O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS EM APOIO À GESTÃO DE RECURSOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS EM APOIO À GESTÃO DE RECURSOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA EZEQUIEL SILVA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS EM APOIO À GESTÃO DE RECURSOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Rio de Janeiro 2012

2 EZEQUIEL SILVA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS EM APOIO À GESTÃO DE RECURSOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Cel R1 Carlos Alberto Gonçalves de Araújo. Rio de Janeiro 2012

3 Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Silva, Ezequiel O Sistema de Informações Geográficas em apoio à gestão de recursos do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais/Ezequiel Silva.- Rio de Janeiro: ESG, f.: il. Orientador: Cel R1 Carlos Alberto Gonçalves de Araújo. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Tecnologia. 2. Sistema de Informações Geográficas. 3. Gestão de Recursos. I.Título.

4 À minha esposa LUCIMAR, que durante meu período de ausência cuidou de nossos filhos com dedicação, equilíbrio, paciência e carinho, proporcionando-me tranquilidade para dedicação exclusiva ao curso. Aos meus filhos, PÂMELA e GABRIEL, pela compreensão dos momentos em que estive ausente. Aos meus pais, NAIR e MANUEL, que sempre me ensinaram o caminho do trabalho e da verdade. Aos valorosos SOLDADOS DO FOGO, pela sua abnegada missão de sempre salvar vidas e bens alheios.

5 AGRADECIMENTOS A DEUS, nosso caminho, verdade e vida... Aos amigos, Adelson, Ramalho, Tibúrcio e Jonas, pelo companheirismo vivenciado durante o curso. Ao Cel R1 Carlos Alberto Gonçalves de Araújo pela orientação segura, firme e, sobretudo incentivadora. Na pessoa do Exmº Sr. Contra-Almirante ALEXANDRE, aos nossos colegas do CAEPE/2012, Turma PROANTAR, responsáveis pelas vitórias alcançadas nesta caminhada. Ao Corpo Permanente da Escola Superior de Guerra por nos possibilitarem melhor conhecermos o Brasil, e assim podermos contribuir para seu desenvolvimento, ampliando nosso sentimento de patriotismo. Ao Professor Jorge Xavier da Silva, chefe do Laboratório de Geoprocessamento (LAGEOP) da UFRJ, responsável pelo desenvolvimento do programa utilizado nesta pesquisa, e que sem o qual não haveria a mínima condição de se obterem os resultados apresentados. A todos que, de uma forma ou de outra, contribuíram com palavras e/ou ações, para a consecução deste trabalho. Ao Corpo de Bombeiro Militar do Estado de Minas Gerais, na pessoa de seu Comandante-Geral, o Exmº Sr. Cel BM Silvio Antônio de Oliveira Melo, pela confiança e oportunidade. Muito obrigado!

6 Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim. (Chico Xavier)

7 RESUMO O presente estudo visa demonstrar como o Corpo de Bombeiros Militar estadual pode contribuir na busca do desenvolvimento de Minas Gerais, que tem como visão tornar-se o melhor estado para se viver, garantindo mais segurança às cidades. A pesquisa identifica a metodologia empregada pela corporação para distribuição de seus efetivos, viaturas e equipamentos, assim considerados estes parâmetros, o seu poder operacional, isto com vistas a atender às suas demandas operacionais. Ela busca também avaliar até que ponto um sistema de informações geográficas pode auxiliar na distribuição destes recursos, considerando que esta ferramenta possibilita diagnosticar a situação atual, modelar cenários, servir de sustentação para a apresentação de propostas, bem como otimizar o processo de tomada de decisão, tornando-o mais eficiente. Com vistas a embasar o trabalho, estabeleceu-se um referencial teórico que permitiu ao autor se aventurar, de forma segura, por novos caminhos, baseando-se na literatura existente a respeito. Sem pretensão de esgotar o assunto, este trabalho é o resultado de uma pesquisa que envolveu diversas fontes, dentre elas a bibliografia existente, artigos veiculados em revistas especializadas e trabalhos realizados por corporações da área de segurança pública de diversos Estados da Federação. As analises obtidas demonstram a necessidade de se empregar uma tecnologia adequada às características da corporação em estudo, como forma de buscar a eficiência na gestão dos recursos, contribuindo desta forma com o alcance do bem comum da população e o desenvolvimento do estado. Palavras-chave: Sistema de Informações Geográficas. Tomada de Decisão. Eficiência, Gestão de Recursos.

8 ABSTRACT The present study aims to demonstrate how the Military Fire Brigade of the State of Minas Gerais can help in the pursuit of development of Minas Gerais, which has the vision to become the best state to live in, ensuring greater security to cities. The research identifies the methodology used by the corporation for distribution of its personnel, vehicles and equipment, and considered these parameters, its operational power, that in order to meet your operational demands. It also seeks to assess to what extent a geographic information system can assist in the distribution of these resources, whereas this tool allows to diagnose the current situation, modeling scenarios, serve as support for the proposals, as well as optimize the process of decision-making, making it more efficient. In order to ground the work, we established a theoretical framework that allowed the author to venture in a safe into new approaches, based on the existing literature on the subject. No claim to exhaust the subject, this work is the result of a search that involved several sources, among them the existing bibliography, articles published in journals and works done by corporations in the area of public safety from various States of the Federation. The analysis obtained demonstrate the need to employ a technology suited to the characteristics of the corporation under study as a way of seeking efficiency in resource management, thus contributing to the achievement of the common good of the people and development of the state. Keywords: Geographic Information System. Decision Making. Efficiency, Resource Management.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Delimitação das jurisdições e localização das sedes das unidades operacionais em estudo FIGURA 2 Localização das unidades operacionais em estudo e suas áreas de influência FIGURA 3 Mapa conclusivo do equilíbrio das massas nas unidades em estudo... 54

10 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Quantidade de registros efetuados pelo CBMMG, entre 2007 e TABELA 2 Dados de atendimentos e de efetivos das unidades em estudo TABELA 3 Categorização de equipamentos e viaturas TABELA 4 Dados de viaturas das unidades em estudo TABELA 5 Valores resultantes da interação efetivos/viaturas/equipamentos e atendimentos por unidades... 51

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O ESTADO DE MINAS GERAIS E SEU CORPO DE BOMBEIROS MILITAR O ESTADO E O PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO (PMDI) O CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS O PLANO ESTRATÉGICO DO CBMMG A TECNOLOGIA E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO O PROCESSO DECISÓRIO A essência do processo decisório O valor da informação e do processo de comunicação na tomada de decisão A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS O SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG): A TECNOLOGIA EM APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO A TECNOLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA A TECNOLOGIA APLICADA O emprego racional da água em incêndios no Rio de Janeiro Distribuição de unidades policiais no Rio Grande do Norte O controle e combate de queimadas no Estado do Acre O EMPREGO DA TECNOLOGIA NAS AÇÕES DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS COMO FORMA DE CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO A TECNOLOGIA EM APOIO ÀS AÇÕES DO CBMMG CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 61

12 11 1 INTRODUÇÃO Na atualidade, temos percebido mudanças em antigas estruturas econômicas, sociais, políticas e gerenciais, e que deitam seus reflexos, principalmente, sobre a forma de identificar, planejar e equacionar as intrincadas questões do dia a dia, tanto do ponto de vista individual, quanto do ponto de vista coletivo, quer seja em âmbito local, regional, nacional ou internacional. Isso tem exigido da sociedade organizada e do Estado, em todos os níveis governamentais, a inovação de posturas, a adoção de métodos administrativos mais eficientes e a adequação de respostas que sejam mais rápidas e consentâneas com o espírito de modernidade, tendo como escopo, o bem comum, calcado nos valores da liberdade, da igualdade, da fraternidade e da justiça social. Baseado nessa concepção, o desafio desta pesquisa reside em contribuir com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais (CBMMG), na identificação de melhores práticas para gerenciar com eficiência e eficácia seus recursos humanos e logísticos, objetivando um atendimento com qualidade e rapidez à população mineira, observada a política estadual de defesa social que tem como foco cidades cada vez mais seguras. Sabe-se que o processo decisório, quer seja no mundo empresarial, quer seja na esfera da administração pública, reveste-se de singular importância, pois os destinos de inúmeras pessoas são alterados, de uma forma ou de outra, dependendo da amplitude e da complexidade das decisões que são tomadas. Ao administrador que irá pautar sua decisão na escolha de uma alternativa entre várias selecionadas, não poderá fazê-la unicamente com base em suas intuições e suas impressões pessoais, principalmente pelo fato de que os problemas que se lhes são apresentados, encontram-se circundados por inúmeras circunstâncias desfavoráveis e imprevisíveis, dentre estas, citam-se as incertezas que não se afloram com os problemas e o reduzido espaço de tempo para se decidir. Para tanto se deve identificar dentre as ferramentas disponíveis ao seu alcance, aquela que aliada à sua experiência e intuição possa proporcionar o auxílio necessário na identificação de alternativas adequadas à condução do seu processo decisório.

13 12 Do exposto, questiona-se de que forma o sistema de informações geográficas (SIG) pode auxiliar no processo decisório de distribuição do poder operacional das unidades operacionais do CBMMG, lotadas no município de Belo Horizonte/MG? Este questionamento se reveste de vital importância, pois com relativa frequência, depara-se com diversos veículos da mídia noticiando fatos em que há uma suposta demora na chegada dos bombeiros aos locais de ocorrência. Sabe-se que muito mais do que dar satisfação à mídia, cumpre aos órgãos públicos, e mais especificamente aqueles destinados à segurança pública, desempenharem suas atribuições com competência e com respeito à população. Entretanto, nem sempre as condições que cercam estes atendimentos são as mais favoráveis, desde a localização do aquartelamento bombeiro militar, até as vias urbanas utilizadas para o deslocamento, todos estes ingredientes podem influenciar no tempo de resposta ao atendimento. A hipótese básica da pesquisa é que os recursos humanos e logísticos das unidades operacionais em estudo podem ser distribuídos adequadamente à demanda operacional de suas áreas de responsabilidade, com o auxílio do sistema de informações geográficas. Como hipótese secundária, tem-se que a melhoria na qualidade das informações, com o auxílio de ferramentas tecnológicas, aperfeiçoará o processo decisório de distribuição do poder operacional do CBMMG. Para a hipótese básica, a variável independente é o sistema de informações geográficas, e como variáveis dependentes, a prestação de serviços e a distribuição dos recursos humanos e logísticos. O objetivo geral deste trabalho delimita-se em verificar quais as reais possibilidades que um sistema de informações geográficas dispõe que auxilie na otimização da distribuição do poder operacional das unidades do CBMMG. Com vistas a atingir o objetivo geral definido e para seu melhor detalhamento, foram estabelecidos dois objetivos específicos, quais sejam, descrever a atual metodologia empregada pela corporação para a distribuição de seus recursos, humanos e logísticos, e propor uma metodologia científica para auxiliar no processo decisório de distribuição desse poder operacional. Acredita-se que existam ferramentas tecnológicas utilizadas em apoio aos processos decisórios da atualidade, com características e de condições

14 13 elementares, que possam subsidiar a busca de solução para o problema identificado. Neste contexto, vislumbra-se que através do sistema de informações geográficas, com o emprego do geoprocessamento, tenha-se uma alternativa de gestão disponível para que o CBMMG melhore sua prestação de serviços, com os recursos de que dispõe. Para atingir os objetivos propostos, e como metodologia de pesquisa, foi realizado um levantamento na literatura existente. Este trabalho está organizado em seis capítulos. O primeiro Capítulo, que se refere a esta Introdução, apresenta o problema central, os objetivos, a metodologia da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho. O Capítulo 2 apresenta o Estado de Minas Gerais e o seu Corpo de Bombeiros Militar, como forma de contextualizar o ambiente alvo da pesquisa. No Capítulo 3, conceitos que envolvem o processo de tomada de decisão, aspectos relacionados com tecnologia e a correlação entre estes dois preceitos, são aqui tratados. O Capítulo 4 descreve alguns estudos de caso, abrangendo o emprego da tecnologia na gestão da segurança pública. No Capítulo 5 discute-se como a tecnologia pode auxiliar o CBMMG a contribuir com o desenvolvimento de Minas Gerais. Este capítulo também se presta a descrever a aplicação do sistema de informações geográficas, como uma proposta no auxílio da distribuição dos efetivos, viaturas e equipamentos da corporação, identificando-se as potencialidades desta ferramenta tecnológica. A partir do conhecimento reunido nos cinco primeiros capítulos, no Capítulo 6 é relatada a conclusão, que retrata a contribuição da tecnologia no processo decisório de distribuição do poder operacional das unidades operacionais do CBMMG.

15 14 2 O ESTADO DE MINAS GERAIS E SEU CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Antecedendo as discussões que permeiam o presente trabalho, torna-se necessária uma breve explanação dos aspectos que envolvem as principais características de Minas Gerais e seu plano de desenvolvimento, bem como uma breve apresentação da situação atual do seu Corpo de Bombeiros Militar, como forma de contextualizar o campo exploratório da pesquisa. 2.1 O ESTADO E O PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO (PMDI) Minas Gerais, em 2010, apresentava uma população estimada de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), distribuída entre os seus 853 municípios, possuindo uma extensão territorial de ,368 Km², lhe conferindo uma densidade demográfica de 33,41 hab/km². Possui a maior malha rodoviária do Brasil, equivalente a 16% de toda a malha viária existente no país. No estado existem km de rodovias. Deste total, km são de rodovias federais, km de rodovias estaduais e km de rodovias municipais. No período de 2005 a 2009, o Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais passou de R$ 192 milhões para R$ 287 milhões. Em relação ao PIB nacional, em 2009, o estado participou com 8,9% do total brasileiro naquele ano. Conforme se depara destas informações elementares, verifica-se que o estado apresenta infraestrutura relevante, compatível com suas dimensões territoriais, o que lhe garante uma significativa postura geopolítica em relação às demais unidades da Federação. Estas mesmas dimensões possibilitam uma vastidão de estudos geográficos, pois apresentam inúmeros fenômenos espaciais e temporais, que podem muito bem servir de insumos para o emprego de ferramentas tecnológicas.

16 15 O plano de desenvolvimento do estado tem como referência os ditames da Constituição Federal de 1988, conforme previsto no 1º do art. 165, ao definir que cabe ao Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) estabelecer, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas para consecução das políticas públicas. Operacionalizando esse intento, a Constituição do Estado de Minas Gerais define no parágrafo único do art. 154, que o plano plurianual deverá ser elaborado em consonância com o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), com respaldo no art. 231 que assim prevê: O Estado, para fomentar o desenvolvimento econômico, observados os princípios da Constituição da República e os desta Constituição, estabelecerá e executará o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado, que será proposto pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e aprovado em lei. Nesse sentido, o PMDI é o instrumento de planejamento de longo prazo da Administração Pública Estadual, responsável por balizar a elaboração dos outros instrumentos de planejamento. A principal função do PMDI está na definição da visão de futuro e das diretrizes ou objetivos estratégicos do governo, estabelecendo, portanto, a estrutura superior do PPAG a balizar a construção de todos os programas e ações do plano. Desde 2003, o PMDI apresenta como visão de futuro TORNAR MINAS O MELHOR ESTADO PARA SE VIVER. Essa visão é o ponto de partida para a construção da estratégia de desenvolvimento e que incorpora quatro atributos fundamentais, quais sejam: prosperidade, qualidade de vida, sustentabilidade e cidadania. No PMDI, foram identificados dez desafios a serem superados pela sociedade mineira, visando atingir essa visão de futuro. Estes desafios representam focos prioritários, de alta relevância e de elevado potencial de impacto, no desenvolvimento de Minas Gerais, sendo eles: a) reduzir a pobreza e as desigualdades; b) aumentar a empregabilidade e as possibilidades de realização profissional; c) garantir o direito de morar dignamente e viver bem; d) desenvolver e diversificar a economia mineira e estimular a inovação; e) viver mais e com saúde; f) transformar a sociedade pela educação e cultura; g) aumentar a segurança e a sensação de segurança;

17 16 h) promover e garantir a utilização sustentável dos recursos ambientais; i) ampliar e modernizar a infraestrutura e os serviços públicos; e j) assegurar os direitos fundamentais e fomentar a participação cidadã. Os desafios traçados no PMDI se justificam diante das características apresentadas pelo estado. Logo a seguir, tem-se a apresentação do Corpo de Bombeiro Militar do estado, sua missão, sua estrutura, bem como seus objetivos estratégicos, definidos em seu Plano Estratégico. 2.2 O CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS A história dos serviços de bombeiros teve origem com os hebreus e os gregos, quando criaram os primeiros Vigias Noturnos, cuja missão era efetuar rondas e dar alarmes em caso de fogo, além de combatê-lo. Na antiga Roma este serviço foi conservado e aprimorado, com relatos históricos de que o primeiro corpo de bombeiros organizado funcionou durante o primeiro século antes de Cristo. No Brasil, os portugueses apresentaram a arte de apagar incêndios à sua colônia, que traziam em suas embarcações os marinheiros denominados Vigias do Fogo. Somente em 2 de julho de 1856, foi que D. Pedro II assinou o Decreto Imperial nº 1.775, que instituiu pela primeira vez o Serviço de Extinção de Incêndio (FERREIRA, 2011). O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais tem suas origens nos tempos da construção da capital, conforme a "História Média de Belo Horizonte" do historiador Abílio Barreto, edição de 1936 (MINAS GERAIS. Histórico, 2000). Pela Lei nº 557, de 31 de agosto de 1911, assinada pelo então Presidente Júlio Bueno Brandão, foi autorizado ao Executivo dispensar a quantia de 20 contos de réis para organizar a Seção de Bombeiros Profissionais, aproveitando o pessoal da Guarda Civil. Em 08 de maio de 1912, Américo Ferreira Lopes, Chefe da Polícia do estado, para cumprimento da Lei nº 557, determinou o seguimento na mesma data de uma turma de guardas-civis para o Rio de Janeiro, a fim de estagiar naquele corpo de bombeiros.

18 17 O primeiro comandante dos bombeiros foi designado em 1912 sendo o Capitão Antônio Augusto de Oliveira Jardim que comandou no período de 30 de agosto de 1912 a 15 de maio de 1915 e ficou encarregado de organizar a citada companhia anexada ao Primeiro Batalhão da Força Pública, do qual foi separada novamente em 1º de outubro de 1914, sendo anexada em 18 de maio de 1915 como Seção de Bombeiros à Primeira Companhia do Primeiro Batalhão da Força Pública. Naquele ano ainda, o estado contratou um oficial de bombeiros do Distrito Federal para instruir e orientar tecnicamente a Seção de Bombeiros, tratando-se do Alferes João de Azevedo Teixeira. As diversas atividades executadas pelos Corpos de Bombeiros Militares, órgãos estaduais destinados à proteção da vida, tem respaldo na Carta Magna, além de outros documentos legais doutrinários. A Constituição Federal de 1988 inseriu os Corpos de Bombeiros Militares no contexto da segurança pública, trazendo a matéria no Título V, denominado Da Defesa do Estado e das Instituições Democráticas, mais especificamente no Capítulo III, denominado Da Segurança Pública. O artigo 144 da Constituição Federal tem a seguinte redação: CAPÍTULO III DA SEGURANÇA PÚBLICA Art A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: (...) V - polícias militares e corpos de bombeiros militares. Nos parágrafos 5 e 6, ainda do mesmo artigo, pode-se ler que: 5º - às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil. 6º - As polícias militares e corpos de bombeiros militares, forças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. Em Minas Gerais, o Corpo de Bombeiros Militar tem a definição legal de suas missões na Constituição Estadual, que assim prescreve: DA SEGURANÇA PÚBLICA Art.142 (...) II ao Corpo de Bombeiros Militar, a coordenação e a execução de ações de defesa civil, a prevenção e combate a incêndio, perícias de incêndio, busca e salvamento e estabelecimento de normas relativas à segurança das pessoas e de seus bens contra incêndio ou qualquer tipo de catástrofe; As atribuições previstas no artigo 142 da Constituição do Estado foram inseridas pela Emenda à Constituição nº 39, de 02 de Junho de 1999, quando da

19 18 desvinculação do Corpo de Bombeiros Militar da Polícia Militar, atribuindo à corporação a competência de coordenar e executar ações de defesa civil, perícias de incêndio e estabelecimento de normas relativas à segurança contra incêndios ou qualquer tipo de catástrofe, além de executar as demais atividades de prevenção e combate a incêndios e busca e salvamento. O CBMMG é órgão integrante do sistema de administração geral do estado, nos termos da Lei Complementar nº 54, de 13 de dezembro de 1999, com autonomia orçamentária e financeira. A partir de 2003, com a edição da Lei Delegada nº 49, de 2 de janeiro de 2003, que criou a Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDS), e consequente extinção da Secretaria de Estado de Segurança Pública, a corporação contribui com a referida secretaria no cumprimento de suas competências legais, no âmbito da coordenação das políticas públicas de segurança pública. O Corpo de Bombeiros Militar, em sua estrutura, além do Comando-Geral (CG) e Estado-Maior (EMBM), em nível estratégico, possui administrativamente, sete diretorias, uma auditoria setorial, uma corregedoria e duas assessorias: a) Diretoria de Recursos Humanos (DRH); b) Diretoria de Apoio Logístico (DAL); c) Diretoria de Contabilidade e Finanças (DCF); d) Diretoria de Atividades Técnicas (DAT); e) Diretoria de Assuntos Institucionais (DAI); f) Diretoria de Ensino (DE); g) Diretoria de Tecnologia e Sistemas (DTS); h) Auditoria Setorial (AUD); i) Corregedoria do Corpo de Bombeiros Militar (CCBM); j) Assessoria de Assistência à Saúde (AAS); k) Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação (AGEI). Em nível de execução administrativa, conta atualmente com quatro unidades: a) Academia de Bombeiro Militar (ABM); b) Centro de Suprimento e Manutenção (CSM); c) Ajudância-Geral (Aj. Geral); d) Centro de Atividades Técnicas (CAT).

20 19 Operacionalmente, possui um Comando Operacional de Bombeiros (COB), o qual é responsável por onze Batalhões de Bombeiros Militar (1, 2, 3 e o Batalhão de Operações Aéreas - BOAer -, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o 4 em Juiz de Fora, o 5 em Uberlândia, o 6 em Governador Valadares, o 7 em Montes Claros, o 8 em Uberaba, o 9 em Varginha e o 10 em Divinópolis) e um Centro Integrado de Atendimento e Despacho (CIAD). Ao todo, há frações de bombeiros em 52 (cinquenta e dois) municípios mineiros. Até maio de 2012, conforme dados do Estado-Maior do CBMMG, a corporação contava com 836 (oitocentas e trinta e seis) viaturas, entre veículos operacionais, leves, pesados e administrativos. O efetivo existente em junho de 2012 era de (cinco mil, quinhentos e cinquenta e seis) militares, para um previsto de (sete mil, novecentos e noventa e nove), conforme a Lei n , de 28 de dezembro de No ano de 2010, o CBMMG atendeu (duzentas e noventa e quatro mil, duzentas e noventa e nove) ocorrências, sendo que 45,10% (quarenta e cinco virgula dez por cento) destas foram referentes a salvamentos e atendimentos préhospitalares (APH). Já em 2011, este número chegou a (trezentos e trinta e cinco mil, oitocentos e oitenta e cinco), com 45,45% (quarenta e cinco virgula quarenta e cinco por cento) das ocorrências inerentes a salvamentos e APH. Os atendimentos de prevenção e combate a incêndio, em 2010 e 2011, representaram em média, 28,98% (vinte e oito vírgula noventa e oito por cento) do total das ocorrências atendidas. Tabela 1: Quantidade de registros efetuados pelo CBMMG, no período de 2007 a ANO PREV SALV APH INC OUT TOTAL Fonte: CBMMG (EMBM). Constata-se que as ocorrências de salvamentos e atendimentos préhospitalares tem demandado maior esforço operacional por parte dos bombeiros militares em Minas Gerais. O que também pode ser explicado pela adoção de medidas preventivas nas diversas instalações prediais, resultado da evolução

21 20 tecnológica dos equipamentos, da cultura de segurança e das legislações de prevenção contra incêndios editadas em decorrência de fatos trágicos ocorridos no Brasil em décadas passadas, e porque não dizer, no próprio estado. 2.3 O PLANO ESTRATÉGICO DO CBMMG No final do ano de 2010 o CBMMG, por meio da Resolução nº 394, de 28 de dezembro de 2010, publicou o seu Plano Estratégico, abrangendo o período compreendido entre 2011 e Extrato das palavras do Comandante-Geral do CBMMG, no preâmbulo do Plano Estratégico, assim expressam: A cada combatente que ao se fardar para o serviço, carrega a responsabilidade de salvar outrem, mesmo que isso ponha em risco a própria vida, nos comprometemos a valorizá-los, pois não existe organização sem pessoas. Repactuamos os pilares hierarquia e disciplina e convocamos a todos para diuturnamente assegurarmos a sociedade mineira um atendimento rápido e com qualidade, observada a política estadual de defesa social tendo como foco cidades cada vez mais seguras. Percebe-se nitidamente que a primeira preocupação de seu dirigente máximo é com a valorização dos seus recursos humanos, mesmo porque para que haja comprometimento e envolvimento de todos com o cumprimento das atribuições institucionais, há que se iniciar pela valorização de seus integrantes, garantindo-lhes condições de trabalho e um ambiente favorável à motivação. Como segundo aspecto, identifica-se o compromisso institucional de oferecer à sociedade mineira uma prestação de serviço condizente, como foco de uma política estadual de defesa social, que também se subsumi com a missão da SEDS de promover a segurança da população mineira, proporcionando a melhoria da qualidade de vida das pessoas, consubstanciada na ampliação da segurança nas cidades mineiras. Estas máximas tem respaldo no esforço do estado, quando estabeleceu como foco central de sua política de desenvolvimento integrado, a visão de TORNAR MINAS O MELHOR ESTADO PARA SE VIVER. Vê-se claramente que

22 21 as ações pretendidas pela SEDS e pelo CBMMG reafirmam os anseios governamentais. Os resultados esperados com a implementação do Plano Estratégico, e que refletirão diretamente na segurança da população, são expressos pelos cinco aspectos que se seguem: a) proporcionar respostas mais eficientes às catástrofes; b) diminuir o tempo de resposta de atendimento; c) proporcionar o sentimento de proteção com ações de qualidade; d) proporcionar educação de segurança pública; e, e) fazer do CBMMG uma organização competente e eficiente na regulação de eventos e estruturas com potencial de risco. Tendo como referência a busca dos resultados acima dispostos, definiramse como ações o seguinte: a) capilarização planejada para estar presente em todas as cidades com mais de trinta mil habitantes; b) produção de conhecimento de proteção pública; c) disseminação de informações de proteção pública; d) regular atuação de brigadistas e voluntários; e) modernização de conceitos operacionais e de emprego de tecnologia; e, f) implantação da gestão estratégica no CBMMG. Dos conceitos extraídos do Plano Estratégico da corporação, e acima descritos, um ponto desperta atenção e perpassa pela discussão que se faz neste trabalho. Trata-se do item que diz respeito à diminuição do tempo de resposta de atendimento. Para melhor entender o que significa para a corporação a redução do tempo de resposta nos atendimentos das emergências e o que representa isto na prestação de seus serviços, serão discorridas algumas considerações a seguir. Como verificado no artigo 142 da Constituição Estadual, e de forma ampla, os atendimentos dos bombeiros militares, ante o acionamento do tridígito 193, dizem respeito às emergências relacionadas ao combate a incêndio, buscas e salvamentos e atendimentos pré-hospitalares (APH). Segundo Giglio-Jacquemot (apud ALBUQUERQUE, 2010, p. 34) entende-se como urgência algo que exige uma ação rápida e indispensável e emergência como

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Diferenciado "Política de Gestão de

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Senhoras e Senhores Parlamentares; está desenvolvendo a frente desta Casa, onde tem. demostrado uma postura séria e coerente, ajudando o nosso

Senhoras e Senhores Parlamentares; está desenvolvendo a frente desta Casa, onde tem. demostrado uma postura séria e coerente, ajudando o nosso Discurso proferido pelo Deputado Federal Capitão Wayne, dia 28/06/2005, por ocasião da Sessão Solene em Homenagem aos Bombeiros Militares. Senhor Presidente; Senhores Comandantes Geral do Bombeiro Militar;

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações 1 - Há milhões e milhões de anos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS Na data de 03 de maio de 2011 1 o então Coordenador do Projeto Entorno, Luís Guilherme Martinhão Gimenes, reuniu-se com o Comandante Geral do

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Especialização: Direito Penal Ênfase: Segurança Pública PÓS-GRADUAÇÃO 2012 A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada pelo Decreto Estadual n. 73.815,

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais