A REMUNERAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA GESTÃO DE PESSOAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REMUNERAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA GESTÃO DE PESSOAS"

Transcrição

1 A REMUNERAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA GESTÃO DE PESSOAS LUCIA REGINA BOLSON LOEBLER URCAMP Alegrete Especialista RESUMO: Esta pesquisa trata da temática sobre a remuneração e seus reflexos na gestão de pessoas, neste sentido, o objetivo principal é demonstrar as formas de remuneração dos recursos humanos que as organizações podem adotar visando a um melhor incentivo de seus trabalhadores e o aumento de sua capacidade competitiva e a adequação ao mercado; além de discutir diferentes posições doutrinárias sobre o assunto e as limitações legais na adoção de um sistema de remuneração. Para isso, efetuou-se uma pesquisa bibliográfica e documental na investigação teórica e legal sobre o tema. Os resultados apontam que a decisão sobre a forma de remuneração que será adotada pela organização depende de diversos fatores como, por exemplo, a cultura organizacional, a posição da empresa no mercado em que atua e, principalmente, as imposições e limites dispostos na legislação. Palavras-chave: Recursos humanos remuneração legislação - recompensas. ABSTRACT: This paper aims to demonstrate the main forms of consideration of human resources that organizations can adopt in order to encourage their best employees and increase their competitiveness and ability to market relevance. Also, discuss the various doctrinal positions on the subject and the legal limitations on the adoption of a system of pay for this, we performed a literature search and document as the theoretical framework. The decision by way of remuneration to be adopted by the organization depends on several factors such as organizational culture, the company's position in the market that it serves, and especially the constraints and limits laid out in legislation. Keywords: Human resources - Compensation - Legislation - rewards. INTRODUÇÃO A partir do século XIX, com o surgimento da sociedade industrial, nasce o capitalismo a consagrar a dialética capital e trabalho. Tratava-se de incentivar os indivíduos ao máximo esforço que devia resultar em máxima riqueza e máximo lucro.

2 2 Hoje esta seqüência está mudada. Não se trata mais do máximo esforço. O nosso tempo acostumou-se a usar das facilidades da automação. Hoje se trata de buscar a máxima eficiência com o menor esforço, mas conserva-se a finalidade da expansão da riqueza e do máximo lucro do capitalismo. A legislação brasileira é oriunda do ano de 1943, quando o governo Getúlio Vargas editou a Consolidação das Leis Trabalhistas CLT (Decreto-Lei nº de 1º de maio de 1943), e vigora até hoje, sendo que sua maior alteração ocorreu no ano de 1988 provenientes da promulgação da Constituição Federal. Enquanto a legislação permanece protecionista e legalista, os modelos de organização e gestão do trabalho avançam e inovam avassaladoramente. Atendendo às necessidades de mudança, surge à problemática da remuneração dos trabalhadores, será que os modelos atuais estão atendendo as necessidades individuais ou se prestam apenas para cumprir a legislação, garantir a empregabilidade e o crescimento financeiro das organizações? Neste contexto, o objetivo do presente trabalho é identificar novas possibilidades de remuneração a relação empregado x empregador e, de uma forma mais específica, analisar os sistemas vigentes de remuneração adotados no Brasil. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental, elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros e artigos de periódicos, bem como, da utilização das ferramentas tecnológicas e de material disponibilizado na Internet, além de lançar mão da legislação brasileira a respeito do tema. A partir da perspectiva individual deverão ser traçadas as condições para a perspectiva organizacional, através da criação de oportunidades, do estímulo à ação, à cooperação e diferentes interpretações da realidade. 1 DA ABORDAGEM LEGAL SOBRE REMUNERAÇÃO Com a evolução da sociedade industrial, novos direitos passaram a integrar as vantagens devidas aos trabalhadores, oriundos de movimentos de classe ou da pressão política. Da criação da Consolidação das Leis do Trabalho em 1943 à Constituição Federal em 1988 houve grandes avanços, principalmente das categorias mais organizadas e que estabeleceram entidades sindicais que lutaram pela conquista e pelo respeito aos direitos dos trabalhadores.

3 3 A definição legal baseia-se na realidade econômica da época de sua criação 1943, onde considerava apenas os salários e as gorjetas como vantagem ao empregado. Atualmente existem outros direitos legalmente previstos que como adicionais de horas extras, noturnos, de insalubridade e periculosidade. Ao analisarmos remuneração devemos primeiramente detalhar o componente salarial. O salário é o parâmetro contratual estabelecido entre as partes. No entanto, este parâmetro sofre intervenção estatal diretamente, pois o salário mínimo é fixado pelo governo federal ou pelas categorias organizadas de comum acordo entre os representantes da classe dos empregados e da classe patronal. Além do salário, adicionais e gorjetas, compõem a remuneração as seguintes parcelas salariais: - Comissões: objetiva incentivar o empregado a produzir mais, assim seu ganho será variável, conforme sua produtividade, porém, a legislação estabelece um salário contratual mínimo para quando as comissões não atingirem este valor. As comissões são a forma mais tradicional de incentivo, tendo, porém, que haver cautela do empregador para sua estipulação. Isto porque as comissões integram a remuneração para todos os demais direitos: férias, décimo terceiro e repouso semanal remunerado. - Prêmios: quando pagos de forma habitual e sob condição, integram a remuneração, sendo recompensas vinculadas a fatores de ordem pessoal, como eficiência, produtividade, entre outros. Diferenciam-se da participação dos lucros na empresa, pois se vinculam ao rendimento do empregado e, não, a obtenção de lucro. A legislação trabalhista não expressa nenhuma definição para a verba denominada prêmio, bem como para aquelas denominadas gratificações. Estes valores são pagos por liberalidade do empregador como forma de recompensar o trabalho realizado satisfatoriamente pelo empregado. Havendo habitualidade no pagamento destas verbas, as mesmas não poderão ser suprimidas por ato unilateral do empregador a não ser que, no ato de sua instituição tenha sido determinado prazo para sua concessão. Caso haja a supressão em decorrência de documentos coletivos de trabalho que extinga sua vigência e não mantenha a obrigação, ou ainda, quando o empregador por liberalidade incorpore o valor das verbas ao salário do empregado ou substitua por vantagem equivalente, a verba poderá deixar de ser paga.

4 4 Quanto aos reflexos das verbas recebidas a título de prêmios e ou gratificações, o entendimento do TST é que a bonificação paga ao empregado como prêmio pela sua produtividade tem caráter salarial, decorrente do contrato de trabalho e a habitualidade do pagamento. Desta forma, as referidas verbas sofrem incidência da Previdência Social, FGTS e Imposto de Renda, conforme legislações pertinentes. - Participação nos lucros e resultados: segundo o artigo 7º, XI da Constituição Federal, a participação do empregado nos lucros da empresa é desvinculada do salário, ou seja, não possui natureza jurídica salarial. A Lei nº /2000 regula a participação dos trabalhadores nos lucros e resultados da empresa que deverá escolher de comum acordo entre as partes, um dos procedimentos descritos para sua efetivação, bem como, primar pela transparência sobre os critérios escolhidos como forma de alcance de metas para obter os resultados previstos. De acordo com Silva (2008), o Programa de Participação nos Lucros e Resultados se tornou uma forma de mobilização interna e de compartilhar responsabilidades entre os colaboradores a fim de difundir a comunicação da filosofia da gestão e das estratégias da empresa. Por isso a importância da total transparência na escolha dos critérios, que além de ser um procedimento legal, deve amparar os objetivos traçados pela administração da empresa que visa com este modelo de remuneração, alavancar os resultados da organização através do comprometimento de seus funcionários. A PLR está diretamente vinculada com a produção e metas atingidas que podem variar até entre os que exercem a mesma função na empresa. Não tendo natureza salarial, não sofre a incidência de encargos sociais e previdenciários e nem constitui base de cálculo trabalhista. Para Chiavenato, os programas de PLR para funcionar precisam estar embasados no comprometimento das pessoas salientando a importância de uma prévia campanha de conscientização do empregado: Quase sempre as empresas esbarram em alguns erros: pôr em prática esses programas sem uma prévia campanha de participação e de compromisso. (2004, p. 300). A participação nos lucros ou resultados é considerada pela maioria dos doutrinadores como o modelo mais evoluído de relacionamento entre capital e

5 5 trabalho. O aspecto motivador da PLR e sua capacidade de aprimorar o desempenho e a competitividade da empresa são bastante visíveis. Além de incentivar os funcionários para entrar na luta por maior eficiência, qualidade, corte de desperdícios e obtenção de melhorias de curto, médio e longo prazo, o PLR visa tornar o empregado um parceiro da organização. 2 DA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL A necessidade de mudanças gerou a discussão de novas alternativas de remuneração, sendo unânime na visão doutrinária que a remuneração variável surge como oportunidade de ganho ao empregado. Sua principal característica não é substituir o salário, mas aumentá-lo conforme as possibilidades do empregador, e, principalmente, não pressionar os custos da organização, pois seu custeio é o aumento da produtividade e redução de custos. De acordo com Chiavenato ela resume todas as exigências para um funcionário moderno, pois obriga o profissional a voltar-se para os resultados e ser um empreendedor (2009, p. 97). No entendimento de D Annibale a remuneração variável para fazer jus a esse nome, não pode ser confundida com salário, não pode substituí-lo, mas deve representar algo a mais (2009, p.148). Considerando, que deve ser fator motivador, mas ao mesmo tempo solidário com o desempenho da empresa ambos os lados, de um o acionista ou empregador e de outro o empregado, devem participar dos resultados. Sob o ponto de vista de Souza (2005) a remuneração variável é um componente-chave nos pacotes de remuneração das organizações modernas e vincula a remuneração ao desempenho, pois cria estruturas de incentivo visando o dos objetivos e a superação das dificuldades periódicas ou rotineiras nas empresas e que afetam equipes e indivíduos. No contexto contemporâneo, a definição de Souza diz: A razão para essa mudança de enfoque é a constatação de que, num contexto de negócios cada vez mais dinâmico e complexo, diversas variáveis afetam o desempenho da empresa e dos indivíduos, tornando-o também um fenômeno dinâmico. Reconhecer o bom desempenho de um ano na remuneração fixa do empregado pode significar congelar para o futuro os resultados positivos de um período passado que podem ou não

6 6 voltar a ocorrer, onerando a estrutura de custos fixos da empresa e reduzindo a flexibilidade na gestão da carreira dos profissionais. (SOUZA, 2005, p. 97). A implantação de um modelo ou sistema de remuneração variável requer conhecimento técnico, bem como conhecimento da cultura e momento organizacional. O sucesso desse projeto depende de saber projetar e gerir recompensas de acordo com as estratégias organizacionais. 2.2 IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL Segundo Souza (2005) primeiramente deve-se definir os objetivos, ou seja, a organização deve saber claramente o que pretende atingir através de um sistema de remuneração variável e como o mesmo se integra na estratégia da organização. Assim, é primordial que seja definido o público-alvo, o projeto da sistemática, a escolha dos tipos de incentivo, as formas de aferição de resultados e de pagamento. Para tanto, três decisões devem ser tomadas: que tipo de desempenho se pretende recompensar, como será avaliado e como se dará o pagamento da recompensa Recompensa As recompensas baseadas em resultados podem ser analisadas sob três perspectivas: abrangência, natureza e tempo. Pela perspectiva da abrangência deve ser considerado sob que ponto de vista será vinculado a remuneração, considerando os objetivos do sistema. Se o objetivo for aumentar a lucratividade da organização, todos devem ser incluídos, tendo caráter mais abrangente; porém, se o objetivo for de apenas aumentar as receitas, terá caráter restrito ao setor de vendas. Assim, de acordo com a abrangência os resultados poderiam ser corporativos, de unidades de negócios ou áreas e individuais. Os resultados globais ou de maior abrangência baseiam-se no lucro no exercício apurado, e o mais indicado é o Economic Value Added (EVA), representado pelo lucro líquido menos o custo do capital próprio, contemplando, também o valor a ser distribuído incluindo acionistas e proprietários e um provisionamento para investimentos.

7 7 Quando considera os resultados por área, cada responsável deve definir um indicador pelo qual a mesma será avaliada no decorrer do ano, visando colaborar decisivamente para o alcance dos objetivos definidos pelos indicadores globais. Os indicadores devem ser ponderados de maneira a enfatizar a redução de riscos de resultados indesejáveis, levando em conta os desempenhos agregados da equipe. Sob o ponto de vista da abrangência, Souza (2005) considera vantagens e desvantagens, analisando-se as vantagens e desvantagens da abrangência dos resultados verifica-se que é imprescindível a adequação dos objetivos desse sistema com as demais estratégias da organização, pois poderá servir de motivação e estímulo a todos os envolvidos, como também poderá gerar competição e acomodação entre outros. Pela perspectiva da natureza, os resultados são analisados sob o ponto de vista quantitativo e qualitativo. Sob o ponto de vista quantitativo traduz o resultado em números e, pela sua facilidade de aplicação, é o mais utilizado pelas organizações. Enquanto, sob o ponto de vista qualitativo, devem ser avaliados de acordo com os parâmetros planejados. Considerando a natureza dos resultados: quantitativos e qualitativos ambos são importantes, devendo estar adequados à estratégia organizacional. No entanto, os resultados qualitativos exigem que a organização esteja mais estruturada, requerendo acompanhamento e avaliação, mas refletem com fidedignidade os resultados. Pela perspectiva de tempo, os resultados são considerados de acordo com o tempo ou ciclo dos negócios, sendo considerados de curto, médio e longo prazo. Os incentivos de longo prazo consideram prazos superiores ao ano fiscal. Não são muito utilizados no mercado, mas são aplicados nas grandes organizações e, geralmente, para os cargos mais elevados. Entre os incentivos de longo prazo os mais usuais são participação acionária, ações virtuais, bônus diferido e bônus de longo prazo. Os incentivos de curto prazo são vinculados ao ano fiscal e são os mais usuais no mercado, pois a maioria das organizações realiza seu planejamento com base no ano fiscal. Os exemplos principais são bônus e prêmios; participação nos lucros ou resultados; comissionamento e prêmio de vendas.

8 Avaliação Avaliação de Desempenho A Avaliação de Desempenho é uma importante ferramenta de Gestão de Pessoas que pode ser definida como a identificação e mensuração das ações que os colaboradores de uma organização realizaram durante determinado período. O objetivo da Avaliação de Desempenho é contribuir para o desenvolvimento das pessoas na organização, através do diagnóstico e análise do desempenho individual e grupal dos funcionários, promovendo o crescimento pessoal e profissional. Além disso, fornece informações para tomada de decisões referentes a salários, bonificações, promoções, demissões, treinamento e planejamento de carreira, proporcionando o crescimento e o desenvolvimento da pessoa avaliada. A Avaliação de Desempenho deve apresentar resultados baseados em informações sólidas e tangíveis, fundamentais para a identificação de oportunidades de melhoria e a definição de ações em relação a vários níveis: geral, por área e individual Avaliação e a Classificação de Cargos A avaliação e a classificação de cargos é um processo de mensuração dos cargos visando definir quanto vale ou o preço de cada cargo da organização, buscando o equilíbrio interno dos salários. Uma estrutura de cargos e salários é condição fundamental para implantação da remuneração variável na organização, pois esta será à base do sistema, conforme bem determina Chiavenato (2009). O objetivo da avaliação de cargos é permitir conhecer o salário que o mercado paga para um determinado cargo, considerando as responsabilidades e as complexidades das atribuições, pois estas determinam o grau de competência necessário para que alguém possa apresentar um bom desempenho no cargo, Ainda do mesmo autor, a avaliação de cargos é o processo de analisar e comparar o conteúdo de cargos, no sentido de colocá-los em uma ordem de classes, as quais podem ser usadas como base para um sistema de remuneração (2009, p. 41). Assim, para cada cargo estima-se um valor, dentro de uma faixa segura e

9 9 flexível, considerando os conhecimentos habilidades, competência e desempenho de cada pessoa. As classes de cargos resultantes do processo de avaliação de cargos formam um conjunto harmonioso representativo da evolução da sua estrutura organizacional. Uma estrutura organizacional clara permite às pessoas ter uma visão de suas possibilidades de carreira dentro da organização Pagamento A organização analisou o que queria recompensar e os critérios para essa recompensa avaliação. Após essa definição deve estabelecer uma ponderação dos pesos específicos de importância com relação aos objetivos globais, por área ou individuais de modo a garantir justiça e igualdade. Os incentivos de curto prazo são os mais utilizados no meio organizacional, pelo maior envolvimento dos indivíduos e pelo alinhamento com o planejamento do período. São incentivos de curto prazo: bônus e prêmios; participação nos lucros e resultados; comissionamento e prêmio de vendas Bônus e Prêmios O programa de distribuição de bônus e prêmios caracteriza-se pelo planejamento de curto prazo, mediante um conjunto de indicadores previamente acordados. O prêmio, também conhecido como bônus, não tem previsão expressa na legislação trabalhista. Geralmente, são pagos em razão de fatores de ordem pessoal do empregado ou de muitos empregados, como assiduidade, produção, qualidade, eficiência, etc. No Brasil, seu pagamento é oriundo do costume e respaldado pela jurisprudência. O entendimento jurisprudencial tem se firmado no sentido de que o empregador tem autonomia para estabelecer critérios para a distribuição de prêmios por desempenho individual, porém, uma vez instituídos esses critérios, não podem mais ser desrespeitados.

10 10 Para o pagamento do prêmio, o empregado deve preencher as condições implantadas pelo empregador. O prêmio é considerado salário condição, pode ser suprimido se desaparecerem as causas que o autorizem. Se o elemento produtivo que o fundamenta não ocorre em dado momento, mas, se faz presente em outro, é só a partir de então que se torna obrigatório o respectivo pagamento. Os critérios são definidos pelas formas de avaliação, antes abordadas, podendo ser avaliação por desempenho ou avaliação de cargos. Devido à insegurança jurídica existente no Brasil, pela divergência nas decisões judiciais e, sem esse amparo legislativo, as empresas preferem utilizar formas tradicionais de distribuição de brindes de maneira esporádica, desorganizada e ineficaz Participação nos Lucros ou Resultados A participação nos lucros ou resultados foi definida pela Constituição Federal do Brasil, no entanto, a regulamentação desse direito somente adveio com a Lei de , normatizando a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa como instrumento de integração entre o capital e o trabalho e, também, como incentivo à produtividade. Primeiramente, cabe conceituar lucro e resultado para melhor entendimento. Lucro é o saldo positivo contábil; é encontrado no confronto direto das receitas, despesas e custos, apurado de acordo com os princípios contábeis e a legislação vigente. Resultado, neste caso, refere-se ao cumprimento de desafios na relação de trabalho, como metas, objetivos, indicadores que estrategicamente sejam mais importantes para a empresa. A participação nos lucros e resultados é uma forma de incentivo, devendo haver cuidado quanto à dimensão das condições traçadas indicadores e metas, para que sejam possíveis e viáveis, salientando, que somente quando implementadas as condições, haverá pagamento de participação. Outro fator que levanta grandes discussões é a distribuição de lucros, pois se houver prejuízo, o empregado dele não participa, porque não é o dono do negócio, logo não assume perdas. Se ele assume prejuízo, não é empregado, e sim sócio. Porém, nem sempre a forma de apuração desse resultado é transparente e fiel aos fatos, podendo gerar dúvidas e desconfianças entre os envolvidos.

11 Comissionamento Segundo Souza (2005) a remuneração por comissionamento é um programa de incentivo focalizado na força de vendas. Na sua abordagem tradicional, baseia-se no pagamento de um percentual sobre as vendas realizadas. O comissionamento tem sido objeto de discussão, pois reforça a visão errônea de que venda significa resultado. Em razão disso, as empresas tem optado pelo Programas de Participação em Lucros e Resultados que não tem natureza salarial, pode avaliar e premiar não só o resultado das vendas, como também outros elementos necessários para o atingimento de metas e a qualidade no atendimento ao cliente. As comissões, habitualmente pagas, integram o salário em todas as suas parcelas, não podendo ser modificadas ou retiradas. No entanto, o setor de vendas tem comportamento dinâmico e, muitas vezes, o que foi ajustado contratualmente com o trabalhador deixa de se adequar à realidade do momento. Em razão de que, o comissionamento é usualmente calculado na aplicação de percentuais sobre o valor da venda, enquanto deveria dar maior relevância sobre a efetiva contribuição que cada pedido vendido traz para a empresa. O comissionamento apresenta aspectos negativos podendo despertar ciúme e inveja tanto na equipe de vendas, como no restante da empresa, levando os demais departamentos a questionar a alta valorização do departamento comercial em detrimento as outras áreas da empresa, dificultando a integração de todos os setores. Outro fator negativo que pode ocorrer, é desrespeitar a hierarquia salarial da empresa em função do alto volume de comissão paga a um determinado profissional. Quanto aos aspectos positivos, o comissionamento impõe uma nova maneira de pensar e agir aos profissionais de vendas e a todos aqueles que interagem nas compras, recebimento, produção e entrega de um pedido, bem como o comprometimento da força de vendas e a motivação que cada profissional tem para se atingir os resultados. Assim, quanto ao comissionamento, a empresa deve ser muito cuidadosa, avaliando o perfil da equipe, o produto a ser comercializado, o esforço que a venda demandará, aliados às estratégias de crescimento para que assim todos ganhem e sintam-se satisfeitos e motivados.

12 Prêmio de Vendas O prêmio de vendas, conforme Souza (2005) prevê o estabelecimento de indicadores e metas para a equipe de vendas e o pagamento de um bônus mediante a superação dessas metas, objetiva não apenas a geração de volume de receitas, mas também a redução da inadimplência, o desenvolvimento de novos clientes, etc. Na legislação trabalhista vigente não há uma definição para a verba denominada prêmio. As condições para a percepção do prêmio devem ser constituídas pelo empregador em termo próprio ou do documento coletivo de trabalho, sendo abrangentes aos empregados que se enquadrarem na mesma situação e atenderem aos requisitos prefixados, como período de vigência, metas a serem atingidas, valor etc. Os prêmios por venda quando pagos de forma eventual, não integram a remuneração para qualquer efeito. No entanto, quando o pagamento for habitual, tais verbas não mais poderão ser suprimidas unilateralmente por ato do empregador, exceto quando for fixado prazo determinado para a sua concessão, ou ainda, quando estas defluirem de documento coletivo de trabalho, cujo período de vigência se extinguiu. O prêmio de vendas diferencia-se da comissão sobre vendas. Prêmio de vendas é uma recompensa pontual variável, cuja atribuição está vinculada ao cumprimento de objetivos individuais e coletivos, à competição entre vendedores e à ação do gerente comercial como forma de reconhecimento ou compensação. Enquanto que a comissão de vendas é resultante da aplicação de uma percentagem determinada ao valor da venda ou à sua margem de lucro. A premiação de vendas apresenta vantagens e desvantagens. Entre as vantagens apresentam-se a motivação dos vendedores para aumentarem o volume de vendas da empresa e o reconhecimento financeiro adicional. Nas desvantagens, quando o prêmio é retirado de um valor fixo pré-definido a competição entre os colegas aumenta, o que pode prejudicar o espírito de equipe, bem como, quando o pagamento do prêmio for posterior ao momento da venda e deixa de ser associado diretamente à mesma. A empresa deve analisar dentro de sua realidade, seu produto e perfil de sua equipe quais os prós e contras da aplicação da premiação sobre vendas, considerando seu crescimento nas vendas e cumprimento das metas traçadas.

13 13 CONSIDERAÇÕES DA PESQUISA As organizações, na busca de novos indivíduos com características de inovação e empreendedorismo, idealizam a valorização de talentos individuais sem perder o foco na estratégia organizacional. Constata-se, que, para as organizações adequarem-se aos novos momentos necessitam de um modelo dinâmico, tendo a flexibilidade como característica determinante, bem como o alinhamento com a estratégia da organização, contribuindo para a consecução dos objetivos e metas da empresa e ainda, o atendimento à Legislação Trabalhista. Observando-se a legislação brasileira desde 1943, com seu ponto alto na Constituição Federal de 1988 e na edição da Lei de , não ocorreram modificações nos princípios básicos da legislação trabalhista, deixando aos tribunais a incumbência de firmar entendimentos sobre matérias emergentes. Entendimentos divergentes nos tribunais acarretam um processo de insegurança jurídica e de riscos de ordem trabalhista. A Legislação Trabalhista impõe inúmeros obstáculos à elaboração e à implementação de novos modelos de remuneração, buscando preservar princípios norteadores das relações trabalhistas de proteção e igualdade entre os trabalhadores nas mesmas funções. Por outro lado, tenta evitar que sistemas de remuneração variável sejam utilizados de forma fraudulenta, locuplentando os empresários em detrimento dos trabalhadores, Porquanto, a única legislação consolidada existente que permite às empresas a implementação de sistemas modernos de remuneração é a de nº /2000, a chamada Lei de Participação nos Lucros e Resultados, pois, oferece segurança jurídica às empresas, permite flexibilidade quanto à sua vinculação aos mais diferentes planos de metas e objetivos. Determinar qual a forma de remuneração variável mais adequada, somente será possível após conhecer as características de cada organização, bem como seus objetivos estratégicos. Podemos afirmar, entretanto, que o mais adequado sistema de remuneração utilizado com o fim específico de motivar pessoas e equipes para busca de metas e objetivos pontuais, é aquele que, por suas características básicas permite a não incorporação dos valores pagos a

14 14 remuneração fixa do empregado e sua clara vinculação ao atingimento de metas e objetivos. Entre as formas usuais de recompensar, destaca-se a participação nos lucros e resultados, pois essa é a única que possui normatização específica. Em suas normas um fator que gera discussões é a apuração de resultado negativo - prejuízo, pois o empregado dele não participa. Como nem sempre a forma de apuração desse resultado é transparente e fiel aos fatos, ocasiona dúvidas e desconfianças entre os envolvidos. Quanto aos demais incentivos analisados, como comissionamento, bônus e prêmios, as empresas devem ser muito cuidadosas, pois, todos apresentam aspectos positivos e negativos. Entre os aspectos positivos estão à motivação e o aumento de produtividade, porém se houver alteração na lucratividade da empresa, os princípios legais não permitem que os mesmos sejam alterados. Outro fator negativo é a competitividade interna, que provoca conflitos entre os envolvidos prejudicando o ambiente organizacional. Em conseqüência, o sistema de remuneração variável objetiva flexibilizar as relações trabalhistas permitindo que os ganhos sejam divididos, servindo como forma de apoio e incentivo aos trabalhadores, devendo, no entanto, sempre ser de forma clara, leal e vantajosa para todas as partes envolvidas no processo. Como visto, o sistema de remuneração é um sistema de apoio, com simplicidade de manutenção e uso, desde que, se adapte às normas legais, às diretrizes estratégicas e objetivos organizacionais. REFERÊNCIAS ALEMÃO, Ivan. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, BARRETO, Ranieri Muricy; PÁDUA NETO, Antonio de. Participação nos Lucros e Resultados (PLR) nas Empresas Petroquímicas da Bahia. In: A Bahia-Análise e Dados. Salvador, v. 12. n 3, p , BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho CLT Acadêmica / obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto, Márcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Lívia Céspedes. São Paulo: Saraiva, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

15 15. Recursos Humanos. Rio de Janeiro: Elsevier, Remuneração, Benefícios e Relações de Trabalho: como reter talentos na organização. 6.ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, CONTRATO DE TRABALHO COM PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS DA EMPRESA. Disponível em: < texto.asp?id=1168> Acesso em: 10 set CORREA, Waldir Evangelista. Participação nos Lucros e Resultados: uma metodologia inteligente aplicável a todas as empresas. São Paulo: Atlas, D ANNIBALE, José Francisco. Como Implantar uma Estrutura de Remuneração na sua Empresa. São Paulo: STS, GOMES, Orlando. Curso de Direito do Trabalho. 17.ed. Rio de Janeiro: Forense, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. Procedimentos básicos para a pesquisa bibliográfica, projetos e relatos. São Paulo: Atlas, MARTINS, Sérgio Pinto. Participação dos Empregados nos Lucros das Empresas. São Paulo: Atlas, Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, PASCHINI, Selma. Estratégia: alinhando cultura organizacional e estratégia de recursos humanos à estratégia de negócio: a contribuição efetiva de recursos humanos para a competitividade do negócio. Rio de Janeiro: Qualytymark,2006. PASCHOAL, Luiz. Gestão de Pessoas: nas micros, pequenas e médias empresas: para empresários e dirigentes. Rio de Janeiro: Qualitymark, REMUNERAÇÃO VARIÁVEL: uma nova forma de motivar e fidelizar talentos. Disponível em: <http://www.gerhqual.ufrn.br/ppga/publicacoes/arimates/ribeiro-ari- Remuneracao-%20Tendencias doc> Acesso em: 24 out SILVA, J. Alencar. Programa de Participação nos Lucros e Resultados. Disponível em:<http://www.ufrgs.br/necon/043%20programas%20> Acesso em: 24 out SOUZA, Maria Zélia de Almeida. Cargos, Carreiras e Remuneração. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 91 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Não integram o salário-de-contribuição para os fins desta Lei, exclusivamente: (...) j) a participação nos lucros ou resultados da empresa,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM PLACAR 2011 Acordo Coletivo de Participação nos Resultados

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 36 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Técnico de

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVOS

PROGRAMA DE INCENTIVOS PROGRAMA DE INCENTIVOS - Recompensas e Punições - Novos Métodos em Remuneração - Remuneração Variável - Plano de Bonificação Anual - Distribuição de Ações da Empresa aos Funcionários - Opção de Compra

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.br FERREIRA, Silvana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Remuneração de Sócios e Advogados. Lara Selem

Remuneração de Sócios e Advogados. Lara Selem Remuneração de Sócios e Advogados Lara Selem Lara Selem Advogada, Escritora e Consultora em Gestão de Serviços Jurídicos. Executive MBA pela B-W College (EUA), especialista em Gestão de Serviços Jurídicos

Leia mais

Remuneração estratégica e benefícios

Remuneração estratégica e benefícios agenda 4ª Edição Remuneração estratégica e benefícios Aplicação das melhores práticas e políticas de remuneração, benefícios e programas motivacionais. A importância de um programa de remuneração e benefícios

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração 18/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS 1 TRIBUTOS E ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NEVES. B. K. B. Resumo: O resumo trata, dos tributos e encargos previdenciários das Micro Empresa e Empresa de Pequeno

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP CONTRIBUIÇÃO DOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFBA À CONSTRUÇÃO DO PQSTAE- Programa de Qualificação

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais