INTERPRETAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALTOS-PI1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERPRETAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALTOS-PI1"

Transcrição

1 INTERPRETAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALTOS-PI1 Liriane Gonçalves Barbosa Mestranda do programa de pós-graduação em Geografia Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente Larissa Piffer Dorigon Mestranda do programa de pós-graduação em Geografia Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente Renata dos Santos Cardoso Mestranda do programa de pós-graduação em Geografia Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo discutir o conceito de Áreas de Proteção Permanente definido no Novo Código Florestal Brasileiro e sua aplicação hipotética levando em consideração a análise da organização topográfica e fitogeográfica do município de Altos-Piauí. A discussão teórica está centrada nas normativas definidas no Novo Código Florestal Brasileiro, enfaticamente aquelas que dizem respeito às APPs a partir da abordagem sistêmica de paisagem na perspectiva geográfica. O Código Florestal Brasileiro (LEI n ) é um instrumento legal de ordenamento do território brasileiro reformulado para atender aos anseios e necessidades do país no que diz respeito à questão econômica e de desenvolvimento sustentável. Oferece parâmetros normativos e norteadores de uso e manejo dos bens naturais do país, 1 Esse texto é um ensaio preliminar acerca da discussão de Áreas de Preservação Permanente definida no novo Código Florestal Brasileiro. A pesquisa está em fase de desenvolvimento do interesse das autoras pela interpretação do Código Florestal Brasileiro. 1524

2 principalmente em relação à proteção da vegetação. Esta lei dispõe de instrumentos legais de proteção da vegetação nativa do país. DISCUSSÃO TEÓRICA A origem normativa do conceito de área de preservação permanente - APP está relacionada à inserção legal do termo preservação permanente no âmbito da Lei nº 4.771/1965, considerada o segundo Código Florestal Brasileiro. O primeiro Código Florestal Brasileiro, Decreto nº , de 23/01/1934, não classificava as florestas e demais formas de vegetação como de preservação permanente. Com relação à sua definição, de acordo com o Novo Código Florestal, Lei nº /2012, Artigo 3º, Inciso II, entende-se por área de preservação permanente - APP: área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas (BRASIL, 2012). O Novo Código Florestal trouxe novos parâmetros para a definição e delimitação das APPs. Anteriormente, a Lei nº 4.771/65 (BRASIL, 1965) considerava os topos de morros como APP e a Resolução 303/02 do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA apresentava os parâmetros, definições e limites. Após a publicação dessa nova Lei, não somente tais parâmetros foram alterados como também a forma de calcular sua delimitação, uma vez que a linha imaginária que define a base do morro (base legal, que se difere da base hidrológica) agora é dada pela cota do ponto de cela mais próximo à elevação (OLIVEIRA; FERNANDES FILHO, 2013). É importante ressaltar que na legislação revogada, se o morro apresentasse declividade superior à 17º na linha de maior declividade e altura mínima de 50 metros, o seu topo seria considerado como APP. Porém, o Artigo 4º, Inciso IX do Novo Código Florestal estabelece como APP as áreas no topo de morros, montes, montanhas e serras, com altura mínima de 100 metros e inclinação média maior que 25, aproximadamente 47%, as áreas delimitadas a partir da curva de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínima da elevação sempre em relação à base, sendo esta definida pelo plano horizontal determinado por planície ou espelho d água adjacente ou, nos relevos ondulados, pela cota do ponto de sela mais próximo da elevação (BRASIL, 2012). 1525

3 Com esse novo conceito, grande parte das elevações existentes deixará de ter proteção permanente, pois não será mais considerada como morro. Os novos parâmetros de altura e declividade estabelecidos pelo Novo Código Florestal refletirão significativamente na proteção da paisagem dos relevos ondulados e nas elevações isoladas. Dessa forma, praticamente só as que hoje são consideradas montanhas poderão se enquadrar no novo conceito (AHMAD; RAMOS, 2012). Sobre as áreas de APP de cursos d água, consta no Artigo 4º, Inciso I que foram mantidas as mesmas dimensões da lei anterior, porém, são delimitadas a partir da borda da calha do leito regular e não do seu nível mais alto (BRASIL, 2012). Tendo em vista que o leito maior sazonal compreende o local onde as águas extravasam no período de cheias, correspondentes às planícies de inundação, a proteção dos cursos d água foi drasticamente reduzida, pois a faixa ao longo dos mesmos será alocada onde que se entende ser o próprio corpo d água (AHMAD; RAMOS, 2012). No que se refere às nascentes e olhos d água, tem-se no Artigo 3º, Incisos XVII e XVIII, e Artigo 4º, Inciso IV, o caráter perene para o conceito de nascente, mantendo o de intermitência somente para olho d água, com a definição de APP somente no entorno das nascentes e dos olhos d água perenes, no raio mínimo de 50 m (BRASIL, 2012). De acordo com Ahmad e Ramos (2012), estes aspectos resultarão em menor proteção dos recursos hídricos, pois além da mudança na definição das nascentes, a nova Lei não faz menção à proteção da bacia hidrográfica contribuinte. Esta questão, contemplada na Resolução CONAMA 303/02, possui desdobramento preocupante, uma vez que deixará de ser viabilizada a proteção adequada da área de recarga das nascentes, restringindo-a ao seu entorno imediato. Isso nos leva à conclusão de que as mudanças na legislação ambiental, que deveriam ser no sentido de possibilitar mecanismos para evitar maiores danos aos recursos naturais, na realidade constituem um sério agravante, pois o Novo Código Florestal contém valores mínimos de proteção. No texto atual, por exemplo, as áreas que devem ser obrigatoriamente recuperadas nas APPs foram reduzidas em 50% para os rios com menos de 10 metros de largura e não foram definidas para rios mais largos (SILVA, 2012, p. 27). Os solos e a vegetação nas zonas de influência de rios e lagos são sistemas de reconhecida importância no condicionamento de fluxos, na regulação de nutrientes minerais e condicionamento da qualidade da água, no abrigo da biodiversidade, com seu provimento de serviços ambientais e na manutenção de 1526

4 canais. Existe consenso científico de que essas faixas precisam ser mantidas o mais próximo possível do seu estado natural (SILVA, 2012, p. 103). Em relação às APPs de topo de morro e de encostas, estas compõem áreas de proteção para a vegetação natural dentro das propriedades. A presença de vegetação protetora em tais circunstâncias aumenta a estruturação do solo e, com isso, a permeabilidade, o que resulta em maior amortecimento do aporte e na infiltração da água e contribui para uma recarga lenta de aquíferos (SILVA, 2012). Nesse contexto, as constantes alterações no uso e cobertura da terra, não respaldadas por uma legislação ambiental coerente com a realidade paisagística do território brasileiro, resultam em impactos ambientais das mais diversas ordens. Logo, o monitoramento das modificações na paisagem, bem como a demarcação das áreas que por Lei devem ser protegidas, é necessário para evitar possíveis degradações ambientais decorrentes de ocupações irregulares e falta de manejo adequado. A vegetação atua como agente regulador de processos atmosféricos e intempéricos do solo e relevo, pois regula os diversos fluxos de troca de matéria e energia. Os fluxos de partículas de água na atmosfera e no solo através dos processos de evapotranspiração e infiltração. Influenciam nas características do solo, através da produtividade e fornecimento de matéria orgânica na sua composição química, textural e volumétrica. Atua ainda regulando os processos, quantidade e velocidade (BARBOSA; AUGUSTIN, 2000), de erosão de encostas. No caso da demarcação de APPs, objeto de estudo nesse trabalho, Oliveira e Fernandes Filho (2013, p. 4443) destacam que a realização desse procedimento em campo demanda conhecimento técnico e instrumentos específicos (GPS, altímetro, mapas topográficos etc.), além de grande esforço por se tratar muitas vezes de áreas de difícil acesso. Se por um lado é impraticável que isto seja feito pelos próprios produtores rurais (em sua grande maioria), por outro, é logisticamente inviável que os técnicos ambientais percorram todas as propriedades para fazê-lo. Como alternativa esse procedimento pode ser viabilizado através da utilização de técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto. Suas técnicas e métodos possibilitam a identificação e análise de alvos de interesse e a aplicação da legislação que dizem respeito à questão ambiental, o que se torna um meio viável de análise e monitoramento de áreas de preservação ambiental (HOTT et al., 2004; NERY et al., 2013; OLIVEIRA, 2014). 1527

5 Portanto, a delimitação em sistemas de informação geográfica (SIG) apresenta maior rapidez e padronização nas medições, incluindo um banco de dados georreferenciado. Dessa forma, este trabalho se propõe a apresentar um cenário hipotético de aplicação de APPs no município de Altos-PI, conforme o disposto no Novo Código Florestal, a partir da análise da organização da cobertura vegetal e da topografia do relevo do município. ÁREA DE ESTUDO Altos é um município localizado no estado do Piauí (Figura 1) entre as coordenadas geográficas de 5 º02' Sul de latitude e 42º28' Oeste de longitude e faz parte região urbana da Grande Teresina (IBGE, 2014). Figura 1. Localização do município de Altos. Organização e geoprocessamento: Barbosa; Dorigon e Cardoso (2014). Fonte: Base Cartográfica, IBGE Encontra-se a 42 km de Teresina, capital do Estado, na zona fisiográfica do Médio Parnaíba, microrregião de Teresina e macrorregião do Meio-norte do Piauí (MORAES et al, 2007). Dentre suas principais características físicas destacam-se a precipitação média 1528

6 de 1240 mm/ano, concentrada (89%) no período de janeiro a junho, segundo dados médios de 70 anos e o solo classificado texturalmente como areia franca, com baixos valores de ph e índices de fertilidade (MACHADO et al, 2012). A região do município de Altos começou a ser ocupada a partir de 1800, com a chegada, proveniente do Ceará, da família Paiva. A família e seus descendentes ocuparam o lugar denominado de Altos de João de Paiva (IBGE, 2014). Em 1891, o Capitão Francisco Raulino estabeleceu ali a primeira loja de tecidos nacionais e estrangeiros e outras mercadorias, iniciando também, a exportação. Nessa época, o Povoado contava com 9 casas cobertas de palha. O seu desenvolvimento foi pautado no comércio, ou seja, no setor terciário, e em 1922 foi elevado à categoria de município com a denominação de Altos, pela lei estadual nº 1401, de , desmembrado dos municípios de Teresina, Campo Maior e Alto Longá. Atualmente o município conta com uma área de aproximadamente 958 km2 e população de habitantes (IBGE, 2010) e tem o ecoturismo como crescente atrativo turístico e econômico. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A concretização deste artigo ocorreu a partir de duas etapas, uma de ordem prática e a outra teórica, sendo que estas não foram realizadas de formas separadas, estiveram sempre correlacionadas. Iniciou-se com a com a leitura e interpretação do novo Código Florestal Brasileiro, a fim de identificar os elementos e parâmetros a serem mapeados quando se pretende analisar as atuais Áreas de Preservação Permanente (APP). As etapas práticas, ou seja, as delimitações das APP s em topos de morros e em corpos d água foram realizadas através de uma série de processos que localizaram estas áreas com base em funções matemáticas no SIG ArcGIS A base de dados utilizada foi o Projeto Topodata com resolução espacial de 30 metros, disponibilizado gratuitamente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais2, além da base cartográfica do município de Altos obtida junto ao site do Instituto Brasileiro de Cartografia e Estatística (IBGE) 3. Especificamente para a delimitação das áreas de APP em topos de morros foram

7 geradas cartas de hipsometria e declividade do município. A hipsometria foi obtida a partir da carta de altitude do projeto Topodata e classificada automaticamente. A fim de auxiliar a visualização das altitudes do relevo foram também extraídas as curvas de nível, a cada 50 metros, através da ferramenta Contour existente no software utilizado. Já a declividade foi extraída a partir da imagem Topodata e também classificada, porém de forma manual, com intervalos de 11,75%,. Com a carta finalizada foi realizado um processamento na ferramenta Raster Calculator, o qual gerou um novo raster contendo somente áreas com declividade inferiores ou superiores à 25 graus. A delimitação das APP s em torno dos corpos d água e das nascentes foi efetuada a partir da extração da drenagem do município e a criação de buffers. Segundo Teixeira e Christofoletti (1997), a ferramenta buffer é uma forma de análise de proximidade, nas quais zonas de uma determinada dimensão são delimitadas em volta de uma feição ou de um elemento geográfico. Sendo assim, para os cursos d água foram criados as delimitações proporcionais à largura aproximada dos mesmos. Para rios com largura inferior a 10 metros os buffers apresentam 30 metros, enquanto que rios cuja largura varia entre 10 e 50 metros foram construídos buffers de 50 metros. As nascentes foram extraídas das drenagens, uma vez que foram criados pontos em cada início de segmento (drenagem) dando origem ao arquivo das nascentes da região e então, aplicou-se novamente o buffer nos pontos, utilizando-se o parâmetro legal de 50 metros. A próxima etapa desse trabalho será a conclusão do mapa fisionômico da vegetação (em estágio de elaboração) do município de Altos, com a delimitação dos padrões de cobertura vegetal e usos e ocupação da terra. Por fim, tendo o mapeamento completo será gerado, a partir do cruzamento dos dados obtidos nos demais mapeamentos, um mapa final das áreas de APPs e a análise textual da realidade encontrada no município de Altos em comparação com a regulamentação de Áreas de Preservação Permanentes presente no Novo Código Florestal Brasileiro. RESULTADOS E DISCUSSÃO O Código Florestal Brasileiro (LEI n ) define e normatiza, com base em parâmetros geomorfométricos e hidrográficos as áreas prioritárias a preservação ambiental 1530

8 de maneira permanente em todo território nacional e estabelece normas legais para proteção da vegetação dessas áreas. Perante esta lei, APP é toda área com ou sem cobertura vegetal nativa que cumpri a múltipla função de preservar recursos hídricos e a paisagem, proteger o solo e promover a manutenção da estabilidade geológica e da biodiversidade, facilitando o fluxo gênico da fauna e da flora e assegurando o bem estar da sociedade. Considerando as normas e parâmetros estabelecidos no CFB para delimitação de APPs, os dados preliminares obtidos através do levantamento cartográfico inicial realizado para Altos, apontam a existência de uma quantidade significativa de áreas de APPs no município. Tais dados permitem inferir a identificação de pelo menos quatro categorias de APPs: áreas marginais a cursos d água tanto de nível superior a 10 metros de largura quanto inferior a essa metragem. Reservatórios artificiais resultados de represamento de cursos d água, nascentes e olhos d água e topos de morros. A geomorfologia de Altos obedece a uma organização espacial de formas de relevo esculpidas em terrenos da bacia sedimentar do Parnaíba, constituída de superfícies aplainadas e dissecadas em interflúvios tabulares e degraus e patamares de planaltos residuais esculpidos sobre sedimentos do terciário (CPRM, 2010). A topografia do município oscila entre as altitudes de 100 a 270 metros, predominando superfícies cuja altitude não ultrapassa os 180 metros. O mapeamento hipsométrico e das curvas de nível (fig.2) mostra a concentração de superfícies topográficas de altitudes acima dos 200 metros a oeste do município na direção norte/sul e maior concentração de terrenos com altitudes inferiores a 180 m a leste, norte e nordeste do município.a declividade dos terrenos não ultrapassa o percentual de 45%.A maioria dos terrenos das região são planos e suave ondulados com declives que não superam 3% e 8 %, respectivamente.os maiores percentuais de declividade são apresentados pelos terrenos de maiores altitudes, concentrados ao sul do município, com declividade fortemente ondulada e percentuais de 20 a 45% (fig.3). Na carta de declividade (fig.3) é possível observar a organização espacial das feições de relevo de Altos, de acordo com a declividade.a declividade tem papel importante no controle da erosão do solo, uma vez que a taxa de perda de energia e matéria orgânica do solo é tanto maior quanto maior for a declividade.ricardo et al, (2001) ao avaliarem os efeitos da declividade no solo e da energia cinética decorrente das chuvas, inferiram proporcionalidade nos valores de declividade do terreno e nas taxas de perda de solo e 1531

9 energia.assim à medida que aumenta os percentuais de declive do terreno, aumentam as taxas de perda do solo e energia da superfície do relevo. O mapeamento fitofisionômico do município, em estágio de elaboração, tem indicado outro fator importante quanto à declividade desse município. Nos patamares de planaltos residuais e interflúvios tabulares de altitude superior a 180 metros predomina um padrão fisionômico de vegetação de floresta arbórea mesclada nos interflúvios, com a vegetação de cocais, indicando que a vegetação dessa região também obedece a fatores morfométricos do relevo. Figura 2. Carta imagem de Hipsometria e Curvas de Nível do município de Altos. Sistema de Coordenada: SIRGAS 2000; Projeção Transversa de Mercator. Banco de Dados: Imagem SRTM TOPODATA (INPE-2009);Malhas Digitais IBGE (2010). Organização e geoprocessamento:barbosa;cardoso; Dorigon (2014). 1532

10 Figura 3. Carta imagem de Declividade do município de Altos. Sistema de Coordenada: SIRGAS 2000; Projeção Transversa de Mercator. Banco de Dados: Imagem SRTM TOPODATA (INPE-2009);Malhas Digitais IBGE (2010). Organização e geoprocessamento: Passos (2013). Levando em consideração os parâmetros estabelecidos pelo CFB para APPs de encostas, e as condições geomorfométricas apresentadas no mapeamento topográfico, o município não apresenta terrenos que atendam tais critérios. Por outro lado, apresenta quantidade significativa de terrenos com características que se encaixam nos critérios da Lei para delimitação de APPs de topos de morros. O CFB estabelece para delimitação de APPs de topo de morros altitude mínina de 100 metros e inclinação de 25º graus.a carta de declividade geoprocessada em graus (fig.4) mostra concentração de feições topográficas na região sul de Altos, com padrões geomorfométricos que atende aos parâmetros normativos da Lei. Essa área do município apresenta morros com altitudes entre 100 e 270 metros e declividade que chega a 45% e 25, assumindo características de feições fortemente onduladas. Na figura 5, a partir do zoom das imagens SRTM (A), gerada no Global Mapper e imagem 3D (B), do Google Earth é possível inferir os dados demonstrados na carta de 1533

11 declividade em graus do imageamento de morros residuais testemunhos.a figura mostra a imagem de morro residual testemunho com altitude acima de 200 metros e inclinação média maior que 25, esculpido durante um longo período de geológico.a ilustração da imagem B representa um modelo esquemático de como pode ser feito o cálculo para delimitar o topo de morro para fins de criação de uma APP. A Lei determina que só será APP de topo de morro, o topo ou feição geomorfológica de curvatura de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínina da elevação em relação a sua base com altitude mínima de 100 metros e inclinação média maior que 25, sendo sua base definida pelo ponto de sela mais próximo da elevação para o caso de relevos ondulados como o de Altos.No exemplo esquemático da imagem B (fig.5), em caso de aplicação do CFB naquela região, se cosntitui APP o terço superior do morro com altitude entre 190 e 210 metros. Figura 4. Carta de Declividade em graus do município de Altos. Sistema de Coordenada: SIRGAS 2000; Projeção Transversa de Mercator. Banco de Dados: Imagem SRTM TOPODATA (INPE-2009);Malhas Digitais IBGE (2010). Organização e geoprocessamento: Barbosa;Cardoso;Dorigon (2014). 1534

12 Figura 5. Imagens SRTM e Google Earth de feição topográfica no município de Altos. SRTM A: padrão do relevo, altimetria e morros testemunhos ao sul de Altos. Google Earth B:morro em destaque com modelo esquemático de delimitação de APP. Banco de Dados: EMBRAPA (2006);STM Global Mapper v 14; Google Earth (2014). Processamento e organização: Barbosa;Cardoso;Dorigon (2014) Outras categorias de APPs constatadas no município de Altos são aquelas que atendem aos parâmetros de drenagem estabelecidos no código.assim, hipoteticamente, 1535

13 temos, três tipos de APPs de cursos e corpos d água.as APPs que margeiam os cursos de rios com dimensão métrica de 30 e 50 e as caterias de APPs do entorno de lagos, nascentes e olhos d água.ainda não é possível inferir com sem por cento de precisão o quantitativo de APPs dessas categorias no município, mas uma análise breve da sua drenagem permite verificar a existência de cerca de 20 nascentes de córregos e riachos (fig.6), o que requer a delimitação de um número equivalente de APPs para essas áreas.a afirmação precisa dessa informação carece de inferência em campo, uma vez que apenas atende aos critérios da Lei aqueles corpos hídricos perenes, nascentes e olhos d água e reservatórios naturais. É possível constatar ainda, de acordo com a carta de drenagem (fig.6) que a drenagem do município segue o padrão desarranjado e irregular com bacias de 1ªa 6ª ordem.os cursos d água são perenes e intermitentes, logo seu mapeamento preciso e consequentemente, dos reservatórios oriundos do represamento de parte de suas águas ao longo do seu trajeto permitirá a delimitação de quantidade considerável de APPs dessa natureza. 1536

14 Figura 6. Carta de drenagem do município de Altos. Sistema de Coordenada: SIRGAS 2000; Projeção Transversa de Mercator. Banco de Dados: Imagem SRTM TOPODATA (INPE-2009);Malhas Digitais IBGE (2010). Organização e geoprocessamento: Barbosa;Cardoso;Dorigon (2014). É importante ressaltar que a vegetação em Altos também está, de uma forma ou de outra, relacionada a sua rede de drenagem.no mapeamento inicial da sua vegetação já é possível averiguar essa correlação.um padrão de vegetação predominantemente de cocais aparece quase sempre nas margens dos cursos d água.esse tipo de vegetação se estende geralmente até a alta encosta do relevo, dependendo da declividade do terreno e raramente superam a altitudes superiores a 170 metros.esse padrão é constituido principalmente pela espécie de palmeira babaçu (Attaleyaspeciosa ou Orbygniamartiana).Tipo de vegetação que se desenvolve em ambientes úmidos próximos a lenções freáticos, embora rarammente ocupe áreas inudáveis. A Mata do Cocais é uma vegetação de transição que ocorre nos Estados do Maranhão, Piauí e Ceará, em grande, média e pequena quantidade, respectivamente. A fitofisionomia do município se apresenta conforme três padrões principais: vegetação de floresta arbórea e arbórea- arbustiva densa (padrão I), vegetação de cocais 1537

15 com predomício quase que absoluto de palmeira babaçu (Attaleyaspeciosa Orbygniamartiana)(padrão II) e vegetação ou arbórea arbustiva e campos abertos (padrão III).Esses padrões fitofionômicos da vegetação estão dispostos conforme a organização das feições geomorfológicas e a drenagem. De noroeste a sudoeste do município se alternam os padrões I e II e de nordeste a sudeste predomina o padrão III com pequenas mesclas dos dois primeiros padrões no entorno de cursos e corpos d água e em morros residuais e colinas. CONSIDERAÇÕES Este trabalho teve como área de estudo o município de Altos e como objetivo discutir o conceito de Áreas de Preservação Permanente definido no Novo Código Florestal Brasileiro e sua aplicação hipotética levando em consideração a análise da organização topográfica e fitogeográfica do município de Altos/ Piauí. A partir dos resultados preliminares obtidos com o mapeamento das formas morfométricas, da drenagem e com os parâmetros estabelecidos no CFB foi possível inferir que o município de Altos possui três categorias de APPs. Num cenário hipotético de aplicação do CFB em Altos ficariam protegidas por Lei, áreas de topos de morros localizadas no sul do município, as áreas de nascentes, cursos e reservatórios d água, representando seguramente menos de um terço da área total de seu território. O município de Altos está localizado numa região de divisor topográfico de três importantes bacias hidrográficas do Estado do Piauí: a bacias do rio Parnaíba e de seus afluentes Poti e Longa. O manejo adequado da cobertura vegetal é importante por se tratar de uma área de recarga de bacias. Portanto, a análise mesmo que hipotética, de uma significativa região vegetacional (vegetação de transição com alternância de manchas de palmeiras, campos abertos e vegetação de floresta) como a de Altos pode servir de embasamento a um planejamento ambiental ou como exemplos para outros ordenamentos territoriais. Do ponto de vista social, a vegetação é um fator de amenidades climáticas e causadora de sensação de bem estar térmico. Cumpri funções fundamentais na dinâmica natural do meio ambiente, na recarga hídrica de reservatórios, lençóis freáticos e cursos d água, na proteção e fertilização do solo, no modelado do relevo, na manutenção e proteção da fauna, na purificação do ar e no controle da erosão. 1538

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AB SABER, Aziz Nacib. Os domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, AHMAD, I. T.; RAMOS, R. I. Código Florestal apreciação atualizada. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES-SP. São Paulo, agosto de 2012, p Disponível em: < o_codigo_florestal.pdf>. Acesso em: 2 jul BRASIL. Decreto n.º , de 23 de janeiro de Aprova o Código Florestal que com este baixa. Rio de Janeiro: DOU de BRASIL. Lei n.º de 15 de setembro de Institui o novo Código Florestal. Brasília: DOU de BRASIL. Lei n.º , de 25 de maio de Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e , de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº , de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília: DOU de BRASIL. Resolução CONAMA n 303, de 20 de Março de Dispõe sobre as áreas de preservação permanente. GOOGLE EARTH Community. Europa Technologies. 1 imagem de satélite. [S.l.]: Digital Globe, Disponível em: <http://www. earth.google.com. >. Acesso em: jul HOTT, M. C.; GUIMARÃES, M.; MIRANDA, E. E. Método para a determinação automática de áreas de preservação permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo, com base em geoprocessamento. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélites p. Disponível em:<http://www.cnpm.embrapa.br/publica/do wnload/doc34 _AAAPTM04.pdf>. Acesso em: 20 jun HOTT, M. C.; FONSECA, L. D. M.; PIMENTEL, F. O.; RABELO, M. C.; RESENDE, J. C. Análise do novo Código Florestal em relação a Áreas de Preservação Permanentes para a mesorregião Sul/Sudoeste de Minas Gerais. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE. Disponível em: < df>. Acesso em: 20 jun IBGE. Censo Disponível em: p. Acesso em:04 jun IBGE. Mapas digitais, Disponível Acesso em: nov em: MACHADO, F. A.; BEZERRA NETO, E. ; NASCIMENTO, M. P. S. C. B.; SILVA, L. M. ; BARRETO, L. P. ; NASCIMENTO, H. T. S. ; LEAL, J. A.. Produção e qualidade da serrapilheira de três leguminosas arbóreas nativas do nordeste do Brasil. Archivos de Zootecnia, v. 61, p , NERY, C. V. M.; BRAGA, F. L.; MOREIRA, A. A.; FERNANDES, F. H. S. Aplicação do Novo Código Florestal na Avaliação das Áreas de Preservação Permanente em Topo de Morro na Sub-Bacia do Rio Canoas no Município de Montes Claros/MG. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 06 n. 06 (2013) Disponível em: < ista/article/viewfile/633/500>. Acesso em: 20 jun OLIVEIRA, L. M. As mudanças no Código Florestal Brasileiro e os impactos na cobertura vegetal: exemplo de caso em Varginha, MG. Anais I Simpósio Mineiro de Geografia Alfenas 26 a 30 de maio de 2014, p Disponível em: < 1539

17 es/anexos/lennon%20mazzeu%20de %20Oliveira.pdf>. Acesso em: 21 jun OLIVEIRA, G. C.; FERNANDES FILHO, E. I. Metodologia para delimitação de APPs em topos de morros segundo o novo Código Florestal brasileiro utilizando sistemas de informação geográfica. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE, p Disponível em: < df>. Acesso em 22 jun OLIVEIRA, M. Z.; VERONEZ, M. R.; THUM, A. B.; REINHARDT, A. O.; BARETTA, L.; VALLES, T. H. A.; ZARDO, D.; SILVEIRA, L. K. Delimitação de Áreas de Preservação Permanente: Um estudo de caso através de imagem de satélite de alta resolução associada a um sistema de informação geográfica (SIG). Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, abril 2007, INPE, p Disponível em: 80/2006/ /doc/ pdf>. Acesso em 22 jun Pfaltzgraff, Pedro Augusto dos Santos et al (org.). Geodiversidade do estado do Piauí. Recife: CPRM, Disponível em:< http//pt:www.cprm.gov.br.>.acesso 20 de jul declividade. In: Geo Future: o futuro das geotecnologias, 24 out Disponível em: <http://geofuture.wordpress.com/2009/10/24/ m odelo-digital-de-terreno-modelo-de-declividad e/>. Acesso em: 21 jun SILVA, K. A. M.; MORAES, A. C. S. ; PINHEIRO, A. M. ; COELHO, M. C. ; SOUSA, S. M. F.. Uso e consumo de fitoterapicos na localidade Tinguis, Altos-Piaui. Anais do II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica. João Pessoa, SILVA, J. A. A. S. (coord.). O Código Florestal e a Ciência: Contribuições para o Diálogo / Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Academia Brasileira de Ciências. 2. ed. rev. São Paulo: SBPC, SILVEIRA, C. T; OKA-FIORI, C.; FIORI, A. P.; ZAI, C. Mapeamento de declividade de vertentes: aplicação na APA de Guaratuba / Paraná. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia / Regional Conference on Geomorphology, 2006, Goiânia. Anais do VI Simpósio Nacional de Geomorfologia / Regional Conference on Geomorphology, Disponível em: <http://www.labogef.iesa.ufg.br/links/sinageo/ articles/432.pdf>. Acesso em: 21 jun TEIXEIRA, A. L. A; CHRISTOFOLETTI A. Sistema de Informações Geográficas: dicionário ilustrado. São Paulo: Editora Hucitec, PILLEGGI, F. Modelo digital de terreno/modelo de 1540

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Figura 1 Distribuição da produção de leite na mesorregião Sul/Sudoeste de Minas.

Figura 1 Distribuição da produção de leite na mesorregião Sul/Sudoeste de Minas. Análise do novo Código Florestal em relação a Áreas de Preservação Permanentes para a mesorregião Sul/Sudoeste de Minas Gerais 1 Marcos Cicarini Hott 2 Letícia D Agosto Miguel Fonseca 3 Franciele de Oliveira

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG Felipe Aquino Lima 1, Diego Brito de Oliveira 2, Rodrigo Praes de Almeida 3,

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Apps de Topo de Morro Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Funções Ambientais das Áreas de Preservação Permanente (espaço territorial especialmente protegido: art.225 CF; Lei

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico 1. Introdução; 2. Definições, importância e parâmetros; 3. Desafios à delimitação; 4. Considerações. 1. Introdução O Programa de Qualificação da Gestão Ambiental - Municípios Bioma Amazônia, iniciativa

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS)

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Fernando Angelo Couto Cardoso (*), Deborah Luiza Poletto de Paula,

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012)

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012) MANUAL DE DIREITO AMBIENTAL ROMEU THOMÉ ATUALIZAÇÃO DA 2ª PARA A 3ª EDIÇÃO CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO BRASILEIRO (LEI 12.651/2012) NA PÁGINA 304: Onde se lê: Já em 25 de maio de 2012, e após intensos debates

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades:

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades: Objetivo do Projeto: O trabalho possui como objetivo analisar o impacto da aplicação da legislação ambiental sobre a área de produção agrícola dos municípios, em especial, das áreas de preservação permanente

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO Jéssica Cristina Carreira ¹ Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus de Ji-Paraná. Curso técnico/ profissionalizante

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO ANHUMAS/SÃO PAULO

PROBLEMAS AMBIENTAIS NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO ANHUMAS/SÃO PAULO PROBLEMAS AMBIENTAIS NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO ANHUMAS/SÃO PAULO Bruno Bianchi Guimarães Departamento de Geografia - FCT/UNESP brunob_gui@hotmail.com Raul Borges

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 10 de fevereiro de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Reconhece como de relevante interesse cultural e ambiental o Balneário dos prazeres,

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

E qual é a nossa realidade???

E qual é a nossa realidade??? E qual é a nossa realidade??? Área urbana invadindo a beira de rio MUNIC 2012 - Dos 366 municípios que declararam sofrer problemas de deslizamento de terra, 25% também declararam ter como causa da degradação

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Max Furrier 1 ; Mª Emanuella F. Barbosa 1, 2 mariaemanuellaf@gmail.com 1 Universidade Federal da Paraíba (UFPB);

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais