Elisabete Sampaio Lucy Marta Schellin Patrícia Ferreira de Andrade Santos Viviane Bauer dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elisabete Sampaio Lucy Marta Schellin Patrícia Ferreira de Andrade Santos Viviane Bauer dos Santos"

Transcrição

1 A OCUPAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APPs) AO LONGO DO RIO BACACHERI NO TRECHO ENTRE A RODOVIA BR 476 E O RIO ATUBA, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA, ESTADO DO PARANÁ. Elisabete Sampaio Lucy Marta Schellin Patrícia Ferreira de Andrade Santos Viviane Bauer dos Santos RESUMO A preservação do Meio Ambiente é essencial à vida no planeta terra e neste contexto foram criadas as leis de proteção e conservação do mesmo. Na legislação brasileira está prevista a Área de Preservação Permanente (APP) como o principal instrumento de proteção das matas ciliares dos cursos d água. A cidade de Curitiba, com muitas outras cidades brasileiras, não preservou, no seu processo de urbanização, a maioria das APPs dos cursos d água que estão na área do município. Neste artigo será apresentado um levantamento da ocupação da APP do Rio Bacacheri no trecho entre a BR-476 e o Rio Atuba, no bairro Bairro Alto da Cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná. PALAVRAS-CHAVE CHAVE: Curitiba; Rio Bacacheri; Área de Preservação Permanente; Área Urbana. 1 INTRODUÇÃO O Meio Ambiente é definido pela Lei 6.938/81¹ como Conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas suas formas. Este conceito demonstra que a preservação do Meio Ambiente é essencial à vida no planeta terra, pois todos os organismos vivos interagem com o meio físico (MOTA, 2006). Neste contexto foram criadas as leis de proteção e conservação do Meio Ambiente e, é a Constituição Federal² que afirma a importância da preservação do mesmo, tratando-o como um bem essencial à vida e que deve ser preservado para as gerações futuras. Mas bem antes da Constituição Federal de 1988 e da lei de 1981, já existia instrumentos legais de proteção do Meio Ambiente, sendo o principal deles as Áreas de Proteção Permanente (APP). Este instrumento existe desde 1965, quando foi instituído o Novo Código Florestal pela lei 4771/

2 A APP é definida no Código Florestal Brasileiro (Lei 4771/1965) como um bem ambiental que tem como função preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora e proteger o solo. Esta área deve ser protegida independente de possuir cobertura vegetal natural, nativa ou não. A não conservação destas áreas e sua completa descaracterização na área urbana estão diretamente relacionadas com os problemas mais recorrentes em Curitiba na questão ambiental. As enchentes e inundações constantes sofridas em áreas próximas aos Rios são exemplos mais palpáveis do problema que a ocupação de APPs causa (CANHOLI, 2005). Neste trabalho será apresentado um diagnóstico da APP ao longo do Rio Bacacheri no trecho entre a BR-476 e o Rio Atuba, no Bairro Alto da Cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná. Neste trecho verificar-se-á se a ocupação existente atende ao Código Florestal estabelecido pela Lei 4771/1965. Também será apresentada uma fundamentação teórica breve sobre áreas de APP ao longo de cursos d água e o histórico da legislação federal sobre o mesmo tema. Como o curso d água analisado encontra-se na área urbana de Curitiba será apresentado um relato sobre a ocupação das APPs no perímetro da cidade. 2 ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE AO LONGO DOS CURSOS D ÁGUA A Área de Preservação Permanente (APP) ao longo dos rios ou de qualquer curso d água está instituída no Código Florestal Brasileiro (Lei 4.771/1965) como: Art 1 º- II - área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2º e 3º desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bemestar das populações humanas; Art. 2º Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: a) ao longo dos rios ou de qualquer curso d água desde o seu nível mais alto em faixa marginal cuja largura mínima seja: 1) De 30 (trinta) metros para os cursos d água de menos de 10 (dez) metros de largura; 2) De 50 (cinqüenta) metros para os cursos d água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinqüenta) metros de largura; 3) De 100 (cem) metros para os cursos d água que tenham de 50 (cinqüenta) a 200 (duzentos) metros de largura; 4) De 200 (duzentos) metros para os cursos d água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura; 5) De 500 (quinhentos) metros para os cursos d água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros; (MEDAUAR, 2008) Em uma análise geral, a APP é estabelecida legalmente para preservar as margens dos rios e manter a mata ciliar intacta. Com isso garantir a estabilidade geológica, o fluxo 227

3 gênico de flora e fauna, proteger o solo e o próprio recurso hídrico, garantindo assim o bem estar da população (MACHADO, 2007); A mata ciliar é uma formação vegetal característica das margens dos rios, lagos, córregos e arroios. São constituídas de árvores, arbustos, cipós, flores, frutos nativos da vegetação da região onde está inserido o curso d água. Esta mata nativa protetora evita enchentes, assoreamentos, abriga animais e preserva a qualidade da água nos rios (SANEPAR, 2004). A APP deve ser estabelecida para qualquer curso d água, independente da sua localização em área urbana ou rural de um município. Se o curso d água está em área particular, a APP não é caracterizada como área pública, mas como área de interesse comum e, por isso, o proprietário tem seu direito de propriedade limitado pela legislação ambiental específica. Por esta limitação do uso da propriedade, a APP é considerada um ônus pela população, pois ela somente visualiza a perda da área edificável do lote. Os proprietários destas áreas têm dificuldade de entender a necessidade das APPs. Esclarecer a população que estas áreas de preservação são importantes para o clima, para a qualidade do ar, proteção contra enchentes e secas e podem ser fontes de recreação para comunidade, acabará com a visão onerosa que a APP tem no meio urbano. 3 O HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL FEDERAL QUANTO A APP AO LONGO DOS CURSOS D ÁGUA A aplicação da Legislação Ambiental, no que tange a APP ao longo dos cursos d`água no meio urbano, demonstra que o administrador público interpretou que estas áreas somente deveriam ser protegidas no meio rural ou nas florestas. Talvez a evolução da legislação ambiental tenha contribuído para esta interpretação. A primeira referência, na legislação brasileira, da proibição da ocupação da faixa marginal dos rios, foi no Código de Águas de 1934 (Decreto /1934). Neste código a determinação tinha função administrativa, somente visava ordenar o acesso ao corpo hídrico. Nele era prevista uma faixa não edificável de 10m (dez metros) para rios não navegáveis e 15m (quinze metros) para rios navegáveis. A primeira menção de restrição a ocupação da faixa marginal dos rios com finalidade ambiental, ocorreu no ano de 1965 com a instituição do Código Florestal Brasileiro¹, nele estava prevista uma Área de Preservação Permanente de 5m (cinco metros) ao longo dos rios, com menos de 10m(dez metros) de largura, para proteger a vegetação existente (mata ciliar). Cita-se esta faixa de APP face os rios urbanos apresentarem, em média, a largura máxima de 10m. No texto 228

4 original do Código Florestal não foi estabelecido critérios específicos para as áreas urbanas, somente mencionava a proteção das florestas e demais vegetações naturais ao longo dos cursos d água no território nacional. Mas em 1978 foi acrescido ao Código Florestal um item que estabelecia que o mesmo fosse aplicado também em áreas metropolitanas definidas por lei. Somente no ano de1989 foi incluído um parágrafo específico para área urbana no Código Florestal. A Lei 7803/1989 inclui no Art. 2º o parágrafo único 2, que segue abaixo sua redação: Parágrafo único. No caso de áreas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos perímetros urbanos definidos por lei municipal, e nas regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, em todo o território abrangido, observar-se-á o disposto nos respectivos planos diretores e leis de uso do solo, respeitados os princípios e limites a que se refere este artigo. (MEDAUAR, 2008) Para um ordenamento urbanístico, em 1979, foi instituída a lei de Parcelamento do Solo Urbano (6.766/1979), conhecida como lei dos loteamentos urbanos, que prevê em um dos seus artigos o seguinte: Art. 4º Os loteamentos deverão atender, pelo menos, aos seguintes requisitos: III - ao longo das águas correntes e dormentes e das faixas de domínio público das rodovias, ferrovias e dutos, será obrigatória a reserva de uma faixa non aedificandi de 15 (quinze) metros de cada lado, salvo maiores exigências da legislação específica ; (MEDAUAR, 2008) ¹ Texto original da lei 4771/1965 que entrou em vigor em 15 de setembro de 1965: Art. 2º Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: a)ao longo dos rios ou de outro qualquer curso d'água, em faixa marginal cuja largura mínima será: 1-de 5 (cinco) metros para os rios de menos de 10 (dez) metros de largura:2-igual à metade da largura dos cursos que meçam de 10 (dez) a 200 (duzentos) metros de distancia entre as margens; 3-de 100 (cem) metros para todos os cursos cuja largura seja superior a 200 (duzentos) metros) 2 Lei 7.803/1989 (LEI ORDINÁRIA) de 18 de julho de 1989 que altera redação da Lei 4.771, de 15/09/1965, revoga as leis 6.535, de quinze de junho de 1978 e 7.511, de sete de julho de (CÓDIGO FLORESTAL). 229

5 O Art. 4º da lei 6.766/1979 pode ter consolidado o paradigma de que o Código Florestal não teria incidência no meio urbano. Entendia-se que o Código Florestal era específico para proteção das florestas e, agora havia uma Lei específica para o ordenamento da ocupação da área urbana. O detalhe está que a lei de loteamentos indica uma faixa non aedificandi (faixa não edificável) ao longo das águas correntes, para garantir a segurança da população que iria ocupar os loteamentos e não para a preservação de um bem ambiental. Isto nota-se pelo estabelecimento da mesma faixa não edificável ao longo de dormentes, rodovias e ferrovias. E, principalmente não estabelecia que o curso d água deveria permanecer com seu status quo, ela somente impõe uma área não edificável ao longo de águas correntes e não impõe restrições a intervenções neste cursos hídricos. Como tratava-se de uma lei específica para solo urbano e mencionava águas correntes, interpretou-se que o Código Florestal era para ser aplicado em área rural e a lei de loteamento para área urbana, sendo possível a realização de qualquer tipo de obra nos rios urbanos para tornar viável a ocupação das áreas de várzea. Ressaltamos que a ocupação e a intervenção nas áreas de APP acontecem desde a década de 30 nos municípios brasileiros. Em Curitiba há registros de intervenções em rios na década de Com a Lei 7803 de 1989, o Código Florestal passou a determinar uma APP mínima de 30m (trinta metros) para qualquer curso d água. Conforme já citado, a mesma Lei incluiu o parágrafo único que se refere especificamente a aplicabilidade do Código Florestal nas áreas urbanas. A partir daí iniciou-se os conflitos das legislações municipais com a legislação federal. Muitos legisladores interpretaram este parágrafo único com um norteador da legislação municipal. No entendimento deles este parágrafo indica que as leis municipais não poderiam estabelecer padrões mais rigorosos dos que foram estabelecidos pela lei federal sobre o tema. Outros interpretam que a lei municipal tem que atender aos padrões mínimos estabelecidos na lei federal, ou seja, não pode ser estabelecida uma faixa marginal de preservação ambiental menor a que foi estabelecida pelo Código Florestal. Atualmente discuti-se muito a incidência do Código Florestal na área urbana, a fixação de uma faixa de APP mínima de 30m (trinta metros) ao longo de qualquer curso d água, torna muitas áreas inutilizadas para ocupação. Como o espaço urbano é exíguo a inaplicabilidade do Código Florestal é recorrente. 4 APP NO PERÍMETRO URBANO NA CIDADE DE CURITIBA A legislação Ambiental atual prevê a APP como um instrumento legal de preservação da mata ciliar, mas a sua definição e aplicação no meio urbano gera controvérsias. Muitos consideravam que a obrigatoriedade da APP era somente para áreas não urbanizadas. 230

6 Apesar do texto original da lei 4771/1965, referir-se a florestas e a demais formas de vegetação existente no território nacional, não havia menção a aplicação do Código Florestal na área urbana das cidades, somente havia citações que remetem a áreas rurais (PIETRE, 2006). Pela lei 6535/1978 foi incluído, no artigo 2 do Código Florestal, o item que estabelecia que as florestas e demais formas de vegetação natural situadas nas áreas metropolitanas definidas em lei, seriam também de preservação permanente. Baseando-se nestas informações pode-se entender porque aconteceram ocupações nas APPs ao longo dos cursos d`água nos processos de urbanização das cidades. A ocupação do solo ocorreu, em muitos casos, após correções de traçados, canalizações e capeamentos de rios que deram condições de implantação de sistemas viários e loteamentos. Estas obras aconteciam com políticas públicas específicas e eram consideradas essenciais ao desenvolvimento urbano da cidade. Curitiba seguiu a mesma filosofia que muitas outras cidades brasileiras adotaram no processo de urbanização, canalizou e retificou vários rios que cortam seu perímetro urbano. Viabilizando assim, a execução de obras de infra-estrutura importantes para o desenvolvimento social e econômico da capital paranaense. Na década de quarenta, a cidade já registrava os primeiros núcleos de favelamento (loteamentos clandestinos) e na década de cinqüenta houve um grande aumento de áreas ocupadas irregularmente. Registra-se que neste período, 1940 até o 1960, a população da cidade passou de 150 mil habitantes para 350 mil habitantes e, a infra-estrutura urbana existente não atendia adequadamente toda a população (BARZ et al., 2010). Iniciou-se, então, com a Lei Municipal 699/1953, que estabelecia o Código de Posturas e Obras do Município, a adequação do espaço físico urbano com as ocupações existentes. O Plano Agache, Plano Diretor de Urbanização de Curitiba datado de 1940, estabelecia diretrizes e normas para ordenar o crescimento físico, urbano e espacial da cidade, mas o mesmo, não conteve o processo de ocupação irregular de muitas áreas do perímetro urbano da cidade. Para ordenar o processo de urbanização de Curitiba e adequar as áreas ocupadas irregularmente, a Câmara Municipal da cidade, no ano de 1966, institui o Plano Diretor de Curitiba e aprovou as suas Diretrizes Básicas para orientação e controle do desenvolvimento integrado do Município, através da lei 2828/1966. O Plano Diretor foi implantado durante o período de 1971 até Neste período somente os rios de maior porte tiveram, ao longo dos seus cursos, implantados parques lineares que protegeriam o sistema natural de drenagem. Esta preocupação com os grandes rios não visava ao atendimento da Lei Federal e sim apenas a tentativa de acabar com o problema das inundações que aconteciam constantemente na capital. Os parques lineares criados não apresentam a mata ciliar nativa intacta, conforme determinar a legislação 231

7 federal. Os demais cursos d água tiveram um tratamento diferenciado, pela falta de entendimento da importância ambiental dos mesmos, que eram considerados apenas como um entrave ao desenvolvimento do município, e não um elemento do sistema natural de drenagem que também deveria ser protegido. O histórico de canalização e retificação de rios na Cidade de Curitiba verifica-se desde a década de 1910, há registros que o Prefeito Municipal de Curitiba ( ), o Engenheiro Civil Cândido de Abreu lançou entre seus projetos de modernização da cidade, o projeto de canalização do Rio Ivo e retificação do Rio Belém. Na década de 40 houve o início da canalização e retificação do Rio Água Verde (BARZ et al.,2010). O perímetro urbano de Curitiba apresenta mais rios canalizados do que rios à céu aberto, rios com a mata ciliar preservada quase inexistentes. Esta característica do espaço urbano de Curitiba explica-se parcialmente pelo processo de colonização das cidades brasileiras, que na sua maioria iniciou sua história com a ocupação das áreas de várzeas dos rios. Outra explicação está na mentalidade do homem que o rio tem que ser modificado para adaptar-se ao crescimento da cidade, e não a cidade, ao longo do seu desenvolvimento, adaptar-se ao curso natural do rio. DO 5 METODOLOGIA 5.1 DESCRIÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO O rio Bacacheri está localizado na região nordeste da cidade de Curitiba, entre as coordenadas geográficas de latitude S a S e longitude W a W. Possui área de drenagem de 30,81 km2 com canal medindo 12,5 km de extensão. Desenvolve-se no sentido NW SE até chegar à sua foz no rio Atuba, neste percurso passa pelos bairros Cachoeira, Barreirinha, Boa Vista, Tingui, Bacacheri, Jardim Social, Tarumã e Bairro Alto, sendo que suas nascentes encontram-se no bairro Cachoeira (RIBEIRO, 2007). A porção do rio Bacacheri a ser analisada neste trabalho, está totalmente localizada no bairro Bairro Alto, entre a BR-476 e o Rio Atuba (Figura 1). A BR-476 é a nova denominação da BR-116 e, futuramente será denominada Avenida Verde (região norte). O curso atual do Rio Bacacheri não é o seu curso natural, o mesmo sofreu desvio e encontra-se com o Rio Atuba no bairro Bairro Alto. O seu curso natural este encontro com o Rio Atuba aconteceria no bairro Capão da Imbuía. 232

8 FIGURA1: RIO BACAHERI ENTRE A BR-476 E O RIO ATUBA, TRECHO LOCALIZADO TOTALMENTE NO BAIRRO ALTO DA CIDADE DE CURITIBA NO ESTADO DO PARANÁ. FONTE: GOOGLE EARTH (MAIO/2009). 5.2 COLETA DE DADOS Para diagnosticar e analisar a ocupação antrópica da APP do Rio Bacacheri no trecho entre a BR-476 e o Rio Atuba, no bairro Bairro Alto na cidade de Curitiba, capital do Estado do Paraná, foi realizada uma pesquisa bibliográfica das leis ambientais que dispõem sobre as áreas de preservação permanente ao longo dos cursos d`água. Nesta se verificou a problemática na determinação e respeito das APPs ao longo dos rios, face a interpretação errônea dos conceitos legais e do paradigma que APPs não existem para rios localizados em áreas urbanas. Após este levantamento teórico, verificou-se a necessidade de consultar órgãos públicos municipais, para a obtenção dos seguintes dados para a área de estudo: 1) Número de lotes existentes na APP; 2) Loteamentos aprovados na área em análise; 3) Licenças de ocupação emitidas pela Prefeitura Municipal de Curitiba nos lotes em APP; 233

9 4) Fotos aéreas do trecho. Estes dados foram fornecidos pelas Secretarias de Urbanismo e Obras Públicas do município de Curitiba, através de consultas físicas ao órgão ou acesso a página das secretarias no site da Prefeitura de Curitiba (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA, 2010). Todos os dados obtidos na Prefeitura Municipal de Curitiba foram no período de janeiro até abril de Para esta análise não foram efetuados trabalhos em campo no trecho em estudo. A partir dos dados colhidos, os mesmos foram classificados e analisados juntamente com as imagens de satélite, coletadas na internet no Sistema Google Earth datadas de maio de Todos os dados foram catalogados e analisados para elaboração do diagnóstico final da ocupação da APP ao longo do trecho estabelecido. O diagnóstico final tem por objetivo apresentar a situação da ocupação da APP do Rio Bacacheri no trecho em questão, determinando a quantidade de lotes que estão em APP e quantos ocupam irregularmente, considerando a legislação ambiental, estas áreas. Também visa apresentar quais áreas do trecho estudado estão com a APP totalmente comprometida, ou seja, ocupada por edificações ou estruturas públicas (ruas e praças) e, quais poderiam respeitar integralmente ou parcialmente a APP. 6 DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO BACACHERI, NO TRECHO DE ANÁLISE Para o Rio Bacacheri, no trecho entre a BR-476 e o Rio Atuba, no bairro Bairro Alto na cidade de Curitiba, cuja largura da caixa do rio neste trecho não ultrapassa 10m (dez metros), a faixa marginal de preservação ambiental é 30m (trinta metros) ao longo do seu curso como estabelece o Código Florestal¹. No trecho em análise, verifica-se que a ocupação está consolidada e não há como aplicar o Código Florestal, sem prejuízos sociais e econômicos à região. No diagnóstico do trecho, será demonstrado o percentual de área marginal ao rio efetivamente livre de ocupação. O levantamento realizado na Prefeitura Municipal de Curitiba, Departamento de Cadastro Técnico, demonstra que existem 17 loteamentos aprovados ao longo do curso do rio no trecho em foco (Figura 2), sendo: 1) Loteamento Arnaldo Alves Camargo - aprovado em 1966; 2) Loteamento Herdeiros de Joana e Santo Guadagnin ; 3) Planta Afonso Alves de Camargo ; 234

10 4) Loteamento Academia Feminina Sagrado Coração de Jesus 1975; 5) Loteamento Vila Higienópolis 1965; 6) Loteamento Santana do Paraíso ; 7) Planta Vila Bairro Alto-Humberto Scarpa ; 8) Planta Santo Antônio do Tarumã ; 9) Planta Bairro Alto (REMANESCENTE) ; 10) Planta Vila Bairro Alto - Max Richer e Outro ; 11) Planta Vila Bairro Alto ; 12) Planta Cajuru - sem data de aprovação no projeto visto; 13) Planta Vila Bittencourt 1927; 14)Projeto01- coletânea com vários projeto de cadastramento/ unificação/ subdivisão com datas variadas: e 1995; 15) Planta Herdeiros de João Menin 1965; 16) Planta Agostinho Marchiori ; 17) Planta Vila Santa Tereza ). ¹ Texto atual Ada Lei 4771/1965 : Art. 2º Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: a) ao longo dos rios ou de qualquer curso d'água desde o seu nível mais alto em faixa marginal cuja largura mínima seja: (Alínea com redação dada pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 1. de 30 (trinta) metros para os cursos d'água de menos de 10 (dez) metros de largura; (Item com redação dada pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 2. de 50 (cinqüenta) metros para os cursos d'água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinqüenta) metros de largura; (Item com redação dada pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 3. de 100 (cem) metros para os cursos d'água que tenham de 50 (cinqüenta) a 200 (duzentos) metros de largura; (Item com redação dada pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 4. de 200 (duzentos) metros para os cursos d'água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura; (Item acrescido pela Lei nº 7.511, de 7/7/1986 e com nova redação dada pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 5. de 500 (quinhentos) metros para os cursos d'água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros; (Item acrescido pela Lei nº 7.803, de 18/7/1989) 235

11 DIVISA DOS LOTEAMENTOS FIGURA 2: LOTEAMENTOS Na verificação física dos Projetos de Loteamentos, constatou-se apenas a representação do eixo do traçado natural do Rio Bacacheri, não havendo indicação de faixas que não deveriam ser ocupadas pelos proprietários. Poucos Projetos de Loteamentos apresentam alguma indicação de Faixas Não Edificáveis, e quando apresentam são faixas destinadas a garantir a área de drenagem do rio ou para a execução da Avenida Canal, que 236

12 neste trecho não foi implantada. Não há menção de faixas não edificáveis para preservação ambiental do rio Bacacheri. Verifica-se que oito loteamentos foram aprovados anteriormente a Lei 4771/1965 (Código Florestal), e sete loteamentos foram aprovados no final dos anos 60 e na década de 70, período em que o poder público municipal interpretava que o Código Florestal era somente para a área rural. A retificação do traçado natural e mudança do curso do Rio Bacacheri, no trecho em estudo, foi realizada com base nesta interpretação. A obra foi realizada na década de 70 para viabilizar a implantação do Plano Diretor, que previa expansão urbana de Curitiba e, para isso, o meio físico desta região, necessitava de intervenções para melhor aproveitamento do espaço. Explicando assim as ocupações da faixa de APP ao longo do Rio Bacacheri em áreas aprovadas pelo poder público. Analisando todo o trecho do Rio Bacacheri, constatou-se que 166 lotes estão atingidos pela faixa de APP, e todos estes constam regulares nos loteamentos citados acima. Para evidenciar melhor a ocupação da faixa de APP do Rio Bacacheri neste trecho, analisouse os lotes pelo total de área atingida pela faixa marginal de preservação permanente. Nesta análise constatou-se que 67 lotes são parcialmente atingidos e 99 lotes são totalmente atingidos pela APP. Na totalidade dos lotes totalmente atingidos pela APP, constam 13 Alvarás de Construção aprovados pela Administração Municipal. Esta situação pode ser explicada pelo fato de todos os loteamentos terem sido aprovados anteriormente a Lei 7803/1989, que estabeleceu a mudança da APP para 30m e, também pela não incidência do Código Florestal no meio urbano. Analisando os dados verificou-se que existem faixas de área verde ao longo do rio, estas áreas são evidentes nas imagens de maio de 2009 do Sistema Google Earth (Figuras 3, 4 e 5). Ressalta-se que a área verde citada não pode ser confirmada como mata ciliar, pois não foi realizada visita in loco. Pelas imagens mediram-se as seguintes faixas marginais de áreas verdes: 65% dos lotes apresentam área verde inferior a 10m (dez metros), sendo que deste percentual 40% não possuem nenhuma área verde; 25% dos lotes apresentam área verde em média de 15m (quinze metros); 9% dos lotes apresentam área verde em igual ou superior a 30m (trinta metros), sendo que deste percentual 20% possuem área verde superior a 50m (cinquenta metros). 237

13 BR 476 Córrego Vila Marumbi FIGURA 3: RIO BACACHERI ENTRE A BR-476 E O CÓRREGO VILA MARUMBI, TRECHO NO BAIRRO ALTO DA CIDADE DE CURITIBA NO ESTADO DO PARANÁ. FONTE: GOOGLE EARTH (MAIO/2009). Córrego Vila Marumbi RUA JOSÉ VERÍSSIMO FIGURA 4: RIO BACACHERI ENTRE O CÓRREGO VILA MARUMBI E RUA JOSÉ VERÍSSIMO, TRECHO NO BAIRRO ALTO DA CIDADE DE CURITIBA NO ESTADO DO PARANÁ. FONTE: GOOGLE EARTH (MAIO/2009). 238

14 RUA JOSÉ VERÍSSIMO RIO ATUBA FIGURA 5: RIO BACACHERI ENTRE A RUA JOSÉ VERÍSSIMO E O RIO ATUBA, TRECHO NO BAIRRO ALTO DA CIDADE DE CURITIBA NO ESTADO DO PARANÁ. FONTE: GOOGLE EARTH (MAIO/2009). Com base nestas informações pode-se definir que a APP não é respeitada ao longo do trecho estudado do Rio Bacacheri. A área verde existente apresenta-se de forma irregular e descontínua. A recuperação da APP neste trecho somente seria possível através de políticas públicas que visassem a recuperação das áreas degradadas ao longo do curso do Rio Bacacheri. Para a viabilidade deste processo seria necessário à flexibilização do Código Florestal, reduzindo a APP neste caso para uma faixa marginal de 15 metros, pois esta é a maior incidência de área verde existente no trecho analisado. A redução da faixa marginal de preservação evitaria a desocupação de lotes regulares e a demolição de edificações legalmente autorizadas. A exigüidade do espaço urbano de Curitiba e a inviabilidade econômica tornam impossível uma política desocupação de áreas de APP de rios que não apresentam riscos aos ocupantes. Neste trecho seria mais apropriada uma política de educação ambiental para a valorização do Rio Bacacheri e a importância da preservação da sua APP, pois quase na sua totalidade os lotes são ocupados por residências que oferecem baixo impacto ambiental. 7 CONCLUSÃO 239

15 Curitiba no seu processo de urbanização não preservou os rios que cortam o seu espaço territorial. Canalizou e retificou os principais rios para que fosse viável o desenvolvimento econômico e social da cidade. Neste contexto está o Rio Bacacheri que sofreu a retificação do seu curso natural no trecho analisado neste trabalho. Esta retificação viabilizou o desenvolvimento do bairro onde ele está inserido. A APP estabelecida pelo Código Florestal não foi respeitada neste trecho pesquisado. O rio apresenta áreas verdes, mas na sua totalidade, não há preservação permanente da faixa de mata ciliar ao longo do seu curso. A função ambiental da APP não é cumprida face a não existência da mata ciliar e a descontinuidade de área verde ao longo do rio. Neste estudo verificou-se que há possibilidade da recuperação da APP no trecho analisado do Rio Bacacheri, desde que haja uma flexibilização do Código Ambiental, reduzindo a faixa marginal de preservação para 15m, que é a área média de área verde existente no trecho. Também é necessário esclarecer a população da finalidade das APPs, porque esta área é importante para a cidade e para aquele que reside próximo a cursos d água. Poderão ser realizados estudos mais complexos na área para evidenciar soluções mais específicas para o trecho. Educando ambientalmente o cidadão e estabelecendo regras mais viáveis no Código Ambiental para a área urbana, que não sejam taxativas e viabilizem o desenvolvimento da cidade, o meio ambiente será respeitado e consequentemente preservado. REFERÊNCIAS BARZ, Elton Luiz; BOSCHILIA, Roseli; HLADCZUK, Ana Maria; SUTIL, Marcelo Saldanha. História de Curitiba. Curitiba - Das origens ao século XVIII. Disponível em: <http://www.casadamemoria.org.br/index_historiadecuritiba.html>. Acesso em 20/04/2010. BENJAMIN, Antonio Herman; CAPELLI, Sílvia; LECEY, Eladio. Meio Ambiente e acesso à justiça Flora, Reserva Legal e APPs. Vol. 1. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, BRASIL. Lei n.º de 31 agosto de Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismo de formulação e aplicação, e dá outras providências. MEDAUAR, Odete. Coletânea de legislação ambiental Constituição Federal. 7ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais,

16 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de BRASIL. Decreto de 10 de julho de Decreta o Código de Águas. Disponível em: norma-pe.html. Acesso em 20/04/2010. BRASIL. Lei nº de 15 de setembro de Institui o novo Código Florestal. MEDAUAR, Odete. Coletânea de legislação ambiental Constituição Federal. 7ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, BRASIL. Lei de 19 de dezembro de Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providência. MEDAUAR, Odete. Coletânea de legislação ambiental Constituição Federal. 7ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, BRASIL. Lei nº de 18 de julho de Altera a redação da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965m e revogada as Leis nºs 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511, de 7 julho de Disponível em: 803&ano=1989. Acesso em 20/04/2010. CURITIBA. Lei 699 de 16 de julho de Dispõe sobre o Código de Posturas e Obras do Município de Curitiba. Disponível em: Acesso em 15/03/2010. CURITIBA. Lei 2828 de 10 de agosto Institui o Plano Diretor de Curitiba e aprova as suas Diretrizes Básicas, para orientação e controle do desenvolvimento integrado do Município. Disponível em: Acesso em 15/03/2010. CANHOLI, Aluísio Pardo. Drenagem Urbana e Controle de Enchentes. São Paulo: Oficina de Textos, MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 15ª ed. São Paulo: Madalheiros,

17 MEDAUAR, Odete. Coletânea de legislação ambiental Constituição Federal. 7ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, MOTA, Suetônio. Introdução à engenharia ambiental. 4ª ed. Rio de Janeiro: ABES, PIETRE, Ronald. O código florestal e as zonas urbanas. Ano 10, nº 940. Teresina: Jus Navigandi, RIBEIRO, Neiva Cristina. Avaliação da impermeabilização e ocorrência de inundações na bacia do rio Baracheri. Curitiba: UFPR, p. Dissertação (Mestrado). Curso de Pós Graduação em Geologia, Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, SANEPAR, Água direito humano e bem público. Curitiba,

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental São Bernardo do Campo, 15 de maio de 2009. Introdução Tendo em

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

I - Operação SOS São Francisco. Entidades envolvidas: Ministério Público Estadual, PMMA, IBAMA, SEMAD e CREA-MG.

I - Operação SOS São Francisco. Entidades envolvidas: Ministério Público Estadual, PMMA, IBAMA, SEMAD e CREA-MG. Atuação ministerial Área de preservação permanente. Funções: preservar: os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora. proteger o solo assegurar

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal PAINEL III Licenciamento Ambiental Municipal Licenciamento Ambiental Municipal Em 1978 Supressão de vegetação (construções e em áreas públicas) (Código de Posturas de 1974); Em 1981 Supressão de vegetação

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Proposta de equacionamento de conflito ambiental e urbanístico: plantio de eucalipto na faixa lateral

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 Acrescenta expressão ao parágrafo único do art. 2º da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Autor: Deputado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO (*) Gabriel Montilha Nos processos de licenciamento ambiental para a implantação de loteamentos, submetidos à aprovação dos órgãos ambientais,

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR)

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Ab initio deve-se salientar quais áreas estão abrangidas pelo conceito de Áreas de Conservação e/ou

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos.

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. AUTORES: Reginal Exavier¹, Elizabeth Rodrigues Brito Ibrahim² ¹Graduado no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pelo

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui Área Especial de Interesse Ambiental sobre área do Morro Santa Teresa, com identificação de Área de Proteção do Ambiente Natural, de Área de Interesse

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais