Plano de Monitoramento da Recuperação de Áreas de Preservação Permanente Degradadas. Carbono das Nascentes do Xingu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Monitoramento da Recuperação de Áreas de Preservação Permanente Degradadas. Carbono das Nascentes do Xingu"

Transcrição

1 Plano de Monitoramento da Recuperação de Áreas de Preservação Permanente Degradadas Carbono das Nascentes do Xingu Ricardo Abad Marcos Scaranello Laurent Micol Paula Bernasconi [Versão 3] Instituto Centro de Vida Cuiabá Alta Floresta, Mato Grosso, Março de 2009

2 Apresentação PPl laannoo ddee Moonni ittoorraameennttoo ddaa RReeccuuppeerraaççããoo ddee AAPPPP ddeeggrraaddaaddaass O monitoramento dos projetos de Recuperação de Áreas Degradadas (RAD) em Áreas de Preservação Permanente (APP) é um elemento fundamental para poder avaliar os resultados efetivos da Campanha Y Ikatu Xingu. Além disso, é necessário ao estabelecimento de um mecanismo financeiro vinculado ao mercado de carbono, como é o caso do Carbono Socioambiental do Xingu. Esse documento apresenta uma proposta metodológica para a implantação de um sistema de monitoramento desses projetos no âmbito da Campanha. Essa proposta foi desenvolvida pelo Instituto Centro de Vida ICV, com o apoio dos demais parceiros do consórcio Governança Florestal do Xingu, e conta com o suporte da SPOT Image S/A, que fornece gratuitamente imagens de satélite de alta resolução no âmbito do programa Planet Action 1 para duas sub-bacias da bacia do Xingu em Mato Grosso (Figura 1). Figura 1 - Bacia do Xingu em Mato Grosso e sub-bacias do Manissauá-Missu e Suia- Missu. 1 2

3 O sistema permite monitorar a implantação do projeto, desenhar o delineamento amostral de campo e consolidar os seus resultados com base em uma estratificação da área, e determinar a quantidade líquida de CO 2 seqüestrado pelo projeto. A metodologia faz uso de técnicas de sensoriamento remoto e de geoprocessamento combinadas com levantamentos em campo para produzir um banco de dados com informações sobre: O estado de conservação/ degradação das APP por sub-bacia, micro-bacia ou município (diagnóstico geral); O estado de conservação/ degradação das APP nas propriedades rurais compromissadas a recuperar suas APP (mapeamento da propriedade) e nas áreas específicas de recuperação (diagnóstico específico); Os procedimentos adotados na recuperação destas áreas específicas (intervenção); Os resultados da recuperação nessas áreas, nas propriedades e nas sub-bacias ou micro-bacias (monitoramento). O diagnostico geral visa quantificar o problema existente e priorizar as áreas de intervenção. Os projetos de Recuperação de Áreas Degradadas são desenvolvidos em propriedades previamente identificadas e mapeadas. No mapeamento das propriedades identificam-se as áreas elegíveis para a realização dos projetos. Essa realização envolve diversas metodologias, que vão desde o simples isolamento da área até plantios de enriquecimento e reflorestamento com mudas e sementes. A escolha do modelo mais apropriado é feita a partir de um diagnóstico específico de cada sítio, feito in loco. Esse diagnóstico também serve para estabelecer a linha de base do carbono armazenado em cada sítio. O monitoramento permite acompanhar a evolução da recuperação das APP em diferentes escalas: na área de cada sítio de recuperação, no nível da propriedade e na escala das micro ou sub-bacias em foco. O sistema ainda prevê a mensuração das fugas. Todos os dados são armazenados em um sistema de informação geográfica (SIG) e serão disponibilizados no formato de mapas interativos. As informações quantitativas e qualitativas de cada área de recuperação possibilitam o acompanhamento dos projetos individuais. Relacionando essas informações com dados de sensoriamento remoto é possível estimar parâmetros de correlação com índices de vegetação, possibilitando produzir inferências sobre o estado de regeneração de APP em outras localidades abrangidas pelas imagens. 3

4 Descrição geral do sistema de monitoramento A abordagem proposta para o estabelecimento do sistema tem quatro componentes. 1. Criar uma base cartográfica da área de estudo em escala gráfica 1: com as feições espaciais: Hidrografia (de margem simples e margem dupla) e micro-bacias; Áreas de Preservação Permanente (APP) associadas aos cursos d'água; Cobertura vegetal: floresta conservada, áreas convertidas (corte raso, pastagem, agricultura), áreas degradadas com ou sem estrato arbóreo; Queimadas e sinais de exploração madeireira. A partir desses dados é possível quantificar as APP existentes por sub-bacia ou município distinguindo: APP com cobertura florestal (floresta ou floresta degradada), APP a recuperar (área degradada com árvores, degradada sem árvores, agricultura/pastagem e solo exposto), e identificar áreas prioritárias de intervenção. 2. Mapear e selecionar as APP a serem recuperadas. É realizado um refinamento do mapeamento da hidrografia e das APP em escala 1:25.000, permitindo uma quantificação precisa da área de APP a ser recuperada em cada propriedade e selecionar e delimitar os potenciais sítios de recuperação. Com base em critérios de elegibilidade e adicionalidade, as áreas para realização do projeto são selecionadas. 3. Realizar o diagnóstico inicial e a intervenção nos sítios de recuperação. Criamos um banco de dados com informações sobre a situação inicial do sítio (caracterização da área, histórico de degradação, nível de degradação da vegetação e dos solos, potencial banco de sementes e uso produtivo atual) e sobre as atividades de intervenção realizadas (proteção da área, recuperação do solo, manejo da recuperação natural, introdução de espécies e remanejamento das atividades produtivas anteriores). Esse banco de dados é alimentado a partir de dados de campo através do preenchimento de um formulário (Anexo A). As atividades de intervenção são definidas considerando o resultado do diagnóstico inicial e as limitações financeiras. 4. Realizar o monitoramento dos projetos de recuperação. Para esta etapa são criadas parcelas permanentes de monitoramento distribuídas pelos sítios de recuperação a partir de uma estratificação dos sítios de recuperação. Será feito periodicamente um levantamento não destrutivo da biomassa aérea das parcelas permanentes, usando equações alométricas. Também será monitorado o sucesso da recuperação. As informações armazenadas no banco de dados de monitoramento são usadas para estimar a quantidade de carbono efetivamente seqüestrado em sítio, propriedade e no projeto como um todo. 4

5 Procedimentos na implantação do sistema de monitoramento 1. Bases Cartográficas a) Hidrografia de margem simples São rios e riachos perenes e intermitentes representados por vetores lineares. Estas feições espaciais são digitalizadas manualmente, pela interpretação visual das imagens de satélite. As imagens de satélite são visualizadas combinado as bandas espectrais em diferentes composições coloridas, de forma a realçar as feições terrestres. Uma imagem da SRTM, que possui informações de altitude, é utilizada para gerar um modelo digital do relevo e assim melhorar a interpretação da paisagem. b) Hidrografia de margem dupla São rios, lagoas e áreas inundáveis representadas por vetores poligonais. A característica da água em absorver praticamente toda a energia eletromagnética na faixa do infravermelho possibilita que estas feições sejam facilmente extraídas por uma reclassificação da imagem. c) Nascentes São representadas como feições vetoriais pontuais, localizadas nas extremidades iniciais dos cursos d água. São digitalizadas manualmente por interpretação visual das imagens de satélite. d) Áreas de Preservação Permanente São áreas que variam de acordo com a largura do rio, representadas por feições vetoriais poligonais. É utilizado um modelo que combina algumas ferramentas de geoprocessamento e realiza o mapeamento automático da área em faixa marginal definida por lei de acordo com a largura do rio. São mapeadas somente as APP associadas aos cursos d água e nascentes (Figura 2). Figura 2 Áreas de Preservação Permanente mapeadas na Sub-bacia do Rio Manissauá-Missu e) Mapeamento da vegetação e uso do solo É uma classificação da área de estudo baseada em imagens de satélite. As classes são convertidas para feições vetoriais poligonais e são calculadas as áreas totais de cada classe. As classes são: 1) Floresta; 2) Floresta Degradada; 3) Área degradada com árvores; 4) Área Degradada sem árvores e 5) Agricultura/Pastagem 6) Solo Exposto. Uma classificação não supervisionada é feita inicialmente para se estabelecer as classes e posteriormente uma classificação supervisionada para refiná-las. As informações da classificação são complementadas com dados de ocorrências verificadas em campo e nas imagens. Estas ocorrências podem ser pontuais ou recorrentes, como focos de incêndio e sinais de exploração madeireira (Figura 3). 5

6 Figura 3. Mapeamento da exploração madeireira: a) imagem raster; b) imagem classificada. f) Sub-Bacias Hidrográficas São feições que delimitam a área de influencia sobre a hidrografia. São representadas por feições vetoriais poligonais. Existem diferentes níveis de sub-bacias, que são estabelecidas de acordo com uma área mínima de influencia. As sub-bacias são delimitadas usando uma área mínima de influencia de 2000 hectares. Após a criação das feições espaciais, são feitas operações de geoprocessamento que calculam as áreas e cruzam as informações. Assim temos a área total de APP, área total das classes e área total das classes em APP na bacia, nas sub-bacias ou nos municípios. 2. Mapeamento das Propriedades Rurais Esta etapa visa o detalhamento das feições espaciais que compõem a base cartográfica a uma escala menor. Para tal são utilizadas imagens supermode das propriedades rurais com alta resolução espacial (pixel de 2,5 metros) (Figura 4), bem como levantamentos com aparelhos GPS de mapeamento. Dessa forma, é possível ajustar o mapeamento da hidrografia e das nascentes e acrescentar dados de ocorrências recentes que não foram captadas no mapeamento inicial. Nesta etapa é feita a delimitação dos sítios de recuperação e um refinamento da classificação da vegetação. As informações do levantamento são armazenadas no sistema informatizado e servem como ponto inicial do sistema de monitoramento das propriedades. 6

7 Figura 4 Imagem Supermode com o mapeamento do limite da propriedade rural (vermelho) e da APP (amarelo). Considerando critérios de elegibilidade da terra e adicionalidade, são selecionados os sítios para a recuperação. Elegibilidade da Terra A escolha dos sítios de intervenção será realizada de acordo com os procedimentos para a demonstração da elegibilidade da terra para projetos de A/R MDL. A elegibilidade de projetos A/R MDL deverá ser demonstrada baseada nas definições fornecidas no parágrafo 1 do anexo 16/CMP.1 do documento Land use, land-use change and forestry. A seguir, alguns critérios para demonstrar a elegibilidade da terra: A vegetação atual não pode alcançar os indicadores nacionais que definem uma formação florestal. O uso atual do solo não proporcionará acúmulo de biomassa para que a área não se transforme em floresta. Para atividades de reflorestamento, a área deve estar sem floresta desde o dia 31 de dezembro de Sendo assim, os procedimentos que serão utilizados para selecionar as áreas elegíveis de acordo com os critérios estabelecidos são: a) Áreas desflorestadas desde o dia 31 de dezembro de 1989: Processamento de imagens de satélite Landsat 5 de 1988 e 2009 (Classificação não-supervisionada 7

8 com as classes solo exposto, agricultura, pastagem, floresta degradada com árvores, floresta degradada sem árvores e floresta conservada) e seleção das áreas da classe agricultura e pastagem. b) Variação do estoque de biomassa nos últimos anos: Análise do Normalized Difference Vegetation Index (NDVI) das imagens de satélite Landsat 5 de 1988 e 2009 durante a estação seca. Após o cáculo do NDVI das imagens do ano de 1988 e 2009, um mapa da diferença desse índice será gerado. A diferença entre as duas imagens durante esse intervalo de 21 anos mostrará diferenças na cobertura da vegetação. Adicionalidade Ainda, será fornecido uma explanação para demonstrar a adicionalidade do projeto de reflorestamento através das seguintes barreiras: Investimento O alto custo da adequação ambiental das propriedadas faz com que o custo de oportunidade de uma cultura agrícola ou a criação de gado seja maior. Tecnológicas A ausência do conhecimento técnico, a falta de infra-estrutura e pessoal qualificado para a atividade de reflorestamento inviabiliza esse tipo de atividade. Prática comum O reflorestamento de Áreas de Preservação Permanente (APP) é negligenciado na região, sendo a prática comum a pecuária e a agricultura nas margens dos rios. Condições ecológicas locais A regeneração natural é dificulutada pelo uso atual do solo e o tipo de manejo. 3. Diagnóstico Inicial e Intervenção nos Sítios de Recuperação O Diagnóstico Inicial dos Sítios de Recuperação (Figura 5) é feito a partir de um levantamento de campo, por meio do preenchimento de um formulário impresso (Anexo A) ou eletrônico (Figura 6). Este formulário possui uma interface que apresenta as informações requeridas para o diagnóstico e servirá para orientar as atividades de intervenção nos projetos de recuperação. O diagnóstico está divido em seis fases: a. Caracterização da Área b. Histórico da Degradação c. Nível de Degradação da Vegetação d. Nível de Degradação dos Solos e. Banco de Sementes f. Atividades Produtivas existentes 8

9 Figura 5 Sítio de intervenção (polígono selecionado em azul) Figura 6 Exemplo do formulário eletrônico utilizado para o diagnóstico inicial. 9

10 Em seguida, temos a fase de implementação das ações de recuperação. O conjunto de ações a serem adotadas é escolhido em função da disponibilidade financeira e de uma avaliação dos resultados do diagnóstico inicial. O sistema de informações funciona como uma memória das atividades realizadas naquela área e está dividido em sete partes (Figura 7): a. Proteção da Área b. Recuperação do Solo c. Manejo da Recuperação Natural d. Introdução de Espécies e. Custo de Implementação f. Remanejamento das Atividades Produtivas anteriores Figura 7 Exemplo do formulário eletrônico usado na fase de implementação com detalhe da característica dropdown box. 4. Monitoramento de Projetos de Recuperação Para o adequado monitoramento das remoções líquidas de gases de efeito estufa do projeto, é estabelecida a linha de base e são feias as estimativas ex-ante e ex-post, conforme segue. 10

11 Linha de base Estratificação da área do projeto A estratificação da área deverá ser empregada para a diminuição de erros e tendências nas estimativas de biomassa e projeções da linha de base. A área do projeto será dividida e dois (2) estratos de linha de base (Tabela 1): Estrato AP: Gramínia exótica introduzida em áreas de floresta ripária (cursos d'agua e nascentes). Estrato CP: Gramínia exótica introduzida em áreas de mata de galeria (cursos d'agua e nascentes). Estoque de carbono atual e projeções da linha de base De acordo com a metodologia desenvolvida para projetos de pequena escala de florestamento e reflorestamento AR-AMS0001, o cenário de linha de base plausível para o projeto é considerado como sendo o uso da terra antecedente à implantação do projeto. A fronteira do projeto contém Áreas de Preservação Permanentes (APP) Degradadas, de uso atual de pastagem ou agricultura, com poucas possibilidades de se transformarem em floresta devido ao modelo atual de desenvolvimento da região e as condições de degradação. As pastagens utilizadas para a criação de gado nessas regiões são frequentemente de baixo rendimento e as práticas de manejo mais comuns são a roçada (limpeza da pastagem) e o fogo. Na ausência do projeto de reflorestamento proposto, as variações nos estoques de carbono da biomassa viva acima e abaixo do solo são insignificantes. Sendo assim, espera-se que as variações no estoque de carbono proveniente do processo de regeneração natural não exceda 10% do total de tco 2 e removido pelo projeto ou até mesmo diminua na ausência do projeto. Ainda, de acordo com a metodologia AR-AMS0001 temos: Se as mudanças no estoque de carbono da biomassa viva acima e abaixo do solo de espécies arbóreas perenes e gramínias não excederem 10 % das remoções líquidas ex-ante de GEE do projeto, então as mudancas no estoque de carbono poderá ser assumida como sendo zero (0) na ausência da atividade do projeto. Portanto, as variações no estoque de carbono da linha de base será igual a zero (0). Cálculo do estoque de carbono corrente O estoque de carbono corrente será calculado a partir de estimativas de biomassa viva acima e abaixo do solo de gramínias e indivíduos arbóreos que ocorrem em uma pastagem típica da região, sob todas as práticas de manejo descritas acima. Os valores de biomassa viva de gramínias propostos no Guide for good pratices for LULUCF do IPCC serão utilizados para o cálculo do estoque de carbono das gramínias. Para os indivíduos arbóreos, os valores médios de densidade e diâmetro a altura do peito (DAP) apresentados em estudos realizados em áreas similares ao projeto serão utilizados para o cálculo da 11

12 biomassa e posterior cálculo do estoque de carbono desses indivíduos. Por fim, o estoque de carbono total (tc ha -1 ) será igual a soma dos estoques dos dois compartimentos descritos acima. Tabela 1. Área, uso da terra e projeções da linha de base para cada estrato. STRATO ÁREA (ha) USO DA TERRA LINHA DE BASE OBS. Amazônia Pastagem (AP) 100 Gramínia exótica introduzida em áreas de floresta ripária Fogo, roçada e o pisoteamento da vegetação pelo pastejo continuarão a degradar essas terras, impossibilitando a regeneração natural A roçada da pastagem ocorre no início da estação seca, todo o ano. O fogo é utilizado na reforma da pastagem Cerrado Pastagem (CP) 250 Gramínia exótica introduzida em áreas de floresta de mata de galeria Fogo, roçada e o pisoteamento da vegetação pelo pastejo continuarão a degradar essas terras, impossibilitando a regeneração natural A roçada da pastagem ocorre no início da estação seca, todo o ano. O fogo é utilizado na reforma da pastagem Estimativas ex-ante Estratificação da área do projeto A estratificação da área do projeto para os cálculos das estimativas ex-ante também será empregada. Foram definidos os seguintes estratos de acordo com a vegetação atual e o método de intervenção do reflorestamento: Estrato AP.SM: Semeadura direta de sementes em áreas de floresta ombrófila (Amazônia). Estrato AP.PM: Plantio de mudas em áreas de floresta ombrófila (Amazônia). Estrato CP.SM: Semeadura direta de sementes em áreas de mata de galeria (Cerrado). Estrato CP.PM: Plantio de mudas em áreas de mata de galeria (Cerrado). Estimativas ex-ante das remoções líquidas de GEE O estoque de carbono para o cenário do projeto no início da data da atividade do projeto será igual ao estoque de carbono da linha de base da data inicial do projeto. Portanto: CP.stock (t=0) =CB.stock (t=0) 12

13 Para os outros anos, o estoque de carbono (CP.stock (t) ) no tempo t será calculado da seguinte maneira: CP.stock (t) = (C.AGB (t)i + C.BGB (t)i )*A (i) CP.stock (t) Estoque de carbono total na biomassa no tempo t C.AGB (t)i Estoque de carbono na biomassa viva acima do solo (AGB) (tc ha -1 ) C.BGB (t)i - Estoque de carbono na biomassa viva abaixo do solo (BGB) (tc ha -1 ) A (i) Área do estrato i Para a presente proposta, seguindo o padrão de projetos de reflorestamento MDL, serão considerados apenas a AGB e BGB para o cálculo dos estoques de carbono. O estoque de carbono de ambos os compartimentos será calculado em função da biomassa. A biomassa viva acima do solo no tempo t do cenário do projeto será calculado com base em taxas anuais de incremento de biomassa apresentadas na literatura científica de trabalhos realizados em áreas similares. A biomassa viva abaixo do solo será calculada a partir da biomassa viva acima do solo e fatores root to shoot de razão raiz/parte aérea apresentados na literatura científica e propostos pelo IPCC. A estimativa ex-ante da remoção real de GEE no tempo t será igual a: C proj(t) = (CP.stock (t) CP.stock (t-1) )*(44/12)/ᐃ t ᐃ c proj(t) remoção real de GEE por ano (tco 2 e ano -1 ) CP.stock (t) Estoque de carbono total do projeto no tempo t (tc) ᐃ t incremento em tempo = 1 ano Por fim, a remoção líquida será igual a: Rl proj = C proj(t) - C baseline(t) - EP (t) L (t) Rl proj remoção líquida de GEE (tco2e ano-1) C proj(t) - remoção real de GEE (tco2e ano-1) 13

14 C baseline(t) remoção real de GEE da linha de base (tco2e ano-1) EP (t) emissões do projeto (tco2e ano-1) L (t) vazamento (leakage) (tco2e ano-1) As emissões do projetos são consideradas insignificantes de acordo com a metodologia AR-AMS0001. Ainda, de acordo com a decisão 6/CMP.1 (anexo, apêndice B, parágrafo 9) a estimativa do vazamento ou leakage não será requerida e será assumida como sendo igual a zero (0) se os participantes do projeto demonstrarem que o projeto de reflorestamento de pequena escala não resultará em deslocação de atividades ou pessoas, ou não impulsionará outras atividades fora da fronteira do projeto, atribuídas ao projeto e que desta maneira aumentaria as emissões de GEE por fontes. Estimativas ex-post Estimativa ex-post das remoções de GEE da linha de base De acordo com a decisão 6/CMP.1, apêndice B, parágrafo 6, o monitoramento da linha de base não é requerido. Cálculos das emissões do projeto De acordo com a metodologia AR-AMS0001, a única fonte de emissão que deverá ser considerada para os cálculos das emissões das atividades do projeto é a de NOx proveniente dos fertilizantes nitrogenados. O uso de fertilizantes nitrogenados não está previsto em nenhum dos métodos de intervenção selecionados para o reflorestamento das áreas na fronteira do projeto. Vazamentos A estimativa do vazamento será realizada através do monitoramento de cada um dos seguintes indicadores, seguindo citações da metodologia AR-AMS0001: Área de agricultura dentro da fronteira do projeto deslocada devido a ativiade do projeto. Número de animais domésticos de pastoreio deslocados devido a atividade do projeto. Para os animais ruminantes, o número médio de animais por hectare deslocados devido a atividade do projeto. Para o presente projeto de reflorestamento, nenhum tipo de migração de pessoas ou atividades serão esperadas. Ainda, não ocorrerá supressão de nenhum tipo de vegetação para a agricultura fora da fronteira do projeto. Devido a pequena área da fronteira do 14

15 projeto (em média 300 ha), espera-se que o vazamento seja igual a zero (0). Devido as práticas de manejo prevalecentes na região, a densidade média de bovinos por hectare na região da fronteira do projeto é muito pequena (próxima de 1 cabeça por hectare). A adoção de algumas práticas simples de manejo, tais como a rotação de áreas para a pastagem dentro da propriedade, será incentivada pelos participantes do projeto se por ventura uma pequena quantidade de animais ruminantes forem deslocadas de um local fora da fronteira do projeto. Sendo assim, espera-se que a supressão de nenhum tipo de vegetação para a implantação de pastagens seja efetuada. Estimativas ex-post das remoções reais de GEE O monitoramento do acúmulo de carbono em cada estrato da área do projeto será realizado a cada 5 anos, em um total de 30 anos de período de monitoramento. A estratificação da área do projeto para as estimativas ex-post será igual a utilizada para as projeções ex-ante. Com isso, a estimativa de estoque de carbono (expresso em tco 2 e) será realizada de acordo com a seguinte equação: CE ex-post(t) = (C.AGB (t)i + C.BGB (t)i )*A i *(44/12) CE ex-post(t) Estoque de carbono na fronteira do projeto no tempo t (tco 2 e) C.AGB (t)i Estoque de carbono na AGB no tempo t e estrato i (tc ha-1) C.BGB (t)i - Estoque de carbono na BGB no tempo t e estrato i (tc ha-1) A i área do estrato i Para a estimativa do estoque de carbono da AGB, calculado para cada estrato i, temos: C.AGB(t)i = AGB(t)i * 0.5 AGB(t)i estimativa da AGB acumulado pelo projeto (t m s ha -1 ) 0.5 fração do carbono da matéria seca A estimativa da AGB será realizada através das seguintes etapas: Estabelecimento de parcelas permanentes de 400 m² (20 x 20 m) nos estratos préestabelecidos de acordo com o seguinte protocolo de instalação: Delimitação de cada parcela com o auxílio de bússola analógica e baliza topográfica; 15

16 A parcela permanente deverá ser alinhada preferenciamente no eixo norte-sul. Para as áreas de plantio com mudas a parcela deverá estar alinhada com a linha do plantio; Plaquemento de todos os indivíduos arbóreos da parcela com o diâmetro à altura do peito (DAP) maior que 5 cm. O plaqueamento deverá ser realizado a 1.60 m para ser tomado como referência o ponto exato de medição (1.30 m) e minimizar os erros de deslocamento do ponto de medida; Mapeamento de todos os indivíduos arbóreos plaqueados dentro da parcela, estabelecendo o eixo y alinhado para o norte; Medidas de diâmetro à altura do peito (DAP), altura total e identificação botânica de cada indivíduo arbóreo. Estimativa da AGB na floresta ripária utilizando a equação alométrica proposta por Chambers et. al. (2001) e modificada por Baker et. al. (2004), com a correção proposta por Nogueira et. al. (2008) para altura (11 %): AGB = ρ/0.67 * { exp [ 0.33 * (ln DAP) * (ln DAP)² * (ln DAP)³ 0.37] } ρ densidade básica da madeira Estimativa da AGB na floresta de galeria utilizando a equação alométrica proposta por Chave et. al. (2005) com a correção de Nogueira et. al. (2008) para densidade da madeira (9%): AGB = ρ * exp ( ln (ρ * DAP² * H)) H altura total do indivíduo arbóreo Para a estimativa do estoque de carbono da BGB, calculado para cada estrato i, temos: C.BGB(t)i = AGB(t)i * 0.5 * R R razão root to shoot Intensidade amostral Com o objetivo de calcular o número ideal de parcelas a serem instaladas em cada estrato (intensidade amostral), serão instaladas sete (7) parcelas permanentes em cada estrato 16

17 para o cálculo do desvio padrão do estrato. Após o cálculo do desvio padrão, a intensidade amostral será determinada a partir da seguinte equação: n = (t² * S est ) / (E² + (t² * S est / N)) n número de parcelas por estrato t valor de t de Student (95% intervalo de confiança) S est desvio padrão do estrato E erro padrão pré-estabelecido de 10 % N número total de parcelas pré-estabelecido para a população considerando todos os estratos As parcelas permanentes serão alocadas de forma aleatória em cada estrato. A média do estoque de biomassa será calculada a partir das estimativas das parcelas permanentes de cada estrato. Com a média da estimativa e a área de cada estrato será calculado o total de carbono estocado em toda a fronteira do projeto em um determinado ano. Além das parcelas permanentes, como descrito acima, o sistema ainda prevê o monitoramento do sítio de intervenção, da propriedade e da sub-bacia ou município. Com o auxílio do sensoriamento remoto e as medidas de campo, correlações entre índices de vegetação e o estoque de carbono serão testados e modelos de regressão ajustados para avaliar a relação entre a resposta espectral e o estoque de carbono. Após o teste da correlação, em escala regional, o sistema fornecerá um diagnóstico do desenvolvimento de toda a área de dentro e fora do projeto em processo de restauração. A partir dessas correlações, inferências sobre o estoque de carbono e sua variação ao longo do tempo em escala regional serão realizadas. Monitoramento da qualidade da restauração O monitoramento da qualidade da restauração será uma ferramenta essencial para garantir o sucesso dos plantios nas áreas em processo de restauração. Por isso, além do monitorameno do acúmulo de carbono, será realizado um monitoramento da qualidade da restauração nos tres (3) primeiros anos após o plantio. Parcelas permanentes de 25 m² (5 x 5 m) serão distribuídas ao longo dos mesmo estratos pré-estabelecidos e descritos acima. O interalo de monitorameno da qualidade da restauração será de um (1) ano. Os critérios adotados para a qualidade são: 17

18 Avaliação da emergência de espécies florestais Contagem e identificação de todos os indivíduos emergidos Avaliação da sobrevivência de espécies florestais Avaliação e monitoramento do número de indivíduos por espécie Cobertura de copa (%) das espécies florestais Referências citadas CHAMBERS, J.Q., SANTOS, J, RIBEIRO, R.J. & HIGUCHI, N Tree damage, allometric relationships, and above-ground net primary production in central Amazon Forest. Forest Ecol. Manag. 152(1-3): CHAVE, J., ANDALO, C., BROWN, S., CAIRNS, M., CHAMBERS, J.C., EAMUS, D., FÖLSTER, H., FROMARD, F., HIGUCHI, N., KIRA, T., LESCURE, J., NELSON, B.W., OGAWA, H., PUIG, H., RIÉRA, B. & YAMAKURA, T Tree allometry and improved estimation of carbonstocks and balance in tropical forests. Oecologia 145:

19 ANEXO A FORMULÁRIOS DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DOS PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (RAD) I CADASTRO DA ÁREA Nome do proprietário N o ou Nome da Propriedade ou lote: RG: Administrador da propriedade CPF: Município Técnico: Telefone(s): Coordenada Sede Latit./Long: Endereço Rural (indicações) Data da Visita Macro e micro-bacia: Data da implantação: S o, ', '' e W o, ', '' Nº Identificador do Polígono: 19

20 PLANILHA DIAGNÓSTICO II CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM RECUPERAÇÃO Tipo de Solo: ( ) Cascalho ( ) Areno-argiloso ( ) Arenoso ( ) Argiloso Umidade do Solo: ( ) Seco ( ) Encharcado ( ) Inundado periodicamente Tipo de Vegetação Original: ( ) Cerrado ( ) Floresta Estacional ( ) Floresta Ombrófila ( ) Mata de Varjão ( ) Mata de Galeria Declividade: ( ) Declividade até 10 graus ( ) Declividade entre 10 e 20 graus ( ) Acima de 20 graus Compactação do solo: ( ) Muito Compactado ( ) Pouco Compactado ( ) Terra fofa III HISTÓRICO DA ÁREA EM RECUPERAÇÃO Ano do desmatamento: Quantas vezes o local foi queimado: Tempo decorrido desde último fogo: ( ) NA ( ) < 1 ano ( ) 1 a 2 anos ( ) 2 a 5 anos ( ) 5 a 10 anos ( ) > 10 anos Tipo de uso anterior: ( ) Pastagem ( ) Cultura Anual ( ) Aterro ( ) Cultura Perene ( ) Retirada de terra/mineração ( ) Floresta exótica ( ) Duração do uso anterior (último uso): ( ) NA ( ) < 3 anos ( ) 3 a 5 anos ( ) 5 a 10 anos ( ) > 10 anos 20

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO-

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Magno Castelo Branco magno@iniciativaverde.org.br As florestas no âmbito do MDL -Definição das Modalidades e Procedimentos relacionados

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al.

Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al. Anexo A - Monitoramento necessário ao sistema de REDD e medição de estoques de carbono de acordo com a metodologia de Baccini et al. 1 1) Monitoramento para REDD+ e o status de Mato Grosso O monitoramento

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende protocolo CARBON FREE Critérios para recomposição florestal Reserva Ecológica do Guapiaçu (REGUA), em Cachoeiras de Macacu (RJ), onde existem projetos de reflorestamento com o Carbon Free Roberto Resende

Leia mais

Thelma Krug thelma@dir.iai.int. Workshop: Propostas Metodológicas para Projetos de Sequestro de Carbono por Florestas Nativas

Thelma Krug thelma@dir.iai.int. Workshop: Propostas Metodológicas para Projetos de Sequestro de Carbono por Florestas Nativas Resoluções e Decisões Técnicas com Relação ao Uso da Terra, Mudança no Uso da Terra Florestamento/Reflorestamento no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Thelma Krug thelma@dir.iai.int Workshop: Propostas

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT V Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Agosto de 2008 Sumário Introdução... 4 Contexto... 4 Oportunidades... 5 O que já está acontecendo... 6

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016. Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade

PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016. Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016 Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade O Governo de Estado responsabilizou-se, face ao Compromisso Olímpico de Sustentabilidade Rio 2016,

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives Projetos de carbono devem : Demonstrar adicionalidade Localizar potenciais fugas Garantir a permanência do

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore

Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore O objetivo do presente projeto é a neutralização das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) causadas pela produção e distribuição da edição em português do livro

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL Maria Antônia Falcão de Oliveira, Engenheira Florestal 1 ; Mônica Alves de Vasconcelos,

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Cover Page. Imaflora Bruno Brazil de Souza bruno@imaflora.org Fone: +55 19 3429 0848 / 98324 5522

Cover Page. Imaflora Bruno Brazil de Souza bruno@imaflora.org Fone: +55 19 3429 0848 / 98324 5522 Cover Page i. Nome do projeto Carbono das Nascentes do Xingu ii. Localização do projeto Propriedades privadas da Bacia Hidrográfica do rio Xingu, no estado de Mato Grosso, Brasil. iii. Proponente do projeto

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0 Conservação Estratégica Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v.0 Guia completo para utilização da ferramenta Thales Rosa Sumário. Apresentação.... Introdução..... Custo de

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal POR QUE ESTAMOS AQUI HOJE? Não queremos mais... EROSÃO ASSOREAMENTO AGRICULTURA EM APP POR QUE ESTAMOS AQUI?

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS III Simpósio em Produção Animal e Recursos Hídicos SPARH São Carlos 20 a 21/03/2014 Albano Araújo Coordenador de Conservação de

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Kedson Palhares Gonçalves - kedsonp_gonçalves@hotmail.com Instituto Federal do Triângulo

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental Téc Agr Ramiéri Moraes CREA/SP: 50622361-39 TD PRINCIPAIS AUTUAÇÕES NA REGIÃO DE IBIÚNA E SÃO ROQUE Intervenção em APP(Áreas

Leia mais

The Congresso is an annual or bi-annual convention and trade fair sponsored by the Association of Timber Exporting Industries of Pará (AIMEX).

The Congresso is an annual or bi-annual convention and trade fair sponsored by the Association of Timber Exporting Industries of Pará (AIMEX). Text of James Grogan s presentation at the 5 th Plywood & Tropical Timber International Congress (V Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical) in Belém, Pará, Brazil, 22 November 2001 The

Leia mais

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas?

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? * Juliano Assunção, Clarissa Gandour e Rudi Rocha Primeira versão: Março, 2012 Esta versão: Março, 2015 Introdução O desmatamento e

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Monitoramento do Bioma Cerrado

Monitoramento do Bioma Cerrado Monitoramento do Bioma Cerrado Prof. Dr. Nilson C. Ferreira Monitoramento do Bioma Cerrado Biomas Brasileiros, destaque mapa antrópico do bioma Cerrado. Fonte: Sano et al. 2007(PROBIO-MMA). Monitoramento

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Eduardo José Ferreira Senna. Outubro 2014

Eduardo José Ferreira Senna. Outubro 2014 Reflorestamento no Parque Estadual da Pedra Branca (RJ) como medida compensatória de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) de empreendimento Petrolífero na Área do Pré-Sal na Bacia de Santos Eduardo

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. O Secretário do Meio Ambiente, Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital.

Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital. Experiencia de Brasil sobre prevención y control de la deforestación y la tala ilegal con uso de tecnología satelital Marcos Adami Lima, 20 de agosto de 2015 Monitoramento da floresta amazônica por satélite(prodes)

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Carbono florestal nos estados da Amazônia Brasileira: característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Conteúdo O que é o carbono? Como podemos medir? Quais os tipos

Leia mais