IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS EMPRESAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA GESTÃO DE PESSOAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS EMPRESAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA GESTÃO DE PESSOAS"

Transcrição

1 1 IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS EMPRESAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA GESTÃO DE PESSOAS Polyana Gonçalves da Rocha Pelizer 1 Euclides Antônio Pereira de Lima 2 RESUMO A aplicabilidade do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) possibilita que as ações humanas tenham menor impacto sobre o meio ambiente, utilizando matérias primas, água e energia de forma sustentável preservando assim os recursos naturais para as próximas gerações. Nesse sentido, o presente artigo objetiva analisar o perfil estratégico de gestão de pessoas em duas empresas de pequeno porte no segmento de controle de pragas urbanas, em função da implantação do Sistema de Gestão Ambiental. Os resultados indicaram melhorias consideráveis na prestação de serviços, qualidade de processos, redução de custo e principalmente, envolvimento das pessoas nas suas respectivas atribuições, na empresa com certificação ambiental, em detrimento à empresa sem a certificação. A pesquisa permitiu concluir ainda, que a Gestão de Pessoas, na empresa com certificação, contribui decisivamente para os bons resultados da empresa, e refletem a postura estratégica da direção da empresa em privilegiar os ganhos e melhorias advindos da certificação ambiental. Palavras-Chaves: Sistema de Gestão Ambiental (SGA), Gestão de Pessoas, Gestão de Serviços. INTRODUÇÃO As transformações sociais, políticas e econômicas pelas quais passou a humanidade nos últimos 50 anos, devido aos processos de desenvolvimento urbano, aumento da produção, do uso e aplicação da tecnologia e principalmente da abertura e globalização dos mercados são fundamentais para a compreensão das políticas ambientais vigentes e suas ponderações sobre o sistema econômico mundial. Especialmente na ótica das organizações, trata-se de um processo de transformação e adequação da conduta empresarial ao mesmo tempo em que são exigidas conformidades de procedimentos em todos os níveis decisórios. Significa dizer, que não é possível tratar dos interesses ambientais sem agregar à rotina de negócios outros parâmetros tais como a qualidade, logística, eficiência e marketing. 1 Discente do curso de pós-graduação em Gestão Organizacional e Desenvolvimento de Talentos Humanos. Graduada em Comunicação Empresarial pela Faculdade Uniminas (2008). 2 Doutor em Engenharia Química e Engenheiro de Segurança do Trabalho, orientador deste artigo.

2 2 Entretanto, o viés ambiental pode ser visualizado por empresários e gestores públicos como um cumprimento legal, ou ainda pela obrigatoriedade de se aperfeiçoar os processos por se tratar de um ambiente competitivo ou risco de operações. Implica dizer que nem sempre a compreensão de práticas ambientais pelos clientes, fornecedores, concorrentes e a comunidade em geral, traduz-se em estratégias ambientais sustentáveis e seguras (DONAIRE, 1994). Nos últimos anos a preocupação por parte das organizações brasileiras com as questões relacionadas ao meio ambiente têm se tornado um dos principais tópicos da gestão de negócios, seja pela visibilidade do tema junto aos clientes, ou ainda pela diferenciação de produtos e serviços inerentes à esses modelos. Portanto, faz-se necessário distinguir o discurso ambiental nas empresas, ou seja, diferenciar as atitudes proativas e coerentes com um sistema de gestão daquelas que cumprem apenas o atendimento da legislação vigente ou de uma penalidade imposta. Aliás, o paradigma ambiental está bastante atrelado à capacidade de compreender os aspectos ecológicos e sustentáveis sob a ótica. Nesse aspecto, este estudo visa analisar a abordagem dos modelos de sistema gestão consoante às demandas ambientais, e a sua importância para o mercado atual, sob a ótica de pequenas empresas de prestação de serviços, no segmento de controle de pragas urbanas no município de Uberlândia (MG). Pretende avaliar a percepção e compreensão dessas empresas acerca das questões ambientais, identificados em seu ambiente interno e externo, em especial para a Gestão de Pessoas. 1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) na empresa visa prioritariamente a redução contínua de seus impactos ambientais e esse sistema consiste basicamente de políticas, processos e protocolos de auditoria para que seja minimizado o desperdício de materiais ou emissões de poluentes. Esse sistema fornece ferramentas às empresas para que estas consigam reduzir os danos ao meio ambiente, de modo que seus benefícios se tornem maiores que os custos de sua implantação. As organizações têm sofrido pressão crescente para administrar melhor a questão ambiental e por este motivo verifica-se um movimento de implantação de SGA s (FRYXELL; SZETO, 2002), que podem ser definidos como ferramentas de identificação de problemas e soluções ambientais baseadas no conceito de melhoria contínua (PEROTTO et al., 2008). O

3 3 propósito dos sistemas de gestão ambiental pode ser sintetizado como uma possibilidade de desenvolver, implementar, organizar, coordenar e monitorar as atividades organizacionais relacionadas ao meio ambiente visando conformidade e redução de resíduos (MELNYK; SROUFE; CALANTONE, 2002). Além de contribuir com a responsabilidade social e com o cumprimento da legislação, estes sistemas possibilitam identificar oportunidades de redução do uso de materiais e energia e melhorar a eficiência dos processos (CHAN; WONG, 2006). Entretanto, o desenvolvimento e implantação deste tipo de sistema têm enfrentado uma série de problemas que vão desde o baixo envolvimento da alta direção até a dificuldade de interpretação de procedimentos escritos, baixo nível de escolaridade e treinamento, desmotivação e resistência à mudança e, também a definição dos objetivos e os métodos a serem utilizados na conciliação de resultados econômicos e sociais. Outros problemas que são enfrentados pelas empresas podem ser assim descritos como o elevado custo de implantação e gestão- uma vez que todo projeto socioambiental tem um valor financeiro agregado bastante elevado e demanda determinado tempo para sua implantação total, ou seja, desde o planejamento até a conclusão, utilização e retorno do projeto; a necessidade de conscientização de todos os colaboradores, através de instrumentos eficazes e por fim, o marketing, à partir de estratégias coerentes no intuito de agregar valor à imagem empresarial para ficar bem claro para a população que se trata de projetos socioambientais e não de uma caridade que a empresa esteja praticando (ALIGLERI et al. 2009). Há alguns anos as empresas eram vistas apenas como instituições de fins lucrativos sem muitas responsabilidades, porém esta visão esta mudando e se faz necessária a partir do momento em que as empresas são obrigadas por lei a terem responsabilidades ambientais e se tornarem responsáveis por proteger, renovar e economizar o ambiente em que esta inserida. Essa mudança também ocorre, pois atualmente os consumidores têm mais acesso as informações e estão cada vez mais atentos ao comportamento ético das empresas, mais preocupados com questões ecológicas, de segurança e qualidade dos produtos (LOPES et al, 2008). Entretanto, a expansão da consciência coletiva com relação ao meio ambiente e a complexidade das atuais demandas sócias e ambientais que a comunidade repassa às organizações induzem a um novo posicionamento por parte dos empresários e executivos em face de tais questões (TACHIZAWA, 2007). Dessa forma, atualmente grandes partes das empresas brasileiras investem em projetos tanto sociais quanto ambientais e utilizam isso como ferramenta de marketing visando agregar

4 4 valor a seu produto e também conquistar maiores investimentos, tanto públicos ou quanto privados uma vez que o governo oferece vários benefícios aos empresários que tem em seu plano de gestão algum projeto socioambiental. Essa tendência sugere que as organizações devem de modocrescente, incorporar a variável ambiental na prospecção de seus cenários e na tomada de decisão, além de manter uma postura responsável de respeito à questão ambiental (DONAIRE, 2009). A transformação e a influência ecológica nos negócios se fazem sentir de maneira crescente e com efeitos econômicos cada vez mais profundos. As organizações que tomarem decisões estratégicas integradas à questão ambiental ecológica conseguirão significativa vantagem competitiva, quando não, redução de custos e incremento nos a médio e longo prazo (TACHIZAWA, 2007). No entanto, para que a nova postura ambiente surta efeito faz-se necessário observar uma profunda mudança, conforme a Figura 1, desde o planejamento, no desenvolvimento de políticas ambientais, estabelecimento de metas, definição de responsabilidade ambiental claramente em cada setor, nas propostas de divulgações internas e externas e obtenção de recursos adequados. Vários autores argumentam ainda, a necessidade de capacitaçãodos funcionários, realização de auditorias e relatórios, acompanhamento da evolução da temática, contribuição com programas ambientais para a comunidade, investimentos em estudos e pesquisas e por fim conciliaçãocom os diversos interesses existentes entre todos envolvidos nesta questão (ZENG et al., 2005; FRYXELL; SZETO, 2002). Figura 1. Fases de Implantação de um SGA. Fonte: Ferreira (2011).

5 5 Através do planejamento sócio ambiental, conforme a Figura 2, as empresas projetam novos modelos de lucros ambientais, visualizandonovas oportunidades de negócios, tais como projetos de reciclagem de materiais, o que permite economia dos recursos das empresas; reaproveitamento de resíduos que diminui o impacto e degradação do ambiente explorado; desenvolvimentos de novos produtos em prol de um mercado com consumidores mais atentos com a questão ecológica (COSTA, 2012).Para Tachizawa(2007), o mercado de negócios ambientais no Brasil cresce em um ritmo acelerado e movimenta bilhões de dólares. Figura 2. Espiral do sistema de gestão ambiental. Fonte: ISO 9001:2004 (2004). Deste modo tem-se como vantagem a prática de gestão ambiental nas organizações como um diferencial positivo entre as demais que ainda não adotaram este modelo de gestão, fortalecendo a imagem institucional perante seus clientes, fornecedores, governo e comunidade garantindo o aumento da produtividade e comprometimento dos funcionários capacitados e preocupados com a responsabilidade ambiental (SAMBASIVAN; FEI, 2008). Quanto às dificuldades para sua implantação, destacam-se a alta dependência do comprometimento dos empregados e, consequentemente, a forma como foram motivados para isto, as falhas na comunicação e as distorções nas estruturas de poder (CHAN; WONG, 2006). Além disso, utilizando-se de metodologias contábeis e de valoração, a cada etapa do processo produtivo e da prestação de serviços, pode-se maximizar a utilização dos recursos, e desta forma quanto menor o impacto ambiental que essa atividade produzir, invariavelmente haverá menor custo de produção. O balanço da contabilidade socioambiental da organização através do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) permite visibilidade contábil e o status ambiental da empresa (CURI, 2009).

6 6 2. METODOLOGIA A partir do estabelecimento do problema e do objetivo da pesquisa, elaborou-se um referencial teórico com a finalidade de se conhecer e analisar os pressupostos teóricos que pudessem embasar o seu desenvolvimento técnico e científico. Tendo em vista a limitação de espaço, foi apresentada neste artigo somente uma sucinta, porém relevante, parte dele. A realização deste trabalho se deu por meio de uma pesquisa qualitativa com base na realização de dois estudos de casos, que, segundo Yin (2008) e Miguel (2007), é uma investigação empírica que estuda profundamente um fenômeno contemporâneo dentro do contexto real, permitindo seu amplo e detalhado conhecimento. Os dois foram realizados em empresas do segmento de controle de pragas urbanas, sendo uma certificada segundo a ISO 14001:2004; e outra e ainda em processo de certificação, no período de outubro à dezembro de As empresas estudadas foram escolhidas devido à gestão ambiental ter grande importância em seus ramos de atuação, à potencial contribuição que poderiam dar a este estudo e à permissão para acesso as suas atividades de prestação de serviços, logística e à documentação pertinente. Conforme aconselha Marconi e Lakatos (2002), antes da realização do estudo de campo, foi elaborado um protocolo de coleta de dados, para guiar as ações dos pesquisadores e garantir maior confiabilidade dos resultados, que continha um roteiro para realização das entrevistas semiestruturadas, uma lista de documentos a serem consultados e um guia de processos e equipamentos a serem verificados in loco. Infelizmente, dada a sua extensão, o protocolo com todos os seus itens não está descrito integralmente neste artigo, em função da limitação de espaço, mas é possível vislumbrar sua composição em função das informações contidas nos estudos de caso. Na análise documental verificou-se principalmente o manual de gestão ambiental, a matriz de documentos, a matriz de responsabilidades, as instruções de trabalho relativas ao SGA e alguns registros, incluindo os resultados das reuniões de análise crítica e dos treinamentos.a Figura 3 apresenta a estrutura metodológica de desenvolvimento da pesquisa.

7 7 Figura 3. Estrutura metodológica de desenvolvimento da pesquisa. Fonte: Oliveira e Pinheiro(2010). A observação in loco aconteceu durante as quatro visitas, em 2013, nas unidades de serviço das empresas pesquisadas. Nelas foi possível verificar a comunicação física relacionada ao SGA (cartazes, jornais internos, quadros de avisos e de indicadores), o setor de recurso humano, a infraestrutura para as reuniões e locais de treinamento, equipamentos relevantes para o SGA e estações de tratamento de resíduos. 3. ESTUDO DE CASO A empresa 1, possui certificação ambiental ISO 14000:2004, além da ISO 9001: 2008 e ISO 22000:2006, fundada em 1985, formada por uma equipe de 42 funcionários, considerando a área técnica e administrativa. Essa empresa atua em Uberlândia (MG), porém com raio de atividade bastante superior, em toda a região sudeste, sul e centro-oeste. A empresa 2, que ainda não possui certificação ambiental foi fundada em 1991, e possui 10 funcionários, sob a direção de dois sócios e atua no segmento de controle de pragas urbanas no município de Uberlândia (MG) e região. O Quadro 1 apresenta uma compilação das principais informações sobre os dois estudos de caso. O Quadro 2 compõe uma síntese dos principais fatores facilitadores e dificultadores do processo de implantação do sistema ISO 14001:2004 verificados nas empresas estudadas. As informações constantes deste Quadro se originaram da análise conjunta e cruzada dos dois estudos de caso, provenientes dos três instrumentos de coleta de

8 8 dados (entrevista semiestruturada, análise documental e visitas in loco), sob a ótica do referencial teórico. As considerações sobre o ambiente institucional das empresas, com vistas à Gestão Ambiental e sob a ótica da Gestão de Pessoas apontam um diferencial altamente competitivo no sentido da empresa 1, especialmente pela capacidade integradora dos departamentos tendo em vista o enfoque da alta direção no SGA. A empresa reconhece e desenvolve os papeis em seus diversos estratos, atua conjuntamente na manutenção do status ambiental da empresa e expõe junto aos clientes fortalecendo o senso de confiança nas relações com o mercado (Quadro 1). Nesse ponto a Gestão de Pessoas atua decisivamente, alinhando treinamentos, diferenciado e premiando posturas pró-meio ambiente, promovendo encontros de reciclagem, fomentando o uso de EPI s e priorizando a saúde ocupacional e do trabalho. Além disso, parece afinada com o sentido de comunicação interna da empresa, com a política de cargos e salários e portanto, subsidia satisfatoriamente esse processo decisório, tendo em vista o perfil, eficiência e comprometimento dos colaboradores com o SGA. Quadro 1. Principais empresas estudadas. Tópicos avaliados Empresa (1) com SGA Empresa (2) sem SGA - Investe não sistematicamente e - Investe tempo e capital no processo organiza estratégiase melhorias de decertificação ambiental; modo descontínuo em relação ao - Investe em novos equipamentos SGA; que possam contribuir com a - Não trata necessariamente e disposição correta dos resíduos, claramente prazos, metas e como os restantes na embalagem, objetivos ambientais. Não por exemplo; Direção estabelece visualmente e por meio - Oferece pacote de benefícios aos da Empresa analítico os resultados ambientais funcionários, contribuindo com sua da empresa por meio de motivação e bem-estar; indicadores; e - Realizou transferência do escritório - Não há uma departamentalização para a área operacional integrada e com vistas ao meio ambiente, nem de amplo espaço, com o objetivo de tampouco a integração desses estreitar o contato dos colaboradores, interesses no processo e prestação facilitando a troca de informações. de serviço. Setor de - Formado por 3 profissionais de - Não há oficialmente um setor ou Gestão Ambiental áreas distintas, tais como comitê de gestão ambiental nesta

9 9 Manutenção, Operacional, Recursos Humanos e Segurança do Trabalho; participa a cada semestre da reciclagem voltada à auditoria ambiental interna; - Possui experiência na implantação da norma ISO 9001:2004, primeira norma relacionada a sistemas de gestão implantada na empresa e inovou com a inclusão da ISO 22000:2006; empresa. Está sob responsabilidade da área administrativa Recursos Humanos; - Busca estruturar a implantação da norma ISO 14001:2004 em quatro passos: planejamento, implantação dos sistemas, medições e avaliações e revisão e melhorias; - Desenvolve programa de coleta seletiva nas empresas e participa de SIPAT scom empresas parceiras; e - Realiza monitoramento esporádico das ações ambientais da empresa, com a participação indireta dos colaboradores, que também participam com sugestões e identificação de riscos. Quadro 1. Continuação. Tópicos avaliados Empresa sem SGA Empresa com SGA - Foi incentivado, por meio de - Foi realizado um nivelamento de incentivo financeiro, o término do ensino para que todos os Ensino Médio para todos os funcionários tivessem um nível funcionários; mínimo de escolaridade, facilitando - A análise de aspectos e impactos a compreensão e atuação no SGA; ambientais básicos é relevante para - Existe um cronograma bem elaboração dos Procedimentos e estruturado para a realização de Educação Instruções ambientais na empresa; treinamentos ambientais que e Treinamento - Os treinamentos sobre os contempla toda a empresa; procedimentos ambientais são - A política ambiental é visível junto realizados a partir da identificação aos clientes, especialmente os de necessidades levantadas pela treinamentos e equipamentos direção da empresa; e implantados na empresa; e - Há um programa voltado ao - O tema meio ambiente é também desenvolvimento técnico e humano um item abordado durante a SIPAT. de senso de equipe. - A área de Gestão de Pessoas é - A área de Recursos Humanos é Gestão de Pessoas considerada relativamente responsável pela realização de

10 10 importante na empresa, contudo tem que ser ressaltado que possui apenas três profissionais internos e um terceirizado; - Desenvolve um programa de sensibilização dos funcionários para o tema meio ambiente; - Desenvolve projetos de qualidade de vida, organiza treinamentos técnicos e treinamentos para o desenvolvimento pessoal, todos com reflexos diretos no SGA; - Organiza processo de integração de novos funcionários, e uma das principais etapas são a apresentação e o envolvimento do recémcontratado com o SGA; e - Auxilia na elaboração de material informativo sobre o SGA. recrutamento, seleção e treinamentos e para isto leva em conta elementos da gestão ambiental; - Realiza treinamento de integração dos novos funcionários orientando-os quanto à prevenção de acidentes, doenças ocupacionais e questões ambientais; e - Atua indiretamente com o SGA, realizando sensibilização dos funcionários, elaboração de material informativo e identificação das necessidades de treinamentos ambientais. Quadro 1. Continuação. Tópicos avaliados Empresa sem SGA Empresa com SGA - Houve contratação de empresa de - Houve contratação de empresa de Consultoria consultoria externa para implantação consultoria externa para do SGA; implantação do SGA; - A empresa integra as informações do SGA por meio de um software próprio de gestão, mas algumas ainda estão em fase de migração; - Principais meios de comunicação - Há uma equipe responsável pela utilizados para divulgação da Comunicação atualização dos dados incluídos neste sistema e pela realização de backup diário; questão ambiental: informativos, quadros e banners; e - Os manuais de procedimentos e - O fato dos departamentos instruções de trabalho são compartilharem o mesmo espaço ferramentas de integração das físico é uma vantagem para a comunicação; e informações relacionadas à gestão ambiental. - Principais meios de comunicação utilizados para divulgação das questões ambientais são: instruções

11 11 de trabalho, murais, s e crachás (divulga a política). Percebeu-se durante as visitas in loco, o enfoque da consultoria externa junto à Gestão de Pessoas nas duas empresas. Obviamente na empresa 1, com boa visibilidade dos processos internos, a abordagem se deu de modo mais incisivo e participativo, facilitando muito a efetividade da implantação e resultados obtidos. Um indicativo desse tópico é a melhor qualidade e clareza do material relativo ao meio ambiente proveniente da Gestão de Pessoas na empresa 1 em detrimento à empresa 2, conforme observado no Quadro 2. A visibilidade dos processos internos relativos ao meio ambiente junto ao mercado (cliente, fornecedores e concorrentes), no caso da empresa 1 constitui-se em um fator competitivo de bastante destaque na pesquisa. No próprio site da empresa, há um campo exclusivo para o meio ambiente, destacando o compromisso com as legislações nacionais e internacionais, uso minimizado de produtos químicos, descarte correto de embalagens e resíduos, estudo e planejamento do impacto biológico e por fim o enfoque na sustentabilidade dessas relações. Do mesmo modo, as certificações da empresa 1, expostas no site, transmitem segurança junto aos clientes e fornecedores, proporcionando visibilidade da política ambiental e de pessoas e atuação em mercados mais sofisticados, atendimento de clientes de alta performance e abrangência de serviços no território nacional e internacional. A empresa 2, apesar de já ter sido identificado o despertar para o SGA e ao contrário da empresa 1, não consegue ter uma estrutura interna clara de atores e papeis quanto às questões ambientais. A postura ainda é bastante reativa (em função da obrigatoriedade mínima para manutenção de alguns contratos antigos) e restritiva, especialmente quando não encontra apoio deliberado por parte da alta direção. Percebeu-se claramente um caráter tradicionalista da empresa, não incluindo a Gestão de Pessoas nos aspectos decisórios relativos ao meio ambiente, ainda que alguns passos importantes tenham sido apontados (murais, comunicação, treinamentos técnicos). O incentivo no que diz respeito às pessoas e plano de cargos é obscuro e confuso, premiando-se muito mais a eficiência operacional que um desempenho mais detalhado acerca do colaborador (EPI s, comprometimento com o meio ambiente, qualificação profissional, dentre outros). Desse modo, até mesmo a fase de registros, anotações e manutenção do banco de dados da empresa, para estratificação de problemas e atuação nas causas mais relevantes

12 12 ficam prejudicadas. A área de Gestão de Pessoas relatou que apesar de estar sob seu controle tais atribuições, ainda permanece limitada a capacidade de avaliação e decisão para agilizar a certificação ambiental e com isso, propor novas recolocações no mercado, como a captação de clientes desejáveis (melhores contratos, serviços mais elaborados, otimização da frota, aproveitando-se a estada do colaborador em um município, por exemplo). De posse dessas informações foi possível consolidar os fatores facilitadores e dificultadores, com base nas empresas avaliadas (Quadro 2). Percebe-se claramente que os fatores facilitadores na implantação e até mesmo manutenção da ISO 14001:2004, estão bem consolidados na empresa 1, o que possibilita melhores resultados e experiências com a certificação e o SGA. Também, que o comprometimento da alta direção é decisivo nessa postura proativa de implantação da ISO 14001:2004. Todos os demais processos decorrentes, especialmente o papel da Gestão de Pessoas nesse ambiente e todos os seus desdobramentos dependem diretamente desse posicionamento e por consequência, favorece imediatamente o desempenho do SGA e suas percepções internas e externas. Quadro 2. Facilitadores e dificultadores na implantação da ISO 14001:2004. Fatores Facilitadores Dificultadores Análise Descritiva Comprometimento da alta direção, parceria com a área de recursos humanos, investimento em capacitação, consciência ambiental, cultura da organização, interação do setor de gestão ambiental com direção e preocupação em minimizar resistência à mudança. Resistência à mudança, pessimismo com novos programas de gestão, necessidade de monitoramento e acompanhamento intenso, falta de incentivo financeiro aos colaboradores e falta de integração com o sistema da qualidade. Em contrapartida, a totalidade dos dificultadores foram identificadas na empresa 2, em especial no que diz respeito à postura pessimista e desacreditadora da alta direção em determinadas abordagens. Percebem ainda como sendo uma despesa pouco necessária e não admitem ganhos expressivos junto aos clientes atuais e na captação de novos, com a adoção do SGA. O argumento é de que o preço dos serviços após a certificação não é necessariamente mais valorizado, as relações contratuais passam a ser mais burocráticas e, na visão da alta direção, atualmente os processos internos já atendem minimamente as expectativas do meio ambiente. Percebe-se que o modelo tradicionalista da empresa 2 é sim, uma barreira para a

13 13 adoção eficiente do SGA, além da desinformação acerca do sistema e certificação, não percebendo os ganhos potenciais para a empresa. Portanto, sugere-se como estratégia não somente para a empresa 2 em destaque na pesquisa, mas para o setor de serviços - controle de pragas urbanas - a aprendizagem e estreitamento dos relacionamentos entre empresários, visitas técnicas nos melhores processos com cases bem sucedidos para a implantação da ISO 14001:2004 e por fim, presença maciça de consultorias e órgãos de fomento para apoio gerencial, crédito e financiamento. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho permitiu concluir acerca dos aspectos competitivos associados ao SGA, tendo como base duas empresas da área de serviços de controle de pragas urbanas em Uberlândia (MG). Identificou-se posturas decisivas na alta direção da empresa com SGA implantado, proativamente às questões ambientais e a capacidade de interlocução da Gestão de Pessoas, com esses atores, consultorias, colaboradores e o mercado. Já na empresa sem SGA implantado, os fatores decisivos para a não adoção efetiva, diz respeito à postura tradicional, restritiva e reativa da alta direção em relação ao meio ambiente. Consequentemente, não foi possível perceber uma característica decisória da Gestão de Pessoas na implantação do SGA, diminuindo muito o campo de atuação desse setor e a efetividade das suas ações. Um fator relevante e que deve ser ressaltado, trata do aspecto financeiro, em especial quanto aos investimentos à serem realizados em conformidade com as adequações necessárias do processo e prestação de serviço, e que possibilitem utilizar-se de ferramentas e indicadores na consolidação de um sistema de gestão integrado. Tendo em vista essas observações, sugere-se aproximação entre empresários do setor, visando aprendizagem e troca de experiências de casos bem sucedidos na implantação do SGA. Também que haja estreitamento das relações entre consultorias, agências de pesquisa e fomento das áreas de qualidade e meio ambiente e órgãos de financiamento e crédito para viabilizar projetos de implantação e manutenção do SGA para pequenas empresas. REFERÊNCIAS ALIGLERI, L. et al. Gestão Socioambiental responsabilidade e sustentabilidade do negócio. Ed. Atlas, São Paulo, p.

14 14 CHAN, E. S. W.; WONG, S. C. K. Motivations for ISO in the hotel industry. Tourism Management, v. 27, n. 3, p , COSTA, C. A. G. da. Contabilidade Ambiental mensuração, evidenciação e transparência. Ed. Atlas, São Paulo, p. CURI, D. Gestão Ambiental. Pearson Education do Brasil. São Paulo, p. DONAIRE, D. Considerações sobre a influência ambiental na empresa: A observação de casos reais fornece informações úteis para empresas interessadas em equacionar seus problemas ambientais. Revista de Administração de Empresas São Paulo, v. 34, n. 2, p Mar./Abr Gestão Ambiental na Empresa. 2 a Ed. São Paulo: Altas, FERREIRA, A. C. de S. Contabilidade Ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. 3ª Ed. São Paulo, p. FRYXELL, G. E.; SZETO, A. The influence of motivations for seeking ISO certification: an empirical study of ISO certified facilities in Hong Kong. Journal of Environmental Management, v. 65, n. 3, p , INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION ISO. ISO 14001:2004. Environmental management systems: requirements with guidance for use. Geneva, LOPES, J. C. J; et al. A Contribuição do Marketing Socioambiental nas Organizações.Revista em Agronegócios e Meio Ambiente. Maringá, v1, n2, p.241, 256, maio/ago/2008. MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 5 ed. São Paulo: Atlas, MELNYK, S. A.; SROUFE, R. P.; CALANTONE, R. Assessing the impact of environmental management systems on corporate and environmental performance. JournalofOperations Management, v. 21, n. 3, p , MIGUEL, P. A. C. Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. Revista Produção, v. 17, n. 1, p , OLIVEIRA, O. J. e PINHEIRO, C. R. M. S. Implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas. Gestão da Produção, São Carlos, v. 17, n. 1, p , PEROTTO, E. et al. Environmental performance, indicators and measurement uncertainty in EMS context: a case study. Journal of Cleaner Production, v. 16, n. 4, p , SAMBASIVAN, M.; FEI, N. Y. Evaluation of critical success factors of implementation of ISO using analytic hierarchy process (AHP): a case study from Malaysia. JournalofCleanerProduction, v. 16, n. 13, p , TACHIZAWA, T. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa: Estratégias e negócios focadas na realidade brasileira. 4ª Ed. São Paulo: Altas, YIN, R. K. Case study research: design and methods. 4 ed. London: SAGE, 2008.

15 ZENG, S. X. et al. Towards implementation of ISO environmental management systems in selected industries in China. Journal of Cleaner Production, v. 13, n. 7, p ,

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO

A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO José Augusto de Oliveira (1) Graduado em Administração pelo Centro Universitário Claretiano, especialista

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas

Implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 1, p. 51-61, 2010 Implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas Implantation of environmental management systems

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS MBA Contabilidade & Direito Tributário. Parceria: IPOG/Sinduscon-RS O IPOG em parceria com o CRC-RS, traz à Porto Alegre o MBA em Contabilidade & Direito Tributário, que já é sucesso, com mais de 20 turmas

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais