PROPOSTA DE PLANO DE MANEJO PARA MICROBACIA DO CÓRREGO AREIA PRETA - DOM CAVATI - MG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE PLANO DE MANEJO PARA MICROBACIA DO CÓRREGO AREIA PRETA - DOM CAVATI - MG."

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 PROPOSTA DE PLANO DE MANEJO PARA MICROBACIA DO CÓRREGO AREIA PRETA - DOM CAVATI - MG. Nilceia Maria da Silva (UNEC-MG) Jorge Luiz dos Santos (UNEC-MG) Resumo A microbacia do Córrego da Areia Preta possui área de 405,5 hectares e está localizada próxima ao núcleo urbano de cidade de Dom Cavati- MG. Dos seus 174,1 hectares correspondentes às Áreas de Preservação Permanente (APPs), 90,4 % foram infringidas com atividades agropastoris. A adequação do uso do solo em conformidade com a Medida Provisória (MP) n de 2000 que dispõe sobre às APPs, trará prejuízos financeiros para os proprietários locais. O presente trabalho consiste em propor um plano de manejo que ajuste as propriedades rurais à legislação ambiental, quanto às APPs, e que recompense as perdas financeiras. A proposta foi embasada em visitas a campo e pesquisa a dados bibliográfico Abstract The microbasin of Córrego da Areia Preta has 405,5 hectares and it is located near the urban center of Dom Cavati city, MG. 174,1 of its hectares corresponding to the Permanent Preservation Areas(PPAs), 90,4% were infringed by agricultural and cattle activities. The right use of the soil according to the Medida Provisória (MP) number of the year 2000 with talk about the PPAs will bring financial damages to the local owners. The present work consists in propose a management plan by adapting the rural proprieties to the environmental legislation, to the PPAs, in order to compensate the financial losses of them. The proposal was based by field visits and researches to bibliographic data Palavras-chaves: Ambiental (Environmental), Manejo (management) e Sustentável (Sustainable).

2 1.INTRODUÇÃO A microbacia do Córrego da Areia Preta possui uma área total de 405,5 hectares e está localizada próxima ao núcleo urbano da cidade de Dom Cavati - MG. Em relação aos seus 174,1 hectares correspondentes às Áreas de Preservação Permanente (APPs), (área alagada, topo de morro, faixa ciliar e nascentes), ficou constatado que 90,4 % foram infringidas com algum tipo de atividades agropastoris como: pastagens, capineira, café e eucalipto, tanto em áreas relacionadas aos recursos hídricos quanto nos topos de morros LORETO (2007). Areia Preta foi a área de estudo escolhida pela pesquisadora para elaboração de dissertação de mestrado, apresentada em 2007, no Curso de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Sustentabilidade UNEC. O estudo detectou também que a adequação do uso do solo em conformidade com a Medida Provisória (MP) n de 2000 que dispõe sobre às APPs, cujo conteúdo foi reeditado na MP n de 2001, trará, a curto prazo, prejuízos financeiros para os proprietários locais. Em contrapartida, diante deste contexto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar as atividades já existentes e propor um plano de manejo que permita a adequação das propriedades rurais à legislação ambiental quanto às APPs e ainda sugerir alternativas e estratégias a fim de recompensar as perdas de renda aos proprietários resultantes do cumprimento da legislação. Desta forma acreditou-se num desenvolvimento mais sustentável possibilitando mais qualidade de vida aos moradores da microbacia e equilíbrio dos recursos naturais no seu interior. A elaboração da proposta foi embasada em visitas a campo e pesquisa a dados bibliográficos de vários autores e, especialmente, aos resultados por Loreto (2007), que utilizou diversas tecnologias como: Sistema de Posicionamento Global (GPS); bases topográficas do LiDAR (Light Detection e Ranging), considerada uma das mais avançadas técnicas de sensoriamento remoto, e as ferramentas de geoprocessamento dos softwares ArcView 3.2 e ArcGis 9.2. Estes instrumentos tornaram possível detectar com maior riqueza de detalhes e precisão tanto as áreas de conflitos como também maior números de nascentes na área de estudo. IV CNEG 2

3 2. METODOLOGIA A base territorial utilizada neste trabalho foi a microbacia hidrográfica Córrego Areia Preta, no município de Dom Cavati-MG, pelo fato da microbacia hidrográfica ser considerada uma unidade ideal para análise de elementos físicos e humanos. Adotou-se uma estrutura de análise alicerçada nos seguintes procedimentos: Obtenção de informações sobre projetos de manejo integrado de recursos naturais que se utilizam microbacias hidrográficas como unidade de planejamento e desenvolvimento de ações, por meio de levantamentos bibliográficos; Visitas a campo, com visitas para reconhecimento da área; Levantamento de informações de dados bibliográficos de vários autores e, especialmente, os resultados apresentados por Loreto (2007), em estudo sobre a microbacia Areia Preta, ao qual utilizou diversas tecnologias como: Sistema de posicionamento global (GPS); bases topográficas do LiDAR e ferramentas de geoprocessamento dos softwares ArcView 3.2 e ArcGis 9.2, que forneceram mapas temáticos e tabelas; e Análise do material colhido por Loreto (2007) a partir das entrevistas formais com produtores rurais da microbacia. 3. DESENVOLVIMENTO 3.1 PLANEJAMENTO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS O planejamento ambiental em bacias hidrográficas vem se constituindo nos últimos anos, no caminho mais propício para o desenvolvimento de pesquisas e implementação de ações que visem reverter quadros de degradação ambiental (MACHADO e STIPP, 2003). IV CNEG 3

4 Para Machado e Stipp (2003), as ações desenvolvidas para recuperação ambiental de uma área foram, até os últimos anos, concentradas apenas no recurso água, principalmente pela sua escassez nos centros urbanos e algumas áreas agrícolas. Porém, tornou-se necessário o desenvolvimento de projetos que envolvessem os vários elementos do ambiente como o solo, vegetação, fauna além da água, de forma integrada, que proporcionassem melhores resultados e diminuição dos gastos. A microbacia hidrográfica, unidade básica das atividades é entendida como uma área fisiográfica drenada por um curso d água ou por um sistema de cursos de água conectados e que convergem, direta ou indiretamente para um leito ou para um espelho d água, constituindo uma unidade ideal para o planejamento integrado do manejo dos recursos naturais no meio ambiente por ela definido (MACHADO e STIPP, 2003). As principais ações em um manejo integrado a serem realizadas no âmbito de uma microbacia, segundo Adur e Bertol (1985) são: Conservação das estradas municipais; Controle dos processos erosivos; Recuperação das matas ciliares e conservação das matas nativas; Introdução de novas práticas de manejo e adubação adequada a cada tipo de solo e cultura; Melhoria da qualidade da água para utilização dos agricultores; Diminuição do uso de agrotóxicos; Estimular a criação de associações e cooperativas; Estímulo à diversificação de atividades; e Fixação do homem do campo, com a criação e manutenção de empregos. 3.2 ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE (APPs) Áreas de Proteção Permanente são áreas cobertas ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos (Quadro 1), a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, além de proteger o solo e assegurar o bem estar das populações humanas. As APPs são protegidas por lei, desde 1965 (Lei Nº 4.771), quando foi instituído o Código Florestal (JAQUARIÚNA, 2008). IV CNEG 4

5 Consideram-se Áreas de Preservação Permanente as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: Ao longo de rios e outros cursos d água; Ao redor de lagoas, lagos ou reservatórios naturais ou artificiais; Ao redor de nascentes ou olhos d água; No topo de morros, montes, montanhas e serras; Nas encostas ou partes destas, com declive superior a 45º; Nas restingas, como fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues; Nas bordas dos tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa única inferior a 100m, em projeções horizontais; e Em altitudes superiores a 1.800m. Quadro 1- Áreas de preservação permanente junto aos recursos hídricos: SITUAÇÃO LARGURA MÍNIMA DA FAIXA Cursos d água com até 10m 30m em cada margem Cursos d água de 10 a 50m de largura 50m em cada margem Cursos d água de 50 a 200m de largura 100m em cada margem Cursos d água de 200 a 600m de largura 200m em cada margem Cursos d água com mais de 600m de largura 500m em cada margem Lagos ou reservatórios em zona urbana 30m ao redor do espelho d água Lagos ou reservatórios em zona rural (menos de 20ha) 50m ao redor do espelho d água Lagos ou reservatórios em Zona rural a partir de 20ha 100m ao redor do espelho d água Reservatório de geração de energia elétrica até 10 ha 15 m ao redor do espelho d água Nascentes (mesmo intermitentes) olhos d água Raios de 50 m Fonte: EMATER MG (2006) 3.3 ÁREA DE ESTUDO De forma geral, a Bacia Hidrográfica do Rio Caratinga (BHRC) apresenta-se fortemente antropizada. Originalmente, a região era ocupada por floresta estacional, com ilhas de floresta ombrófila nas grotas mais úmidas e elevadas. No trecho compreendido entre as nascentes, no município de Santa Bárbara do Leste (Alto Caratinga), até o município de Dom IV CNEG 5

6 Cavati (Médio Caratinga), predominam áreas de pastagens, cafeicultura, reflorestamentos e cultivos temporários de fundo de vale (olericultura e culturas anuais de subsistência) (LORETO, 2007). De acordo com Simas et al., (2006), os remanescentes florestais ocupam atualmente cerca de 26% do município de Caratinga enquanto as áreas antropizadas (pastagem, café, culturas anuais e horticultura) somam aproximadamente 69% da área municipal. De certa forma, estes dados refletem a realidade do Alto e do Médio Caratinga, onde predominam pequenas propriedades que têm na agropecuária sua principal atividade econômica (CAMPOS et al., 2000). A microbacia do córrego da Areia Preta está localizada próxima ao núcleo urbano da cidade de Dom Cavati, no trecho médio da BHRC (Fig.1). As geoformas predominantes são morros com topos aplainados, separados por encostas convexas ou côncavas, com vales de fundo chato, típicas da região dos Mares de Morros (Fig.2). A área encontra-se inserida dentro da formação serrana denominada Serra dos Melquíades, divisor geopolítico dos municípios de Dom Cavati (oeste) e São João do Oriente (leste) (LORETO, 2007). A área compreende cerca de 405,5 ha, possuindo uma forma alongada no sentido NE- SO, apresentando um fator de forma 0,45. De acordo com os dados obtidos a partir da técnica de sensoriamento remoto (Light detection e ranging) LiDAR, a altitude varia de 305 m, na sua porção mais baixa, próxima a foz do Córrego Areia Preta no rio Caratinga, a 615 m no topo do morro do Retiro (LORETO, 2007). IV CNEG 6

7 Dom Cavati Figura 1- Localização da microbacia do córrego Areia Preta, no município de Dom Cavati. Fonte: (LORETO, 2007) Figura 2- Mosaico de aerofotos digitais coloridas georreferenciadas. Fonte: (LORETO, 2007) IV CNEG 7

8 3.4 - MATERIAIS CARACTERÍSTICAS MORFOMÉTRICAS DA MICROBACIA Relevo Modelo LiDAR Declividade (%) ha % Plano ,5 10,7 Suave ondulado ,5 3,2 Ondulado ,8 4,7 Forte ondulado ,7 49,7 Montanhoso ,4 29,2 Escarpado > 75 9,9 2,5 Total 395,9 100 Tabela 1 Áreas das classes de declividade obtidas a partir do MDE LiDAR. Fonte: Loreto (2007). IV CNEG 8

9 Figura 3 Mapa de declividades derivado a partir do MDE-LiDAR. Fonte: Loreto (2007) USO DO SOLO E COBERTURA VEGETAL DA MICROBACIA Área Tipo de uso/ocupação (ha) (%) Pastagem 322,4 79,5 Mata 37,2 9,2 Café 18,4 4,5 Brejo 12,4 3,1 Eucalipto 9,2 2,3 Urbanização 3,0 0,7 Capineira 2,9 0,7 IV CNEG 9

10 Total geral 405,5 100,0 Tabela 2 Áreas relativas e absolutas do uso e ocupação. Fonte: Loreto (2007). Figura 4 - Mapa de Uso e Cobertura Vegetal das terras na microbacia hidrográfica. Loreto (2007) DELIMITAÇÃO E ESPACIALIZAÇÃO DAS APPs UTILIZANDO A BASE CARTOGRÁFICA DO SENSOR LIDAR Classe de APP Área Proporções (%) (ha) APPs Microbacia Área Alagada 12,1 7,0 3,0 Topo de Morro 97,1 55,7 23,9 Faixa Ciliar 50,6 29,1 12,5 IV CNEG 10

11 Nascente 14,3 8,2 3,5 Total 174,1 100,0 42,9 Tabela 3 Classes de APPs na microbacia Areia Preta, Loreto (2007). Figura 5 Espacialização dos tipos de ÁPPs na microbacia Areia Preta. Loreto (2007). IV CNEG 11

12 ÁREAS EM CONFLITO DE USO NAS APPs IV CNEG 12

13 Tipo de Área de Preservação Permanente Uso e cobertura vegetal Faixa ciliar Topo de morro Nascente Área Ala Área Renda Bruta Área Renda Bruta Área Renda Bruta Área Re (há) (R$) (ha) (R$) (ha) (R$) (há) Pastagem 40, ,10 76, ,36 12, ,42 7,4 3 Café 0, ,00 8, ,00 0,0 0,00 0,0 Capineira 0,2 108,00 0,0 0,00 0,3 162,00 0,2 Eucalipto 0,7 840,00 1, ,00 0,0 0,00 0,0 Mata 4, , , ,0 Brejo 3, , , ,5 - Urbanização 0, , , ,0 - Total 50, ,10 97, ,36 14, ,42 12,1 3 Tabela 4 Uso do solo em APPs e estimativa da redução de renda bruta anual na microbacia do córrego da Areia Preta usos que não representam redução de renda. Observação: Os índices utilizados para a montagem deste quadro foram obtidos através de informações com proprietários rurais e com o engenheiro da EMATER do escritório local de Dom Cavati. Loreto (2007).

14 PROPOSTA DE PLANO DE MANEJO PARA A MICROBACIA PROBLEMA AMBIENTAL Em seus estudos sobre a Bacia Hidrográfica do Rio Caratinga, Campos et al., (2000), considerou sua estratificação em dois grandes compartimentos e a microbacia Areia Preta ficou inserida no compartimento que compreende o alto e médio curso do rio Caratinga, mais precisamente, nos domínios do Subcompartimento do Bloco Rebaixado de Caratinga. As classes de solos predominantes neste subcompartimento são os seguintes: Latossolo Vermelho Amarelo, os solos Aluviais em alguns locais, os Cambissolos, Latossolos Vermelho Amarelos Húmicos localizados nas cabeceiras de algumas microbacias que nascem na margem esquerda do rio Caratinga (CAMPOS et al., 2000). A combinação dessas classes de solos, do relevo e da antropização, predominantemente a base do plantio da lavoura do café e da pecuária, acarreta a este subcompartimento acentuada erosão, que em muitos casos, chega a expor o horizonte C (CAMPOS et al., 2000). De fato, Loreto (2007), constatou essa realidade na microbacia Areia Preta (Fig.7). Figura 7 Processo acelerado de erosão e avançado de degradação, provocado pelo pisoteio excessivo do gado. Loreto (2007).

15 15 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO METAS DA PROPOSTA A microbacia Areia Preta possui 15 (quinze) propriedades rurais e essa proposta é para atingir o todo, logo parte da premissa da necessidade da formação de uma associação de produtores. Neste sentido a iniciativa deseja apoiar e incentivar o associativismo dos produtores da região, como forma de ampliar o desenvolvimento econômico, construir a cultura da co-gestão dos beneficiários da proposta e promover o sentimento da cidadania na região. São metas da proposta: Criação da associação dos produtores rurais da Microbacia Areia Preta; Criação de viveiros de mudas para manter as ações de reflorestamentos e plantio demais culturas; Desenvolvimento do ecoturismo através do estabelecimento de trilhas interpretativas e informativas em função das principais nascentes da região. A função desta atividade será a educação ambiental, procurando conscientizar e informar as pessoas da região sobre a importância da preservação deste ecossistema e, futuramente, exploração econômica de visitantes temporários; Criação de um centro de educação ambiental, treinamentos e cursos técnico-agrícolas (EFA s Escola Família Agrícola) que terá a função básica de realizar cursos e treinamentos de técnicas agrícolas para os produtores da região. Criação de convênios com órgãos públicos federal, estadual e municipal (prefeitura de Dom Cavati), instituições de ensino, empresas privadas e demais órgãos de fomento que possam auxiliar as ações na microbacia PROPOSTAS DE MANEJO PARA MICROBACIA AREIA PRETA PASTAGEM Ocupa uma área de 322,4ha dos 405,5ha total da área da microbacia, onde 136,8ha está compreendido em áreas de APPs. É a atividade mais rentável, porém a forma com que vem sendo manejada tem deixado marcas profundas como sinais de erosão, compactação dos solos e sérios comprometimentos dos recursos hídricos. O conceito de Pastagem Ecológica vem sendo usado de forma crescente em diversas regiões do país, principalmente na Região Amazônica, como o melhor caminho para a obtenção de uma pecuária sustentável e mais produtiva (MELADO, 2003).

16 16 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Devido a redução da área de pastagem, a favor das APPs em Areia Preta, que implicará diretamente numa diminuição significativa na renda das famílias, a forma mais viável será a busca por uma pastagem de qualidade, propondo um manejo que vise sua recuperação de forma ecológica através de técnicas e experiências semelhantes aos de outros lugares como a Fazenda Ecológica que, conforme Melado (2003), trabalha com o Sistema de Pastoreio Racional Voisin proposto por André Voisin em Neste sistema, de acordo com Melado (2003), a utilização da pastagem é feita através de uma rotação racional, que proporciona o melhor aproveitamento possível das forrageiras, resultando num nível de produtividade que chega a três vezes a alcançada pelo sistema extensivo na mesma pastagem. O Pastoreio Voisin é o principal componente da receita para que uma pastagem se torne sustentável e mais produtiva. Este sistema tem seu ponto fundamental no atendimento das necessidades fisiológicas do capim, ao mesmo tempo em que se procura atender às do gado. Logo, automaticamente as necessidades do solo também são satisfeitas, proporcionando um equilíbrio positivo do trinômio solo capim - gado SILVICULTURA (EUCALIPTO) Constitui uma área total de 9,2 ha, onde 2,5 ha estão irregulares, em faixa ciliar e topo de morro. É uma atividade necessária por ser utilizada em substituição da madeira proveniente das matas em benfeitoria nas propriedades, e ainda pode-lhes render algum dinheiro de tempo em tempo com o corte. Recomenda-se no caso desta realidade, plantá-la em faixas alternadas com a pastagem, onde existem indícios de erosão no intuito de contê-las, pois além de servir como sombra ao gado, diminuirá o impacto do escoamento superficial das águas, contribuirá com a recarga dos lençóis, funcionará como quebra-vento protegendo plantas menores e ainda como corredor ecológico CAPINEIRAS Constitui uma área total de 2,9 ha sendo 0,7 ha em áreas de APPs (nascentes e faixa ciliar). Diante da proposta da continuidade com a criação de gado em áreas de pastagens reduzidas, será necessário o aumento das capineiras, podendo ainda dividir espaço com o plantio de cana para alimentação do gado em épocas mais secas.

17 17 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO A proposta é que ambas sejam plantadas no terço inferior das encostas respeitando os 30 metros das APPs de leito dos rios CAFÉ Abrange uma área total de 18,4 ha infringindo 9,1 das áreas de APPs (faixa ciliar e topos de morros), sendo a maior parte nos topos de morros. Entende-se que numa maior altitude tem-se um clima mais ameno favorecendo seu desenvolvimento. Por ser uma atividade economicamente forte na região, ela deve continuar, porém de forma mais adequada, considerando que a mesma perderá espaço físico dentro desta microbacia a favor das APPs. A área de cultivo não deverá ultrapassar o terço médio das encostas até 45 respeitando as APPs, as técnicas de plantio em curvas de nível e procurar reduzir os herbicidas e/ou substituí-los gradativamente por outros mais ecológicos, evitando assim a contaminação dos recursos hídricos. O caso do café já plantado nos topos de morros (áreas de APPs) somente poderá continuar desde de que criem uma alternativa de compensação dentro da própria microbacia, neste caso poderá ser compensado com o reflorestamento nas áreas de APPs de cursos d água. Poderia ainda ser manejado o café com o plantio de árvores nativas dentro da lavoura. A produção de café sombreado, aliada com o manejo ecológico, iria melhorar a qualidade do mesmo, bem como proporcionaria a diminuição da infestação de pragas e proteção ao solo. As áreas que permanecerão com a cultura do café deverão ser convertidas visando a uma cultura orgânica e/ou certificação, pois irá assim obter maiores lucros, mesmo com a diminuição da área plantada APPs (CURSOS D ÁGUA E TOPOS DE MORROS): Devem ser reflorestadas com espécies nativas. As nascentes deverão ser reflorestadas com espécies nativas e cercadas num raio de 50 metros. No caso desta microbacia que tem uma área estimada em 174,1 ha de APPs para reflorestar deve-se manter um viveiro com mudas de remanescentes tanto quanto de outras espécies a ser utilizadas, tornando assim o custo mais viável para os proprietários.

18 18 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO OUTRAS ALTERNATIVAS ECONÔMICAS PARA MICROBACIA AREIA PRETA PALMITO PUPUNHA A área de cultivo para o palmito pupunha não deverá ultrapassar o terço médio das encostas até 45. A cultura do Pupunha além de gerar emprego e renda para a propriedade e trabalhadores rurais, vem mudando hábitos e costumes tradicionais do meio rural e urbano. Apresenta-se como uma alternativa adequada para as características do relevo acidentado, protegendo e recuperando encostas que antes - destinadas à criação de gado, ocasionava processos erosivos do solo devido ao pisoteio. Oferece ainda aos consumidores do meio urbano, uma alternativa de consumo do palmito, sensibilizando grande parcela da população que ainda consome o palmito Indaiá e Jussara - retirado das áreas de proteção ambiental de forma ilegal. (EMATER, 2008). No período de 18 a 24 meses o palmito pode ser colhido para consumo, podendo ser comercializada em conserva ou in natura. Vale ressaltar que durante a sua colheita não é necessário extraí-lo com a raiz, ou seja, corta-se rente à base do caule e novas brotações surgem a partir de então. Os benefícios trazidos por esta prática são bastante relevantes, pois, dispensa o replantio e não causa remoção de solo (SILVA et al., 2008) APICULTURA A apicultura se beneficia justamente das espécies nativas das áreas de Mata Atlântica. Com o desmatamento, diminui a diversidade e a quantidade de flores. Nesse sentido, de acordo com Franzese (2002) os apicultores se tornam verdadeiros defensores da Mata Atlântica, mantendo em suas propriedades áreas preservadas. Além disso, o trabalho de polinização realizado pelas abelhas contribui muito na manutenção do ecossistema, chegando mesmo a auxiliar na reprodução natural de espécies ameaçadas de extinção. A atividade da apicultura, além de não desmatar ou poluir o ambiente, colabora, por meio da polinização, com a reprodução de espécies nativas, salvando, inclusive, algumas delas da extinção., além de ser ecologicamente fundamental a todos, é particularmente importante aos apicultores, considerando que a produção de mel com qualidade, orgânico e em boa quantidade, depende da preservação da mata nativa. A produção do mel nessas

19 19 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO condições significa um diferencial a esses apicultores, comparando-se com produtores que mantêm seus apiários em áreas agrícolas, com a presença de agrotóxicos (FRANZESE, 2002). Para Franzese (2002), a associação entre apicultura e preservação ambiental produz ainda, novos agentes ambientais. Os apicultores fiscalizam a preservação das matas, além de manter em suas propriedades a vegetação nativa remanescente. Ademais, realizam também ações de reflorestamento, plantando mudas de espécies nativas nas áreas próximas a seus apiários FRUTICULTURA E PISCICULTURA A fruticultura deve ser desenvolvida de acordo com as espécies bem sucedidas na região a exemplo da banana, manga, goiaba e outros, devem ser incrementadas pois a aceitação é forte na região. A piscicultura é uma atividade interessante para a microbacia da Areia Preta no caso de já existir áreas alagadas, além de propiciar renda, até mesmo com um futuro pesque-pague. 4 - DISCUSSÃO E CONCLUSÃO É importante ressaltar que ao se propor um plano de manejo a uma determinada área deve-se conhecer bem a sua complexa interação geológica, pedológica e geomorfológica. Como afirma Schaefer e Simas (2007), faz-se necessário estratificar a paisagem em unidades geoambientais com características próprias em termos de solos, rocha e relevo que são determinantes para descrever seus potenciais e problemas ecogeográficos associados a cada geoambiente. Apesar da ausência de um estudo mais profundo, acredita-se que as alterações e medidas aqui propostas implicarão em resultados positivos, uma vez que já são visíveis as marcas graves deixadas pela monocultura e pecuária na natureza desta região, a qual tem implicado na perda de solos com a erosão, assoreamento e contaminação dos cursos d água, comprometendo assim, todo o futuro da microbacia, gerando o abandono pelos seus moradores, o que já vem ocorrendo em toda a região acarretando sérios problemas nas cidades vizinhas. Vale salientar que os agricultores podem ganhar espaço no mercado quando se unem por meio de associações e juntos buscam parcerias com empresas, órgãos públicos e instituições para implementar um negócio. Admite-se ainda que uma mudança de cultura para

20 20 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO muitos agricultores inicialmente representa riscos, provocando certa resistência, porém, as perdas econômicas no presente, significarão ganhos no futuro, lembrando-se que substituindo certas técnicas degradantes por outras mais sustentáveis, implicarão em qualidade de vida para gerações do presente como para as do futuro. 5 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADUR, A. F & BERTOL, O.J. Programa de manejo integrado de solos e água do Paraná. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE CONTROLE DE EROSÃO. Maringá, BRASIL. Lei nº 4771, de 15 de setembro de Institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 15 de setembro de BRASIL. Medida Provisória (MP) n , de 26 de maio de Altera os arts. 1º, 4º, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei no 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto Territorial Rural, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 26 de maio de CAMPOS, Jackson Cleiton Ferreira, CHARMELO, Leopoldo Loreto, LORETO, Maria das Dores & RODRIGUÊS, Kleber Ramon. Caracterização do Rio caratinga MG. Centro Universitário de Caratinga, Caratinga, EMATER-MG, EMPRESA MINEIRA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Disponível em: <http//:www.emater.mg.gov.br/>. Acesso em: 01 maio EMATER-MG, EMPRESA MINEIRA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Proteção e Recomposição de Matas Ciliares. SÉRIE MEIO AMBIENTE, EMATER-MG, FRANZESE, Cibele. Apicultura Alia-se à Defesa do Meio Ambiente: Projeto Mandaçaia. Fundação Getúlio Vargas EAESP - São Paulo, JAQUARIÚNA. Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente. Disponível em: <http//:www.jaguariuna.sp.gov.br/>. Acesso em: 04 maio 2008.

21 21 IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO LORETO, Fabiana Leite da Silva. Mapeamento de Áreas de Preservação Permanente na Microbacia do Córrego Areia Preta, Município de Dom Cavati - MG, a Partir de Dados do Sensor LiDAR. Dissertação de Mestrado/Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade. UNEC-MG. Caratinga, MACHADO, Walquíria & STIPP, Nilza Aparecida Freres. Caracterização do Manejo de Solo na Microbacia Hidrográfica do Ribeirão dos Apertados-PR. Universidade Estadual de Londrina. Londrina, MELADO, Jurandir. Pastoreio Racional Voisin: Fundamentos Aplicações Projetos. Aprenda Fácil. Viçosa, SCHAEFER, Carlos Ernesto & SIMAS, Felipe Nogueira Belo. Elementos do Meio Físico e a Gestão de Unidades de Conservação. Viçosa: SILVA, Nilcéia Maria da; SÁ, Alessandro de; BASTOS, Letícia da Silva & SANTOS, Jorge Luiz dos. Manejo Sustentável em Unidades de Conservação: o Caso do Palmito Pupunha da APA Ipanema, Ipatinga MG. IV SIMPÓSIO DE ÁREAS PROTEGIDAS. Canela - RS, SIMAS, Felipe Nogueira Belo; SCHAEFER, Carlos Ernesto & FERNANDES, Elpídio. Proposta de Zoneamento Ambiental para o Município de Caratinga: um Subsídio ao Plano Diretor. Centro Universitário de Caratinga/Prefeitura Municipal de Caratinga, 2006.

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

E qual é a nossa realidade???

E qual é a nossa realidade??? E qual é a nossa realidade??? Área urbana invadindo a beira de rio MUNIC 2012 - Dos 366 municípios que declararam sofrer problemas de deslizamento de terra, 25% também declararam ter como causa da degradação

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Seminário "Alterações do Código Florestal e os Desafios do Desenvolvimento Sustentável 25/09/2012 Capital (SP) Dr. Sergius Gandolfi

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente 1981 Mudança na mata ciliar 1986/9

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida Dispositivo legal aplicado em distintos ambientes: Urbano, Rural ou Florestal Área de Preservação

Leia mais

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina Ana Monteiro Barros Hardman de Castro Geógrafa ana_hcastro@yahoo.com.br Jaqueline Passos Ferreira Peluzo Geógrafa LABGIS-NIMA

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012)

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012) MANUAL DE DIREITO AMBIENTAL ROMEU THOMÉ ATUALIZAÇÃO DA 2ª PARA A 3ª EDIÇÃO CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO BRASILEIRO (LEI 12.651/2012) NA PÁGINA 304: Onde se lê: Já em 25 de maio de 2012, e após intensos debates

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001)

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Conhecendo as Leis 1972 1988 1992 193-- 1965 1981 1986 1989 1996 1997 1998 2000/1 1964 1991 2005 O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Sistema Jurídico Ambiental

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas são os insetos polinizadores mais importantes, pois a maioria das espécies de plantas é polinizada por esses animais. Tanto a fase jovem

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico 1. Introdução; 2. Definições, importância e parâmetros; 3. Desafios à delimitação; 4. Considerações. 1. Introdução O Programa de Qualificação da Gestão Ambiental - Municípios Bioma Amazônia, iniciativa

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza EMATER - MG INTRODUÇÃO Os ecossistemas naturais e os agrossistemas existentes nas propriedades

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 10 de fevereiro de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Reconhece como de relevante interesse cultural e ambiental o Balneário dos prazeres,

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

INCOMPATIBILIDADE LEGAL DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO A PARTIR DA APTIDÃO AGRÍCOLA: O CASO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MANOEL ALVES, ITAARA/RS.

INCOMPATIBILIDADE LEGAL DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO A PARTIR DA APTIDÃO AGRÍCOLA: O CASO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MANOEL ALVES, ITAARA/RS. INCOMPATIBILIDADE LEGAL DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO A PARTIR DA APTIDÃO AGRÍCOLA: O CASO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MANOEL ALVES, ITAARA/RS. Franciele da Silva 1 Leonardo Pinto dos Santos 2 Eliane

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO)

63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO) Código Florestal: O Projeto em Tramitação Consequências das Mudanças Propostas Dr. Sergius Gandolfi 63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO) Biólogo, Laboratório de Ecologia e Restauração

Leia mais