TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice."

Transcrição

1 TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice.

2 A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL R = P x.x + P y.y y = R / P y P x / P y. x x = R / P x P y / P x. y R/Py Se x = 0 então y = R / P y Se y = 0 então x = R / P x R/Px

3 CUSTO DE OPORTUNIDADE O custo de oportunidade da obtenção de uma unidade adicional de é a quantidade de que o consumidor tem de abdicar para obter essa unidade adicional de consumo de. O custo de oportunidade da obtenção de uma unidade adicional de x é dado pelo valor absoluto da inclinação da recta do orçamento. y / x = - R/Py / R/Px = - Px/Py R/Py O custo de oportunidade de um bem é igual ao preço relativo desse bem. R/Px

4 RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL: EEMPLO R= 150 euros A Com 150 euros por mês, o Pedro pode adquirir 15 unidades do bem y e nenhuma do bem x... B Py = 10 euros Px = 30 euros 12 unidades do bem y e 1 unidade do bem x, ou qualquer outra combinação em cima da recta orçamental (A, B, C, D, E e F) Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005 G C D Pontos abaixo da recta de orçamento são possíveis. H E Pontos acima da recta não são possíveis. F O custo de oportunidade de adquirir uma unidade adicional de x é igual a 3.

5 VARIAÇÕES NO RENDIMENTO (RENDIMENTO DISPONÍVEL APLICADO EM CONSUMO) R= 150 euros Py = 10 euros Px = 30 euros R= 300 euros Py = 10 euros Px = 30 euros Um aumento no rendimento faz deslocar a recta do orçamento para a direita, sem alteração da inclinação (os preços relativos não se alteram). Uma diminuição no rendimento faz deslocar a recta do orçamento para a esquerda sem alteração da inclinação (os preços relativos não se alteram)

6 VARIAÇÃO NO PREÇO O DE UM DOS BENS 30 R= 150 euros Py = 10 euros Px = 30 euros A alteração no preço de um dos bens dá origem a uma rotação da recta do orçamento. 15 R= 150 euros Py = 5 euros Px = 30 euros R= 150 euros Py = 10 euros Px = 30 euros R= 150 euros Py = 10 euros Px = 10 euros 5 15

7 Utils UTILIDADE TOTAL E UTILIDADE MARGINAL Utilidade Total A utilidade Marginal é o acréscimo de utilidade que obtemos ao consumir uma unidade adicional do bem. Utils Utilidade Marginal x Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

8 ABORDAGEM ORDINAL DA UTILIDADE Admitimos que a unidade de consumo é capaz de sujeitar todas as situações de aprovisionamento a uma classificação ordinal de preferência. - 1º Postulado: se uma unidade de consumo considerar duas situações de aprovisionamento A e B, ela é capaz de fazer uma das afirmações que se seguem, sendo que apenas uma é verdadeira: A é preferível a B B é preferível a A A é indiferente a B - 2º Postulado: a operação mental de preferência ou indiferença é transitiva. Isto é: Se A é preferível a B E B é preferível a C Então A é preferível a C.

9 CURVA DE INDIFERENÇA A (1) A curva de indiferença é a representação gráfica de um nível de aprovisionamento - lugar geométrico de todas as combinações possíveis de 2 bens (situações de aprovisionamento) que proporcionam o mesmo nível de satisfação (utilidade total constante) B A C B (assim como todas as situações de aprovisionamento nesse subquadrante) é preferível a A; A é preferível a C (e a todas as situações de aprovisionamento nesse sub-quadrante). 1ªPropriedade A curva de indiferença é decrescente (inclinação negativa).

10 CURVA DE INDIFERENÇA A (2) G +1 H J 2ªPropriedade K A curva é convexa em relação à origem. L Fonte: Figura adaptada de Hall & Lieberman, 2005 Para manter o mesmo nível de satisfação o consumidor prescinde cada vez menos de unidades do bem y para obter unidades adicionais do bem x. Existem excepções: substitutos perfeitos, bens complementares...

11 CURVA DE INDIFERENÇA A (3) A B As curvas de indiferença não se intersectam. C 3ªPropriedade Cada situação de aprovisionamento diz respeito a uma e só uma curva.

12 MAPA DE INDIFERENÇA Representação dos diferentes níveis de aprovisionamento: As curvas de indiferença mais afastadas da origem representam níveis de satisfação (utilidade total) mais elevados. Ut 1 < Ut 2 < Ut 3 < Ut 4 I 4 I 1 I 2 I 3

13 TAA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO A taxa marginal de substituição de por, para um dado nível de utilidade, é a quantidade de que o consumidor se dispõe a sacrificar por uma unidade adicional de consumo de. Em cada ponto da curva de indiferença a taxa marginal de substituição de y por x é dada pelo valor absoluto da medida da inclinação da recta tangente à curva de indiferença no ponto referido. TMS y,x = y Umg x = x Umgy

14 LEI DA TAA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO DECRESCENTE 20 G H +1 J K L Fonte: Figura adaptada de Hall & Lieberman, Umg x TMS y,x = Umgy

15 ESCOLHA ÓPTIMA DO CONSUMIDOR A O ponto óptimo corresponde ao ponto de tangência entre a recta orçamental e a Curva de Indiferença B C Umg x Umg y = Px Py Fonte: Figura adaptada de Hall & Lieberman, 2005

16 ESCOLHA ÓPTIMA DO CONSUMIDOR Umgx Px = 40, Umgy Py = A B Umgx Px = 20, Umgy Py = G C D Umgx Px E = 15, F Umgy Py = Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

17 A CURVA CONSUMO-RENDIMENTO A Curva Consumo-Rendimento é o lugar geométrico dos pontos que maximizam a utilidade, dada uma estrutura de preferências, admitindo que os preços relativos permanecem invariáveis e que o rendimento varia continuamente. 30 Curva Consumo-Rendimento H 6 D Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

18 ANDAMENTO DA CURVA CONSUMO- RENDIMENTO 30 H'' 3. Se o bem x fosse um bem inferior, este seria o novo ponto de equilíbrio. 2. Mas preferências diferentes poderiam deslocar o ponto óptimo para H'' or H' D H 1. Dado este mapa de preferências, com o aumento do rendimento, o novo ponto óptimo é o H. H' 4. Se o bem y fosse um bem inferior, este seria o novo ponto de equilíbrio Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

19 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO PARA BENS NORMAIS OU SUPERIORES Vinho, litros por ano R 3 R 2 R1 Curva Consumo-Rendimento e e 2 I e 1 I 2 I Cerveja, litros por ano Fonte : Perloff, 2004

20 Vinho, litros por ano R 3 R 2 R 1 Curva Consumo-Rendimento CURVA CONSUMO- RENDIMENTO PARA Preço cerveja, $ por litro e 1 e 2 e 3 I 1 I 2 I Cerveja, litros por ano BENS NORMAIS OU 12 E 1 E 2 E 3 SUPERIORES E Cerveja, litros por ano D 3 D 2 D 1 CURVA DE ENGEL,Rendimento Curva de Engel 3 = $837 E 3 * 2 = $628 E 2 * 1 = $419 E 1 * Cerveja, litros por ano Fonte : Perloff, 2004

21 (a) Curva Consumo-Rendimento CURVA Todos os outros bens por ano R3 CONSUMO- R2 Curva Consumo-Rendimento e 3 RENDIMENTO R1 e 2 I 3 PARA UM BEM e 1 I 2 I 1 QUE É NORMAL (b) Curva de Engel Hambúrgueres por ano E INFERIOR E, Rendimento 3 E 3 CURVA DE 2 E 2 Curva de Engel ENGEL 1 E 1 Hambúrgueres por ano Fonte : Perloff, 2004

22 A CURVA CONSUMO-PRE PREÇO A Curva Consumo-Preço é o lugar geométrico dos pontos que maximizam a utilidade, dada uma estrutura de preferências, admitindo que o rendimento nominal permanece invariável e o preço de um dos bens varia. Idas ao cinema, mês D J K Curva Consumo-Preço Idas ao teatro, mês Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

23 A CURVA CONSUMO-PRE PREÇO O E DEDUÇÃO DA CURVA DA PROCURA Idas ao cinema, mês D J K (a) 1.Quando o preço do teatro era $30, P P TMS cinema, teatro= teatro no ponto D. cinema 2. Mas quando o preço do teatro baixa para $10, a condição de equilíbrio é satisfeita no ponto J. Preço teatro $ D J K (b) Idas ao teatro, mês 3. A curva da procura mostra a quantidade de idas ao teatro que são escolhidas pelo consumidor a cada preço (teatro) Idas ao teatro, mês Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

24 A CURVA DA PROCURA E OS EFEITOS SUBSTITUIÇÃO E RENDIMENTO EFEITO RENDIMENTO Uma diminuição do preço o de um bem significa que o consumidor fica a dispor de mais poder de compra para gastar em todos os produtos (o seu rendimento real e a sua utilidade aumentam). EFEITO SUBSTITUIÇÃO A diminuição do preço o (relativo) incentiva uma maior compra do produto, uma vez que este fica relativamente mais barato.

25 EFEITOS SUBSTITUIÇÃO E RENDIMENTO P Diminuição do preço: Efeito substituição Q D Efeito Total (Quase sempre) Poder de compra Q D Q D se normal se inferior Q D Aumento do preço: P Efeito substituição Q D Poder de compra Q D Q D se normal se inferior Q D Fonte: Adaptado de Hall & Lieberman, 2005

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Parte 1 1. Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Há 3 etapas no estudo do comportamento do consumidor.

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 20 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

LES 101 Introdução à Economia

LES 101 Introdução à Economia Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LES 101 - Introdução à Economia LES 101 Introdução à Economia Prof. João Martines Filho 30 / maio / 2017 Copyright 2010 Pearson

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória Teoria Microeconômica I Prof. Marcelo Matos Aula Introdutória Ementa do Curso Teoria do consumidor: escolha do consumidor; preferência revelada; efeitos-renda e efeito-substituição: equação de Slutsky

Leia mais

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Maimização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas Prof.: Antonio Carlos Assumpção Escolha por Parte do Consumidor O consumidor escolhe uma combinação de bens (cesta de consumo) que irá

Leia mais

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1 Microeconomia UNIDADE 5 Aula 5.1 Prof - Isnard Martins Rosseti, J, Introdução à Economia, Atlas, 2006 Vasconcelos M.A, Economia Micro e Macro, 4a Edição Douglas Evans.Managerial Economics.Prentice Hall.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

I. Conceitos Básicos

I. Conceitos Básicos I. Conceitos Básicos Escolha Múltipla 1. A economia foca-se em a) Indivíduos e como os recursos são utilizados para satisfazer as necessidades humanas. b) Dinheiro. c) Bancos d) Control 2. Um recurso é

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: - como determinar

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS Teoria do Consumidor Questões ráticas (Versão rovisória) TEOIA DO CONSUMIDO EECÍCIOS Exercício. estrição orçamental e efeitos da variação dos preços e do rendimento Suponha que um consumidor gasta a totalidade

Leia mais

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008 Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Dispõe de 50 minutos para realizar a prova Não são permitidas saídas antes do final da prova Não é permitida a consulta

Leia mais

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Efeito de modificações no preço: Caso ocorram modificações no preço de determinada mercadoria

Leia mais

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7.

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Utilidades da teoria do consumidor: a) Servir de guia para elaboração e interpretação de

Leia mais

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013 Economia I; 01/013 (º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 013 [RESOLUÇÃO] Distribuição das respostas correctas às perguntas da Parte A (6 valores) nas suas três variantes: ER A B C P1 P P3 P4

Leia mais

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA Licenciatura em Comunicação Social, 2 ano 2002/2003 PROGRAMA de ECONOMIA 1. UNIDADE LECTIVA PRELIMINAR 1.1 Conceitos matemáticos 1.1.1 Conceito de função; funções lineares 1.1.2 Construção e leitura de

Leia mais

Capítulo 3 Preferências

Capítulo 3 Preferências Capítulo 3 Preferências Verdadeiro ou falso 3.1 Se as preferências são transitivas, mais é sempre preferível a menos. Resposta: Falsa 3.2 Uma pessoa com preferência reflexivo é alguém que não compra cuidadosamente.

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: -

Leia mais

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Teoria da produção Firma ou empresa para economia é uma unidade

Leia mais

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1 VERSÃO ROVISÓRIA Questão Os valores assumidos pela taxa marginal de substituição de um bem por outro ao longo de uma dada curva de indiferença permitem-nos concluir sobre o formato das curvas de indiferença

Leia mais

Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor

Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor 21. Teoria da Escolha do onsumidor Perguntas a Serem Respondidas Todas as curvas de demanda têm inclinação negativa? omo os salários afetam a oferta de mão-deobra? omo as taxasde jurosafetama poupança

Leia mais

Microeconomia I. Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4. Exercícios propostos. Capítulo 2

Microeconomia I. Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4. Exercícios propostos. Capítulo 2 Microeconomia I Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4 Exercícios propostos Capítulo 2 1.1. A Ana tem um rendimento mensal de 60, que gasta em pão e vinho. Um pão custa 1.50, e um litro de vinho custa 3. Prepare

Leia mais

Universidade Portucalense Infante D. Henrique

Universidade Portucalense Infante D. Henrique Universidade Portucalense Infante D. Henrique DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MICROECONOMIA - TEORIA DO CONSUMIDOR - EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO - Fevereiro 2004 - Exercícios de aplicação Teoria do Consumidor - 1.

Leia mais

Modelo de Factores Específicos

Modelo de Factores Específicos Modelo de Factores Específicos Introdução No modelo de Ricardo o comércio leva à especialização produtiva com cada país a deslocar os factores produtivos dos sectores em que são mais ineficientes para

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Comércio internacional com efeitos sobre distribuição de renda Recursos não podem se mover imediatamente ou sem custos de uma

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MICROECONOMIA I CADERNO DE EXERCÍCIOS A. TEORIA DO CONSUMIDOR A.1. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL DO CONSUMIDOR A.1.1. Defina os seguintes conceitos:

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

Responda em folhas separadas a cada grupo de questões. Verifique se tem 3 Grupos de questões

Responda em folhas separadas a cada grupo de questões. Verifique se tem 3 Grupos de questões ENUNCIADO DE TESTE E TÓICOS DE RESOLUÇÃO FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DO ORTO LICENCIATURA EM GESTÃO - DISCILINA DE MICROECONOMIA I TESTE - JANEIRO - ANO LECTIVO 2/2 Observações: Duração: 2hm.

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Receita

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA 1 Ano - 2010 1 Cadeira: Microeconomia 1 Esta disciplina irá capacitar o estudante a fazer análises simples do cenário económico usando conceitos por ele já conhecidos

Leia mais

A Teoria do Consumidor

A Teoria do Consumidor A Teoria do Como a demanda fundamenta-se no comportamento dos consumidores? Aplicações importantes da teoria que será vista: -servir de guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado -fornecer

Leia mais

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008 Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Dispõe de 50 minutos para realizar a prova Não são permitidas saídas antes do final da prova Não é permitida a consulta

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAEN 2011/12 6 de Janeiro de 2011 Duração Total do Teste: 2h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T7. Bibliografia. Conceitos a reter. Obrigatória: Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática

Economia e Finanças Públicas Aula T7. Bibliografia. Conceitos a reter. Obrigatória: Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática Economia e Finanças Públicas Aula T7 Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática 2.3 Despesa e equidade: redistribuição e igualdade de oportunidades 2.3.1 O óptimo social e a F.P.U. 2.3.2 As FBES: utilitarismo

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 ula 7 16/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. INDYCK (2007) Capítulo 3 Escolha do Consumidor Supondo que o consumidor maximiza a sua utilidade, temos que a cesta maximizadora deve estar

Leia mais

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave?

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave? Capítulo 6 A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral Cataclismo ou transição suave? Na visão pessimista do futuro de Beyond the Limits a procura de recursos excede a oferta

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Ciências Econômicas Niterói - Gabarito

PROGRAD / COSEAC Ciências Econômicas Niterói - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Alfredo possui um automóvel bicombustível. Baseado no histórico de consumo do automóvel, Alfredo percebeu que o rendimento da gasolina (quilômetros

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR: O MODELO DE UTILIDADE ORDINAL

TEORIA DO CONSUMIDOR: O MODELO DE UTILIDADE ORDINAL TEORIA DO CONSUMIDOR: O MODELO DE UTILIDADE ORDINAL Exercício 1 1 Considere um consumidor que dispõe de um rendimento de R u.m., que aplica integralmente na aquisição de dois bens X e Y. Os preços unitários

Leia mais

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Marta Lemme - IE/UFRJ Função de Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz. Um insumo

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/03 ) Avalie, com análise gráfica, a variação do Excedente do Consumidor e/ou Excedente do Produtor para as seguintes situações:

Leia mais

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido.

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. Capitulo 15 Demanda do mercado Questões de Verdadeiro ou Falso 15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. 15.2. Em geral, a demanda

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática plicada à Economia e Gestão UL 3.3 Escolha do Consumidor entre Mercadorias Contingentes e nálise de Partilha do Risco Isabel Mendes 007-008 8-03-008

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular MICROECONOMIA

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI Sumário Teoria da utilidade Bens complementares Bens substitutos Vimos que os agentes económicos Confrontam-se com cabazes E que dos seus gostos/preferências resulta uma função de utilidade u: Se A f B

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 15 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Microeconomia I. 1ª Ficha de Avaliação Ano lectivo 2009/2010 Nome: Nº Aluno: Turma:

Microeconomia I. 1ª Ficha de Avaliação Ano lectivo 2009/2010 Nome: Nº Aluno: Turma: Microeconomia I 1ª Ficha de Avaliação Ano lectivo 009/0 Nome: Nº Aluno: Turma: O Gustavo, estudante de º ano da Faculdade de Economia de ordelo, vai ter dois testes no próimo fim-de-semana, um de Estatística

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Microeconomia

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Microeconomia UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais Microeconomia Licenciaturas em Administração e Gestão de Empresas e em Economia Ano lectivo 006-007 Fernando Branco º Semestre

Leia mais

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva Universidade Federal de Santa Catarina From the SelectedWorks of Sergio Da Silva 00 Demanda Sergio Da Silva Available at: htt://works.beress.com/sergiodasilva/35/ Demanda Hal R. Varian Intermediate Microeconomics,

Leia mais

6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS

6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS 1 6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS 1. Se conhecemos a função produção, o que mais precisamos saber a fim de conhecer a função custos: a) A relação entre a quantidade produzida e a quantidade de

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / /

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / / Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 03 MICROECONOMIA DEMANDA E OFERTA SEMANA E DATA / / 3.1. A curva de demanda Em uma economia

Leia mais

Microeconomia. 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico. Francisco Lima

Microeconomia. 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico. Francisco Lima Microeconomia 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2011/2012 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Objetivos Que quantidade

Leia mais

Teoria da Oferta e da Procura

Teoria da Oferta e da Procura Teoria da Oferta e da Procura Demanda (Procura) Conceito Expressa o desejo que as pessoas têm de consumir bens e serviços aos preços de mercado por unidade de tempo, mantendo-se os outros fatores constantes

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 19 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Demanda individual e demanda de mercado Parte Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição

Demanda individual e demanda de mercado Parte Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição Demanda individual e demanda de mercado Parte 1 1. Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição 1 Demanda Individual Efeitos de variações nos preços: A curva de demanda individual mostra a

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAER 0/ 6 de Janeiro de 0 Duração Total do Teste: h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE A (Duração:

Leia mais

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro (A) Preencha a Tabela fornecida, dada a seguinte informação sobre o

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. O formato das curvas de indiferença pode significar diferentes graus de desejo de substituir uma mercadoria por outra.

Leia mais

Produção: decisões de curto e de longo prazo

Produção: decisões de curto e de longo prazo Produção: decisões de curto e de longo prazo IST, EGI - Teoria Económica II Margarida Catalão opes 1 Que quantidade de factores produtivos empregar e como combiná-los Trabalho, terra, matérias-primas e

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos)

Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Em um mercado competitivo, temos o conhecimento, a partir de levantamentos estatísticos, de que em 1981 a curva de oferta de trigo nos Estados

Leia mais

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor genda Comportamento do Consumidor Econ. Edilson guiais Material isponível em: www.puc.aguiais.com.br Restrições Orçamentárias Escolha do Consumidor Preferências Reveladas Utilidade Marginal e Escolhas

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta A Firma na Escola Neoclássica Fatores de Produção Em concorrência perfeita, preço é determinado pelo mercado Bens tangíveis ou intangíveis Objetivo da Firma (Neoclássica):

Leia mais

Economia e Sociologia. O Funcionamento do Mercado

Economia e Sociologia. O Funcionamento do Mercado Economia e Sociologia O Funcionamento do Mercado O que é o mercado? Sistema através do qual compradores e vendedores negoceiam para determinar os preços e as quantidades transaccionadas de um bem Locais

Leia mais

Teoria da demanda e oferta

Teoria da demanda e oferta Análise da Demanda de mercado Teoria da demanda e oferta Capítulo III Demanda (ou procura) é a quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores deseja adquirir, num dado período. Representa

Leia mais

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21 Curvas de Custos Varian - Cap. 21 Funções de Custo Total, Fixo e Variável F = custo fixo da firma; diz respeito aos insumos fixos que não variam no curto-prazo e, portanto, não variam com o nível de produto

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura O nosso objectivo é explicar porque é que, em determinado momento, o consumidor opta por

Leia mais

Transformações de Visualização 2D: Clipping. Antonio L. Bajuelos Departamento de Matemática Universidade de Aveiro

Transformações de Visualização 2D: Clipping. Antonio L. Bajuelos Departamento de Matemática Universidade de Aveiro Transformações de Visualização 2D: Clipping Antonio L. Bajuelos Departamento de Matemática Universidade de Aveiro 1 Clipping (recorte) Qualquer procedimento que identifica porções de uma figura que estão

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto)

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Função produção É uma relação técnica entre os factores

Leia mais

Distribuição Normal de Probabilidade

Distribuição Normal de Probabilidade Distribuição Normal de Probabilidade 1 Aspectos Gerais 2 A Distribuição Normal Padronizada 3 Determinação de Probabilidades 4 Cálculo de Valores 5 Teorema Central do Limite 1 1 Aspectos Gerais Variável

Leia mais

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa MICROECONOMIA

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa MICROECONOMIA Frequência: alunos em avaliação contínua Exame: alunos em avaliação única ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa MICROECONOMIA Exame 1ª Época, 1º semestre 2012-2013 Nome: Tempo de duração: 2h (avaliação

Leia mais

Demanda Muito Elástica

Demanda Muito Elástica A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso Conceitos de Gestão de Estoques Análise Numérica Prof. Ruy Alexandre Generoso Cálculo do Nível N de Serviço Ótimo Nível de Serviço o (NS): Determinado nível n de estoque E. É a probabilidade de que a demanda

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Efeitos Renda e Substituição Prof.: Antonio Carlos Assumpção Efeito Renda e Efeito Substituição Uma queda no preço de um bem ou serviço tem dois efeitos: Substituição e Renda Efeito Substituição

Leia mais

Comércio Internacional

Comércio Internacional Comissão de 2º Ano 09/10 Comércio Internacional 3º Teste Curso: Economia Esta sebenta é um complemento ao estudo, não constituindo manual da disciplina. A Comissão de ano não se responsabiliza por qualquer

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

5 Funções de produção na agricultura irrigada

5 Funções de produção na agricultura irrigada 5 Funções de produção na agricultura irrigada 5.1 A água e seus efeitos na produção agrícola Os processos fisiológicos envolvidos na produção vegetal tem uma relação muito estreita com a maior ou menor

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO CAP. 4 Borjas 1. INTRODUÇÃO Mercado de trabalho depende: - Desejo dos trabalhadores de disponibilizarem tempo de trabalho - Desejo das firmas contratarem trabalhadores

Leia mais

3. Variáveis aleatórias

3. Variáveis aleatórias 3. Variáveis aleatórias Numa eperiência aleatória, independentemente de o seu espaço de resultados ser epresso numericamente, há interesse em considerar-se funções reais em Ω, denominadas por variáveis

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y . Cálculo Diferencial em IR.1. Função Exponencial e Função Logarítmica.1.1. Função Exponencial Comecemos por relembrar as propriedades das potências: Propriedades das Potências: Sejam a e b números positivos:

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A.

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A. A lei da oferta e Parte 1: Oferta, e equilíbrio de mercado Parte 2: Elasticidades Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br BLOG: www.marcoarbex.wordpress.com Dois reais......e noventa centavos

Leia mais

BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE

BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE Olá pessoal. Estamos aqui para dar aquelas dicas importantes de véspera de prova. Para criar aquele pequeno lembrete que vai ser útil nas últimas

Leia mais

Exercício 1. Como K=2: PT L =5,25*(2) 2 *L+4,5*2*L 2 -L 3 =21L+9 L 2 -L 3. PMd. L PT PMg L = L. a-1) Proceda à sua representação gráfica.

Exercício 1. Como K=2: PT L =5,25*(2) 2 *L+4,5*2*L 2 -L 3 =21L+9 L 2 -L 3. PMd. L PT PMg L = L. a-1) Proceda à sua representação gráfica. Exercício 1 O departamento de produção da RECICA estima que o processo de produção de pasta para papel desta empresa seja descrito pela função de produção: Q = 5,5K +4,5K -, onde Q = toneladas de pasta

Leia mais