Resumo. Ronaldo de ALMEIDA JUNIOR¹ José Carlos Toledo VENIZIANI JUNIOR² Mario Roberto ATTANASIO JUNIOR³

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Ronaldo de ALMEIDA JUNIOR¹ José Carlos Toledo VENIZIANI JUNIOR² Mario Roberto ATTANASIO JUNIOR³"

Transcrição

1 A Legislação Florestal (Lei n /2012) como Instrumento de Proteção e Recuperação das Áreas de Preservação Permanente das Propriedades Rurais da Bacia Hidrográfica do Córrego dos Pires - Jaú-SP Ronaldo de ALMEIDA JUNIOR¹ José Carlos Toledo VENIZIANI JUNIOR² Mario Roberto ATTANASIO JUNIOR³ Resumo A preservação e/ou recuperação das Áreas de Preservação Permanente (APPs) apresenta grande relevância devido à necessidade de proteção dos corpos d água em decorrência da degradação gerada pela ação antrópica. A legislação ambiental representa um dispositivo fundamental à proteção destas áreas. Este trabalho teve como objetivo identificar as APPs e as áreas a serem recuperadas nas propriedades rurais da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires, por meio da aplicação e análise da Lei Florestal (Lei nº /2012). O trabalho foi realizado a partir da delimitação das divisas das propriedades, seguido da elaboração dos mapas de APP e da sobreposição dos mesmos. Os resultados indicaram propriedades na APP. Conforme fundamentação da Lei Florestal, a faixa de preservação foi delimitada e a de recuperação variou de acordo com a área total de cada propriedade. A APP total correspondeu a 26,48ha, sendo necessária recuperação de 12,06ha, isso representou uma área de recuperação não obrigatória de aproximadamente 54%. Levando-se em consideração os problemas encontrados no que se refere ao déficit de vegetação, esta constatação revela à necessidade da elaboração de um plano de recuperação da área, além da reestruturação e complementação das ações previstas na legislação ambiental vigente, visando à adequação das APPs nas propriedades. Palavras-chave: Área de Preservação Permanente, Córrego dos Pires, Lei Florestal, Propriedades rurais, Recuperação. 1. Faculdade de Tecnologia de Jahu 2. Faculdade de Tecnologia de Jahu 3. Faculdade de Tecnologia de Jahu

2 1. Introdução O processo de colonização e ocupação do território brasileiro têm se caracterizado pelo desordenamento e consequente destruição dos recursos naturais de forma predatória e agressiva ao meio ambiente (RIBEIRO et al., 2005). A ação antrópica exploratória sobre as áreas de preservação ambiental tem gerado inúmeros impactos, afetando negativamente a condição e a qualidade dos corpos d água, comprometendo a qualidade de vida das atuais e futuras gerações. A criação de Áreas de Preservação Permanente (APPs) surgiu da necessidade de proteger os cursos d água, em decorrência das consequências geradas pelas ações antrópicas sobre a vegetação nativa adjacente a rios e córregos, que levaram a degradação de ecossistemas (LIMA et al., 2011). As APPs presentes nas propriedades rurais são consideradas bens de interesse individual e coletivo, pois o proprietário além exercer sua atividade econômica, deve zelar por oferecer um serviço ambiental à sociedade, ou seja, a propriedade rural possui função econômica e ambiental, representando um bem de interesse comum a todos. Os órgãos ambientais auxiliam no processo de defesa ao meio ambiente por meio da elaboração e implantação de leis e projetos com objetivo de proteger e direcionar melhor a relação entre ser humano e meio ambiente. A importância da existência de leis, como a Lei nº , de 25 de maio de 2012 alterada pela Lei , de 17 de outubro de 2012, que trata da reforma da Lei Florestal brasileira, exige dos proprietários rurais a destinação, preservação e recuperação (se necessário), de uma parcela de área ao longo das margens dos cursos d água para a Área de Preservação Permanente (APP). Diante deste contexto, a identificação das APPs em conjunto com as áreas que devem ser recuperadas na bacia hidrográfica do Córrego dos Pires é fundamental, pois esta contribui no diagnóstico dos possíveis impactos ambientais da ação antrópica sobre estas áreas. Este trabalho teve como objetivo levantar as propriedades rurais e identificar as Áreas de Preservação Permanente e as áreas a serem recuperadas na zona rural da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires, por meio da aplicação e análise da Lei Florestal vigente (Lei nº /2012), visando garantir o seu cumprimento. O levantamento das propriedades rurais e a identificação de suas APPs, e das áreas que devem ter suas matas ciliares recuperadas permitiu a identificação das demandas para adequação ambiental das áreas rurais a Legislação Florestal vigente. 214

3 2. Fundamentação Teórica As matas ciliares ou florestas ciliares podem ser definidas como a vegetação florestal característica das margens ou áreas adjacentes a corpos d água, tendo como principal função assegurar a proteção das nascentes e margens dos rios (LIMA, 1989). A existência das matas ciliares exerce um papel fundamental para a conservação e manutenção do ciclo hidrológico. Para Alves et al. (2009) essas matas funcionam como barreira física, regulando os processos de troca entre os ecossistemas terrestre e aquático. As matas ciliares ocupam as áreas mais dinâmicas da paisagem, tanto em termos hidrológicos, como ecológicos e geomorfológicos (SILVA et al., 2010). As matas ciliares são áreas protegidas por lei desde 1965, quando se instaurou o Código Florestal brasileiro (Lei nº 4.471/1965), e ainda permanecem protegidas pela Lei nº /2012, que revogou o Código Florestal de Segundo a Legislação Florestal vigente (Lei nº /2012), a mata ciliar é contemplada como sendo Área de Preservação Permanente situada em torno dos corpos d água. Desta forma, a recuperação da mata ciliar tem função de compor a Área de Preservação Permanente, visando garantir o equilíbrio do ecossistema. As Áreas de Preservação Permanente podem ser definidas de acordo com o art. 3º, II da Lei Florestal vigente (Lei nº /2012), como (...) áreas protegidas, cobertas ou não de vegetação nativa, possuindo função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Nestas áreas, criadas para proteger os cursos d água não é permitido supressão arbórea ou qualquer modificação para outros fins que não seja o de preservação, ou seja, são áreas que não podem ter suas condições originais alteradas, devendo-se manter intocadas e preferencialmente cobertas pela vegetação nativa. A utilização do geoprocessamento tem ganhado notoriedade e vem sendo frequentemente aceito por diversos profissionais da área ambiental, aplicandose em levantamentos e análises ambientais, bem como para auxiliar o planejamento e desenvolvimento territorial (FRANÇA, 2011). O geoprocessamento tem como base a aplicação de ferramentas que possibilitam analisar o território de forma clara e objetiva. A utilização de sensores para captação de dados espaciais possibilitou conhecer e explorar o planeta Terra de forma dinâmica, através do reconhecimento e caracterização dos elementos existentes (ROSA, 2007). Ainda segundo o autor, os dados gerados por sensores representam uma importante ferramenta para a elaboração de inventário, mapeamento e monitoramento 215

4 dos recursos naturais. Com o avanço dos anos, o conjunto de técnicas e produtos do Sensoriamento Remoto tornou-se extremamente preciso e confiável, sendo amplamente aceito devido à geração de informações em um curto espaço de tempo e a custo acessível (ROSA, 2007). Ao longo do desenvolvimento e evolução da humanidade o processo de ocupação do território brasileiro têm se caracterizado pelo desordenamento e degradação dos recursos naturais de forma predatória, reflexo da falta de planejamento e gestão territorial. A ação antrópica exploratória sobre as áreas de preservação tem comprometido a existência da vegetação nativa remanescente e consequentemente colocado em risco à condição ideal de todo o ecossistema. Diante deste cenário, é necessário que o processo de ocupação do território ocorra a partir da utilização controlada dos recursos naturais, pois este é o princípio básico de um projeto de desenvolvimento equilibrado (SILVA; WERLE, 2007). Para que isso ocorra de forma eficiente é necessário o poder público e a sociedade atuar conjuntamente, por meio da legislação e adoção de um modelo de desenvolvimento ambientalmente correto e adequado. O foco do planejamento ambiental está na tomada de decisões, dependendo exclusivamente da elaboração de diagnósticos que possam identificar e definir o melhor uso possível dos recursos naturais do meio planejado. Desta forma, o planejamento implica em previsões e ações futuras, devendo ser consideradas também as consequências de cada ação determinada, bem como o somatório delas ao ambiente (MACHADO, 2009). Diante da importância que o planejamento ambiental representa para o desenvolvimento territorial, em uma bacia hidrográfica o foco de um planejamento adequado está voltado para a preservação e/ou recuperação das APPs. A recuperação destas áreas representa um importante instrumento de gestão ambiental, que deve ser adotado conjuntamente pelo poder público e os proprietários, beneficiando o crescimento e desenvolvimento adequado da área. O primeiro Código Florestal existente no Brasil foi criado em 1934, através do Decreto nº /1934, que tinha como premissa básica o estabelecimento de normas para exploração, conservação e reconstituição de florestas, assim como a determinação de pena prisional ou detenção consequente de multa por conduta causadora de danos a florestas (RIBEIRO, 2010). O código de 1934 manteve-se sustentado por outros decretos e leis subsequentes até a sua revogação em 1965 quando foi instituído um novo Código Florestal. O Código Florestal de 1965 (Lei nº 4.771/1965) apresentava como princípio básico a proteção de todas as florestas existentes em território 216

5 nacional, assim como os solos da erosão e os corpos hídricos do assoreamento. A novidade deste código de 1965 é representada pelas áreas privadas que então passaram a ser protegidas através de novos fundamentos, caracterizados pelo surgimento da Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente (RIBEIRO, 2010). Com o desenvolvimento econômico e ambiental crescente das últimas décadas e a falta de mecanismos necessários para o cumprimento da lei em vigência, o poder legislativo viu a necessidade da alteração/modificação do código existente. Perante esta necessidade, em 2012 o Código Florestal de 1965 foi revogado pela Lei nº /2012, que promoveu uma reforma do Código Florestal brasileiro. A lei Florestal de 2012 pouco se diferencia do Código Florestal de 1965 no que se refere às metragens das Áreas de Preservação Permanente. A existência da Lei Florestal de 2012 (Lei nº /2012) em sua respectiva vigência representa função semelhante de proteção aos cursos d água e as vegetações nativas, estabelecendo normas para Áreas de Preservação Permanente, áreas de Reserva Legal, exploração florestal e etc., porém com alterações no que se refere às Áreas de Preservação Permanente em áreas rurais consolidadas. Dentre as normas criadas para proteção das áreas de preservação, a Lei estabelece critérios e metragens gerais, que devem ser adotados pelos proprietários para a preservação e/ou recuperação das Áreas de Preservação Permanente de qualquer propriedade, excetuando-se o critério para recuperação de APPs em áreas rurais consolidadas (áreas ocupadas anteriormente a 22 de julho de 2008). A Tabela 1 mostra a relação do local, largura do curso d água e faixa a ser preservada. Para adequação e consequente regularização das propriedades rurais que possuem áreas consolidadas, visando à recuperação das Áreas de Preservação Permanente, é necessário que o proprietário se inscreva no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e cumpra as condições impostas pelo Programa de Regularização Ambiental (PRA) com objetivo de adequar as áreas irregulares. O Capítulo VI da Lei Florestal vigente (Lei nº /2012) faz referência ao Cadastro Ambiental Rural (CAR). O CAR é um registro eletrônico nacional, obrigatório para todas as propriedades e posses rurais do território nacional, composto por informações georreferenciadas delimitando as Áreas de Preservação Permanente, as reservas legais e os remanescentes de vegetação nativa. O cadastro é um dever de todos os proprietários, titulares do domínio útil ou possuidores a qualquer título de imóvel rural (FAEP, 2012). 217

6 Tabela 1 Metragem da APP de acordo com o art. 4º da Lei Florestal vigente (Lei nº /2012). Local Largura do curso d água Metragem/faixa de APP Ao longo de quaisquer cursos d água natural perene ou intermitente, excluídos os efêmeros Nas nascentes e olhos d água perenes Entorno de Lagos e Lagoas naturais Reservatório d água artificial * Até 10m 10m a 50m 50m a 200m 200m a 600m 30m 50m 100m 200m + de 600m 500m - 50m < 1ha Dispensado Entre 1 e 20ha 50m em zona rural + de 20ha 100m em zona rural Zona Urbana 30m Zona Rural Zona Urbana Não é exigida desde que não ocorra barramento ou represamento dos cursos d água naturais * A largura mínima de APP das áreas no entorno dos reservatórios de água artificial decorrentes de barramento ou represamento de cursos d água naturais será definida na licença ambiental do empreendimento. Fonte: Lei Florestal Lei nº /12. Segundo o art. 29º 1º, incisos I, II e III da Lei Florestal de 2012 (Lei nº /2012), a inscrição no CAR se dá por intermédio do órgão ambiental municipal ou estadual e necessita dos seguintes documentos: t Identificação do proprietário ou possuidor do imóvel; t Comprovação da propriedade ou posse; t Planta georreferenciada e memorial descritivo do imóvel, contendo: t Indicação das coordenadas geográficas com, pelo menos, um ponto de amarração do perímetro do imóvel; t Informações sobre: vegetação nativa, APP, Áreas de Uso Restrito, Áreas Consolidadas e Reserva Legal, caso existentes. A inscrição no CAR é indispensável para aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA). O PRA permite ao proprietário rural regularizar legalmente as Áreas de Preservação Permanente consolidadas, desde que não estejam em áreas de risco e sejam observados critérios técnicos de conservação do solo e da água. O PRA soluciona vários passivos ambientais dos proprietários rurais e promove o acesso aos incentivos econômicos e financeiros na prestação de serviços ambientais (FAEP, 2012). 218

7 Para participar do PRA é necessário estar adequado aos seguintes requisitos (FAEP, 2012): t Cadastro Ambiental Rural (CAR); t Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas e Alteradas; t Termo de compromisso de adesão ao PRA; t Cotas de Reserva Ambiental (CRA), quando couber. Agindo de forma conjunta ao CAR e ao PRA, a Lei Florestal ainda estabelece aos proprietários metragens específicas para recuperação das Áreas de Preservação Permanente em áreas rurais consolidadas. O art. 3º, IV define a área rural consolidada como sendo a área de imóvel com ocupação antrópica preexistente a 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoris, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio. De acordo com a Lei, as propriedades que se enquadram nesse contexto devem recuperar a Área de Preservação Permanente levando em consideração os critérios e metragens fundamentados nos art. 61-A e 61-B da Lei Florestal vigente: Tabela 2 Critério e metragem para recuperação de APP em áreas rurais consolidadas de acordo com o art. 61-A e 61-B da Lei Florestal vigente (Lei nº /2012). Área da propriedade rural (em módulos fiscais) Ao longo de cursos d água perenes* Nascentes e olhos d água perenes Entorno de lagos e lagoas naturais Veredas Limite (%) da área de recuperação de APP < 1 5m 15m 5m 30m 10% 1 a 2 8m 15m 8m 30m 10% 2 a 4 15m 15m 15m 30m 20% 4 a 10 20m a 100m** 15m 30m 50m Não há limite Demais 20m a 100m** 15m 30m 50m Não há limite casos ** Contada a a partir partir da da borda da da calha do do leito regular. ** ** Nos Nos demais demais casos, casos, conforme conforme determinação determinação do PRA do PRA observando observando o mínimo o mínimo de 20m de e o 20m máximo e o de 100m. Fonte: Lei Florestal Lei nº /2012. De acordo com a Lei Florestal vigente (Lei nº /2012), as Áreas de Preservação Permanente devem ser preservadas pelo proprietário ou ocupante da área, como estabelece o art. 7º ou podem ser alteradas de acordo com as condições impostas pelo art. 8º, referente ao regime de proteção das Áreas de Preservação Permanente. Segue a transcrição dos artigos: Art. 7º - A vegetação situada em Área de Preservação Permanente deverá ser mantida pelo proprietário da área, possuidor ou ocupante a qualquer título, pessoa física 219

8 ou jurídica, de direito público ou privado ; Art. 8º - A intervenção ou a supressão de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente somente ocorrerá nas hipóteses de utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental previsto na própria Lei. Ainda de acordo com o regime de proteção das Áreas de Preservação Permanente, em seu Art. 61-A: Nas Áreas de Preservação Permanente, é autorizada, exclusivamente, a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de Ou seja, para toda supressão de vegetação anterior a 22 de julho de 2008, salvo condições previstas na Lei, o proprietário pode seguir com sua atividade regularmente. Porém as áreas ainda constituem Áreas de Preservação Permanente e, portanto não podem ter outro uso ou aplicação, exceto para atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural pré-existentes, sendo permitida a manutenção e continuidade dessas atividades desde que não estejam em áreas que ofereça risco às pessoas e ao meio ambiente e que sejam observados critérios técnicos de conservação do solo e da água, indicados pelo Programa de Regularização Ambiental (PRA). Ou seja, o proprietário tem de recuperar (se necessário) a mata ciliar da Área de Preservação Permanente conforme determina a Lei, e ainda pode prosseguir com sua atividade regularmente, desde que a mesma não seja alterada. 3. Materiais e Métodos Para a realização deste trabalho foram utilizados os seguintes materiais: t Imagens do Google Earth; catálogo ID: E6102 (data: 04/ 07/2008) e ID: E6100 (data: 01/06/2010) disponível no Google Earth acesso em 15/03/2013. t Cartas Topográficas do Instituto Geográfico e Cartográfico do Estado de São Paulo (IGC), escala 1:10.000, folhas (SF-22-Z-B-II-4-NE-A) e (SF-22-Z-B-II-4-NE-B). A bacia hidrográfica do Córrego dos Pires está localizada no município de Jaú, região centro-oeste do Estado de São Paulo, entre as latitudes: 22º17 11 ; 22º15 05 S e longitudes 48º34 03 ; 48º A Figura 1 apresenta o mapa de localização da área de estudo. A bacia hidrográfica do Córrego dos Pires é uma sub-bacia da bacia do rio Jaú que está inserida na UGRHI 13 Tietê-Jacaré (AZEVEDO et al., 2012). Ainda segundo o autor o clima da Bacia é do tipo Cwa, na classificação Köeppen, definido como tropical de altitude, com verão úmido e inverno seco. 220

9 Sua rede de drenagem é composta por quatro canais, com comprimento total de 8,35km. A precipitação anual em anos normais varia de 1400 a 1500mm. A bacia hidrográfica do Córrego dos Pires possui área total de 15,62km², desse total 9,59km² (61,4%) são ocupados por áreas urbanas e de expansão urbana. O restante, 6,03km² (38,6%), corresponde à área rural, em sua maioria composta por lavouras de cana-de-açúcar, atividade predominante na região (AZEVEDO et al., 2012). Esses dados ilustram o alto índice de urbanização ocorrido sobre a área rural, limitando-a a pouco mais de 1/3 da área total da bacia. Figura 1 Mapa de localização da bacia hidrográfica do córrego dos Pires Jaú/SP. Fonte: Cartas Topográficas do IGC escala 1: folhas Jaú I e II e Imagem do Satélite CBERS 2 B CCD 1XS 16/10/2008 órbita/ponto 156/125 bandas 1, 2 e 3 Composição Colorida e Imagem do Google Earth de 04/07/2008, acesso em 09/ 05/2010. (Sistema de coordenadas UTM-22-S Datum Córrego Alegre). Com base nas cartas topográficas do IGC e nas imagens de satélite obtidas através do software Google Earth datadas de 04/07/2008 e 01/06/2010 foi realizada a delimitação da área de estudo e a digitalização da hidrografia, gerando um mapa base para a realização da pesquisa de campo. A partir do mapa base foram levantadas informações referentes às propriedades rurais da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires, delimitando as divisas das propriedades, por meio de entrevistas com os proprietários. As 221

10 informações levantadas foram transferidas para um arquivo digital utilizando o software AutoCAD MAP 2010, o que possibilitou a obtenção das áreas das propriedades. A partir da área das propriedades, determinou-se o número de módulos fiscais de cada propriedade rural, o módulo fiscal é medido em hectare, sendo considerada para o município de Jaú a área de 14ha, como um (01) módulo fiscal. A determinação do número de módulos fiscais com base nos art. 61-A e 61-B permitiu o enquadramento das áreas a serem recuperadas em cada propriedade rural. Utilizando o software AutoCAD MAP 2010 foram demarcadas as Áreas de Preservação Permanente em função das metragens estabelecidas pelo art. 4º (tabela 1) e as áreas a serem recuperadas conforme estabelecem os art. 61- A e 61-B (tabela 2). 4. Resultados e Discussão As Áreas de Preservação Permanente presentes nas propriedades rurais da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires apresentam diversas irregulares, entre elas: voçorocas nas cabeceiras, erosões, assoreamento dos cursos d água e represas, poluição difusa/visual, entre outras. Um dos maiores problemas da bacia é o déficit de vegetação remanescente nativa, de modo geral essas áreas de florestas foram suprimidas ou modificadas ao longo do tempo, devido a uma série de fatores econômicos e sociais, fruto da ação antrópica predatória sobre estas áreas. As APPs do Córrego dos Pires possuem parcela considerável de área desmatada, comprometendo assim a função ecológica do curso d água, fauna e flora. A rede hidrográfica do Córrego dos Pires apresenta a partir da borda da calha do leito regular, largura transversal menor que 10m. Diante desta constatação, a Lei Florestal vigente (Lei nº /2012), em seu art. 4º, estabelece que as APPs de qualquer área devam ser preservadas ou recuperadas em no mínimo 30m para esta largura de curso d água, ou seja, por Lei, em qualquer propriedade, é necessário destinar, preservar e/ou recuperar APP com uma faixa mínima de 30m. No entanto, para propriedades rurais consolidadas, o limite exigido de recuperação é determinado pelos art. 61-A e 61-B. Na bacia hidrográfica do Córrego dos Pires, todas as propriedades rurais foram classificadas como área rural consolidada, por se tratar de área de ocupação bastante antiga, portanto anterior à data de 22 de julho de Dentre as 16 propriedades rurais levantadas apenas cinco (05) possuem APPs, restringindo a análise a estas propriedades. As propriedades rurais consolidadas foram codificadas em letras e números sequenciais. A letra representa o proprietário e o número representa 222

11 o número da propriedade que cada proprietário possui na bacia hidrográfica do Córrego dos Pires. O mapa das propriedades rurais consolidadas sobrepostas as APPs (art. 4º) e as áreas a serem recuperadas (art. 61-A e 61-B) podem ser observados na Figura 2. Figura 2 Propriedades rurais consolidadas e as Áreas de Preservação Permanentes. Fonte: Cartas do IGC escala 1: folhas SF-22-Z-B-II-4-NE-A e SF-22-Z-B-II-4- NE-B e Imagem do Google Earth de 01/06/2010. (Sistema de coordenadas UTM- 22-S Datum Córrego Alegre). As propriedades que apresentam área em APP foram nomeadas D2, F1, L1, G3 e M1. Por meio do cálculo da área total das propriedades e das respectivas áreas em módulos fiscais, levando em consideração a Lei nº 8.629/ 1993 as propriedades puderam ser classificadas como pequenas e médias propriedades. A classificação foi feita de acordo com o tamanho da área em módulos fiscais. Esta lei classifica como pequena propriedade as que possuem área entre um (01) e quatro (04) módulos fiscais e média propriedade as com área entre quatro (04) e quinze (15) módulos fiscais, sendo considerado o valor de 14ha para cada módulo fiscal no município de Jaú, conforme a Instrução 223

12 Especial do INCRA de Desta forma foi possível classificar as propriedades D2, F1 e L1 como pequenas propriedades e as propriedades G3 e M1 como médias propriedades. A Lei Florestal vigente determina a faixa de recuperação de acordo com a área total da propriedade, calculada em módulos fiscais. Com base nos art. 61-A e 61-B, a tabela 3 apresenta a relação da área total em hectare e módulos fiscais, além do estabelecimento de critérios para recuperação das APPs em áreas rurais consolidadas. Tabela 3 Área das propriedades rurais em módulos fiscais e a área consolidada a ser recuperada. Propriedade Área total (ha) Nº em Módulos Fiscais* Faixa a ser recuperada** Nascentes de olhos d água Limite (%) máximo de área de recuperação permitido D2 33,40 2,39 15m 15m 20% F1 55,69 3,98 15m 15m 20% G3 126,86 9,06 20m a 100m*** 15m Não há limite L1 23,54 1,68 8m 15m 10% M1 82,28 5,88 20m a 100m*** 15m Não há limite * O módulo fiscal do município de Jaú é 14 hectares. ** Contada a partir da borda da calha do leito regular. *** Nos demais casos, conforme determinação do PRA observando o mínimo de 20m e o máximo de 100m. Fonte: Elaborado pelo autor. A Lei determina que os proprietários devam destacar a parcela de sua propriedade, que está às margens dos corpos d água, zelando pela preservação e destinando as mesmas a recuperação caso necessário. Adotando a Lei Florestal como referência para base de um plano de recuperação, as cinco (05) propriedades que apresentam APP em suas áreas, nomeadas D2, F1, L1, G3 e M1, foram divididas e analisadas individualmente. A figura 3 ilustra as propriedades e identifica as APPs e as áreas que devem ser recuperadas, em cada propriedade rural. Em relação à recuperação da mata ciliar dos cursos d água, com base nos art. 61-A e 61-B da Lei Florestal de 2012, as propriedades G3 e M1 (figuras 3- D e 3-E) foram enquadradas como propriedades entre quatro (04) e dez (10) módulos fiscais, devendo ser recuperada uma faixa de APP entre 20m e 100m, não havendo limite máximo de área para recuperação. A determinação da faixa de 20m a 100m é de responsabilidade do Programa de Regularização Ambiental (PRA), havendo a necessidade de cada proprietário aderir ao programa. A fim de caracterizar o pior quadro possível, optamos por considerar neste estudo a faixa mínima exigida por Lei, ou seja, 20m. 224

13 Constatou-se também que as propriedades D2 e F1 (figura 3-A e 3-C) possuem áreas entre dois (02) e quatro (04) módulos fiscais, portanto deve ser recuperada uma faixa de 15m, não podendo ultrapassar 20% da sua área total. A propriedade L1, (figura 3-B) possui área entre um (01) e dois (02) módulos fiscais, portanto deve ter uma faixa recuperada de apenas 8m, não podendo ultrapassar 10% da sua área total. Figura 3 Propriedades rurais consolidadas que possuem APPS e identificação das áreas a serem recuperadas. Fonte: Elaborado pelos autores. Tomando por base os art. 61-A e 61-B a propriedade L1 é a que apresenta a menor área total (23,54ha) sendo necessária a recuperação de 1,36ha o que corresponde a 5,77% de sua área total. Se considerarmos a Área de Preservação Permanente estipulada pelo art. 4º temos uma área de 4,72ha, isso representa que aproximadamente 71% da APP não será recuperada. Em relação à propriedade D2, que possui área total de 33,4ha, deve ser recuperada uma área de 1,5ha, correspondendo a 4,49% da área total da 225

14 propriedade. Comparando a APP estipulada no art. 4º (2,82ha) e a área a ser recuperada, temos que em torno de 47% da APP não será reflorestada. É importante lembrar que além das APPs dos cursos d água, a Lei Florestal vigente em seu art. 61-A exige recuperação de um raio mínimo de 15m no entorno das nascentes perenes. As propriedades F1, G3 e M1 apresentam nascentes perenes em suas áreas além dos cursos d água. A propriedade F1, que possui área total de 55,69ha tem de recuperar 1,45ha ou 2,6% da área total da propriedade, sendo que sua APP correspondente a 3,67ha permitindo concluir que 60% de sua APP não será recuperada. Na propriedade M1, devem ser recuperados 3,63ha ou 4,41% da área da propriedade, sendo que sua APP, estabelecida com base no art. 4º da lei Florestal, é de 6,04ha, indicando que 40% da área total da APP da propriedade não será recuperada. A propriedade G3 apresenta APP de 9,23ha, porém a área a ser recuperada é de 4,12ha que corresponde a apenas 3,24% da área total, indicando que 55% de sua área não estão sujeitas a recuperação florestal. A área total das APPs na área rural da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires segundo o art. 4º da Lei Florestal de 2012 corresponde a 26,48ha, porém segundo as especificações dos art. 61-A e 61-B devem ser recuperados apenas 12,06ha, representando que aproximadamente 54% da APP não será obrigatoriamente recuperada. A seguir a tabela 4 apresenta às áreas de preservação e recuperação em relação à área total da propriedade. Tabela 4 Área das propriedades, área de preservação e área de recuperação. Propriedade Área da propriedade (ha) Área de preservação (ha)* % da área de preservação APP a ser recuperada Nascente a ser recuperada Área de recuperação (ha) % da área de recuperação L1 23,54 4,72 20,05% 8m - 1,36 5,77% D2 33,40 2,82 8,44% 15m - 1,50 4,49% F1 55,69 3,67 6,59% 15m 15m 1,45 2,60% M1 82,28 6,04 7,34% 20m** 15m 3,63 4,41% G3 126,86 9,23 7,27% 20m** 15m 4,12 3,24% TOTAL 321,77 26,48 8,22% ,06 3,74% * Área calculada em faixa de 30m. ** Nos demais casos, conforme determinação do PRA observando o mínimo de 20m e o máximo de 100m. Neste estudo foi adotado o limite mínimo exigido. Fonte: Elaborado pelo autor. 226

15 A legislação Florestal vigente, ainda em seu art. 61-A, autoriza a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas consolidadas até 22 de julho de 2008, ou seja, estas atividades implantadas anteriormente a esta data podem continuar, desde que não ocorra nova supressão da vegetação remanescente e seja comprovada a prática de conservação do solo e da água. Mediante o art. 3º, XXV da Lei Florestal de 2012 foi estabelecido à definição de áreas úmidas, porém, o complemento da Lei não faz referência à proteção destas áreas. A Lei Florestal não apresenta critérios e metragens para proteção destas áreas, porém o art. 6º, IX considera que são de preservação permanente, quando declaradas de interesse social por ato do Chefe Executivo, as áreas cobertas com florestas ou outras formas de vegetação (...), entre elas: proteger áreas úmidas. Sendo assim é possível proteger as áreas úmidas, por meio de legislação estadual ou municipal específica, sendo o Chefe do Poder Executivo o responsável por estabelecer proteção a estas áreas. No entanto, no município de Jaú, nenhum documento ou lei municipal faz referência à proteção destas áreas, assim sendo, as áreas úmidas, não são amparadas por Lei, não havendo obrigatoriedade de recuperação da mesma a não ser que se enquadre dentro da faixa determinada pela APP. Na propriedade M1 existe uma área úmida considerável que transcende a faixa estabelecida de 30m (APP). É importante ressaltar que as áreas úmidas presentes na bacia se encontram em estágio avançado de degradação, havendo a necessidade de recuperação das mesmas. Nas proximidades da nascente situada ao norte da bacia (propriedade F1) existe uma represa decorrente do barramento do curso d água, constituindo um reservatório artificial. Para esse tipo de cenário, a Lei Florestal vigente em seu art. 4º, III define que as áreas no entorno de reservatórios artificiais decorrente de barramento ou represamento de cursos d águas naturais, a faixa de APP deve ser definida pela licença ambiental do empreendimento. Esta regra se aplica a qualquer área, sendo consolidada ou não. Em contrapartida o art. 4º 4º, ressalta que para acumulações naturais ou artificiais, com superfície inferior a um (01) hectare, ficam dispensadas as faixas de proteção, sendo vedada nova supressão de áreas de vegetação nativa. Desta maneira a represa citada fica dispensada da faixa de preservação, uma vez que a área da superfície representa apenas 0,77ha. Os critérios para proteção das áreas de reservatórios artificiais eram regulamentados pela Resolução CONAMA nº 302/2002, sendo a mesma revogada pela Lei Florestal de

16 5. Conclusões Devido à situação de degradação apresentada constata-se que existe a necessidade da realização de intervenções nesta região, com objetivo de iniciar um processo de recuperação das Áreas de Preservação Permanente, situadas na bacia hidrográfica do Córrego dos Pires. A recuperação das Áreas de Preservação Permanente na zona rural da bacia, passa pela regularização das propriedades em relação a Legislação Florestal vigente (Lei nº /2012). Esta situação é de extrema importância para recuperação ambiental da região, visando recuperar o equilíbrio do sistema rompido com a supressão da vegetação ciliar. Os dados coletados por meio deste estudo permitem verificar que a proposta de recuperação por meio dos critérios fundamentados nos art. 61-A e 61-B do Lei Florestal vigente, se revelam insuficientes para garantir a recuperação das matas ciliares, nas APPs situadas nas propriedades rurais da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires. Fica evidente a necessidade de reestruturar e complementar as ações previstas, por meio de legislação municipal e/ou estadual específica, que permita um maior aprofundamento da lei no sentido restritivo, visando garantir ao menos a recuperação total das APPs, previstas no art. 4º da Lei nº /2012 e ainda incluam a regulamentação específica em relação às áreas úmidas e represas artificiais, sendo fundamental que contemplem o pagamento por serviços ambientais, com o objetivo de ressarcir os proprietários em função das respectivas perdas ocasionadas pela legislação criada e aplicada. 6. Referencias Bibliográficas ALVES, H. Q.; REZENDE, A. C. P.; SPOSITO, R. C. Geoprocessamento como ferramenta de conservação de recursos hídricos e de biodiversidade: um estudo de caso para o município de Canarana MT. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 14., 2009, Natal. Anais... Natal: INPE, p AZEVEDO, P. F. F.; REZENDE, J. H.; VENIZIANI JR, J. C. T.; FAXINA, R. R. C. Ocupação de fundos de vale da bacia hidrográfica do Córrego dos Pires Jaú-SP. In: SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS, 4., 2012, Jaú. Anais... São Carlos: Rima Editora, p BRASIL, Código Florestal. Decreto nº de 23 de janeiro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/ /d23793.htm>. Acesso em: 10 mai BRASIL, Estatuto da Terra. Lei nº de 30 de novembro de Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/l4504.htm>. Acesso em: 10 mai BRASIL, Código Florestal. Lei n de 15 de setembro de Disponível em: <http:/ /www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4771.htm>. Acesso em: 10 mai

17 BRASIL, Lei nº de 25 de fevereiro de Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ l8629.htm>. Acesso em: 10 mai BRASIL, Resolução nº 302 de 20 de março de Conselho Nacional do Meio Ambiente. Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente de reservatórios artificiais e o regime de uso entorno. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 de maio de DOU nº 90, Seção 1 páginas BRASIL, Lei Florestal. Lei , de 25 de maio de Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e , de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória , de 24 de agosto de 2001; e da outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato / 2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 10 mai BRASIL, Lei nº de 2012 de outubro de Altera a Lei nº , de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e , de 22 de dezembro de 2006; e revoga as Leis nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, a Medida Provisória nº , de 24 de agosto de 2001, o item 22 do inciso II do art. 167º da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, e o 2º do art. 4º da Lei nº , de 25 de maio de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2012/lei/ L12727.htm>. Acesso em: 10 mai FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ (FAEP). Novo Código Florestal. ano I. Curitiba: p. Disponível em: <http://codigoflorestal.sistemafaep.org.br/ wp-content/uploads/2012/11/novo-codigo-florestal.pdf>. Acesso em: 10 mai FRANÇA, C. N. Mapeamento de APP: Área de Preservação Permanente e Reserva Legal de parte da bacia hidrográfica do ribeirão Cafezal: comparativo entre o código florestal de 1965 e o projeto de lei 1.876/ f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) Universidade Estadual de Londrina. Londrina, GARCIA, G. J.; MARCHETTI, D. A. B. Princípios de fotogrametia e fotointerpretação. São Paulo: Nobel, p. INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA). Instrução Especial nº 20 de 28 de maio de1980, Aprovada pela Portaria/MA 146/80 DOU 12/06/80 Seção I p Estabelece o Módulo Fiscal de cada Município, previsto no Decreto nº de 06 de maio de Disponível em: < legislacao /atos-internos/instrucoes/file/129-instrucao-especial-n >. Acesso em: 10 mai LIMA, M. N. S.; MONTEIRO, T. R. R.; RÊGO, S. C. A.; MENESES, L. F.; LIMA, P. P. S. Geoprocessamento na identificação de irregularidades em APP em loteamentos na APA Tambaba PB. In: GEONORDESTE, 5. E SEMINÁRIO DE GEOTECNOLOGIAS, 3., 2011, Feira de Santana. Anais... Feira de Santana, p LIMA, W. P. Função Hidrológica da Mata Ciliar. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR Campinas. Anais... Campinas: Fundação Cargill, p MACHADO, G. S. Avaliação de Impacto e Plano de Controle Ambiental para uma Empresa de Beneficiamento de Minérios f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental) Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciúma, MACHADO, P. A. L. Legislação das Matas Ciliares. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, 5., 1989, Campinas. Anais... Campinas: Fundação Cargill, p

18 RIBEIRO, C. A. A. S.; SOARES, V. P.; OLIVEIRA, A. M. S.; GLERIANI, J. M. O desafio da delimitação de áreas de preservação permanente. Revista Árvore, Viçosa MG, v. 29, n. 2, p , RIBEIRO, G. V. B. As Áreas de Preservação Permanente/APP e a legislação ambiental brasileira: 1965 a f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, ROCHA, C. H. B. Geoprocessamento: tecnologia transdisciplinar. Juiz de Fora MG: Edição do Autor, v p. ROSA, R. Introdução ao Sensoriamento Remoto. Uberlândia: EDUFU, Ed. 248 p. SILVA, B. C.; CAVALCANTE, N. L. G.; ARAÚJO, L. C. A. Recuperação da Área de Preservação Permanente do campus de ciências agrárias e ambientais - FACTO f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnólogo em Gestão Ambiental) - Faculdade Católica do Tocantins. Palmas, SILVA, G. J. A.; WERLE, H. J. S. Planejamento Urbano e Ambiental Nas Municipalidades: da Cidade à Sustentabilidade, da Lei à Realidade. Ed: Paisagens em Debate Revista Eletrônica da Área Paisagem e Ambiental, FAU.USP, n. 5, p , SILVA, S. T.; CUREAU, S.; LEUZINGER, M. D.; Código Florestal: desafios e perspectivas. Sao Paulo: Fiuza, v p. 230

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012 Retrocesso na Proteção Ambiental Dispositivos Lei nº 12.651/2012 Áreas de Preservação Permanente (APPs) Dispositivos da Lei Áreas de Preservação Permanente (APPs) TOPOS DE MORRO E MONTANHAS Topos de Morro:

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS DE APP e RESERVA LEGAL b. PROCESSO

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP Orientações básicas Cadastro Ambiental Rural - CAR O CAR é o registro público eletrônico das informações ambientais dos imóveis rurais. Objetivos Promover a identificação e integração das informações

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Iniciativa Verde Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Roberto Ulisses Resende São Paulo, março de 2013 Introdução Esta é a primeira versão do documento elaborado pela Iniciativa

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012)

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012) MANUAL DE DIREITO AMBIENTAL ROMEU THOMÉ ATUALIZAÇÃO DA 2ª PARA A 3ª EDIÇÃO CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO BRASILEIRO (LEI 12.651/2012) NA PÁGINA 304: Onde se lê: Já em 25 de maio de 2012, e após intensos debates

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Programação Manhã: teórica Conceitos da legislação ambiental Conceitos específicos do CAR e do PRA Tarde: prática Considerações sobre o sistema Apresentação

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE FORMOSA

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE FORMOSA 1 Altera e atualiza o disposto nos Parágrafos 1º e 2º do Art. 5º e Parágrafo Único do Art. 9º da Lei Municipal nº. 251/04, de 20/12/2004 que instituiu o Plano Diretor do Município de Formosa-GO e dá outras

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Análise técnica dos pontos críticos

Análise técnica dos pontos críticos CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO Lei Nº 4.771/65 Foto: Ricardo Ribeiro Lei Nº 12.651/12 MP Nº 571/12 Análise técnica dos pontos críticos Material desenvolvido por: Código Florestal Brasileiro: Versão 01 / Reprodução

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal)

Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal) Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal) Data: 18/10/12 Número: B00718052012 DISPOSITIVOS ALTERADOS Artigo Medida Provisória 571/12 (original) LEI 12.727/12 Veto? E agora? Art. 1º Art. 1º-A.

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Cadastro Ambiental Rural (CAR) Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Cadastro Ambiental Rural (CAR) Procedimentos e Prazos Nelson Ananias Filho Coordenador de Sustentabilidade Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza EMATER - MG INTRODUÇÃO Os ecossistemas naturais e os agrossistemas existentes nas propriedades

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012

O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012 Escola Superior do Ministério Público do Estado de Goiás Semana do Meio Ambiente O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012 José Antônio Tietzmann e Silva PUC Goiás Rede Gaia Consultoria

Leia mais

5.2.3.1.1 Editar Matrícula

5.2.3.1.1 Editar Matrícula Figura 37 Tabela de matrículas adicionadas. 5.2.3.1.1 Editar Matrícula Para editar uma matrícula, o usuário deve acessar a opção (Editar), conforme destaque na Figura 38. O sistema irá carregar os dados

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR)

CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) Manual de inscrição do CAR para o proprietário rural Patrocínio: 2015 Sumário Lista de Siglas... 3 Apresentação... 4 1. O que é o CAR?... 5 2. Objetivo do CAR... 6 3. Vantagens

Leia mais

Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental

Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental 1 Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental Juceleine Klanovicz UNOPAR Universidade do Norte do Paraná Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental Linha Dezenove, São Domingos do Sul, RS juceleinekla@bol.com.br

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE PRINCIPAIS REGRAS SOBRE ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP ÁREA DE RESERVA LEGAL - RL CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL - PRA Material desenvolvido e publicado em decorrência

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Boletim CSMG CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Após anos de debate, indas e vindas e muita discussão política, foi publicada no Diário Oficial da União de 25 de Maio de 2012 a Lei nº

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável

Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Novo Código Florestal Aquecimento Global Desenvolvimento Sustentável Seminário "Alterações do Código Florestal e os Desafios do Desenvolvimento Sustentável 25/09/2012 Capital (SP) Dr. Sergius Gandolfi

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR João Carlos Dé Carli Assessor Técnico da Comissão Nacional do Meio Ambiente Confederação da Agricultura

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais