ASPECTOS FLORÍSTICOS DA APP DO CÓRREGO DO RELÓGIO, COMO SUBSÍDIO PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS DE MARCELÂNDIA, MT.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS FLORÍSTICOS DA APP DO CÓRREGO DO RELÓGIO, COMO SUBSÍDIO PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS DE MARCELÂNDIA, MT."

Transcrição

1 VIII ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ECOLÓGICA 5 a 7 de agosto de 2009 Cuiabá - Mato Grosso - Brasil ASPECTOS FLORÍSTICOS DA APP DO CÓRREGO DO RELÓGIO, COMO SUBSÍDIO PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS DE MARCELÂNDIA, MT. Rosália Valençoela Gomes Barros (Lions Clube de Marcelândia) - Ruth Albernaz Silveira (Lions Clube de Marcelândia)Rubens dos Santos (Lions Clube de Marcelândia) Jonilkem da Silva Almeida

2 ASPECTOS FLORÍSTICOS DA APP DO CÓRREGO DO RELÓGIO, COMO SUBSÍDIO PARA RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS DE MARCELÂNDIA, MT RESUMO A área de estudo situa-se no córrego do Relógio, pertencente à bacia hidrográfica do rio Tapajós, localizada no Assentamento Bom Jaguar, em Marcelândia, MT e teve como objetivo identificar a estrutura comunitária dos estratos arbustivo-arbóreo da APP, bem como selecionar espécies a serem utilizadas na revegetação das áreas degradadas da bacia hidrográfica. A APP do córrego do Relógio e dos demais cursos d água do assentamento sofre processos de perturbação semelhantes aos que são submetidos os demais ecossistemas brasileiros. Os poucos remanescentes florestais necessitam de pesquisas básicas, no sentido de promover e incentivar a conservação e a preservação da flora da região. O conhecimento da organização estrutural das populações de espécies vegetais com identificação dos grupos ecológicos e riqueza florística, é base para a definição de estratégias de manejo, bem como a conservação e restauração de remanescentes florestais. Para o levantamento florístico foi utilizado o método quadrante de amostragem fitossociológica, com demarcação de 4 parcelas de 10 x 10 m. No inventário foram considerados indivíduos com diâmetro (DAP) > 5,0 cm. Nas amostragens foram identificados 139 indivíduos, 25 espécies distribuídas em 11 famílias. Dentre as espécies destacam-se: Trattinickia rhoifolia, Aspidosperma polyneurum, Apuleia leiocarpa, Calophyllum brasiliensis, Dipteryx odorata, Trema micrantha, Euterpe catinga, Mauritia flexuosa e Inga laurina. Constatou-se que os remanescentes florestais compreendem principalmente Florestas Estacionais e que 77,8% das propriedades não possuem APP, estando em desacordo com o Código Florestal Brasileiro. Esta situação sinaliza a necessidade urgente de recuperação e conservação dessa micro-bacia e demais cursos d água da região. Palavras-chave: Composição Florística; Preservação; Córrego do Relógio; Área de Preservação Permanente; Marcelândia-MT. ABSTRACT The study area places in the stream of the Clock, pertaining to the hydrographical basin of the river Tapajos, located in the Good Nesting Jaguar, in Marcelândia, TM and had as objective to identify the communitarian structure of arbustivo-arbóreo stratus of the APP, as well as selecting species to be used in the revegetação of the degraded areas of the hydrographical basin. The APP of the stream of the Clock and the too much water courses of the nesting suffers similar processes of disturbance to that the too much Brazilian ecosystems are submitted. The few forest remainders need basic research, in the direction to promote and to stimulate the conservation and the preservation of the flora of the region. The knowledge of the structural organization of the populations of vegetal species with identification of the ecological groups and florística wealth is base for the definition of handling strategies, as well as the conservation and restoration of forest remainders. For the florístico survey the method was used quadrant of fitossociológica sampling, with landmark of 4 10 parcels of x 10 m. In the inventory individuals with diameter had been considered (DAP) > 5,0 cm. In the samplings 25 species distributed in 11 families had been identified to 139 individuals. Amongst the species they are distinguished: Rhoifolia Trattinickia, Aspidosperma polyneurum, Apuleia leiocarpa, Calophyllum brasiliensis, Dipteryx odorata, Diaresis micrantha, Euterpe catinga, flexuosa Mauritia and laurina Inga. One evidenced that the forest remainders understand Forests mainly Park and that 77.8% of the properties do not possess APP, being in disagreement with the Brazilian Forest Code. This situation signals the urgent necessity of recovery and conservation of this micron-basin and too much water courses of the region. Key-Word: Florística composition; Preservation; Stream of the Clock; Area of Permanent Preservation; Marcelândia-MT.

3 INTRODUÇÃO O Estado do Mato Grosso possui vários domínios vegetais, destacando-se o Cerrado, o Pantanal e a Floresta Amazônica, sendo que esta última está presente mais ao Norte do Estado, mas, existem zonas de contato e/ou zonas de transição entre Cerrado e floresta. A área onde está inserida a Bacia Hidrográfica do córrego do Relógio foi denominada de Floresta Estacional Semidecidual, sendo descrita como uma vegetação ecotonal, onde as espécies florestais umbrófilas e estacionais se misturam aleatoriamente, sem estarem associadas a um determinado tipo de clima, solo e/ou relevo (SEPLAN, 1999). As florestas Semidecíduas do córrego do Relógio sofrem processos de perturbação semelhantes aos que são submetidos os demais ecossistemas brasileiros. Os poucos remanescentes florestais necessitam urgentemente de pesquisas básicas, no sentido de promover a conservação e a preservação dos fragmentos florestais da região. Para Van Den Berg, 1995, essas formações vegetais são sistemas particularmente frágeis em face dos impactos promovidos pelo homem, pois, além de conviverem com a dinâmica erosiva e de sedimentação dos cursos d'água, localizam-se no fundo de vales, que correspondem às áreas de uma bacia hidrográfica onde, comumente, ocorrem os solos mais férteis e úmidos. Por isso, as matas ciliares são tão propensas a derrubadas, dando lugar às atividades agrícolas (BOTELHO e DAVIDE, 2002; OLIVEIRA FILHO et al., 1994). A velocidade de devastação das florestas ameaça os ecossistemas florestais primários, confinando-os basicamente em áreas protegidas. Assim, os estudos direcionados aos estádios sucessionais das florestas secundárias são primordiais, uma vez que as florestas em regeneração constituem importante laboratório natural, capaz de gerar informações indispensáveis ao entendimento da dinâmica sucessional (RIBAS et al., 2003). O conhecimento da organização estrutural das populações de espécies arbustivo-arbóreas, através de estudos fitossociológicos, é base para a definição de estratégias de manejo e conservação de remanescentes florestais e de restauração florestal em áreas degradadas.

4 Para Simões (2001), a recuperação das áreas de Preservação Permanente constitui um dos fatores que, conjuntamente com outras práticas conservacionistas, compõem o manejo adequado da bacia hidrográfica, para fins de garantir a quantidade e qualidade da água e a biodiversidade. A pesquisa foi desenvolvida no Assentamento Bom Jaguar onde grande parte das micro-bacias formadoras do rio Xingu e rio Tapajós encontram-se degradadas em função do desmatamento proveniente da rápida ampliação da fronteira agrícola desprovida de práticas adequadas de conservação, fator que tem contribuído com a redução da quantidade e qualidade da água; assoreamento do leito de rios, soterramento de córregos e nascentes, processos erosivos, presença de voçorocas e mata ciliar substituída por pastagens, gerando expressiva alteração da paisagem. O município de Marcelândia possui taxas crescentes de desmatamento, a taxa anual que até 2001 estava inferior a 100 km², alcançou o patamar de 180 km² anuais em 2002 e 2003 e 280 km² em 2004 (ICV 2005). Em 2007, o município foi considerado líder em desmatamento na Amazônia, ocupou o 1º lugar estando no topo da lista dos que mais desmataram. A perspectiva do asfaltamento do trecho ainda não pavimentado da BR 163 (do extremo norte de Mato Grosso até Santarém no Pará) pode ter uma parte da responsabilidade pela intensificação do processo de ocupação, que está amplamente ligado à expansão do cultivo de soja na região (INPE 2008). Sendo assim, afluentes importantes já apresentam problemas graves de diminuição do volume hídrico, além disso, várias nascentes já secaram. Essa região, a princípio extremamente rica em recursos hídricos, está hoje enfrentando a perspectiva de uma grave crise hídrica. Neste sentido, este estudo visa contribuir para o detalhamento da vegetação do componente arbóreo arbustivo de Marcelândia, por meio da identificação da composição florística e da estrutura fitossociológica do componente arbóreo de um trecho de Floresta Estacional Semidecidual no Assentamento Bom Jaguar, tornando mais eficiente o processo de restauração e recuperação de matas ciliares de rios e córregos desta região. MATERIAL E MÉTODOS O presente trabalho foi desenvolvido no município de Marcelândia norte do Mato Grosso, que possui como principais bacias hidrográficas a Bacia do rio Xingu e Bacia do rio Tapajós. A área de estudo compreende a micro-bacia do córrego do Relógio, pertencente à bacia hidrográfica do rio Tapajós, no Assentamento Bom Jaguar em Marcelândia, MT (Figura 1). A área está situada nas

5 coordenadas 87º89 84 de longitude e 75º68 08 de latitude. Figura 1. Localização do município de Marcelândia-MT. Levantamento Fitossociológico Para a coleta de dados foi realizada a avaliação florística do estrato arbóreo arbustivo a partir de quatro parcelas de 100 m 2, visando conhecer as espécies mais adaptadas ao ambiente degradado e perturbado da nascente do córrego do Relógio. As parcelas seguiram o leito do curso d'água, para melhor conhecimento das espécies de ambiente úmido. Em cada parcela foram registrados e identificados todos os indivíduos arbóreos vivos com DAP (diâmetro a altura do peito) > 5 cm. Foi feito o levantamento florístico de todas as plantas arbóreas com DAP igual ou superior a 5 cm e altura superior a 1,30 m. O levantamento florístico foi realizado em Agosto de 2008, em um fragmento residuário da nascente do córrego do Relógio. O material botânico foi identificado pela comparação e consulta à literatura clássica taxonômica e reconhecimento realizado por mateiros. As espécies foram agrupadas em famílias, de acordo com o sistema do Angiosperma Phylogeny Group II (APG, 2003).

6 As espécies foram ainda classificadas segundo o seu grupo ecológico, adotando-se a metodologia descrita por LORENZI (2002) e SILVA (2002), com a seguinte abordagem: Pioneiras espécies de ciclo de vida curtos, que só germinam e se desenvolvem à plena luz; Secundárias espécies de ciclo muito longo, que germinam e se desenvolvem a sombra, mas ocupam o estrato superior da floresta quando adultas; Clímax espécies que germinam e se desenvolvem sob dossel durante todo o ciclo de vida. RESULTADOS E DISCUSSÃO O município de Marcelândia pertence à mesorregião Norte Mato-grossense e microrregião de Sinop, está localizado no Ecótono Sul Amazônico, onde o mesmo é caracterizado por ser uma área de transição entre as florestas úmidas da Amazônia e os cerrados do Brasil Central. A cobertura vegetal desta região, de acordo com o Projeto RADAMBRASIL 1980, é composta por áreas de Transição ou áreas de Tensão Ecológica, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila Densa e a Floresta Ombrófila Aberta. A Floresta Estacional Semidecidual Submontana é a mais representativa no município quando se trata de extensão, pois representa 975,348 ha, um total de 79,58% do território municipal. O clima da região é do tipo Equatorial quente e úmido, havendo duas estações bem definidas: a chuvosa, que ocorre no período de outubro a abril; e a seca, que corresponde aos meses de maio a setembro (SEPLAN, 1999). A Precipitação anual de 2500 mm com temperatura média anual de 24ºc, a altitude média é de 375 m. O relevo é basicamente formado por Planalto Residual, os solos predominantes são do tipo Glei pouco húmico distrófico a moderado com textura média. Segundo IBGE a área da unidade territorial do município perfaz km² de extensão, está situado a 703,2 km da capital Cuiabá. A economia do município consiste no extrativismo vegetal madeireiro, seguido pela pecuária e em menor proporção da agricultura e comércio. O córrego do Relógio possui aproximadamente m de extensão, apresenta diversos usos e possui baixa reserva de matas nativas e ciliares. Com este trabalho foi possível identificar que a micro-bacia do córrego do Relógio apresenta uma problemática ambiental centrada no parcelamento do solo e na ocupação das áreas adjacentes às nascentes e cursos d água. As atividades realizadas nesta micro-bacia têm contribuído com a redução e extinção da mata nativa, assoreamento do leito do córrego, compactação do solo e processos erosivos. Dentre os usos mais impactantes destacam-se a agricultura, a pecuária leiteira e principalmente a criação de suínos, além da construção de moradia à beira dos cursos d água. ASPECTOS FLORÍSTICOS

7 Os remanescentes florestais da área de estudo compreendem principalmente Florestas Estacionais. A Floresta Estacional caracteriza-se por ocorrer em clima com duas estações bem definidas, uma chuvosa e outra seca. Essa sazonalidade causa nas árvores a queda foliar. Ocorrem espécies dominantes com cerca de 25 metros de altura, com eficiente sistema de adaptação a deficiência hídrica, apresentando uma diminuição do sistema foliar. Essa tipologia de vegetação pode ser Semidecidual (submontana ou aluvial), Arborizada ou Aluvial. Nas parcelas demarcadas foram amostrados 139 indivíduos, distribuídos em 25 espécies e 11 famílias botânicas (Tabela 1). Tabela 01. Relação das famílias e espécies encontradas em um fragmento residuário da nascente do córrego do Relógio, Marcelândia, MT. Nome Popular Nome científico Família Sucessão (*) Açaizinho Euterpe catinga Palmae (Arecaceae) P Amescla Trattinickia rhoifolia Burseraceae P Barbatimão-do-mato Stryphnodendron adstringens Leguminosae-Mimosoideae P Buriti Mauritia flexuosa. Palmae Arecaceae P Cambará rosa Gochnatia polymorpha Compositae P Canelão Ocotea velutinar Lauraceae S Canelinha Ocotea pulchella Lauráceae S Caroba Jacaranda cuspidifolia Bignoniaceae P Champagne Dipteryx odorata Leguminosae-Papilionoideae C Embaúba Cecropia purpurascens. Cecropiaceae P Garapa Apuleia leiocarpa Leguminosae C Grandiúva Trema micrantha Ulmaceae S Guanandi Calophyllum brasiliensis Guttiferae S Ingá-branco Inga laurina Leguminosae P Ingá-feijão Inga cylindrica Leguminosae-Mimosoideae P Leiteiro Sapium haematospermum Euphorbiaceae P Lixeira Aloysia virgata. Verbenaceae S

8 Mamoninha-do-mato Mabea fistulifera Euphorbiaceae P Morcegueira Andira inermis. Leguminosae S Morototó Didymopanax morototonii. Araliaceae S Pacova Heliconia marginata Heliconiaceae S Peroba d água Aspidosperma polyneurum Apocyneceae S Sucupira amarela Bowdichia virgilioides Leguminosae-Papilionoideae P Tucumã Astrocaryum vulgare. Palmae (Arecaceae) P Urucum Bixa orellana Bixaceae P (*) Sucessão: P pioneira; S secundária; C- clímax A família Leguminosae apresentou 4 indivíduos, seguido por Lauraceae também com 4 indivíduos, Palmae com 3 indivíduos e demais famílias com 1 indivíduo (Figura 2). No presente estudo, as famílias Leguminoseae e Palmae foram as mais representativas em termos de riqueza, detendo 32% (8) do total de espécies. Por ser região amazônica, este valor está bem abaixo do esperado, já que estudos sobre a riqueza florística registrada em cada hectare de trechos de Floresta Amazônica indicam valores entre 90 e 322 espécies (MACIEL e LISBOA, 1989; LIMA-FILHO et al., 2001). Em um estudo realizado no Maranhão, em apenas m 2 de Floresta Ombrófila foram amostradas 88 espécies (MUNIZ et al.,1994b). Figura 2. Número de indivíduos amostrados por famílias na área de estudo.

9 O número de espécies pode variar de acordo com o trecho da Floresta Amazônica inventariado, pois à medida que se afasta da região central, onde predomina a Floresta Ombrófila, em direção aos extremos, a riqueza florística diminui, mas ainda continua em níveis mais altos quando comparadas com outros tipos florestais. Geralmente, na Amazônia Central são amostradas mais de 200 espécies em um hectare (Silva et al., 1992; Oliveira & Mori, 1999; Lima-Filho et al., 2001; Oliveira & Amaral, 2004), enquanto que mais para o Leste do Estado do Amazonas este número cai para 145 espécies (Amaral et al., 2000). No levantamento florístico o número de espécies foi influenciado diretamente pela inclusão de arbustos finos no levantamento. Em função da adoção desse critério contribuíram para a riqueza florística Sapium haematospermum, Aloysia virgata, Mabea fistulifera. A espécie que mais ocorreu foi a Aspidosperma polyneurum (Figura 3), seguida em menor número por Mauritia flexuosa, Euterpe catinga, Heliconia marginata, Inga cylindrica, Inga laurina, Cecropia purpurascens, Endicheria paniculaa, Euterpe oleracea, Didymopanax morototonii, Ocotea pulchella, Ocotea velutina e Astrocaryum vulgare. Essas 12 espécies somam 60% do total das identificadas. Em razão da sua alta freqüência, podem ser consideradas as espécies de maior adaptabilidade ao ambiente perturbado das nascentes, sendo portanto as mais indicadas para a recuperação de áreas degradadas de APP. Figura 3 Peroba d água (Aspidosperma polyneurum) A abundância de indivíduos nem sempre é proporcional ao número de espécies, ou seja, poucas espécies podem ser representadas por grandes populações ou uma única espécie pode ser muito abundante na comunidade. Esta observação também se estende às famílias, que podem apresentar alta riqueza, mas

10 serem pouco abundantes. Em um trecho de Floresta Ombrófila Densa amazônica, por exemplo, a família Caesalpiniaceae foi representada por 12 espécies e 56 indivíduos, enquanto Lecythidaceae apresentou apenas cinco espécies e 101 indivíduos, evidenciando a desproporção entre riqueza e abundância para as famílias (Amaral et al., 2000). Dentre as espécies arbóreo-arbustivas identificadas, foram encontrados alguns poucos exemplares de Mezilaurus itauba, Cecropia purpurascens, Apuleia leiocarpa, Dipteryx odorata, Trema micrantha e Trattinickia rhoifolia (Figura 4). A análise da estrutura horizontal da área apresentou densidade total de ind/ha, pode-se dizer que a nascente do córrego do Relógio sofre fragmento florestal da nascente do córrego do relógio encontra-se em estágio médio de regeneração. Figura 4 Amescla (Trattinickia rhoifolia) Grupos Ecológicos No que concerne aos grupos ecológicos, 14 espécies foram classificadas como pioneiras, 02 como clímax exigentes de luz e 09 como Secundárias. Verificou-se maior predominância das espécies pioneiras, como efeito da grande intensidade da fragmentação, os quais fornecem condições favoráveis ao maior estabelecimento de espécies exigentes de luz nesses locais. O maciço estudado apresenta uma distribuição em forma de Jinvertido, que é a forma comumente encontrada em florestas naturais (Machado et al., 2004; Botrel et al., 2002). Esta distribuição se justifica por se tratar, originariamente, de um povoamento misto, mas que já possui indivíduos oriundos da regeneração natural no estrato arbóreo.

11 No levantamento florístico foi possível identificar a posição das espécies nos transectos, com relação à proximidade do curso d água: a) Distribuição preferencialmente próxima ao curso d água: Peroba d água, Açaí, Buriti e Pacova. b) Distribuição preferencialmente distante do curso d água: Mamoninha-do-mato, Champagne, Garapa, Grandiúva. c) Distribuição absolutamente indiferente ao curso d água: Caroba, Ingá, Leiteiro, Lixeira, entre outras Dentre as espécies arbustivo-arbóreas que apresentaram as cinco maiores DAP na área de estudo destacam-se: Aspidosperma polyneurum e Calophyllum brasiliensis apresentaram as maiores alturas, também apresentaram os maiores DAP médios. Inga laurina, considerada uma espécie de florestas maduras, destacou-se no seu diâmetro, encontrando-se um indivíduo com várias ramificações, que deu origem a um DAP de 140,28 cm. A Trattinickia rhoifolia apresentou um comportamento típico de espécies pioneiras, com um ritmo de crescimento mais acelerado em DAP. Apesar de não ter se destacado no crescimento em altura, Ocotea velutinar obteve o quinto maior DAP médio. Através desta pesquisa foi possível perceber que há na área de estudo relativa variedade de espécies florestais, resultado provável da interação com áreas adjacentes e da heterogeneidade ambiental, sendo importante enfatizar, o papel fundamental de algumas espécies florestais tanto para a preservação do ecossistema como para a sobrevivência da fauna da região. Destaca-se como exemplo o cumaru ou champagne, o canelão, a pacova e a embaúba, que apesar de seu porte frágil é responsável pela sobrevivência do bicho preguiça. Através da caracterização física da bacia hidrográfica do Córrego do Relógio constatou-se que no decorrer de seu curso d água, 77,8% das propriedades se encontram em desacordo com o que é estabelecido no Código Florestal Brasileiro de 1965, o qual determina preservação permanente de florestas e demais formas de vegetação natural num raio mínimo de 50 (cinqüenta) metros (BRASIL, 2002). Dentre as propriedades investigadas somente 22,2% possuem APP parcial, ou seja, parte de seu curso d água possui a área de preservação permanente (Figura 5). Esta situação sinaliza a urgência na recuperação e conservação dessa micro-bacia e demais cursos d água da região. Figura 5. Área de Preservação Permanente do córrego do Relógio em Marcelândia-MT.

12 As pressões impostas pelas perturbações ambientais ao fragmento florestal do córrego do Relógio, incluindo alteração e destruição da vegetação do entorno, colocam em risco a flora observada nesta área em particular, justificando medidas de conservação e preservação em curto prazo. Para tanto é necessário haver maior engajamento em políticas públicas locais, com envolvimento de órgãos governamentais, não governamentais e comunidade, com a consolidação de práticas educacionais, pois, o envolvimento e a participação pública na gestão desta sub-bacia está muito aquém do proposto pela Lei de Política Nacional dos Recursos Hídricos (LEI Nº 9.433/97). Diante do exposto recomenda-se algumas medidas a serem tomadas na área de estudo e região: Manter as áreas dos fragmentos florestais nativos e realizar monitoramento adequado dos espécimes observados no fragmento florestal das nascentes do córrego do Relógio. Monitorar a espécie Aspidosperma polyneurum, quando isolada, considerando a má qualidade que esta espécie apresenta, decorrente da pressão da floresta. Manter as bordas de contornos dos fragmentos florestais com vegetação primária como gramíneas, e composição de espécies com função de diversidade e função de preenchimento, para propiciar equilíbrio da mata secundária e minimizar os efeitos de borda e tensão ecológica. Para a área de estudo é importante o enriquecimento com novas espécies vegetais, bem como ações de Educação Ambiental nas comunidades do entorno. Para as demais áreas da sub-bacia do córrego do Relógio é importante a tomada de decisões com vistas à sustentabilidade em várias dimensões, dentre outras, recuperação de áreas degradadas, com estabelecimento de reflorestamento, corredores florestais e formação de banco de sementes. Acredita-se que a implantação de tais medidas a curto e médio prazo certamente irão refletir na melhoria da qualidade do ecossistema, bem como no aumento de oferta hídrica na região.

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMARAL, I.L.; MATOS, F.D.; LIMA, J Composição florística e parâmetros estruturais de um hectare de floresta densa de terra firme no rio Uatumã, Amazônia, Brasil. Acta Amazonica, 30(3): ANDRADE, M. A. Árvores zoocóricas como núcleos de atração de avifauna e dispersão de sementes f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C. Métodos silviculturais para recuperação de nascentes e recomposição de matas ciliares. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 5., 2002, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: p BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C.; FARIA, J. M. R. Desenvolvimento inicial de seis espécies florestais nativas em dois sítios, na região sul de Minas Gerais. Cerne, v. 2, n. 1, p , BOTREL, R. T. et al. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento de floresta estacional semidecidual em Ingaí, MG, e a influência das variáveis ambientais na distribuição das espécies Revista Brasileira de Botânica, v.25, p , BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Normais climatológicas Brasília: p. BRASIL. Lei n , 15 set Institui o novo Código Florestal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l4771.htm>. CARVALHO, D. A. et al. Estudos florísticos e fitossociológicos em remanescentes de Florestas Ripárias do Alto São Francisco e Bacia do Rio Doce - MG. Lavras: Universidade Federal de Lavras/ CEMIG, p. DAVIDE, A. C.; SCOLFORO, J. R. S.; FARIA, J. M. R. Adaptação de 12 espécies florestais em área de empréstimo. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO, 1.; CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 7., 1993, Curutiba. Anais... Curitiba: SBS/SBEF, 1993a. p INPE. Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais. acessado em abril de 2009.

14 IVANAUSKAS, N. M. et al. Aspectos florísticos e fitossociológicos de um trecho de Floresta Estacional Perenifólia na Fazenda Trairão, Bacia do rio das Pacas, Querência-MT. Acesso em abril de LIMA, W. P. A função hidrológica da mata ciliar. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, 1989, Campinas. Anais... Campinas: Fundação Cargil, p MACIEL, U.N.; LISBOA, P.L.B Estudo florístico de 1 hectare de mata de terra firme no km 15 da rodovia Presidente Médici Costa Marques (RO-429), Rondônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Botânica, 5(1): MACHADO, E. L. M. et al. Análise comparativa da estrutura e flora do compartimento arbóreo- arbustivo de um remanescente florestal da Fazenda Beira Lago, Lavras, MG Revista Árvore. Viçosa, v.28, n.4, p OLIVEIRA-FILHO, A. T. Estudos ecológicos da vegetação como subsídios para programas de revegetação com espécies nativas: uma proposta metodológica. Cerne, v. 1, n. 1, p PINTO, L. V. A. Caracterização física da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras-MG, e propostas de recuperação de suas nascentes. 2003, 171f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. G. Heterogeinidade florística das matas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. Matas ciliares: conservação e recuperação. 2. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo/Fapesp, p SEMA, Instrução Normativa nº 05-Disciplina os procedimentos administrativos de licenciamento ambiental das propriedades rurais no Estado de Mato Grosso. (http://www.mt.gov.br/). Acesso: 28/04/07. SEPLAN, Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral de Mato Grosso Dados secundários do DSEE/MT: Zoneamento -Divulga. CD-Rom. Versão VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptado a um sistema universal. [ s. 1. ]: IBGE, p.

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná A Floresta com Araucária no Paraná RICARDO MIRANDA DE BRITEZ SOCIEDADE DE PESQUISA EM VIDA SELVAGEM E EDUCAÇÃO AMBIENTAL - SPVS 1. Introdução Define-se como área de abrangência da Floresta com Araucária

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA Poliana Domingos Ferro 1 Graduanda do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Keywords: Floristics analysis, phytosociological analysis, diversity.

Keywords: Floristics analysis, phytosociological analysis, diversity. COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLÓGICA NUM FRAGAMENTO DE FLORESTA PRIMÁRIA EM SANTA BÁRBARA (ZONA BRAGANTINA), PA. Dayse Natasha Barbosa Pastana 1 ;Kênia Samara Mourão Santos 2 ; Denison Henrique Lima

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FENOLOGIA DE UMA COMUNIDADE ARBÓREA NA AMAZÔNIA CENTRAL COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO Suiane Claro Saraiva;

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Luiz Ermindo Cavallet 1. Eduardo Vedor de Paula 2 RESUMO

Luiz Ermindo Cavallet 1. Eduardo Vedor de Paula 2 RESUMO ESTIMATIVA DE SEQÜESTRO DE CARBONO DA BIOMASSA AÉREA COMO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE EM DECORRÊNCIA DA ADEQUAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA SUB-BACIA DO RIO PEQUENO (ANTONINA - PR) Luiz Ermindo

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. O Secretário do Meio Ambiente, Considerando

Leia mais

Vegetação de Mato Grosso

Vegetação de Mato Grosso Vegetação de Mato Grosso Prof. Pedro Eisenlohr pedrov.eisenlohr@gmail.com Objetivos desta aula Fornecer as bases para o estudo da vegetação de Mato Grosso. Contextualizar historicamente os estudos da vegetação

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061 Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação Marcos Gamberini 20061 O QUE É A MATA CILIAR? 2 As matas ciliares desempenham múltiplas funções no ecossistema Mata Ciliar tem relação direta com a QUALIDADE

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA.

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA. Marcelo Santos de Mendonça Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Bragança. Graduando

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA Luana Auxiliadora de Resende (1) Graduanda em Gestão Ambiental pelo IFSULDEMINAS Campus

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO Santos, J.P.Q. (1) ; Tabelini, H.M. (1) ; Hollunder, R.K. (1) ; Pereira, M.C.A. (1) jaqueline_pego@hotmail.com (1) Graduanda

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

Como recuperar nascentes

Como recuperar nascentes Como recuperar nascentes O passo a passo para que a água brote limpa e em quantidade na propriedade rural. O Código Florestal Brasileiro - Lei na 4.771, de 15/09/65 - determina no artigo 2 0 como Áreas

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE BORDA NA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO, PARANAGUA/PR.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE BORDA NA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO, PARANAGUA/PR. AVALIAÇÃO DO EFEITO DE BORDA NA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO, PARANAGUA/PR. Joyce Costa Batista *, Mary Ellen Luciano, Denise Alves de Oliveira Folha * Acadêmica de Geografia do Instituto Superior do Litoral

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais