Painel: 34/100 Aprendendo com os erros na implantação de sistemas de informação Tema: Gestão de Pessoas na área Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Painel: 34/100 Aprendendo com os erros na implantação de sistemas de informação Tema: Gestão de Pessoas na área Pública"

Transcrição

1 A implantação de um sistema de gestão de recursos humanos no Estado do Rio de Janeiro: cinco anos depois, administrando os fatores críticos e aprendendo com as lições. Painel: 34/100 Aprendendo com os erros na implantação de sistemas de informação Tema: Gestão de Pessoas na área Pública Autor: Edson Kazushigue Teramatsu Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Governo do Estado do Rio de Janeiro

2 RESUMO O artigo tem por objetivo apresentar a conclusão do projeto de implantação do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos SIGRH/RJ, deflagrado em junho de 2009 no âmbito do Poder Executivo do Estado do Rio de Janeiro. Os desafios enfrentados em relação à definição e alocação das equipes de trabalho, em paralelo às atividades cotidianas do órgão gestor de RH. A revisão e consolidação da legislação remuneratória e de pessoal para fazer frente à necessidade de construção de regras de negócio e automatização. A base de dados do sistema legado e os esforços para a sua melhoria visando uma melhor aderência com a configuração do novo sistema e seu elevado grau de automatismo. Prazos, cronogramas e a busca pelo melhor resultado: gerenciando o projeto e conciliando-o com os recursos disponíveis e as variáveis intangíveis. A transição entre projeto e rotina diária, e a necessidade de remodelagem da estrutura organizacional do órgão central. Os fatores críticos de sucesso e as lições aprendidas após cinco anos de projeto, oitenta órgãos setoriais de recursos humanos envolvidos e 500 mil vínculos funcionais e pagamentos migrados para uma nova solução tecnológica.

3 NOVO GOVERNO, NOVO SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Com a posse do novo governo do Estado do Rio de Janeiro - em janeiro de , diversas e profundas transformações foram deflagradas no âmbito da gestão pública fluminense, tendo como o seu marco inicial a criação da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, SEPLAG, pasta que passou a aglutinar as atribuições anteriormente dispersas entre as Secretarias de Administração e Reforma do Estado, de Planejamento e Integração Governamental, e ainda a de Controle Interno. No contexto da estrutura da nova SEPLAG é criada a Subsecretaria de Gestão de Recursos Humanos, SUBRE, órgão central do sistema de pessoal do Estado, responsável pela formulação da política de administração de pessoal, e ainda pelo planejamento, organização e controle das atividades desenvolvidas no âmbito dos órgãos de RH. Dentre os diversos desafios apresentados à SUBRE, de imediato fica explicitada a ausência de ferramenta adequada de apoio à gestão e à tomada de decisão estratégica, impossibilitando a obtenção tempestiva de dados consolidados ou a confecção de análises pontuais, estatísticas ou de evolução histórica em sua esfera de ação. Como primeira medida visando trilhar o longo caminho rumo à modernização da área, a SEPLAG contrata a consultoria do Instituto de Desenvolvimento Gerencial INDG, que inicia um minucioso trabalho de diagnóstico do sistema informatizado de pessoal em produção, focado principalmente nas suas necessidades de aperfeiçoamento, nos fluxos e nas rotinas vinculadas ao processamento da folha de pagamento. Em paralelo, tem início no âmbito da SEPLAG as atividades de um grupo de consultores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-RJ, buscando a análise da qualidade da base de dados cadastral

4 pessoal e funcional e da conformidade da folha de pagamento dos aproximadamente 80 órgãos da Administração Direta e Indireta. No curso destas atividades, que não somente envolveram os consultores externos, mas também boa parte dos servidores que coordenavam a área de auditoria de folha de pagamento e de manutenção e desenvolvimento do sistema informatizado, fica evidenciado que o Estado deveria buscar o desenvolvimento ou a aquisição de uma nova solução para a gestão de seus recursos humanos. Até então, toda a ação nessa área, principalmente nos aspectos relacionados com a folha, estava amparada exclusivamente pelo Sistema de Administração de Pessoal (SAPE), desenvolvido pelo PRODERJ - autarquia responsável pela gestão da tecnologia da informação no Estado em meados da década de Apesar de sustentar o cálculo e o pagamento de quase 500 mil vínculos funcionais sem maiores sobressaltos ao longo dos anos, o SAPE, até por conta de sua concepção inicial, não contemplava os requisitos básicos esperados de uma aplicação moderna que suporte a gestão de RH. E, justamente por ser orientado quase que exclusivamente para a geração da folha de pagamento, o SAPE apresentava uma base cadastral já bastante comprometida no que diz respeito à sua confiabilidade, além de insuficiente em relação às demandas de armazenamento e disponibilização de dados históricos. O sistema nitidamente carecia de filtros sistêmicos e de um maior grau de automatismo no cálculo das parcelas remuneratórias, o que o tornava vulnerável a equívocos operacionais ou mesmo ações fraudulentas. Tratava-se, em resumo, de um sistema transacional em sua essência, limitado no que se refere à oferta de consultas e relatórios gerenciais estes praticamente inexistentes. De toda a análise feita em relação ao SAPE, conclui-se que a melhor alternativa é a aquisição de um novo sistema de gestão, ficando afastada a hipótese de aperfeiçoamento da ferramenta em uso, seja por conta da

5 linguagem de desenvolvimento, seja pela impossibilidade de formar e alocar uma equipe de profissionais com conhecimento e disponibilidade para tal empreitada. Assim, ainda no ano 2007, representantes da SEPLAG e do PRODERJ realizaram visitas técnicas aos Estados do Rio Grande do Sul e do Paraná no intuito de conhecer sistemas transacionais e analíticos em produção, em iniciativas que, reconhecidamente, alcançaram resultados positivos. Paralelamente, a Secretaria iniciou articulações com o PNAGE/BID buscando a obtenção de financiamento para aquisição de um novo sistema, demonstrando, em contrapartida, as perspectivas de melhoria da gestão dos recursos humanos no Estado. Uma vez sinalizada a possibilidade do aporte de recursos do BID, no início de 2008 a SEPLAG constitui equipe multidisciplinar agregando técnicos da área de recursos humanos, tecnologia da informação, governança eletrônica, modernização e previdência objetivando o preparo dos Termos de Referência que embasariam o processo de aquisição da nova solução, com especial atenção ao levantamento detalhado dos requisitos de negócio que deveriam ser contemplados pelo futuro fornecedor objetivando o atendimento das necessidades da área de gerenciamento de RH do Estado. Nesta etapa, o projeto contou ainda com a contribuição de consultoria externa, que atuou decisivamente na uniformização e consolidação de todos os requisitos e configurações tecnológicas que, ao final, constaram da documentação constituinte do processo de compra. Em linhas gerais, buscou-se a definição de requisitos obrigatórios e desejáveis, de forma a contemplar todas as funcionalidades vinculadas à gestão de recursos humanos em todas as suas frentes - e não somente no que se refere ao cadastro funcional e a geração da folha de pagamento -, além das interfaces voltadas à interatividade com os servidores públicos e a geração de informações estratégicas.

6 O certame licitatório ocorreu em obediência às regras próprias de contratação do Banco Interamericano de Desenvolvimento/BID, com intermediação do Escritório do PNAGE. Em setembro de 2008 é publicada a Manifestação de Interesse, com a possibilidade de entrega de propostas dos candidatos a fornecedor até janeiro do ano seguinte, quando então é extraída a chamada Lista Curta, integrada pela Techne Engenharia de Sistemas, Consórcio SIP - SAP/Indra/Politec, Consist Business Information Technology e Totvs S/A. Na análise das ofertas foram considerados os seguintes requisitos: Sistema integrado de gestão de recursos humanos e folha de pagamento Serviços de implantação do sistema Serviços de transferência de tecnologia Treinamento de usuários Help-desk e suporte técnico Manutenção evolutiva e corretiva Preço da proposta Durante o mês de maio daquele ano, apenas a Techne continuava participando do certame licitatório, uma vez que os demais concorrentes formalizaram suas respectivas desistências. Mesmo assim, a empresa foi convocada a demonstrar que a solução em processo de aquisição - denominada Ergon - estava apta a atender o Estado do Rio de Janeiro em relação às funcionalidades que compunham o Termo de Referência, ensejando o processo de homologação que acaba sendo realizado, sob supervisão da SEPLAG, ao longo de cinco dias. Em maio de 2009, a Techne é declarada a vencedora do processo licitatório, com o contrato sendo firmado no final daquele mês.

7 O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SIGRH-RJ Formalizado o processo de contratação, uma das primeiras medidas adotadas pela SEPLAG foi a alocação de espaço físico para o desenvolvimento das atividades e, principalmente, a definição da equipe que participaria do projeto em conjunto com os analistas designados pela Techne, vencedora da concorrência. Mesmo enfrentando um cenário limitado no que diz respeito ao quantitativo de servidores envolvidos com as atividades cotidianas da gestão de pessoas, a Subsecretaria de Gestão de Recursos Humanos encampou uma ação ousada, designando suas principais coordenadoras de equipe para compor o grupo responsável pela implantação, em regime de dedicação integral, durante um prazo estimado mínimo de doze meses sacrificando, de certa forma, as atividades cotidianas, que passaram a ser mantidas pelos demais membros do grupo lotado na então Superintendência Central de Folha de Pagamento e Auditoria. Assim, simultaneamente, a SUBRE passou a conviver, em paralelo, com a complexa implantação de um novo sistema de gestão e a supervisão e geração de uma folha de pagamento mensal com aproximadamente 500 mil vínculos, envolvendo perto de 80 órgãos estaduais. Custos decorrentes de tal medida à parte, a mesma revelou-se, ao longo do projeto, de extraordinária importância, uma vez que potencializou toda a agregação de conhecimento e experiência de profissionais que detinham a memória da gestão de recursos humanos no Estado, contribuindo decisivamente no processo de definição das regras de negócio, na compreensão da abrangência e concepção da base de dados cadastrais e, sobretudo, na interpretação e na aplicabilidade de todo o espectro legal que

8 fundamenta as funcionalidades e rotinas que sustentam a ação regular dos órgãos de RH. Além da equipe de negócios designada e patrocinada pela SUBRE e a equipe de consultores da empresa fornecedora, uma equipe formada por analistas de TI do PRODERJ foi destacada para dar suporte ao projeto e, principalmente, recepcionar o conhecimento tecnológico necessário, de forma a conferir autonomia ao Estado no que se refere às atividades de manutenção do sistema no longo prazo. Equipes constituídas, o passo seguinte foi a definição de macro- atividades inerentes ao projeto de implantação, baseadas, naturalmente, na experiência oferecida pelo fornecedor, decorrente de vivências anteriores. Nesse sentido, o grupo de profissionais foi subdividido de acordo com o conhecimento histórico e familiaridade de cada um em relação a: 1) Migração de Dados do Sistema Legado 2) Parametrização/Regras de Negócio Genéricas 3) Folha de Pagamento 4) Contagem de Tempo de Serviço 5) Customizações Integrações - Análise de Sistemas Paralelos de RH 6) Capacitação 7) Gestão de Mudanças 8) Tecnologia da Informação No curso de todo o processo de formatação do projeto de implantação, a SEPLAG batiza a nova solução customizada a partir do Ergon adquirido de Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos. Nascia o SIGRH-RJ.

9 PLANEJAMENTO E CRONOGRAMA INICIAL O cronograma de implantação original previa atividades durante 24 meses, a contar de junho de 2009, estabelecendo-se a transferência da folha de pagamento e do cadastro dos órgãos da Administração Direta incluídas as corporações militares no primeiro ano, com término estimado para julho/2010 (70% dos vínculos funcionais). Autarquias, fundações, empresas e as pensionistas previdenciárias seriam objeto de migração no segundo ano (30% dos vínculos). A implantação em duas etapas obedeceu a critérios de complexidade, similaridade de situações funcionais e de legislação de regência, além da minimização de impactos e dos rescaldos pós-transferência. As atividades relativas ao primeiro ano de implantação foram definidas conforme resumo do cronograma abaixo, com proposição inicial do fornecedor e homologação do contratante:

10

11 O CICLO DE IMPLANTAÇÃO Ao longo das diversas etapas de implantação do SIGRH-RJ, restou patente que a aquisição de um sistema de gestão de recursos humanos, por maior que seja o grau de maturidade do seu desenvolvimento em relação à área pública, é apenas o primeiro passo de uma longa jornada. O fornecedor da solução possuía em seu portfólio a implantação do sistema Ergon em diversos Estados na Federação Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Pará, Espírito Santo etc. -, além do Senado Federal e prefeituras de grande porte São Paulo e Rio de Janeiro, entre elas. Mesmo com tal expertise, e ainda que todas as macro-atividades prédefinidas estivessem sequenciadas de forma lógica e lastreadas pelo aprendizado adquirido em projetos análogos, é certo que cada implantação possui suas características próprias, variados graus de complexidade, fazendo com que nas etapas iniciais após o planejamento todos partam de uma abordagem que, somente ao longo da experiência, transformar-se-á em método específico. Cientes da necessidade de se alcançar uma sintonia de propósitos e de conhecimento entre os diversos participantes do projeto, cada uma das etapas do ciclo de implantação descritas a seguir - foi apresentada e acompanhada pelos analistas alocados pelo fornecedor, observando-se, sempre, as peculiaridades locais e a curva de aprendizado dos conceitos relativos ao novo sistema por parte da equipe de implantação, promovendo-se os ajustes sempre que identificada qualquer necessidade. CAPACITAÇÃO DE GESTORES: O sistema Ergon possui uma arquitetura fortemente associada ao regramento e às funcionalidades adotadas no âmbito dos recursos humanos da área publica que, por força da

12 Constituição Federal, possui inequívoca semelhança entre todos os entes da União. Tal identificação é também clara no que tange ao grupo de consultores designados para dar cumprimento ao contrato, quase todos com larga experiência em implantações ou manutenções do Ergon em órgãos públicos, conferindo boa dinâmica à etapa de capacitação da equipe de negócios, uma vez que os conceitos básicos já eram de compreensão mútua. Não obstante, desde o diagnóstico e do período de planejamento do projeto, ficou explicitado o entendimento de que a adoção da nova solução exigiria de todos os envolvidos um esforço bastante elevado para o alcance da transferência de conhecimento de parte a parte: a) Do lado da equipe do Estado, a necessidade de customizar a aplicação para que a mesma tivesse absoluta aderência às peculiaridades locais, à terminologia empregada na área de RH, às especificidades de regras remuneratórias, de controle, de cronograma e de produtos voltados ao órgão gestor e aos setoriais de RH. E, por conta disso, muitas vezes, sobressai a necessidade de negociar junto ao fornecedor as adaptações de conceitos nativos do sistema e o aperfeiçoamento de rotinas concebidas em implantações anteriores. b) Do lado do fornecedor, a necessidade de demonstrar aos usuários todas as potencialidades da ferramenta, as diversas formas de automatização, as regras próprias de parametrização e customização de telas, relatórios e importação e exportação de dados. E, por conta disso, em diversas situações, surge a necessidade de convencer os usuários sobre a necessidade de quebrar paradigmas conceituais relacionados ao uso do sistema de gestão e sua abrangência. Além da capacitação voltada à área de negócios, os analistas do PRODERJ foram, em paralelo, apresentados à nova ferramenta, passando

13 ainda por treinamento específico em linguagem C, PL/SQL e também especificidades da plataforma Oracle (Forms, Reports etc.) que sustenta tecnologicamente o produto. PARAMETRIZAÇÃO: Durante esta fase foram incorporados novos conceitos que eram estranhos ao sistema de RH do Estado e que, em consequência, demandou grande esforço de definição conceitual. Vínculos, eventos e quadrinômios (combinação de regime jurídico, tipo de vínculo, categoria e subcategoria) foram sendo desenhados a partir dos ditames estabelecidos no Estatuto dos Servidores Públicos e tendo em conta as funcionalidades oferecidas pelo novo sistema, sempre no intuito de um maior aproveitamento de suas potencialidades. Nessa mesma linha, os trabalhos alcançaram também o tabelamento e a parametrização de toda a estrutura organizacional do Estado, dos códigos de frequência, licenças e afastamentos, os fundamentos relativos à contagem de tempo de serviço e o controle quantitativo de vagas de cargos comissionados. Assuntos que não eram tratados com profundidade no sistema legado e que se tornaram fundamentais na construção das novas regras de automatização propostas. Nesta fase, dois requisitos mostraram-se de fundamental importância: o envolvimento de analistas experientes com amplo domínio da legislação de recursos humanos do Estado e o acesso rápido a todo o acervo normativo em vigor. Nesse sentido, o legado do trabalho desenvolvido pela PUC, no ano anterior, novamente mostrou-se de grande valia, uma vez que disponibilizou à SEPLAG o Sistema de Legislação de Pessoal - SILEP, base de dados textual que reunia todos os atos normativos em vigor da área de pessoal e que oferecia indexação intuitiva e ágil ferramenta de pesquisa por palavras. MIGRAÇÃO DE DADOS: a etapa de migração de dados de pessoal do sistema legado para o novo sistema acabou se convertendo em uma grande

14 tarefa de saneamento da base cadastral, funcional e financeira. A partir das regras parametrizadas no SIGRH, dados transferidos eram incorporados ou rejeitados, demandando análises da equipe de implantação que, em muitas ocasiões, dependiam de ajustes que deveriam ser providenciados pelos órgãos setoriais de recursos humanos. O ajuste dos dados de natureza pessoal foi facilitado, em parte, pelos resultados obtidos no projeto de Identidade Funcional, iniciativa da SEPLAG deflagrada em que tinha como propósito a coleta dos dados biométricos dos servidores ativos, aposentados e pensionistas, e que tinha como um de seus objetivos assegurar a unicidade dos servidores no âmbito do cadastro de recursos humanos. Informações sobre filiação, data de nascimento e CPF foram consistidos no curso desta empreitada. A migração, por seu turno, explicitou as inconsistências nos dados funcionais e históricos, permitindo sua correção ainda no SAPE. Cargos e suas combinações com referências/níveis em desacordo com a legislação, códigos de frequência incompatíveis com o gênero e ausência da fundamentação de aposentadorias concedidas são alguns exemplos de impropriedades cadastrais verificadas e que puderam ser analisadas e solucionadas a preceder a entrada em produção. PARAMETRIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO: para o alcance dos objetivos pretendidos no já mencionado projeto de Conformidade da Folha de Pagamento, conduzido pela PUC-RJ, aproximadamente 20% das rubricas constantes na folha de pagamento do Estado foram analisadas e inspecionadas em confronto com a legislação que ampara a estrutura remuneratória. Este trabalho foi ampliado, em um primeiro momento, com o estudo, pela equipe de implantação, de todas as rubricas de pagamento utilizadas no âmbito da folha de pagamento da Administração Direta, mapeando-se, assim, os respectivos fundamentos legais, bases de cálculo e critérios de concessão. A consolidação desta pesquisa não somente subsidiou toda a atividade de customização, programação e configuração da folha de pagamento, como

15 também possibilitou a preparação e disseminação de um manual de rubricas e atributos remuneratórios, de conteúdo inédito. A revisão de toda a estrutura remuneratória dos órgãos da Administração Direta, associada às possibilidades de automatização disponibilizada pelo sistema, proporcionou de imediato um excepcional ganho no que tange à confiabilidade dos pagamentos efetuados a partir do SIGRH. Estudos preliminares apontavam que, no SAPE, aproximadamente 58% dos valores pagos eram processados mediante cálculos sistêmicos, com os 42% restantes resultantes de valores informados (digitados) pelos operadores, revelando um elevado grau de fragilidade e de sujeição a pagamentos inconsistentes. As mesmas parcelas, criadas em obediência às regras do SIGRH, possibilitaram a geração automática de aproximadamente 87% do valor bruto da folha de pagamento paralela, aproveitando-se da parametrização de eventos relacionados ao cargo, atributos, registros de frequência, lotações etc. Mesmo os 13% restantes das parcelas de ganho, contudo, continham algum nível de controle, seja por meio do estabelecimento de limites máximos ou mínimos, controles de saldo ou estabelecimento de valores tabelados. Não havia, portanto, a possibilidade, no SIGRH, de lançamento manual de valores por parte de operadores dos órgãos setoriais de RH apenas o órgão central, em condições específicas detinha tal prerrogativa. CUSTOMIZAÇÕES: esta etapa foi sendo cumprida ao longo de todo o ciclo de implantação, basicamente com o objetivo de transformar a solução original Ergon em SIGRH, preservando o núcleo do sistema e seus preceitos fundamentais, porém adaptando seus formulários, relatórios e consultas para a cultura e a terminologia local, além de buscar suprir as demandas específicas de órgãos de RH locais. É possível afirmar que a etapa de customização não se encerra mesmo quando concluída a migração para o novo sistema e a geração da primeira folha de pagamento, uma vez que sempre será necessária a sua manutenção evolutiva, considerando a dinâmica natural dos preceitos legais que amparam a

16 área de recursos humanos e também a revisão e o aperfeiçoamento das rotinas de trabalho. INTEGRAÇÕES: durante o planejamento da implantação, a SUBRE realizou pesquisa junto aos órgãos setoriais de recursos humanos, identificando 28 aplicações informatizadas em operação, utilizadas em paralelo ao sistema único oficial SAPE. Em linhas gerais, eram planilhas, bancos de dados em MS-Access e até sistemas de arquitetura mais robusta e com diversos módulos, desenvolvidos ao longo dos anos com o intuito de suprir os órgãos em relação a funcionalidades da área de pessoal não contempladas pelo SAPE. Nas primeiras análises de tais aplicações concluiu-se pela inviabilidade de se buscar integrações entre as mesmas e o SIGRH, considerando o elevado custo envolvido para o alcance de tal objetivo. Além disso, e até mesmo contrariando expectativas preliminares, restou claro que as bases de dados, em boa parte dos órgãos, estava desatualizada no comparativo com o banco SAPE, impedindo um aproveitamento imediato no processo de migração e depuração de dados. Até mesmo por conta do cenário encontrado, fica assim consolidada a regra de que a manutenção cotidiana do SIGRH não seria, em qualquer hipótese, dependente de qualquer outra aplicação, afastando, assim, a tentativa de atualizar em primeiro lugar uma aplicação em paralelo para somente depois atualizar o sistema principal. CAPACITAÇÃO DE USUÁRIOS: muito embora o fornecedor da solução apresentasse um roteiro prévio para o cumprimento da atividade de capacitação de usuários, a SEPLAG optou por desenvolver o material de apoio e utilizar instrutória própria. Tal decisão foi adotada após a conclusão do processo de parametrização e da assimilação plena dos conceitos que envolvem o SIGRH, considerando a experiência da equipe de negócios - inclusive no que tange aos aspectos didáticos -, e a sua credibilidade perante os órgãos setoriais, sem

17 contar o conhecimento das diversas realidades e restrições enfrentadas pelos mesmos. Dessa forma, foi desenhado módulo único de 40 horas/aula, com a participação de duas instrutoras e uma servidora de coordenação, usando laboratório com terminais preparado pela SEPLAG, com capacidade para 20 alunos por turma. Considerando a limitação quantitativa, o processo de capacitação foi destinado a multiplicadores eleitos pelos órgãos de RH participantes que, posteriormente, ficaram responsáveis pelo treinamento em serviço no âmbito da cada repartição. TESTES EM PARALELO: a partir do avanço das atividades de migração de dados, parametrização geral e programação de folha, teve início a atividade de processamento da folha de pagamento do SIGRH. O resultado obtido em cada rodada semanal era sistematicamente confrontado com a folha de pagamento regular SAPE. O objetivo era alcançar a convergência de valores, de tal forma que ambas as folhas apresentassem, a partir do alcance de um grau razoável de maturidade, valores de ganhos e descontos semelhantes, com igual número de vínculos funcionais fazendo jus à percepção do crédito mensal. A partir de tal metodologia, ao identificar eventuais divergências em valores, buscava-se simultaneamente o ajuste dos valores no SAPE, caso confirmada a legitimidade do resultado apurado pelo SIGRH. Esta regra, preliminarmente informal, fez com que não houvesse um impacto financeiro relevante por ocasião da entrada em produção, minimizando eventuais questionamentos que poderiam ser feitos, associando efeitos negativos à implantação e não ao equívoco que estava quase perpetuado na folha de pagamento legada. SISTEMA EM PRODUÇÃO: a entrada em produção foi deliberada a partir do alcance de uma convergência satisfatória dos valores pagos em folha de pagamento remuneração e descontos.

18 Um amplo plano de comunicação destinado a informar os servidores foi colocado em prática, mediante o uso de sítios na internet, mensagens em contracheque, formulário para questionamentos e convocação de entrevista coletiva do Secretário de Estado aos órgãos de comunicação do Estado. Em relação aos órgãos setoriais de RH envolvidos, foi disponibilizado o laboratório usado para a capacitação localizado em ambiente próximo ao ocupado pela equipe de implantação visando sanar dúvidas e auxiliar na execução de procedimentos relativos à alimentação cadastral e a atualização de dados com vistas à confecção da primeira folha de pagamento mensal.

19 REVISÕES, RESCALDOS E REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL Durante o cumprimento do ciclo de implantação descrito no ítem anterior, a equipe de implantação concluiu que a elaboração do cronograma original, de certa forma, subestimou o grau de complexidade de determinadas tarefas inerentes ao projeto. A quantidade de dados envolvida e o elevado percentual de inconsistências detectado demandava uma ação por parte dos órgãos setoriais de difícil cumprimento, considerando o prazo pretendido frente à disponibilidade do sistema legado para efeito de modificações. Além disso, a quantidade de parcelas remuneratórias envolvidas não tinha sido devidamente analisada de maneira prévia, quando da concepção do projeto, agregando imprevisibilidade à tarefa de estimar o tempo necessário para a programação das fórmulas de cálculo e configuração das demais variáveis de automatização. Este e outros fatores levaram a equipe de projeto, em comum acordo com a alta direção da SEPLAG, a uma nova decisão em relação ao cronograma, decidindo-se pela redução do escopo da primeira etapa, elegendo-se para uma primeira implantação piloto quatro órgãos da Administração Direta, que somavam aproximadamente 45 mil vínculos, a saber: - Secretaria de Estado de Gestão Administrativa - Secretaria de Estado da Casa Civil - Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil - Secretaria de Estado de Administração Penitenciária A adoção de um escopo reduzido possibilitou um maior envolvimento dos órgãos setoriais escolhidos, aproximando seus gestores da equipe de implantação para a conclusão dos levantamentos de legislação pendentes,

20 correção de inconsistências apontadas pela migração além de reduzir as necessidades de customizações imediatas. Esta revisão de prazos contribuiu para alcance do ciclo completo de implantação, de forma a assegurar o pleno conhecimento e domínio de todas as etapas de transferência entre os sistemas, bem como a obtenção de resultados e de uma metodologia homologada e compreendida por todos os profissionais envolvidos. Assim, em janeiro de 2011, a primeira etapa piloto é concluída e a primeira folha de pagamento gerada pelo SIGRH entra em produção, alcançando cerca de 10% dos vínculos funcionais do Estado. Ao eleger um grupo reduzido de órgãos para a primeira fase, a equipe de negócios pôde conceder uma maior atenção quase personalizada - aos usuários ainda não totalmente familiarizados com a nova ferramenta, analisando as dificuldades e os gargalos operacionais verificados durante o rescaldo pós-implantação, o que acabou proporcionando a obtenção de subsídios para novas customizações, para o refinamento dos parâmetros cadastrados e para a revisão de rotinas e cronogramas mensais de atualização. Antes da conclusão do segundo ciclo de transferência dos órgãos da Administração Direta, a SUBRE, já transformada em Subsecretaria de Administração de Pessoal SUBAP, realiza uma profunda reestruturação organizacional baseada em novos conceitos de gestão introduzidos com o advento do SIGRH, suas demandas específicas, e a necessidade de convivência paralela entre dois sistemas de gestão de RH, com estruturas distintas e objetivos semelhantes. O SIGRH deixava de ser apenas um projeto. Estava agora, obrigatoriamente, inserido no contexto das atividades cotidianas na esfera da administração de RH. Com isso, em julho de 2011, era extinta a Superintendência Central de Folha de Pagamento e Auditoria e com ela as coordenadorias de

21 acompanhamento dos órgãos da Administração Direta e da Administração Indireta. Surge a Superintendência de Sistemas de Gestão de Recursos Humanos - SUSIG, responsável não apenas pela gestão do novo SIGRH, mas também pelo sistema legado, o SAPE. Inspirada nos preceitos do modelo ITIL (Information Technology Infrastructure Library), referência para gerenciamento de processos de TI, a nova estrutura organizacional foi arquitetada buscando assegurar alguns princípios básicos: - O estabelecimento de ponto focal para o atendimento aos usuários dos sistemas de gestão help-desk, ficando a área responsável pelo gerenciamento dos incidentes, pela gestão do acesso às aplicações e pela capacitação permanente (criação da Coordenadoria Central de Relacionamento) - A preservação da equipe responsável pela definição das regras de negócio, que deveria se dedicar ainda à manutenção evolutiva do SIGRH e a

A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE

A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: CINCO ANOS DEPOIS, ADMINISTRANDO OS

Leia mais

MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES

MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DO ESPÍRITO SANTO ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DAS UNIDADES GESTORAS E OPERACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010.

DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010. DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010. Disciplina a gestão de pessoal no âmbito do Poder Executivo Municipal e institui o Sistema de Recursos Humanos do Município do Porto Alegre RHPOA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS - CONSULTA PÚBLICA Consultoria para revisão de processos de Administração de Pessoal

PERGUNTAS E RESPOSTAS - CONSULTA PÚBLICA Consultoria para revisão de processos de Administração de Pessoal PERGUNTAS E RESPOSTAS - CONSULTA PÚBLICA Consultoria para revisão de processos de Administração de Pessoal PERGUNTAS 1) Qual a provável data de abertura do edital? 2) Qual será o Modelo de contratação?

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL DO GOVERNO

PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL DO GOVERNO III Congresso Consad de Gestão Pública PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Henrique Garcia de Lima Alexon Fernandes Painel 30/116 A modernização da gestão de recursos humanos

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE Guimarilza Barbosa de Souza João Gabriel Ribeiro Luiz Cláudio de Arruda Isoton II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 5:

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL O Projeto Sistema Integrado de Gestão Governamental se constitui no desenvolvimento de uma solução sistêmica própria, a ser construída

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento Carlos

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Gustavo Siqueira Simões - PMP e CFPS http://www.linkedin.com/in/gustavosimoes gustavo.simoes@fattocs.com.br skype: gustavosimoes +55(11)

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Desafios para a Implementação de Processos

Desafios para a Implementação de Processos Comando da Aeronáutica Desafios para a Implementação de Processos Alexandre V. Guimarães 2012 IMPLEMENTAÇÃO COLOCAÇÃO EM PRÁTICA Quando o processo sai da prancheta Principais Obstáculos para a Aceitação

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Implantação de solução de armazém de dados, denominada SIJUD Sistema de Informações Estratégicas do Judiciário, seguindo os conceitos estabelecidos para esse tipo

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4 Conteúdo C.1 Do Objeto...2 C.2 Das Definições...2 C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4 C.4 Da Constituição do PGA...4 C.5 Das Fontes de Custeio Administrativo...4 C.6 Dos Limites de Custeio Administrativo...5

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. 54) O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Infra-estrutura de TI MPS Ministério da Previdência Social Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social A Empresa A Dataprev é uma empresa pública instituída pela Lei

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações:

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações: PORTARIA Nº 2143, DE 12 DE JUNHO DE 2003. Institui o Plano de Capacitação de Servidores e regulamenta a participação de servidores em eventos de capacitação no âmbito do TRT da 4ª Região. A PRESIDENTE

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Descritivo de Curso Pós-graduação

Descritivo de Curso Pós-graduação Descritivo de Curso Pós-graduação MBA Executivo em Gestão de Projetos Feira de Santana 2011 SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem Industrial Departamento Regional da Bahia Rua Edístio Pondé, 342, STIEP

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Outubro 2010 Há muitas coisas que só parecem impossíveis enquanto não tentamos fazê-las. André Gide Tudo muda o Tempo todo no Mundo E o Serviço Público e Você? Reflexões É preciso mudar... Se nunca atrasou

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

20/03/2014. A Auditoria de Sistemas em Sistemas Integrados de Informações (ERP s)

20/03/2014. A Auditoria de Sistemas em Sistemas Integrados de Informações (ERP s) Conforme introdução sobre o assunto em parágrafos anteriores, as grandes e médias corporações e os escritórios de contabilidade, fazem uso de sistemas de processamento de dados próprios para execução de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Planejamento Diretor de Tecnologia da Informação. Alano Arraes, PMP PMI-RMP

Planejamento Diretor de Tecnologia da Informação. Alano Arraes, PMP PMI-RMP Diretor de Tecnologia da Informação Alano Arraes, PMP PMI-RMP Cuiabá-MT, 19 de Maio de 2011 Índice Índice CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações Contexto Visão conceitual do PDTI

Leia mais

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança ANEXO I CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS DO CAU Política de Governança e de Gestão da Tecnologia da Informação do Centro de Serviço Compartilhado do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Colegiado Gestor

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau

Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau do Rio Grande do Sul Ana Cristina Cusin Petrucci Motivação do Projeto Situação fática: Embora o MPRS tivesse uma base de dados

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014; Resolução n 2, de 3 de julho de

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO. Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I. Índice

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO. Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I. Índice ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I Índice ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO... 1 PROJETO BÁSICO... 1 PROJETO DE GESTÃO E CONSULTORIA PARA

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Política da Segurança da Tecnologia da Informação

Política da Segurança da Tecnologia da Informação Política da Segurança da Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a CREMER S/A, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos.

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS...3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO...5 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO...6 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO...6

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais