado da NOVA. Edição 2017/2018. Campus da FCT Caparica

Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território Mestrado da NOVA. Edição 2017/2018. Campus da FCT Caparica Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território Mestrado da NOVA Edição 2017/2018 Campus da FCT Caparica Foco nas cidades e territórios urbanos As cidades são o espaço de vida e de trabalho de grande

Leia mais

O Estatuto da Metrópole Entre inovações e desafios

O Estatuto da Metrópole Entre inovações e desafios O Estatuto da Metrópole Entre inovações e desafios REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL Regiões metropolitanas existentes na década de 1970 Criação por Lei Federal; Critérios nacionais; Regime político autoritário;

Leia mais

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 As cidades e a urbanização brasileira Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 O que consideramos cidade? No mundo, existem diferentes cidades (tamanhos, densidades demográficas

Leia mais

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA:

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA: A Sua Excelência o Senhor Vereador JUARES CARLOS HOY Presidente da Câmara Municipal de Canoas PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, O Vereador Pedro Bueno, Vice-líder da Bancada do Partido

Leia mais

Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade

Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade Natalino Martins Departamento de Prospectiva e Planeamento MAOTDR Oeiras, 26/03/07 1 Innovation

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Apresentação: Na sua caminhada para o desenvolvimento, o Brasil tem ainda um déficit muito grande com relação

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

O que são as cidades criativas?

O que são as cidades criativas? O que são as cidades criativas? O conceito de cidade criativa ainda é recente e fluído e tem despertado atenção crescente em vários países de todos os continentes, desde o início do século XXI. Entre os

Leia mais

Como ações de planejamento transformam a cidade. Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil

Como ações de planejamento transformam a cidade. Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil Como ações de planejamento transformam a cidade Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova Iorque, no Brasil desde 2003 Promove transporte sustentável

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761 XI Congresso de Ecologia do Brasil e IV Seminário de Sustentabilidade na Universidade - A incorporação da sustentabilidade socioambiental na gestão e planejamento territorial do campus universitário. PUC

Leia mais

Fomento ao Transporte de Passageiros sobre Trilhos Desafio a enfrentar na Mobilidade Urbana

Fomento ao Transporte de Passageiros sobre Trilhos Desafio a enfrentar na Mobilidade Urbana Fomento ao Transporte de Passageiros sobre Trilhos Desafio a enfrentar na Mobilidade Urbana Renato de S. Meirell es, Presidente CAF Brasil m e i r e l l e s. r e n a t o @ c a f b r a s i l. c o m. b r

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

O Novo Plano de Ações Articuladas

O Novo Plano de Ações Articuladas O Novo Plano de Ações Articuladas Planejamento e Execução de Novos Projetos, Monitoramento de Obras e Captação de Recurso Módulo I Palestrante: Arq. Tiago Lippold Radünz Curitiba, PR - Novembro 2017 Apresentação

Leia mais

CANTEIRO VÁRZEA DO TIETÊ ZL VÓRTICE

CANTEIRO VÁRZEA DO TIETÊ ZL VÓRTICE CANTEIRO VÁRZEA DO TIETÊ ZL VÓRTICE ZL Vórtice visa implantar canteiros de experimentação na Zona Leste. Os canteiros vão reunir artistas, arquitetos, designers, engenheiros, cientistas e gestores públicos

Leia mais

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura Apresentação Institucional Engenharia de Infraestrutura Líder de Mercado em Engenharia de Infraestrutura 24 anos de atuação, desenvolvendo projetos nas áreas de: Transporte e Mobilidade Desenvolvimento

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Plano de Regionalização para Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos e as oportunidades de aproveitamento energético de resíduos Secretaria de Estado

Leia mais

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais

Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos. São Paulo, 15/10/2012

Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos. São Paulo, 15/10/2012 Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos São Paulo, 15/10/2012 Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICAP XI MARCHA A BRASÍLIA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS: A VISÃO DOS MUNICÍPIOS SOBRE O PACTO FEDERATIVO AVALIAÇÃO SOBRE

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Instituto Pereira Passos Outubro 2013 Adriana Vial Missão Articulação Mobilizações e

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

Desafios do Engenheiro frente ao Saneamento Ambiental. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES PR

Desafios do Engenheiro frente ao Saneamento Ambiental. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES PR Desafios do Engenheiro frente ao Saneamento Ambiental Abastecimento de Água Coleta e Tratamento de Esgotos Drenagem Urbana Resíduos Sólidos A Palestra é sobre Saneamento Básico e o nosso propósito é: Reforçar

Leia mais

A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da

A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da FAU-USP Inventário das emissões (2011) 61% mobilidade 15%

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

VII SITRAER Simpósio de Transporte Aéreo. Rio de Janeiro 27 de novembro de 2008

VII SITRAER Simpósio de Transporte Aéreo. Rio de Janeiro 27 de novembro de 2008 VII SITRAER Simpósio de Transporte Aéreo COPPE/UFRJ - SBTA Rio de Janeiro 27 de novembro de 2008 Oportunidades e Desafios do Transporte Aéreo no Brasil e no Mundo Turismo de Eventos e o Transporte Aéreo

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL Alison Araujo Santos Acadêmico da Faculdade AGES. Bacharelado em Engenharia

Leia mais

CIDADES INTELIGENTES E EMPREENDEDORAS

CIDADES INTELIGENTES E EMPREENDEDORAS CIDADES INTELIGENTES E EMPREENDEDORAS Em 2050, subirá para 70% (6,3 bilhões). Fonte: ONU/2010 Fonte: IBGE/2010 As cidades inteligentes vão quadruplicar. Em 2013, eram 21 e até 2025, podemos ter até 88

Leia mais

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental. São Paulo, 24 de novembro de 2009

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental. São Paulo, 24 de novembro de 2009 Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental Recuperação de Áreas Degradadas Paulo Guilherme Rigonatti Saneamento Ambiental Marco Aurélio Gattamorta Sistemas de Informações Espaciais Jorge Luiz

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Um breve histórico A construção da Igreja da Conceição da Praia incrementou a ocupação do entorno, surgindo as residências dos padres e da população (

Um breve histórico A construção da Igreja da Conceição da Praia incrementou a ocupação do entorno, surgindo as residências dos padres e da população ( Ecovila Manoel Vitorino Um breve histórico A construção da Igreja da Conceição da Praia incrementou a ocupação do entorno, surgindo as residências dos padres e da população (século XVII); A evolução mercantil

Leia mais

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva*

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* Com a divulgação da Pesquisa da Mobilidade de São Paulo, com dados de 2012 (OD 2012) pelo Metrô-SP, torna-se

Leia mais

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas e desafios nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Projetos e Programas de Investimentos para o Setor de Infraestrutura no Brasil

Leia mais

PROPOSTAS DO CANDIDATO RODNEY MIRANDA PREFEITURA DE VILA VELHA

PROPOSTAS DO CANDIDATO RODNEY MIRANDA PREFEITURA DE VILA VELHA PROPOSTAS DO CANDIDATO RODNEY MIRANDA PREFEITURA DE VILA VELHA A essência da proposta do candidato para a gestão de Vila Velha reside na revitalização do município, sintetizada por meio de três grandes

Leia mais

Propostas defendidas pelo candidato do PSDB a prefeito de Porto Velho, Hildon de Lima Chaves.

Propostas defendidas pelo candidato do PSDB a prefeito de Porto Velho, Hildon de Lima Chaves. Propostas defendidas pelo candidato do PSDB a prefeito de Porto Velho, Hildon de Lima Chaves. A vocação de Porto Velho é abrir-se para explorer de forma sustentável sua grandiosidade territorial e sua

Leia mais

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Seminário Reforma Gerencial 20+20 GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Prefeito Jorge Lapas 27 de agosto 2015 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Por Raquel de Lucena Oliveira e João Luis Nery A publicação do Índice de Bem estar Urbano (IBEU), elaborado no âmbito do INCT Observatório das Metrópoles

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

SUGESTÕES PARA O PROJETO DOS GALPÕES E A ORGANIZAÇÃO DA COLETA SELETIVA

SUGESTÕES PARA O PROJETO DOS GALPÕES E A ORGANIZAÇÃO DA COLETA SELETIVA PAC Resíduos SólidosS SUGESTÕES PARA O PROJETO DOS GALPÕES E A ORGANIZAÇÃO DA COLETA SELETIVA Urbanista Tarcísio de Paula Pinto Consultor TÓPICOS 1. CENÁRIO ATUAL DA COLETA SELETIVA 2. MODELO PARA COLETA

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Junho 2014 CAB ambiental Dados sobre Obras de saneamento Principais interferências

Leia mais

Sistema georreferenciado para Auditoria de Pavimentação Urbana

Sistema georreferenciado para Auditoria de Pavimentação Urbana Sistema georreferenciado para Auditoria de Pavimentação Urbana Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Narda Consuelo Vitório Neiva Silva Secretaria de Controle Externo de Obras e Serviços de Engenharia

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO. Fundação João Mangabeira

POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO. Fundação João Mangabeira POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO Fundação João Mangabeira Brasília, 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) P418 Pensando e organizando a campanha

Leia mais

Seção III. Do Saneamento Básico

Seção III. Do Saneamento Básico Seção III Do Saneamento Básico Art. 1º - Saneamento básico é o conjunto de serviços que compreende o abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos, drenagem

Leia mais

APC entrevista Vlademir Daleffe, diretor da Copel Distribuição

APC entrevista Vlademir Daleffe, diretor da Copel Distribuição APC entrevista Vlademir Daleffe, diretor da Copel Distribuição Na foto, Jorge Schorr, Mara Ferreira, Vlademir Santo Daleffe, Clecio Fabricio da Silva e Edgar Krolow Foi realizado, nos dias 22 e 23 de agosto,

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS Renato Boareto Diretor de Mobilidade Urbana SeMob Ministério das Cidades renato.boareto@cidades.gov.br www.cidades.gov.br INTRODUÇÃO 1- Crise

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Coordenadoria de Relações Institucionais CESAN Terezinha de Jesus S. R. Vanzo LEI 11.445 de 05/01/07 Lei De Regulamentação do Setor de Saneamento Básico Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 469, DE 6 DE JUNHO DE 2017 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Mario Caixeta 1 100% COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Autor- Stephen Barley 80% Profissionais Liberais e técnicos Vendas 60% 50% Artesãos e similares 40% 20% Agricultores Operários 1900 1920

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospital localizados no Município. População

Leia mais