LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009."

Transcrição

1 LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. PREFEITO MUNICIPAL DE FLORES DA CUNHA. Faço saber, em cumprimento ao disposto no inciso IV, do art. 63, da Lei Orgânica Municipal, que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei regula o tratamento jurídico diferenciado, simplificado e favorecido assegurado ao microempreendedor individual (MEI), às microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), doravante simplesmente denominadas MEI, ME e EPP, em conformidade com o que dispõe os art. 146, inc. III, d, art. 170, inc. IX, e art. 179, todos da Constituição Federal e a Lei Complementar Federal nº 123, de 14 de dezembro de 2006, criando a LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE DE FLORES DA CUNHA. Parágrafo único. Aplicam-se ao MEI todos os benefícios e todas as prerrogativas previstas nesta Lei para as ME e EPP. Art. 2º O tratamento diferenciado, simplificado, favorecido e de incentivo às microempresas, às empresas de pequeno porte e ao microempreendedor individual incluirá, entre outras ações dos órgãos e entes da administração municipal: I o incentivo à formalização de empreendimentos; II a unicidade e a simplificação do processo de registro e de legalização de empresários e de pessoas jurídicas; III a simplificação, racionalização e uniformização dos requisitos de segurança sanitária, metrologia, controle ambiental e prevenção contra incêndios, para os fins de registro, legalização e funcionamento de empresários e pessoas jurídicas, inclusive com a definição das atividades consideradas de alto risco; municipais. IV a preferência nas aquisições de bens e serviços pelos órgãos públicos

2 CAPÍTULO II DO REGISTRO E DA LEGALIZAÇÃO Seção I Da Inscrição e Baixa Art. 3º Todos os órgãos públicos municipais envolvidos no processo de abertura e fechamento de empresas deverão observar os dispositivos constantes da Lei Complementar Federal nº 123, de 2006, e Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de Parágrafo único. O processo de registro do microempreendedor individual deverá ter trâmite especial. Seção II Do Alvará Art. 4º Fica instituído o Alvará de Funcionamento Provisório a ser concedido pela Secretaria Municipal da Fazenda aos optantes do Simples Nacional, exceto nos casos em que o grau de risco da atividade seja considerado alto. 1º O Alvará de Funcionamento Provisório será concedido pelo Município, a título de autorização condicionada à localização e instalação de atividade econômica ou prestação de serviço, para posterior regularização definitiva. 2º O Alvará de Funcionamento Provisório terá validade de 90 (noventa) dias e poderá ser prorrogado, por uma única vez, por igual período, mediante pedido fundamentado. 3º O Alvará de Funcionamento Provisório será cancelado se após a notificação da fiscalização orientadora não forem cumpridas as exigências e os prazos estabelecidos nesta Lei. Art. 5º Para a expedição do Alvará de Funcionamento Provisório serão exigidos os seguintes documentos: I - se pessoa jurídica contrato social e CNPJ, assim como eventuais documentos que se fizerem necessários de acordo com a atividade a ser exercida; II - se pessoa física empresário MEI inscrição no CNPJ; III - Termo de Compromisso com a Administração Municipal (TCAM), conforme Anexo I da presente Lei; IV - Alvará de Bombeiros, emitido pelo Corpo de Bombeiros, ou órgão competente que o suceder, em atendimento à Lei Estadual de Prevenção contra Incêndio. 1º A concessão do Alvará de Funcionamento Provisório não isenta do pagamento de Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), se for o caso.

3 2º Quinze (15) dias antes do vencimento do Alvará de Funcionamento Provisório, o interessado, deverá comparecer ao órgão competente para esclarecimentos quanto às exigências e à continuidade de sua atividade econômica. 3º A Microempresa, a Empresa de Pequeno Porte e o Microempreendedor individual que descumprir o Termo de Compromisso firmado com a Administração Municipal (TCAM), será punido com multas constantes no Anexo I da presente Lei. 4º A interdição da atividade e cassação do Alvará de Funcionamento Provisório dar-se-á sempre que o fisco julgar conveniente, sem prejuízo de responsabilidade penal. Art. 6º O Alvará de Funcionamento Provisório não será concedido para atividades de risco que: I - abriguem aglomeração de pessoas; II - sirvam como depósitos ou manipulem produtos perigosos, inflamáveis, explosivos ou tóxicos; IV - comercialize produtos alimentícios em geral in natura ou industrializados; III - sejam poluentes; V forem definidas pelo Comitê para Gestão da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios - REDESIM no Estado do Rio Grande do Sul. Art. 7º Será concedido alvará em residência do MEI (Microempreendedor Individual) ou do titular ou sócio da ME (Microempresas) ou EPP (Empresa de Pequeno Porte) na hipótese em que a atividade não gere circulação de pessoas. Art. 8º A concessão do Alvará de Funcionamento Provisório considerará a compatibilidade da atividade com a legislação urbanística em vigor. Art. 9º Os casos divergentes com a legislação urbanística, deverão ser submetidos à análise da Secretaria Municipal de Planejamento. Art. 10. Para a expedição do Alvará de Funcionamento Provisório de Microempreendedor Individual, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, fica o Município desobrigado da realização de vistoria prévia quando envolver atividades não enquadradas em grau de alto risco, devendo a vistoria ser efetivada em até 90 (noventa) dias, prazo de validade do Alvará Provisório. Art. 11. Será obrigatória a realização de vistoria prévia do estabelecimento, sempre que as empresas se dediquem às atividades enquadradas em grau de alto risco, envolvendo requisitos de segurança sanitária, metrologia, controle ambiental e prevenção contra incêndios.

4 CAPÍTULO III DA FISCALIZAÇÃO ORIENTADORA Art. 12. A fiscalização municipal, nos aspectos de posturas, uso do solo, sanitário, ambiental e de segurança, relativos às microempresas, às empresas de pequeno porte e aos demais contribuintes, deverá ter natureza orientadora, quando a atividade ou situação, por sua natureza, comportar grau de risco compatível com esse procedimento. Art. 13. Nos moldes do artigo anterior, quando da fiscalização municipal, será observado o critério de dupla visita para lavratura de auto de infração, exceto na ocorrência de reincidência, fraude, resistência ou embaraço à fiscalização. Parágrafo único. Considera-se reincidência, para fins deste artigo, a prática do mesmo ato no período de 12 (doze) meses, contados do ato anterior. Art. 14. A dupla visita consiste em uma primeira ação, com a finalidade de verificar a regularidade do estabelecimento, e em ação posterior de caráter punitivo quando, verificada qualquer irregularidade na primeira visita, não for efetuada a respectiva regularização no prazo determinado. Art. 15. Quando na visita for constatada qualquer irregularidade, será lavrado um termo de verificação e orientação para que o responsável possa efetuar a regularização no prazo de 30 (trinta) dias, sem aplicação de penalidade. CAPÍTULO IV DO REGIME TRIBUTÁRIO Art. 16. As MEs e EPPs optantes pelo Simples Nacional recolherão o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) com base nesta Lei, em consonância com a Lei Complementar Federal nº 123, de 2006, e regulamentação pelo Comitê Gestor do Simples Nacional. Art. 17. O MEI poderá optar pelo recolhimento do ISSQN em valor fixo mensal, na forma regulamentada pelo Comitê Gestor, conforme previsto no art. 18-A da Lei Complementar Federal nº 123, de Art. 18. A retenção na fonte de ISS das microempresas ou das empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional somente será permitida se observado o disposto no art. 3º da Lei Complementar Federal nº 116, de 31 de julho de 2003, e deverá observar as seguintes normas: I a alíquota aplicável na retenção na fonte deverá ser informada no documento fiscal e corresponderá ao percentual de ISS previsto nos Anexos III, IV ou V da Lei Complementar Federal nº 123, de 2006, para a faixa de receita bruta a que a

5 microempresa ou a empresa de pequeno porte estiver sujeita no mês anterior ao da prestação; II na hipótese de o serviço sujeito à retenção ser prestado no mês de início de atividades da microempresa ou empresa de pequeno porte, deverá ser aplicada pelo tomador a alíquota correspondente ao percentual de ISS referente à menor alíquota prevista nos Anexos III, IV ou V da Lei Complementar Federal nº 123, de 2006; III na hipótese do inciso II deste artigo, constatando-se que houve diferença entre a alíquota utilizada e a efetivamente apurada, caberá à microempresa ou empresa de pequeno porte prestadora dos serviços, efetuar o recolhimento dessa diferença no mês subsequente ao do início da atividade em guia própria do Município; IV na hipótese de a microempresa ou empresa de pequeno porte estar sujeita à tributação do ISS no Simples Nacional por valores fixos mensais, não caberá a retenção a que se refere o caput deste artigo; V na hipótese de a microempresa ou empresa de pequeno porte não informar a alíquota de que tratam os incisos I e II deste artigo no documento fiscal, aplicarse-á a alíquota correspondente ao percentual de ISS referente à maior alíquota prevista nos Anexos III, IV ou V da Lei Complementar Federal nº 123, de 2006; VI não será eximida a responsabilidade do prestador de serviços quando a alíquota do ISS informada no documento fiscal for inferior à devida, hipótese em que o recolhimento dessa diferença será realizado em guia própria do município; VII o valor retido, devidamente recolhido, será definitivo, e sobre a receita de prestação de serviços que sofreu a retenção não haverá incidência de ISS a ser recolhido no Simples Nacional. Seção I Dos Benefícios Fiscais Art. 19. O escritório de serviços contábeis, contribuinte do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, no âmbito deste Município, que aderir ao Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional) instituído pela Lei Complementar Federal n 123, de 2006, recolherão o ISS em valor fixo mensal, por meio de documento de arrecadação do município, conforme o disposto no parágrafo 22-A do artigo 18 da referida Lei Complementar, calculado em relação a cada técnico de contabilidade e contador, habilitado, ou não, sócio, empregado, ou não, que prestem serviço em nome do escritório, na forma do Anexo II desta Lei. Parágrafo único. Na hipótese prevista no caput deste artigo, cada estabelecimento do escritório de serviços contábeis neste município recolherá mensalmente o imposto calculado por meio da multiplicação do valor individual estabelecido no Anexo II desta Lei pela soma do número de profissionais que atuem no estabelecimento.

6 Art. 20. Ficam reduzidos a 0 (zero) os valores referentes a taxas, emolumentos e demais custos relativos à abertura, à inscrição, ao registro, ao alvará, à licença e ao cadastro do microempreendedor individual. Art. 21. O Microempreendedor Individual MEI recolherá, aos cofres municipais, a título de Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza, R$ 5,00 (cinco reais), fixos por mês, pelo exercício de atividade de prestação de serviços. CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS Art. 22. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das MEs e EPPs somente será exigida para efeito de assinatura do contrato. Art. 23. As MEs e EPPs, por ocasião da participação em certames licitatórios, deverão apresentar toda a documentação exigida para efeito de comprovação de regularidade fiscal, mesmo que esta apresente alguma restrição. 1º Havendo alguma restrição na comprovação da regularidade fiscal, será assegurado o prazo de 2 (dois) dias úteis, cujo termo inicial corresponderá ao momento em que o proponente for declarado o vencedor do certame, prorrogáveis por igual período, a critério da Administração Pública, para a regularização da documentação, pagamento ou parcelamento do débito, e emissão de eventuais certidões negativas ou positivas com efeito de certidão negativa. 2º A não-regularização da documentação, no prazo previsto no parágrafo primeiro deste artigo, implicará decadência do direito à contratação, sem prejuízo das sanções previstas no art. 81, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, sendo facultado à Administração convocar os licitantes remanescentes, na ordem de classificação, para a assinatura do contrato, ou revogar a licitação. Art. 24. Nas licitações será assegurada, como critério de desempate, preferência de contratação para as microempresas e empresas de pequeno porte. 1º Entende-se por empate aquelas situações em que as propostas apresentadas pelas microempresas e empresas de pequeno porte sejam iguais ou até 10% (dez por cento) superiores à proposta mais bem classificada. 2º Na modalidade de pregão, o intervalo percentual estabelecido no 1º deste artigo será de até 5% (cinco por cento) superior ao melhor preço. Art. 25. Para efeito do disposto no art. 24 desta Lei Complementar, ocorrendo o empate, proceder-se-á da seguinte forma: I - a microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada poderá apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame, situação em que será adjudicado em seu favor o objeto licitado;

7 II - não ocorrendo a contratação da microempresa ou empresa de pequeno porte, na forma do inciso I do caput deste artigo, serão convocadas as remanescentes que porventura se enquadrem na hipótese dos parágrafos 1º e 2º, do art. 24 desta Lei Complementar, na ordem classificatória, para o exercício do mesmo direito; III - no caso de equivalência dos valores apresentados pelas microempresas e empresas de pequeno porte que se encontrem nos intervalos estabelecidos nos parágrafos 1º e 2º do art. 24 desta Lei Complementar, será realizado sorteio entre elas para que se identifique aquela que primeiro poderá apresentar melhor oferta. 1º Na hipótese da não-contratação nos termos previstos no caput deste artigo, o objeto licitado será adjudicado em favor da proposta originalmente vencedora do certame. 2º O disposto neste artigo somente se aplicará quando a melhor oferta inicial não tiver sido apresentada por microempresa ou empresa de pequeno porte. 3º No caso de pregão, a microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada será convocada para apresentar nova proposta no prazo máximo de 5 (cinco) minutos após o encerramento dos lances, sob pena de preclusão. Art. 26. Nas contratações públicas do Município, poderá ser concedido tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte objetivando a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito municipal e regional, a ampliação da eficiência das políticas públicas e o incentivo à inovação tecnológica. Art. 27. Para o cumprimento do disposto no art. 26 desta Lei Complementar, a administração pública poderá realizar processo licitatório: I - destinado exclusivamente à participação de microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações cujo valor seja de até R$ ,00 (oitenta mil reais); II - em que seja exigida dos licitantes a subcontratação de microempresa ou de empresa de pequeno porte, desde que o percentual máximo do objeto a ser subcontratado não exceda a 30% (trinta por cento) do total licitado; III - em que se estabeleça cota de até 25% (vinte e cinco por cento) do objeto para a contratação de microempresas e empresas de pequeno porte, em certames para a aquisição de bens e serviços de natureza divisível. 1º O valor licitado por meio do disposto neste artigo não poderá exceder a 25% (vinte e cinco por cento) do total licitado em cada ano civil. 2º Na hipótese do inciso II do caput deste artigo, os empenhos e pagamentos do órgão ou entidade da administração pública poderão ser destinados diretamente às microempresas e empresas de pequeno porte subcontratadas. quando: Art. 28. Não se aplica o disposto nos arts. 26 e 27 desta Lei Complementar

8 I - os critérios de tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte não forem expressamente previstos no instrumento convocatório; II - não houver um mínimo de 3 (três) fornecedores competitivos enquadrados como microempresas ou empresas de pequeno porte sediados local ou regionalmente e capazes de cumprir as exigências estabelecidas no instrumento convocatório; III - o tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte não for vantajoso para a administração pública ou representar prejuízo ao conjunto ou complexo do objeto a ser contratado; IV - a licitação for dispensável ou inexigível, nos termos dos arts. 24 e 25 da Lei nº 8.666, de CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 29. Qualquer situação que por ventura surja e não esteja prevista nesta Lei, será resolvida de acordo com o que preceitua a Lei Complementar Federal nº 123, de Art. 30. Os valores fixos, de base de cálculo e de multas estabelecidos nesta Lei Complementar serão reajustados anualmente, pelo índice da inflação auferida no período. Art. 31. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, com exceção ao que se refere à criação de tributos. Gabinete do Prefeito Municipal de Flores da Cunha, aos trinta dias do mês de dezembro do ano de dois mil e nove. ERNANI HEBERLE Prefeito Municipal

9 ANEXO I Multas devidas para casos de violação do Termo de Compromisso (TCAM), configurada por ação sem autorização ou por deixar de cumprir qualquer exigência da Secretaria Municipal da Fazenda. DESCRIÇÃO DA CONDUTA ÁREA FÍSICA OCUPADA PELA ATIVIDADE MULTA EM R$ DESCUMPRIMENTO DO TCAM Parcial Até 100m² 50,00 Integral Até 100 m² 100,00 Parcial De 100m² à 250 m² 80,00 Integral De 100m² à 250 m² 160,00 Parcial De 250m² à 350 m² 100,00 Integral De 250m² à 350 m² 200,00 Parcial Mais de 350 m² 150,00 Integral Mais de 350 m² 300,00

10 ANEXO II Tabela para lançamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, nos termos do artigo 19, desta Lei. ATIVIDADE R$ Escritórios de Serviços Contábeis: O valor devido mensalmente, por técnico de contabilidade e contador, 50,00 habilitado, ou não, sócio, empregado, ou não, que prestem serviço em nome do escritório.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL N. 1181 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual. PREFEITO MUNICIPAL DE GRAMADO XAVIER, no uso das

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.009/09 DE 24 DE NOVEMBRO DE O PREFEITO MUNICIPAL DE BARÃO DE COTEGIPE, Estado do

LEI MUNICIPAL Nº 2.009/09 DE 24 DE NOVEMBRO DE O PREFEITO MUNICIPAL DE BARÃO DE COTEGIPE, Estado do LEI MUNICIPAL Nº 2.009/09 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Micro empreendedor Individual, e dá outras providências. Rio Grande do Sul,

Leia mais

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I LEI Nº 2.493 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Municipal relativa ao Empreendedor Individual e dá outras providências A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

LEI Nº 3.383/2009. CÁSSIO LUIZ FREITAS MOTA, Prefeito Municipal de Canguçu, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 3.383/2009. CÁSSIO LUIZ FREITAS MOTA, Prefeito Municipal de Canguçu, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 3.383/2009 INSTITUI A LEI GERAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS CÁSSIO LUIZ FREITAS MOTA, Prefeito Municipal de Canguçu, Estado

Leia mais

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal ALTERA DISPOSITIVOS NA LEI Nº.1.303, DE 08 DE JULHO DE 2009, QUE REGULAMENTA NO MUNICIPIO DE CAMPO NOVO DO PARECIS O TRATAMENTO

Leia mais

LEI Nº 5.034, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 5.034, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 LEI Nº 5.034, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ESTRELA,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIQUEZA

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIQUEZA LEI Nº 0547, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido às microempresas, às empresas de pequeno porte e aos microempresários individuais de que trata a Lei Complementar

Leia mais

Prefeitura de Júlio de Castilhos

Prefeitura de Júlio de Castilhos LEI COMPLEMENTAR Nº 32, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. VERA MARIA SCHORNES

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 Regulamenta no Município de João Ramalho o tratamento diferenciado e favorecido ao micro empreendedor individual, às microempresas e empresas de pequeno porte de que

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL Nº 2619, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Micro empreendedor Individual, e dá Outras Providências. JÂNIO IVAN ANDREATTA,

Leia mais

Lei n.º 1.598, de 23 de dezembro de 2010.

Lei n.º 1.598, de 23 de dezembro de 2010. Lei n.º 1.598, de 23 de dezembro de 2010. Institui a Lei da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Empreendedor Individual, e dá outras providências. Sérgio Silveira da Costa, Prefeito Municipal em Exercício

Leia mais

Estado do Acre Prefeitura Municipal de Epitaciolândia. LEI COMPLEMENTAR Nº 006/ de outubro de 2010

Estado do Acre Prefeitura Municipal de Epitaciolândia. LEI COMPLEMENTAR Nº 006/ de outubro de 2010 Estado do cre LEI COMPLEMENTR Nº 006/2010 20 de outubro de 2010 Institui o tratamento diferenciado, favorecido e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas licitações no âmbito

Leia mais

Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL VELHO

Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL VELHO Lei Complementar n 024, de 16 de outubro de 2009. Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido às microempresas, às empresas de pequeno porte e aos microempresários individuais de que trata a Lei

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LADAINHA CGC: / PRAÇA FREI PEDRO, 02 CENTRO - LADAINHA/MG. TELEFAX:

PREFEITURA MUNICIPAL DE LADAINHA CGC: / PRAÇA FREI PEDRO, 02 CENTRO - LADAINHA/MG. TELEFAX: PREFEITURA MUNICIPAL DE LADAINHA CGC: 18.404.863/0001-90 PRAÇA FREI PEDRO, 02 CENTRO - LADAINHA/MG. TELEFAX: 33-3524-1277 DECRETO Nº 073/2011, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2011 Regulamenta o tratamento favorecido,

Leia mais

ESTADO DO ACRE PODER EXECUTIVO MUNICIPAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA DO PURUS LEI Nº O08/2011. EM 27 DE OUTUBRO DE 2011.

ESTADO DO ACRE PODER EXECUTIVO MUNICIPAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA DO PURUS LEI Nº O08/2011. EM 27 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº O08/2011. EM 27 DE OUTUBRO DE 2011. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 896/2010.

LEI MUNICIPAL Nº. 896/2010. LEI MUNICIPAL Nº. 896/2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SAGRADA FAMILIA, ESTADO

Leia mais

Estado de Santa Catarina GOVERNO MUNICIPAL DE IPUMIRIM

Estado de Santa Catarina GOVERNO MUNICIPAL DE IPUMIRIM LEI COMPLEMENTAR Nº 84, de 20 de Maio de 2010. Dispõe sobre a Lei Geral do Simples Nacional, em conformidade com a Lei Complementar Federal nº 123, de 14 de dezembro de 2006 e alterações; dá outras providências.

Leia mais

Estado de Santa Catarina

Estado de Santa Catarina LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2009 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS INDIVIDUAIS DE QUE TRATA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JACINTO MACHADO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JACINTO MACHADO LEI Nº 574 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS INDIVIDUAIS DE QUE TRATA A LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 1.881/2009 REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS INDIVIDUAIS DE QUE TRATA A LEI COMPLEMENTAR FEDERAL Nº 123, DE

Leia mais

LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. INSTITUI NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ITAIÓPOLIS, O REGIME JURÍDICO -TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO, FAVORECIDO E SIMPLIFICADO CONCEDIDO ÀS MICROEMPRESAS ME, E ÀS EMPRESAS

Leia mais

DECRETO Nº, DE 05 DE OUTUBRO DE 2011

DECRETO Nº, DE 05 DE OUTUBRO DE 2011 DECRETO Nº, DE 05 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a Lei nº 044, de 21 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado do Amapá. O GOVERNADOR DO

Leia mais

LEI Nº 2455/ 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 2455/ 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES - - LEI Nº 2455/ 2011 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITAMARANDIBA - MG, no uso

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº. 1460 de 03 de junho de 2011 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Micro empreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAPÃO DO

Leia mais

Lei Complementar n 063, de 18 de dezembro de 2009.

Lei Complementar n 063, de 18 de dezembro de 2009. Lei Complementar n 063, de 18 de dezembro de 2009. Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido às microempresas, às empresas de pequeno porte e aos microempresários individuais de que trata a Lei

Leia mais

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL N 2.869/2009 DE 19 DE AGOSTO DE 2009. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUAPORÉ ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA ADMINISTRAÇÃO

MUNICÍPIO DE GUAPORÉ ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO N : 1694/2013 CARTA CONVITE N : 322/2013 AQUISIÇÃO DE MATERIAL PARA DIVULGAÇÃO E INFORMAÇÃO À COMUNIDADE DAS AÇÕES E ATIVIDADES RELACIONADAS AO CRAS E AO PRONATEC DA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

PODER EXECUTIVO LEI Nº. 011/2014 DE 03 DE NOVEMBRO DE 2014

PODER EXECUTIVO LEI Nº. 011/2014 DE 03 DE NOVEMBRO DE 2014 ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE IAÇU - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Iaçu, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI Nº. 011/2014 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 02 DE SETEMBRO DE 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 02 DE SETEMBRO DE 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº. 2.644, DE 02 DE SETEMBRO DE 2010 Regulamenta, no município de São Gonçalo do Sapucaí, MG, o tratamento diferenciado e favorecido aos microempreendedores individuais, às microempresas

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Laje do Muriaé Gabinete do Prefeito Tel. (22) Fax: (22) LEI Nº.

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Laje do Muriaé Gabinete do Prefeito Tel. (22) Fax: (22) LEI Nº. LEI Nº. 614/2010 INSTITUI A LEI MUNICIPAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei regula o tratamento jurídico diferenciado, simplificado

Leia mais

"INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS".

INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Lei Ordinária de Porto Belo-SC, nº 1796 de 05/03/2010 LEI Nº 1796/2010 "INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS".

Leia mais

I - a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito regional;

I - a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito regional; DECRETO N 2.060, DE 20 DE MAIO DE 2008. Regulamenta o tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte ou equiparadas nas contratações públicas de bens, serviços

Leia mais

VI - a unicidade e a simplificação do processo de registro e de legalização de empresários e de pessoas jurídicas;

VI - a unicidade e a simplificação do processo de registro e de legalização de empresários e de pessoas jurídicas; LEI Nº 4437, de 20 de julho de 2010. INSTITUI A LEI GERAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. DR. EMIDIO DE SOUZA, Prefeito do Município de Osasco, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, FAZ

Leia mais

LEI Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015 LEI Nº 10.403, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015 Regulamenta o tratamento diferenciado e simplificado para as Microempresas ME, Empresas de Pequeno Porte EPP, e Microempreendedores Individuais MEI, nas licitações

Leia mais

DECRETO N DECRETA:

DECRETO N DECRETA: O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos V e VI do art. 87 da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei Complementar Federal n.º 123,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 059/2014

LEI COMPLEMENTAR Nº 059/2014 PUBLICADO NO DIOES MUNICÍPIO DE GUARAPARI EM 12.05.2014 LEI COMPLEMENTAR Nº 059/2014 INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Aos 06 (seis) dias do mês de julho do ano de 2015, o Município de Parazinho/RN, através da Prefeitura Municipal, CNPJ nº. 08.113.631/0001-29,

Leia mais

FÁBIO SCHROETER, Prefeito Municipal de Campo Verde, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais,

FÁBIO SCHROETER, Prefeito Municipal de Campo Verde, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, LEI COMPLEMENTAR N 060, DE 09 DE SETEMBRO DE 2015 DISPÕE SOBRE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO, INSTITUI O ALVARÁ PROVISÓRIO, ESTABELECE A VALIDADE DO DOCUMENTO DE ALVARÁ NO MUNICÍPIO

Leia mais

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO COTAÇÃO DE PREÇOS: Nº 352/2016/300 OBJETO: MATERIAIS P/ FILTRAÇÃO MILLIPORE VENCIMENTO: 18/05/2016 CONDIÇÕES GERAIS Condição de Pagamento: 30 DDL. Os pagamentos serão efetuados por meio de crédito em conta

Leia mais

DECRETA: CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e. Seção I Da Definição e Formalidades

DECRETA: CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e. Seção I Da Definição e Formalidades DECRETO Nº 9.353, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTA A LEI Nº 784, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-E E DISPÕE SOBRE A GERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 1. Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte, agricultores familiares, produtores rurais

Leia mais

INSTITUI A LEI GERAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI A LEI GERAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR Nº 46 DE 18 DE JUNHO 2014. INSTITUI A LEI GERAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PAULO ROGÉRIO BRUNELI Prefeito do

Leia mais

Uma Praia de Amigos Capital do Mel

Uma Praia de Amigos Capital do Mel PROJETO DE LEI Nº 051 DE 19 DE JUNHO DE 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, da Empresa de Pequeno Porte e do Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.233, DE 11 DE OUTUBRO DE 2007. Estabelece critérios para efeito de habilitação ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Gestão e Governo. Prezado Senhor,

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Gestão e Governo. Prezado Senhor, MENSAGEM Nº 088/2015 REGIME DE URGÊNCIA ESPECIAL Prezado Senhor, Pelo presente, encaminha-se Projeto de Lei que Institui o Alvará de Localização e Funcionamento Provisório para atividades de baixa complexidade,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO PARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO PARDO = LEI Nº 1.710, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010 = INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

O POVO DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS, ESTADO DO PARANÁ, POR SEUS VEREADORES NA CÂMARA MUNICIPAL, APROVOU E EU PREFEITO SANCIONO A SEGUINTE

O POVO DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS, ESTADO DO PARANÁ, POR SEUS VEREADORES NA CÂMARA MUNICIPAL, APROVOU E EU PREFEITO SANCIONO A SEGUINTE LEI Nº 1.936 SÚMULA: Institui o tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e as empresas de pequeno porte no âmbito do Município, na conformidade das normas gerais previstas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS PROJETO DE LEI Nº 38, DE 22 DE JUNHO DE 2010. Institui a Lei Geral da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Empreendedor Individual, e, institui o dia 5 de outubro de cada ano como Dia Municipal da

Leia mais

Laboratórios optantes pelo Simples Nacional

Laboratórios optantes pelo Simples Nacional Mudanças e atualizações no regime tributário dos Laboratórios optantes pelo Simples Nacional Humberto Marques Tibúrcio Versão 2 Outubro de 2.017 O regime tributário de uma empresa laboratorial é o conjunto

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT Orientação Técnica 0002/2015 UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS INTERESSADO: C/ CÓPIA: ASSUNTO: SECRETÁRIOS DE ESTADO E PRESIDENTES DE AUTARQUIAS,FUNDAÇÕES, EMPRESAS E DEMAIS ENTIDADES

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 9.540, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Disciplina a emissão da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e e dá outras providências, nos termos que especifica. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado

Leia mais

Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08

Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08 Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08 Dispõe a concessão de benefícios, na forma de isenção, redução ou estabelecimento de valores fixos do ICMS ou do ISS às Microempresas (ME)

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires LEI Nº 5.620, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa - ME, Empresa de Pequeno Porte - EPP, Microempreendedor Individual - MEI, e dá outras providências. AIRTON LUIZ ARTUS,

Leia mais

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ESTANTES E ARMÁRIOS DE AÇO ATRAVÉS DE REGISTRO DE PREÇOS, QUE ENTRE SI FAZEM A DE PRIMEIRO GRAU E A EMPRESA PROCESSO Nº /2010-EOF A DE PRIMEIRO

Leia mais

MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES. Paulo Sérgio de Monteiro Reis

MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES. Paulo Sérgio de Monteiro Reis MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES Paulo Sérgio de Monteiro Reis 1 Legislação envolvida Constituição federal vigente, arts. 170 e 179 Lei Complementar nº 123, de 2006, com as alterações

Leia mais

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. Itamar Borges, Prefeito da Estância Turística de Santa Fé do Sul, Estado de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensagem de veto Vigência Altera dispositivos da Lei Complementar n o 123, de 14

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTE BOA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTE BOA GABINETE DO PREFEITO ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTE BOA GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL N. 038 DE 16 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta no Município de Fonte Boa - AM o tratamento diferenciado às microempresas

Leia mais

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIÁRIAS SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO EMPRESAS Curitiba 2008 2 1 - CONCEITO O Sistema ISS Curitiba

Leia mais

CONVITE Nº 049A/2015

CONVITE Nº 049A/2015 Processo nº 0263.1511/15-2 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 049A/2015 DATA DA ABERTURA: 14/08/2015 HORA DA ABERTURA: 10:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N.º 1514 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS PEDROLIVIO PORTO PRADO, Prefeito

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

Declaração de Serviços Tomados

Declaração de Serviços Tomados Declaração de Serviços Tomados O que é isto? O que isto faz? Por meio desta página, qualquer contribuinte pode realizar a declaração dos serviços tomados para gerar as guias de Retenção. Nesta página,

Leia mais

DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009

DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009 DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009 Regulamenta a Lei Municipal n 5.767, de 30 de julho de 2.009 e complementa as Resoluções n 303 e 304, ambas de 18 de dezembro de 2.008 do CONTRAN, dispondo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO nº 01/2011

PREGÃO ELETRÔNICO nº 01/2011 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Serviço de Licitações e Contratos E D I TA L PREGÃO ELETRÔNICO nº 01/2011 O TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO (TRT

Leia mais

ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O:

ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O: CARTA CONVITE CONTRATAÇÃO DE SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS PARA 600 BOLSISTAS Nº/ANO: 034/2001 CONVIDADO / CGC: TELEFONE / FAX: ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O: Convidamos Vossa Senhoria a apresentar,

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 Dispõe sobre a regulamentação do processamento das consignações em folha de pagamento no Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos e Elaboração de Folha de Pagamento

Leia mais

LEI N.º 680/2016 DE 18 DE MARÇO DE 2016

LEI N.º 680/2016 DE 18 DE MARÇO DE 2016 LEI N.º 680/2016 DE 18 DE MARÇO DE 2016 Institui o Estatuto do Microempreendedor Individual, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte no Município de Groaíras, em conformidade com os artigos 146,

Leia mais

LEI Nº , DE 10 DE ABRIL DE AUTORIA: EXECUTIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº , DE 10 DE ABRIL DE AUTORIA: EXECUTIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº. 1.925, DE 10 DE ABRIL DE 2014. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. AUTORIA: EXECUTIVO MUNICIPAL PAULO

Leia mais

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 36/2014 2ª SEMANA SETEMBRO DE 2014

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 36/2014 2ª SEMANA SETEMBRO DE 2014 News Consultoria, treinamento para gestão administrativa e atuação em processos e negócios. CCA BERNARDON CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 36/2014 2ª SEMANA SETEMBRO DE 2014 DESTAQUES DA SEMANA: TRIBUTOS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 110

LEI COMPLEMENTAR N. 110 LEI COMPLEMENTAR N. 110 LEI COMPLEMENTAR N. 110 1 Regulamenta, no município de Poços de Caldas, o tratamento diferenciado e favorecido aos microempreendedores individuais, às microempresas e empresas de

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CIANORTE, ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte, LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CIANORTE, ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte, LEI: 1/11 LEI Nº 4090/2013 INSTITUI O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO, NA CONFORMIDADE DAS NORMAS

Leia mais

HÉLIO DE ALMEIDA BASTOS, Prefeito Municipal de Bebedouro, usando de suas atribuições legais,

HÉLIO DE ALMEIDA BASTOS, Prefeito Municipal de Bebedouro, usando de suas atribuições legais, PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 04/2008 Estabelece normas gerais conferindo tratamento jurídico diferenciado, simplificado e favorecido às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, de que trata a Lei Complementar

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR NUMERO 123 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 CAPÍTULO V SEÇÃO ÚNICA DAS AQUISIÇÕES PÚBLICAS

COMENTÁRIOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR NUMERO 123 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 CAPÍTULO V SEÇÃO ÚNICA DAS AQUISIÇÕES PÚBLICAS COMENTÁRIOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR NUMERO 123 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 CAPÍTULO V SEÇÃO ÚNICA DAS AQUISIÇÕES PÚBLICAS Verificando a letra do artigo 42 parece, á primeira vista, que há uma incongruência

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

LEI DO IMPOSTO NA NOTA FISCAL e no ECF Valor dos impostos deve constar na NOTA FISCAL/ECF

LEI DO IMPOSTO NA NOTA FISCAL e no ECF Valor dos impostos deve constar na NOTA FISCAL/ECF LEI DO IMPOSTO NA NOTA FISCAL e no ECF Valor dos impostos deve constar na NOTA FISCAL/ECF O objetivo é mostrar ao consumidor o valor dos impostos que incidem em cada compra de mercadoria ou serviço. O

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 DO OBJETO 1.1 Aquisição de umidificadores de ar destinados a atender às demandas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUAPE -ESTÂNCIA BALNEÁRIA- ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUAPE -ESTÂNCIA BALNEÁRIA- ESTADO DE SÃO PAULO LEI Nº 2.129, DE 25 DE MAIO DE 2012. INSTITUI A LEI GERAL DO MUNÍCIPIO DE IGUAPE, COM TRATAMENTO DIFERENCIADO À MICROEMPRESA, À EMPRESA DE PEQUENO PORTE E AO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 EDITAL Nº 035/2009 PROGRAMA DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO

Leia mais

PROCESSO Nº 1.23.000.001039/2014-06

PROCESSO Nº 1.23.000.001039/2014-06 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2015 PROCESSO Nº 1.23.000.001039/2014-06 VALIDADE: 12 MESES Aos 02 dias do mês de março de 2015, na, Sala de licitações, localizada na Rua Domingos Marreiros, nº 690 Bairro

Leia mais

LEI Nº 3.122 / 2010. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei.

LEI Nº 3.122 / 2010. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei. LEI Nº 3.122 / 2010 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, da Empresa de Pequeno Porte e do Microempreendedor Individual e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP realizará, às 15 horas do dia 12 de novembro de 2008, licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO, tipo MENOR PREÇO GLOBAL, conforme autorização da Senhora

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SETE BARRAS ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SETE BARRAS ESTADO DE SÃO PAULO LEI COMPLEMENTAR Nº. 1811/2015 De 1 de julho de 2015. Regulamenta no Município de Sete Barras, o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para microempresas, empresas de pequeno porte e microempreendedores

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

Requerente: ASSISTENTE FINANCEIRO DO CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 16ª REGIÃO CRP16/ES.

Requerente: ASSISTENTE FINANCEIRO DO CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 16ª REGIÃO CRP16/ES. Parecer nº 004/2016 Requerente: ASSISTENTE FINANCEIRO DO CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 16ª REGIÃO CRP16/ES. Assunto: Pregão Eletrônico Hotel para realização de Congresso Fase interna. 1. Consulta.

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014 O Município de Quatro Irmãos - RS, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, torna público para conhecimento dos interessados a abertura de

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014 Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 332, de 4 de abril de 2000, à Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003, e à Instrução CVM nº 476, de 16 de janeiro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.526/15.

LEI MUNICIPAL Nº 1.526/15. LEI MUNICIPAL Nº 1.526/15. Este ato esteve fixado no painel de publicação no podo de 22/09/2015 a 22/10/2015. Graziele Natividade Mat. 610 Responsável. Disciplina a concessão do Alvará de Localização Provisório

Leia mais

LEI N.º 1.460/09, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009

LEI N.º 1.460/09, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 1 LEI N.º 1.460/09, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 Institui a Lei Geral do Município de Senador Canedo, visando regulamentar o tratamento jurídico diferenciado, simplificado e favorecido assegurado às Microempresas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VALÉRIO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VALÉRIO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI N.º 418 DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DE LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE, DANDO EFETIVIDADE AO QUE ESTABELECE A LEI COMPLEMENTAR FEDERAL Nº. 123/06, e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº DE 20 DE DEZEMBRO DE Autor: Prefeitura Municipal de Miracatu

LEI Nº DE 20 DE DEZEMBRO DE Autor: Prefeitura Municipal de Miracatu LEI Nº 1.715 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. Autor: Prefeitura Municipal de Miracatu INSTITUI NO MUNICÍPIO DE MIRACATU O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO À MICROEMPRESA, À EMPRESA DE PEQUENO PORTE E AO

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014.

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. Dá nova regulamentação ao gerenciamento eletrônico do ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a Escrituração Econômico-Fiscal e a emissão de Documento

Leia mais

LEI W. 502/2009. CAPÍTULO I DISPOSiÇÕES PRELIMINARES

LEI W. 502/2009. CAPÍTULO I DISPOSiÇÕES PRELIMINARES :r ( ADM - 2009/2012 LEI W. 502/2009 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Micro empreendedor Individual, e dá outras providências. o PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO

Leia mais

Capítulo I. Seção I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS PENALIDADES

Capítulo I. Seção I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS PENALIDADES LEI Nº 7216 DE 18 DE JANEIRO 2016. DISPÕE SOBRE AS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS DERIVADAS DE CONDUTAS LESIVAS A SAÚDE PÚBLICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO

Leia mais

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 Estabelece os critérios relativos à Autorização de Funcionamento (AFE) e de Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POÇÕES ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE POÇÕES ESTADO DA BAHIA LEI Nº 945/2010 DE 23.12.2010. Institui o tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e as empresas de pequeno porte no âmbito do Município de Poções na conformidade das normas

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Quatis Gabinete do Prefeito. Decreto nº. 2197/2010

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Quatis Gabinete do Prefeito. Decreto nº. 2197/2010 Decreto nº. 2197/2010 REGULAMENTA AS ATIVIDADES DO MICROEMPREEDEDOR INDIVIDUAL NA CIDADE DE QUATIS. O PREFEITO DE QUATIS, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica Municipal; CONSIDERANDO o

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BURITIS GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BURITIS GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 7459/GAB/PMB/2017 Buritis, 02 de agosto de 2017. Institui a Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e da outras providências. CONSIDERANDO a necessidade de manter em registro as informações

Leia mais