O Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado."

Transcrição

1 I. Apresentação: a. Identificação do Órgão Tribunal Regional Eleitoral do Ceará b. para contato e envio de informações e c. Nome do trabalho O Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado na Gestão Judiciária Eleitoral. d. Tema O Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado na Gestão Judiciária Eleitoral que Incorpore a Gestão da Qualidade, a Gestão por Competências, a Gestão do Conhecimento e a Gestão de Desempenho. e. Nome do responsável e/ou da equipe (cargo/função) Luciano Gonzaga Vanderley coordenador da qualidade Comitê da Qualidade (gestores e colaboradores da Secretaria de Orçamento e Finanças) f. Delimitação da ação (escopo) Planejamento, Organização, Coordenação e Controle da Administração Orçamentária, Financeira e Contábil do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. g. Objetivos e metas Inovar a prática de Gestão Estratégica para planejar, desenvolver, controlar e agir através do Sistema de Gestão Integrado na Gestão Judiciária Eleitoral que incorpore a Gestão da Qualidade, a Gestão por Competências, a Gestão do Conhecimento e a Gestão de Desempenho. Difundir o Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado na Gestão Judiciária. h. Agradecimentos Agradeço aos servidores da Secretaria de Orçamento e Finanças da Justiça Eleitoral do Ceará que me permitiram trabalhar em prol do serviço público e da sociedade alencarina e em especial aos gestores que não se sentiram ameaçados pela inovação. Meus agradecimentos pessoais a Desa. Huguette Braquehais, ao Diretor Joaquim Boaventura Furtado Bonfim e ao Secretário Hugo Pereira Filho.

2 II. Desenvolvimento: O Modelo Res Qualitas de Sistema de Gestão Integrado O modelo de Sistema de Gestão Integrado Res Qualitas é resultado da implantação e do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade, baseado na Norma ABNT ISO 9001, que, concomitantemente, conforme o método de melhoria contínua, necessitou incorporar o Sistema de Gestão por Competência para desenvolver as competências dos colaboradores nas Unidades de Negócios, o Sistema de Gestão do Conhecimento na abordagem da espiral do conhecimento para evoluir a aprendizagem dos colaboradores e o Sistema de Gestão de Desempenho na abordagem BSC para acompanhar a evolução e as metas dos indicadores da qualidade. 1. Sistema de Gestão da Qualidade O Sistema de Gestão da Qualidade foi baseado na Norma ABNT ISO 9001 e alcançou conformidade em 5 auditorias internas e externas, galgando certificação nacional e internacional.

3 item/termo Ação documento / registro A organização pública adota, estrategicamente, o Sistema de Gestão da Qualidade - SGQ, baseado na NBR ISO 9001, alicerçado nos seguintes princípios de gestão da qualidade, conforme NBR ISO 9000: Foco no cliente atender e exceder as expectativas do cliente; Liderança estabelecer a unidade e o envolvimento dos colaboradores; Envolvimento das pessoas utilizar todo o envolvimento para desenvolver competências; Abordagem de processo gerir as atividades e recursos como um processo; Abordagem sistêmica para a gestão gerir de forma sistêmica; Melhoria contínua sistematizar a melhoria do desempenho organizacional; Abordagem factual para a tomada de decisão tomar decisão baseada na análise de dados e crítica; Benefícios mútuos nas relações com fornecedores estabelecer relação mútua benéfica com os fornecedores. A organização NBR ISO 9000, NBR estabelece o seu escopo e as possíveis exclusões de ISO 9001, Manual da requisitos da NBR ISO Estas possíveis Qualidade (MQ-01), exclusões e o caráter genérico dos requisitos Certificado de Registro permitem a aplicação da Norma em todo tipo de ISO 9001:2008 (FS 1 INTRODUÇÃO organização pública ), 4 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A organização estabelece, documenta, implementa e mantém Sistema de Gestão da Qualidade, buscando sua eficácia e melhoria contínua por meio de uma política e objetivos da qualidade. O Sistema de Gestão da Qualidade é estruturado nos seguintes macroprocessos: Responsabilidade da Direção, Gerenciamento de Gestão de Recursos, Realização do Serviço e Processos (GP-SOF- 4.1 Requisitos Gerais Medição, Análise e Melhoria. 01) Os documentos mínimos do Sistema de Gestão da Qualidade são: política da qualidade, objetivos da qualidade, manual da qualidade, gerenciamento dos processos, plano de indicadores, instruções de trabalho, procedimento de controle de documentos, procedimento de registros da qualidade, procedimento de ação corretiva, preventiva e de melhoria, procedimento de gestão de pessoas, procedimento de auditoria interna, procedimento de Lista Mestra de aquisição, procedimento de rastreabilidade, Documentos (LM-01); procedimento de controle de serviço não-conforme e Manual da Qualidade as unidades de negócios. Os registros mínimos do (MQ-01); Ficha de Sistema de Gestão da Qualidade são: lista de registro Controle de Formulário da qualidade; lista mestra; relatório de ação corretiva, (FCF-01); Lista Mestra preventiva e melhoria; ata de reunião de análise de Documentos (LMcrítica; plano de auditoria interna; plano de auditoria SOF-01); Lista de Requisitos de externa; relatório de auditoria interna; relatório de Registro da Qualidade 4.2 Documentação auditoria externa. (LRQ-SOF-01) A Alta Direção da organização pública comprometese, formalmente, com a implementação, o desenvolvimento e a melhoria contínua através do atendimento aos requisitos do cliente, da política e dos objetivos da qualidade, das realizações das reuniões de análise crítica, da disponibilidade de 5 RESPONSABILIDA DE DA DIREÇÃO recursos e da comunicação, da identificação de responsáveis e da delegação de autoridade.

4 5.1 Comprometimento da Direção 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política Qualidade 5.4 Planejamento 5.5 Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Normatizar o comprometimento da Alta Direção ao Sistema de Gestão da Qualidade e à melhoria contínua, através: de ato administrativo formal, do atendimento dos requisitos dos clientes, do estabelecimento da política e dos objetivos da qualidade, das análises críticas e previsão de programa orçamentário. A Alta Direção deve determinar as necessidades de seus clientes e atendê-las em requisitos internos para alcançar a sua satisfação, respeitando as demais orientações normativas. Norma interna deve estabelecer a política da da qualidade a partir da Visão prevista no Planejamento Estratégico. Qualidade O planejamento deve atender os objetivos da qualidade e estes devem ser mensuráveis e extraídos da Política da Qualidade. A Alta Direção deve definir as responsabilidades e autoridades, inclusive seus Representantes (nível estratégico) e/ou comissões (Núcleo da Qualidade - gestores de nível estratégico - e Comitê da Qualidade - gestores de nível tático e operacional). A Alta Direção deve assegurar canal de comunicação através de correio eletrônico e intranet. A análise crítica, formalizada pela ata de reunião entregue à Alta Direção, abrange a avaliação periódica da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade em atender aos requisitos da NBR ISO 9001, à política e aos objetivos da qualidade, considerando a avaliação de oportunidades para melhoria e necessidade de mudanças no sistema. A reunião de análise crítica integra os Representantes de Direção e o Núcleo da Qualidade para analisar os resultados das auditorias, a realimentação de cliente, o desempenho de processo e a conformidade de serviços, a situação das ações preventivas e corretivas, o acompanhamento das ações oriundas de análises críticas anteriores pela direção, as Análise Crítica mudanças que possam afetar o Sistema de Gestão 5.6 pela Direção da Qualidade e as recomendações para melhoria. 6 GESTÃO DE RECURSOS 6.1 Provisão Recursos de A Alta Administração garante os recursos pessoal, infra-estrutura, ambiente necessários à implantação, manutenção e melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. Resolução N 336/2007 Programa da Qualidade Resolução N 336/2007 Programa da Qualidade Resolução N 336/2007 Programa da Resolução N 336/2007 Programa da Qualidade Portaria 1219/2007 Comitê Qualidade; Portaria 1217/2007 Coordenador Qualidade; Portaria 1218/2007 Núcleo Qualidade; Portaria 1216/2007 RD; Comunicação Interna; atende. Ata de Reunião de Análise Crítica (AAC- 01, AAC-SOF-01, AAC- SOF-02, AAC-SOF-03, AAC-SOF-04)

5 6.2 Recursos Humanos 6.3 Infra-Estrutura 6.4 Ambiente Trabalho de A organização documenta, implementa e mantém Sistema de Gestão por Competência para mapear e desenvolver as competências indispensáveis para o pessoal executante das atividades que afetem o Sistema de Gestão da Qualidade. A organização garante a instalação e manutenção predial e patrimonial, espaço de trabalho, limpeza e conservação, equipamentos e softwares. A organização documenta, implementa e mantém Sistema de Gestão do Conhecimento para informar e comunicar o comprometimento da Alta Direção; os princípios de gestão da qualidade; os escopos; as possíveis exclusões de requisitos da NBR ISO 9001; os documentos e os registros; a política e os objetivos da qualidade; o manual da qualidade; o gerenciamento dos processos; o plano de indicadores; as instruções de trabalho; o procedimento de controle de documentos; o procedimento de registros da qualidade; o procedimento de ação corretiva, preventiva e de melhoria; o procedimento de gestão de pessoas; o procedimento de auditoria interna; o procedimento de aquisição; o procedimento de rastreabilidade e de controle de serviço não-conforme; as unidades de negócios; a lista de registro da qualidade; a lista mestra; os relatórios de ação corretiva, preventiva e melhoria; as atas de reunião de análise crítica; o plano de auditoria interna; o plano de auditoria externa; o relatório de auditoria interna; o relatório de auditoria externa, as autoridades e responsabilidades; o canal de comunicação através de correio eletrônico e intranet que afetem o Sistema de Gestão da Qualidade. 7 REALIZAÇÃO DO SERVIÇO Planejamento Realização Serviço Processos Relacionados Clientes da do a A organização planeja a partir do Planejamento Estratégico do Judiciário, política e objetivos da qualidade, requisitos do serviço e desenvolve os processos necessários para a realização do serviço previsto no escopo do Sistema de Gestão da Qualidade. As atividades são realizadas a partir do mapeamento das Unidades de Negócio que preveem: os responsáveis, os recursos, os métodos através da Instrução de Trabalho, os indicadores e metas, os macroprocessos, as entradas (insumos e fornecedores), as saídas (produtos e clientes). A determinação e a análise crítica dos requisitos relacionados ao serviço estão definidas nos seguintes sistemas, considerando o respectivo escopo: Sistema Plano Anual de Capacitação e Desenvolvimento; Lista de Registro de Cursos; Mapa de Competências; Avaliação das Competências; Informações Funcionais; Plano de Indicadores; Indicadores; Proposta de Orçamento Anual; Saldo Orçamentário; Empenho; Execução Orçamentária; Suplementação Orçamentária; Pré- Empenho; Natureza da Despesa; Pagamento; Contas; ; Ressarcimento; Conta Regularizada; Relatórios;Informação; Mnt Intranet; Ações e Resultados dos Requisitos do Serviço;

6 7.3 Projeto e Desenvolvimento 7.4 Aquisição 7.5 Produção Fornecimento Serviço e de Integrado de Administração Financeira Federal (SIAFI), Sistema de Acompanhamento de Documentos e Processos (SADP), Sistema Integrado de Dados Orçamentários (SIDOR), Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento (SIGPLAN), bem como na legislação pertinente. A organização utiliza sistemas para efetuar a análise dos requisitos relacionados ao serviço. Também são considerados os registros do Sistema e a legislação pertinente. Os principais canais de comunicação com o cliente são: telefone, fac-símile, correio convencional, comunicações internas e o correio eletrônico. Nas reuniões do Núcleo da Qualidade são analisadas e tratadas as sugestões e reclamações, encaminhando-se respostas aos clientes, realimentando, assim, o Sistema de Gestão da Qualidade. A NBR ISO 9000 (item 3.4.4) que define projeto e desenvolvimento como conjunto de processos que transformam requisitos em características especificadas ou na especificação de um produto, processo ou sistema. Sob esse enfoque, a natureza dos processos desenvolvidos não contempla atividades de projeto e desenvolvimento por não haver transformação significativa de seus requisitos. Nenhuma compra será feita sem a adequada caracterização de seu objeto e indicação dos recursos orçamentários para seu pagamento, sob pena de nulidade do ato e responsabilização de quem lhe tiver dado causa. As informações sobre aquisições são especificadas nos pedidos respectivos pelas unidades administrativas do Tribunal. No Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG) inclui-se o Sistema de Cadastro Unificado de Fornecedores (SICAF), que inscreve os fornecedores sob critérios definidos para qualificação. O Sistema de Catalogação de Material (CATMAT) e o Sistema de Catalogação de Serviço (CATSER) estipulam as características e especificações dos produtos e serviços. Os produtos e serviços adquiridos são verificados pelos respectivos Gestores de Contrato designados através de Portaria, ou pelos beneficiados que atestam as notas fiscais ou recibos. Os produtos e serviços adquiridos são verificados e conferidos no ato de seu recebimento para garantir a qualidade e a satisfação dos clientes. Os controles dos serviços são realizados e registrados nos sistemas: Sistema de Acompanhamento de Documentos e Processos (SADP), o Sistema Integrado de Administração Financeira Federal (SIAFI), o Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SGRH), o Sistema Integrado de Dados Orçamentários (SIDOR), o Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento (SIGPLAN), avaliações de cursos e outros meios apropriados. Os sistemas citados também permitem a identificação e rastreabilidade do serviço de várias formas, tais como o tipo de documento, o número de protocolo e as partes interessadas. A realização e o Atende.Finanças; Requisição de Material; Comunicação Interna de Requisição Material; Identificação e Rastreabilidade dos Serviços; Nota Fiscal; Fatura; Recibo;

7 controle dos serviços são executados sob condições controladas, previstas principalmente nas Instruções de Trabalho. O Sistema de Gestão da Qualidade não contempla atividades de validação de processos de fornecimento de serviço, porque é possível verificar por monitoramento ou medição a saída resultante do processo. Os documentos fornecidos pelo cliente são anexados aos respectivos processos administrativos, sendo verificados conforme disposições legais e regulamentares e preservados de danos e extravio. A conformidade dos produtos é preservada manuseando-os corretamente a fim de evitar sua deterioração, armazenando-os adequadamente para proteger dos agentes externos como poeira, umidade ou extravios. Os produtos são identificados apropriadamente para facilitar a localização e, quando necessário, será preservado o sigilo de informações coletadas junto aos clientes. Considerando a natureza dos processos desenvolvidos no escopo, os quais contêm atividades Controle de manuais (tratamento de documentos e processos) e Dispositivos de trabalho intelectual, não são aplicáveis dispositivos de Medição e medição e monitoramento na forma descrita pela 7.6 Monitoramento Norma. 8 MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA A organização monitora, mede e analisa o serviço e o Sistema de Gestão da Qualidade para assegurar as 8.1 Generalidades suas conformidades e as melhorias Medição Monitoramento Controle Produto Conforme e de Não A organização implementou e mantém pesquisa de satisfação de seus clientes internos e externos para monitorar as suas percepções. Estabeleceu procedimento documentado para a preparação e realização das auditorias internas, elaboração de relatórios e acompanhamento da implementação das ações. A auditoria interna objetiva verificar as conformidades com o planejamento e com os requisitos da Norma de referência e do Sistema de Gestão da Qualidade. A medição e o monitoramento do serviço e dos processos são realizados para alcançar os resultados planejados, através das Instruções de Trabalho, indicadores, a percepção dos clientes e nas interfaces com outras Unidades Administrativas. A organização assegura que os serviços nãoconformes com os requisitos são identificados, controlados e adotados de ações corretivas sobre as suas causas e seus efeitos. Índice de Satisfação de Cliente Interno (ISCI); Índice de Satisfação de Cliente Externo (ISCE); Plano de Auditoria Interna; Relatório de Auditoria Interna; Plano Auditoria Externa; Relatório de Auditoria Externa; Índice de Empenhos Anulados (IEA); Índice de NS Estornadas (INsE); Índice de Fechamento de Bens (IFB); Índice de Melhoria do SGQ (IMS); Índice de Pagamento Fora do Prazo (IPFP); Índice de Incremento Orçamentário (IIO); Índice de Execução Orçamentária (IEO); Índice de Suplementação Orçamentária (ISO); Relatório de Ação Corretiva, Preventiva e Melhoria (RAM-01, RAM-SOF-01)

8 8.4 Análise de Dados 8.5 Melhoria A organização realiza a análise dos dados e a análise crítica das pesquisas de satisfação dos clientes, dos índices de não-conformidade, dos indicadores e metas, da avaliação das competências, dos relatórios das auditorias e das normas. A organização busca continuamente melhorar a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade por meio do uso da atualização da política e objetivos da qualidade, da análise crítica e das ações corretivas e preventivas sobre as causas das não-conformidades reais e potenciais relacionadas aos serviços, processos e sistema. Ata de Reunião de Análise Crítica (AAC- 01, AAC-SOF-01, AAC- SOF-02, AAC-SOF-03, AAC-SOF-04) Relatório de Ação Corretiva, Preventiva e Melhoria (RAM-01, RAM-SOF-01) 2. Sistema de Gestão por Competências O Sistema de Gestão da Qualidade é a base do Sistema de Gestão por Competências no Sistema de Gestão Integrada Res Qualitas. Plan Sistema de Gestão por Competências 1. Identificar as competências organizacionais e individuais; 2. Avaliar o grau de importância; 3. Avaliar o domínio da competência; 4. Mapear o gap de competência; Do 5. Desenvolver a competência; Check 6. Utilizar o desenvolvimento de competência. Act 7. Avaliação as competências organizacionais e individuais. Fonte: Adaptação da metodologia de Carbone et al. (2009: 56) O core competence da organização, conforme art. 5 da Resolução TRE-CE N 336, de 10 de dezembro de 2007, é: Administrar as eleições com transparência e segurança no processo eleitoral; prestar jurisdição célere e eficaz; promover a melhoria contínua dos processos e serviços, fortalecendo a democracia no País. Essa competência organizacional aponta o atributo de exclusividade da organização em realizar o processo eleitoral, facilmente percebido pelos seus clientes e essencial para fortalecer a democracia no Brasil. Essa competência foi referendada pela Corte da Justiça Eleitoral do Ceará e alinhada a do Tribunal Superior Eleitoral. Inicialmente, identificou-se as competências organizacionais e individuais que alcançam os objetivos da política da qualidade, considerando o planejamento estratégico do Judiciário Federal, a missão, a visão e os objetivos estratégicos. Realizou-se também coleta de dados com os gestores e colaboradores através de entrevistas e/ou questionários estruturados, como previstos por Brandão e Bahry (2005). A competência é o conjunto de conhecimentos (é o saber), habilidades (é o saber fazer) e atitudes (é o querer fazer). As atividades e rotinas de trabalho das Unidades de Negócios envolvidas no Sistema de Gestão da Qualidade formataram a elaboração das

9 competências e do Mapa de Competências MC. No Mapa de Competências, revisado anualmente, foram mapeados os perfis de competências necessários à aplicabilidade das atividades que afetam a qualidade do serviço. Na segunda fase, avaliou-se o Grau de Importância (I) ou a variação do peso de cada competência em relação a Unidade de Negócio, utilizando a escala Likert com os adjetivos de significados opostos nos extremos: 0 - Nada Importante; 1 - Pouco Importante; 2 - Medianamente Importante; 3 - Muito Importante; 4 - Extremamente Importante. Na terceira fase, buscou-se avaliar o Grau de Domínio (D) da competência ou o desempenho do servidor da Unidade de Negócio através da autoavaliação, utilizando a escala de Likert com os adjetivos de significados opostos nos extremos: 0 - Não Domina a Competência; 1 - Domina Pouco a Competência; 2 - Domina Medianamente a Competência; 3 - Domina Muito a Competência; 4 - Domina Totalmente a Competência. Na quarta fase, realizou-se o mapeamento do gap de competência, utilizando o modelo de Borges-Andrade e Lima (1983) para determinar o gap (N) na seguinte relação: N = I (4 D) que pondera a relação entre a necessidade individual de domínio de determinada competência e a importância dessa competência para agregar valor a Unidade de Negócio. Na quinta fase, realizou-se o desenvolvimento da competência. Castro e Borges- Andrade (2004) afirmam que quanto maior o N, maior o gap e maior a necessidade de desenvolvimento da competência. Os gaps [N = I (4 - D)] de competências dos servidores são as diferenças entre o Grau de Importância (I) e o Grau de Domínio (D), previstos na Avaliação de Competências AC. As competências a serem trabalhadas prioritariamente serão aquelas de N > (2 x I), ou seja, as de Não Domina ou Domina Pouco a Competência ; posteriormente, serão aquelas de I > N (2 x I), ou seja, as de Domina Medianamente a Competência. Na sexta fase, aplicou-se e monitorou-se o desenvolvimento de competência no Levantamento de Necessidades de Treinamento LNT. Finalmente, avaliou-se nas reuniões de Análise de Dados e nas de Análise Crítica do Núcleo da Qualidade as competências organizacionais e individuais em relação aos objetivos da política da qualidade, ao planejamento estratégico, a missão, a visão e aos objetivos estratégicos, visando adotar melhorias aos processos de desenvolvimento de competências e ao Sistema de Gestão por Competência propriamente dito. A Avaliação

10 das competências será anual e determinará os gaps de competências dos servidores das Unidades de Negócios. 3. Sistema de Gestão do Conhecimento O Sistema de Gestão da Qualidade é a base do Sistema de Gestão do Conhecimento no Sistema de Gestão Integrada Res Qualitas, pois ambos visam inovar, a partir da captura do conhecimento oriundo da evolução da aprendizagem dos colaboradores (JAPPUR et al. 2010). A Gestão do Conhecimento e a Gestão da Qualidade se aproximam e interagem à medida em que se sistematizam e documentam o conhecimento individual de seus colaboradores sobre o como fazer melhor convertendo-o em conhecimento organizacional através da espiral de criação do conhecimento. O processo de melhoria contínua para a qualidade é alavancado pela utilização da espiral do conhecimento. O Sistema de Gestão do Conhecimento do Sistema de Gestão Integrado Res Qualitas adotou como modelo a espiral do Conhecimento de Nonaka & Takeuchi (1997). Espiral do Conhecimento Socialização Espiral do Conhecimento Processo do conhecimento Método adotado Interação física (observação, imitação e conversão do Conhecimento prática) dos Tácito Individual em processo de aquisição do colaboradores na Conhecimento Tácito Coletivo conhecimento Unidade de Negócio. Externalização Combinação Internalização conversão do Conhecimento Tácito em Conhecimento Explícito conversão do Conhecimento Explícito em Conhecimento Explícito conversão do Conhecimento Explícito em Conhecimento Tácito 4. Sistema de Gestão de Desempenho processo de criação do conhecimento processo de troca e combinação de conhecimento processo de incorporação Os processos da Unidade de Negócio são documentados em Instrução de Trabalho - IT através do diálogo, metáfora, analogia ou modelo. Sistematização das Instruções de Trabalho - IT na intranet que gera um aprendizado e nova IT O conhecimento é aprendido através de outros conhecimentos documentados na intranet e através do refazendo para melhorar os processos e serviços. O Sistema de Gestão da Qualidade é a base do Sistema de Gestão de Desempenho no Sistema de Gestão Integrada Res Qualitas.

11 BSC objetivos Indicador fórmula meta Clientes garantir a satisfação dos clientes internos e externos; Índice de Satisfação do Cliente Interno-ISCI ISCI = { [(Yx100) + (Yx 80) + (Yx 60) + (Yx40) + (Yx20)] / No. Formulários} / 4 >80% Processos Internos Financeiro Aprendizado Crescimento investir na qualificação profissional dos servidores; buscar a celeridade dos serviços; obter a eficácia da realização do serviço; obter a eficácia da realização do serviço; assegurar a melhoria contínua do SGQ. Índice de Satisfação do Cliente Externo-ISCE Índice de Incremento de Capacitação - IIC Índice de Pagamento Fora do Prazo (IPFP) Índice de Retrabalho de Empenho - IRE ISCE = { [(Yx100) + (Yx 80) + (Yx 60) + (Yx40) + (Yx20)] / No. Formulários}/4 >80% IIC = {(Carga Horária Total de Cursos Realizados Pelos Servidores / Carga Horária Total de Cursos Realizados Pelos Servidores Ano Anterior) 1}100 >10% IPFP = (Total dos Pagamentos Realizados Fora do Prazo / Total dos Pagamentos Realizados Período)x100 <25% IRE = (Empenhos Anulados / Total de Empenhos) x 100 <10% Índice de Retrabalho de NS - IRNs IRns = (NS Estornadas/NS Total)x100 <15% Índice de Execução Orçamentária - IEO Índice Suplementação Orçamentária - ISO Índice de Fechamento de Bens - IFB Índice de Incremento Orçamentário - IIO IEO = (Orçamento Executado / Orçamento Recebido) x 100 >90% ISO = (Crédito Suplementar / Orçamento Recebido) x 100 <30% IFB = {(Nº Dias para Fechamento do RMMA + Nº Dias para Fechamento do RMB) / 2} / Nº Dias Previstos para Fechamento Contábil. IFB 1 IIO = {(Limite Orçamentário Atual / Dotação Orçamentária Anterior) 1}100 > inflaç Índice de Melhoria do SGQ - IMS IMS = Somatório de Melhorias >2 Evolução dos Indicadores no Sistema de Gestão Integrado Res Qualitas : Garantir a Satisfação dos Clientes Internos e Externos ÍNDICE DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE INTERNO ÍNDICE DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO ANO 2008(1) 2008(2) ANO 2008(1) 2008(2) RESULTADO 89,53% 88,88% 90,13% 92,54% RESULTADO 95% 95% 100% 95% META > 80% META > 80% Investir na Qualificação Profissional de seus Servidores ÍNDICE DE INCREMENTO DE CAPACITAÇÃO ANO PERÍODO 2008/ / /2009 RESULTADO {(1968/2574)-1}100= -24% {(2398/1968)-1}100= 21,84% 12% META > 10% Buscar a Celeridade dos Serviços ÍNDICE DE PAGAMENTO FORA DO PRAZO ANO 2008(1) 2008(2) 2009(1) 2009(2) 2010 RESULTADO 22,00% 22,62% 24,5% 13,04% 15,56% META < 25%

12 Obter a Eficácia da Realização do Serviço ÍNDICE DE INCREMENTO ORÇAMENTÁRIO ÍNDICE DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANO ANO RESULTADO 17% (4,46%) 22% (5,9%) 14% (4,31%) RESULTADO 97,6% 96,0% 93% META > inflação META > 90 % ÍNDICE DE RETRABALHO DE EMPENHO ÍNDICE DE SUPLEMENTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANO 2008(1) 2008(2) 2009(1) 2009(2) 2010 ANO RESULTADO 22,00% 5,17% 5,10% 2,09% 6,70% RESULTADO 29,0% 29,0% 18% META < 10 % META < 30 % ÍNDICE DE RETRABALHO DE NS ANO 2008(1) 2008(2) 2009(1) 2009(2) 2010 RESULTADO 8,47% 6,20% 4,67% 5,64% 9,98% META < 15 % Assegurar a Melhoria Contínua do Sistema de Gestão da Qualidade ÍNDICE DE MELHORIA DO SGQ ANO 2010 RESULTADO 1. Com intuito de otimizar a utilização dos créditos orçamentários, o Comitê Técnico de Orçamento, Finanças e Contabilidade da Justiça Eleitoral - CTO-JE, estipulou que a meta de cada unidade orçamentária em 2009 era reduzir em 20 % o indicador das perdas orçamentárias em relação a 2008 em "Outros Custeios e Capital" - OCC. Conforme a SEPRO, a perda em OCC deste Regional em 2008 foi de 15,57 %. A meta definida para 2009 foi de 12,45 % e o TRE/CE obteve o índice de perda orçamentária de 5,42 %, bem abaixo da meta estipulada. Tal êxito foi motivo de congratulações por parte da Diretoria Geral do TSE, demonstrando o empenho e o comprometimento deste Regional e a melhoria contínua nos mecanismos de controle, correção de desvios e acompanhamento do planejamento orçamentário. 2. Teste piloto de digitalização dos processos no SADP na SEPEF para extinção do arquivo local, encaminhamento direto do processo ao Arquivo Central, não precisando adotar nova forma de arquivamento nem de remessa total no final de ano. Descentralizar para as Seções pertinentes o controle atual realizado pela SEINF. Há ganho de espaço físico, segurança da informação no SADP, transparência do processo no SADP e desburocratização com extinção do ato de arquivamento, oferecimento de curso para arquivamento, competência de arquivamento extinta, economia em armário, caixas e etiquetas. 3. Cadastro dos servidores no SIGA BRASIL, sistema de informações que permite acesso amplo e facilitado a diversas bases de dados sobre planos e orçamentos públicos federais. 4. Cadastro dos servidores no SIAFI Gerencial, sistema de informações que permite acesso amplo e facilitado aos dados do SIAFI. III. Conclusão: O modelo de Sistema de Gestão Integrado Res Qualitas desenvolvido e aplicado na Gestão Judiciária inova as atuais práticas e mantém-se alinhado ao Planejamento Estratégico, pois é resultado da implantação e do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade, incorporando novas ferramentas gerenciais, tais como: o Sistema de Gestão por

13 Competência, o Sistema de Gestão do Conhecimento e o Sistema de Gestão de Desempenho. O Sistema de Gestão da Qualidade é a base dos demais sistemas integrados, possui conformidade com a Norma ABNT ISO 9001 como foi confirmada nas 5 auditorias internas e externas, galgando certificação nacional e internacional. O Sistema de Gestão por Competências objetivou estabelecer critérios para assegurar a necessária competência do pessoal que executa atividades que afetam a qualidade dos serviços do escopo do Sistema de Gestão da Qualidade, garantindo-lhes o efetivo conhecimento e habilidade. A Gestão do Conhecimento e a Gestão da Qualidade se aproximam e interagem à medida que sistematizam e documentam o conhecimento individual de seus colaboradores sobre o como fazer melhor convertendo-o em conhecimento organizacional através da espiral de criação do conhecimento. Inovam a partir da captura do conhecimento oriundo da evolução da aprendizagem dos colaboradores (JAPPUR et al. 2010). O Sistema de Gestão de Desempenho utiliza a ferramenta BSC para acompanhar a evolução e as metas dos indicadores da qualidade. Os desempenhos dos indicadores comprovam a eficácia do modelo Res Qualitas ; a eficiência dos processos, das competências e a aprendizagem dos colaboradores (recursos) e a efetividade da Gestão Eleitoral junto aos eleitores (clientes). As metas traçadas foram plenamente traçadas e realinhadas ao modelo. Os índices de satisfação dos clientes estão acima das expectativas. Os índices de melhoria superam exponencialmente as suas metas. Este modelo otimiza os recursos disponíveis, produz otimismos aos colaboradores e clientes externos, minimiza os custos e os retrabalhos, beneficia os prazos junto aos clientes, digitaliza os processos administrativos e anexa ao SADP para reduzir os custos e dar mais transparência. Referências: ABNT NBR ISO 9001:2008, Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. CARBONE, Pedro Paulo; BRANDÃO, Hugo Pena; LEITE, João Batista Diniz e VILHENA, Rosa Maria de Paula. Gestão por competências e gestão do conhecimento. 3 ª ed., Rio de Janeiro: Editora FGV, BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; LIMA, Suzana Maria Valle. Avaliação de necessidade de treinamento: um método de análise de papel ocupacional. Tecnologia Educacional, v. 12, n. 54, p. 5-14, set./out BRANDÃO, Hugo Pena. BAHRY, Carla Patrícia. Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista de Serviço Público RSP, Brasília, v. 56, n. 2, p , abr./jun CASTRO, Pedro Marcos Roma de; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo. Identificação das necessidades de capacitação profissional: o caso dos assistentes administrativos da Universidade de Brasília. Revista de Administração da USP, v. 39, n. 1, p , JAPPUR, Rafael Feyh; GOMES FILHO, Antonio Costa; FORCELLINI, Fernando Antonio; SELIG, Paulo Mauricio. A gestão da qualidade no apoio à gestão do conhecimento organizacional. VII Convibra Administração Congresso Virtual Brasileiro de Administração, NONAKA, Ikujiro e TAKEUCHI, Hirotaka. A criação de conhecimento nas empresas: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, PRAHALAD, C. K. e HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, 68(3), v. 31, may/june 1990, p

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1 - SGQ- Sinfo A Superintendência de Informática Inserida dentro do quadro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação MGQ.422-03 O presente manual tem por objetivo descrever o Sistema de Gestão da Qualidade, onde é definida sua organização, responsabilidades, relações entre

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec KEYASSOCIADOS 1 PROGRAMAÇÃO Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec Apresentação Institucional KEYASSOCIADOS Sr. Francisco R. Ramires Gerente Comercial - KEY Apresentação NBR

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Manual da Qualidade

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Manual da Qualidade PÁGINA 1 DE 30 Manual da Qualidade As políticas e documentos estabelecidos neste manual são mandatórios e devem ser adotados por todos os colaboradores vinculados a CGI Consultoria Gaúcha de Informática

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade da SUBFIN. Descrição 0 20/10/2010 - Emissão inicial 1 14/12/2010

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade da SUBFIN. Descrição 0 20/10/2010 - Emissão inicial 1 14/12/2010 Pág.: 1/40 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 20/10/2010 - Emissão inicial 1 14/12/2010 Todo o Revisão geral para melhorar o entendimento documento do mesmo. 2 05/07/2011

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Principais Normas da Série 9000

Principais Normas da Série 9000 NBR ISO 9001 e as Auditorias da Qualidade Profa Dra. Rejane Tubino SATC 2013 1 Principais Normas da Série 9000 ISO 9000 Conceitos e Definições CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Gestão da Qualidade (Requisitos) PAR

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Analisado por: Aprovado por: Maxiliano Costa Xavier Representante da Direção Caio Cesar Passianoto Diretor Rua Felicíssimo Antônio Pereira,

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

Manual da Qualidade. 1. Introdução

Manual da Qualidade. 1. Introdução Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1. Introdução 1.1 Histórico A origem da instituição Ministério Público é,

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Ângela de Moura Ferreira Danilevicz¹, Camila Fraga Serafim¹, Jussara Issa Musse² ¹ Departamento de Engenharia de Produção e

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Uma Abordagem por Processos Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto A Evolução Histórica da Qualidade A Evolução Histórica da Qualidade ARTESANATO Qualidade

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO. Planejamento da Qualidade

GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO. Planejamento da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO 1 Conceitos e Vocabulário Afinal de contas, o que é qualidade? A ISO 9000:2000 define qualidade como: Grau no qual um conjunto de características inerentes atende

Leia mais