DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA"

Transcrição

1 Anais do II Seminário Interno de Pesquisas do Laboratório Arquivos do Sujeito DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA Viviane Sales dos Anjos Iniciação Científica UFF/FAPERJ Orientadora: Profª. Drª. Bethania Mariani A pesquisa Diferentes tipos de liderança: a discursividade jovem na mídia impressa, que teve como foco inicial a análise de revistas nacionais que tematizam ou já tematizaram a questão da liderança no âmbito dos jovens, tomou como objeto empírico de análise a revista Veja. Com base no arcabouço teórico-metodológico da Análise do Discurso (PÊCHEUX, 1969 e ORLANDI, 1988), depreendemos e analisamos a representação da liderança jovem na revista Veja, fazendo um estudo comparativo sobre o modo como essa revista caracteriza a liderança de jovens traficantes que vivem nas favelas e a liderança exercida por jovens "bem sucedidos", responsáveis por inovações científicas e tecnológicas. A revista Veja foi selecionada por sua amplitude nacional e por ter realizado uma premiação intitulada "Jovens Inspiradores", através da Veja.com, no ano de 2012, a qual premiou "estudantes universitários ou recém-formados com espírito de liderança, que tinham como meta construir um país mais competitivo e justo", segundo a própria publicação (Veja, 01/08/2012). Com informações referentes a esse prêmio, juntamente com as reportagens, foi possível buscar informações sobre o que é liderança para esse editorial. Durante pesquisa realizada na revista Veja, constatamos que matérias acerca do tráfico de drogas nas favelas do Rio de Janeiro aparecem com certa frequência, porque, desde a década de 1980, essa é uma realidade vivenciada pelos cariocas e moradores da cidade. Tendo em vista a proposta inicial do projeto, fizemos um recorte nas reportagens que falam sobre traficantes nas favelas do Rio de Janeiro. Segundo Guimarães (2002, p. 54), existe uma distinção entre nomear e designar: enquanto "nomeação é o funcionamento semântico pelo qual algo recebe um nome", a designação consiste na "significação de um nome enquanto relação com outros nomes e com o mundo recortado historicamente pelo nome, uma relação linguística (simbólica) remetida ao real, exposta ao real".

2 Os nomes que aparecem para designar esses indivíduos nas 17 reportagens selecionadas sobre o tráfico de drogas na Veja são: traficante, quadrilha, bandidos, marginais e criminosos. Ao designar os traficantes dessa forma, a Veja, assim como faz com a designação polícia, designa um coletivo indistinto. As designações usadas pela Veja para o traficante em posição de destaque dentro de um grupo são: líder, chefes, chefões, comandantes, coordenador, patriarca, xerife e barões da droga. Verifica-se, com isso, que as designações dadas pela Veja para o traficante em posição de destaque são usadas para significar o mesmo significante. Contrariando essa posição, pode ser citado o manual de redação de O Globo (GARCIA, 1992, p. 119), que orienta que líder é uma "palavra de conotação positiva, o que recomenda não usá-la para pessoas que comandam ações anti-sociais, como chefes de quadrilhas de traficantes". No entanto, essa definição não é levada em conta pela revista Veja, que não faz distinções entre os nomes utilizados. Pode-se dizer também que, ao fazer essas designações, a Veja está realizando um processo de exclusão e de atribuição de prestígios e poderes. Segundo Orlandi (2011, p. 275), o mediador tem uma função decisiva na constituição das relações de poder, e no domínio do discurso fixa sentidos, organiza relações e disciplina os conflitos, além das implicações ideológicas decisivas. De acordo com Orlandi (idem), um dos aspectos fundamentais desse ato de dar nomes é o silêncio que ele cria, pois não dá margem a críticas e a discussões. As designações da Veja aos indivíduos em posição de destaque no tráfico de drogas silenciam as mesmas características que poderiam ser atribuídas aos policiais e ao Estado nas matérias sobre o tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Ao designar esses traficantes como líder, chefe, chefão, comandante e gerente, a Veja potencializa discursivamente a força destes e diminui a da Polícia e do Estado. Ao se posicionar dessa forma, a Veja, que tem como público-alvo as classes A, B e C, segundo a editora Abril, constrói suas formações discursivas, "aquilo que, numa formação ideológica dada, isto é, a partir de uma posição dada numa conjuntura dada, determinada pela luta de classes, determina o que pode e deve ser dito." (PÊCHEUX, 1997, p. 147). Sendo assim, a interpelação da Veja 191 em sujeito do seu discurso se efetua pela identificação (do sujeito) com a formação discursiva que o domina (isto é, na qual ele é constituído como sujeito): essa identificação, fundadora da unidade (imaginária) do sujeito, apoia-se no fato de que os elementos do interdiscurso (...) que constituem, no discurso do sujeito, os traços daquilo que o determina, são re-inscritos no discurso do próprio sujeito. (PÊCHEUX, 1997, p. 150)

3 Dentre as 17 reportagens analisadas sobre os traficantes de drogas, verifica-se que a designação "jovens líderes" para traficantes é usada poucas vezes, e nenhum nome específico é dado a um desses integrantes do grupo. Ao se falar de traficantes que trabalham para o tráfico de drogas ou são vítimas dele, a palavra jovem é mais utilizada para designá-los. No caso dos que trabalham, além da palavra jovem, são designados também de jovens soldados, meninos, crianças, garotos, adolescentes, como é possível verificar na reportagem "Soldado do pó" (Veja, 25/06/1997). Essas designações revelam um choque social, na medida em que, apesar da pouca idade, os jovens, meninos, crianças, garotos, adolescentes já estão marginalizados. No entanto, mesmo marginalizados, o artigo 228 da Constituição brasileira determina que 18 anos é a maioridade penal, idade essa em que, diante da lei, um indivíduo pode responder inteiramente por seus atos como cidadão. Entre 12 e 17 anos, o jovem considerado infrator será julgado pela Vara da Infância e da Juventude, que poderá puni-los, independente da infração que tenham cometido, apenas com medidas socioeducativas". Na sequência "favelas como a do Arará, na Zona Norte da cidade, já tiveram 'gerentes' de até 15 anos de idade." (Veja, 25/06/1997), é possível verificar que crimes são cometidos por indivíduos com idades abaixo da maioridade penal instituída pela Constituição brasileira. É importante lembrar que abaixo da idade de 12 anos, os jovens são considerados inimputáveis perante a lei, por isso, não podem ser julgados ou punidos pelo Estado. Mas, de acordo com algumas sequências discursivas da Veja, verifica-se a participação, no tráfico de drogas, de jovens menores de 12 anos, como é possível ver na sequência: "Menino de 9 anos, traficante e viciado, retrata o drama da droga nas favelas". Por isso, pode-se inferir que mesmo envolvidos com o tráfico, esses jovens não são punidos nem mesmo com as "medidas socioeducativas". Observa-se também, na reportagem "Soldado do pó" (25/06/1997), que a Veja, ao falar do menino envolvido com o tráfico, o designou com as iniciais de seu nome, como ocorre em: "Franzino, com pouco mais de 1,20 metro de altura e sorriso matreiro que forma covinhas, L.G.S. faz parte de um exército que cresce vertiginosamente.". Ao utilizar as iniciais dessa forma, a Veja segue o padrão recomendado pelo Manual da Redação da Folha de S.Paulo (2006, p. 161), que diz que 192 a legislação em vigor proíbe a identificação direta ou indireta de criança ou adolescente a que se atribuam infrações, mesmo depois de eles terem completado a maioridade. Na grafia de nomes, use as iniciais com ponto e sem espaço entre as letras. Evite apontar o nome dos pais e o endereço, já

4 que isso pode acarretar a identificação indireta da pessoa. A FOLHA não publica foto que permita identificar criança ou adolescente infrator ou em situação de constrangimento. Contudo, a Veja, ao contrário do que o Manual da Redação da Folha de S.Paulo segue, publicou uma foto do menino L.G.S. com o rosto quase todo coberto por uma bola de futebol e por uma jaqueta preta, de forma que quem o conhece pode identificá-lo. A mão direita toda dele e uma parte do rosto aparecem na foto e correspondem com as características físicas de um menino de 9 anos. Nesta imagem, não há marcas linguísticas discursivas, mas há marcas que significam e que apontam para uma contradição. Enquanto a Veja diz de um modo, a Folha de S.Paulo silencia. Já os jovens empresários responsáveis por inovações tecnológicas não são designados como líderes, contudo, as informações ditas sobre eles na revista Veja revelam que esses poderiam ser designados como líderes, porque, segundo o Dicionário de política, líderes são os que: no interior de um grupo ocupam uma posição de poder que tem condições de influenciar, de forma determinante, todas as decisões de caráter estratégico (BOBBIO, MATTEUCCI e PASQUINO, 1995, p. 713). Outro indício ainda mais forte é que a própria Veja, através da VEJA.com, realizou, durante o ano de 2012, uma competição intitulada "Prêmio Jovens Inspiradores", cuja uma das chamadas foi "A escolha de um NOVO LÍDER" (01/08/2012). Na reportagem, "Em busca dos Notáveis" (28/03/2012), a revista diz que "o programa vai selecionar estudantes recémformados que comprometidos com a busca da excelência no estudo e no trabalho, desejam transformar o país na iniciativa privada, no serviço público ou na carreira política.. 193

5 Ao analisar estas e outras marcas que são criadas pelo mecanismo de repetição na língua verifica-se que por mais que este sujeito empresário não receba o nome de líder nas reportagens, ele é significado como líder implicitamente, já que a premiação da Veja.com busca, como é salientado nas reportagens da Veja sobre o concurso, jovens que tenham o perfil deste sujeito jovem empresário responsável por alguma inovação tecnológica ou que tenha uma proposta ligada a algum mecanismo da internet. No dia 5 de dezembro de 2012, a VEJA fez uma reportagem sobre os quatro vencedores do Prêmio Jovens Inspiradores e a maioria tem um projeto que envolve alguma das novas tecnologias da internet. Assim como os líderes empresários responsáveis por inovações tecnológicas, "os novos líderes", de acordo com a Veja, possuem as mesmas características de empreendedorismo. De acordo com a revista Veja (01/08/2012), o prêmio teve como objetivo selecionar jovens estudantes universitários ou recém-formados com espírito de liderança, que tinham como meta construir um país mais competitivo e justo. Assim como esses, os jovens empresários responsáveis por inovações tecnológicas elaboraram seus projetos quando ainda eram estudantes, como a Veja sempre destaca em suas reportagens: Ao analisar as famílias parafrásticas observa-se que existem muitas semelhanças, na Veja, entre os jovens eleitos "novos líderes" e os empresários responsáveis por inovações na área tecnológica. Mesmo não sendo designados como líderes, o prêmio Jovens Inspiradores faz com que os jovens empresários da área tecnológica, mesmo que implicitamente, sejam considerados líderes pela revista. Pode-se dizer que por mais que a palavra líder não seja dita pela Veja para designar o jovem empresário responsável por inovações tecnológicas, ela se faz "presente através do não-dito, que não é reconstituído sobre a base de operações lógicas internas, ele remete a um já-dito, ao dito em outro lugar" (ORLANDI, 2011, p. 146). 194 Referências BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. v.2, 8.ed. Brasília: UNB, GARCIA, L. Manual de redação e estilo. Rio de Janeiro: Globo, GUIMARÃES, Eduardo. Designação e espaço de enunciação: um encontro político no cotidiano. Texto apresentado durante a XXI Semana de letras- VIII Seminário Internacional de Língua e Literatura, realizado pelo curso de Letras e pelo programa de pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria, realizado em Manual da Redação Folha de São Paulo. São Paulo: Publifolha, 2006.

6 ORLANDI, Eni. Análise do Discurso - Michel Pêcheux. Campinas, SP: Pontes, PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. de Eni. P. Orlandi [et al]. 3. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp,

CONSTRUÇÃO DE SABERES NO DISCURSO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CONSTRUÇÃO DE SABERES NO DISCURSO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSTRUÇÃO DE SABERES NO DISCURSO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Vanessa Borges Fortes Serapio Ferreira 1 Carme Regina Schons 2 Um dos papéis da mídia é documentar os fatos, considerados de relevância,

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE O JOVEM NOS DISCURSOS SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA

UMA ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE O JOVEM NOS DISCURSOS SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA Anais do VI Seminário dos Alunos dos Programas de Pós-Graduação do Instituto de Letras da UFF Estudos de Linguagem UMA ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE O JOVEM NOS DISCURSOS SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA Fernanda

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Elias Januário Revisão Final: Karla Bento de Carvalho Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto Gráfico/Diagramação: Fernando

Leia mais

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Chefes de Estado e de Governo de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos

Leia mais

A ESCRITA INFANTIL: SENTIDOS E INTERPRETAÇÃO DOS REGISTROS DAS CRIANÇAS

A ESCRITA INFANTIL: SENTIDOS E INTERPRETAÇÃO DOS REGISTROS DAS CRIANÇAS A ESCRITA INFANTIL: SENTIDOS E INTERPRETAÇÃO DOS REGISTROS DAS CRIANÇAS Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL clesia.zapelini@unisul.br Para iniciar... Neste trabalho, trataremos da questão da constituição

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016 CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA GUARDA MUNICIPAL DE GARANHUNS-2016 Provimento de cargos da Guarda Municipal de Garanhuns. Nome do candidato: Número de inscrição: Assinatura do candidato: PROVA MÓDULO

Leia mais

DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL.

DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL. DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL. Débora Smaha Corrêa (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Maria Cleci Venturini (Orientadora), e-mail: mariacleciventurini@hotmail.com Universidade Estadual

Leia mais

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado Concurso Público para Admissão ao Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública da Polícia Militar do Estado de São Paulo Assinatura do Candidato 2. Prova de Escolaridade (Parte II) INSTRUÇÕES

Leia mais

Recursos Humanos para Inovação

Recursos Humanos para Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Brasília, DF Outubro, 2007 Centro

Leia mais

IX ENCONTRO BRASILEIRO DA REDE LATINO-AMERICANA DE ESTUDOS SOBRE TRABALHO DOCENTE

IX ENCONTRO BRASILEIRO DA REDE LATINO-AMERICANA DE ESTUDOS SOBRE TRABALHO DOCENTE IX ENCONTRO BRASILEIRO DA REDE LATINO-AMERICANA DE ESTUDOS SOBRE TRABALHO DOCENTE Trabalho docente no século XXI: conjuntura e construção de resistências 8, 9 e 10 de novembro de 2017 Universidade Estadual

Leia mais

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Soeli Maria Schreiber da Silva 1 (UFSCar) xoila@terra.com.br Estudar o sentido significa estudá-lo na relação

Leia mais

2 - DEZESSEIS PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

2 - DEZESSEIS PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO 9 2 - DEZESSEIS PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto 1 - Para construir o é preciso que direção, professores, funcionários, alunos e pais saibam o que ele significa.

Leia mais

1 Resumo da tese de doutorado intitulada O processo de construção das narrativas midiáticas

1 Resumo da tese de doutorado intitulada O processo de construção das narrativas midiáticas O processo de construção das narrativas midiáticas como marca da ideologia no discurso: análise de histórias sobre a criminalidade associada ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro 1 Profa. Dra. Carla Leila

Leia mais

O CIBERESPAÇO NO CONFRONTO DE SENTIDOS: UMA NOVA LEITURA DE ARQUIVO

O CIBERESPAÇO NO CONFRONTO DE SENTIDOS: UMA NOVA LEITURA DE ARQUIVO O CIBERESPAÇO NO CONFRONTO DE SENTIDOS: UMA NOVA LEITURA DE ARQUIVO Carolina FERNANDES 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul carolfr20@yahoo.com.br Todo trabalho de pesquisa passa por um processo

Leia mais

DANÇA E CULTURA VISUAL: DIÁLOGOS POSSÍVEIS NO CONTEXTO ESCOLAR Lana Costa Faria 1. Palavras chave: diálogo, dança, educação e cultura visual.

DANÇA E CULTURA VISUAL: DIÁLOGOS POSSÍVEIS NO CONTEXTO ESCOLAR Lana Costa Faria 1. Palavras chave: diálogo, dança, educação e cultura visual. DANÇA E CULTURA VISUAL: DIÁLOGOS POSSÍVEIS NO CONTEXTO ESCOLAR Lana Costa Faria 1 Resumo Este relato trás como reflexão no universo da Dança uma prática pedagógica vivenciada no curso no Centro de Estudo

Leia mais

REDAÇÃO Diminuição da maioridade penal em questão no Brasil

REDAÇÃO Diminuição da maioridade penal em questão no Brasil REDAÇÃO Diminuição da maioridade penal em questão no Brasil INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto

Leia mais

STOCKOLM JUNIOR WATER PRIZE PRÊMIO JOVEM DA ÁGUA DE ESTOCOLMO. Etapa Nacional Brasileira

STOCKOLM JUNIOR WATER PRIZE PRÊMIO JOVEM DA ÁGUA DE ESTOCOLMO. Etapa Nacional Brasileira STOCKOLM JUNIOR WATER PRIZE PRÊMIO JOVEM DA ÁGUA DE ESTOCOLMO Etapa Nacional Brasileira CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º O Stockholm Junior Water Prize é uma competição promovida pelo Stockolm

Leia mais

Delinquência juvenil: a discussão da maioridade penal entre os capixabas

Delinquência juvenil: a discussão da maioridade penal entre os capixabas Delinquência juvenil: a discussão da maioridade penal entre os capixabas Luciana Zamprogne Em outubro deste ano, o senador Ivo Cassol (PP) anunciou em Plenário a apresentação do Projeto de Decreto Legislativo

Leia mais

O erro dessa questão foi traduzir o nem como ou não, quando na verdade o correto é traduzir o nem como e não :

O erro dessa questão foi traduzir o nem como ou não, quando na verdade o correto é traduzir o nem como e não : Resolução da Prova de Raciocínio Lógico da DPU (Nível Superior) de 2016, aplicada em 24/01/2016. Um estudante de direito, com o objetivo de sistematizar o seu estudo, criou sua própria legenda, na qual

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Seminário de Apresentação de Trabalhos de Conclusão dos cursos de Pós- Graduação em Gestão de Segurança Pública e em Inteligência Criminal

Seminário de Apresentação de Trabalhos de Conclusão dos cursos de Pós- Graduação em Gestão de Segurança Pública e em Inteligência Criminal Seminário de Apresentação de Trabalhos de Conclusão dos cursos de Pós- Graduação em Gestão de Segurança Pública e em Inteligência Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão de Segurança Pública Florianópolis,

Leia mais

CRIMINOLOGIA - delito apresentado como problema social e comunitário - infrator como objeto de estudo passagem da etapa positivista para a moderna:

CRIMINOLOGIA - delito apresentado como problema social e comunitário - infrator como objeto de estudo passagem da etapa positivista para a moderna: CRIMINOLOGIA - delito apresentado como problema social e comunitário - infrator como objeto de estudo passagem da etapa positivista para a moderna: inserção da análise da conduta delitiva, do controle

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

Atividade supervisionada de Assessoria de Comunicação

Atividade supervisionada de Assessoria de Comunicação Atividade supervisionada de Assessoria de Comunicação Turma 131 Professora: Cleide Luciane Antoniutti Integrantes: Diego De Souza Basto França Lidiane Da Silva Barbosa Dos Santos Lilian de Melo Virginia

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

Nº 5 - Dez/14. PRESTA atenção SOLIDARIEDADE FAZ BEM

Nº 5 - Dez/14. PRESTA atenção SOLIDARIEDADE FAZ BEM Nº 5 - Dez/14 PRESTA atenção SOLIDARIEDADE FAZ BEM! Apresentação A Coleção PRESTA ATENÇÃO! do AfroRegge chega a sua quinta edição sempre com a intenção de facilitar práticas sociais e coletivas. O Natal

Leia mais

POR UMA ANÁLISE DO DISCURSO SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA TELEVISIVA

POR UMA ANÁLISE DO DISCURSO SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA TELEVISIVA POR UMA ANÁLISE DO DISCURSO SOBRE A MAIORIDADE PENAL NA MÍDIA TELEVISIVA Fernanda Cerqueira de Mello 1 PALAVRAS INICIAIS O presente trabalho é parte da pesquisa Dos discursos, dos sujeitos: efeitos de

Leia mais

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E T E C N O L O G I A ( I N T ) Documento técnico e relatório Produto 6

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E T E C N O L O G I A ( I N T ) Documento técnico e relatório Produto 6 Análise dos exercícios gravados em áudio e vídeo, com orientações focadas nas dificuldades observadas, com foco especial no contato com os veículos de comunicação considerados grande mídia. Produto 6 I

Leia mais

A organização afetando o comportamento das pessoas

A organização afetando o comportamento das pessoas Objetivos Definir as estruturas Organizacionais Diferenciar estruturas mecanicistas e orgânicas Conceituar Cultura Organizacional Apontar como as estruturas e principalmente a cultura organizacional afetam

Leia mais

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil 2015 I F P A 1 0 5 a n o s SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1 CALENDÁRIO

Leia mais

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS

TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IDENTIDADE UNIVERSAL DO JOVEM EM GUS VAN SANT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Um novo olhar sobre formação de equipes

Um novo olhar sobre formação de equipes Um novo olhar sobre a formação de equipes O novo desafio que marcará o século XXI é como inventar e difundir uma nova organização, capaz de elevar a qualidade de vida e do trabalho, fazendo alavanca sobre

Leia mais

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO 01.ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO GERAL As Bolsas ES JOVEM / NOS ALIVE resultam de uma iniciativa conjunta da Cooperativa

Leia mais

LVIII Fórum Estadual de Conselheiros Tutelares. A Política de Educação e Projeto Político Pedagógico para o Enfrentamento à Violência nas Escolas

LVIII Fórum Estadual de Conselheiros Tutelares. A Política de Educação e Projeto Político Pedagógico para o Enfrentamento à Violência nas Escolas LVIII Fórum Estadual de Conselheiros Tutelares A Política de Educação e Projeto Político Pedagógico para o Enfrentamento à Violência nas Escolas Apresentação: Cândido Portinari: painel Guerra e Paz A criança

Leia mais

Força de raiz. Dayane e 20anosDayana Conceição. Centro de Documentação e Informação Coisa de Mulher Rio de Janeiro, capital

Força de raiz. Dayane e 20anosDayana Conceição. Centro de Documentação e Informação Coisa de Mulher Rio de Janeiro, capital Centro de Documentação e Informação Coisa de Mulher Rio de Janeiro, capital Força de raiz As gêmeas Dayane e Dayana Conceição, de 20 anos, já fizeram de tudo um pouco. Em 2006, trabalharam na novela Cobras

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje LEITURA: UM CONCEITO POLISSÊMICO 14 aula META Apresentar concepções de leitura; discutir as condições de legibilidade dos textos; mostrar a distinção

Leia mais

Serviço Social São Judas Tadeu¹

Serviço Social São Judas Tadeu¹ Serviço Social São Judas Tadeu¹ Gabrielly Bittenbinder LOPES² Luis Felipe Soldeira REGIS³ Ana Claudia da Silva BAHIA 4 Luciana Leme Souza e SILVA 5 Centro Universitário de Rio Preto, São José do Rio Preto,

Leia mais

Quadro sintético de ações na perspectiva da gestão democrática

Quadro sintético de ações na perspectiva da gestão democrática ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA PÚBLICA/TCC (TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO) Prezado/a professor/a cursista, Como parte do Curso de Gestão Democrática, com

Leia mais

REGULAMENTO MARATONAS DE NEGÓCIOS CAMPUS PARTY RECIFE 2015

REGULAMENTO MARATONAS DE NEGÓCIOS CAMPUS PARTY RECIFE 2015 REGULAMENTO MARATONAS DE NEGÓCIOS CAMPUS PARTY RECIFE 2015 A participação neste evento implica na leitura e aceitação das condições estabelecidas nesse regulamento. INTRODUÇÃO A Campus Party Recife 2015

Leia mais

Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la?

Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la? BuscaLegis.ccj.ufsc.br Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la? *Roberto Ramalho A pena de morte é um tema bastante controverso entre os estudiosos do Direito, da Criminologia, da Sociologia, da Medicina

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ PACTO PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JOVENS DA CIDADE

Leia mais

SOMOS DA MARÉ. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. DO RIO DE

SOMOS DA MARÉ. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. DO RIO DE SOMOS DA MARÉ. SOMOS DO RIO DE JANEIRO. SOMOS CIDADÃOS E CIDADÃS. TEMOS DIREITOS! EXIGIMOS RESPEITO! Na Maré, vivem 130 mil pessoas, distribuídas por 16 comunidades. Aqui, vivem mais habitantes que em

Leia mais

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL... 1 Sumário APRESENTAÇÃO...3 COMO DENUNCIAR? Crime de Racismo...4 Crime de Injúria Racial...6 Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...12

Leia mais

EDITAL Nº 009, de 11 de março de 2016.

EDITAL Nº 009, de 11 de março de 2016. EDITAL Nº 009, de 11 de março de 2016. REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS NA 13ª SEMANA ACADÊMICA FADISMA ENTREMENTES EDIÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS E DIREITO A Faculdade de Direito de Santa Maria (FADISMA),

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

A FORMA-SUJEITO DO/NO DISCURSO NO PROCESSO METAFÓRICO DE CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DO NOME PORTUGUÊS NA ARGENTINA

A FORMA-SUJEITO DO/NO DISCURSO NO PROCESSO METAFÓRICO DE CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DO NOME PORTUGUÊS NA ARGENTINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A FORMA-SUJEITO

Leia mais

As cinco escolhas que você deve fazer para ter uma produtividade extraordinária

As cinco escolhas que você deve fazer para ter uma produtividade extraordinária As cinco escolhas que você deve fazer para ter uma produtividade extraordinária Reunião, trabalho, família, internet, saídas, e-mails, tecnologia, relatório, informação... Você já reparou quantas coisas

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA. Candidato (a):

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA. Candidato (a): PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 7º ANO Data: 21/11/2015 Candidato (a): Valor: 10 Obtido: Leia estes quadrinhos de Angeli. Angeli. Ozzy 1, Caramba! Mas que garoto rabugento! São Paulo: Companhia

Leia mais

Redução da maioridade penal

Redução da maioridade penal Redução da maioridade penal Danielle Araujo Ferreira RESUMO O presente artigo tem por finalidade por em discussão a questão sobre a redução da maioridade penal (hoje fixada em dezoito anos), definida pelo

Leia mais

Projeto Oficinas de Fotografias Comunidade em Foco. Nelson CHINALIA PUC- Campinas

Projeto Oficinas de Fotografias Comunidade em Foco. Nelson CHINALIA PUC- Campinas Projeto Oficinas de Fotografias Comunidade em Foco Nelson CHINALIA PUC- Campinas ISSN-2175-6554 Referência: CHINALIA, Nelson., Projeto Oficinas de Fotografias Comunidade em Foco. In: Mídia Cidadã 2009

Leia mais

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Denominação) O Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a

Leia mais

TEXTUALIZAÇÃO DOS DISCURSOS URBANOS

TEXTUALIZAÇÃO DOS DISCURSOS URBANOS 1 TEXTUALIZAÇÃO DOS DISCURSOS URBANOS Maria Cleci Venturini 1 O suporte teórico que sustenta esta reflexão acerca da textualização dos discursos urbanos encontra-se em Foucault, Pêcheux e Orlandi. Buscamos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE JUVENTUDE, CULTURA ESPORTE E LAZER Teutônia RS REGULAMENTO VIII CONCURSO DE FOTOGRAFIAS DE TEUTÔNIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE JUVENTUDE, CULTURA ESPORTE E LAZER Teutônia RS REGULAMENTO VIII CONCURSO DE FOTOGRAFIAS DE TEUTÔNIA 1 O Concurso de Fotografia As Riquezas da Nossa Terra é o momento de registrar as belezas naturais e as tradições germânicas do nosso município. 01 CRONOGRAMA O 8º Concurso de Fotografias de Teutônia,

Leia mais

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ANALIZANDO A CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Betânia Evangelista mbevangelista@hotmail.com Fabiola Santos M.de A. Oliveira fabiprestativa@hotmail.com Paulo Marcos Ribeiro

Leia mais

Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto

Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto Coordenação: Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase); os questionários foram aplicados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Objetivos:

Leia mais

Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Reforma do Estado Principais Aspectos Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ideal de Estado que orienta as políticas de gestão do Governo

Leia mais

A EVASÃO ESCOLAR NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNADAMENAL E MÉDIO JOSÉ PAULO DE FRANÇA-MARI/PB

A EVASÃO ESCOLAR NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNADAMENAL E MÉDIO JOSÉ PAULO DE FRANÇA-MARI/PB A EVASÃO ESCOLAR NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNADAMENAL E MÉDIO JOSÉ PAULO DE FRANÇA-MARI/PB Fernanda Barbosa da Silva Universidade Estadual da Paraíba-UEPB/ Campus III- Guarabira (fer_94barbosa@hotmail.com)

Leia mais

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção

Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção Gilka Jorge Figaro Gattás Professora Livre-Docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Departamento de Medicina

Leia mais

ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA

ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA Felipe Souza Ferraz 1 Silvia Regina Nunes 2 INTRODUÇÃO Durante os anos 1960 e 1970, a MPB desempenhou um importante

Leia mais

O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos

O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos O presídio Feminino Júlia Maranhão como espaço de atuação do Projeto Ressocialização Feminina, Cidadania e Direitos Humanos BEZERRA 1, Leonardo P. BRAGA 2, Rafaelle ORIENTADOR: Prof. Gustavo Barbosa de

Leia mais

Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas

Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas Rodrigo Vitória 2012 Coordenador da Unidade de Governança e Justiça Seguindo o mandato da Assembleia Geral O Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas 2012 concentra-se

Leia mais

PARECER DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PARECER DO MINISTÉRIO PÚBLICO 8ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE SALVADOR BA PROCESSO Nº 0526763-41.2015.8.05.0001- MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: RAFAEL BELO GOMES IMPETRADO: COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELA IGREJA EM CAMPANHA CONTRA AIDS.

A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELA IGREJA EM CAMPANHA CONTRA AIDS. A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELA IGREJA EM CAMPANHA CONTRA AIDS. Anastácia Brandão de M. Santos 1 Josenildo Souza e Silva 1 Kelma Beltrão 1 Maria de Fátima Massena de Melo 1 Drª Maria do Rosário

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Psicologia FACISA/UNIVIÇOSA. com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Psicologia FACISA/UNIVIÇOSA.   com. 2 PROJETO RAÍZES: PENSANDO NO FUTURO Maria Virgínia Marra Paliani 1, Matheus Macedo de Souza 2, Melyne Dias 3, Augusto Provensani 4, Nelimar Ribeiro de Castro 5 Resumo: Este artigo descreve a implantação

Leia mais

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI Rachel Rangel Bastos 1 No meu nascimento Eu não cheguei sendo nada Eu já estava moldado Vestido Cultivado Culturado Antes mesmo de escutar Eu tinha já escutado dizer Antes

Leia mais

0 PESQUISADOR E A ESTATÍSTICA

0 PESQUISADOR E A ESTATÍSTICA 0 PESQUISADOR E A ESTATÍSTICA SERGIO FRANCISCO COSTA Quando, em 1954, a Penguin Books publicou o clássico Como Mentir com Estatística-de Darrell Huff, já se abusava da declaração, atribuída a Disraeli,

Leia mais

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o. FAQ s

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o. FAQ s BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE 3. ª e d i ç ã o FAQ s 2016 FAQ S I FINALIDADE DO PROGRAMA ES JOVEM 1. Qual é a finalidade do programa ES Jovem? Este programa tem como finalidade dar a conhecer o sector da

Leia mais

A IMPUNIDADE COMO PRESSUPOSTO DA INAPLICABILIDADE DA NORMA JURÍDICA RESULTANTE DE UMA ESTRUTURA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA DEFICIENTE

A IMPUNIDADE COMO PRESSUPOSTO DA INAPLICABILIDADE DA NORMA JURÍDICA RESULTANTE DE UMA ESTRUTURA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA DEFICIENTE A IMPUNIDADE COMO PRESSUPOSTO DA INAPLICABILIDADE DA NORMA JURÍDICA RESULTANTE DE UMA ESTRUTURA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA DEFICIENTE Autoria: Delane Silva da Matta Bonfim - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA Moradia de qualidade e o direito à cidade. Investigação sobre o processo fundiário na cidade de São Luís ORIENTADOR: PROF.

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2009 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE HOMOFOBIA Autor: Gustavo Grandini Bastos Orientadora: Profa. Dra. Lucília Maria Sousa Romão Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade

Leia mais

Intercâmbio 2012. Projeto Intercâmbio de Cidadania. Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ)

Intercâmbio 2012. Projeto Intercâmbio de Cidadania. Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ) Intercâmbio 2012 Projeto Intercâmbio de Cidadania Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ) 0 Índice Assunto Pagina Apresentação 2 Objetivos do Programa

Leia mais

REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS

REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS Normas Gerais para Submissão Fonte: Times New Roman. Página: 14cm (largura) x 21cm (altura). Margens: superior 2cm; inferior 2cm; à esquerda 1,5cm; à direita

Leia mais

Globonews: Experiência e juventude

Globonews: Experiência e juventude Globonews: Experiência e juventude Alfredo Vizeu 1 PATERNOSTRO, Vera Íris (coord.). Globonews: o primeiro canal de jornalismo do Brasil, 10 anos, 24 horas no ar. São Paulo: Editora Globo, 2006. 1 Vice-coordenador

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015 (Enfermagem)

PROCESSO SELETIVO 2015 (Enfermagem) Santa Casa de Misericórdia de Passos Hospital Regional CNPJ (MF) 23.278.898/0001-60 - Inscrição Estadual: Isento PABX - DDR: (035) 3529.1300 (Geral) Rua Santa Casa, 164 - CEP 37904-020 Passos - MG e-mail:

Leia mais

08/11/2004. Discurso do Presidente da República

08/11/2004. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na abertura da 4ª reunião do Grupo de Alto Nível do Programa Educação para Todos da Unesco Palácio Itamaraty, 08 de novembro de 2004 Senhor

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 Fortalecimento da Ciência: Pesquisa em Gênero, Relação Étnico-racial e Grupos Sociais TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás

Leia mais

Nota Técnica sobre a situação da Febre Aftosa no Equador

Nota Técnica sobre a situação da Febre Aftosa no Equador Saúde Pública Veterinária Centro Pan-Americano de Febre Aftosa Nota Técnica sobre a situação da Febre Aftosa no Equador I. Antecedentes As autoridades de saúde animal do Equador têm solicitado a cooperação

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. A Educação Básica, B Avanços e Desafios Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada

Leia mais

É uma emergente área de especialidade da Psicologia

É uma emergente área de especialidade da Psicologia O que se entende por Psicologia Jurídica? Trata-se da psicologia aplicada no âmbito do Direito. Prestação de serviços Psicológicos no âmbito de Instituições, Assuntos e Problemas Jurídicos (BERNARDI,1997,p.1)

Leia mais

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA Kátia Maria Silva de MELO Universidade Federal de Alagoas katia-melo@uol.com.br Neste texto abordamos

Leia mais

1º Simpósio de Comércio Exterior da Amazônia Paraense ComexPA: Desafios e Oportunidades para o Comércio Exterior Franco-Brasileiro

1º Simpósio de Comércio Exterior da Amazônia Paraense ComexPA: Desafios e Oportunidades para o Comércio Exterior Franco-Brasileiro 1º Simpósio de Comércio Exterior da Amazônia Paraense ComexPA: Desafios e Oportunidades para o Comércio Exterior Franco-Brasileiro 1. PROPOSTA DO EVENTO: O Simpósio de Comércio Exterior na Amazônia Paraense

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST PROPOSTAS DE REDAÇÃO II ABRIL/2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST PROPOSTAS DE REDAÇÃO II ABRIL/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST PROPOSTAS DE REDAÇÃO II ABRIL/2015 PROPOSTA I Com base na leitura dos textos motivadores seguintes e nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

CLIPPING DAS NOTÍCIAS PUBLICADAS NO SITE DO MINISTÉRIO DO ESPORTE SOBRE O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO JANEIRO, FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2007

CLIPPING DAS NOTÍCIAS PUBLICADAS NO SITE DO MINISTÉRIO DO ESPORTE SOBRE O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO JANEIRO, FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2007 CLIPPING DAS NOTÍCIAS PUBLICADAS NO SITE DO MINISTÉRIO DO ESPORTE SOBRE O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO JANEIRO, FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2007 Organização: Centro de Memória do Esporte CEME/UFRGS NO MÊS DE

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

As políticas de Educação em Sexualidade no Brasil 2003 a 2008

As políticas de Educação em Sexualidade no Brasil 2003 a 2008 As políticas de Educação em Sexualidade no Brasil 2003 a 2008 Coordenação Sandra Unbehaum Sylvia Cavasin Equipe de Pesquisa Sandra Unbehaum Paulo Neves ECOS A ECOS - Comunicação em Sexualidade é uma organização

Leia mais

Filho não é brinquedo: a responsabilidade na paternidade e maternidade

Filho não é brinquedo: a responsabilidade na paternidade e maternidade ATI V I DAD E EX TRA D E S E XUA LI DA DE 9 Filho não é brinquedo: a responsabilidade na paternidade e maternidade Conceitos maternidade paternidade planejamento responsabilidade OBJETIVO: Refletir sobre

Leia mais

CPGP 2016 CONGRESSO PARANAENSE DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CHAMADA DE TRABALHOS

CPGP 2016 CONGRESSO PARANAENSE DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CHAMADA DE TRABALHOS CPGP 2016 CONGRESSO PARANAENSE DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CHAMADA DE TRABALHOS I. DATA E LOCAL Data: 25 e 26 de Agosto de 2016 Local: FIEP Campus da Indústria Av. Comendador Franco, 1341, Jardim Botânico

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO LITERÁRIO AUGUSTO DOS ANJOS DE MONTE SANTO 2017

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO LITERÁRIO AUGUSTO DOS ANJOS DE MONTE SANTO 2017 REGULAMENTO DO 1º CONCURSO LITERÁRIO AUGUSTO DOS ANJOS DE MONTE SANTO 2017 Capítulo I - DO CONCURSO Art. 1º O 1º Concurso Literário Augusto dos Anjos de Monte Santo 2017, será realizado pelo site www.esbocodocalabouco.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA LILIANE DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA LILIANE DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA LILIANE DE OLIVEIRA PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA EM MEIO ELETRÔNICO: REVISTA SOBRE FELINOS Florianópolis 2016 1 LILIANE DE

Leia mais

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador Parte Geral - Doutrina O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador LUIZ EDUARDO DINIZ ARAÚJO Procurador Federal RAÍSSA ROESE DA ROSA Estudante de Direito da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CHAMADA INTERNA PROEX Nº 02/2014 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CHAMADA INTERNA PROEX Nº 02/2014 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Avenida Rio Branco, 0 Santa Lúcia 906- Vitória ES 7 7-7 CHAMADA INTERNA PROEX Nº 0/0 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS A Pró-Reitoria

Leia mais

POR QUE É TÃO IMPORTANTE TER EMPATIA NAS CONVERSAS COM NOSSOS FILHOS?

POR QUE É TÃO IMPORTANTE TER EMPATIA NAS CONVERSAS COM NOSSOS FILHOS? POR QUE É TÃO IMPORTANTE TER EMPATIA NAS CONVERSAS COM NOSSOS FILHOS? ACOMPANHE ESSE DIÁLOGO TODOS OS PAIS JÁ PASSARAM PELA SEGUINTE SITUAÇÃO COM OS FILHOS: VOCÊ ACABOU DE BUSCAR SEU FILHO NA ESCOLA. AINDA

Leia mais