FACULDADE JANGADA JÉSSICA THAIS ALIEVI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE JANGADA JÉSSICA THAIS ALIEVI"

Transcrição

1 1 FACULDADE JANGADA JÉSSICA THAIS ALIEVI DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DAS ÁREAS DE APPs NAS MARGENS DO RIO ITAPOCU BACIA DO ITAPOCU - SC JARAGUÁ DO SUL 2012

2 2 JÉSSICA THAIS ALIEVI DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DAS ÁREAS DE APPs NAS MARGENS DO RIO ITAPOCU BACIA DO ITAPOCU - SC Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como pré-requisito parcial para obtenção do Grau em Bacharel em Ciências Biológicas. Professor Orientador: Ms Juliano Cristofolini Co-orientador: Dr Julio César Refosco JARAGUÁ DO SUL 2012

3 3 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca da Faculdade Jangada Bibliotecária responsável: Aline Menin Ferreira CRB 14/1360 A398d Alievi, Jéssica Thais Diagnóstico da situação das áreas de preservação permanente nas margens do Rio Itapocu Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu SC / Jéssica Thais Alievi f. : il. color. Orientador (a): Juliano Cristofolini Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas - Bacharelado) - Faculdade Jangada, Jaraguá do Sul, Área de preservação permanente. 2. Ação antrópica. 3. Degradação. I. Título. CDD: Esta obra é licenciada por uma licença Creative Commons de atribuição, não é de uso comercial, licença 2.5.

4 4 FOLHA DE APROVAÇÃO Nome do autor: Jéssica Thais Alievi Título: Diagnóstico da Situação das áreas de APP nas Margens do Rio Itapocu-Bacia do Itapocu - SC Natureza: Trabalho de Conclusão de Curso Objetivo: Curso de Graduação Nome da Instituição: Faculdade Jangada Data da Aprovação: Prof. Ms. Assinatura: Instituição: Prof. Ms. Assinatura: Instituição: Prof. Ms. Assinatura: Instituição:

5 5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus Pais, Irmãs e Cunhados, ao meu namorado, aos meus professores e aos meus amigos e em especial a minha Sobrinha Paola Letícia Klein que é a minha princesinha.

6 6 AGRADECIMENTOS Essa deveria ser a parte mais fácil do trabalho, mas pelo contrário, está sendo a mais difícil. Quando paro para pensar em todos os que de alguma forma me ajudaram ao longo deste tempo, é que percebo o quanto sou dependente de ajuda. A minha lista não é extensa, mas com toda certeza tenho grande sentimentos por aqueles que nela constam. Em primeiro lugar agradeço a Deus pela vida e por mais uma conquista, pois durante a realização deste trabalho passei por graves problemas, e se não fosse o Senhor Deus eu não teria conseguido superar. Agradeço aos meus pais Jair Alievi e Julce Fátima Rodrigues, que compartilharam comigo meus ideais e os alimentaram me incentivando a prosseguir nesta jornada mesmo nos momentos em que minha única vontade era de desistir. A você pai e a você mãe, depois de todo o apoio não bastaria um muito obrigado e sim um EU AMO VOCÊS. As minhas irmãs e cunhados Joice Lais Alievi e Micael Correa Silvestre, Fabiane Conte Klein e Vilmar Klein por me suportarem nos momentos de correria e por entenderem minha ausência em vários momentos importantes. Ao meu namorado Maicon Dione dos Santos pela paciência em me escutar e por dividir comigo não somente as alegrias de metas alcançadas, mas também momentos de angústia e preocupação. Obrigada pelo incentivo e por compreender minha ausência em vários momentos onde a minha presença era de extrema importância para você. Ao meu orientador e professor Ms. Juliano Cristofolini, pelos ensinamentos que com ele adquiri e por todo seu empenho, dedicação, confiança, amizade e apoio durante a graduação e principalmente durante a realização do TCC. Ao meu co-orientador Profº Dr Julio César Refosco por todo conhecimento que compartilhou comigo, pela sua dedicação e empenho em me auxiliar na realização desce trabalho.

7 7 Aos amigos e colegas Morgana Scieptz, Ana Karolina Rucks, Douglas Ribeiro, Carlos Kitamura, Karine Holler, Caroline Coelho e Anja Steinbach. Em especial a Ana Carolina Baruffi, Greice Kelly Wittkoski, Patrícia Schorr e Greici Thiel que foram as que mais estiveram presente durante o meu trabalho. Agradeço também a toda equipe AMVALI, pela amizade, compreensão e pelo tempo cedido durante o trabalho para que eu pudesse realizar este estudo. E por fim gostaria de agradecer a todos aqueles que por muitas noites tiraram meu sono embalando minha madrugada com horas de trabalho, são eles Coimbra e Filho (2006), Tucci (2003), Primo e Vaz (2006), Araújo (2002), Servilha (2008), Crestana (1998), Poleto (2010), Martins (2007), Mota (2007) Thiesen (2009) e muitos outros, pois foram horas e horas em frente ao computador. A todos o meu Muito Obrigada.

8 8 As conquistas de uma noite não planejada te mostram o quão bom é um mundo que você nem pode imaginar. Renato Claros Claros

9 9 RESUMO A maneira como ocorre a ocupação do solo na Bacia do rio Itapocu se faz de forma desordenada, sem haver uma prévia estimativa dos possíveis impactos sobre os recursos naturais. A delimitação das Áreas de Preservação Permanente (APP) é uma importante ferramenta para auxiliar em tomadas de decisão que visam o uso racional destes recursos naturais, possibilitando a conservação do conteúdo biológico contido nestas áreas. O estudo foi realizado na Bacia do Itapocu Norte de SC. O objetivo deste trabalho é diagnosticar a situação das APPs nas margens do Rio Itapocu em toda sua extensão através de imagem de satélite e posteriormente detectar os diferentes tipos de uso que estão ocorrendo no interior destas áreas legalmente constituídas como sendo destinadas para proteção. Para gerar os dados referentes ao tipo de uso dos solos em APP, utilizou-se imagens de satélite do Google Earth com data de passagem em e software de geoprocessamento QuantumGIS versão 1.8 Lisboa. As informações referentes aos tipos de uso do solo foram geradas por meio de uma classificação da imagem através da técnica de interpretação visual. Posteriormente gerou-se uma tabela de atributos onde continha as informações dos pontos de análises. Os resultados encontrados em relação ao tipo de pressão exercida nas áreas de APP nas margens do Rio Itapocu, verificou-se que dos 182 pontos analisados os que predominam ocupando o primeiro lugar da lista totalizando 23,07% dos pontos (42 pontos) encontram-se Mata e Solo exposto. Em seguida constata-se Atividade agrícola (38 pontos) com uma representatividade de 20,87% dos pontos analisados. As pastagens (35 pontos) ocupam o terceiro lugar da lista com 19,23% seguida pela urbanização (19 pontos) que representa 10,43% dos pontos estudados. Com 2,74% dos pontos encontra-se o reflorestamento (5 pontos) e por fim com apenas 0,54% dos pontos verificouse atividade de mineração (1 ponto). A área de estudo consegue demonstrar a pouca importância atribuída às matas ciliares, apesar de contar com proteção legal essa formação já não ocorre de modo contínuo ao longo dos rios, sendo que a sua área está muito fragmentada e sobre grande ação antrópica imprudente. E assim consegue-se identificar a gravíssima condição de preservação e da sua crescente degradação ambiental. As informações geradas são imprescindíveis para alertar quanto à necessidade de preservar as APP. Palavras Chaves: Bacia Hidrográfica, Áreas de Preservação Permanente, Degradação, Ação antrópica.

10 10 ABSTRACT How is land use in the basin of the river Itapocu becomes disorderly, without a prior estimate of possible impacts on natural resources.the delimitation of Permanent Preservation Areas (APP) is an important tool to assist in decision making aimed at the rational use of natural resources, enabling the conservation of biological content contained in these areas. The objective of this work is to diagnose the situation of APPs Itapocu on the river along its entire length through satellite imagery. The study was conducted in the Basin Itapocu - North SC - and subsequently detect the different types of uses that are occurring within these areas legally constituted as being intended for protection. To generate data for the type of land use and APP, we used satellite images from Google Earth to date of passage in and geoprocessing software version 1.8 QuantumGIS Lisbon. Information regarding the types of land use were generated by a classification image using the technique of visual interpretation. Subsequently generated a table of attributes which contained the information from points of analysis. The results regarding the type of pressure in the areas of APP Itapocu on the river, it was found that of the 182 points analyzed predominantly occupying the first place in the list totaling 23.07% of points (42 points) are Forest and Soil is exposed. Then it appears Agricultural Activity (38 points) with a representative of 20.87% of the points analyzed. Pastures (35 points) ranks third in the list with 19.23% followed by urbanization (19 points) representing 10.43% of the points studied. With 2.74% of the points is reforestation (5 points) and finally with only 0.54% of the points there was mining activity (1 point). The study area can demonstrate the low priority given to riparian areas, despite having legal protection that formation no longer occurs continuously along the rivers, and its area is very fragmented and under great human action imprudent. And so it can be identified the serious condition of preservation and its growing environmental degradation. The information generated are essential to warn about the need to preserve the APP. Keywords: Basin, Permanent Preservation Areas, Degradation, anthropic action.

11 11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu com os principais cursos d água. Fonte: sig.amvali.org.br Figura 2: Grade de pontos gerada sobre o rio Itapocu, na Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu/SC geradas no software Quantum Gis 1.8 Lisboa Figura 3: Tabela de atributos gerada pelo Quantum Gis 1.8 Lisboa. para classificação dos pontos selecionados Figura 4: Ampliação da imagem de área de um trecho do Rio Itapocu, na Bacia do Rio Itapocu/SC com dois pontos (em destaque) para classificação de uso de solo

12 12 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Distribuição dos pontos analisados em cada classe de uso do solo...33

13 13 LISTA DE SIGLAS AMVALI - Associação dos Municípios do Vale do Itapocu CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais PMB Produção Mineral Brasileira

14 SUMÁRIO 14

15 15 1 INTRODUÇÃO O Brasil apresenta uma expressiva diversidade de ecossistemas florestais, dada a sua grande área física, diversidade de climas e solos existentes em seu território atlântico (LEITÃO FILHO, 1987). Essa diversidade é conhecida através dos biomas os quais são Caatinga, Cerrado, Pantanal, Pampas, Amazônia e Mata Atlântica. Contudo, desde as clássicas divisões fitogeográficas do Brasil, até as divisões mais recentes, alguns grandes domínios florestais tropicais e sub-tropicais são reconhecidos dentre eles encontra-se a floresta atlântica (MMA, 2012). A Mata Atlântica foi uma formação florestal praticamente contínua ao longo de grande parte da região litorânea, estendendo-se desde o nordeste (Ceará) até o estado de Santa Catarina. A Floresta Atlântica está presente tanto na região litorânea como nos planaltos e serras do interior do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, ao longo de toda costa brasileira. A sua área principal ou central está nas grandes Serras do Mar e da Mantiqueira, abrangendo os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito do Santo (RIZZINI, 1997; RIBEIRO et al, 2009). No Nordeste Oriental, a Floresta Atlântica ocupa as restingas e, principalmente, a formação dos Tabuleiros Costeiros, desde o Rio Grande do Norte até Alagoas. Ao sul de Pernambuco e em Alagoas, reveste também as costas das serras baixas próximas à costa. Tavares (1967) e Andrade-Lima (1970) destacam também a existência de disjunções de Mata Atlântica isoladas nos topos de chapadas sedimentares e nos cumes das serras interioranas do Nordeste, chamadas de Brejos de Altitude (BARBOSA, 2002). A sua largura varia entre pequenas faixas e grandes extensões atingindo em média 200 km de largura (TAVARES, 1967; ANDRADE e LIMA, 1970). Existe grande divergência a respeito da área de abrangência original da Floresta Atlântica. De acordo com Leitão Filho (1987), a cobertura da Floresta Atlântica era quase contínua, estendendo-se ao longo de uma faixa litorânea de largura variável do Ceará até Santa Catarina. Outros autores, como Silva (1980) e Ogawa et al. (1990) apud Silva (1980) consideram que esta floresta se estendia pelo litoral desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul. O IBGE (1994)

16 16 considera que além de localizada ao longo da costa brasileira, a Floresta Atlântica penetrava no interior do país, cobrindo quase a totalidade dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina, além de partes dos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. Em toda sua extensão, a Floresta Atlântica apresenta uma variedade de formações, e engloba um diversificado conjunto de ecossistemas florestais com estruturas e composições florísticas bastantes diferenciadas, acompanhando as características climáticas e geográficas. Como todo o processo de colonização e ocupação do território brasileiro desenvolveu-se, pelo menos no seu início, nas regiões próximas do litoral, a Mata Atlântica vem experimentando alguns séculos de contínua devastação. O resultado deste processo é que, no momento, existem apenas manchas disjuntas da floresta, particularmente em locais de topografia muito acidentada que impede qualquer atividade agrícola. Este ecossistema foi duramente alterado sem ser conhecido (LEITÃO FILHO, 1987 e RIBEIRO et al, 2009). Segundo o Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (2008) Santa Catarina tem sua extensão territorial totalmente inserida no Domínio da Mata Atlântica, incluindo diversas fisionomias florestais e ecossistemas associados, hoje restam em torno de 17% de florestas primárias e secundárias em estágio médio e avançado de regeneração, o que confere ao Estado a terceira posição em termos de área com remanescentes de Mata Atlântica no país. Santa Catarina foi o estado que mais suprimiu a vegetação nativa no bioma Mata Atlântica desde o ano 2000: cerca de ha, correspondentes a um aumento de 7% em relação ao período anterior (Fundação SOS Mata Atlântica e INPE, 2008). Cada ano que se passa o homem vem destruindo o meio em que vive, usufruindo desse para se enriquecer sem a devida preocupação com os efeitos maléficos que podem causar ao planeta e futuro da humanidade. Quando ocorre um desmatamento em certa área, todo o ambiente ao seu redor é afetado prejudicando a biodiversidade do local, empobrecimento dos solos, enchentes dos rios, clima e bem como extinção de varias espécies da fauna e da flora, as mudanças climáticas locais, erosão e o assoreamento dos cursos de água (CRESTANA, 2006). Numa escala global, o desmatamento tem contribuído para os problemas ambientais que atingem a humanidade na atualidade, como o efeito estufa, a

17 17 escassez da água, em determinadas regiões e principalmente as mudanças climáticas (CRESTANA, 2006). Nesse panorama, as áreas matas ciliares são incluídas, não escaparam da destruição, pelo contrário, foram alvo de todo tipo de degradação. Em razão do processo de urbanização muitas cidades foram formadas as margens de rios, eliminando-se estas áreas (CRESTANA, 2006). O código Florestal Brasileiro (BRASIL, 2001) enquadra as matas ciliares Áreas de Preservação Permanente (APP) e define como as localizadas em faixas marginais de cursos d águas, tanques, represas e lagos naturais; ao redor de nascentes. Apesar de essas áreas serem protegidas por um instrumento legal, verifica-se sua ocupação irregular com agropecuária e uso urbano (SANTOS, 2007). Sua importância para a saúde do meio ambiente é indiscutível, possuindo a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico da fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bemestar das populações humanas (BRASIL, 2001). Segundo Krieger, Maciel e Rocha (1998), as áreas de preservação permanente são áreas que pelas suas condições fisiográficas, geológicas, hidrológicas, botânicas e climatológicas, formam um ecossistema de importância no meio ambiente natural. Araújo (2002) explica que as áreas de preservação permanente APP são áreas nas quais, por imposição da lei, a vegetação deve ser mantida intacta, tendo em vista garantir a preservação dos recursos hídricos, da estabilidade geológica e da biodiversidade, bem como o bem estar das populações humanas. O regime de proteção a APP é bastante rígido: a regra é intocabilidade, admitida excepcionalmente a supressão da vegetação apenas nos casos de utilidade pública ou interesse social legalmente previsto. Tal posicionamento corrobora com Rocha (1999) que, reconhecendo as inegáveis qualidades e funções ambientais das APPs e a necessidade de sua proteção, não deixa de constatar a ineficácia da legislação federal que, apesar da previsão de dispositivos de proteção, não conseguiu ainda evitar a degradação das APPs por força da ação do homem ao transformar os espaços naturais para outros usos.

18 18 A princípio tinha-se como objetivo preservar os recursos naturais, solos férteis e florestas nativas remanescentes, que atualmente nem existem mais na grande maioria das APPs, mas que na legislação devem ser protegidos. [..] O que se pretendia proteger e preservar não existe mais em função do alto grau de degradação e alterações realizadas nas margens e nos próprios cursos d água (SERVILHA et al., 2008). Inseridas nas áreas de APPs as matas ciliares constituem uma formação florestal típica de áreas restritas ao longo dos cursos d água e nascentes em locais sujeitos a inundações temporárias. Pela sua estratégica localização essas matas tem vocação de servirem como corredores naturais de ligação entre fragmentos e reservas florestais exercem papel fundamental na manutenção da qualidade da água, na conservação da biodiversidade e do patrimônio genético da flora e da fauna (CRESTANHA, 2006). Segundo POLETO (2010) o termo mata ciliar se refere às formações vegetais que margeiam o curso d água, sendo empregado, costumeiramente, como sinônimo de mata de galeria ou ripária. Matas ciliares tem relação direta na manutenção da qualidade de recursos hídricos, pois são extremamente importantes para impedir e reduzir o assoreamento de corpos d agua ao impedir a erosão da borda, o solapamento de margens e o carregamento de material em suspensão para dentro dos corpos de água por meio do sistema radicular. Segundo MARTINS (2007) essas peculiaridades ambientais conferem as matas ciliares um grande aparato de leis, decretos e resoluções visando a sua preservação. O código florestal (LEI N 4.771/65), desde 1965, inclui as matas ciliares na categoria de áreas de preservação permanente - APP. Assim, toda a vegetação natural (arbórea ou não) presente ao longo das margens dos rios e ao redor de nascentes e de reservatórios, por lei, deve ser preservada. Segundo Teles (2010) Santos et al., (2003) as matas ciliares são áreas de preservação permanente e constituem espécies de espaços territoriais especialmente protegidos, previsto pelo inciso III do 1 do art. 225 da CF/88. Em sua redação original considerava como faixa de preservação permanente, para as florestas e demais formas de vegetação natural situadas aos longos do curso d agua, uma área marginal de cinco metros para rios com menos de dez metros de largura, e de igual ou metade da largura para os cursos com medida de dez a

19 19 duzentos metros, e de cem metros para todos os cursos com largura superior a duzentos metros. Esta faixa teve vigência de 15/09/65 a 15/07/78. Porem o agravamento das questões ambientais nessas últimas décadas teve importante contribuição para que a população mundial atribua maior importância às questões ambientais, havendo grande preocupação no que se refere aos recursos naturais. Dentro deste contexto consegue-se inserir a importância das matas ciliares para o ecossistema (LABADESSA, 2011) O elevado nível de perturbações antrópicas aos ecossistemas naturais tem sido a principal causa da fragmentação dos ecossistemas (VIANA e PINHEIRO 1998). A ação antrópica imprudente, buscando a obtenção de objetivos distintos, faz com que o ambiente natural esteja sendo cada dia mais modificado, e essas alterações podem ser notadas em diversas partes do Brasil e do mundo, sendo que em alguns locais se constitui como verdadeira degradação ambiental (ROSS, 2005). Uma vez que a mata ciliar possui enorme importância para a preservação da vida e da natureza, julga-se relevante a obtenção de maiores informações e esclarecimentos sobre as principais causas que ocasionam a degradação e a supressão das matas ciliares e identificar quais as conseqüências que essa agressão ao meio resultou (LABADESSA, 2011). Segundo Teles (2010) as matas ciliares ocupam as áreas mais dinâmicas da paisagem, tanto em termos hidrológicos, como ecológicos e geomorfológico sendo o termo ribeirinho o que melhor representa a diversidade de condições ecológicas desse ambiente. Essas áreas, também chamadas de zona riparia, estão intimamente ligadas ao curso d água, mas os seus limites não são facilmente demarcados, em tese, os limites se estenderiam ate o alcance da planície de inundação. Segundo Poleto (2010) as matas ciliares são importantes do ponto de vista hidrológico posto que protejam nascentes aumentam o tempo de detenção das águas e conectam as áreas inundadas (terras baixas) e não inundadas (terras altas) atuando sobre diversos processos tais como infiltração, escoamento e ciclagem de nutrientes. Segundo Mota (2007) as matas ciliares tem grande importância ambiental, podemos destacar a cobertura vegetal que contribui para a fertilidade do solo, por meio das folhas, frutos e outros materiais orgânicos. A vegetação proporciona

20 20 proteção do solo contra a ação da chuva e do vento, reduzindo o feito erosivo dos mesmos. Assim as plantas amortecem o impacto das gostas da chuva sobre o solo, favorecendo a infiltração da água e, consequentemente, diminuindo o escoamento superficial. Segundo Cogo e Schwarz (2003) uma das consequências do desmatamento da mata ciliar e a erosão que e uma das formas mais prejudicial de degradação do solo. Além de reduzir sua capacidade produtiva para as culturas, ela pode causar sérios danos ambientais, como assoreamento e poluição das fontes de água. Contudo, usando adequado sistema de manejo do solo e bem planejadas práticas conservacionistas de suporte, os problemas de erosão podem ser satisfatoriamente resolvidos. Fundamentalmente, o processo de erosão hídrica do solo pela água da chuva é condicionado pelos fatores chuva, solo, topografia, coberta, manejo, práticas conservacionistas de suporte e irrigação inadequadas. Tendo em vista a fragilidade das matas ciliares e sua importância para manutenção dos recursos hídricos da bacia, o presente projeto visa realizar o diagnóstico dos possíveis impactos ambientais causados pela ação antrópica na mata ciliar do rio Itapocu, Bacia do Itapocu, Região Norte de SC.

21 21 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo geral Diagnosticar a situação das APPs nas margens do Rio Itapocu em toda sua extensão através de imagens de satélite. 2.2 Objetivos específicos Identificar os tipos de pressão antrópica exercida sobre a mata ciliar; Gerar diagnóstico socioambiental das áreas de APP do Rio Itapocu.

22 22 3 JUSTIFICATIVA hidrográfica. Ocupa Km², abrangendo 12 municípios. Como conseqüência da ocupação histórica às margens do rio, percebe-se nos locais de acesso ao rio, pontes e pontilhões, muros de casas antigas, obras construídas literalmente às margens do rio, sugerindo a falta de preocupação com os efeitos da manipulação das margens à mercê dos interesses antropológicos. Empiricamente, quando se percorre regiões de nascentes é visível a ocupação de grandes trechos de margens por bananais e arrozais. Nas regiões mais baixas da bacia e planícies aluvionais nota-se a ausência da vegetação nativa, que foi substituída por monoculturas como eucaliptos (Eucalyptus spp.), pinus (Pinus spp.) e bambu (Bambusa spp). De acordo com a Lei de 22 de dezembro de 2006, em seu Artigo 7, quanto à proteção e a utilização do Bioma Mata Atlântica far-se-ão dentro de condições que assegurem: II o estímulo a pesquisa, à difusão de tecnologias de manejo sustentável da vegetação e à formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção dos ecossistemas. III o fomento de atividades públicas e privadas compatíveis com a manutenção do equilíbrio ecológico e IV o disciplinamento da ocupação rural e urbana de forma a harmonizar o crescimento econômico com a manutenção do equilíbrio ecológico (BRASIL, 2006). Diante da importância deste ecossistema e sua intensa utilização, resolveu-se adotar a mata ciliar como fonte de estudo para elaboração deste trabalho. Por ser um elemento essencial na manutenção e qualidade dos cursos d água, esse ecossistema vem sendo cada vez mais estudado.

23 23 4 REVISÃO DE LITERATURA 4.1 Contexto Legal Os rios são canais naturais de comunicação para o nascimento das cidades, além de ser o suporte de serviços essenciais, dentre eles o abastecimento de água e a diluição de efluentes domésticos e industriais. Deste modo, com vistas a garantir a manutenção e conservação deste insumo, seria presumível que todo arcabouço legal normatizador do uso e ocupação de suas margens fosse rigorosamente cumprido. Na prática, todavia essas e outras APPs tem sido simplesmente ignoradas na maioria dos nossos núcleos urbanos, realidade que se associa a graves prejuízos ambientais como o assoreamento dos corpos d água e a eventos que acarretam sérios riscos a população como as enchentes e os deslizamentos de encostas (ARAÚJO, 2002). A normatização sobre as APPs é uma das interfaces mais mal trabalhadas entre a legislação ambiental federal [...] e um dos fatores que contribuiu para que isto ocorra são as falhas presentes na legislação (THIESEN, 2009). Segundo Salvador e Padilha (2008) a visão puramente biológica dos problemas de meio ambiente exclui o homem por não querer considerá-lo como possuidor das características peculiares que o distingam dos demais seres vivo. Normalmente, essa integração não ocorre porque, em seu ímpeto protecionista, as legislações ambientais não consideram a existência do homem e sua influência na dinâmica da paisagem na qual as APPs estão inseridas (SERVILHA et al., 2008). De acordo com o Código Florestal Brasileiro (Lei 4.771/1965) são consideradas Áreas de Preservação Permanente as florestas e demais formas de vegetação natural que margeiam os cursos d água, além de topos de morros, montanhas e serras, encostas com declividade superior a 45, restingas, bordas dos tabuleiros ou chapadas, em altitude superior a m e as formas de vegetação natural destinadas a atenuar a erosão, fixar dunas, formar faixas de proteção ao longo de rodovias e ferrovias, auxiliar na defesa d território nacional, proteger sítios de excepcional beleza ou de valor científico ou histórico, asilar exemplares da fauna ou flora ameaçadas de extinção, manter o ambiente necessário à vida das

24 24 populações silvícolas e assegurar condições de bem-estar público (CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO, 1965) Ainda sob aspecto legal, as APPs são mencionadas a Resolução CONAMA 369/2006 que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente (CONAMA, 2006). No que se refere às APPs lindeiras aos cursos d água, a Resolução 303/02 do CONAMA menciona em seu artigo 3 Área de Preservação Permanente a área situada em faixa marginal medida a partir do nível mais alto, em projeção horizontal, em largura mínima de trinta metros para o curso d água com menos de dez metros de largura. Estando ou não coberta por vegetação nativa, de acordo com a Lei 4.771/1965, a função dessas áreas, é preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico da fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Bianchini, et al. (2003) comentam que a vegetação ao longo das margens dos cursos d água recebe o nome de vegetação ripária e a sua função é proteger o solo e os recursos hídricos através da regulação do fluxo de água, de sedimentos e de nutrientes entre os ecossistemas aquático e terrestre. No Brasil, este tipo de vegetação tem sua supressão e exploração legalmente proibidas. A Lei 9.605/98 (conhecida como Lei dos Crimes Ambientais) considera crime destruir ou danificar vegetação em APPs, ainda que esteja em processo de formação, bem como utilizá-la de forma indevida. 4.2 Panorama atual da Mata Ciliar O desenvolvimento do Brasil ocasionou, dentre outros impactos ambientais, o desaparecimento de grande parte da cobertura vegetal original do país, isto é, o país auferiu riquezas econômicas utilizando-se dos seus recursos naturais disponíveis (IBGE, 2005). A destruição da mata atlântica iniciou cedo. Foi pouco depois que os europeus descobriram o Brasil em 1500, que o desmatamento começou, com a exploração em larga escala do pau-brasil (Caesalpinia echinata), até então

25 25 abundante nas florestas costeiras. (COIMBRA-FILHO e CAMARA, 1996 apud PEREIRA, 2006). Esse emprego não se deu de maneira sustentável, gerando assim passivos ambientais a serem recuperados, sendo que um dos passivos é a supressão da faixa ciliar ao redor dos cursos d água, que acarreta a redução da biodiversidade local, bem como o assoreamento e a queda da qualidade da água desses rios. (ANDRADE et al, 2005). Tucci (2003) enfatiza que países em desenvolvimento, como o Brasil, dispõem de processos de urbanização e de obras de drenagem urbanas realizadas de forma insustentável e mal planejadas, gerando intensos processos de degradação ambiental onde a os recursos hídricos é um dos que mais sofrem grandes impactos. Os modelos de desenvolvimento econômico adotados pelas civilizações foram idealizados, geralmente, sem considerar a fragilidade e a importância do ambiente terrestre. Os impactos ambientais causados pelos eventos de degradação e poluição acabam por comprometer cada vez mais os recursos naturais (renováveis ou não) acarretando em um montante de eventos que comprometem os padrões de qualidade de vida humana. Como exemplo o uso indiscriminado do ambiente florestal sem a preocupação de preservá-los ou conservá-los, onde as ações humanas não concebem as matas como componente importante para as mais diferentes dinâmicas ambientais (ciclos hidrológicos, biodiversidade, solos, dentre outros) e pautadas na teoria de uso inesgotável do recurso (PRIMO e VAZ, 2006). Com o passar dos anos a degradação em áreas de APPs vem aumentando gradativamente, é o que mostram estudos realizados, analisando a pressão exercida sobre essas áreas. Primo e Vaz (2006) realizaram um estudo de caso no rio Itapicuru-Açu em Ponto Novo e Filadélfia, Bahia, analisando a degradação e a perturbação ambiental em matas ciliares, A realidade encontrada na área estudada é crítica no tocante à degradação e perturbação ambiental das matas ciliares. Os fatores levantados como causas principais dessa agressão à natureza, já anteriormente citados, continuam sendo praticados sem haver as devidas providências. Verificou-se no estudo fatores que proporcionam a degradação e perturbação ambiental das matas ciliares como: desmatamento, inundações, queimadas, acesso comunitário ao lazer e água, instalação de fábricas de

26 26 cerâmicas, implantação de projetos de agricultura irrigada, construção de barragens e atividades agropecuárias, estavam presentes na região da pesquisa( PRIMO e VAZ, 2006). A partir dos resultados analisados, constatou-se que o nível de degradação ambiental das florestas ciliares é maior que o de perturbações causadas por várias atividades antrópicas. Constatou-se também que a ausência de gerenciamento dos usos múltiplos dos recursos hídricos por parte dos órgãos do controle ambiental, bem como conhecimentos sobre as questões ambientais por parte das populações nos municípios estudados contribuíram para o crescimento dos impactos ambientais negativos encontrados (PRIMO e VAZ, 2006). Em um estudo realizado por Campos e Landgraf (2001) em Viçosa MG com o objetivo de observar a situação atual da mata ciliar do Ribeirão São Bartolomeu. Verificou-se ao longo do trecho do ribeirão em estudo, nove fragmentos de mata ciliar em diferentes estádios de sucessão ecológica, ou seja, todos os fragmentos já havia sofrido algum tipo de ação antrópica. A existência de apenas 3,4 ha com mata ciliar demonstram a pouca importância que se dá as estas áreas na região. Verificou-se que uma prática muito comum é a exploração desses fragmentos em busca de madeira para usos domésticos, como lenha, carvão, mourão de cerca e cabo de ferramenta. Os autores ressaltaram, inclusive, que muitas espécies florestais destes ambientes se encontram em via de extinção principalmente em conseqüência do seu valor econômico e do sistema seletivo de exploração. Para Ferreira e Dias (2004), em muitas propriedades que se estendiam até a margem dos ribeirões, a mata ciliar foi suprimida para dar lugar a pomares. Em geral, as margens dos rios são os terrenos mais férteis de uma propriedade, portanto são as primeiras áreas utilizadas para a prática agrícola. A ocorrência de bambuzais nas margens dôo ribeirões também é bastante freqüente. Santos (2007), trabalhando com análises do uso e ocupação do solo em ÁPP na Bacia Hidrográfica do Rio São Lourenço, em Itajubá MG, afirma que a destaca a importância para a vida e a paisagem da cidade de São Lourenço, pois além de conter as principais áreas de recarga dos mananciais de água mineral, seu curso d água principal corta a cidade praticamente ao meio e a atravessa em seu ponto mais nobre. O mapa de uso do solo mostra que a bacia do Ribeirão São Lourenço encontra-se bastante impactada pela ação antrópica e as áreas de mata

27 27 nativa sofreram intensa devastação e foram substituídas principalmente por pastagens. A área de preservação permanente representa 33,46% (1.328,88 ha) da área total da bacia. A maior parte das APPs (71,50%) encontra-se sob uso inadequado. Fica claro o não cumprimento da legislação ambiental e a necessidade de um plano de recomposição dessas áreas com vegetação nativa, pois os desmatamentos e os usos incorretos do solo refletem na quantidade e qualidade da água da bacia (SANTOS, 2007). Outra análise realizada na microbacia da Água da Limeira, em São Paulo, os usos e ocupações do solo da microbacia são predominantemente agrícolas, com áreas florestais menores do que o estabelecido pela legislação. As APPs estão ocupadas por atividades econômicas em sua maior parte, tendo um pequeno percentual das mesmas cobertas com mata ciliar. Esta situação precisa ser revertida urgentemente visando à adequação das propriedades rurais à legislação ambiental brasileira e à proteção dos recursos naturais destas áreas, que são naturalmente frágeis e importantíssimos para o ecossistema (DELATORRE, et al. 2011). Visando analisar o uso inadequado de áreas de preservação permanente segundo a legislação ambiental da microbacia do Córrego Três Barras - Botucatu (SP), Campos et al. (2009) verificou que o uso inadequado da terra em áreas de preservação permanente é consideravelmente baixo, pois o uso antrópico (inadequado) chega a 29,49% das APPs.

28 28 5 MATERIAIS E MÉTODOS 5.1 Área de estudo A Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu é a região considerada neste trabalho está localizada na região da Baixada Norte Catarinense, nas proximidades do litoral, no Vale do Itapocu com latitude S e e longitude W e Possui altitudes predominantes de 0 a 900 m, médias anuais de 17 a 22 C, mínimas de 7,5 a 12 C e máximas de 28 a 31 C e uma precipitação anual de a mm, sem déficit hídrico (AMVALI, 2012). A Bacia abrange os municípios de Corupá, Jaraguá do Sul, Schroeder, Guaramirim e Massaranduba, parte dos municípios de Barra Velha, São Bento do Sul, São João do Itaperiú e Campo Alegre, pequena porção do território de Blumenau, metade de Araquari e um terço do município de Joinville ocupando uma área de 3.160Km² (AMVALI, 2003) (FIGURA 1). Figura 1: Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu com os principais cursos d água. Fonte: sig.amvali.org.br

29 29 As nascentes do Rio Itapocu surgem na Serra do Mar e desembocam no Oceano. A nascente mais distante é a do Rio Vermelho, em São Bento do Sul que está a 136Km da foz do Rio Itapocu. 5.2 Metodologia A verificação da situação da cobertura vegetal, a identificação das áreas degradadas e a ocupação do solo na faixa de mata ciliar, será de caráter qualiquantitativo, pois vários tipos de dados serão analisados para que se entenda a dinâmica do fenômeno, partindo de questões amplas que vão se aclarando no decorrer da investigação gerando assim um diagnóstico da pressão exercida, conforme a seqüência de procedimentos abaixo: 1) Através de trabalho com fotos aéreas disponíveis no Google Earth de escala 1: e com o auxílio do software de geoprocessamento Quantum Gis 1.8 Lisboa (OSGeo; versão atual QGIS 1.8.0, 2012), será gerado uma grade em toda a extensão do rio Itapocu. Os vértices da grade formarão uma rede de pontos dos quais serão selecionados apenas aqueles que se encontram na faixa de 30 metros da margem do rio (THIESEN, 2009) (Figura 2).

30 30 Figura 2: Grade de pontos gerada sobre o rio Itapocu, na Bacia do Rio Itapocu/SC geradas no software Quantum Gis 1.8 Lisboa. 2) As ocorrências foram agrupados em sete classes de uso do solo: Agricultura (1); Urbanização (2), mata (3), solo exposto (4), pastagem (5), reflorestamento (6) e mineração (7). Para esta etapa será realizada uma análise de abundância das classes buscando demonstrar a condição da mata ciliar na área de preservação permanente. 3) Foi criada uma tabela (Figura 3) de atributos onde se encontram as informações dos pontos. Para cada ponto marcado, foi atribuído um código de identificação utilizando para isso números cardinais (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7) que correspondem às classes analisadas (THIESEN, 2009).

31 31 Figura 3: Tabela de atributos gerada pelo Quantum Gis 1.8 Lisboa. para classificação dos pontos selecionados. 4) Em cada ponto as imagens serão ampliadas até que a visualização fique nítida promovendo assim a identificação da classe e em seguida feita a descrição física do local, transferindo as informações para a ficha de descrição de cada ponto (tabela de atributos). 5) Os registros das fichas de descrições serão utilizados posteriormente para identificar o tipo de uso do solo em cada trecho. Assim será possível identificar a frequência relativa de cada tipo de uso do solo proposta (THIESEN, 2009).

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina Ana Monteiro Barros Hardman de Castro Geógrafa ana_hcastro@yahoo.com.br Jaqueline Passos Ferreira Peluzo Geógrafa LABGIS-NIMA

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROFESSORES DO POSITIVO COMENTÁRIO DA PROVA DE Em Geografia mantendo a tradição a prova da 2ª fase da UFPR 2013 apresentou boa qualidade. Nota-se a preocupação dos elaboradores com a escolha e a abrangência

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Apps de Topo de Morro Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Funções Ambientais das Áreas de Preservação Permanente (espaço territorial especialmente protegido: art.225 CF; Lei

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP -

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Portaria MMA 354/06 APP: Conceito e Legislação GTI APP: Composição e Escopo Proposta de plano de trabalho APP Conceito

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Resolução do CONAMA N 302 de 20 de Março de 2002: Análise e Aplicabilidade

Resolução do CONAMA N 302 de 20 de Março de 2002: Análise e Aplicabilidade Resolução do CONAMA N 302 de 20 de Março de 2002: Análise e Aplicabilidade Mestrando Adriano Couto Duarte 1 Prof. Dr. Francisco Henrique de oliveira 2 Profa. Dra. Edna Lindaura Luiz 3 1 UFSC Departamento

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º

As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º ROSELI S. GANEM e SUELY M. V. G. DE ARAÚJO Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Brasília-DF, 03 de março de 2010 Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano OBJETIVO Revitalizar

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas são os insetos polinizadores mais importantes, pois a maioria das espécies de plantas é polinizada por esses animais. Tanto a fase jovem

Leia mais

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Katiuscia Fernandes Moreira 1, Sérgio Campos 1, Mariana Di Siervo 1, Fernanda Caetano Ferreira Santos 1, Milena Montanholi Mileski

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Seminário "Alterações do Código Florestal e os Desafios do Desenvolvimento Sustentável 25/09/2012 Capital (SP) Dr. Sergius Gandolfi

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais