Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas - Setor Público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas - Setor Público"

Transcrição

1 Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas - Setor Público Relatório Final Tribunal de Contas da União TCU Novembro, 2008 * connectedthinking Pwc

2 Este Relatório inclui dados e informações não podem ser apresentados a terceiros ou a outras organizações, assim como não deve ser duplicado, utilizado ou apresentado para qualquer outro propósito diferente de seu fim. A reprodução, distribuição ou divulgação deste documento a qualquer pessoa fora de sua organização somente poderá ser realizada após consentimento, por escrito, da.

3 Apresentação É com satisfação e orgulho que a apresenta os resultados do Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas Setor Público, Edição Nossa satisfação é redobrada por se tratar da Segunda Edição deste Estudo, que é resultado de nosso acompanhamento do Setor Público e nosso aprendizado no atendimento às demandas deste segmento, nas mais variadas áreas, em especial na Gestão de Pessoas. Temos observado nos últimos tempos o aprimoramento das práticas de gestão no Setor Público e, com isso, também o aprimoramento das práticas em Gestão de Pessoas. Contudo, os desafios ainda são grandes. Foi em atenção às necessidades e desafios deste segmento, que a decidiu realizar um estudo destinado somente a Organizações / Instituições Públicas. Nosso Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas Setor Público investigou os seguintes aspectos: Indicadores de Recursos Humanos: Características da Força de Trabalho sexo, idade e escolaridade dos empregados; Retenção de Pessoal; Absenteísmo; Características e Custo da função RH total de empregados em RH, Políticas de RH, Custo do Departamento de RH, etc.; Práticas em Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas por Competências, Gestão de Desempenho, Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento, Carreira e Sucessão e Sistemas de Remuneração Fixa e Variável; Benefícios Praticados pelas participantes: informações qualitativas e quantitativas e Valores de Remuneração. 3

4 Apresentação (continuação) Para facilitar a compreensão e análise das informações aqui divulgadas, o presente relatório está dividido de acordo com as temáticas que foram investigadas. Em cada uma destas partes há uma breve explicação sobre seu conteúdo e o melhor modo de leitura e análise dos resultados. Para enriquecer a análise dos resultados são feitas algumas comparações com os resultados de outra pesquisa também conduzida pela em 2008, o Benchmarking de Gestão de Desempenho, o qual contou com a participação de 51 empresas de grande porte de diversos segmentos. Agradecemos às Organizações participantes que dedicaram tempo e esforço das suas equipes para o fornecimento das informações que viabilizaram a realização deste Estudo e reafirmamos nosso compromisso com o aprimoramento da administração pública. 4

5 Sumário Parte 1 Painel de Organizações Participantes e Funções e Cargos pesquisados 06 Parte 2 Indicadores de Recursos Humanos 17 Parte 3 Práticas em Gestão de Pessoas 31 Parte 4 Benefícios praticados 65 Parte 5 Anexos 91 5

6 Parte 1 Painel de Organizações Participantes e Cargos e Funções pesquisadas * connectedthinking Pwc pwc

7 Parte 1 Painel de Organizações Participantes e Cargos e Funções Pesquisadas Nesta parte do relatório são apresentadas as seguintes informações: 1.1. Painel de organizações participantes, onde é apresentada uma lista com o nome das Organizações / Instituições participantes e 1.2. Características do Painel de Participantes, apresentadas a partir dos seguintes tópicos: Tipo de Organizações Públicas; Esfera de atuação das Organizações; Segmento de atuação das Organizações participantes; Receita Bruta / Orçamento anual 2007 e Características da Força de Trabalho número de empregados, número de empregados do sexo feminino, média de idade dos empregados e tempo médio de serviço Relação de Cargos e Funções pesquisadas, com a identificação dos títulos dos cargos e funções que foram pesquisados neste Estudo. Ao fim deste relatório, nos Anexos, são encontradas as descrições de cada um dos cargos e funções listados neste capítulo. 7

8 1.1. Painel de Organizações Participantes Participaram desta Edição do Estudo Melhores Práticas em Gestão de Pessoas Setor Público, as empresas apresentadas abaixo, em ordem alfabética: Banco Central do Brasil BCB Banco Nacional de Desenvolvimento Social BNDES Centrais Elétricas Brasileiras S.A ELETROBRÁS Companhia de Água e Esgoto do Ceará CAGECE Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo CET/SP Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo CEAGESP Companhia de Saneamento Básico de São Paulo SABESP Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA Companhia de Saneamento do Sergipe DESO Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias EMBRAPA Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Furnas Centrais Elétricas FURNAS Petróleo Brasileiro S.A PETROBRAS Serviço de Processamento de Dados SERPRO Tribunal de Contas da União TCU 8

9 1.2. Características do Painel de Participantes Os gráficos abaixo apresentam algumas características do Painel de Empresas Participantes: Tipo de Organização / Instituição Pública (Empresa Pública, Economia Mista, Autarquia) Autarquia 12% 65% das organizações participantes atuam em âmbito Federal. Esfera de Atuação das Organizações / Instituições Públicas Municipal 6% Empresa de Economia Mista 53% Empresa Pública 35% Total de respondentes: 18 Organizações Estadual 29% Federal 65% Total de respondentes: 18 Organizações 9

10 1.2. Características do Painel de Participantes O Painel de Organizações participantes é diversificado e contou com organizações representativas de seus segmentos de atuação, como apresentado a seguir: Segmentos de Atuação das Organizações / Instituições Públicas Outros * 31% Água / Esgoto / Saneamento 18% Tecnologia 6% Pesquisa e Desenvolvimento 6% Petróleo / Gás 6% Energia 18% Instituição financeira / Banco 12% Total de respondentes: 18 Organizações * Outros: - Serviços de Gestão e Fiscalização de Trânsito; - Autoridade Monetária; - Abastecimento e Operacionalização das Políticas Agrícolas do Governo Federal; - Controle Externo e - Serviços Postais. 10

11 1.2. Características do Painel de Participantes Acima de R$ 1 bilhão anuais Receita Bruta / Orçamento das Organizações / Instituições Públicas - Exercício % 87% das organizações participantes tiveram Receita Bruta / Orçamento superior a R$ 1 bilhão no Exercício de Entre R$ 201 a R$ 500 milhões anuais 13% Número de Empregados Organizações / Instituições Públicas 0% 20% 40% 60% 80% 100% Acima de empregados 12% Total de respondentes: 15 Organizações Entre e empregados 6% Entre e empregados 18% Entre e empregados 12% Entre e empregados 12% Até de empregados 41% 0% 10% 20% 30% 40% 50% Total de respondentes: 17 Organizações 11

12 1.2. Características do Painel de Participantes Média de Idade dos Empregados nas Organizações / Instituições Públicas Número de Empregados dos sexo feminino nas Organizações / Instituições Públicas 47 Acima de empregadas 14% Entre e empregadas 7% Entre e empregadas Entre e 3000 empregadas 7% 7% Entre e empregadas 29% Média de Idade Mulheres Média de Idade Geral Média de Idade Homens Tempo Médio de Serviço nas Organizações / Instituições Públicas 12 Total de respondentes: 16 Organizações Até empregadas 36% 0% 10% 20% 30% 40% Total de respondentes: 14 Organizações A média de idade dos Empregados nas Organizações participantes é de 45 anos. 17 anos 0 Menor tempo médio de Serviço Tempo médio de Serviço Maior tempo médio de Serviço Total de respondentes: 15 Organizações é Tempo Médio de Serviço nas organizações participantes. 12

13 1.2. Características do Painel de Participantes Escolaridade dos empregados nas Organizações / Instituições Públicas Ensino Fundamental 3% Ensino Médio 64% Ensino Superior Pós-Graduação 4% 27% 63% Mestrado 2% dos empregados nas Organizações possuem Doutorado 0,88% nível de escolaridade de Ensino Médio. Pós-Doutorado 0,01% 0,00% 15,00% 30,00% 45,00% 60,00% 75,00% Total de respondentes: 13 Organizações 13

14 1.2. Características do Painel de Participantes Quando observada a escolaridade por nível hierárquico, vê-se que: 56% dos Presidentes das Organizações possuem título de Doutorado e 64% dos Gerentes de Área / Coordenadores de Departamento / Procuradores / Assessores possuem Nível Superior. Vale ressaltar que os resultados abaixo apontam para o fato de que os empregados em cargos/ funções de liderança e executivos, no Setor Público, apresentam maior nível de escolaridade, quando comparados com cargos em posições de liderança e executivos do Benchmarking de Gestão do Desempenho, realizado pela PwC no primeiro semestre de Neste Estudo participaram 51 empresas, em sua maior parte do setor privado. Nível Hierárquico Pós- Doutorado Doutorado Mestrado Pós- Graduação Ensino Superior Ensino Médio Ensino Fundamental Presidente 11% 56% 0% 11% 22% 0% 0% Diretor 3% 11% 10% 14% 52% 10% 0% Superintendente / Chefe de Gabinete / Chefe de Auditoria / Procurador Geral / Consultor 1% 8% 7% 27% 54% 3% 0% Chefe de Divisão / Coordenador Geral 0% 3% 10% 18% 67% 2% 0% Gerente de Área / Coordenador de Departamento / Procurador / Assessor 0% 2% 6% 21% 64% 7% 0% Coordenador de Área / Coordenador Técnico 0% 1% 2% 7% 53% 37% 0% Profissionais de Nível Superior / Assistente de Gabinete / Subprocurador 0% 5% 7% 13% 69% 6% 0% Profissionais de Nível Médio / Técnico / Secretária I 0% 0% 0% 1% 22% 73% 2% Assistentes / Auxiliares / Secretária II 0% 0% 0% 0% 9% 85% 6% Total de respondentes: 13 Organizações 14

15 1.3. Relação dos Cargos e Funções Pesquisadas Os cargos pesquisados foram agrupados a partir do nível de escolaridade e forma de provimento, sendo: Cargo de Nível Fundamental, Cargos de Nível Médio / Técnico, Cargos de Nível Superior e as Funções Gratificadas, como apresentados a seguir: Cargo de Nível Fundamental: Auxiliar Administrativo. Cargos de Nível Médio / Técnico: Assistente Administrativo (Técnico e Médio); Atendente; Técnico Especializado; Motorista; Programador; Técnico em Contabilidade; Técnico em Edificações; Técnico em Eletrônica / Mecânica / Eletrotécnica; Técnico em Enfermagem; Técnico em Informática e Técnico em Segurança do Trabalho. Cargos de Nível Superior Administrador; Advogado; Analista de Sistemas; Arquiteto; Assistente Social / Pedagogo / Psicólogo; Auditor; Bibliotecário; Contador; Economista; Enfermeiro do Trabalho; Engenheiro; Jornalista / Publicitário / Relações Públicas e Médico do Trabalho. 15

16 1.3. Relação dos Cargos e Funções Pesquisadas Funções Gratificadas Assessor; Assessor de Políticas Públicas; Assistente de Gabinete; Chefe da Auditoria Interna; Chefe de Divisão; Chefe de Gabinete; Consultor; Coordenador Regional; Coordenador de Área; Coordenador de Departamento; Coordenador Técnico; Diretor; Gerente de Área; Presidente; Presidente da Comissão Permanente de Licitação; Procurador; Procurador Geral; Procurador Regional; Secretária II e Secretária I; Sub Procurador; Superintendente de Área e Superintendente Regional. 16

17 Parte 2 Indicadores de Recursos Humanos pwc * connectedthinking Pwc

18 Parte 2 Indicadores de Recursos Humanos Esta Seção do Relatório apresenta os Indicadores de Recursos Humanos investigados no Estudo. Os resultados são apresentados em forma de gráficos e tabelas e contam ainda com alguns comentários sobre os achados. As temáticas são: 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH; 2.2. Planejamento de Recursos Humanos; 2.3. Prioridades de investimento / atuação em Recursos Humanos; 2.4. Sistemas de Gestão de Recursos Humanos; 2.5. Processos de RH terceirizados e 2.6. Absenteísmo no Segmento. 18

19 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH Característica da Estrutura de RH nas Organizações / Instituições Públicas Descentralizada - Equipe por região 35% Descentralizada - Profissional por região 6% Centralizada 59% 35% das Organizações estruturam a Função RH de modo descentralizado, com Equipes de Profissionais de RH atuantes nas unidades e em contato com a Estrutura Central de RH. Total de respondentes: 17 Organizações 19

20 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH Na maioria da amostra prevalece a existência de Analistas Tradicionais, em Características do Perfil Profissional do RH das Organizações / Instituições Públicas 65% das empresas participantes. Tais resultados podem apontar para a prevalência de Práticas de RH apoiadas na segmentação do Trabalho de RH, onde há maior ocorrência de profissionais com perfis de Analistas Tradicionais, Operadores de Processo e Especialistas de RH. Analistas tradicionais de recursos humanos Operadores de processos de RH Especialista de recursos humanos Consultor interno 12% 35% 35% 65% 0% 20% 40% 60% 80% Total de respondentes: 17 Organizações 20

21 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH % de Custo da Folha de Pagamento sobre a Receita Bruta / Orçamento da Organização Acima de 30,01% Entre 20,01% e 30% Entre 10,01% e 20% 7% 21% 36% A Folha de Pagamento Total das organizações participantes consome, em média, 25% da Receita Bruta / Orçamento da Organização. Entre 5,01% e 10% 14% Até 5% 21% 0% 10% 20% 30% 40% Total de respondentes: 14 Organizações 21

22 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH 05% é o percentual médio de custo da Folha de Pagamento de RH sobre a Folha de Pagamento Total. Acima de 6,01% Entre 4,01% e 6% % de Custo da Folha de Pagamento de Recursos Humanos sobre a Folha de Pagamento da Organização 15% 31% Entre 2,01% e 4% 46% Até 2% 8% 0% 20% 40% 60% Total de respondentes: 13 Organizações 22

23 2.1. Estrutura da Função Recursos Humanos e Perfil do Profissional de RH 2,00% 1,00% % Médio de FTEs alocados em RH sobre total de Empregados 0,65% 1,43% Aproximadamente, 02% do quadro de empregados, nas organizações participantes, são dedicados a atividades de RH, sendo distribuídos como apresentado no gráfico ao lado. 0,00% FTE Alocados em RH FTE - RH Estratégico FTE - RH Rotinas de Pessoal Total de respondentes: 13 Organizações Em média, cada FTE de RH suporta 112 empregados. FTE = Full Time Equivalent. Medida quantitativa de números de empregados de uma organização que considera a quantidade de horas trabalhadas como padrão de contagem, onde um empregado que trabalhe 8 horas é considerado como 1 FTE. Foram considerados processos de RH Estratégico: Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento, Gestão do Desempenho, Carreira e Sucessão, Remuneração e Recompensa, Comunicação Interna. Considerar como processos de Rotinas de Pessoal: Admissão, Administração de Benefícios, Alterações Cadastrais, Processos Trabalhistas, Afastamentos, Férias, Controle de Ponto, Folha de Pagamento e Desligamentos. 23

24 2.2. Planejamento de Recursos Humanos Em 88% das participantes existem Políticas de Recursos Humanos formalmente escritas. Políticas de RH formalmente escritas nas Organizações / Instituições Públicas Não 0% Em Estudo 12% Sim 88% Total de respondentes: 17 Organizações 24

25 2.2. Planejamento de Recursos Humanos 100% Tipos de Políticas de RH formalmente descritas nas Organizações / Instituições Públicas Plano de sucessão Outras 14% 43% das Organizações que participaram do Estudo possuem Política de Promoção formalmente escrita. Remuneração variável Alocação e Remoção Treinamento e Desenvolvimento 50% 79% 93% Outras Políticas que também foram citadas pela maioria das Remuneração fixa 93% empresas, em Recrutamento e Seleção Carreira 93% 93% 93% Avaliação de Desempenho 93% Promoção 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% Total de respondentes: 15 Organizações dos casos são Avaliação de Desempenho, Carreira, Recrutamento e Seleção, Remuneração Fixa e Treinamento e Desempenho. 25

26 2.3. Prioridades de investimento / atuação da Organização em Gestão de Pessoas Desenvolvimento dos Profissionais, quer Técnicos e Operacionais, quanto das Lideranças, lideram as 10 prioridades de investimento mais citadas para o ano de Resultado semelhante é encontrado no nosso Benchmarking de Gestão do Desempenho, em que 56% das organizações citam entre as prioridades de investimento, a Implantação e/ou Reformulação de Programas de Desenvolvimento de Liderança. Prioridades de investimento - 10 mais citadas em Gestão de Pessoas pelas Organizações / Instituições Públicas Redefinição das competências profissionais Atuação do RH em processos de mudança organizacional Gestão do clima Gestão de Carreira e Sucessão Comunicação interna Implantação/ Reformulação de Programas de Qualidade de vida Implantação e/ ou Melhoria da Gestão de Pessoas baseada em competências Planejamento estratégico de RH Desenvolvimento de liderança Treinamento e Desenvolvimento de pessoal técnico e operacional 12% 12% 12% 18% 18% 24% 29% 24% 29% 29% 29% 35% 35% 41% 41% 41% 47% 53% 47% 53% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 2008 Próximos 3 anos Total de respondentes: 17 Organizações Estas prioridades estão em sintonia com a necessidade de nos próximos três anos investir em Gestão de Carreira e Sucessão e Redefinição das competências profissionais, como é apontado pelas Participantes. 26

27 2.3. Prioridades de investimento / atuação da Organização em Gestão de Pessoas Prioridades de investimento - 10 menos citadas em Gestão de Pessoas pelas Organizações / Instituições Públicas Terceirização de Processo de RH Outros Gestão da Cultura Organizacional Reestruturação da área de RH Mudança nos sistemas de remuneração Reformulação de plano de benefícios Indicadores de desempenho em RH (Scorecard) Implantação ou melhoria na sistemática de Gestão de Talentos Tecnologia da Informação aplicada à Gestão de Pessoas (sistemas e infra-estrutura) Reformulação do sistema de Gestão do Desempenho 0% 0% 0% 6% 6% 6% 6% 12% 12% 12% 18% 18% 18% 18% 18% 24% 29% 29% 35% 35% O gráfico representativo das prioridades de investimento menos citadas parece indicar que o RH esteve, em 2008, distante das ações relacionadas as mudanças organizacionais. 0% 10% 20% 30% 40% 50% 2008 Próximos 3 anos Total de respondentes: 17 Organizações 27

28 2.4. Sistemas de Gestão de RH Existência de Sistema de Gestão de RH nas Organizações / Instituições Públicas Não 13% Em Estudo 6% 81% das organizações participantes utilizam Sistemas de Gestão de RH Integrados. Características dos Sistemas de Gestão de RH nas Organizações / Instituições Públicas Sim 81% Total de respondentes: 16 Organizações Sistemas de Gestão Integrados Sistemas de Gestão Independentes Sistema de Gestão - Folha de Pagamento 15% 38% 46% Sistema de Gestão - Cadastro de Pessoal 15% Sistema de Gestão - Quadro de Pessoal 8% Outros 0% 0% 10% 20% 30% 40% 50% Total de respondentes: 13 Organizações 28

29 2.5. Processos de RH terceirizados Existência de Processos de RH Terceirizados nas Organizações / Instituições Públicas Tipos de Processos de RH terceirizados nas Organizações / Instituições Públicas Recrutamento e Seleção 86% Sim 41% Não 53% Gestão de benefícios de assistência médica Gestão de benefícios de aposentadoria Execução de Treinamento Outros. Gestão e desenho de mudanças organizacionais Gestão de outros benefícios 14% 14% 14% 57% 57% 57% Em Estudo 6% Total de respondentes: 17 Organizações Folha de pagamento Avaliação de desempenho 14% 14% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Total de respondentes: 07 Organizações O processo de Recrutamento e Seleção é terceirizado em 86% das participantes. Deve ser salientado que nem todo o Processo de Recrutamento e Seleção seja terceirizado por completo pelas organizações. Possivelmente atividades como elaboração de provas e realização de exames médicos podem ser caracterizados como passíveis de terceirização. 29

30 2.6. Absenteísmo no Segmento Absenteísmo Médio - Dias/ano x Empregado nas Organizações / Instituições Públicas Somente 04% Sem informação Licença maternidade / paternidade 0,32 0,58 do Absenteísmo das Organizações são injustificados. Composição % Média do Absenteísmo nas Organizações / Instituições Públicas Afastamentos (doenças, acidentes de trabalho, ausências justificadas) 6,41 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 Total de respondentes: 08 Organizações Licença maternidade / paternidade 8% Sem informação 4% Em média, cada empregado deixou de trabalhar 7 dias/ano nas Organizações participantes. Afastamentos (doenças, acidentes de trabalho, ausências justificadas) 88% Total de respondentes: 08 Organizações 30

31 Parte 3 Práticas em Gestão de Pessoas pwc * connectedthinking Pwc

32 Parte 3 Práticas em Gestão de Pessoas Neste capítulo do Relatório são apresentados os indicadores relacionados às Práticas em Gestão de Pessoas pesquisadas nas Organizações / Instituições Públicas participantes do Estudo. De modo semelhante ao capítulo anterior, os resultados são apresentados em gráficos e tabelas e são tecidos comentários sobre os resultados. As temáticas abordadas foram: 3.1. Modelo de Competências; 3.2. Recrutamento e Seleção; 3.3. Treinamento e Desenvolvimento; 3.4. Gestão do Desempenho; 3.5. Carreira e Sucessão e 3.6. Sistemas de Remuneração. 32

33 3.1. Modelo de Gestão de Pessoas por Competências Existência de Modelo de Gestão de Pessoas por Competências nas Organizações / Instituições Públicas Não 29% Competências de Liderança é o Tipo de Competências mais considerado nos Modelos de Gestão de Pessoas por Competências, por 92% das participantes. Sim 71% Tipos de Competências considerados nos Modelos de Gestão de Pessoas por Competências Total de respondentes: 17 Organizações Competências técnicas 75% 71% das participantes afirmam possuir e utilizar Modelo de Gestão de Pessoas por Competências. Competências de liderança Competências estratégicas 83% 92% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Total de respondentes: 12 Organizações 33

34 3.1. Modelo de Gestão de Pessoas por Competências Em Impacto do Modelo de Gestão de Pessoas nos Subsistemas de RH nas Organizações / Instituições Públicas 100% Treinamento e Desenvolvimento Carreira Promoção Remuneração fixa Plano de sucessão Outros 33% 42% 42% 83% 92% 100% das organizações o Modelo de Gestão de Pessoas por Competências impacta o Subsistema de RH Treinamento e Desenvolvimento, o que demonstra que no Setor há forte relacionamento entre os Modelos de Gestão de Pessoas por Competências e as Ações de Desenvolvimento Profissional. Remuneração variável 8% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% Total de respondentes: 12 Organizações Chama a atenção o fato que, em 42% das participantes, o Modelo de Gestão de Pessoas por Competências impacta também a Remuneração Fixa dos empregados. 34

35 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Quando a temática diz respeito a modos de Recrutamento e Seleção, nota-se que Concurso Público é a prática mais utilizada para cargos até o nível de Profissionais de Nível Superior. A partir desse nível as organizações tendem a combinar o Concurso Público e a Nomeação em Cargo de Confiança como meios de provimento no Serviço Público. As organizações não apontaram a que se referem as práticas consideradas nas respostas Outros. Critérios Nível Hierárquico Nomeação em cargo de confiança / cargo comissionado Concurso público Outros Presidente Diretor Superintendente / Chefe de Gabinete / Chefe de Auditoria / Procurador Geral / Consultor Chefe de Divisão / Coordenador Geral Gerente de Área / Coordenador de Departamento / Procurador / Assessor Coordenador de Área / Coordenador Técnico Profissionais de Nível Superior / Assistente de Gabinete / Subprocurador Profissionais de Nível Médio / Técnico / Secretária I Assistentes / Auxiliares / Secretária II 100% 24% 0% 100% 29% 0% 76% 47% 6% 71% 47% 12% 82% 47% 18% 53% 47% 12% 6% 94% 6% 6% 100% 6% 6% 71% 0% Total de respondentes: 17 Organizações 35

36 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Nota-se que, para a maioria das organizações, os processos seletivos levam em considerações métodos tradicionais de avaliação, sendo focalizados na avaliação de Conhecimentos Técnicos, Conhecimentos referentes ao Serviço Público (Lei 8.112, Regimentos Internos) e em Titulação Acadêmica. Em 88% das organizações o Concurso Público avalia Conhecimentos Técnicos. Critérios Critérios considerados Nomeação em cargo de confiança / cargo comissionado Concurso público Terceirização Conhecimentos técnicos exigidos para o cargo/função Conhecimentos referentes ao serviço público (Lei 8.112, Regimento Interno do órgão/empresa, Lei 8.666, Direito Constitucional, etc) Titulação Experiência em cargo/função anteriores Avaliação de competências Características pessoais Outros 47% 88% 6% 12% 53% 0% 18% 41% 0% 41% 29% 0% 12% 6% 0% 18% 12% 0% 0% 12% 6% Total de respondentes: 17 Organizações 36

37 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Existência de Programa de Formação para novos empregados nas Organizações / Instituições Públicas Sim 56% Não 31% Existência de Avaliação após Programa de Formação em Organizações / Instituições Públicas Em Estudo 13% Sim 78% Total de respondentes: 16 Organizações Não 22% Nas empresas que possuem Programas de Formação de Novos Empregados, o percentual de Organizações que realizam Avaliações dos Novos empregados é de 78%. Total de respondentes: 09 Organizações 37

38 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Ainda sobre as Avaliações após o Programa de Formação de Novos Profissionais, nota-se que o conteúdo das avaliações são baseados em modelos tradicionais de avaliação e, em consonância com os Concursos Públicos, dizem respeito, basicamente sobre Conhecimentos Técnicos e Conhecimentos Técnicos referentes ao Serviço Público. Nível Hierárquico Conhecimen tos técnicos Conhecimentos técnicos referentes ao serviço público Competências Características pessoais Presidente Diretor Superintendente / Chefe de Gabinete / Chefe de Auditoria / Procurador Geral / Consultor Chefe de Divisão / Coordenador Geral Gerente de Área / Coordenador de Departamento / Procurador / Assessor Coordenador de Área / Coordenador Técnico Profissionais de Nível Superior / Assistente de Gabinete / Subprocurador Profissionais de Nível Médio / Técnico / Secretária I Assistentes / Auxiliares / Secretária II 14% 14% 14% 0% 14% 14% 14% 0% 14% 14% 14% 0% 29% 14% 29% 0% 14% 14% 14% 0% 14% 14% 14% 0% 86% 43% 29% 14% 100% 43% 29% 14% 57% 43% 29% 0% Total de respondentes: 07 Organizações 38

39 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Interferência dos resultados na Alocação após Programa de Formação para novos empregados Sim 38% Ainda sobre Programas de Formação para novos Empregados, observa-se que os resultados destes programas pouco influenciam na alocação dos profissionais avaliados, sendo que somente em 38% Não 62% das organizações que avaliam seus empregados após o programa de formação os resultados interferem na alocação destes profissionais. Total de respondentes: 08 Organizações 39

40 3.2. Recrutamento e Seleção R&S Existência de Processos Seletivos Internos para Funções Gratificadas nas Organizações / Instituições Públicas Sim 56% Não 38% As Funções Gratificadas mais citadas como preenchidas a partir de Processo Seletivo Interno foram Funções de Média Gerência, como as funções de Coordenador de Área / Técnico, Gerente de Área, Assessores e Gerente de Divisão. Cargos e Funções Gratificadas preenchidos a partir de Processo Seletivo Assistentes / Auxiliares / Secretária II 22% Total de respondentes: 16 Organizações Em Estudo 6% Profissionais de Nível Médio / Técnico / Secretária I Profissionais de Nível Superior / Assistente de Gabinete / Subprocurador Coordenador de Área / Coordenador Técnico 33% 44% 67% Gerente de Área / Coordenador de Departamento / Procurador / Assessor 67% 56% das participantes realizam Processos Seletivos Internos. Chefe de Divisão / Coordenador Geral 3Superintendente / Chefe de Gabinete / Chefe de Auditoria / Procurador Geral / Consultor Diretor Presidente 11% 11% 33% 67% 0% 20% 40% 60% 80% Total de respondentes: 09 Organizações 40

41 3.3. Treinamento e Desenvolvimento T&D Realização de Identificação de Necessidades de Treinamento nas Organizações / Instituições Públicas Não 6% O Surgimento de uma nova lei e Mudança nos processos da empresa são as fontes de Levantamento de Necessidades de Treinamento mais citadas pelas participantes. Em Outros são citadas fontes como Avaliação da Chefia, Indicadores de desempenho e Interesses do empregado. Fontes Levantamento de Necessidades de Treinamento consideradas pelas Organizações / Instituições Públicas Surgimento de uma nova lei 94% Sim 94% Mudança nos processos da empresa 88% Total de respondentes: 17 Organizações Avaliação de desempenho individual do profissional 75% Lançamento de um novo produto ou serviço 63% 50% das organizações possuem Pacotes de Treinamento Padrão existente. Outros "Pacote" de treinamento padrão existente na organização 50% 63% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Total de respondentes: 16 Organizações 41

42 3.3. Treinamento e Desenvolvimento T&D Em consonância com a priorização de Ações de Desenvolvimento para Lideranças, observa-se que os Profissionais Gestores foram contemplados com Profissionais técnicos de nível médio Profissionais técnicos de nível superior % de Distribuição Médio dos investimentos em Treinamento por nível hierárquico 32% 31% 25% do Orçamento Profissionais Gestores 25% para Ações de Desenvolvimento. Profissionais técnicos de nível fundamental 11% O número médio de horas de treinamento por Empregado, nas Participantes, foi de Outra categoria profissional. 3% 0% 10% 20% 30% 40% Total de respondentes: 07 Organizações 57 horas. 42

43 3.3. Treinamento e Desenvolvimento T&D Características e Metodologias dos Treinamentos realizados nas Organizações / Instituições Públicas Desenvolvidos internamente somente para seu próprio uso Contratação de fornecedores externos Contratação externa do fornecedor para desenvolver internamente E-learning 59% 82% 76% 76% 76% das organizações contratam fornecedores externos, tanto para a condução de treinamentos quanto apenas para seu desenvolvimento. Auto-estudo 24% Computer based training (cursos via CD Rom, com módulos de evolução) 6% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Total de respondentes: 17 Organizações 43

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais Programa de Capacitação Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais 11 e 12 fevereiro 2009 Conteúdo Objetivos do Treinamento Agenda Contextualização: Remuneração

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS 1 Manual de Cargos, Salários e Carreira Página 2 de 15 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Premissas... 4 2. Estrutura do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

15ª Edição 2014 Exercício 2013

15ª Edição 2014 Exercício 2013 Pesquisa de Indicadores de Gestão de Pessoas Apresentação 15ª EDIÇÃO REFERENTE A DADOS DE DEZEMBRO/2013 Primeira vez que a pesquisa é realizada com a Universidade Metodista, por meio do Grupo de Estudos

Leia mais

Segmentação CATHO ONLINE LTDA. Empresa: Base: 34ª Edição. Região Geográfica: Grande São Paulo. Faturamento: R$ 31 a 45 milhões. Indústria Automotiva

Segmentação CATHO ONLINE LTDA. Empresa: Base: 34ª Edição. Região Geográfica: Grande São Paulo. Faturamento: R$ 31 a 45 milhões. Indústria Automotiva Edição: Fevereiro/2011 Segmentação Empresa: CATHO ONLINE LTDA Base: 34ª Edição Região Geográfica: Grande São Paulo Faturamento: R$ 31 a 45 milhões Ramo de atividade: Indústria Automotiva Apresentação Este

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA FAÇO saber que a Câmara Municipal de Manaus aprovou, e eu PROMULGO, nos termos do Artigo 48, combinado com o inciso IV do Art. 51 da Constituição Federal, aplicando à espécie o principio de simetria com

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Plano de Cargos e Salários

Plano de Cargos e Salários Propostas de ajustes e melhorias do SINTEC-SP (Sindicato dos Técnicos Industriais de Nível Médio do Estado de São Paulo) São Paulo 08 de Setembro de 2010 Plano de Cargos e Salários Pré-Work 2010 Superintendência

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Governança em Gestão de Pessoas

Governança em Gestão de Pessoas Governança em Gestão de Pessoas Práticas e Propostas Seminário Melhores Práticas Governança em Gestão de Pessoas 25 FEV 2014 DIRETRIZES de GOVERNANÇA em GESTÃO DE PESSOAS Plano de Trabalho DEST OBJETIVO

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde.

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. PCCS Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Colaborador (a), Com o objetivo de alavancar a

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

Operador II Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Assistente Administrativo Remuneração: Descrição: Requisitos: Ref.

Operador II Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Assistente Administrativo Remuneração: Descrição: Requisitos: Ref. Operador II Remuneração: R$ 1212.00 Ticket alimentação mensal 367,00 (Unimed + saúde Bradesco + Funcional Card) + Convênio com Farmácia, remuneração variável semestral Descrição: Atuar no setor produtivo

Leia mais

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Plano de Cargos, Salários e Carreiras versão 13 Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Crea SP 2015 Crea-SP- 1.1 DA UNIFICAÇÃO DE CARGOS E ALTERAÇÕES DE REQUISITOS PARA INGRESSO 1. ESTRUTURA

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI Superintendente Corporativo Superintendente do Diretor Regional do Executivo Superintendentes e Diretoria Regional 18.734,00 Gerente Corporativo de Adm. Controle Gerente Corporativo de Finanças Gerências

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014 Programa de Desenvolvimento Gerencial Brasília, Maio de 2014 A Embrapa Missão Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

Oficina de Boas Práticas em Formação Profissional

Oficina de Boas Práticas em Formação Profissional Oficina de Boas Práticas em Formação Profissional 1 1 1 Programa das Atividades Manhã: Plano de Cargos e Salários: O que é, Como montar, Importância e Resultados. Descrição de Cargos: O que é e como montar.

Leia mais

BANCOS BLOCO 2. Recursos Humanos. SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados ANO-BASE 2001 CÓDIGO PAEP DA EMPRESA - FNDC/CT VERDE AMARELO

BANCOS BLOCO 2. Recursos Humanos. SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados ANO-BASE 2001 CÓDIGO PAEP DA EMPRESA - FNDC/CT VERDE AMARELO BANCOS BLOCO 2 Recursos Humanos ANO-BASE 2001 CÓDIGO PAEP DA EMPRESA - GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Economia e Planejamento SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados FINEP FINANCIADORA

Leia mais

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência watsonwyatt.com CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 052/2007 Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência 09 de Abril de 2008 Número de Empresas

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS IMPORTANTE: 1. Este documento não substitui o Comunicado 01 e constitui-se em mera síntese para divulgação das

Leia mais

Oportunidades para Sucesso! Tel.: (49) 3323 5804

Oportunidades para Sucesso! Tel.: (49) 3323 5804 Tele Vendas - Chapecó/SC Remuneração: R$ 951.00 Plano Básico de Saúde, para o colaborador, sem custo de mensalidade; Seguro de vida em grupo, sem custo para o colaborador; Convenio Médico que proporciona

Leia mais

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Mercer College, Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br Sistema RH Sistema de RH RETENÇÃO ACOMPANHAMENTO CAPTAÇÃO DESLIGAMENTO Entrada do profissional no sistema DESENVOLVIMENTO Saída do profissional no sistema Recrutamento e Seleção Banco de talentos Projeto

Leia mais

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 660 Garçom 1 Afiador de Ferramentas 2 Assistente da Central de Laudos 2 Atendende de Programa de Relacionamento 2 Atendente de Telemarketing 2

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Secretaria de Gestão

Secretaria de Gestão Secretaria de Gestão A Prefeitura Municipal de Salvador enfrentou alguns desafios no início da gestão Foram identificados muitos problemas relacionados aos principais aspectos para uma gestão profissional

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto.

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto. Circular Interna Emissor: Nº doc: Diretoria Administrativa Corporativa 101-2015 Data: 31/10/2014 Destinatário: Todas as unidades/contratos Assunto: Política de Recrutamento e Seleção OBJETIVO: Estabelecer

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS Setembro de 2015 1 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 CONCEITUAÇÃO... 4 2 PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS... 6 2.1 ESTRUTURA DE CARGOS E FUNÇÕES... 6 2.2 SALÁRIOS...

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

7º Benchmarking Paranaense de Recursos Humanos Resumo Especial: Planos de Saúde

7º Benchmarking Paranaense de Recursos Humanos Resumo Especial: Planos de Saúde 7º Benchmarking Paranaense de Recursos Humanos Resumo Especial: Planos de Saúde Rev. 8.10.15 Este documento apresenta informações específicas das empresas do segmento de Planos de Saúde, complementando

Leia mais

3 A Petrobras e a Tecnologia da Informação 3.1 A TIC da Petrobras

3 A Petrobras e a Tecnologia da Informação 3.1 A TIC da Petrobras 3 A Petrobras e a Tecnologia da Informação 3.1 A TIC da Petrobras As atividades de tecnologia da informação e telecomunicações estão presentes desde a fundação da Petrobras, em 1953, a partir da implantação

Leia mais

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 65 COLABORADORES A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado Ed Carlos Alves

Leia mais

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE Cadastre seu currículo em nosso site Valores de cadastro: R$ 25,00 (nível fundamental /médio /técnico) R$ 30,00 (nível superior (em andamento ou concluído)) Informações: (49) 3329.6218 ÁREA: CONTÁBIL /

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil A 6ª Pesquisa sobre a área e os profissionais de Relações

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.8.

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.8. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS...3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO...5 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO...6 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO...6

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999 1 SUMÁRIO SISTEMA DE REMUNERAÇÃO TÍTULO I DOS CONCEITOS...3 TÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...3 TÍTULO III ESTRUTURA DE CARGOS E SALÁRIOS...4 TÍTULO IV DA TABELA SALARIAL...9 TÍTULO V DO INGRESSO E

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail. PORTFÓLIO MARCA CONSULTORIA & TREINAMENTOS RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.com SUMÁRIO 1 QUEM

Leia mais

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 9ª Edição Introdução É com grande satisfação que o Grupo Protege inicia a 9ª edição do Programa Trainee, visando contratar, desenvolver e reter jovens com potencial

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento Daniel Orlean ou... 6Ds + ROI Daniel Orlean Como você faz para aprovar um programa de T&D Na sua percepção, qual a maior barreira ao implementar um processo

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano Mercer College Brasil 2014 Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

VAGAS NA AREA ADMINISTRATIVA

VAGAS NA AREA ADMINISTRATIVA VAGAS NA AREA ADMINISTRATIVA Aux. Administrativo (cálculos de seguros) Remuneração: R$ 1072,00 Benefícios: Seguro de vida, refeição, vale transporte. Descrição: Realizar cálculo de apólice de seguro. Segunda

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr VAGAS Ger Supply Chain Coord Adm Vendas / Gerente Jr Superior Completo e MBA em Logística Experiência na posição de 5 anos mínimo Reporte: Diretor Industrial Inglês Fluente e desejável espanhol Reportando-se

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.252, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Publicado no Diário Oficial nº 3.039 Institui o Quadro de Servidores Auxiliares da Defensoria Pública do Estado do Tocantins e o respectivo Plano de Cargos, Carreira

Leia mais

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS CARGOS DE GRATIFICAÇÃO (40%) CARGO REMUNERAÇÃO Administrador de Banco de Dados JR 3.882,86 Administrador de Banco de Dados PL 4.954,72 Administrador de Banco

Leia mais

Glossário das Identidades de Indicador de RH 27.10.08

Glossário das Identidades de Indicador de RH 27.10.08 Glossário das Identidades de Indicador de RH 27.10.08 Objetivo Padronizar os termos usados nos Indicadores de Recursos Humanos, visando uniformizar os conceitos e facilitar a interpretação dos resultados

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014

SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014 Tema: EXAME DAS ATIVIDADES DE TI SOB A RESPONSABILIDADE DA SUCOM. Tipo de Auditoria:

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA. Cleidimar Alvarenga. Agenda

INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA. Cleidimar Alvarenga. Agenda INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA Cleidimar Alvarenga Agenda Como desdobrar o planejamento estratégico em ações concretas de RH e em Indicadores Indicadores e Métricas para RH que contribuem

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 CONTEÚDO 1. Como estamos até agora? 2. O que vem por aí... 3. Prioridades do RH para 2015 4. Nossa visão de 2015 01 COMO ESTAMOS ATÉ AGORA? PERFIL DOS PARTICIPANTES

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

ENQUADRAMENTO Projeto Conjunto COMPETE 2020 Formulação Estratégica Controlo de Gestão Avaliação de Desempenho. 40% 50% 22.12.2015

ENQUADRAMENTO Projeto Conjunto COMPETE 2020 Formulação Estratégica Controlo de Gestão Avaliação de Desempenho. 40% 50% 22.12.2015 PROJETO ENQUADRAMENTO A Associação Industrial Portuguesa concebeu um Projeto Conjunto no âmbito do COMPETE 2020 que tem por objetivo apoiar as PME na sua (re)formulação Estratégica, na implementação de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais