apresenta A u t o r : J o s é R o b e r t o T o r e r o Livro para colorir

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "apresenta A u t o r : J o s é R o b e r t o T o r e r o Livro para colorir"

Transcrição

1 apresenta A u t o r : J o s é R o b e r t o T o r e r o Livro para colorir

2

3 A u t o r : J o s é R o b e r t o T o r e r o Livro para colorir

4 I Numa pequenina cidade no interior do Brasil, um pai e seu filho pequeno conversam dentro de um barracão que serve de marcenaria. Fora, a tranquilidade da cidade abraça o barracão. Uma mulher admira o céu azul pela janela, uma galinha cisca ao lado de uma velha, que se balança numa cadeira de balanço velha e que range com o vai e volta, um menino puxa um burrico sobre uma ponte que é quase ruína, um velho sentado na varanda de uma casa masca um capim comprido, um cata-vento gira com a brisa fazendo um som monótono. 4

5 5

6 Dentro do barracão, a criança brinca com um caminhãozinho, enquanto seu pai trabalha em uma grande peça de madeira. Nenhum dos dois está prestando atenção ao radinho de pilha, que berra seus comerciais de rádio AM do interior. Mas então, a atenção do menino é atraída para o rádio, quando este solta no ar o nome de Papai Noel. Pai, como é o Papai Noel?, pergunta Matias, o menino. Seu pai, sem entender de onde surgiu o assunto, fica meio sem jeito. Fazendo algum esforço para se recordar de algo que poderia dizer a seu filho, responde: que pergunta hein, Matias... Ele tem uma bela barba branca, veste uma roupa vermelha e é bem barrigudo. O menino, empolgado, esquece o carrinho com o qual brincava e encara o pai. Os olhos arregalados de interesse. Há tempos não pensava em Papai Noel. O Natal estava se aproximando e era uma ótima oportunidade para saber mais sobre esse bom velhinho que todos, no mundo inteiro, tanto admiravam. - Mamãe dizia que ele andava em uma carroça bem grande. Você acredita? - Eu mesmo nunca vi, filho. Respondeu o pai, largando as ferramentas e se apoiando sobre a mesa, ficando mais próximo ao menino. Meio desapontado com a resposta do pai, Matias olha para o carrinho de madeira que está à sua frente e diz: Eu acredito. Só acho que ele não vem nos visitar porque a ponte da cidade está quebrada e a carroça dele não consegue passar. Enquanto fala, o carrinho vai e vem em suas mãos. O menino só deseja poder consertar a ponte num piscar de olhos para que o papai noel possa fazer uma visita. O pai, percebendo a reação do menino como se conseguisse ler seus pensamentos, puxa o filho para um abraço bem apertado. Se entreolham. O pai beija a testa de Matias: - Deixa de bobagem, filhão. Vem, está ficando tarde, vamos jantar. Na mesa de jantar, já de banho tomado, Matias parece sem fome. Ele olha para frente, perdido em pensamentos. Seu pai percebe isso e tem um momento daqueles em que o coração fica apertado de tristeza, porque o menino olha na direção da cadeira vazia, onde a mãe deveria estar. Matias não sente fome, sente saudades da mãe. Pai viúvo e filho órfão tentam não demonstrar um para o outro o quanto sentem a falta dela.

7

8 I I Depois do jantar, sentado em sua cama, Matias brinca com uma garrafa vazia de Coca-Cola. Está pensativo, inquieto. De repente, dá um salto e fica em pé. Não pode perder a oportunidade de conhecer o Papai Noel neste Natal. Precisa se apressar ou terá que esperar mais um ano para tentar de novo. Pega uma folha de papel. Senta numa cadeira de frente à escrivaninha. Aponta um lápis e arruma o abajur. As palavras vêm repentinamente à sua cabeça e começa a escrever uma carta, sem pausas. Papai Noel, A minha mãe disse que um dia ia me levar para uma cidade grande para eu ver você, mas ela se foi. Se o meu pai consertar a ponte, você vem me visitar? Matias. 8

9 9

10 Ao terminar, relê confiante. Guarda a carta na garrafa vazia de Coca-Cola e chama seu pai. Este entra no quarto e fica surpreso ao ver o filho em pé a essa hora da noite. Antes de conseguir perguntar se está tudo bem com ele, Matias o interrompe: - Pai, coloca isso no lugar mais alto da árvore lá fora? Assim fica mais fácil pra ele poder pegar. O pai faz que sim com a cabeça, ainda sem entender. Mas ele lê, de relance através do vidro da garrafa vazia, que a carta é para Papai Noel. O pai dá um beijo na testa do filho e, desejando a ele uma boa noite, sai do quarto. A noite está linda, não há uma nuvem no céu. As estrelas brilham, cada pontinho no seu lugar como flocos de neve prestes a caírem. Antes de colocar a garrafa no topo da árvore, o pai não aguenta de curiosidade. Lê a carta e mal consegue conter a emoção. O pai tenta segurar o choro, a saudade. E, principalmente, o amor pelo seu menino. O presente verdadeiro, impossível, Matias não ousou pedir: ter a mãe de volta. Neste momento, o pai respira fundo e sorri: ele acaba de decidir que vai consertar a ponte. 10

11 11

12 12

13 O sol nasce, o pai levanta bem cedo. Está empolgado. Quer começar a trabalhar cedo na ponte para não perder um minuto. Ela precisa estar perfeita até a noite de Natal. Pega suas ferramentas, um pouco de corda, alguns pregos e três tábuas de madeira. Carrega tudo meio atrapalhado, mas chega sem problemas até o lugar. Dá uma olhada, larga o material e dá uma suspirada. Não vai ser fácil. A ponte já quase não se aguenta sozinha. De vez em quando algum morador da cidade dá uma martelada aqui, uma amarrada ali, de boa vontade. Acha que é suficiente e fica nisso. Ela não é muito usada mesmo, para que gastar tempo e suor consertando a velha ponte? Depois de alguns minutos empurrando vigas daqui, puxando cordas dali, ele cansa. Realmente não vai ser fácil, não mesmo. Amarra uma corda em uma tábua de madeira quebrada que atrapalha a passagem das pessoas, quer arrancá-la dali. Quando vai puxar, Matias aparece a seu lado. O menino senta com um carrinho e fica brincando, feliz em ver o pai se esforçando daquele jeito. Alguns moradores curiosos começam a aparecer para ver o que está acontecendo. Primeiro ficam longe, dão uma olhada, entram nas casas e logo depois voltam a sair, trazendo mais gente para ver o pai de Matias em ação. Ou tentando. Começam a chegar perto e a comentar. Uma senhora tricotando comenta com a outra: - Acho que o sol queimou os miolos deste moço. Vai querer arrumar esta ponte sozinho? Um som opaco reverbera pelos ares. O moço dos miolos queimados está no chão. Caiu tentando arrancar uma das vigas. Ainda sentado, ele olha para o filho. Está coberto de suor e de frustração. Ele não vai conseguir consertar a ponte. Puxa o filho para um abraço e diz: - Me perdoa, filho. Eu ten... 13

14 N ão termina a frase. Uma mulher passa ao lado dele rapidamente, pega a corda ainda amarrada na viga e sorri para ele. Está oferecendo ajuda. O pai se levanta sem saber o que dizer, segura a corda e sorri de volta. Quando olha em volta, repara que mais pessoas estão vindo ajudar. A senhora que tricotava está lá, um pouco mais receosa, com medo de cair. Ela pensa para si mesma é, acho que o sol queimou meus miolos também. Dois dias se passam e a cidade toda está reunida trabalhando na ponte. Os mais jovens e fortes cuidam da parte de carpintaria e da construção. Os mais velhos adoram incentivar os mais jovens. Duas vezes ao dia, um lanche é servido enquanto todos descansam. Alguns ainda não sabem por que estão lá, mas adoram a oportunidade de conversar e conhecer mais os outros moradores da cidade. No fim do terceiro dia, todos largam as ferramentas, se limpam como podem e se juntam sob a mesma árvore. Está pronta. 14

15

16 Cada viga em seu devido lugar, cada centímetro de madeira está nivelado e cada sorriso está visível no rosto das pessoas. Firmes e fortes. O pai abraça o filho dizendo conseguimos. Alguém acende as lâmpadas que decoram a nova ponte. Depois de um momento de contemplação, a comemoração explode. Todos se abraçam, se agradecem e se parabenizam pelo trabalho bem feito. Matias nem escuta as comemorações. Está com os olhos fixos no outro lado da ponte, à espera da carroça grande do Papai Noel. Olha para os céus, volta o olhar para o outro lado da ponte, mas nada. As pessoas começam a voltar para suas casas, o céu vai ficando cada vez mais escuro e as luzes da ponte mais brilhantes. Matias, agora sentado apoiando a cabeça nas mãos, parece decepcionado. Seu pai se agacha ao seu lado e diz que é bom irem dormir, está ficando tarde. Meio emburrado, Matias levanta e o acompanha. 16

17

18 I I I Matias não consegue dormir. Tem uma sensação estranha que sobe pela sua barriga. Vira para a esquerda, volta para a direita, senta, deita, sente que algo vai acontecer, mas pensa que besteira, Papai Noel nem deve vir de carroça, muito menos por uma ponte. Ele nem viu meu bilhete. 18

19 19

20 Matias adormece, mas uma espécie de faísca passeia pelo quarto, muito rapidamente. E logo, outra. Esses fragmentos luminosos, que aumentam de intensidade e se multiplicam a cada segundo, são fachos de luz que estão atravessando o vidro da garrafa que ainda está pendurada na árvore. A garrafa do bilhete. Essa luz crescente acaba por despertar Matias. Em um instante, ele entende tudo. Levanta e vai até a janela. Seus olhos brilham, não é possível... - Pai, pai! É ele! É ele! Ele tá vindo! Matias sai de casa correndo junto às outras crianças. Ninguém sabe o que está acontecendo. Todos em seus pijamas saem de suas casas coçando os olhos, alguns reclamam do barulho e outros reclamam dos vizinhos que reclamam do barulho. Euforia. Um caminhão com um vermelho forte e todo iluminado para na rua. Outro vem atrás dele, depois mais um. Tem algo escrito na lateral do caminhão, não se vê bem. As luzes ofuscam as palavras. Repentinamente, o som dos motores para e as luzes diminuem. Coca-Cola, é isso que está escrito. Matias mal consegue terminar de ler e a lona da lateral do caminhão começa a se abrir. São cortinas! De dentro, sai uma música, algo como O Natal vem vindo, vem vindo o Natal. Uma banda tocando, músicos com seus instrumentos em perfeita harmonia. Bailarinas começam a dançar. Ursos polares aparecem para contracenar com os atores. Cada caminhão com algo diferente para mostrar. As pessoas vão de um para o outro e do outro para o um. Nunca tinham visto nada assim. 20

21 21

22 22

23 Em meio ao caminhar apressado e ao olhar estagnado das pessoas, uma pausa. As cortinas do caminhão do meio se abrem e Matias corre para a frente da plateia para ver o que vai acontecer neste. Uma sombra aparece diante das luzes e do cenário. Parece ser uma pessoa. Que tem uma barba, usa uma roupa pomposa vermelha e é bem barrigudo. Espera, pensa Matias, não pode ser. Lembrara da descrição que seu pai lhe dera alguns dias antes. Mas era ele mesmo. De dentro do caminhão, desce todo sorridente o Papai Noel. Acena para todos e gargalha, chacoalhando o barrigão. Caminha em direção à plateia. Papai Noel encontra o olhar maravilhado do garoto. Agacha. Matias não sabe como reagir. Sua mente está vazia naquele momento. Estica o braço e coloca a mão entre as barbas brancas e felpudas do velhinho. Dá uma puxada. É de verdade. Uma lágrima escorre pelo seu rosto, e ele se deixa cair nos braços cobertos por mangas vermelhas e macias. Matias olha ao redor. Encontra os olhos de seu pai, que está de mãos dadas com a moça da ponte. Ele sorri, Matias sorri de volta. Que noite mágica. Horas mais tarde, Matias está deitado na grama, com seu pai deitado ao lado. Eles olham para o céu, felizes, ainda extasiados. Uma estrela cadente cruza o céu. Mas, sob um olhar mais atento, não parece que é uma estrela cadente. Ela está andando em círculos, e deixa um rastro distante de brilho vermelho. Matias aponta, entusiasmado. É possível ouvir um som, e são acordes da música que acompanhou a chegada dos caminhões. Matias ri, seu pai ri. Então, o garoto diz: - Pai, acho que ano que vem nós vamos precisar construir um aeroporto... 23

24 Quando você acredita, a mágica acontece.

25 Sinta o sabor do Natal.

26 Créditos: Criação e concepção da campanha Uma Ponte para Noel : JWT Brasil Autor do conto: José Roberto Torero Ilustrações (criação e desenvolvimento dos personagens): Zombie Studio Ilustrações (capa e internas): Iluminata

27

28 Este livro é uma adaptação do filme Uma Ponte Para Noel. Conta a história de Matias, e sobre como a imaginação dele conseguiu unir toda a cidade. Mas vamos parar por aqui, para não estragar a surpresa. Afinal, mesmo que você já tenha assistido ao filme, a história que você tem agora nas mãos precisa do seu toque. As cores que você vai usar para contá-la vão tornar a história de Natal de Matias um pouco mais sua. Feliz Natal.

79 Dias. por. Ton Freitas

79 Dias. por. Ton Freitas 79 Dias por Ton Freitas Registro F.B.N.: 684988 Contato: ton.freitas@hotmail.com INT. HOSPITAL/QUARTO - DIA Letreiro: 3 de março de 1987. HELENA, branca, 28 anos, está grávida e deitada em uma cama em

Leia mais

NADA É POR ACASO. um roteiro. Fábio da Silva. 02/09/2008 até 22/09/2008

NADA É POR ACASO. um roteiro. Fábio da Silva. 02/09/2008 até 22/09/2008 NADA É POR ACASO um roteiro de Fábio da Silva 02/09/2008 até 22/09/2008 Copyright 2008 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados silver_mota@yahoo.com.br 2. NADA É POR ACASO FADE IN: INT. APARTAMENTO

Leia mais

A Menina Que Deixou. De Sonhar. Autora: Waleska Alves

A Menina Que Deixou. De Sonhar. Autora: Waleska Alves A Menina Que Deixou De Sonhar Autora: Waleska Alves 1. Era uma vez uma linda menina que sonhava com o natal, todas as noites antes de dormi ela olhava pela janela de seu quarto e imaginava papai noel em

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Rio de Janeiro, Subúrbio.

Rio de Janeiro, Subúrbio. Rio de Janeiro, Subúrbio. No subúrbio, a correria era total, caixotes eram revirados, alimentos jogados por todos os lados. Um fugitivo corria da polícia com pressa, assustada estava Helena, que tinha

Leia mais

Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA

Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA 00147614 Efeitos sonoros: https://www.youtube.com/watch?v=iryixkv8_sm A musica, um instrumental, iria tocar do inicio ate aproximadamente

Leia mais

Na escola estão Pedro e Thiago conversando. THIAGO: Não, tive que dormi mais cedo por que eu tenho prova de matemática hoje.

Na escola estão Pedro e Thiago conversando. THIAGO: Não, tive que dormi mais cedo por que eu tenho prova de matemática hoje. MENININHA Na escola estão Pedro e Thiago conversando. PEDRO: Cara você viu o jogo ontem? THIAGO: Não, tive que dormi mais cedo por que eu tenho prova de matemática hoje. PEDRO: Bah tu perdeu um baita jogo.

Leia mais

Você já ouviu a história de uma tal "garota legal"? Bem, se não, deixeme contar uma história:

Você já ouviu a história de uma tal garota legal? Bem, se não, deixeme contar uma história: Você já ouviu a história de uma tal "garota legal"? Bem, se não, deixeme contar uma história: Uma garota legal é alguém que se dedica de alma e coração em um relacionamento. Ela é alguém que poderia esperar

Leia mais

Muito além da amizade. Por. Stoff Vieira. Baseado em relatos reais

Muito além da amizade. Por. Stoff Vieira. Baseado em relatos reais Muito além da amizade Por Stoff Vieira Baseado em relatos reais (63) 9207-6131 (63) 8122-0608 CENA 1. INTERIOR.CASA DE.QUARTO.DIA Nando esta deitado, olhando para uma fotografia de um garoto, com fones

Leia mais

Ao Teu Lado (Marcelo Daimom)

Ao Teu Lado (Marcelo Daimom) Ao Teu Lado INTRO: A9 A9 Quero estar ao Teu lado, não me importa a distância Me perdoa a insegurança, tenho muito a aprender E/G# E7 ( F# G#) A9 Mas em meus poucos passos, já avisto a esperança E/G# Também

Leia mais

O criador de ilusões

O criador de ilusões O criador de ilusões De repente do escuro ficou claro, deu para ver as roupas brancas entre aventais e máscaras e foi preciso chorar, logo uma voz familiar misturada com um cheiro doce e agradável de

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Suspeitas. por. Ton Freitas

Suspeitas. por. Ton Freitas Suspeitas por Ton Freitas Registo F.B.N.: 661025 Contato: ton.freitas@hotmail.com INT. CAPELA - DIA Está ocorrendo um velório. No caixão ao centro está MARIA LUIZA, bonita, jovem. Em volta estão sentadas

Leia mais

"Caixa de Saída" Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa

Caixa de Saída Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa "Caixa de Saída" Roteiro de Jean Carlo Bris da Rosa Copyright 2011. Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir. executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta

Leia mais

Bárbara uma mulher de 25 anos, queria atrasar o livro de uma escritora famosa chamada Natália, Bárbara queria contar uns segredos bombásticos antes

Bárbara uma mulher de 25 anos, queria atrasar o livro de uma escritora famosa chamada Natália, Bárbara queria contar uns segredos bombásticos antes O ATAQUE NA PISCINA Bárbara uma mulher de 25 anos, queria atrasar o livro de uma escritora famosa chamada Natália, Bárbara queria contar uns segredos bombásticos antes de Natália, Bárbara não queria que

Leia mais

SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO O HOMEM QUE DORME Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento de Rubio Campos, inspirado muito livremente no conto O Caminho do Sbruch de Isaac Babel. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA Por uma janela,

Leia mais

"DESEJOS SUICIDAS" Roteiro de. Deborah Zaniolli

DESEJOS SUICIDAS Roteiro de. Deborah Zaniolli "DESEJOS SUICIDAS" Roteiro de Deborah Zaniolli Copyright 2016 by Deborah Zaniolli Deborah Zaniolli Todos os direitos reservados contato@deborahzaniolli.com BN: 710351 Roteiro 2011 Piedade- SP 1. "DESEJOS

Leia mais

Quando o Sol se apaixonou pela Lua. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016

Quando o Sol se apaixonou pela Lua. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016 Quando o Sol se apaixonou pela Lua Letícia Cruz RA00178896 Linguagem Audiovisual e Games Eliseu Lopes Desenho

Leia mais

Os Quatro Pilares de um Casamento Feliz. por. Lisandro Gaertner

Os Quatro Pilares de um Casamento Feliz. por. Lisandro Gaertner Os Quatro Pilares de um Casamento Feliz por Lisandro Gaertner Creative Commons lgaertner@gmail.com Atribuição-Uso lisandrogaertner.net Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License INT. NOITE

Leia mais

Tais (risos nervosos) Tem muita gente ne? (Se assusta com alguém que esbarra na corda) as pessoas ficam todas se esbarrando

Tais (risos nervosos) Tem muita gente ne? (Se assusta com alguém que esbarra na corda) as pessoas ficam todas se esbarrando Não me leve a mal Começa a cena no meio de um bloco. Ao redor há confetes, purpurinas e latas de bebida para todo o lado. A música está alta. No centro há um grupo de foliões delimitados por uma corda

Leia mais

Por quase um segundo Giancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09)

Por quase um segundo Giancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09) Por quase um segundo iancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09) CENA 01 INT/IA ônibus Uma mulher morena, cabelos longos, aparenta ter uns 30 anos. Ela se

Leia mais

PORTA ABERTA. Por RODRIGO MESSIAS CORDEIRO. Baseado no Conto Porta Aberta de RODRIGO MESSIAS CORDEIRO

PORTA ABERTA. Por RODRIGO MESSIAS CORDEIRO. Baseado no Conto Porta Aberta de RODRIGO MESSIAS CORDEIRO PORTA ABERTA Por RODRIGO MESSIAS CORDEIRO Baseado no Conto Porta Aberta de RODRIGO MESSIAS CORDEIRO 1 - INT. NOITE HALL DE ENTRADA André, trinta e poucos anos, alto, usa óculos, segura em uma das mãos

Leia mais

MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA. Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012

MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA. Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012 MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012 FUNDO PRETO CHEIO DE ESTRELAS. UM BANQUINHO UM VIOLÃO ÚNICO PERSONAGEM QUE SERÁ TRATADO COMO O CANTOR E ESTARÁ VESTIDO COMO CANTOR DE BARZINHO.

Leia mais

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais.

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais. I Eu nunca guardei rebanhos, Mas é como se os guardasse. Minha alma é como um pastor, Conhece o vento e o sol E anda pela mão das Estações A seguir e a olhar. Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de

Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de sair sozinho. E me chama de pirralho, o que me dá raiva.

Leia mais

DNA Capítulo 33. Falso Amor

DNA Capítulo 33. Falso Amor DNA Capítulo 33 Falso Amor Novela de Débora Costa Escrita Por Débora Costa Direção Miguel Rodrigues Direção Geral Miguel Rodrigues Núcleo DNA Personagens desse capítulo DANIELA EDGAR FLÁVIO GILBERTO MIGUEL

Leia mais

Samuel jogou suas coisas em seu quarto e saiu correndo em direção. eram noticias ruins em relação a Sara, a voz da doutora dizia isso.

Samuel jogou suas coisas em seu quarto e saiu correndo em direção. eram noticias ruins em relação a Sara, a voz da doutora dizia isso. Bruno D. Vieira 8 Samuel jogou suas coisas em seu quarto e saiu correndo em direção ao consultório da psicóloga, a única coisa que passava em sua mente eram noticias ruins em relação a Sara, a voz da doutora

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Sísifo. Por. Lisandro Gaertner

Sísifo. Por. Lisandro Gaertner Sísifo Por Lisandro Gaertner Creative Commons lgaertner@gmail.com Atribuição-Uso lisandrogaertner.net Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License INT. SAGUÃO - DIA (SEQUÊNCIA DE SONHO) CHEFE,

Leia mais

A MORTE DOS FIGUEREDO - Quero matar você hoje, mamãe TEXTO DE: ARTHUR CANDOTTI. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

A MORTE DOS FIGUEREDO - Quero matar você hoje, mamãe TEXTO DE: ARTHUR CANDOTTI. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A MORTE DOS FIGUEREDO - Quero matar você hoje, mamãe TEXTO DE: ARTHUR CANDOTTI. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA: 01 CASA DOS FIGEREDO SALA NOITE. Sala está iluminada só pela televisão ligada em um canal

Leia mais

A Procura. de Kelly Furlanetto Soares

A Procura. de Kelly Furlanetto Soares A Procura de Kelly Furlanetto Soares Peça escrita durante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR. Teatro Guaíra, sob orientação de Andrew Knoll, no ano de 2012. 1 Cadeiras dispostas como se

Leia mais

Era uma vez uma menina que alegremente carregava sua lanterna pelas ruas.

Era uma vez uma menina que alegremente carregava sua lanterna pelas ruas. Eu vou com minha lanterna e ela comigo vai No céu brilham estrelas, na Terra brilhamos nós Minha luz se apagou, pra casa eu vou, Com minha lanterna na mão. ( bis ) Era uma vez uma menina que alegremente

Leia mais

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este Vivo num sonho que não é realidade Faz parte do meu viver Crescer sonhando esquecendo os planos Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este EU Hoje deixei pra lá me esqueci de tudo Vivo minha vida sobre

Leia mais

July: Eu também! Achei o máximo as coisas que ela faz. Vou pedir para a minha mãe fazer umas roupinhas novas. Estou pensando até em montar um guarda-r

July: Eu também! Achei o máximo as coisas que ela faz. Vou pedir para a minha mãe fazer umas roupinhas novas. Estou pensando até em montar um guarda-r Série Ao infinito e além... Sua vida além das estrelas! 4 a 8 anos Aprendendo a Viver! Conceito Viver a vida como se fosse o melhor presente. Versículo-chave Não desperdicem nenhum pouco desta maravilhosa

Leia mais

Um belo dia de sol, Jessi caminhava feliz para sua escola.

Um belo dia de sol, Jessi caminhava feliz para sua escola. Jessy Um belo dia de sol, Jessi caminhava feliz para sua escola. Jessi era uma garota linda, tinha a pele escura como o chocolate, seus olhos eram pretos e brilhantes que pareciam duas lindas amoras, seu

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Não Fale com Estranhos

Não Fale com Estranhos Não Fale com Estranhos Texto por: Aline Santos Sanches PERSONAGENS Cachorro, Gato, Lobo, Professora, Coelho SINOPSE Cachorro e Gato são colegas de classe, mas Gato é arisco e resolve falar com um estranho.

Leia mais

ainda não Luciano Cabral prostituta, vinte e cinco anos cliente, sessenta anos

ainda não Luciano Cabral prostituta, vinte e cinco anos cliente, sessenta anos ainda não Luciano Cabral personagens, vinte e cinco anos, sessenta anos (o apartamento é pequeno, com apenas dois cômodos: banheiro e quarto. O banheiro fica em frente à porta de entrada. No quarto, logo

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Control Z Giancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09 4º tratamento: 17/02/09)

Control Z Giancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09 4º tratamento: 17/02/09) Control Z Giancarla Brunetto (1º tratamento: 08/12/08 2º tratamento: 05/01/09 3º tratamento: 19/01/09 4º tratamento: 17/02/09) CENA 01 INT/DIA ônibus Uma mulher morena, cabelos longos, aparenta ter uns

Leia mais

Fábrica de vassouras, sala imensa com mesas compridas e cerca de cinquenta funcionários. Eles estão em pé montando vassouras em cima das mesas.

Fábrica de vassouras, sala imensa com mesas compridas e cerca de cinquenta funcionários. Eles estão em pé montando vassouras em cima das mesas. 1. AMOR QUASE IMPOSSÍVEL Fabiano Meinerz SINOPSE: Valdemar é um rapaz de 20 anos, cabelos escuros e curtos. que trabalha na fábrica de vassouras Odim (bem próxima à nossa escola). Guilherme, o filho mais

Leia mais

Godofredo e Geralda sentados na mesa no centro do palco.

Godofredo e Geralda sentados na mesa no centro do palco. Cena 1 Cenário Cena Musica Som e luz Restaurante: Duas mesas, cada uma com duas cadeiras. Uma no centro e outra no inicio do palco, castiçais com velas no centro das mesas. Godofredo e Geralda sentados

Leia mais

O conteúdo desta obra, inclusive revisão ortográfica, é de responsabilidade exclusiva do autor.

O conteúdo desta obra, inclusive revisão ortográfica, é de responsabilidade exclusiva do autor. 9 O conteúdo desta obra, inclusive revisão ortográfica, é de responsabilidade exclusiva do autor. Dedico esta obra à minha Família, em especial aos meus sobrinhos Gabriel, Lidiane, Flaviane, Viviane, Caroline,

Leia mais

O SEGUIDOR DE GAROTAS SENSÍVEIS. Peça de uma única cena

O SEGUIDOR DE GAROTAS SENSÍVEIS. Peça de uma única cena O SEGUIDOR DE S SENSÍVEIS Peça de uma única cena PERSONAGENS: ENTRA. VEM ATRÁS. SE VIRA Ei, cara! Você quer parar de me seguir! Eu não estou te seguindo. Como não? Faz tempo que você me segue. É verdade.

Leia mais

b `xüvtwéü wx yäéüxáa ;håt Ñx t áéuüx t vâäñta<

b `xüvtwéü wx yäéüxáa ;håt Ñx t áéuüx t vâäñta< WA[AYAZ TÑÜxáxÇàtM b `xüvtwéü wx yäéüxáa ;håt Ñx t áéuüx t vâäñta< håt ÉuÜt wxm ZtuÜ xä wx féâét WxÄ UxÄÄÉA III Personagens. José Roberto- Delegado. Igor- Investigador. Homero- Dono do bar. Julia- Esposa

Leia mais

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM. 1 - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.BR SEQ.01 A RECEPÇÃO DA LEI 2 (CENA 01 - INT. PORTARIA DA LEI.INDIFERENTE) O camponês toca uma campainha que está sobre um balcão.

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Eu queria desejar a você toda a felicidade do mundo e Obrigado, vô.

Eu queria desejar a você toda a felicidade do mundo e Obrigado, vô. Parabéns para o Dan Tocou o telefone lá em casa. Meu pai atendeu na sala. Alô. Meu avô, pai do meu pai, do outro lado da linha, fez voz de quem não gostou da surpresa. Eu liguei pra dar parabéns ao Dan.

Leia mais

A Conversa de Lucila. (No escuro ouve-se o bater de asas. A luz vai lentamente iluminando o quarto de Lucila, o anjo está pousado em uma mesa.

A Conversa de Lucila. (No escuro ouve-se o bater de asas. A luz vai lentamente iluminando o quarto de Lucila, o anjo está pousado em uma mesa. 1 A Conversa de Lucila De Cláudia Barral (No escuro ouve-se o bater de asas. A luz vai lentamente iluminando o quarto de Lucila, o anjo está pousado em uma mesa.) O anjo Lucila, quer montar nas minhas

Leia mais

É Quase Natal. Andam todos a brincar A correr, a saltar na floresta Mas não há tempo a perder Têm de preparar a festa

É Quase Natal. Andam todos a brincar A correr, a saltar na floresta Mas não há tempo a perder Têm de preparar a festa É Quase Natal No vale encantado Vive uma família especial São Bonecos de Neve E é quase Natal 2x Andam todos a brincar A correr, a saltar na floresta Mas não há tempo a perder Têm de preparar a festa Tanto

Leia mais

2 TU-AFETIVIDADE E SEXUALIDADE. Meus primeiros amores. Na construção do amor

2 TU-AFETIVIDADE E SEXUALIDADE. Meus primeiros amores. Na construção do amor E acima de tudo isto, o amor, que é vínculo da unidade perfeita. Col. 3,1 1 E acima de tudo isto, o amor, que é vínculo da unidade perfeita. Col 3,1 Te convidamos para ler estas histórias... Um homem de

Leia mais

CECÍLIA MEIRELLES CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL_POEMAS

CECÍLIA MEIRELLES CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL_POEMAS CECÍLIA MEIRELLES 1901-1964 CIRANDA CULTURAL_POEMAS 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 ILUSTRADORES: AILA, ANA LUIZA VIANNA, LIVIA MARIA, VITÓRIA Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles É a menina

Leia mais

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / / 03 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

CONTOS DA VOVÓZINHA. Deborah Zaniolli

CONTOS DA VOVÓZINHA. Deborah Zaniolli CONTOS DA VOVÓZINHA Deborah Zaniolli Contos da vovózinha Título da obra: CONTOS DA VOVÓZINHA Gênero literário da obra: Contos Copyright 2012 por Deborah Zaniolli Todos os direitos reservados. Nenhuma parte

Leia mais

Uma pequena mágica Não seria ótimo se você pudesse ir para a cama,

Uma pequena mágica Não seria ótimo se você pudesse ir para a cama, CAPÍTULO UM Uma pequena mágica Não seria ótimo se você pudesse ir para a cama, aconchegar-se debaixo das suas cobertas, fechar os olhos e adormecer sem nenhuma agitação ou medo? Sem ouvir barulhos ou pensar

Leia mais

THE SILENCE OF THE LAMBS ROTEIRO DE BY TED TALLY ATIVIDADE READAPTAÇÃO POR JOSEPH C. MERENCIO

THE SILENCE OF THE LAMBS ROTEIRO DE BY TED TALLY ATIVIDADE READAPTAÇÃO POR JOSEPH C. MERENCIO THE SILENCE OF THE LAMBS ROTEIRO DE TED TALLY ATIVIDADE READAPTAÇÃO POR JOSEPH C. MERENCIO BY TED TALLY TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AT: JOSEPH C. MERENCIO TELEFONE: 62744736 E-MAIL: JOSEPHJJJ2009@HOTMAIL.COM

Leia mais

MÃE, QUANDO EU CRESCER...

MÃE, QUANDO EU CRESCER... MÃE, QUANDO EU CRESCER... Dedico este livro a todas as pessoas que admiram e valorizam a delicadeza das crianças! Me chamo Carol, mas prefiro que me chamem de Cacau, além de ser um apelido que acho carinhoso,

Leia mais

PLUFT, O FANTASMINHA

PLUFT, O FANTASMINHA PERSONAGENS: Sebastião marinheiro - Julião - marinheiro - João marinheiro - Mãe Fantasma - Pluft, o fantasminha - Gerúndio - tio do Pluft - Perna de Pau - marinheiro pirata - Maribel - menina - (Entram

Leia mais

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República Palavras do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na Escola Municipal de Rio Largo, durante encontro para tratar das providências sobre as enchentes Rio Largo - AL, 24 de junho de 2010 Bem,

Leia mais

ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares

ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares AN O ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares o Literária ata Soares OC. ento Social. Dois casais discutem a vida conjugal, sofrendo a influências mútuas. Os temas casamento,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Em Círculos. Mateus Milani

Em Círculos. Mateus Milani Em Círculos Mateus Milani Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas Ariano Suassuna. Sinopse Círculos. A vida

Leia mais

A namorada vaidosa. Personagens: Clarisse, Teresa e Julinho

A namorada vaidosa. Personagens: Clarisse, Teresa e Julinho A namorada vaidosa Personagens: Clarisse, Teresa e Julinho Quando a peça se inicia, Julinho está deitado no sofá, totalmente coberto e imóvel. Entram Clarisse e Teresa. Estou furiosa, Teresa! Fu-ri-o-sa!

Leia mais

A LOIRA DO CEMITÉRIO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

A LOIRA DO CEMITÉRIO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA A DO CEMITÉRIO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA TODOS OS DIREITOS RESERVADOS RUA: ALAMEDA PEDRO II N 718 VENDA DA CRUZ SÃO GONÇALO E-MAIL: jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.PRAÇA.DIA Praça

Leia mais

A volta às aulas do Pequeno Nicolau

A volta às aulas do Pequeno Nicolau HISTÓRIAS INÉDITAS DO PEQUENO NICOLAU René Goscinny Jean-Jacques Sempé A volta às aulas do Pequeno Nicolau Tradução Pedro Karp Vasquez Volta às aulas MAMÃE DISSE QUE AMANHÃ iremos comprar coisas para a

Leia mais

DESABITUAÇÃO. MULHER 1 Foi agora? MULHER 2 Foi. MULHER 1 Você viu? MULHER 2 Não, eu não vi nada. Não sei de nada.

DESABITUAÇÃO. MULHER 1 Foi agora? MULHER 2 Foi. MULHER 1 Você viu? MULHER 2 Não, eu não vi nada. Não sei de nada. DESABITUAÇÃO (Duas mulheres e um homem estão em volta de algo que não podemos ver. Os três olham para a presença ausente, um mesmo ponto fixo no chão. Durante a cena, todos agem com uma naturalidade banal,

Leia mais

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011 UMA PIZZA CHAMADA DESEJO por Rodrigo Ferrari Versão final 02/09/2011 rodrigoferrari@gmail.com (21)9697.0419 Iluminados, no fundo do palco, BLANCHE e o. O Médico veste um jaleco branco, estetoscópio, óculos

Leia mais

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe Coração de Mãe Coração De Mãe Página 1 Coração De Mãe 1º Edição Agosto de 2013 Página 2 Coração De Mãe 1º Edição È proibida à reprodução total ou parcial desta obra, por Qualquer meio e para qualquer fim

Leia mais

Devemos ser livres JULIA FERREIRA 7º A. Devemos ser livres Para andar na rua Sem medo ou desespero Sozinhos ou acompanhados

Devemos ser livres JULIA FERREIRA 7º A. Devemos ser livres Para andar na rua Sem medo ou desespero Sozinhos ou acompanhados Devemos ser livres JULIA FERREIRA 7º A Devemos ser livres Para andar na rua Sem medo ou desespero Sozinhos ou acompanhados Comprar algo caro Sem medo de ser assaltado Ter um carro bom, Mas não para ser

Leia mais

Cap.1- Separação. Um roteiro

Cap.1- Separação. Um roteiro Até quando? Cap.1- Separação Um roteiro de Lucas Luiz SEQ. 1: Sala do apartamento Int. / dia Letícia procura por algo em uma caixa de sapato, sentada no sofá. A sua frente está André, em pé, observando-a.

Leia mais

Êta bicho curioso! Sempre tentamos entender como funcionam as coisas?

Êta bicho curioso! Sempre tentamos entender como funcionam as coisas? Êta bicho curioso! Oi! Tem uma coisa engraçada acontecendo comigo: estou super curioso sobre tudo. Minha mãe que anda louca comigo pois não paro de perguntar o porquê de tudo...mas olha só quanta coisa

Leia mais

Bem Vindos!!! Módulo 2

Bem Vindos!!! Módulo 2 Bem Vindos!!! Módulo 2 Como foi essa semana? Cumpriram nossa Tarefa? 1- Fazer 1 lista de pessoas para você convidar 2- Ligar e agendar 3- Realizar no mínimo 10 entrevistas Quem realizou inícios? Meta da

Leia mais

Mesmo assim o vento irá soprar

Mesmo assim o vento irá soprar Mesmo assim o vento irá soprar Trilha Sonora Bohemian Rhapsody Queen Personagens Silas Mãe Amigo Namorada Diabo Morte Anjos (4) Recepcionista Resumo: Jovem (Silas) mata um rapaz com um tiro, arrependido

Leia mais

COMO LER UM TEXTO NÃO VERBAL? Nome: nº Série: 2º EM. Disciplina: REDAÇÃO

COMO LER UM TEXTO NÃO VERBAL? Nome: nº Série: 2º EM. Disciplina: REDAÇÃO COMO LER UM TEXTO NÃO VERBAL? Nome: nº Série: 2º EM Data: / / Disciplina: REDAÇÃO Prof.: Andréa Martins 1 (Platão e Fiorin Para entender o texto Leitura e redação páginas 373 até 375.) As questões a seguir

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

Presente de Aniversário Vanessa Sueroz

Presente de Aniversário Vanessa Sueroz 2 Autor: Vanessa Sueroz Publicação: Novembro/2013 Edição: 1 ISBN: 0 Categoria: Livro nacional Romance Juvenil Designer: Rodrigo Vilela Leitora Crítica: Ka Alencar Disponível para Prévia do livro Contato:

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Leia o texto com ajuda do professor. EU QUERO! EU QUERO! A Júlia é pequenininha, mas quando quer alguma coisa grita mais do que qualquer pessoa grandona. Esta

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Tudo no hospital ia na mais perfeita calma. E o movimento era o de sempre pelos corredores: crianças fazendo exames, mães

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Interpretação de textos Avaliação Parcial II Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Verbo ser Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome?

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

CARTAS AO PAI NATAL. 1.º Ano Turma A. Viva Pai Natal. Por favor traz-me um presente Neste dia especial Fico muito contente. 1.

CARTAS AO PAI NATAL. 1.º Ano Turma A. Viva Pai Natal. Por favor traz-me um presente Neste dia especial Fico muito contente. 1. CARTAS AO PAI NATAL 1.º Ano Turma A Sonho contigo todos os dias Espero muito o teu presente Com muita alegria. Que já estás muito velhinho O meu presente vais trazer No teu trenó vermelhinho Na escola

Leia mais

O Nascimento de Jesus Fontes: Mateus 1 e 2 / Lucas 2

O Nascimento de Jesus Fontes: Mateus 1 e 2 / Lucas 2 O Nascimento de Jesus Fontes: Mateus 1 e 2 / Lucas 2 Introdução: Acontecem muitas coisas neste mundo, mas o mais importante foi o que aconteceu em Belém, muito tempo atrás! Eis as luzes de Belém!, diz

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014.

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. Adoração Acolhida Leitura Bíblica: Zacarias 9.9; 16-17. Sugestões de Cânticos: - HE 105 - Louvemos ao Senhor [Ademar de Campos]-

Leia mais

O SEGREDO DO ARCO-ÍRIS

O SEGREDO DO ARCO-ÍRIS O SEGREDO DO ARCO-ÍRIS helenaconectada.blogspot.com.br erto dia, Kika estava na escola e durante o recreio viu um lindo arco-íris no céu e disse: Olha! Um arco-íris! Seus coleguinhas olharam para o céu

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bible. Teoria da Imagem Expandida prof. Eliseu Lopes. Allan Eduardo de Paiva RA

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bible. Teoria da Imagem Expandida prof. Eliseu Lopes. Allan Eduardo de Paiva RA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Bible Teoria da Imagem Expandida prof. Eliseu Lopes Allan Eduardo de Paiva RA00156710 São Paulo 2015 ROTEIRO Int.Casa_GAROTO.Manha GAROTO acorda e já sentado

Leia mais

Na Palma da Mão. Por: Alexandre d Oliveira

Na Palma da Mão. Por: Alexandre d Oliveira Na Palma da Mão Por: Alexandre d Oliveira Sinopse: A personagem busca entender as nuances da amizade, e aparentemente vemos estar desolada, devido o termino de algum relacionamento. E por isto busca a

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

PEGAR-x-i [A mulher pega o] bebê [e olha para ele]. BARCO [Em um] barco, [o bebê foi levado pelo rio].

PEGAR-x-i [A mulher pega o] bebê [e olha para ele]. BARCO [Em um] barco, [o bebê foi levado pelo rio]. 1 2 ANOS PASSADO [Muitos] anos atrás, MULHER NASCER [uma] mulher deu à luz. 3 4 5 PEGAR-x-i [A mulher pega o] bebê [e olha para ele]. SURD@ [É] surdo! QUERER [Eu] não quero [o] bebê. 6 ABANDONAR ÁGUA [E]

Leia mais

PROCURA-SE UMA VIÚVA. Por CARLA GIFFONI

PROCURA-SE UMA VIÚVA. Por CARLA GIFFONI PROCURA-SE UMA VIÚVA Por CARLA GIFFONI BN 010.350 carlagiffoni@yahoo.com.br http://recantodasletras.com.br /autores/carlagiffoni 1- CORREDOR DA CAPELA MORTUÁRIA - INT - DIA Matilde e Donana, duas senhoras

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Quando Luiz Mauricio e Gê estavam passando pela recepção, ouviram um choro estranho: Você ouviu, Luiz? Nossa, um bebê e uma

Leia mais