ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE PSICODRAMA - APP CURITIBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE PSICODRAMA - APP CURITIBA"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE PSICODRAMA - APP CURITIBA 2010

2 REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE PSICODRAMA - APP DA INSTITUIÇÃO Art. 1º A Associação Paranaense de Psicodrama APP, é uma organização não-governamental, juridicamente constituída como associação civil de direito privado, por tempo indeterminado, sem fins econômicos, de caráter filantrópico, assistencial, cultural, promocional, recreativo e educacional, sem cunho político-partidário, com a finalidade de atender a todos os que a ela se associem, independente de classe social, nacionalidade, sexo, raça, cor e crença religiosa. Parágrafo único - Este Regimento estabelece e regulamenta a competência, atividade e funcionamento de seus órgãos de acordo com o Estatuto da Associação Paranaense de Psicodrama. DOS OBJETIVOS Art.2º A Associação Paranaense de Psicodrama têm por objetivos: I - Promover a formação teórica e prática de profissionais no campo Psicodramático, Terapêutico e/ou Sócio-Educacional, por meio de cursos regulares e específicos; II - Promover estudos e pesquisas para o desenvolvimento da teoria e prática da psicoterapia e da educação psicodramática, sociométrica e campos afins, a saber: cultura, educação, lazer, atividades esportivas, saúde, políticas públicas, campo da assistência e do trabalho social, artes, mediações de conflito, programas de desenvolvimento institucional, comunitário e organizacional, diagnóstico e intervenção em grupos e todos os processos de aperfeiçoamento das relações humanas; III - Organizar e realizar cursos de aperfeiçoamento, círculos de estudos, supervisão de trabalhos psicodramáticos, jornadas e vivências psicodramáticas e outras atividades correlatas; IV - Estimular a produção e publicação de trabalhos relacionados, direta ou indiretamente, com o Psicodrama e campos afins; 2

3 V - Manter ambulatório, promover e manter convênios com clínicas e hospitais, prestando atendimento psicoterapêutico e psicopedagógico à comunidade carente; VI - Manter relações e intercâmbios com outras entidades congêneres, nacionais e internacionais, ampliar o campo de atuação científica de psicodramatistas, promovendo convênios e projetos de seu interesse; VII - Participar de licitações e tomadas de preço de seu interesse e que promovam a Entidade, bem como o trabalho de seus associados; VIII Elaborar e executar projetos e trabalhos voltados à área sócioeducativa e cultural. DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA ASSOCIAÇÃO Art. 3º - São órgãos da Associação: I - Assembléia Geral órgão máximo de deliberação da APP; II - Conselho fiscal órgão Superior da Administração, sem funções executivas, porém com poder resolutivo, consultivo e fiscal sob as atribuições e atividades da APP; III - Diretoria - órgão executor de administração da APP, composta por Presidência, Vice-Presidência, Secretaria Geral e Tesouraria; IV - Coordenações instâncias que regem e gerenciam o ensino e a prática do Psicodrama e subordinam as Subcoordenações que executam e controlam as atividades que compõem o ensino e as práticas do Psicodrama na APP. V Comissões: a) Éticodisciplinar órgão averiguador das queixas institucionais. Encarregado de instaurar processos administrativos. b) Científica órgão responsável pela construção do conhecimento científico nos âmbitos do Psicodrama, através de pesquisa, congressos e afins de; c) Divulgação e Eventos órgão responsável pela divulgação das atividades da APP. Parágrafo único - As atribuições da Assembléia Geral, Conselho Fiscal, Diretoria e Comissão Ético-disciplinar, estão com suas competências delimitadas no Estatuto da APP. 3

4 I - Da Secretaria Administrativa e Financeira a. Elaborar padrões de documentos da APP, fluxos, controles, e atualização; b. Efetuar a gestão de arquivos físicos e eletrônicos. c. Manter a Diretoria informada sobre o desempenho administrativofinanceiro da APP; d. Colaborar para a execução e aperfeiçoamento das atividades das Coordenações e da Diretoria da APP; e. Cotar, submeter cotações de bens duráveis ao Tesoureiro ou à Presidente e efetuar as compras aprovadas; f. Controlar o estoque geral de materiais; g. Efetuar compras semanais de materiais de escritório, perecíveis e de limpeza, conforme orçamento aprovado pelo Tesoureiro ou Presidente, com a devida prestação de contas; h. Acompanhar o movimento bancário e contábil informando a Presidente, semanalmente, mantendo a pasta de controle em dia; i. Auxiliar na elaboração do orçamento anual, junto com o Tesoureiro e Presidente, se solicitado; j. Auxiliar a Presidente e demais Diretores na organização de eventos e viagens de interesse da APP; k. Administrar a agenda da Presidente; l. Supervisionar o funcionamento e resultados da Secretaria Administrativa, da Recepção, da Zeladoria e dos Serviços Gerais orientando aos responsáveis quanto às rotinas, procedimentos, padrões de desempenho e resultados esperados, propondo e supervisionando ações de melhoria continua; m. Elaborar o planejamento semestral de atividades sob sua responsabilidade e submeter à aprovação da Secretaria Geral e Presidência; n. Acompanhar os serviços de manutenção predial quanto à qualidade dos serviços, conduta, cronograma e uso seguro de materiais e equipamentos de trabalho; o. Efetuar pagamentos das contas ex: água, luz, telefones, aluguel, impostos, por debito na SICRED; p. Efetuar o pagamento dos funcionários e estagiários, mediante recibo e na data estipulada pela Presidente; q. Efetuar o pagamento dos professores, no 5º dia útil da cada mês, providenciando cheques com três dias de antecedência, de acordo com a relação dos professores que deram aula no mês; r. Fazer recibos e cheques com duas assinaturas e copia de cheque; s. Lançar no livro o repasse dos terapeutas até o 5 dia útil do mês, para que os terapeutas recebam no 8 dia útil; t. m - Lançar os pagamentos feitos em cheque e em dinheiro diariamente no Livro Caixa; u. Lançar as entradas de pagamentos no livro caixa; 4

5 v. Pedir relatório das mensalidades pagas todo inicio do mês à Greencred; w. p - Cobrar alunos quando as mensalidades não estão pagas; x. Providenciar contratos de prestação de serviços de terceiros, conforme modelo aprovado pela Presidência, colher assinaturas da Presidência e/ou da Secretaria Geral; y. Providenciar recibos assinados por terceiros e arquivar anexos aos contratos de prestação de serviços; z. Pedir extrato bancário semanal e encaminhar à Supervisora; aa. Manter em ordem os controles e arquivo financeiro e contábil; ab. Mandar para o contador toda a documentação até o 2 dia de cada mês; ac. Informar e/ou entregar aos destinatários as correspondências eletrônicas e físicas aos destinatários; ad. Imprimir as mensagens eletrônicas correlacionadas com documentação e decisões de Diretoria e arquivar; ae. Digitar documentos e textos da APP, conforme determinação da Diretoria; af. Providenciar cópias de documentos e trabalhos, por solicitação da Diretoria; ag. Arquivar e manter em ordem e protegidos os documentos da APP; ah. Participar das reuniões agendadas pela Presidência quando designado; ai. Manter o arquivo eletrônico em ordem, efetuando becap dos documentos oficiais e peças documentais importantes; aj. Fornecer informações ao público sobre os cursos e demais atividades da APP; ak. Cumprir o Regimento Interno da APP. II DA SECRETARIA DE ENSINO a. Elaborar planos de trabalho em conjunto com a Coordenação de Ensino; b. Organizar e acompanhar implantação e alimentar Banco de Dados de monografias, notas de alunos e grades curriculares, estudos, projetos, trabalhos publicados, anais, relatórios técnicos de projetos executados, relatórios acadêmicos, por categorias: Terapêutico, Socioeducacional e outras. c. Estabelecer normas de uso e supervisionar a utilização da Biblioteca do Psicodramatista, mantendo em ordem o acervo de livros e materiais de práticas e atualizar o catálogo; d. Providenciar os recursos de apoio, café e organização de salas de aula. e. Reportar-se à Coordenação de Ensino. f. Zelar pelo bom funcionamento e imagem da APP; g. Manter conduta Ética e comunicação profissional adequadas ao ambiente e Missão da APP; 5

6 h. Digitar cartas, calendários, currículos e editais da Coordenação de Ensino e demais documentos da Coordenação de Ensino e para as reuniões semanais; i. Entregar o livro de chamada para o Professor, nos dias da aula; j. Organizar café, chá e bolachas para os alunos nos dias de curso; k. Manter a cozinha e a secretaria sempre em ordem. l. Realizar os procedimentos de inscrição, matrícula e recebimento de mensalidades dos alunos dos cursos de PSE e de PT. m. Protocolar entrega de trabalhos acadêmicos. n. Manter em ordem e atualizado os arquivos da Coordenação de Ensino, por curso. o. Efetuar contatos por e telefone com alunos e Professores, por solicitação da Coordenação de Ensino e das Subcoordenações de cursos PSE e PT, registrando os contatos efetuados e informações pertinentes. p. Atender aos alunos, Professores, registrar as solicitações, informar, se for da alçada da SE ou encaminhar as solicitações. q. Adotar procedimentos de uso da Biblioteca da APP, pelos alunos, Terapeutas, Coordenadores, Subcoordenadores e Diretores, zelando pelo acervo bibliográfico. r. Executar as atividades estabelecidas para a área de Serviço de Apoio. s. Cumprir o Regimento Interno da APP. III Do Serviço de Apoio a. Executar digitação, cópias, correções e complementações de textos, apostilas, documentos, correspondências e outros matérias escritos, conforme solicitação da Diretoria e das Comissões, da Coordenação e Subcoordenações de Ensino, da Coordenação e Subcoordenações da Prática do Psicodrama, mediante protocolos e por ordem de chegada, prefixando e informando datas de entrega aos solicitantes. b. Controlar e registrar o consumo de recursos para reprodução de materiais, fazendo constar em relatório mensal. c. Fica terminantemente proibido de prestar serviços fora dos prazos estabelecidos em protocolo e para outros profissionais da APP ou outras pessoas, que não constem na relação constante no item a/iii deste documento. t. Cumprir o Regimento Interno da APP. IV Da Secretaria da Prática do Psicodrama a. Verificar, semanalmente, junto às Práticas Clínicas, os horários disponíveis para a Triagem; b. Verificar semanalmente os registros em documentos de cadastro e atendimento aos clientes, providenciando correções e atualizações; 6

7 c. Verificar, semanalmente, junto à Prática Clínica, os horários disponíveis para Triagem na semana; d. Marcar triagens no livro Agendamento de Triagem; e. Receber o cliente de triagem; f. Registrar dados do cliente no envelope, com nome completo, telefones, nome do responsável pela Triagem; g. Conferir a etiqueta do envelope de triagem, verificando se o responsável colocou os horários disponíveis do cliente; h. Lançar no livro da Comissão Clínica, o nome, telefones e horários disponíveis do cliente, e seu respectivo número; i. Marcar a primeira sessão do paciente e confirmar com o terapeuta indicado pela Pratica Clínica. (Obs.: só fica a cargo da Secretaria o agendamento da primeira sessão. O agendamento dos clientes do ambulatório fica a cargo do terapeuta); j. Preencher ficha de freqüência do paciente com todos os dados, na 1 consulta; k. Entregar a ficha de freqüência para o paciente assinar assim que ele chegue; l. Preencher a ficha de pagamento das sessões do cliente; m. Lançar em Edital Interno a relação dos clientes encaminhados pela Pratica Clínica; n. Lançar no caixa diário, os pagamentos efetuados pelos clientes; o. Lançar os pagamentos do cliente na Ficha de Pagamento, colher sua assinatura na ficha e assinar. p. Colaborar para o bem funcionamento das atividades da APP e de seus bens patrimoniais; q. Manter conduta ética e comunicação adequada ao ambiente e Missão da APP; r. Zelar pela boa imagem da APP. s. Executar os serviços estabelecidos para a Recepção da APP; t. Cumprir o Regimento Interno da APP. V - DAS ATRIBUIÇÕES DA RECEPÇÃO a. Recepcionar clientes, visitantes e demais membros da APP; b. Prestar informações sucintas e corretas ao público, sobre serviços da APP, solicitando orientação dos responsáveis, quando tiver dúvidas; c. Inteirar-se dos serviços, áreas e responsáveis para informar adequadamente ao público, solicitando à Supervisora orientações necessárias. d. Organizar o ambiente de trabalho conforme orientação da Supervisora, mantendo a funcionalidade, ordem e conforto; e. Providenciar limpezas rápidas eventuais, nos dias de ausência da Zeladora; 7

8 f. Receber e encaminhar visitantes e clientes aos responsáveis pelos serviços solicitados; g. Efetuar atendimento telefônico registrando as solicitações, nome e telefones para contato, informar aos responsáveis ou informar adequadamente; h. Adotar acolhimento, atitude e comunicação profissionais e de cordialidade aos clientes, visitantes e demais profissionais da APP; i. Marcar, confirmar e desmarcar consulta conforme os procedimentos em uso na Secretaria Prática do Psicodrama; j. Receber o pagamento das consultas efetuando controles estabelecidos; k. Providenciar os materiais necessários para as atividades da Recepção; l. Manter atualizado o cadastro dos clientes; m. Imprimir mensalmente a lista dos aniversariantes da APP; n. Digitar textos solicitados pela Supervisora e Assistente Administrativo; o. Auxiliar aos profissionais na organização das salas zelando pelo bom andamento dos serviços; p. Retirar o lixo diariamente; q. Conduzir-se de forma adequada ao ambiente e Missão da APP; r. Zelar pela boa imagem da APP. s. Cumprir o Regimento Interno da APP. Art. 7º - DAS ATRIBUIÇÕES DA ZELADORIA (Autônomo) a - Manter limpas as instalações internas, preservando a higiene e conforto, conforme padrão definido pela Secretaria; b - Manter os serviços na qualidade estabelecida pela Secretaria; c - Informar à Secretaria, por romaneio mensal, o estoque de materiais de limpeza; d - Usar adequadamente o material de limpeza e executar os serviços de forma segura; e - Conduzir-se de modo cordial com todos que trabalham e freqüentam a APP. Art. 8º DAS ATRIBUIÇÕES DO AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS (AUTÔNOMO) a - Executar serviços completos de jardinagem, de limpeza das calçadas, tapetes, paredes externas, muros e painéis, de reparos e verificação e pequenos reparos das instalações elétricas e hidráulicas, de escoamento de resíduos, com periodicidade e padrões informados pela Secretaria, mediante contratos de autônomo por empreitada; b - Apresentar, sempre que solicitado os seus documentos pessoais; c - Assinar recibos RPA, no ato do pagamento pela empreitada concluída; 8

9 d - Executar os serviços de forma segura, usando adequadamente os equipamentos e materiais de trabalho; e - Zelar pelos materiais e equipamentos utilizados nos serviços; f - Informar periodicamente sobre o andamento dos serviços e condições dos equipamentos e materiais à Secretaria; g - Conduzir-se de modo cordial com todos que trabalham e freqüentam. a APP. DAS COORDENAÇÕES Art. 9º As Coordenadorias são instâncias dentro da APP que executam o Ensino e a Prática do Psicodrama, o desenvolvimento científico e sua respectiva divulgação, sendo assim constituídas: I - Coordenação de Ensino: a Subcoordenação de Ensino do Curso Terapêutico b - Subcoordenação de Ensino do Curso Sócioeducacional II - Coordenação da Prática do Psicodrama: a - Subcoordenação da Prática do Centro de Triagem; b Subcoordenação da Prática Clínica Escola Terapêutico; c Subcoordenação da Prática Socioeducacional; d Subcoordenação da Prática do Ambulatório III - Coordenação de Projetos. IV Comissões: a - Comissão Científica Eleita anualmente; b - Comissão de Divulgação Eleita anualmente. DAS COMPETÊNCIAS DAS COORDENAÇÕES Art. 10º Compete aos Coordenadores: I.1 - DA COORDENAÇÃO DE ENSINO a - Administrar diligentemente o Projeto Pedagógico do Curso de Formação em Psicodrama, buscando seu aprimoramento; 9

10 b - Fazer cumprir o currículo do Curso de Formação em Psicodrama em conformidade com as diretrizes da FEBRAP e do MEC; c - Elaborar projeto pedagógico de cada turma, para o FIES - aprovação junto ao MEC; d - Contratar professores para o Curso de Formação, sendo que 80% (oitenta por cento) do corpo docente deverá ter a titulação de Psicodramatista; e - Contratar supervisores para o curso de Formação, devendo estes profissionais, ser devidamente credenciados pela FEBRAP; f - Revisar e aprovar ementas e projetos apresentados pelos professores para o curso; g Elaborar calendário das turmas; h - Organizar e acompanhar os trabalhos de conclusão de Curso de Formação de Psicodramatistas, bem como sua apresentação; i - Assinar os Certificados de conclusão de cursos curriculares e extracurriculares, juntamente com o Presidente, e/ou Coordenador Científico; j - Deliberar sobre Cursos Extracurriculares juntamente com a Diretoria, e Coordenação dos Cursos: Terapêutico, Socioeducacional e Coordenação Científica; k - Analisar pedidos de interrupção e/ou regresso ao curso por parte dos alunos da APP e/ou interessados; l - Organizar e acompanhar os trabalhos de conclusão de curso para credenciamento de: Psicodramatista (nível-i), Psicodramatista Didata e Terapeuta de Aluno (nível-ii), e Psicodramatista Didata Supervisor (nível-iii); m - Exercer outras atribuições a si delegadas pelo Presidente, pertinentes a sua área; n - Zelar pelo cumprimento deste Regimento e manual do aluno; o - Incentivar a educação continuada do Corpo Docente e do Corpo Discente; p - Observar o cumprimento das exigências da FEBRAP e MEC em relação ao trabalho de conclusão de curso; q - Desligar o aluno do Curso de Formação Terapêutico e Socio educacional, caso o mesmo não tenha sido aprovado com a nota mínima estabelecida cumprindo com êxito a carga horária curricular, num prazo de 3 (três) turmas consecutivas. Nos casos de trancamento de matricula da Formação, o aluno ao retornar, deverá cumprir as normas que regem o Estatuto e o Regimento Interno da APP; r - Orientar a secretaria para a entrega do livro de chamada aos professores, materiais e fichas de avaliação; s - Verificar e manter, atualizado o cadastro de psicoterapeutas, alunos, professores, supervisores e demais profissionais do ensino; 10

11 t - Estimular e/ou promover em conjunto com a Comissão Científica, eventos, fórum e jornadas; u - Manter intercâmbio com entidades com o objetivo de aprimorar o ensino do Psicodrama e realizar trocas científicas; v Admitir ou recusar trabalhos de monografia para a apresentação em banca; x Delegar as coordenações dos cursos Terapêutico e Sócioeducacional as tarefas à serem cumpridas. II Da Subcoordenação de Ensino do Curso de Psicodrama Terapêutico: a Verificar a aplicação curricular, junto aos professores das turmas, fornecendo à secretaria datas para entrega de fichas de avaliação e materiais didáticos, etc.; b Estabelecer normas à serem seguidas para o atendimento da Prática Psicodramática, juntamente com a coordenação da Prática do Psicodrama; c Fazer cumprir as normas técnicas e éticas do Psicodrama no papel de Psicodramatista; d Planejar e coordenar, em conjunto com os professores, projetos de práticas psicodramáticas na comunidade; e Auxiliar a Coordenação de Ensino, no que for necessário, seguindo as diretrizes estabelecidas; f Zelar e fazer cumprir o Regimento da Coordenadoria de Ensino e da Prática do Psicodrama e procedimentos descritos no manual do aluno; g Contratar professores para o curso de Formação, sendo que 80% (oitenta por cento) do corpo docente deverá ser obrigatoriamente composto por profissionais com título de Psicodramatista Didata (nível II); h - Responsabilizar-se pelos livros de chamada que contém freqüências, notas e conteúdos; i Confeccionar calendário do aluno; j - Desligar o aluno do Curso de Formação em Psicodrama Sócio educacional, caso o mesmo não tenha sido aprovado com a nota mínima estabelecida cumprindo com êxito a carga horária curricular, num prazo de 3 (três) turmas. k Responsabilizar-se pelo histórico curricular do aluno. I.2 Da Subcoordenação de Ensino do Curso Sócioeducacional: 11

12 a Verificar as diretrizes estruturais do currículo, de acordo com a FEBRAP e MEC e sua aplicação curricular; b Fazer cumprir as normas técnicas e éticas do Psicodrama no papel de Psicodramatista Socioeducacional; c Planejar e coordenar em conjunto com os professores e supervisores, projetos de práticas psicodramáticas na comunidade e em outras Instituições; d Auxiliar a Coordenação de Ensino, no que for necessário; e Zelar e fazer cumprir o que estabelece o Regimento Interno para a Coordenação de Ensino e para Prática do Psicodrama, bem como os procedimentos do Manual do Aluno e do Estatuto Social da APP; f Contratar professores para o curso de Formação, sendo que 80% (oitenta por cento) do corpo docente deverá ser obrigatoriamente composto por profissionais com título de Psicodramatista Didata; g Revisar e levar a Coordenação de Ensino, as ementas e projetos apresentados pelos professores dos cursos; II DA COORDENAÇÃO DA PRÁTICA DO PSICODRAMA; a Atender as orientações da Coordenação de Ensino quanto às exigências curriculares de alunos, trabalhando conjuntamente; b Atender as necessidades de alunos do curso de Formação, orientadas pelas normas da Comissão de Ensino; c Prestar serviços à comunidade, ampliando seu campo de trabalho e fazendo cumprir a função social do Psicodrama e da APP; d Auxiliar o aluno em formação, na prática psicoterápica individual, grupal, casal, família, crianças e adolescentes; e Proporcionar atividades profissionais dentro da área de Formação ou de interesse de seus associados; f Encaminhar à Diretoria e Comissão de Ensino da APP, situações que envolvam o nome da instituição ao nível ético profissional; g Participar de reuniões de Diretoria e das turmas em andamento, que atendam aos interesses da APP; h Planejar a ocupação do espaço físico para a realização dos atendimentos Psicoterapêuticos e Socioeducacionais; i Responsabilizar-se pelo processo de triagem da APP; j Estabelecer as normas a serem seguidas nos atendimentos clínicos; k Fazer cumprir as normas técnicas e éticas do Psicodrama, no papel de Psicoterapeuta Psicodramatista e Psicodramatista Sócioeducacional; 12

13 l Delegar ao Centro de Triagem os encaminhamentos de clientes que procuram a Instituição; m Incumbir o Subcoordenador do Ambulatório de orientar os psicoterapeutas sócios que prestam atendimento aos clientes; n Planejar e coordenar, em conjunto com as Subcoordenações, projetos da prática clínica junto à comunidade; o Zelar e fazer cumprir o Regimento Interno no que se refere à Coordenação da Prática do Psicodrama, bem como do manual do aluno e Estatuto Social da APP; p Comunicar as ocorrências e advertências relativas aos alunos aos supervisores; q Fiscalizar e encaminhar as ocorrências analisadas que ferem as normas éticas, à Coordenação de Ensino, Diretoria e, se necessário, à Comissão Ético-Disciplinar; r Montar equipes e coordenar a triagem e advertências, além de desenvolver novos projetos. s Responsabilizar-se pelo controle da carga horária estabelecida para os alunos dos cursos: Terapêutico e Sócioeducacional. II.1 Da Subcoordenação da Clínica Escola Terapêutico: a Estabelecer normas para o atendimento psicodramático na clínica e acompanhar o processo de aprendizado dos alunos; b Atuar junto aos alunos, na orientação das questões éticas e técnicas, no cumprimento do Código de Ética do Psicólogo e Estatuto Social da APP; c Acompanhar o andamento da Triagem e reunir-se semanalmente com o Supervisor responsável; d Supervisionar e treinar os alunos de 3º, 4º e 5º anos de Psicologia das Instituições conveniadas que estagiam no Centro de Triagem de APP, com Metodologia Psicodramática, responsáveis pela Triagem da APP, por 1 (uma) hora semanalmente; e Fiscalizar o ambiente físico de atendimento, bem como os materiais e utensílios utilizados; f Promover contato e reuniões constante com as Subcoordenadorias para melhor acompanhar o desenvolvimento de cada aluno em Formação; g Decidir em conjunto com a Coordenação da Prática do Psicodrama, procedimentos necessários, decorrentes de situações adversas e casos incomuns, que se relacionem aos clientes da APP; h Orientar o Psicoterapeuta no reencaminhamento de clientes, cujo atendimento a APP não oferece; 13

14 i Orientar o Psicoterapeuta para informar ao cliente, sobre a filosofia, normas e procedimentos da APP, esclarecendo-o quanto aos seus direitos e obrigações, com a instituição; j Zelar e fazer cumprir Regimento Interno e o Estatuto Social da APP; k Manter os Supervisores informados sobre o andamento dos atendimentos clínicos realizados pelos alunos em casos atípicos; l Fiscalizar e encaminhar as ocorrências analisadas que ferem as normas éticas e disciplinares à Comissão Ético-Disciplinar, através de Diretoria; m Responsabilizar-se pelo controle da carga horária obrigatória da Prática do Psicodrama. II.2. - Da Subcoordenação da Prática Sócioeducacional a Planejar a ocupação do espaço físico para a realização dos atendimentos; b Estabelecer normas a serem seguidas para o atendimento da prática psicodramática Socioeducacional; c Auxiliar ao aluno em Formação, a prática socioeducacional, em grupos; d Encaminhar a Diretoria e Comissão de Ensino da APP situações que envolvam o nome da instituição a nível ético profissional; e Participar de reuniões de Diretoria e com as turmas em curso, que atendam os interesses da APP; f Zelar e fazer cumprir o Regimento Interno da Coordenadoria da Pratica do Psicodrama, do Manual do Aluno e do Estatuto da APP; g Zelar e fazer cumprir este Regimento. h Decidir em conjunto com a Coordenação da Prática do Psicodrama, procedimentos necessários, decorrentes de situações adversas e casos incomuns, que se relacionem aos clientes da APP; i Promover contato e reuniões constante com as Subcoordenadorias para melhor acompanhar o desenvolvimento de cada aluno em Formação; j Orientar o Psicoterapeuta para informar ao cliente, sobre a filosofia, normas e procedimentos da APP, esclarecendo-o quanto aos seus direitos e obrigações, com a instituição; k Manter os Supervisores informados sobre o andamento dos atendimentos clínicos realizados pelos alunos em casos atípicos; l Responsabilizar-se pelo controle da carga horária obrigatória da Prática do Psicodrama. 14

15 II. 3 Da Subcoordenação do Ambulatório a Fazer cumprir o Estatuto da APP, este Regimento e os Manuais de ética dos Conselhos de Psicologia e Medicina; b Avaliar solicitação de terapeutas que desejem sua admissão ao ambulatório da APP; c Levar à Diretoria a solicitação de admissão do terapeuta para o ambulatório da APP, para aprovação; d Construir critérios de funcionamento do Ambulatório, mediante projeto e apresentar à Diretoria; e Responsabilizar-se pela entrega de documentação exigida aos terapeutas participantes; f Orientar os terapeutas quanto às normas e regras a serem cumpridas para participação no ambulatório, como: Preferência por atendimento em grupo, sendo exigido no mínimo um grupo para cada terapeuta, além do atendimento individual, questões éticas, supervisões de trabalho e ser associado da APP; g Coordenar as reuniões do ambulatório, elegendo um secretário para a confecção da ata diária; h Orientar os terapeutas em situações diversas, relacionadas aos atendimentos clínicos, como: encaminhamentos, ensalamentos e supervisões; i Acompanhar e fiscalizar a evolução dos prontuários dos pacientes, encaminhamentos e desligamentos de pacientes; j Incentivar a produção científica dos Terapeutas; k Encaminhar à Coordenação de Prática do Psicodrama e à Diretoria, casos em que o Terapeuta esteja contrário ao Estatuto, a este Regimento, ou normas estabelecidas pelos Conselhos: Regional de Psicologia e Medicina; l Promover Reuniões com a Coordenação da Prática do Psicodrama; m Decidir procedimentos necessários decorrentes de situações adversas e casos incomuns, que se relacionem aos pacientes da APP; n Zelar e fazer cumprir as normas estabelecidas no Estatuto da APP e neste Regimento; o - Fazer cumprir os critérios de funcionamento do Ambulatório; p Eleger monitores para funções específicas entre os membros do ambulatório; q - Coordenar as reuniões do ambulatório elegendo para aquele ato, um secretário para a elaboração da ata; r Assegurar que a leitura da ata seja conferida antes das respectivas assinaturas. 15

16 II. 4 Da Subcoordenação do Centro de Triagem a Responsabilizar-se pelo processo de triagem da APP, que envolve desde o primeiro contato do cliente com a secretaria, até o encaminhamento do mesmo, para o Psicoterapeuta; b Orientar e Supervisionar a secretaria desde primeiro contato do cliente, diante do agendamento da triagem, seja em grupo, ou, individual; c Orientar e Supervisionar, juntamente com a Coordenação da Prática do Psicodrama, os estagiários de triagem, sendo a supervisão semanal, com duração de 1 hora; d Fiscalizar e orientar os alunos no preenchimento da grade horária; e Esclarecer os alunos sobre dúvidas frente aos encaminhamentos e desligamento; f Responsabilizar-se pelos encaminhamentos, reencaminhamentos, desligamentos e prontuários, deixados para estes fins; g Fiscalizar e encaminhar à Coordenação da Prática do Psicodrama, as ocorrências analisadas que ferem as normas éticas e disciplinares; h Acolher a clientela em sua queixa. III Da Comissão Científica a Promover, organizar e assessorar atividades e projetos científicos internos e externos, tanto na área do Psicodrama Socioeducacional como na área do Psicodrama Terapêutico, juntamente com os Coordenadores de Ensino e Prática do Psicodrama, submetendo-os a aprovação da Diretoria; b Estimular a produção científica entre alunos e sócios da APP; c Exercer outras atribuições a si delegadas pela Diretoria, pertinentes à sua área; d Zelar e fazer cumprir este Regimento, das demais Coordenações, do Manual do Aluno e do Estatuto Social da APP; e - Deliberar sobre cursos extracurriculares, juntamente com o Coordenador de Ensino e/ou Presidente; f - Expedir certificados de conclusão de cursos extracurriculares, juntamente com a Presidência; g Zelar pelas condições básicas da estrutura física para a realização dos cursos extracurriculares; h - Acompanhar todos os passos do evento que promover, juntamente com o Secretário e Tesoureiro da APP; 16

17 i Submeter orçamento do evento programa à Diretoria, com antecedência; j Delegar funções para colaboradores quando se fizer necessário; k Assegurar-se que as iniciativas científicas, ou, eventos, venham de encontro com a filosofia da APP e as suas diretrizes políticas. IV - DA COMISSÃO DE DIVULGAÇÃO E EVENTOS a - Realizar as atividades de publicidade e divulgação das atividades da APP, interna e externamente; b Divulgar aos associados, as correspondências enviadas à APP referentes a eventos em geral e atualizações, normatizações (FEBRAP) etc.; c Zelar e fazer cumprir o Regimento Interno da APP, de todas as Coordenações, Manual do Aluno e Estatuto da APP; d Consultar o CRP sobre divulgações, a fim de não ferir as normas, por ele estipuladas; e - Responsabilizar-se pela assessoria de imprensa; f - Acompanhar a atualização de informações no site da APP: APP Institucional: Missão, Visão, Objetivos, Relacionamento, História, Estatuto Social, Regimento Interno, Projetos permanentes, Formação, Especialização, Congressos e Encontros; APP Formação, Especialização e Aperfeiçoamento: cursos e projetos permanentes; APP Clínica: missão, serviços, normas de funcionamento, informações gerais; APP Projetos Sociais; APP Pesquisa Científica: missão, linhas de pesquisa e áreas do conhecimento; APP Eventos: projetos permanentes, eventos associados; APP Rede: vinculações com Universidades, FEBRAP, Federadas, ONGs, outros; g - Manter conduta ética adequada ao ambiente e Missão da APP. V DA COORDENAÇÃO DE PROJETOS a Elaborar projetos científicos, culturais, educacionais e sociais; 17

18 b- Buscar recursos para viabilização de projetos; c Favorecer contatos e integração com organizações governamentais e não governamentais, ampliando a rede de serviços; d - Analisar e encaminhar os projetos para a Diretoria; e Acompanhar a operacionalização da prática dos projetos aprovados; f Supervisionar a execução de projetos em andamento; g Arquivar os projetos realizados, mantendo o histórico da APP. DOS ALUNOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO EM PSICODRAMA TERAPÊUTICO E SOCIOEDUCACIONAL Art.11º Compete aos alunos: I - Entregar no início do Curso, toda a documentação exigida. (2 cópias do RG, CPF, comprovante de residência, currículo, diploma autenticado, CRP/CRM e 1 foto 3x4); II Ter ciência de que sua freqüência deverá ser de 75% em todas as disciplinas, exceto nas supervisões, que deverão ser de 100%, além de participar em sala de aula e realizar trabalhos escritos dentro das normas científicas exigidas; III - Submeter-se a psicoterapia preferencialmente em grupo, com Terapeuta de Aluno credenciado pela FEBRAP (Nível II), no mínimo 120 horas. Obs.: Ao iniciar os atendimentos, o aluno deverá estar em processo terapêutico (foco Psicodramático), e em dia com o seu CRP. (Terapêutico 130 horas, Sócioeducacional 100 horas) da Prática Psicodramática; IV - Realizar trabalho de Campo (atendimento comunitário), na disciplina de Sociodinâmica; V - Participar de Seminários, Fóruns Internos, etc., apresentando trabalhos; VI - Apresentar Monografia no final do curso, no mês determinado no calendário curricular; VII - Procurar a Comissão de Ensino, diante de qualquer situação estranha as normas pré-estabelecidas; VIII - Ler o edital, contendo notas, faltas, cursos extras, atividades sociais e todas as informações necessárias; IX - Responsabilizar-se em entregar os trabalhos pedidos pelo professor, no prazo determinado. Caso o aluno esteja impossibilitado de realizá-lo, deverá procurar o professor, remarcando a data. Caso não o faça, ficará com nota zero; X Trabalhos realizados fora da sede da APP. No caso de alunos de fora de Curitiba, que tenham a intenção de validar os mesmos, deverão 18

19 ser apresentados em forma de relatório final da atividade em questão, e devidamente assinado pelo responsável do local (Instituição); XI - Protocolar os trabalhos que não forem entregues em sala de aula, na secretaria, isto é, o secretário e o aluno assinarão um caderno próprio para este fim. A APP não se responsabilizará por trabalhos não protocolados; XII - Entregar no final de cada disciplina, um trabalho por escrito, dentro das normas científicas; XIII Iniciar atendimentos individuais, para posteriormente, realizar atendimentos em grupos, salvo os alunos do Curso Socioeducacional; XIV - Atender no mínimo 3 pessoas em terapia individual (no Curso Terapêutico) e iniciar grupos com no mínimo 6 clientes. (130 horas) Alunos do Curso Sócio Educacional deverão atender no mínimo 2 (dois) grupos (100 horas); XV Preencher as fichas de evolução de grupo de seus participantes, descritas semanalmente e citando cada membro do grupo; XVI Avaliar o professor e a disciplina, ao final de cada módulo; XVII Estar em dia com sua mensalidade; XVIII O aluno para a obtenção da titulação deverá efetuar o pagamento para FEBRAP e Faculdade Espírita FIES. Parágrafo único Os alunos do Curso Terapêutico deverão contar no mínimo com 130 horas de atendimento clínico e os alunos do curso Sócio-Educacional, com o mínimo de 100 horas de prática em grupo. DA ÉTICA Art.12º O Código de Ética Profissional pretende estabelecer os princípios e normas necessárias à prática da profissão, devendo fomentar a auto-reflexão de cada indivíduo, de modo a responsabilizálo, pessoal e coletivamente, por suas ações, assim como suas conseqüências no exercício profissional. Sendo de total responsabilidade do Psicólogo, seu amplo conhecimento, e/ou dos Profissionais do Curso Sócio Educacional, junto aos seus Conselhos Regionais. Situações de crítica aos colegas, por exemplo, deverão ser construtivas, comprováveis, objetivas e com responsabilidade, de acordo com o padrão ético exigido pela APP e o Código de Ética do Psicólogo e dos demais Profissionais e seus Conselhos Regionais. Parágrafo Único Os Psicólogos Psicodramatistas, assim como os Psicodramatistas Sócio Educacionais, que atendem clientes nesta Instituição, devem observar todas as normas do Código de Ética dos Psicólogos, em especial as dos artigos 1, 2. e 3. do já mencionado Código, citados no 19

20 Manual do Aluno. ART.13º - DOS PROCEDIMENTOS PARA OS ATENDIMENTOS CLINICOS. a - O paciente passará pelo processo de triagem antes de ser encaminhado para atendimentos com o terapeuta; b - A triagem fará uma coleta de dados, onde o triador colherá dados de identificação, a queixa que o traz à terapia, acolhendo-o; c - A triagem é realizada por estagiários de Faculdades conveniadas, e pode ser feita em caráter individual e grupal; d - Após a mesma, o Centro de Triagem encaminhará os clientes para a psicoterapia; e - Para que seja feito estes encaminhamentos é necessário que os Terapeutas atualizem semanalmente suas grades horárias; f - O contato para marcar a primeira consulta é da responsabilidade do Centro de Triagem e da secretaria; g - Após estes procedimentos é de responsabilidade do terapeuta remarcar ou desmarcar os clientes, não sendo função da secretaria; h - É de responsabilidade do terapeuta o zelo, atualização e cuidado com o prontuário do cliente, sendo expressamente proibido a retirada deste da Instituição; i - O cuidado com o prontuário inclui a questão do sigilo e ética com os dados e materiais a respeito do cliente, mantendo assim, o prontuário em arquivo sigiloso. Somente o terapeuta e a Coordenação Clínica terão acesso a ele; j - Na primeira consulta, o terapeuta fará o contrato com o cliente, onde será definido o valor, que o paciente se comprometerá a pagar. O terapeuta fornecerá as informações sobre: as normas e o funcionamento da instituição, como horários, modalidades de terapia (individual ou grupal),etc. O cliente também deverá ter recebido as instruções do usuário da APP que esclarecerá seus direitos e deveres; k - O pagamento de cliente e/ou usuários deverá ser efetuado via secretaria, ou seja, o terapeuta não poderá receber do paciente; l - O terapeuta preencherá uma ficha de evolução, onde relatará acontecimentos e situações relevantes e evolução sobre a saúde do cliente; m - No caso de re-encaminhamento de um paciente, o terapeuta deverá preencher no prontuário, o motivo pelo qual o está re-encaminhando, colocando a justificativa na pasta de re-encaminhamento, que, posteriormente, será avaliado pela coordenação da prática clínica e do coordenador de triagem; 20

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 98/2012. NAEP. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Atendimento Especializado da Rede Municipal de Ensino de Palhoça. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GRADE CURRICULAR 2008-2010 RIO CLARO 2010 1 REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Da Origem, Finalidades e das Modalidades Art. 1º -

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 067/2011

RESOLUÇÃO nº 067/2011 RESOLUÇÃO nº 067/2011 Disciplina os estágios obrigatórios e não obrigatórios na Universidade Federal do Amazonas. A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO e PRESIDENTE DA CÂMARA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DO CONSELHO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO No. 01/2011 DO CEFID/UDESC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente regimento interno normatiza as atividades na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro de Ciências da

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico PORTARIA SEAE Nº. 20, DE 20 DE MARÇO DE 2012.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico PORTARIA SEAE Nº. 20, DE 20 DE MARÇO DE 2012. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico PORTARIA SEAE Nº. 20, DE 20 DE MARÇO DE 2012. I n s t i t u i o P r o g r a m a d e I n t e r c â m b i o d a S E A E e d i s p õ e s o b r

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANTENEDORA: COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE CACHOEIRINHA MANTIDA: FACULDADE INEDI Cachoeirinha Rio Grande do Sul REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE Dispõe sobre a implantação e funcionamento do Núcleo de

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Curso em Psicanálise Winnicottiana REGIMENTO

Curso em Psicanálise Winnicottiana REGIMENTO Curso em Psicanálise Winnicottiana REGIMENTO I. DENOMINAÇÃO, COORDENAÇÃO E MODALIDADES A SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICANÁLISE WINNICOTTIANA (SBPW), por intermédio dos Centros Winnicott, oferece regularmente

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento do Grupo de Estudos denominado Núcleo de Estudos Educacionais Interdisciplinares NUDEI Faculdade CNEC Unaí Unaí/MG RESOLUÇÃO Nº CS/005/2015,

Leia mais

Anexo Único Ato Normativo nº 01, de 11 de Julho de 2012 REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS FAZENDÁRIOS DA BAHIA CEFAB ESCOLA FAZENDÁRIA

Anexo Único Ato Normativo nº 01, de 11 de Julho de 2012 REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS FAZENDÁRIOS DA BAHIA CEFAB ESCOLA FAZENDÁRIA 1 Anexo Único Ato Normativo nº 01, de 11 de Julho de 2012 REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS FAZENDÁRIOS DA BAHIA CEFAB ESCOLA FAZENDÁRIA CAPÍTULO I DOS OBETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O CENTRO DE ESTUDOS

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Dispõe sobre as normas para participação dos servidores públicos em Cursos de Capacitação promovidos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Curricular do Curso de Comunicação Social/Publicidade e Propaganda da UNICENTRO e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA Odontologia Regulamento dos Estágios Supervisionados Fixa normas dos Estágios Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES.

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE NOME: ENDEREÇO: CURSO: PERIODO: TURMA: Trabalhar o discente para torná-lo um empreendedor e facilitar sua inclusão no mercado de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO TÍTULO I 3 DA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU E SEUS OBJETIVOS 3 TÍTULO II 5 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 5 CAPÍTULO I 5 DA ESTRUTURA 5 CAPÍTULO II 6 DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU 6 CAPÍTULO

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DA MONOGRAFIA DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu DA FIC Cassilândia - 2010 APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO

FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO 1 SUMÁRIO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES...3 DA COORDENAÇÃO DAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Resolução nº 03/2014, do Colegiado do Curso de Graduação em Direito

Resolução nº 03/2014, do Colegiado do Curso de Graduação em Direito Resolução nº 03/2014, do Colegiado do Curso de Graduação em Direito Dispõe sobre as atividades complementares do curso de currículo semestral O DA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DA, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU VASSOURAS - RJ 2010 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS TÍTULO I CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Seção I Da Natureza Art. 1º. Estágio é atividade educativa escolar supervisionada, desenvolvida

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Curso de Serviço social

Curso de Serviço social 3 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O objetivo geral do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC é servir de instrumento estimulador à aplicação, no campo prático, de conhecimentos adquiridos no decorrer

Leia mais