SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP"

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP Manual de Políticas e Procedimentos PARAÍBA Outubro, 2004

2 ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE NÚCLEO ORGANIZAÇÃO DOS ESPAÇOS OCUPACIONAIS 1. OBJETIVOS DIRETRIZES ESTRUTURA DOS ESPAÇOS OCUPACIONAIS, DAS FUNÇÕES DIRETIVA, GERENCIAL E DE ASSESSORIA COMPETÊNCIAS Competências Essenciais Competências Genéricas Competências por Espaço Ocupacional Competências Específicas Competências Gerenciais ESCALA DE AVALIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Peso do Tipo de Competência Peso do Nível da Proficiência Peso da Competência AVALIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Comitês de Avaliação Comitê Permanente de Avaliação Subcomitês para Avaliação das Competências dos Empregados Subcomitês para Avaliação das Competências dos Gerentes CERTIFICAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS VALIDAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS SISTEMA DE PONTUAÇÃO MOVIMENTAÇÃO NA CARREIRA Movimentação Horizontal Movimentação Vertical NÚCLEO ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS 1. OBJETIVOS DIRETRIZES PROCESSOS DO NÚCLEO Acompanhamento dos Resultados Organizacionais Acompanhamento dos Resultados das Equipes Acompanhamento do Desempenho Individual Metodologia de Acompanhamento do Desempenho Individual NÚCLEO RECONHECIMENTO 1. OBJETIVOS DIRETRIZES PROCESSOS DO NÚCLEO Remuneração Fixa Salário Base Remuneração Variável Remuneração de Diretoria Remuneração de Assessoria do CDE e da DIREX Remuneração de Gerência de Unidade e Gerência de Agência... 23

3 3 3.6 Benefícios Assistência Médica Ajuda Alimentação Seguro de Vida em Grupo Auxílio Funeral Previdência Privada Auxílio Doença Auxílio Educação NÚCLEO PROVIMENTO 1. OBJETIVOS DIRETRIZES PROCESSOS DO NÚCLEO Planejamento Estratégico de Pessoal Captação de Empregados Recrutamento Interno Recrutamento Externo Processo Seletivo (interno e externo) Acompanhamento de Pessoal Recém-admitido Movimentações Externas e Internas Transferência, Cessão, Requisição e Dispensa Provimento da Função Diretiva Provimento da Função Gerencial Provimento das Funções de Assessoria do CDE e da DIREX Contratação por Tempo Determinado NÚCLEO CAPACITAÇÃO 1. OBJETIVOS DIRETRIZES PROCESSOS DO NÚCLEO Processo de Planejamento Execução das Ações de Capacitação Processo de Avaliação Processo de Gerenciamento NÚCLEO MONITORAMENTO DA CULTURA ORGANIZACIONAL 1. OBJETIVOS DIRETRIZES PROCESSOS DO NÚCLEO Avaliação da Cultura Organizacional Plano Geral de Mudanças Avaliação da Efetividade do Núcleo

4 4 1. INTRODUÇÃO Este documento expressa os princípios que norteiam o Sistema de Gestão de Pessoas (SGP) do SEBRAE/PB, estabelecendo políticas, diretrizes e procedimentos pertinentes à sua administração. O Sistema de Gestão de Pessoas fundamenta-se no conceito de competências, entendidas estas como conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, que se manifestam por resultados observáveis e que viabilizam uma performance superior. O SEBRAE/PB, como uma organização de gestão do conhecimento, tem no Sistema de Gestão de Pessoas o instrumento que lhe possibilita planejar, organizar, desenvolver, acompanhar e avaliar as competências imprescindíveis à concretização de seu Direcionamento Estratégico. Na figura abaixo, são representados os núcleos de atuação que compõem o Sistema de Gestão de Pessoas e, a seguir, as definições de cada um deles. O núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais estabelece as diretrizes para a evolução na carreira a partir da estrutura de espaços ocupacionais. Este núcleo apresenta as trajetórias de carreira que os empregados do SEBRAE/PB podem percorrer através do desenvolvimento profissional baseado em competências, define as exigências de qualificação requeridas e estabelece procedimentos para a comprovação dessa qualificação. O núcleo Acompanhamento e Avaliação de Resultados estabelece critérios e procedimentos para o monitoramento dos resultados obtidos pelo SEBRAE/PB e suas equipes, bem como do desempenho de seus empregados.

5 5 O núcleo Reconhecimento estabelece as políticas e procedimentos para composição do mix de remuneração, os critérios de compensação dos empregados pela aquisição de competências e alcance dos resultados organizacionais, além de políticas e critérios para a concessão de benefícios. O núcleo Provimento estabelece as diretrizes e procedimentos para Planejamento Estratégico de Pessoal e para o provimento do capital humano necessário para a consecução dos objetivos do SEBRAE/PB, assegurando o cumprimento dos princípios de igualdade, impessoalidade, moralidade e publicidade, de acordo com os padrões técnicos e legais requeridos. O núcleo Capacitação estabelece políticas e procedimentos para as ações de educação continuada, com a finalidade de desenvolver internamente as competências requeridas pelo SEBRAE/PB, conforme o Planejamento Estratégico de Pessoal. O núcleo Monitoramento da Cultura Organizacional estabelece políticas e procedimentos para monitoramento e transformação da cultura organizacional do SEBRAE/PB. 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS O principal objetivo do Sistema de Gestão de Pessoas é atender às necessidades imediatas e futuras do SEBRAE/PB, em termos de: Proporcionar um modelo de gestão de pessoas alinhado com o propósito, estratégias, princípios e processos de trabalho do SEBRAE/PB, impulsionando as transformações de cultura e estilo de gestão necessárias; Condicionar a evolução na carreira, as ações de capacitação e as formas de reconhecimento às competências relevantes para a Organização e aos resultados alcançados; Incentivar o aprendizado contínuo e o comprometimento dos empregados com relação ao seu desenvolvimento profissional vinculado ao Direcionamento Estratégico do SEBRAE/PB; Co-responsabilizar os gestores do SEBRAE/PB pela condução do processo de gestão de pessoas e; Gerenciar os investimentos em gestão de pessoas. 3. ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE Cabe à Unidade de Qualidade de Equipes a responsabilidade de administrar, manter atualizados e controlar os procedimentos descritos neste documento, zelando pela efetiva observação das políticas e diretrizes do Sistema de Gestão de Pessoas. Alterações nas políticas descritas neste documento requerem aprovação do Conselho Deliberativo Estadual. Alterações nos Anexos requerem aprovação da Diretoria Executiva, exclusive as que dizem respeito às Tabelas Salariais do Núcleo de Reconhecimento que exigem aprovação do Conselho Deliberativo Estadual.

6 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais 1. OBJETIVOS Este núcleo apresenta a estrutura de carreira, os requisitos e critérios para enquadramento e evolução na carreira do SEBRAE/PB e estabelece procedimentos de avaliação e certificação das competências. Os principais objetivos do núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais são: definir a estrutura e os critérios para enquadramento e evolução na carreira; explicitar as competências necessárias para a consecução dos objetivos estratégicos da Organização e em contrapartida para o desenvolvimento profissional dos empregados do SEBRAE/PB; estabelecer critérios para a avaliação e certificação das competências e; subsidiar os demais núcleos de atuação do Sistema de Gestão de Pessoas. 2. DIRETRIZES A estrutura dos espaços ocupacionais baseia-se no sistema de gestão por competências, sendo a mobilidade e a ascensão profissional do empregado decorrentes da aquisição de competências. A aquisição de competências ocorre mediante processo de avaliação e certificação. A evolução na carreira ocorre através de movimentações horizontais e verticais, obedecendo requisitos e critérios tecnicamente estabelecidos. Além dos espaços ocupacionais, a estrutura prevê fora da carreira o exercício de função gerencial, assessoria de diretoria, assessoria e/ou consultoria e coordenadoria do Conselho Deliberativo Nacional. 3. ESTRUTURA DOS ESPAÇOS OCUPACIONAIS, DAS FUNÇÕES DIRETIVA, GERENCIAL, DE ASSESSORIA Espaço ocupacional caracteriza-se pelo conjunto de responsabilidades e competências definidas de acordo com a complexidade e relevância das ações e dos respectivos resultados. A seguir estão representados os espaços ocupacionais, as funções diretiva, gerencial e de assessoria do SEBRAE/PB. Espaço Ocupacional Consultor Analista Assistente Auxiliar Diretiva Função Gerencial Assessoria do CDE Assessoria da Diretoria 6

7 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais ESPAÇOS OCUPACIONAIS Consultor: É o espaço ocupacional em que se enquadram os profissionais que atuam em nível estratégico e na formulação de soluções diferenciais para a consecução dos objetivos do SEBRAE/PB, independente do macroprocesso em que atuam. O espaço ocupacional consultor requer dos ocupantes: escolaridade: ensino superior com especialização e; nível mínimo de proficiência nas competências: 70,0 pontos do espaço ocupacional analista. Analista: É o espaço ocupacional em que se enquadram os profissionais que atuam em nível técnico e na implementação de soluções, independentemente do macroprocesso. O espaço ocupacional analista requer dos ocupantes: escolaridade: ensino superior completo e; nível mínimo de proficiência nas competências: 70,0 pontos do espaço ocupacional assistente. Assistente: É o espaço ocupacional em que se enquadram os profissionais que atuam no suporte técnicoadministrativo na implementação de soluções. O espaço ocupacional assistente requer dos ocupantes: escolaridade: ensino médio completo e; nível mínimo de proficiência nas competências: 70,0 pontos do espaço ocupacional auxiliar. Auxiliar: É o espaço ocupacional em que se enquadram os profissionais que desenvolvem atividades operacionais e administrativas. O espaço ocupacional auxiliar requer dos ocupantes: escolaridade: ensino fundamental completo. Poderá haver exceção para profissionais que não cumprem o pré-requisito escolaridade, mas que comprovem por meio da certificação de competências nível de proficiência excelência, nas competências requeridas para o espaço ocupacional. FUNÇÃO DIRETIVA A função diretiva é uma responsabilidade transitória e de caráter de confiança do Conselho Delberativo Estadual, não sendo considerada segmento de carreira, e sim, função de responsabilidade e atribuições específicas, conforme Estatuto Social do SEBRAE/PB. Os diretores são demissíveis "ad nutum", caso em que o Conselho Deliberativo Estadual escolherá o(s) substituto(s). 7

8 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais FUNÇÃO GERENCIAL A função gerencial é uma responsabilidade transitória e de caráter de confiança da Diretoria Executiva, conforme estabelecidos no Estatuto Social e Regimento Interno do SEBRAE/PB, não sendo considerada segmento de carreira. A esta função, estão associadas as competências gerenciais. A função gerencial requer dos ocupantes: possuir requisitos e competências equivalentes ao espaço ocupacional consultor, para Gerente de Unidades, e espaço ocupacional analista para Gerente de Agências; nível mínimo de proficiência nas competências de consultor e/ou analista: a ser definido através de resolução da Direx. FUNÇÃO DE ASSESSORIA DO CONSELHO DELIBERATIVO ESTADUAL A função de assessoria do Conselho Deliberativo Estadual (CDE) é uma responsabilidade transitória, vinculada ao mandato do Presidente do Conselho Deliberativo Estadual, e de caráter de confiança do presidente do CDE, de livre nomeação e exoneração, não sendo considerada segmento de carreira e sim função com responsabilidades e atribuições específicas de assessoria e consultoria. FUNÇÃO DE ASSESSORIA DA DIRETORIA A função de assessoria dos Diretores é uma responsabilidade transitória, vinculada ao mandato de cada Diretor, e de caráter de confiança dos respectivos diretores, de livre nomeação e exoneração, não sendo considerada segmento de carreira e sim função com responsabilidades e atribuições específicas de assessoria. 4. COMPETÊNCIAS As competências correspondem ao conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que associados geram resultado. As competências do SEBRAE/PB são definidas com base no Direcionamento Estratégico e nos macroprocessos. No caso de mudança das estratégias do SEBRAE/PB, eventualmente poderá ocorrer alteração nas competências, o que implicará em desconsideração da certificação das competências que não mais atendam a Organização e certificação de novas competências, podendo ocasionar débito de carreira dos colaboradores. As competências do SEBRAE/PB estão divididas em cinco (5) diferentes tipos, contemplando características e abrangências próprias: 8

9 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais 4.1 Competências Essenciais As competências essenciais descrevem a essência do SEBRAE/PB, referindo-se ao negócio e não diretamente aos empregados. Estas competências dão origem às competências genéricas, por espaço ocupacional, específicas e gerenciais em relação às quais os empregados evoluem e são avaliados. Desta forma, os empregados não são avaliados nas competências essenciais. 4.2 Competências Genéricas As competências genéricas são competências que estabelecem as condições básicas de atuação para todos os empregados e que conduzem à consecução dos objetivos do SEBRAE/PB. 4.3 Competências por Espaço Ocupacional As competências por espaço ocupacional direcionam os empregados ao desenvolvimento de atividades com mesmo nível de complexidade e responsabilidade. Tais competências são requeridas a todos os empregados que estão alocados no mesmo espaço ocupacional, independentemente do macroprocesso em que estão alocados. 4.4 Competências Específicas As competências específicas estão relacionadas a cada macroprocesso do SEBRAE/PB e direcionam os empregados ao desenvolvimento dos conhecimentos e habilidades necessários para atingir os resultados específicos de cada macroprocesso. 4.5 Competências Gerenciais As competências gerenciais direcionam os empregados que exercem função gerencial à consecução dos objetivos estratégicos e dos planos operacionais com utilização plena dos talentos humanos e dos recursos disponíveis. A lista completa de todas as competências e suas descrições encontra-se no Anexo I. 9

10 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais 5. ESCALA DE AVALIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Todas as competências são avaliadas através de uma escala, considerando quatro (4) níveis de proficiência e descrições únicas sobre a expectativa para cada nível, conforme representação abaixo: Níveis de Proficiência da Competência DEFINIÇÃO N /D DE AP EX NÃO DEMONSTRA DESENVOLVIMENTO APLICAÇÃO EXCELÊNCIA Competência não está sendo demonstrada. Competência sendo aprimorada, desenvolvida. O desempenho das atividades requer o acompanhamento de profissionais mais experientes, sendo capaz de solucionar questões mais simples da atividade/ processo. Pratica a competência há no mínimo 1 ano. Competência sendo aplicada. Sua utilização se focaliza na realização das atividades dentro dos padrões de qualidade e desempenho estabelecidos, sendo capaz de solucionar questões de média complexidade da atividade/processo. Pratica a competência há no mínimo 2 anos Competência sendo usada em estado de excelência. Sua utilização se focaliza em atividades de criação/ inovação, treinamento/ e/ou orientação, sendo capaz de solucionar questões de grande complexidade da atividade/processo Pratica a competência há no mínimo 4 anos 6. PONDERAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS De acordo com a complexidade e relevância das competências em relação aos resultados da Organização, dos macroprocessos e dos espaços ocupacionais são estabelecidos: peso do Tipo de Competência; peso do Nível da Proficiência e; peso da Competência. 6.1 Peso do Tipo de Competência O peso de cada tipo de competência é determinado em função das características do espaço ocupacional, bem como de sua relevância para a consecução dos objetivos estratégicos do SEBRAE/PB. Os pesos por tipo de competência são: Espaço Ocupacional Peso das Competências Genéricas Peso das Competências por Espaço Ocupacional Peso das Competências Específicas Total Consultor 25% 35% 40% 100% Analista 25% 35% 40% 100% Assistente 25% 35% 40% 100% Auxiliar 30% 35% 35% 100% 10

11 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais 6.2 Peso do Nível da Proficiência O peso do nível da proficiência é exponencial, conforme tabela abaixo: PESOS DO NÍVEL DA PROFICIÊNCIA Não demonstra Desenvolvimento Aplicação Excelência 0,00 0,25 0,50 1, Peso da Competência O peso de cada competência é determinado em função da relativização entre as competências de um mesmo tipo, considerando: complexidade para desenvolvimento na competência (conhecimentos e habilidades envolvidos) e; importância da competência para a consecução dos objetivos estratégicos do SEBRAE/PB. 7. AVALIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Todos os empregados devem ter suas competências avaliadas no primeiro ano de vigência do Sistema de Gestão de Pessoas. Nos anos subseqüentes, somente serão avaliadas as competências apontadas no Planejamento Estratégico de Pessoal. Estas avaliações deverão ocorrer no terceiro trimestre de cada ano. A avaliação das competências dos empregados é utilizada para efeito de enquadramento nos espaços ocupacionais e atribuição da remuneração, para movimentação horizontal e vertical, bem como para elaboração do plano de capacitação. No caso de haver possibilidade de evolução na carreira, a partir das condições referidas no item 3, o enquadramento pertinente deve ocorrer no mês de janeiro do ano subsequente à avaliação. A avaliação é baseada na competência, na sua descrição e na lista de evidências associadas. Para as competências específicas, são considerados também os conhecimentos e habilidades pertinentes. O manual do avaliador contém a metodologia e diretrizes para a realização das avaliações. 7.1 Comitês de Avaliação No processo de avaliação das competências dos empregados atuam: o Comitê Permanente de Avaliação e os Subcomitês. 11

12 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais Comitê Permanente de Avaliação O Comitê Permanente de Avaliação é formado por três (3) representantes de cada macroprocesso do SEBRAE/PB, sendo o gestor e dois (2) empregados habilitados (consultores ou analistas), além dos membros naturais (analista e consultores) vinculados funcionalmente à Unidade de Qualidade de Equipes. Todos os membros do Comitê Permanente de Avaliação serão habilitados como avaliadores de competências. Compete ao Comitê Permanente de Avaliação garantir a realização das avaliações com técnica, imparcialidade e justiça. A habilitação como avaliador ocorre por meio de treinamento formal. Na escolha dos avaliadores serão considerados os seguintes critérios de elegibilidade: ocupar o espaço ocupacional analista ou consultor; ter conhecimento de SEBRAE/PB; ter, no mínimo, dois anos de experiência de SEBRAE/PB; ter credibilidade junto ao grupo, isenção e senso de justiça; manter a avaliação de desempenho (atitudes) em grau mínimo SATISFATÓRIO em: - flexibilidade e, - relacionamento Interpessoal; No caso de existirem mais de dois (2) profissionais com o perfil acima mencionado, o critério de desempate será a pontuação na avaliação das competências. Os avaliadores que, na prática, não demonstrarem comportamento adequado ao perfil, serão substituidos Subcomitês para Avaliação das Competências dos Empregados Para a avaliação das competências dos empregados, são constituídos pela Unidade de Qualidade de Equipes, subcomitês formados por cinco (5) membros do Comitê Permanente de Avaliação, conforme especificado a seguir: o gestor do macroprocesso do avaliado; um (1) empregado do macroprocesso do avaliado; dois (2) empregados do SEBRAE/PB que mantenham relação profissional direta ou detenham conhecimentos profissionais sobre o avaliado e; um (1) representante da Unidade de Qualidade de Equipes, que atuará como mediador nas discussões do subcomitê. A avaliação do analista ou do consultor membro do Comitê Permanente de Avaliação (designado como avaliador) deve ser realizada pelo subcomitê sem a participação do avaliado. O resultado da avaliação é advindo do entendimento e/ou concordância dos membros do subcomitê. 12

13 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais Subcomitês para Avaliação das Competências dos Gerentes Enquanto estiver ocupando a função de gerente, o empregado é avaliado no rol de competências genéricas, por espaço ocupacional consultor e específicas, além das competências gerenciais. Para a avaliação das competências dos gerentes, são constituídos subcomitês de cinco (5) profissionais, sendo: - o diretor da área de supervisão; - um (1) dos pares (gerente) que mantenha relação profissional direta ou detenham conhecimentos profissionais sobre o avaliado; - dois (2) empregados do SEBRAE/PB que mantenham relação profissional direta ou detenham conhecimentos profissionais sobre o avaliado e; - o gestor da Unidade de Qualidade de Equipes, que atuará como mediador nas discussões do subcomitê. O resultado da avaliação é advindo do entendimento e/ou concordância dos membros do subcomitê. 8. CERTIFICAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Após o período de avaliações, a Unidade de Qualidade Equipes realiza a compilação das informações das avaliações e certifica o nível de proficiência atingido pelo empregado para todas as competências em que foi avaliado. Todas as certificações são documentadas em registros individuais. 9. VALIDAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS O recém-admitido para vaga que exija níveis de proficiência das competências acima dos requeridos no início da carreira, é conduzido ao processo de validação de competências durante seu primeiro ano no SEBRAE/PB. Após seis (6) meses de contratação, o empregado passa pela avaliação das competências do espaço ocupacional para o qual foi contratado, para validação dos níveis de proficiência nas competências e conseqüente ajuste de enquadramento. Após a validação das competências, o empregado ingressa no processo regular de avaliações, conforme períodos e critérios definidos. 10. SISTEMA DE PONTUAÇÃO Com base nos pesos, nos resultados das avaliações e respectivas certificações, todos os empregados do SEBRAE/PB obtêm uma pontuação. O resultado das avaliações anuais pode refletir em manutenção ou aumento de pontos por competência, comparativamente ao período anterior. 13

14 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais 11. MOVIMENTAÇÃO DE CARREIRA Existem duas possibilidades de evolução na carreira no SEBRAE/PB: horizontal e vertical. Tanto a movimentação horizontal quanto a movimentação vertical são regidas pelo Planejamento Estratégico de Pessoal, sendo a verba orçamentária condicionante para estas movimentações (conforme previsto no núcleo Provimento). Consultores CN1 CN2 CN3 CNn Analistas CEO1 CEO2 CEO3 CEOn CE1 CE2 CE3 CEn Assistentes CN1 CN2 CN3 CNn CEO1 CEO2 CEO3 CEOn CE1 CE2 CE3 CEn Legenda: Movimentação Horizontal CN1 CN2 CN3 CNn CEO1 CEO2 CEO3 CEOn Movimentação Vertical Auxiliares CE1 CE2 CE3 CEn CN Competência Genérica CN1 CN2 CN3 CNn CEO1 CEO2 CEO3 CEOn CE1 CE2 CE3 CEn CEO CE Competência por Espaço Ocupacional Competência Específica 11.1 Movimentação Horizontal É a evolução na carreira dentro do mesmo espaço ocupacional e ocorre por meio da progressão nos níveis de proficiência das competências, comprovada através do processo de avaliação das competências. É pré-condição para a movimentação horizontal que o empregado obtenha no mínimo doze (12) pontos na avaliação de atitudes, sendo que em nenhuma delas poderá obter avaliação no nível Não Satisfatório e cumprir no mínimo 70% das metas de realização no período anterior ao da avaliação das competências Movimentação Vertical É a evolução na carreira para o espaço ocupacional subseqüente, limitado ao macroprocesso em que o empregado está alocado. Para a movimentação vertical na carreira, são consideradas a aquisição do 14

15 Núcleo Organização dos Espaços Ocupacionais nível mínimo de proficiência nas competências para cada espaço ocupacional e o cumprimento dos requisitos mínimos. É pré-condição para a movimentação vertical que o empregado obtenha no mínimo doze (12) pontos na avaliação de atitudes, sendo que em nenhuma delas poderá obter avaliação no nível Não Satisfatório e cumprir no mínimo 70% das metas de realização no período anterior ao da avaliação das competências. 15

16 Núcleo Acompanhamento e Avaliação de Resultados 1. OBJETIVOS Este núcleo estabelece critérios e procedimentos para o acompanhamento e avaliação dos resultados obtidos pelas equipes e empregados do SEBRAE/PB. Os principais objetivos do núcleo Acompanhamento e Avaliação dos Resultados são: acompanhar os resultados organizacionais, processados pelo sistema de avaliação definido pelo SEBRAE Nacional como referência para a remuneração variável e para as ações de capacitação; sistematizar práticas de acompanhamento e avaliação dos resultados das equipes e do desempenho individual dos empregados; identificar pontos fortes e oportunidades de melhorias no desempenho e na carreira dos empregados e; subsidiar com informações os planos de ação de desenvolvimento dos empregados. 2. DIRETRIZES Os processos de acompanhamento e avaliação de resultados estabelecem os indicadores para monitoramento e gestão do desempenho das equipes e dos empregados do SEBRAE/PB. A avaliação dos resultados obtidos pelo SEBRAE/PB e pelas equipes determinam as condições de distribuição da remuneração variável. A avaliação dos resultados do SEBRAE/PB é decorrência dos indicadores apurados pela metodologia definida pelo SEBRAE Nacional anualmente e representa 70% do valor da remuneração variável. A avaliação dos resultados das equipes é decorrência dos indicadores de metas e prazos previstos no planejamento da Unidade, apurados anualmente e representa 30% do valor da remuneração variável. A avaliação do desempenho individual fundamenta-se no plano anual de trabalho de cada empregado, caracterizado pelas metas de realização, metas de desenvolvimento e capacitação e pelas atitudes desejadas pelo SEBRAE/PB. A avaliação de desempenho individual não determina valores de remuneração variável, mas constitui-se em condição para as movimentações verticais e horizontais. Todo o processo de acompanhamento e avaliação de resultados deve ser monitorado pela Unidade de Qualidade de Equipes. 3. PROCESSOS DO NÚCLEO 3.1 Acompanhamento dos Resultados Organizacionais A lógica de aferição e os indicadores mensurados são definidos através da metodologia definida pelo SEBRAE Nacional e administrada no SEBRAE/PB pela Unidade de Estratégias e Diretrizes. 16

17 Núcleo Acompanhamento e Avaliação de Resultados Ao final de cada período de acompanhamento dos resultados, a Unidade de Qualidade de Equipes compila do sistema de avaliação de resultados definido pelo SEBRAE as informações relativas aos indicadores que sustentam diretamente a remuneração variável e indiretamente as ações de capacitação. São indicadores de resultados organizacionais: Perspectiva Objetivo Indicadores Clientes Maximizar a satisfação do cliente - Índice de efetividade da ação. Excelência Operacional Atingir a excelência dos processos por meio de sistema estruturado de gestão - Índice de cumprimento de metas; - Índice de cumprimento de prazos. Finanças Promover a eficiência na gestão dos recursos financeiros - Custo da ação/metas realizadas. Para viabilizar a remuneração variável, o SEBRAE/PB deve totalizar na média 70% de atingimento de resultados relativos aos indicadores selecionados. 3.2 Acompanhamento dos Resultados das Equipes A lógica de aferição e os indicadores mensurados no acompanhamento dos resultados das equipes são definidos através do orçamento anual de cada Unidade. Ao final de cada exercício orçamentário, a Unidade de Qualidade de Equipes compila os dados de metas físicas e prazos apurando o resultado de cada equipe. Para viabilizar a remuneração variável, as equipes devem totalizar na média 70% de atingimento de resultados. 3.3 Acompanhamento do Desempenho Individual A lógica de acompanhamento do desempenho individual está baseada no plano de trabalho anual de cada empregado. Todos os empregados do SEBRAE/PB, com exceção dos diretores e assessores de diretoria, são incluídos no acompanhamento do desempenho individual Metodologia de Acompanhamento do Desempenho Individual O processo de acompanhamento é composto das seguintes etapas: Planejamento do acompanhamento O plano de trabalho de cada empregado é negociado entre gestor e subordinado, anualmente, no mês de dezembro, com base no planejamento anual da Unidade, onde são acordadas as 17

18 Núcleo Acompanhamento e Avaliação de Resultados metas de realização individual, as metas de desenvolvimento e capacitação e as atitudes desejadas pelo SEBRAE/PB. Estas metas referem-se a: - aquisição de maiores níveis de proficiência nas competências; - aquisição de conhecimentos ou habilidades que sejam complementares àquelas formalmente previstas no Sistema de Gestão de Pessoas; - melhoria na escala de avaliação das atitudes e; - metas de realização individual dentro de seu macroprocesso. Os gestores são devidamente orientados quanto ao processo, sua importância e seus objetivos. Acompanhamento do desempenho individual O superior imediato deve acompanhar o plano individual de trabalho, através de reuniões e análises com cada subordinado. Também deve fornecer feedback informal ao empregado, sempre que possível. O desempenho do empregado previsto no plano individual de trabalho deve ser acompanhado trimestralmente, quando deverão ser efetuados ajustes e/ou renegociação de metas. O objetivo desta etapa é a readequação do plano às condições atuais e a correção de eventuais desvios de performance. Avaliação do desempenho individual Todos os empregados do SEBRAE/PB elegíveis ao Sistema de Gestão de Pessoas são avaliados anualmente através de documento formal eletrônico administrado pela Unidade de Qualidade de Equipes, conforme modelo do Anexo II. A avaliação das metas de realização deve ser efetuada pelo próprio empregado (autoavaliação) e pelo superior imediato, conforme escala abaixo: ESCALA DEFINIÇÃO NOTAS SUPERIOR Supera expectativas no cumprimento da meta e no prazo. 4 SATISFATÓRIO Cumpre a meta e o prazo dentro do padrão esperado/planejado. 3 POUCO SATISFATÓRIO NÃO SATISFATÓRIO Deixa a desejar. Cumpre a meta, porém não cumpre o prazo. Não cumpre a meta e o prazo estabelecido no planejamento. 2 1 Após consenso avaliador/avaliado, a nota final da avaliação das metas de realização é calculada através de média aritmética simples das notas de cada item componente do plano de trabalho. 18

19 Núcleo Acompanhamento e Avaliação de Resultados A média de cumprimento de metas deve ser igual ou superior a 70% para viabilizar o crescimento horizontal ou vertical em carreira. A avaliação das atitudes consiste na consolidação da auto-avaliação, avaliação do superior imediato e avaliação dos pares do avaliado (empregados do mesmo espaço ocupacional alocados no mesmo macroprocesso), conforme escala apresentada a seguir: O gestor deve consolidar as avaliações e em consenso com o avaliado, preencher o formulário final de avaliação. A pontuação final de avaliação de atitudes é calculada através da somatória simples das notas atribuídas a cada atitude. Para viabilizar o crescimento horizontal ou vertical na carreira, o empregado deve atingir no mínimo doze (12) pontos na avaliação das atitudes, sendo que em nenhuma delas poderá obter avaliação no nível Não Satisfatório. Em 2006 será implantada a avaliação 360º para atitudes. A lista de atitudes e suas descrições encontram-se no Anexo III. Entrevista de feedback As entrevistas de feedback consistem na discussão e negociação da performance relativa às avaliações de metas de realização, atitudes e metas de desenvolvimento e capacitação, visando garantir a imparcialidade, transparência e validade do processo, além da verificação do nível de cumprimento das metas. Quando o superior imediato do avaliado considerar necessário, o representante da Unidade de Qualidade de Equipes apóia o processo de feedback. Caso o avaliado não concorde com algum aspecto de sua avaliação, insere seus comentários no próprio formulário de avaliação. Esse formulário é assinado formalmente pelo avaliado e pelo avaliador. 19

20 Núcleo Reconhecimento 1. OBJETIVOS O núcleo de reconhecimento tem como objetivo estabelecer as políticas e os procedimentos relativos à estrutura de remuneração do SEBRAE/PB. A estrutura de remuneração do SEBRAE/PB está baseada no conceito de remuneração estratégica que compreende o conjunto de diferentes formas de recompensa que se complementam, interagem e alinham o desenvolvimento profissional e os resultados individuais com os objetivos organizacionais. O mix de remuneração está composto por remuneração fixa, remuneração variável e benefícios. Os principais objetivos do núcleo são: estabelecer critérios e procedimentos para remunerar a aquisição de competências remuneração fixa; estabelecer critérios e procedimentos para remunerar o alcance de resultados organizacionais e de equipes remuneração variável e; estabelecer critérios e procedimentos para concessão de benefícios aos empregados do SEBRAE/PB benefícios. 2. DIRETRIZES A estratégia de remuneração está fundamentada em fatores que impactam diretamente no negócio. A remuneração de todos os empregados do SEBRAE/PB é composta por salário base, salário variável e benefícios, independente do espaço ocupacional em que esteja enquadrado e do macroprocesso onde atue. O salário base corresponde a uma jornada de trabalho de 40 (quarenta ) horas semanais, salvo os casos regulamentados em lei. Os funcionários que cumprem jornada de trabalho menor, têm o salário base calculado proporcionalmente à jornada de trabalho realizada. A função gerencial é remunerada através de gratificação complementar ao salário base, em caráter transitório, correspondente ao período de duração do exercício da função, não podendo ser incorporada à remuneração fixa. As Assessorias do Conselho Deliberativo Estadual e as Assessorias das Diretorias terão salário fixo pré-estabelecido, tendo direito aos benefícios. 3. PROCESSOS DO NÚCLEO 3.1 Remuneração Fixa Salário Base A remuneração fixa/salário base refere-se à quantia paga mensalmente como salário nominal, utilizado para efeito de registros legais. 20

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Ano: 2012 Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br

Ano: 2012 Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br Ano: 2012 POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br 2 Sumário 1 - PRINCÍPIOS GERAIS 2 - OBJETIVOS 3 -

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho GESTÃO DE PESSOAS IT. 45 07 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para solicitações referentes aos subsistemas de no que se refere aos processos de: Agregar pessoas recrutamento e seleção; Integrar

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Página 2 de 14 1 INTRODUÇÃO O Plano de Cargos e Salários do CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG, cuja última versão data de maio/2014,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 033/2013 18/09/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 033/2013 18/09/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 033/2013 18/09/2013 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados

Leia mais

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS...3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO...5 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO...6 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO...6

Leia mais

EDITAL N 4/2015 - PROEC BOLSA CULTURA

EDITAL N 4/2015 - PROEC BOLSA CULTURA EDITAL N 4/2015 - PROEC BOLSA CULTURA A Pró-Reitora de Extensão e Cultura PROEC, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no Estatuto da Universidade do Estado de Mato Grosso

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.8.

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO.3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS.3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO.5 4.6 5.6 6.6 7.7 8.8.8.8. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS...3 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO...5 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO...6 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO...6

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta;

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta; A FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com o objetivo de sempre aprimorar o cumprimento de suas finalidades, nos termos

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 022 01/06/2014

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 022 01/06/2014 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 022 01/06/2014 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados os requisitos

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas de Docentes

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E OPERACIONALIZAÇÃO Art. 1º - O Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo da Fundeste,

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CAPÍTULO I FINALIDADE

CAPÍTULO I FINALIDADE CAPÍTULO I FINALIDADE Art. 1º - O presente regulamento de recursos humanos tem por finalidade apresentar os princípios básicos de gestão de pessoas que devem orientar a área de Recursos Humanos no desempenho

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL. Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo.

PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL. Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo. PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo. PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 0 DE JULHO DE 2015

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Plano de Cargos, Salários e Carreiras versão 13 Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Crea SP 2015 Crea-SP- 1.1 DA UNIFICAÇÃO DE CARGOS E ALTERAÇÕES DE REQUISITOS PARA INGRESSO 1. ESTRUTURA

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2015 30/08/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2015 30/08/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2015 30/08/2015 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas de Docente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul EDITAL Nº 031/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL CAMPUS BENTO GONÇALVES DO IFRS O Diretor-Geral da Unidade Organizacional

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012

DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012 DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012 Institui o Comitê de Gestão de Gente, o Grupo de Líderes Cariocas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, o Curso para Gestores, a Certificação Profissional em

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 055/2014 23/11/2014

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 055/2014 23/11/2014 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 055/2014 23/11/2014 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas de Docentes

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL A Diretoria Executiva da Unimed Vale do Aço, no uso de suas atribuições contidas no Estatuto Social da Cooperativa, vem regulamentar o subsídio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais