MARISA DE MEDEIROS CHAVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARISA DE MEDEIROS CHAVES"

Transcrição

1 MARISA DE MEDEIROS CHAVES O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS COMO VANTAGEM DIFERENCIAL COMPETITIVA NO ENSINO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Belo Horizonte Junho de 2001

2 MARISA DE MEDEIROS CHAVES O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS COMO VANTAGEM DIFERENCIAL COMPETITIVA NO ENSINO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Belo Horizonte Junho de

3 SINOPSE O presente trabalho pretende evidenciar o papel do sistema integrado de Recursos Humanos, como vantagem diferencial competitiva, nas instituições de ensino superior com curso de Administração de Empresas, na região metropolitana de Belo Horizonte. Para tanto analisa alguns casos escolhidos na área supracitada, ao final do ano de Contextualizada em um ambiente com marcantes e dinâmicas alterações, a discussão e proposição de políticas de organização e gestão de pessoas nas instituições em análise podem ganhar uma dimensão gerencial diferenciada a partir da efetiva incorporação do conteúdo aqui tratado. A propósito, destaca-se a especial inserção das instituições de ensino na funcionalidade social, como matrizes geradoras dos quadros e da cultura mentora da elite social. ABSTRACT This paper intent to evidence the hole of the human resources integrated system, asumed like a competitive diferential advantage, to the college education institutions with Bussiness Administration Course, in the Belo Horizonte Metropolitan Region. Concern this, some selected cases was analyzed in the referred region, in the last days of Insert in an environment with striking and dynamics changing, the discussion and proposition of organizational policies and human resources management practices, here under analysis, may obtain a differential management dimension upon the effective consideration of the contents refereed here. By the way, a special insertion of the college education institutions in the scope of social functionality was emphasized, like a generation matrix of staffs and culture of the social elite. ii 3

4 AGRADECIMENTOS Registra-se um agradecimento especial aos profissionais de recursos humanos das instituições pesquisadas pela atenção e boa vontade dedicadas ao atendimento aos pedidos de respostas às questões relativas à pesquisa de campo. Sem este imprescindível auxílio tal tarefa não poderia ter sido concluída. iii 4

5 DEDICATÓRIA Dedico o fruto do presente esforço ao meu marido Ricardo e à nossa filha Clarice, fontes de inspiração e de renovada confiança em todos os momentos, na assertividade do empenho requerido para a conclusão deste trabalho. iv 5

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1.2. JUSTIFICATIVA 1.3. OBJETO DE ESTUDOS O TEMA A NATUREZA DO PROBLEMA E SUAS HIPÓTESES BÁSICAS 2. EMBASAMENTO TEÓRICO 3. METODOLOGIA DA PESQUISA 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS 4.1. O ENSINO SUPERIOR NO BRASIL QUADRO ATUAL 4.2. AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NA RMBH 4.3. AS QUESTÕES PESQUISADAS O QUESTIONÁRIO DE PESQUISA A TABULAÇÃO DAS QUESTÕES 5. CONCLUSÕES E SUGESTÕES ANEXOS APÊNDICES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS v 6

7 Obs: Foi necessário suprimir alguns quadros para acelerar o processo de transmissão de dados via . O original escrito estará completo. LISTA DE QUADROS QUADRO I - CARACTERÍSTICAS DA ANTIGA E DA NOVA ECONOMIA QUADRO II - AS MACROTENDÊNCIAS DA GESTÃO DE PESSOAS QUADRO III - O SISTEMA INTEGRADO DE RECURSOS HUMANOS QUADRO IV - O SISTEMA SOCIOTÉCNICO - A ABORDAGEM DO TAVISTOCK INSTITUTE QUADRO V - O DESENHO MECANÍSTICO TÍPICO DA ERA INDUSTRIAL CLÁSSICA QUADRO VI - O DESENHO MATRICIAL DA ERA INDUSTRIAL NEOCLÁSSICA QUADRO VII - O DESENHO ORGÂNICO TÍPICO DA ERA DA INFORMAÇÃO QUADRO VIII - AS TRÊS ETAPAS DAS ORGANIZAÇÕES NO DECORRER DO SÉCULO XX QUADRO IX - AS MUDANÇAS E TRANSFORMAÇÕES NA ÁREA DE RH QUADRO X - AS TRÊS ETAPAS DA GESTÃO DE PESSOAS QUADRO XI - ÁREA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE - CIDADES INDUSTRIAIS E PRINCIPAIS VIAS DE ACESSO vi 7

8 O homem deve criar oportunidades e não somente encontrá-las. 8

9 Francis Bacon 9

10 1. INTRODUÇÃO O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS COMO VANTAGEM DIFERENCIAL COMPETITIVA NO ENSINO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A presente dissertação resulta de uma pesquisa sobre o sistema integrado de recursos humanos considerado como vantagem diferencial competitiva, no âmbito das instituições de ensino superior com curso de Administração de Empresas, localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais. Em decorrência da metodologia e dos recursos disponíveis, o esforço de pesquisa se concentrou em 04 (quatro) instituições de ensino superior, eleitas como amostra significativa do universo em consideração. Portanto, o estudo em tela permitiu sintetizar uma avaliação crítica do sistema de recursos humanos no setor de ensino universitário de graduação, na região em referência. Possibilitou também, a proposição de uma configuração para o sistema de recursos humanos de instituições de ensino superior, como modelo de capacitação estratégica e indutor da criação de vantagens diferenciais competitivas 1. A referência teórica para tais objetivos, inspira-se na concepção do modelo integrado de recursos humanos, como modelo de desenvolvimento institucional. 1.1 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Este trabalho de pesquisa pretendeu obter e sistematizar dados e informações capazes de permitir a avaliação crítica do sistema de recursos humanos no setor de ensino superior, no nível de graduação em Administração de Empresas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, diante dos desafios concorrenciais e sob a ótica da busca de excelência e da economicidade do sistema analisado OBJETIVOS ESPECÍFICOS Dentre os objetivos específicos deste trabalho, podem ser destacados os seguintes: a) Obter dados estatísticos que possibilitem a proposição de uma configuração para o sistema de recursos humanos em instituições de ensino superior com curso de Administração de Empresas, que 3 O conceito de vantagem diferencial competitiva, atribuído por Wroe Alderson ( Dynamic Marketing Behavior Homewood, Illinois Richard D. Irwin 1965 Cap. VIII) a J. M. Clark e E. H. Chamberlain, traduz ou designa uma característica ou condição capaz de conferir uma vantagem à uma firma sobre seus competidores. Citado por FERREIRA, Ricardo J. F. Os Canais de Distribuição da 10

11 melhor corresponda a um modelo de capacitação estratégica, condicionante da criação de vantagens diferenciais competitivas em tais instituições. b) Descrever as condições atuais do sistema de recursos humanos de instituições de ensino superior com curso de Administração de Empresas, notadamente aquelas que mantenham unidades educacionais localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a partir de conjuntos de variáveis identificadoras de funcionalidade, competitividade e economicidade do sistema. c) Avaliar o nível de desenvolvimento das normas e dos procedimentos relativos aos recursos humanos nessas instituições, assim como sua política salarial e a existência de instrumentos adequados para sua administração, com destaque para um Plano de Cargos e Salários. d) Identificar os processos e fontes utilizadas pela instituição para o recrutamento do seu pessoal docente e administrativo, bem como os principais métodos para sua seleção. e) Confrontar a existência de orçamento ou dotação de recursos previstos para um programa de desenvolvimento de pessoal, bem como sua periodicidade de ocorrência e efetiva implementação e controle. f) Constatar a existência, a forma e a freqüência de utilização de uma avaliação e acompanhamento do desempenho dos docentes e do pessoal administrativo nas instituições pesquisadas. g) Classificar os benefícios eventualmente concedidos aos empregados das instituições pesquisadas, quais suas formas de concessão e controle, bem como avaliar a importância relativa de tais benefícios na remuneração do pessoal docente e administrativo. h) Relatar a existência e a formatação dos programas de segurança e medicina do trabalho já implementados. i) Apurar a existência de um planejamento de recursos humanos de curto, médio e longo prazo, avaliando a respectiva funcionalidade. j) Tabular e analisar os resultados obtidos na pesquisa, com vistas à obtenção de informações cruzadas e de valor, tanto para a pesquisa em curso, como para eventuais trabalhos correlatos. Indústria Automobilíst ica em Minas Gerais Uma Avaliação Dissertação de mestrado aprovada pela Fundação Getúlio Vargas Escola de Administração de Empresas de São Paulo FGV-EAESP Pagina

12 1.2. JUSTIFICATIVA A escolha do tema e as motivações do presente trabalho alicerçam-se na interpretação da dinâmica das questões relevantes que se apresentam ao gestor de pessoas e de organizações, na atual fase histórica. Em função disso, torna-se pertinente destacar as características predominantes do ambiente sócio econômico ao final do século XX, tanto no Brasil como no resto do mundo, as quais podem ser sintetizadas na incerteza geral acerca do papel das instituições tradicionais, das crenças, atitudes e valores que, durante a maior parte dos últimos cem anos, parecia direcionar o comportamento individual e grupal na civilização planetária. Em tais condições, genericamente batizadas pela denominação era da incerteza 2, o desempenho das instituições vem sofrendo um intenso desafio de eficácia 3, como condição necessária embora não suficiente, para a respectiva perpetuação, tal como demonstra o quadro abaixo. QUADRO I CARACTERÍSTICAS DA ANTIGA E DA NOVA ECONOMIA Características Antiga Economia Nova Economia Escopo Doméstica Global Força Motriz Produção de massa Tecnologia, inovação Recurso Capital Conhecimento, informação Empregos Estáveis, em grandes empresa Dinâmicas, em empresas menores Organização Centralizada, hierárquica Matriz, fluída, descentralizada Mercados Estáveis Fluídos Trabalhadores Não instruídos, não especializados Instruídos, especializados e adaptáveis Tarefas Simples e Manuais Complexas, intelectuais e participativas Tecnologia Mecânica Eletrônica, biológica Ênfase Previsibilidade Inovação e criatividade Fluxo de Informações De cima para baixo De baixo para cima Oportunidades Limitadas, fixas Fluídas, rotativas, móveis Negócios/governo Interferência mínima Colaboração, sociedade Símbolo Fábrica, chaminé Computador Fonte: Idalberto, CHIAVENATO, Gestão de Pessoas, o novo papel dos recursos humanos nas organizações, Rio de Janeiro, Editora Campus, 1999, p As possibilidades de sobrevivência e de crescimento das instituições no mundo atual passam assim, a ser cogitadas em termos de acentuação de sua capacidade competitiva, onde as variáveis passíveis de manipulação e rearranjo intencional devem ser submetidas a uma adequada condução organizacional e gerencial. Não será difícil perceber que, somente com uma concepção estratégica, a intervenção gerencial 2 GALBRAITH, John Kenneth A ERA DA INCERTEZA Ed. Pioneira S. P

13 encontraria condições de otimizar custos e benefícios, balizando condições econômicas para a sua viabilidade. Elaborando-se os aspectos distintos dos sistemas organizacionais, a referida concepção não poderia deixar de considerar a relevância do sistema de recursos humanos, para os seus propósitos de sobrevivência e crescimento, tal como podemos ver no Quadro II. E, destacadamente para as instituições que competem no setor de serviços, o peso relativo da otimização do desempenho do sistema de recursos humanos adquire uma importância acentuada. E sem dúvida, este é o caso das instituições de ensino superior na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. QUADRO II AS MACROTENDÊNCIAS DA GESTÃO DE PESSOAS 1. Uma nova filosofia de ação: não mais administrar RH, nem administrar pessoas, mas sim administrar com pessoas. 2. Enxugamento e downsizing voltado para o core business da área de RH. 3. Metamorfose da área de serviços para uma área de consultoria interna. 4. Transferência de decisões e ações para a gerência de linha. 5. Intensa ligação com o negócio da empresa. 6. Ênfase na cultura organizacional participativa e democrática. 7. Utilização de mecanismos de motivação e de realização pessoal. 8. Adequação das práticas de RH às diferenças individuais dos funcionários. 9. Virada em direção ao cliente interno ou externo. 10. Preocupação com a criação de valor para empresa e para o cliente. 11. Contínua preparação da empresa e das pessoas para o futuro. 12. Visão voltada para o ambiente externo e utilização do benchmarketing. Fonte: Idalberto, CHIAVENATO, Gestão de Pessoas, o novo papel dos recursos humanos nas organizações, Rio de Janeiro, Editora Campus, 1999, p A partir dessa visão, desenvolveu-se aqui, um modelo geral de sistema de recursos humanos, capaz de orientar a concepção de políticas de desenvolvimento institucional, com diretrizes organizacionais e de desempenho para a função de recursos humanos, e aplicável às instituições de ensino superior em nível de graduação de curso de Administração de Empresas OBJETO DE ESTUDO O TEMA O tema da pesquisa centrou-se na proposição de um sistema integrado de recursos humanos como vantagem diferencial competitiva, para as instituições de ensino superior, no nível de graduação para curso de Administração de Empresas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. 3 O conceito de eficácia, não deve ser confundido com eficiência, ou seja, a correta execução do que é feito, mas sim a execução do que deve ser feito corretamente, e com resultados positivos diante dos objetivos visados. 13

14 A concepção de um sistema integrado de recursos humanos foi desenvolvida como se contrapondo à estruturação funcional parcial e caracterizada por um processo decisório fragmentado, sem unicidade de concepção e implementação, que caracteriza a visão tradicional de organização na maioria das instituições de ensino superior, em nosso meio. Por sua vez, uma abordagem sistêmica à questão gerencial de recursos humanos, induz a uma concepção de funcionalidades integradas (Quadro III) de maior abrangência operativa e, certamente, de eficácia gerencial ampliada. Na compreensão de Ferreira 4 o sistema integrado de recursos humanos, foi concebido como um modelo orientador da gestão de recursos humanos, cujo objetivo fundamental é a integração e a compatibilização das decisões na área, incorporando as variáveis do ambiente relevante da organização no qual se insere. Aquele autor ressalta ainda que a pesquisa em busca do instrumento cognitivo em questão, foi, portanto, presidida pela necessidade de orientação para a ação gerencial, de forma integrativa, que considerasse o alcance, a complexidade, a mutabilidade e as demais características do sistema de recursos humanos em uma organização complexa. 5 A presente pesquisa evidencia a composição decisória, a estrutura relevante e as inter-relações do sistema de recursos humanos nas instituições de ensino universitário na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Cabe ressaltar também que, na atual conjuntura, como bem comenta a professora Maria Auxiliadora Monteiro de Oliveira 6, o setor de ensino universitário no Brasil, defronta-se com algumas influências determinantes com relação às políticas educacionais adotadas, sendo que as mais significativas podem ser assim destacadas: A globalização da economia vem provocando em todo o mundo, e notadamente nos países emergentes, um processo de mudança muito rápida nos valores em geral, inclusive com perda de sua identidade nacional. Na área educacional esse impacto leva o sistema escolar a se configurar como um mercado educacional apoiado em estratégias competitivas, enfatizando a difusão tecnológica por excelência, apresentando uma postura utilitarista. O neoliberalismo, impulsionado pela onda da globalização, prega a redução do papel do Estado e a ampliação da liberdade para a livre interação das forças do mercado permitindo, no âmbito da 4 FERREIRA, Ricardo J.F. - O Sistema Integrado de Recursos Humanos Como Modelo de Desenvolvimento. Institucional XI º Congresso da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES) Fortaleza Ceará ( pág. 96) 5 ( Op. Cit., pág. 96). 6. OLIVEIRA, M. A. M. O. Aprender a aprender: um novo paradigma ou uma rearticulação do pragmatismo de Dewey. Cadernos de Educação, Belo Horizonte, v. 4, n. 4, p , 1999 (Maria Auxiliadora é professora do Departamento de Educação e do Mestrado em Educação da PUC/MG). 14

15 educação, a interferência de agentes econômicos externos que estabeleceram metas de qualidade total para o atendimento das demandas mercantis, prioritariamente. A revolução tecnológica em curso tem colocado em questão até os paradigmas mais bem estabelecidos do conhecimento científico, colocando em dúvida até o que a educação deve privilegiar. A valorização de conteúdos vinculados à educação geral prevê que a escola deve buscar a disseminação de conhecimentos e informações que contemplam a polivalência na formação das novas gerações. Esta interpretação parece retratar o vetor melhor adaptado às constantes e rápidas obsolescências de campos restritos de conhecimentos e de tecnologias que se tornam ultrapassadas com rapidez, privilegiando o alcance de habilidades intelectuais de caráter multidisciplinar. Nesta perspectiva, atualmente é cada vez mais requerido que a educação tenha qualidade assentada nos princípios pragmáticos e de interesse econômico apontados acima. No entanto, a verdadeira qualidade só acontecerá se for assegurada, também a valorização: do professor; de um ensino baseado em um consistente e atualizado referencial teórico e da formação do cidadão, do sujeito ético-político. A concepção de educação, ora dominante, vem priorizando ações a partir de certas premissas, que embora cada vez mais difundidas no meio educacional, baseiam-se em uma perspectiva equivocada e prejudicial à eficácia do sistema educacional e dentre as quais, cabe destacar: a centralidade no aluno enquanto sujeito condutor da sua aprendizagem pela via da pesquisa autônoma e independente. Essa perspectiva do aprender a aprender pode levar à dissolução da diferença existente entre ensino e pesquisa, o que pode acarretar o empobrecimento do primeiro e a inviabilidade da segunda. Sem uma base teórica consistente, sem a direção e o acompanhamento docente, corre-se o risco de apoiar a realização de pesquisas que pouco contribuem para o real aprendizado do aluno, e cujo valor social e para o desenvolvimento do conhecimento, venha a ser irrelevante. o uso de novas tecnologias como fonte principal da construção do conhecimento. As tecnologias na educação jamais poderão substituir o professor e a ação docente. Embora se constituindo como importantes recursos, valiosas ferramentas auxiliares do processo de ensino - aprendizagem, as novas tecnologias são criações humanas, impregnadas de ideologia e, enquanto tais, não são más nem boas, dependendo do uso que é feito delas. O emprego de tecnologias como sinônimo de qualidade no ensino, constitui uma falácia que poderá custar caro aos inocentes que nela confiarem exclusivamente, desprezando uma adequada e competente supervisão docente. 15

16 desvalorização do professor e da ação docente. A formação docente vem se transformando em mera capacitação em serviço, na medida em que se negligencia a formação inicial e a importância de uma fundamentação teórica e política consistentes. A desvalorização do professor fica evidente na contenção salarial e na supervalorização do livro didático, entendido como uma formatação prévia e capaz de prover suficiente conhecimento aos estudantes com minimização da interferência docente, o que permitiria o aumento do número de alunos na sala de aula, privilegiando conceitos meramente econômicos de eficiência e produtividade, segundo uma visão ingênua e utilitarista do processo educacional. Sem a revisão de tais premissas e a conseqüente reorientação das práticas a elas associadas, a concepção de educação não poderá iluminar adequadamente a prática docente que conforme acreditamos, deve estar assentada em três pilares, a saber: Constituição de uma consistente base teórico-prática; Valorização do binômio professor - aluno; e Orientação para a constituição do sujeito ético - político capaz de garantir a formação do cidadão e de um profissional competente e compromissado socialmente. Não será necessário ressaltar que a operacionalização de tais pilares, definidos como necessários para a conquista de níveis de excelência no processo educacional, em instituições universitárias, necessitará da construção de um ambiente organizacional, conceitual e de infra-estrutura gerencial para a função de recursos humanos em tais instituições. E neste contexto, foi inserido o presente trabalho de pesquisa A NATUREZA DO PROBLEMA E SUAS HIPÓTESES BÁSICAS O ensino superior brasileiro, nos últimos anos, modificou-se radicalmente para atender às premências de um mercado cada vez mais complexo. As exigências crescent es de capacitação profissional, a concorrência acirrada no mercado de trabalho, a elevação dos custos envolvendo todos os processos educacionais e de preparação para o mercado de trabalho, ao lado da relativa lentidão das estruturas tradicionais do ensino superior em nosso meio, ensejaram as condições para a criação de novas unidades e conseqüente ampliação do número de estabelecimentos de ensino superior. Assim, a disseminação de faculdades regionais, isoladas ou vinculadas a uma Universidade de maior port e, atesta o crescimento que o setor alcançou nas últimas décadas, configurando-se hoje em um sistema bastante diversificado e complexo. Tal dinâmica, longe de se apresentar próxima do esgotamento, apresenta sinais de que deverá se aprofundar e ampliar. Agravam as condições ambientais relativas ao mercado de trabalho dos profissionais de nível superior no Brasil de nossos tempos, a crescente importação de profissionais de alta e média qualificação, como se tem verificado nos últimos anos. A contratação dess es profissionais no exterior tem sido promovida pelas 16

17 empresas transnacionais que vêm adquirindo o controle das maiores e melhores empresas estatais e privadas no Brasil, de forma rápida e até facilitada por favores creditícios, cambiais e pelas condições, tanto conjunturais como estruturais, desfavoráveis às empresas e ao capital brasileiro, apresentadas já de longa data nos mercados financeiros e de capitais em nosso País. Tais favorecimentos ao capital estrangeiro emergem ainda, como compromissos institucionais assumidos pelo governo brasileiro junto às instituições internacionais, como forma de assegurar créditos externos e impedir o agravamento ao já precário acesso ao mercado internacional para nossas exportações, em um complexo sistema de valores parcialmente constituídos e em nada benéficos aos países menos desenvolvidos no contexto internacional 7. Referência especial pode ser feita aos termos dos acordos ainda vigentes na jurisdição da Organização Mundial de Comércio OMC que, em última instância, impõem liberdade de comércio para os bens exportados pelos países mais desenvolvidos e restrições agravadas para os bens exportados pelos países ditos em desenvolvimento, dentre eles o Brasil. Tais condições restritivas afetam tanto os produtos primários como os industrializados. Dentre esses últimos, destacam-se os produtos siderúrgicos, os têxteis, os calçados, e o açúcar, dentre outros. Já o capítulo relativo aos bens agrícolas e de elaboração primária, apresenta-se como um paradoxo nas relações econômicas internacionais, onde os países ditos desenvolvidos aplicam anualmente, quantias substanciais em subsídios a uma produção gravosa e altamente concentrada em poucos produtores de grande porte, excluindo a produção agrícola do mundo em desenvolvimento de seus mercados internos, em flagrante contradição entre princípios e prática de comércio internacional. A luta política atualmente em curso no âmbito da OMC mostra sinais de que este problema internacional está longe de solução satisfatória e justa. As instituições que compõem o sistema de formação e habilitação de profissionais de nível superior no Brasil, embora distintas em suas particularidades, executam todas um mesmo processo de integração de funções, expressando-o em uma política geral que visa superar as carências fundamentais do ensino superior, tentando equacionar os principais problemas técnicos (com destaque para a qualificação, motivação e capacidade de ação integrada do corpo docente), além dos aspectos econômicos e políticos aparentemente de difícil solução na forma tradicional. O grande prejuízo, neste caso, fica exatamente para a eficácia do ensino, ou seja, para os estudantes que utilizam a sala de aula, de onde esperam obter as qualificações suficientes para a sua inserção favorável em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e com oportunidades decrescentes proporcionalmente ao número de profissionais graduados a cada ano. Curiosamente, o governo brasileiro ultimamente, vem adicionando maior conturbação à viabilização econômica das instituições de ensino instituindo-lhes ônus tributários suplementares, cujos questionamentos legais mais uma vez se arrastam sob a forma de pendências judiciais sem solução visível em curto prazo e, como se tornou regra na sociedade brasileira, somente resolvidos ou a partir de fatos políticos, ou quando o dano causado pelo arbítrio já não tiver mais possibilidade de recuperação. Como exemplo de tal situação, pode ser citada a Lei Federal No , de 11 de dezembro de 1998, que retirou a imunidade da contribuição previdenciária de entidades filantrópicas, entre as quais muitas escolas em 7 SIMONETTI, Eliana O Brasil está à venda Revista VEJA, 29 de Maio de 1996 Pág. 34 a

18 todos os níveis, elevando imediata e irreversivelmente as mensalidades cobradas aos estudantes matriculados em seus cursos, além da suspensão de bolsas de estudos, então concedidas. Diante deste quadro, formulou-se as seguintes hipóteses básicas deste trabalho: I) Ao longo do seu desenvolvimento, as instituições de ensino superior, com curso de graduação em Administração de Empresas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, têm procurado fortalecer seus sistemas operacionais, financeiros e de marketing como prioridade máxima na alocação de recursos escassos; II) Em segundo lugar, em prioridade, têm sido relegados os sistemas gerenciais, de incentivos, de remuneração e sociais das instituições de ensino superior com curso de Administração de Empresas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, resultando em um conjunto não harmônico e altamente susceptível de desequilíbrios por alterações no ambiente interno e externo dessas mesmas organizações: III) As instituições de ensino superior, com curso de graduação em Administração de Empresas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, atualmente apresentam insatisfatórias condições para o desempenho de suas tarefas básicas, decorrentes da atrofia das relações de incentivo e valorização do seu corpo docente, bem como do necessário apoio para o desenvolvimento de projetos de pesquisas relevantes e inovadores. 18

19 É importante estar sempre aberto a mudanças e ter habilidade para mudar o rumo dos acontecimentos. Autor Desconhecido 19

20 2. EMBASAMENTO TEÓRICO A referência para o tratamento teórico aqui delineado, e para a formulação das hipóteses básicas da pesquisa realizada, foi encontrada em Kingdon 8 (1973) que sugere a compreensão das organizações como o resultado sinérgico da interação de três subsistemas distintos e identificados, respectivamente, como sistemas técnico, social e gerencial. Tal abordagem caracteriza o sistema técnico, ou de tarefas, como se encarregando do fluxo objetivo de trabalho e do emprego da tecnologia e de todo o conjunto de recursos pertinentes. Já o sistema social é concebido como compreendendo o universo humano, com os seus desdobramentos de necessidades, aspirações, papéis sociais e valores subjacentes, espelhando a cultura dominante na esfera intra e interorganizacional, abrangendo inclusive os aspectos da organização informal. O sistema gerencial, por sua vez, é descrito como compreendendo a estrutura de organização formal, as políticas, as normas de conduta institucionalizadas tanto para premiar como para punir, além do processo de tomada de decisão como fenômeno típico das organizações. Tal referência conceitual é conhecida como a abordagem aos sistemas sociotécnicos, proposta pelo Tavistock Institute (London - UK). A grande contribuição de tal abordagem à compreensão do fenômeno organizacional e de sua dinâmica no mundo moderno, foi a consideração do papel da tecnologia e de suas mudanças, na modulação de um caráter contingencial da organização e de sua funcionalidade. Concebendo as organizações como a conjugação de subsistemas distintos, porém interdependentes e interativos, a abordagem aos sistemas sociotécnicos, afirma que a combinação de tecnologia com um sistema social exige a coordenação de um sistema gerencial, capaz de equacionar e compatibilizar a interação decorrente da ação recíproca e conjunta desses subsistemas, em um equilíbrio dinâmico e eficaz, tanto entre os subsistemas organizacionais, como nas relações destes com o meio ambiente da organização. O Quadro IV a seguir ilustra graficamente os subsistemas componentes do sistema organizacional, sob a ótica da abordagem aos sistemas sociotécnicos. A par da relevância estratégica da função de recursos humanos, a sua funcionalidade plena tem sido sistematicamente minimizada em nosso meio, por diversos fatores. As referências teóricas invocadas em auxílio à melhor compreensão desta questão, permitem propor uma abordagem sistêmica ao tratamento conceitual do tema, como efetuado por Bertalanffy 9 e outros. Por oportuno, convém destacar o fato de que a abordagem aqui invocada do Tavistock Institute, por sua vez, já incorporara não só a noção de ambiente da organi zação, mas a interação permanente dos subsistemas entre si, e destes e do todo com o seu ambiente externo, tornando a concepção das organizações como sistemas abertos, uma inferência necessária. 8 KINGDON, Donald Ralph - Matrix Organization, Managing Information Technologies London, UK Tavistock 20

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE I: Os fundamentos da Administração PARTE II: O contexto em que

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL SÓCIO DIRETOR DE VINDEX CORRETORA DE CÂMBIO PROFESSOR TITULAR

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná 1 Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná Clóvis Pereira UFPR Introdução A sociedade paranaense está sendo solidamente construída por meio de planos, planejamentos,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM?

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? Maria Aparecida Aiko Ikemura Objetivo Discorrer sobre os principais entraves ao estabelecimento de PPP e relatar a proposta adotada pelo TCEMG para acompanhamento dessas contratações.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais